Você está na página 1de 87

CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC

GUIA PARA ELABORAÇÃO DE


TRABALHOS ACADÊMICOS

Maceió–AL
Existem vários estilos pré-definidos: estilo normal, estilo título1, etc.
2015
Reitor
Dr. João Sampaio Rodrigues Filho

Vice-Reitor
Pró-Reitor Acadêmico
Prof. Dr. Douglas Apratto Tenório

Assessores
Profa. Dra. Vera Lúcia Romariz Correia Araújo
Prof. Paulo José Loureiro Santos Lima

Pró-Reitor Acadêmico Adjunto de Graduação


Prof. Dr. Mauro Guilherme de Barros Quirino Martins

Pró-Reitora Acadêmico Adjunto de Pós-Graduação e Pesquisa


Profa. Dra. Cláudia Cristina Medeiros de Almeida

Pró-Reitor Acadêmico Adjunto de Extensão


Prof. Amauri Soares Ferreira

Secretária Geral Acadêmica


Profa. Daniella Pereira do Nascimento

COMISSÃO DE ELABORAÇÃO
Roselene Menezes Aleluia (Responsável pela elaboração) Lourani Oliveira dos Santos Correia
Eliete Sousa de Araujo (Bibliotecária) Maria Carolina Acioli
Alex Melo da Silva Maria Jeane dos Santos Alves
Alexsandro Aleixo Pereira da Silva Marcílio Otávio Brandão Peixoto
Amanda Cavalcante de Macedo Maria Celia de Albuquerque Torres
Ana Cristina Brito da Rocha Pereira Maria da Glória Freitas
Ana Lydia Vasco de Albuquerque Peixoto Maria Lucélia da Hora Sales
Ângela Lima Peres Maria Luzimar Fernandes dos Santos
Beatriz Jatobá Pimentel Marilúcia Mota de Moraes
Carlos Henrique Falcão Tavares Matilde Baracat
Clarissa Cotrim dos Anjos Nádia Rodrigues da Silva
Cláudia Alessandra Alves de Oliveira Rita Gloria de Albuquerque Costa Madeira
Celmíria Maria da Costa SIlva Roberta Alves Pinto Moura Penteado
Ellen Vidal Medeiros Lobo Robson Moura
Fabiana Andrea Lopes Soares Renata Sampaio Rodrigues Soutinho
Fabiano de Souza Fonseca Roseana Breckenfeld Josue
Jefferson Tomio Sanada Roseneide Honorato dos Santos
Josefa Renalva de Macedo Costa Sandra Zimpel
Juliana Vasconcelos Lyra da Silva Samara Almeida de Souza
Gregory Aguiar Caldas Barbosa Solyany Soares Salgado
Karlla Almeida Vieira Vera Lúcia Romariz Correia de Araújo
Kristiana Cerqueira Mousinho Yáskara Veruska Ribeiro Barros
Leone de Mendonça Leite
APRESENTAÇÃO

O Centro Universitário Cesmac apresenta este guia com intuito de nortear a


comunidade acadêmica na elaboração dos seus trabalhos científicos.
Este documento objetiva padronizar e aprimorar a qualidade da produção
acadêmica, no que diz respeito à redação científica. A pesquisa possui elementos
essenciais na sua estrutura, o que permitem, a depender de cada área específica,
adequar às etapas do estudo, de acordo com a necessidade dos procedimentos e o
rigor da ética. Contempla as recomendações da Associação Brasileira de Normas
Técnicas.
SUMÁRIO

1 A PESQUISA ......................................................................................................... 5
1.1 Tipos de Pesquisa ............................................................................................ 6
1.1.1 Quanto à natureza ............................................................................................. 6
1.1.2 Quanto aos objetivos ........................................................................................ 6
1.1.3 Quanto aos procedimentos .............................................................................. 7
1.1.4 Quanto à abordagem quantitativa e qualitativa ................................................ 9
2 O PROJETO DE PESQUISA ................................................................................ 11
2.1 Elementos pré-textuais ...................................................................................... 13
2.2 Elementos textuais do projeto de pesquisa .................................................... 17
2.2.1 Introdução ......................................................................................................... 18
2.2.2 Objetivos .......................................................................................................... 20
2.2.2.1 Objetivo geral ................................................................................................. 21
2.2.2.2 Objetivos epecíficos ..................................................................................... 21
2.2.3 Metodologia/Material e método ........................................................................ 22
2.2.3.1 Tipo de estudo ............................................................................................... 22
2.2.3.2 Local da pesquisa ......................................................................................... 22
2.2.3.3 Amostra .......................................................................................................... 22
2.2.3.4 Tamanho da amostra e amostragem ............................................................. 23
2.2.3.5 Recrutamento dos sujeitos e aquisição do consentimento livre e
esclarecido ................................................................................................................ 23
2.2.3.6 Critérios de inclusão ..................................................................................... 24
2.2.3.7 Critérios de exclusão ..................................................................................... 24
2.2.3.8 Razões para utilização de grupos vulneráveis ............................................... 24
2.2.3.9 Procedimentos ............................................................................................... 25
2.2.3.10 Relação riscos/benefícios da pesquisa ........................................................ 25
2.2.3.11 Critérios para interromper a pesquisa .......................................................... 25
2.2.3.12 Documentos necessários à submissão da Plataforma Brasil ..................... 26
2.2.4 Cronograma ..................................................................................................... 28
2.2.5 Orçamento ....................................................................................................... 29
2.3 Elementos pós-textuais ..................................................................................... 29
2.3.1 Referências ....................................................................................................... 29
2.3.2 Apêndice ........................................................................................................... 29
2.3.3 Anexo ................................................................................................................ 30
3 O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ...................................................... 30
3.1 Orientação para elaboração do TCC .............................................................. 31
3.2 Estrutura para elaboração do TCC ................................................................... 31
3.2.1 Elementos pré-textuais ...................................................................................... 32
3.2.1.1 Resumo .......................................................................................................... 36
3.2.1.2 Palavras-chave ............................................................................................... 37
3.2.1.3 Sumário .......................................................................................................... 39
3.2.2 Elementos textuais ............................................................................................ 40
3.2.2.1 Introdução ...................................................................................................... 41
3.2.2.2 Metodologia/Material e método ...................................................................... 42
3.2.2.3 Resultados ..................................................................................................... 44
3.2.2.3.1 Modelo de quadro, tabela, figura, equações/fórmulas e gráfico ................. 45
3.2.2.4 Discussão ....................................................................................................... 51
3.2.2.5 Conclusão/ Considerações Finais .................................................................. 52
3.2.3 Elementos pós-textuais ..................................................................................... 53
3.2.3.1 Referências .................................................................................................... 53
3.2.3.2 Apêndice ........................................................................................................ 54
3.2.3.3 Anexo ............................................................................................................. 54
4 CITAÇÕES .............................................................................................................. 56
4.1 Tipos de citações ................................................................................................. 56
4.1.1 Citação direta .................................................................................................... 56
4.1.1.1 Citação direta curta ........................................................................................ 56
4.1.1.2 Citação direta longa ....................................................................................... 57
4.1.2 Citação indireta.................................................................................................. 57
4.1.3 Citação de citação.............................................................................................. 59
5 REFERÊNCIAS ....................................................................................................... 60
5.1 Organização das referências ............................................................................... 60
5.2 Estrutura das referências ..................................................................................... 60
REFERÊNCIAS........................................................................................................... 65
ANEXOS..................................................................................................................... 67
ANEXO A - FICHA CATALOGRÁFICA..................................................................... 68
ANEXO B - MODELO DA CAPA DO DVD................................................................. 73
ANEXO C - MODELO DO ADESIVO DO DVD......................................................... 74
ANEXO D - MODELO DE DEMONSTRATIVO DE INFRAESTRUTURA ................. 75
ANEXO E - MODELO DE DECLARAÇÃO SOBRE A DESTINAÇÃO DOS
MATERIAIS E/OU DADOS COLETADOS ................................................................ 76
ANEXO F - MODELO DE TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E
ESCLARECIDO ......................................................................................................... 77
ANEXO G – MODELO DO DECLÍNIO DO TCLE...................................................... 80
ANEXO H - GUIA DE INFORMÁTICA.................................................................. 81
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 5

1 A PESQUISA

A pesquisa na elaboração do projeto é “a atividade científica pela qual


descobrimos a realidade" (DEMO, 1987, p. 23). É racional, sistemática, e
proporciona respostas à investigação de um problema (objeto de estudo teórico
ou empírico), por meio de métodos que abordam o problema quanto à forma,
ou quanto aos procedimentos de coletas de dados, com base na validade do
conhecimento científico. Desta forma, de acordo com Salomon (2001, p. 152) a
pesquisa é o trabalho empreendido metodologicamente, quando surge um
problema, para o qual se procura a solução adequada de natureza científica
com razões pré-definidas.

Objetivos/Razões da Pesquisa

• Procurar;
• Buscar; Problemas(Objetos);
• Resolver; Novas Teorias;
• Formular; Novos Conhecimentos
• Testar.

Fonte: (RICHARDSON, 1989, p. 16-17).

Em todo caso, é imprescindível que na pesquisa:


• O problema ou questão a ser abordado (objeto) seja delimitado e que
os objetivos sejam bem definidos.
• Em se tratando de pesquisa envolvendo seres humanos e/ou
animais, é necessário que seja aprovado pelo Comitê de Ética em
Pesquisa (CEP).

De acordo com Cartaxo (2011, p.11) é por meio da pesquisa que se


utilizam variados instrumentos para se obter respostas dentro da realidade a
ser estudada.

O instrumento ideal deverá ser estipulado pelo pesquisador para se


atingir os resultados ideais. Num exemplo grosseiro diríamos: eu não
poderia procurar um tesouro numa praia cavando um buraco com
uma picareta; eu precisaria de uma pá. Da mesma forma eu não
poderia fazer um buraco no cimento com uma pá; eu precisaria de
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 6

uma picareta. Por isso a importância de se definir o tipo de pesquisa


e da escolha do instrumental ideal a ser utilizado. A Ciência, através
da evolução de seus conceitos, está dividida por áreas do
conhecimento. Assim, hoje temos conhecimento das Ciências
Humanas, Sociais, Biológicas, Exatas, entre outras. Mesmo estas
divisões têm outras subdivisões cuja definição varia segundo
conceitos de muitos autores. As Ciências Sociais, por exemplo,
podem ser divididas em Direito, História, Sociologia etc. (CARTAXO,
2011, p.11).

1.1 Tipos de pesquisa

A pesquisa deve ser compreendida como um processo de descoberta de


novos conhecimentos, o que exige procedimento racional e sistemático na
condução das investigações científicas; contudo, para avançarmos na busca
por soluções para os problemas da realidade social, hão de se conhecer e
apreender os principais tipos de pesquisas quanto às suas especificidades:
natureza, objetivos, procedimentos e abordagens. Assim, apresentamos
abaixo, alguns tipos de pesquisa com seus conceitos fundamentais.

1.1.1 Quanto à natureza

a) Pesquisa Básica – É o tipo de Pesquisa que gera conhecimento. Não tem


finalidades imediatas. O conhecimento será utilizado em Pesquisas
Aplicadas ou Tecnológicas;
b) Pesquisa Aplicada – É o tipo de Pesquisa que gera Produtos e Processos
que têm finalidades imediatas. Utiliza os conhecimentos gerados pela
Pesquisa Básica e as Tecnologias Existentes (LAKATOS, 2003).

1.1.2 Quanto aos objetivos

a) Pesquisa Exploratória – A pesquisa ou estudo exploratório consiste no


passo inicial de qualquer pesquisa pela experiência e auxílio que traz na
formulação de hipóteses significativas para posteriores pesquisas,
contribuindo assim com a aquisição de embasamento para realizá-las. É
realizada em uma área na qual há pouco conhecimento acumulado e
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 7

sistematizado, aprimorando ideias e levantando hipóteses sobre assuntos


poucos explorados (VERGARA, 2014, p. 20).
b) Pesquisa Descritiva – Tal pesquisa observa, registra, analisa, ordena
dados, sem manipulá-los, não permitindo a interferência do pesquisador.
Procura descobrir a frequência com que um fato ocorre, sua natureza,
características, causas, relações com outros fatos. Assim, para coletar tais
dados, utiliza-se de técnicas específicas, dentre as quais destacam-se a
entrevista, o formulário, o questionário, o teste e observação (SALOMON,
2010, p.104).
c) Pesquisa Explicativa – Preocupa-se com o porquê dos fatos e fenômenos,
identificando os fatores que determinam a ocorrência ou a maneira de
ocorrer dos fatos/fenômenos/processos(SALOMON, 2010, p.104).

1.1.3 Quanto aos procedimentos

a) Pesquisa Bibliográfica – Trata-se do levantamento, seleção e


documentação de toda bibliografia já publicada sobre o assunto que está
sendo pesquisado, em livros, revistas, jornais, boletins, monografias, teses,
dissertações, material cartográfico, com o objetivo de colocar o pesquisador
em contato direto com todo material já escrito sobre o mesmo (LAKATOS;
MARCONI, 2011, p.66).
b) Pesquisa Documental – Busca os dados diretamente nas fontes que ainda
não receberam tratamento analítico e a publicação que podem ser:
Documentos, fotos, certidões, correspondências pessoais, etc. (LAKATOS;
MARCONI, 2011, p.57).
c) Pesquisa Experimental – Tem como objetivo demonstrar como e por que
determinado fato é produzido. Portanto, na pesquisa experimental o
pesquisador procura refazer as condições de um fato a ser estudado, para
observá-lo sob controle. Para tal, utiliza-se de local apropriado, de aparelhos
e instrumentos de precisão para demonstrar o modo ou as causas pelas
quais um fato é produzido, proporcionando assim, o estudo de suas causas
e efeitos (KELLER; BASTOS, 2013, p.54).
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 8

d) Pesquisa Ex-post-facto – Nesta pesquisa o fato já aconteceu e o


pesquisador passará a explicá-lo; sua tradução literal da expressão latina ex-
post facto é “a partir do fato passado” (GIL, 2008, p. 49);
e) Pesquisa-Ação – Acontece quando há interesse coletivo na resolução de
algum problema, com suprimento de uma necessidade. Os pesquisadores e
os pesquisados envolvem-se no trabalho de pesquisa de modo participativo
ou cooperativo e o que caracteriza seu aspecto inovador é o caráter
participativo, o impulso democrático para a mudança social e está
fundamentada no posicionamento realista da ação, sempre seguida por uma
reflexão autocrítica objetiva e uma avaliação de resultados: "Nem ação
sem investigação nem investigação sem ação"(GOLDENBERG, 2013).
f) Estudo de Caso – Consiste em coletar e analisar informações sobre um
determinado indivíduo, família, grupo ou comunidade, a fim de estudar
aspectos variados de sua vida, de acordo com o assunto da pesquisa
(SALOMON, 2010, p.106).
g) Estudo de Coorte - De acordo com Gil (2008), a pesquisa conhecida com
estudo de coorte refere-se a um grupo que possui entre si uma característica
comum. Neste caso, o grupo estudado constitui uma determinada amostra
de um universo de pesquisa, que deve ser acompanhado por um
determinado período de tempo para se investigar, por observação e análise
comparativa, o que acontece a este grupo. Este tipo de pesquisa é muito
utilizado na área da saúde, e pode, algumas vezes, representar um caso
particular de pesquisa experimental (estudo prospectivo) ou de uma
pesquisa ex-post facto (estudo retrospectivo).
h) Pesquisa Participante -Trata-se de uma modalidade de pesquisa também
polêmica e muito confundida com a pesquisa-ação. Possui estreitas
semelhanças com a pesquisa-ação porque o pesquisador também é um
participante da pesquisa. Entretanto, procura minimizar a distinção entre
dirigentes e dirigidos, razão pela qual é muito utilizada em pesquisas de
intervenção social e/ou religiosa.
i) Pesquisa Operacional - É um método científico de tomada de decisões,
consistindo na descrição de um sistema organizado com o auxílio de um
modelo, e através da experimentação com o modelo, na descoberta da
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 9

melhor maneira de operar o sistema. A Pesquisa Operacional surgiu


durante a Segunda Guerra Mundial, resultado de estudos realizados por
equipes interdisciplinares de cientistas contratados para resolver problemas
militares de ordem estratégica e tática. Um estudo de Pesquisa
Operacional consiste, basicamente, em construir um modelo de um sistema
real existente como meio de analisar e compreender o comportamento
dessa situação, com o objetivo de levá-lo a apresentar o desempenho que
se deseja (MOREIRA, 2010).
j) Pesquisas de revisão integrativa–é um método de pesquisa utilizado
desde 1980, no âmbito da Prática Baseada em Evidências (PBE), que
envolve a sistematização e publicação dos resultados de uma pesquisa
bibliográfica em saúde para que possam ser úteis na assistência à saúde,
acentuando a importância da pesquisa acadêmica na prática clínica. O
principal objetivo da revisão integrativa é a integração entre a pesquisa
científica e a prática profissional no âmbito da atuação profissional
(MENDES; SILVEIRA; GALVÃO, 2008).

