Você está na página 1de 11

Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág.

- 1 - 11

1- NOMENCLATURA NBR 6158

1.1- Objetivos

Esta Norma fixa o conjunto de princípios, regras e tabelas que se aplicam à tecnologia mecânica,
a fim de permitir escolha racional de tolerâncias e ajustes, visando a fabricação de peças
intercambiáveis.
O campo de aplicação desta Norma abrange dimensões nominais de até 3150 mm de peças
intercambiáveis. Esta Norma, embora preparada para utilização em peças cilíndricas, aplica-se a outras
formas, visto que os termos "furo" e "eixo" nela empregados têm significado convencional. Em
particular, o termo "furo" ou "eixo " pode referir-se a uma dimensão interna ou externa de duas faces
paralelas ou planos tangentes de qualquer peça, como a largura de um rasgo ou espessura de uma
chaveta. O sistema prescrito nesta Norma também estabelece ajustes entre elementos cilíndricos
conjugados e ajustes entre peças que tenham elementos com faces paralelas.

1.2- Definições

Para efeito da Norma NBR 6158 são adotado as seguintes definições

a) Eixo - Termo convencional utilizado para descrever uma característica externa de uma peça,
incluindo também elementos não cilíndricos.

b) Eixo-base - Eixo cujo afastamento superior é igual a zero.( ver, Sistema de ajuste eixo-base).
O seu campo de tolerância é h

c) Furo - Termo convencional utilizado para descrever uma característica interna de uma peça,
incluindo também elementos não cilíndricos.

d) Furo-base - Furo cujo afastamento inferior é zero ( ver, Sistema de ajuste furo-base). O seu
campo de tolerância é H

e) Dimensão - Número que expressa em uma unidade particular o valor numérico de uma
dimensão linear.

f) Dimensão nominal ( Dnom, dnom) * - Dimensão a partir da qual são derivadas as dimensões
limites pela aplicação dos afastamentos superior e inferior ( ver Fig -1.1)
Nota: Na aula iremos considerar como sendo o número inteiro mais próximo das dimensões
limites. ( isto não quer dizer que a dimensão nominal de uma peça tem quer ser um número inteiro ! ! !).

( * ) - As letras maiúsculas são usadas para furos (Dnom), e as minúsculas para eixos (dnom).

Figura 1.1Dimensão nominal e dimensões máxima e mínima.

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio


Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág. - 2 - 11

g) Dimensão efetiva - Dimensão de um elemento obtido pela medição.

h) Dimensão efetiva local - Qualquer distância individual em uma seção transversal da peça,
Isto é, qualquer dimensão medida entre dois pontos opostos quaisquer.

Exemplo 1.1

Sejam as medidas efetivas realizadas em uma certa peça.


a) 30,40 mm e 30,10 mm
b) 29,80 mm e 29,50 mm
Determinar para esses dados a dimensão nominal das peças

solução: Em ambos os casos a dimensão nominal é:


Dnom = 30,00 mm

i) Dimensão limite - As duas dimensões extremas permissíveis para um elemento, entre as


quais a dimensão efetiva deve estar.

j) Dimensão máxima ( Dmax, dmax) - A maior dimensão admissível de um elemento. (ver Fig. 1.1)

k) Dimensão mínima ( Dmin, dmin) - A menor dimensão admissível de um elemento. (ver Fig. 1.1)

l) Elemento - Parte em observação de uma peça

m) Linha zero - Linha reta que representa a dimensão nominal e serve de origem aos
afastamentos em uma representação gráfica de tolerância e ajuste (ver Fig. 1.2)
Nota: De acordo com a convenção, a linha zero é desenhada horizontalmente, com
afastamentos positivos mostrados acima e afastamentos negativos abaixo. ( ver Fig. 1.2)

Figura 1.2 - Representação convencional de um campo de tolerância.

n) Afastamentos fundamentais - Diferença algébrica entre uma dimensão (dimensão efetiva,


dimensão limite, etc.) e a correspondente dimensão nominal (ver Fig. 1.2)
Nota: Os afastamentos são designados por letras maiúsculas para furos(A ....ZC) e por letras
minúsculas para eixos (a ...zc). Para evitar confusão, as seguintes letras não são usadas: I, i; L,l; Q,q;
W,w
o) Afastamento superior ( As, as) - Diferença algébrica entre a dimensão máxima e a
correspondente dimensão nominal ( ver Fig. 2.2-2). As Letras "As" são designadas para afastamentos
em furos e as letras "as" para afastamentos em eixos.

