Você está na página 1de 53

Capítulo 21 –

Carga Elétrica e
Campo Elétrico
Introdução
—  Existem 4 tipos de forças fundamentais
—  Até aqui, só estudaram a gravitacional
—  Em Física III estudaremos o eletromagnetismo
—  Fe n ô m e n o s d o d i a a d i a s ã o ( q u a s e ) t o d o s
eletromagnéticos
—  Envolve partículas que tem carga elétrica
—  Carga elétrica é uma propriedade intrínseca da matéria
(assim como a massa)
—  Mas, diferente da gravitacional, duas cargas elétricas
podem se atrair ou se repelir
Introdução
—  Já na antiguidade, os gregos perceberam que
atritando alguns objetos, uns se atraem e outros se
repelem…
Carga Elétrica

Existem 2 tipos de carga elétrica: positiva e negativa


Carga elétrica
—  Cargas de mesmo sinal se repelem (++ ou --)
—  Cargas de sinais opostos se atraem (+-)
—  Na primeira parte de Física III estudaremos a
eletrostática: interações entre cargas elétricas em
repouso (ou quase)
Estrutura da matéria
—  Por que os materiais atritados se carregam?
—  Matéria é formada de átomos…
Átomo
Núcleo central formado por

+ Próton

Nêutron

Nuvens distantes de

- Elétron

Fora de escala!
Tamanho do núcleo ~10-15 m
Tamanho do átomo ~10-10 m
Átomo
—  Elétrons são mantidos no átomo pela força elétrica
do núcleo sobre eles

—  |carga elétron|=|carga do próton|


—  Maior parte dos objetos são neutros (ne=np)
—  Materiais se eletrizam quando atritados pois alguns
roubam elétrons de outros
Lei da conservação da carga elétrica:
carga elétrica passa de um corpo para
outro mas não é criada ou destruída.
Elétrons e prótons
—  Carga do elétron: e=-1,602…x10-19 C

1 C = 1 Coulomb é a unidade de carga


elétrica do Sistema Internacional

—  Elétron tem carga negativa e o próton positiva por


conveção

—  Toda a carga observada na Natureza é múltipla de


e!
Condutores e isolantes
—  Em alguns materiais, as cargas elétricas podem se
mover livremente através do material: condutores

—  Em outros materiais as cargas ficam retidas, sem


poder se movimentar pelo material: isolantes

—  (Nenhum material é 100% isolante ou condutor)


—  Nas experiências de atrito mencionadas, os
materiais eram isolantes
Condutores e isolantes
Indução elétrica
—  Também pode ocorrer eletrização sem
transferência de carga entre um material e outro:
indução

Solo pode ser considerado como


sumidouro e gerador de elétrons
Indução elétrica
—  São (quase) sempre os elétrons que se movem
—  me=9,1x10-31 kg
—  mp=1,67x10-27 kg
—  Porém, convencionou-se adotar que são as cargas
positivas que se movem

—  Na prática, o efeito macroscópico é o mesmo


Atração de corpos neutros
—  Através da indução, um objeto carregado exerce
força elétrica sobre um outro neutro
Lei de Coulomb
—  Usando uma balança de torção, Charles Augustin
Coulomb verificou como se dá a interação entre 2
partículas carregadas

—  A força é proporcional aos módulos das cargas e,


assim como a gravitacional, inversamente
proporcional ao quadrado da distância entre elas
 q1q2 Interação entre duas cargas puntiformes!
F21 = k 2
r
Lei de Coulomb
—  Mesmo módulo,
independente do sinal das
cargas

—  k é uma constante de


proporcionalidade

—  É conveniente definirmos


uma outra constante

—  ε0=8,854x10-12 C2/N.m2


1  1 q1q2
k≡ ⇒ F21 =
4πε 0 4πε 0 r 2
Exemplo 21.1
Uma partícula α é o núcleo do átomo de Hélio. Ela
possui uma massa de m=6,64 x 10-27 kg e carga
elétrica q=2e=3,2x10-19 C. Compare os módulos das
forças elétrica e gravitacional entre 2 partículas α.

