Você está na página 1de 15

C6pia de

Licença impressa pelo para


uso exclusivo Sistema CENWIN
Petrobrás S.A.
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003

1 FEV2000 1 NBR NM 216


Paquimetros e paquimetros de
profundidade - Caracteristicas
cdnstrutivas e requisitos metrolbgicos

Origem: NM 216:2006
ABNTKB-04 - Comite Brasileiro de Maquinas e Equipamentos Mecanicos
NBR NM 216 - Callipers and depth gauges - Design and metrological
requirements
Descriptors: Calliper. Measurement instrument
Esta Norma cancela e substitui a NBR 6393:1980
Valida a partir de 31.03.2000
Palavras-chave: Paquimetro. lnstrumento de medicao I 15 paginas

Sumhrio
Prefkio national
Prefhic regional
1 Objetivo
2 Referencias normativas
3 DefinipBes
4 Requisites
5 M&c&s de calibra@o
6 Designa@
7 Marcach
ANEXOs
A (informative) - Outros tipos de paqulmetros
B (informative) - Recomenda@es para aplicapHo
C (informative) - Exemplo de urn grhfico de errc de indica@c
D (informative) - Bibliografia

Prefhcfo national

A ABNT - Associa@o Brasileira de Normas TBcnicas - B c F6rum National de Normaliza@o. As Normas Brasileiras,
cujo contetido C de responsabilidade dos Comit6s Brasileircs (ABNTKB) e dos Organismcs de Normaliza~Bo Setorial
(ONS), sHo elaboradas per Comiss~es de Estudo (CE), formadas per representantes dos setores envolvidos, delas
fazendo parte: prod&ares, consumidores e neutrcs (universidades, laborathx e outros).

0 Projeto de Norma MERCOSUL, elaborado no Bmbito do CSM-06 - Cornit& Setorial MERCOSUL de Mdquinas e
Equipamentos Mecgnicos, circulou para Consufta Pliblica entre cs associados da ABNT e demais interessados sob c
ntimero 06:01-021.

A ABNT adotou, per solicita@ do seu ABNTICB-04. Cornits Brasileiro de Mgquinas e Equipamentos Mechicos, a notma
MERCOSUL NM 216:ZOOO.
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S.A.
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003
2 NBR NM 216:2000

Esta Norma cancela 8 substitui a NBR 6393:1960.

A correspond&n& entre es normas listadas na se@0 2 ‘Refer~ncias normativas” e es Normas Bresileires B e seguinte:

NM-IS0 1:1996 NBR NM-IS0 1:1997-Temper&n padrio de refe&acia pare medi@o industrial de cemprfmento

~ Pref&cio reglonal

0 CMN Cornit6 MERCOSUL de Normaliza@o - tern par objetivo promover e adotar es @es pare a harmoniza$Ho ea
elabora@o das Normas no &mbit0 do Mercado Comum do Sul - MERCOSUL, e B integrado pelos Organismos Nacionais
de Normaliza@o dos paises membros.

0 CMN desenvolve sue atividade de normaliza@io por meio dos CSM - Comit6s Setoriais MERCOSUL - criados pare
campos de a+ claramente definidos.

OS Projetos de Norma MERCOSUL, elaborados no Ambito dos CSM, circulam pare vota@o national por intermbdio dos
Organismos Nacionais de Normaliza@o dos palses membros.

A homologa@o coma Norma MERCOSUL pa pate do ComitC MERCOSUL de Normaliza@o requer a aprova@o por
consenso de sew membros.

Esta Norma foi elaborada pelo SCM 06:Ol Subcomite Setorial MERCOSUL de lnstrumentos de Medic&o e Controle do
CSM 06 . Comita Setorial Mercosul de M&quines e Equipamentos MecBnicos.

Pare o estudo deste projeto de norma MERCOSUL se tomou coma texto base a norma:

lSO/DlS 13365:1996 - Geometrical product specification (GPS). Dimensional measuring instruments. Callipers and
depth gauges. Design and metrological requirements.

