Você está na página 1de 56

Carboidratos

 Os carboidratos são substâncias utilizadas como “combustível”


pelo corpo humano - fonte mais importante de energia.

 Presentes em alimentos como cereais, pão, massas, arroz, farinha


e doces.

 Durante a digestão, essas substâncias se “quebram” em partes


ainda menores e mais fáceis de serem absorvidas pelo corpo,
como glicose.
Carboidratos

 São as moléculas orgânicas mais abundantes na natureza;


 Comumente utilizamos o termo carboidrato como sinônimo
de açúcar (sabor doce);????
 Sacarídeos, hidratos de carbono, glicídeos
 C, H, O / N, P, S
 Eles possuem grande variedade de funções.
Conceito e Generalidades

 Definidos quimicamente como poliidroxialdeídos ou


poliidroxiacetonas;

 São compostos orgânicos constituídos por moléculas de C, H, O;

 A fórmula empírica para muitos carboidratos mais simples é:


Funções dos Carboidratos

 Principal forma de combustível celular (fonte): a degradação dessas


substâncias até CO2 e H2O representa a mais importante via de
fornecimento de energia para o organismo (glicose e frutose);

*cada grama de carboidrato fornece 4kcal

Importante forma de armazenamento de energia (reserva):

Vegetais (Amido) e Animais (glicogênio);

Após uma refeição rica em carboidratos, a glicose é armazenada especialmente


no fígado e músculos - GLICOGÊNIO;
Funções dos Carboidratos

Funcionam como elementos de sustentação e estrutura para


vários organismos:
celulose, ácido hialurônico, quitina;
Ácido hialurônico: estética, artrose
Funções dos Carboidratos

 Funcionam como fonte de carbono para biossíntese de


ácidos graxos, colesterol, aminoácidos.
Funções dos Carboidratos

São elementos estruturais de paredes celulares de bactérias e vegetais;


Componentes da membranas biológicas: glicoproteínas, glicolipídeos
Funções dos Carboidratos
Como elementos de defesa: heparina, mucoproteínas, imunoglobulinas;

Estrutural:
Ribose e desoxirribose: DNA e RNA;
Funções dos Carboidratos
Podem de unir: proteínas e lipídeos;
Funções dos Carboidratos

 As células cerebrais normalmente só usam para fins de


energia a GLICOSE;

 Os níveis de glicemia efetivamente caem: choque


hipoglicêmico (irritabilidade nervosa progressiva que
leva a desfalecimento, convulsões e até coma);
Classificação

 Excesso de glicose na corrente sanguínea?????

Depositados
Triglicerídios
como gordura
Classificação dos
Carboidratos
 Podem ser divididos em três classes principais:

monossacarídeos, oligossacarídeos e polissacarídeos:

 Monossacarídeos (carboidratos simples);

 Dissacarídeos: 2 unidades de monossacarídeos;

 Oligossacarídeos: 3 a 10 unid. de monossac. ;

 Polissacarídeos: mais de 10 unid. de monossac.


 O termo sacarídeo é derivado do grego sakcharon que significa açúcar. Por isso, são
assim denominados, embora nem todos apresentem sabor adocicado.
Carboidratos mais simples

 Monossacarídeos, Monoses ou Oses


Conceito e Generalidades

 São definidos quimicamente como: aldeídos ou cetonas poli-


hidroxilados;
 C, H, O; (N, P, S);
 A fórmula empírica para muitos carboidratos mais simples é:

Cn (H2O)n
Monoses

 Monoses: açúcares simples que não podem ser desdobrados


por hidrólise;
 Todos os carbonos apresentam-se ligados a grupamento
alcoólico, com exceção de um com grupamento carbonílico.
Monossacarídeos (“açúcares
simples”)
Classificados de acordo com o nº de C;
*3C (trioses): gliceraldeído, di-hidroxiacetona

*4C (tetroses): eritrose, treose

*5C (pentoses): ribose

*6C (hexoses): glicose

*7C (heptoses): sedoeptulose

*9C (nanoses): ácido neuramínico


De acordo com o grupo funcional:

Aldeído (aldoses)
Cetona(cetoses)
Possuem duas ou mais hidroxilas
Monossacarídeos - “açúcares simples”

Hexoses (6 átomos de carbono):

 Glicose – encontrada nas frutas, tubérculos, mel e produto final da


degradação de carboidratos complexos. Importante fonte de energia
cerebral;

 Frutose – encontrada em frutas e mel. Maior capacidade adoçante;

 Galactose – obtida na degradação da lactose (leite), na lactação é


ressintetizada pelo organismo.

