Você está na página 1de 5
U NIVERSIDADE A GOSTINHO N ETO F ACULDADE DE E NGENHARIA D EPARTAMENTO DE M
U NIVERSIDADE A GOSTINHO N ETO F ACULDADE DE E NGENHARIA D EPARTAMENTO DE M
U NIVERSIDADE A GOSTINHO N ETO F ACULDADE DE E NGENHARIA D EPARTAMENTO DE M
U NIVERSIDADE A GOSTINHO N ETO F ACULDADE DE E NGENHARIA D EPARTAMENTO DE M

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE MECÂNICA

F ACULDADE DE E NGENHARIA D EPARTAMENTO DE M ECÂNICA (REALIDADE EM ANGOLA) D ISCENTE :
F ACULDADE DE E NGENHARIA D EPARTAMENTO DE M ECÂNICA (REALIDADE EM ANGOLA) D ISCENTE :
F ACULDADE DE E NGENHARIA D EPARTAMENTO DE M ECÂNICA (REALIDADE EM ANGOLA) D ISCENTE :
F ACULDADE DE E NGENHARIA D EPARTAMENTO DE M ECÂNICA (REALIDADE EM ANGOLA) D ISCENTE :
F ACULDADE DE E NGENHARIA D EPARTAMENTO DE M ECÂNICA (REALIDADE EM ANGOLA) D ISCENTE :
F ACULDADE DE E NGENHARIA D EPARTAMENTO DE M ECÂNICA (REALIDADE EM ANGOLA) D ISCENTE :

(REALIDADE EM ANGOLA)

D EPARTAMENTO DE M ECÂNICA (REALIDADE EM ANGOLA) D ISCENTE : M ARCELINO P INTO D

DISCENTE:

MARCELINO PINTO DOCENTE:

ENG.º NELSON RODRIGUES PACHECO, MSC

N.º 28072 (5º ANO)

Abril de 2010

: M ARCELINO P INTO D OCENTE : E NG . º N ELSON R ODRIGUES

ÍNDICE

1. SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM ANGOLA

3

1.1. CARACTERISTICAS DOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DA

INDÚSTRIA

ANGOLANA

3

1.2 RAZÕES E PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIAS

4

2. BIBLIOGRAFIA

5

Abril de 2010

1.

SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO EM ANGOLA

Existem? Funcionam? É uma realidade? Já lá vão os tempos dos costureiros nas esquinas das ruas, os sapateiros de quase todas as semanas as retrosarias. Bem, toda uma evolução compreende uma alteração nas estruturas dos serviços e outros. A realidade mais ocidental traduz em lojas multi-uso e áreas multi-tarefas, não em cantinas, barracas e os vulgarmente conhecidos técnicos de embondeiros (recauchutagem, técnico de frio, etc.), no nosso País. Por exemplo nos países do primeiro mundo, particularmente nos Estados Unidos, é bastante nítida a preocupação, que todos têm, em situar suas empresas no 1º quartil de qualidade, ou seja, entre as empresas excelentes ou melhores do mundo. Em consequência, a área de manutenção dessas empresas procura também a excelência. Não há empresa excelente sem que os seus diversos segmentos também não o sejam. Apoiados nessa necessidade, a manutenção nas empresas norte americanas buscam a melhoria de modo constante utilizando, simplesmente, as melhores práticas que existem nessa matéria. Dentro deste contexto não é exagero afirmar, tornando-se 100% fiel, que em Angola, ainda temos a maioria da manutenção, senão mesmo toda, com características do 3º Mundo, no qual nos enquadramos. A grande diferença entre as nações que obtêm excelentes resultados e o nosso país está num pequeno detalhe de enorme importância:

todos eles conhecem e fazem, poucos de nós conhecemos e mesmo assim não fazemos nada”. Fazendo uma rápida análise do que se encontra em grande parte da manutenção em nosso país, podemos distinguir algumas características e algumas consequências, oriundas dessas características, que podem demonstrar o que seja uma “Manutenção de Terceiro Mundo”.

1.1. CARACTERISTICAS DOS SERVIÇOS DE INDÚSTRIA ANGOLANA

MANUTENÇÃO

DA

Em função as considerações e propriedades presentes relativo ao desenvolvimento tecnológico e a operacionalidade, é característico denominar a este tipo de manutenção como “Manutenção do Terceiro Mundo”. E a mesma caracteriza-se com:

- Alta taxa de ré – trabalho (trabalhos repetitivos)

- Falta de pessoal qualificado e deficiência na formação

- Sustentação e convivência com problemas crónicos

- Falta de sobressalentes no stock

- Número elevado de serviços não previstos (praticamente quase que não existe planeamento, perca de tempo)

- Baixa Produtividade

- Histórico de manutenção inexistente ou não confiável.

- Falta de planeamento prévio

- Excesso de improvisação (“gatos”)

- Excesso de Horas Extras

- Falta de tempo para tudo

Abril de 2010

1.2 RAZÕES E PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIAS

A estabilidade sempre foi um factor de desenvolvimento, permitindo a abertura dos mercados garantindo a troca de tecnologia e know-how. Nesta senda vem a seguir a liberalização (e privatizações) de alguns segmentos que garante uma melhoria na especialização dos trabalhos e um maior afluxo industrial.

A criação destas condições torna o mercado cada vez mais competitivo e mais

exigente.

A instabilidade socioeconómica e político-militar que o nosso país atravessou

colocou muita gente errada “por conveniência” em locais chaves de desenvolvimento,

fazendo com que houvesse uma regressão na industrialização e nos serviços, que alargou-se por mais alguns anos que só ultimamente tem dado sinais de mudança progressiva.

Tornando-se necessário quebrar este antigo paradigma da, ainda, necessidade de gestores agraciados “antigos combatentes” pelos seus feitos a passar-mos a ter gestores estratégicos de mercados comerciais dinâmicos. Deixarmos de ter uma visão de fazer manutenção para uma de garantir a disponibilidade e uma missão de produzir resultados em detrimento de reduzir custos.

A não observância destes aspectos geram consequências que podem facilmente

serem observadas:

- Moral do Grupo sempre em baixa

- Falta de confiança dos clientes

- Constante falta de gente (principal problema alegado pelo gerente de manutenção do 3º mundo)

- Não cumprimento de prazos

- Baixa Disponibilidade (de recursos humanos, operacionais, financeiros)

- Elevado número de equipamentos com manutenção inacabada

- Tempo médio de bom funcionamento (baixa taxa de fiabilidade)

- Tempo médio de reparação alto (baixa taxa de manutibilidade)

- Perda constante produção por problemas de equipamentos

- Manutenção predominantemente correctiva não planejada

- Elevado índice de acidentes

- Não se estuda, não se mede, não se planeja

- Tempo altos de requisição

Abril de 2010

2. BIBLIOGRAFIA

- www.wikipédia.com

- MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL, Júlio Nascif Xavier

- A BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO, Célio Cunha de Almeida Prado

- Pacto colonial e industrialização de Angola (anos 60-70), Adelino Torres, Instituto Superior de Economia

Abril de 2010