Você está na página 1de 18

História Moderna de Portugal

Prof.ª Doutora Isabel Drumond Braga


isabeldrumondbraga@hotmail.com
https://lisboa.academia.edu/IsabelDrumondBraga

Programa

Objetivos da aprendizagem:

O programa visa que os alunos adquiriam conhecimentos em perspetivas diferenciadas. Assim, ao longo
da lecionação devem: a) dominar o enquadramento teórico, os principais conceitos e as categorias
analíticas do campo disciplinar em estudo; b) tomar conhecimento dos principais debates e tendências
recentes no campo historiográfico da especialidade; c) aprofundar a reflexão crítica sobre alguns dos
temas atualmente mais relevantes deste campo disciplinar; d) desenvolver a capacidade de debater e
comunicar oralmente com especialistas e não especialistas; e) desenvolver técnicas avançadas de
pesquisa, leitura e análise crítica de bibliografia especializada.

Competências :

Os estudantes devem: A) Desenvolver uma atitude científica, mobilizando os processos pelos quais se
constrói o conhecimento. B) Adquirir competências metodológicas e críticas na área das Ciências Sociais,

1
em particular da História. C) Evidenciar domínio linguístico e conceptual, conhecimento das fontes e da
bibliografia. D) Debater e comunicar oralmente e por escrito os resultados das suas pesquisas.

Demonstração da coerência dos conteúdos programáticos com os objetivos de aprendizagem da unidade


curricular:

A Introdução dos Conteúdos Programáticos promove a reflexão sobre o campo epistemológico desta
unidade curricular, correspondendo ao n.º 1 dos Objetivos. O segundo objetivo permite abordar as
principais tendências da evolução historiográfica e aprofundar algumas das questões mais significativas
para o estudo do tema. As competências enunciadas em A e B serão estimuladas ao longo de todos os
temas do Programa. As competências C e D exercitam-se através das metodologias de ensino e
evidenciam-se através do processo e formas de avaliação.

Metodologias de ensino e avaliação:

Nas aulas anunciam-se as matérias a tratar na aula seguinte, indicam-se leituras e distribuem-se trabalhos
a apresentar pelos alunos, estimulando a participação dos estudantes na discussão dos tópicos da matéria e
da bibliografia de referência. Incentiva-se a leitura de obras de particular alcance com as principais teses
historiográficas sobre as questões a debater, além da escolha de um trabalho que exija um contacto direto
com as fontes. Tanto este modelo de aulas como o sistema de avaliação concorrem para uma estratégia
pedagógica que privilegia o saber adquirido em detrimento do saber transmitido. A avaliação será
contínua tendo como pontos de referência, os elementos e os critérios de avaliação seguintes:
1. Teste (60%),
2. Exposição oral (30%),
3. Presença e participação oral (10%).

Parâmetros de classificação do teste:


a) Adequação das respostas ao que foi solicitado,
b) Domínio da conceptualização histórica,
c) Correção da exposição escrita quer na perspetiva formal quer na do conteúdo.

Parâmetros de classificação da exposição oral:


a) Domínio linguístico e conceptual,
b) Clareza e correção da exposição

Demonstração da coerência das metodologias de ensino com os objetivos de aprendizagem da unidade


curricular:

O modelo de aulas, em conjugação com o sistema de avaliação, permite aos alunos, por um lado,
aprofundar conhecimentos (teóricos, metodológicos, históricos), e, por outro, desenvolver algumas

2
competências e capacidades adequadas ao nível de estudos (1º ciclo). Não esquecendo que a
aprendizagem constitui um todo e que as capacidades cognitivas se interpenetram, agindo e estimulando-
se mutuamente, entre os elementos de avaliação (EA), os objetivos a alcançar (Obj) e as competências a
desenvolver (Comp) pelos estudantes, poderá estabelecer-se a seguinte relação: EA 1 – Obj. a, b, c, e -
Comp. A, D. ; EA 2 – Obj. a, b, c, d – Comp. B, C.; EA 3 – Obj. a, c, e – Comp. C, D.

Conteúdos
Introdução
Fontes e bibliografia essenciais para o estudo da História Moderna de Portugal. O conceito de Idade
Moderna e algumas das propostas de periodização possíveis. Linhas de força da Idade Moderna em
Portugal (do final do século XV à revolução liberal).

1. População
O regime demográfico da Época Moderna. A recuperação populacional do final da Idade Média. Da
estagnação do final de Quinhentos à recuperação. O problema da falta de gente e as propostas para
solucionar a questão. As reflexões sobre a população como fonte de enriquecimento do país. As
contagens da população: dos primeiros numeramentos aos inquéritos do final do século XVIII. Os dados
demográficos e a sua interpretação. Assimetrias regionais e movimentos populacionais. População e
reformas administrativas e eclesiásticas. Os inquéritos após o terramoto e as Memórias Paroquiais,
entendidas como o fim de um ciclo de inquéritos em que as informações acerca da população apareciam a
par de outras.

2. Estrutura Social
Sociedade, desigualdade e privilégio. Os diferentes grupos sociais. A graduação das pessoas: funções,
sangue e riqueza. A importância da qualidade do nascimento. As redes clientelares. A complexificação da
morfologia social e o alargamento dos “estados limpos”, com o “estado do meio”. A mobilidade social e
os entraves à mesma. Descobrimentos e guerra como fatores de ascensão social. Os graus académicos e a
promoção social. As cartas de familiar do Santo Ofício como mecanismos de quase nobilitação. A
segregação social pelo sangue e pelos comportamentos. Minorias étnico-religiosas e estrangeiros. Grupos
sociais e vida quotidiana.

3. Poder e Poderes
O sistema político da Época Moderna. A teorização do poder político. Os discursos relativos à educação
do príncipe e a construção da imagem do Rei e da Corte. O quadro normativo destinado ao príncipe e à
nobreza. Governação e exercício da justiça. A função político-social do direito penal real como afirmação
do sumo poder do Rei. Inquisição e controlo social. A intervenção régia e a natureza do Tribunal do Santo
Ofício. Os delitos sob jurisdição do Tribunal e os ritmos de actividade processual. Órgãos, funcionários e
agentes. O papel da Igreja na sociedade portuguesa: âmbitos de intervenção. A reforma da Igreja
motivada por razões internas e externas. Confessionalização e disciplinamento: poderes e agentes. O
catolicismo como religião ritualizada e exteriorizada. A exaltação dos dogmas e a pedagogia da chamada

3
Contra-Reforma. Aspectos do culto. As Misericórdias e a assistência. A Coroa, a Igreja e os dispositivos
de controlo de carácter persuasivo e de carácter pedagógico.

4. Economia
A propriedade rural e a propriedade urbana. A terra como garante de riqueza, poder e preeminência
social. Os contratos de exploração agrária. O abastecimento urbano. As tentativas de uniformização de
pesos e medidas. A produção artesanal, a produção industrial e os seus surtos. Comércio interno e
comércio externo. O peso dos produtos coloniais na economia portuguesa. O corso: motivações e
consequências. Técnicas de comércio e preços. A acção do marquês de Pombal na articulação dos vários
sectores da economia. Doutrinas económicas: do mercantilismo ao fisiocratismo. O papel da Academia
Real das Ciências e o divórcio entre o discurso agrarista e a prática quotidiana.

5. Realidades Culturais

As bases da cultura, nomeadamente a língua e as produções sobre a mesma, isto é, gramáticas e


dicionários. Os meios e os agentes da cultura: níveis de alfabetização, públicos, manuscritos e impressos,
imprensa periódica, livreiros, parenética e teatro. Instituições de cultura, tais como escolas, colégios,
universidades, bibliotecas, academias, museus e jardins botânicos. As reformas no ensino. Educação no
feminino. As grandes tendências da cultura do humanismo ao iluminismo.

Bibliografia

Obras Gerais

ALMEIDA, Fortunato de, História da Igreja em Portugal, nova edição preparada e dirigida por Damião
Peres, vols II e III, Porto, Lisboa, Civilização, 1968-1970.
Atlas Histórico de Portugal e do Ultramar Português, infografia de Maria João Lourenço Pereira e João
Pedro Silva, Lisboa, Centro de Estudos Históricos, 2003.
Dicionário de História de Portugal, direcção de Joel Serrão, [2.ª edição], 6 vols, Porto, Figueirinhas,
1981.
Dicionário de História Religiosa de Portugal, direcção de Carlos Moreira Azevedo, 4 vols, Lisboa,
Universidade Católica Portuguesa, Centro de Estudos de História Religiosa, 2000-2001.
Dicionário Família Franciscana em Portugal. Ordens e Outras Formas de Vida Consagrada, direcção
José Eduardo Franco, coordenação de Vítor Teixeira e Susana Alves-Jesus, Cascais, Lucerna,
2015.
História Religiosa de Portugal, direcção de Carlos Moreira Azevedo, vol. 2, (Humanismos e Reformas),
coordenação de João Francisco Marques e António Camões Gouveia, Lisboa, Universidade
Católica Portuguesa, Centro de Estudos de História Religiosa, 2000. ***
História da Universidade em Portugal, vol. I, tomos I e II, [Lisboa, Coimbra], Fundação Calouste
Gulbenkian, Universidade de Coimbra, 1997.
História da Vida Privada em Portugal, direcção de José Mattoso, [vol. 2] (A Idade Moderna),
coordenação de Nuno Gonçalo Monteiro, [s.l.], Círculo de Leitores, Temas e Debates, 2010.
História de Portugal, direcção de José Matoso, vols III, IV e V, Lisboa, Estampa, 1993. ***
MARQUES, A. H. de Oliveira Marques, História de Portugal, 13.ª edição, 3 vols, Lisboa, Presença,
1997-1998.
Nova História da Expansão Portuguesa, direcção de Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques, vols II, VI,
VII e VIII, Lisboa, Estampa, 1986-1998.
Nova História de Portugal, direcção de Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques, vols IV, V e VII,
Lisboa, Presença, 1987-2001. ***

4
Nova História Militar de Portugal, direcção de Manuel Themudo Barata e Nuno Severiano Teixeira, vols
I, II e III, Lisboa, Círculo de Leitores, 2003-2004.
Ordens Religiosas em Portugal. Das Origens a Trento. Guia Histórico, direcção de Bernardo de
Vasconcelos e Sousa, Lisboa, Livros Horizonte, 2005.
SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vols III, IV, V, VI e VII, Lisboa, Verbo, 1978-1983.

