Você está na página 1de 131

XC201 - Sensores Industriais

. .

Revisão Principais Autores Descrição da Versão Término


A Jaqueline Barbosa Magalhães Versão Inicial 19/04/2011
B Mágno Alves Martins da Mota Versão Final 15/01/2013

c Copyright 2013 por Exsto Tecnologia Ltda.


Todos os direitos reservados

”Desenvolvido e produzido com orgulho no Brasil”

Exsto Tecnologia Ltda


Rua Juca Castelo, 219 - Centro
Santa Rita do Sapucaı́ - MG
CEP: 37540-000
+55 35 3471 6898
www.exsto.com.br

2
Sumário

Lista de Figuras 10

1 Introdução 11

2 Apresentação do produto 12
2.0.1 Observação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

3 Objetivo deste documento 13

4 Orientação Pedagógica 14

Apostila Teórica 16

5 Introdução aos Sensores 17


5.1 Atuadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
5.2 Sensores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
5.3 Tipos de sinais de saı́da . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5.3.1 Analógicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5.3.2 Sinais discretos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5.3.3 Sinais digitais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5.4 Transdutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.5 Transmissores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.6 Controladores de Processos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

6 Caracterı́sticas dos Sensores Industriais 21


6.1 Sensibilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
6.2 Repetibilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
6.3 Exatidão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
6.4 Precisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
6.5 Linearidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
6.6 Alcance (range) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
6.7 Estabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
6.8 Velocidade de resposta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.9 Freqüência de Comutação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.10 Distância de Comutação (S) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.10.1 Distância Normal de Comutação (SN) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.10.2 Distância de Comutação de Trabalho (AS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.10.3 Distância de Comutação de Operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.11 Zona Morta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
6.12 Tempo Morto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
6.13 Resolução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
6.14 Histerese . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

3
XC201 - Sensores Industriais

6.15 Carga do Instrumento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24


6.16 Consumo de Corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
6.17 Corrente de Fuga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

7 Tipos de Saı́das para Sensores Digitais 25


7.1 NPN . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
7.2 PNP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
7.3 CA a dois fios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
7.4 Corrente contı́nua Namur . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

8 Tipos de Saı́das para Sensores Analógicos 27

9 PWM 28

10 Conversão Freqüência-Tensão 30

11 Sensores de Contato Fı́sico (mecânicos) 32

12 Sensores tipo Reed-Switch 34

13 Sensores Indutivos 36
13.1 Sensor Indutivo Analógico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

14 Sensores Capacitivos 38
14.1 Sensor Capacitivo Analógico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

15 Sensores Ópticos 40
15.1 Sensor Óptico por Retro-Reflexão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
15.2 Sensor Óptico por Transmissão (Barreira) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
15.3 Sensor Óptico por Reflexão Difusa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
15.4 LDR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
15.5 Fibras Ópticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
15.6 Sensores de Cor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

16 Encoders 44
16.1 Encoder Incremental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
16.1.1 Encoder Incremental com Condução Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
16.1.2 Encoder Incremental por Transmissão de Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
16.2 Encoder Absoluto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
16.3 Encoder Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
16.3.1 Encoder Linear Magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
16.3.2 Encoder Linear por Transmissão de Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

17 Sensores de Temperatura 50
17.1 Termistores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
17.1.1 PTC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
17.1.2 NTC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
17.2 PT100 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
17.3 Par Bimetálico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
17.4 Termopares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
17.4.1 Termopar tipo T . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
17.4.2 Termopar tipo J . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
17.4.3 Termopar tipo E . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
17.4.4 Termopar tipo K . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
17.4.5 Termopar tipo S - R . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

4
XC201 - Sensores Industriais

17.4.6 Termopar tipo B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55


17.4.7 Termopar tipo N . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

18 Sensor de Pressão 56
18.1 Sensor de Pressão Absoluta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
18.2 Sensor Gauge . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
18.3 Pressostato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

19 Sensor de Umidade e Temperatura do Ar 59


19.1 Termo-Higrômetro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

20 Sensores de Vazão 61
20.1 Placa de Orifı́cio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
20.2 Tubo de Venturi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
20.3 Tubo de Pilot . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
20.4 Sensores de vazão por turbinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
20.5 Medidores de vazão magnéticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
20.6 Engrenagens Ovais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

21 Sensores de Nı́vel 67
21.1 Bóia Magnética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
21.1.1 Caracterı́sticas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
21.1.2 Aplicações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
21.2 Bóia Lateral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
21.2.1 Caracterı́sticas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
21.2.2 Aplicações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
21.3 Bóia Pêra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
21.3.1 Caracterı́sticas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
21.3.2 Aplicações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
21.4 Condutivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
21.4.1 Caracterı́sticas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
21.4.2 Aplicações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
21.5 Transmissor de Nı́vel Hidrostático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
21.5.1 Caracterı́sticas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
21.5.2 Aplicações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
21.6 Transmissor de Nı́vel Ultra-sônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
21.6.1 Caracterı́sticas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
21.6.2 Aplicações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
21.7 Transmissor de Nı́vel Pendular (Yo-Yo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
21.7.1 Caracterı́sticas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
21.7.2 Aplicações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
21.8 Indicador de Nı́vel Régua Externa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
21.8.1 Caracterı́sticas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
21.8.2 Aplicações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
21.9 Chave de Nı́vel Pá Rotativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
21.9.1 Caracterı́sticas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
21.9.2 Aplicações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
21.10Transmissor de Nı́vel Capacitivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
21.10.1 Caracterı́sticas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
21.10.2 Aplicações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

5
XC201 - Sensores Industriais

22 Sensor de Gás 79
22.1 Sensores Eletroquı́micos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
22.2 Sensores Infravermelhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

23 Referências Bibliográficas 83

Caderno de Experiências 84

24 Aula 1 85
24.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
24.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
24.3 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
24.4 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

25 Aula 2 86
25.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
25.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
25.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
25.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
25.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

26 Aula 3 88
26.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
26.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
26.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
26.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
26.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
26.6 Prática 1 - PWM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

27 Aula 4 90
27.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
27.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
27.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
27.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
27.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
27.6 Prática 2 - Multimedidor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

28 Aula 5 92
28.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
28.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
28.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
28.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
28.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
28.6 Prática 3 - Conversor A/D e Comparador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

29 Aula 6 94
29.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
29.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
29.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
29.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
29.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94

6
XC201 - Sensores Industriais

30 Aula 7 95
30.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
30.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
30.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
30.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
30.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

31 Aula 8 96
31.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
31.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
31.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
31.4 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96

32 Aula 9 97
32.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
32.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
32.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
32.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
32.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
32.6 Prática 4 - Encoders . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

33 Aula 10 99
33.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
33.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
33.3 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
33.4 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99

34 Aula 11 100
34.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
34.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
34.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
34.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
34.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
34.6 Prática 5 - Sensores de Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

35 Aula 12 104
35.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
35.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
35.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
35.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
35.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104

36 Aula 13 105
36.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
36.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
36.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
36.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
36.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
36.6 Prática 6 - Sensor de Umidade / Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

7
XC201 - Sensores Industriais

37 Aula 14 107
37.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
37.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
37.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
37.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
37.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108

38 Aula 15 109
38.1 Objetivos: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
38.2 Referências: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
38.3 Material Necessário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
38.4 Introdução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
38.5 Questionário: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

39 Conteúdo do Kit: 112


39.0.1 Observação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
39.1 Conteúdo do CD em pastas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

40 Instalação do Hardware 114

41 Instalação do Software - AMK 120 Transdutor de Temperatura 115

42 Hardware 124
42.1 Pressure Sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
42.2 Universal Indicator . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
42.3 Power Supply / Security Button . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
42.4 Communication Interface . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
42.5 Photoeletric and Digital Sensors . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
42.6 Temperature Sensors . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
42.7 Analog Sensors . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131

8
Lista de Figuras

4.1 Tabela de Sensores Industriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

5.1 Variação de uma grandeza fı́sica de um sensor analógico. . . . . . . . . . . . . . . . 18


5.2 Sinais de um Encoder . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
5.3 Diagrama de bloco genérico de um transdutor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

6.1 Formas de resposta não-linear (esquerda) e linear (direita). . . . . . . . . . . . . . 22

7.1 Simbologia Sensor NPN . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25


7.2 Simbologia Sensor PNP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
7.3 Simbologia Sensor Dois Fios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
7.4 Simbologia Sensor Namur . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

9.1 Circuito ilustrativo para PWM. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28


9.2 Sinais de saı́das do PWM. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

10.1 Circuito conversor F/V analógico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30


10.2 Circuito conversor F/V digital. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

11.1 Funcionamento das Chaves . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32


11.2 Chaves ’Fim-de-Curso’ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
11.3 Esquemáticos das ligações ’Pull-Up’ e ’Pull-Down’ . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

12.1 Reed-Switch . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
12.2 Funcionamento da chave magnética. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
12.3 Reed-Switch usado como sensor de posição de pistões (1 - imã permanente locali-
zado na haste do pistão) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
12.4 Reed-Switch usado como sensor de velocidade em eixos rotativos. . . . . . . . . . . 35

13.1 Diagrama de um Sensor Indutivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

14.1 Diagrama de um Sensor Capacitivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

15.1 Detecção por Retro-Reflexão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41


15.2 Detecção por Barreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
15.3 Detecção por Reflexão Difusa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
15.4 Gráfico LDR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

16.1 Disco e gráfico do Encoder Incremental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45


16.2 Encoder Incremental com Condução Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
16.3 Encoder Incremental por Transmissão de Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
16.4 Disco e gráfico do Encoder Absoluto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
16.5 Tabela de valores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
16.6 Encoder Linear Magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
16.7 Encoder Linear por Transmissão de Luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

9
XC201 - Sensores Industriais

17.1 Curva caracterı́stica do PTC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51


17.2 Curva caracterı́stica do NTC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
17.3 Tabela de valores do PT100 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
17.4 Termostato com disco de par bimetálico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
17.5 Termopar de junção simples. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

18.1 Sensores de Pressão Atmosférica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57


18.2 Sensor de Pressão Diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
18.3 Gráfico de comparação entre o Sensor de Pressão Absoluta e o Sensor Gauge. . . . 58
18.4 Sistema de funcionamento do Pressostato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58

19.1 Sistema de funcionamento do Pressostato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59


19.2 Termo-higrômetro digital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

20.1 Funcionamento da Placa de Orifı́cio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62


20.2 Funcionamento do Tubo de Venturi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
20.3 Funcionamento do Tubo de Pilot . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
20.4 Funcionamento do Sensor de Vazão por Turbina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
20.5 Funcionamento do Sensor de Vazão por Turbina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

21.1 Bóia Magnética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68


21.2 Bóia Lateral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
21.3 Bóia Pêra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
21.4 Sensor de Nı́vel Condutivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
21.5 Sensor de Nı́vel Hidrostático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
21.6 Sensor de Nı́vel Ultra-sônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
21.7 Sensor de Nı́vel Pendular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
21.8 Sensor de Nı́vel Régua Externa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
21.9 Sensor de Nı́vel Pá Rotativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
21.10Sensor de Nı́vel Pá Rotativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78

22.1 Esquema de um Sensor de Gás Eletroquı́mico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80


22.2 Esquema do mecanismo de redução e oxidação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
22.3 Membrana hidrofóbica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
22.4 Membrana hidrofóbica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

39.1 Distribuição em arvore do conteúdo do CD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

42.1 Layout do módulo Sensor de Pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124


42.2 Layout do módulo Indicador Universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
42.3 Layout do módulo Power Supply/Security Button . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
42.4 Layout do módulo Interface de Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
42.5 Layout do módulo Sensores Digitais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
42.6 Layout do módulo Encoders / Sensores de Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . 130
42.7 Layout do módulo Sensores Analógicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131

10
Capı́tulo 1

Introdução

Este material didático tem como função guiar o aluno durante todo o seu aprendizado em
sistemas de Controle e Automação na área de Sensores.

Temos o propósito de explorar os conceitos abordados e imediatamente prover a integração


do aluno com o prazer da prática, tornado seu aprendizado mais interessante e consistente. Todo
o conteúdo aqui é abordado de forma a fomentar a vontade do aluno e aplicar o conhecimento de
forma imediata, permitindo que ele possa criar seus próprios circuitos a partir dos conhecimentos
adquiridos.

O conteúdo deste caderno se divide em: Uma introdução aos Sensores, o estudo de Sensores
de Temperatura, Óticos, Indutivos, Capacitivos, Encoders, além de demais sensores especı́ficos.

11
Capı́tulo 2

Apresentação do produto

O Kit Educacional XC201 é um ambiente de desenvolvimento que visa facilitar o aprendizado


e o desenvolvimento de aplicações voltadas ao estudo de Sistemas de Controle e Automação vol-
tada a Sensores Industriais.

As diversas aplicações estão dispostas de forma didática, com indicações na serigrafia dos
Painéis. Estão disponı́veis diversos pontos de medida (teste points) e ligações que permitem a
visualização dos sinais de maior relevância e a mobilidade para diversas ligações para diferentes
experiências. As principais caracterı́sticas do kit XC201 são:

• Bastidor em Alumı́nio Perfilado XC201;

• Modulo Pressure Sensor;

• Modulo Universal Indicator;

• Módulo Power Supply /Security Button;

• Módulo Comunication Interface;

• Módulo Photoeletric and Digital Sensors;

• Módulo Encoders e Temperature

• Módulo Analog Sensors

• CD com os manuais dos componentes dos módulos, esquemas elétricos e software necessário
para o uso dos mesmos.;

• Cabo tripolar;

• Documentação (Apostila, Caderno de Experiências e Manual).

2.0.1 Observação
A lista de Módulos a cima corresponde a todos os módulos disponı́veis para o produto. Então
verifique o Checklist do produto para verificar quais compõem a sua compra.

12
Capı́tulo 3

Objetivo deste documento

Este documento é divido em três unidades, com os seguintes conteúdos:

• Apostila: apresenta a conceituação teórica sobre o assunto do kit.

• Caderno de Experiências: traz a orientação para realização das experiências práticas.

• Manual de Operação e Manutenção: reúne as informações necessárias para instalação e


configuração do kit, além de trazer esquemas elétricos e outras informações importantes
para manutenção.

Documentos adicionais como guias de software e manuais de componentes estão também contidos
no CD ou DVD que acompanha o kit. Esse conteúdo será discutido oportunamente na seção
Manual.

13
Capı́tulo 4

Orientação Pedagógica

O material didático (apostila e caderno de experiências) tem como função guiar o aluno du-
rante todo o seu aprendizado em Sensores Industriais utilizando o kit XC201. A apostila
trás os conteúdos teóricos sobre sensores. Ela é organizada em capı́tulos, de forma que possa ser
dividida conforme o plano de aula e carga horária do curso.

Temos o propósito de explorar os conceitos abordados e imediatamente prover a integração do


aluno com o prazer da prática, tornando seu aprendizado mais interessante e consistente. Todo o
conteúdo aqui é abordado de forma a fomentar a vontade do aluno e aplicar o conhecimento de
forma imediata, permitindo que ele possa criar seus próprios circuitos a partir dos conhecimentos
adquiridos.

O curso , em especial as experiências práticas, foram pensadas com o objetivo de levar o aluno
a:

• Entender a importância do estudo dos Sensores Industriais;

• Compreender o funcionamento, a utilização e as caracterı́sticas dos Sensores;

• Aprender a identificar, testar e utilizar os Sensores Industriais.

Abaixo é apresentada uma proposição de divisão de aulas teóricas. Para cada aula destas existe
uma aula prática na seção ’Caderno de Experiências’ (para alguns conteúdos conceituais a aula
prática é na verdade um questionário sobre o assunto abordado). Recomendamos que na última
aula do módulo avançado fosse proposto um projeto envolvendo diversos conceitos estudados ao
longo do curso.

14
XC201 - Sensores Industriais

Figura 4.1: Tabela de Sensores Industriais

15
Capı́tulo 5

Introdução aos Sensores

No estudo da automação em sistemas industriais, comerciais, automobilı́sticos, domésticos,


etc., é preciso determinar as condições (ou variáveis) do sistema. É necessário obter os valores das
variáveis fı́sicas do ambiente a ser monitorado, e este é o trabalho dos sensores e suas aplicações
na automatização.

Inicialmente é preciso mostrar a diferenciação entre alguns elementos presentes em uma au-
tomação de qualquer natureza. Os principais elementos que atuam sobre a automação industrial
são os sensores e atuadores, pois eles verificam e interferem no ambiente. Portanto para melhor
compreender os sistemas onde os sensores industriais são utilizados é preciso primeiro conhecer
as termologias e os elementos utilizados nestes sistemas.

5.1 Atuadores
Os sistemas de automação industrial precisam executar movimentos mecânicos e controlar
mecanicamente o fluxo de fluidos em equipamentos para isso utilizam atuadores que é de extrema
importância na execução de uma tarefa, portanto é necessário que o mesmo seja adequadamente
projetado e adaptado as condições do seu meio e área de trabalho.

Os Atuadores são dispositivos que modificam uma variável controlada. Recebem um sinal pro-
veniente do controlador e agem sobre o sistema controlado. Geralmente trabalham com potência
elevada. Exemplos de alguns atuadores:

• Válvulas (pneumáticas, hidráulicas)

• Relés (estáticos, eletromecânicos)

• Cilindros (pneumáticos, hidráulicos)

• Motores (step-motor, syncro, servomotor)

• Solenóides

5.2 Sensores
Termo empregado para designar dispositivos sensı́veis a alguma forma de energia do ambiente
que pode ser luminosa, térmica, cinética, relacionando informações sobre uma grandeza que pre-
cisa ser medida (temperatura, pressão, velocidade, corrente, aceleração, posição, etc.) a um sinal
de saı́da.

17
XC201 - Sensores Industriais

5.3 Tipos de sinais de saı́da


5.3.1 Analógicos
Esse tipo de sensor pode assumir qualquer valor no sinal de saı́da ao longo do tempo, desde
que esteja dentro da sua faixa de operação.
Algumas das grandezas fı́sicas que podem assumir qualquer valor ao longo do tempo são: pressão,
temperatura, velocidade, umidade, vazão, força, ângulo, distância, torque, luminosidade. Essas
variáveis são mensuradas por elementos sensı́veis com circuitos eletrônicos não digitais.

Figura 5.1: Variação de uma grandeza fı́sica de um sensor analógico.

5.3.2 Sinais discretos


São sinais que só assumem dois estados: verdadeiro ou falso, aberto ou fechado.
Esses sinais são provenientes de sensores tipo chaves de campo (chave de nı́vel, de pressão, de
temperatura, fim de curso).

5.3.3 Sinais digitais


Esse tipo de sensor pode assumir apenas dois valores no seu sinal de saı́da ao longo do tempo,
que podem ser interpretados como zero ou um. Não existem naturalmente grandezas fı́sicas
que assumam esses valores, mas eles são assim mostrados ao sistema de controle após serem
convertidos pelo circuito eletrônico do transdutor. É utilizado, por exemplo, em detecção de
passagem de objetos, encoders na determinação de distância ou velocidade, etc.

18
XC201 - Sensores Industriais

Figura 5.2: Sinais de um Encoder

5.4 Transdutores
É a denominação que recebe um dispositivo completo, que contém o sensor, usado para trans-
formar uma grandeza qualquer em outra que pode ser utilizada nos dispositivos de controle ou
seja. Um transdutor pode ser considerado uma interface ás formas de energia do ambiente e o
circuito de controle ou eventualmente entre o controle e o atuador.

