Você está na página 1de 21

ADVOCACIA PREVIDENCIÁRIA

Professor Elvio Flávio de Módulo 6: Benefícios Previdenciários III


Freitas Leonardi
Tema 02: Segurado Especial (Rural). Benefícios. Provas II
Aula I: Benefícios devidos aos Segurados Especiais
• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• BENEFÍCIOS DEVIDOS AOS SEGURADOS ESPECIAIS (ART.


39, DA LEI Nº 8.213/91):

• Comprovando-se, apenas, o exercício de atividade rural:


• a) aposentadoria por invalidez;
• b) aposentadoria por idade;
• c) auxílio-doença;
• d) auxílio-reclusão;
• e) pensão por morte;
• f) salário-maternidade;
• g) auxílio-acidente.
Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 2
• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:
• BENEFÍCIOS DEVIDOS AOS SEGURADOS ESPECIAIS (ART.
39, DA LEI Nº 8.213/91):

• Contribuindo-se “FACULTATIVAMENTE”:

• Todos os benefícios do art. 18, da Lei nº 8.213/91.

• Mas é o art. 13, da Lei nº 8.213/91?

• Art. 13. É segurado facultativo o maior de 14


(quatorze) anos que se filiar ao Regime Geral de
Previdência Social, mediante contribuição, desde que
não incluído nas disposições do art. 11.
Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 3
• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:
• BENEFÍCIOS DEVIDOS AOS SEGURADOS ESPECIAIS
(ART. 39, DA LEI Nº 8.213/91):

• COMPROVAÇÃO DA ATIVIDADE RURAL PELO


NÚMERO DE MESES CORRESPONDENTES À
CARÊNCIA

• PERÍODO IMEDIATAMENTE ANTERIOR AO


REQUERIMENTO DO BENEFÍCIO

• FORMA DESCONTÍNUA

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 4


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• NÚMERO DE MESES CORRESPONDENTES À


CARÊNCIA:

• Art. 26, III, da Lei nº 8.213/91:


• Independe de carência a concessão dos
benefícios concedidos na forma do inciso I do
art. 39, aos segurados especiais.

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 5


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:
• NÚMERO DE MESES CORRESPONDENTES À
CARÊNCIA:

• SALÁRIO-MATERNIDADE RURAL:

• Art. 39, parágrafo único, da Lei nº 8.213/91:


comprovação do exercício de atividade rural nos
últimos 12 (doze) meses

• Art. 93, 2º, do Decreto nº 3.048/99: comprovação


do exercício de atividade rural nos últimos 10
(dez) meses.

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 6


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• PERÍODO IMEDIATAMENTE ANTERIOR AO


REQUERIMENTO DO BENEFÍCIO:

• O Segurado Especial deve estar trabalhando no


campo quando requerer benefício
previdenciário?

• E o período de graça? (art. 11, § 10, da Lei nº


8.213/91)

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 7


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:
• PERÍODO IMEDIATAMENTE ANTERIOR AO
REQUERIMENTO DO BENEFÍCIO:

• Tema 642 - RECURSO REPETITIVO: REsp 1.354.908/SP [Art.


143, da Lei nº 8.213/91 (Regra de Transição)]
• Tese fixada:
• O segurado especial tem que estar laborando no
campo, quando completar a idade mínima para se
aposentar por idade rural, momento em que poderá
requerer seu benefício. Ressalvada a hipótese do
direito adquirido, em que o segurado especial, embora
não tenha requerido sua aposentadoria por idade
rural, preenchera de forma concomitante, no passado,
ambos os requisitos carência e idade.

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 8


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• PERÍODO IMEDIATAMENTE ANTERIOR AO


REQUERIMENTO DO BENEFÍCIO:

• SÚMULA Nº 54, DA TNU:

• Para a concessão de aposentadoria por idade de


trabalhador rural, o tempo de exercício de
atividade equivalente à carência deve ser aferido
no período imediatamente anterior ao
requerimento administrativo ou à data do
implemento da idade mínima.
Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 9
• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:
• PERÍODO IMEDIATAMENTE ANTERIOR AO
REQUERIMENTO DO BENEFÍCIO:

• Aplica-se o art. 15, § 2º, da Lei nº 8.213/91, ao Segurado


Especial?
• NÃO se pode criar discriminação onde a lei
previdenciária não fez. (TNU, PEDILEF nº 506465-
21.2014.4.05.8400)

• Conceito de desempregado, que deve ser entendido


como:
• “todo aquele que está sem trabalho, não importando
a condição anterior (empregado, trabalhador rural ou
autônomo).”
Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 10
• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• FORMA DESCONTÍNUA DO LABOR RURAL –


“Cláusula de Descontinuidade”:

• Haveria um prazo certo entre o término e o


retorno ao trabalho?

• Teria a mesma noção de período de graça?

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 11


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• FORMA DESCONTÍNUA DO LABOR RURAL –


“Cláusula de Descontinuidade”:

• NÃO há prazo certo. Deve ser apurado “caso a


caso”.
• INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO JEF Nº
5002637-56.2012.404.7116/RS (TRU/TRF4)

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 12


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• FORMA DESCONTÍNUA DO LABOR RURAL –


“Cláusula de Descontinuidade”:

• SÚMULA Nº 46 DA TNU:

• O exercício de atividade urbana intercalada não


impede a concessão de benefício previdenciário
de trabalhador rural, condição que deve ser
analisada no caso concreto.

