Você está na página 1de 48

◆ PUBLICIDADE

AS REFORMAS E BANCA
BANCA
B A DESAFIOS DA BANCA BA
BANCA

ANGOLANA
NO ÂMBITO DO
Info Line: +244 921 358 582 | conferencias@expansao.co.ao
PROGRAMA
ECONÓMICO DO FMI

Tribunal de Contas
revela pagamento
ilegal de 17 milhões
DIRECTOR CARLOS FERREIRA
EDIÇÃO N.º
589 | 14 DE JUNHO DE 2019
USD a privados
LUANDA 700 KWANZAS

Recuperação de activos

Manuel Vicente e
Kopelipa deixam
de controlar
31% do Banco
Económico | P36

Recomendações

Executivo tem
até Setembro
para atender
às exigências
da OIT | P08
■ D.R.

ESPECIAL INFORMAÇÃO SOCIEDADE ECONOMIA DOSSIER


DENÚNCIA Sérgio Moro e PIRATARIA Sonangol SAÚDE Hospitais sem
procurador combinaram continua a braços com aterros próprios para
sentença de Lula | P02 as consequências do tratar lixo | P24
ataque cibernético | P30

POLÍTICA
MPLA Pombolo afasta
INE Luanda e Huíla expulsão de Tchizé, mas
lideram índice de jovens vai analisar acusação de
sem escolaridade | P18 «ditador» a JLo | P06
Editorial Especial Informação

THE INTERCEPT — «AS MENSAGENS SECRETAS DA LAVA JATO»

Um dia talvez aprendam


a respeitar-nos Sergio Moro
P
assaram-se mais de quatro décadas desde que escolhemos esta
profissão. Para a vida. Não nos enganaram quando no-la descreveram
como uma opção pouco propícia a grandes alegrias ou a grandes
resultados, quer do ponto de vista material quer da projecção da nossa acção
junto daqueles para quem dirigimos o nosso trabalho.
E fomos sentindo, das mais diversas maneiras, que o resultado de milhares
de quilómetros de textos, artigos, opiniões, crónicas, críticas, elogios,
e procurador
combinaram
pensamentos, previsões, constatações terá surtido algum efeito entre o(a)s
pouco(a)s que, teimosamente, nunca nos deixaram de ler, de ouvir ou de ver.
Nunca pretendemos ser donos de todas as verdades nem cidadãos acima do
comum dos mortais, sujeitos, por isso, a erros, a visões erradas, a pontos de
vista discutíveis, como tudo na vida.

sentença de
Nunca andámos a alardear o que fizemos ou deixámos de fazer mas, ao
mesmo tempo, sempre nos recusámos a viver em cima do muro, fingindo que
não víamos o que se passava à nossa volta.
Estando à vista de todos o que fizemos, fazemos e continuaremos a fazer,
ganhámos consciência de que éramos mais vulneráveis que praticamente todos

Lula da Silva
os outros. Que os juízos de valor seriam sempre repartidos entre a
concordância e a discordância, entre o assentimento e a reacção contrária e,
em alguns momentos mais difíceis, entre o que gostavam que escrevêssemos e
o que a nossa consciência nos dizia para fazer.
Também aí aprendemos que o unanimismo é o pior inimigo do progresso e
da democracia. Que a concordância cega e absoluta não é saudável para
ninguém, como não o é o acto de discordar só por discordar, sem um
pensamento alternativo, sem propostas concretas, sem fundamentar com
O The Intercept Brasil acaba de publicar três
inteligência e consciência o que está(va) errado e corria mal. matérias exclusivas e explosivas baseadas em
A nossa escola profissional — ao contrário do que hipocritamente alguns
vão tentando vender desde há muitos anos, contrariando em si mesmo à mensagens trocadas entre integrantes da Lava
partida o que dizem defender — nunca passou por “vender” uma imagem
supostamente isenta, acima de tudo e de todos. Nunca se vestiu de uma
Jato em Curitiba, como o procurador Deltan
pretensa ausência de opinião, em nome de um afastamento político e cívico de Dallagnol, e outras pessoas importantes, como o
cada acontecimento, o que não seria, desde logo, humanamente possível.
Nunca se cingiu aos factos, como pretendem os grandes mecanismos da ex-juiz Sergio Moro. As conversas foram obtidas
comunicação social mundial, que nos enganam todos os dias, pois só nos
apresentam os factos que lhes interessam e na perspectiva do que possa
há algumas semanas pelo The Intercept através
defender os privilégios e as prerrogativas dos grandes grupos económicos a de uma fonte anónima. As reportagens dão início
que estão sempre associados.
à série «As mensagens secretas da Lava Jato».
Também aí aprendemos que o unanimismo ◗ THE INTERCEPT BRASIL
é o pior inimigo do progresso e da democracia. A Lava Jato foi a saga investigativa que le- seu trabalho em segredo, impedindo o
Que a concordância cega e absoluta vou à prisão o ex-presidente Lula no últi- público de avaliar a validade das acusa-
mo ano. Uma vez sentenciado por Sergio ções contra eles. É isso que torna este
não é saudável para ninguém Moro, sua condenação foi rapidamente acervo tão valioso do ponto de vista jor-
confirmada em segunda instância, tor- nalístico: pela primeira vez, o público
nando-o inelegível no momento em que vai tomar conhecimento do que esses
Em cada momento da nossa História, desde que passámos a ter alguma voz, todas as pesquisas mostravam que Lula juízes e procuradores estavam dizendo
tomámos posições, defendemos valores, princípios, atitudes. E pagando às — que terminou o segundo mandato, em e fazendo enquanto pensavam que nin-
vezes um preço muito alto, sempre e acima de tudo de acordo com a nossa 2010, com 87% de aprovação — liderava a guém estava ouvindo.
consciência, com a nossa perspectiva e dos seus múltiplos contornos. corrida eleitoral de 2018. Sua exclusão da As reportagens demonstram, entre ou-
Teremos errado tanto como acertámos. Teremos falhado tanto como eleição, baseada na decisão de Moro, foi tros elementos, que os procuradores da
tivemos sucesso. É mais do que evidente que continuaremos a ser o alvo mais uma peça-chave para abrir um caminho Lava Jato falavam abertamente sobre seu
fácil, mais simples, mais mediático. Porque é sempre mais fácil sermos para a vitória de Bolsonaro. A importân- desejo de impedir a vitória eleitoral do PT
criticados. Porque não podemos agradar a “gregos” e a “troianos”. E porque cia dessa reportagem aumentou ainda e tomaram atitudes para atingir esse ob-
temos sempre de contar com aqueles que, por feitio, vendo a bola redonda, são mais depois da nomeação de Moro ao jetivo; e que o juiz Sergio Moro colaborou
capazes de gritar que ela é quadrada até que nós, num assomo de desespero, Ministério da Justiça. de forma secreta e antiética com os pro-
concordamos, só para não os ter de aturar. E nesse preciso momento, respondem- Moro e os procuradores da Lava Jato são curadores da operação para ajudar a
-nos que a bola é mesmo redonda... A verdade é que, como tudo na vida, o mais figuras altamente controversas aqui e no montar a acusação contra Lula. Tudo
difícil é, sem nos pormos à venda nem servirmos de “voz do dono”, manter o mundo — tidos por muitos como heróis isso, apesar das sérias dúvidas internas
equilíbrio, a ponderação, dar voz aos que a devem ter, pô-los a discutir, a debater, anticorrupção e acusados por tantos ou- sobre as provas que fundamentaram as
ainda que tenhamos a nossa própria visão de um dado acontecimento. E, errando tros de serem ideólogos clandestinos de acusações e enquanto o juiz continuava a
ou acertando, vendo bem ou menos mal à distância, falhando ou acertando um direita, disfarçados como homens da lei fingir ser o árbitro neutro neste jogo.
prognóstico que ninguém nos possa dizer, gostando muito ou pouco do que apolíticos. Seus críticos têm insistido que O único papel do The Intercept Brasil na
fazemos, que o que nos saiu de dentro foi resultado de uma qualquer encomenda, eles exploraram e abusaram de seus po- obtenção desse material foi seu recebi-
de uma qualquer “ordem superior”, de um qualquer “favor” seja a quem for. deres na justiça com o objetivo político de mento por meio de nossa fonte, que nos
Alguns (algumas) deveriam passar por aqui, estar numa banca durante alguns evitar que Lula retornasse à Presidência e contatou há diversas semanas (bem an-
meses, ter de decidir o que pode ou não ser justo, o que pode ou não ser destruir o PT. Moro e os procuradores têm tes da notícia da invasão do celular do mi-
verdadeiro, ou que não deve ou não ser publicado. Não ficariam por aqui muito negado, com a mesma veemência, qual- nistro Moro, divulgada nesta semana, na
tempo. A menos que fossem de preço fácil. E não há nada nem ninguém que valha quer aliança ou propósito político, dizen- qual o ministro afirmou que não houve
uma consciência tranquila. Talvez um dia, só por isso, sem ser preciso gostar da do que estão apenas tentando livrar o Bra- “captação de conteúdo”) e nos informou
nossa cara ou do que escrevemos, entendam o respeito que merecemos.■ sil da corrupção. de que já havia obtido todas as informa-
Mas, até agora, os procuradores da ções e estava ansiosa para repassá-las a
Lava Jato e Moro têm realizado parte de jornalistas.

| 2 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


LAVA JATO COMPROMETIDA? ■ D.R.

Presidenciais de 2018
Procuradores
«tramaram»
para impedir
que PT
ganhasse
Em chats privados, procuradores
reagiram indignados ao saber que
ex-Presidente falaria à Folha e cele-
braram quando acção do Partido
Novo impediu a entrevista.
Em extenso lote de arquivos secretos
revela que os procuradores da Lava Ja-
to, que passaram anos insistindo que
são apolíticos, tramaram para impe-
dir que o PT ganhasse a eleição presi-
dencial de 2018, bloqueando ou enfra-
quecendo uma entrevista pré-eleitoral
com Lula com o objetivo explícito de
afetar o resultado da eleição.
Os arquivos, a que o The Intercept
teve acesso, contêm, entre outras
coisas, mensagens privadas e de
grupos da força-tarefa no aplicativo
Telegram. Neles, os procuradores da
força-tarefa em Curitiba, liderados
por Deltan Dallagnol, discutiram
formas de inviabilizar uma entre-
vista do ex-Presidente Lula da Silva à
colunista da Folha de S.Paulo Mônica
Bergamo, autorizada pelo ministro
do Supremo Tribunal Federal, Ricar-
do Lewandowski, porque, em suas
palavras, ela “pode eleger o Haddad”
ou permitir a “volta do PT” ao poder.
Os procuradores, que por anos ga-
rantiram não ter motivações políticas
Reportagens mostram que Sergio Moro colaborou de forma secreta e antiética com os procuradores da Lava Jato para ajudar a montar a acusação contra Lula
ou partidárias, manifestaram repeti-
damente nos chats a preocupação de
Informar à sociedade questões de in-
teresse público e expor transgressões fo-
◗ Os procuradores tinha o propósito de constranger pes-
soalmente o ex-presidente. Ao contrário
que a entrevista, a ser realizada a me-
nos de duas semanas do primeiro tur-
ram os princípios que nos guiaram du- [da LJ] falavam [...] deles, o The Intercept decidiu manter re- no das eleições, ajudaria o candidato à
rante essa investigação, e continuarão servada qualquer comunicação ou infor- Presidência pelo PT, Fernando Haddad.
sendo conforme continuarmos a noti- sobre seu desejo mação relacionada com Moro, Dallagnol Por isso, articularam estratégias para
ciar a enorme quantidade de dados a e outros indivíduos que seja de natureza derrubar a decisão judicial de 28 de Se-
que tivemos acesso.
de impedir a puramente privada e, portanto, despro- tembro de 2018, que a liberou — ou,
O enorme volume do acervo, assim vitória [...] do PT vida de real interesse público. caso ela fosse realizada, para garantir
como o fato de que vários documentos in- Tomamos medidas para garantir a se- que fosse estruturada de forma a redu-
cluem conversas privadas entre agentes gurança deste acervo fora do Brasil para zir seu impacto político e, assim, os be-
públicos, nos obriga a tomar decisões jor- que discutiam a possibilidade de o ex-pre- que vários jornalistas possam acessá-lo, nefícios eleitorais ao candidato do PT.
nalísticas sobre que informações deve- sidente se tornar ministro da Casa Civil), assegurando que nenhuma autoridade
riam ser noticiadas e publicadas e quais logo reproduzidas por inúmeros veículos de qualquer país tenha a capacidade de ■ D.R.

deveriam permanecer em sigilo. de mídia. A divulgação dessas ligações impedir a publicação das informações.
Ao fazer esses julgamentos, emprega- privadas foi crucial para virar a opinião Ao contrário do que tem como regra, o
mos o padrão usado por jornalistas em do público contra o PT, ajudando a prepa- The Intercept não solicitou comentários
democracias ao redor do mundo: as in- rar o terreno para o impeachment de Dil- de procuradores e outros envolvidos nas
formações que revelam transgressões ou ma em 2016 e a prisão de Lula. O princípio reportagens para evitar que eles atuas-
engodos por parte dos poderosos devem invocado para justificar essa divulgação sem para impedir sua publicação e por-
ser noticiadas, mas as que são puramen- foi o mesmo a que estamos aderindo em que os documentos falam por si. Entra-
te privadas e infringiriam o direito legíti- nossas reportagens sobre esse acervo: o mos em contato com as partes mencio-
mo à privacidade ou outros valores so- de que uma democracia é mais saudável nadas imediatamente após publicarmos
ciais devem ser preservadas. quando ações de relevância levadas a as matérias, que atualizaremos com os
A bem da verdade, ao produzir reporta- cabo em segredo por figuras políticas po- comentários assim que forem recebidos.
gens a partir desses arquivos, somos derosas são reveladas ao público. Tendo em vista o imenso poder dos
guiados pela mesma argumentação que Mas a divulgação feita por Moro e di- envolvidos e o grau de sigilo com que
levou boa parte da sociedade brasileira — versos veículos da imprensa dos diálogos eles operam — até agora —, a transpa-
aí incluídos alguns jornalistas, comenta- privados entre Lula e Dilma incluíam rência é crucial para que o Brasil tenha
ristas políticos e ativistas — a aplaudir a não apenas revelações de interesse pú- um entendimento claro do que eles
publicidade determinada pelo então juiz blico, mas também comunicações priva- realmente fizeram. A liberdade de im-
Moro das conversas telefónicas privadas das de Lula sem qualquer relevância para prensa existe para jogar luz sobre aquilo
entre a presidente Dilma Rousseff e seu a sociedade — o que levou muitas pes- que as figuras mais poderosas de nossa
Legalidade da prisão de Lula posta em causa
antecessor Luiz Inácio Lula da Silva (em soas a argumentarem que a divulgação sociedade fazem às sombras.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 |3|


Especial Informação
LAVA JATO COMPROMETIDA?

■ D.R.

Procurador «Até agora


tenho receio»
As conversas fazem parte de rios ROJ, formado pelos procuradores Sem essa ligação, o caso não poderia ser
que trabalhavam no caso. tocado em Curitiba, onde apenas ações
um lote de arquivos secretos Ele digitou: “Falarão que estamos acu- relacionadas à empresa eram objeto de
enviados ao The Intercept sando com base em notícia de jornal e investigação. A ligação do apartamento
por uma fonte anónima há indícios frágeis… então é um item que é com a corrupção na petrolífera tinha ge-
bom que esteja bem amarrado. Fora rado uma guerra jurídica nos primeiros
algumas semanas. esse item, até agora tenho receio da li- meses daquele 2016. De um lado, o Minis-
◗ THE INTERCEPT BRASIL gação entre Petrobras e o enriqueci- tério Público do Estado de São Paulo. Do
mento, e depois que me falaram to com outro, a força-tarefa de Curitiba.
Faltavam apenas quatro dias para que a receio da história do apto… São pontos Caso o caso ficasse em São Paulo, não
denúncia que levaria o ex-presidente Luiz em que temos que ter as respostas ajus- seria julgado por Sergio Moro, o atual mi-
Revelações deixam Moro em apuros
Inácio Lula da Silva à prisão fosse apre- tadas e na ponta da língua”. nistro da Justiça de Jair Bolsonaro e ex-
sentada, mas o coordenador da força-ta- As matérias de jornais a que o procu- -juiz que ajudou coordenar a operação
refa da Lava Jato em Curitiba tinha dúvi- rador se referiu são as dezenas citadas quando era o encarregado pela 13.ª Vara
das sobre a solidez da história que conta- na peça de acusação. Dallagnol fazia Federal de Curitiba, como mostram diálo- Sérgio Moro
ria ao juiz Sergio Moro. A apreensão de sua última leitura da denúncia e deba- gos revelados pelo Intercept.
Deltan Dallagnol, que, junto com outros 13
procuradores, revirava a vida do ex-presi-
tia o texto com o grupo, analisando pon-
to a ponto cada item que seria oferecido
O MPSP já investigava o caso Bancoop
muito antes de Curitiba. Em uma dispu-
«Não é muito
dente havia quase um ano, não se devia a
uma questão banal. Ele estava inseguro
justamente sobre o ponto central da acu-
à 13.ª vara de Curitiba, onde Sergio Moro
atuava como juiz.
Naquele dia, ninguém respondeu à dú-
ta que envolveu até mesmo o Supremo
Tribunal Federal, a Lava Jato tentava ti-
rar o caso das mãos dos paulistas para
tempo sem
sação que seria assinada por ele e seus co-
legas: que Lula havia recebido de presente
vida de Dallagnol: se o apartamento tri-
plex poderia ser apontado como propina
denunciar e julgar Lula em Curitiba.
Para isso, o imóvel de Lula precisaria
operação?»
um apartamento triplex na praia do Gua- para Lula nos casos de corrupção na Pe- obrigatoriamente ter relação com a cor-
rujá após favorecer a empreiteira OAS em trobras. O documento seria anunciado ao rupção na Petrobras. Moro e Deltan trocaram mensagens
contratos com a Petrobras. público, com direito a um hoje famoso Não era o entendimento dos promo- de texto que revelam que o então juiz
As conversas fazem parte de um lote de PowerPoint, dali a poucos dias. tores de São Paulo. Em Março de 2016, federal foi muito além do papel que
arquivos secretos enviados ao Intercept ao recorrerem de uma decisão judicial lhe cabia quando julgou casos da Lava
por uma fonte anônima há algumas se- que jogava o caso nas mãos de Dallag- Jato (LJ). Em diversas conversas pri-
manas (bem antes da notícia da invasão
do celular do ministro Moro, divulgada
◗ «Então nol, eles disseram: “Em 2009/2010 não
se falava de escândalo na Petrobras.
vadas, até agora inéditas, Moro suge-
riu ao procurador que trocasse a or-
nesta semana, na qual o ministro afir- é um item que Em 2005 quando o casal presidencial, dem de fases da LJ, cobrou agilidade
mou que não houve “captação de conteú- em tese, começou a pagar pela cota- em novas operações, deu conselhos
do”). O único papel do The Intercept foi re- é bom que esteja -parte do imóvel, não havia qualquer estratégicos e pistas informais de in-
ceber o material da fonte, que nos infor-
q já
mou que j havia obtido todas as infor-
bem amarrado» indicação do escândalo do ‘petrolão’. Ao
contrário,, estávamos no p período tem-
vestigação, antecipou ao menos uma
decisão, criticou e sugeriu recursos ao
mações e estava ansiosa para repassá-las poral referente ao escândalo do ‘men- Ministério Público e deu broncas em
a jornalistas. A declaração conjunta dos salão’. Não é possível presumir generi- Dallagnol como se ele fosse um supe-
editores do The Intercept e do Intercept camente e sem conhecer detidamente rior hierárquico dos procuradores e
Brasil explica os critérios editoriais usa- as investigações que tramitam pe- da Polícia Federal.
dos para publicar esses materiais, in- rante a 13.ª Vara Criminal Federal de “Talvez fosse o caso de inverter a or-
cluindo nosso método para trabalhar Curitiba que tudo tenha partido de dem das duas planejadas”, sugeriu
com a fonte anônima. corrupção na estatal envolvendo Moro a Dallagnol, falando sobre fases
No dia 9 de Setembro de 2016, precisa- desvio de recursos federais.” da investigação. “Não é muito tempo
mente às 21h36 daquela sexta-feira, Mas a Lava Jato venceu e, pouco sem operação?”, questionou o atual
Deltan Dallagnol enviou uma mensa- tempo depois, os procuradores ministro da Justiça de Jair Bolsonaro
gem a um grupo baptizado de Incendiá- conseguiram tirar o caso de São após um mês sem que a força-tarefa
Paulo alegando que o caso do fosse às ruas. “Não pode cometer esse
triplex tinha, sim, envolvimento tipo de erro agora”, repreendeu, se re-
com a Petrobras. Agora, com a re- ferindo ao que considerou uma falha
velação das conversas secretas do da Polícia Federal. “Aparentemente a
grupo da Lava Jato, descobre-se que pessoa estaria disposta a prestar a in-
os procuradores blefaram — eles não formação. Estou então repassando. A
tinham certeza dessa relação nem fonte é séria”, sugeriu, indicando um
mesmo poucas horas antes de apre- caminho para a investigação. “Deve-
sentarem a denúncia. ríamos rebater oficialmente?”, per-
E, assim, o caso parou no colo guntou, no plural, em resposta a ata-
do aliado Sergio Moro. ques do PT contra a Lava Jato.
A Constituição brasileira estabeleceu
o sistema acusatório no processo pe-
nal, no qual as figuras do acusador e do
julgador não podem se misturar. Nesse
modelo, cabe ao juiz analisar de ma-
neira imparcial as alegações de acusa-
ção e defesa, sem interesse em qual
será o resultado do processo. Mas as
conversas entre Moro e Dallagnol de-
monstram que o atual ministro se in-
trometeu no trabalho do Ministério Pú-
blico — o que é proibido — e foi bem re-
cebido, atuando informalmente como
um auxiliar da acusação.

| 4 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


◆ PUBLICIDADE

BFA Turismo

O FOMENTO
AO TURISMO
PASSA POR AQUI.

