Você está na página 1de 1

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ÁLCOOL NA GASOLINA COMUM COMERCIALIZADA NOS POSTOS DE

COMBUSTÍVEIS DO DISTRITO FEDERAL


John Victor A. (a)
Santos , Nicole R. (a)
Ramalho , Aline A. Tireli Miranda (a) Erich D. Souza (a)

a) Instituto Federal de Brasília, campus Estrutural. Brasília (DF)


E-mail: erich.souza@ifb.edu.br

Introdução Resultados e Discussão


A gasolina comum é o combustível mais consumido no Foram coletadas no total 26 amostras de gasolinas de 7
país, sendo continuamente alvo de adulterações que regiões administrativas do DF. Cada amostra continha 1
visam maiores lucros aos revendedores e distribuidores. litro de combustível e foi testada no mesmo dia da
Um combustível é considerado como combustível coleta. No ato da aquisição da amostra foi demando ao
adulterado quando suas características não apresentam atendente do posto que realizasse o teste de proveta.
conformidade com as características definidas pela Os resultados obtidos após os testes estão apresentados
Agência Nacional do Petróleo. Segundo a Portaria ANP Nº graficamente nas figuras a seguir.
40/2013 1, que estabelece as características da gasolina,
define-se obrigatória a adição de Etanol anidro Percentual de Postos de Combustível em Percentual de postos de combustíveis
conformidade com a Portaria ANP
combustível (EAC) na gasolina comum na porcentagem, que realizam o teste de proveta
Nº40/2013
em volume, de 27% ± 1%. Uma das formas utilizadas
para adulterar a gasolina consiste na mistura de
percentual de EAC diferente do valor estabelecido em lei.
Para coibir as fraudes decorrentes da adulteração, o 19%
consumidor pode demandar que o posto de combustível 27%
realize, no ato do pedido e na presença do consumidor, o
“Teste de Proveta” que tem como objetivo a determinação
do teor de EAC presente na gasolina. Considerando a
73%
importância da prevenção de fraudes e a difusão do 81%
conhecimento relativo à qualidade dos combustíveis, esta
pesquisa teve como objetivo principal a determinação do
teor de EAC da gasolina comum dos postos de revenda do
Distrito Federal. Conformidade com a portaria
Inconformidade com a portaria
No ato do pedido Agendamento

Material e Métodos
O teste de proveta é normatizado pela NBR 13992 O 2. Conclusão
procedimento experimental consiste nas seguintes etapas
e pode ser ilustrada pela figura (1). Os testes de provetas conduzidos em laboratório foram
a) Adicionar 50 ml de gasolina em uma proveta graduada. realizados com sucesso. Observou-se que um percentual
b) Adicionar 50 ml de solução aquosa de cloreto de sódio elevado de postos de combustíveis não está
comercializando gasolina comum em conformidade com
(NaCl) a 10%
as características estabelecidas pela ANP. Constatou-se
c) Tampar e inverter a proveta por no mínimo 10 vezes. que muitos dos postos descumprem a exigência da
d) Deixar repousar por 10 minutos e realizar a leitura da realização do teste de proveta na presença do
fase aquosa (ml). consumidor, pedindo para agendar a realização do teste
FIGURA 1 - Ilustração do procedimento experimental da NBR 13992 em outro horário ou dia, impossibilitando o consumidor de
verificar a qualidade do combustível que irá adquirir.
Propõe-se para próximos trabalhos a coleta de amostras
em outras regiões administrativas do DF.

Referências
Agência Nacional do Petróleo, http://www.anp.gov.br ,
1

junho de 2019.
2 NBR 13992 – Gasolina Automotiva–Determinação do

O aumento do volume da fase aquosa ocorre devido a teor de etanol anidro combustível (EAC), Rio de Janeiro,
separação do EAC da gasolina e posterior mistura à RJ
solução salina de NaCl. Podemos determinar o percentual
de EAC presente na gasolina através da seguinte fórmula: Agradecimentos

%𝐸𝐴𝐶 = 𝑣𝑜𝑙𝑢𝑚𝑒 𝑑𝑎 𝑓𝑎𝑠𝑒 𝑎𝑞𝑢𝑜𝑠𝑎 × 2 + 1