Você está na página 1de 24

Valorização de Competências Pessoais, Sociais e Profissionais

 Inteligência Emocional:
 É a capacidade de perceber e exprimir a emoção,
assimilá-la ao pensamento, compreender e
raciocinar com ela e saber regulá-la em si próprio;
(Mayer e Salovey, 2000)
 As emoções têm efeitos importantes na
adaptação e têm poderosos efeitos na cognição,
tanto nos processos de pensamento, como no
conteúdo do pensamento;
 Tanto Inteligência como emoção são funções
que auxiliam o organismo a adaptar-se ao
meio;
 Emoção:
 Fenómenos psico-fisiológicos que organizam o
comportamento em maneiras eficientes de
adaptação às exigências dinâmicas do ambiente;
 As emoções interferem em vários aspectos do
funcionamento mental:
▪ Atenção;
▪ Aprendizagem;
▪ Lembranças;
 Para que servem as emoções?
 As emoções são impulsos para agir e enfrentar a
vida;
 As investigações indicam que cada emoção
prepara o corpo para um tipo de resposta muito
diferente:
▪ Ira – Sangue flui para as mãos, tornando mais fácil pegar
numa arma ou bater num inimigo – a adrenalina gera
uma onda de energia;
 Medo – o sangue corre para os grandes
músculos, empalidecendo a face;
 Bem-estar – activa zonas do cérebro que
impedem os sentimentos negativos;
 Amor – Provoca uma excitação que gera um
estado geral de calma e contentamento,
facilitando a cooperação;
 Surpresa – permite o alargamento do campo
visual, em virtude do arquear das sobrancelhas e
a entrada de mais luz na retina;
 Tristeza – ajuda a adaptarmo-nos a uma
perda significativa, como a morte de alguém
querido ou um grande desapontamento,
causa uma grande quebra de energia e do
entusiasmo pela vida, aproxima a depressão
e baixa o metabolismo do corpo;
 “Quando o esperto é burro”
 Como pode alguém tão inteligente tão irracional e
tão estúpida?
▪ R: a inteligência académica tem muito pouco a ver com a vida
emocional.
 Ao contrário do QI, com os seus 100 anos de
história, a inteligência emocional é um conceito
novo.
 Inteligência Emocional:
 Traduz-se na capacidade de :
▪ Nos relacionarmos de forma assertiva e positiva com as pessoas;
▪ Termos pensamento positivo mesmo nas adversidades;
▪ Termos persistência na concretização dos nossos objectivos;

 Caracteriza a forma como as pessoas lidam com


as suas emoções e com as das outras pessoas;
 QI vs Inteligência Emocional:
 Block fez uma comparação entre pessoas com QI
elevados e pessoas com QE elevados (aptidões
emocionais);
▪ Homem com QI elevado puro (pondo de lado o QE) – é
ambicioso e produtivo, previsível e obstinado, imune a
preocupações com a sua pessoa, completamente à
vontade no domínio da mente, mas totalmente inepto
no mundo pessoal;
 Homem com QE elevado – é socialmente ajustado,
extrovertido e alegre, nada dado a preocupações, tem uma
capacidade notável de se dedicar a pessoas e causas;

