Você está na página 1de 16

CONTABILIDADE AVANÇADA I Demonstrações Consolidadas

Demonstrações Consolidadas

IAS 27 – CPC 36

Prof. Luís Carlos Barbosa dos Santos


Mestre em Ciências Contábeis pela UFMG

Conteúdo Programático desta aula Introdução


 Introdução Segundo a Fipecafi:
 Objetivo
 Definições “o objetivo da consolidação é apresentar aos leitores,
 Apresentação das DC’s consolidadas principalmente acionistas e credores, os resultados das
 Eliminações e ajustes operações e a posição financeira da sociedade
 Casos práticos controladora e suas controladas, como se o grupo fosse
uma única empresa que tivesse uma ou mais filiais ou
 Participação minoritária: conceituação e cálculo
divisões. Isso permite uma visão mais geral e abrangente e
melhor compreensão do que inúmeros balanços isolados de
cada empresa”.
Objetivo da norma É estabelecer princípios para a apresentação e
elaboração de demonstrações consolidadas quando
a entidade controla uma ou mais entidades.

Definições
Definições Importantes
Demonstrações consolidadas

• São as demonstrações contábeis de um conjunto de entidades


(grupo econômico), apresentadas como se fossem as de uma
única entidade econômica.

Grupo econômico

• É a controladora e todas as suas controladas.

8
Definições Apresentação das demonstrações
contábeis consolidadas
Participação de Não Controlador A controladora pode deixar de apresentar as
• É a parte do patrimônio líquido da controlada não atribuível, demonstrações contábeis consolidadas, se e somente
direta ou indiretamente, à controladora. se, além de permitido legalmente:
Controladora
• É uma entidade que tem uma ou mais controladas. a) a controladora é ela própria uma controlada
(integral ou parcial) de outra entidade, a qual, em
Demonstrações Separadas conjunto com os demais proprietários, incluindo
• São aquelas apresentadas por controladora, investidor em aqueles sem direito a voto, foram consultados e não
coligada ou empreendedor em entidade controlada em fizeram objeção quanto à não apresentação das
conjunto, nas quais os investimentos são contabilizados com demonstrações contábeis consolidadas pela
base no valor do interesse direto no patrimônio (direct equity
interest) das investidas, em vez de nos resultados divulgados e controladora.
nos valores contábeis dos ativos líquidos das investidas.
9 10

Apresentação das demonstrações Apresentação das demonstrações


contábeis consolidadas contábeis consolidadas

(c) a controladora não registrou e não está em processo


b) os instrumentos de dívida ou patrimoniais da controladora de registro de suas demonstrações contábeis na
não são negociados em mercado aberto (bolsas de valores Comissão de Valores Mobiliários ou outro órgão
no País ou no exterior ou mercado de balcão – mercado regulador, visando a emissão de algum tipo ou classe de
descentralizado de títulos não listados em bolsa de valores ou instrumento em mercado aberto;
cujas negociações ocorrem diretamente entre as partes,
incluindo mercados locais e regionais); (d) a controladora final (ou intermediária) da
controladora disponibiliza ao público suas
demonstrações contábeis consolidadas em
conformidade com os Pronunciamentos Técnicos do Comitê
de Pronunciamentos Contábeis.
11 12
Procedimentos de consolidação
Eliminações e Ajustes de Consolidação Na elaboração de demonstrações contábeis
consolidadas, a entidade controladora combina
O art. 250 da Lei 6.404/76 estabelece:
suas demonstrações contábeis com as de suas
“Art. 250. Das demonstrações financeiras consolidadas serão controladas, linha a linha, ou seja, somando os
excluídas: saldos de itens de mesma natureza:
I – as participações de uma sociedade em outra;
II – os saldos de quaisquer contas entre sociedades;
III – as parcelas dos resultados do exercício, dos lucros ou Receitas
prejuízos acumulados e dos custos de estoque ou do ativo não
circulante que corresponderem a resultados, ainda não Ativos Passivos e
realizados, de negócios entre as sociedades.” Despesas

