Você está na página 1de 10

CONTENÇÃO

Professor Alexandre Sampaio


DEFINIÇÃO

 Uma contenção física é um, aparelho humano, mecânico


ou físico que é usado com ou sem a permissão do cliente
para restringir sua liberdade de movimento ou acesso
normal ao corpo da pessoa.

 Clientes que estejam em risco de lesão por andar sem


destino, quedas e comportamentos agitado e inesperado
podem necessitar de contenções temporariamente.
 Sempre que um cliente estiver contido, haverá uma
tendência natural do cliente de tentar remover a
contenção. Quando ocorre, a lesão do cliente é comum.

 Os clientes contidos facilmente se enrolam no aparelho


de contenção nas tentativas de removê-lo. Em alguns
casos, a morte resultou de estrangulamento ou asfixia.
 O uso de contenções envolve um ajuste psicológico para
o cliente e para a família. Se as contenções são
necessárias, a enfermagem ajuda aos membros da família
e aos clientes explicando seu propósito, cuidados
esperados enquanto o cliente estiver contido, precauções
tomadas para evitar lesões e que a contenção é
temporária e protetora.
 O uso de contenção tem que ser clinicamente justificada
e parte do tratamento médico prescrito e do plano de
cuidado. Uma prescrição é necessária, baseada na
avaliação face a face do cliente.

 A prescrição tem que especificar o tipo de contenção, a


localização e os comportamentos específicos do cliente
nos quais as contenções deverão ser usadas e ter um
limite de tempo.
OBJETIVOS

 Reduzir o risco de lesões para o cliente por quedas.

 Evitar a interrupção de tratamento com tração, infusões


IV, alimentação por tubo nasogátrico (NG).

 Evitar que o cliente confuso ou combativo remova


equipamento de suporte à vida.

 Reduzir o risco de lesão de outros pelo cliente.


TIPOS DE CONTENÇÕES

 Contenção mecânica (no leito).

 Cintos nas cadeiras de rodas.

 Contenção de membros.

 Contenção física.

 Jaquetas e coletes de segurança.


.
CUIDADOS DE ENFERMAGEM

 Prestar cuidados de enfermagem, vigilância constante do


paciente, proporcionando conforto e proteção, avaliação
de sinais vitais, avaliação da perfusão sanguínea,
avaliação da presença de morbidades clínicas, eficácia da
restrição e necessidade de manutenção ou associação de
outras medidas terapêuticas de 30 minutos, ajudando a
controlar seus impulsos violentos e a progressão das
atitudes.
RESOLUÇÃO COFEN Nº 427/2012
 Art. 1º Os profissionais da Enfermagem, excetuando-se as situações de urgência e emergência,
somente poderão empregar a contenção mecânica do paciente sob supervisão direta do enfermeiro
e, preferencialmente, em conformidade com protocolos estabelecidos pelas instituições de saúde,
públicas ou privadas, a que estejam vinculados.

 Art. 2º A contenção mecânica de paciente será empregada quando for o único meio disponível
para prevenir dano imediato ou iminente ao paciente ou aos demais.

 Art. 3º É vedado aos profissionais da Enfermagem o emprego de contenção mecânica de


pacientes com o propósito de disciplina, punição e coerção, ou por conveniência da instituição ou
da equipe de saúde.

 Art. 4º Todo paciente em contenção mecânica deve ser monitorado atentamente pela equipe de
Enfermagem, para prevenir a ocorrência de eventos adversos ou para identificá-los precocemente.

 Art. 5º Todos os casos de contenção mecânica de pacientes, as razões para o emprego e sua
duração, a ocorrência de eventos adversos, assim como os detalhes relativos ao monitoramento
clínico, devem ser registrados no prontuário do paciente.