Se um sensor é um elemento que recebe e responde a um estı́mulo, convertendo um tipo de


energia em outro, um transdutor, por sua vez, é um dispositivo que converte um tipo de energia
em um sinal elétrico. Ou seja, os transdutores transformam uma grandeza fı́sica (temperatura,
pressão, etc.) em um sinal de tensão ou corrente que pode ser facilmente interpretado por um
sinal de controle.

Muitas vezes os termos ’sensor’ e ’transdutor’ são usados indistintamentes. Neste caso, o
transdutor é o instrumento completo que engloba sensor e todos os circuitos de interface capazes
de serem utilizados numa aplicação industrial.

Figura 5.3: Diagrama de bloco genérico de um transdutor.

5.5 Transmissores
Dispositivos que preparam o sinal de transdutores para utilização a distância, fazendo certas
adequações aos sinais as quais se chamam padrões de transmissões de sinais. Um exemplo bas-
tante conhecido é o ’Loop’ 4 a 20mA, um padrão de transmissão de sinais em corrente.

19
XC201 - Sensores Industriais

O termo transmissor é utilizado também para dispositivos que integram um sensor,transdutor


e transmissor no mesmo dispositivo.

Os padrões mais utilizados para transmissão de sinais analógicos são: 3 a 15 PSI; 4 a 20mA;
0 a 20mA e 0 a 10V.

Para transmissão de sinais digitais utilizam-se protocolos de comunicação para redes indus-
triais (fieldbus). Os protocolos de comunicação abertos mais conhecidos para comunicação entre
controladores lógicos programáveis e outros dispositivos são: Modbus, PROFBUS-DP, Fieldbus
Foudation, CAN, LonWorks, Interbus-S e Industrial Ethernet. Os padrões de comunicação serial
mais tilizados na camada fı́sica desses protocolos são: RS-232, RS-422 e principalmente o RS-485.

Existem protocolos de comunicação industriais proprietários que são também muito utilizados,
como, por exemplo, os protocolos da ALLEN-BRADLEY : ControlNET, DH+, Remote I/O e
DeviceNet (utilizados também em transmissores e atuadores).

5.6 Controladores de Processos


Controlar um processo significa atuar sobre ele, ou sobre as condições a que o processo está
sujeito.

Na automação industrial, controladores de processo são equipamentos responsáveis pelo con-


trole de processo industrial ou parte dele através de algoritmos de controle especı́ficos, tais como
PID, lógica fuzzy ou redes neurais. Podem ser ainda equipamentos programáveis capazes de rea-
lizar diversos tipos de algoritmos lógicos e matemáticos.

Em grande parte das configurações, um controlador é responsável por uma única malha de
controle. Por exemplo, uma malha de controle de temperatura é composta de um medidor de
temperatura, um controlador e um aquecedor. Neste caso, os controladores são chamados de
controladores de malha. Esses instrumentos são dedicados em sua função e podem enviar dados
diversos para outros dispositivos ou outras malhas no processo.

Entre outros, podemos encontrar em diversos tipos de plantas industriais, controladores de


temperatura (pirômetros), vazão, pressão, nı́vel, posicionamento, etc.

Em outros casos, o mesmo equipamento pode ser responsável por diversas malhas simultane-
amente. Em geral isso é feito por Controladores Lógicos Programáveis, SDCDs ou equipamentos
semelhantes.

Os controladores de processo mais antigos eram pneumáticos. Após a popularização do tran-


sistor na década de 50, a maioria desses instrumentos passou a utilizar eletrônica analógica com
amplificadores operacionais. Após a década de 80, a maioria dos controladores passou a utilizar
microprocessadores.

A comunicação entre os controladores e demais componentes de sistemas de controle evoluiu


de maneira semelhante, passando de sinais e comandos pneumáticos para transmissão através de
corrente e tensão e posteriormente evoluı́ram para a utilização de redes, sendo que já existem
inclusive instrumentos e controladores com comunicação wireless.

20
Capı́tulo 6

Caracterı́sticas dos Sensores


Industriais

Existem uma série de caracterı́sticas relacionadas aos sensores que devem ser levadas em
consideração na hora da seleção do instrumento mais indicado para uma dada aplicação.

6.1 Sensibilidade
Sensibilidade ou ganho é a razão entre o sinal de saı́da e de entrada para um dado sensor ou
transdutor.

No caso de sensores analógicos, a sensibilidade está ligada à relação entre uma variação na
grandeza fı́sica em questão e a variação na medida elétrica fornecida pelo instrumento, ou seja,
um sensor muito sensı́vel é aquele que fornece uma variação na saı́da para uma pequena variação
da grandeza medida.

6.2 Repetibilidade
Repetibilidade para é a medida da capacidade de um instrumento repetir a mesma saı́da (me-
dida) para um dado valor, quando a mesma entrada precisa é aplicada várias vezes. Ou então o
percentual de desvio da distância de comutação entre dois acionamentos consecutivos.

Para obter a repetibilidade, às vezes são necessárias múltiplas leituras.

6.3 Exatidão
É a Diferença absoluta entre o valor do sinal de saı́da entregue pelo sensor e o valor do sinal
ideal que o sensor deveria fornecer para esse determinado valor de grandeza fı́sica.

Significa o quanto o sensor é capaz de indicar um valor próximo do valor real. A exatidão é
representada em termos da ’inexatidão’ do sensor, por exemplo: 2
Obs.: Não há sentido em se falar de exatidão de um instrumento isoladamente. Consiste então
no erro da medida realizada por um transdutor em relação a um medidor padrão.

6.4 Precisão
É a medida da consistência do sensor e indica seu grau de repetibilidade, isto é qual a capa-
cidade do sensor em indicar o mesmo valor, estando nas mesmas condições de operação, em um

21
XC201 - Sensores Industriais

dado perı́odo de tempo.

Em geral, os instrumentos são especificados em termos de sua exatidão e não da sua precisão.
A especificação informa o valor da exatidão em termos de percentagem em torno do valor exato
(para mais ou para menos), isto é, informa o desvio que o instrumento pode proporcionar.

Por exemplo, um sensor de nı́vel com exatidão de 10 cm , pode ter sua medida na faixa de
mais ou menos 10 cm em torno do valor real, isto é pode variar de 10 cm para mais ou para
menos. Neste caso, uma indicação de nı́vel de 3 m pode significar qualquer nı́vel entre 2,9 e 3,1
m.

Ao contrário, precisão não é indicada pelo fabricante e está sempre na mesma direção, isto é
o desvio será sempre para mais ou para menos. Um instrumento preciso pode informar o valor
errado, mas ele é consistente com essa informação. Logo o desvio provocado por um dispositivo
preciso pode ser removido. Ou seja, maior valor de erro que um instrumento possa ter ao longo
de sua faixa de medição.

6.5 Linearidade
Esse conceito se aplica a sensores analógicos. É o grau de proporcionalidade entre o sinal
gerado e a grandeza fı́sica, obtém-se variações iguais do sinal entregue. Quanto maior, mais fiel é
a resposta do sensor ao estı́mulo. Os sensores mais usados são os mais lineares, conferindo maior
precisão ao sistema de controle e . Os sensores não lineares são usados em faixas limitadas, em
que os desvios são aceitáveis, ou com adaptadores especiais que corrigem o sinal.

Figura 6.1: Formas de resposta não-linear (esquerda) e linear (direita).

6.6 Alcance (range)


Define-se como faixa ou range a todos os nı́veis de amplitude da grandeza fı́sica medida nos
quais se supõe que o sensor pode operar dentro da precisão especificada. Assim, como exemplo,
um sensor de pressão pode ser fabricado para operar de 60 mmHg até 300 mmHg. A amplitude
dessa escala é definida como faixa.

6.7 Estabilidade
Está relacionada com a flutuação da saı́da do sensor. Se a flutuação for muito alta, ou seja,
se o sensor possuir uma baixa estabilidade, a atuação do controlador que utiliza esse sinal pode
ser prejudicada.

22
XC201 - Sensores Industriais

6.8 Velocidade de resposta


Trata-se da velocidade com que a medida fornecida pelo sensor alcança o valor real do pro-
cesso. Em sistemas realimentado o ideal é que o sensor utilizado tenha uma resposta instantânea,
pois uma resposta lenda pode prejudicar muito a eficiência do sistema de controle e até impedir
que o sistema funcione a contento.

6.9 Freqüência de Comutação


É o número máximo de acionamentos por segundo que um sensor pode responder, sem al-
terações ou falhas de pulsos, para a maioria dos sensores de aproximação este valor situa-se em
torno de 1KHz.

6.10 Distância de Comutação (S)


É a distância registrada quando ocorre uma comutação aproximando-se o atuador padrão pa-
ralelamente à face sensı́vel do sensor.

6.10.1 Distância Normal de Comutação (SN)


É a distância de comutação determinada em condição normais de temperatura e tensão, uti-
lizando o atuador padrão.

6.10.2 Distância de Comutação de Trabalho (AS)


É a distância entre o elemento a ser detectado e a face sensı́vel do sensor, que irá assegurar um
acionamento seguro, levando-se em consideração os desvios de temperatura e tensão, bem como
vibrações mecânicas que poderiam alterar o posicionamento do elemento a ser detectado. Esta
distância deve ser no máximo 85% da distância normal de comutação (SN).

6.10.3 Distância de Comutação de Operação


Além de levar em consideração a distância de comutação de trabalho (AS), devemos observar
em que aplicações normais na indústria não é utilizado o atuador padrão na comutação do sensor,
sendo assim, devemos considerar o tipo de material de que é feito o elemento a ser detectado, o
que acarretará num valor menor na distancia de atuação do sensor.

6.11 Zona Morta


É a faixa onde o sensor não consegue responder. Ela define o valor necessário de variação do
processo (da variável em medição) para que o medidor comece a percebê-lo.

23
XC201 - Sensores Industriais

6.12 Tempo Morto


É o tempo necessário para que o sensor comece a responder a alterações na variável medida
(entrada).

6.13 Resolução
É menor mudança na entrada do sensor que irá resultar em uma mudança na saı́da do mesmo.
A resolução dá uma indicação de quão pequena uma variação na entrada de energia pode ser
percebida por um sensor.

6.14 Histerese
É a diferença, em porcentagem, entre o ponto de comutação e o ponto de descomutação da
saı́da. Quando o alvo está se distanciando da face ativa do sensor ele precisa se afastar mais
do que a distância de comutação para desacionar a saı́da do sensor. Sem histerese suficiente, a
saı́da do sensor de proximidade irá ’rebotear’ (comutar e descomutar continuamente) quando há
vibração significativa do alvo (ou mesmo do sensor).

Exemplo: Se o sensor entregar um determinado valor de saı́da para um estı́mulo crescente


do sinal de entrada ao passar pelo valor X1, e outro valor diferente na saı́da para um estı́mulo
decrescente do sinal de entrada ao passar pelo mesmo valor X1, então nesse caso se diz que há
uma histerese no sensor.

6.15 Carga do Instrumento


Um instrumento de medida (elemento primário) sempre extrai alguma energia do meio onde
encontra-se instalado realizando suas medições. Sem isto seria impossı́vel realizar a medição. Mas
a grandeza medida é sempre perturbada pelo meio ou pelo ato da medição, o que torna uma me-
dida perfeita, teoricamente, impossı́vel de ser alcançada. Portanto, bons instrumentos devem ser
projetados para minimizar este efeito. Este efeito de carga do instrumento está associado à sua
rigidez ou impedância de entrada.

6.16 Consumo de Corrente


A corrente consumida pelo sensor de proximidade quando a saı́da do dispositivo está desati-
vada.

6.17 Corrente de Fuga


Corrente que flui através da saı́da quando ela está na condição ’desligada’ ou não energizada.
Esta corrente é necessária para alimentar a parte eletrônica do sensor.

24
Capı́tulo 7

Tipos de Saı́das para Sensores


Digitais

7.1 NPN
O estágio da saı́da é composto por um transistor NPN, fazendo o chaveamento do pólo negativo
da carga.

Figura 7.1: Simbologia Sensor NPN

7.2 PNP
O estágio da saı́da é composto por um transistor PNP, fazendo o chaveamento do pólo positivo
da carga.

Figura 7.2: Simbologia Sensor PNP

25
XC201 - Sensores Industriais

7.3 CA a dois fios


O sensor possui apenas dois fios que são ligados em série com a carga.

Figura 7.3: Simbologia Sensor Dois Fios

7.4 Corrente contı́nua Namur


Utilizado em atmosferas potencialmente explosivas, onde é adotada o sistema de segurança
Intrı́nseca, não possuem em sua saı́da o estágio de amplificador incorporado, transmitindo apenas
um sinal de corrente de que deve ser amplificado.

Figura 7.4: Simbologia Sensor Namur

26
Capı́tulo 8

Tipos de Saı́das para Sensores


Analógicos

Entradas e saı́das lógicas são aquelas que possuem apenas dois resultados, 0 e 1. Sendo o
resultado 0 = 0V e o resultado 1 = 24V.

As Entradas e Saı́das Analógicas podem variar passo a passo dentro de seu gradiente de va-
riação.

Por exemplo: digamos que o Laboratório tenha um sensor analógico 0 a 10V. Este sensor
poderá variar sua tensão entre 0V e 10V assumindo valores tais como: 1,5V, 4V, 8V.

Existem hoje em dia inúmeros tipos de sensores analógicos, com saı́das lineares ou não, as
quais podem variar dentre uma gama de infinitos valores. Porém estes valores nem sempre podem
ser interpretados corretamente pelos controladores de processo, por isso foram convencionados
alguns valores padrões para entradas e saı́das analógicas na área de automação industrial. Estes
valores são:

• 0 - 10V;

• 4 - 20mA;

• -10 - 10V;

• 0 - 20mA.

Sendo que os dois primeiros são os mais utilizados.

Controladores que trabalham com variáveis analógicas têm conversores analógico-digitais (A/D)
intrı́nsecos aos seus sistemas. Atualmente no mercado os conversores de 15 bits são os mais po-
pulares.

Dentre as principais medidas feitas de forma analógica na automação estão temperatura,


vazão, nı́vel e pressão.

27
Capı́tulo 9

PWM

A sigla PWM é a abreviação de Pulse Width Modulation que significa modulação por largura
de pulso. Para se entender como funciona esta tecnologia de controle de potência, vamos iniciar
com o seguinte circuito, que ilustra o funcionamento através de um interruptor que tem sua ação
determinada por um circuito de controle, como mostra a figura a seguir.

Figura 9.1: Circuito ilustrativo para PWM.

No circuito ilustrativo, quando o interruptor está aberto não há passagem de corrente para
a carga, por conseqüência a potência é zero. Quando o interruptor é fechado, a carga recebe a
tensão total, e por conseqüência a potência máxima.

Este princı́pio de abertura e fechamento de interruptor é justamente o que acontece no PWM.


Para controlar a potência na carga, basta fazer com que o interruptor fique alternando entre
fechado e aberto. Para que tenhamos metade da potência aplicada na carga, basta fazermos com
que os tempos de pulso sejam iguais a seus intervalos. É claro que não é possı́vel usar um inter-
ruptor para se obter um circuito com PWM, pois não conseguirı́amos pressioná-lo na velocidade
necessária. Porém sua implementação com o auxilio de um microcontrolador é extremamente
simples.

Um controle PWM permite, por exemplo, variar a velocidade de um motor DC através de


pulsos. O ’tempo’ deste pulso determinará a velocidade do motor. Quanto maior for a duração de
T1 e menor a duração de T2, maior será a velocidade. Quanto menor a duração de T1 e maior a
duração de T2, menor será a velocidade. Vale salientar que os pulsos têm sempre o valor máximo
da tensão aplicada (menos as quedas no circuito), proporcionando assim alto torque, mesmo em
baixas velocidades. O que garante partidas suaves mesmo quando há uma carga maior sobre os
motores. Veja a figura a seguir.

28
XC201 - Sensores Industriais

Figura 9.2: Sinais de saı́das do PWM.

Sendo assim, vemos que este método de controle é o ideal para aplicações de motores CC
para a tração de pequenos robôs, braços mecânicos, esteiras e outros tipos de automatismos.

29
Capı́tulo 10

Conversão Freqüência-Tensão

Os Conversores Freqüência Tensão são largamente utilizados em circuitos decodificadores de


sinais modulados em freqüência para recuperação de sinais digitais e de sinais analógicos, como
por exemplo em circuitos de tacômetro e encoders para medida de rotação de motores elétricos.

Há basicamente duas formas básicas de se converter freqüência em tensão, forma analógica e
forma Digital.

Uma das técnicas mais comum na conversão Freqüência Tensão de maneira analógica é a que
utiliza a integração de pulsos. Esta técnica consiste de um circuito monoestável (circuito que gera
pulsos de tensão com duração precisa e a mesma freqüência do sinal de entrada), uma corrente
de referência (Io), uma chave analógica (S) e um filtro passa-baixas (R1C1).

Figura 10.1: Circuito conversor F/V analógico.

30
XC201 - Sensores Industriais

Já para conversores digitais, são encontrados alguns circuitos integrados próprios para esta
função. O mais utilizados deles é o TC940.

Figura 10.2: Circuito conversor F/V digital.

31
Capı́tulo 11

Sensores de Contato Fı́sico


(mecânicos)

São sensores que necessitam estar em contato com a grandeza a ser monitorada. além de
produzir um sinal de medida.

Existem sensores de contato para vários nı́veis de sofisticação. Desde sensores simples como
chaves (que são usadas para identificar a presença ou ausência de um objeto), até sensores comple-
xos como ”pele”artificial contendo centenas de elementos sensitivos que transmitem informações
sobre orientação, dimensão, pressão exercida, e assim por diante.

Por exemplo: chaves fim de curso, chave bóia, etc. Tais sensores não são muito confiáveis,
uma vez que estão sujeitos a desgastes mecânicos, forças de atração e reação, oxidação, etc.

As chaves digitais são os sensores digitais mais simples. O seu funcionamento é puramente
digital, pois indicam se estão pressionadas ou não.

Por exemplo, uma chave pode ser utilizada para informar que um objeto já finalizou o seu
trajeto e o motor que o movimenta pode ser desligado. Uma chave encontra-se fechada quando
permite a passagem de uma corrente elétrica. Quando abrimos a chave, impedimos que a corrente
elétrica continue a fluir através da chave.

Figura 11.1: Funcionamento das Chaves

As chaves mais utilizadas para sensoriamento industrial são as chaves de ’fim-de-curso’. São
chaves que possuem uma haste longa e podem ser acionadas sem a necessidade de se fazer muita
forca, o que facilita o seu uso como sensor de posição.
Um detalhe importante que deve ser observado nas chaves é a presença ou não de trava. Uma
chave com trava e aquela que, quando pressionada, permanece fechada ou aberta ate que seja
pressionada novamente. Um exemplo de chave com trava são as chaves Liga/Desliga comuns.
Já as chaves sem trava possuem um estado normal de operação (fechado ou aberto). Quando
pressionadas, elas mudam de estado, mas ao soltá-las, elas voltam ao seu estado normal.

32
XC201 - Sensores Industriais

Figura 11.2: Chaves ’Fim-de-Curso’

Ao utilizar uma chave como sensor digital, ela deverá alternar entre os dois nı́veis de tensão, Alto
(1) e Baixo (0). O estado alto será uma tensão de 5 V, compatı́vel com a maioria dos circuitos
digitais, enquanto que o nı́vel Baixo será o 0 V. Podemos ligar a chave de duas formas: com
resistor de ’pull-up’ ou com resistor de ’pull-down’.