1.1.4 Quanto à abordagem quantitativa e qualitativa

Quanto à abordagem do problema, a pesquisa pode ser Qualitativa ou


Quantitativa. De acordo com Volpato (2013), a diferença entre a pesquisa
qualitativa e a quantitativa, está no tipo de dados, nos instrumentos de coleta e
análise dos dados. Nos dois casos, o pesquisador está fazendo ciência
empírica. Como as metodologias são diferentes, as formas de análise são
diferentes.
De acordo com o tipo de estudo, o pesquisador deverá escolher o
melhor caminho a seguir. Nessa parte, serão indicados os tipos de pesquisa,
os sujeitos da pesquisa (elementos que representam o universo da pesquisa)
definidos de acordo com critérios: local do estudo, como deve ser feita a coleta
de dados, que tem relação com as técnicas a serem utilizadas de acordo com a
natureza de cada estudo.
Os métodos de pesquisa quantitativa, de modo geral, são utilizados
quando se quer medir opiniões, reações, sensações, hábitos e atitudes ou
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 10

outros dados de um universo (público-alvo) através de uma amostra que o


represente de forma estatisticamente comprovada. Isto não quer dizer que ela
não possa ter indicadores qualitativos. Desde que o estudo permita, sempre é
possível (MANZATO; SANTOS, 2012).
Já a abordagem relacionada à pesquisa qualitativa envolve em sua
matéria prima um conjunto de substantivos cujos sentidos se complementam:
experiência, vivência, senso comum e ação. Os objetos de pesquisa situados
nesta abordagem ou análise se baseia comumente em três verbos:
compreender, interpretar e dialetizar (MINAYO, 2012).
Verifica-se, assim, que para o levantamento de dados relacionados a
estudos qualitativos, destacam-se: entrevistas, questionários, observações,
história de vida, formulários entre outros. O critério de seleção, os descritores1e
tudo aquilo que detalhe o caminho que deverá ser trilhado para concretizar a
pesquisa. O tempo verbal utilizado deverá ser redigido no futuro do presente,
de vez que a pesquisa ainda será realizada.
O que não se pode fazer é forçar um estilo de trabalho em determinado
tema, pois ele pode não servir. Ou seja, não podemos fazer demografia
qualitativa, como também não podemos quantificar praticamente nenhuma
ideia de Freud. Insistir simultaneamente em determinado método e em
determinado tema pode ser um erro fatal (CASTRO, 2013).
A complementariedade das pesquisas quantitativa e qualitativa, “ao
contrário do que se pensam os mais fundamentalistas, de um lado ou de outro,
há uma fertilização cruzada virtuosa entre os métodos quantitativos e
qualitativos. Cada um chega onde o outro não consegue chegar. O método
quantitativo pergunta ‘como’ acontece, ‘o que’ acontece. Já o método
qualitativo pergunta ‘porque’ acontece” (CASTRO, 2013, p.108).
A natureza do objeto de estudo e as perguntas que queremos fazer
tendem a estreitar as alternativas possíveis, como descrito na figura 1, a
diferença de pesquisa quantitativa e qualitativa (CASTRO, 2013).

1
(vide DeCS BIREME disponível em: http://decs.bvs.br).
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 11

- Busca isolar a causa do efeito


- Sempre tenta medir ou quantificar
- A meta é operacionalizar a teoria e suas definições
Quantitativa - Busca formular leis gerais
- Tenta controlar outras variáveis
- Sempre evita a influência do pesquisador

- Começa com narrativas e não com teorias.


- Trabalha com texto ou com o que vira texto.
- Retorno ao oral, ao particular, ao local, e ao
- Faz justiça à complexidade do objeto.
Qualitativa - Busca descobrir e não testar
- A meta é penetrar no problema
- O método é aberto
- Ênfase nos significados e nas representações que as
coisas têm para as pessoas.
- A compreensão vem a partir do interior.

Figura 1 – diferença da pesquisa quantitativa e qualitativa


Fonte: (CASTRO, 2013).

2 O PROJETO DE PESQUISA

A pesquisa acadêmica é uma atividade teórica racional; deve, portanto,


desde o início, assumir o formato de trabalho intelectual planejado, que se
completa com a elaboração do projeto de pesquisa, traçando, assim, o
caminho inicial de todo o procedimento posterior.
Por conseguinte, a importância do planejamento para o êxito da
pesquisa é indiscutível e várias são as etapas percorridas em sua composição,
como serão explanadas a seguir. Isso inclui os elementos pré-textuais, textuais
e pós-textuais.

ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS
Capa (obrigatório)
Folha de rosto (obrigatório)
Folha de aprovação (obrigatório)
Informações Gerais (obrigatório)
Sumário. (obrigatório)
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 12

ELEMENTOS TEXTUAIS
Introdução (obrigatório)
Objetivos (obrigatório)
Objetivo geral (obrigatório)
Objetivos específicos (obrigatório)
Metodologia/ Material e método (obrigatório)
Cronograma (obrigatório)
Orçamento (obrigatório)
ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS
Referências (obrigatório)
Apêndice (opcional)
Anexo (opcional)

ANEXO

APÊNDICE
REFERÊNCIAS
5 ORÇAMENTO
4 CRONOGRAMA

3 METODOLOGIA/ /MATERIAL E MÉTODO

2 OBJETIVOS

1 INTRODUÇÃO
SUMÁRIO

FOLHA DE INFORMAÇÕES GERAIS

FOLHA DE APROVAÇÃO

FOLHA DE ROSTO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC

NOME DO ALUNO

TÍTULO: subtítulo

MACEIÓ - AL
2015

PRÉ-TEXTUAIS TEXTUAIS PÓS-TEXTUAIS


CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 13

2.1 Elementos pré-textuais

Os elementos pré-textuais são organizados, conforme as Normas da


ABNT – NBR 14724:2011 para elaboração de trabalhos acadêmicos.

MODELO DA CAPA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC


(fonte arial 16 e centralizada, letra maiúscula, em negrito)

ATENÇÃO!
Não esqueça que as margens da página devem ter
a seguinte formatação: superior – 3 cm, inferior – 2
cm, esquerda – 3 cm, direita – 2 cm

NOME DO ALUNO
(fonte arial 14 e centralizada, letra maiúscula, sem abreviar e sem negrito)

ATENÇÃO!
O subtítulo deve ser precedido do título principal por dois pontos (:) e
escrito com letra minúscula. Maiúscula para nomes próprios.Sem negrito

TÍTULO DO PROJETO: subtítulo (se houver)


(Título arial 16, negrito e centralizado)

NÃO IDENTIFICAR GRUPOS DE SUJEITOS NO TÍTULO


Ex.:: “... em uma instituição filantrópica de Maceió”, em vez de:”... no Lar São
Francisco de Maceió” ; “... em um Hospital da rede privada “, em vez de :
“...no Hospital Arthur Ramos”.

LOCAL-ESTADO
ANO/SEMESTRE Fonte Arial 12, maiúscula,
centralizado, SEM negrito,
espaçamento simples. entrelinhas
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 14

MODELO DA FOLHA DE ROSTO

NOME DO ALUNO
(fonte arial 14 e centralizada, letra maiúscula, sem abreviar e sem negrito)

Obs.:
Conte a partir desta folha, mas só
numere a partir da primeira folha
do texto. (numeral arábico sem
zero nem ponto). Em todo o
trabalho deve-se usar a letra com
fonte em ARIAL (NBR 14724).

TÍTULO DO PROJETO:subtítulo (se houver)


(Arial 16 negrito e centralizado, digitado na mesma linha da pág. anterior)

Projeto de pesquisa apresentado como


requisito parcial, para conclusão do curso de
...do Centro Universitário Cesmac, sob a
orientação do professor ...e coorientação do
professor....(coorientador se houver)
(Arial 10 recuado em 7,5 cm da margem esquerda, justificado e sem negrito)

LOCAL-ESTADO
ANO/SEMESTRE
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 15

MODELO DA FOLHA DE INFORMAÇÕES GERAIS

INFORMAÇÕES GERAIS
a) Local: (ONDE SERÁ DESENVOLVIDO O ESTUDO/PESQUISA)
b) Pesquisador Principal (PROFESSOR ORIENTADOR)

Nome:
Grau Acadêmico:
Instituição Afiliada: ATENÇÃO!
Espaço de entrelinha de
Endereço Postal: 1,5 entre as alíneas.
CEP:
Fone: Entre as informações do
pesquisado principal,
Correio Eletrônico: coorientador e
Endereço do currículo lattes: orientando espaço da
entrelinha simples.
c) Coorientador (CASO EXISTA)

Nome:
Grau acadêmico:
Instituição Afiliada:
Endereço Postal: ATENÇÃO!
CEP:
Fone: Caso o trabalho seja em dupla e
exista o coorientador, para manter
Correio Eletrônico:
todas as informações em uma única
Endereço do currículo lattes: página, utilize, nesta página,
espaçamento simples entre linhas.

d) Orientando

Nome:
Grau Acadêmico: Graduando em (NOME DO CURSO)
Instituição Afiliada:
Endereço Postal:
CEP:
Fone:
Correio Eletrônico:
Endereço do currículo lattes:
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 16

MODELO DO SUMÁRIO

ESTRUTURA DAS SEÇÕES Apalavra sumário deverá ser grafada em Fonte Arial, tamanho
14, maiúscula, negrito, centralizado, sem indicativo numérico.
SEÇÃO PRIMÁRIA (letra 12, todas
Após um espaço 12 pt, grafar os capítulos, títulos, itens e/ou
maiúsculas, em negrito)
subitens, conforme aparecem no corpo do texto, ou seja, com o
Seção secundária (letra 12, inicial mesmo fraseado e tipo de letra.
maiúscula em negrito)
Seção terciária (letra 12, inicial maiúscula O número da página inicial do capítulo ou seção deve ser ligado
sem negrito) ao título COM linha pontilhada SEM negrito. Os números
*A partir da seção terciária todas devem ser grafados SEM negrito fonte 12.
seguem o mesmo formato.

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ....................................................................................... 4
2 OBJETIVOS ........................................................................................... 4
2.1 Geral ...................................................................................................
ATENÇÃO!
4
2.2 Específicos .........................................................................................
Espaço simples entre as 4
3 METODOLOGIA ....................................................................................
linhas das seções. 5
3.1 Tipo de estudo ................................................................................... 5
3.2 Local da pesquisa ............................................................................. 5
3.3 Amostra (se houver) ......................................................................... 5
3.3.1 Tamanho e amostragem .................................................................. 5
3.3.2 Recrutamento dos sujeitos e aquisição do consentimento livre e
esclarecido ................................................................................................ 6
3.3.3 Critérios de inclusão ......................................................................... 7
3.3.4 Critérios de exclusão ........................................................................ 7
3.3.5 Razões para utilização de grupos vulneráveis ................................. 7
3.3.6 Procedimentos .................................................................................. 7
3.3.7 Relação riscos/benefícios da pesquisa ............................................ 8
3.3.8 Critérios para interromper a pesquisa.............................................. 8
4 CRONOGRAMA ..................................................................................... 18
5 ORÇAMENTO ........................................................................................ 19
REFERÊNCIAS ......................................................................................... 20
APÊNDICES .............................................................................................. 21
ANEXOS................................................................................................... 22
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 17

2.2 Elementos textuais do projeto de pesquisa

5 ORÇAMENTO

4 CRONOGRAMA

3METODOLOGIA/ /MATERIAL E MÉTODO

2 OBJETIVOS
1 INTRODUÇÃO

Para a redação dos elementos textuais do projeto de pesquisa o produtor


de texto acadêmico deverá seguir o padrão de configuração de parágrafos e
indicativos das seções na mesma sequência apresentada no sumário,
conforme orientações abaixo. Numere a partir
desta página.

Letra 12, caixa ALTA, negrito


4
1 INTRODUÇÃO
Espaço de 1,5 depois da seção
Tabulação de
parágrafo de Introdução Texto letra Arial
1,25 12, entrelinha
introduçãointroduçãointroduçãointroduçãointroduçãointroduçãointrod 1,5.

uçãointroduçãointroduçãointroduçãointroduçãointroduçãointroduçãoi
ntroduçãointroduçãointroduçãointroduçãointroduçãointroduçãointrod
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 18

2.2.1 Introdução

No projeto de pesquisa, ainda que a primeira parte seja a textual é


uma das últimas a ser redigida. Para isso, o pesquisador deverá inserir
nesse contexto: breve fundamentação teórica, problema da pesquisa, as
motivações para realização da mesma, as razões para delimitação do
problema, hipótese (se houver) e por fim, a justificativa da pesquisa,
argumentando porque a pesquisa deve ser realizada e as contribuições para
a comunidade acadêmica e para sociedade.
No item fundamentação teórica, atente para a redação das citações à
luz da literatura atualizada ou dos clássicos, apresente os autores que
realizaram pesquisas na mesma área temática expondo o que eles
pesquisaram, como e quando pesquisaram.
O texto deverá conter a fundamentação teórica à luz da literatura
científica, o problema de pesquisa, a hipótese (se houver) e a justificativa.
Evite no texto: conjunções conclusivas para não dar ideia de
conclusão no texto da introdução.

