Você está na página 1de 26

Laboratório de Conversão

Eletromecânica II
Experiência 4

Prof: Paulo S. Dainez


e-mail: dainez@ifsp.edu.br
paulo_s_dainez@hotmail.com
CV lattes:
http://lattes.cnpq.br/3890657801844423
https://www.researchgate.net/profile/Paulo_Dainez
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


• Sistema Elétrico e Mecânico:  MIT/GCC
P Q
Rede VCA
P  0W P
Reostator m  rede VCC Armadura
Estator Campo VCC
P
m TMIT Tcc
Motor Gerador
Indução CC

Perdas Perdas Perdas


Prof. Dainez elétr. mec. elétr. 2
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


• Sistema Elétrico e Mecânico:  MCC/MS
P Q
Rede VCA
P  0W P
Sequência
P  0W Vs  Vrede VCC Armadura
m  rede Campo VCC
VCC Estator P
m Tms Tcc
Rotor Máquina Motor
Síncrona CC

Perdas Perdas Perdas


Prof. Dainez elétr. mec. elétr. 3
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Sincronismo:
Frede = 60Hz
Fgera = 61Hz

Frede = 60Hz
Fgera = 60,5Hz

Frede = 60Hz
Fgera = 60,25Hz

Prof. Dainez 4
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Amplitude:
Arede = VN
Agera = VN

Arede = VN
Agera = 0,75VN

Arede = VN
Agera = 0,5VN

Prof. Dainez 5
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Sequência de fase: Correta

Prof. Dainez 6
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Sequência de fase: Invertida

Prof. Dainez 7
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Modo de operação: Modelo Ideal

g = R + S VA = Eg = EAR + EA
A
g  Eg
R  EAR  IR Eg=EAR+EA
S  EA  IA
Rotor VA
IR R

C B Fase A

Prof. Dainez 8
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Modo de operação: compensador (P=0W e Q<0VA)
IR = 0A  EAR = 0  R = 0  Subexcitada (FP Ind.)
g = R + S
A
g  Eg VA = EAR + EA
R  EAR  IR EA
S  EA  IA
Rotor
S

IA g = R + S

C B

Prof. Dainez 9
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Modo de operação: compensador (P=0W e Q<0VA)
IR > 0A  VA > EAR > 0  g > R > 0  Subexcitada (FP Ind.)
g = R + S
A
g  Eg VA = EAR + EA
R  EAR  IR EAR
S  EA  IA
EA
Rotor
S R
IR R
IA g = R + S

C B

Prof. Dainez 10
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Modo de operação: compensador (P=0W e Q=0VA)
IR > 0A  VA = EAR  g = R  FP = 1
g = R + S
A
g  Eg VA = EAR + EA
R  EAR  IR EAR
S  EA  IA
Rotor
R
IR R
g = R + S

C B

Prof. Dainez 11
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Modo de operação: compensador (P=0W e Q>0VA)
IR > 0A  VA < EAR  g < R  superexcitada (FP Cap)
g = F + S
A EAR
g  Eg VA = EAR + EA
R  EAR  IR
S  EA  IA
Rotor
S R
IR R
IA g = R + S
EA
C B

Prof. Dainez 12
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Modo de operação: compensador (P=0W e Q=0VA)
FP = 1
g = R + S VA > EAR > 0
A
g  Eg VA = EAR + EA
R  EAR  IR EAR
S  EA  IA
Rotor
R
IR R
g = R + S

C B

Prof. Dainez 13
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Modo de operação: Motor (P>0W e Q=0VA)
FP = 1
g = R + S
A
g  Eg = VA VA = EAR + EA
R  EAR  IR EAR
S  EA  IA
S
Rotor IA
IR R
 g = R + S
EA

C B R

Prof. Dainez 14
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO
Exp. 4: Máquinas Síncrona
• Modo de operação: Gerador (P<0W e Q=0VA)
FP = 1 g = R + S
A
g  Eg = VA
R  EAR  IR EAR VA = EAR + EA
S  EA  IA
R
Rotor
IR

R g = R + S
EA
IA
C B S

Prof. Dainez 15
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


• Equipamento do Laboratório:
– Laboratório de Máquinas Elétricas
– MIT 3kVA
– Gerador CC 110V / 3kVA
– Motor CC 110V / 3 kVA
– Gerador síncrono 220V / 3kVA
– Equipamentos de medição

Prof. Dainez 16
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


• Máquina CA – conexão com a rede
0-1
Máquina CA Amperímetro
Wattímetros
A
AW
A
L1 K
VW Voltímetro
V
B Fonte
AW A VDC
L2
VW Amperímetro
C
AW

L3 LM
VW
V

Prof. Dainez Neutro 17


IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquina CC
• Procedimento: Excitação paralela

Ia
IF
F1 F5
A1

Fonte
VCC
F2 F6 A2

Prof. Dainez 18
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


Curva de torque da máquina CA – Síncrona:
Torque
[N.m]
Tmax

S Velocidade

Tmin

Prof. Dainez 19
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


Máquina CA – Síncrona: Polos Salientes
Baixa rotação – Alto número pares de polos
Grande diâmetro
Pequeno comprimento

Prof. Dainez 20
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


Máquina CA – Síncrona: Polos Lisos
Alta rotação – Baixo número pares de polos
Pequeno diâmetro
Grande comprimento

Prof. Dainez 21
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


Curva de Potência da máquina CA – Síncrona:
Polos Lisos

Prof. Dainez 22
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


Curva de Potência da máquina CA – Síncrona:
Polos Salientes

Prof. Dainez 23
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


Procedimento:
1. Ligar o MIT
2. Ajustar o gerador CC em 110V
3. Ligar e ajustar o motor CC em 1800rpm;
4. Ajustar a corrente de campo da Máquina sincrona para obter
uma tensão de 220V;
5. Ligar a o disjuntor da rede
6. Verificar se as lâmpadas piscarem em sincronismo ou
alternadas
Se as lâmpadas piscarem alternadas, inverter duas fases da
Máquina síncrona
7. Aguarda o instante que as lâmpadas apagarem e conectar a
Máquina síncrona na rede.
Prof. Dainez 24
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

Exp. 4: Máquinas Síncrona


Observações importantes:
1. Com a máquina síncrona desligada o máquina CC é capaz de variar
a velocidade através do reostato em série com a armadura:
– Aumentar o reostato  diminui a tensão  diminui a velocidade
– Diminuir o reostato  aumenta a tensão  aumenta a velocidade
2. Com a máquina síncrona ligada a máquina CC não consegue mais
variar a velocidade (dentro do limite de torque da máquina
sincrona), a variação do reostato irá variar a potência na máquina
sincrona:
– Aumentar o reostato  diminui a tensão  diminui a potência na
máquina CC  aumenta a potência na máquina síncrona
– Diminuir o reostato  aumenta a tensão  aumenta a potência na
máquina CC  diminui a potência na máquina sincrona

Prof. Dainez 25
IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

FIM

Prof. Dainez 26