Um orgulho imenso na nossa terra, na nossa cultura ímpar, nas nossas gentes, nos nossos costumes
e gastronomia. Uma enorme vontade de mostrar ao mundo as belezas naturais de Angola, de Cabinda
ao Cunene, das planícies às praias paradisíacas, das mais pequenas comunas às grandes cidades.
Como angolanos queremos continuar a descobrir este País lindo e acolhedor e receber de braços
abertos quem nos visita. Como Banco de Fomento Angola, queremos continuar a contribuir para o seu
desenvolvimento. Passe por uma Agência ou Centro de Empresas BFA e saiba mais.

Para mais informações consulte o site www.bfa.ao


ou ligue para a Linha de Atendimento BFA 923 120 120
Política COMITÉ CENTRAL ■ QUINTILIANO DOS SANTOS

SUSPENSÃO

MPLA
promete
analisar
acusação
de «ditador»
proferida
por Tchizé
Secretário para Informação garante que as
portas para Tchizé dos Santos não estão
fechadas, e que não existe pretensão de
expulsão, mas não descarta analisar acusação
de «ditador».
◗ NOK NOGUEIRA/LUSA

Tchizé dos Santos desafiou o presidente do seu partindo, questionando quem era o «ditador»

O MPLA promete analisar as acusações já, uma acção que viesse a resultar na litante”, avançou, adiantando, porém, as regras de disciplina do partido”,
proferidas por Tchizé dos Santos, que expulsão de Tchizé dos Santos. “Não não haver indicações da presença de anunciou o Comité Central do MPLA
chamou o actual presidente do partido está sequer equacionada”, garantiu. Tchizé dos Santos no conclave extraor- em comunicado no âmbito no final da
de «ditador» num dos áudios em reac- Pombolo disse também que a sus- dinário de sábado. sua 5.ª Sessão Extraordinária.
ções à notícia da sua suspensão pelo pensão pelo Comité Central do MPLA O secretário para a Informação do Tchizé dos Santos disse, a 10 de Maio do
Comité Central, que lhe instaurou de Tchizé não inviabiliza a sua presen- MPLA disse ainda que a suspensão de corrente, em entrevista à Lusa, que o ac-
igualmente um processo disciplinar. ça no conclave deste sábado, 15, mas, Tchizé dos Santos foi apenas a nível do tual chefe de Estado de Angola está a fa-
Em entrevista esta quinta-feira à se o fizer, terá de o fazer como uma do Comité Central e que a decisão foi zer um “golpe de Estado às instituições” e
Agência Lusa, o secretário para a Infor- “simples” militante. tomada para que possa ser ouvida na pedia a destituição de João Lourenço.
mação do MPLA, Paulo Pombolo, consi- “Não foi expulsa. Foi suspensa. Pode Comissão Nacional de Disciplina e Au- Tchizé disse, na ocasião, que as auto-
derou as palavras de Tchizé dos Santos participar na qualidade de simples mi- ditoria do partido. ridades angolanas pretendem impedir
“absurdas” e “graves” que gostava de O Comité Central suspendeu Tchizé de sair de Angola várias figuras liga-
ver a deputada a provar. dos Santos no âmbito de um processo das ao período da governação de seu
“Exigir a destituição do Presidente
João Lourenço? Acusar o Presidente de
◗ «São palavras disciplinar instaurado no mesmo dia.
“Aquele órgão deliberativo máximo
pai (1979-2017).
Na sua opinião, ela era uma das visa-
ser um ditador? De estar a fazer um absurdas e do MPLA no intervalo dos congressos das por ser uma voz que contesta algu-
golpe de Estado às instituições em An- aprovou a instauração de um processo mas das orientações de João Lourenço.
gola? Tem provas? São palavras absur- declarações graves, disciplinar e a aplicação da medida de “O Presidente da República é conivente
das e declarações graves, muito gra-
ves, que o partido vai analisar”, disse à
muito graves, que o suspensão de membro do Comité Cen-
tral à camarada Welwitschea José dos
porque nada faz”, disse Tchizé dos Santos,
questionando quem de facto era o “dita-
Lusa Paulo Pombolo, afastando, para partido vai analisar» Santos, por conduta que atenta contra dor”, se o seu pai ou João Lourenço.

| 6 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


■ QUINTILIANO DOS SANTOS

Órgão da PGR averigua


«ilícitos criminais» na
actuação de Rui Ferreira
A Direcção Nacional de Prevenção e ceu até à indicação de Rui Ferreira
Combate à Corrupção (DNPCC), órgão para o Tribunal Constitucional.
da Procuradoria-Geral da República Na semana passada, um pedido de
(PGR), tem em curso um inquérito abertura de um inquérito para apurar
para apurar se há ou não «indícios de responsabilidade criminal deu entra-
ilícitos criminais» na actuação do ac- da na PGR, subscrito por mais de uma
tual juiz conselheiro presidente do dúzia de cidadãos angolanos.
Tribunal Supremo, Rui Ferreira, apu- Em causa coloca-se o facto de Rui Fer-
rou o NJ de fonte próxima do assunto. reira ter actuado como facilitador do
Fonte daquele órgão disse ao NJ que negócio numa altura em que já se en-
se trata de um procedimento formal, contrava nas vestes de juiz conselheiro
que visa apurar se, em função dos da- presidente de um tribunal superior.
dos tornados públicos, existirá maté- Rui Ferreira, em reacção ao Maka An-
ria passível de um processo-crime. gola, do jornalista Rafael Marques, jus-
Após denúncia pública apresentada tificou a sua intervenção no negócio
Presidente do Conselho Directivo da ERCA, Adelino Marques de Almeida, no centro da polémica
em forma de carta pública por dois com “uma missão de bons ofícios”.
antigos sócios da empresa Arosfran, “O que fiz foi uma missão de bons
dando conta do envolvimento de Rui ofícios, por sinal bem-sucedida e
Ferreira no negócio que ditou a venda
do grupo empresarial, na sequência
aceite pelas duas partes. Não agi
como advogado de nenhuma delas,
Clima na ERCA continua
da inclusão e prisão em 2017, nos Es- mas sim como ‘facilitador’ do acor-
tados Unidos, do sócio libanês Kas-
sim Tajideen, acusado de pertencer à
do”, argumentou, defendendo-se.
Os subscritores da petição garanti-
de «cortar à faca» entre
organização Hezbollah, considerada ram ter documentos que comprovam
terrorista pelos EUA.
Entre 1995 e 1998, o escritório de ad-
que parte do dinheiro das vendas da
Arosfran, bem como da Afribelge Gol-
membros de direcção
vogados de Rui Ferreira e Guilhermi- frate, que teria circulado pelas contas
na Prata foi constituído advogado do da empresa AllComerce, controlada Os tempos sucedem-se e muitas são as De acordo com fontes deste jornal, dois
Grupo Arosfran, relação que prevale- pelo filho de Rui Ferreira. ◗ N.N. mudanças que se impõem, e muitas de- dos conselheiros da ERCA escreveram re-
las requererem alteração comportamen- centemente à Assembleia Nacional a
■ D.R. tal que podem ditar um reposicionamen- manifestar o desconforto com a forma
to dos objectivos e das metas traçadas a como o seu presidente, Adelino Marques
alcançar, uma realidade que não parece de Almeida, tem conduzido o órgão.
estar a ser muito mal interpretada ao ní- Entre as reclamações feitas que chega-
vel do Conselho Directivo da Entidade Re- ram ao Parlamento consta que o presi-
guladora da Comunicação Social Angola- dente do Conselho Directivo tem decidido
na (ERCA), onde o clima entre os conse- de forma unilateral e arbitrária não ins-
lheiros continua de «cortar à faca». crever na ordem de trabalho assuntos
Desde que tomaram posse na Assem- propostos por membros que não foram
bleia Nacional que o órgão tem sido pro- indicados pelo MPLA naquele organismo.
tagonista de constantes crispações en- Nesta segunda-feira, 10, a reunião
volvendo o presidente do Conselho Di- marcada pela 10.ª comissão da Assem-
rectivo e outros conselheiros; até um bleia Nacional foi interrompida devido à
pedido de perda de mandato já foi re- ausência dos reclamantes, os conselhei-
querido ao Plenário do Parlamento, o ros Reginaldo Silva e Carlos Alberto.
qual foi considerado improcedente. O Conselho Directivo é um órgão co-
Esta semana voltou-se a ouvir o tilintar legial responsável pela definição e im-
da discórdia, na sequência de uma convo- plementação da actividade reguladora
catória que não teria chegado aos demais e de supervisão da Comunicação So-
membros para um encontro com uma cial. O diploma estabelece uma com-
das comissões daquele órgão legislativo. posição de 11 membros, sendo cinco in-
O propósito, segundo soube o Novo dicados pelo partido com maioria no
Jornal, era promover uma reunião de Parlamento (MPLA), três pela oposição
auscultação que tinha como ordem de parlamentar, um pelo Executivo e dois
trabalho a análise dos problemas in- pelas organizações representativas da
Rui Ferreira justificou que não agiu como advogado no caso, mas como “facilitador”
ternos daquela entidade. profissão. ◗ N.N.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 |7|


Política
DIREITO TRABALHISTA

Lei Geral do Trabalho

Executivo tem até Setembro


para atender exigências da OIT ■ D.R.

Executivo de João
Lourenço recebeu
da Organização
Internacional do Trabalho
uma cartilha com
recomendações
que terá de fazer, à luz
das convenções de que
Angola é subscritora
e ratificadora.
◗ NOK NOGUEIRA

O Executivo angolano tem até ao dia 1


de Setembro do corrente para proceder
a uma série de emendas, modificações,
alterações, bem como reformas legisla-
tivas, no âmbito da Convenção sobre Li-
berdade de Associação e Protecção do
Direito de Organização, de 1948, que An-
gola ratificou em 2001, e outras.
As recomendações foram requeri-
das pela Comissão de Especialistas
para Aplicação de Convenções e Reco-
mendações da Organização Interna-
Recomendações da Organização Internacional do Trabalho devem ser atendidas entre 1 de Junho e 1 de Setembro de 2019
cional do Trabalho (OIT) e constam de
um documento que aquele organismo
fez chegar ao Executivo através do Bu-
reau International du Travail.
◗ A comissão pede dos trabalhadores nos ramos profis-
sionais e sectores de actividade econó-
ve e pode resultar em acção discipli-
nar”). A comissão orienta que o Execu-
No quadro Convenção sobre Liberda- esclarecimentos mica ao nível provincial, baixando a tivo assegure que as formas de acção
de de Associação e Protecção do Direito
de Organização, a comissão, que adop-
sobre a redacção percentagem de trabalhadores neces-
sários para criar uma organização bá-
colectiva acima mencionadas não es-
tejam sujeitas à acção disciplinar.
tou as observações feitas em 2017 pela da «secção 20 (1) sica”. Entretanto, a referida disposição Por outro lado, ainda à luz da mesma
Organização Internacional de Empre-
gadores (OIE), recomenda reformas
da Lei da Greve» foi revogada no novo projecto de lei.
A comissão recomenda ainda a mo-
convenção, a comissão recomenda que
seja emendado o artigo 6 da Lei da Gre-
legislativas, observando que o Gover- dificação da «secção 2 (2)» da Lei da ve, que proíbe greves de trabalhadores
no não forneceu até à data nenhuma nismo da OIT já havia tecido recomen- Greve (“[sobre] a qual qualquer redu- civis em instituições militares, assegu-
informação nova sobre o progresso dações, tais como: ção ou mudança nas horas e métodos rando que tais trabalhadores possam
dos projectos de revisão da Lei Sindi- “Modificar o artigo 3 da Lei Sindical, de trabalho que decidido colectiva- atacar sem incorrer em penalidades.
cal (n.º 21-C/92) e da Greve (n.º 23/91), que estabelece que as organizações de mente e não envolve uma recusa em Recomenda também a modificação
diplomas sobre os quais aquele orga- base devem incluir pelo menos 30% trabalhar não é considerada uma gre- da «secção 10 do acto de greve», segun-
do o qual a acção grevista só pode ser
decidida por dois terços dos trabalha-
dores presentes e [que] o empregador
Homens e mulheres tem o direito de exigir a presença de
um representante dos trabalhadores.
OIT recomenda princípio de igualdade salarial A comissão pede esclarecimentos ao
Executivo sobre a redacção da «secção
20 (1) da Lei da Greve», que prevê que os
A comissão da Organização Internacio- der à adequação da sua legislação à Con- balhadores excluídos do escopo da trabalhadores e os sindicatos de utili-
nal de Empregadores lembra que há venção. Convenção. dade pública são obrigados a garantir
muitos anos que pede ao governo ango- “Observando que a nova Lei Geral do Em alusão ao «artigo 1» da Convenção, a durante a greve, através de piquetes,
lano que aproveite a oportunidade ofere- Trabalho mantém as mesmas limita- comissão observa também que, de acordo os serviços necessários para atender
cida pelo processo de reforma da Lei Ge- ções que as contidas na legislação an- com a definição de remuneração na secção às necessidades básicas da população.
ral do Trabalho para adequar a lei às terior, a comissão solicita que o gover- 155 da nova Lei Geral do Trabalho, os paga- Pede ainda que seja igualmente es-
obrigações da Convenção (sobre a Igual- no indique como o princípio da Con- mentos para trabalho adicional são agora clarecido o significado preciso do ter-
dade de Remuneração, de 1951, n.º 200) venção é aplicado a categorias de tra- considerados como parte da remuneração, mo «piquetes» e a maneira pela qual
que Angola ratificou em 1976. enquanto outros elementos, tais como sub- os serviços mínimos necessários nes-
A comissão chama a atenção para o al- sídios de viagem ou subsídios de habitação, ses casos são determinados.
cance da lei, a definição da remuneração e
a aplicação irrestritiva do princípio da
◗ «A comissão chama bem como abonos de família e outras pres-
tações da segurança social, permanecem
A comissão solicitou ao Governo que
aproveitasse a reforma legislativa
igualdade de remuneração entre homens a atenção para a excluídos da definição de remuneração. para tornar o texto do n.º 1 do artigo
e mulheres por trabalho de igual valor. A comissão lembra que a definição de re- 20.º [da Lei Geral do Trabalho] mais
A OIE lamenta no documento que o Go- aplicação irrestritiva muneração contida no artigo 1 (a) da Con- preciso e que os serviços mínimos fos-
verno angolano não tivesse aproveitado
também a oportunidade da reforma da
do princípio venção é ampla e abrange todos os emolu-
mentos que os trabalhadores podem rece-
sem determinados não só pelas auto-
ridades públicas, mas também em
Lei Geral do Trabalho de 2015 para proce- da igualdade» ber em troca do seu trabalho. consulta com as autoridades.

| 8 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


Democracia
e Cidadania
ISMAEL MATEUS
Pacto internacional
Parlamento
prepara Subsídios para uma gestão de qualidade
condições
H
á entre os cidadãos e mesmo entre os dirigentes do 2. Aumento da qualidade — Através da criação de uma base
MPLA uma enorme expectativa de que o de dados (cadastro) do gestor público, onde têm

para ratificar alargamento do comité central do MPLA venha a


mudar a governação do país, seja ao nível central como local.
No mínimo, isso quer dizer que muita gente continua a
necessariamente de ser cooptados todos os gestores a nomear;
Os gestores públicos sofrem diariamente com
interferências, pedidos, orientações e decisões de ministros
convenção não nos ouvir e a pensar, erradamente, que a solução dos
nossos problemas está nos militantes e não nos cidadãos.
que afectam negativamente o desempenho das empresas. A
transformação do Instituto de Gestão das participações do
Definitivamente, o principal problema não é de origem Estado IGAPE numa sociedade gestora de participações
O Ministério da Administração Pú- político-partidária e nem se resolve apenas dentro do sociais (SGPS) permite alterar o modelo actual de cariz
blica, Trabalho e Segurança Social MPLA. Não decorre de ter mais ou menos militantes, mais político ministerial para um modelo económico-empresarial,
(MAPTSS) anunciou esta semana ou menos juventude, embora isso seja naturalmente virado para a avaliação do desempenho das empresas,
que a Assembleia Nacional aprovou importante. O maior problema que o MPLA e todos acompanhamento dos projectos, medição do impacto do seu
a resolução que ratifica a Conven- enfrentamos é a fraca ou mesmo fraquíssima capacidade trabalho e da sua responsabilidade social.
ção n.º 144, estando a decorrer a tra- de gestão do país, dos ministérios, das empresas, das A qualidade dos nossos gestores é um forte elemento
mitação para a sua publicação em administrações municipais e comunais. Essa é a crítico de sucesso do processo de revitalização em curso e,
Diário da República. verdadeira transição de que precisamos: deixarmos de ter por esta razão, defendemos que se crie uma rede de controlo
“Com a aprovação da referida reso- uma gestão por militância e passarmos a gerir a coisa e cadastro de gestores públicos envolvendo estruturas como o
lução, o Executivo angolano cumpriu pública na base do princípio da eficiência, ou seja do IGAPE/SGPS, o Tribunal de Contas, a Inspecção-Geral do
o compromisso de ratificar a referida exercício da gestão administrativa para a obtenção de Estado (IGAE) e a Escola Nacional de Políticas Públicas
convenção no quadro das comemora- resultados positivos, com destreza, perfeição, rendimento (ENAPP). Essa rede deve, na verdade, constituir-se num
ções do centenário da Organização In- funcional e atendimento das necessidades da centro de competências de gestão, organizado em função do
ternacional do Trabalho”, escreve em comunidade. perfil do profissional (idade, género, cargo ocupado,
nota o gabinete do ministro de tutela, O desafio é garantir a escolha de gestores públicos da experiência e formação); e grau de importância das
Jesus Faria Maiato. base ao topo que actuem com regras de bom habilidades individuais (capacidade de negociação,
A Convenção n.º 144 foi adoptada a atendimento, rapidez, urbanidade, segurança, resiliência, comunicação, disciplina, polivalência e liderança).
21 de Junho de 1976, sob a designação transparência e sem ou pelo menos com muito menos A inclusão dos gestores na base de dados (cadastro) do gestor
de Convenção sobre a Consulta Tri- burocracia. público tem como fontes a designação pelo poder político, o
partite (Normas Internacionais do É preciso acabar com o concurso público de ingresso
Trabalho), de 1976. “experimentalismo e a cooptação por experiência
No número 1 da referida Conven- governativo” e apostar em A reforma na gestão pública deve de trabalho. A nomeação dos
ção, a expressão “organizações re- gente, seja partidária ou gestores públicos deve ser
presentativas” significa as organiza- não, capaz de ser eficaz e incluir a revitalização do sector feita por exclusividade
ções mais representativas de empre- eficiente a realizar acções mediante escolha entre os
gadores e trabalhadores, que gozem (métodos, procedimentos) e
empresarial público, no sentido cadastrados na base de
do direito de liberdade sindical. usar recursos (matérias e de tornar as empresas mais dados, de acordo com o
O diploma da Organização Inter- intelectuais) que nos levem a índice e o ranking de
nacional do Trabalho estabelece obter resultados concretos, rentáveis e capazes de produzir governação e gestão e opções
que todo o membro da mesma que soluções pragmáticas que políticas de quem compete
ratifique a presente Convenção afectem a vida dos cidadãos.
de forma regular e contínua para a escolher. Quem tenha níveis
compromete-se a pôr em prática Estas são as ferramentas- satisfação das necessidades baixos no ranking ou tenha
procedimentos que assegurem -chave para o tão almejado sido exonerado por
consultas efectivas, entre os repre- aumento da produtividade da colectividade incompetência, má avaliação
sentantes do Governo, dos empre- na gestão pública. em processos de auditoria,
gadores e dos trabalhadores, sobre Por mais voltas que irregularidades
os assuntos relacionados com as possamos dar, o remédio administrativas ou
actividades da OIT. para “resolver os problemas condenações por
A convenção define que os empre- do povo” está na escolha de bons gestores, que, por sua improbidade administrativa sai da base de dados.
gadores e os trabalhadores estarão vez, vão garantir uma boa qualidade da administração No caso da reforma dos gestores da administração
representados em pé de igualdade em pública, atender o cidadão na exacta medida da sua pública, as regras podem ser parecidas. Um
qualquer organismo mediante o qual necessidade, com agilidade, com um excelente administrador, director de unidade orçamental ou
sejam levadas a cabo as consultas. aproveitamento dos recursos públicos disponíveis, ministro tem de merecer avaliação em função dos
evitando desperdícios de todo o tipo. resultados obtidos e de habilidades específicas em
■ ARQUIVO NJ O estado de corrupção generalizada a que chegámos matéria de liderança, nomeadamente capacidade de
também tem muito a ver com a crónica nomeação de actuação em equipa; clareza na definição de objectivos e
incompetentes, incapazes e com a utilização de critérios plano de trabalho; investimento em capacitação;
duvidosos que promovem pessoas erradas para os lugares capacidade de inovação e adaptabilidade; resiliência;
errados. A incompetência e a incapacidade geram eficiência, a capacidade de tomar decisões e humildade.
prepotência, abusos de poder e atrofiam a administração Sim, humildade, mesmo, de saber ser humilde o
pública. A ineficiência facilita a corrupção. A reforma suficiente para ouvir, aceitar que também é passível de
administrativa do estado passa por reformular o modo de erros e que outras pessoas, mesmo em posições inferiores
supervisionar os gestores públicos, a forma de os escolher à sua na organização, podem ter mais conhecimento em
e também o modelo de formação das lideranças. determinados assuntos do que ele, ou mesmo um ponto
Em primeiro lugar, a reforma na gestão pública deve de vista diferente que o auxilie a solucionar problemas.
incluir a revitalização do sector empresarial público, no Um ponto central na reforma é o modelo de formação
sentido de tornar as empresas mais rentáveis e capazes de das lideranças, sem os custos astronómicos dos
produzir de forma regular e contínua para a satisfação das assessores estrangeiros, mas com a prata da casa,
necessidades da colectividade. Trata-se de uma reforma debatendo os problemas reais da gestão pública angolana.
que se deve basear em dois processos fundamentais: É fundamental uma academia de liderança sustentável e
1. Autonomia e Responsabilização – Transformação do sistemática capaz de dotar os líderes de competências que
Instituto de Gestão de Participações do Estado numa influenciem directamente na boa governação e a todos os
sociedade gestora de Participações Sociais – libertando as níveis. Sim, há militantes que reúnem essas
empresas públicas dos vícios e da asfixia da dependência características, mas o perfil geral aplica-se a cidadãos,
directa dos ministérios. com ou sem filiação partidária, sejam ou não do MPLA.■
Assembleia aprovou a resolução