r
   
Fe Fg Fg Fe
O que justifica (quase) sempre desconsiderarmos
a força gravitacional em física III.
m1m2 1 q1q2 Fe 1 q1q2 r2 Fe 1 4e 2
Fg = G 2 ∴ Fe = 2
∴ = 2
. ∴ =
r 4πε 0 r Fg 4πε 0 r Gm1m2 Fg 4πε 0 Gmα2
2
Fe
=
(1, 6 ×10−19 ) ⇒ 3,13×10 35
2
Fg 3,1416 × 8,85 ×10 −12 × 6, 67 ×10 −11 ( 6, 64 ×10 −27 )
Direção e sentido
—  Força de q1 em q2 é um
vetor
—  r12èvetor unitário que
aponta sempre da carga q1
para a carga q2
 1 q1q2
r̂12 F12 = 2
r̂12
4πε 0 r
—  Se q1 e q2 tem mesmo
sinalèF12 e r12 tem mesmo
sentido
—  Se q1 e q2 tem sinais
r̂12 opostosèF12 e r12 tem
sentidos opostos
Superposição das forças
—  Qual a força elétrica sofrida por uma carga q3
devido a outras duas cargas q1 e q2?

—  Princípio da superposição das forças: na


eletrostática as forças elétricas se superpõem
(se somam como vetores)
   1 q1q3 1 q2 q3
F3 = F13 + F23 = 2

13 + 2
r̂23
4πε 0 r13 4πε 0 r23
—  Mais cargas (n cargas sobre a carga q)
 n  n
1 qqi
F = ∑ Fiq =∑ r̂
2 i
i=1 i=1 4πε 0 ri
Exemplo 21.3
Duas cargas puntiformes estão localizadas no lado
positivo do eixo OX de um dado sistema de
coordenadas. A carga q1=1nC está localizada a 2cm
da origem e a carga q2=-3nC está a 4cm da origem.
Qual a força total exercida por essas cargas sobre
uma terceira carga q3=5nC colocada na origem?

  x
F13 q3 F23 q1 q2

F3
Exemplo 21.3

  x
F13 q3 F23 q1 q2

 1 q1q3  1 q2 q3
F13 = 2

13 ; F23 = 2
r̂23
4πε 0 r13 4πε 0 r23

q3 = 5q1 ; q2 = −3q1 ; r13 = r ; r23 = 2r ; r̂13 = − x̂ ; r23 = − x̂


   1 ! q1 q2 $ = 1 5q " q1 − 3q1 % − x̂ = − 1 5q " q1 % x̂
F3 = F13 + F23 = q3 # 2 r̂13 + 2 r̂23 & 1$ 2 2 '( ) 1$ 2'
4πε 0 " r13 r23 % 4πε 0 # r 4r & 4πε 0 # 4r &
 5q1 
F3 = − 2
x̂ F3 = − ( 2,8N ) x̂
16πε 0 r
Campo elétrico
—  A força elétrica atua sem que haja contato entre 2 cargas

—  Como uma percebe a presença da outra?


r 
F0
qA q0
 1 q0 qA  " 1 qA %
F0 = r̂A0 ⇒ F0 = q0 $ r̂
2 A0 '
4πε 0 r 2 # 4 πε 0 r &
' " 1 qA %
Se trocarmos q0 por outra carga q0’ ⇒ F0 = q0 $
'
—  r̂
2 A0 '
# 4πε 0 r &
—  Podemos pensar que a carga (ou distribuição de cargas) qA
afeta os pontos do espaço
Campo elétrico
r P 
F0
qA q0

—  Em particular, a carga qA afeta o ponto que é ocupado pela carga


q0 (ponto P)

—  Uma carga quando colocada nesse ponto vai sofrer a ação da
força elétrica devido a qA

—  Dizemos que a distribuição de cargas qA gera um campo elétrico


no ponto P

—  Esse campo elétrico não depende da carga q0 (nem mesmo de


haver alguma carga!)
Campo elétrico
r P 
F0
qA q0
—  A carga qA altera os pontos do espaço gerando um campo
elétrico, em particular no ponto P