Esta Norma MERCOSUL cont&0 OS quatro anexos de car&r infonativo

1 Objetlvo

Esta Nona MERCOSUL especifice 05 requisites principais pare es caracteristicas construtivas, dimensionais e de
desempenho de paquimetros corn veries faixas de medi@o:

- paquimetros corn faixa de medi@o at6 2 000 mm e paquimetros de profundidade corn faixa de medi@ at6
1009 mm:

- corn valor de uma divisHo do n8nio de 0,l; 0,05 e 0,02 mm;

. corn escala circular corn valor de uma divis&z de 0,l; 0,05 e 0.02 mm;

. paquimetros e paqulmetros de profundidade digitais corn faixa de medig% at8 1 000 mm;

- corn resok@io de 0,Ol mtn.

2 Refer&n&s normatlvas

As seguintes normas conk&n disposifles qus. ao serem citadas neste texio. constituem requisites desta Norma
MERCOSUL. As edi@es indicadas estavam em vig%Icia no moment0 desta publica@ Como toda norme est& sujeita
e r&s&, se recomenda. gqueles que rsalizam acordos corn base nesta Norma, que analisem a conveni&xia de user
es edi@es mais recentes das normes citades a seguir. OS organismos membros do MERCOSUL possuem infoml@es
sobre es normas em vigCncia no momenta

NM-IS0 1:1996 - Temperatura padrio de refer&ncia pare medi$Ho industrial de comprimento

IS0 463:1966 . Geometrical Product Specifications (GPS) - Dimensional measuring instruments; Dial gauges -
Design and metrological requirements

ISO/FDIS 3650:1996 - Geometrical Product Specifications (GPS) - Length standards Gauge blocks

IEC 529:1969 . Geometrical Product Specifications (GPS) . Degrees of protection provided by enclosures (IP code)

VIM:1993 International Vocabulary of Basic and General - Terms in Metrology


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S.A.
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003
NW3 NM 216:2000 3

3 Definl@les

Pam o prop6sito desla Norma MERCOSUL, es defini@%s SHO do VIM. As demais definiqdes, exceto es 3.1 e 3.5 sHo
dadas pelo significado corn as quais sHo usuelmente conhecidas.

3.1 Paqulmetros e paquimetroo de profundldade

t urn instrumento que mede sob o movimento de urn cursor corn medidor ou base de medi@o em rela@o a uma
r&gua corn uma escala de med$Ho corn ou sem medidores fixo (ver figuras 1, 2. 3 e 4). A leitura pode ser anal6gica ou
digital. No ceso de urn inshumento eletrbnico digital tuna interface para transf&ncia de dados pode ser adaptada.

3.2 Erros mhdmos admissiveis (de urn instrumento de medi@o)

Limites de erros admissiveis (de urn instrumento de medipio)

Valores extremes de urn erro admissivel por especilica$Ges, regulamenlos, etc, para urn dado instrumento de medic%
(VIM 5.21).

3.3 Erro (de IndlcapHo) de urn lnstrumento de medl@o

c a indica$Ho de urn instrumento de medi@o menos urn valor verdadairo da grandeza de entrada correspcndente (VIM
5.20).

3.4 Repetltlvldade (de urn instrumento de medl@o)

i a aptideo de urn instrumento de medi@o em fomecer indica@es muito prkimas, em repetidas aplica@es do
mesmo mensurando. sob as mesrnes condiNes de medi@o (VIM 5.27).

3.5 Amplitude da fake de medipiio

Diferenqa, em m6dulo. entre OS dois limites de uma faixa de mediigo.

NOTA - ‘Amplitude de faixa de medi@ci esti de acordo corn 0 temw kmplitude da faixa nominal’ (VIM 5.2). por(lm aplicada pare ‘faixa
de m&Q%’ a.0 inv& de ‘faiua nomirW.

4 Requlsitos

4.1 Carecteristicas consVu1Ivee

0 projeto e e fabrica@o devem ser tais que o desempenho do paquimetro cumpra corn as exig&ncias d&a Norma
MERCOSUL.