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio


Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág. - 3 - 11

p) Afastamento inferior (Ai, ai) - Diferença algébrica entre a dimensão mínima e a


correspondente dimensão nominal ( ver Fig. 2.2-2). As letras "Ai" são designadas para afastamentos em
furos e as letras "ai" para afastamentos em eixos.

q) Afastamento fundamental - afastamento que define a posição do campo de tolerância em


relação à linha zero, podendo ser o superior ou o inferior.
Nota: Este afastamento pode ser tanto o afastamento superior como o inferior, mas, por
convenção, é aquele mais próximo da linha zero.

r) Tolerância ( t ) - Diferença entre a dimensão máxima e a dimensão mínima, ou seja, diferença


entre afastamento superior e o afastamento inferior.
Nota: A tolerância é um valor absoluto, sem sinal.

Exemplo 1.2

Seja um furo e um eixo cujas dimensões efetivas são:


furo Dmax = 40,60 mm, Dmin = 40,20 mm
eixo dmax = 39,90 mm , dmin = 39,4 mm
Determinar os afastamentos superior e inferior, a tolerância do furo e
do eixo, e fazer sua representação em relação à linha zero.

Solução: Neste caso a dimensão nominal de ambos, furo e eixo são


iguais; Dnom = 40,00 mm e dnom = 40,00 mm

Para o furo temos: As = Dmax - Dmon = 40,60 - 40,00 = +0,60 mm


Ai = Dmin - Dnom = 40,20 - 40,00 = + 0,20 mm
Para o eixo temos: as = dmax - dmon = 39,90 - 40,00 = - 0,10 mm
ai = dmin - dnom = 39,40 - 40,00 = - 0,60 mm

Tolerâncias-padrão
Furo → IT = As - Ai = 0,60 - 0,20 = 0,40 mm
Eixo → IT = as - ai = [(-0,10 ) - (-0,60 )] = 0,50 mm
Representação

s) Tolerância-padrão (IT) - Qualquer tolerância pertencente a este sistema.


Nota: As letras do símbolo IT significam International Tolerance

t) Graus de tolerância-padrão (IT) - Grupo de tolerância considerado como correspondente ao


mesmo nível de precisão para todas as dimensões nominais. A Tabela 1 fornece os valores de
tolerâncias-padrão. Os graus de tolerância-padrão são designados pelas letras IT e por um número (por
exemplo: IT7). Quando o grau de tolerância é associado a um afastamento fundamental para formar uma
classe de tolerância, as letras IT são omitidas (por exemplo: h7)
Nota: O sistema prevê um total de 20 graus de tolerância-padrão dos quais os graus IT1 a IT18
são de uso geral. Os graus IT0 e IT01 não são de uso geral e são dados para fins de informação.

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio


Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág. - 4 - 11

Figura 1.3 Representação esquemática das posições dos afastamentos fundamentais

u) Campos de tolerância - Em uma representação gráfica de tolerâncias, o campo


compreendido entre duas linhas, representando as dimensões máxima e mínima, é definido pela
magnitude da tolerância e sua posição relativa em relação à linha zero (ver Fig. 1.2).

v) Classe de tolerância - Combinação de letras representado o afastamento fundamental,


seguida por um número representando o grau de tolerância padrão.
Exemplo: H7 ( furos);
h7 ( eixos)

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio


Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág. - 5 - 11

Figura 1.4 - Afastamentos para eixos e furos

x) Grupos de dimensões nominais - Por conveniência, as tolerâncias-padrão e os


afastamentos fundamentais não são calculados individualmente para cada dimensão nominal, mas para
um grupo de dimensões nominais, como dados na Tabela 4 da Norma NBR 6158 . Estes grupos estão
separados em grupos principais e grupos intermediários. Os grupos intermediários são usados somente
em certos casos para cálculo de tolerância-padrão e dos afastamentos de "a" a "c" e "r" a "zc" para eixos
e de "A" a "C" e "R" a "ZC" para furos. Os valores destas tolerâncias-padrão e afastamentos
fundamentais para cada grupo de dimensão nominal estão calculadas a partir da média geométrica (D) e
das dimensões limites (D1 e D2) deste grupo como segue