Exemplo:
Em vista dos argumentos apresentados...
Portanto ...
Logo...
Então...
Diante do exposto...
Em fim...

Para a redação e formulação do problema requer-se uma reflexão sobre


o que o pesquisador pretende resolver no decorrer do estudo. Para construir
essa etapa do projeto é necessário que haja uma revisão da literatura para que
se possa identificar qual o problema ou a questão a ser respondida.
Essa etapa é de fundamental importância para a estruturação do seu
projeto. Segundo Oliveira (2012), um problema bem formulado é mais
importante para o desenvolvimento da ciência do que a eventual solução.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 19

Mesmo que não solucione, uma investigação pode ter uma grande importância
para que se abram novos caminhos e novos questionamentos.
Para a elaboração do problema da pesquisa é necessário que se tenha
clareza e precisão. Um mesmo tema ou assunto pode gerar vários problemas.
Na visão de Gil (1995) algumas regras podem facilitar a formulação do
problema, como:
 Deve ser formulado em forma de pergunta;
 Ser o mais específico possível;
 Utilização de termos claros com significados precisos.

Exemplo:

TÍTULO: A MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO COMO MEIOS ALTERNATIVOS DE


SOLUÇÃO DE CONFLITOS DA JUSTIÇA ALAGOANA NO PERÍODO DE 2013

Problema: houve retorno dos conflitos ao Poder Judiciário Alagoano para a


promoção da anulação dos negócios jurídicos processuais entabulados na
conciliação ou na mediação?

TÍTULO: A CONCILIAÇÃO COMO SUPORTE ALTERNATIVO DE SOLUÇÃO


DE CONFLITOS EM ACIDENTES DE TRÂNSITO EM ALAGOAS NO
PERÍODO DE 2013

Problema: houve eficiência da resolução dos conflitos de trânsito em Alagoas


efetivados pela conciliação no período de 2013?

Portanto, lembre-se sempre de que o problema é uma interrogação que


o pesquisador faz da realidade em que está inserido.
A formulação das hipóteses é um conjunto estruturado de
argumentos e explicações que possivelmente justificam dados e
informações, mas que ainda não foram confirmados por observação ou
experimentação.
É a afirmação positiva, negativa ou condicional (ainda não testada)
sobre determinado problema ou fenômeno; uma tentativa de oferecer uma
solução possível mediante uma proposição, ou seja, uma expressão verbal
suscetível de ser declarada verdadeira ou falsa (GIL, 2002).
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 20

As hipóteses, respostas possíveis e provisórias em relação às


questões de pesquisa tornam-se também instrumentos importantes como
guias na tarefa de investigação (LAKATOS; MARCONI, 2011).
É através dela que você convence o leitor de que seu projeto é
relevante e importante para ser desenvolvido (FINDLAY et al., 2006;
OLIVEIRA, 2012). Para redigir o parágrafo da justificativa, responda à seguinte
pergunta: por que é importante realizar a pesquisa?
Por isso ela precisa conter alguns argumentos que justifiquem a
importância da pesquisa, como:
 Qual o motivo dessa pesquisa?
 Quais os pontos positivos que esse estudo tem?
 Que vantagens e benefícios você acha que a pesquisa irá
proporcionar?
Deve-se, portanto, questionar um princípio científico, ético e profissional
que ainda não foi explorado. A Justificativa deve dizer onde está a “LACUNA”
do conhecimento de determinada área. A justificativa deve ser elaborada sem
tópicos, no final da introdução. Segue abaixo alguns exemplos de como iniciar
o texto sobre a justificativa:
a. A referente pesquisa traz uma nova leitura sobre...
b. Este estudo possui relevância social significativa...
c. Este estudo tem enquanto relevância acadêmica...
d. Torna-se relevante aprofundar reflexões sobre ideias...

2.2.2 Objetivos

No momento da elaboração dos objetivos, o primeiro pensamento que


deve vir à mente é a seguinte pergunta: Para que pesquisar? Qual a função do
tema escolhido? Registra-se na elaboração dos objetivos a pretensão da
pesquisa, que propósito se deseja alcançar ao término da investigação. É
necessário destacar que estes objetivos sejam possíveis de serem atingidos
durante o desenvolvimento da pesquisa. Eles podem ser divididos em duas
espécies: objetivo geral e objetivos específicos.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 21

2.2.2.1 Objetivo geral

O objetivo geral possui uma amplitude maior, ele está intimamente


ligado ao objeto da análise. Constitui o resultado principal a ser obtido ao final
da pesquisa. No momento da elaboração, este é iniciado com o verbo no
infinitivo, em frases curtas, como já diz o nome “objetivo”, não sendo
necessárias muitas delongas em sua preparação. Deve-se lembrar de que o
objetivo geral, como já dito anteriormente, possui um liame com o problema da
pesquisa.

2.2.2.2 Objetivos específicos

Os objetivos específicos são formulados a partir do desdobramento do


objetivo geral, mostrando as especificidades da investigação. Também são
iniciados com os verbos no infinito; são necessários até três objetivos ou mais,
dependendo das ações que deverão ser executadas para atingir o objetivo
geral.
Cuidado ao inserir muitos objetivos específicos, pois ao descrevê-los
terá que cumprir o alcance de cada um proposto. Para pesquisa que envolva a
aplicação de questionários ou roteiro de entrevista (pesquisa com seres
humanos) ou formulário de coleta de dados (dados secundários) o instrumento
de pesquisa deve ser elaborado de modo que se consiga alcançar todos os
objetivos específicos propostos.
LISTA DE VERBOS DE NORMAN GROUNLUND, VERBOS ILUSTRATIVOS
PARA FORMULAÇÃO DE OBJETIVOS INSTRUCIONAIS

. abranger . analisar . aplicar . apreciar . avaliar


.compreender . computar . conhecer . criar . desempenhar
. demonstrar . escrever . falar . interpretar . localizar
. ouvir . pensar . reconhecer . traduzir . usar

CORRESPONDÊNCIAS DOS VERBOS DESCRITOS IDENTIFICADOS NOS


OBJETIVOS ESPECÍFICOS DOS RESUMOS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 22

Níveis Verbos
1 – COMPREENSÃO - descrever, delinear, detectar, examinar, identificar
2 – APLICAÇÃO - caracterizar, determinar, diagnosticar, quantificar, testar,
treinar, traçar.
3 – ANÁLISE - analisar, classificar, comparar, confrontar
4 – SÍNTESE- criar, propor
5 – AVALIAÇÃO - avaliar, medir, validar

2.2.3 Metodologia/Material e método

Na redação da metodologia, o pesquisador deverá atentar para os


aspectos relacionados aos procedimentos da pesquisa, descrever
detalhadamente como esta será realizada . Como exposto anteriormente, para
a redação desta etapa do projeto, use verbos no futuro do presente.

IMPORTANTE! Para redação da metodologia para as pesquisas que


envolvam contato direto ou indireto com pessoas, use as seguintes etapas,
A depender da necessidade e dos procedimentos.

2.2.3.1 Tipo de estudo

Descreva o tipo de estudo que será usado na pesquisa.

2.2.3.2 Local da pesquisa

Entidade ou comunidade em que vai ser realizada a pesquisa, não


esquecer de incluir no anexo a autorização para realização da pesquisa. Deve
ser descrito o nome e o endereço completo do local da pesquisa.

2.2.3.3 Amostra

Define-se como amostra parte de um todo, em que deseja se realizar o


estudo.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 23

2.2.3.4 Tamanho da amostra e amostragem

Neste subitem deve ser estabelecido o número da amostra, mesmo que


de forma hipotética ou por estimativa, através do cálculo do tamanho da
amostra, seguido da justificativa para a definição deste número, ou seja, pela
amostragem. Define-se amostragem como a técnica e/ou conjunto de
procedimentos necessários para descrever e selecionar as amostras, de
maneira probabilística ou não.
O número amostral aqui deve ser idêntico ao descrito na Plataforma
Brasil.

2.2.3.5 Recrutamento dos sujeitos e aquisição do consentimento livre e


esclarecido

Este item só deve ser aplicado no caso de pesquisa envolvendo seres


humanos. Nos casos de pesquisa com animais há o recrutamento dos sujeitos,
mas não há o consentimento livre e esclarecido.
Explicitar como, quando e onde serão identificados e convidados os
sujeitos para participação na pesquisa pelo pesquisador (p.ex. na sala de
espera de uma clínica ou ambulatório, através do envio de correspondência a
partir de endereços constantes no banco de dados de um determinado serviço,
através de anúncios em jornais locais ou pela afixação de cartazes em locais
públicos).
Atestar neste subitem que o sujeito da pesquisa receberá do
pesquisador todas as informações necessárias quanto à realização do estudo
em todas as suas etapas, ficando ciente de que sua participação será de
acordo com sua vontade, podendo desistir quando lhe aprouver.
Garantir que, como marco de inclusão para participação do sujeito na
pesquisa, o pesquisador deverá lavrar um Termo de Consentimento Livre e
Esclarecido (TCLE), baseado nas diretrizes da resolução CNS/MS 466/12.
Caso a pesquisa pretenda utilizar dados de fichas clínicas ou prontuários
e não houver possibilidade do pesquisador encontrar pessoalmente os sujeitos
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 24

para aquisição do TCLE, este deverá descrever neste item todas as


impossibilidades que o levaram a solicitar declínio do documento e guarda das
garantias do sujeito pelo CEP. Além disso, deverá preencher e assinar o
modelo constante na página 67 deste manual e anexar declaração do atual
guardião dos documentos (fichas ou prontuários) assumindo o compromisso de
acompanhamento da coleta de dados assegurando as normas propostas pela
resolução CNS/MS 466/12.
Segundo as diretrizes da resolução CNS/MS 466/12, no caso de
pesquisas com menores de 18 anos deve-se solicitar também o assentimento
da própria criança em participar da pesquisa, através da assinatura do Termo
de Assentimento.

2.2.3.6 Critérios de inclusão

Item só aplicável em pesquisa envolvendo seres humanos e/ou animais.


Descrevem-se detalhadamente os participantes e suas características que
serão estudados, desde que sejam pertinentes para o desenvolvimento da
pesquisa, como, p.ex. suas características demográficas, pessoais, sociais, de
saúde ou de doenças e diagnósticos.

2.2.3.7 Critérios de exclusão

Descrevem-se os participantes que, mesmo atendendo aos critérios de


inclusão, por alguma razão não podem fazer parte da pesquisa.

2.2.3.8 Razões para utilização de grupos vulneráveis

Este item só é necessário para quem irá pesquisar em grupos de


sujeitos considerados vulneráveis (vulnerabilidade – refere-se a estado de
pessoas ou grupos que, por quaisquer razões ou motivos, tenham a sua
capacidade de autodeterminação reduzida, sobretudo no que se refere ao
consentimento livre e esclarecido).
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 25

Descrevem-se, detalhadamente, as razões que levaram o pesquisador a


escolher utilizar como sujeitos de pesquisa indivíduos vulneráveis ao invés de
estudar indivíduos que não apresentem tal situação.

Obs.: Caso utilize qualquer equipamento,


2.2.3.9 Procedimentos
descreva sua marca e como será utilizado.

Descrever todos os procedimentos necessários à pesquisa, citando


como será executado a coleta, organização e análise dos dados e outras ações
viáveis ao objetivo do estudo. Em estudos de incidência ou prevalência os
procedimentos devem estar relacionados ao instrumento de coleta de dados
(descrição dos procedimentos de aplicação, variáveis estudadas e finalidade
dos dados).

2.2.3.10 Relação riscos/benefícios da pesquisa

Item só aplicável em pesquisa envolvendo seres humanos e/ou animais.


Explicar detalhadamente quais são os riscos e desconfortos para o sujeito da
pesquisa, uma vez que toda pesquisa envolve risco e deve conter benefícios
que se sobreponham a estes riscos. Além disso, descrever as medidas que
serão utilizadas para minimizar os riscos descritos e a (s) estratégia (s) (incluir
no apêndice ou anexos os instrumentos que serão utilizados como estratégia
como, p.ex. panfletos e programação de palestras) para o alcance dos
benefícios propostos.
Garantir que os benefícios diretos e/ou indiretos esperados com a
pesquisa sejam maiores que os riscos (explicitando como o sujeito ou a
sociedade terá acesso a estes e veja mais sobre este item no capítulo V da
resolução CNS/MS 466/12).

2.2.3.11 Critérios para interromper a pesquisa

O pesquisador possui a responsabilidade de garantir a qualidade do


consentimento livre, esclarecido e voluntário, devendo interromper a pesquisa
quando perceber algum risco ou danos à saúde do sujeito participante.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 26

Descrevem-se, também, outros fatores e acontecimentos que


imediatamente percebidos farão com que o estudo seja interrompido.

2.2.3.12 Documentos necessários à submissão à Plataforma Brasil

Devem ser anexadas a Plataforma Brasil, para a submissão do projeto


de pesquisa, as seguintes declarações: declaração de infraestrutura,
declaração de compromisso com os resultados, declaração de destinação
dos materiais e dados coletados, necessária apenas para pesquisa que
utilize material biológico ou genético, declaração de conflito de interesses,
declaração de autorização do local onde será realizada a pesquisa, onde
conste o título e o objetivo da pesquisa e a descrição clara dos procedimentos
que estão sendo pleiteados na autorização, além do TCLE.
Quando for necessária a utilização do serviço de profissionais inerentes
a pesquisa, deve ser anexada uma carta de anuência desses profissionais.
Em todos os documentos descritos acima devem ser fixados, de modo
legível, o carimbo e assinatura do responsável e a data.

IMPORTANTE!
Qualquer alteração necessária ao projeto de pesquisa desde uma mudança de tema,
metodologia, categoria (pesquisa/relato de caso/revisão de literatura) entre outros, enviar ao Comitê
de Ética em Pesquisa da seguinte forma:

- Ao Comitê de Ética em Pesquisa deverá enviar um ofício e as páginas do projeto comunicando as


alterações ou os motivos para a desistência da execução da pesquisa. Em caso de mudança
completa do foco da pesquisa o novo projeto deverá dar nova entrada no CEP via Plataforma Brasil.
Para ambos os casos aguardar parecer favorável.

- Para pesquisas que se encontram em situação "Aprovada" e o pesquisador deseja proceder


alguma modificação no projeto original, deverá ser submetida uma Emenda (alteração no conteúdo
do projeto, número de sujeitos de pesquisa, instituições coparticipantes, sigilo, cronograma, etc.)
apresentada sempre com a justificativa que a motivou. A apresentação de emendas deve ser clara e
objetiva, especificando as alterações relativas ao protocolo inicial e suas justificativas. Devem ser
entregues ao CEP (via plataforma) todos os documentos cabíveis à emenda, ou seja, as versões
atualizadas de todos os documentos em que foi realizada alteração e aguardar parecer favorável.