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 |9|


Política
CONGRESSO EXTRAORDINÁRIO

Breves
■ QUINTILIANO DOS SANTOS

Angola participa
de Fórum Africano
contra a Corrupção
O Tribunal de Contas
participa na cidade de
Sharm El-Sheikh, no Egipto,
no Fórum Africano sobre a
Luta contra a Corrupção,
onde se faz representar por
uma delegação chefiada
chefiada pelo juiz-
-conselheiro Joaquim
Mande, avançou a Angop.
O evento visa encorajar
os países africanos a
adoptarem políticas e
programas de trabalho que
permitam a erradicação da
corrupção e favorecer uma
consciência comum entre
todas as partes do
continente sobre os perigos
que representa este flagelo.
O MPLA conta oficialmente, na sua história, com cinco presidentes

Tribunal de Contas
detecta seis
contratos ilegais
MPLA Comité Central vai
Seis contratos públicos no
valor de 4,6 mil milhões de
kwanzas (cerca de 30
milhões de dólares) não
crescer 37%, de 363
foram visados pelo Tribunal
de Contas. Os contratos
foram celebrados pelo
governo provincial de Luanda
membros para 497
e pela administração
municipal de Viana com A entrada de novos que no congresso extraordinário o par- “É um assunto que ainda não está
privados, de acordo com o tido vai apresentar o modelo que será encerrado, pelo que terá de ser discu-
relatório e parecer daquele
membros no Comité Central implementado nas autarquias. “Vão tido ainda no parlamento, onde está
tribunal sobre a Conta Geral é interpretada no seio dos existir eleições primárias internas para em discussão o pacote das autárqui-
de Estado de 2017. O «camaradas» como quem queira apresentar-se como can- cas”, lembrou.
documento está ser didato, como vamos continuar a defen- Imprensa com acesso restrito à
analisado nas comissões de
preparação para os futuros der o princípio do gradualismo”, reve- sala do conclave dos «camaradas»
especialidades da quadros do partido. lou o porta-voz. Na agenda dos trabalhos deste sába-
Assembleia Nacional para Nas autarquias de 2020, a proposta do, o Novo Jornal soube junto da orga-
posterior aprovação. ◗ EDUARDO GITO do MPLA mantém-se no gradualismo, nização que a imprensa terá algumas
o que pressupõem realizar as referi- restrições, pelo que só assistirá à aber-
A partir deste sábado, 15, o MPLA, par- das eleições em alguns municípios do tura e ao encerramento, porque esta-
tido que governa o país de 11 de No- país, na segunda fase em 2025, para a rão a ser feitos “ajustamentos pon-
Deputados vembro de 1975, o seu Comité Central extensão a outros, e finalmente como tuais” aos estatutos do partido, rela-
solidários com irá registar uma dilatação de 134 o processo de 2030, com a realização cionados com o alargamento do Comi-
situação da seca membros, o que irá alargar o número simultânea da votação em já todas as té Central e “outros”.
de 363, para 497, um aumento de 36%. autarquias. Esta posição dos «camaradas», ao lon-
Os deputados à Assembleia O Novo Jornal sabe de fontes próxi- A proposta do MPLA para as autar- go desta semana, tem sido fortemente
Nacional iniciaram esta mas ao conclave, que todos os mem- quias tem sido chumbada pelos dois criticada por alguns órgãos de comuni-
semana a recolha de bens bros dos ciclos províncias bem como maiores partidos da oposição angola- cação social, sobretudo a Rádio Ecclesia,
diversos de primeira do nacional já são conhecidos, pelo na — União Nacional para a Indepen- com os jornalistas a levarem o debate
necessidade para minimizar que o certame deste sábado no Centro dência Total de Angola (UNITA) e Con- para as redes sociais.
os efeitos provocados de Convenções de Belas será apenas vergência Ampla de Salvação de Ango- “Segundo os Estatutos do MPLA, qual-
pela seca às populações uma confirmação daquilo que foi tra- la - Coligação Eleitoral (CASA-CE) —, quer órgão ou organização do partido, a
das regiões Centro e Sul, tado a nível da base. que defendem que a votação deve de- nível nacional, ou um terço dos partici-
com realce para as províncias O conclave dos «camaradas» irá con- correr numa só fase, em todos os mu- pantes ao último congresso ordinário
do Cunene, Kwando Kubango, tar com 2.591 delegados, e será presidi- nicípios, já em 2020. [realizado entre 17 e 20 de Agosto e 2016]
Huíla , Namibe. A deputada do do pelo líder do MPLA, João Lourenço, podem propor ao Comité Central ou ao
MPLA Emília Carlota Dias que também exerce as funções de che- presidente do partido a convocação de
salientou que o sofrimento
por que passam as
fe de Estado angolano, estando tam-
bém agendado o debate da estratégia
◗ A imprensa terá um congresso extraordinário, indican-
do, na proposta, as razões, sendo que o
populações das regiões eleitoral do partido para as eleições algumas restrições, Comité Central delibera, depois de con-
afectadas pela seca levou o autárquicas previstas para 2020, mas sultar os órgãos intermédios, o que
Parlamento a juntar-se antes o partido realizará as primárias pelo que só assistirá veio a acontecer”, sublinhou Paulo
às várias iniciativas
da sociedade.
para escolher os seus candidatos.
Paulo Pombolo, porta-voz do MPLA,
à abertura e ao Pombolo, exemplificando como um
dos “ajustamentos” do conclave do
em entrevista à agência Lusa, adiantou encerramento maioritário.

| 10 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


■ D.R.

Ausências «Clã» dos


Santos ausente do 7.º
congresso do MPLA
Ausentes do país, José Eduardo dos
Santos em tratamento médico em
◗ Com o término
Espanha, a filha Tchizé dos Santos da política activa,
no exterior desde Dezembro e José Fi-
lomeno dos Santos sob medida de JES prometeu
coacção pessoal aplicada pelo Minis-
tério Público Angolano, o sétimo con-
dedicar-se a
gresso extraordinário do MPLA de- causas sociais
corre com as ausências quase confir-
madas de todo o clã de JES.
O antigo Presidente da República dei- Lourenço durante os trabalhos do VI
xou em Setembro último de ser o líder Congresso Extraordinário do partido.
do MPLA, que governa o país desde a in- José Eduardo dos Santos, patrono da
dependência, em 1975, e aquando da fundação homónima — Fundação
sua despedida da presidência assumiu Eduardo dos Santos (FESA) —, não ti-
que nos quase 40 anos que esteve no nha adiantado mais nada sobre o seu
poder cometeu erros, mas disse sair futuro, depois de ter participado num
“de cabeça erguida”. congresso pela última vez como presi-
Para alguns analistas, a mudança dente do MPLA e quase um ano após ter
de liderança no MPLA em 2018 é a últi- deixado a Presidência angolana, pondo Membros do PRS encontram alguns constrangimentos na preparação para as autarquias

ma etapa no processo de passagem de fim aos seus cerca de 40 anos de políti-


poderes depois de João Lourenço — ca activa.
que foi o candidato do seu partido à
presidência designado por Eduardo
Quanto a José Filomeno dos Santos,
outro filho de JES que a par da Tchizé
Autarquias Gradualismo
dos Santos — ter tomado posse, em dos Santos é membro do Comité Cen-
Setembro de 2017, como o novo chefe
de Estado. As palavras de Eduardo dos
tral do MPLA, apesar de ter sido posto
em liberdade e sob medida de coacção
geográfico «embaraça»
Santos quanto às suas memórias es- pessoal, internamente não se fala tam-
tarem já escritas mas por outras pes-
soas são ambíguas, uma vez que não
bém da presença do mesmo no con-
gresso, depois de ter ficado seis meses plano estratégico do PRS
esclareceu na altura se, de facto, já em prisão preventiva.
estão concluídas. Recorde-se que José Filomeno dos O presidente do Partido de Renovação por que caminho devemos ir, fica-nos
O antigo líder dos «camaradas» havia Santos foi acusado pelo Ministério Pú- Social (PRS), Benedito Daniel, criticou complicado intensificar os nossos tra-
indicado em 2018 que, com o término blico angolano de um conjunto de cri- esta quinta-feira, 13, o modelo para as balhos em algumas zonas”, explicou.
da sua vida política activa, ia dedicar-se mes, de entre eles o de associação cri- autarquias locais baseado no gradua- Benedito Daniel lembrou ainda que
a causas sociais. minosa, tráfico de influência, burla e lismo geográfico, avançando que a os deputados à Assembleia Nacional
Estas foram as únicas palavras de branqueamento de capitais, pretensa- sua organização política está a “des- aguardam pela discussão do pacote le-
Eduardo dos Santos aos jornalistas que mente cometidos durante o período em perdiçar” tempo e “esforços” em tra- gislativo autárquico. “Esperamos an-
o questionaram na altura em que que exerceu o cargo de presidente do balhar nos municípios que “eventual- siosamente que o pacote legislativo
quando abandonava o Centro de Confe- Conselho de Administração do Fundo mente” não serão prioritários nas seja discutido e aprovado com base
rências de Belas, em Luanda, onde ha- Soberano de Angola (FSDA). eleições autárquicas. nas expectativas da população”, disse.
via passado a liderança MPLA a João O político salientou ao NJ que, se o Para o líder da PRS, o gradualismo
Governo não tivesse a ideia do gradua- geográfico propicia a discriminação e
■ D.R. lismo geográfico e optasse pelo fun- a desigualdade de oportunidades que
cional, os esforços despendidos pelo alguns municípios poderão sofrer
seu partido na preparação para as au- com a chegada tardia das autarquias.
tarquias, até ao momento, poderiam “Se preferirmos o gradualismo fun-
ser poupados. cional, não teremos desproporções so-
“Temos estado a desperdiçar tanto ciais entre os municípios, devido ao
tempo que poderia ser bem aproveita- desenvolvimento simultâneo das re-
do. Até esse momento ninguém sabe giões”, enfatizou.
quem poderá ser abrangido pelas au- Segundo o líder partidário, a possí-
tarquias e quem não [poderá ser]. Essa vel implementação do modelo geográ-
expectativa cria dificuldades tanto fico viola os princípios da universali-
para nós, partidos políticos, como dade e igualdade.
para a própria população”, explicou. Saliente-se que a proposta de Lei sobre
“Se decidíssemos já pelo gradualismo a Institucionalização das Autarquias Lo-
funcional, nós iríamos envidar os nos- cais prevê também a implementação de
sos esforços e deveríamos trabalhar em um programa de formação para os fun-
todos os municípios do país sem qual- cionários administrativos dos órgãos da
quer tipo de receio. Assim, sem saber administração local do Estado, de modo
a dotá-los de capacidades e conheci-
mentos mínimos necessários para o
◗ «Temos estado normal funcionamento das principais
áreas e serviços municipais.
a desperdiçar O processo de institucionalização das
autarquias locais em todos os municípios
tanto tempo do país deve ser concluído num período
não superior a dez anos após a realização
que poderia ser das primeiras eleições autárquicas.
Recorde-se que às eleições autárquicas
Congresso dos «camaradas» poderá reunir mais de 2500 delegados bem aproveitado» serão realizadas no próximo ano. ◗ A.G.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 11 |


◆ PUBLICIDADE

BANCA

AS REFORMAS E
DESAFIOS DA BANCA
ANGOLANA BANCA
NO ÂMBITO DO
PROGRAMA
BANCA
ECONÓMICO DO FMI
Info Line: +244 921 358 582 | conferencias@expansao.co.ao

Patrocinadores: Media Partners:


Política
UNIÃO AFRICANA

Crónica
■ ARQUIVO NJ
VICTOR FONTES

As pequenas pedras
N
ão se tropeça nas montanhas.
Tropeça-se nas pequenas
pedras. Diz o ditado, chinês,
parece ser. Nós, angolanos, somos
especialistas no tropeço. Somos
capazes de construir montanhas.
Temos uma enorme dificuldade em
lidar com as pequenas pedras.
Reconstruímos caminhos-de-ferro, e
depois não temos um sistema de
Iniciativa visa fazer face a catástrofes comunicações que garanta a segurança
nas linhas. Criamos centros para que os
nossos cidadãos possam fazer
Combate à pobreza tratamentos aqui no país, como é o caso
da hemodiálise, e depois temos os
Angola apoia telejornais cheios de reportagens de
gente aflita, porque não há reagentes,

criação ou há ameaças de paralisação, porque


os trabalhadores têm os salários em
atraso. Construímos estádios, e depois
de agência os mesmos degradam-se sob o nosso
olhar impassível, ao ponto das nossas

humanitária selecções nem poderem escolhê-los para


local de estágio, acabando por ter que ir
gastar o nosso dinheirinho para o
pela UA exterior. Fazemos estradas, que temos
que refazer poucos anos depois, pois
não conseguimos ter um orçamento
O Ministério das Relações Exteriores para a sua manutenção adequada.
(MIREX) manifestou o interesse em Contratamos um seleccionador
apoiar a criação de uma agência hu- nacional de futebol, que depois vai
manitária por parte da União Africa- ganhar o campeonato africano por
na (UA), para fazer face à deslocação outro país (para que a vergonha seja
forçada de pessoas resultante de ca- maior, vizinho), pois não fomos capazes
■ D.R.
tástrofes naturais, indica um comu- de pagar atempadamente os seus
nicado oficial.
A manifestação de vontade foi ex-
salários. Investimos milhões de dólares
em centrais térmicas, sem criar as
Construímos, fazemos, idealizamos, gabamo-
pressa pelo chefe da diplomacia ango- condições para que as mesmas se -nos de fazer o grande, e falhamos,
lana, Manuel Domingos, numa reu- mantenham operacionais. Temos
nião de trabalho com a comissária hospitais, e faltam os medicamentos. sistematicamente, no mais pequeno
africana para os Assuntos Políticos, Belíssimos institutos médios e
Minata Samate Cessouma, que ini- universidades, espalhados pelo país, recursos ao país, sem resultados temos. A saúde, a educação, a
ciou uma visita de trabalho a Angola sem os adequados equipamentos e práticos. O país parece continuar refém construção de infra-estruturas
de três dias. professores. Construímos, fazemos, de medidas discricionárias, tomadas essenciais para o desenvolvimento do
Na agenda continental, Manuel Do- idealizamos, gabamo-nos de fazer o sem a preocupação da sua país são áreas prioritárias. Mas o
mingos e Minata Cessouma discuti- grande, e falhamos, sistematicamente, harmonização num todo virtuoso, o que desporto é muito mediatizado, e é um
ram a implementação do protocolo no mais pequeno. No que exige não só dá azo a um sem-número de painel onde nos estamos
sobre a livre circulação de pessoas, a planificação. Atenção diária. Devoção. projectos e estudos duplicados, como permanentemente a rever. Não
arquitectura de governação africana, Responsabilidade. Por isso temos compromete qualquer esperança de criemos expectativas, se não podemos
mormente a implementação do res- milhares de quilómetros de iluminação uma actuação sem sobressaltos, sem o concretizar os objectivos, frustrando
pectivo plano de operacionalização, a pública pelas nossas cidades e vilas que permanente pavor de não se ter os os que se envolvem nos projectos. A
promoção da democratização e da estão, quase invariavelmente, apagadas, recursos para a conclusão do iniciado, a conversa permanente sobre a nossa
edificação da paz em África, sobretudo quando não completamente manutenção do realizado, ou a incapacidade de cumprir os nossos
a realização de eleições pacíficas, cre- canibalizadas, como aconteceu com os concretização dos objectivos que compromissos quer para com as
díveis e transparentes. sistemas de iluminação solar instalados estiveram na origem desses estruturas organizadoras, como no
Segundo o comunicado, Angola e a em tantas regiões do país. Construímos investimentos, em que, às vezes, tantos caso das competições internacionais
UA abordaram também o Acordo da centralidades, ou bairros sociais, que, colocaram incontáveis horas de esforço nas várias modalidades em que
Criação da Zona de Comércio Livre numa percentagem elevada, ficam anos e dedicação, e todo um povo depositou estamos permanentemente a ponto de
Continental Africana, cujo lançamen- até terem as infra-estruturas esperanças no futuro propagandeado, não poder participar por falta de
to da fase operacional vai ocorrer na adequadas, e terem as habitações que teria que ser melhor. verbas, quer com os atletas, como tem
cimeira da organização a realizar em convenientemente comercializadas. A esse respeito o desporto dá-nos sido recorrente, e mais uma vez
Niamey (Níger), a 7 de Julho próximo. Estendemos milhares de quilómetros de um exemplo muito claro de como aconteceu com a selecção nacional de
Ambos abordaram também ques- fibra óptica, com máquinas e homens a temos funcionado. Não sou de opinião futebol, que esteve neste período crítico
tão relativas aos direitos humanos, rasgar os infindáveis campos, no que de que o desporto seja o mais antes do CAN — dois dias sem treinar
sobretudo o reforço do Estado de direi- parecia ser um projecto visionário, para importante na nossa conjuntura — a discutir prémios. Tal dá uma
to e a promoção dos valores funda- que depois nos deparemos com a social. É evidente que tenho imagem muito pobre do nosso país. E é
mentais à vida humana, tendo como notícia que praticamente nada consciência de que há muitas outras um reflexo do que acontece um pouco
pano de fundo o 2.º Relatório Periódico funciona, e tal não foi mais do que um áreas onde se justifica muito mais o por todos os sectores.
referente à implementação do Pacto investimento que apenas sugou investimento dos parcos recursos que É preciso mudar. ■
Internacional dos Direitos Civis e Polí-
ticos em Angola.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 13 |


Política
REPTO AO PR

Visita às comunas do Zaire

Makuta Nkondo aguarda que JLo


decida «data oficial» de viagem
■ ADJALI PAULO

João Lourenço pode ou não aceitar o convite por imperativos da sua agenda política, afirma o deputado Makuta Nkondo

Deputado da CASA-CE momento a «bola» está com o chefe de dente da República para os Assuntos Po- Por último, lembrou a visita que
Estado, “uma vez que o convite já foi fei- líticos, Constitucionais e Parlamenta- efectuou recentemente pelo vice-Pre-
reconheceu a to e ele de forma informal o aceitou”. res, Marcy Lopes, para dizer ao PR João sidente da República, Bornito de Sou-
disponibilidade “Ainda não há nenhuma resposta ofi-
cial por parte do Presidente da República.
Lourenço que não terminasse a sua vi-
sita na cidade do Uíge para visitar uma
sa, salientando que foram constata-
das cinco comunas da Kissama que
demonstrada pelo Já fiz a minha parte. Agora quem tem de das comunas rurais daquela região não têm acesso terrestre.
decidir e fazer a viagem comigo às locali- mas tal não aconteceu”, lamentou. “O [Vice-Presidente] Bornito de Sou-
Presidente da República, dades que lhe tenciono indicar”, explicou. O deputado afirmou ainda que o Pre- sa visitou algumas zonas por meio de
mas espera que haja um O parlamentar referiu também que
o Presidente da República “pode ou
sidente João Lourenço “tem sido enga-
nado várias vezes” quando visita uma
helicóptero. Fez isso porque a situação
das zonas rurais é preocupante. Deve
pronunciamento oficial não concretizar o meu pedido, pois província do país. ser prestada a atenção a essas locali-
não se trata de uma imposição, mas “Ao invés de continuar a ser enganado dades. Não é normal que isso aconte-
do chefe do Executivo. sim de um convite normal”. pelos relatórios dos governos provin- ça”, disse.
“Ele é do povo e na qualidade de ser ciais, deve passar a visitar locais recôn- Recorde-se que o convite da viagem
◗ ANTÓNIO GASPAR do povo deve inteirar-se dos proble- ditos de Angola a fim de conhecer me- foi feito no Palácio Presidencial por
mas que afectam as populações de de- lhor a realidade dos povos”, disse. Makuta Nkondo, que fez parte de uma
O deputado da Convergência Ampla de terminadas zonas do país. Não estou a delegação de deputados que assistiu a
Salvação de Angola-Coligação Eleito- impor nada ao Presidente. O funda- uma audiência concedida por João
ral (CASA-CE) Makuta Nkondo disse
esta semana que aguarda pelo pro-
mental era que ele aceitasse pôr em
prática o convite para saber da reali-
◗ «Não se trata Lourenço ao vice-presidente do Parla-
mento da China, Wang Chen.
nunciamento oficial do Presidente da dade no terreno”, aconselhou. de uma imposição, Makuta Nkondo disse aos jornalis-
República, João Lourenço, sobre o con- O deputado lembrou ainda que não é tas que tudo aconteceu numa curta
vite para visitar as comunas da pro- a primeira vez que faz esse tipo de mas sim de um conversa entre os dois à entrada do
víncia do Zaire, por via terrestre.
Em declarações ao Novo Jornal,
convite, “já fui alertando para a neces-
sidade de se visitar comunas do país”.
convite normal», Palácio Presidencial e referiu que,
após o aperto de mãos, João Lourenço
Makuta Nkondo salientou que neste “Havia pedido ao secretário do Presi- disse o deputado aceitou o desafio.

| 14 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


◆ PUBLICIDADE
Política
ACTIVISMO

■ LÍDIA ONDE ■ QUINTILIANO DOS SANTOS

Independentes
Chivukuvuku
vai projectar
criação do
novo partido
político
O antigo líder da Convergência Am-
pla de Salvação de Angola-Coligação
Eleitoral (CASA-CE), Abel Chi-
vukuvuku, vai reunir nesta sexta-
-feira, 14, com alguns ex-militantes
independentes daquela organiza- MPLT pede justificação do Tribunal

ção política para definir futuro.