D= D 1 xD 2 , em mm (1.1)

Para o primeiro grupo de dimensão nominal (menor ou igual a 3 mm) a média geométrica D, de
acordo com a convenção é tomada entre as dimensões 1 mm e 3 mm, portanto, D= 1,732 mm

exemplo: grupo de dimensões nominais

> 3 até 6 inclusive


> 6 até 10 inclusive
" " "
> 400 até 500 inclusive
↓ ↓
D1 D2

y) Fatores de tolerância-padrão (I,i) - Fator que é uma função da dimensão nominal e que é
usado como base para determinação da tolerância-padrão do sistema.
Notas: a) O fator de tolerância-padrão " i " é aplicado para dimensão nominal menor que 500
mm(inclusive). Por exemplo, para graus de tolerância-padrão de IT5 a IT18, a formula do fator de
tolerância-padrão, i, é:

i = 0,45 3 D + 0,001 D (µm) (1.2)

onde: D = é calculado pela EQ. 1.1

b) O fator de tolerância-padrão " I " é aplicado para dimensão nominal maior que 500
mm até 3150 mm (inclusive). Neste caso, para grau de tolerância de IT1 a IT18, o fator de tolerância " I
" será:

I = 0,004 D + 21
, (µm) (1.3)

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio


Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág. - 6 - 11

onde: D = é calculado pela EQ. 1.1

Os valores das tolerâncias-padrão, (IT), são calculados em termos do fator de tolerância-padrão,


(I,i), como mostrados na Tabela 7 da NBR 6158 em função do grau de tolerância-padrão.

Por exemplo: O valor da tolerância-padrão, (IT), para IT10 é calculado, como indicado na
Tabela 7 da NBR 6158 como:

IT = 64 i

Exemplo 1.3

seja o grupo de dimensões entre 6 mm e 10 mm. Determinar o fator de tolerância padrão, i e a


tolerância-padrão (IT) para o grau de tolerância IT8

Solução Para este grupo de dimensões temos


D = 6 x 10 = 7,746 mm
o fator de tolerância padrão para essas dimensões vale:
i = 0,45 3 7,746 + 0,001(7,746) = 0,898 (µm)

Da Tabela 7, NBR 6158, temos, para grau de tolerância IT8

IT = 25 i → IT = 25 (0,898) → IT = 22,45 µm

arredondando como indicado na Tabela 10 da NBR 6158

IT = 22 µm

1.3- Sistema de tolerância

Como já foi dito, no Brasil, a Norma que rege o sistema de tolerância é a NBR 6158 (jun/1995),
nesta Norma as dimensões toleradas são representadas pela sua dimensão nominal seguida de uma
letra (maiúscula se a dimensão for de um furo e minúscula se for um eixo) e de um número. A letra
representa o Classe de tolerância ou seja o valor de um dos afastamentos, enquanto que o número
representa a tolerância ou como é normalmente chamado a "qualidade de trabalho"

Afastamentos fundamentais para eixos (exceto js)

Os afastamentos fundamentais para eixos e seu respectivos sinais (+ ou -) são mostrados na


Fig. 1.5 . Os valores para os afastamentos fundamentais são dados na Tabela 2 da NBR
6159/(jun1995).