Figura 11.3: Esquemáticos das ligações ’Pull-Up’ e ’Pull-Down’

33
Capı́tulo 12

Sensores tipo Reed-Switch

Figura 12.1: Reed-Switch

Uma chave magnética, também conhecida como ’reed switch’, nada mais é do que uma chave
digital ou um interruptor, composto de uma cápsula de vidro e de duas lâminas de um material
ferromagnético(ligas de nı́quel e ferro). As duas lâminas são colocadas muito próximas, sem que
haja contato entre elas, com uma extremidade afixada no vidro e mergulhadas num gás inerte,
para não sofrerem oxidação ou deformação mecânica (para durarem mais). Só que acionada por
um imã.Tratam-se de dois contatos de metal que no estado normal se mantém em aberto. Porém,
na presença de um campo magnético, os contatos se fecham, podendo conduzir a corrente elétrica.
Os contatos estão dentro de uma cápsula de vidro, se mantendo isolados da corrosão atmosférica.
Estes sensores podem ser utilizados para detectar a posição de uma peça ou de uma parte de um

Figura 12.2: Funcionamento da chave magnética.

mecanismo pela posição de um pequeno ı́mã que é preso a ela. Pode-se classificar estes sensores
também como sensores magnéticos, uma vez que eles atuam com a ação de um campo.

O exemplo mais comum de aplicação de chaves magnéticas e em sistemas de alarme. Esses


componentes são posicionados em batentes de portas e janelas. Um imã e colocado na porta de
modo que quando ela esta fechada, a chave também esteja. Porém, se a porta for aberta, o imã
conseqüentemente se afastara da chave, que se abrira. Se o alarme estiver acionado, então ele será
disparado.

34
XC201 - Sensores Industriais

Este tipo de sensor que tanto pode ser utilizado para detectar a simples aproximação de uma
peça quanto gerar pulsos de controle a cada passagem de uma peça móvel.

Figura 12.3: Reed-Switch usado como sensor de posição de pistões (1 - imã permanente localizado
na haste do pistão)

Figura 12.4: Reed-Switch usado como sensor de velocidade em eixos rotativos.

35
Capı́tulo 13

Sensores Indutivos

Os sensores de proximidade indutivos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Muitas das
aplicações onde eram empregadas chaves fim-de-curso passaram a optar pelos sensores indutivos
devido a sua detecção sem contato e alta vida útil.

Os sensores indutivos funcionam gerando um campo eletromagnético à sua frente. Eles con-
sistem de uma bobina sobre um núcleo de ferrite, um oscilador, um circuito de disparo de sinais
de comando e um circuito de saı́da.

Quando um objeto-alvo metálico ferroso ou não-ferroso penetra no campo, a perda de ener-


gia ocasionada pelas correntes de fuga no objeto resulta numa amplitude de oscilação menor. O
circuito de disparo então reconhece esta mudança especı́fica de amplitude e, dependendo da magni-
tude da mudança, gera um sinal de comando para o circuito de saı́da (dispositivo de estado sólido).

Num indutor, a indutância depende do número de espiras, da largura do enrolamento, ou área


da espira, do comprimento do enrolamento e da permeabilidade do núcleo.

L = m N2 A / l

Nos sensores práticos, altera-se, em geral, a permeabilidade do núcleo, deslizando um núcleo


ferromagnético para dentro ou fora do enrolamento, ou aproximando uma parte do enrolamento
móvel de outra fixa.

Figura 13.1: Diagrama de um Sensor Indutivo

36
XC201 - Sensores Industriais

13.1 Sensor Indutivo Analógico


Sua função é detectar metais situados dentro de sua escala de trabalho, e especificar a distância
para o objeto por meio de um sinal de tensão proporcional de 0 ... 10 V. Mesmo em ambientes
caracterizados por extrema contaminação.

A maioria dos sensores indutivos disponı́veis no mercado é para a detecção de presença ou


ausência, mas também se pode encontrar modelos que possuem uma saı́da analógica proporcional
à distância do objeto à face sensora.

37
Capı́tulo 14

Sensores Capacitivos

Os sensores de proximidade capacitivos são dispositivos capazes de detectar a presença de


objetos plásticos, lı́quidos, orgânicos e também os metálicos detectados pelos sensores indutivos.

Eles funcionam gerando um campo eletrostático criado por um oscilador controlado por capa-
citor, com capacidade de armazenar essa energia e detectando mudanças neste campo causadas
por um alvo que se aproxima da face ativa.

A capacitância depende da área das placas A, da constante dielétrica do meio, K, e da distância


entre as placas, d:

C=KA/d

Nos sensores Capacitivos, uma placa do capacitor é representada pela própria face do sensor, a
outra pelo objeto que se aproxima. Internamente possuem osciladores que variam suas freqüências
de acordo com o valor deste capacitor, formado pelas placas descritas, um circuito detecta a
variação desta freqüência e aciona a saı́da do sensor a partir de certo valor, ou seja, quando um
material, com certa densidade, se aproxima da face sensora a saı́da é acionada. Estes sensores
são, normalmente, usados na detecção de nı́vel de lı́quidos, ou sólidos, muitas vezes sem o contato
direto do material, somente por aproximação, ou, até mesmo, instalados por fora do recipiente,
com sua sensibilidade ajustada para detectar somente o material desejado, ignorando a parede
deste recipiente. À distância sensora está relacionada com o diâmetro do sensor, ou seja, a área
da placa interna.

Figura 14.1: Diagrama de um Sensor Capacitivo

38
XC201 - Sensores Industriais

14.1 Sensor Capacitivo Analógico


A capacitância do circuito com a ponta de compensação é determinada pelo tamanho do alvo,
sua constante dielétrica e a distância até a ponta.
Quanto maior o tamanho e a constante dielétrica de um alvo, mais este aumenta a capacitância.
Quanto menor for a distância entre a ponta de compensação e o alvo, também maior será a
capacitância. Baseado nesse conceito, existem Sensores Capacitivos com saı́da analógica, mas
este tipo de sensor não é muito utilizado nas indústrias.

39
Capı́tulo 15

Sensores Ópticos

São componentes eletrônicos de sinalização e comando que detectam qualquer tipo de material
sem que haja contato mecânico entre eles.

O principio de funcionamento do sensor óptico baseia-se na existência de um emissor e um


receptor. A luz gerada pelo emissor deve atingir o receptor com intensidade suficiente para fazer
com que o sensor comute sua saı́da.

O sinal de luz gerado pelo emissor do sensor óptico é modulado numa determinada freqüência,
ou seja, o emissor gera um sinal com um certo número de lampejos por segundo. O receptor do
sinal do sensor é acoplado a um filtro que somente considera sinais com a mesma freqüência do
emissor.

Esta caracterı́stica é empregada no sensor óptico para minimizar os efeitos de possı́veis inter-
ferências causadas por outras fontes luminosas que não o emissor.

15.1 Sensor Óptico por Retro-Reflexão


Nesse tipo de sensor o emissor e o receptor estão montados no mesmo corpo. Um feixe de
luz é estabelecido entre o emissor e o receptor por intermédio do refletor (Espelho Prismático).
O sensor é ativado quando o objeto interrompe o feixe de luz. O objeto detectado pode deixar
passar uma baixa intensidade luminosa desde que o limiar de detecção seja atingido. Ele também
pode refletir a luz de maneira direta ou difusa, desde que esta não seja detectada pelo receptor
do sensor com intensidade suficiente para acioná-lo. Por esta razão, objetos muito transparentes,
claros ou brilhantes podem eventualmente não ser detectados por esse tipo de sensor.

O sensor de retro-reflexão possui distancia de acionamento totalmente dependentes das carac-


terı́sticas do refletor, sendo portanto as condições desse acessório, tais como: limpeza, dimensão,
instalação e caracterı́sticas construtivas vitais para o perfeito acionamento do conjunto.

Uma falha no emissor deste tipo de sensor faz com que o mesmo interprete como se o objeto
estivesse presente.

15.2 Sensor Óptico por Transmissão (Barreira)


O sensor óptico de detecção por barreira de luz, ou transmissivo, possui o emissor e o receptor
montados em dispositivos separados. Estes dois componentes ao serem alinhados, criam entre si
uma barreira de luz. A presença de um objeto interrompendo esta barreira faz com que o sensor
seja ativado.

40
XC201 - Sensores Industriais

Figura 15.1: Detecção por Retro-Reflexão

Figura 15.2: Detecção por Barreira

15.3 Sensor Óptico por Reflexão Difusa


O sensor óptico de detecção por reflexão difusa possui o emissor e o receptor montados no
mesmo dispositivo. A luz enviada pelo emissor cria uma região ativa cuja presença de um objeto
faz com que a luz seja refletida de forma difusa, de volta ao receptor, ativando o sensor. Devido
ao principio de funcionamento deste sensor, objetos totalmente foscos, podem eventualmente não
ser detectados.

Figura 15.3: Detecção por Reflexão Difusa

41
XC201 - Sensores Industriais

15.4 LDR
O LDR, Light Dependent Resistor, que traduzindo significa Resistor Dependente de Luz ou
simplesmente fotoresistor. É usado como sensor de luz numa infinidade de aplicações.

Quando a luz incide em determinadas substâncias cujas suas resistências são alteradas de-
vido a quantidade de luz que recebem , ocorre a liberação de portadores de carga que ajudam a
condução da corrente elétrica.

Os LDRs não são componentes polarizados, o que quer dizer que a corrente pode circular
num sentido ou noutro. As variações da resistência com a luz são iguais em qualquer sentido.
Enquanto o feixe de luz estiver incidindo, o LDR oferece umaresistência muito baixa. Quando
este feixe é cortado, sua resistência aumenta.

A aplicação mais conhecida do LDR e, sem duvida, na iluminação publica, onde ele e utilizado
para que, de acordo com a claridade do ambiente, sejam acionadas ou desligadas as lâmpadas
automaticamente, sem que haja a necessidade de alguém para controlá-las. Os LDRs são também
utilizados em câmeras para medir o nı́vel de luz do ambiente, permitindo assim o controle do
tempo de exposição para a captura de uma boa imagem.

Figura 15.4: Gráfico LDR

15.5 Fibras Ópticas


A fibra óptica é um fio de vidro transparente e muito fino, tendo diâmetro aproximadamente
de 0,5mm, semelhante a um fio de cabelo. Ele possui estrutura cilı́ndrica e é dividido em duas
partes: núcleo e casca, onde o núcleo é a região central e a casca é a região que envolve o núcleo.

São acessórios de grande utilidade para a aplicação em conjunto com alguns modelos de senso-
res ópticos. Sua função é fazer a transmissão do sinal luminoso do emissor ao local onde deseja-se
executar a detecção do objeto. Os cabos de fibra óptica reproduzem os efeitos dos sensores por
reflexão-difusa, retro-reflexão ou barreira de luz.

Por tanto um Sensor Óptico com fibra óptica é na verdade um conjunto de um amplificador
que é composto pelo transmissor e receptor de luz e onde é acoplado as fibras para transmissão

42
XC201 - Sensores Industriais

dessa luz até o local de aplicação.

Devido à tolerância de componentes, raio de luz, curvaturas das fibras, e da qualidade da


interface óptica, poderão ocorrer diferenças significativas nas distâncias de detecção.

15.6 Sensores de Cor


Os sensores de cor mais utilizados na indústria funcionam pelo método especial das três cores.
Eles emitem luz (vermelha, azul, verde) sobre os objetos a serem inspecionados, calculam as coor-
denadas de cromaticidade da radiação refletida e compara-as com os valores de referência dos três
estı́mulos previamente armazenados e detecta a cor de objetos a uma distância pré-determinada.

Se os valores dos três estı́mulos estiverem dentro da faixa de tolerância determinada, é ativada
uma saı́da de chaveamento.

O sensor pode perceber as cores de objetos muito brilhantes como sendo acromáticas na luz
incidente. Este problema pode ser resolvido inclinando-se o sensor.

Outro tipo de sensor de cor é aquele em que se utilizam incidência de cores. Por exemplo,
em um sensor de cor verde, este utiliza a incidência de luz para a detecção de sua cor. Ou seja,
quando um objeto da cor verde for colocado em sua face sensora, ele irá sensibilizar mais o sensor
do que um objeto da cor vermelha colocado a mesma distância.

43
Capı́tulo 16

Encoders

Os Encoders são dispositivos projetados para fornecer a posição (angular ou linear) de um


eixo, ferramenta, etc. Conta ou reproduz pulsos elétricos a partir do movimento rotacional de seu
eixo, definido também como um transdutor de posição angular.
São divididos em duas grandes categorias: Incremental (também chamado de Relativo) e Abso-
luto.
Os encoders podem ser utilizados em impressoras, plotters, controle de posicionamento de uma
antena de radar, etc.

16.1 Encoder Incremental


São discos perfurados ou com ranhuras ou estrias metálicas, distribuı́das igualmente pela cir-
cunferência de um disco, normalmente dividindo-o em 2,4,36,180,360,720, 1000,1024, 1800, 3000,
n, partes iguais e uma perfuração de referência chamada de ’Zero ’ do encoder.

Gera um certo número de impulsos por revolução. O número de um impulso representa medida
da distância básica movida (angular ou linear), um circuito eletrônico deverá contar o número de
pulsos para determinar a distância total percorrida.

A vantagem do Encoder Relativo é a sua construção simples e compacta e a sua desvantagem


é a de quando energizado, o sistema de controle que o lê, deve girar o eixo até a posição de
referência, e a partir daı́ ele sabe a posição, daı́ o seu nome Relativo, pois a posição é contada a
partir da referência.

44
XC201 - Sensores Industriais

Figura 16.1: Disco e gráfico do Encoder Incremental

16.1.1 Encoder Incremental com Condução Elétrica


O encoder relativo do tipo de contato possui estrias metálicas (condutores elétrico) que estão
dispostas estrategicamente ao longo de duas pistas (A e B) da superfı́cie (feita de material não-
condutor). Estas estrias estão ligadas eletricamente à parte de traz do disco que é mantido a
um potencial terra. Por sua vez, em contato com este disco estão três pinos (um por cada pista)
carregados eletricamente. Através deste contato e da conseqüente rotação do disco é transmitida
uma linha de pulsos. A posição é demarcada por contagem de pulsos transmitidos, acumulados
ao longo do tempo.

A maior desvantagem do encoder incremetal de contato é desgaste mecânico dos contatos


metálicos, que limita a vida útil do sensor.

Figura 16.2: Encoder Incremental com Condução Elétrica

45
XC201 - Sensores Industriais

16.1.2 Encoder Incremental por Transmissão de Luz


Os encoders baseados no princı́pio da transmissão de luz funcionam basicamente da mesma
forma que os sensores de condução elétrica. Neste caso, furos no disco representam o elemento
condutor. Quando o emissor e o receptor de luz se encontram alinhados com os furos do disco,
há a mudança do estado do sinal na saı́da.

Figura 16.3: Encoder Incremental por Transmissão de Luz

16.2 Encoder Absoluto


A demarcação do disco ou trilho deste tipo de encoder é feita por pintura num disco plástico
transparente, que pode ser feito através de técnicas foto litográficas, permitindo grande precisão
e dimensões micrométricas.

A principal diferença dos encoders Absolutos é que o disco é codificado já em binário, variando
entre 8, 10, 12, 16 bits. O sistema binário é codificado em vários códigos, sendo o código Gray
um dos mais utilizados. Conseqüentemente este código possui a desvantagem de ser incompatı́vel
com a maioria dos sistemas de computador, que requerem um conversor de código Gray.

Não necessita de referência ou Zero, pois o sistema lê a posição diretamente em binário. Pos-
suem normalmente 2 fios a mais que a quantidade de bits, por exemplo um Encoder Absoluto
de 10 bits possui 12 fios. A vantagem é que não necessita de referência, pois o sistema ”sabe”a
posição imediatamente após a sua energização e tem como desvantagem seu preço e tamanho.

Estão associados a esse disco n LEDs e n fototransistores. A leitura será efetuada através da
rotação do disco com a conseqüente leitura dos fototransistores pela luz dos LEDs que é emitido.
Variando de sistema para sistema, a leitura dos fototransistores será 1 ou 0 dependendo da in-
tensidade do feixe de luz, ou seja, luz fraca ou nula para os casos da parte escura do disco (1) ou
luz forte (0). Assim irá ser gerado um código binário que permite saber o ângulo a que pertence
a rotação do disco.

O encoder absoluto possui um importante diferencial em relação ao encoder incremental: a


posição do encoder incremental é dada por pulsos a partir do pulso zero, enquanto a posição do
encoder absoluto é determinada pela leitura de um código e este é único para cada posição do
seu curso; conseqüentemente os encoders absolutos não perdem a real posição no caso de uma
eventual queda da tensão de alimentação.

46
XC201 - Sensores Industriais

Figura 16.4: Disco e gráfico do Encoder Absoluto

16.3 Encoder Linear


Encoders podem ser ainda lineares, sendo que estes consistem de réguas (escalas) de aço ino-
xidável, de variados tamanhos com exatidão de 5 m e 1 m, montadas em um perfil de alumı́nio
com borrachas de vedação para proteger as cabeças sensoras.

16.3.1 Encoder Linear Magnético


O encoder linear mais utilizado é o magnético.

Um sensor magnético é guiado através de uma fita magnética sem entrar em contato com
esta. Conta-se então os transientes de polaridade na faixa magnética e interpola-se com valores
intermediários.

O sistema não é afetado por pó, ou umidade e é resistente a muitos lı́quidos e lubrificantes.
A montagem é fácil - a faixa magnética apenas tem que ser colada em lugar. Não há nenhuma
necessidade de calibração.

47
XC201 - Sensores Industriais

Figura 16.5: Tabela de valores

Figura 16.6: Encoder Linear Magnético

16.3.2 Encoder Linear por Transmissão de Luz


São muito mais precisos e apresentam uma vida útil praticamente infinita se alguns cuidados
elementares forem tomados em relação à sua utilização.

O princı́pio de funcionamento consiste na colocação de emissores e receptores de luz na parte


móvel de uma régua graduada, fixa à base do movimento ou vice-versa, que permite a passagem
ou a reflexão apenas de feixes seletivos de luz emitidos. Estes serão detectados pelos receptores e
indicarão a posição da parte móvel em relação à fixa.

48
XC201 - Sensores Industriais

Figura 16.7: Encoder Linear por Transmissão de Luz

49
Capı́tulo 17

Sensores de Temperatura

A temperatura é sem dúvida uma das variáveis mais importantes nos processos industriais, pois
uma variação dessa grandeza no processo afeta diretamente o seu comportamento, provocando,
por exemplo, um ritmo maior ou menor na produção, uma mudança na qualidade do produto,
um maior ou menor consumo de energia e, por conseguinte, um maior ou menor custo de produção.

Para medir a temperatura de caldeiras, fornos industriais, estufas, autoclaves, geladeiras, fre-
ezers etc., faz-se necessária à utilização de transdutores de temperatura. Medidas de temperatura
podem ser feitas utilizando-se diodos, transistores, sensores, ou até mesmo CIs (circuitos inte-
grados) especı́ficos. A escolha do transdutor mais adequado deve obedecer a algumas diretrizes,
como o tempo de resposta e intervalo de temperatura de operação. Tendo em vista estes fatores,
é escolhido o sensor de temperatura para cada tipo de aplicação (equipamento ou processo).