Num comunicado a que o Novo
Jornal teve acesso, o gabinete de co- Julgamento na L. Sul
municação de apoio ao ex-dirigente
da CASA-CE referiu que os membros
independentes vão traçar as linhas
Advogados
programáticas para a criação do
novo partido político.
Segundo Félix Miranda, um dos
de arguidos
Activistas foram detidos quando se preparavam para marchar a favor da autonomia de Cabinda
independentes afectos a Abel Chi-
vukuvuku, a conferência será rea-
sem
Cabinda Ministério
lizada a nível regional (Luanda-
-Bengo) para se dar início à consti-
tuição de todos os documentos,
notificação
Público prorroga prisão
que deverão depois ser encami-
nhados para o Tribunal Constitu-
do Tribunal
cional para a legalização do pro-
jecto político. O Movimento Protectorado Lunda
preventiva de activistas “A intenção é organizar, a partir
de agora, toda a documentação
Tchokwe (MPLT) fez saber esta se-
mana que o Tribunal da Lunda-Sul
para dar entrada ao Tribunal”, ex- marcou para a próxima terça-fei-
O advogado de defesa dos activistas “Já enviámos vários documentos a plicou, sem mais detalhes sobre o ra, 18, o julgamento dos 11 activis-
detidos em Cabinda, Arão Bula Tempo, fim de provar a inocência dos activis- encontro. tas acusados de tentativa de golpe
considerou “desnecessária” a prorro- tas e nunca fomos respondidos. Ora, Durante uma reunião com os in- de Estado sem notificar os respec-
gação do prazo de prisão preventiva será mediante a acusação do Minis- dependentes, Abel Chivukuvuku tivos advogados de defesa.
dos 11 constituintes afectos ao Movi- tério Público que tomaremos as nos- terá referido que é necessário en- Um documento a que o Novo Jor-
mento Independentista de Cabinda sas posições. Vamos estar atentos a contrar uma solução para as pri- nal teve acesso conta que os advoga-
(MIC), que viram alargado o prazo de todas as diligências e queremos de- meiras autárquicas no país, que se dos de defesa afectos à Associação
permanência na cadeia, após decisão pois pedir justificações, em função realizam no próximo ano. Mãos Livres não receberam nenhu-
do Ministério Público (MP). dos argumentos por ele apresenta- “Sejam quais forem as circuns- ma comunicação daquele tribunal
Arão Tempo, que não encontra ra- do”, disse. tâncias, temos que encontrar uma provincial para comparecerem na
zão por parte daquele órgão de justiça O advogado afirmou ainda que ór- fórmula para estarmos presentes primeira sessão interrogatória.
para manter detidos os activistas, gãos judiciais pretendem condicionar em 2020. Para as eleições autárqui- “Estranha-nos o facto de os advo-
disse esta semana, em declarações ao a liberdade de expressão e de mani- cas não é preciso ter um partido. Po- gados de defesa não terem sido no-
NJ, que, durante o tempo em que co- festação, para marcar uma posição de demos ter um movimento de cida- tificados acerca do julgamento dos
meçou o processo criminal contra os que “ninguém pode falar particular- dania e avançarmos em 2020”, con- activistas afectos ao movimento.
activistas, o MP não conseguiu ter em mente sobre o enclave de Cabinda”. siderou o ex-dirigente político. ◗ A.G. Entendemos ser uma forma de in-
sua posse qualquer prova pretendida. “Qualquer cidadão angolano tem o criminar os acusados”, lê-se.
“O Ministério Público não encontra direito de se reunir e manifestar li- ■ QUINTILIANO DOS SANTOS O documento lembrou ainda o
qualquer fundamento criminal que vremente em determinados lugares episódio ocorrido em 2017, quando
pese sobre os activistas. Esse tipo de públicos, independentemente de aquele tribunal decidiu adiar o jul-
posição, que aquela instituição jurídi- qualquer autorização, para fins não gamento por aperceber-se que os
ca demonstra junto do processo, as- contrários à lei, à ordem e à tranqui- réus constituíram advogados liga-
sume, desde logo, interesse do Execu- lidade pública”, explicou. dos à Associação Mãos Livres.
tivo e não judicial como deveria ser, “A repressão e a opressão, as deten- “O Tribunal da Lunda-Sul já ha-
uma vez que os crimes que se preten- ções arbitrárias e os maus-tratos não via cancelado um julgamento
dem investigar nunca foram perpe- são a via mais adequada para resol- quando se apercebeu de que os réus
trados pelos activistas”, assinalou. ver o problema”, concluiu. constituíram Advogados ligados à
No seu entender, o MP não está a Para Arão Tempo, os responsáveis Associação Mãos Livres”, refere.
exercer as suas competências de for- governamentais pretendem “que não De acordo com o documento, entre
ma correcta e autónoma, tendo suge- haja diálogo para se resolver o proble- os acusados pelos crimes de rebe-
rido existir alguma pressão política. ma de Cabinda. Por isso, usam intimi- lião, tentativa de golpe de Estado e
“Temos a certeza de que querem dações para privar o direito de quem acto de preparação da manifestação
forçar provas que possam vir a incul- quer que as coisas sejam resolvidas”. na Lunda-Sul está uma senhora.
par os activistas”, considerou Arão A detenção foi feita quando um gru- Recorde-se que, na semana pas-
Tempo, prometendo que os advoga- po de activistas em Cabinda se prepa- sada, o movimento protectorado
dos de defesa vão aguardar até ao rava para comemorar o Tratado de Si- reclamou do pronunciamento do
desfecho do processo judicial, que mulambuco e pedir a autonomia da- Presidente da República sobre o
ainda se encontra em segredo de jus- quela província a sul do país. dossier das mortes nas Lundas
Chivukuvuku quer estar nas autarquias
tiça para as devidas apreciações. ◗ ANTÓNIO GASPAR Norte e Sul. ◗ A.G.

| 16 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


◆ PUBLICIDADE
Sociedade ESTATÍSTICA ■ ARQUIVO NJ

Dados oficiais estimam que mais de quatro milhões de angolanos, com idades entre os 15 e 35 anos, continuam sem saber ler nem escrever e mais de um milhão ainda estão fora do sistema de ensino

ENSINO Luanda e Huíla apresentam maiores tado pelo Novo Jornal, a proporção da-
proporções de jovens que não possuem queles que nunca frequentaram a esco-
nenhum nível de escolaridade, com la é mais acentuada nas províncias da
uma taxa de 19% e 11%, respectivamente, Huíla, com uma taxa de 15%, e Kwanza-

Luanda de acordo com dados do Instituto Nacio-


nal de Estatísticas (INE) relativamente à
repartição da população juvenil que fre-
quenta a escola. Seguem-se as provín-
cias de Benguela, Huambo, Kwanza-Sul
-Sul, com 9%.
As estatísticas do INE, elaboradas no
âmbito do Recenseamento Geral da Po-
pulação e da Habitação e divulgadas re-
centemente, indicam ainda que a pro-

e Huíla e Uíge, onde a maioria dos jovens com


idades entre 15 e 34 anos não possui ne-
nhum nível de escolaridade.
De acordo com o documento consul-
porção dos jovens que têm pelo menos
o ensino primário concluído é relativa-
mente mais elevada nas províncias de
Luanda (32%) e Benguela (9%).

lideram Taxa de Escolaridade


Proporção por província, segundo o nível de ensino concluído

índice de Luanda

Benguela

Huíla

jovens sem
Huambo

Kwanza-Sul

Uíge

Bié

escolaridade
Cunene
Ensino
Cabinda primário
Nunca
Malanje frequentou
Zaire Nenhum
nível
Estatísticas do INE apontam que 19% dos jovens Lunda-Norte

de Luanda e 11% da Huíla, com idades entre os 15 Moxico

Kwando Kubango
e 35 anos, nunca frequentaram a escola.
Lunda-Sul
SINPROF atira culpas às políticas públicas. Namibe
◗ HÉLDER CACULO Kwanza-Norte

Bengo

0 5 10 15 20 25 30 35
Fonte: INE, RGPH 2014

| 18 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


J

LEGISLAÇÃO
Escolaridade até à
Papel
9.ª classe passou de Parede
a ser obrigatória NOK NOGUEIRA

Desde 2016 que a escolaridade


no país passou a ser obrigatória
até à 9.ª classe, com a entrada em
vigor da Lei de Bases do sistema
Educativo. Segundo o documento,
O cerco à legislação que o executivo tenta silenciar
o ensino está divido entre os níveis

E
de educação pré-escolar, para as stá em marcha no país — pelo menos assim governação, que tarda em produzir os efeitos causados por
crianças dos três meses aos cinco demonstram os sinais — uma tomada de assalto a um promessas eleitoralistas?
anos de idade, o ensino primário conjunto de normativos e leis trabalhistas, já de si débeis Se há alguém que tem plena noção do risco que tem pela
(da 1.ª à 6.ª classes), o secundário e incapazes de reverter uma tendência asfixiante imposta pela frente esta pessoa é João Lourenço. Daí ter colocado em
(da 7.ª à 12.ª classes) e o superior actual Lei Geral do Trabalho, que, ao ser aprovada sem os marcha um conjunto de estratagemas, que passam por
(até 6 anos de curso nas consensos que se impunham em sede da concertação social inverter uma espécie de “ónus da causa” pelo facto de o país
licenciaturas e 3 nos bacharelatos). entre o executivo e os seus parceiros, promoveu um não estar ainda a gerar as condições mínimas que se
O artigo 12 da referida lei refere instrumento legal que deixou a classe trabalhadora numa traduziriam na mitigação progressiva das duras
que a obrigatoriedade da educação situação de maior fragilidade em relação ao patronato. consequências da crise que continua a devastar as condições
passa a abranger a classe da A agravar ainda mais esta problemática esteve o longo económicas e sociais das famílias. Em resposta a isso, o
iniciação (último nível do pré- consulado de uma liderança governativa musculada que não executivo não hesita em criar um quadro legal que servirá de
-escolar), o ensino primário respeitava os seus parceiros e arrogantemente se pôs à frente resposta às esperadas reacções às medidas impopulares.
e o primeiro ciclo do ensino ssos forçando uma vontade político-
de todos esses processos político Ciente da sensibilidade da situação e que, em
secundário, compreendendo este -partidária que esteveve sempre, em primeira instância, ao consequência disso, terá de ser inflexível à onda de
último a 7.ª, 8.ª e 9.ª classes. serviço dos interesseses de greves e reivin
reivindicações trabalhistas que
“A obrigatoriedade da Educação uma elite económicaa gan
tendem a ganhar força nas hostes sindicais, o
traduz-se no dever do Estado, dominante. Foi esta executivo de João Lourenço não ousa
da sociedade, das famílias e mesma elite que se ressuscitar já a famosa figura do “senhor
das empresas, de assegurar e servia do seu estatutoo ordens superiores”,
superi por estar muito associada
promover o acesso e a político para impor as Pr
ao anterior Presidente da República — do qual
frequência ao sistema de ades,
maiores arbitrariedades, afasta —, mas tenta, através de
se quer afastar
educação e ensino a todos os uma vez que a prática ca corrente mecanismos legais, impedir que se juntem à
indivíduos que se encontram determinava que quem em assumisse um cargo trincheira das forças de pressão a classe
em idade escolar”, lê-se. eguinte, era igualmente
de governo, no dia seguinte, trabalhista, que poderia ser uma porta aberta
patrão porque tinha uma empresa afecta a si a para uma greve g geral.
ços ao Estado.
fazer a prestar serviços Aproveitando-se do entusiasmo generalizado, ao
nagens políticas, que a priori
Todas essas engrenagens redor daquilo que o eexecutivo continua a chamar de
Os dados foram colhidos tendo em pareciam apenas afectarctar a condução política do país, combate à corrupção
corrupção, cujos resultados continuam a
conta a proporção da população resi- rapidamente resultariamriam no estrangulamento do ser verdadeiros man mantos de ilusões, assiste-se hoje a
dente com idades entre os 15 e 34 anos funcionalismo político co e na precariedade da um silenciar do deb debate sobre mudanças
de idade, por província e sexo, segundo prestação de serviçoss para justificarem em parte a significativas que se serão feitas à Lei Sindical e à Lei
o nível de ensino concluído. dos. Tudo isso resultou em
contratação de privados. da Greve. Estas discu
discussões não têm qualquer impacto
benefícios monumentaisntais ao “sector privado” que nos órgãos públicos de comunicação social porque é
SINPROF diz que ainda «falta esteve sempre encostadotado a esta elite económica uma decisão contrá
contrária àquilo que atestava o seu
a verdadeira vontade política» dominante. De tal sorte rte que a instrumentalização qu está mal”.
slogan: “corrigir o que
Para o presidente do Sindicato Nacio- staria ao serviço dos
de diplomas legais estaria Este silêncio público
pú sobre essas mudanças
nal dos professores (SINPROF), Guilher- objectivos destes grupospos de interesse. propostas quer na Lei Sindical quer na Lei da Greve
me Silva, o elevado número de crianças A chegada de João Lourenço ao poder, animado at
são claramente atentatórias às conquistas
e jovens fora do sistema de ensino dança de paradigma e da
pelo discurso de mudança se
inalienáveis do sector trabalhista. Logo, não serem
deve-se às “fracas políticas” traçadas correcção das enormes es barbaridades discutidas ou n no mínimo publicitadas é um acto
pelo governo para o sector da educação. entou um
governativas, representou de cinismo puro do executivo. Mas percebe-
“Quando gizam tais políticas não posicionamento cívico co mais avisado por on está a razão de tudo isso: uma
-se bem onde
consultam universidades, sociedade parte dos parceiros doo governo, que viram A tomada de assalto discuss aberta com todas as forças
discussão
civil e sindicatos”, frisou Guilherme
Silva, que também aponta o reduzido
nesta manifestação de vontade um
caminho para alertar o executivo sobre
às leis e a alguns sindicais em espaços públicos haveria
de colocar João Lourenço no lugar do
investimento no sector como uma das os atropelos às leis e a um sem- normativos de leis já existentes “novo ditador”, pelo facto de o seu
causas do elevado índice de analfabe- -número de normativos que já no executivo estar a fazer alterações a
tismo no país. anterior consulado tinham custado que o executivo de João Lourenço leis que revertem conquistas
“Enquanto a educação não for a prio-
ridade das prioridades, o quadro vai
sangue, suor e lágrimas para serem,
primeiro, consagrados na lei, e,
está a promover nada mais é senão conseguidas a muito custo.
Após as eleições gerais de 2017,
agudizar-se cada vez mais, porque fal- segundo, respeitados como balizas uma fuga para frente em relação João Lourenço e o seu partido
ta a verdadeira vontade política”, fri- determinadas pelos Estados puseram em marcha um conjunto
sou Guilherme Silva. democráticos e de direito. a um conjunto de medidas de acções programáticas que
O sindicalista sublinhou que uma
melhor aposta na educação vai reduzir
A tomada de assalto às leis e a alguns
normativos de leis já existentes que o
impopulares que se tendem a tornar as forças sindicais e
outras reféns de um conjunto de
igualmente o número de jovens des- executivo de João Lourenço está a promover avizinham normativos que farão do executivo dono e
empregados no país e aumentar o po- nada mais é senão uma fuga para frente em senhor das circunstâncias sempre que se
der de compra das famílias angolanas. relação a um conjunto de medidas impopulares desencadear uma greve, dada a tendência
“A população angolana é maiorita- que se avizinham e que deverão causar alguma convulsão repressiva da lei e das consequências em caso de um
riamente jovem. Portanto, sem educa- social, dado o agravamento das condições socioeconómicas da braço-de-ferro entre os trabalhadores e patrões.
ção, como estes jovens vão ter acesso maior parte da população, que, ainda hoje, volvidos quase dois A única diferença neste quadro de correlação de forças
ao emprego que também é escasso, anos de governação, não consegue vislumbrar sinais de entre os grupos sindicais e o executivo é que este último está
dado o índice de desemprego agoni- melhorias decorrentes da acção governativa. Percebem que muito mais exposto hoje do que esteve antes, porque o
zante?”, questionou. nem só de promessas continuarão a viver. quadro económico-financeiro do país não permite que se
Entretanto, bafejado pela sorte de uma estratégia eleitoral tomem medidas arbitrárias como no consulado anterior,
que teve efeitos neutralizadores para oposição política, na ignorando as consequências directas de uma greve ou de um
◗ «Sem educação, medida em que João Lourenço retirou do leque de
argumentos de seus oponentes um dos maiores activos — a
aumento da tensão social com o actual quadro legal. Daí a
urgente necessidade que o executivo de João Lourenço tem
como os jovens problemática da endémica corrupção que tomou o Poder de fazer, em surdina e longe dos holofotes dos órgãos
Político —, o executivo angolano viu-se a braços com um públicos de comunicação, estas alterações, no sentido de
vão ter acesso grande dilema: como antecipar um cenário de maiores condicionar o exercício da actividade sindical, porque tem
ao emprego?», apertos e de sacrifícios, quando do outro lado da barricada
se adivinha uma maior exigência por parte da sua
clara noção de que governar é mais do que o mero proferir
de promessas eleitoralistas. ■
questiona SINPROF

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 19 |


Sociedade
CRIMINALIDADE

■ADJALI PAULO.

Moradores do bairro Malweka lamentam ainda a falta de policiamento, iluminação pública e energia da rede pública, apontada como as principais causas do índice de criminalidade

Cazenga

Marginais continuam
a «infernizar» bairro Malweka
É dos bairros com maior deslocou uma equipa de reportagem Anita Francisco, outra moradora, Com o medo de possíveis retaliações,
naquele bairro e colheu revelações as- afirmou já ter presenciado inúmeros muitos moradores preferiram falar
índice de criminalidade. sustadoras dos moradores. assaltos à mão armada bem junto da sob anonimato.
Quase todos os dias, a José Alfredo, um dos nossos primei-
ros interlocutores, contou que teste-
sua residência. A cidadã, que se encon-
trava sentada junto à porta de casa,
“Já estamos cansados com essa si-
tuação, não temos uma esquadra de
zona do Malweka, no munhou, há alguns dias, vários assal- com o filho ao colo, disse ainda que os polícia na zona. Dificilmente vemos
tos perpetrados por marginais a diver- moradores se sentem «forçados» a per- patrulheiros no bairro, o que precisa-
Cazenga, regista crimes sas cantinas. manecer dentro das residências antes mos com urgência”, disse um morador.
como assaltos, “Esses dias estão a assaltar muito as
cantinas. Quase todos os dias recebe-
das 21 horas, devido ao medo da acção
dos meliantes.
Além da falta de segurança, o bairro
enfrenta outros desafios, como a falta
violações, assassinatos mos notícias do género. Assaltaram a “Neste tempo de frio, tudo piora. A de escolas, de água, energia eléctrica e
cantina de um vizinho e levaram quase zona fica isolada. Com a falta de ilumi- saneamento básico.
e luta entre gangues. toda a mercadoria e ainda ameaçaram nação, quase já não se vê nenhuma Um relatório da Polícia Nacional, que
a família com arma de fogo”, disse. movimentação de pessoas a partir das aborda, de forma geral, a situação da
◗ DULCINEIA LUFUA O morador, residente há mais de 20 18 horas e os bandidos aproveitam para criminalidade no país, avança que em
anos no bairro, confidenciou que mui- fazer das suas”, contou. 2018 foram registados um total de
Moradores do Malweka, no município tos assaltos e lutas entre gangues 72.174 crimes comuns, observando um
do Cazenga, em Luanda, um dos bair- acontecem à luz do dia, sendo os seus aumento de 26.301 casos. A Polícia re-
ros mais inseguros da capital, de acor-
do com relatos da Polícia Nacional,
protagonistas, na sua maioria, adoles-
centes e jovens com idades compreen-
◗ Moradores porta ainda no relatório que diaria-
mente foram registados 198 crimes. O
continuam agastados com o elevado didas entre 15 e 28 anos. lamentam a falta documento da corporação castrense
índice de criminalidade. Assaltos a re- “ Muitos desses jovens [delinquentes] sublinha ainda que as acções resulta-
sidências e cantinas são frequentes. À residem em outros bairros. Como têm de policiamento, ram na apreensão de 49.453 presumí-
mão armada, delinquentes transfor-
mam o bairro num lugar de «terror» e
alguns amigos aqui, as coisas ficam fa-
cilitadas para eles, roubam, violam e
energia, escolas e veis autores dos crimes, sendo Luanda
uma das províncias com maior índice
de sobrevivência. Esta semana, o NJ matam”, detalhou. saneamento básico de criminalidade.

| 20 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


Superlotação

População penal nas cadeias do país custa


cerca de 12 milhões de dólares/mês ao Estado
■ CÉSAR MAGALHÃES
Cerca de 12.000 cidadãos encontram-se
em prisão preventiva (medida cautelar
◗ Mais de 12.000
que visa evitar que uma pessoa na con- cidadãos estão em
dição de recluso fuja, destrua provas ou
continue a actividade criminosa) nas prisão preventiva
diferentes cadeias do país. A informa-
ção foi avançada, esta semana, em
num universo de
Luanda, pelo secretário de Estado para 25.900 reclusos
os Serviços Penitenciários do Ministé-
rio do Interior, José Bamókina Zau.
O responsável precisou que a nível das ventiva, o Ministério Público tem de
cadeias do país existem 25.900 reclusos, considerar que há fortes indícios da
quando a capacidade instalada é de prática de crime. No entanto, a lei é
21.874, o que representa uma sobrelota- clara: “a prisão preventiva não é uma
ção acima dos 10%, segundo cálculos do punição pelo cometimento de um cri-
NJ. Dos 25.900 reclusos, 11.900 estão de- me”.
tidos e cerca de 13.000 condenados. Nou- A prisão preventiva tem prazos fixa-
As cadeias do país controlam quase 26.000 reclusos, dos quais apenas 13.000 foram julgados
tras palavras, metade dos detidos dos na lei. Esses prazos estão previstos
(12.000) está em prisão preventiva. no artigo 40.º da Lei das Medidas Caute-
José Bamókina Zau reconhece que a fal- te, o que constitui também mais custos fi- das. lares. Em regra, uma pessoa pode ser
ta de celeridade no tratamento dos pro- nanceiros para o Estado. Segundo apurou De acordo com os artigos 35.º e se- presa preventivamente por quatro me-
cessos pode estar na base do elevado nú- o NJ, o país gasta cerca de 12 milhões de guintes da Lei das Medidas Cautela- ses sem acusação, prazo que pode ser ele-
mero de pessoas detidas preventivamen- dólares/mês com as cadeias superlota- res, para que se aplique a prisão pre- vado para seis anos. ◗ HÉLDER CACULO

◆PUBLICIDADE

MECÂNICA ELECTRICIDADE
RECAUCHUTAGEM
BATE-CHAPA E PINTURA Polo 1 Patriota - Via Expresso - Sentido Viana-Benfica
(400 mts. antes da entrada para a estrada do Patriota)
LAVAGEM MANUAL
Polo 2 Viana - Industrial de Viana (em frente à MAXI)
E OUTROS SERVIÇOS Luanda, Angola

