Você está na página 1de 5

O que é Senso Comum:

Senso comum é o modo de pensar da


maioria das pessoas,
são noções comumente admitidas
pelos indivíduos.
Significa o conhecimento adquirido pelo
homem partir de experiências, vivências
e observações do mundo.

O senso comum se caracteriza


por conhecimentos
empíricos acumulados ao longo da
vida e passados de geração em
geração.
É um saber que não se baseia em
métodos ou conclusões científicas, e
sim no modo comum e espontâneo de
assimilar informações e conhecimentos
úteis no cotidiano.

Saiba mais sobre o significado


de conhecimento empírico.
O senso comum é uma herança cultural
que tem a função de orientar a
sobrevivência humana nos mais
variados aspectos.

Através do senso comum uma criança


aprende o que é o perigo e a
segurança, o que pode e o que não
pode comer, o que é justo e o que é
injusto, o bem e o mal, e outras normas
de vida que vão direcionar o seu modo
de agir e pensar, as suas atitudes e
decisões.

Também faz parte do senso comum os


conselhos e ditos populares que são
tidos como verdades e seguidos pelo
povo. Por exemplo: “Deve-se cortar os
cabelos na lua crescente para que
cresçam mais rápido”.
Senso comum e senso crítico
Enquanto o senso comum está
associado ao conhecimento irrefletido, o
senso crítico é baseado na crítica, na
reflexão, na pesquisa e no pensamento.
As informações são analisadas com
inteligência para se tentar chegar a uma
conclusão.

Saiba mais sobre o significado senso


crítico.
Senso comum e ciência
O senso comum é um conhecimento
assistemático, ou seja, não possui uma
organização prévia ou investigação de
estudos para se chegar a uma
conclusão.

A ciência, no entanto, é tida como


um conhecimento sistemático, pois é
organizada a partir de um conjunto de
teorias, estudos e observações
científicas que sejam coerentes e que
possam se comunicar entre si.
O conhecimento científico é a base
da ciência, pois todas as suas
preposições, teorias e hipóteses são
comprovadas (ou não) através de uma
série de experiências e analises.

"O senso comum é um saber que está presente em


todas as sociedades e em todos os indivíduos (todos são
dotados de senso comum). Mas o senso comum é plural,
variando de sociedade para sociedade e modificando-se
com o decorrer dos tempos.
O senso comum, enquanto princípio de sociabilidade,
constitui o acordo mínimo exigível para que qualquer
sociedade funcione como tal; ele assegura a coesão
indispensável para que se possa falar de comunidade e
de vida coletiva.
Ele é princípio de equilibração, essencial a toda a
sociedade, entre a dimensão do indivíduo e a dimensão
do coletivo ou dito de outra forma, da sujeição do
indivíduo às normas da vida coletivo.
O senso comum é também o senso tradicional.
Costumamos dizer: "sempre foi assim" para justificar
um procedimento que nos criticam.
O senso comum transporta e naturaliza um conjunto
de convenções implícitas ou intrínsecas ao agir humano
coletivamente dimensionado. Neste sentido, ele é
conducente ou solidário de uma aceitação que
assinala uma passividade inerente e indispensável
face às exigências práticas e pragmáticas da vida.
Como se adquire o senso comum? Ele é fruto da
aprendizagem e educação que espontânea e/ou
institucionalmente recebemos enquanto membros de
uma comunidade."
José Manuel Girão e Rui Alexandre Grácio

As principais características do senso comum


Caráter empírico – o senso comum é um saber que
deriva diretamente da experiência quotidiana, não
necessitando, por isso de uma elaboração racional dos
dados recolhidos através dessa experiência.
Caráter acrítico – não necessitando de uma elaboração
racional, o senso comum não procede a uma crítica dos
seus elementos, é um conhecimento passivo, em que o
indivíduo não se interroga sobre os dados da experiência,
nem se preocupa com a possibilidade de existirem erros no
seu conhecimento da realidade.
Caráter assistemático – o senso comum não é estruturado
racionalmente, tanto ao nível da sua aquisição, como ao
nível da sua construção, não existe um plano ou um
projeto racional que lhe dê coerência.
Caráter ametódico – o senso comum não tem método, ou
seja, é um saber que não segue nenhum conjunto de regras
formais. Os indivíduos adquirem-no sem esforço e sem
estudo. O senso comum é um saber que nasce da
sedimentação casual da experiência captada ao nível da
experiência quotidiana ( por isso se diz que o senso
comum é sincrético).
Caráter aparente ou ilusório – Como não há a
preocupação de procurar erros, o senso comum é um
conhecimento que se contenta com as aparências,
formando por isso, uma representação ilusória, deturpada
e falsa, da realidade.
Caráter coletivo – O senso comum é um saber partilhado
pelos membros de uma comunidade, permitindo que os
indivíduos possam cooperar nas tarefas essenciais à vida
social.
Caráter subjetivo – O senso comum é subjetivo, porque
não é objetivo: cada indivíduo vê o mundo à sua maneira,
formando as suas opiniões, sem a preocupação de as testar
ou de as fundamentar num exame isento e crítico da
realidade.
Caráter superficial – O senso comum não aprofunda o
seu conhecimento da realidade, fica-se pela superfície, não
procurando descobrir as causas dos acontecimentos, ou
seja, a sua razão de ser que, por sua vez, permitiria
explicá-los racionalmente.
Caráter particular – o senso comum não é um saber
universal, uma vez que se fica pela aquisição de
informações muito incompletas sobre a realidade ( por isso
também se diz que ele éfragmentário ), não podendo,
assim, fazer generalizações fundamentadas.
Caráter prático e utilitário – O senso comum nasce da
prática cotidiana e está totalmente orientado para o
desempenho das tarefas da vida quotidiana, por isso as
informações que o compõem são o mais simples e diretas
possível.

Fonte: http://www.espanto.info/

Você também pode gostar