Suas principais caracterı́sticas e vantagens são: Compartimentos cobertos ou fechados e nos


quais a leitura é local, apresenta erros de até 1

17.1 Termistores
Os Termistores são resistores termicamente sensı́veis, O termo vem da junção das palavras
temperatura e resistor. Cuja as caracterı́sticas exibem grandes mudanças na resistência com uma
pequena mudança da temperatura do corpo, devido à alteração na concentração de portadores de
carga. Esta mudança da resistência com a temperatura pode resultar em um coeficiente negativo
ou positivo da resistência.

O Termistor é m dos sensores de temperatura que fornecem a maior variação da saı́da por
variação de temperatura, porém essa relação não é linear.

São muito usados para controlar e/ou alterar a temperatura em dispositivos eletro-eletrônicos,
como alarmes, termômetros, circuitos eletrônicos de compensação térmica, dissipadores de calor,
etc. Porém este tipo de sensor não é muito utilizado em processos industriais, provavelmente pela
falta de padronização entre os fabricantes.

50
XC201 - Sensores Industriais

17.1.1 PTC
O PTC tem como sua peculiaridade possuir um ponto de transição, somente a partir de uma
determinada temperatura exibirá uma variação ôhmica com a variação da temperatura.

São resistores que apresentam um coeficiente térmico positivo, isto é, sua resistência aumenta
com a temperatura.

Figura 17.1: Curva caracterı́stica do PTC

17.1.2 NTC
O NTC é mais utilizado do que o PTC, devido a maior facilidade de ser manufaturado, não
possui um comportamento linear da resistência com a variação da temperatura.

São elementos cuja resistência decresce com o aumento da temperatura, portanto seu coefici-
ente de temperatura é negativo.

Figura 17.2: Curva caracterı́stica do NTC

51
XC201 - Sensores Industriais

17.2 PT100
As termoresistências são sensores de temperatura muito utilizados na indústria, pois além de
ótima precisão, possuem uma larga faixa de trabalho e ainda permitem ligações a longa distância.

A temoresistência de platina é a mais usada industrialmente devido sua grande estabilidade e


precisão. Essa termoresistência tem como caracterı́stica uma resistência de 100? a 0o C, por esse
motivo, convencionou-se chamá-la de PT100.

A variação da resistência com a temperatura é chamada de coeficiente de temperatura e é


especificada como a média da variação entre 0 e 100 ◦ C. Este coeficiente é de 0,385 por ◦ C,
conforme a norma IEC 60751.

Figura 17.3: Tabela de valores do PT100

52
XC201 - Sensores Industriais

Um auto-aquecimento é causado pela corrente que passa pela resistência, oriunda do instru-
mento de leitura, e pode levar a erros que comprometam a medição. Para isso deve-se limitar a
corrente de excitação do sensor a valores da ordem de 1 a 2mA.

Há três tipos de montagens das Termoresistências: a dois fios, a três fios e a quatro fios.

Montagem a dois fios: esta montagem fornece uma ligação para cada terminal do bulbo. É
satisfatória em locais onde comprimento do sensor ao instrumento indicador não ultrapasse 3,0m
para fios de bitola 20 AWG. Se o comprimento for maior que o recomendado, haverá um erro de
leitura ocasionado pela soma da resistência gerada pelos cabos de interligação.

Montagem a três fios: este tipo de montagem é a mais utilizada industrialmente, pois se o
sensor estiver conectado a um instrumento adequado para receber ligação a três fios, haverá uma
compensação da resistência pelo terceiro fio que resultará em uma leitura ı́ntegra.

Montagem a quatro fios: esta montagem é a mais precisa que existe para Termoresistências.
Com duas ligações em cada terminal do bulbo há um balanceamento total das resistências dos
fios, e, quando interligas adequadamente ao instrumento indicador elas se tornam praticamente
desprezı́veis. Porém esta montagem não é muito utilizada industrialmente, somente nos casos
onde se requer uma precisão de leitura. Seu uso mais constante se dá nos padrões exigidos em
laboratórios de calibrações.

17.3 Par Bimetálico


É utilizado nos conhecidos termostatos. Trata-se de das chapas metálicas de materiais com di-
ferentes ı́ndices de dilatação que são montadas face a face. Com o aquecimento há uma deformação
do conjunto das chapas, havendo a abertura ou fechamento de um contato.

Figura 17.4: Termostato com disco de par bimetálico.

53
XC201 - Sensores Industriais

17.4 Termopares
Definimos de termopares como sensores de medição de temperatura que são constituı́dos por
dois condutores metálicos e distintos, puros ou homogêneos, preferidos nas aplicações industriais,
seja pela sua robustez, seja pela simplicidade de operação. Em uma de suas extremidades são
unidos e soldados, a qual convencionou-se o nome de junta de medição ou ’Junta Quente’, e a
outra extremidade aberta onde se faz as devidas interligações de junta de referência ou ’Junta Fria’.

A Figura abaixo mostra um termopar de uma simples junção. A operação de um termopar


é baseada na combinação de efeitos termoelétricos que produzem uma tensão de circuito aberto
quando duas junções são mantidas em temperaturas diferentes.

Figura 17.5: Termopar de junção simples.

Quanto submetemos suas extremidades a temperaturas diferentes a composição quı́mica dos


metais geram uma força eletromotriz (f.e.m.) na ordem de mV.

Assim um termopar funciona medindo a diferença de potencial causada por fios diferentes.
Isso por ser usado para medir diretamente a diferença de temperaturas ou para medir uma tem-
peratura absoluta colocando uma junção a temperatura conhecida.

Com base na utilização e conhecimento mais comuns nos dias de hoje, existem oito tipos de
termoelementos: S, R, B, J, K, N, T e E.

17.4.1 Termopar tipo T


Composição: Cobre/Cobre-Nı́quel
Faixa de utilização: -200 a 350o C

Podem ser usados em atmosferas oxidantes, redutoras, inertes e no vácuo. Adequado para
medições abaixo de zero grau. Apresenta boa precisão na sua faixa de utilização.

17.4.2 Termopar tipo J


Composição: Ferro/Cobre-Nı́quel
Faixa de utilização: -40 a 750o C

Podem ser usados em atmosferas oxidantes, redutoras, inertes e no vácuo. Não devem ser
usados em atmosferas sulfurosas e não se recomenda o uso em temperaturas abaixo de zero grau.
Apresentam baixo custo.

54
XC201 - Sensores Industriais

17.4.3 Termopar tipo E


Composição: Nı́quel-Cromo/Cobre-Nı́quel
Faixa de utilização: -200 a 900o C

Utilizados em atmosferas oxidantes e inertes. Em ambientes redutores ou no vácuo perdem


suas caracterı́sticas termoelétricas. Adequados para uso em temperaturas abaixo de zero grau.

17.4.4 Termopar tipo K


Composição: Nı́quel-Cromo/Nı́quel-Alumı́nio
Faixa de utilização: -200 a 900o C

Recomendáveis em atmosferas oxidantes ou inertes. Ocasionalmente podem ser usados abaixo


de zero grau. Não devem ser usados em atmosferas redutoras ou sulfurosas. Seu uso no vácuo é
por curto perı́odo de tempo.

17.4.5 Termopar tipo S - R


Composição:

• S: 90% Platina - 10% Ródio/Platina

• R: 87% Platina - 13% Ródio/Platina

Faixa de utilização: 0 a 1600o C

Recomendáveis em atmosferas oxidantes ou inertes. Não devem ser usados abaixo de zero
grau, no vácuo, em atmosferas redutoras ou atmosferas com vapores metálicos. Apresentam boa
precisão em temperaturas elevadas.

17.4.6 Termopar tipo B


Composição:

• 70% Platina - 30% Ródio

• 94% Platina - 06% Ródio

Faixa de utilização: 600 a 1700o C

Recomendáveis em atmosferas oxidantes ou inertes. Não devem ser usados abaixo de zero
grau, no vácuo, em atmosferas redutoras ou atmosferas com vapores metálicos. Mais adequados
para altas temperaturas que os tipos S/R.

17.4.7 Termopar tipo N


Composição: Nı́quel-Cromo-Silı́cio/Nı́quel-Silı́cio
Faixa de utilização: -200 a 1200o C

Excelente resistência à oxidação até 1200 o C. Curva F.E.M. x Temp. similar ao tipo K, porém
possuem menor potência termoelétrica. Apresentam maior estabilidade e menor drift x tempo.

55
Capı́tulo 18

Sensor de Pressão

Sensores de pressão são compostos por duas partes:


• Conversão de pressão numa força ou deslocamento.
• Conversão de força ou deslocamento em sinal elétrico.
Tipos de medida de pressão:
• Gauge pressure - diferença entre a pressão de interesse e a pressão ambiente.
• Pressão diferencial - diferença de pressão entre dois pontos distintos no circuito.
• Pressão absoluta - medida por um sensor de pressão diferencial com um dos lados em 0 psi
(aproximadamente vácuo).
Os sensores de pressão são, dentre outros métodos, geralmente construı́dos com materiais pi-
ezoresistivos. Esses materiais possuem a capacidade de variar sua resistência quando submetidos
a um esforço mecânico. Esse efeito e mais comum em materiais semicondutores, como o silı́cio
ou germânio (que são amplamente utilizados na eletrônica na construção de diodos, transistores
e circuitos integrados). E importante notar que o efeito piezoresistivo e distinto do efeito pie-
zoelétrico. Enquanto que os materiais piezoelétricos (utilizados em alguns modelos de sensores de
vibração e microfones) geram uma tensão quando pressionados ou deformados, os piezoresistivos
sofrem uma mudança na sua resistência.

O seu principio de funcionamento é o seguinte: são construı́das duas câmaras e entre elas é
colocada uma pelı́cula de material piezoresistivo. O modo como essas câmaras são construı́das é
que define qual e o tipo do sensor.

Nos modelos piezoresistivos, essa estrutura destinada a medir a pressão é construı́da utilizando
a tecnologia MEMS (a mesma utilizada em acelerômetros), que possibilita a sua montagem em
dimensões extremamente reduzidas, possibilitando a integração de todos os componentes numa
única peça.

Ao utilizar esses sensores, deve-se tomar alguns cuidados, para não comprometer a durabili-
dade do componente. Esses componentes são sensı́veis e não podem ser submetidos a condições
e ambientes que possam prejudicar seu funcionamento. Esses sensores são destinados exclusiva-
mente a medir a pressão do ar ou de algum gás e não devem ser pressionados.

Alguns sensores podem ser sensı́veis a ambientes muito úmidos, pois como o sensor é aberto
ao ambiente externo, a umidade pode danificá-lo. Também é muito importante evitar que algum
liquido, sujeira ou poeira possa entrar nas aberturas do sensor e causar algum mau funcionamento.
Além disso, tais sensores possuem uma faixa de operação, na qual respondem adequadamente
as variações da pressão. Porém, se a pressão estiver acima ou abaixo desses valores limites, eles

56
XC201 - Sensores Industriais

já não responderão. E se a pressão for muito acima do limite, eles podem ser danificados.

Para conectar esses sensores a circuitos externos, é usual a utilização de AmpOp’s, de modo
que a corrente de saı́da do sensor seja muito pequena, não havendo riscos de danos.

18.1 Sensor de Pressão Absoluta


Num sensor de pressão absoluta, uma dessas câmaras é fechada e outra é aberta, destinada
a pressão a ser medida. A câmara fechada contem vácuo, ou seja, a pressão a ser monitorada e
medida em relação a pressão zero. Esse sensor e ideal para medir pressões baixas, menores do
que a atmosférica.

Figura 18.1: Sensores de Pressão Atmosférica

18.2 Sensor Gauge


Num sensor Gauge, as duas câmaras são abertas, sendo que uma e destinada a pressão a ser
medida, enquanto que outra e destinada a entrada de ar atmosférico. Desse modo, a pressão
é medida em relação a pressão atmosférica local. Caso a pressão externa for igual a utilizada
como referência para o sensor, a forca resultante sobre o material piezoresistivo será nula. Se uma
das pressões for maior do que a outra, temos que a pelı́cula será submetida a um esforço e sua
resistência irá mudar. O sensor de pressão diferencial também possui as duas câmaras abertas,
porém elas são destinadas as pressões que serão comparadas pelo sensor.

Figura 18.2: Sensor de Pressão Diferencial

57
XC201 - Sensores Industriais

Figura 18.3: Gráfico de comparação entre o Sensor de Pressão Absoluta e o Sensor Gauge.

18.3 Pressostato
Instrumento de medição de pressão utilizado como componente do sistema de proteção de
equipamento ou processos industriais. Sua função básica é de proteger a integridade de equipa-
mentos contra sobre-pressão ou sub-pressão aplicada aos mesmos durante o seu funcionamento.
Uma alternativa mais simples e barata para sensores de pressão é o pressostato. Este é um dispo-
sitivo eletromecânico acionado pela pressão do ar ou outros fluidos, tais como: óleo, água, vapor
e gás.
A atuação ocorre quando a pressão P do fluido é maior que a pressão Pr, regulada na mola de
contrapressão. Esta regulagem da mola é realizada através de um parafuso existente no sensor.
Quando P¿Pr, a chave elétrica do pressostato é acionada.

Figura 18.4: Sistema de funcionamento do Pressostato

58
Capı́tulo 19

Sensor de Umidade e Temperatura


do Ar

O ar atmosférico sempre contém quantidade variável de vapor de água conforme a tempera-


tura, região, estação, etc. Esse vapor, resultante da evaporação das águas dos mares, rios e lagos,
sobretudo pela ação do calor solar, sobe na atmosfera e passa a fazer parte de sua composição.
Devem-se ao vapor de água diversos fenômenos relevantes na vida de animais e plantas, como a
chuva, neve, etc.

O tempo depende não apenas dos ventos, mas também da umidade. Muitas vezes no verão
nós dizemos que o ar está úmido, pesado. O ar ”pesado”tem grande umidade relativa; ele contém
quase tanta umidade quanto pode conter. Quando um espaço contém todo o vapor d’água que
pode conter à sua temperatura, sua umidade relativa é de 100 por cento. Se um metro cúbico de
ar contém 7 gramas de vapor d’água, mas pode conter 14 gramas, sua umidade relativa é de 50 por
cento. Umidade relativa de um volume de ar é a relação entre a quantidade de vapor de d’água
que ele contém e o que conteria se estivesse saturado. Assim como a temperatura, pressão vazão

Figura 19.1: Sistema de funcionamento do Pressostato

e nı́vel, a umidade é uma das variáveis fundamentais nos processos industriais. A manutenção
dos nı́veis de umidade, na maioria desses processos, pode significar um aumento na qualidade do
produto, maior produtividade e menores custos de produção. Para fazer o controle dessa variável
é feito através de sensores de umidade.

59
XC201 - Sensores Industriais

O sensor de umidade é um condensador cujo dielétrico é um polı́mero higroscópico. Como a


constante dielétrica da água é, aproximadamente, 80, uma forte variação da capacidade é obtida
com a variação do conteúdo de umidade desse polı́mero. As vantagens particulares desse tipo de
sensor é uma boa linearidade de insensibilidade às variações de temperatura, respostas breves e
vida longa.

19.1 Termo-Higrômetro
Como a umidade do ar está diretamente relacionada com a temperatura do mesmo, instru-
mentos que controlam as duas variáveis são muito comuns no mercado. Estes instrumentos são
conhecidos como Termos-higrômetro.

O Termo-higrômetro é um instrumento de dupla função que indica a temperatura e umidade


relativa do ar ambiente.

O seu campo de aplicação é muito vasto, tais como: transporte de alimentos, armazéns de
perecı́veis, frigorı́ficos, hospitais e laboratórios, sala de computadores, etc.

Esta combinação de sensores de temperatura e umidade relativa do ar foi projetada para


aplicações meteorológicas e seus respectivos elementos sensores estão localizados dentro de um
único invólucro protegido por um filtro poroso o qual garante que ambos estejam amostrando as
mesmas condições e protegidos contra poeira e água.

O elemento sensor de temperatura do ar é um resistor de platina que possui uma bem calibrada
e estável relação entre resistência elétrica e temperatura. As variações de resistência são medidas
por um circuito eletrônico que apresenta em sua saı́da uma tensão contı́nua que geralmente varia
de 0 a 10V.

O elemento sensor de umidade relativa do ar é um filme higroscópico posicionado entre dois


eletrodos, constituindo um capacitor. A capacitância depende da umidade absorvida pelo filme
higroscópico (o dielétrico do capacitor) e representa a umidade relativa do ar. A capacitância
medida é convertida numa tensão contı́nua com correção automática para a temperatura. A
saı́da de tensão é 0V para 0% de umidade relativa e 10V para 100% de umidade relativa.

Figura 19.2: Termo-higrômetro digital

60
Capı́tulo 20

Sensores de Vazão

Vazão representa a quantidade de lı́quidos, gases ou vapores , que passa em um determinado


ponto, durante um certo perı́odo de tempo. Pode ser medida sob forma de vazão volumétrica
(m3 /h, litro/min).

Sensores de vazão medem a quantidade de material fluido passando por um ponto a um certo
tempo. Usualmente o material, gás ou lı́quido está fluindo em um tubo ou um canal aberto.
Podemos citar alguns, como:

• Sensor de Turbina:Uma turbina ou roda dentada numa tubulação, o fluxo fará esta girar,
convertendo a vazão em velocidade, que pode ser medida como já visto.

• Sensor por Diferença de Pressão:Quando uma tubulação se estrangula, pela redução


do diâmetro, há uma queda de pressão, e a velocidade do fluı́do aumenta. Medindo-se a
diferença de pressão através do desnı́vel numa coluna de mercúrio, pode-se calcular a vazão.
Este processo é usado em medidores de vazão em processos industriais, não automáticos.

• Sensor Térmico: Quando um gás ou lı́quido flui sobre um corpo aquecido, retira calor
deste, reduzindo a temperatura de forma proporcional à velocidade do fluı́do.

20.1 Placa de Orifı́cio


Elementos primários, cuja finalidade é a medição de vazão de fluidos. Alguma de sua prin-
cipais vantagens são: simplicidade, custo relativamente baixo, ausência de partes móveis, pouca
manutenção, aplicação para muitos tipos de fluido, instrumentação externa, etc. Desvantagens
também existem: provoca considerável perda de carga no fluxo, a faixa de medição é restrita,
desgaste da placa, etc.

Sua estrutura resume-se a uma placa transversal ao escoamento, de pequena espessura, na


qual foi usinado um furo cilı́ndrico. A variação na seção transversal do escoamento leva ao au-
mento da velocidade e à queda da pressão. Quando a área volta ao tamanho normal, a velocidade
e a pressão retornam ao estado original. Uma vez medido este diferencial, conseguimos indicar,
totalizar, programar e controlar esta vazão, seja através de instrumentos convencionais analógicos
ou sofisticados sistemas digitais.

As placas de orifı́cio são indicadas para medir vazão de lı́quidos, gases e vapores. As placas
podem ser do tipo concêntricas, excêntricas ou segmentais e podem ter diâmetros nominais de
1”a 40”. As Placas de orifı́cio são simples, robustas, e confiáveis.

61
XC201 - Sensores Industriais

Figura 20.1: Funcionamento da Placa de Orifı́cio

20.2 Tubo de Venturi


Esse é o equipamento mais preciso e de maior custo. Sua aplicação é recomendada para fluidos
que contenham sólidos em suspensão, viscosos ou grandes vazões.