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio


Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág. - 7 - 11

Figura 1.5 Afastamentos para eixos

Exemplo de representação de dimensões toleradas observando as recomendações da NBR 6158

Relação dos IT com a aplicação e o processo de obtenção

IT APLICAÇÃO PROCESSO DE OBTENÇÃO


01, 0 ,1 Calibres de alta precisão Lapidação
2, 3 Calibres e aparelhos de medida Lapidação
4 Calibres e mecânica fina Retificação
5 Mecânica precisa Retificação
6, 7 Mecânica em geral Retificação, torneamento fino,
brochamento, fresamento,
alargamento, etc...
8, 9, 10, 11 Mecânica ordinária, aparelhos e Torneamento, fresamento
grandes máquinas brochamento, trefilação etc...
12, 13, 14 Usinagem pesada, peça sem todos os processos por remoção de
responsabilidade, dimensões que cavaco, fundição de precisão
não trabalham ajustadas
15, 16 Peças laminadas, forjadas, fundidas Processos sem remoção de cavaco
Campo de tolerância

Apenas a informação do valor da tolerância dada pelo IT não é suficiente para o cálculo das dimensões
limites, é necessário que se conheça pelo menos o valor de um dos afastamentos e é exatamente esta informação que
o Campo de tolerância irá fornecer.
A posição dos Campos de tolerância em relação a linha zero é designada por letras, as maiúsculas
reservadas para os furos e as minúsculas para os eixos, o conjunto de letras possível de se utilizar é formado por:
Para eixos a, b, c, cd, d, e, ef, f, fg, g, h, (o afastamento superior, as, é a referência)
ITn
js, (para este campo os afastamentos são simétricos e iguais a ± )
2
(onde n é o valor do IT)

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio


Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág. - 8 - 11

k, m, n, p, r, s, t, u, v, x, y, z, za, zb, zc. (o afastamento inferior, ai, é a referência)


Os valores numéricos dos graus de tolerância IT são dados na Tabela 1 da NBR 6158
Os valores numéricos dos afastamentos fundamentais para eixos são dados na Tabela 2 da NBR 6158.

Os valores numéricos dos afastamentos fundamentais para furos são dados na Tabela 3 da NBR 6158.
Também, os valores dos afastamentos fundamentais para furos podem ser determinados através de regras específicas
em função dos afastamentos para eixos. Estas regras serão vistas posteriormente.

EXEMPLO – 1.4

Determine as dimensões limites para a peça indicada como segue: 32a7

Solução: Como o campo está indicado com letra minúscula trata-se de um eixo
dnom = 32 mm
Grau de tolerância = IT7
Da tabela 1 obtemos a tolerância-padrão, IT = 25 µm

Da tabela 2 para o campo "a" e dnom = 32 mm obtemos o afastamento


fundamental superior → as = -310 µm

Como sabemos a tolerância ,IT, é dada por: IT = (as - ai), logo


ai = (as - IT) → = -310 - 25 = -335 µm

Assim as dimensões limites são:

as = dmáx - dnom → dmáx = (as + dnom) → dmáx = (-0,310 +32,000) = +31,690 mm

ai = dmin - dnom → dmin = (ai +dnom) → dmin = (-0,335 +32,000) = +31,665 mm

EXEMPLO – 1.5

Determine as dimensões limites para a peça indicada como segue: 260p10

Solução: Como o campo está indicado com letra minúscula trata-se de um eixo
dnom = 260 mm
Grau de tolerância = IT10
Da tabela 1 obtemos a tolerância-padrão, IT = 210 µm

Da tabela 2 para o campo "p" e dnom = 260 mm obtemos o afastamento


fundamental inferior → ai = +56 µm

Como sabemos a tolerância ,t, é dada por: IT = (as - ai), logo


as = (IT + ai ) → = [210 +56)] = +266 µm

Assim as dimensões limites são:

as = dmáx - dnom → dmáx = (as + dnom) → dmáx = (+0,266+260,000) = 260,266 mm


ai = dmin - dnom → dmin = (ai +dnom) → dmin = (+0,056+260,000) = 260,056 mm

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio


Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág. - 9 - 11

TABELA 1 - Valores numéricos de graus de tolerância IT para dimensões nominais até 3150 mm(A)

Dimensão Graus de tolerância-padrão


nominal
(mm) IT1 T2 IT3 IT4 IT5 IT6 IT7 IT8 IT9 IT10 IT1 IT12 IT13 IT14 IT15 IT16 IT17 IT18
1
Até e
Acima Inclu-
sive Tolerância
( µm) (mm)
- 3(C ) 0,8 1,2 2,0 3 4 6 10 14 25 40 60 0,1 0,14 0,25 0,4 0,6 1 1,4