O sistema deverá permitir o envio de somente uma submissão de emenda por vez,
apresentando a opção novamente somente quando a submissão da emenda anterior tiver sido
finalizada. O procedimento para submissão de emenda no projeto está descrito no manual "Submeter
Emenda ao Projeto" disponível na Central de Suporte (canto superior direito do portal
www.saude.gov.br/plataformabrasil).
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 27

PLATAFORMA BRASIL

A submissão ao Comitê de Ética em Pesquisa de projetos envolvendo


diretamente (entrevista, grupo focal, questionário, etc.) ou indiretamente (Ex.:
prontuários, exames laboratoriais, etc.) ser humano deve ser realizada via
Plataforma Brasil através do portal www.saude.gov.br/plataformabrasil.
Devem ser submetidos à Plataforma Brasil projeto de pesquisa inicial,
emenda a projetos já aprovados, notificação (utilizada quando houver
necessidade de encaminhar algum documento: Comunicação de Início do
Projeto, Carta de Autorização da Instituição, Envio de Relatório Parcial, etc,
sem alteração no conteúdo do projeto) e recursos.
Para o cadastro de usuário acesse o endereço
http://aplicacao.saude.gov.br/plataformabrasil/login.jsf clique em cadastre-se e
siga a sequência e inclusões de documentos solicitadas. Os documentos
solicitados serão: foto 3 x 4, documento oficial com foto, o currículo lattes ou o
endereço do currículo lattes. Lembrando que o endereço correto do lattes a
copiar não é o que aparece na barra superior da página da plataforma lattes e
sim o descrito ao lado da foto com a descrição: Endereço para acessar este
CV.
Se tiver problemas para anexar os documentos, poderá ser a utilização
inadequada das extensões (doc, docx, odt, jpg, pdf dentre outros) e/ou do
tamanho (1MB a 2MB) dos arquivos anexados. Observar que ao lado do
campo onde se deve anexar o documento é informado as extensões e o
tamanho máximo dos arquivos aceitos pela plataforma Brasil.
Para maiores informações em como proceder à submissão de projeto de
pesquisa, assim como para dirimir demais dúvidas, consultar os manuais
disponíveis na Central de Suporte (canto superior direito do portal
www.saude.gov.br/plataformabrasil). Também pode utilizar, nesse mesmo
campo (Central de Suporte), o espaço reservado para perguntas frequentes.
No campo Resumo, durante a submissão à Plataforma Brasil do projeto
de pesquisa, inserir a descrição breve onde constem os seguintes elementos:
justificativa, aspectos metodológicos (desenho do estudo, local, amostra e
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 28

procedimentos), recrutamento dos sujeitos, critérios de inclusão/exclusão e


interrupção da pesquisa.
RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES: Para uma maior agilidade de
análise e de retorno do Projeto em caso de Parecer Pendente, solicita-se
responder as pendências apontadas através de carta resposta, descrevendo a
pendência e respondendo-a. Lembrando que algumas adequações devem ser
realizadas diretamente no projeto (Ex.: Orçamento e Cronograma) e outras
apenas na carta resposta (Ex.: procedimento, risco, benefício, critérios de
interrupção, etc.) e/ou na documentação anexa (Ex.: TCLE, declarações,
instrumento de coleta de dados, etc.). Atentar-se aos casos de necessidade de
reanexar documentos ausentes e/ou com solicitação de ajustes.
Obs.: para os projetos de revisão de literatura (este item não será aplicado).

2.2.4 Cronograma
Novembro 2015
Dezembro 2015

Novembro 2016
Dezembro 2016
Setembro 2015

Setembro 2016
Fevereiro 2016
Outubro 2015

Outubro 2016
Janeiro 2016
Agosto 2015

Agosto 2016
Março 2016

Mês Ano Junho 2016


Julho 2015

Julho 2016
Maio 2016
Abril 2016

Ações

1 Escolha do tema

2 Levantamento da literatura

3 Elaboração do projeto

4 Entrega ao Comitê de ética

5 Coleta de dados

6 Apuração e análise dos dados

7 Redação do TCC

8 Entrega do TCC

9 Defesa do TCC

Legenda: [x] Planejado [o] Executado

Obs.: O número de etapas do cronograma deve estar de acordo com o que foi
proposto no projeto, especialmente na parte da metodologia, bem como o envio
para o Comitê de Ética (item 4) quando for o caso.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 29

IMPORTANTE! Em pesquisa que não depende de aprovação do Comitê de


Ética, excluir o item (envio para o Comitê de Ética).

2.2.5 Orçamento

DESCRIÇÃO DO MATERIAL VALOR

TOTAL GERAL:

Obs.: Incluir quem será responsável pelos gastos, os pesquisadores ou um


patrocinador. Contudo, não poderá haver vinculação do orçamento com bolsas
de fomento.

2.3 Elementos pós textuais

2.3.1 Referências

Elencar todas as informações dos autores mencionados no texto. Usar o


formato no estilo ABNT, conforme capítulo 4 neste guia.

2.3.2 Apêndice

São documentos elaborados pelo autor, de caráter informativo e


complementar ao texto, e que são incluídos apenas se necessários para a
comprovação do que foi apresentado.
Ex.: questionários, formulários e materiais correlatos.

IMPORTANTE!O apêndice deve ser subdividido em alíneas caso no trabalho


conste mais de um.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 30

Exemplo:
No SUMÁRIO será apresentado neste formato.

APÊNDICES................................................................................................ 11
APÊNDICE A – QUESTIONÁRIO............................................................... 12
APÊNDICE B – RECORDATÓRIO NUTRICIONAL................................... 14

APÊNDICE C – FORMULÁRIO................................................................. 16

2.3.3 Anexos

São documentos elaborados por terceiros, que o autor integra ao texto,


para ilustrar, documentar ou comprovar as informações apresentadas no
trabalho, ou seja, é um material extraído de fontes já publicadas e inseridas no
trabalho e, igualmente aos apêndices, serão incluídos apenas se necessários.

IMPORTANTE! O anexo deve ser subdividido em alíneas caso no trabalho


conste mais de um.
Ex.:
No SUMÁRIO será apresentado neste formato.

ANEXOS..................................................................................................... 15

ANEXO A – QUESTIONÁRIO.................................................................... 16

ANEXO B – PORTARIA Nº 001/01............................................................. 18

ANEXO C – MANUAL DAS PRÁTICAS REALIZADAS NO


AMBULATÓRIO........................................................................................ 20

3 O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

O trabalho de conclusão de curso (TCC) é uma atividade obrigatória nos


cursos de Graduação e Pós-graduação do Centro Universitário Cesmac. Para
tanto, os projetos pedagógicos deverão inserir disciplinas em sua matriz
curricular que contemplem conteúdos de metodologia da pesquisa científica, o
mais precocemente possível, no sentido de amadurecer a produção acadêmica
científica.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 31

O TCC será estruturado conforme as especificidades de cada área


podendo ser no formato de Monografia ou conforme as Diretrizes Curriculares
Nacionais. Seguindo a estruturação das etapas para a elaboração do Projeto
de Pesquisa e as etapas para a elaboração do TCC, amplamente discutidos no
âmbito das disciplinas de responsáveis pela construção da pesquisa científica,
conforme a matriz curricular de cada curso.

3.1 Orientações para elaboração do TCC

O trabalho de conclusão de curso poderá ser apresentado nos formatos


mencionados acima, e baseados pelas Normas da ABNT, NBR 14724-2011,
para o uso desta norma são indispensáveis o uso
dasNBRs10520:2002(citações), 6024: 2013 (numeração progressiva),
6027:2013 (sumário), 6028:2003 (resumo), 6023:2002 (referências).

3.2 Estrutura para elaboração do TCC


ANEXO
APÊNDICE
REFERÊNCIAS
5 CONCLUSÃO
4 DISCUSSÃO
3 RESULTADOS
2 METODOLOGIA/
/MATERIAL E MÉTODO
1 INTRODUÇÃO
SUMÁRIO
RESUMO
AGRADECIMENTOS
FOLHA DE APROVAÇÃO
FOLHA DE ROSTO
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC

FICHA CATALOGRÁFICA
NOME DO ALUNO Inserir no verso da folha de rosto.

TÍTULO: subtítulo PRÉ-TEXTUAIS

TEXTUAIS
Maceió-AL
2015 PÓS-TEXTUAIS
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 32

3.2.1 Elementos pré-textuais

MODELO DA CAPA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC


(fonte arial 16 e centralizada, letra maiúscula em negrito)

ATENÇÃO!
Não esqueça que as
margens da página devem
ter a seguinte formatação:
superior – 3 cm, inferior – 2
cm, esquerda – 3 cm,
direita – 2 cm

NOME DO ALUNO
(fonte arial 14 e centralizada, letra maiúscula, sem abreviar e sem negrito)

ATENÇÃO!
Deve ser precedido do título principal por dois pontos(:)e
escrito com letra minúscula. Maiúscula para nomes próprios.

TÍTULO DO TCC: subtítulo (se houver)


(Arial 16, negrito e centralizado)

NÃO IDENTIFICAR GRUPOS DE SUJEITOS NO TÍTULO


Ex.: “... em uma instituição filantrópica de Maceió”, em vez
de:”... no Lar São Francisco de Maceió” ; “... em um Hospital da
rede privada “, em vez de : “...no Hospital Arthur Ramos”.

Fonte Arial 12, maiúscula,


centralizado, SEM negrito,
espaçamento simples.
LOCAL-ESTADO
ANO/SEMESTRE
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 33

MODELO DA FOLHA DE ROSTO

NOME DO ALUNO
(fonte arial 14 e centralizada, letra maiúscula, sem abreviar e sem negrito)

Obs.:
Conte a partir desta folha, mas só
numere a partir da primeira folha
do texto. (numeral arábico sem
zero nem ponto). Em todo o
trabalho deve-se usar a letra com
fonte em ARIAL (NBR 14724).

TÍTULO DO TCC: subtítulo (se houver)


(Arial 16 negrito e centralizado, digitado na mesma linha da pág. anterior)

Trabalho de conclusão de curso


apresentado como requisito parcial, para
conclusão do curso de ...do Centro
Universitário Cesmac, sob a orientação do
professor ...e coorientação do
professor....(coorientador se houver)
(Arial 10 recuado em 7,5 cm da margem esquerda, justificado e sem negrito)

LOCAL-ESTADO
ANO/SEMESTRE
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 34

MODELO DA FOLHA DE APROVAÇÃO

NOME DO ALUNO
Acompanha o mesmo formato
da capa e folha de rosto.

TÍTULO DO TCC: subtítulo (se houver)


(Arial 16 negrito e centralizado, digitado na mesma linha da pág. anterior)

Trabalho de conclusão de curso


apresentado como requisito parcial, para
conclusão do curso de ... do Centro
Universitário Cesmac sob a orientação do
professor...e coorientação do
Fonte Arial 12, professor....(coorientador se houver)
maiúscula, centralizado, (Arial 10 recuado à direita, justificado e SEM negrito)
negrito, 2 espaçamentos
entre linhas 1,5.

EM : ___/____/_____

BANCA EXAMINADORA

(nome do avaliador)

(nome do avaliador)

(nome do avaliador)
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 35

MODELO DOS AGRADECIMENTOS

Iniciar o texto ou subtítulos 3 <enter> AGRADECIMENTOS


após o título da seção e a2cm da
Fonte Arial 14, maiúsculo, negrito.
margem. esquerda (= dois espaços
Centralizado.
duplos). Utilizar fonte Arial12.

São dirigidos às pessoas e/ou a instituições que contribuíram para a


elaboração do TCC. É nesse tópico que o autor expressa a sua gratidão a
quem colaborou com a realização do trabalho, devendo tais pessoas ser
mencionadas de forma hierárquica. No caso de mais de um autor, os
agradecimentos poderão vir separadamente, no entanto, em uma única página.

Atenção!
Em uma página – para trabalhos em dupla - usar agradecimentos
em comum a dupla ou um para cada discente.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 36

3.2.1.1 Resumo (obrigatório)

A redação do resumo do TCC é uma etapa muito importante na


comunicação dos resultados de uma pesquisa. Dessa forma, considera-se o
resumo um breve sumário, sendo, portanto uma descrição completa e concisa
dos componentes-chave da metodologia do estudo e dos achados importantes
da pesquisa (SOUSA, 2006).
Normalmente, o resumo é o primeiro encontro do leitor com uma
pesquisa, sendo algumas vezes o único elemento recuperado e/ou revisado
nas bases de dados científicos. Esse elemento provê a primeira impressão,
muitas vezes a mais importante, identificando o valor potencial ou a relevância
do enfoque da pesquisa e dos resultados (SOUSA, 2006).
São elementos essenciais para redação do resumo: contextualização da
pesquisa, objetivo, metodologia, resultados, conclusão ou considerações
finais(PEREIRA, 2013).
Dessa maneira, algumas dicas são importantes para sua elaboração:
• Faça-o autoexplicativo. Isto significa que basta lê-lo para ter uma noção
geral da investigação sem recorrer à leitura completa do TCC;
• Assegure-se de que não haja conflito de informações entre o resumo e o
TCC;
• Certifique-se de que objetivo e considerações finais/conclusão
combinem;
• Inclua as palavras-chave que identifiquem o TCC;
• Não ser estruturado, não usar tópicos, nem parágrafo.
• Não citar referências.
• Não deve exceder 250 palavras.
• Evitar períodos longos e frases na ordem inversa.
• No texto científico utiliza-se a impessoalidade, dando-se preferência à
terceira pessoa e a verbo na voz ativa. Ex.: sabe-se, entende-se, o
presente estudo visou.
• Após o resumo, escrito em língua vernácula e obrigatória, redigir o
resumo em língua estrangeira.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 37

3.2.1.2 Palavras-chave

As palavras-chave são utilizadas para a indexação do texto e serão


empregadas nas buscas em bases de dados bibliográficos. As mesmas
aparecem na publicação, logo depois do resumo. Para selecioná-las, utilize a
lista do Medline, identificada pelas letras MeSH (Medical Subject Headings) ou
a relação da Bireme, conhecida como DeCS (Descritores em Ciências da
Saúde) (PEREIRA, 2013). Específico para
área da saúde.

Algumas considerações sobre as palavras-chave:

• São palavras que representam o tema central do trabalho.


• Podem não ter sido apresentadas no tema, mas foram usadas no
desenvolvimento do texto do resumo.
• Geralmente se utilizam de 3 a 5 palavras-chave;
• As palavras-chave também devem vir em inglês (KEY-WORDS)
• São separadas por ponto final (.) e iniciais maiúsculas.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 38
Título do artigo em língua Portuguesa e
Inglesa (Fonte Arial, 12) maiúsculo,
negrito, centralizado e subtítulo em
minúsculas, espaçamento da entrelinha
simples. TÍTULO DO ARTIGO (PORTUGUÊS)
TÍTULO DO ARTIGO (INGLÊS)
Do título para o(s) nome(s)
3 dos
cm autor(es)
simples.
2espaços

Maria Maria da Silva


Fonte12, em Graduanda do Curso de ....
negrito, mariamariaasilvaa@globo.com
maiúsculo, arial.
Todo texto com Inserir primeiro o nome do aluno depois o
espaço simples e nome do orientador e coorientador (se
um espaço livre houver), SEGUIDOS DA ÚLTIMA
entre os títulos. TITULAÇÃO e e-mail. Alinhado à direita
RESUMO fonte 10, entrelinha simples.

textotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextote
xtotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotext
otextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextot
extotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotex
totextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextot
extotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotextotexto.