Pentoses (5 átomos de carbono):


Ribose e Desoxirribose - ácidos nucleicos
Isômeros
• Compostos com mesma fórmula química, mas de estruturas espaciais
diferentes: ISÔMEROS

C6H12O6
Epímeros

 Carboidratos isômeros que diferem na sua configuração ao


redor de apenas um determinado átomo de C: EPÍMEROS.

*Epímeros em C-2 *Epímeros em C-4


Enantiômeros
 Tipo especial de isomeria observado em pares de estruturas que são como imagens uma da outra no espelho.

L-Glicose
D- Glicose

Em seres humanos a
maioria dos
açúcares é do tipo
D- açúcares

OH do C assimétrico: OH do C assimétrico:
lado direito lado esquerdo

*C assimétrico: ligado a 4 átomos ou grupos diferentes mais distante do carbono da


carbonila
Unindo Monossacarídeos

 LIGAÇÕES GLICOSÍDICAS: formadas entre duas hidroxilas (OH)


de duas moléculas de monossacarídeos, com liberação de
água.
Dissacarídeos
*Lactose (galactose + glicose): Leite

*Sacarose (glicose + frutose): Cana e beterraba

*Maltose (glicose + glicose): Hidrólise do amido.Cerveja e liquores de malte.

Sabores adocicados.

AÇUCAR NÃO REDUTOR


Dissacarídeos

Sacarose (glicose + frutose)

 Açúcar comum, também encontrada em frutas, vegetais e mel.

 Constitui grande parte dos carboidratos consumidos pelos seres


humanos – vasta aplicação pela indústria
Dissacarídeos

Lactose (galactose + glicose)

 Encontrada principalmente nos laticínios,

 Principal fonte energética de lactentes,

 Menor poder adoçante.


Dissacarídeos

Maltose (glicose + glicose)


 Produzida através da hidrólise do amido,

 Uso empregado na fabricação de cerveja.


Oligossacarídeos

Rafinose e estaquiose
(Triose – glu+Galac+frut) (tetrose – 2galac+glic+frut)

 3-10 unidades de monossacarídeos


 Encontrados em legumes
 Não fermentados por enzimas pancreáticas
Polissacarídeos

• Constituídos por mais de 10 unidades de monossacarídeos


• Formados pela ligação de moléculas de glicose, variando na
conformação/ligação química.
Polissacarídeos

• Glicogênio (cadeia ramificada): reserva de energia em animais.


Hidrolisado à glicose;
Polissacarídeos

* * Amido (cadeia ramificada): reserva de energia em vegetais.


Hidrolisado à maltose e glicose;.
Polissacarídeos

* Celulose (polímeros de glicose-cadeia linear): estrutura para células


vegetais, para humano, valor estrutural e não nutricional.
Polissacarídeos

Amido

 Encontrado em vegetais, constituído por:

 amilose (glicose ligadas linearmente)

 amilopectina (glicose em cadeias ramificadas)


Polissacarídeos
Polissacarídeos
Glicogênio

 Polissacarídeo de reserva energética

 Formado por cadeias ramificadas de glicose

 Armazenado no fígado

e músculos

 Importante papel na

manutenção da

glicemia.
Polissacarídeos

Celulose

 Principal constituinte das paredes celulares e tecido de


sustentação vegetal

 Não é hidrolisado em seres humanos

 Insolúvel em água

 Encontrada em cascas de frutas/vegetais, folhosos e cereais


integrais.
Celulose

Fibras dietéticas são ricas em


celulose, que não podem ser
Ligações beta agrupam as
digeridas pelos seres humanos; moléculas construindo as
fibras
Presença de fibras na alimentação
resulta de efeitos fisiológicos
benéficos.
Fibras na Dieta

 Reduz a constipação e a formação de hemorróidas;


 Aumenta a motilidade intestinal, diminuindo exposição a
carcinógenos;
 Diminui a absorção de gorduras e colesterol da dieta;
 Retarda o esvaziamento gástrico, gera sensação de
saciedade.
Carboidratos Complexos

Carboidratos podem unir-se por ligações glicosídicas a


estruturas que não são carboidratos, como:

 Bases púricas e pirimídicas (ácidos nucléicos);


 Anéis aromáticos (esteróides e bilirrubina);
 Proteínas (glicoproteínas e glicosaminoglicanos);
 Lipídeos (glicolipídeos).
Carboidratos

Metabolismo, digestão e absorção

 Digestão inicia-se durante a mastigação

 Ação mecânica

 Ação enzimática (amilase salivar)


Carboidratos

 Polissacarídeos não digeríveis (fibras)

 Fermentados por bactérias

 Amido resistente: parte do amido não digerido (batatas, cereais


e legumes) no intestino delgado.