0s paqulmetros e paquimetros de profundidade conform9 as figuras 1. 2, 3 e 4 devem estar conforme es dimensk?s


especificadas na tab& 1. A dimens5o b dew ser Go longa quanta possivel. 0 mkdmo comprimento dos medidores
deve ser l/3 da faixa de medi@o corn urn mkdmo de 300 mm. A proje$Ho dos medidores do paquimetro corn valor de
uma divisao de 0.01 mm e 0,OZ mm devem ser t&o curta quantc posslvel tal que n8o influencie es mediqdes. uma vez
que o paquimetro Go segue o principio de Abbe, o que pode provocar erros nas medi@es (ver anexo 0). 0 projeto fica
a cril&io do fabricante.
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S.A.
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003
4 NBR NM 216:2000

Superflcies para medip& inlema

Haste para medida de pmfundidade

h I

Medldar fix0
Superffcies para medi@o extema
Tfpo Al: Corn parafuso de fixa@o
Tipo AZ: Corn dispositivo de trava

Flgura 1 - RepresentagBo esquemhtica de paquimetro do tip0 Al e A2 para medi@o externa,


interna e de profundidade

Parafuso de fix?&
Ndnio Trava de ajuste fine

Escala principal

Medldor fixo

fuse de ajuste ffno

Medidor m6vel

A-A
Superficies para medi@o extema
I /I

Tlpo B: Corn parafuso de trava


Tipo SF: Corn ajuste Rno

Figura 2 - Representa@ esquem&tica de paqufmetros tipos B e BF para medi@o externa e interna

NCTA - Cutros tipos de paquimetros &a mastrados na anexo A.


C6pia impressa pelo Licença
Sistema de CENWIN
uso exclusivo para Petrobrás S.A.
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003 5
NBR NM 216:2000

Parafuso de fixa@o
Superflcles para mediG
internas nectar para transfsr~ncla de dados (optional)

medida de

refer&ncia

Localiza@o da bateda

para medi@.o
de profundidade
mediqdes eflemas

Tipo A3 Cam par&so de trava e indica@o digital

Figura 3 - RepresentapHo esquemhtlca de paqulmetro do tip0 A3 para medi@io externa e interna

Supetflcie de afmio para medi@o Base

Parafuso de fka$Zio Trava ds fine

Parafuso de ajuste fino

Figura 4 - Representa@o esquem&ica de paquimetro de profundidade tipo E e EF


Licença impressa
C6pia de uso exclusivo
peio para Petrobrás
Sistema S.A.
CENWIN
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003
6 NBR NM 216:2000

Tabeia 1 - Dimens~es de psqufmetros e paqufmetros de profundidade

Dfmensbes em miifmstros
largura combinada das Comprimento da
Faixa de medi@o Comprimento dos medidorss
superflcies para mediCHo superficie de refekncia
at6 (Dimensdes recomendadas)
interna (base)
a
150 40
200 60
250 75
300 so
400 125

500
20 I 250

N
ir

4.1.1 Tipos e designs+ de disposttivos de indics~h

4.1.1.1 indicep~oansi6gica (Tip0 A)

4.1.1 .l .l Escsia principal e n6nio (Tip0 AV)

Es&a principal sobre a rbgua e nbnio

- sobrs a superficie chanfrada do cursor, ver figura 10 (Tipo AVWP);

. sobre a superficie piana do cursor, (sem srro de paralaxe) - ver figura 11 (Tipo AVNP).

EscaJa principal

Figura 5 - Escels principal corn nhio, diferentes SpresenteGties da escaia se encontram nss figuras 6, 7, 8 a 9
C6pia impressa pelo Sistema
Licença deCENWIN
uso exclusivo para Petrobrás S.A.
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003 7
NBR NM 216:2000

Flgura 6 -N&o corn 9 mm de comprlmento e valor de uma divisk de 0,l mm

3 4 5

11111111111111111111111111111
0 6 0
Figura 7 - Ndnlo corn 19 mm de comprlmanto e valor de uma dlvlsHo da 0,l mm

Flgura 6 - NBnio corn comprlmento da 39 mm e valor de uma divfsh de 0,05 mm

(exemplo de indica@o X3.55 mm)

3 4 6 6 7 8
111111111 lIIIIlIIIIlIIIIIIlll1llllllllllllllllllll
IIIIIIIIIIIIIIIIIllllllllllllll~llll~
012 3 4 6 6 7 9 9 0

Flgura 9 - NBnlo corn comprlmento de 49 mm a valor de uma divlsHo de 0,02 mm

0 comprtmento de uma divisHo da escala principal sobre a rbgua de urn instrument0 corn n6nio dew ser de 1 mm (urn
milimetro). A escala principal dew tar o comprimento da ascala da faixa nominal mais o comprimento do ndnio.