Fonte 12. Não exceder 4 Texto do resumo e abstract, fonte


palavras. Devem ser 10, entrelinha simples, sem abrir
separadas entre si por parágrafo e justificado. Esta página
PONTO. deve ser estruturada com todos
esses elementos, não estendendo o
texto para a página seguinte.
PALAVRAS-CHAVE: Palavra. Palavra. Palavra.

ABSTRACT

texttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttextt
exttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttextte
xttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttex
ttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttextt
exttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttexttextte
xttext.

KEYWORDS: Keywords. Keywords. Keywords.

TEXTO DO RESUMO E ABSTRACT EM UMA ÚNICA PÁGINA.


CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 39

3.2.1.3 Sumário

É a apresentação das etapas do trabalho na ordem cronológica.


Para a redação de cada seção observe as orientações do quadro explicativo,
bem como o roteiro na seção a seguir, a depender do tipo de pesquisa.

ESTRUTURA DO SUMÁRIO
DO ARTIGO DE PESQUISA
Fonte Arial 14, maiúsculo, negrito,
centralizado, sem indicativo numérico.

SUMÁRIO
ESTRUTURA DAS SEÇÕES

SEÇÃO PRIMÁRIA (letra 12, todas


maiúsculas, em negrito) Após dois espaços de 1,5, títulos, itens e/ou subitens,
Seção secundária (letra 12, inicial conforme aparecem no corpo do texto, ou seja, com o
maiúscula em negrito) mesmo fraseado e tipo de letra. O número da página inicial
Seção terciária (letra 12, inicial maiúscula do capítulo ou seção deve ser ligada ao título POR LINHA
sem negrito) PONTILHADA.
*A partir da seção terciária todas OBS.: o espaço de entrelinha entre os títulos deverá ser
seguem o mesmo formato. simples.

1 INTRODUÇÃO ....................................................................................... 4
2 METODOLOGIA .................................................................................... 5
3 RESULTADOS ...................................................................................... 6
4 DISCUSSÃO .......................................................................................... 7
5 CONCLUSÃO ........................................................................................ 8
REFERÊNCIAS ........................................................................................ 9
APÊNDICES (Se houver) ......................................................................... 13
ANEXOS (Se houver) ............................................................................... 44
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 40

3.2.2 Elementos textuais

O roteiro dos elementos pré-textuais dependem do tipo de pesquisa


usado desde a elaboração do projeto de pesquisa. A seguir apresentamos a
sequência textual de cada um deles.

Pesquisa de Campo

Estrutura Elementos
TEXTUAIS Introdução
Metodologia/Material e método
Resultados
Discussão
Considerações Finais

Revisão de Literatura

Estrutura Elementos
TEXTUAIS Introdução
Metodologia
Revisão de literatura
Considerações Finais

Relato de caso

Estrutura Elementos
TEXTUAIS Introdução
Relato de caso
Discussão
Considerações Finais

Revisão integrativa

Estrutura Elementos
TEXTUAIS Introdução
Metodologia
Resultados
Discussão
Considerações Finais
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 41

Para a redação dos elementos textuais, atente para as sugestões de


cada uma das etapas, e os elementos essenciais para a redação científica de
cada um deles.
Para o titulo fonte Arial 12,
maiúsculo, negrito. O indicativo
numérico precede o título com
3.2.2.1 Introdução alinhamento esquerdo, separado por
um espaço de caractere. Não devem
ser utilizado ponto, hífen, travessão ou
qualquer sinal após o indicativo de
seção ou de seu título. Inserir um
espaço de um ENTER entre o título e
o texto, como também entre o texto e
6 título ou subtítulo.
1 INTRODUÇÃO Para o texto espaçamento
entrelinha 1,5, justificado, fonte Arial
tamanho 12.
Introdução
introduçãointroduçãointroduçãointroduçãoi
ntroduçãointroduçãointrodução. Obs.:
Introdução
introduçãointroduçãointroduçãointroduçãoi Inserir a numeração a
partir desta página.
ntroduçãointroduçãointrodução.
Introdução
introduçãointroduçãointroduçãointroduçãoi
ntroduçãointroduçãointrodução.
Introdução
introduçãointroduçãointroduçãointroduçãoi
ntroduçãointroduçãointrodução. IMPORTANTE!
Introdução A partir desta página as
seções serão redigidas
introduçãointroduçãointroduçãointroduçãoi subsequentemente, excetuando a
ntroduçãointroduçãointrodução. conclusão, referências, apêndice e
anexo que devem vir em página
Introdução separada.
introduçãointroduçãointroduçãointroduçãoi
ntroduçãointroduçãointrodução.

Parte introdutória do texto, onde devem constar a delimitação do


assunto tratado, objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para
situar o tema do trabalho. Deve ser breve e objetiva, nela sendo incluídas as
seguintes informações: a natureza e importância do tema; sua definição e
conceituação; razões que levaram à realização do trabalho; suas limitações e -
objetivos; fundamentação clara; levantamento das hipóteses; esclarecer se o
trabalho contém elemento novo ou se constitui uma confirmação de
observações de outros autores. A introdução, como primeira seção do texto,
corresponderá, dentro da numeração progressiva, ao número 1 (um) e é a
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 42

partir da introdução que a paginação do trabalho passa a constar na parte


superior do lado direito da folha (ABNT, 2011; CRUZ; MENDES, 2007).

3.2.2.2 Metodologia/Material e método

2 METODOLOGIA/MATERIAL E MÉTODO

Metodologiametodologiametodologi
ametodologiametodologiametodologia
Metodologiametodologiametodologi
ametodologiametodologiametodologia
Metodologiametodologiametodologi
ametodologiametodologiametodologia
Metodologiametodologiametodologi
ametodologiametodologiametodologia
Metodologiametodologiametodologi
ametodologiametodologiametodologia

A metodologia deve responder a questões: O que?como?, com quê?,


onde?, quando?e expor os métodos de abordagem e de procedimento, além de
descrever as técnicas e instrumentos utilizados (LAKATOS, 2003, p. 221 e
p.247).
Conforme Spector (2001):
• Métodos descritos por outros pesquisadores devem ser mencionados, e
a referência fornecida;
• Métodos originais devem ser detalhados. O procedimento usado na
coleta de dados que deve ser minuciosamente descrito para permitir que
o experimento seja replicável, isto é, reproduzido caso necessário;
• A ordem de apresentação deve ser cronológica, descrevendo-se passo
a passo como o estudo foi desenvolvido;
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 43

• Devem ser descritos a população e/ou sujeitos (estudo qualitativo), as


variáveis (estudo quantitativo) e a amostra, apontando a forma usada na
seleção dos sujeitos e o local onde o estudo foi realizado;
• A voz passiva deve ser utilizada para o texto desta seção.
Ex.: Foi feita uma análise...

De acordo com o tipo de pesquisa utilizada no TCC

METODOLOGIA – MATERIAL E MÉTODO


Pesquisa de campo Descreva nesta seção o tipo de
pesquisa, local que foi realizada, a
amostra, amostragem, procedimentos
(...) de forma contextualizada.
Revisão de literatura Trata-se de uma revisão de literatura
com consultas em livros, artigos,
monografias e teses em bases de
dados específicas (...)
Revisão integrativa Trata-se de uma revisão de integrativa
com análise dos artigos publicados (...),
no período de (...).
Descritores:
Relato de caso Trata-se de um relato de caso (...)

Trata-se da abordagem teórica que fundamenta o tema e o problema da


pesquisa, por meio da literatura publicada, permite apresentar quem já
escreveu ou o que já foi escrito sobre o tema.
É estruturada em seções e subseções por assuntos selecionados e
pertinentes ao objeto de estudo. O texto deve fluir de um conteúdo mais
abrangente para um mais específico da pesquisa. Avalia os resultados a fim de
discutir frente ao tema escolhido.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 44

3.2.2.3 Resultados

Obs.:
Os resultados e discussão também podem ser apresentados
simultaneamente.

3 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Resultado e discussão resultado e


discussão resultado e discussão resultado e
discussão resultado e discussão
Resultado e discussão resultado e
discussão resultado e discussão resultado e
discussão resultado e discussão

Figura 10 - Distribuição dos registros da produção científica brasileira indexada na base de dados AdSAÚDE, por tipos
de documentos de 1990 a 2002.
Fonte: CASTRO, 2003

Resultado e discussão resultado e


discussão resultado e discussão resultado e
discussão resultado e discussão
Resultado e discussão resultado e
discussão resultado e discussão resultado e
discussão resultado e discussão

• Os resultados devem ser apresentados de forma clara, coerente e


concisa.
• Primeiramente deve ser demonstrada uma ideia geral sobre os
resultados, em seguida, a discussão. Caso inserido em seção única.
• Tabelas e figuras devem ser autoexplicativas, compreensíveis mesmo
sem a leitura do texto. Importante lembrar-se de descrever claramente o
conteúdo da legenda das tabelas e gráficos.
• Discutir aspectos conclusivos gradativamente numa visão global fazendo
alusão a tabelas, figuras e gráficos.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 45

3.2.2.3.1 Modelo de quadro, tabela, figura, equações/fórmulas e gráficos

Em qualquer tipo de ilustração (desenho, esquemas, fluxograma,


fotografias, mapas e organogramas) a indicação deve ser feita na parte inferior,
precedida de sua designação, seguida do número de ordem em algarismo
arábico e do título e/ou legenda explicativa. No caso de tabelas e quadros, o
título deve figurar na parte superior da mesma.
Segundo o IBGE (1993), as tabelas se diferenciam dos quadros, pois
nos quadros, os dados vêm limitados por linhas em todas as margens e nas
tabelas, as linhas de delimitação só aparecem nas partes superiores e
inferiores.
O QUADRO é formado por linhas horizontais e verticais, sendo, portanto
“fechado”. Normalmente é usado para apresentar dados secundários, e
geralmente vem no “referencial teórico”. Nada impede, porém, que um quadro
apresente resultados da pesquisa. Um quadro normalmente apresenta
resultados qualitativos (textos). Pode-se usar espaçamento e fontes de letras
com tamanhos menores que o do texto (não precisa seguir o mesmo padrão).
Texto 12, o quadro pode ser feito em fonte 10. O número do quadro e o título
vêm acima do quadro, e a fonte deve vir abaixo (OLIVEIRA, 2005).

Quadro 1 – Competências do Profissional


Saberes Conceituações
Saber agir
Saber o que e por que faz. Saber julgar, escolher e decidir.
Saber mobilizar Saber mobilizar recursos de pessoas, financeiros, materiais,
criando sinergia entre eles.
Saber comunicar Compreender, processar, transmitir informações e
conhecimentos, assegurando o entendimento da mensagem
pelo outro.
Saber aprender Trabalhar o conhecimento e a experiência. Rever modelos
mentais. Saber desenvolver-se e propiciar o desenvolvimento
dos outros.
Saber Saber engajar-se e comprometer-se com os objetivos da
comprometer-se organização.
Saber assumir Ser responsável, assumindo riscos e as consequências de suas
responsabilidades ações, e ser, por isto, reconhecido.
Ter visão Conhecer e entender o negócio da organização, seu ambiente,
estratégica identificando oportunidades e alternativas.
Fonte: Fleury e Fleury (2001, p.22).
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 46

A TABELA é formada apenas por linhas verticais, sendo, portanto,


“aberta”. Normalmente é usada para apresentar dados primários, e geralmente
vem nos “resultados” e na discussão do trabalho. Nada impede, porém, que
uma tabela seja usada no referencial teórico de um trabalho. Uma tabela
normalmente apresenta resultados quantitativos (números), podendo usar
espaçamento e fontes de letras com tamanhos menores que o do texto (não
precisa seguir o mesmo padrão). Geralmente se o texto usa fonte Arial 12, a
tabela pode ser feita em fonte 10. O número da tabela e o título vêm acima do
quadro, e a fonte, deve vir abaixo (OLIVEIRA,2005).

Título: É a parte superior da tabela, na qual se indicam a


natureza do fato, o local e a época em que o fenômeno foi
observado. (Responder: O que? Quando? e onde?)

Tabela 1 - Prevalência excesso de peso entre as crianças e adolescentes para


as variáveis idade, gênero, tipo de escola e modalidade esportiva
praticada
Classificação
Excesso de
Variável
Sobrepeso Obesidade Peso
n % n % n %
7 a 11
anos 49 12,86 16 4,20 65 17,06
Idade
12 a 16
anos 32 8,40 14 3,67 46 12,07

Meninos 51 13,39 22 5,77 73 19,16


Gênero
Meninas 30 7,87 8 2,10 38 9,97

Tipo de Pública 66 17,32 22 5,77 88 23,10


Escola Privada 15 3,94 8 2,10 23 6,04

Natação 32 8,40 12 3,15 44 11,55


Handebol 12 3,15 1 0,26 13 3,41
Modalidade
Futsal 32 8,40 15 3,94 47 12,34
Voleibol 5 1,31 2 0,52 7 1,84
Fonte: Dados da pesquisa.

A FIGURA inclui gráficos, ilustrações, desenhos, fotos, mapas,


organogramas, plantas, esquemas, fluxogramas, projetos e qualquer outro
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 47

material que não seja classificado como quadro nem tabela. Pode ser usado
em qualquer ponto do trabalho e de preferência ser inserida o mais próximo do
trecho a que se refere. Recomenda-se que sejam usadas figuras entre 300 dpi
e 2 Megas para não sobrecarregar o arquivo. O número da figura e o título
(fonte arial 12) e a fonte (letra Arial 10) devem vir abaixo da figura (OLIVEIRA,
2005). O respectivo título e/ou legenda explicativa deve ser breve e claro.

Exemplo:

Obs.:
Entrelinha simples, letra
12 no título. Na fonte use
letra 10.
Título e fonte abaixo da
figura.

Figura 1 - Foto da EDA. Neoplasia estenosante em esôfago.


Fonte: Dados da pesquisa.

2,5 m

Figura 2 - Desenho esquemático da tarefa de arremesso de dardo


adaptada de Al-Abood, Davids e Bennett (2001).
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 48

AS EQUAÇÕES/FÓRMULAS aparecem destacadas no texto, de modo


a facilitar sua leitura. Na sequência normal do texto é permitido o uso de uma
entrelinha maior que comporte seus elementos (expoentes, índices e outros).
Quando destacadas do parágrafo são centralizadas e, se necessário, deve-se
numerá-las. Quando fragmentadas em mais de uma linha, por falta de espaço,
devem ser interrompidas antes do sinal de igualdade ou depois dos sinais de
adição, subtração, multiplicação e divisão.