13 14

Procedimentos de consolidação Procedimentos de consolidação


-identificar a participação dos não controladores no
resultado das controladas consolidadas para o período de As demonstrações contábeis da controladora e de suas
apresentação das demonstrações contábeis; controladas utilizadas na elaboração das demonstrações
contábeis consolidadas devem ser de mesma data.
- identificar a participação dos não controladores nos
ativos líquidos das controladas consolidadas, Quando a data de encerramento da controladora for diferente
separadamente da parte pertencente à controladora. da data da controlada, esta última deve elaborar, para fins de
consolidação, demonstração contábil adicional na mesma
- a participação dos não controladores deve ser apresentada data das demonstrações da controladora, a menos que isso
no balanço patrimonial consolidado dentro do seja impraticável.
patrimônio líquido, separadamente do patrimônio
líquido dos proprietários da controladora.

15 16
Formas de avaliação dos investimentos
CasosPráticos
Casos Práticos
em função do relacionamento
Avaliado por equivalência Eliminação de Saldos e transações inter-sociedades:
Controle patrimonial; e
Consolidação integral
Suponhamos que a Controladora A tenha constituído em novembro de 20X1,
uma controlada B (da qual A detém 100% do capital) e que a controladora A
Joint Ventures; Avaliados tenha integralizado em dinheiro todo o capital da Controlada B, que é de
$125.000, e que esta não tenha ainda iniciado suas operações.
por Equivalência
Controle Conjunto
Patrimonial; e Controladora Controlada
Consolidação Proporcional 100%
A B
A 1ª eliminação é a desse investimento, pois é como se fosse transferido
Investimentos em dinheiro de um bolso para outro da mesma entidade.
Influência
Coligadas e avaliados por
significativa
Equivalência Patrimonial Lançamento nº. 01 Débito Crédito

Capital Social (Empresa B) 125.000


Pouca ou nenhuma a Investimento (Empresa A) 125.000
Valor Justo ou Custo
influência
17 Iudícibus et. al. (2010 p. 655)
18

Eliminação de Consolidação
CasosPráticos
Casos Práticos
Saldos
CONTAS Controladora A Controlada B Débito Crédito Consolidados

ATIVO
Eliminação de Saldos e transações intersociedades:
Disponível 75.000 125.000 - - 200.000
Admita-se, ainda, que no início de dezembro de 20X1, a
Clientes - Terceiros 150.000 - - - 150.000
Controladora A tenha vendido mercadorias, a prazo, por
Clientes - Controlada B 100.000 - - (2) 100.000 -
$100.000(Preço de Custo), para sua controlada B e esta, antes do
encerramento do exercício, as tenha vendido para terceiros. Estoques 200.000 100.000 - - 300.000

Investimento na Cia. B 125.000 - - (1) 125.000 -


Essa transação entre empresas gerou saldos patrimoniais (clientes
Ativo Imobilizado 350.000 - - - 350.000
em A e fornecedores em B). Assim a segunda eliminação é:
TOTAL DO ATIVO 1.000.000 225.000 - 225.000 1.000.000

Lançamento nº. 02 Débito Crédito PASSIVO + PL

Fornecedores - Terceiros 450.000 - - - 450.000


Fornecedores (Empresa B) 100.000
Fornecedores - Control. A - 100.000 100.000 (2) - -
a Clientes (Empresa A) 100.000
Capital Social 500.000 125.000 125.000 (1) - 500.000

Reservas 50.000 - - - 50.000


A consolidação da posição patrimonial fica assim:
TOTAL DO PASSIVO + PL 1.000.000 225.000 225.000 - 1.000.000

Iudícibus et. al. (2010 p. 656)


19 Iudícibus et. al. (2010 p. 656)
20
Casos Práticos A consolidação da DRE fica como segue:

Além desses lançamentos, deve-se ainda eliminar, na Demonstração


Consolidada dos Resultados do Exercício, as vendas realizadas Eliminação de Consolidação

intersociedades, pois, logicamente, a controladora A, ao efetuar a venda de Controlada Saldos