No case de urn instrumento corn ascala circular. o compdmento de uma divisHo da escala sobre a r4gua pode ser
maior qua 1 mm.

A marca@o da escala sobre a rbgua e nbnio deve ser nftida I? perpendicular k(s) supetflcie(s) da guia.

No case de paquimetros sem erro de paralaxe, a escala e o n6nio devem &star no mesmo nivel (ver figura 11). Em
qualquar posi@o do cursor, a distancia entre o cursor e a regua 1160 deve exceder a 0.03 mm ao longo do comprimento
da escala do rho.

DlmensBes em milimetros

Escalado n&M

Figura 10 - Distdncia entre a escala principal e o nhio (Tipo AVWP)


C6pia Licença
impressa
de usopeio Sistema
exclusivo CENWIN S.A.
para Petrobrás
8 Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003 NBR NM 216:2000

DimensSss am millmetros

Escale principal

Es&a do nbnio

Figurn 11 - Dist&wia entre a escaia principal e o rhio, para ieituras sem err0 de paraiaxe (Tipo AVNP)

4.1.1.1.2 Escaia principal e escaia circular (Tipo AR)

Escala circular

Figurs 12 - indica@o corn sscaia circular

NOTA - Pare pmjelos de escalas. ver IS0 463.

4.1 .1.2 indica@o digital (Tip0 D)

Visor digital

Figura 13 - Material para indica@o digital sobre o corpo da rCgua

4.1.1.2.1 Visor digital

A indica@o no visor digital deve ter urn born contraste para faciiitar a leitura. A aitura dos algarismos n8o dew ser
menor que 4 mm.

4.1.1.2.2 Velocidade maxima de movimento acjmisslvel do cursor

A velocidade m&ha admissivel de movimento do cursor deve ser indicada pelo fabricante: esta dew ser de pelo
meno. 0.5 m/s.
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S.A.
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003
NBR NM 216:2ooO 9

i 4.1.1.2.3 Indlca@o de err06 de opera@o e erros de sistema

0 visor digital dew ter urn dispositivo aproprfado pare indicar err05 de opera@o e erros de sistema,

NOTA. COmo exemplo. pode indick quando e velwidade maima de movimento do cursor for excedida.

4.1.1.2.4 lndlca+o digital corn saida (Tlpo DWO)

OS paqulmetros digit& tambBm podem ser capazes de transferir dados. Neste case o fabricante deve detalhar (IS
dados do protocol0 de saida (interface).

4.1.2 Grau de prote@o

0 greu de protepao (IEC 529) deve ser especificado pelo fabricante.

4.13 R6gua

A r6gua deve ser longa o bestante pare que o cursor, quando medindo. Go ultrapasse o limite superior da faixa de
medi@io.

4.1.4 cursor

0 cursor dew se mover suavemente sobre a r6gua em toda a faixa de medi$ao. 0 cureor deve ser equipado corn um
parefuso de trava ou urn disposftivo de trava.

4.1.5 Material

OS paqulmetros devem ser fabricados de material resistente ao desgaete, apropriado pare ter urna supedfcie bem
acabada e que asagure urna estebilidade dimensional pela sue pr6prfa natureza ou por meio de urn tretamento
adequado.

As superflcies de medi@o devem ser duras e resistentes ao use e n& ter badas agudas.

0 fabricante deve indicar o coeficiente de expansHo t&mica.

4.2 Caracterlstlcas ~etPDl6gicaS

A temperature de refer6ncia pad& deve ser de 20°C de acordo corn a NM-IS0 1

0 instrumento deve cumprfr corn OS requisites de 4.2.1 e 4.2.3 (para m&do de calibra@o ver cepitulo 5)

NOTA. Requisites de retitude. planeza. repetitividade e paralelismo das superficies de medi@o n&o S&J dados seperedamente

OS instrumentos corn indica@o anal6gica tern urn ponto de zero fixo.