Um venturi é uma restrição gradual num tubo que faz com que a velocidade do fluido cresça
na área constrita.

O sensor por venturi tende a manter a vazão laminar. Ambas a placa de orifı́cio e o tubo
venturi ocasionam quedas de pressão no tubo por onde escoa o fluido.

Alguns de seus benefı́cios são;

Podem ser usados para medir qualquer fluido.

Boa precisão.

Resistência à abrasão e ao acúmulo de poeira ou sedimentos.

Capacidade de medição de grandes escoamentos de lı́quidos em grandes tubulações.

Não há nenhum elemento mecânico imerso no escoamento.

Figura 20.2: Funcionamento do Tubo de Venturi

62
XC201 - Sensores Industriais

20.3 Tubo de Pilot


O tubo pitot é um sensor de vazão baseado na pressão que causa um mı́nimo de restrição ao
escoamento.
O tubo pitot é um pequeno tubo aberto que colocado voltado de frente a vazão.
Ele é composto por dois tubos: O primeiro fica de frente para a vazão e mede a dita pressão de
impacto. O segundo abre-se perpendicularmente à vazão, medindo a dita pressão estática.
A pressão de impacto é sempre maior que a pressão estática e a diferença entre elas é proporcional
à velocidade, conseqüentemente à vazão.
O tubo pitot é usualmente empregado em aeronaves e indicadores de velocidade marı́tima.

Figura 20.3: Funcionamento do Tubo de Pilot

20.4 Sensores de vazão por turbinas


Sensores de vazão por turbinas, também conhecidas por tipo spin ou flowmeters, empregam
uma hélice instalada na direção da vazão. Eles somente são usados nos casos em que o fluı́do seja
um lı́quido.
São baseados no princı́pio que a velocidade de rotação da hélice é proporcional à velocidade de
escoamento do fluido.
Os sensores de vazão por turbinas podem ser construı́dos de duas maneiras. Em uma delas eles
são constituı́dos de um gerador a ı́mã permanente colocado em rotação pelo lı́quido, que atua
sobre as paletas. O rotor induz uma tensão alternada com freqüência variável. Essa freqüência é
proporcional a velocidade do lı́quido.
Em um outro tipo de sensor de vazão por turbina, o movimento das hélices é captado por um
sensor de efeito Hall. O sensor de efeito Hall fornece um pulso a cada rotação da hélice.

63
XC201 - Sensores Industriais

Figura 20.4: Funcionamento do Sensor de Vazão por Turbina

20.5 Medidores de vazão magnéticos


Esse tipo de sensor é usado com fluidos condutores, como o caso de eletrólitos.
O fluido em movimento age como um condutor em movimento em um gerador. Uma seção não
condutora do tubo é colocada sob um campo magnético. Produz-se então uma tensão proporcio-
nal à velocidade do fluido, detectada por eletrodos aos lados do tubo.

Figura 20.5: Funcionamento do Sensor de Vazão por Turbina

64
XC201 - Sensores Industriais

20.6 Engrenagens Ovais


O medidor de vazão do tipo ’engrenagens ovais’ também é chamado de medidor de vazão de
deslocamento positivo, pois as engrenagens ovais são deslocadas positivamente de acordo com a
velocidade de escoamento do fluido. Na verdade, é o único medidor de vazão direta existente no
mercado, uma vez q não depende de outros fatores para medir a vazão, por outro lado independe
da condutividade do lı́quido a ser medido ou outras caracterı́sticas do lı́quido, tais como densi-
dade, ph, etc.
Suas engrenagens ovais são equipamentos tipicamente utilizados para operações com lı́quidos vis-
cosos, em que é freqüente a dificuldade de aplicar outros tipos de medidores.
O elemento de medição é formado pelo par de engrenagens ovais que são movidas pelo fluido a
ser medido. Ou seja, o diferencial de pressão através do medidos de vazão provoca forças em um
par de engrenagens ovais, forçando-as a girar. O principio de funcionamento é mostrado a seguir.

Na posição 1, forças uniformes são exercidas em cada face do rotor B. Mesmo que fossem
diferentes, o rotor B, que está hidraulicamente balanceado, não giraria. O rotor A é submetido
a uma força uniforme na face superior, na qual possui quantidade conhecida de fluido entre o
próprio rotor e o corpo do medidor, porém na outra extremidade não existe a ação dessa força.
Como a pressão a montante é maior que a pressão a jusante, o rotor A gira no sentido horário e
o rotor B gira no sentido inverso.

Na posição 2, enquanto existe o escoamento do fluido da câmara superior, a movimentação do


rotor B permite o preenchimento da câmara inferior. O contı́nuo diferencial de pressão, existente
entre a montante e a jusante, resulta no movimento contı́nuo das engrenagens.

65
XC201 - Sensores Industriais

Na posição 3, uma mesma quantidade do fluido está retida entre o rotor B e o corpo do
medidor. Enquanto houver vazão, as engrenagens vão se movimentar de forma proporcional à
velocidade do fluxo. Sendo assim, cada rotação do par de engrenagens desloca m volume exato
e predeterminado de lı́quido dentro da câmara de medição do medidor. Com isso o número de
rotação das engrenagens ovais é diretamente proporcional ao volume medido.

Na construção das engrenagens, pastilhas magnéticas são alojadas em seus corpos de forma
que, a cada revolução, atuem sensores na face externa do corpo do medidor.

66
Capı́tulo 21

Sensores de Nı́vel

A medição do nı́vel é bastante importante para a maioria dos processos industriais em várias
áreas como na proteção ambiental, a segurança de uma fábrica, a qualidade dos produtos, etc.
Os sensores de nı́vel são utilizados para o controle de lı́quidos ou grãos sólidos, contidos em reser-
vatórios, silos, tanques abertos ou pressurizados entre outros. São usados na detecção de um nı́vel
fixo ou medição contı́nua e variam em complexidade desde simples visores para leituras locais até
indicação remota, registro ou controle automático.
Os dispositivos de medida de nı́vel podem medir a posição da superfı́cie do lı́quido sobre um
ponto de referência, ou a altura hidrostática criada pelo lı́quido cuja superfı́cie se deseja conhecer.
Os sistemas de medição de nı́vel variam em complexidade desde simples visores para leituras locais
até indicação remota, registro ou controle automático.

21.1 Bóia Magnética


É um instrumento utilizado na detecção e controle de nı́vel em tanques ou reservatórios onde
são armazenados materiais lı́quidos como água, produtos quı́micos (agressivos ou não), óleos,
entre outros.
Apresentando fácil instalação, operação e calibração, não são afetados pela presença de espuma,
gases/vapores, mistura de lı́quidos no processo ou variações de determinadas caracterı́sticas do
fluido como viscosidade, constante dielétrica ou condutividade. Instrumento ideal quando se
deseja uma solução de eficiência comprovada e baixo custo.
Seu funcionamento baseia-se no movimento de uma bóia em torno de uma haste onde estão
definidos os respectivos pontos de atuação; quando a bóia atinge cada um desses pontos, a saı́da
correspondente (contato elétrico) é acionada. A chave permite a definição de até 5 pontos de
atuação que podem ser usados para funções de alarme ou controle.
As partes molhadas (em contato direto com o processo) podem ser fabricadas em diferentes
materiais como Aço Inox ou PP.

21.1.1 Caracterı́sticas:
• Fácil instalação;
• Não necessita de alimentação elétrica;
• Não é afetado pela presença de espuma ou gases/vapores sobre o lı́quido;
• Até 5 pontos de alarme;
• Diversas opções de conexões ao processo;
• Partes molhadas em Aço Inox ou PP.

67
XC201 - Sensores Industriais

Figura 21.1: Bóia Magnética

21.1.2 Aplicações:
• Alarme ou controle de nı́vel;

• Controle múltiplo de nı́vel;

• Proteção de bombas;

• Lı́quidos com espuma;

• Lı́quidos com uma densa camada de gás ou vapor sobre o lı́quido;

• Pode ser usado em água, produtos quı́micos, óleos, entre outros.

21.2 Bóia Lateral


Este instrumento foi desenvolvido para aplicações que necessitam detectar e controlar o nı́vel de
tanques ou reservatórios onde são armazenados materiais lı́quidos como água, produtos quı́micos
(agressivos ou não), óleos, entre outros. São utilizados em tanques ou reservatórios que requerem
posição de montagem lateral, seja por falta de espaço ou devido ao tanque ser muito alto.
Instalada na lateral do tanque, a chave tem seu funcionamento baseado em uma bóia cujo movi-
mento é transmitido a uma haste e esta, a um magneto localizado no interior do invólucro através
de acoplamento magnético, provocando assim a atuação de um contato elétrico.
Entre outras caracterı́sticas estão: funcionamento sem a necessidade de alimentação elétrica; di-
ferencial ajustável ou fixo; versões para áreas classificadas, altas temperaturas e pressões; fácil
instalação e manuseio além de não ser afetado por determinadas caracterı́sticas do processo como
presença de espuma, gases/vapores, mistura de lı́quidos ou variações de constante dielétrica ou
condutividade.

Figura 21.2: Bóia Lateral

68
XC201 - Sensores Industriais

21.2.1 Caracterı́sticas:
• Fácil instalação;

• Baixo custo;

• Requer manutenção mı́nima;

• Versátil: Utilizável em uma infinidade de aplicações;

• Partes molhadas em Aço Inox ou PVC;

• Diversas opções de conexões ao provesso (incluindo flange quadrada);

• Não necessita de alimentação elétrica;

• Não é afetado pela presença de espuma ou gases/vapores sobre o lı́quido;

• Atuação do contato elétrico por acoplamento magnético.

21.2.2 Aplicações:
• Alarme ou controle de nı́vel;

• Alarme de segurança;

• Proteção de bombas;

• Lı́quidos com espuma;

• Lı́quidos com uma densa camada de gás ou vapor sobre o lı́quido;

• Tanques de balanceamento em navios e embarcações;

• Pode ser usado em água, produtos quı́micos, óleos, entre outros.

69
XC201 - Sensores Industriais

21.3 Bóia Pêra


É um regulador de nı́vel para produtos lı́quidos de funcionamento extremamente simples e
confiável utilizado em diversas funções como alarme ou controle de nı́vel bem como em automação
de dispositivos elétricos (bombas ou válvulas). Representam os mais simples instrumentos para
o controle e detecção de nı́vel de lı́quidos. Aliam baixo custo e grande facilidade de instalação.
Suspensa por um cabo de PVC, a chave tem seu funcionamento em função da inclinação do
invólucro; quando esta é maior que 45o , o contato elétrico é acionado. O ponto de atuação é
definido por meio de um contrapeso que acompanha o instrumento. Seu microcontato não utiliza
mercúrio e o diferencial pode ser ajustado através de um pequeno contrapeso.

Figura 21.3: Bóia Pêra

21.3.1 Caracterı́sticas:
• Fácil instalação;

• Microcontato não utiliza mercúrio;

• Diferencial ajustável;

• Comprimento do cabo de até 15m;

• Invólucro em PP, hermeticamente selado.

21.3.2 Aplicações:
• Alarme ou controle de nı́vel;

• Alarme de segurança;

• Controle ou proteção de bombas;

• Pode ser usado em lı́quidos limpos como em águas fluentes.

70
XC201 - Sensores Industriais

21.4 Condutivo
Instrumento desenvolvido para a detecção e controle de nı́vel de tanques ou reservatórios onde
são armazenados materiais lı́quidos como água ou outros produtos condutivos.
Hastes metálicas encontram-se em contato com o processo e o funcionamento é baseado na con-
dutividade elétrica: quando o lı́quido entra em contato com a haste, o circuito elétrico é fechado
e a saı́da ON/OFF da chave acionada. Até 6 pontos de alarme podem ser definidos em um único
instrumento.
Apresenta fácil instalação e configuração, dispensando praticamente qualquer tipo de manutenção
uma vez que não possui qualquer parte móvel em contato com o processo. Diferentes versões estão
disponı́veis como montagem remota ou integral e com hastes rı́gidas ou flexı́veis (para grandes
reservatórios ou poços profundos).

Figura 21.4: Sensor de Nı́vel Condutivo

21.4.1 Caracterı́sticas:
• Até 5 pontos de controle;

• Montagem integral ou remota;

• Sem partes móveis;

• Versões com hastes rı́gidas ou flexı́veis (para tanques de alturas elevadas);

• Partes molhadas em Aço Inox e PP;

• Fácil instalação.

21.4.2 Aplicações:
• Alarme de nı́vel;

• Controle de bombas ou válvulas;

• Proteção de bombas;

• Lı́quidos condutivos como água, produtos quı́micos, efluentes tratados, entre outros;

• Controle de nı́vel em reservatórios de alturas elevadas.

71
XC201 - Sensores Industriais

21.5 Transmissor de Nı́vel Hidrostático


Este instrumento foi desenvolvido para medir continuamente e com grande precisão o nı́vel
em tanques ou reservatórios contendo produtos lı́quidos.
Não apresenta qualquer parte móvel uma vez que seu princı́pio de operação é totalmente base-
ado na medição da pressão exercida pela coluna de lı́quido que fica acima do sensor (mm coluna
d’água). Um circuito eletrônico converte o sinal que vem do sensor de pressão em corrente 4-20
mA, ou em tensão 0-10 V. Por isto, pode ser utilizado em tanques com presença de espuma,
turbulência ou gases/vapores além de não ser afetado por caracterı́sticas do fluı́do que possam
sofrer mudanças como viscosidade ou constante dielétrica.
Duas versões encontram-se disponı́veis: pendular e lateral.
A versão lateral é instalada pelo lado externo do tanque, sendo que a única parte em contato
com o meio é um diafragma. De fácil montagem, apresenta diversas faixas de operação além de,
opcionalmente, poder contar com indicação local e conexão sanitária. Possui várias aplicações
envolvendo água, produtos quı́micos, alimentı́cios, farmacêuticos, entre outros. A versão pendular
é composta somente por um sensor preso a um cabo, sendo submerso até o fundo do tanque. Sua
principal aplicação é a medição de água, tanto em tanques ou reservatórios como em poços pro-
fundos, uma vez que devido ao seu tamanho reduzido, permite ser introduzido através de bocais
de pequeno diâmetro.

Figura 21.5: Sensor de Nı́vel Hidrostático

21.5.1 Caracterı́sticas:
• Sem partes móveis;

• Partes molhadas em Aço Inox e PP (versão pendular) e Aço Inox e cerâmica (versão lateral);

• Saı́da 4-20mA ou 0-10 V;

• Não é afetado pela presença de espuma, turbulência ou gases/vapores;

• Excelente precisão;

• Fácil instalação.

21.5.2 Aplicações:
• Monitoramento contı́nuo do nı́vel de tanques ou reservatórios;

• Lı́quidos como água, produtos quı́micos, entre outros;

• Medição do nı́vel de poços profundos (versão pendular).

72
XC201 - Sensores Industriais

21.6 Transmissor de Nı́vel Ultra-sônico


Este instrumento é utilizado na medição contı́nua e precisa do nı́vel de produtos lı́quidos ou
sólidos armazenados em tanques, reservatórios ou silos.

Não possui qualquer parte mecânica em contato com o processo uma vez que seu funcio-
namento é totalmente baseado na emissão de pulsos de ultra-som por um sensor instalado no
tanque/silo que são refletidos pelo material que está sendo monitorando.

Apresenta diferentes opções de materiais para o transdutor (para compatibilidade quı́mica),


saı́das (relés, 4-20 mA a 2 ou 4 fios, 0-10V, RS485, etc.), versões para áreas classificadas, versões
para montagem remota ou integral além de poderem efetuar a indicação de volume e funções de
controle ou alarme de nı́vel.

A grande quantidade de opções permite que este medidor seja utilizado nas mais variadas
aplicações que necessitam da medição de nı́vel sem que ocorra qualquer tipo de contato fı́sico do
instrumento com o meio devido a agressividade (produtos quı́micos como ácidos), pureza (água
ultrapura) ou caracterı́stica intrı́nseca (como produtos altamente viscosos).

Devido à sua grande versatilidade, este medidor pode ainda ser utilizado na medição de vazão
em canal aberto. A única alteração necessária para a mudança de aplicação é a alteração de sua
programação.

Figura 21.6: Sensor de Nı́vel Ultra-sônico

21.6.1 Caracterı́sticas:
• Sem partes móveis;
• Diversas opções de faixas de medição : até 25 m para lı́quidos e 70 m para sólidos;
• Transdutores disponı́veis em diferentes materiais : PP, PVDF, PTFE e Aço Inox;
• Montagem integral ou remota (que pode ser em parede ou painel);
• Ângulo de abertura reduzido: entre 5 e 7o ;
• Compensação de temperatura incorporada e automática;
• Opção de saı́das 4-20 mA, 0-10 V, relés, Hart ou RS485;
• Medidor versátil : medição de produtos lı́quidos ou sólidos;
• Medição de volume ou vazão em canal aberto;
• Linearização de 32 pontos;
• Distância entre sensor e unidade eletrônica : até 300 m (versões remotas).

73
XC201 - Sensores Industriais

21.6.2 Aplicações:
• Monitoramento contı́nuo do nı́vel de tanques ou reservatórios;

• Controle de nı́vel (bombas, válvulas ou outro dispositivo);

• Monitoramento do nı́vel de rios, lagos e barragens ou outros locais abertos;

• Lı́quidos como água, produtos quı́micos, óleos, efluentes, esgotos, polpas, entre outros;

• Sólidos como areia, grãos, pós, areia, farinha, chips de plástico, entre outros;

• Medição de vazão em canal aberto (calhas Parshall ou vertedouros).

21.7 Transmissor de Nı́vel Pendular (Yo-Yo)


É um instrumento utilizado na medição contı́nua de nı́vel de produtos sólidos que são arma-
zenados em silos.

Seu funcionamento é baseado em um sistema eletromecânico composto por um pêndulo (metálico


ou termoplástico), cabo, motor e um circuito eletrônico. O eixo do motor está preso a um carretel
onde o cabo está enrolado, e na ponta deste cabo, encontra-se preso o pêndulo. A descida do
pêndulo é gerenciada pelo motor até que este toque o produto; neste momento, o motor pára e ini-
cia a puxar o cabo e o pêndulo. O circuito eletrônico mede o comprimento de cabo correspondente
à distância do topo até o produto por meio de um sistema ótico (encoder), convertendo este valor
em um sinal analógico de 4-20 mA ou 0-10 V (ou ainda em pulsos ou em RS485) correspondente
ao nı́vel do material dentro do silo.

Apresenta construção robusta (exigindo portanto uma manutenção mı́nima), versões para
áreas classificadas, várias opções de sinais de saı́da, indicador local com saı́das de alarme, possi-
bilidade de interligação em rede (RS485) e opção para conexão direta em PC (incluindo software
para monitoramento).

O compartimento onde o cabo e o sistema mecânico são alojados encontra-se totalmente


isolado do circuito eletrônico, não havendo qualquer possibilidade de contaminação. Devido ao
seu princı́pio de operação, não tem seu funcionamento afetado pela presença de pó ou poeira
no interior do silo bem como de gases ou vapores. Possui grande aplicação em silos de alturas
elevadas ou onde outros tipos de medidores como ultra-sônicos não possam ser utilizados.