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 13


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• FORMA DESCONTÍNUA DO LABOR RURAL – “Cláusula


de Descontinuidade”:
• 3. Inexiste amparo legal a emprestar à perda da qualidade de
segurado a consequência extrema de vedação, ao trabalhador,
do cômputo do tempo de atividade rural exercido
anteriormente para fins de atendimento da regra do art. 143
da Lei 8.213/91, valendo-se da permissão legal da
descontinuidade.
• 4. A expressão legal "ainda que descontínua" foi
propositadamente expressa em termos nebulosos, isto é, não
se pretendeu estipular um prazo certo a partir do qual seria
vedada a soma de períodos intercalados de atividade rural,
para fins de concessão de aposentadoria por idade.
Precedentes da TNU (v.g., PEDILEF 2007.83.05.50.0279-7, Rel.
p/ Acórdão Juiz Federal Otávio Port, j. 02/08/2011, DJ
24/04/2012).
Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 14
• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• FORMA DESCONTÍNUA DO LABOR RURAL –


“Cláusula de Descontinuidade”:

• APLICAÇÃO DAS NORMAS ADMINISTRATIVAS:


• Mais vantajosas que as decisões judiciais.
• Arts. 157, 158, 231 e 232 DA IN INSS/PRES Nº
77/2015

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 15


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• FORMA DESCONTÍNUA DO LABOR RURAL – “Cláusula


de Descontinuidade”:
• Art. 157. No caso de comprovação de desempenho de
atividade urbana entre períodos de atividade rural, com ou
sem perda da qualidade de segurado, poderá ser concedido
benefício previsto no inciso I do art. 39 e caput e § 2º do art.
48, ambos da Lei nº 8.213 de 1991, desde que cumpra o
número de meses de trabalho idêntico à carência relativa ao
benefício, exclusivamente em atividade rural.
• Parágrafo único. Na hipótese de períodos intercalados de
exercício de atividade rural e urbana, observado o disposto
nos arts. 159 e 233, o requerente deverá apresentar um
documento de início de prova material do exercício de
atividade rural após cada período de atividade urbana.

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 16


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• FORMA DESCONTÍNUA DO LABOR RURAL – “Cláusula de


Descontinuidade”:
• Art. 158. Para fins de concessão dos benefícios devidos ao
trabalhador rural previstos no inciso I do art. 39 e caput e § 2º do
art. 48, ambos da Lei nº 8.213 de 24 de julho de 1991, considera-
se como período de carência o tempo de efetivo exercício de
atividade rural, ainda que de forma descontínua, correspondente
ao número de meses necessários à concessão do benefício
requerido, computados os períodos a que se referem as alíneas
"d" e "i" do inciso VIII do art. 42 observando-se que:
• [...]
• Parágrafo único. Entendem-se como forma descontínua os
períodos intercalados de exercício de atividades rurais, ou
urbana e rural, com ou sem a ocorrência da perda da qualidade
de segurado, observado o disposto no art. 157.

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 17


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• FORMA DESCONTÍNUA DO LABOR RURAL – “Cláusula de


Descontinuidade”:
• Art. 158. Para fins de concessão dos benefícios devidos ao
trabalhador rural previstos no inciso I do art. 39 e caput e § 2º do
art. 48, ambos da Lei nº 8.213 de 24 de julho de 1991, considera-
se como período de carência o tempo de efetivo exercício de
atividade rural, ainda que de forma descontínua, correspondente
ao número de meses necessários à concessão do benefício
requerido, computados os períodos a que se referem as alíneas
"d" e "i" do inciso VIII do art. 42 observando-se que:
• [...]
• Parágrafo único. Entendem-se como forma descontínua os
períodos intercalados de exercício de atividades rurais, ou
urbana e rural, com ou sem a ocorrência da perda da qualidade
de segurado, observado o disposto no art. 157.

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 18


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• FORMA DESCONTÍNUA DO LABOR RURAL –


“Cláusula de Descontinuidade”:
• Art. 231. Para fins de aposentadoria por idade prevista
no inciso I do art. 39 e caput e § 2º do art. 48, ambos da
Lei nº 8.213, de 1991 dos segurados empregados,
contribuintes individuais e especiais, referidos na alínea
"a" do inciso I, na alínea "g" do inciso V e no inciso VII do
art. 11, todos do mesmo diploma legal, não será
considerada a perda da qualidade de segurado nos
intervalos entre as atividades rurícolas, devendo,
entretanto, estar o segurado exercendo a atividade
rural ou em período de graça na DER ou na data em
que implementou todas as condições exigidas para o
benefício.

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 19


• Regime Jurídico dos Trabalhadores Rurais:

• FORMA DESCONTÍNUA DO LABOR RURAL –


“Cláusula de Descontinuidade”:
• Art. 232. Na hipótese do art. 231, será devido o
benefício ao segurado empregado, contribuinte
individual e segurado especial, ainda que a
atividade exercida na DER seja de natureza urbana,
desde que o segurado tenha preenchido todos os
requisitos para a concessão do benefício rural até
a expiração do prazo de manutenção da qualidade
na condição de segurado rural.

Módulo 6: Benefícios Previdenciários III 20


Obrigado.