3 6 1,0 1,5 2,5 4 5 8 12 18 30 48 75 0,12 0,18 0,30 0,48 0,75 1,2 1,8

6 10 1,0 1,5 2,5 4 6 9 15 22 36 58 90 0,15 0,22 0,36 0,58 0,9 1,5 2,2

10 18 1,2 2,0 3,0 5 8 11 18 27 43 70 110 0,18 0,27 0,43 0,7 1,1 1,8 2,7

18 30 1,5 2,5 4,0 6 9 13 21 33 52 84 130 0,21 0,33 0,52 0,84 1,3 2,1 3,3

30 50 1,5 2,5 4,0 7 11 16 25 39 62 100 160 0,25 0,39 0,62 1 1,6 2,5 3,9

50 80 2,0 3,0 5,0 8 13 19 30 46 74 120 190 0,3 0,46 0,74 1,2 1,9 3 4,6

80 120 2,5 4,0 6,0 10 15 22 35 54 87 140 220 0,35 0,54 0,87 1,4 2,2 3,5 5,4

120 180 3,5 5,0 8,0 12 18 25 40 63 100 160 250 0,4 0,63 1 1,6 2,5 4 6,3

180 250 4,5 7,0 10 14 20 29 46 72 115 185 290 0,46 0,72 1,15 1,85 2,9 4,6 7,2

250 315 6,0 8,0 12 16 23 32 52 81 130 210 320 0,52 0,81 1,3 2,1 3,2 5,2 8,1

315 400 7,0 9,0 13 18 25 36 57 89 140 230 360 0,57 0,89 1,4 2,3 3,6 5,7 8,9

400 500 8,0 10 15 20 27 40 63 97 155 250 400 0,63 0,97 1,55 2,5 4 6,3 9,7

(B)
500 630 9,0 11 16 22 32 44 70 110 175 280 440 0,7 1,1 1,75 2,8 4,4 7 11

630 800(B) 10 13 18 25 36 50 80 125 200 320 500 0,8 1,25 2 3,2 5 8 12,5

800 1000(B 11 15 21 28 40 58 90 140 230 360 560 0,9 1,4 2,3 3,6 5,6 9 14

(B
1000 1250 13 18 24 33 47 66 105 165 260 420 660 1,05 1,65 2,6 4,2 6,6 10,5 16,5

1250 1600(B 15 21 29 39 55 78 125 195 310 500 780 1,25 1,95 3,1 5 7,8 12,5 19,5

1600 2000(B 18 25 35 46 65 92 150 230 370 600 920 1,5 2,3 3,7 6 9,2 15 23

(B
2000 2500 22 30 41 55 78 110 175 280 440 700 1100 1,75 2,8 4,4 7 11 17,5 28

(B
2500 3150 26 36 50 68 96 135 210 330 540 860 1350 2,1 3,3 5,4 8,6 13,5 21 33

(A)
Os valores para graus de tolerância-padrão IT01 e IT0 para dimensões nominais menores ou igual a
500 mm são dados na Tabela 5 da NBR 6158.
(B)
Os valores para graus de tolerância-padrão IT1 a IT5 (inclusive) para dimensões nominais acima de
500 mm estão incluidos para uso experimental
(C)
Graus de tolerância-padrão IT4 a IT18 (inclusive) não devem ser usados para dimensões nominais memores ou
iguais a 1 mm.

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio


Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág. - 10 - 11

Tabela 2 - Valores numéricos dos afastamentos fundamentais para eixos


Afastamentos fundamentais, em (µm)
Dimensão
nominal Afastamento superior, as Afastamento inferior, ai
IT5 IT4 ≤ IT3
Todos os graus de tolerância-padrão e IT7 IT8 até e
(mm)
IT6 IT7 > IT7
até e
Acima de inclusive a(A) b c cd d e ef f fg g h js(B)
j k