OS instrumentos corn indica@o digital podem ser zerados em qualquer poei& na faixa de medi@o. OS requisites de
4.2 se aplicam quando o zero B fixado corn es superficies de medi@o pressionadas uma contra a outra.

4.2.1 Erro de indicw6o

As exi9Cncias pare o erro de indica@o se aplicam pare qualquer indica@o baseada na posi@o de zero fixada em 4.2.
Estas exigencies se aplicam independentemente da amplitude de medi@o do instrumenta 0 erro de indica$Ho “80
deve ser maior que o m5ximo admissivel apresentado na tabela 2.

NOTA. Coma resultado. OS limifes de err0 maxim0 admissive podem ser maiores que a resolu@o ou valor de uma divisao da escala.
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S.A.
C6pia impressa pelopelo
Cópia impressa Sistema
sistema CENWIN
CENWEB em 29/09/2003
IO NBR NM 216:2000

OS requisites devem ser atendidos independentemente para cada sentido da forqa de medi@o, Para medipBes corn
mudan$a no sentido da forGa de medi@o, os erros m&Amos admissivais sHo acrescidos de 20 pm.

Para medi@es corn haste da profundidade, o erro mkdmo admissivel B acrescido de 20 pm.

4.2.2 Varia@o de tndica@o pr6XhtO 80 ponto zero

Prkdmo ao ponto zero a varia@o na indicaeo ao longo dos medidores por dois pontos de medi@o nSo deve exceder
o erro mkimo admisslvel estabelecido na tabela 3 sob uma forCa de medi@o constante.

4.2.3 Efeito da trava do cursor

Uma vez o cwsor travado (no case do cursor ser equipado corn urn parafuso ou urn dispositivo de trava), a posi$Ho
fixada nHo deve mudar e a indicaeo deve ser:

- em instrumentos corn indica@o anal6gica. a indica$Ho nHo deve variar;

- em instrumantos corn indica@c digital, a indica@o pode variar de urn valor da sua resolu$Ho.

Tabela 2 - Erro mhximo admissivel de lndlca@o

Valor indicado

Tabela 3 - Erro mtiimo admissivel da variaqho de indicaqho pr6ximo 80 ponto zero,


em pm
Comprfmento da superfkte de Valor de uma divisHo ou resolu@o
medicHo face b
mm 0,l mm 0,05 mm 0,02/0.01 mm
30 100 50 20
60 100 50 30
90 100 50 40
110 100 100 50
150 100 100 60

5 Mtodos de calibra@o

OS m&odos de calibra@o devem walk o desempenho do instrument0 em toda faixa de med@o.

OS mbtodos descrttos abaixo nHo S&S OS rinicos metodos de calibra@o ‘Ados. mas estes S&J recomendados para
serem usados preferencialmente.

“ma curva de calibta@o 6 o meio mais simples de avaliar o desempenho do instrument0 sob calibra@o. Esta curva
tambCm B usada na certifica@o coma prova de calibra@o.

5.1 Erro de indicapeo

C erro de indica$Bo pode ser avaliado corn blocos-padrHo de acordo corn a IS0 3650 e corn anel-padrk
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S.A.
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003
NBR NM 216:2000 11

5.2 Varia@o da indlca@o pr6XhO 80 ponto zero

Esta pode ser avaliada por dois pontos de medi@io. isto 6. pela medida do didmetro de urn cilindro (aproximadamente
10 mm) em diferentes posi@es ao longo do comprimento dos medidores (ver figura 14).

A: 0 mais prbximo possivel da rhgua


B: 0 mais prhimo possivel da extremidade dos medidores

Figura 14 - Dfsposig~o para medicHo da varia@o de indica@o

6 Designa+
Paquimetro O&01-021 - BF - AV - 300 - - 0 15
-
DenominaFBo
Norma Mercosul
Tipo de projeto
Tipo de dispositivo indicador
Faixa de mediCHo (mm)
Valor de uma divisZo ou
ESOlU$HO

A marca@o dew indicar no mfnimo o seguinte:

- o nome o” marca do fabricante (ou fornecedor responsk~el);

- a faixa de medi@o;

- o valor de uma diviseo ou resolus80;

- o ntimero individual de identifica$Ho.