Estudos Específicos

1. População

BOUZA ÁLVAREZ, Fernando, “Lisboa Sozinha, quase Viúva. A Cidade e a Mudança da Corte no
Portugal dos Filipes”, Portugal no Tempo dos Filipes. Política, Cultura, Representações (1580-
1668), tradução de Ângela Barreto Xavier e Pedro Cardim, Lisboa, Cosmos, 2000, pp. 159-183.
***
BRAGA, Isabel M. R. Mendes Drumond, “A Fronteira Difusa entre Trás-os-Montes e a Galiza ou as
Povoações Místicas de Santiago, Rubiães e Meãos”, Cooperação e Conflito. Portugal, Castela e
Aragão. Séculos XV-XVII, Lisboa, Universitária Editora, 2002, pp. 139-155. ***
CAPELA, José Viriato, “População e Sociedade Rural do Termo de Braga no Primeiro Quartel do século
XVIII (Apresentação de uma Fonte)”, Bracara Augusta, vol. 39, n.º 87-88, Braga, 1985, pp. 161-
191.
COSTA, Elisa Maria Lopes da, “Famílias Açorianas povoadoras das Margens do Tejo no último quartel
de Setecentos”, O Faial e a Periferia Açoriana nos Séculos XV a XX, Faial, Núcleo Cultural da
Horta, 2004, pp. 227-259.
-----, “Novos Destinos para as Gentes Açorianas em finais de Setecentos: Terras de Além-Tejo um espaço
a povoar?”, O Faial e a Periferia Açoriana nos Séculos XV a XX, Faial, Núcleo Cultural da
Horta, 1998, pp. 401-429.
-----, “Povoadores Açorianos em Terras Transtaganas: achegas para uma História por contar”, A Cidade,
nova série, n.º 11, Portalegre, 1996, pp. 169-187.
DIAS, João José Alves, Ensaios de História Moderna, Lisboa, Presença, 1988.
-----, Gentes e Espaços. Em Torno da População Portuguesa na Primeira Metade do século XVI, vol. I,
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Junta Nacional de Investigação Científica e
Tecnológica, 1996. ***
FERRO, João Pedro, A População Portuguesa no Final do Antigo Regime (1750-1815), Lisboa,
Presença, 1985.
Global (The) City. On the Streets of Renaissance Lisbon, coordenação de Annemarie Jordan Gschwend e
K. J. P. Lowe, Londres, Paul Holberton publishing, 2015.
GONÇALVES, Iria, “Notas de Demografia Regional. A Comarca de Leiria em 1537”, Revista da
Faculdade de Letras, 4.ª série, n.º 1, Lisboa, 1976-1977, pp. 405-454.
MARCADÉ, Jacques, Une Comarque Portugaise – Ourique – entre 1750 et 1800, Paris, Fundação
Calouste Gulbenkian, 1971.
OLIVEIRA, António de, “Migrações Internas e de Média Distância em Portugal de 1500 a 1900”,
Arquipélago. História, 2.ª série, vol. 1, Ponta Delgada, 1995, pp. 259-307.
-----, Poder e Oposição Política em Portugal no Período Filipino (1580-1640), Lisboa, Difel, 1991.
-----, A População de Caminha em 1513, Separata da Revista da Universidade de Coimbra, vol. 23,
Coimbra, 1968.
-----, “A População das Comarcas de Leiria e Santarém em 1537”, Revista Portuguesa de História, tomo
15, Coimbra, 1975, pp. 235-299.
SERRÃO, José Vicente, Demografia e Agricultura no Portugal do século XVIII, Lisboa, Provas de
Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica apresentadas ao Instituto Superior de Ciências do
Trabalho e da Empresa, 1987, policopiado.
SILVA, Ana Cristina Nogueira da, O Modelo Espacial do Estado Moderno. Reorganização Territorial
em Portugal nos Finais do Antigo Regime, Lisboa, Estampa, 1998.
SOUSA, Fernando de, ALVES, Jorge dos Santos, Alto Minho. População e Economia nos Finais de
Setecentos, Lisboa, Presença, 1997.

2. Estrutura Social

5
ALMEIDA, Luís Ferrand de, Páginas Dispersas. Estudos de História Moderna de Portugal, Coimbra,
Universidade de Coimbra, Faculdade de Letras, Instituto de História Económica e Social, 1995.
AUBIN, Jean, “La Noblesse Titrée sous D. João III. Inflation ou Fermeture?”, Arquivos do Centro
Cultural Português, vol. 26, Paris, 1989, pp. 417-432.
BARROS, Maria Filomena Lopes de, A Comuna Muçulmana de Lisboa. Séculos XIV e XV, Lisboa,
Hugin, 1998.
-----, Tempos e Espaços de Mouros. A Minoria Muçulmana no Reino Português (séculos XII a XV),
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e a Tecnologia, 2007.
BEIRANTE, Maria Ângela, Ao Serviço da República e do Bem Comum. Os Vinte e Quatro dos Mestres
de Évora, Paradigma dos Vinte e Quatro da Covilhã (1535), Lisboa, Centro de Estudos
Históricos, 2014.
BRAGA, Isabel M. R. Mendes Drumond, “As Almogaverias durante o Reinado de D. João III, vistas
através das Cartas de Privilégio”, Mare Liberum, n.º 6, Lisboa, 1993, pp. 83-88.
-----, “Confeiteiros na Época Moderna: Cultura Material, Produção e Conflituosidade”, Ensaios sobre o
Património Alimentar Luso-Brasileiro, coordenação de Carmen Soares e Irene Coutinho de Macedo,
Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra, 2014, pp. 165-192 (disponível on line em
https://www.academia.edu/9095235/).
-----, “Das Dificuldades de Acesso ao ‘Estado do Meio’ por parte dos Cristãos Velhos”, Congresso
Internacional de História. Territórios, Culturas e Poderes. Actas, vol. 2 (=NW. Noroeste.
Revista de História, vol. 3, Braga, 2007), Braga, Universidade do Minho, Núcleo de Estudos
Históricos, 2007, pp. 13-30. (disponível on line em https://www.academia.edu/6679213/). ***
-----, Os Estrangeiros e a Inquisição Portuguesa (séculos XVI-XVII), Lisboa, Hugin Editores, 2002.
-----, “Marcas de Infâmia: Sangue Mouro e Dificuldades de Acesso ao ‘Estado do Meio’ ”, Minorias
Étnico-Religiosas na Península Ibérica (Período Medieval e Moderno), Lisboa, Edições Colibri,
Évora, CIDEHUS, Alicante, Universidade de Alicante, 2008, pp. 411-430 (disponível on line em
https://www.academia.edu/6678711/).***
-----, Mouriscos e Cristãos no Portugal Quinhentista. Duas Culturas e duas Concepções Religiosas em
Choque, Lisboa, Hugin Editora, 1999.
-----, “A Mulatice como Impedimento de Acesso ao ‘Estado do Meio’ ”, O Espaço Atlântico de Antigo
Regime: Poderes e Sociedades. Actas, Lisboa, Instituto Camões, 2008. Disponível em cd rom
(disponível on line em https://www.academia.edu/6678939/). ***
-----, “Para o Estudo da Minoria Cigana no Portugal Quinhentista”, Brigantia, vol. 12, n.º 4, Bragança,
1992, pp. 29-47.
-----, “Os ‘Pretos da Rainha’. Serviçais Exóticos na Corte de D. Maria I”, IV Congresso Histórico de
Guimarães. Do Absolutismo ao Liberalismo. Actas, vol. 2, [Guimarães], Câmara Municipal de
Guimarães, 2009, pp. 37-67 (disponível on line em https://www.academia.edu/6555146/).
BRAGA, Paulo Drumond, Portugueses no Estrangeiro. Estrangeiros em Portugal, Lisboa, Hugin
Editores, 2005.
BRITO, Pedro de, Patriciado Urbano Quinhentista: as Famílias Dominantes do Porto (1500-1580),
Porto, Arquivo Histórico, Câmara Municipal do Porto, 1997.
CAPELA, José Viriato, “População e Sociedade Rural do Termo de Braga no Primeiro Quartel do século
XVIII (Apresentação de uma Fonte)”, Bracara Augusta, vol. 39, n.º 87-88, Braga, 1985, pp. 161-
191.
COELHO, Adolfo, Os Ciganos em Portugal. Com um Estudo sobre o Calão, prefácio de Rosa Maria
Perez, [2.ª edição], Lisboa, Dom Quixote, 1995.
COSTA, Elisa Maria de Jesus Lopes da, “La Minoranza Sociale Rom nel Portogallo Moderno (Secoli
XV-XVIII)”, Lacio Drom, ano 25, n.º 1, Roma, 1989, pp. 5-23.
FARIA, Ana Mouta, “Função da Carreira Eclesiástica na Organização do Tecido Social do Antigo
Regime”, Ler História, n.º 11, Lisboa, 1987, pp. 29-46.
FONSECA, Escravos e Senhores na Lisboa Quinhentista, Lisboa, Colibri, 2010.
-----, Escravos no Sul de Portugal. Séculos XVI-XVII, [s.l.], Vulgata, 2002.
FONTOURA, Otília Rodrigues, Portugal em Marrocos na Época de D. João III. Abandono ou
Permanência?, Funchal, Centro de Estudos de História do Atlântico, 1998.
FREIRE, Anselmo Braamcamp, Brasões da Sala de Sintra, reprodução fac-similada da edição de 1973,
apresentação e apêndices de Luís Bívar Guerra, 3 vols, [Lisboa], Imprensa Nacional-Casa da
Moeda, 1996.
GODINHO, Vitorino Magalhães, A Estrutura da Antiga Sociedade Portuguesa, 3.ª edição, Lisboa,
Arcádia, 1977.
GOMES, Ana Cristina da Costa, Diogo de Sá. Os Horizontes de um Humanista, Lisboa, Prefácio, 2004.
HENRIQUES, Isabel Castro, A Herança Africana em Portugal, Lisboa, CTT, 2009. ***

