Você está na página 1de 2

Universidade Federal do ABC

Fichamento 02
Disciplina: Teoria do Planejamento Urbano e Ambiental.
Aluno: Gustavo Rezende de Souza
Livro: Um breve histórico do planejamento urbano no Brasil

Autor Flavio Villaça

Argumento / O autor analisa o contexto histórico do desenvolvimento de ações no campo do


temática
planejamento urbano e suas consequências nas sociedades de cada época.

Síntese/ O autor discorre acerca da mudança demográfica ocorrida no país em pouco


conteúdos mais de 50 anos, onde o Brasil passou de um país essencialmente rural para
uma sociedade predominantemente urbana.
Concomitante a esse fator, debate-se o planejamento urbano das cidades, prin-
cipalmente entre aquelas que se tornaram grandes centros e concentraram a
maior da parte dos migrantes que se estabeleceram em territórios como São
Paulo e Rio de Janeiro.

A crescente mobilidade urbana e os novos centros não foram acompanhados


de políticas públicas e ações de urbanismo que pudessem estabelecer con-
dições satisfatórias de moradia, segurança e saúde pública para a maior parte
da população. A consequência dessa omissão e ineficácia se traduz nas piores
condições de vida das populações mais carentes; em contrapartida uma pe-
quena parcela da população possuí acesso a esses meios em virtude de privi-
légios econômicos e políticos.

A evolução do planejamento urbano foi abordada de forma sistêmica em todo


texto, pois os autores tiveram a clareza de criar uma conjuntura que pudesse
esclarecer o conceito de planejamento urbano e seus respectivos objetivos no
que tange a gestão de uma determinada cidade ou região. Em seguida, foi tra-
çado um contexto histórico que apresentou a forma como o planejamento ur-
bano foi desenvolvido em território nacional, com traçados da república velha
até os períodos mais contemporâneos; através dessa analise pode-se observar
como cada fase apresentou características distintas, ou seja, todas elas tiveram
um contexto que estava diretamente correlacionado com cenários sociais e
econômicos da sua época.

Todavia, alguns aspectos sempre foram comuns e estão presentes em pratica-


mente todos os períodos analisados, tais como: o deslocamento das populações
mais carentes do debate do planejamento das cidades e a falta de abrangência
das ações de urbanismo propostas, haja vista como a descriminalização social

1
e econômica estiveram sempre presentes, algumas vezes de forma mais latente
ou aguda, em todo o contexto do planejamento urbano das metrópoles.

Posteriormente, o texto aborda com ênfase o surgimento do Estatuto da Cidade


e o conceito da função social da propriedade e a participação da sociedade
como instrumentos de justiça social na aplicação do planejamento urbano.
Em seguida, é realizada uma analise da estrutura social e de todo o contexto
do planejamento urbano desenvolvido nas metrópoles, bem como uma crítica
intensa ao planejamento urbano de caráter estritamente técnico e científico e
como o tema é abordado em determinados meios, sem que as decisões sejam
tomadas de acordo com o perfil socioeconômico de uma determinada locali-
dade.