Exemplo:

X2 + Y2 = Z2 (1)

(X2 + Y2)/5 = n (2)

GRÁFICO bem construído pode substituir de forma simples, rápida e


atraente, dados de difícil compreensão na forma tabular. A escolha do tipo de
gráfico (barras, lineares, de círculos, entre outros) está relacionada ao tipo de
informação a ser ilustrada.
Na guia Design, no grupo Layout de Gráfico, selecione o layout a ser
usado.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 49

Sugere-se o uso de:

• Gráficos de barras - para estudos temporais; dados comparativos de


diferentes variáveis.
Exemplo:
700
600
500
400
300 DOENÇAS PARASITÁRIAS

200
100
0
ANO 2010 ANO 2011 ANO 2012 ANO 2013 ANO 2014

Gráfico 1 – Rotina do Laboratório de Doenças Parasitárias da Clínica e Escola


de Medicina Veterinária do Centro Universitário Cesmac no período
de 2010 a 2014.
Fonte: Dados da Clínica.

• Gráficos de coluna - Um gráfico de colunas mostra as alterações de


dados em um período de tempo ou ilustra comparações entre itens. As
categorias são organizadas na horizontal e os valores são distribuídos
na vertical, para enfatizar as variações ao longo do tempo.
Exemplo:
3500 3041
2840 2821
3000
2421
2500
2000 1621
1500 1255 1231
1000
500
0

Gráfico2 – Levantamento do número de sessões realizadas nos setores do estágio


curricular supervisionado.
Fonte: Dados da Clínica.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 50

• Gráfico de pizza - Um gráfico de pizza mostra o tamanho proporcional


de itens que constituem uma série de dados para a soma dos itens. Ele sempre
mostra somente uma única série de dados, sendo útil quando você deseja dar
ênfase a um elemento importante.
Exemplo:

4
8
ESPECIALISTA
MESTRE
DOUTOR

16

Gráfico 3 – Titulação do quadro docente do Curso de Medicina


Veterinária do Centro Universitário Cesmac em 2014 02.
Fonte: Dados da Instituição.

• Gráfico de linhas - Um gráfico de linhas é utilizado para mostrar


evolução, ou tendências, nos dados em intervalos iguais.

Gráfico 4 – Média do desvio padrão do escore dos grupos na fase de


aquisição e teste de retenção.
Fonte: Dados da pesquisa.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 51

IMPORTANTE!
As imagens, fotos, quadros, tabelas e gráficos possuem a numeração de
acordo com cada gênero descrito no trabalho.
Tabela 1 -
Quadro 1 -
Gráfico 1 -
Imagem 1 -
Descreva a fonte conforme padrão de localização para dar credibilidade
ao resultado apresentado em cada imagem.
Exemplo:
Fonte: Dados da pesquisa.
Fonte: Dados da Instituição.
Fonte: Dados da clínica.
Fonte: Arquivo pessoal.
Fonte: Brasil (2015, p. 12).

3.2.2.4 Discussão

“A discussão é o local que abriga os comentários sobre o significado dos


resultados, a comparação com outros achados de pesquisas e a posição do
autor sobre o assunto” (PEREIRA, 2013, p. 537).
Para redigi-la é necessário que o acadêmico:

• Apresente a interpretação dos resultados da pesquisa;

• Exponha a discussão de maneira cronológica conforme os resultados


apresentados na seção anterior;

• Correlacione os fatos com a literatura da área, isto é, dos resultados


colhidos na pesquisa, faz-se comentários apoiados na literatura.
• Compare se possível, com pesquisas recentes fundamentando na
literatura;
• Evidencie pontos divergentes e semelhantes que interferiram nos
resultados da pesquisa;
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 52

• Evite textos longos ou linguagem redundante para que o texto não


remeta à dúvida na discussão;
• Procure usar uma linguagem clara e precisa na interpretação dos
resultados no texto da discussão.

3.2.2.5 Conclusão/ Considerações Finais

A nomenclatura conclusão ou considerações finais dependerá da


especificidade do curso de graduação ou pós-graduação e/ou da
caracterização do resultado da pesquisa.

4 CONCLUSÃO

Conclusãoconclusãoconclusãoconcl
usãoconclusãoconclusãoconclusãoconclus
ão
Conclusãoconclusãoconclusãoconcl
usãoconclusãoconclusãoconclusãoconclus
ãoConclusãoconclusãoconclusãoconclusã
oconclusãoconclusãoconclusãoconclusão

• A conclusão deve responder aos objetivos da pesquisa.


• Não deve ser estruturada em tópicos, e sim contextualizada.
• Não confundir conclusão com considerações finais, pois como o
nome já diz, conclusão consiste em apresentar os resultados que foram
efetivados ao longo da pesquisa.
• As considerações finais consistem em preenchimento de uma lacuna
que foi percebida ao longo do estudo e que permita a continuação quer
seja pelo próprio pesquisador ou por outrem.
• A redação da conclusão/ Considerações finais deverá ser apresentada
nas formas verbais no tempo presente.
EVITE!
Usar a conjunção adversativa (Contudo) para iniciar o texto ou ligar
fases ou períodos no texto da Conclusão ou das Considerações finais; a não
ser, claro, nos casos em que seja necessário para ligar frases ou períodos
adversativos dentro do contexto. Para que seu texto não fique prejudicado de
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 53

acordo com o sentido do texto. Prefira: logo..., portanto..., tendo em vista os


argumentos apresentados..., etc.

3.2.3 Elementos pós-textuais

Estrutura Elementos
Referências (obrigatório)
PÓS-TEXTUAIS
Apêndice (opcional)
Anexo (opcional)

3.2.3.1 Referências

Trata-se de uma listagem dos artigos, livros ou outros elementos que


foram referenciados ao longo do texto. As referências devem ser completas
o suficiente para que as obras sejam localizadas.

ATENÇÃO!
- Inserir a palavra REFERÊNCIAS, em página própria, centralizado (a
margem superior da folha), letra 12, maiúscula, negrito;
- Deve ser organizada em ordem alfabética rigorosa conforme as Normas
da ABNT-NBR 6023.
- Espaço simples entre as informações das referências e de uma para
outra um espaço livre de 1,5.
- Deve ser alinhada à esquerda.

Exemplo:
Obs.:
As referências são alinhadas à REFERÊNCIAS
esquerda.

ABERNETHY, B. The effects of age and expertise upon


perceptual skill development in a racquet sport. Research
Quarterly for Exercise and Sport, Reston, v. 59, n. 3, p. 210-
221, 1988.

BERTALANFFY, L. V. General system theory.New York:


George Braziller, 1968.

MIYAMOTO, R. J.; MEIRA JR, C. M. Tempo de reação e


tempo das provas de 50 e 100 metros rasos do atletismo em
federados e não federados. Revista Portuguesa de Ciências
do Desporto, Porto,v. 4, n. 3, p. 42-48, julho/dezembro, 2004.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 54

Obs.:
APÊNDICE e ANEXO deverão ser
apresentados em página própria e em seguida
incluir a documentação necessária.

3.2.3.2 Apêndice

Texto ou documento elaborado pelo autor do trabalho (elemento


opcional). O(s) apêndice(s) são identificados por letras maiúsculas
consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos, sem ponto final.

Exemplo:

APÊNDICE A – QUESTIONÁRIOAPLICADO AOS PROFESSORES DO


CURSO DE FARMÁCIA

APÊNDICE B – FORMULÁRIO APLICADO AOS ALUNOS DO CURSO


DE FARMÁCIA

APÊNDICE A - QUESTIONÁRIO

ATENÇÃO!
- Inserir a palavra APÊNDICE, seguida do título em página
própria, centralizado (no meio da folha), letra 12,
maiúscula, negrito;
- Na página seguinte colocar a documentação necessária.
- Caso tenha mais de um, separar por alíneas (A, B, C...)
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 55

3.2.3.3 Anexo

Texto ou documentos extraídos de obras já publicadas (elemento


opcional).Os anexos são identificados por letras maiúsculas consecutivas,
seguidas de travessão e respectivo título, sem ponto final.
Obs.: incluir cópia do parecer consubstanciado para pesquisas que
necessitaram da apreciação do comitê de ética em pesquisa - CEP.
Exemplo:

ANEXO A – ESTRUTURA E FORMATAÇÃO DO ARTIGO

ANEXO B – PARECER CONSUBSTANCIADO DO COMITÊ DE ÉTICA EM


PESQUISA

ANEXO A – PARECER CONSUBSTANCIADODO


COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA

ATENÇÃO!
- Inserir a palavra ANEXO, seguida do título em página
própria, centralizado (no meio da folha), letra 12,
maiúscula, negrito;
- na página seguinte colocar a documentação necessária.
- Caso tenha mais de um, separar por alíneas (A, B, C...)
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 56

4 CITAÇÕES

Citações constituem-se em informação extraída de outra fonte


publicada, possibilita o aprofundamento e comprova a veracidade das
informações descritas no trabalho acadêmico.

4.1 Tipos de citações

4.1.1 Citação direta

Menção de uma informação extraída de outra fonte na íntegra. A citação


direta pode ser curta ou longa, nesse caso é obrigatório mencionar o nome do
autor, ano e página.

4.1.1.1 Citação direta curta

Usada quando é extraído da obra original até 3 linhas, o texto deve


aparecer em parágrafo normal, contextualizado, entre aspas duplas.

Exemplo:

"Há resumos atrás dos quais não há nada, exceto um enorme vazio. O
leitor chega a eles e não há nada depois disso" (VOLPATO, 2013, p.232, grifo
nosso).
Ponto final Autor em CAIXA ALTA, data,
Usar SEMPRE vírgula
página.
para mencionar o ano.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 57

4.1.1.2 Citação direta longa

A citação direta longa é a inserção na íntegra da obra original com mais


de 3 linhas, nesse caso não há utilização de aspas duplas (“ “) no início e final
do texto. Utiliza-se em sua estrutura um destaque gráfico de recuo de
parágrafo e fonte menor, como descrito no exemplo a seguir.

Exemplo 1:
Espaçamento 1,5cm Usar vírgula para
Tamanho = 12 mencionar a página.

Conforme nos orienta Severino (2002, p. 28), nas teses e dissertações:

Espaçamento 1,0cm
Tamanho = 10 São mantidas as partes principais dos trabalhos científicos em geral, sendo
Recuo = 4,0 cm específicas a estas monografias acadêmicas, em contraposição aos
trabalhos didáticos comuns, as seguintes partes: a página de dedicatória, a
página de aprovação e o resumo.
Exemplo 2:

Espaçamento entrelinha 1,5cm


Tamanho = 12

Evite escrever uma frase, ou parte dela, apenas para dizer quais são as
variáveis que estão na figura ou na tabela – isso já está nelas. O conceito é
Espaçamento entrelinha1,0cm outro. Você deve mostrar ao leitor qual foi seu raciocínio. Assim, ao remeter o
Tamanho = 10 leitor a uma figura ou tabela, diga a ele o que você viu de mais importante
Recuo = 4,0 cm nesses resultados (VOLPATO, 2013, p.309).

Ponto final
Autor em CAIXA ALTA, data, página

4.1.2 Citação indireta

Texto baseado na obra do autor consultado. Ou seja, é uma reescrita do


texto original. Obrigatório mencionar o nome do autor e o ano.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 58

Exemplo 1:
Indicação do Autor no começo do texto citar em Caixa Baixa seguida da
data
Espaçamento entrelinha 1,5cm
Tamanho = 12

Masetto (2008) define a docência no ensino superior como domínio de

conhecimentos específicos em uma determinada área a serem mediados por um

professor para os seus alunos.

Exemplo 2:
USO da conjunção e quando a obra foi publicada
por dois autores, usada quando menciona os Espaçamento 1,5cm
nomes dos autores no texto. Tamanho = 12

Pimenta e Anastasiou (2002) participam da opinião de que os professores,


quando chegam à docência na Universidade, trazem consigo inúmeras e variadas
Exemplo 2:
experiências do que é ser professor.
Indicação do Autor no meio do texto entre (parênteses),

Exemplo 3:

Participam da opinião de que os professores, quando chegam à docência na


Universidade, trazem consigo inúmeras e variadas experiências do que é ser
professor (PIMENTA; ANASTASIOU, 2002).

Colocar em CAIXA ALTA, separando-


se por ponto e vírgula. Quando usa
os nomes dos autores entre
parênteses.

Exemplo 4:

Nesse contexto, a lógica da venda da força de trabalho para outro que detém

os meios de produção (capital) estabelece subordinação e dominação nas relações e

faz com que o produto do trabalho passe a ser estranho ao trabalhador (FREITAS,
Citação de várias obras.
1995; SANTOS, 1996; OLIVEIRA, 2001).
Colocar em CAIXA ALTA, separando-se por ponto
e vírgula. Usar ordem cronológica nas
publicações.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 59

Exemplo 5:
Em 2008, as pesquisas relacionadas ao tema podem ser distribuídas entre
“formação”, com o trabalho “A responsabilidade social como elemento motivador na
formação profissional do aluno de medicina” (SILVA JÚNIOR, 2008).

Nome de grau de parentesco


deve acompanhar o último nome
do autor.
4.1.3 Citação de citação

Citação direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao


original. O autor vale-se de uma obra mais recente para ter acesso à
informação.
O autor pode fazer uso da expressão latina apud ou a tradução, citado
por, desde que padronize caso seja usado mais de uma vez no trabalho.

Exemplo 1:
Indicação dos Autores separados pela expressão “apud” ou “citado por”

Ponce (1982), citado por Silva (1994), declara que instrução, no sentido
moderno do termo, quase não existia entre os espartanos. Espaçamento 1,5cm
Tamanho = 12

Exemplo 2:

[...] usado para indicar suspensão de


palavras apenas em citação direta
curta ou longa.
(Usar a
citação:
AUTOR, data
apud AUTOR,
data, página). Logo um fluxo contínuo de [...] pessoas de caráter duvidoso que
perceberam uma possibilidade de lucro rápido no comércio de objetos
antigos estava subtraindo do Egito milhares de antiguidades portáteis
(FAGAN, 1975 apud BAKOS, 2004, p. 177, grifo nosso).

Grifo nosso é usado quando o


Apud usa-se quando o leitor não destaque é feito pelo autor do
tem em mãos a obra original, e na trabalho.
obra consultada encontra-se esta
referência que é citada Grifo do autor é usado quando o
primeiramente, seguida do autor, destaque foi feito pelo autor da
data e página da obra consultada. obra.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 60

5 REFERÊNCIAS

5.1 Organização das referências

As referências devem ser ordenadas alfabeticamente pelos sobrenomes


e prenomes de autores.

a) No caso de coincidência de autores, devem-se ordenar as referências


seguindo as datas de publicação dos trabalhos;
Ex.: 2004a, 2004b.
b) Na configuração, use entrelinha simples na mesma referência e
espaçamento livre de 1,5 de uma referência para outra;
c) Todas as referências são alinhadas á esquerda;
d) Destaque em negrito, itálico ou sublinhado, nos títulos das obras ou
nomes de jornais e revistas.
e) No caso de coincidência de autores e datas, acrescentar após a data,
letras em ordem alfabética para diferenciar os autores quando da
citação no texto, considerando o título do trabalho na ordem alfabética
das referências.
f) Padronizar o estilo de escrita dos nomes dos autores, isto é, caso
prefira abreviar, manter o mesmo estilo nas demais referências.