- 3(A) -270 -140 -60 -34 -20 -14 -10 -6 -4 -2 0 -2 -4 -6 0 0


3 6 -270 -140 -70 -46 -30 -20 -14 -10 -6 -4 0 -2 -4 +1 0
6 10 -280 -150 -80 -56 -40 -25 -18 -13 -8 -5 0 -2 -5 +1 0
10 14 -290 -150 -95 -50 -32 -16 -6 0 -3 -6 +1 0
14 18 -290 -150 -95 -50 -32 -16 -6 0 -3 -6 +1 0
18 24 -300 -160 -110 -65 -40 -20 -7 0 -4 -8 +2 0
24 30 -300 -160 -110 -65 -40 -20 -7 0 -4 -8 +2 0
30 40 -310 -170 -120 -80 -50 -25 -9 0 -5 -10 +2 0
40 50 -320 -180 -130 -80 -50 -25 -9 0 -5 -10 +2 0
50 65 -340 -190 -140 -100 -60 -30 -10 0 -7 -12 +2 0
65 80 -360 -200 -150 -100 -60 -30 -10 0 -7 -12 +2 0
80 100 -380 -220 -170 -120 -72 -36 -12 0 -9 -15 +3 0
100 120 -410 -240 -180 -120 -72 -36 -12 0 -9 -15 +3 0
120 140 -460 -260 -200 -145 -85 -43 -14 0 -11 -18 +3 0
140 160 -520 -280 -210 -145 -85 -43 -14 0 -11 -18 +3 0
160 180 -580 -310 -230 -145 -85 -43 -14 0 -11 -18 +3 0
180 200 -660 -340 -240 -170 -100 -50 -15 0 -13 -21 +4 0
200 225 -740 -380 -260 -170 -100 -50 -15 0 -13 -21 +4 0
225 250 -820 -420 -280 -170 -100 -50 -15 0 -13 -21 +4 0
250 280 -920 -480 -300 -190 -110 -56 -17 0 -16 -26 +4 0
280 315 -1050 -540 -330 -190 -110 -56 -17 0 -16 -26 +4 0
315 355 -1200 -600 -360 -210 -125 -62 -18 0 -18 -28 +4 0
355 400 -1350 -680 -400 -210 -125 -62 -18 0 -18 -28 +4 0
400 450 -1500 -760 -440 -230 -135 -68 -20 0 -20 -32 +5 0
450 500 -1650 -840 -480 -230 -135 -68 -20 0 -20 -32 +5 0
500 560 -260 -145 -76 -22 0 0 0
560 630 -260 -145 -76 -22 0 0 0
630 710 -290 -160 -80 -24 0 0 0
710 800 -290 -160 -80 -24 0 0 0
800 900 -320 -170 -86 -26 0 0 0
900 1000 -320 -170 -86 -26 0 0 0
1000 1120 -350 -195 -98 -28 0 0 0
1120 1250 -350 -195 -98 -28 0 0 0
1250 1400 -390 -220 -110 -30 0 0 0
1400 1600 -390 -220 -110 -30 0 0 0
1600 1800 -430 -240 -120 -32 0 0 0
1800 2000 -430 -240 -120 -32 0 0 0
2000 2240 -480 -260 -130 -34 0 0 0
2240 2500 -480 -260 -130 -34 0 0 0
2500 2800 -520 -290 -145 -38 0 0 0
2800 3150 -520 -290 -145 -38 0 0 0

(A)
Os afastamentos fundamentais "a" e "b" não devem ser usados para dimensões nominais menores ou iguais a 1
mm
(B)
Para classes de tolerância js7 e js11, se o valor IT é um número, n, impar, ele pode ser arredondado para o
ITn
número par imediatamente abaixo, tal que o afastamento possa ser expresso em micrometros inteiros, isto é, ±
2