TEL: 931 364 444 | geral@ lidermobile.com | www.l i d er mo b i l e. co m

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 21 |


Sociedade
SAÚDE

Breves
■ QUINTILIANO DOS SANTOS

Criança torturada
Família pede
Mais de oito mil
celeridade do BIs abandonados
nos postos
processo que Oito mil e 23 Bilhetes

pesa sobre de Identidade estão


abandonados, há mais de dois
anos, nos postos de emissão
agente da PN da província do Huambo, uma
situação que está a preocupar
o departamento de
Familiares da criança torturada re- Identificação Civil e Criminal.
centemente em Luanda por uma Em declarações à ANGOP,
oficial da Polícia Nacional (PN), co- o chefe do departamento,
nhecida por Apolónia Escolástica, Hélder Paulo Gomes,
que ostenta a patente de inspecto- disse desconhecer
ra-chefe, pedem maior celeridade as razões que levam os
no processo criminal em curso. À utentes a não procederem
acusada foi aplicada a medida cau- ao levantamento dos seus
telar em virtude de se encontrar em documentos de identidade,
estado de gestação de oito meses, facto que tem vindo
conforme prevê a Lei das Medidas a aumentar ligeiramente.
Cautelares.
Em conversa com este semaná-
rio, Antónia Francisco, mãe da pe-
Ana D. Lourenço é madrinha da campanha lançada em 2018, orçada em mais de 50 mil milhões Kz
quena Elizandra Augusto, lamen- Escola é encerrada
tou a morosidade do processo e o si- depois de docentes
lêncio dos órgãos de justiça. serem agredidos
Transmissão do VIH/SIDA “Os advogados apenas nos pedem
para ficarmos calmos, que a qual- A direcção municipal
Primeira-dama pede quer altura nos trarão novidades.
Os meses vão passando e a senhora
de educação de Icolo e Bengo,
em Luanda, encerrou a escola

maior consciencialização Escolástica [a acusada] continua


solta”, observou a mãe da menor.
Contactado pelo NJ, o director do
primária da localidade de
Gonçalo, comuna de Kaculo
Kahango, deixando 150 alunos
das famílias para o VIH Gabinete de Comunicação Institu-
cional e Imprensa da Delegação
sem aulas, depois de um grupo
de jovens ter agredido
Provincial do Ministério do Inte- os professores logo após
Um maior engajamento na educação e na maternidade do Hospital Geral de rior, intendente Mateus Rodrigues, uma partida de futebol.
consciencialização da população e das Ondjiva, no quadro do programa de fez saber que o caso já não é da res- Fonte da administração local
famílias, em particular das mulheres corte vertical. ponsabilidade da PN. Informou referiu que a escola foi
em idade fértil, grávidas e adolescen- que, apesar de continuar no exercí- encerrada no dia 30 de Maio
tes, sobre o VIH/Sida é o que espera a Mais de 50 mil milhões Kz para cio das suas funções, pesa sobre a depois de jovens da
primeira-dama da República dos seus reforçar combate ao VIH ofensora uma medida cautelar em comunidade de Boaventura
principais parceiros na luta contra no- O Plano Operacional da Prevenção de fase de instrução. terem agredido os professores
vos contágios. Transmissão do VIH de mãe para filho “Já foi encaminhado ao Ministé- por não concordarem com o
Ana Dias Lourenço esteve durante 2019-2021, lançado no âmbito da cam- rio Público e segue os seus trâmites resultado da partida.
dois dias na província do Cunene, região panha Nascer Livre para Brilhar, está normais”, disse.
que escolheu como prioridade no âmbi- orçado em mais de 50 mil milhões de Por sua vez, o director do Hospital
to da massificação da campanha deno- kwanzas, ou seja, em cerca de 17 mil Geral de Luanda, Carlos Zeca, ga-
minada Nascer Livre para Brilhar, por milhões de kwanzas por ano. rantiu que Elizandra Augusto con- Antigo director
registar a maior taxa de incidência e tinua internada e recupera a bom da Angop é
prevalência do país, fixada em 6,1% de ritmo. ◗ DULCINEIA LUFUA encontrado morto
novas transmissões. Seguem-se as pro-
víncias do Kwando Kubango, com 5% e
◗ Até 2021, espera- O antigo director
Moxico com 4%. -se que a taxa de ■ ADJALI PAULO de Informação da Angop
A madrinha da luta contra o VIH no José Eduardo de Oliveira
país, lembrou que com esta campanha transmissão do VIH Xavier foi encontrado morto,
pretende-se reduzir a taxa de trans-
missão do VIH de mãe para filho, de 26
de mãe para filho na sua residência, por razões
desconhecidas, no bairro
para 14% até 2021. caia de 26 para 14% Dunga, arredores da cidade
Apelou, por um lado, por uma maior do Uíge, sede da capital
sensibilização do uso do preservativo da província. Uma vizinha
pelos jovens entre os 15 e os 24 anos, ti- O montante vai permitir tratar pre- contactada pela Angop
dos como principais infectados, e por cocemente crianças seropositivas, deu a conhecer que notou
outro, por uma melhoria na qualidade através do diagnóstico precoce infantil a ausência de Eduardo Xavier
dos cuidados pediátricos. e da aplicação de aconselhamento e desde sexta-feira,
Depois de ter sido lançado o desafio, testagem. 07, supondo que o mesmo
em Dezembro de 2018, no Moxico, Cu- O plano é composto por quatro eixos: tivesse ausente da província
nene acolheu a primeira visita de tra- prevenção primária do VIH, da trans- ou em casa de algum
balho fora da capital do país, por regis- missão do VIH de mãe para filho, trata- familiar. O Serviço
tar a maior taxa de incidência e de pre- mento pediátrico e áreas transversais de Investigação
valência. Na ocasião, a primeira-dama (combate de estigma e discriminação). Criminal (SIC) está
foi informada que durante o primeiro Numa primeira fase foram seleccio- a trabalhar no sentido
trimestre deste ano, 92 bebés de mães nadas as províncias de Benguela, de apurar as causas
seropositivas, num total de 1.107 partos Kwanza-Sul, Cunene, Huambo, Huíla, da morte.
A acusada é inspectora-chefe da PN
realizados, nasceram livres da doença Luanda, Lunda-Sul e Moxico.

| 22 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


Espaço
■ D.R.

Menor de 9 anos Solidário

que deixou de crescer já ■ D.R.

começou a receber apoios


Na edição passada, o NJ contou o drama O médico explicou que a doença de
por que passa Marcolino Dias Calumbo, Marcolino pode ter sido motivada por
criança natural de Benguela, «congelada um tratamento incorrecto após a ci-
no tempo», um mistério que desafia a rurgia. Sublinhou igualmente que ca-
medicina do país. O menor tem 9 anos de sos de género são frequentes no país,
idade mas não fala, não anda e mantém sobretudo devido ao estado avançado
a estatura e características de um bebé. com que muitas crianças chegam aos
Segundo a mãe, nesta semana o Marcoli- hospitais.
no recebeu alguns apoios e está a ser as- Estima-se que mais de 1000 crianças
sistido no Hospital de Benguela. Poste- sofrem de hidrocefalia no país, mas
riormente será transferido para o centro apenas 400 foram assistidas e aguar-
Menores tiveram formação sobre saúde neurocirúrgico de tratamento de hidro- dam por cirurgias.
cefalia, em Luanda.
“Desde que o Novo Jornal publicou a his- Jovem com
Saúde tória do meu filho, começamos a receber ◗ «Assim que deficiência precisa
algumas ajudas. Estamos muito gratos de um triciclo
Crianças pelos apoios. Neste momento, ele encon- recuperar, vamos
tra-se internado no Hospital de Benguela, Justino Cris é um jovem
para Luanda, para
aprendem mas o seu estado de saúde ainda é crítico.
Assim que recuperar, vamos seguir para
Luanda, para posterior consulta de hidro-
posterior consulta
com deficiência física nos
inferiores e precisa de uma
cadeira de roda ou triciclo
que «ir cefalia”, explicou Maria da Conceição.
Residente no bairro 11 de Novembro
de hidrocefalia» para trabalhar e a ajudar
a família.

ao médico (Camunda), no município da Baía Farta,


província de Benguela, a mãe de Marco-
lino, que se encontra desempregada,
O Orçamento Geral do Estado do pre-
sente ano ano económico contempla,
O jovem, que sonha em
concluir os estudos e
trabalhar, foi abandonado
não dói» ainda precisa de ajuda para se poder
deslocar para Luanda a fim de seguir
pela primeira vez, uma rubrica para o
diagnóstico e tratamento da hidrocefa-
pelo pai. Vive com a mãe
e três irmãos no município do
com o tratamento do seu terceiro filho. lia com despesas avaliadas em 490 mi- Lobito, no bairro São João, na
O Shopping Xyami juntou-se à luta Fraudas descartáveis, leite, produtos lhões de kwanzas, cerca de 0,49% da província de Benguela. Contou
contra o medo que as crianças sen- de higiene e dinheiro para aquisição de despesa total atribuída ao Ministério ao Novo Jornal que, muitas
tem da bata branca e das ciringas medicamentos são algumas das neces- da Saúde (MINSA). vezes, tem sido vítima de
dos médicos e enfermeiros e criou o sidades do pequeno. Recorda-se que o maior centro de tra- preconceito e de exclusão,
Hospital do Nené, um projecto vol- Após ser informado, por este semaná- tamento da doença, no Kifica, mantém sobretudo quando se propõe a
tado aos mais novos, que propõe ac- rio, sobre a situação da criança, o admi- suspensas as intervenções cirúrgicas, procurar emprego. Para
tividades divertidas com recurso à nistrador do Centro Neurocirúrgico de desde Abril, deixando centenas de sobreviver, Justino rasteja-se,
simulação em consultas de saúde. Tratamento a Hidrocefalia do Kifica, Jo- crianças «ao deus-dará». todos os dias, de casa até à
Segundo uma nota de imprensa sé de Sousa, mostrou-se disponível para Ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, portaria do supermercado
enviada à redacção do NJ, o Hospi- apoiar a criança. mantém «silêncio» a respeito. ◗ H.C. Shoprite do Lobito, uma
tal do Nené está montado no Xyami distância de quase dois
Shoping do Kilamba e Nova vida. O ■ D.R. quilómetros, para pedir
projecto conta com médicos, enfer- esmolas.
meiros e estudantes de áreas de “Ultimamente não consigo
saúde de várias instituições de en- nada nas esmolas e tenho
sino que durante todo o mês de Ju- passado muita fome, por isso
nho prometem desfazer os receios peço às pessoas de boa-fé que
de médicos, instrumentos e am- lerem a minha história que me
bientes hospitalares nas crianças, ajudem com uma cadeira de
a fim de contribuir para a sua auto- rodas”, pediu, esperançoso, o
confiança. jovem.
“As crianças são convidadas a Além da falta de uma cadeira
trazer o seu brinquedo «doente» e de rodas, Justino passa ainda
aprender como ir ao médico não outras dificuldades.
doí nada”, lê-se na nota. Por isso, uma vez mais, o NJ
A unidade sanitária, projectada à apela à solidariedade dos seus
escala dos mais pequenos, foi leitores, que desde a criação
adaptada com consultórios, nas deste Espaço Solidário têm
especialidades de pediatria, odon- ajudado muitas famílias
tologia, nutrição, medicina de angolanas.
emergência, medicina do adoles- Caro leitor, para ajudar o
cente, oftalmologia e clínica geral. jovem Justino, liga para os
Com esta actividade, que decorre seguintes terminais:
sob o lema “Vem aprender a cuidar 928798013 / 992259382
de ti e do teu nené”, o Xyami visa in-
centivar as interacções entre pais e
filhos, e contribuir para o desenvol- Espaço Solidário é um serviço
vimento e educação das crianças. de utilidade pública criado pelo
O Hospital do Nené funciona das NJ com o propósito de ajudar
10h às 17h, e é dirigido a famílias, pessoas carenciadas. Envie-nos
igrejas, escolas públicas e privadas. histórias semelhantes para
Desde a sua inauguração, o projecto geral@novojornal.co.ao.
O pequeno Marcolino Calumbo já se encontra em tratamento médico no Hospital de Benguela
já atendeu mais de 1000 crianças.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 23 |


Dossier CONTÁGIO

O perigo espreita e coloca em causa a saúde de pessoas menos informadas, que mantêm contacto com os resíduos hospitalares

RISCO

Hospitais juntam lixo


hospitalar ao lixo comum
e deixam perigo à solta
Agulhas, pinças, lâminas, sistemas de colecta de fluidos, vestuários e roupas de camas hospitalares são,
em resumo, os produtos que avolumam a quantidade de material que vai para o lixo. Os contentores para
os quais são destinados nem sempre recebem estes resíduos que acabam misturados ao lixo comum.
◗ ERNESTO GOUVEIA

O risco de contaminação é só um dos perigo provém dos centros de hemodiá- locados inclusive no mesmo contentor, em contacto directo com estes produtos,
problemas que o lixo hospitalar pode lise, maternidades ou requisitados nas quando este tipo de resíduos deve ser depo- colocando em risco a saúde.
causar. Em alguns hospitais, regista-se áreas onde há permanência de doenças sitado em recipientes apropriados. Na maior parte das unidades de saúde,
a deposição destes resíduos nos conten- como a Hepatite e o HIV/SIDA. De modo normal e alegadamente ne- os resíduos são colocados em contentores
tores para os quais não são destinados, Dados do Plano Estratégico de Gestão gligente, a população acaba por entrar públicos, ao ar livre ou mesmo em lixei-
que ainda são transformados em uri- de Resíduos Sólidos “Angola Hamset Pro- ras, nas traseiras das unidades de saúde,
nóis. A fraca sensibilização e a negligên- ject” revelam que a nível mundial a con- não ensacados, de fácil acesso a pessoas e
cia coabitam com o perigo e a morte.
Os resíduos sólidos que provêm dos
taminação do HIV/SIDA por via de mani-
pulação dos resíduos hospitalares con-
◗ Em média, animais. Os resíduos nem sempre são re-
colhidos atempadamente, o que dá ori-
hospitais, por serem restos produzidos taminados representa perto de 0,2%. recolhe-se cerca gem a um cenário preocupante. Assim é
diariamente durante as actividades nas Alguns hospitais, independentemente no Hospital Josina Machel, no município
unidades sanitárias, carecem de um tra- de procurarem cumprir os elementos nor- de uma tonelada de Luanda, e nos Cajueiros, no Cazenga.
tamento especial, tendo em conta as
suas características.
mativos em relação à gestão do lixo, regis-
tam ainda episódios em que o depósito não
de lixo hospitalar Nos últimos anos, fruto da necessida-
de de inversão do quadro, foi possível no-
O lixo hospitalar que constitui maior separa o lixo hospitalar do lixo comum, co- por mês tar mudanças em vários aspectos, tam-

| 24 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


■ QUINTILIANO DOS SANTOS.

■ ARQUIVO NJ

Incineradoras queimam
num turno até 500
quilogramas de lixo
Até 2009, segundo o projecto Hamset, a para qualquer bolso”, afirma Mauro
estimativa da produção total de resí- Manaças, técnico com vasta experiên-
duos hospitalares em Angola era de cia em montagem de incineradoras.
cerca de 5.495.951 kg/ano, dos quais No caso particular de Luanda, ac-
20% a 30% representam resíduos hos- tualmente uma unidade com a di-
pitalares contaminados, ou seja, cerca mensão do Hospital Geral de Luanda é
de 1.373.988 kg/ano. capaz de produzir mensalmente pou-
Nos dias que correm, os técnicos de co mais de uma tonelada por mês, de
recolha de lixo ousam afirmar que na um modo geral.
realidade esses números crescem em Segundo o director daquela unidade
função da densidade populacional de de serviço público, a realidade daquela
A falta de incineradoras é o problema
Luanda, que se vai tornando cada vez instituição, comparada com os anos
maior. anteriores, é completamente diferen-
Luanda tem três incineradoras que te. “Melhorou bastante depois de 2017”,
se destacam, sendo que a mais antiga afirmou, convicto, o médico. Em todo o país
pertence à operadora Recolix. Para
além desta, existe ainda a incinerado-
ra do Governo Provincial de Luanda,
◗ Luanda tem três
Hospitais
que está localizada no Mulenvos, mu-
nicípio de Viana. Esta máquina foi en-
tregue pelo GPL à Elisal, empresa que
incineradoras, provinciais
terceirizou os serviços de gestão do sendo que a mais contam
aterro sanitário a uma empresa deno-
antiga pertence à
minada Crescer.
Cada uma dessas incineradoras
pode queimar pouco mais de 500 kg de
operadora Recolix apenas com
lixo hospitalar em apenas um turno
que, segundo informações, vai das Mauro Manaças, por sua vez, já não
aterros
7h00 às 15h. concorda com esta realidade e olha
Entre as empresas da capital que numa perspectiva mais alargada em O oposto de Luanda acontece nas
operam na recolha de lixo produzido que inclui as unidades hospitalares de outras províncias. Após a realização
nos hospitais, estão a Elisal, Recolix e referência onde, segundo as autorida- do 1.º Seminário sobre o Ambiente e
a Sambiente. Esta última faz a gestão des, o risco de contaminação é menor, Saúde na sua Gestão e Tratamento
de um aterro localizado no município em função dos cuidados que existem dos Resíduos Hospitalares Perigosos
bém impulsionadas pelo surgimento de de Catete, arredores de Luanda. no tratamento do lixo hospitalar, que e não Perigosos, organizado pela
novos hospitais de referência, facto que “O custo de vida, com a recessão eco- é completamente diferente do co- Agência Nacional de Resíduos
acabou por exigir o redobrar de esforços nómica, obriga a contenções na pro- mum. O profissional conclui que a ac- (ANR), o que se espera é uma mu-
das autoridades na facilitação para a cura de serviços saúde nas unidades tual realidade faz pensar que “já tive- dança no cenário que, pelo menos,
criação de novas operadoras de limpeza. hospitalares públicas em detrimento mos dias muito melhores nas opera- as principais cidades do país en-
Nalguns hospitais da capital, tais das privadas, onde os preços não são ções de recolha de lixo hospitalar”. frentam, onde não há uma incine-
como o Hospital Geral Especializado, no radora para tratamento dos resí-
Golfe 1, e o Hospital Geral de Luanda (na ■ ARQUIVO NJ duos hospitalares.
Camama), a operadora Sambiente é res- No mês de Abril, em Benguela, o am-
ponsável pela recolha dos resíduos pro- bientalista Isaac Sassom denunciou
duzidos nestas unidades, ao passo que alguma “atitude negligente da parte
as concorrentes têm apenas a missão das autoridades” no tratamento de
da recolha do lixo comum. resíduos perigosos, com particular
Em média, cerca de uma tonelada por enfoque para o lixo hospitalar, além
mês é a quantidade recolhida. A incine- de uma postura negligente das co-
ração e a deposição no aterro sanitário é munidades.
o destino final destes produtos, proibi- Na província da Huíla, há pouco
dos de serem reutilizados, tendo em mais de um ano, o município do Lu-
conta o risco de infecção ou contágio bango debatia-se com um problema
que podem causar ao ser humano. que parece persistir onde não há in-
O director do Hospital Geral de Luan- cineração de resíduos hospitalares.
da, questionado sobre o risco de conta- Devido a essa escassez, lixo prove-
minação, explicou que nunca foram re- niente das unidades sanitárias é de-
gistados casos de contaminação de po- positado de forma inapropriada no
pulares devidos ao contacto com os resí- aterro de Mututu, localidade de
duos depositados nos contentores. Luyovo, constituindo deste modo um
Carlos Zeca fala, sim, de melhorias na atentado à saúde pública.
gestão do lixo hospitalar, mas alerta Já no Huambo, poucos meses an-
para o risco que representa o lixo hospi- tes da sua exoneração, o então gover-
talar a que os populares são expostos. nador daquela província do Planalto
O Decreto Presidencial n.º 160/14, de 18 Central, João Baptista Kussumua, ti-
de Junho, é o instrumento que regula e nha orientado a construção de pe-
orienta a gestão dos resíduos hospitala- quenas incineradoras de lixo hospi-
res e serviços de saúde, desde o trata- talar nas unidades sanitárias, justa-
mento, armazenamento, acondiciona- mente para evitar a sua deposição
mento e deposição final, sendo “um im- em locais impróprios, entretanto o
perativo a que todos os organismos do cenário mantém-se no novo executi-
Mauro Manaças, técnico de incineradoras, afirma que Luanda já teve bons modelos de recolha
sector devem obedecer”. vo provincial.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 25 |


Dossier
CONTÁGIO

■ QUINTILIANO DOS SANTOS

Sensibilização
Fraca
informação
leva a gestos
negligentes
da população
O director do Hospital Geral de Luan-
da, Carlos Zeca, além de admitir que
há ainda melhorias a serem feitas
nesse processo de gestão dos resí-
duos hospitalares, entende também
que o trabalho dos ambientalistas é
fundamental para que sejam encon-
tradas soluções mais eficazes para
uma gestão mais racional destes
produtos.
O médico responsável tem ainda
em conta a fraca informação dos po-
pulares que acorrem aos hospitais,
que, muitas vezes, longe da seguran-
Os postos médicos da periferia, segundo a Agência Nacional de Resíduos, não olham para gestão do lixo com a atenção exigida
ça, fazem dos espaços dos contento-
res um balneário público.
O ambientalista João Serôdio diz

Alerta Centros da periferia ser uma consequência associada ao


crescimento demográfico das prin-
cipais capitais do país a elevação das
quantidades de resíduos a incinerar.