6
LABOURDETTE, Jean-François, La Nation Française à Lisbonne de 1669 à 1690. Entre Colbertisme et
Libéralisme, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian, Centro Cultural Português, 1988.
MONTEIRO, Nuno Gonçalo Freitas, O Crepúsculo dos Grandes. A Casa e o Património da Aristocracia
em Portugal (1750-1832), [Lisboa], Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1998.
-----, Elites e Poder. Entre o Antigo Regime e o Liberalismo, Lisboa, Universidade de Lisboa, Instituto de
Ciências Sociais, 2003. ***
Negros (Os) em Portugal. Séculos XV a XIX, Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos
Descobrimentos Portugueses, 1999.
Nobreza (A) e a Expansão Portuguesa. Estudos Biográficos, coordenação de João Paulo Oliveira e Costa,
Cascais, Patrimonia, 2000.
Nobreza de Portugal e do Brasil, direcção, coordenação e compilação de Afonso Eduardo Martins
Zuquete, 3.ª edição, 4 vols, Lisboa, Zairol, 2000.
OLIVAL, Fernanda, As Ordens Militares e o Estado Moderno. Honra, Mercê e Venalidade em Portugal
(1641-1789), Lisboa, Estar, 2001.
OLIVEIRA, António de, A Vida Económica e Social de Coimbra de 1537 a 1640, 2 vols, Coimbra,
Universidade de Coimbra, 1971.
OLIVEIRA, Luís Filipe, RODRIGUES, Miguel Jasmins, “Um Processo de Reestruturação do Domínio
Social da Nobreza. A Titulação na segunda Dinastia”, Revista de História Económica e Social,
n.º 22, Lisboa, 1988, pp. 77-114.
Optima Pars. Elites Ibero-Americanas do Antigo Regime, organização de Nuno Gonçalo Monteiro, Pedro
Cardim e Mafalda Soares da Cunha, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, 2005.
PIMENTEL, Maria do Rosário, Viagem ao Fundo das Consciências. A Escravatura na Época Moderna,
Lisboa, Colibri, 1995.
RAU, Virgínia, Estudos sobre História Económica e Social do Antigo Regime, Lisboa, Presença, 1984.
SAUNDERS, A. C. de C. M., História Social dos Escravos e Libertos Negros em Portugal (1441-1555),
tradução do inglês, [Lisboa], Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1994.
SERRÃO, Vítor, O Maneirismo e o Estatuto Social dos Pintores Portugueses [Lisboa], Imprensa
Nacional Casa da Moeda, 1983.
SHAW, L. M. E., Trade, Inquisition and the English Nation in Portugal. 1650-1690, Manchester,
Carcanet Press, 1988.
SILVA, Maria Júlia de Oliveira e, Fidalgos – Mercadores no século XVIII. Duarte Sodré Pereira,
[Lisboa], Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1992.
SOARES, Sérgio Cunha, O Município de Coimbra da Restauração ao Pombalismo. Poderes e Poderosos
na Época Moderna, 3 vols, Coimbra, Centro de História da Sociedade e da Cultura, 2001-2004.
TAVARES, Maria José Pimenta Ferro, Judaísmo e Inquisição. Estudos, Lisboa, Presença, 1987. ***
-----, Los Judíos en Portugal, tradução de Mario Merlino, Madrid, Mapfre, 1992.
Tempo (O) de Vasco da Gama, direcção de Diogo Ramada Curto, [Lisboa], Comissão Nacional para as
Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, Comissariado para o Pavilhão de Portugal –
Expo 98, Difel, 1998.
TINHORÃO, José Ramos, Os Negros em Portugal. Uma Presença Silenciosa, 2.ª edição, Lisboa,
Caminho, 1997.
TORRES, José Veiga, “Da Repressão Religiosa para a Promoção Social. A Inquisição como Instância
Legitimadora da Promoção Social da Burguesia Mercantil”, Revista Crítica de Ciências Sociais,
n.º 40, Coimbra, 1994, pp. 109-135.

3. Poder e Poderes
ABREU, Ilda Soares de, Simbolismo e Ideário Político. A Educação Ideal para o Príncipe Ideal
Seiscentista, Lisboa, Estar, 2000.
ABREU, José Paulo, Em Braga de 1790 a 1805. D. Frei Caetano Brandão: o Reformador Contestado,
Braga, Faculdade de Teologia, 1997.
ABREU, Laurinda, Memórias da Alma e do Corpo. A Misericórdia de Setúbal na Modernidade, Viseu,
Palimage, 1999.
-----, Pina Manique. Um Reformador no Portugal das Luzes, Lisboa, Gradiva, 2013.
-----, O Poder e os Pobres. As Dinâmicas Políticas e Sociais da Pobreza e da Assistência em Portugal
(séculos XVI-XVIII), Lisboa, Gradiva, 2014.
-----, A Santa Casa da Misericórdia de Setúbal de 1500 a 1755: Aspectos de Sociabilidade e Poder,
Setúbal, Santa Casa da Misericórdia de Setúbal, 1990.
ALBUQUERQUE, Martim de, O Poder Político no Renascimento Português, 2.ª e dição, Lisboa, Verbo,
2012.

7
ALMEIDA, Ângela Mendes de, O Gosto do Pecado. Casamento e Sexualidade nos Manuais de
Confessores dos séculos XVI e XVII, Lisboa, Rocco, 1994.
ALMEIDA, Luís Ferrand de, Páginas Dispersas. Estudos de História Moderna de Portugal, Coimbra,
Universidade de Coimbra, Faculdade de Letras, Instituto de História Económica e Social, 1995.
ALVES, Ana Maria, Iconologia do Poder Real no Período Manuelino. À Procura de uma Linguagem
Perdida, [Lisboa], Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1985.
ARAÚJO, Ana Cristina, O Terramoto de 1755. Lisboa e a Europa, Lisboa, Clube de Coleccionadores dos
Correios, 2005.
ARAÚJO, Maria Marta Lobo de, A Confraria de Nossa Senhora do Porto de Ave. Um Itinerário sobre a
Religiosidade Popular do Baixo Minho, Taíde, Póvoa de Lanhoso, Confraria de Nossa Senhora
do Porto de Ave, 2006.
-----, Dar aos Pobres e Emprestar a Deus: as Misericórdias de Vila Viçosa e Ponte de Lima. Séculos
XVI-XVIII, [Vila Viçosa e Ponte de Lima], Santa Casa da Misericórdia de Vila Viçosa, Santa
Casa da Misericórdia de Ponte de Lima, 2000.
-----, Rituais de Caridade na Misericórdia de Ponte de Lima (séculos XVII-XIX), Ponte de Lima, Santa
Casa da Misericórdia de Ponte de Lima, 2003.
BEBIANO, Rui, D. João V. Poder e Espectáculo, Aveiro, Estante, 1987.
-----, A Pena de Marte. Escrita da Guerra em Portugal e na Europa (séculos XVI-XVIII), Coimbra,
Minerva, 2000.
BERNARDINO, Teresa, Sociedade e Atitudes Mentais em Portugal (1777-1810), [Lisboa], Imprensa
Nacional – Casa da Moeda, 1986.
BETHENCOURT, Francisco, História das Inquisições. Portugal, Espanha e Itália, [s.l.], Temas e
Debates, 1996. ***
-----, O Imaginário da Magia. Feiticeiras, Saludadores e Nigromantes no século XVI, Lisboa, Projecto
Universidade Aberta, 1987.
BOUZA ALVAREZ, Fernando, Felipe II y el Portugal dos Povos. Imagénes de Esperanza y Revuelta,
Valladolid, Universidad de Valladolid, 2010.
-----, Imagen y Propaganda. Capítulos de Historia Cultural del Reinado de Felipe II, Madrid, Akal,
1998.
-----, Portugal no Tempo dos Filipes. Política, Cultura, Representações (1580-1668), prefácio de António
Manuel Hespanha, Lisboa, Cosmos, 2000.
-----, Portugal en la Monarquia Hispanica (1580-1640). Felipe II, las Cortes de Tomar y la Génesis del
Portugal Católico, 2 vols, Madrid, Universidad Complutense, 1986-1987.
BRAGA, Isabel M. R. Mendes Drumond, Assistência, Saúde Pública e Prática Médica em Portugal
(Séculos XV-XIX), Lisboa, Universitária Editora, 2001.
-----, A Bigamia em Portugal na Época Moderna. Sentir mal do Sacramento do Matrimónio?, Lisboa,
Hugin Editores, 2003.
-----, Cooperação e Conflito. Portugal, Castela e Aragão. Séculos XV-XVII, Lisboa, Universitária Editora,
2002.
-----, Cultura, Religião e Quotidiano. Portugal (século XVIII), Lisboa, Hugin Editores, 2005. ***
-----, Entre a Cristandade e o Islão (séculos XV-XVII). Cativos e Renegados nas Franjas de duas
Sociedades em Confronto, Ceuta, Instituto de Estudios Ceutíes, 1998.
-----, Um Espaço, duas Monarquias (Interrelações na Península Ibérica no Tempo de Carlos V), Lisboa,
Universidade Nova de Lisboa, Centro de Estudos Históricos, Hugin Editores, 2001.
-----, Os Estrangeiros e a Inquisição Portuguesa (séculos XVI-XVII), Lisboa, Hugin Editores, 2002.
-----, “A Irmandade do Santíssimo Sacramento de Santo Estêvão de Alfama
e a Assistência à Pobreza (1806-1820)”, Revista Tempo, vol. 20, Niterói, 2014, pp. 1-19
(disponível on line em https://www.academia.edu/10772785/).
-----, Mouriscos e Cristãos no Portugal Quinhentista. Duas Culturas e duas Concepções Religiosas em
Choque, Lisboa, Hugin Editores, 1999.
-----, Viver e Morrer nos Cárceres do Santo Ofício, Lisboa, A Esfera dos Livros, 2015.
BRAGA, Isabel M. R. Mendes Drumond, BRAGA, Paulo Drumond, “As Duas Mortes de D. Manuel: o
Rei e o Homem”, Penélope, n.º 14, Lisboa, 1994, pp. 11-22.
BRAGA, Paulo Drumond, Coimbra e a Delinquência Estudantil (1580-1640), Lisboa, Hugin, 2003. ***
-----, Do Crime ao Perdão Régio (Açores, séculos XVI-XVIII), Ponta Delgada, Instituto Cultural de Ponta
Delgada, 2003.
-----, “Os Forçados das Galés. Percursos de um Grupo Marginalizado”, Estudos in Memoriam Carlos
Alberto Ferreira de Almeida, Porto, Universidade do Porto, 1999.
-----, A Inquisição nos Açores, Ponta Delgada, Instituto Cultural de Ponta Delgada, 1997.