/ANMOA
C6pia Licença
impressa pelo
de uso Sistema
exclusivo para CENWIN
Petrobrás S.A.
12 Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003 NBR NM 216:2000

Anexo A (informative)
Outros tipos de paqufmetros

Tipo C: sm ajuste fin0


Tipo CF: corn ajuste fino

Figura A.1 - Rapresentaph esquemhtica de paquimetros do tip0 C e CF corn medidores


tlpo faca pera medicBe externas

t?= Tipo D: sm ajuste fin0


Tlpo DF: corn ajuste fina

Flgura A.2 - Representa@ esquem&x de paquimetros do tipo De DF corn


medldores para medi@es internas
C6pia
Licença impressa pelo para
de uso exclusivo Sistema CENWIN
Petrobrás S.A.
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003
NEW NM 216:2000 13

Anexo B (informative)
Recomendap&zs para aplica@to

0s paqufmetros nHo seguem as condi@es prescritas no princlpio de Abbe. Existe uma folga causada pelo jogo do
movimento do cursor bem corn4 pela press% da supedicie de medi+ m6vel contra a par% a ser medida. Este resulta
em desvios angulares, OS quais influenciam no valor da medida e na incerteza de medi@o. Para reduzir esta influi?ncia,
a pe$a de trabalho deve entrar em contato corn as supetflcies de medi@o do paquimetro 0 mais prbximo possivel da
r6gua. Por esta razHo, o comprimento das superficies de medi@o b do medidor dew ser t8o longo quanta possivel
(figuras 1 e 2).

0s erros mtiimos admissiveis de indicaeo s&x dados em fun@ do wmprimento medido, que B mais real do que
ter urn valor constanie para comprimentos maiores. A temper&m e 0s fatores de deforma@o tern uma influ&ncia
orientada pelo comprimento. Coma resultado, a menor incerteza possfvel de med@io B maior do que a menor fra@o
de milfmetro indicada. Esta dew ser levada em considera@ quando avaliada a riltima fra@o de millmetro no
resuftado medido.

No case de instrumentos corn indica@a digital, dew ser dada aten@ para OS fatores ambient&, por exemplo,
campos magn&icos. campo el&rico, umidade, etc, OS quais podem afetar as fun@es dos componentes eletr8nicos do
instrumenta

A base dos paqulmetros de profundidade estende-se para 0s lados, SZdireita e B esquerda da rbgua principal e no case
de se war urn lado ou ambos OS lados, ma&r a supwficie de medi@o bem apoiada no objeto, pressionando-a
perpendicularmente de modo que MO ocorra fclga no contato entre 0 instrumento e 0 objet0 durante a medi$Bo.
Licençaimpressa
C6pia de uso exclusivo
pelo para Petrobrás
Sistema S.A.
CENWIN
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003
14 NBR NM 216:2000

Anexo C (informativo)
Exemplo de urn ghfico de erro de indlcapk

35 - Llmites de err0 admissivel (ver tab& 2)


30-
25 -
20

$‘a-
515 0- . . . . . . 0 l

2 -5 - l l
$40 - . . .
g-15 - .
w -20

-25
JO -- I
-35 - Limites de err0 admissivel (ver tabela 2)
I I I I I I I I I I I I I 1 I
0 10 20 30 40 50 m 70 no vo 100 HO 120 130 ,40 150
Valor verdadeim conventional. mm

Figure C.l - Exemplo de urn gr6flco de err0 de indlca@o de urn paquimetro ou paquimetro de profundidade
corn falxa de medip& de 0 8 150 mm

/ANExo D
C6pia
Licençaimpressa pelo Sistema
de uso exclusivo CENWIN
para Petrobrás S.A.
Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 29/09/2003
NBR NM 216:2000 15

Anexo D (informative)
Bibliografia

No estudo d&a Norma MERCOSUL, foi considerado o seguinte antecedenle:

[l] Guide to the expression of uncertainly in measurement (GUM) 1. Edition 1993. Issued by BIPM. IEC, IFCC, ISO,
IUPAC, OIML. ISBN 92-67-10186-S.