CONTAS Controladora A B Débito Crédito Consolidados
$100.000 à controlada B, registrou tal operação como sua receita (vendas)
e, em contrapartida, como custo das mercadorias vendidas. Do ponto de Vendas 1.300.000 - (3) 100.000 - 1.200.000
vista do grupo essa venda não foi realizada junto a terceiros, de forma que Custo das Mercadorias
Vendidas 700.000 - - (3)100.000 600.000
a receita e a despesa (CMV) devem ser eliminadas.
Lucro Bruto 600.000 - 600.000

Lançamento nº. 03 Débito Crédito Despesas 400.000 - - - 400.000

Lucro Líquido 200.000 - 100.000 100.000 200.000


Vendas (Empresa A) 100.000
a Custo da Mercadoria Vendida (Empresa A) 100.000

Iudícibus et. al. (2010 p. 656)


21 Iudícibus et. al. (2010 p. 656)
22

Exercício: UNIFORMIDADE DE CRITÉRIOS CONTÁBEIS


1) A empresa A controla 100% do capital social da empresa B.
A situação do Ativo Não Circulante de ambas, no
encerramento do Balanço Patrimonial, é a seguinte (em Adoção, pela controladora, do Manual de Diretrizes
R$): Contábeis do grupo.
Ativo Não Circulante A B
Participação em sociedade controlada 1.000,00 Definição do Elenco de Contas Padronizado e definição
Imobilizado líquido 5.000,00 3.000,00 das Práticas Contábeis Uniformes a serem seguidas
Intangíveis __650,00 __150,00 por todas as empresas consolidadas.
Total 6.650,00 3.150,00
 Manual de Consolidação
2) Pede-se: O Ativo Não Circulante consolidado .  Plano de Contas
 Controladas que operam no exterior
23 24
ELIMINAÇÕES DA CONSOLIDAÇÃO ELIMINAÇÕES DA CONSOLIDAÇÃO

Lei 6.404/76 Instrução CVM 247/96 Art. 24.


I - excluir os saldos de quaisquer contas ativas e passivas,
Art. 250. Das demonstrações financeiras consolidadas serão
decorrentes de transações entre as sociedades incluídas na
excluídas:
consolidação;
I - as participações de uma sociedade em outra; II - eliminar o lucro não realizado que esteja incluído no resultado
II - os saldos de quaisquer contas entre sociedades; ou no patrimônio líquido da controladora e correspondido por
inclusão no balanço patrimonial da controlada.
III - as parcelas dos resultados do exercício, dos lucros ou
III - eliminar do resultado os encargos de tributos correspondentes
prejuízos acumulados e do custo de estoques ou do ativo
ao lucro não realizado, apresentando-os no ativo
permanente que corresponderem a resultados, ainda não
circulante/realizável a longo prazo - tributos diferidos, no balanço
realizados, de negócios entre as sociedades. patrimonial consolidado.
25 26

Exemplo 18 (Eliminações do Balanço – contabilização) Exemplo 18 (Eliminações do Balanço – contabilização)

Saldos de Balanços
Saldos de Balanços

D – Capital Social (controlada) $


D – Fornecedores (Empresa A)
D – Reservas de Capital (controlada) $
C – Duplicatas a Receber (Empresa B) $
D – Reservas de Lucros (controlada) $
D – Lucros Acumulados (controlada) $
C – Investimentos (controladora) $

27 28
Exemplo 19 (Eliminações da DRE – contabilização) CONTROLES DAS TRANSAÇÕES

Saldos da Demonstração dos Resultados do Exercício


É necessário, durante o ano, controle das transações
realizadas entre as empresas do conjunto e dos saldos
D – Vendas (Empresa A)
intercompanhias, para permitir a apuração dos valores
C – Custo dos Produtos Vendidos (Empresa A) $
de vendas, juros comissões e outras receitas ocorridas
durante o exercício entre as empresas incluídas na
D – Receitas – comissões, juros etc. (Empresa A) consolidação.
C – Despesas – comissões, juros etc. (Empresa B) $