8
-----, “D. Joana de Áustria (1535-1572). Uma Releitura da sua Intervenção na Vida Portuguesa”, Arquivos
do Centro Cultural Português, vol. 35, Lisboa, Paris, 1996, pp. 231-242.
-----, D. João III, Lisboa, Hugin Editores, 2002.
-----, “Mecanismos de Propaganda do Poder Real no Reinado de D. João II. Subsídios”, Congresso
Internacional Bartolomeu Dias e a sua Época. Actas, vol. I, Porto, Universidade do Porto,
Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1989, pp. 263-297.
-----, D. Pedro II. Uma Biografia, Lisboa, Tribuna da História, 2006.
-----, “Uma Rainha de Portugal no Tempo de Vieira”, Terceiro Centenário da Morte do Padre António
Vieira. Congresso Internacional, vol. 1, Braga, Universidade Católica Portuguesa, Província
Portuguesa da Companhia de Jesus, 1999, pp. 377-390.
-----, “Dois Surtos de Peste em Lisboa: 1579-1581”, Revista da Biblioteca Nacional, 2.ª série, vol. 7, n.º
2, Lisboa, 1992, pp. 7-22.
BUESCU, Ana Isabel, Na Corte dos Reis de Portugal. Saberes, Ritos e Memórias, Lisboa, Colibri, 2011.
-----, Imagens do Príncipe. Discurso Normativo e Representações (1525-49), Lisboa, Cosmos, 1996. ***
-----, Memória e Poder. Ensaios de História Cultural (séculos XV-XVIII), Lisboa, Cosmos, 2000.
CAETANO, Marcelo, “Recepção e Execução dos Decretos do Concílio de Trento em Portugal”, Revista
da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, vol. 19, Lisboa, 1965, pp. 7-87.
CALAFATE, Pedro,Da origem Popular do Poder ao Direito de Resistência. Doutrinas Políticas no
século XVII em Portugal, Lisboa, Esfera do Caos Editores, 2012.
CARDIM, Pedro, Cortes e Cultura Política no Portugal do Antigo Regime, Lisboa, Cosmos, 1998. ***
-----, Portugal Unido y Separado. Felipe II, la Unión del Territorio y el Debate sobre la Condición
Política del Reino de Portugal, Valladolid, Universidade de Valladolid, 2014.
CLUNY, Isabel, O Conde de Tarouca e a Diplomacia na Época Moderna, Lisboa, Livros Horizonte,
2006.
COELHO, Maria Helena da Cruz, MAGALHÃES, Joaquim Romero, O Poder Concelhio. Das Origens
às Cortes Constituintes. Notas de História Social, Coimbra, Centro de Estudos e Formação
Autárquica, 1986. COELHO, António Borges, Inquisição de Évora. Dos Primórdios a 1668, 2
vols, Lisboa, Caminho, 1987.
Concílio (O) de Trento em Portugal e nas suas Conquistas. Olhares Novos, coordenação de António
Camões Gouveia, David Sampaio Barbosa e José Pedro Paiva, Lisboa, Universidade Católica
Portuguesa, Centro de Estudos de História Religiosa, 2014.
CORTÉS CORTÉS, Fernando, Espionagem e Contra Espionagem numa Guerra Peninsular, (1640-
1668), tradução de Manuel José Trindade Loureiro, Lisboa, Horizonte, 1989.
-----, Guerra e Pressão Militar nas Terras de Fronteira (1640-1668), tradução de Manuel José Trindade
Loureiro, Lisboa, Horizonte, 1990.
COSTA, Fernando Dores, A Guerra da Restauração 1641-1668, Lisboa, Livros Horizonte, 2004.
COSTA, Susana Goulart, Viver e Morrer Religiosamente. Ilha de São Miguel século XVIII, Ponta
Delgada, Instituto Cultural de Ponta Delgada, 2007.
CRUZ, Maria do Rosário de Sampaio Themudo Barata de Azevedo, Rui Fernandes de Almada:
Diplomata Português do século XVI, Lisboa, Centro de Estudos Históricos, 1971.
-----, As Regências na Menoridade de D. Sebastião. Elementos para uma História Estrutural, 2 vols,
[Lisboa], Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1992.
CUNHA, Ana Cannas da, A Inquisição no Estado da Índia. Origens (1539-1560), Lisboa, Arquivos
Nacionais / Torre do Tombo, 1995.
CUNHA, Mafalda Soares da, A Casa de Bragança 1560-1640. Práticas Senhoriais e Redes Clientelares,
Lisboa, Estampa, 2000.
CURTO, Diogo Ramada, O Discurso Político em Portugal (1600-1650), Lisboa, Projecto Universidade
Aberta, 1988.
-----, “Ritos e Cerimónias da Monarquia em Portugal (Séculos XVI a XVIII)”, A Memória da Nação,
organização de Francisco Bethencourt e Diogo Ramada Curto, Lisboa, Sá da Costa, 1989, pp.
201-265.
DUARTE, Luís Miguel, Justiça e Criminalidade no Portugal Medievo (1459-1481), Lisboa, Fundação
Calouste Gulbenkian, Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1999.
Encontros e Desencontros Ibéricos. Tratados Hispano-Portugueses desde a Idade Média, Lisboa, Chaves
Ferreira Publicações e Lunwerg Editores, 2006.
ENES, Maria Fernanda, Reforma Tridentina e Religião Vivida. Os Açores na Época Moderna, Ponta
Delgada, Eurosigno, 1991.
Espiritualidade e Corte em Portugal (séculos XVI a XVIII), Porto, Universidade do Porto, Faculdade de
Letras, 1993.

9
FARIA, Ana Maria Homem Leal de, Duarte Ribeiro de Macedo. Um Diplomata Moderno (1618-1680),
Lisboa, Ministério dos Negócios Estrangeiros, 2005.
FERNANDES, Maria de Lurdes Correia, Espelhos, Cartas e Guias. Casamento e Espiritualidade na
Península Ibérica. 1450-1700, Porto, Universidade do Porto, Faculdade de Letras, 1995.
FERNÁNDEZ ÁLVAREZ, Manuel, Felipe II y su Tiempo, Madrid, Espasa Calpe, 1998.
FERREIRA, Ana Maria Pereira, Problemas Marítimos entre Portugal e a França na Primeira Metade do
século XVI, Redondo, Patrimonia, 1995.
FERRO, João Pedro, Um Príncipe Iluminado Português. D. José (1761-1788), Lisboa, Lucifer, 1989.
FONSECA, Luís Adão da, O Tratado de Tordesilhas e a Diplomacia Luso-Castelhana no Século XV,
Lisboa, INAPA, 1991.
FREITAS, Jorge Penim de, O Combatente durante a Guerra da Restauração. Vivência e Comportamento
dos Militares ao Serviço da Coroa Portuguesa, Lisboa, Prefácio, 2007.
GOMES, Fátima Freitas, Machico a Vila e o Termo. Formas do Exercício do Poder Municipal (fins do
século XVII a 1750), Funchal, Direcção Regional dos Assuntos Culturais, 2002.
GUEDES, Ana Isabel Marques, Os Colégios dos Meninos Órfãos (séculos XVII-XIX): Évora, Porto e
Braga, Lisboa, Instituto de Ciências Sociais, 2006.
GRAES, Isabel, Contributo para um Estudo Histórico-Jurídico das Cortes Portuguesas entre 1481-1641,
Coimbra, Almedina, 2005.
GUIMARÃES, Jorge Gonçalves, São Gonçalo de Lagos. Hagiografia, Culto e Memória. Séculos XVI-
XVIII, Torres Vedras, Câmara Municipal, 2004.
HESPANHA, António Manuel, As Vésperas do Leviathan. Instituições e Poder Político. Portugal –
século XVII, Coimbra, Almedina, 1994.
HOMEM, António Pedro Barbas, Judex Perfectus. Função Jurisdicional e Estatuto Judicial em Portugal.
1640-1820, Coimbra, Almedina, 2003.
Igreja, Caridade e Assistência na Península Ibérica (séculos XVI-XVIII), coordenação de Laurinda
Abreu, Lisboa, Colibri, Évora, Centro Interdisciplinar de História, Cultura e Sociedades da
Universidade de Évora, 2004.
João (D.) VI e o seu Tempo, Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos
Portugueses, 1999.
KAMEN, Henry, Felipe de España, tradução de Patricia Escandón, Madrid, Siglo Veintiuno, 1997.
LABRADOR ARROYO, Félix, La Casa Real en Portugal (1580-1621), Madrid, Polifemo, 2009.
LIPINER, Elias, Os Baptizados em Pé. Estudos acerca da Origem e da Luta dos Cristãos-Novos em
Portugal, Lisboa, Veja, 1998.
-----, Terror e Linguagem. Um Dicionário da Santa Inquisição, Lisboa, Contexto, 1999.
LOPES, Maria Antónia, Pobreza, Assistência e Controle Social. (Coimbra 1750-1850), 2 vols, Viseu,
Palimage, 2000. ***
-----, Protecção Social em Portugal na Idade Moderna. Guia de Estudo,Coimbra, Imprensa da
Universidade, 2010. ***
LUÍS, Maria dos Anjos Fernandes, Vivências Religiosas e Comportamentos Sociais. Visitas Pastorais ao
Concelho de Campanhã nos séculos XVII e XVIII, Lourinhã, Câmara Municipal da Lourinhã,
2014.
LOUREIRO, Francisco de Sales, D. Sebastião antes e depois de Alcácer-Quibir, Lisboa, Vega, 1978.
LOURENÇO, Maria Paula Marçal, Casa, Corte e Património das Rainhas de Portugal (1640-1754),
Poderes, Instituições e Relações Sociais, 4 vols, Lisboa, Dissertação de Doutoramento em
História Moderna apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 1999.
-----, A Casa e o Estado do Infantado. 1654-1706. Formas e Práticas Administrativas de um Património
Senhorial, Lisboa, Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1995.
MACEDO, Jorge Borges de, História Diplomática Portuguesa. Constantes e Linhas de Força. Estudo de
Geopolítica, 2.ª edição revista e ilustrada, Lisboa, Tribuna da História, Instituto de Defesa
Nacional, 2006.
-----, O Marquês de Pombal. 1699-1782, Lisboa, Biblioteca Nacional, 1982.
MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Em Busca dos ‘Tempos’ da Inquisição (1573-1615)”, Revista de
História das Ideias, vol. 9, Coimbra, 1987, pp. 191-228.
-----, “La Inquisición Portuguesa Intento de Periodización”, Revista de la Inquisición, n.º 2, Madrid, 1992,
pp. 71-93.
MARCOCCI, Giuseppe, PAIVA, José Pedro, História da Inquisição Portuguesa 1536-1821, Lisboa, A
Esfera dos Livros, 2013.
MARQUES, A. H. de Oliveira, História da Maçonaria em Portugal, vol. I, Lisboa, Presença, 1990.
MARQUES, João Francisco, “Os Jesuítas, Confessores da Corte Portuguesa na Época Barroca (1550-
1700)”, Revista da Faculdade de Letras. História, 2.ª série, vol. 12, Porto, 1995, pp. 231-270.