—  Ao colocarmos uma carga q0 no ponto P ela sofre a ação do



campo elétrico E

—  Podemos pensar que a força elétrica sobre uma carga é


devido ao campo elétrico produzido pelas demais cargas
Campo elétrico
—  Chamamos qA de fonte de campo elétrico e q0 de carga teste
(pequena o suficiente pra não alterar a configuração qA)

—  Definição formal de campo elétrico no ponto P devido à


!
distribuição de cargas qA ! F0
EP ≡ lim
q0 →0 q
 0
—  Unidade (SI) de E = N /C

—  Invertendo o problema: sabendo o campo elétrico devido a


uma distribuição de cargas è força sofrida por uma carga q
no ponto P
 
F =q E
0 0
Campo elétrico

 F0 
EP ≡
r P
q0 E
 
F0 F0

—  O campo elétrico é um vetor e não depende da carga de prova


—  Limite q0è0 pois não pode alterar a distribuição de cargas
fonte de campo elétrico

—  Vamos supor que isso é sempre válido e a distribuição de


cargas é fixa (eletrostática)
—  Dizemos que o campo elétrico media a interação elétrica
(inclusive no vácuo)
E de uma carga pontual
—  A fonte de campo elétrico é uma única carga q
P
r  
F0 =
1 q0 q
r̂0
F
E0 4πε 0 r 2

q q0
 
 F0 1 q
—  Campo elétrico no ponto P: EP ≡
q0
⇒E=
4πε 0 r 2

—  r̂ é o vetor unitário que vai da carga fonte ao ponto


no qual calculamos o campo elétrico
Sentido de E
Sentido de E

Campo elétrico
gerado pela carga q
é diferente em cada
ponto do espaço
Superposição de E
—  Uma distribuição de cargas gera um campo elétrico
no espaço

—  Qualquer carga colocada em um ponto sob a ação


das fontes sofrerá uma força elétrica

—  Nos condutores elétrons podem se mover


livremente
—  Não há campo elétrico no interior de um condutor (na
eletrostática)
Superposição de E
—  Sabemos que a força elétrica se superpõe
—  Uma dada distribuição de cargas sempre pode ser
dividida em uma soma de cargas puntiformes
      
F0 = F10 + F20 +... + Fn0 = q0 E1 + q0 E2 +... + q0 En

Campo elétrico gerado por q1



 F0   
EP = = E1 + E2 +... + En
q0
—  O campo elétrico se superpõe
Superposição de E

|E|≠ |E1| + |E2| !!!!!


Exemplo 21.10
Um condutor em forma de anel, com raio a,
possui uma carga Q distribuída
uniformemente ao longo dele. Determine o
campo elétrico em um ponto P situado sobre
o eixo do anel, a uma distância x de seu
centro.
—  Só sabemos o campo elétrico de uma carga puntiforme
—  Temos uma distribuição contínua de cargas:
—  Devemos dividir o anel em elementos infinitesimais

—  Cada elemento se comporta como uma única carga


E no anel
 1 dQ
dE = 2

4πε 0 r

θ
θ
x
E no anel
•  Por simetria, campo resultante estará em x
  x
 1 dQ dE x = dE cosθ = dE
dE = 2
r̂ r
4πε 0 r 1 dQ x 1 xdQ
dE x = =
4πε 0 r 2 r 4πε 0 r 3
r = x 2 + a2
1 xdQ
x
dE x =
4πε 0 x 2 + a 2 3 2
( )
•  dQ=?
•  Carga Q distrubuída uniformemente
α
•  Densidade linear de carga λ

•  Carga de um elemento ds!dQ=λds=λadα


x
E no anel
•  Densidade constante:λ=Q/2πa

 1 dQ 1 xaλ dα Q x
dE = 2
r̂ dE x = 3
= 2 3

4πε 0 r 4πε 0 x 2 + a 2 2 8π ε 0 x 2 + a 2 2
( ) ( )
Nada depende de α
r = x 2 + a2 Ex = ∫ dE x

x Q x 2π
Ex = ∫

2 3
dα ∫ 0
dα = 2π
0
8π ε 0 x 2 + a 2 2
( )
α
Q x  Q x
Ex = ⇒ E= x̂
4π ε 0 x 2 + a 2 3 2 4π ε 0 x 2 + a 2 23
( ) ( )