Dúvidas adicionais, procurar a Norma 6023 da ABNT.


5.2 Estrutura das referências

AUTOR ESTRUTURA EXEMPLO


Um autor SOBRENOME, Nome. VOLPATO, Gilson Luiz. Ciência: da
Título: subtítulo. filosofia à publicação. São Paulo:
Edição. Cidade de Cultura Acadêmica, 2013. 377p.
publicação: Editora,
ano. (Série ou Coleção).
Dois autores Mencionam-se todos os GADOTTI, M.; TORRES, C. A. Estado e
autores na ordem em educação popular na América Latina.
que aparecem na Campinas: Papirus, 1992.
publicação ligados por
“;” (ponto e vírgula) .
Três autores Mencionam-se todos os ALENCAR, J; BASTOS, H.; OLIVEIRA,
autores na ordem em R.R. Metodologia da pesquisa. São
que aparecem na Paulo: Cultura, 2010.
publicação ligados por
“;” (ponto e vírgula) .
Mais de três Indica-se apenas o FRANÇA, Júnia Lessa et al. Manual
autores primeiro, acrescentando para normalização de publicações
a expressão et al. técnico-científicas. 3. ed. rev. e aum.
Belo Horizonte:Ed. da UFMG, 1996.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 61

AUTOR ESTRUTURA EXEMPLO


Sem autoria Neste caso a primeira DIAGNÓSTICO do setor editorial
palavra do título se brasileiro. São Paulo: Câmara Brasileira
escreve sempre em do Livro, 1993. 64 p.
maiúscula (CAIXA
ALTA).
Online Qualquer documento ALVES, Castro. Navio negreiro. [S.l.]:
consultado que esteja Virtual Books, 2000. Disponível em:
disponível na Internet, <http://www.terra.com.br/virtualbooks/fre
adicionar ao final da ebook/port/Lport2/
referência: Disponível navionegreiro.htm>. Acesso em: 10 jan.
em: <endereço 2002, 16:30:30.
eletrônico>. Acesso em:
dia mês abreviado. Ano.
Capítulo de livro O autor do capítulo é o ROMANO, Giovanni. Imagens da
mesmo que organizou a juventude na era moderna. In: LEVI,
obra – (6 toques de G.; SCHMIDT, J. (Org.). História dos
sublinha substituem o jovens 2. São Paulo:
autor para que não seja Companhia das Letras, 1996. p. 7-16.
repetido):
- o autor do capítulo não
é o mesmo que SANTOS, F. R. dos. A colonização da
organizou a obra: terra do Tucujús. In: ______.
História do Amapá, 1o grau. 2. ed.
Macapá: Valcan, 1994. cap. 3.
Artigo de SOBRENOME, Nome. DUMITRESCU, D. Degenerate and non-
periódico Título do artigo. Título degenerate convex decomposition of
do periódico, cidade finite fuzzy partitions. Fuzzy Sets and
de publicação, v. Systems, Amsterdam, v. 73, n. 3, p.
seguido do número do 365-376, Aug. 1995.
volume, n. seguido do
número do fascículo, p.
seguido dos números
da página inicial e final,
separados entre si por
hífen, mês abreviado
(se houver). Ano.

Revista SOBRENOME, Nome CARDOSO, Adauto Lucio. Visões da


(autor do artigo). Título do natureza no processo de constituição do
artigo: subtítulo (se urbanismo moderno. Cadernos
houver). Nome da IPPUR/UFRJ, Rio de Janeiro, v. 14, n.
Revista, Local, v., n.,
1, p. 119-150, jan./jul. 2000.
p.inicial - final, mês ano.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 62

AUTOR ESTRUTURA EXEMPLO


Matéria de jornal AUTOR DO ARTIGO. BRAGA, R. A rebelião do “precariado”
Título do artigo. Título europeu. Folha de S. Paulo, São Paulo,
do Jornal, Local de 26 jan. 2006. Tendências/Debates, p. A-
Publicação, dia, mês e 3.
ano. Número ou Título
do Caderno, seção ou
suplemento e, páginas
inicial e final do
artigo.

Anais SOBRENOME, Nome. BRAYNER, A. R. A.; MEDEIROS, C. B.


Título de trabalho. In: Incorporação do tempo em
NOME DO EVENTO, n. SGBD orientado a objetos. In:
(número do evento em SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO
algarismo arábico), ano, DE DADOS, 9., 1994, São Paulo.
Cidade onde se realizou Anais... São Paulo: USP, 1994. p.
o evento. Título da 16-29.
publicação do
evento... Cidade de
publicação: Editora, ano
de publicação. Número
de páginas.

Trabalho SOBRENOME, Nome. MORGADO, M. L. C. Reimplante


acadêmico Título do trabalho: dentário. 1990. 51 f. Trabalho de
subtítulo (se houver). Conclusão de Curso (Especialização)–
Ano(opcional). Total de Faculdade de Odontologia, Universidade
folhas. Natureza do Camilo Castelo Branco, São Paulo,
Trabalho (Nível e área do 1990.
curso) - Instituição onde
o TCC, a Tese ou a
Dissertação foi
defendida. Local, ano de
defesa.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 63

AUTOR ESTRUTURA EXEMPLO


Legislação Jurisdição (ou BRASIL. Código civil. 46. ed. São
cabeçalho da entidade, Paulo: Saraiva, 1995.
no caso de se tratar de
normas), título, SÃO PAULO (Estado). Decreto n. 2563,
numeração, data e de 27 de abril de 1998. Dispõe sobre
dados da publicação. a atualização cadastral dos aposentados
No caso de e pensionistas da Administração
Constituições e suas Pública Federal direta, autarquia e
emendas, entre o nome fundacional do Poder Executivo da
da jurisdição e o título, União, Lex: Coletânea de Legislação e
acrescenta-se a palavra Jurisprudência, São Paulo, v. 62, n. 12,
Constituição, seguida p.1493-1494, 1998.
do ano de promulgação,
entre parênteses.

Jurisprudência AUTOR (entidade coletiva BRASIL. Tribunal Regional Federal.


responsável pelo Apelação cível n. 94.01.12942-8-RO.
documento). Nome da Apelante: Ilen Isaac. Apelada: União
Corte ou Tribunal. Ementa Federal. Relator: Juiz Flávio Dino.
Compreende (quando houver). Tipo e Rondônia, 25 de agosto de 2000. Lex:
súmulas, número do recurso jurisprudência do STJ e Tribunais
enunciados, (apelação, embargo, Regionais Federais, São Paulo, v. 12, n.
acórdãos, Habeas-corpus, mandado 136, p. 223-225, dez. 2000.
sentenças e de segurança, etc.).
demais decisões Partes litigantes
(precedida da palavra
judiciais.
Apelante/Apelada). Nome
do relator precedido da
palavra “Relator”. Local,
data. Dados da
publicação que publicou.
Voto vencedor e vencido,
quando houver.
CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC 64

AUTOR ESTRUTURA EXEMPLO


Leis, decretos, JURISDIÇÃO. Lei n.º BRASIL. Decreto-lei n°2423, de 7 de abril de
portarias ....., data completa. 1998. Estabelece critérios para pagamento de
Ementa. Título da gratificações e vantagens pecuniárias as
publicação, local, titulares de cargos e empregos da
volume, fascículo e data Administração Federal direta e autárquica e dá
outras providências. Diário Oficial [da]
da publicação. Nome da República Federativa do Brasil, Brasília,
seção, página inicial e seção 1, pt.1, p.609, 8 abr. 1998.
final.
BRASIL. Decreto n. 89.271, de 4 de
janeiro de 1984. Dispõe sobre
documentos para despacho de
aeronave em serviço internacional. Lex:
Coletânea de Legislação e
Jurisprudência, São Paulo, v. 48, p. 3-4,
jan./mar., I. trim. 1984. Legislação
Federal e Marginália.

BRASIL. Lei n. 9.273, de 3 de maio de


1996. Torna obrigatória a inclusão de
dispositivo de segurança que impeça a
reutilização das seringas descartáveis.
Lex: Coletânea de Legislação e
Jurisprudência, São Paulo, v. 60, p.
1.260, maio/jun., 3. trim. 1996.
Legislação Federal e Marginália.

BRASIL. Secretária da Receita Federal.


Desliga a empresa de Correios e
Telegráfos – ECT do sistema de
arrecadação. Portaria n. 12, de 21 de
março de 1996. Lex: Coletânea de
Legislação e Jurisprudência, São Paulo,
p. 742-743, mar./abr., 2. trim. 1996.
Legislação Federal e Marginália.
Resoluções AUTOR. (entidade BRASIL. ANVISA. Agência Nacional de
coletiva responsável pelo Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº
documento). Ementa 5/2008, de 15 de fevereiro de 2008 –
(quando houver). Tipo de Estabelece os requisitos mínimos de
documento, número e identidade e qualidade para as luvas
data (dia, mês e ano). cirúrgicas e luvas de procedimentos não
Dados da Publicação cirúrgicos de borracha natural, borracha
que publicou. sintética ou mistura de borrachas natural
e sintética, sob regime de vigilância
sanitária. Disponível em: http://e-
legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAc
t.php?id=298655&word= Acesso em: 28
jan. 2010.
65
REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6022: informação e


documentação: artigo em publicação periódica científica impressa: apresentação. Rio
de Janeiro, 2003.

______. NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de


Janeiro, 2002.

______. NBR 6024: numeração progressiva das seções de um documento. Rio de


Janeiro, 2003.

______. NBR 6027: sumário. Rio de Janeiro, 2003.

______. NBR 6028: informação e documentação: resumos: apresentação. Rio de


Janeiro, 2003.

______. NBR 10520: apresentação de citações em documentos. Rio de Janeiro,


2002.

______. NBR NBR 10522: Abreviação na descrição bibliográfica. Rio de Janeiro,


2002.

______. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos:


apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

BASTOS, Cleverson Leite; KELLER, Vicente. Aprendendo a aprender: introdução à


metodologia científica. Petrópolis: Vozes, 2008. 111 p. ISBN 85-326-0586-3.

CASTRO, C. M. A prática da pesquisa. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2013.

DEMO, Pedro. Introdução à metodologia da ciência. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1987.
120 p.

FINDLAY, EleideAbril Gordon et al.Guia para Elaboração de Projetos dePesquisa.


2. ed. revisada e atualizada. Universidade da Região de Joinville – UNIVILLE, 2006.

GIL. A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 1995.

Gil, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa.4. ed. - São Paulo : Atlas,
2002.
66
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas,
2008.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em


ciências sociais. Rio de Janeiro: Record, 2013. 107 p. ISBN 978-85-01-04965-0.

LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. 6ª Ed.


2011.

LAKATOS, E. M. Fundamentos da Metodologia Científica. 5a.ed. São Paulo: Atlas,


2003.

MANZATO, Antonio José; SANTOS, Adriana Barbosa. A elaboração de questionários


na pesquisa quantitativa. 2012. Disponível em:< http://www. Pesquisaeducacional-
física.blogspot.com.br>. Acesso em 12 abr. 2015.

MENDES, Karina Dal Sasso; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira and
GALVAO, Cristina Maria. Revisão integrativa: método de pesquisa para a
incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm.
2008, vol.17, n.4, pp. 758-764.

MOREIRA, Daniel Augusto. Pesquisa operacional: curso introdutório. São Paulo:


Cengage Learning, 2010. 356 p. ISBN 978-85-221-1051-3.

MINAYO MCS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & Saúde
Coletiva, 17(3):621-626, 2012. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n3/v17n3a07. Acesso em: 05 maio 2015.

OLIVEIRA, Maria Marly de Como fazer Pesquisa Qualitativa. Recife: Ed.


Bagaço,2005.192 p.

OLIVEIRA, S. L. Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisa, TGI, TCC,


monografia, dissertação e teses. 2. ed., quarta reimpressão. São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2012.

SALOMON, Délcio Vieira. Como fazer uma monografia. 12. ed. São Paulo: Martins
Fontes, 2010. 425 p. ISBN 978-85-7827-213-5.

SOUSA, Eliseu Clementino de. A arte de contar e trocar experiências: reflexões


teóricometodológicas sobre história de vida em formação. Revista Educação em
Questão, Natal, v.25, n. 11, p. 22 – 39, jan./abr., 2006.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e Relatórios de Pesquisa Em Administração


- 15ª Ed. ATLAS, 2014.

VOLPATO, G. L.Ciência: da filosofia à publicação. 6ª.ed. Botucatu: Tipomic: 2013


67

ANEXOS
68
ANEXO A - FICHA CATALOGRÁFICA

Passo a Passo

FICHA CATALOGRÁFICA
Conforme a Norma ABT 14724 o verso da folha de rosto deve conter a Ficha
Catalográfica, a qual contém as informações bibliográficas necessárias para identificar
e localizar um livro ou outro documento no acervo de uma biblioteca.

QUEM FAZ?
A Ficha Catalográfica é feita pela equipe de Bibliotecários da Rede de
Bibliotecas CESMAC – Sala Técnica da Biblioteca Central.

SOLICITAÇÃO
A Ficha Catalográfica é solicitada através do Sistema de Biblioteca
PERGAMUM no link http://pergamum.cesmac.edu.br/pergamum/biblioteca/ ou direto
pelo site CESMAC ONLINE  CESMAC  BIBLIOTECAS  NOSSO LIVROS (logo
abaixo)  acessa MEU PERGAMUM digita a matrícula do solicitante e a senha (nº do
CPF) em seguida clica em SOLICITAÇÕES – FICHA CATALOGRÁFICA e preenche
corretamente todos os espaços, ressaltamos que no campo Resumo coloca – se
apenas as palavras chaves e no campo Introdução adiciona somente uma frase,
facilitando assim a gravação dos dados. Portanto, feita a solicitação favor aguardar a
ficha catalográfica no e-mail cadastrado no prazo máximo de 7 dias.
Conforme ilustrações e modelo a seguir:
69

CESMAC
ONLINE

Clica em
Bibliotecas
70

Clica em Nossos Livros

MEU
PERGAMUM
71

AUTENTICAÇÃO
- Nº da matrícula
- Senha: Nº CPF

SOLICITAÇÕES
Ficha Catalográfica
72

Preenchimento do
formulário

MODELO DE FICHA
CATALOGRÁFICA
73
ANEXO B - MODELO DA CAPA DO DVD

Nome do autor e título


fonte 12, arial, em
negrito.

MODELO DA CAPA DURA DO ARTIGO CIENTÍF


AUTORES

CENTRO UNIVERSITÁRIO CESMAC

NOME(ES) DO(S) AUTOR(ES)


SUBTÍTULO SE HOUVER
TÍTULO DO TRABALHO

TÍTULO:
Subtítulo se houver

ESTADO/LOCAL
ANO/SEMESTRE

Obs.: Incluir o resumo e palavras-chave no verso da capa.