10
-----, A Parenética Portuguesa e a Dominação Filipina, Porto, Instituto Nacional de Investigação
Científica, 1986.
-----, A Parenética Portuguesa e a Restauração. 1640-1668. A Revolta e a Mentalidade, 2 vols, Porto,
Instituto Nacional de Investigação Científica, 1989.
MAXWELL, Kenneth, Marquês de Pombal, Paradoxo do Iluminismo, tradução Antônio de Pádua
Danesi, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1996.
MEA, Elvira Cunha de Azevedo, A Inquisição de Coimbra no século XVI. A Instituição, os Homens e a
Sociedade, Porto, Fundação Eng. António de Almeida, 1997.
MEGIANI, Ana Paula Torres, O Rei Ausente. Festa e Cultura Política nas Visitas dos Filipes a Portugal
(1581 e 1619), São Paulo, Alameda, 2004.
MENESES, Avelino de Freitas de, Os Açores e o Domínio Filipino (1580-1590), 2 vols, Angra do
Heroísmo, Instituto Histórico da Ilha Terceira, 1987.
-----, Os Açores nas Encruzilhadas de Setecentos (1740-1770), 2 vols, Ponta Delgada, Universidade dos
Açores, 1993-1995.
MENDES, Isabel M. R., O Mosteiro de Guadalupe e Portugal. Séculos XIV-XVIII. Contribuição para o
Estudo da Religiosidade Peninsular, Lisboa, Junta Nacional de Investigação Científica e
Tecnológica, 1994.
1640: La Monarquia Hispánica en Crisis, prólogo de Antonio Domínguez Ortiz, Barcelona, Crítica,
1992.
MILHEIRO, Maria Manuela de Campos, Braga. A Cidade e a Festa no século XVIII, Guimarães, Núcleo
de Estudos da População e Sociedade, 2003.
Modos de Governar. Ideias e Práticas Políticas no Império Português séculos XVI a XIX, organização de
Maria Fernanda Bicalho e Vera Lúcia Amaral Ferlini, São Paulo, Alameda, 2005.
Mulheres (As) perante os Tribunais do Antigo Regime na Península Ibérica, coordenação de Isabel
Drumond Braga e de Margarita Torremocha Hernández, Coimbra, Imprensa da Universidade de
Coimbra, 2015.
Municípios (Os) no Portugal Moderno. Dos Forais Manuelinos às Reformas Liberais, direcção de
Mafalda Soares da Cunha e Teresa Fonseca, Lisboa, Colibri, Évora, Centro Interdisciplinar de
História, Cultura e Sociedades da Universidade de Évora, 2005.
OLIVEIRA, António de, Movimentos Sociais e Poder em Portugal no século XVII, Coimbra,
Universidade de Coimbra, 2002.
-----, Poder e Oposição Política em Portugal no Período Filipino (1580-1640), Lisboa, Difel, 1991.
OLIVEIRA, Miguel de, Privilégios do Cabido da Sé Patriarcal de Lisboa, Lisboa, União Gráfica, 1950.
PAIVA, José Pedro, Baluartes da Fé e da Disciplina. O Enlace entre a Inquisição e os Bispos em
Portugal (1536-1750). Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra, 2011.
-----, Os Bispos de Portugal e do Império (1495-1777), Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra,
2006.
-----, Bruxaria e Superstição num País sem “Caça às Bruxas”. 1600-1774, Lisboa, Editorial Notícias,
1997.
-----, Práticas e Crenças Mágicas. O Medo e a Necessidade dos Mágicos na Diocese de Coimbra (1650-
1740), Coimbra, Minerva, 1992.
PALOMO, Federico, A Contra-Reforma em Portugal 1540-1700, Lisboa, Horizonte, 2005. ***
-----, Fazer dos Campos Escolas Excelentes. Os Jesuítas de Évora e as Missões do Interior em Portugal
(1551-1630), Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e a Tecnologia,
2003.
PARDAL, Rute, Práticas de Caridade e Assistência em Évora (1650-1750), Lisboa, Colibri, Évora,
CIDEHUS, 2015.
PENTEADO, Pedro, Peregrinos da Memória. O Santuário de Nossa Senhora da Nazaré. 1600-1785,
Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Centro de Estudos de História Religiosa, 1998.
PEREIRA, Consiglieri Sá, A Restauração vista de Espanha. Histórias de Portugueses contadas por
Espanhóis, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1933.
PIMENTEL, António Filipe, Arquitectura e Poder. O Real Edifício de Mafra, 2.ª edição, Lisboa,
Horizonte, 2002.
PITA, João Rui, Farmácia, Medicina e Saúde Pública em Portugal (1772-1836), Coimbra, Minerva,
1996.
Portugaliae Monumenta Misericordiarum. Fazer a História das Misericórdias, coordenação científica de
João Pedro Paiva, vol. 1, [Lisboa], União das Misericórdias Portuguesas, 2002…
REIS, Maria de Fátima, Os Expostos em Santarém. A Acção Social da Misericórdia (1691-1710), Lisboa,
Cosmos, 2001.
-----, Santarém no Tempo de D. João V. Administração, Sociedade e Cultura, Lisboa, Colibri, 2005.

11
Religious Cerimonials and Images: Power and Social Meaning (1400-1750), direcção de José Pedro
Paiva, Viseu, Coimbra, Palimage, Centro de História da Sociedade e da Cultura, 2002.
RIBEIRO, Ana Sofia Vieira, Convívios Difíceis. Viver, Sentir e Pensar a Violência no Porto de
Setecentos (1750-1772), Porto, CITCEM, Edições Afrontamento, 2012.
RODRIGUES, José Damião, Poder Municipal e Oligarquias Urbanas. Ponta Delgada no Século XVII,
Ponta Delgada, Instituto Cultural de Ponta Delgada, 1994.
SÁ, Isabel dos Guimarães, A Circulação de Crianças na Europa do Sul: o Caso dos Expostos do Porto
no século XVIII, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Junta Nacional de Investigação
Científica e Tecnológica, 1995.
-----, As Misericórdias Portuguesas de D. Manuel I a Pombal, Lisboa, Horizonte, 2001. ***
SANTOS, Cândido dos, Os Jerónimos em Portugal. Das Origens aos Fins do século XVII, Porto,
Instituto Nacional de Investigação Científica, 1980.
SANTOS, Eugénio dos, “Missões do Interior em Portugal na Época Moderna: Agentes, Métodos e
Resultados”, Arquipélago. Ciências Humanas, vol. 6, Ponta Delgada, 1984, pp. 29-65.
-----, O Oratório no Norte de Portugal. Contribuição para o Estudo da História Religiosa e Social, Porto,
Instituto Nacional de Investigação Científica, 1992.
SANTOS, Joaquim José Carvalhão, Literatura e Política. Pombalismo e Antipombalismo, Coimbra,
Minerva, 1991.
SCHAUB, Jean-Frédéric, Portugal na Monarquia Hispânica (1580-1640), Lisboa, Livros Horizonte,
2001.
SERRÃO, Joaquim Veríssimo, O Marquês de Pombal. O Homem, o Diplomata e o Estadista, 2.ª edição,
Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, 1987.
SERRÃO, Vítor, “José de Avelar Rebelo e a Pintura ‘Restauracionista’ de Expressão Anti-Castelhana”,
Lusíada – História, n.º 4, Lisboa, 1995, pp. 293-316.
SILVA, Abílio Diniz, Testamento Político de D. Luís da Cunha, Lisboa, Biblioteca Nacional, 2013.
SILVA, Amélia Maria Polónia da, O Cardeal Infante D. Henrique, Arcebispo de Évora. Um Prelado no
Limiar da Viragem Tridentina, Porto, Edição do Autor, 2005.
-----, “Recepção do Concílio de Trento em Portugal: as Normas Enviadas pelo Cardeal D. Henrique aos
Bispos do Reino, em 1553”, Revista da Faculdade de Letras. História, 2.ª série, vol. 7, Porto,
1990, pp. 133-143.
SILVA, António Pereira da, A Questão do Sigilismo em Portugal no Século XVIII. História, Religião e
Política nos Reinados de D. João V e D. José I, Braga, Editorial Franciscana, 1964.
SILVA, Francisco Ribeira da, “A Diplomacia Secreta de Filipe II em Portugal e os Mesteirais de Lisboa
(1579-1580)”, Estudos em Homenagem a Jorge Borges de Macedo, Lisboa, Instituto Nacional de
Investigação Científica, 1992, pp. 241-264.
-----, “O Porto e as Cortes no século XVII ou os Concelhos e o Poder Central em Tempos de
Absolutismo”, Revista da Faculdade de Letras. História, 2.ª série, vol. 10, Porto, 1993, pp. 9-68.
-----, “Venalidade e Hereditariedade dos Ofícios Públicos em Portugal nos Séculos XVI e XVII. Alguns
Aspectos”, Revista de História, vol. 8, Porto, 1988, pp. 203-213.
SILVA, Hugo Ribeiro da, O Cabido da Sé de Coimbra. Os Homens e a Instituição (1620-1670), Lisboa,
Instituto de Ciências Sociais, 2010.
SOARES, António Franquelim Sampaio Neiva, A Arquidiocese de Braga no Século XVII. Sociedade e
Mentalidades pelas Visitações Pastorais (1550-1700), Braga, [s.n.], 1997.
SOARES, Nair de Nazaré Castro, O Príncipe Ideal no século XVI e a Obra de D. Jerónimo Osório,
Coimbra, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1994.
Sociabilidades na Vida e na Morte (séculos XVI-XX), coordenação de Maria Marta Lobo de Araújo e
outros, Braga, CITCEM, 2014.
SOUSA, Ivo Carneiro de, “O Poder visto por um Caleidoscópio. Representações Culturais do Príncipe e
da Sociedade Portuguesa do Renascimento”, Problemáticas em História Cultural, Porto,
Universidade do Porto, Instituto de Cultura Portuguesa, 1987.
SOUSA, Ivo Carneiro de, Da Descoberta da Misericórdia à Fundação das Misericórdias (1498-1525),
Porto, Granito Editores, 1999.
SUBTIL, José Manuel Louzada Lopes, O Desembargo do Paço (1750-1833), Lisboa, Universidade
Autónoma de Lisboa, 1996.
Tempo (O) de Vasco da Gama, direcção de Diogo Ramada Curto, [Lisboa], Comissão Nacional para as
Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, Comissariado para o Pavilhão de Portugal –
Expo 98, Difel, 1998.
TORGAL, Luís Reis, Ideologia Política e Teoria do Estado na Restauração, 2 vols, Coimbra, Biblioteca
Geral da Universidade de Coimbra, 1982.