 Mulheres de QI elevado – têm confiança intelectual, são


fluentes na expressão dos seus pensamentos, valorizam as
questões intelectuais e têm uma vasta gama de interesses
intelectuais e estéticos. São introspectivas, dadas à
ansiedade, à culpa, hesitam em exprimir abertamente a sua
Ira;
 Mulheres emocionalmente inteligentes –
tendem a ser extrovertidas, exprimem
abertamente os seus sentimentos e estão
bem consigo mesmas. Sentem-se
suficientemente bem para serem
brincalhonas, espontâneas e abertas
experiências sensuais, raramente sentem
ansiedade;
 Estes retratos são evidentemente extremos,
todos nós temos misturados QI e QE em
diversos graus.
 Mas dá uma ideia das dimensões que
contribuem separadamente para as
capacidades da pessoa;
 Paixão e Bem – estar:
 Uma vida sem paixão seria um triste deserto de
neutralidade.
▪ Quando as emoções são demasiado abafadas , criam
monotonia e distância, quando escapam ao controlo ou
quando são extremas e persistentes, causam
ansiedade, depressão, raiva, agitação.
▪ Controlar as emoções perturbadoras é a chave para o
bem – estar emocional.
▪ A maioria de nós situa-se na gama média, com altos e
baixos pouco acentuados na “montanha russa
emocional”.
 Raiva:
 A Ira é a mais sedutora das emoções negativas;
 Ao contrário da tristeza, a raiva dá energia. A Ira
gera Ira, o cérebro emocional aquece. É então que
a raiva, não temperada pela razão, se transforma
facilmente em violência.
 As pessoas tornam-se implacáveis e
impermeáveis a qualquer espécie de
argumentação, os sentimentos giram à volta de
vingança e de represálias;
 Como atenuar?
 Ir dar uma volta de carro, exercício activo,
relaxação muscular, controlo respiratório,
distracções como tv, ler, jantar fora;
 Aptidão Mestra - Aprendizagem:
▪ É aptidão mestra porque afecta profundamente todas as
outras faculdades, quer facilitando-as (motivação) quer
interferindo com elas (medo);
▪ Não haverá talvez habilidade psicológica mais
fundamental que resistir aos impulsos.
▪ É a raiz de todo o auto-controlo emocional, uma vez que
toda as emoções, pela sua própria natureza, conduzem
a um impulso para agir;
 Pensamento Positivo:
 Alpert, provou que os nervos (ansiedade,
apreensão), fazem com que uns estudantes
tenham más notas nos exames, porque lhes
perturba a clareza de pensamento e a memória,
enquanto a outros a pressão faz com que tenham
bons resultados;
 A memória parece estar directamente relacionada
com o estado de espírito, de tal forma que quando
estamos de bom humor recordamos mais
acontecimentos positivos;
 A memória influencia a maneira como
avaliamos as provas numa direcção positiva,
tornando-nos mais propensos a fazer
qualquer coisa ligeiramente aventurosa ou
arriscada.
 Por outro lado, o mau humor influencia a
memória numa direcção negativa, tornando-
nos mais susceptíveis de nos retrairmos numa
decisão;
 Esperança: significa ter uma forte expectativa
de que tudo acabará por correr bem na vida, a
despeito de contratempos e frustrações;
 Optimismo: é uma atitude que protege as
pessoas contra a apatia, a desesperança e a
depressão;
 Empatia:
 A chave para intuir os sentimentos dos outros
reside na habilidade de ler os canais não-verbais:o
tom de voz, o gesto, a expressão facial – a
empatia .90% ou mais de uma mensagem
emocional é não-verbal.
 A ansiedade, o tom de voz, irritação, brusquidão
no gesto são quase sempre captadas
inconscientemente, sem que seja dada uma
atenção especial a isso, mas apercebemo-lo e
respondemos-lhe espontaneamente.
 Stern acredita que as lições básicas da vida
emocional começam nessa altura, num
processo que este chama de sintonização;
 É muito importante a atitude da mãe no bem
estar do bebé;
 Ansiedade gera Ansiedade – Ternura gera
Ternura;
 Contágio emocional:
 Estabelecer o tom emocional de uma interacção
é, num certo sentido, um sinal de domínio a um
nível íntimo e profundo – significa influenciar o
estado mental de outra pessoa;
 Existem 4 componentes da inteligência
interpessoal:
▪ Organizar grupos – liderar e conjugar os esforços do grupo;
▪ Negociar soluções – o talento do mediador, evitando conflitos e
resolvendo problemas;
▪ Relacionamento pessoal – empatia, responder
adequadamente aos sentimentos e preocupações dos
outros;
▪ Análise social – ser capaz de detectar e compreender os
sentimentos, motivos e preocupações das pessoas;