74

ANEXO C - MODELO DO ADESIVO DO DVD


75
ANEXO D - MODELO DE DEMONSTRATIVO DE INFRAESTRUTURA

Os itens que aparecem em vermelho


deverão ser preenchidos com os
dados pertinentes em cor preta.

DECLARAÇÃO DE INFRAESTRUTURA E INSTALAÇÕES PARA O


DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA E SUAS CONSEQUÊNCIAS

Protocolo de pesquisa:Incluir o título do projeto de pesquisa

Pesquisador responsável: Incluir o nome do pesquisador responsável

Para a realização da pesquisa serão necessárias as instalações e equipamentos


listados abaixo, que podem ser encontrados no(a) incluir o local onde ocorrerá a
coleta de dados da pesquisa, e foram previamente liberados conforme autorização em
anexo.
Detalhe toda infraestrutura necessária
• asasasasasasasa; para a realização da pesquisa

• asasasasasasasa;

Em caso de danos resultantes da participação do sujeito na pesquisa serão utilizadas


as instalações e/ou os serviços profissionais da(o) incluir o local e/ou serviço
profissional para onde serão encaminhados os sujeitos, conforme declaração de
concordância do local e/ou serviço profissional em anexo.

Atenciosamente,
____________________________________________
Pesquisador(a) Principal
76
ANEXO E - MODELO DE DECLARAÇÃO SOBRE A DESTINAÇÃO DOS
MATERIAIS E/OU DADOS COLETADOS

Os itens que aparecem em vermelho


deverão ser preenchidos com os
dados pertinentes em cor preta.

DECLARAÇÃO SOBRE A DESTINAÇÃO DOS MATERIAIS E/OU DADOS


COLETADOS

Protocolo de pesquisa:Incluir o título do projeto de pesquisa

Pesquisador responsável: Incluir o nome do pesquisador responsável

Os dados obtidos e/ou material biológico coletado no estudo mencionado serão


utilizados somente para as finalidades descritas no protocolo. Após ter sido analisado
o material biológico será:

 Destruído/descartado;

 Devolvido ao paciente;

 Disponibilizado no laboratório relacionado à coleta de dados para possíveis


avaliações ou reavaliações de qualquer propósito descrito no protocolo e
destruído logo após ser re-analisado ou ao final do estudo;

 Armazenado em uma instituição depositária para uso futuro.

Atenciosamente,
ATENÇÃO!
Quando esta opção for assinalada deverá ser
fornecida outra declaração separada seguindo as
diretrizes da res. CNS 347/05 (que pode ser
encontrada em www.cesmac.com.br/cep)

____________________________________________
Pesquisador(a) Principal
77
ANEXO F - MODELO DE TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

MODELO DE TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

Completar as informações em Os itens que aparecem em vermelho


LINGUAGEM ACESSÍVEL, deverão ser preenchidos com os
UTILIZANDO OS TERMOS E dados pertinentes em cor preta.
EXPRESSÕESDE REGISTRO ORAL
CORRENTE. Manter o uso da 1ª
pessoa do singular. Esclarecer e
detalhar TODOS OS ITENS deste
documento ao sujeito da pesquisa.
Constatada a omissão de algum item, Todas as páginas deste documento
o CEP condicionará a aprovação do deverão ser rubricadas pelo
projeto à comprovação de sua pesquisador principal e pelo sujeito
inclusão no documento. da pesquisa.

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (T.C.L.E.)


(Em 2 vias, firmado por cada participante voluntário(a) da pesquisa e pelo responsável)
“O respeito devido à dignidade humana exige que toda pesquisa se processe após o
consentimento livre e esclarecido dos sujeitos, indivíduos ou grupos que por si e/ou por
seus representantes legais manifestem a sua anuência à participação na pesquisa”

Eu,...................................................................................................................................,
tendo sido convidado(a) a participar como voluntário(a) do estudo “incluir o título do
projeto de pesquisa”, que será realizada no(a) incluir o local de coleta de dados da
pesquisa recebi do(a)Sr(a)incluir o nome do pesquisador principal da pesquisa
(orientador), sua profissão e cargo, responsável por sua execução, as seguintes
informações que me fizeram entender sem dificuldades e sem dúvidas os seguintes
aspectos:
1) Que o estudo se destina a descrever os objetivos do estudo;
2) Que a importância deste estudo é descrever baseando-se na justificativa constante
na introdução do projeto de pesquisa;
3) Que os resultados que se desejam alcançar são descrever o que se espera
comprovar com a realização da pesquisa;
4) Que este estudo começará em incluir data prevista para início da coleta de dados e
terminará em incluir data prevista para a publicação dos resultados;
5) Que eu participarei do estudo da seguinte maneira descrever de forma detalhada a
participação do sujeito nos procedimentos metodológicos;
6) Que os possíveis riscos à minha saúde física e mental são descrever baseando-se
no item “Riscos e Benefícios” do material e métodos do projeto de pesquisa;

Rodapé: Título do trabalho, pesquisadores (orientador, co-orientador e acadêmicos)


78
7) Que os pesquisadores adotarão as seguintes medidas para minimizar os riscos
descrever baseando-se no item “Riscos e Benefícios” do material e métodos do
projeto de pesquisa;
8) Que poderei contar com a assistência incluir o local para assistência necessária
conforme estabelecido no demonstrativo de infraestrutura, sendo responsável (is) por
ela incluir o nome do responsável pela assistência, caso seja pertinente;
9) Que os benefícios que deverei esperar com a minha participação são descrever
baseando-se no item “Riscos e Benefícios” do material e métodos do projeto de
pesquisa, conseguidos através de evidenciar como o sujeito alcançará os benefícios
propostos;
10) Que, sempre que desejar, serão fornecidos esclarecimentos sobre cada uma das
etapas do estudo;
11) Que, a qualquer momento, eu poderei recusar a continuar participando do estudo
e, também, que eu poderei retirar este meu consentimento, sem que isso me traga
qualquer penalidade ou prejuízo;
12) Que as informações conseguidas através de minha participação não permitirão a
identificação da minha pessoa, exceto aos responsáveis pelo estudo, e que a
divulgação das mencionadas informações só será feita entre os profissionais
estudiosos do assunto;
13) Que eu deverei ser ressarcido por qualquer despesa que venha a ter com a
minha participação nesse estudo e, também, indenizado por todos os danos que
venha a sofrer pela mesma razão, sendo que, para estas despesas foi-me garantida a
existência de recursos.
Finalmente, tendo eu compreendido perfeitamente tudo o que me foi informado sobre
a minha participação no mencionado estudo e, estando consciente dos meus direitos,
das minhas responsabilidades, dos riscos e dos benefícios que a minha participação
implica, concordo em dela participar e, para tanto eu DOU O MEU
CONSENTIMENTO SEM QUE PARA ISSO EU TENHA SIDO FORÇADO OU
OBRIGADO.
Endereço do(a) participante voluntário(a):
Domicílio: (rua, conjunto).........................................................................................Bloco: .........
Nº: ............., complemento: .........................................................................Bairro: ......................
Cidade: ..................................................CEP.:......................................Telefone: ..........................
Ponto de referência: .......................................................................................................................

Apenas para pesquisas em que haja intervenção e possibilidades de riscos oriundo


dos procedimentos para com o sujeito da pesquisa.

Contato de urgência (participante): Sr(a): ................................................................................


Domicílio: (rua, conjunto).........................................................................................Bloco: .........
Nº: ............., complemento: .........................................................................Bairro: ......................
Cidade: ..................................................CEP.:.....................................Telefone: ..........................

Rodapé: Título do trabalho, pesquisadores (orientador, co-orientador e acadêmicos)


79
Ponto de referência: .......................................................................................................................

Incluir dados completos como nome, telefone e


endereço atualizados da instituição à qual pertence
o pesquisador principal.

Nome e Endereço do Pesquisador Responsável:

Incluir dados completos como nome,


Instituição:
telefone e endereço atualizados para que,
em situações necessárias, o sujeito possa
ter acesso ao pesquisador.

ATENÇÃO: Para informar ocorrências irregulares ou danosas, dirija-se ao Comitê de Ética em


Pesquisa e Ensino, pertencente ao Centro Universitário Cesmac – COEPE/CESMAC: Rua
Cônego Machado, 918. Farol, CEP.: 57021-060. Telefone: 3215-5062. Correio eletrônico:
cep@cesmac.com.br

Maceió, _________ de ______________________ de _________.

___________________________________ ________________________________
Assinatura ou impressão datiloscópica Assinatura do responsável pelo Estudo
do(a) voluntário(a) ou responsável legal (rubricar as demais folhas)
(rubricar as demais folhas)

Lembre-se de que isto é apenas um modelo. O seu TCLE poderá


conter mais itens a depender do tipo do seu estudo. Em caso de
dúvidas procure o CEP antes de submeter o projeto ou consulte a
resolução CNS 466/12 e suas complementares no endereço
www.cesmac.com.br/cep

Rodapé: Título do trabalho, pesquisadores (orientador, co-orientador e acadêmicos)


80
ANEXO G - MODELO DE DOCUMENTO DE SOLICITAÇÃO DE DECLÍNIO DO
TCLE

Os itens que aparecem em vermelho


deverão ser preenchidos com os
dados pertinentes em cor preta.

DOCUMENTO DE SOLICITAÇÃO DE DECLÍNIO DO TCLE

Protocolo de pesquisa:Incluir o título do projeto de pesquisa

Pesquisador responsável: Incluir o nome do pesquisador responsável

Solicitamos a este CEP o declínio do TCLE e a guarda dos direitos de todos os


participantes desta pesquisa, uma vez que, por diversas dificuldades como
especificar, detalhadamente, todas as dificuldades para a obtenção do TCLE não será
possível a obtenção deste termo. Asseguramos que, em nenhum momento desta
pesquisa, será pertinente a utilização dos dados de identificação dos sujeitos que
participarão deste estudo, pois só serão utilizados os dados das variantes indicadas
no item procedimentos do projeto de pesquisa. Após a tabulação dos dados destas
variantes, todo o tratamento numérico será estatístico, impossibilitando, ou pelo
menos, diminuindo bastante o risco de exposição e quebra de sigilo.

Conforme declaração anexa (incluir autorização do serviço que detem a posse dos
registros, prontuários e/ou laudos atestando acompanhamento) haverá
acompanhamento por parte do guardião dos documentos onde ocorrerá coleta de
dados para que não haja alteração da rotina do serviço e possibilidade de perda ou
estravio de documentos sigilosos.

Atenciosamente,

____________________________________________
Pesquisador(a) Principal
81
ANEXO H - GUIA DE INFORMÁTICA

FORMATAÇÃO DE PÁGINA

O primeiro elemento que devemos configurar quando estamos produzindo um


texto em um processador de texto é a página.

Esta configuração, na versão do Ms-Office 2003, está disponível através do


menu: Arquivo  Configurar Pagina

No Ms-Office 2007, você encontra a mesma opção no Menu Layout da Página.

Nesta opção, temos vários recursos disponíveis. Os mais utilizados são:

PRIMEIRA GUIA - Margens

o Margens: neste item, devemos definir as margens solicitadas pela ABNT.


Superior: 3 cm, Inferior: 2 cm, Esquerda: 3 cm, Direita: 2 cm.

A medianiz não é obrigatória. Este recurso é utilizado como o espaço nas


margens esquerda ou superior para encadernação. Caso, você o utilize, o
recomendado é 1 cm para a medianiz, a posição da medianiz deve ser definida como
à esquerda e neste caso, a margem esquerda deve ser configurada em 2 cm.
82

o Orientação do Papel: neste item, devemos definir em que posição retrato


(vertical) ou paisagem (horizontal), o documento será impresso. Esta orientação
pode ser diferente, em seções de seus documentos, para, por exemplo, anexos
onde serão inseridas as tabelas.
SEGUNDA GUIA – Papel
Nesta guia, devemos configurar o tipo de papel a ser utilizado. Padrão: A4.

Observação: Não devem ser alterados os tamanhos pré-definidos pelo aplicativo.

FORMATAÇÃO DE PARÁGRAFO

O segundo elemento que devemos configurar quando estamos produzindo um


texto em um processador de texto é o parágrafo.
Esta configuração, na versão do Ms-Office 2003, está disponível através do
menu: Formatar  Parágrafo
83
INSERIR MENU

No Ms-Office 2007, você encontra a mesma opção no Menu Layout da Página,


na Guia de Parágrafos.

Nesta opção, temos vários recursos disponíveis. Os mais utilizados estão na


primeira Guia, referentes a Recuos e Espaçamentos:

Guia – Recuos e Espaçamentos

Os principais recursos que utilizamos, em se tratando de formatações de


parágrafos, são:
• Alinhamento
• Recuos
• Espaço entre linhas
Alinhamento
Este recurso permite que o texto digitado seja alinhado em relação às margens
esquerda e/ou direita, de forma simples e eficiente. A ABNT estipula que a maior
parte do texto esteja no padrão justificado. No entanto, os outros tipos de alinhamento
também serão utilizados de acordo com a necessidade.
84

A barra de ferramentas default do MS-Office possui atalhos de formatação que


permite que o alinhamento seja realizado através de botões, sem que seja
necessário, portanto, acessar o menu. Estes atalhos são:

Alinhamento à esquerda Centralizado Alinhamento à direita Justificado

Recuos

Recuos à esquerda e à direita: Este recurso permite que determinemos, em


quantos cm todo o parágrafo deverá ser recuado em relação à margem esquerda e à
margem direita.

Como exemplo, temos o texto que se segue, com recuos de 5 cm à esquerda e


3 cm à direita. A definição dos recuos a serem utilizados foi arbitrária, para fins
exclusivamente didáticos.

Projeto de Pesquisa apresentado como


requisito parcial, para conclusão do curso de
Farmácia da Faculdade de Ciências Biológicas
da Saúde.

Recuo especial: Este recurso pode ser utilizado para que determinemos em
quantos cm à primeira linha do parágrafo será recuada em relação às demais linhas
do mesmo. Para isto, utilize a opção: primeira linha e especifique em quantos
centímetros deseja o recuo.
85

Entre Linhas: O último recurso desta guia que será utilizado com freqüência na
formatação de seus projetos é o recurso que permite que definamos o espaço entre
linhas. Neste caso, devemos definir o espaço para 1,5 linhas.Entre parágrafos, sem
espaço livre.

O espaço entre linhas também pode ser definido através de atalhos na barra de
ferramentas default do MS-Office. Neste caso, o botão a ser utilizado é:

FORMATAÇÃO DE FONTE

Finalmente, o último elemento que devemos configurar é a fonte. Permite que


você determine a fonte a ser utilizada: Arial. O tamanho da fonte. Recursos como
negrito, itálico, sublinhado, sobre escrito, subscrito, tachado e etc. Estes recursos
podem ser aplicados a todo um parágrafo, a uma palavra ou até mesmo a um único
caractere.
Os principais estão disponíveis em atalhos na barra de ferramentas, mas o menu
permite definir um leque maior de opções de formatação.

Esta configuração, na versão do Ms-Office 2003, está disponível através do


menu: Formatar  Fonte(Inserir menu)
86