29 30

CONTROLES DAS TRANSAÇÕES CONTROLES DAS TRANSAÇÕES

1. manter controle das transações entre as empresas do 5. desenvolver planos de contas e critérios de contabilização
grupo; padronizados de forma que todas as empresas a serem
2. manter controle dos saldos intercompanhias; consolidadas adotem, tanto quanto possível, critérios
contábeis uniformes entre si e com a mesma classificação;
3. efetuar conciliações periódicas das contas
intercompanhias e ajustá-las na data da consolidação; 6. é interessante também que a controladora que elabora as
demonstrações financeiras consolidadas passe a emitir
4. desenvolver os controles dos itens 1 e 2, contabilmente,
instruções para todas as controladas, cobrindo os tópicos
criando-se conta específicas nos planos de contas das
anteriores com mais detalhes, bem como as datas a serem
diversas empresas;
cumpridas etc.
31 32
PAPÉIS DE TRABALHO MODELOS DE PAPÉIS DE TRABALHO

Exemplo: quatro as empresas a serem consolidadas,  consolidação do Balanço – Ativo


uma controladora e três controladas.
 consolidação do Balanço – Passivo

 consolidação do Resultado do Exercício


CIA.
A  demonstração da evolução do patrimônio líquido
consolidado

 resumo dos lançamentos de eliminações na consolidação


CIA. CIA. CIA.
B C D  papéis de apuração em detalhe, das eliminações de
consolidação
33 34

MODELO 1 - consolidação do Balanço – Ativo MODELO 2 - consolidação do Balanço – Passivo

Companhia A e Controladas
CONSOLIDAÇÃO DO BALANÇO - ATIVO Companhia A e Controladas
CONSOLIDAÇÃO DO BALANÇO - PASSIVO
Eliminações de
Saldos conforme Balanços da Eliminações de
Consolidação Saldos Saldos conforme Balanços da
CONTAS Consolidação Saldos
Controladora Controlada Controlada Controlada Consolidados CONTAS
D C Controladora Controlada Controlada Controlada Consolidados
A B C D D C
A B C D

Ativo Circulante
Disponível Passivo Circulante
Títulos a Pagar
Contas a Receber
Fornecedores
(-) Dup. Descont.
Contas a Pagar
(-) Prov. Dev. Duv.
.
Estoques
.
.
.
.
.
.
.
etc.
etc.

35 36
MODELO 4 - demonstração da evolução do
MODELO 3 - consolidação do Resultado do Exercício patrimônio líquido consolidado

Companhia A e Controladas
CONSOLIDAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Companhia A e Controladas
Eliminações de
DEMONSTRAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO PATRIMÔNIO
Saldos conforme Balanços da
CONTAS
Consolidação Saldos LÍQUIDO CONSOLIDADO
Controladora Controlada Controlada Controlada Consolidados
D C
A B C D
$
Vendas Saldo no início do exercício XXX
(-) Deduções das Vendas
(-) CMV
( + ) Lucro líquido consolidado XXX
(=) Lucro Bruto ( - ) Dividendos distribuídos (XXX)
(-) Desp. Operacionais
. Saldo no final do exercício XXX
.
.
.
etc.

37 38

MODELO 5 - resumo dos lançamentos de Exemplo 20 (Eliminação do investimento e Patrimônio


eliminações na consolidação Líquido)

Companhia A e Controladas 100%


RESUMO DOS LANÇAMENTOS DE ELIMINAÇÕES NA CONTROLADORA A CONTROLADA B
CONSOLIDAÇÃO $125.000

Nº do Referência Descrição
Lançamento ao Papel do Débito Crédito
de Trabaho Lançamento
A controlada B não efetuou nenhuma outra transação.