 Fermentado por bactérias, tem como produto final ácidos


graxos de cadeia curta e alguns gases.
Carboidratos Simples

São digeridos rapidamente - efeito negativo sobre os nossos


níveis sanguíneos de insulina.

São encontrados nos doces, no leite e nas frutas, têm um teor


maior de glicose e, por isso, são digeridos mais rápido.

As frutas, por também serem ricas em vitaminas, fibras e sais


minerais, são as melhores opções para obter essa variação
do nutriente.
Carboidratos Simples

São facilmente quebrados no processo digestivo e assim, fornecem energia


imediata.

Dificultam a perda de peso.

Digeridos rapidamente pelo organismo, eles fazem com que os níveis de açúcar no
sangue aumentem rapidamente, ocorrendo assim, a liberação da insulina que
consegue colocar os carboidratos para dentro das células de gordura e
músculos.
Carboidratos Simples

Liberação de insulina previne que o corpo utilize a gordura


armazenada por causa do excesso de açúcar presente no sangue,
dificultando a perda de gordura.

Possuem alto índice glicêmico e são absorvidos rapidamente pelo


nosso organismo.

Exemplos: açúcares, frutas, doces, refrigerantes e etc;


Carboidratos Complexos

 São absorvidos mais lentamente pelo organismo, tem sua


estrutura molecular mais complexa (polissacarídeos),
liberando energia aos poucos.
 Após sua ingestão há um prolongado e leve aumento nos
níveis de glicose na corrente sanguínea.

 Ex.: Arroz, aveia, pão, batata, massas e integrais


Carboidratos Complexos

Garantem uma saciedade prolongada por terem digestão mais


lenta.
Mais eficientes quando obtidos pela versão integral, pois as fibras
colaboram para que possamos sentir fome.
São mais lentamente digeridos, evitando assim, as grandes
elevações e queda dos níveis glicêmicos.
São uma boa fonte de minerais, vitaminas e fibras.
São mais lentamente digeridos, evitando assim, as grandes
elevações e queda dos níveis glicêmicos.
Distúrbios no metabolismo dos
carboidratos

 Deficiência de lactase: Enzima responsável pela degradação da lactose.


 Diarréias severas
 Déficit de crescimento em crianças
 Diabetes mellitus
 Produção inadequada de insulina e/ou resistência periférica (Tipo 1,
Tipo 2, Gestacional, outros)
Distúrbios no metabolismo dos
carboidratos
Distúrbios no metabolismo
dos carboidratos

Aumentando muito devido ao crescimento e ao envelhecimento populacional, à


crescente prevalência da obesidade e sedentarismo;

Sobrevida do paciente diabético também aumentou;

Atualmente sabe-se que a incidência do DM1 vem aumentando,


particularmente na população infantil com menos de 5 anos de idade;

É uma doença onerosa (lado econômico e pessoal);


Diabetes mellitus (DM)

Decorrente da falta de insulina e/ou de sua incapacidade de exercer


adequadamente seus efeitos - hiperglicemia.

❖ Distribuição celular
❖ Secreção inadequada

❖ Ilhotas de Langerhans:
α - Glucagon
β - Insulina
δ - Somatostatina
Diabetes mellitus
(DM)
 DM1 (5 a 10%): destruição das células beta pancreáticas - insuficiência de insulina.
Dependentes de insulina exógena.

 DM2 (90 a 95% dos casos): defeitos na ação e na secreção da insulina.


A maioria dos pacientes apresentam sobrepeso ou obesidade.
Ocorre em qualquer idade - mais frequente após 40 anos.
Não são dependentes de insulina exógena.
Diabetes mellitus
(DM)
Consequências do DM
Prevenção

 Prevenção primária: protege indivíduos suscetíveis de


desenvolver o DM;
 Estímulo ao aleitamento materno;
 Cuidados para prevenir obesidade, sedentarismo,
hipertensão;
 Prevenção secundária: prevenir as ulcerações nos pés;
tratamento da hipertensão e dislipidemia; diagnóstico e
tratamento precoce da retinopatia; reduzir consumo de
cigarro;
HIPOGLICEMIA

 Condição aguda caracterizada pela concentração da glicose


sanguínea abaixo de 50mg/dL;
 Sintomas: ansiedade, palpitação, tremor, sudorese, cefaleia,
confusão mental, convulsões, coma e morte;

 Causas:
Induzida por insulina: frequente em pacientes diabéticos;
Hipoglicemia pós-prandial: liberação exagerada de insulina após
refeição - fazer refeições pequenas e frequentes.
Hipoglicemia de jejum: redução na velocidade de produção de
glicose pelo fígado.

Você também pode gostar