Campo elétrico gerado por uma anel de raio a, uniformemente carregado,


em um ponto sobre seu eixo, localizado a uma distância x do centro
Linhas de força
—  Conceito de campo elétrico é abstrato
—  Linhas de força (ou de campo) podem ajudar a
visualizar melhor o campo elétrico

—  Uma linha de força é uma linha imaginária cuja


tangente representa a direção e o sentido do
campo elétrico em cada ponto do espaço

—  Quanto maior a densidade de linhas de campo,


maior o módulo do campo elétrico nessa região do
espaço
Linhas de força

Linhas de campo não se cruzam!


Dipolo elétrico
—  Um dipolo elétrico é um par de cargas puntiformes, de
mesmo módulo e sentidos contrários, separadas por
uma distância fixa
d

-q p q
—  Muitos sistemas são constituídos por dipolos elétricos:
moléculas, antenas, materiais dielétricos
—  Supondo um dipolo com cargas ±q separadas por uma
distância d
 
—  Definimos momento de dipolo elétrico p = qd

—  d é o vetor deslocamento da carga negativa para a
positiva
Dipolo na presença de E
 
—  Seja um dipolo p = qd na
presença de um campo
elétrico constante E

—  Segunda Lei de Newton


    
Fres = F+ + F− = qE − qE = 0

—  Força resultante sobre o


dipolo em campo
constante é zero (CM fica
parado)

—  Mas sofre um torque!


Dipolo na presença de E
—  Torque em relação ao centro •  O torque tende a alinhar o dipolo
do dipolo com o campo elétrico
  
•  Quando E p ⇒ τ =0
—  Equação

que rege a rotação
      •  Máximo quando perpendiculares
τ res = τ + + τ − = r+ × F+ + r− × F−
  d
τ + = τ − = qE.senφ
2
—  Regra da mão direita:
ambos nos mesmos direção
e sentido

τ res = qdE.senφ = pEsenφ

—  Torque sobre um dipolo


elétrico:   
τ res = p × E Em um campo elétrico constante, um
Dipolo elétrico permanece com seu CM
em repouso e com um torque que o faz
girar
Energia potencial do dipolo
—  Não há força resultante: trabalho associado apenas à rotação

—  Supondo uma variação infinitesimal dΦ no ângulo

—  Escolhendo o eixo de rotação como o OZ


dW = τ z dφ = − pEsenφ dφ
—  Torque é contrário ao aumento do ângulo
φ2 φ2
W= ∫ φ1
− pEsenφ d φ = pE cos φ φ = pE cos φ2 − pE cos φ1
1
Energia potencial do dipolo
W = pE cos φ2 − pE cos φ1 = −ΔU

—  Forças conservativas: W=-ΔU (Força elétrica é conservativa)

—  Definimos a energia potencial do dipolo


 
U(φ ) = − pE cos φ ⇒ U = − p ⋅ E

—  Física I: sempre podemos escolher posição onde U=0


 
—  Escolhemos (implicitamente) U=0 quando p ⊥ E

—  U(0)=-pEèmínimo de U: equilíbrio estável

—  U(π)=pEèmáximo de U: equilíbrio instável


Atração de corpos neutros
—  Moléculas do papel são dipolos que se alinham
com o campo, minimizando a energia potencial

—  Força ocorre pois campo não é constante!


E gerado por um dipolo
—  Exemplo 21.9 temos que em um ponto situado no eixo
perpendicular ao momento de dipolo x 
p = qdx̂
 
1 qd 1 p
E =− 3
x̂ = − 3
4πε 0 d 2 4πε 0 d 2 d/2
( 4
+ y2 ) 2
( 4
+ y2 ) 2
y
y

  d/2
1 p
y >> d ⇒ E ≈ −
4πε 0 y 3

—  Qual o campo gerado em um ponto ao


longo do eixo do dipolo?
E gerado por um dipolo
# &
  q % 1 1 (
E+ E = E x x̂ ⇒ E x = −
4πε 0 % x − d 2 x + d 2(
%$( 2 ) (2 ) ('
q ("
−2
d % " d %
−2 +