D – Capital (Empresa B)
C – Investimentos (Empresa A) 125.000

39 40
Exemplo 20 (Eliminação do investimento e Patrimônio Exemplo 21 (Eliminação de contas a receber e a pagar)
Líquido)

100%
CONTROLADORA A CONTROLADA B
Controladora A e sua Controlada B $125.000
Consolidação de Balanços em 31 de Dezembro de X1

CONTAS
Controladora Controlada Eliminação de Consolidação Saldos Venda de mercadorias, por R$100.000,
A B Débito Crédito Consolidados
ATIVO pelo preço de custo.
Disponível 75.000 125.000 200.000
Contas a receber - terceiros
Estoques
150.000
300.000
150.000
300.000
A Controlada B não vendeu nada a terceiros
Investimento na controlada B 125.000 125.000 (1)
Ativo Imobilizado 350.000 350.000
Total do Ativo 1.000.000 125.000 125.000 1.000.000
D – Capital (Empresa B)
PASSIVO
Contas a pagar - terceiros 250.000 250.000 C – Investimentos (Empresa A) 125.000
Capital 500.000 125.000 125.000 (1) 500.000
Lucros Acumulados 250.000 250.000
Total do Passivo 1.000.000 125.000 125.000 1.000.000
D – Contas a Pagar à controladora A (Empresa B)
C – Contas a Receber da controlada B (Empresa A) 100.000
41 42

Exemplo 21 (Eliminação de contas a receber e a pagar) Exemplo 21 (Eliminação de receitas e despesas)

Controladora A e sua Controlada B


Consolidação de Balanços em 31 de Dezembro de X1 Temos ainda que eliminar, na Demonstração Consolidada
CONTAS
Controladora Controlada Consolidação de balanço Saldos dos Resultados do Exercício, as vendas realizadas
A B Débito Crédito Consolidados
ATIVO intercompanhias, pois, logicamente, a controladora A, ao
Disponível 75.000 125.000 200.000
Contas a receber - terceiros 150.000 150.000 efetuar a venda de $100.000 à controladora B, registrou tal
Ctas. a receber da controlada B 100.000 100.000 (2)
Estoques 200.000 100.000 300.000 operação como sua receita (vendas) e, em contrapartida,
Investimento na controlada B 125.000 125.000 (1)
Ativo Imobilizado 350.000 350.000 como custo das mercadorias vendidas.
Total do Ativo 1.000.000 225.000 225.000 1.000.000

PASSIVO
Contas a pagar - terceiros
Ctas a pagar à controladora A
250.000
100.000 100.000 (2)
250.000
D – Vendas (controladora A)
Capital 500.000 125.000 125.000 (1) 500.000
Lucros Acumulados 250.000 250.000 C – Custo das mercadorias vendidas (controladora A) 100.000
Total do Passivo 1.000.000 225.000 225.000 1.000.000

43 44
Exemplo 21 (Eliminação de receitas e despesas) Exemplo 22 (Eliminação de lucro na controlada – total)

100%
CONTROLADORA A CONTROLADA B
$125.000
Controladora A e sua Controlada B Venda de mercadorias por R$140.000 (Custo de
Consolidação do Resultado do Exercício em 31 de Dezembro de X1
R$100.000) e lucro de R$ 40.000
Controladora Controlada Eliminação de consolidação Saldos
CONTAS
A B Débito Crédito Consolidados
Vendas 1.300.000 100.000 (3) 1.200.000 A Controladora A não vendeu nada a terceiros
Custo das mercadorias vendidas 700.000 100.000 (3) 600.000
Lucro Bruto 600.000 100.000 100.000 600.000
Despersas 400.000 400.000
Lucro Líquido 200.000 100.000 100.000 200.000 D – Vendas (controlada B) 140.000
C – Custo das mercadorias vendidas (controlada B) 100.000
C – Estoques (controladora A) 40.000

45 46

Exemplo 22 (Eliminação de lucro na controlada – total) Exemplo 23 (Eliminação de lucro na controlada – parcial)