não são eficientes na O especialista afirma que essa situa-


ção provoca problemas ambientais
graves.
“A heterogeneidade da massa dos

gestão do lixo hospitalar resíduos hospitalares e a falta de


preparação das unidades de incine-
ração para o tratamento de quanti-
dades crescentes de resíduos têm le-
vado à impossibilidade do cumpri-
Os responsáveis do Quanto às empresas que fazem a re- “O lixo hospitalar requer uma abor- mento dos limites de emissão de ga-
colha, o PCA da ANR esclareceu que, dagem oportuna e desafiadora devido a ses cada vez mais estritos”, explicou.
Ministério do Ambiente para que uma empresa possa efectuar algumas denúncias feitas ao Ministé- Estima-se que cada doente inter-
não admitem existir uma este tipo de operações, a mesma tem rio do Ambiente, que pretende reduzir a nado produza actualmente mais de
situação alarmante, mas de reunir algumas condições, e uma produção de resíduos e proporcionar 1kg de resíduos hospitalares conta-
delas passa pela certificação da insti- um destino seguro de forma eficiente, minados. Estes dados, resultantes
defendem a adopção tuição pela qual responde. com base nas operações de deposição, de um estudo desenvolvido pelo Cen-
de métodos de gestão Sobre a inexistência de aterros nas de- recolha, transporte, armazenamento, tro Nacional de Educação a Distân-
mais eficazes. mais províncias, Monteiro Lumbo tratamento, valorização e a sua elimi- cia, apontam ainda que os custos do
avançou que estão a ser construídos nação”, concluiu. tratamento de um interno até à inci-
◗ ERNESTO GOUVEIA aterros na província de Benguela. Já o secretário de Estado da Saúde neração, que é o processo mais co-
A criação de aterros tem respaldo numa para a Área Hospitalar, Leonardo Ino- mum, rondam os 3.700 kwanzas por
O Presidente do Conselho de Adminis- orientação do Plano Estratégico de Gestão cêncio, destacou o facto de permitir tonelada.
tração da Agência Nacional de Resíduos de Resíduos Urbanos (PRESGRU), aprovado identificar o diagnóstico, sobretudo a
afirma que a situação está controlada por Decreto presidencial n.º 196/12, de 30 de nível dos hospitais municipais e centros ■ ADJALI PAULO

mas a intenção é fazer mais para me- Agosto, que estabelece que cada uma das que se debatem ainda com o problema.
lhorar a situação. Monteiro Lumbo ga- capitais das províncias do país deve ter es- O governante esclareceu que a ques-
rante que, na gestão dos resíduos hospi- tas infra-estruturas até 2025. tão do lixo hospitalar, sobretudo das
talares, os centros médicos da periferia O secretário de Estado do Ambiente, peças que constituem perigo, não é
apresentam uma gestão pouco eficiente. Joaquim Manuel, diz que o quadro não é alarmante no país, mas referiu que
Visitas de fiscalização, regulares, preocupante, mas carece de maior ac- está a ser estudada a melhor táctica
têm sido desenvolvidas pela institui- tuação, sendo que o problema reside na com empresas especializadas, princi-
ção que dirige e, em função disso, tem falta de informação por parte de gesto- palmente para os centros hospitalares.
verificado que os postos médicos nor- res internos das unidades hospitalares, Apesar dos esforços que os membros
teiam são os mais preocupantes no ca- dificuldades internas de orçamentos e do Executivo e responsáveis das insti-
pítulo da gestão do lixo hospitalar. contratação de empresas capacitadas. tuições e hospitais dizem estar a ser
“A perigosidade que este tipo de resí- feitos, é ainda notável o modo preocu-
duos representa não nos deixa descan- pante como o lixo é recolhido em algu-
sar”, revelou.
Para o responsável, que falava depois
◗ «O lixo hospitalar mas unidades de referência.
Os mesmos não são depositados nos
da realização de um encontro multissec- requer uma recipientes para os quais são destina-
torial sobre o lixo hospitalar, decorrido dos e, misturados com o lixo comum
recentemente na capital, a gestão desses abordagem em contentores normais, são recolhi-
resíduos não é má, tendo ainda destaca-
do a existência de uma área reservada à
oportuna e dos sem qualquer atenção ou tratamen-
to específico e transportados por viatu-
biossegurança em cada hospital. desafiadora» ras não apropriadas para o efeito. Carlos Zeca, Hospital Geral de Luanda

| 26 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


◆ PUBLICIDADE
Economia FRAUDE

APOIO FINANCEIRO SÓ DESTINADO A EMPRESAS PÚBLICAS

Estado
distribuiu
ilegalmente
17 milhões
USD a
privados
IGAP disse ao Tribunal de Contas que quem
distribuiu ilegalmente subsídios operacionais
de empresas públicas a operadores privados foi
a Direcção Nacional do Tesouro. Tribunal ordena
devolução do dinheiro aos cofres do Estado
com urgência.
◗ MAURÍCIO VIEIRA DIAS

Tribunal recomenda restituição dos 2,8 mil milhões Kz, correspondentes a 17 milhões USD, aos cofres do Estado

O Ministério das Finanças (MinFin), assunto ao Ministério das Finanças. empresa da empresária Isabel dos nheiro foi para pagar participação da
por via da Direcção Nacional do Tesou- Em resposta, o MinFin, em nota de es- Santos, a título de subsídios operacio- ENDE na Efacec. No entanto, a filha do
ro (DNT), distribuiu ilegalmente subsí- clarecimento datada de 3 de Abril, rela- nais, um apoio financeiro destinado ex-PR garantiu que nunca recebeu
dios operacionais avaliados em 2,8 mil tou ao tribunal que “os subsídios às pes- apenas a empresas do Sector Empresa- nada da Conta Geral do Estado ou do
milhões de kwanzas, cerca de 17 mi- soas singulares é relacionado com pa- rial Público (SEP). O MinFin, no perío- Orçamento Geral do Estado.
lhões de dólares, a cinco entidades co- gamento de serviços ao Estado angola- do, disse ao jornal Expansão que o di-
lectivas e a uma individual, tipo de fi- no que exercem actividades em nome Tribunal ordena devolução do
nanciamento destinado por lei apenas singular, tais como despachantes, ad- dinheiro aos cofres do Estado
para empresas do Sector Empresarial
Público (SEP), detectou o Tribunal de
vogados, consultores…”, lê-se.
O tribunal questionou, igualmente, o
◗ Empresa de Devido à gravidade do assunto, o Tribu-
nal de Contas recomenda a restituição
Contas no parecer sobre a Conta Geral extinto ISEP, ou seja, o agora Instituto Isabel dos Santos dos referidos 2,8 mil milhões de kwan-
do Estado de 2017. de Gestão e Administração Pública zas aos cofres do Estado.
O documento, a que o NJ teve acesso, (IGAP), sobre o acto ilegal, tendo a ins- também encaixou “Restituir ao Estado, com carácter
atesta que os referidos subsídios opera-
cionais ilegais foram transferidos pelo
tituição responsável pelo sector em-
presarial público respondido que “os
subsídio ilegal de urgência e verificar se tal será
cumprido, as transferências irregula-
extinto Instituto do Sector Empresarial subsídios operacionais transferidos a no ano de 2015 res efectuadas às entidades que não
Público (ISEP) a favor de quatro institui- pessoas singulares e colectivas que
ções internacionais que operam no não pertencem ao SEP foram executa-
mercado europeu, nomeadamente a das pela Direcção Nacional do Tesou-
Monara Logistics, a Eutelsat (Satélite), a ro”, razão pela qual “o instituto não Transferência de Subsídios Operacionais
Telemédia (PTY) e a Sportfive S.A.S., sen- reúne elementos para um esclareci-
N.º Beneficiário Valor Mil Kz Valor Mil USD
do que os outros dois beneficiários fo- mento preciso”.
1 Leonel Manuel Magalhães Casimiro 1.367,4 8,241
ram a empresa angolana privada Ceca- A ser assim, não será a primeira vez
2 Monara Logistics Bvba 644,3 3,883
diam-Comércio Geral e, finalmente, a que o Estado angolano age ilegalmente 3 Cecadiam - Comércio Geral 482,5 2,908
título individual, o empresário e presi- nestes moldes. Recorde-se, pois, que a 4 Eutelsat (Satélite) 162,7 0,981
dente do Clube Recreativo do Libolo, Conta Geral do Estado de 2015 indica 5 Telemédia (PTY) 114,1 0,688
Leonel Casimiro (ver tabela). que o Governo disponibilizou 2,4 mil 6 Sportfive S.A.S. 59,6 0,359
Em função da ilegalidade, o Tribunal milhões de kwanzas, cerca de 18 mi- Total geral 2.830,6 17,060
de Contas solicitou explicações sobre o lhões de dólares, à Niara Holdings,

| 28 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


■ LÍDIA ONDE

Breves

Contribuição
Angola
IVA: Haverá multas
doa mais às firmas que não
emitam facturas
que a China Os grandes contribuintes

ao fundo que não emitirem facturas


cinco dias após a transmissão
de bens ou prestação
africano de serviços incorrem
à penalidade de 7 a 15%
do valor transaccionado
O Governo angolano vai doar 10 mi- do Imposto Sobre Valor
lhões de dólares para o Fundo Fiduciá- Acrescentado (IVA), que
rio de Solidariedade Africana, que se entra em vigor a 01 de Julho
juntam aos dois milhões de dólares da próximo. O membro do grupo
Guiné Equatorial para reforçar a segu- técnico de implementação
rança alimentar e combater a pobreza. do IVA Leandro Cruz, falando
Estas doações somam-se aos 2,6 à Angop nesta quinta-feira, 13,
milhões de dólares (2,3 milhões de eu- recordou que estão
ros) disponibilizados pela China e aos cadastrados 421 grandes
dois milhões de euros da França, tota- contribuintes.
lizando 17 milhões de dólares (cerca
de 15 milhões de euros), que serão
usados para recapitalizar a capacida-
de financeira deste Fundo, gerido pela FILDA confirma
Organização das Nações Unidas para participação de 21
a Alimentação e a Agricultura (FAO). países
“Estas doações mostram o sucesso
do Fundo [ASTF, na sigla em inglês]. A 35.ª edição da Feira
Os excelentes resultados nos últimos Internacional de Luanda
cinco anos são a prova viva disso e a (FILDA), a decorrer de 9 a 13
generosidade dos doadores é um de Julho, tem já confirmada
exemplo único da forte solidarieda- a participação de 21 países,
de que existe entre os países africa- mais três do que em 2018,
nos”, disse Maria Heleno Semedo, anunciou em Luanda o líder
vice-directora-geral da FAO, no final da empresa organizadora
de uma reunião que decorreu no âm- do certame. Bruno Albernaz,
bito dos Encontros Anuais do Banco presidente da Eventos Arena,
Africano de Desenvolvimento, que disse que, entre os países já
decorrem até esta sexta-feira em confirmados estão Portugal,
Malabo, capital da Guiné Equatorial. Alemanha, Indonésia, Turquia,
Este fundo fiduciário, que já fi- França, Índia, China, Reino
nanciou 41 projectos em 18 países, é Unido, Noruega, Suécia,
liderado por países africanos e des- Suíça, Israel, Brasil, Japão,
tina-se a “apoiar iniciativas locais Bielorrússia, Uruguai, Itália
de desenvolvimento e tem como e ainda o território de Macau.
principal objectivo o fortalecimento
da segurança alimentar em todo o
fazem parte do Sector Empresarial
Público”, recomenda o tribunal ape-
◗ Sportfive continente, ajudando os países e as
suas organizações regionais a erradi- Air Namibia
lando a averiguação da lei do SEP, recebeu 359 mil car a fome e a desnutrição, eliminar a retoma voos
pois o artigo n.º 2 da Lei 11/13, de 3 de pobreza rural” e administrar “os recur- Windhoek/Luanda
Setembro, define que integram o SEP USD da Direcção sos naturais de maneira sustentável”,
as Empresas Públicas (EP), as Empre-
sas com Domínio Público (EDP) e as
Nacional do segundo a FAO. A transportadora aérea
namibiana, a Air Namibia,
Participações Públicas Minoritárias Tesouro em 2017 ■ D.R. que tinha suspendido os
(PPM), sendo, por isso, os três únicos voos para Luanda a partir
grupos que podem beneficiar deste de Windhoek, vai reatar
tipo de subvenções. em 2,8 milhões de dólares, equivalente esta ligação regional nas
a 22,8% do montante total. próximas horas, anunciou
Presidente do Libolo foi o Na cauda, como é visível na tabela ao a companhia em conferência
campeão dos subsídios ilegais lado, esteve a empresa Sportfive , uma de imprensa no país vizinho.
O actual presidente do Clube Recreativo das maiores agências desportivas do Os voos entre a capital
Desportivo do Libolo, Leonel Casimiro, mundo, para a qual a Direcção Nacional namibiana e Luanda foram
foi o empresário que mais recebeu subsí- do Tesouro disponibilizou 359 mil dóla- suspensos segunda-feira
dios ilegais, detectou o Tribunal de Con- res em 2017, aponta o Tribunal de Contas. depois de o departamento
tas na Conta Geral do Estado de 2017, afe- Um outro dado curioso destacado da South African Airlines
rindo que o homem, a título individual, pelo tribunal está associado à lei que (SAA), a companhia aérea
encaixou perto de 1,4 mil milhões Kz, cer- aprovou os encargos operacionais glo- sul-africana, responsável
ca de 8,2 milhões de dólares à taxa de bais para aquele período, pois o docu- pela manutenção da frota
câmbio média daquele ano, correspon- mento diz que estavam previstos subsí- de Airbus A319 da Air
dente a 48,3% dos 17 milhões de dólares. dios no valor de 24,6 mil milhões de Namibia, ter retido
Na segunda posição, de acordo com o kwanzas; contudo, foram transferidos os aparelhos por atrasos
documento, ficou a empresa interna- pelo SEP às empresas públicas o mon- no pagamento e das
cional belga Manora Logistics, com tante de 31 mil milhões de kwanzas, elevadas dívidas
sede em Antuérpia, na Bélgica, por rece- perfazendo uma diferença de 6,4 mil acumuladas.
Governo vai doar 10 milhões USD
ber subsídio operacional ilegal avaliado milhões de kwanzas.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 29 |


Economia
HACKERS

Breves

Crise Sonangol continua


Banco Millenium
Atlântico promove
fórum em Lisboa
«parada» e sem saber
O Banco Millenium Atlântico,
em parceria com a Aenergy
e outros operadores
internacionais, está a
origem do ataque pirata
promover, em Lisboa, capital ■ ARQUIVO NJ

portuguesa, novas formas de


financiamento aos projectos
relevantes no sector
energético angolano.
O evento, alinhado com a
agenda do África Energy
Fórum, reúne empresas,
investidores e especialistas
em energia e tem por
objectivo criar condições
para o financiamento de
projectos estruturantes,
essenciais para o
desenvolvimento económico
do continente africano
e, em especial, de Angola.

Cervejeira Nocebo
no Huambo regista
queda de produção
O volume de vendas
na Cervejeira Nocebo,
do grupo Castel, na província
do Huambo, caiu de
40 mil para 10 mil grades
nos últimos três anos, devido
Ainda não se apurou a dimensão do «estrago» financeiro causado pelo ataque
à perda do poder de compra
dos consumidores, resultante
da crise económica e Suspeita-se que o «assalto» lífera, mas não obteve sucesso, pois a cação da referida empresa e recebeu
financeira. Segundo empresa quer evitar falar sobre o as- como resposta uma mensagem pouco
informação avançada terça-
seja proveniente de um sunto à imprensa, confidenciou ao NJ perceptível: “o servidor tentou entre-
-feira, 11, pelo supervisor para software «maligno» moderno um responsável de topo da Sonangol. gar esta mensagem, sem sucesso, e
a área de Segurança, Higiene denominado Ransomware, No conjunto, os interlocutores man- parou de tentar. Por favor, tente enviar
e Saúde no Trabalho, esta tém a posição de que uma das maiores esta mensagem novamente. Se o pro-
unidade fabril conta com uma
que terá encriptado preocupações da empresa é de que o “ci- blema persistir, contate o helpdesk
produção de 35 mil unidades e tornado inacessível berataque” permitiu aos hackers terem [grifo do NJ]”.
diárias, desde 2017. os arquivos da petrolífera. em posse informações privilegiadas so- Recorde-se que, na nota pública, a pe-
bre a companhia e os seus clientes, o que trolífera diz que “de forma a conter o
◗ MAURÍCIO VIEIRA DIAS poderá causar danos à reputação da em- referido ataque, a DTI tomou de ime-
presa, bem como danos matérias, con- diato várias medidas cautelares para
Inflação regista Uma semana depois de o Novo Jornal ter cretamente prejuízos financeiros. protecção dos activos críticos, entre
variação de 1,13 por revelado que a maior empresa nacional, elas o shutdown dos seus sistemas in-
cento em Maio a Sonangol, foi alvo de um ataque ciber- Petrolífera já não comunica formáticos e rede de comunicações”.
nético que atingiu as estruturas do Gru- Depois de na quinta-feira, 6, a Direcção Desde quarta-feira, dia 5 de Junho,
A inflação, medida pelo Índice po, tendo deixado a petrolífera “parali- de Tecnologias de Informação (DTI) da que o Grupo Sonangol ficou todo em
de Preços no Consumidor sada”, este jornal apurou que, até ao fe- Sonangol, num comunicado a que o NJ baixa por causa de um ataque ciberné-
(IPC), tendo como referência cho da presente edição, o problema não teve acesso, garantir que houve ape- tico, peritos internos e de empresas is-
Luanda, registou uma foi solucionado. nas tentativa de ataque cibernético às raelitas de tecnologia de formação tra-
variação de 1,13% durante o De acordo com as fontes deste sema- infra-estruturas de TI da empresa, balham para tentar perceber a origem
período de Abril a Maio de nário ligadas ao grupo, a petrolífera, que ocorrido nas primeiras horas do dia 5 do ataque, mas sem sucesso.
2019, cerca de 0,07 pontos sofreu o ataque de hackers na manhã de Junho, a petrolífera nada mais diz Angola conta com uma lei contra ci-
percentuais superior a de quarta-feira, 5 de Junho, não identi- sobre o assunto. O NJ remeteu ques- berataques, aprovada pela Assembleia
registada no período anterior. ficou a origem do crime cibernético, tões por e-mail à direcção de comuni- Nacional em 2017, a Lei 7/17, de 16 de Fe-
A variação homóloga atingiu mas suspeita-se de que o “assalto” seja vereiro, para a protecção das redes e sis-
17,35%, registando um proveniente de um software “maligno” temas informáticos, que pretende prote-
decréscimo de 3,30 pontos
percentuais em relação à
moderno denominado “Ransomware”,
que terá encriptado e tornado inacessí- ◗ Mensagem pouco ger os cidadãos e as organizações de ata-
ques de hackers, tendo em vista os novos
observada em igual período
do ano anterior. A classe
vel os arquivos da empresa, explicou
um dos interlocutores.
perceptível é o que desafios que o universo digital criou.
Na história recente do universo digi-
“Alimentação e Bebidas não As fontes reconfirmaram que os se obtém como tal, um dos temas mais conhecidos é o
Alcoólicas” foi a que mais hackers tiveram acesso a informações hacker, que é o pirata informático com
contribuiu para a taxa de privilegiadas de mais de 7 mil compu- resposta quando se competências técnicas elevadas e que,
inflação do mês, com 0,53
pontos percentuais.
tadores da Sonangol. O Novo Jornal pro-
curou apurar a dimensão do “estrago”
tenta corresponder por exemplo, em 2013, conseguiram di-
minuir drasticamente a velocidade da
financeiro que o ataque causou à petro- com a Sonangol Internet em todo mundo.

| 30 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


Foco
■ ARQUIVO NJ

AGT alerta consumidores


a denunciar cobranças
indevidas do IVA
Há 17 dias da entrada em vigor do Im- Nesse sentido, o coordenador do grupo
posto sobre o Valor Acrescentado (IVA) técnico para a implementação do IVA
em Angola, a Administração Geral Tri- apela os consumidores finais para a de-
butária (AGT) alerta para a cobrança in- núncia de eventuais irregularidades de- BRÁULIO DE BRITO
devida do imposto, reservado unica- correntes da cobrança indevida do IVA e Presidente da Associação das
mente aos grandes contribuintes, cerca do Imposto de Consumo, no período de Empresas Contratadas da Indústria
Petrolífera (AECIPA)
de 421 empresas cadastradas na respec- transição que terá a duração de um ano
tiva repartição fiscal. e meio ou até 2021. Que expectativa antevê
Adilson Sequeira, coordenador do grupo “Vamos criar mecanismos e alguns nú- quanto ao IVA nas
técnico para a implementação do IVA, meros (telefónicos) para envio de men- empresas petrolíferas? O
fez esta alerta quarta-feira, 12, em de- sagens (SMS), para internamente verifi- IVA vai chegar porque está
Angola capta investimentos em Lisboa
clarações prestadas à imprensa, à mar- carmos quem são os grandes contri- estipulado. Trata-se de uma
gem de um encontro de esclarecimento buintes ou do regime geral autorizado a orientação governamental e
sobre o tema na Associação das Empre- cobrar o IVA, punindo os eventuais pre- nós, enquanto empresas
Energia sas contratadas da Indústria Petrolífera varicadores”, observou. prestadoras de serviços,
Angolana (AECIPA). vamos fazer a nossa parte
Angola O também fiscalista considera preocu-
pante a cobrança indevida, porquanto o ◗ «A partir de 1 de
para assegurar que esta
implementação seja feita

procura diploma será aplicado pelos 421 grandes


contribuintes utentes de obrigações de-
clarativas, que os autorize a cobrar o IVA
Julho não podem
de uma forma ligeira, suave
e sem grandes distúrbios para
o nosso sector em particular
nem cobrar o IVA,
investidores e incluído na factura.
“Os restantes (contribuintes) não estão nem o imposto
e obviamente para a economia
do país. Estamos agora na fase

na capital autorizados a cobrar o IVA, salvo se soli-


citarem à administração fiscal a sua
adesão ao regime geral para o efeito”,
de consumo»
final e o objectivo deste
processo é realmente
abordarmos directamente
portuguesa sublinhou Adilson Sequeira, para quem
os demais contribuintes deverão dis- Relativamente à expectativa do IVA so-
com a AGT e a equipa de
implementação do IVA de
pensar também a cobrança do Imposto bre o sector petrolífero, Adilson Sequeira todos os possíveis elementos
As oportunidades de negócios no de Consumo, devendo por isso os preços espera que seja positiva por este dispor e de questões que não estão
sector energético em Angola para dos bens serem mais baixos. de um regime especial que isenta do pa- ainda bem esclarecidas.
atrair investimento privado para os “A partir de 1 de Julho não podem nem gamento do imposto em alguns bens,
projectos no sector foram apresenta- cobrar o IVA, nem o Imposto de Consu- nomeadamente o fornecimento de Mas o sector petrolífero
das, quarta-feira, 12, em Lisboa, pelo mo. Só vão cobrar o IVA se aderirem ao energia eléctrica, água, serviços de tele- beneficia de uma série de
secretário de Estado para a Energia, regime geral. A tendência, por exemplo, comunicações e as comunicações elec- itens isentos de impostos?
noticiou a imprensa angolana. dos demais serviços, incluindo o consu- trónicas. Por fim, considerou o IVA “o Tomamos boa nota e com
António Belsa da Costa aproveitou mo de alimentos nos restaurantes em melhor imposto do mundo, provado nos algum regozijo que realmente
a participação na 21.ª edição do Fó- qualquer parte do país, é a redução dos manuais e doutrinalmente”. houve algum cuidado por
rum de Energia de África, que decor- actuais preços”, sublinhou. ◗ HORTÊNCIO SEBASTIÃO parte da AGT sobre a
re de 11 a 14 de Junho corrente e que implementação do IVA
reúne mais três mil personalidades ■ LÍDIA ONDE de criar alguns aspectos
de todo o mundo, entre 18 ministros especiais para abordar a
e altos funcionários de governos especificidade da indústria
africanos, investidores e académi- petrolífera. Há algumas
cos, para atrair investimento priva- isenções de que nós,
do para o seu país. enquanto prestadores de
A agência Angop escreveu que o serviços à indústria
sector energético de Angola precisa petrolífera, vamos beneficiar,
de mobilizar quase três mil milhões particularmente não será só
de dólares para a construção de in- bom para o sector
fra-estruturas até 2022, para elevar a petrolífero, mas para a
actual capacidade de produção de própria economia.
energia eléctrica dos actuais 3334
megawatts para 7500 megawatts, Há mais confusão entre as
dos quais 500 megawatts terão ori- empresas em acatar o IVA
gem em energias renováveis. e não dos consumidores?
O Governo de Angola tem apostado Não diria confusão, as
na recuperação e construção de no- empresas estão
vas fontes de produção de energia a levantar mais questões
eléctrica, com destaque para a Cen- porque ao fim ao cabo somos
tral de Ciclo Combinado no Soyo e as nós os principais veículos
barragens de Cambambe, Laúca, Ca- da moeda. Somos os
panda e Caculo Cabaça, para alcan- principais prestadores
çar a meta estabelecida. de serviços, nós é que temos
Além dos três aproveitamentos hi- o capital para que estes
droeléctricos já concluídos com Ca- serviços possam então ser
culo Cabaça ainda em obras, estão levados ao consumidor final.
previstos mais empreendimentos Daí que é legítimo termos nós
no Médio Cuanza, como o Túmulo do essa preocupação de buscar
Caçador, Luime, Zenzo I e Zenzo II. O melhores esclarecimentos
fórum conta com a presença de vá- sobre o tema em questão.
Escassos dias restam para a entrada em vigor do Imposto sobre o Valor Acrescentado
rios ministros africanos da energia.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 31 |