 Ex = *$1− ' − $1+ ' -


E− 4πε 0 x 2 *)# 2x & # 2x & -,

n
(1+ α ) ≈ 1+ nα +...
α →0

q * d $ d '- qd
x >> d ⇒ E x ≈ 2,
1+ 2 − &1− 2 )/ =
4πε 0 x + 2x % 2x (. 2πε 0 x 3

 
p
x >> d ⇒ E ≈
2πε 0 x 3
E gerado por um dipolo

Apenas 2 pontos específicos


Linhas de campo do dipolo
Exercício 21.107
Duas barras delgadas de comprimento L estão sobre o eixo OX,
uma delas entre os pontos x=a/2 e x=a/2+L e a outra entre os
pontos x=-a/2 e x=-a/2-L. Cada barra possui uma carga Q
distribuída uniformemente ao longo de seu comprimento.

(a)Calcule o campo elétrico produzido pela segunda barra em


pontos situados ao longo da parte positiva do eixo OX

(b)Mostre que o módulo da força que uma barra exerce sobre a


outra é dado por Q2 ! ( a + L )2 $
F= ln # &
4πε 0 L2 #" (
a a + 2L ) &%
a/2 a/2

x
0
Exercício 21.107
(a) l x
P

dl 0
—  Cada ponto da barra está a uma distância diferente do ponto P

—  Dividimos a barra em elementos infinitesimais dl


 1 dQ
—  Cada elemento se comporta como uma carga dE = 2

4πε 0 r
—  Carga uniformemente distribuída ao longo da barra: dQ=λdl
 
—  r=x+l dE = 1 λ dl λ dl
a +L

4πε 0 ( x + l ) 2
x̂ ⇒ E = ∫ a
2

4πε 0 2 ( x + l ) 2
x̂ x + l = u∴dl = du

 a +x+L # &
λ x+ a +L du λ 1 2
λ % 1 1 ( x̂
E=
4πε 0
∫ x+a
2
2

u 2
x̂ = (−
4πε 0 u a +x
x̂ = −
4πε 0 %$ a + x a + x + L ('
2 2 2
Exercício 21.107
 " % " %
λ $ 1 1 ' x̂ = λ $ L ' x̂
E= −
4πε 0 $# a + x a + x + L '& 4πε 0 $ a + x a + x + L
( )( ) '
2 2 # 2 2 &
—  Densidade linear de carga λ=Q/L

 ! $
# Q & x̂
E=
4πε 0 # a + x a + x + L
( )( ) &
" 2 2 %

—  Campo elétrico devido a segunda barra em um


ponto de coordenada x (x>0).
Exercício 21.107
(b) a/2 a/2

dl x
0
—  Campo elétrico sobre cada ponto da primeira barra é
diferente
 
F = ∑ Fi
—  Barra é um sistema de partículas i

—  Dividimos a barra em elementos infinitesimais dl


 
—  A força sobre cada elemento dl de carga dq será dF = dqE

 " % " %
Q $ dq dq ' x̂ = Q λ $ dx dx ' x̂
dF = − −
4πε 0 L $# a + x a + x + L '& 4πε 0 L $# a + x a + x + L '&
2 2 2 2
Exercício 21.107
 " %  " a +L %
Qλ $ dx dx ' x̂ ⇒ F = Q λ $∫ 2 dx a +L dx ' x̂
dF =
$ a
4πε 0 L # + x

a '
+x+L& $ a
4πε 0 L # 2 a +x
− ∫ a
2
2
a +x+L'
2 2 2 2 &

—  Substituição x + a = u : dx = du∴ x + a + L = v : dx = dv


2 2

 Qλ # a+L du a+2 L dv &  Qλ * # a + L & # a + 2L &-


F= % ∫a − ∫ ( x̂ ⇒ F = ,ln % ( − ln % (/
4πε 0 L $ u a+L
v' 4πε 0 L + $ a ' $ a + L '.

 Qλ ! ( a + L )2 $
F= ln # &  Q2 ! ( a + L )2 $
4πε 0 L #" a ( a + 2L ) &% F= 2
ln # &
4πε 0 L #" a ( a + 2L ) &%