100%
CONTROLADORA A CONTROLADA B
$125.000
Controladora A e sua Controlada B
Consolidação do Resultado do Exercício em 31 de Dezembro de X1 Venda de mercadorias por R$140.000 (Custo
CONTAS
Controladora Controlada Eliminação de consolidação Saldos de R$100.000) e lucro de R$ 40.000)
A B Débito Crédito Consolidados
Vendas 140.000 140.000 (1)
Custo das mercadorias vendidas 100.000 100.000 (1) A Controladora A vendeu a terceiros metade do
Lucro Bruto 40.000 140.000 100.000 estoque ao preço de R$80.000

D – Vendas 140.000
C – Custos das mercadorias vendidas 120.000
C – Estoques 20.000
Eliminar:
47 48
100 de custo da B + 20 de custo da A
Exemplo 23 (Eliminação de lucro na controlada – parcial) Exemplo 23 (Eliminação de lucro na controlada – parcial)

a) Cálculo da margem de lucro (na controlada B) b) Cálculo do lucro no estoque (na controladora A)

Estoques adquiridos da controlada B 140.000


Preço de venda pela B 140.000
( - ) Estoques vendidos a terceiros 70.000
( - ) Custo das mercadorias vendidas na B 100.000
( = ) Saldo em estoque na controladora A 70.000
( = ) Lucro bruto 40.000
Lucro interno contido no estoque (margem de 28,57%) 20.000
Margem de lucro (Lucro bruto ÷ preço de venda) 28,57%
Estoque sem lucro (a preço de custo do conjunto) 50.000

49 50

Exemplo 23 (Eliminação de lucro na controlada – parcial) Exemplo 23 (Eliminação de lucro na controlada – parcial)

Apuração do valor do investimento na controladora A:


1. Eliminação dos saldos a receber e a pagar intercompanhias
Patrimônio Líquido da controlada B
D – Contas a Pagar (A)
Capital 125.000
C – Contas a Receber (B) 140.000
( + ) Lucros Acumulados 40.000
Total 165.000
2. Eliminação do investimento (100%)
( - ) Lucros não realizados (lucro nos estoques) 20.000
D – Capital (B) 125.000
( = ) Valor ajustado 145.000
D – Lucros Acumulados (B) 20.000
Valor da equivalência = 100% de $145.000 = $145.000
C – Investimentos (A) 145.000
51 52
Exemplo 23 (Eliminação de lucro na controlada – parcial) Exemplo 23 (Eliminação de lucro na controlada – parcial)

3. Eliminação do lucro nos estoques


5. Eliminação da Receita de Equivalência Patrimonial
D – Lucros Acumulados (B)
D – Participação no lucro da controlada B (A)
C – Estoques (A) 20.000
C – Investimentos 20.000

4. Eliminação das vendas internas


D – Vendas (B) 140.000
C – Custo das mercadorias vendidas (B/A) 120.000
C – Estoques 20.000

53 54

Exemplo 23 (Eliminação de lucro na controlada – parcial) Exemplo 23 (Eliminação de lucro na controlada – parcial)

Controladora A e sua Controlada B


Consolidação de Balanços em 31 de Dezembro de X1

Controladora Controlada Consolidação de balanço Saldos Controladora A e sua Controlada B


CONTAS
A B Débito Crédito Consolidados Consolidação do Resultado do Exercício em 31 de Dezembro de X1
ATIVO
Disponível 75.000 125.000 200.000
Contas a receber - terceiros 80.000 80.000 Controladora Controlada Eliminação de consolidação Saldos
CONTAS
Ctas. a receber da controladora A 140.000 140.000 (1) A B Débito Crédito Consolidados
Estoques 70.000 20.000 (3) 50.000
Investimento na controlada B 145.000 145.000 (2)
Vendas 80.000 140.000 140.000 (4) 80.000
Ativo Imobilizado 350.000 350.000 ( - ) Custo das mercadorias vendidas 70.000 100.000 120.000 (4) 50.000
Total do Ativo 720.000 265.000 305.000 680.000 Lucro Bruto 10.000 40.000 140.000 120.000 30.000
PASSIVO ( + ) Partic. no lucro da controlada B 20.000 20.000 (5)
Contas a pagar - terceiros 50.000 100.000 150.000 Lucro Líquido 30.000 40.000 160.000 120.000 30.000
Ctas a pagar à controlada B 140.000 140.000 (1)
Capital 500.000 125.000 125.000 (2) 500.000
Lucros Acumulados 30.000 40.000 20.000 (2) 30.000
20.000 (3)
50 + 20
Total do Passivo 720.000 265.000 305.000 680.000 100 + 20