21.7.1 Caracterı́sticas:
• Construção robusta;

• Saı́da 4-20 mA, 0-10V, pulsos ou RS485;

• Circuito eletrônico completamente vedado da parte mecânica;

• Não é afetado pela presença de pó ou poeira;

21.7.2 Aplicações:
• Monitoramento contı́nuo do nı́vel de silos;

• Sólidos como granulados e pós como grãos, cimento, areia, cal, farinha, chips de plástico,
cavaco de madeira, entre outros;

• Medição de nı́vel de silos de alturas elevadas;

74
XC201 - Sensores Industriais

Figura 21.7: Sensor de Nı́vel Pendular

• Materiais sólidos com elevada presença de pó/poeira;

• Processos onde possa ocorrer condensação.

21.8 Indicador de Nı́vel Régua Externa


Este instrumento é utilizado na indicação de nı́vel de tanques ou reservatórios onde produtos
lı́quidos são armazenados.

Seu funcionamento é totalmente mecânico, não exigindo ser conectado à rede elétrica ou a
uma fonte de alimentação. Uma bóia localizada no interior do tanque está presa a um cabo que
passa por roldanas na parte externa e no topo; na outra extremidade do cabo um pequeno contra-
peso atua como um indicador de uma escala graduada montada na parede lateral do tanque. À
medida que o nı́vel sobe e desce, a bóia acompanha este movimento que acaba sendo transmitido
ao indicador por meio do cabo.

É um indicador extremamente simples, sendo indicado para situações onde é necessária so-
mente uma indicação visual do nı́vel do lı́quido que está sendo monitorado.

As partes em contato com o processo podem ser fabricadas em diferentes tipos de materiais
(compatibilidade quı́mica). Além disso, apresenta opção para alarmes de nı́vel alto ou baixo e
utilização de selos lı́quidos para aplicações com produtos voláteis.

21.8.1 Caracterı́sticas:
• Visualização à distância;

• Não necessita de alimentação elétrica;

• Alarmes de nı́vel alto/baixo opcionais;

• Diferentes formatos de bóia em função do produto;

• Selo lı́quido para uso com lı́quidos voláteis.

75
XC201 - Sensores Industriais

Figura 21.8: Sensor de Nı́vel Régua Externa

21.8.2 Aplicações:
• Monitoramento de tanques ou reservatórios onde somente indicação visual é necessária;

• Lı́quidos como água, óleos, fluı́dos voláteis, entre outros.

21.9 Chave de Nı́vel Pá Rotativa


É um instrumento eletromecânico utilizado na detecção e controle de nı́vel de silos contendo
materiais sólidos como granulados, minérios, brita, entre outros.
As pás da chave permanecem em constante rotação em baixa velocidade movidas por um pequeno
motor localizado no interior do invólucro. Este motor é automaticamente desligado quando o
produto atinge uma das pás impedindo a rotação normal e deste modo, prolongando a vida útil
do componente.
Apresenta construção robusta, fácil instalação (topo ou lateral) e operação, diversos modelos de
pás para diferentes produtos, ajuste de sensibilidade e versões para altas temperaturas e para
áreas classificadas.
Devido ao seu princı́pio, permite ser aplicado em silos que armazenam diferentes materiais sem a
necessidade de se efetuar qualquer alteração de configuração ou ajuste.

Figura 21.9: Sensor de Nı́vel Pá Rotativa

76
XC201 - Sensores Industriais

21.9.1 Caracterı́sticas:
• Várias opções de pás em função do tipo de produto monitorado;

• Versões para altas temperaturas;

• Ideal para silos que armazenam diferentes tipos de materiais;

• Sensibilidade ajustável em campo;

• Desligamento automático do motor quando em contato com o produto;

• Não é afetado pela presença de pó ou poeira

• Montagem topo ou lateral.

21.9.2 Aplicações:
• Alarme ou controle de nı́vel;

• Sólidos como areia de fundição, grãos, brita, carvão, minérios, cavaco de madeira, entre
outros.

21.10 Transmissor de Nı́vel Capacitivo


Este instrumento é utilizado na medição contı́nua do nı́vel de produtos lı́quidos ou sólidos
armazenados em tanques ou silos de diferentes formatos ou dimensões.

O único componente que se encontra em contato com o processo é uma haste, que juntamente
com um circuito eletrônico são responsáveis pela medição do nı́vel. Nenhuma parte móvel está
presente uma vez que a medição é totalmente baseada na variação de capacitância formada pelo
conjunto haste (do instrumento), produto e parede do tanque (ou uma haste auxiliar/referência).

O medidor pode ter a haste fabricada em diferentes tipos de materiais e revestimentos além
de possuir versões especı́ficas para áreas classificadas, para altas temperaturas e com opções para
saı́da Hart ou com indicador local.

Apresentando caracterı́sticas como fácil instalação e manuseio, este transmissor tem como
principal vantagem sua grande versatilidade, podendo cobrir uma ampla gama de aplicações desde
as mais simples como água até as mais complexas como produtos sólidos (pós por exemplo).

21.10.1 Caracterı́sticas:
• Sem partes móveis;

• Saı́da 4-20 mA ou 0-10 V;

• Opção para saı́da Hart;

• Disponı́vel com hastes rı́gidas ou flexı́veis;

• Hastes revestidas ou não;

• Indicador local opcional;

• Versões para alta temperatura.

77
XC201 - Sensores Industriais

Figura 21.10: Sensor de Nı́vel Pá Rotativa

21.10.2 Aplicações:
• Monitoramento contı́nuo do nı́vel de tanques, reservatórios ou silos;

• Lı́quidos como água, produtos quı́micos, óleos, solventes, entre outros;

• Sólidos como pós e granulados com constante dielétrica relativa maior que 2;

• Medição de nı́vel de tanques de alturas elevadas.

78
Capı́tulo 22

Sensor de Gás

Nos anos recentes, diferentes tipos de gases têm sido usados em diferentes áreas. De fato,
muitos gases industriais tornam-se importantes também como matérias primas. Por esta razão,
entre outras, tornou-se muito importante desenvolver detectores altamente sensı́veis a gases para
evitar acidentes devido a vazamento de gás, e assim, salvar vidas e equipamentos. Tais detectores
devem continuamente monitorar a concentração de um gás particular no ambiente de maneira
quantitativa e seletiva.

Até hoje nenhum sensor de gás existente é 100% seletivo a um único gás. Para alcançar tal
seletividade requer-se o uso de instrumentos que empregam técnicas analı́ticas para identificar os
gases. Contudo estes instrumentos requerem operadores altamente qualificados e geralmente são
muito caros, além de ter um tamanho grande e possuir um lento tempo de resposta.

Um sensor de gás é um dispositivo que detecta moléculas de gases e produz um sinal elétrico
com magnitude proporcional à concentração do gás. Essa leitura da concentração de um ou mais
gases será feita de acordo com a necessidade do local, ou seja, o equipamento pode medir quan-
titativamente ou qualitativamente a concentração de único gás ou de diversos gases ao mesmo
tempo.

Existem diferentes tecnologias e equipamentos atualmente utilizados para detecção de gases,


cada qual com suas vantagens e desvantagens. Grande parte dos sensores comercialmente dis-
ponı́veis é destinada à detecção e quantificação de contaminantes do ar.

Uma caracterı́stica comum aos sensores de gás é que eles não são especializados em detectar
qualquer gás especı́fico. Cada sensor é sensı́vel a um grupo ou famı́lia de gás. Em outras pala-
vras, ele é sujeito a interferência de outros gases, por exemplo, um detector de fumaça em uma
casa não consegue distinguir entre fumaça causada pela queima de um móvel e a fumaça casada
pelo cozimento de alimentos em um fogão. Em casos restritos um filtro quı́mico pode ser insta-
lado para filtrar interferências quı́micas, permitindo que apenas o gás desejado passe para o sensor.

22.1 Sensores Eletroquı́micos


Os sensores eletroquı́micos mais antigos datam da década de 50 e eram utilizados para mo-
nitorar nı́veis de oxigênio. Eram extremamente grandes e pesados. Mais recentemente, foram
desenvolvidos instrumentos melhores e menores, alguns deles portáteis, com uma seletividade e
sensibilidade mais adequada, utilizados para segurança de diversos ambientes em diferentes edi-
ficações.

Todos os sensores eletroquı́micos possuem uma dependência na temperatura, pois a maior

79
XC201 - Sensores Industriais

parte das reações eletroquı́micas têm sua velocidade dependente da temperatura. Em função
disto a maior parte dos sensores eletroquı́micos possuem sensores de temperatura associados para
promover a compensação.

Os sensores eletroquı́micos operam reagindo com o gás. Um sensor eletroquı́mico tı́pico con-
siste em um eletrodo de detecção e um eletrodo reagente separados por uma fina camada de
eletrólito. O gás que entra no sensor reage com a superfı́cie do eletrodo reagente evolvendo um
mecanismo de oxidação e redução. Com o resistor conectado transversalmente entre os eletrodos,
uma corrente proporcional à concentração de gás passa entre o anodo e o catodo. A corrente pode
ser medida para determinar a concentração de gás.

Mudanças de pressão afetam muito pouco os sensores eletroquı́micos, por outro lado, os mes-
mos são bastante sensı́veis a variações na temperatura. Portanto, é importante manter o aparelho
dentro de uma pressão e temperatura estáveis.

Figura 22.1: Esquema de um Sensor de Gás Eletroquı́mico

Figura 22.2: Esquema do mecanismo de redução e oxidação

Embora existam diversos modelos de sensores eletroquı́micos, apara detecção dos mais diversos
gases, eles consistem basicamente dos seguintes componentes.

• Barreira permeável ao gás (membrana hidrofóbica): é usada para cobrir o eletrodo de de-
tecção do sensor, e em alguns casos controla a quantia de moléculas de gás que alcançam a
superfı́cie do eletrodo.

80
XC201 - Sensores Industriais

• Eletrodo: a seleção do material do eletrodo é muito importante e depende do gás a ser


detectado, normalmente são utilizados metais nobres como platina ou ouro.

• Eletrólito: o eletrólito deve facilitar a reação e transportar a carga iônica de maneira eficaz
através dos eletrodos.

• Filtro: na maioria das vezes é instalado na frente do sensor e serve para filtrar gases externos
indesejados deixando atravessar apenas o gás de interesse.

Figura 22.3: Membrana hidrofóbica

22.2 Sensores Infravermelhos


Em geral, para gases tóxicos e combustı́veis os instrumentos de detecção infravermelhos são
os mais utilizados e requerem menos manutenção. Os sensores infravermelhos são altamente se-
letivos e oferecem uma ampla gama de sensibilidades, desde algumas partes por milhão até 100
de concentração do gás.

O principio de detecção infravermelho incorpora somente uma pequena porção de um amplo


espectro eletromagnético. A complexidade das moléculas do gás determina o número de pontos
de absorção que esta terá. A região na qual esta absorção acontece, a quantidade absorvida, e o
caráter especı́fico da curva de absorção são únicos para cada gás. As moléculas de gás podem ser
identificadas usando suas caracterı́sticas e estas podem ser arquivadas para análise do gás para
propósitos de identificação. Uma biblioteca dessas curvas pode ser armazenada na memória do
instrumento, assim quando um determinado gás é identificado pelo detector, seu gráfico é compa-
rado com as curvas armazenadas na memória do equipamento para identificar as moléculas do gás.

Quando a radiação interage com moléculas de gás, parte da energia tem a mesma freqüência
que a natural das moléculas do gás e é absorvida enquanto o resto da radiação é transmitida.
Como as moléculas de gás absorvem esta radiação elas ganham energia e vibram mais vigorosa-
mente. Esta vibração resulta em elevação na temperatura das moléculas do gás. A temperatura
aumenta em proporção com a concentração do gás e é então detectada pelo sensor.
O detector infravermelho é essencialmente um sensor de temperatura e é, então, potencialmente
sensı́vel a mudanças na temperatura do local em que está instalado. Porém, ele trabalha normal-
mente bem em temperaturas ambientes, pois estas variam lentamente. A umidade ambiente tem
muito pouco efeito sobre o detector; entretanto, altas umidades podem ocasionar erros.

81
XC201 - Sensores Industriais

Figura 22.4: Membrana hidrofóbica

82
XC201 - Sensores Industriais

Capı́tulo 23

Referências Bibliográficas

[1] Sensores Industriais / Daniel Thomazini , Pedro Urbano Braga de Albuquerque - São
Paulo: Editora Érica, 2008.

[2] Automação Aplicada / Marcelo Georgini - São Paulo: Editora Érica, 2002.

[3] Caracterı́sticas dos Sensores Industriais - 2012 http://www.ebah.com.br/content/sensores-


industriais

[4] Sensores parte 2 - http://aquarius.ime.eb.br/ aecc/Automacao/Sensores-Parte-2.pdf

[5]Todos os Tipos de Sensores www.ebah.com.br/content/ABAAABB9QAC/todos-os-tipos-


sensores

83
Capı́tulo 24

Aula 1

24.1 Objetivos:
• Proporcionar ao aluno a capacitação necessária ao entendimento dos princı́pios básicos e
funcionalidades dos Sensores Industriais.

24.2 Referências:
• Material didático ministrado pelo professor.
• Apostila XC201.

24.3 Introdução:
Os seres humanos têm uma necessidade forte de sentir, medir e testar coisas. A habilidade
e capacidade para mensurar o estado de equilı́brio e movimento de sólidos, lı́quidos e gases e
dos sistemas que eles constituem é extremamente importante para o entendimento e utilização
das coisas e recursos do mundo real. O estudo da ciência de sensores e da instrumentação é,
portanto, fundamental para permitir avanços nas ciências, tecnologia e na indústria. No contexto
da engenharia, a instrumentação permite melhoramentos nos projetos de máquinas, equipamentos
e processos graças a um conhecimento mais detalhado e preciso dos diversos processos fı́sicos. Este
conhecimento apurado permite um controle mais efetivo da produção possibilitando o uso mais
racional da energia e melhoria na qualidade dos produtos.

24.4 Questionário:
1. O que são Atuadores? Cite exemplos.

2. Explique o que são Sensores, onde são empregados, quais as suas funções e de exemplos.

3. Como você diferencia um sensor analógico de um digital?

4. Qual a diferença entre Sensores e Transdutores?

5. A automação de um processo ou indústria envolve diversos tipos elementos. Cite e explique


a função dos principais elementos de um sistema automatizado.
6. Qual a diferença entre sinais discretos e sinais digitais?

85
Capı́tulo 25

Aula 2

25.1 Objetivos:
• Conhecer e compreender as caracterı́sticas dos sensores industriais.

25.2 Referências:
• Material didático ministrado pelo professor.

• Apostila XC201.

25.3 Material Necessário:


• Kit XC201;

• Fios e cabos para conexões;

25.4 Introdução:
Existem diversos tipos de sensores utilizados em equipamentos eletrônicos. Pode-se usar sim-
ples chaves ou dispositivos de acionamento momentâneo do tipo mecânico, até transdutores espe-
ciais que convertem alguma grandeza fı́sica em uma grandeza elétrica, como, por exemplo, uma
tensão.

Estes sensores servem para informar um circuito eletrônico a respeito de um evento que ocorra
externamente, sobre o qual ele deve atuar, ou a partir do qual ele deva comandar uma determinada
ação. Cada sensor possui caracterı́sticas próprias, seja quanto ao seu acionamento, funcionamento
ou sinal de saı́da.

25.5 Questionário:
1. Como os sensores podem ser classificados quanto a sua linearidade? Exemplifique utilizando
gráficos.

2. Por que os sensores lineares são mais utilizados que os não lineares?

3. No que a caracterı́stica referente a velocidade de resposta pode interferir em um sensor? Dê


exemplos de aplicações onde essa caracterı́stica deve ser levada em conta.

86
XC201 - Sensores Industriais

4. Quais são os tipos de distância de comutação encontrados nas caracterı́sticas de um sensor?


Explique.

5. O que é Zona Morta de um sensor?

6. Explique o que vem a ser a histerese em um sensor.

7. Quais são os tipos mias usuais de saı́das de sensores (analógicos e digitais)? Como elas
funcionam?

8. Explique o que é um sensor Namur e em que ambientes ele deve ser utilizado.

9. Em qual caracterı́stica dos sensores industriais corresponde ao texto abaixo: ’Está ligada à
relação entre uma variação na grandeza fı́sica em questão e a variação na medida elétrica
fornecida pelo instrumento’

• ( )Repetibilidade
• ( )Linearidade
• ( )Exatidão
• ( )Precisão

87
Capı́tulo 26

Aula 3

26.1 Objetivos:
• Conhecer a técnica de controle PWM;

• Conhecer o conversor Freqüência/Tensão;

26.2 Referências:
• Material didático ministrador pelo professor.

• Apostila XC201.

26.3 Material Necessário:


• Kit XC201;

• Fios e cabos para conexões;

26.4 Introdução:
PWM é uma tecnologia que permite controlar o perı́odo cı́clico da freqüência da alimentação.
Com isso, se tem o total domı́nio da potência designada.

Suas aplicações são diversas e abrangem tanto usos industriais quanto domésticos. Em
indústrias, o PWM pode ser usado para controlar elevadores de carga, esteiras rolantes, guin-
chos etc.

Conversores Freqüência/Tensão são utilizados em circuitos decodificadores de sinais modula-


dos em freqüência para recuperação de sinais digitais e de sinais analógicos, como por exemplo
em circuitos de tacômetro e encoders para medida de rotação de motores elétricos.

26.5 Questionário:
1. Explique o que é PWM e como ele funciona. Exemplifique usando gráficos.

2. Onde podem ser utilizados os conversores Freqüência/Tensão?

88
XC201 - Sensores Industriais

26.6 Prática 1 - PWM


1. Simulação de controle de PWM : Usando as fontes de tensão encontrados no módulo Power
Supply, variar os sinais de entrada do circuito PWM (Period e DC). Com o auxilio de um
osciloscópio, verificar e compreender a variação do perı́odo e razão cı́clica (duty cycle).

2. Utilizando o sinal de saı́da do circuito PWM, aplicar esse sinal na entrada do conversor
F/V e com o auxilio de um multı́metro verificar a variação de tensão na saı́da do conversor
quando se varia a freqüência de saı́da do circuito PWM.

89
Capı́tulo 27

Aula 4

27.1 Objetivos:
• Compreender as caracterı́sticas e funcionamento dos sensores de contato e reed switches.
• Conhecer o funcionamento do Voltı́metro e Freqüencı́metro do kit XC201.

27.2 Referências:
• Material didático ministrador pelo professor.
• Apostila XC201.

27.3 Material Necessário:


• Kit XC201;
• Fios e cabos para conexões;

27.4 Introdução:
Denomina-se sensores mecânicos aqueles que sensoriam movimentos, posições ou presença
usando recursos mecânicos como, por exemplo, chaves (switches). Nesta categoria inclui-se os
microswitches e chaves de fim-de-curso. Estes sensores, como o nome sugere, são interruptores
ou mesmo chaves comutadoras que atuam sobre um circuito no modo liga / desliga quando uma
ação mecânica acontece no seu elemento atuador.

Sensores do tipo Reed Switch, são chaves magnéticas que acionam sua saı́da através a ação
de um campo magnético. Podem ser utilizados para detectar a simples aproximação de uma peça
quanto gerar pulsos de controle a cada passagem de uma peça móvel.