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio


Aula 1 Nomenclatura - Sistema de Tolerâncias e Ajustes Pág. - 11 - 11

Tabela 2 / Continuação

Valores numéricos dos afastamentos fundamentais para eixos


Afastamentos fundamentais, em (µm)
Dimensão
nominal Afastamento inferior, ai

(mm) Todos os graus de tolerância-padrão

até e
Acima de inclusive m n p r s t u v x y z za zb zc

- 3(A) +2 +4 +6 +10 +14 +18 +20 +26 +32 +40 +60


3 6 +4 +8 +12 +15 +19 +23 +28 +35 +42 +50 +80
6 10 +6 +10 +15 +19 +23 +28 +34 +42 +52 +67 +97
10 14 +7 +12 +18 +23 +28 +33 +40 +50 +64 +90 +130
14 18 +7 +12 +18 +23 +28 +33 +39 +45 +60 +77 +108 +150
18 24 +8 +15 +22 +28 +35 +41 +47 +54 +63 +73 +98 +136 +188
24 30 +8 +15 +22 +28 +35 +41 +48 +55 +64 +75 +88 +118 +160 +218
30 40 +9 +17 +28 +34 +43 +48 +60 +68 +80 +94 +112 +148 +200 +274
40 50 +9 +17 +28 +34 +43 +54 +70 +81 +97 +114 +136 +180 +242 +325
50 65 +11 +20 +32 +41 +53 +66 +87 +102 +122 +144 +172 +226 +300 +405
65 80 +11 +20 +32 +43 +59 +75 +102 +120 +146 +174 +210 +274 +360 +480
80 100 +13 +23 +37 +51 +71 +91 +124 +146 +178 +214 +258 +335 +445 +585
100 120 +13 +23 +37 +54 +79 +104 +144 +172 +210 +254 +310 +400 +525 +690
120 140 +15 +27 +43 +63 +92 +122 +170 +202 +248 +300 +365 +470 +620 +800
140 160 +15 +27 +43 +65 +100 +134 +190 +228 +280 +340 +415 +535 +700 +900
160 180 +15 +27 +43 +68 +108 +146 +210 +252 +310 +380 +465 +600 +780 +1000
180 200 +17 +31 +50 +77 +122 +166 +236 +284 +350 +425 +520 +670 +880 +1150
200 225 +17 +31 +50 +80 +130 +180 +258 +310 +385 +470 +575 +740 +960 +1250
225 250 +17 +31 +50 +84 +140 +196 +284 +340 +425 +520 +640 +820 +1050 +1350
250 280 +20 +34 +56 +94 +158 +218 +315 +385 +475 +580 +710 +920 +1200 +1550
280 315 +20 +34 +56 +98 +170 +240 +350 +425 +525 +650 +790 +1000 +1300 +1700
315 355 +21 +37 +62 +108 +190 +268 +390 +475 +590 +730 +900 +1150 +1500 +1900
355 400 +21 +37 +62 +114 +208 +294 +435 +530 +660 +820 +1000 +1300 +1650 +2100
400 450 +23 +40 +68 +126 +232 +330 +490 +595 +740 +920 +1100 +1450 +1850 +2400
450 500 +23 +40 +68 +132 +252 +360 +540 +660 +820 +1000 +1250 +1600 +2100 +2600
500 560 +26 +44 +78 +150 +280 +400 +600
560 630 +26 +44 +78 +155 +310 +450 +660
630 710 +30 +50 +88 +175 +340 +500 +740
710 800 +30 +50 +88 + 185 +380 +560 +840
800 900 +34 +56 +100 +210 +430 +620 +940
900 1000 +34 +56 +100 +220 +470 +680 +1050
1000 1120 +40 +66 +120 +250 +520 +780 +1150
1120 1250 +40 +66 +120 +260 +580 +840 +1300
1250 1400 +48 +78 +140 +300 +640 +960 +1450
1400 1600 +48 +78 +140 +330 +720 +1050 +1600
1600 1800 +58 +92 +170 +370 +820 +1200 +1850
1800 2000 +58 +92 +170 +400 +920 +1350 +2000
2000 2240 +68 +110 +195 +440 +1000 +1500 +2300
2240 2500 +68 +110 +195 +460 +1100 +1650 +2500
2500 2800 +76 +135 +240 +550 +1250 +1900 +2900
2800 3150 +76 +135 +240 +580 +1400 +2100 +3200

(A)
Os afastamentos fundamentais "a" e "b" não devem ser usados para dimensões nominais menores ou iguais a 1
mm
(B)
Para classes de tolerância js7 e js11, se o valor IT é um número, n, impar, ele pode ser arredondado para o
ITn
número par imediatamente abaixo, tal que o afastamento possa ser expresso em micrometros inteiros, isto é, ±
2

Prof. Dr. Mário César Reis Bonifácio