55 56
PARTICIPAÇÃO DOS ACIONISTAS NÃO CONTROLADORES PARTICIPAÇÃO DOS ACIONISTAS NÃO CONTROLADORES

Lei 6.404/76
Na maioria dos casos, a empresa controladora não
possui, direta ou indiretamente, os 100% do capital da Art. 250. ...

controlada, mas uma percentagem menor. O restante § 1o A participação dos acionistas não controladores no
dessas ações ou quotas da controlada pertence a outras patrimônio líquido e no lucro do exercício será destacada,
pessoas jurídicas ou físicas, denominados não respectivamente, no balanço patrimonial e na demonstração
controladores (ou minoritários). do resultado do exercício. (§ 1o com redação dada pela Lei
nº 9.457, de 05.05.1997.)

57 58

Exemplo 24 (Apuração do Valor da Participação


PARTICIPAÇÃO DOS ACIONISTAS NÃO CONTROLADORES
Minoritária)

Instrução CVM 247/96 Patrimônio líquido da controlada B

Art. 25. A participação dos acionistas não controladores, no Patrimônio Líquido $


patrimônio líquido das sociedades controladas, deverá ser
200.000 ações a $1,00 cada uma 200.000
destacada em grupo isolado, no balanço patrimonial
consolidado, imediatamente antes do patrimônio líquido. Reservas de capital 70.000
Reservas de lucros 95.320
Art. 29. A participação dos acionistas não controladores no
lucro líquido ou prejuízo do exercício das controladas deverá Lucros acumulados 62.430
ser destacada e apresentada, respectivamente, como Patrimônio Líquido total 427.750
dedução ou adição ao lucro líquido ou prejuízo consolidado.
59 60
Exemplo 24 (Apuração do Valor da Participação Exemplo 24 (Apuração do Valor da Participação
Minoritária) Minoritária)

Patrimônio Líquido da Controlada B


Valor Não Controladora
Supondo que as ações do capital tenham a seguinte CONTAS Total Controladores A
distribuição: 20% 80%
Capital Social 200.000 40.000 160.000
Reservas de Capital 70.000 14.000 56.000
Reservas de Lucros 95.320 19.064 76.256
Nº de ações % Lucros Acumulados 62.430 12.486 49.944
Total 427.750 85.550 342.200
Controladora A 160.000 80%
Diversos acionistas não controladores 40.000 20% D – Capital social 40.000
D – Reservas de capital 14.000
Total 200.000 100%
D – Reservas de lucros 19.064
D – Lucros acumulados 12.486
C – Participação dos acionistas não controladores 85.550
61 62

Exemplo 25 (Destaque na DRE)

Conteúdo visto!
 Introdução
Supondo que o lucro da controladora A tenha sido de $1.800.000, e
o da controlada B, de $900.000, totalizando $2.700.000.  Objetivo
 Definições
Controladora A e sua Controlada B  Apresentação das DC’s consolidadas
Demonstração Consolidada do Resultado do Exercício  Eliminações e ajustes
Receita Bruta
 Casos práticos
Lucro Bruto
 Participação minoritária: conceituação e cálculo
Despesas Operacionais
Etc.
Lucro Líquido Total 2.700.000
( - ) Participação minoritária nos resultados de controladas 180.000
Lucro Líquido Consolidado 2.520.000
63