27.5 Questionário:
1. O que são sensores fim-de-curso? Onde são utilizados?
2. O que deve ser observado na escolha de um sensor de contato?
3. Qual a diferença de se ligar uma chave com resistor de ’pull-up’ ou com resistor de ’pull-
down’ ? Desenhe o esquema dos dois tipos de configuração.
4. Como funcionam os sensores tipo Reed Switch? Como pode ser classificado?

90
XC201 - Sensores Industriais

27.6 Prática 2 - Multimedidor


1. Voltı́metro: Usando a fonte de tensão encontrada no módulo Power Supply, configurar um
voltı́metro para acionar sua saı́da toda vez que o valor medido for maior que 5V. Ligar a
saı́da do voltı́metro ao buzzer e monitorar o valor da sua entrada variando o valor da fonte
de tensão.

2. Contador: Usando os botões encontrados no módulo Power Supply, verificar o funcionamento


do contador C1 encontrado no módulo Universal Indicator contando os pulsos até 10 e
posteriormente zerando o contador.

3. Freqüencı́metro: Usando a fonte de tensão encontrada no módulo Power Supply, aplicar


um sinal para controlar o perı́odo e o duty-cycle do PWM. Ligar a saı́da do PWM em um
freqüencı́metro, varie a freqüência de entrada e verifique a variação da freqüência no display.

91
Capı́tulo 28

Aula 5

28.1 Objetivos:
• Compreender o funcionamento dos sensores indutivos.

• Conhecer o conversor A/D e o circuito Comparador encontrados no kit XC201.

28.2 Referências:
• Material didático ministrador pelo professor.

• Apostila XC201.

28.3 Material Necessário:


• Kit XC201

• Fios e cabos para conexões;

28.4 Introdução:
Sensores indutivos de proximidade são hoje em dia indispensáveis para área industrial. Quando
comparados às chaves mecânicas eles oferecem todas condições ideais: operação sem contato, alta
freqüência de chaveamento e segurança. Adicionalmente, eles são insensı́veis à vibração, pó e
corrosão. Sensores indutivos detectam todos os metais sem contato.

28.5 Questionário:
• Como funcionam os sensores indutivos? Desenhe seu diagrama para exemplificar.

• Onde os sensores indutivos podem ser utilizados? Dê um exemplo de aplicação prática.

• Qual a função dos sensores indutivos analógicos ?

28.6 Prática 3 - Conversor A/D e Comparador


1. Conversor A/D(1): Usando a fonte de tensão encontrada no módulo Power Supply, aplique
um sinal variando de 0 a 10V na entrada do A/D Converter, com a chave selecionando a
opção ”Bargraf”. Analise o resultado.

92
XC201 - Sensores Industriais

2. Conversor A/D (2): Usando a fonte de tensão encontrada no módulo Power Supply, aplique
um sinal variando de 0 a 10V na entrada do A/D Converter, com a chave selecionando a
opção ”Binary”. Analise o resultado. Faça uma tabela mostrando o valor binário corres-
pondente a cada valor inteiro de tensão entre 0 e 10V.

3. Comparadores (1): Ajuste o potenciômetro de um dos comparadores para obter ”Ganho


Unitário”. Usando uma das fontes de tensão encontradas no módulo Power Supply, aplique
um sinal fixo de 1V na entrada inversora do comparador, e com outra fonte aplique um sinal
variando de 0 a 10V na entrada não-inversora do comparador. Analise o sinal de saı́da.

4. Comparadores (2): Ajuste o potenciômetro de um dos comparadores para obter ”Ganho


Infinito”. Usando uma das fontes de tensão encontradas no módulo Power Supply, aplique
um sinal fixo de 5V na entrada inversora do comparador, e com outra fonte aplique um sinal
variando de 0 a 10V na entrada não-inversora do comparador. Analise o sinal de saı́da.

5. Comparadores (3): Usando a fórmula: Saı́da = (Entrada Não-Inversora - Entrada Inversora)


x Ganho e analisando os sinais de entrada e saı́da aplicados ao circuito comparador, ajuste
o potenciômetro deste para obter ganho de 2.

93
Capı́tulo 29

Aula 6

29.1 Objetivos:
• Compreender o funcionamento dos sensores capacitivos.

• Conhecer o funcionamento do Módulo Analog Sensors.

29.2 Referências:
• Material didático ministrado pelo professor.

• Apostila XC201.

29.3 Material Necessário:


• Kit XC201;

• Módulo Analog Sensors;

• Fios e cabos para conexões;

29.4 Introdução:
Sensores capacitivos são usados para a detecção sem contato de qualquer objeto. Em contraste
com os sensores indutivos, que detectam apenas objetos metálicos, os sensores capacitivos podem
detectar também materiais não metálicos. Aplicações tı́picas são em indústrias de madeira, papel,
vidro, plástico, alimentı́cia e quı́mica.

29.5 Questionário:
1. Como funcionam os sensores capacitivos? Desenhe seu diagrama para exemplificar.

2. Onde os sensores capacitivos podem ser utilizados? Dê um exemplo de aplicação prática.

94
Capı́tulo 30

Aula 7

30.1 Objetivos:
• Compreender as caracterı́sticas e funcionamento dos sensores ópticos digitais.

30.2 Referências:
• Material didático ministrado pelo professor.
• Apostila XC201.

30.3 Material Necessário:


• Kit XC201;
• Fios e cabos para conexões;

30.4 Introdução:
Os sensores ópticos são componentes eletrônicos de sinalização e comando que executam de-
tecção de qualquer material sem que haja contato mecânico entre eles.

Estes sensores sempre são compostos por duas partes: o emissor luz, que pode ser a luz solar ou
componentes eletro-eletrônicos, e o receptor de luz é um componente eletrônico que em conjunto
à um circuito detecta a variação de luz.

30.5 Questionário:
1. Explique o funcionamento do sensor óptico por Retro-Reflexão. Fale sobre a relação da
distância de sua barreira e o elemento refletor. Desenhe o diagrama de seu funcionamento
para exemplificar.
2. Como funcionam os sensores ópticos por Transmissão? Onde eles podem ser utilizados? Dê
um exemplo de aplicação prática e desenhe o diagrama de funcionamento.
3. Fale sobre o funcionamento do sensor óptico por Reflexão Difusa. Desenhe seu diagrama
para exemplificar.
4. Que tipos de materiais podem não ser detectados por cada tipo destes sensores? Explique.
5. Quais dos sensores ópticos possui emissor e receptor montados no mesmo dispositivo?

95
Capı́tulo 31

Aula 8

31.1 Objetivos:
• Fixar os conceitos sobre sensores ópticos.

• Conhecer o funcionamento dos sensores analógicos de cor.

31.2 Referências:
• Material didático ministrado pelo professor.

• Apostila XC201.

31.3 Material Necessário:


• Kit XC201;

• Módulo Analog Sensors;

• Fios e cabos para conexões;

31.4 Questionário:
1. Como funciona o sensor de Luz LDR? Exemplifique desenhando o gráfico de funcionamento.

2. Cite pelo menos 3 exemplos de aplicações práticas utilizando sensores LDR.

3. Como as fibras ópticas podem ser utilizadas nos sensores ópticos? Qual o objetivo de utilizá-
las?

4. Fales sobres alguns tipos de sensores de cor existentes no mercado. Dê exemplos de aplicações.

96
Capı́tulo 32

Aula 9

32.1 Objetivos:
• Compreender o funcionamento dos encoders linear e angular.

• Fixar os conhecimentos sobre todos os tipos de enconders.

32.2 Referências:
• Material didático ministrador pelo professor.

• Apostila XC201.

32.3 Material Necessário:


• Kit XC201;

• Fios e cabos para conexões;

32.4 Introdução:
Os encoders são transdutores de movimento capazes de converter movimentos lineares ou
angulares em informações elétricas que podem ser transformadas em informações binárias e tra-
balhadas por um programa que converta as informações passadas em algo que possa ser entendido
como distância, velocidade, etc. Em outras palavras, o encoder é uma unidade de realimentação
que informa sobre posições atuais de forma que possam ser comparadas com posições desejadas e
seus movimentos sejam planejados.

32.5 Questionário:
1. Como funciona o Encoder Incremental? Fale sobre os 2 modelos deste tipo de enconder,
suas vantagens e desvantagens.

2. Qual a diferença entre o Encoder Incremental e o Absoluto? Quais as vantagens de se


utilizar o Absoluto?

3. A figura abaixo mostra um disco de um Encoder Absoluto de 4 bits. Conforme visto, os


encoders absolutos entregam sua informação em Código Gray. Analisando o disco do enco-
der, faça uma tabela mostrando a posição do encoder (decimal), sua informação entregue
(código Gray) e essa informação em Binário.

97
XC201 - Sensores Industriais

4. Fale sobre os encoders lineares. Quais os tipos encontrados? Como eles funcionam?

32.6 Prática 4 - Encoders


1. Rotary Encoder: Aplique um sinal de 24V na entrada do motor DC para rotacionar o disco
do encoder. Com o auxilio de um osciloscópio analise o sinal de saı́da do encoder.

2. Linear Encoder: Girando manualmente o eixo de guia do encoder linear e com o auxilio de
um osciloscópio analise o sinal de saı́da deste encoder. Ligue os sinais dos reed switches ao
buzzer para sinalizar o final do curso do encoder.

98
Capı́tulo 33

Aula 10

33.1 Objetivos:
• Fixar os conhecimentos em sensores de temperatura.

33.2 Referências:
• Material didático ministrador pelo professor.

• Apostila XC201.

33.3 Introdução:
Os termistores, ou resistores térmicos são dispositivos semicondutores que se comportam como
uma resistência com coeficiente de temperatura alto. Em alguns casos, a resistência de um
termistor à temperatura ambiente pode variar até 5,6% por o C, e este fator se elevam com o
aumento da temperatura. Existem dois tipos distintos de termistores, o PTC e o NTC, sendo
que o primeiro varia sua resistência positivamente com o aumento da temperatura, e o segundo
diminui a sua resistência com o aumento da temperatura. Devido a esta alta sensibilidade, o
termistor PTC tornou-se um transdutor muito conveniente para medições, e controle de processos
calóricos compensando com precisão a mudança de temperatura. O uso de termistores é muito
difundido nestas aplicações, em especial em temperaturas na faixa entre -100o C a 300o C.
Além dos termistores, outro tipo de sensor de temperatura muito utilizado, principalmente em
ambientes industriais são é termoresistência. Esta possui um preço mais elevado se comparada
aos termistores, porém é muito mais linear e precisa.

33.4 Questionário:
1. Desenhe e analise a curva do NTC e do PTC.

2. Descreva sucintamente o funcionamento, vantagens e desvantagens do NTC e do PTC.

3. Quais são as aplicações do NTC e do PTC?

4. Por que o sensor tipo PT100 é muito utilizado na indústria?

5. Explique o efeito de auto aquecimento que ocorre nos sensores que ’transformam’ tempera-
tura em resistência.

6. Fale sobre os 3 tipos de montagens que podem ser utilizados no sensor PT100. Onde cada
uma deve ser utilizada?

99
Capı́tulo 34

Aula 11

34.1 Objetivos:
• Observar e compreender o funcionamento dos sensores de temperatura.

• Exercitar os conhecimentos adquiridos sobre esses sensores.

34.2 Referências:
• Material didático ministrado pelo professor.

• Apostila XC201.

34.3 Material Necessário:


• Kit XC201;

• Fios e cabos para conexões;

34.4 Introdução:
Quando um condutor metálico é submetido a uma diferença de temperatura entre suas ex-
tremidades surge uma força eletromotriz (f.e.m.), cujo valor não excede usualmente a ordem de
grandeza de milivolts, em decorrência da redistribuição dos elétrons no condutor, quando os mes-
mos são submetidos a um gradiente de temperatura. Este é o principio de funcionamento dos
sensores de temperatura do tipo termopar.

O valor da f.e.m. depende da natureza do material e do gradiente de temperatura entre suas


extremidades. No caso de um material homogêneo o valor da f.e.m. não depende da distribuição
de temperatura ao longo do condutor, mas sim, como dito anteriormente, da diferença de tempe-
ratura entre suas extremidades.

Outro sensor de temperatura que utiliza as caracterı́sticas diferentes entre os materiais para as
atuação é o termostato. Baseado na caracterı́stica de dilatação de cada material e usando um par
bimetálico, este tipo de sensor atua [abre ou fecha se contato] quando chega a uma temperatura
pré-determinada.

100
XC201 - Sensores Industriais

34.5 Questionário:
1. Como funciona o sensor com par bimetálico?

2. Explique o funcionamento do sensor de temperatura ”Termopar”.

3. Qual a diferença entre junta quente e junta fria?

4. Abaixo está a tabela do Termopar tipo T:

(a) Qual é a faixa de operação desse termopar ?


(b) Qual o valor do nı́vel de tensão presente nos terminais do termopar para:
• -147 ◦ C:
• - 3 ◦ C:
• 0 ◦ C:
• 206 ◦ C:
• 392 ◦ C:

5. Quais os tipos de termopares existentes no mercado? Quais as principais diferenças entre


eles?

34.6 Prática 5 - Sensores de Temperatura


1. Aplicando um sinal de 24V no borne ’Heater control’ do módulo Temperature Sensors,
para aquecer o bloco de sensores, analise a variação de temperatura mostrada no software
AMK120 do transdutor de temperatura.

101
XC201 - Sensores Industriais

102
XC201 - Sensores Industriais

103
Capı́tulo 35

Aula 12

35.1 Objetivos:
• Desenvolver os conhecimentos em sensores de pressão.

• Conhecer o funcionamento do módulo Pressure Sensor.

35.2 Referências:
• Material didático ministrador pelo professor.

• Apostila XC201.

35.3 Material Necessário:


• Kit XC201;

• Fios e cabos para conexões;

35.4 Introdução:
Sensores de pressão são utilizados numa ampla gama de aplicações que vão desde equipamentos
de consumo até equipamentos médicos, aeroespaciais e para a indústria. Nos casos mais comuns,
a pressão é medida tendo por referência a pressão atmosférica normal, que é a que corresponde
à atmosfera que nos cerca. Essa pressão é denominada relativa ou, se usarmos o termo inglês,
’gage’. No entanto, em muitas aplicações é importante que a pressão de um determinado ambiente
seja medida em relação ao vácuo. Nesse caso, o que temos é a medida absoluta da pressão.

35.5 Questionário:
1. Explique o principio de funcionamento do sensor de pressão?

2. O que diferencia os tipos de sensores de pressão?

3. Fale sobre o sensor de pressão absoluta.

4. Como funciona o sensor de pressão tipo ’Gage’ ? Onde ele deve ser usado?

5. Explique o funcionamento do pressostato. Quais as vantagens e desvantagens desse tipo de


sensor. Onde ele deve ser usado?

104
Capı́tulo 36

Aula 13

36.1 Objetivos:
• Verificar o funcionamento do sensor de temperatura e umidade.

• Concretizar o conhecimento sobre os sensores de vazão.

36.2 Referências:
• Material didático ministrado pelo professor.

• Apostila XC201.

36.3 Material Necessário:


• Kit XC201;

• Fios e cabos para conexões;

36.4 Introdução:
Sensores de umidade são instrumentos que servem para medir a umidade presente nos ga-
ses, mais especificamente na atmosfera. São utilizados principalmente em estudos do clima, mas
também em locais fechados onde a presença de umidade excessiva ou abaixo do normal pode-
ria causar danos, por exemplo em peças de museus, documentos de bibliotecas e elementos de
laboratórios. Os higrômetros são compostos, em sua maioria de substâncias com capacidade de
absorver a umidade atmosférica. Como a umidade e a temperatura são intimamente relacionadas,
é muito comum encontrar sensores que medem junto as duas grandezas.

Sensores de vazão medem a quantidade de material que flui por um determinado local por
unidade de tempo. Existem diversos tipos de sensores de vazão no mercado, desde simples sensores
mecânicos até sensores eletrônicos altamente precisos.

36.5 Questionário:
1. Qual a relação existente entre a temperatura e a umidade? Exemplifique usando gráfico.

2. O que é um Termo-Higrômetro? Como ele funciona??

3. Quais os tipos de sensores de vazão mais utilizados na indústria?

105
XC201 - Sensores Industriais

4. Quais são os sensores de vazão baseados em diferença de pressão? Explique o funcionamento


e a aplicação de cada m deles.

5. Como funciona o sensor de vazão por turbinas? Em que aplicações deve-se utilizar esse tipo
de sensor?

6. Explique o funcionamento do sensor de vazão magnético.

36.6 Prática 6 - Sensor de Umidade / Temperatura


1. Aplicando os sinais de saı́da de temperatura e umidade do módulo Temperature Sensors
em duas entradas do voltı́metro encontrado no módulo Universal Indicator, analise o funci-
onamento desse tipo de sensor. Compare o valor na saı́da de temperatura com o valor da
temperatura ambiente mostrado no display.

106
Capı́tulo 37

Aula 14

37.1 Objetivos:
• Compreender o funcionamento do sensor ultrassom.

• Assimilar os conhecimentos adquiridos em sensores de nı́vel.

37.2 Referências:
• Material didático ministrado pelo professor.

• Apostila XC201.

37.3 Material Necessário:


• Kit XC201;

• Módulo Ultrasonic Sensor;

• Fios e cabos para conexões;

37.4 Introdução:
Medir a variável nı́vel em processos industriais é quantificar referenciais por meio de monito-
ramento e controles de volumes de estocagem em tanques ou recipientes de armazenamento.

Nı́vel é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou lı́quido. Trata-se de
uma das principais variáveis utilizadas em controle de processos contı́nuos, pois através de sua
medição torna-se possı́vel:

• Avaliar o volume estocado de materiais em tanques de armazenamento.

• Balanço de materiais de processos contı́nuos onde existam volumes lı́quidos ou sólidos de


acumulação temporária, reações, mistura, etc.

• Segurança e controle de alguns processos onde o nı́vel do produto não pode ultrapassar
determinados limites.

107
XC201 - Sensores Industriais

37.5 Questionário:
1. Qual a importância dos sensores de nı́vel em um ambiente industrial?

2. Quais são os sensores de nı́vel com saı́da digital? Fale sobre o funcionamento de cada um
deles.

3. Como funciona o sensor de nı́vel ultrasônico? Fale sobre sãs caracterı́sticas e dê exemplos
de aplicações.

4. Qual ou quais sensores de nı́vel podem ser utilizados para medir o nı́vel de sólidos? Comente
sobre como eles fazem essa medida.

5. Dentre os sensores vistos, quais seriam recomendados para uma aplicação de simples, onde só
é necessário verificar se um lı́quido está entre seus limites máximo e mı́nimo determinados?
E quais seriam recomendados em uma aplicação mais complexa, onde deve-se controlar
continuamente o nı́vel e de maneira precisa?

108
Capı́tulo 38

Aula 15

38.1 Objetivos:
• Desenvolver os conhecimentos em sensores de gás.

• Conhecer o funcionamento do módulo Ultrasonic Sensor.

38.2 Referências:
• Material didático ministrado pelo professor.

• Apostila XC201.

38.3 Material Necessário:


• Kit XC201;

• Módulo Gas Sensor;

• Fios e cabos para conexões;

38.4 Introdução:
Existem diversas tecnologias para sensoriamento de gases num ambiente, algumas das quais
empregadas em sensores de incêndio, sensores de fumaça ou ainda na detecção da presença de
substâncias especı́ficas em um ambiente.

Dentre essas tecnologias, umas das mais utilizadas são o sensor de gás eletroquı́mico e o sensor
de gás por infravermelho.