Economia
NEGÓCIOS

Opinião
SÉRGIO CALUNDUNGO
Coordenador do OPSA

Angola Cables vai forçar


Zap, DStv, Movicel e
A insustentável leveza Unitel a baixarem preços
das políticas públicas A multinacional angolana de teleco- de honrar compromissos com os seus
municações Angola Cables vai «for- fornecedores. Segundo o gestor da An-

O
boom do petróleo e o elevado nível de crescimento económico logo depois do çar» as distribuidoras de serviços de gola Cables, os preços da Internet bai-
fim da guerra coincidiram com as piores práticas de planeamento, comunicações a baixar os preços, me- xaram significativamente com a en-
modernização e reabilitação de que se tem memória. Basta olhar para o diante maior disponibilização da ca- trada em funcionamento do Sistema
baixo nível de utilidade do ponto de vista económico e social de algumas infra- pacidade e qualidade de transmissão, de Cabos Submarinos da Costa Oci-
-estruturas aeroportuárias, rodoviárias, ferroviárias, marítimas e outras de que contribuindo assim para a digitaliza- dental Africana (WACS) que liga Ango-
temos conhecimento no país. Desde iniciativas como a reabilitação do Aeroporto ção do país, garantiu em Luanda o seu la ao Brasil.
Municipal do Cazengo, na província do Kwanza-Norte, passando pelo Aeroporto administrador executivo.
Internacional do Luau, no município com o mesmo nome, na província do Moxico, e Ângelo Gama, que falava aos jorna-
pelo Aeroporto construído no município do Cuito Cuanavale, na província do listas à margem do habitual First Fri- ◗ «Investimos
Kwando Kubango, planificadores convencidos e insensíveis à opinião de outrem day Club promovido há dias pela Câ-
encheram o país com projectos de infra-estruturas megalómanos e insustentáveis. mara do Comércio Estados Unidos-An- e contribuímos
Algumas destas infra-estruturas mantêm-se a duras penas e, ainda hoje, os níveis
de conservação e utilização dos Estádios da Tundavala na Huíla, e do Chiazi, em
gola (USACC), salientou que a Angola
Cables tem vindo a baixar gradual-
para a digitalização
Cabinda, de entre outros construídos ou reabilitados para albergarem o campeonato mente os preços das transmissões da do país»
Africano de Futebol em 2010, são testemunhos que nos mostram as consequências internet, embora a acção da empresa
das erradas decisões tomadas por altos funcionários do Estado Angolano, incapazes não tenha alguma influência sobre a
de identificar correctamente as necessidades e prioridades dos cidadãos. voz, uma vez que apenas comercializa Exemplificou que, em termos de
Ao nível dos projectos que previam a construção de infra-estruturas habitacionais, capacidade de transmissão. custos, há 10 anos um STM1 (capacida-
escolares, hospitalares etc., nos viários municípios deste país, a situação não é “Investimos e contribuímos para a de de transmissão de circuitos) custa-
diferente: existem aquelas que por “motu próprio” ruíram, outras estão terminadas digitalização do país, não somente na va a volta de 300 a 400 mil dólares e
mas não estão a ser utilizadas, havendo ainda aquelas cujos trabalhos de construção disponibilização da capacidade e da neste momento situa-se em menos de
foram simplesmente interrompidos embora parte das suas infra-estruturas continue qualidade dos serviços, mas também 50 mil dólares.
em pé. E o mais grave são aquelas infra-estruturas que uma vez terminadas e para baixarmos os preços e, ao fazê-lo, “Nós baixámos consideravelmente o
equipadas não estão a ser devidamente utilizadas por erros de concepção do projecto, forçarmos os nossos operadores fi- preço das comunicações e Internet,
ou falta de quadros para o fazerem funcionar. Temos também situações caricatas nas nais, a Unitel, Movicel, ZAP e a TVCabo para além de conseguirmos também
quais determinada infra-estrutura ou equipamento não está a ser utilizado por falta também a baixarem o preço, para que melhorar a qualidade da internet usa-
de utentes ao não responderem aos interesses dos beneficiários! no final do dia o utilizador, a popula- da em Angola”, acentuou.
ção, sinta realmente quais são os be- O Sistema de Cabos Submarinos do
nefícios que a Angola Cables traz”, sa- Atlântico (SACS), inaugurado no ano
A indiferença das autoridades locais e nacionais lientou Ângelo Gama. passado, com um investimento de 100
perante os danos causados pelas decisões erradas Nos últimos tempos, as distribuido-
ras de canais de televisão por satélite,
milhões USD, permitiu reduzir os cus-
tos no tráfego de dados entre Angola e
que foram sendo tomadas deve ser revista nomeadamente a DStv e a ZAP, au- o Brasil, com a redução da latência de
mentaram as tarifas dos serviços 350 para 63 milésimos de segundos.
prestados ao público, alegando eleva- Além desse sistema, a empresa gere
A indiferença das autoridades locais e nacionais perante os danos causados pelas dos encargos financeiros, aliados à igualmente dois data centers no Brasil e
decisões erradas que foram sendo tomadas durante a fase de identificação, escassez de divisas, o que as impede em Angola. ◗ H.S.
planificação e implementação de alguns projectos financiados com dinheiro
público deve ser revista, por ser um aspecto perturbador da materialização da ideia ■ D.R.

comum entre nós, segundo a qual temos de facto de “corrigir o que está mal”.
A ideia de que os detentores de autoridade (para mim deveriam ser mais vistos
como detentores de responsabilidade!) são os únicos que sabem e por isso, com o
auxílio dos seus consultores externos, “destilam” todo o seu saber para ajudar as
pessoas que não percebem o que é realmente bom para elas e para o país não
morreu com o início da presente crise económica e financeira que o país
atravessa, apesar de que hoje em relação à abertura para o diálogo entre
governados e governantes se registam alguns progressos comparando com o
período que antecede a tomada de posse do novo Presidente da República.
Antes disso, vivíamos a época do boom do petróleo e do impressionante
crescimento económico: o que as pessoas sentiam em relação às novas zonas onde
tinham sido realocadas, nos casos dos projectos que previam a retirada da população
das zonas onde habitava, ou pelos novos bens e serviços colocados eventualmente à
sua disposição através de projectos que visavam a melhoria das suas condições de
vida, era muitas vezes encarado com indiferença por parte de quem tomava a decisão
sobre os mesmos. Embora naquela altura vigorasse a ideia de que “o chefe é quem
sabe, só ele é que manda, faz e desfaz”, algumas críticas, sugestões ou até
manifestações de descontentamento iam sendo feitas só que eram “abafadas”,
reprimidas, desqualificadas ou mesmo ignoradas por quem de direito e pelos seus
fanáticos apoiantes. Organizações da sociedade civil, movimentos juvenis e pessoas
independentes comprometidas com o país levantaram a voz de protesto contra o uso
abusivo do poder de decisão para pôr em prática projectos públicos e privados tais
como o projecto da Quiminha, as fazendas agrícolas financiadas pelo Fundo
Soberano, o lançamento de um satélite, a construção de um centro comercial em
plena Baía de Luanda junto à antiga Fortaleza de São Miguel, a destruição do
mercado do Kinaxixi. Espero eu que, em face do novo contexto, em vez de projectos
modernos, social e economicamente pertinentes a favor do desenvolvimento do país,
essas iniciativas passem hoje a ser vistas como sintomas do exercício de poder de
forma não transparente, sem nenhum controlo, com ausência de mecanismos sérios
de consulta e participação cívica. ■
Angola Cables apostas na redução dos preços das telecomunicações

| 32 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


◆ PUBLICIDADE

ANGOLA DADOS CEDIDOS POR:


Informação económica e de mercados
10 de Junho de 2019

PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS
Na semana de 03 a 07 de Junho, o Banco Nacional de Angola (BNA) realizou Na semana em análise a Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA) colocou As cotações do “ouro negro” encerram a semana em análise em alta nos principais
quatro (4) sessões de venda de divisas em leilão de preços no montante total de USD títulos da dívida pública no mercado primário no montante de AOA 2.504 milhões, mercados internacionais, animados pela expectativa de alargamento dos cortes na
243,47 milhões, mais USD 113,62 milhões em relação à semana anterior. O montante menos AOA 60.332 milhões em relação à semana anterior. O montante colocado foi produção por parte dos países membros da Organização dos Países Exportadores
disponibilizado foi para cobertura de diversas finalidades, viagens e transferências totalmente realizado em Bilhetes do Tesouro (BT’s), apenas na maturidade de 364 de Petróleo (OPEP) e pelos seus aliados (como a Rússia). Isto apesar da informação
correntes e liquidação de cartas de crédito. As taxas de câmbio médias ponderadas dias, à taxa de 15,64% (-3bps) a.a. Em relação ao mercado secundário, a BODIVA divulgada pelo departamento de Energia dos Estados Unidos que anunciou
EUR/AOA e USD/AO situaram-se no último dia da semana útil em 383,784 (3,67%) transacionou Títulos da Dívida Pública no montante total de AOA 42,5 mil milhões. na semana passada o aumento inesperado dos stocks de petróleo em mais de 6,8
e 340,687 (2,58%) respectivamente, sendo que desde o início do ano, em termos De acordo com os boletins de mercado, publicado pela entidade gestora, foram milhões de barris, naquela que foi a maior subida desde 1990 e que contrariou as
acumulados, a depreciação USD/AOA já atingiu os 9,8%. realizados um total de 94 negócios, com destaque para o Banco Angolano estimativas dos analistas que apontavam para uma queda. Não obstante o
de Investimento (BAI) e Banco Económico (BE) que transacionaram 24% e 17,51% desemprenho positivo no último dia da semana, em termos semanais, o Brent
dos negócios realizados respectivamente. No Mercado Interbancário as taxas de desvalorizou 4,37% para os USD 61,67/barril. O West Texas Intermediate (WTI)
referência (LUIBOR) registaram comportamento misto. Destaque para maturidade transacionado em Nova Iorque seguiu a mesma tendência tendo desvalorizado
a 12 meses que teve um aumento de 4bp fixando-se em 17,01%. As restantes 1,70% para USD 52,59/barril.
maturidades encerraram a semana da seguinte forma: Overnight a 15,74% (+1bp);
1 mês a 15,42% (-2bp); 3 meses a 16,01% (-1bp); 6 meses a 16,22% (+2bp) e 9 meses a
16,53% (+3bp).

NACIONAL
AGENDA INFLAÇÃO
DATA INDICADOR ESTIMATIVA ANTERIOR
VARIAÇÃO DO IPC POR CLASSE DE DESPESA TAXA DE INFLAÇÃO HOMÓLOGA
10-jun AO: Leilões de BT's (364 dias) NOTA:
10-11-12/jun AO: Leilões de divisas AO Angola;
Classes de Despesa Variação Abr-19
26-jul-19 AO: Comité de Política Monetária (CPM) do BNA ZE Zona Euro;
GE Alemanha; 40%
10-jun JP: PIB Anualizado T/T 1Q 2,2% 2,1% Índice Geral 1,06
UK Reino Unido;
10-jun UK: Produção Industrial M/M Abr -0,7% 0,7% US EUA; Alimentação e Bebidas Não Alcoólicas 1,21 35%
10-jun CH: Oferta Monetária M2 A/A Mai 8,6% 8,5% JP Japão; Bebidas Alcoólicas e Tabaco 0,89 30%
10-jun CH: Balança Comercial Mai $23,20b $13,84b CH China;
BZ Brasil; Vestuário e Calçado 0,96 25%
11-jun UK: Variação Pedidos Seguro Desemprego Mai --- 24,7k
SA África do Sul; Habitação, Água, Electricidade e Combustíveis 1,73
11-jun UK: Taxa de Desemprego Abr 3,8% 3,8% RU Rússia 20%
12-jun CH: IPC A/A Mai 2,7% 2,5% Mobiliário, Equipamento Doméstico e Manutenção 1,25
12-jun US: IPC A/A Mai 1,9% 2,0% 15%
Saúde 1,14
13-jun GE: IPC A/A Mai 1,4% 1,4% 10%
Transportes 0,11
13-jun US: Novos Pedidos Seguro Desemprego 08-jun --- 218k
Comunicações 0,05 5%
14-jun RU: Taxa do Banco Central 14-jun 7,50,% 7,75%
Lazer, Recreação e Cultura 1,38 0%
14-jun US: Produção Industrial M/M Mai 0,2% -0,50%
Educação 0,00 abr-17 ago-17 dez-17 abr-18 ago-18 dez-18 abr-19
Hoteis, Cafés e Restaurantes 0,48
Bens e Serviços 0,70 Inflação Homóloga

PETRÓLEO E OUTRAS MATÉRIAS PRIMAS


EVOLUÇÃO DO PREÇO DO PETRÓLEO (USD/BARRIL) RESERVAS INTERNACIONAIS LÍQUIDAS (MM USD) PRODUÇÃO DE PETRÓLEO (MIL BARRIS/DIA)
COTAÇÃO VARIAÇÃO 52 SEMANAS
PRODUTO
07-Jun 1W MtD YtD Máx. Mín. 90
1.490 1.440
80 1.530 1.530 1.440
Crude Oil Angola* 62,59 0,30% 0,3% 17,6% 85,8 49,9 1.530
1.430 1.440
1.470 1.450
1.400 1.410 1.380
70 14 14
Brent 61,67 -4,37% -4,4% 14,6% 86,7 49,9 13 13 13 12 12 12 11
60 11 10 10 11
WTI 52,59 -1,70% -1,7% 15,8% 76,9 42,4
Gás Nat. 2,3 -5,30% -5,3% -21,0% 4,9 2,3 50

Ouro 1.335,3 2,28% 2,3% 4,1% 1.348,3 1.160,4 40

30

20

fev- 19

abr- 19
jul-18

mar-19
jan-19
jun-18

ago-18

set-18

nov-18
mai-18

out-18

mai-19
dez- 18
fev- 19
abr- 18

abr- 19
jul-18

mar-19
jan-19
jun-18

ago-18

set-18

nov-18
mai-18

out-18

dez- 18

jun-18 ago-18 out-18 dez- 18 fev- 19 abr- 19 jun-19


* «Bloomberg Dated Brent Oil 15-45 Days Fwd Strip Price Angola»
Brent OG E
Bloomberg OPEC Crude Oil Prod Angola Output OG E

TAXAS DO BANCO CENTRAL TAXAS DE JURO DA DÍVIDA PÚBLICA


TAXAS DE JURO DO BNA EVOLUÇÃO DAS TAXAS DE JURO DO BNA EMISSÕES MERCADO PRIMÁRIO Var(bp) EVOLUÇÃO DAS TAXAS DOS BILHETES DO TESOURO
30% Montante 30%
24-Mai 29-Mai Var. (PB) Títulos Maturidade 05-Jun 1W YtD
(M Akz)
25% 25%
Taxa BNA 15,50% 15,75% -25 91 Dias 12,83% 0 -77
Taxa de Absorção de Liquidez 0,00% 0,00% 0 20% Bilhetes do 182 Dias 15,89% 0 -117 20%
Tesouro
Taxa de Redesconto 20,00% 20,00% 0 15%
364 Dias 2.504 15,64% -3 -341 15%
Taxa de Absorção de Liquidez (7 dias) 0,00% 0,00% 0 10% OT - Index. 5 Anos 5,00% 0 0 10%
COEFICIENTE DAS RESERVAS OBRIGATÓRIAS Câmbio 6 Anos 5,25% 0 0
5%
Reservas Obrigatórias - M. Nacional 17,00% 17,00% 0 1,5 Anos 21,00% 0 0 5%
0%
Reservas Obrigatórias - M. Estrangeira 15,00% 15,00% 0 OTMN Não 2 Anos 22,00% 0 100 0%
-5% Reajustáveis
3 Anos 23,00% 0 0
-5%
jul-17

mar-18

jul-18

mar-19
jan-18

jan-19
set-17

nov-17

set-18

nov-18
mai-17

mai-18

mai-19

4 Anos 22,00% 0 0
fev-19

abr-19
jul-18

mar-19
jan-19
jun-18

ago-18

set-18

nov-18
mai-18

out-18

mai-19
dez-18

2 Anos 3,70% 0 0
OTME (USD) 3 Anos 4,50% 0 0
Tx básica Tx Absorção Tx Reedesconto
4 Anos 5,20% 0 0
91 Dias 182 Dias 364 Dias

TAXAS DE JURO INTERBANCÁRIAS MERCADO CAMBIAL


COTAÇÃO VARIAÇÃO EM BP 52 SEMANAS EVOLUÇÃO LUIBOR COTAÇÃO VARIAÇÃO 52 SEMANAS LEILÃO DE DIVISAS DO BNA (M USD)
TAXA PAR
07-Jun 1W MtD YtD Máx. Mín. 30,0% 07-Jun 1W MtD YtD Máx. Mín.
2.500
Luibor O/N 15,74% 1 1 -101 22,22% 15,73% 26,0% USD | AOA 340,687 2,58% 2,6% 9,8% 332,114 237,589

Luibor 1M 15,42% -2 -2 -140 19,41% 15,42% EUR | AOA 383,784 3,67% 3,7% 8,6% 371,470 278,145 2.000
22,0%

Luibor 3M 16,01% -1 -1 -108 20,02% 16,01% GBP | AOA 433,996 3,9% 3,9% 10,7% 428,269 317,133 1.500
18,0%
Luibor 6M 16,22% 2 2 -113 21,18% 16,16% ZAR | AOA 22,630 0,8% 0,8% 6,1% 23,515 17,933
14,0% 1.000
Luibor 9M 16,53% 3 3 -129 22,17% 16,48% BRL | AOA 88,017 5,5% 5,5% 9,9% 86,082 61,234
Luibor 12M 17,01% 4 4 -98 23,09% 16,86% 10,0% CNY | AOA 49,373 2,7% 2,7% 9,3% 48,529 37,115 500
fev- 19

abr- 19
jul-18

mar-19
jan-19
jun-18

jun-19
ago-18

set-18

nov-18
out-18

mai-19
dez- 18

0
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Overnight 3 Meses 2017 2018 2019
6 Meses 12 Meses

INTERNACIONAL
MERCADOS ACCIONISTAS MERCADO CAMBIAL TAXAS DE JURO USD E EUR
COTAÇÃO VARIAÇÃO (%) COTAÇÃO VARIAÇÃO(%) 52 SEMANAS COTAÇÃO VARIAÇÃO EM BP 52 SEMANAS COTAÇÃO VARIAÇÃO EM BP 52 SEMANAS
ÍNDICE
07-Jun 1W MtD YtD PAR
07-Jun 1W MtD YtD Máx. Mín. 07-Jun 1W MtD YtD Máx. Mín. 07-Jun 1W MtD YtD Máx. Mín.
DOW JONES 25.720,66 3,6% 3,6% 10,3%
EUR | USD 1,1241 0,7% 0,6% -2,0% 1,185 1,111 EUA (OTs) EUA
S&P 500 2.843,49 3,3% 3,3% 13,4%
GBP | USD 1,266 0,1% 0,3% -0,7% 1,347 1,244 2 Anos 2,061% -10,3 -20,5 -42,7 2,973% 1,944% Libor O/N 2,355% -0,5 -2,5 -2,4 2,403% 1,707%
NASDAQ 7.615,55 2,2% 2,2% 14,8%
EUR | GBP 0,888 0,6% 0,4% -1,3% 0,911 0,847 5 Anos 2,020% -10,1 -25,9 -49,1 3,097% 1,934% Libor 3M 2,525% 0,5 -5,1 -28,3 2,824% 2,300%
FTSE 100 7.259,85 1,4% 1,4% 7,9% 10 Anos 2,213% -10,7 -28,9 -47,1 3,259% 2,145% Libor 6M 2,571% 1,9 -5,1 -30,5 2,908% 2,467%
USD | ZAR 14,452 -1,9% -0,9% 0,7% 15,696 12,529
BOVESPA 97.204,85 0,2% 0,2% 10,6% USD | NAD 14,452 -1,9% -0,9% 0,7% 15,696 12,529 Zona Euro (OTs Alemanha) Zona Euro
PSI 20 5.091,55 0,9% 0,9% 7,6% USD | BRL 3,886 -3,5% -0,9% 0,1% 4,213 3,586 2 Anos -0,640% -0,9 -5,6 -3,0 -0,488% -0,684% Euribor O/N -0,370% -0,2 -1,1 -1,4 -0,335% -0,374%
Nikkei 255 20.774,04 0,8% 0,8% 3,8% USD | CNY 6,904 -0,1% 0,0% 0,4% 6,980 6,384 5 Anos -0,560% -4,2 -14,6 -24,8 -0,015% -0,592% Euribor 3M -0,317% -0,7 -0,7 -0,8 -0,306% -0,324%
10 Anos -0,175% -5,8 -18,8 -41,7 0,580% -0,213% Euribor 6M -0,245% -0,3 -1,4 -0,8 -0,227% -0,271%

Fonte: Bloomberg/BNA/PND/OGE/ SIGMA / INE


Nota: O presente documento tem como único objectivo disponibilizar informação obtida a partir de diversas fontes, incluindo meios de informação especializados, fontes oficiais e outras consideradas credíveis e fidedignas. As opiniões e previsões emitidas não vinculam o BANCO ECONÓMICO
(“BANCO”), não podendo o BANCO, por isso, ser responsabilizado, em qualquer circunstância, por erros, omissões ou inexactidões da informação constante neste documento ou que resultem do uso dado a essa informação, designadamente, de decisões de investimento ou contratação que
tenham sido tomadas tendo por base todos ou alguns dos elementos contidos neste documento e que resultem em eventuais perdas, danos ou prejuízos para o investidor. Cabe ao investidor tomar as suas decisões, à luz do seu perfil e objectivos de investimento, e tendo em conta a legislação e
regulamentação aplicável. Por outro lado, as opiniões e previsões expressas no presente documento reflectem o ponto de vista dos autores, na data da elaboração do documento, sujeitas a correcções caso se verifiquem alterações das circunstâncias, sem necessidade de qualquer aviso.