12
VALENSI, Lucette, Fábulas da Memória. A Gloriosa Batalha dos Três Reis, tradução de João Carlos
Alvim e Fernando Tomaz, Porto, Asa, 1996.
VALLADARES, Rafael, La Conquista de Lisboa. Violencia Militar y Comunidad Política en Portugal,
1578-1583, Madrid, Marcial Pons, 2008.
-----, Felipe IV y la Restauración de Portugal, Málaga, Algazara, 1994.
-----, La Rebelión de Portugal. Guerra, Conflicto y Poderes en la Monarquía Hispánica (1640-1680),
[Valladolid], Junta de Castilla y León, 1998.
VENTURA, António, A Guerra das Laranjas. A Perda de Olivença. 1796-1801, Lisboa, Prefácio, 2004.
VIDIGAL, Luís, O Municipalismo em Portugal no Século XVIII. Elementos para a Caracterização da
Sociedade e Instituições Locais no fim do “Antigo Regime”, Lisboa, Horizonte, 1989.
Vozes da Vida Religiosa Feminina. Experiências, Textualidades e Silêncios (séculos XV-XXI),
coordenação de João Luís Fontes, Maria Filomena Andrade, Tiago Pires Marques, Lisboa,
Centro de Estudos de História Religiosa, 2015.
XAVIER, Ângela Barreto, “El Rei aonde póde, & não aonde quer”. Razões da Política no Portugal
Seiscentista, Lisboa, Colibri, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa,
1998.

4. Economia

ALMEIDA, A. A. Marques de, Capitais e Capitalistas no Comércio da Especiaria. O Eixo Lisboa –


Antuérpia (1501-1549). Aproximação a um Estudo de Geofinança, Lisboa, Cosmos, 1993.
ALMEIDA, Luís Ferrand de, Páginas Dispersas. Estudos de História Moderna de Portugal, Coimbra,
Universidade de Coimbra, Faculdade de Letras, Instituto de História Económica e Social, 1995.
-----, “Problemas do Comércio Luso-Espanhol nos Meados do século XVIII”, Revista de História
Económica e Social, n.º 8, Lisboa, 1981, pp. 95-131.
AMARAL, Maria Valentina Cotta do, Privilégios de Mercadores Estrangeiros no Reinado de D. João
III, Lisboa, Instituto de Alta Cultura, 1965.
CAPELA, José Viriato, Entre-Douro e Minho 1750-1830. Finanças, Administração e Bloqueamentos
Estruturais no Portugal Moderno, 3 vols, Braga, Dissertação de Doutoramento em História
Moderna e Contemporânea apresentada à Universidade do Minho, 1987.
-----, Os Votos de Santiago no Arcebispado de Braga. Para o Estudo das Rendas Eclesiásticas durante o
Antigo Regime, separata de O Distrito de Braga, 2.ª série, n.º 4, Braga, 1979.
CARDOSO, António Barros, Baco e Hermes. O Porto e o Comércio Interno e Externo dos Vinhos do
Douro (1700-1756), 2 vols, Porto, Grupo de Estudos de História da Viticultura Duriense e do
Vinho do Porto, 2003.
CARREIRA, António, As Companhias Pombalinas de Grão-Pará e Maranhão e Pernambuco e Paraíba,
Lisboa, Presença, 1983.
COELHO, António Borges, Quadros para uma Viagem a Portugal no século XVI, Lisboa, Caminho,
1986.
-----, Tudo é Mercadoria. Sobre o Percurso e a Obra de João de Barros, Lisboa, Caminho, 1992.
Comunicações (As) na Idade Moderna, coordenação de Margarida Sobral Neto, Lisboa, Fundação
Portuguesa das Comunicações, 2005.
CORTE REAL, Manuel Henrique, A Feitoria Portuguesa na Andaluzia. 1500-1532, Lisboa, Instituto de
Alta Cultura, 1967.
COSTA, Maria Leonor Freire, Naus e Galeões na Ribeira de Lisboa. A Construção Naval no Século XVI
para a Rota do Cabo, Cascais, Patrimonia, 1997.
CRUZ, António, Algumas Observações sobre a Vida Económica e Social da Cidade do Porto nas
Vésperas de Alcácer-Quibir, Porto, Biblioteca Pública Municipal, 1967.
CRUZ, Maria Leonor Garcia da, A Governação de D. João III: A Fazenda Real e os seus Vedores,
Lisboa, Centro de História da Universidade de Lisboa, 2001.
CRUZ, Maria do Rosário de Sampaio Themudo Barata de Azevedo, O Sistema de Distribuição das
Cargas nas Armadas da Índia, Lisboa, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1988.
DIAS, Luís Fernando de Carvalho, Luxo e Pragmáticas no Pensamento Económico do século XVIII,
separata do Boletim de Ciências Económicas, vol. IV, n.º 2-3, vol. V, n.º 1-2-3, Coimbra, 1956-
58.
DOMINGUES, Francisco Contente, Os Navios do Mar Oceano. Teoria e Empiria na Arquitectura Naval
Portuguesa dos séculos XVI e XVII, Lisboa, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras,
Centro de História, 2004.
FARIA, Ana Maria Homem Leal de, Duarte Ribeiro de Macedo. Um Diplomata Moderno (1618-1680),
Lisboa, Ministério dos Negócios Estrangeiros, 2005.

13
FERREIRA, Jaime Alberto do Couto, A Dessacralização do Pão. Políticas de Abastecimento no Antigo
Regime: do Concelho ao Estado Iluminista, Porto, Campo das Letras, 1995.
GODINHO, Vitorino Magalhães, Mito e Mercadoria, Utopia e Prática de Navegar. Séculos XIII – XVIII,
Lisboa, Difel, 1990.
HANSON, Carl A., Economia e Sociedade no Portugal Barroco. 1668-1703, tradução de Maria Helena
Garcia, Lisboa, Dom Quixote, 1986.
História Económica de Portugal. 1700-2000, vol. 1, (O Século XVIII), organização de Pedro Lains e
Álvaro Ferreira da Silva, Lisboa, Imprensa de Ciências Sociais, 2005.
MACEDO, Jorge Borges de, Problemas de História da Indústria Portuguesa no século XVIII, 2.ª edição,
Lisboa, Querco, 1982.
-----, A Situação Económica no Tempo de Pombal. Alguns Aspectos, 3.ª edição, Lisboa, Gradiva, 1989.
MACHADO, Maria Margarida de Mendonça Vaz do Rego, Uma Fortuna do Antigo Regime: a Casa
Comercial de Nicolau Maria Raposo de Amaral, Cascais, Patrimonia, 2006.
MAGALHÃES, Joaquim Romero, O Algarve Económico. 1600-1773, Lisboa, Estampa, 1988.
-----, “Economia e Sociedade de Portugal Quinhentista”, Revista de História Económica e Social, n.º 18,
Lisboa, 1986, pp. 119-124.
-----, Para o Estudo do Algarve Económico durante o século XVI, Lisboa, Cosmos, 1970.
MARCADÉ, Jacques, Une Comarque Portugaise – Ourique – entre 1750 et 1800, Paris, Fundação
Calouste Gulbenkian, 1971.
MARQUES, A. H. de Oliveira, Portugal Quinhentista. Ensaios, Lisboa, Quetzal, 1987.
MATOS, Artur Teodoro de, Transportes e Comunicações em Portugal, Açores e Madeira (1750-1850), 2
vols, Ponta Delgada, Universidade dos Açores, 1980.
MELO, Cristina Joanez de, Coutadas Reais (1777-1824). Privilégio, Poder, Gestão e Conflito, [s.l.],
Montepio Geral, 2000.
MENESES, Avelino de Freitas de, Os Açores nas Encruzilhadas de Setecentos (1740-1770), 2 vols,
Ponta Delgada, Universidade dos Açores, 1993-1995.
MOTA, Salvador Magalhães, Cistercienses, Camponeses e Economia Rural no Minho na Época do
Antigo Regime, 2 vols, Lisboa, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2006.
NETO, Margarida Sobral, “Introdução e Expansão da Cultura da Batata na Região de Coimbra (séculos
XVII-XIX)”, Revista Portuguesa de História, tomo 29, Coimbra, 1994, pp. 55-83.
-----, Terra e Conflito. Região de Coimbra (1700-1834), Viseu, Palimage, 1997.
-----, “Uma Provisão sobre Foros e Baldios: Problemas Referentes a Terras de Logradouro Comum na
Região de Coimbra, no século XVIII”, Revista de História Económica e Social, n.º 14, Lisboa,
1984, pp. 91-101.
NUNES, Maria de Fátima, Imprensa Periódica Científica (1772-1852). Leituras de ‘Sciencia Agricola’
em Portugal, Lisboa, Estar, 2001. ***
OLIVEIRA, António de, A Vida Económica e Social de Coimbra de 1537 a 1640, 2 vols, Coimbra,
Universidade de Coimbra, 1971.
OLIVEIRA, Aurélio de, A Abadia de Tibães e o seu Domínio (1630-1680). Estudo Social e Económico,
Porto, Universidade do Porto, Faculdade de Letras, 1974.
-----, “A História Económica e Social dos séculos XVII-XVIII na Historiografia Portuguesa. 1974-1986”,
Revista de História Económica e Social, n.º 20, Lisboa, 1987, pp. 113-131.
----- “A Renda Agrícola em Portugal durante o Antigo Regime (séculos XVII-XVIII). Alguns Aspectos e
Problemas”, Revista de História Económica e Social, n.º 6, Lisboa, 1980, pp. 1-56.
OLIVEIRA, João Nunes de, A “Beira Alta” de 1700 a 1840. Gentes e Subsistências, Viseu, Palimage,
2002.
OLIVEIRA, Julieta Teixeira Marques de, Veneza e Portugal no Século XVI. Subsídios para a sua
História, Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses,
Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2000.
PEDREIRA, Jorge Miguel Viana, Estrutura Industrial e Mercado Colonial. Portugal e Brasil (1780-
1830), Lisboa, Difel, 1994. ***
PEREIRA, António dos Santos, Portugal. O Império Urgente (1475-1525), vol. 1 (Os Espaços, os
Homens e os Produtos), vol. 2 (Quadros Mentais e Aspectos do Quotidiano), [Lisboa], Imprensa
Nacional Casa da Moeda, 2003.
PEREIRA, João Cordeiro, Para a História das Alfândegas em Portugal no Início do século XVI (Vila do
Conde – Organização e Movimento), Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da
Universidade Nova de Lisboa, 1983.
-----, Portugal na Era de Quinhentos. Estudos Vários, Cascais, Patrimonia, 2003.
POLÓNIA, Amélia, A Expansão Ultramarina numa Perspectiva Local. O Porto de Vila do Conde no
século XVI, 2 vols, Lisboa, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2007.