38.5 Questionário:
1. Fale sobre algumas utilidades dos sensores de gás.

2. Por que não se encontram sensores de gás com seletividade 100

3. Qual o princı́pio de funcionamento do sensor de gá eletroquı́mico?

4. O que é uma membrana hidrofóbica?

5. Onde os sensores de gás infravermelhos são mais utilizados?

109
6. Qual o princı́pio de detecção do sensor de gás infravermelho?

7. O que acontece quando a radiação infravermelha interage com as moléculas de gás?


Capı́tulo 39

Conteúdo do Kit:

Depois de retirar o seu kit da embalagem, verifique se o mesmo possui os seguintes itens:

• Bastidor XC201

• Modulo Pressure Sensor

• Modulo Universal Indicator

• Módulo Power Supply /Security Button

• Módulo Comunication Interface

• Módulo Photoeletric and Digital Sensors

• Módulo Encoders e Temperature

• Módulo Analog Sensors

• CD com os manuais dos componentes dos módulos, esquemas elétricos e software necessário
para o uso dos mesmos.

• Cabo tripolar

• Documentação (Apostila, Caderno de Experiências e Manual)

1. Caso ocorra a falta de algum destes itens ou defeito, consulte a Exsto Tecnologia para
esclarecimentos.

2. Itens adicionais podem vir a compor o kit dependendo de cada configuração.

39.0.1 Observação
A lista de Módulos a cima corresponde a todos os módulos disponı́veis para o produto. Então
verifique o Checklist do produto para verificar quais compõem a sua compra.

112
XC201 - Sensores Industriais

39.1 Conteúdo do CD em pastas

Figura 39.1: Distribuição em arvore do conteúdo do CD

113
Capı́tulo 40

Instalação do Hardware

Para o uso de qualquer uma das placas que fazem parte do módulo XC201 siga os procedi-
mentos descritos abaixo:

Verifique no Porta-Fusı́vel na parte traseira do Kit, se o fusı́vel está devidamente colocado e


não esta rompido. Ligue o Kit a rede de alimentação através do cabo Tripolar que o acompanha.
Após ligado, verifique se o Display é inicializado.

114
Capı́tulo 41

Instalação do Software - AMK 120


Transdutor de Temperatura

1. Para as medidas de temperatura utilizando o bloco de aquecimento e os sensores presente


neste módulo, utilizaremos um transdutor de temperatura para efetuar essas medidas de
forma prática, rápida e eficiente.

2. Será apresentado neste manual os passos para instalação e programação do transdutor de


temperatura. O software a ser instalado é o AMK120 Console v1.0, e se encontra disponı́vel
para download no CD que acompanha o kit XC200 na pasta Programas.

3. Execute o software. Clique em Next para avançar os passos de instalação:

115
XC201 - Sensores Industriais

4. O software será instalado.

5. Após a instalação do software conecte o sensor conforme o esquema elétrico disponı́vel nos
bornes do kit. Este esquema de ligação também se encontra faceado ao transdutor de nı́vel
e os mesmos estão disponı́veis em bornes facilitando a ligação.

116
XC201 - Sensores Industriais

6. Para exemplo de aplicação, iremos utilizar um sensor PT100 cuja a ligação segue o esquema
abaixo:

7. Após conectar o sensor ao transdutor de temperatura, alimente o transdutor com 24Vdc,


seguindo o esquema de ligação apresentado na etiqueta do produto.

8. Para parametrização do transdutor, utilizaremos um cabo USB / Mini-USB que acompanha


o kit para programação dos parâmetros entre computador / transdutor.

117
XC201 - Sensores Industriais

9. Conecte a MINI-USB no transdutor de temperatura. Observe os Leds de indicação de status


TX e RX.

10. Serão apresentados nas próximas figuras, o passo a passo para configuração do software.
Abra o programa. Segue abaixo a tela inicial do programa AMK120.

118
XC201 - Sensores Industriais

11. Clique em AMK120 e selecione a opção: Selecionar porta serial. Após selecionar a porta
serial que o dispositivo está conectado clique em ok.

12. Selecione a opção Conectar:

119
XC201 - Sensores Industriais

13. Aparecerá a seguinte mensagem:

14. Selecione a opção configurar:

120
XC201 - Sensores Industriais

15. A próxima tela é onde inserimos os dados para parametrização do transdutor de tempera-
tura. Selecione o tipo de sensor que deseja configurar, o sinal de saı́da que deseja e a faixa
de rastreamento deste sinal. Em seguida clique em Programar. Aparecerá uma tela com os
dados configurados, confirme e por último feche a tela de configuração.

16. Clique em INICIAR para começar a medição:

121
XC201 - Sensores Industriais

17. Um gráfico é plotado com os valores de temperatura atual, sinal de saı́da e nı́vel de saı́da de
acordo com o tempo de amostragem configurado pelo programador. Os valores se encontram
ao lado direito da tela.

18. Clique em Amostras no console para visualizar os valores na tela:

122
XC201 - Sensores Industriais

19. Clique em PARAR e em seguida clique em AMOSTRAS. Abrirá uma tabela com todos os
valores de amostragem em determinados instantes:

20. Na opção EDITAR, você pode configurar a aparência do seu gráfico e tela. Na opção
ARQUIVO os valores podem ser exportados em formato BMP ou CSV.

21. Para outro sensor, desconecte e conecte de acordo com o esquema de ligação e inicie os
mesmos passos aqui apresentado.

Obs.: Após conectar o sensor ao dispositivo o Led Status piscará rapidamente, isso indica
que o sensor inserido não corresponde ao mesmo sensor interno. Após fazer a parametrização
o Led Status piscará lentamente indicando que o sensor já se encontra configurado e pronto
para realizar sua função.

123
Capı́tulo 42

Hardware

42.1 Pressure Sensor


• Visão da placa:

Figura 42.1: Layout do módulo Sensor de Pressão

• Descrição: O Módulo Pressure Sensor possui um conjunto simulador de pressão constituı́do


de uma Pêra (para bombear o ar) e um Relógio (para registro em mmHg). Além do con-
junto simulador de pressão, o módulo Pressure Sensor possui um circuito localizado na parte
posterior do módulo, onde se encontra um sensor de pressão. O sensor lê a pressão gerada
e passa essa informação ao circuito que por sua vez varia a saı́da entre 0 e 10V.

Também encontra-se nesse módulo o primeiro Botão de Acionamento de Segurança que in-
terage com o segundo botão encontrado no junto ao módulo Power Supply.

42.2 Universal Indicator


• Visão da placa:

• Descrição: O módulo Universal Indicator é dividido em 8 partes.

124
XC201 - Sensores Industriais

Figura 42.2: Layout do módulo Indicador Universal

A/D Converter : O conversor A/D possui uma entrada que pode variar entre 0 a 10V.
Sua saı́da (LEDs) irá variar de acordo com o valor da entrada de duas maneiras distintas
que variam de acordo com a chave seletora encontrada no painel. Se a chave estiver selecio-
nando a opção ’Bargraf’ os LEDs mostrarão em porcentagem o valor da entrada. Se a opção
selecionada for ’Binary’, será mostrada a palavra binária correspondente ao valor da entrada.

PWM: Esta parte do circuito funciona da seguinte maneira. Ela possui duas entradas que
variam o Perı́odo e o Duty Cycle do PWM, os sinais dessas entradas devem variar entre
0 e 10V, sendo que em 0V o perı́odo será mı́nimo como também o duty cycle. Em 10V o
perı́odo e o duty cycle estarão em sua escala máxima. Estão dispostos ao lado dos bornes
de entrada dois bornes de saı́da que entregam o sinal do PWM e seu sinal invertido. O sinal
de saı́da varia de 100 a 10kHz, com pulsos de 24V.
Frequencyneters/Counters: Este circuito possui 2 Contadores/Frequencimetros e duas
entras para zerar seus contadores. A freqüência e a contagem serão mostradas no Display
Gráfico encontrado no painel, na linha indicada ’F/C1’ e ’F/C2’. Inicialmente o Display
estará mostrando a contagem de pulsos através do Contador, para alterar o display para
mostrar o valor da Freqüência siga os passos abaixo:

– Com os botões direcionadores encontrados logo abaixo do display posicione o cursor


sobre o Contador/Frequencimetro desejado.
– Pressione o botão seleção.
– Irá aparecer a tela Frequency/Counter. Nesta tela coloque o cursor sobre a opção
’Counter’ e pressione o botão de seleção até que a opção mude para ’Frequency’.
– Colocar o cursor sobre a opção ’Back’ e pressionar o botão de seleção para voltar ao
menu principal.

Para voltar a mostrar o valor do Contador basta repetir as operações acima, porém modifi-
cando a opção ’Frequency’ para ’Counter’.

Para se zerar o Contador, basta aplicar um sinal de 24V no borne ’Clear’ do respectivo
contador (por exemplo fazendo a ligação do borne com um dos botões encontrados no kit).

Comparator: Cada circuito comparador possui duas entradas, uma saı́da e um potenciômetro.
As entradas correspondem a uma entrada inversora, e outra não-inversora.

125
XC201 - Sensores Industriais

O ajuste do ganho do comparador é feito através do potenciômetro. O ganho pode variar


de 1 até infinito.
A saı́da do comparador varia de acordo com os sinais de entrada e com o ganho ajustado
pelo potenciômetro como a seguir.

– Ganho 1: O sinal de saı́da será o valor da entrada Não-Inversora’ menos o valor da


entrada Inversora.
– Ganho Infinito: O sinal de saı́da será 0V se o valor aplicado na entrada ’Inversora’
for maior que o sinal da entrada ’Não-Inversora’, e será de 24V caso o sinal na ’Não-
Inversora’ seja maior.
– Demais Ganhos: Para outros valores de ganho a saı́da se comportará da seguinte ma-
neira.

Saı́da = (Entrada Não-Inversora - Entrada Inversora) X Ganho


Frequency/Voltage: Esta parte módulo converte uma Freqüência de entrada que deve
variar de 100 a 10Khz em uma tensão de saı́da que irá variar de 0 a 10V, sendo q a tensão
mı́nima se refere a freqüência mı́nima e a máxima a freqüência máxima.

Buzzer: Encontra-se também neste módulo um Buzzer de Sinalização. Este Buzzer emite
um sinal sonoro toda vez que for alimentado com 24V.

Voltmeter: O Voltı́metro deste módulo possuı́ 4 entradas e 4 saı́das de sinalização. Os


sinais de entrada devem variar entre 0 e 10V. Os valores medidos são mostrados nas suas
respectivas linhas no Display Gráfico. Por exemplo, se for aplicado uma tensão no borne
AN1 o valor da mesma será mostrado na linha do Display indicado com a seta AN1.
As saı́das dos voltı́metros funcionam como descrito a seguir.

– Primeiro deve-se colocar a tensão de referencia na entrada deseja do Voltı́metro (por


exemplo a entrada AN1).
– Com os botões direcionadores posicione o cursor sobre o valor da entrada do Voltı́metro
escolhido. Pressione o botão de seleção.
– Irá aparecer a tela do Voltı́metro escolhido (por exemplo, se foi escolhi a entrada AN1,
na parte superior da tela estará escrito AN1). Além do nome da entrada escolhida,
também aparecem nessa tela o valor que está sendo lido e o valor guardado como ’Set
point’ do voltı́metro.
– Ajuste o valor lido para o valor que se deseja guardar como ’Set point’.
– Selecione a opção ’Store.
– O valor que está na entrada então aparecerá também como ’Stored’.
– Volte ao Menu inicial, selecionando ’Back’.
– Toda vez que a tensão nessa entrada ultrapassar o valor gravado no Set Point a sua
saı́da será ativada com 24V.

Temperature Sensors: Além das informações já citadas acima, o Display Gráfico também
mostra os valores das temperaturas medidas nos Sensores de Temperatura. São mostradas
as medidas de 4 sensores diferentes, os Termopares tipo J e tipo K, o Termistor PT100 e a
temperatura Ambiente medida através do Sensor LM35 encontrado na parte posterior do kit.

126
XC201 - Sensores Industriais

O Display pode mostrar a informação medida pelo sensor de duas maneiras, através do
valor da temperatura, ou a tensão medida no sensor. A seguir é mostrado como mudar a
informação de Temperatura para Tensão.

– om os botões direcionadores posicione o cursor sobre a entrada do Sensor escolhido.


Pressione o botão de seleção.
– O display mostrará a tela do Sensor selecionado. Por exemplo, se foi escolhido o sensor
termopar tipo ’k’, na parte superior da tela irá aparecer ’K Type Thermocouple’. Além
do nome também aparece nessa tela o valor medido.
– Selecione a opção ’Temperature’ até que surja a opção ’Voltage’.
– Volte ao Menu inicial selecionando a opção ’Back’.
– O valor mostrado no Display agora é da Tensão medida no Sensor.

42.3 Power Supply / Security Button


• Visão da placa:

Figura 42.3: Layout do módulo Power Supply/Security Button

127
XC201 - Sensores Industriais

• Descrição: Neste módulo constam Fontes de Tensão e Corrente, o segundo Botão de Acio-
namento de Segurança e 4 Push Buttons.
Voltage Source: Nesta parte do módulo encontram-se 3 Fontes de Tensão que através do
potenciômetro variam suas saı́das de 0 a 10V.
Corrent Source: Neste circuito encontram-se 2 Fontes de Corrente que através do po-
tenciômetro variam suas saı́das de 4 a 20mA.
Switchs: Também neste módulo encontram-se 4 chaves do tipo Não Retentivas (Push Bot-
tons), sendo 2 Normalmente Abertas (NA) que ativam +24Vdc quando pressionadas e as
outras 2 são Normalmente Fechadas (NF) que ativam +24Vdc enquanto não são pressiona-
das.
Power Supply: Nesta parte do módulo encontram-se 4 pontos de positivo e 4 pontos de
negativo (comum) da Tensão de alimentação do kit que é de 24V.
Security Button 2: O Botão de Acionamento de Segurança encontrado nesse módulo inte-
rage com o primeiro botão encontrado junto ao módulo Pressure Sensor. Sua saı́da somente
é acionada se os 2 botões forem acionados ao mesmo tempo, ativando assim uma tensão de
24V em seu borne de saı́da.

42.4 Communication Interface


• Visão da placa:

Figura 42.4: Layout do módulo Interface de Comunicação

• Descrição: Este módulo correspondente a uma Interface DB25, todos os pinos do conector
estão ligados em ordem nos bornes referentes a sua posição. Desta forma, pode ser realizada
qualquer configuração dos pinos do conector com qualquer entrada ou saı́da dos circuitos e
Sensores. Depois de configurada esta ligação, um ’Cabo Paralelo’ pode ser utilizado para
fazer a comunicação do Kit Sensores com outras bancadas. Como por exemplo, a Exsto
oferece os Kits ’Tanque’, ’Esteira Pneumática’ e ’PLC’ que também possuem um conector
DB25 para esta comunicação.
Maiores informações sobre esses kits no nosso site: www.exsto.com.br.

128
XC201 - Sensores Industriais

42.5 Photoeletric and Digital Sensors


• Visão da placa:

Figura 42.5: Layout do módulo Sensores Digitais

• Descrição: Neste módulo constam 5 Sensores Digitais, sendo eles:

– Ótico de barreira com espelho refletivo;


– Ótico Difuso;
– Ótico de barreira Tx/Rx;
– Indutivo;
– Capacitivo.
– Capacitivo K2M

Todos os sensores são do tipo PNP, ou seja quando acionados eles entregam 24V em sua
saı́da e todas as saı́das estão ligadas nos bornes próximos aos sensores.
Para maiores informações sobre os sensores vide manual do fabricante.

42.6 Temperature Sensors


• Visão da placa:

• Descrição: Este módulo é dividido em 2 partes, Encoders e Sensores de Temperatura. En-


conders

– Rotary Encoder: Este circuito é composto por um motor DC o qual é acionado pelo
borne ’Control’ e deve ser alimentado com até 24V. Seu sinal de saı́da é são pulsos de
24V que variam sua freqüência de acordo com a velocidade do motor.

129
XC201 - Sensores Industriais

Figura 42.6: Layout do módulo Encoders / Sensores de Temperatura

– Linear Encoder: O encoder linear é constituı́do de um motor de passo cujo as bobinas


estão ligadas aos bornes dispostos no painel. Para acionar o motor basta então fazer
o acionamento cı́clico das bobinas, que devem ser alimentadas com 24V. Como no
encoder rotativo neste também o sinal de saı́da se encontra no borne correspondente
(Pulse) e é constituı́do de pulsos de 24V que variam sua freqüência de acordo com a
velocidade do motor.
Também neste circuito encontram-se dois Sensores ’fim de curso’ do tipo Reed Switch,
uma em cada extremidade da haste do motor. Desta maneira quando o encoder se
aproxima de alguma das extremidades o sensor correspondente é acionado, entregando
24V em seu borne correspondente (SW1 ou SW2).

Temperature Sensors

– Humidity/Temperature Sensor : Este sensor mede a Temperatura e Umidade ambi-


ente, variando suas saı́das de 0 a 10V. Sua saı́da é proporcional ao valor da umi-
dade/temperatura, por exemplo, se a umidade do ar for de 40%, sua saı́da entregará
4V.

Para maiores informações sobre o sensor vide manual do fabricante.


– Temperature Sensors: Este circuito possui um bloco de aquecimento onde se encon-
tram os sensores Termopares tipo J e tipo K e o PT100, além de uma resistência para
efetuar o aquecimento. A resistência é acionada através de um relé de estado sólido
encontrado na parte posterior do kit.

Este relé por sua vez é acionado através de um sinal que pode variar entre 3 e 32V
aplicado no borne de controle (Heater Control ). Quando ligada a resistência irá aquecer
o bloco que contem os sensores até a temperatura aproximada de 70o C, que é controlada
por um termostato encontrado atrás do bloco de aquecimento. Quando a temperatura
ultrapassa os 70o C o termostato abre e interrompe a alimentação do relé de estado
sólido, que por as vez corta a alimentação da resistência. Os sinais dos sensores são
mostrados no Display Gráfico, conforme explicado no módulo ’Universal Indicator’.

130
XC201 - Sensores Industriais

Módulo Extra

42.7 Analog Sensors


• Visão da placa:

Figura 42.7: Layout do módulo Sensores Analógicos

• Descrição: O Módulo Sensores Analógicos é composto por quatro sensores. Sua alimentação
é feita através dos bornes de ’Power Supply’, sendo que a alimentação do módulo deve ser
de 24V (podendo ser feita através dos bornes de ’Power Supply’ encontrados no módulo
Fontes).

– Sensor Capacitivo Analógico: Este sensor varia sua saı́da de 0 a 10V de acordo com a
distancia do objeto em sua face sensora.
– Sensor Indutivo Analógico: Este varia sua saı́da de 10 a 0V de acordo com a distancia
de um material ferro-magnético em sua face sensora. Quanto maior a proximidade do
objeto, menor a tensão.
– Sensores de Cor: Neste módulo existem dois sensores de cor, sendo um de cor Vermelha
e o outro de cor Verde. Os dois sensores variam sua saı́da de 0 a 10V de acordo com
a proximidade do objeto a sua face sensora, sendo que o sensor de cor Verde é mais
sensı́vel a objetos dessa cor e o de cor Vermelha é mais sensı́vel a sua cor. Quando o
objeto de aproximação for da cor branca, os dois devem saturar (10V) no mesmo ponto
de aproximação.

131