Você está na página 1de 4

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL


SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE E GESTÃO URBANA
SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL
GERÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

TERMO DE REFERÊNCIA - TR 181

SISTEMA DE CONTROLE AMBIENTAL - SCA


SERVIÇOS DE LAVAGEM DE VEÍCULOS COM ÁREA TOTAL ATÉ 500 M²

Este roteiro destina-se a fornecer orientação para implantação do sistema de controle ambiental
para atividades de lava jato com área total do terreno até 500m².
1. SISTEMA DE CONTROLE AMBIENTAL
Deverão ser apresentados os seguintes documentos:
1.1 Toda a área operacional de lavagem dos veículos, ou seja, onde há geração de águas
contaminadas, deverá ser dotada de piso impermeável, canaletas de drenagem e envio da
água servida a um sistema de tratamento;
1.2 A área de lavagem deve estar em conformidade com o artigo 128 da Lei 2909/1992: "Os
serviços de limpeza, lavagem, lubrificação, pulverização ou outro que produzam partículas
em suspensão, serão realizados em compartimento devidamente fechado e de modo que
se evite o arrasto das substâncias em suspensão para o exterior". PARÁGRAFO ÚNICO -
Fica excetuada da exigência deste artigo a lavagem de veículos, desde que obedeça à
distância mínima de 10,00m (dez metros) dos logradouros públicos e 5,00m (cinco metros)
das divisas;
1.3 Implantar sistema de tratamento constituído de caixa separadora areia, água e óleo,
conforme modelo em anexo. As tampas deverão ser de fácil manuseio a fim possibilitar
manutenção periódica no sistema;
1.4 Toda a água servida após tratamento deverá ser direcionada a rede pública de esgoto
sanitário, caso exista;
1.5 O sistema de tratamento de efluentes não poderá receber a contribuição de águas pluviais;
1.6 É extremamente proibido o lançamento de água servida em logradouro público, bem como
utilização do passeio público para depósito de lixo e sucatas, provenientes da atividade;
1.7 Apresentar o Plano de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos - PGRS, conforme Termo de
Referência 140, atendendo a Lei Complementar 209/2012 que institui o Código Municipal

Revisão 1 2 3 4 5 6 7 8
Aprovação
Data 06/03/2018
1/4
PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE
ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL
SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE E GESTÃO URBANA
SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL
GERÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

de Resíduos Sólidos e a proposta da área de estocagem temporária para os resíduos


sólidos gerados;
1.8 A empresa deve manter um local/abrigo específico e sinalizado para o acondicionamento de
resíduos sólidos gerados no empreendimento;
1.9 Manter correta a segregação (separação) dos resíduos sólidos (lixo) em pelo menos dois
tipos: a) Resíduos orgânicos, que deverão ser encaminhados à coleta municipal; b)
Resíduos recicláveis (papel, papelão, metal, vidro, plástico, etc), que deverão ser
comercializados e/ou doados pra reciclagem;
1.10 Os equipamentos que produzam ruídos deverão ser mantidos enclausurados ou em local
isolado de forma que a emissão de ruídos provenientes desses equipamentos e da
atividade não infrinja ao Art. 88 da Lei Municipal nº. 2909/92;
1.11 Deverá ser implementado o Programa de Arrumação Ordem e Limpeza, de forma a evitar a
disposição inadequada de resíduos sólidos, embalagens vazias, e etc;
1.12 Apresentar documento da empresa de saneamento Águas Guariroba S/A comprovando a
ligação do imóvel à rede pública de abastecimento de água e rede coletora de esgoto
(conta de água);
1.13 Em áreas não servidas por rede pública de esgoto deverá ser instalado sistema de fossa
séptica e sumidouro, conforme modelo fornecido pelo Plantão técnico do GFLA, para
receber os efluentes sanitários e saída do sistema de tratamento de efluentes;
1.14 Declaração do responsável legal se no local há instalado poço de abastecimento de água e
caso possua apresentar o documento de outorga definitiva ou protocolo de pedido junto ao
órgão ambiental estadual, conforme Decreto Municipal Nº 13.990, de 2 de julho de 2014,
que regulamenta a outorga definitiva de uso dos recursos hídricos, de domínio do Estado
de Mato Grosso do Sul.
1.15 Caso não aja instalado no imóvel, o poço de captação de água subterrânea, apresentar
declaração assinada pelo representante legal com essa afirmação;

Revisão 1 2 3 4 5 6 7 8
Aprovação
Data 06/03/2018
2/4
PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE
ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL
SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE E GESTÃO URBANA
SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL
GERÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROJETO CAIXA SEPARADORA AREIA / ÁGUA / ÓLEO

Revisão 1 2 3 4 5 6 7 8
Aprovação
Data 06/03/2018
3/4
PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE
ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL
SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE E GESTÃO URBANA
SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO E GESTÃO AMBIENTAL
GERÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Especificações Técnicas

 FUNDO DA CAIXA DEVERÁ SER DE CONCRETO.


 PAREDES INTERNAS E FUNDO REBOCADO E REVESTIDO COM MATERIAL
IMPERMEBIALIZANTE.
 TAMPAS DE FÁCIL MANUSEIO.

A LIMPEZA DEVERÁ SER REALIZADA PERIODICAMENTE E CONFORME INSTRUÇÕES ABAIXO:

1ª CÉLULA - RETIRADA DA AREIA


 DEVERÁ SER REMOVIDA DE FORMA A PROPORCIONAR APENAS A RETIRADA DA AREIA. A
AREIA RETIRADA DEVERÁ SER ACONDICIONADA EM SACOS PLÁSTICOS E ARMAZENADA NO
LOCAL DE ARMAZENAMENTO DE RESÍDUOS PERIGOSOS.

2ª CÉLULA - RETIRADA DO ÓLEO


 ABRIR O REGISTRO LOCALIZADO NA CAIXA LATERAL E RECOLHER O ÓLEO ATÉ O
MOMENTO QUE COMEÇAR A CAIR A ÁGUA.
 O ÓLEO COLETADO DEVERÁ SER ACONDICIONADO, NOS TAMBORES EM LOCAL COBERTO E
PISO IMPERMEÁVEL E COLETADOS POR EMPRESAS ESPECIALIZADAS.

Revisão 1 2 3 4 5 6 7 8
Aprovação
Data 06/03/2018
4/4