14
RAU, Virgínia, Estudos sobre História Económica e Social do Antigo Regime, Lisboa, Presença, 1984.
REIS, Maria Cecília B. N. Rodrigues S., Do Rio Douro à Baía da Guanabara. Ensaio sobre a
Mentalidade e o Trato Mercantil Setecentista, Porto, Reitoria da Universidade do Porto,
Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1997.
RIBEIRO, Ana Isabel Sampaio, A Comunidade das Eiras nos finais do século XVIII. Estrutura, Redes e
Dinâmicas Sociais, Coimbra, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2005.
RODRIGUES, Manuel Ferreira, MENDES, José M. Amado, História da Indústria Portuguesa. Da Idade
Média aos nossos Dias, Mem Martins, Europa-América, Associação Industrial Portuense, 1999.
SILVA, Célia Maria Taborda da, O Mosteiro de Ganfei. Propriedade, Produção e Rendas no Antigo
Regime (1629-1683 e 1716-1822), Lisboa, Fragmentos, 1994.
SILVA, Francisco Ribeiro da, O Porto e o seu Termo. 1580-1640, Os Homens, as Instituições e o Poder,
2 vols, Porto, Câmara Municipal, Arquivo Histórico, 1988.
SILVA, Maria Beatriz Nizza da, Ser Nobre na Colónia, São Paulo, Editora UNESP, 2005.
SOUSA, Fernando de, “Os Votos de Santiago na Comarca de Moncorvo (século XVIII)”, Estudos de
História de Portugal. Homenagem a A. H. de Oliveira Marques, vol. 2, Lisboa, Estampa, 1983,
pp. 203-226.
TAVARES, Maria José Ferro, “Os Sinais dos Tempos: para o Estudo do Clima e do Litoral Português”,
Evolução Geohistórica do Litoral Português e Fenómenos Correlativos. Geologia, História,
Arqueologia e Climatologia. Actas, António Augusto Tavares, Maria José Ferro Tavares, João
Luís Cardoso, Lisboa, Universidade Aberta, 2004, pp. 451-515.
Tempo (O) de Vasco da Gama, direcção de Diogo Ramada Curto, [Lisboa], Comissão Nacional para as
Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, Comissariado para o Pavilhão de Portugal –
Expo 98, Difel, 1998.
Tratado (O) de Methuen (1703), Lisboa, Horizonte, 2003.
VAZ, Francisco António Lourenço, Instrução e Economia. As Ideias Económicas no Discurso da
Ilustração Portuguesa (1746-1820), Lisboa, Colibri, 2002.

5. As Realidades Culturais

ADÃO, Áurea, Estado Absoluto e Ensino das Primeiras Letras. As Escolas Régias (1772-1794), Lisboa,
Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.
ALBUQUERQUE, Martim de, “Biblos” e “Polis”. Bibliografia e Ciência Política em D. Vicente
Nogueira (Lisboa, 1585 – Roma, 1654), Lisboa, Vega, 2005.
ALMEIDA, A. A. Marques de, Aritmética como Descrição do Real. Contributos para a Formação da
Mentalidade Moderna em Portugal (1519-1679), 2 vols, Lisboa, Comissão Nacional para as
Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1994.
ALMEIDA, Joana Estorninho de, A Forja dos Homens. Estudos Jurídicos e Lugares de Poder no século
XVII, Lisboa, Universidade de Lisboa, Instituto de Ciências Sociais, 2004.
ALVES, José Augusto dos Santos, A Opinião Pública em Portugal (1780-1820), Lisboa, Universidade
Autónoma, 2000.
ANDRADE, António Alberto Banha de, Vernei e a Cultura do seu Tempo, Coimbra, Acta Universitatis
Conimbrigensis, 1965.
Animais e Companhia na História de Portugal, coordenação de Isabel Drumond Braga e Paulo Drumond
Braga, Lisboa, Círculo de Leitores, 2015.
ANSELMO, Artur, Estudos de História do Livro, Lisboa, Guimarães Editores, 1997.
-----, Livros e Mentalidades, Lisboa, Guimarães Editores, 2002.
ARAÚJO, Ana Cristina, A Cultura das Luzes em Portugal. Temas e Problemas, Lisboa, Livros
Horizonte, 2002.
-----, “Escrita e Segredo. Correspondência Amorosa de uma Aristocrata nos primeiros anos da Guerra da
Restauração”, Revista de História da Sociedade e da Cultura, vol. 4, Coimbra, 2004, pp. 105-
147.
-----, A Morte em Lisboa. Atitudes e Representações. 1700-1830, Lisboa, Notícias, 1997.
-----, O Terramoto de 1755. Lisboa e a Europa, Lisboa, Clube de Coleccionadores dos Correios, 2005.
BARREIROS, Bruno, Concepções do Corpo no Portugal do século XVIII. Sensibilidade, Higiene e
Saúde Pública, Vila Nova de Famalicão, Húmus, 2016.
BARRETO, Luís Filipe, Damião de Góis. Os Caminhos de um Humanista, [Lisboa], Correios e
Telecomunicações de Portugal, 2002.
BELO, André, As Gazetas e os Livros. A Gazeta de Lisboa e a Vulgarização do Impresso (1715-1760),
Lisboa, Instituto de Ciências Sociais, 2001.

15
BRAGA, Isabel M. R. Mendes Drumond, Cultura, Religião e Quotidiano. Portugal (século XVIII),
Lisboa, Hugin Editores, 2005.
-----, Herança (A) das Américas. Trópico das Cores e dos Sabores, Lisboa, CTT, 2007.
-----, Menus (Os) em Portugal. Para o Estudo das Artes de Servir à Mesa, Lisboa, Chaves Ferreira, 2006.
-----, Primeiro (Do) Almoço à Ceia. Estudos de História da Alimentação, Sintra, Colares Editora, 2004.
-----, Sabores e Segredos. Receituários Conventuais Portugueses da Época Moderna, Coimbra, Imprensa
da Universidade de Coimbra, Annablume, 2015. Disponível on line em
https://www.academia.edu/17868011/.
-----, Viver e Morrer nos Cárceres do Santo Ofício, Lisboa, A Esfera dos Livros, 2015.
BRAGA, Isabel Drumond, MOURÃO, Maria Elsa, “Género e Discurso Proverbial no Portugal
Moderno”, Faces de Eva, n.º 33, Lisboa, 2015, pp. 83-102.
BRAGA, Paulo Drumond, “Comportamentos Colectivos perante a Doença Régia em Portugal em Meados
do Século XVIII”, Anastácio da Cunha. 1744 / 1787. O Matemático e o Poeta. Actas do
Colóquio Internacional seguidas de uma Antologia de Textos, [Lisboa], Imprensa Nacional –
Casa da Moeda, 1990, pp. 261-279.
-----, “A Doença de D. João V como tema da Oratória Barroca: o Problema da ‘Cura’ ”, I Congresso
Internacional do Barroco. Actas, vol. I, Porto, Reitoria da Universidade do Porto, Governo Civil
do Porto, 1991, pp. 167-175.
BRIGOLA, João Carlos Pires, Colecções, Gabinetes e Museus no século XVIII, Lisboa, Fundação
Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e a Tecnologia, 2003.
BUESCU, Ana Isabel, A Livraria Renascentista de D. Teodósio I, Duque de Bragança, Lisboa,
Biblioteca Nacional de Portugal, 2016.
CARDOSO, António M. de Barros, Ler na Livraria de Frei Francisco de São Luís Saraiva, Ponte de
Lima, Câmara Municipal de Ponte de Lima, 1995.
CAROLINO, Luís Miguel, Ciência, Astrologia e Sociedade. A Teoria da Influência Celeste em Portugal
(1593-1755), Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e a Tecnologia,
2003.
CHAVES, Castelo Branco, Os Livros de Viagem em Portugal no Século XVIII e a sua Projecção
Europeia, Lisboa, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1987.
CUNHA, Norberto Ferreira da, Elites e Académicos na Cultura Portuguesa Setecentista, Lisboa,
Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2001.
CURTO, Diogo Ramada, Cultura Escrita. (séculos XV a XVIII), Lisboa, Instituto de Ciências Sociais,
2007.
-----, Cultura Política no Tempo dos Filipes (1580-1640), Lisboa, Edições 70, 2011.
CURTO, Diogo Ramada, DOMINGOS, Manuela D., FIGUEIREDO, Dulce, GONÇALVES, Paula, As
Gentes do Livro, Lisboa, Biblioteca Nacional, 2007.
DIAS, João José Alves, Craesbeeck. Uma Dinastia de Impressores em Portugal. Elementos para o seu
Estudo, Lisboa, Associação Portuguesa de Livreiros Alfarrabistas, 1986.
DIAS, José Sebastião da Silva, A Política Cultural na Época de D. João III, vol. I, tomos I e II, Coimbra,
Universidade de Coimbra, 1969.
DOMINGOS, Manuela D., Livreiros de Setecentos, Lisboa, Biblioteca Nacional, 2000.
FLOR, Susana Varela, FLOR, Pedro, Pintores de Lisboa. Séculos XVII-XVIII. A Irmandade de São
Lucas, Lisboa, Scribe, 2016.
FERREIRA, António Gomes, Gerar, Criar, Educar. A Criança no Portugal do Antigo Regime, Coimbra,
Quarteto, 2000.
FONSECA, Fernando Taveira da, “A Imprensa da Universidade no Período de 1537 a 1772”, Imprensa
da Universidade de Coimbra. Uma História dentro da História, Coimbra, Imprensa da
Universidade, 2001, pp. 7-52.
-----, A Universidade de Coimbra (1700-1770). Estudo Social e Económico, Coimbra, Acta Universitatis
Conimbrigensis, 1995.
Global (The) City. On the Streets of Renaissance Lisbon, coordenação de Annemarie Jordan Gschwend e
K. J. P. Lowe, Londres, Paul Holberton publishing, 2015.
GOMES, Ana Cristina da Costa, Diogo de Sá. Os Horizontes de um Humanista, Lisboa, Prefácio, 2004.
GONÇALVES, Maria Filomena, As Ideias Ortográficas em Portugal de Madureira Feijó a Gonçalves
Viana (1734-1911), Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e a
Tecnologia, 2003.
GUEDES, Fernando, Os Livreiros em Portugal e as suas Associações desde o século XV aos nossos dias.
Subsídios para a sua História, 2.ª edição revista e aumentada, Lisboa, Verbo, 2005.
HATHERLY, Ana, A Experiência do Prodígio. Bases Teóricas e Antologia de Textos-Visuais
Portugueses dos Séculos XVII e XVIII, [Lisboa], Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1983.

16
-----, O Ladrão Cristalino. Aspectos do Imaginário Barroco, Lisboa, Cosmos, 1997.
Jogos (Os) Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Ao Serviço de Boas Causas, Lisboa, Santa
Casa da Misericórdia de Lisboa, 2004.
História da Vida Privada em Portugal, direcção de José Mattoso, vol. 3, coordenação de Nuno Gonçalo
Monteiro, Lisboa, Círculo de Leitores, 2010.
KANTOR, Irís, Esquecidos e Renascidos. Historiografia Acadêmica Luso-Americana (1724-1759), São
Paulo, Hucitec, Salvador, Universidade Federal da Baia, Centro de Estudos Baianos, 2004.
LISBOA, João Luís, “Almanaques”, Os Sucessores de Zacuto. O Almanaque na Biblioteca Nacional do
século XV ao XXI, coordenação de Rosa Maria Galvão, Lisboa, Biblioteca Nacional, 2002, pp.
11-23.
-----, Ciência e Política. Ler nos Finais do Antigo Regime, Lisboa, Instituto Nacional de Investigação
Científica, 1991.
-----, “Le Statut du Gazetier dans le Portugal de la première Moitiè du XVIII siécle”, Gazettes et
Information Politique sous l’Ancien Régime, direcção de Henri Duranton e Pierre Rétat, Saint-
Etiénne, Université de Saint-Étienne, 1999, pp. 77-85.
LOPES, Maria Antónia, Mulheres, Espaço e Sociabilidade. A Transformação dos Papéis Femininos em
Portugal à Luz de Fontes Literárias (2.ª Metade do Século XVIII), Lisboa, Horizonte, 1989.
MACEDO, Jorge Borges de, Estrangeirados um Conceito a rever, Lisboa, Edições do Templo, [s.d.].
MACHADO, José Alberto Gomes, Um Coleccionador Português do século das Luzes: D. Frei Manuel
do Cenáculo Vilas-Boas, Arcebispo de Évora, Évora, Publicações Ciência e Vida, 1987.
MACHADO, Fernando Augusto, Educação e Cidadania na Ilustração Portuguesa: Ribeiro Sanches,
Porto, Campo das Letras, 2001.
MAGALHÃES, Justino Pereira de, Ler e Escrever no Mundo Rural do Antigo Regime. Um Contributo
para a História da Alfabetização e da Escolarização em Portugal, Braga, Universidade do
Minho, 1994.
MARQUILHAS, Rita, A Faculdade das Letras. Leitura e Escrita em Portugal no Séc. XVII, Lisboa,
Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2000.
MARTINS, José V. de Pina, Humanisme et Renaissance de l’ Italie au Portugal. Les Deux Regards de
Janus, 2 vols, Lisboa, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian, 1989.
MARTINS, Maria Teresa Esteves Payan, A Censura Literária em Portugal nos séculos XVII e XVIII,
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e Tecnologia, 2005.
-----, Livros Clandestinos e Contrafacções em Portugal no século XVIII, Lisboa, Colibri, 2012.
MENDES, António Rosa, Ribeiro Sanches e o Marquês de Pombal. Intelectuais e Poder no Absolutismo
Esclarecido, Cascais, Patimonia, 1998.
Mesa (A) dos Reis de Portugal. Ofícios, Consumos, Cerimónias e Representações (séculos XIII-XVIII),
coordenação de Ana Isabel Buescu e David Felismino, Lisboa, Círculo de Leitores, 2011.
MILHEIRO, Maria Manuela de Campos, Braga. A Cidade e a Festa no século XVIII, Guimarães, Núcleo
de Estudos da População e Sociedade, 2003.
MONTEIRO, Miguel Corrêa, Inácio Monteiro (1724-1812). Um Jesuíta Português na Dispersão, Lisboa,
Centro de História da Universidade de Lisboa, 2004.
-----, Os Jesuítas e o Ensino Médio, Lisboa, Academia Portuguesa da História, 2011.
MONTEIRO, Nuno Gonçalo, COSTA, Fernando Dores, D. João Carlos de Bragança, 2.º Duque de
Lafões. Uma Vida singular no século das Luzes, Lisboa, Inapa, 2006.
MORUJÃO, Isabel, Por Trás das Grades. Poesia Conventual Feminina em Portugal (séculos XVI-XVIII),
Lisboa, INCM, 2013.
MOTA, Isabel Ferreira da, A Academia Real da História. Os Intelectuais, o Poder Cultural e o Poder
Monárquico no século XVIII, Coimbra, Minerva, 2003.
NOGUEIRA, Carlos, Literatura de Cordel Portuguesa: História, Teoria e Interpretação, Lisboa, Apenas
Livros, 2003.
PATRÍCIO, Ana Videira, Escolarização e Vulgarização Cultural no Porto na Época dos Almadas, Porto,
Câmara Municipal, Arquivo Histórico, 2000.
PEREIRA, Belmiro Fernandes, Retórica e Eloquência em Portugal na Época do Renascimento, Lisboa,
INCM, 2012.
PIRES, Maria da Conceição Ferreira, Os Académicos Eborenses na primeira metade de Seiscentos. A
Poética e a Autonomização do Literato, Lisboa, Colibri, Évora, Centro Interdisciplinar de
História, Culturas e Sociedades, 2006.
PIRES, Maria Lucília Gonçalves, Poetas do Período Barroco, apresentação crítica, antologia e sugestões
para análise literária, 2.ª edição, Lisboa, Duarte Reis, 2003.
PIWNIK, Marie-Hélène, Echanges Erudits dans la Péninsule Ibérique (1750-1767), Paris, Fundação
Calouste Gulbenkian, Centro Cultural Português, 1987.

17
RAMOS, Ana Margarida, Os Monstros na Literatura de Cordel Portuguesa do século XVIII, Lisboa,
Colibri, IELT, 2008.
RAMOS, Luís A. de Oliveira, Da Ilustração ao Liberalismo. Temas Históricos, Porto, Lello & Irmão,
1979.
-----, Sob o Signo das “Luzes”, [Lisboa], Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1988.
ROCHA, Manuel Inácio da, O Real Colégio das Chagas. Instrução de Meninas em Viana (1778-1884),
Viana do Castelo, Governo Civil de Viana do Castelo, Centro de Estudos Regionais, 1996.
SANTOS, Maria José Azevedo, Assina quem sabe e lê quem pode, leitura, transcrição e estudo de um rol
de moradias da Casa da Rainha D. Catarina de Áustria (1526), Coimbra, Imprensa da
Universidade, 2004.
SILVA, Francisco Ribeiro da, “Alfabetização no Antigo Regime. O Caso do Porto e da sua Região (1580-
1650)”, Revista da Faculdade de Letras. História, 2.ª série, vol. 3, Porto, 1986, pp. 101-163.
-----, “Barroco e Escolarização: Taxas de Alfabetização no Porto nos inícios do século XVIII”, I
Congresso Internacional do Barroco. Actas, vol. 2, Porto, Reitoria da Universidade do Porto,
Governo Civil do Porto, 1991, pp. 451-461.
-----, “O Ensino Público em Portugal no século XVII: Avanços e Recuos”, 1.º Encontro de História da
Educação em Portugal. Comunicações, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1988, pp. 115-
124.
TENGARRINHA, José, História da Imprensa Periódica Portuguesa, 2.ª edição, revista e aumentada,
Lisboa, Caminho, 1989.
VARELA, Alex Gonçalves, “juro-lhe pela honra de bom vassalo e bom português”. Análise das
Memórias Científicas de José Bonifácio de Andrada e Silva (1780-1819), São Paulo,
Annablume, 2006.

18