Copyright © 2019 Banco Económico. All rights reserved


Economia
ACORDO

■ D.R.

Ex-vice-Presidente da República Manuel Vicente e o então ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, general Manuel Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa”

Devolveram ao Estado voluntariamente

Manuel Vicente e Kopelipa


deixam de controlar 31% do
capital do Banco Económico
Estado, por via da Sonangol, Recuperação de Activos da Procuradoria- dólares e assumiu o “compromisso de Fundação Eduardo dos Santos (FESA) Is-
-Geral da República (PGR) enviado quin- proceder ao pagamento da dívida; caso mael Diogo da Silva.
emprestou à Lektron Capital, ta-feira, 13, ao Novo Jornal. não o faça, o Serviço Nacional de Recupe- Já a Biocom – Companhia de Bioener-
de Manuel Vicente e O Estado, por via da Sonangol, empres- ração de Activos instaurará imediata- gia de Angola, criada com o objectivo de
Kopelipa, o montante de 125 tou à Lektron Capital, de Manuel Vicente mente o procedimento cautelar de arres- promover o desenvolvimento dos secto-
e Kopelipa, o montante de 125 milhões de to das referidas participações sociais”. res da agricultura e indústria, recorreu a
milhões de dólares para dólares para aquisição de acções no Ban- A nota revela ainda que foi instaurada um empréstimo com garantia soberana
aquisição de acções no co Económico, mas a empresa essa não uma providência cautelar não especifi- ao Sindicato Bancário, constituído por
Banco Económico, mas a tem cumprido o período de reembolso do cada contra o Grupo Suninvest, S.A. – In- dois bancos nacionais, no valor de 210
crédito. vestimentos, para entrega imediata ao milhões de dólares. No entanto, “existin-
empresa não tem cumprido Razão pela qual, durante o processo Estado das fábricas de medicamentos de do um passivo por regularizar por parte
o período de reembolso do que o Serviço Nacional de Recuperação de Luanda e Benguela, tendo o tribunal pro- da Biocom e tendo em conta a garantia
crédito. Activos da PGR tem realizado para aferi- cedido à entrega das mesmas ao Estado. soberana emitida, o Estado irá [usar] to-
ção dos financiamentos de fundos públi- É beneficiário último do Grupo Sunin- dos os mecanismos para evitar o accio-
cos efectuados a empresas privadas, em vest, entre outros, o antigo presidente da namento da referida garantia, que pode-
◗ MAURÍCIO VIEIRA DIAS colaboração com as instituições compe- rá passar pela recuperação da proprieda-
tentes do Estado, os dois accionistas da de” da referida empresa.
O ex-vice-Presidente da República Ma-
nuel Vicente e o então ministro de Estado
Lektron decidiram proceder à “entrega
voluntária das participações sociais ao ◗ General Dino No âmbito do processo de recuperação
de activos, “foram apuradas várias em-
e chefe da Casa de Segurança do Presi-
dente da República, general Manuel Hél-
Estado”, destaca o documento.
Quanto à Geni, outra empresa que be-
assinou acordo presas privadas que beneficiaram de fi-
nanciamento de fundos públicos, algu-
der Vieira Dias Júnior «Kopelipa», proce- neficiou de empréstimo da Sonangol na com o Governo mas em processo de privatização irregu-
deram à entrega voluntária ao Estado ordem dos 53,2 milhões de dólares que lar e outras financiadas e suportadas
dos 31% da participação social que pos- tornaram o general Leopoldino Nasci- para liquidar dívida com garantia soberana do Estado, sem
suíam no Banco Económico através da
empresa Lektron. A informação consta
mento «Dino» dono de 19,9% do Banco
Económico, a entidade do Estado garante
que a Geni contraiu ter havido o reembolso voluntário desses
fundos públicos até à presente data”, des-
num comunicado do Serviço Nacional de que a empresa já pagou 23,6 milhões de à Sonangol creve o comunicado.

| 34 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


■ DR.

Standard Bank diz que


diversificação depende
de melhorias no petróleo
O responsável por Angola e Moçambi- marginais de produção de petróleo
que dos Assuntos Económicos do possam rapidamente retomar a sua
Standard Bank, Fáusio Mussá, não actividade em condições vantajosas.
acredita que seja possível diversificar Nesse sentido, lembrou ter sido
mais a economia angolana sem me- anunciado no evento, a cifra de 1,4 mi-
lhorar o sector petrolífero. lhão de barris/dia produzidos por An-
O posicionamento do economista foi gola e dos contactos que manteve com
feito nesta quinta-feira, 13, durante vários operadores e investidores foi
um briefing económico, promovido revelado o elevado potencial de Angola
pelo Standard Bank, onde reforçou no domínio dos petróleos.
que “sem fortalecer o sector do petró- “Existem vários projectos no fim de
leo será muito difícil mudar o resto da vida útil de contrato e que estão neste
economia angolana”. momento a ser renegociados e que po-
dem gerar se calhar mais petróleo do
que Angola já produziu até agora”, re-
◗ «O problema feriu acrescentando que “o problema
de Angola não são as reservas petrolí-
de Angola não feras, mas sim o de pôr em prática o Novo pacote financeiro do FMI para Angola aprovado

são as reservas quadro regulador favorável ao investi-


mento”.
petrolíferas [...]»
Elogiada concessão de vistos FMI aprova novo
Fáusio Mussá elogiou no entanto, as
“É possível melhorar os dois secto-
res (petróleos e o resto da economia)
autoridades angolanas pelo facto de te-
rem agilizado a concessão de vistos a
financiamento
em simultâneo. Nada impede que se turistas e homens de negócios, que
façam reformas para melhorar os
dois ao mesmo tempo”, considerou
num passado recente levava um mês,
tendo com o recurso à Internet reduzi-
de 248,2 milhões USD
Fáusio Mussá. do para dez minutos o período da apro-
O moçambicano ao serviço do Stan- vação de vistos. O Fundo Monetário Internacional Entretanto, o Fundo Monetário In-
dard Bank, socorrendo-se do Orça- “Isto trás para Angola um outro pata- (FMI) completou nesta quarta-fei- ternacional concluiu a primeira revi-
mento Geral do Estado de 2018, referiu mar de concorrência com os países vi- ra, 12, a primeira revisão da aplica- são da aplicação do programa de re-
que, se não houvesse investimentos zinhos e com o resto do mundo, que ção do programa de reformas acor- formas acordado com o Governo, mas
suficientes, a produção de petróleo têm capital disponível para investir dado com o Governo de Angola e reforça o aviso da necessidade do fim
cairia para cerca de um milhão de bar- onde é fácil fazer negócios”, observou o aprovou um novo financiamento dos subsídios estatais aos combustí-
ris/dia, o que se revelaria preocupante. funcionário do Standard Bank, numa de 248,2 milhões de dólares. veis, energia e água. O mesmo é dizer
Tal situação segundo este responsá- alusão à melhoria do ambiente de ne- Com este financiamento, anuncia- que a gasolina nas bombas vai subir,
vel do Standard Bank foi esbatida gócios no país. do pelo Fundo no seu sítio na Inter- assim como a conta da luz e da água.
aquando da participação na recente Segundo afirmou, “Angola quer mu- net, sobe para 1,24 mil milhões de dó-
conferência sobre petróleo e gás reali- dar não só no papel, mas na prática, e já lares o total concedido pelo FMI ao
zada em Luanda, na qual ficou infor- tem experiências positivas. Este exem- abrigo deste acordo. ◗ FMI reforça
mado sobre um conjunto de reformas plo do visto pode não parecer relevante, O programa angolano de reformas,
em curso que permitirão que campos mas é importante para Angola”. ◗ H.S. apoiado pelo FMI, pretende restaurar a necessidade
a sustentabilidade orçamental e ex-
■ CÉSAR MAGALHÃES. terna da economia angolana e esta-
do fim dos
belecer os fundamentos para um subsídios estatais
crescimento económico sustentável,
diversificado e liderado pelo sector aos combustíveis
privado, segundo o texto divulgado.
O FMI aprovou um acordo de três
anos com Luanda em 07 de Dezembro A exigência do fim dos subsídios es-
de 2018, no montante de 3,7 mil mi- tatais já não é nova, pois em Junho de
lhões de dólares. 2018, no final de uma missão em An-
Em declaração que acompanha a gola, realizada no âmbito das consul-
informação, foi adiantada a conside- tas regulares ao abrigo do Artigo IV
ração de que “as autoridades angola- dos estatutos do fundo, de que Angola
nas têm demonstrado um compro- é associada, afirmou de forma clara
misso forte com o programa apoiado que o país teria de duplicar, pelo me-
pelo fundo”. nos, o preço dos combustíveis para
Contudo, relativizou-se, “um en- eliminar os subsídios atribuídos por
quadramento externo enfraquecido, via da Sonangol.
designadamente a crescente volatili- Apesar de elogiar as respostas do
dade do preço internacional do pe- Governo angolano a “um enquadra-
tróleo, está a desafiar os esforços re- mento externo enfraquecido, no-
formistas”. meadamente a crescente volatilida-
Mas para o FMI o executivo angola- de do petróleo, o presidente interino
no respondeu da forma adequada, ao do Conselho Executivo da organiza-
aprovar um orçamento conservador ção financeira, David Lipton, realça,
para 2019. sobretudo, que “as autoridades estão
Trata-se do segundo plano de as- comprometidas em gradualmente
sistência do Fundo, depois do apoio eliminarem os subsídios e os atrasos
Standard Bank promoveu quinta-feira uma conferência sobre a conjuntura económica de Angola concedido em 2009, devido à crise. em pagamentos”.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 35 |


Internacional INTERNACIONAL
Breves
ÁFRICA
■ D.R.

Flora endémica
de Cabo Verde em
risco de extinção
Setenta e oito por cento da
flora endémica de Cabo verde
encontra-se em vias de
extinção, enquanto cerca
de 20% das espécies estão
ameaçadas, alertou nesta
terça-feira, 11, o director
nacional do Ambiente,
Alexandre Nevsky.
Em declarações à agência
cabo-verdiana Inforpress, no
âmbito do Dia Internacional
da Biodiversidade, Nevsky
revelou que os números
apurados no último estudo
sobre a flora terrestre são
preocupantes e exigem
medidas que garantam a sua
protecção.

Buhari quer retirar


da pobreza 100
Joseph Kabila é acusado de ter mandado espiar os seus adversários políticos
milhões de pessoas
O Presidente da Nigéria,
Muhammadu Buhari,
CONGO DEMOCRÁTICO prometeu nesta quarta-feira,
12, que quer retirar
da pobreza 100 milhões
de pessoas e melhorar a

Kabila contou com segurança do país, que sofre


devido ao terrorismo
jihadista do Boko Haram.
“Com liderança e motivação,
podemos livrar da pobreza

a Mossad para espiar


100 milhões de nigerianos
em dez anos”, disse Buhari,
durante um discurso
em Abuja para comemorar
a restauração da democracia

opositores políticos
em 1999 no país mais
populoso da África,
com quase 200 milhões
de habitantes.

◗ LMA
OMS deplora falta
A informação foi avançada por um pro- antigos agentes dos serviços secretos não oficial num grande hotel da capital de segurança
grama da televisão israelita, segundo o israelitas, a Mossad, para acompanhar da RDC, Kinshasa, ainda segundo o tra- no leste da RDC
qual Joseph Kabila contratou os serviços as movimentações dos seus opositores balho do Uvda. O programa de televisão
da Black Cube, que integra ex-agentes políticos. lembra que, em 2016, 17 opositores do A Organização Mundial
dos serviços secretos israelitas, em 2015, “Kabila queria saber tudo o que se es- regime congolês foram mortos a tiro da Saúde (OMS) expressou
para acompanhar as movimentações tava a passar nas reuniões da oposição, durante protestos. a sua frustração em relação
dos seus adversários políticos. quem participava nelas e quem ataca- Em declarações à rádio francesa RFI, à insegurança prevalecente
Em 2016, 17 opositores do regime con- va o Presidente. Ele queria saber se ha- Olivier Kamitatu, antigo ministro de no leste da República
golês foram mortos a tiro durante vá- via pessoas próximas que o traíam. E Kabila que passou para a oposição, dis- Democrática do Congo (RDC),
rias acções de protesto. havia traidores”, revelou à reportagem se que “estes métodos resultaram para lutar contra o vírus de
Uma investigação de uma jornalista um ex-funcionário da Black Cube. numa repressão sangrenta nos últi- Ébola do qual já só restam
do programa televisivo israelita Uvda, Uma dezena de agentes da empresa mos três anos” e faziam parte dos pla- dois mil casos. Desde a
conforme avançou o semanário portu- instalaram um serviço de informação nos para o Presidente “se manter no po- eclosão do surto do vírus
guês Expresso, acusa o antigo Presiden- der”. “Sabemos muito bem que a Repú- em Agosto passado, mais
te da República Democrática do Congo blica Democrática do Congo, no tempo de 1.340 pessoas perderam
(RDC) de ter espiado os seus adversá-
rios desde 2015, através da filial de Te-
◗ «Estes métodos de Kabila, de democrática só tinha o
nome”, acrescentou.
a vida. “O mais frustrante e
desencorajador na luta contra
lavive da Black Cube, uma empresa que resultaram numa A Black Cube nega as alegações e apre- o vírus é a insegurança que
disponibiliza serviços de informação sentou uma queixa por difamação num está a prejudicar as nossas
secreta. repressão tribunal britânico contra a jornalista, operações de socorro”,
De acordo com o trabalho jornalísti-
co, Joseph Kabila contratou os serviços
sangrenta nos exigindo 14 milhões de libras (15,7 mi-
lhões de euros) por danos, escreve o jor-
queixou-se o porta-voz
da OMS, Tarik Jasarevic.
daquela empresa privada, que integra últimos três anos» nal The Times of Israel.

| 36 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


Breves
MUNDO
■ D.R.

Arábia Saudita
Adolescente
218 milhões
pode ser de crianças no
trabalho infantil
condenado à Cerca de 218 milhões de

morte por se crianças entre cinco e 17 anos


realizam trabalho infantil,
apontou um relatório
manifestar divulgado nesta quarta-feira,
12, pela Organização
Internacional do Trabalho
Murtaja Qureiris, um adolescente (OIT). O estudo, que leva
saudita, é acusado de sedição e ter- em conta diferentes regiões
rorismo. Foi preso aos 13 anos por do mundo, revela que,
protestar durante a «Primavera em termos absolutos, quase
Árabe». Enfrenta neste momento a metade do trabalho infantil,
pena capital. Segundo a Amnistia 72,1 milhões, se regista no
Internacional, foi torturado até continente africano, seguido
produzir uma falsa confissão. O pela Ásia e pelas Américas.
mesmo que tem acontecido com
dezenas de activistas.
O mundo cala-se perante a consumação do crime da administração de Trump e do Governo israelita
Aos dez anos, Murtaja Qureiris
montou na sua bicicleta e gritou slo- Protestos fecham
gans de protesto como “o povo exige instituições
Colonialismo direitos humanos”. Aos 11 participou de Hong Kong
numa manifestação contra o gover-

Donald Trump no na sequência do funeral do seu ir-


mão mais velho. Este foi morto nos
protestos de 2011 quando a «Primave-
A calma, pelo menos relativa,
voltou a Hong Kong depois
dos protestos em massa

«autoriza» anexação ra Árabe» chegou à Arábia Saudita e


manifestantes, sobretudo xiitas, de-
safiaram a casa real Saud exigindo
desta quarta-feira, 12, contra
o projecto de lei que
pretende permitir a

da Cisjordânia ocupada igualdade e mais justiça social.


Murtaja é acusado de ter acompa-
extradição para a China
continental, incluindo por
nhado o irmão de mota até à esqua- dissidências políticas,
O embaixador dos Estados condenaram já as posições do embaixa- dra policial de Awamiya, onde este o que muitos vêem como
dor, sublinhando que formalizam a in- teria lançado uma bomba artesanal. mais um ataque à autonomia
Unidos em Israel declarou em tenção norte-americana de “acabar Noutra ocasião, já depois de o irmão do território. Os principais
entrevista ao The New York com a solução de dois Estados” e tradu- ter morrido, é acusado de ter dispara- edifícios governamentais
Times que o Estado israelita zem a maneira como Washington assu- do contra as forças de segurança e de vão manter-se fechados
miu a estratégia dos colonos sionistas pertencer a “um grupo de terror ex- pelo menos até ao final da
tem “o direito” de anexar os mais extremistas. Netanyahu tem afir- tremista”, e tudo antes de ter 13 anos, semana, enquanto a antiga
territórios da Cisjordânia, mado que se for reeleito irá partir para idade com que foi preso. Por isso, en- colónia britânica vive uma
embora “nem todos”, mas uma anexação gradual da Cisjordânia. frenta a possibilidade de crucificação nova “revolta dos guarda-
Até ao momento, os Estados Unidos evi- e de desmembramento do seu corpo. -chuvas” — a discussão em
sem especificar que tipo de taram pronunciar-se abertamente so- Os protestos da «Primavera Ára- segunda leitura da polémica
critério usaria para os definir. bre tais intenções; a entrevista de be» na Arábia Saudita foram pacífi- lei foi adiada pelo segundo
Friedman quebrou esse silêncio e coloca cos, defendem aqueles que neles dia consecutivo.
◗ OLO/JOSÉ GOULÃO a posição norte-americana ao nível da participaram. Dizem também que
que reconheceu a anexação dos Montes não há quaisquer provas de actos de
Esta entrevista é interpretada como Golã à Síria, colocando-se assim do lado violência por parte dos manifestan-
mais um passo da administração dos violadores do direito internacional. tes. Pelo contrário, há muitas quei-
Trump no sentido de apoiar o primeiro- Israel tem utilizado vários métodos xas de violência policial e de perse- Equador
-ministro em exercício, Benjamin Ne- para ir anexando gradualmente a Cis- guições judiciais. reconhece
tanyahu, quando este passar à fase de jordânia sem assumir que o está a fazer:
anexação formal do território palesti- encorajando a criação e a ampliação de ■ D.R.
casamento gay
niano, intenção que tem vindo a mani- colonatos no território; dividindo as co- A Corte Constitucional
festar publicamente. munidades palestinianas em “ilhas” do Equador concedeu nesta
As declarações de Friedman são feitas praticamente sem interligação, através quarta-feira, 12, o direito ao
também numa clara manifestação de da implantação dos próprios colonatos casamento civil aos casais
apoio eleitoral a Netanyahu, que desen- e respectivas infra-estruturas de apoio, homossexuais. Uma nota
volve campanha para novas eleições de- do muro de separação e da multiplica- publicada pela Corte
pois de não ter conseguido formar go- ção de check-points e outras formas de informou que a sentença
verno no quadro do Parlamento saído controlo; estendendo a área de Jerusa- declara inconstitucionais
da consulta de Abril. As palavras do em- lém em direcção à Cisjordânia como as leis que definem
baixador norte-americano testemu- “capital una, indivisível e eterna de Is- casamento como exclusivo
nham a disponibilidade dos Estados rael”; procedendo a uma limpeza étnica a casais heterossexuais.
Unidos para violarem frontalmente o impondo dramáticas e insuportáveis Cinco juízes votaram
direito internacional, uma vez que a condições de vida aos palestiniano, de a favor e quatro, contra.
Cisjordânia é território ocupado e é tam- modo a que estes abandonem o territó- Os juízes que se opuseram
bém a base do Estado Palestiniano pre- rio e sigam o caminho do exílio. à medida consideraram
visto na “solução de dois Estados” reco- Se a chamada “comunidade interna- que, para reconhecer
nhecida pela comunidade internacio- cional” continuar impávida e serena pe- o casamento entre
nal. Desconhece-se qualquer posição do rante as movimentações ilegais em cur- homossexuais, seria
secretário-geral da ONU, António Guter- so, permitindo o isolamento cada vez necessário legalizá-lo através
res, perante a gravidade do conteúdo da maior dos palestinianos, tal estratégia de reformas constitucionais.
Murtaja foi detido em 2014, com 13 anos
entrevista. Dirigentes palestinianos só muito dificilmente será travada.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 37 |


Mutamba SHOW DE DANÇA ■ D.R.

Espectáculo terá direcção artística de uma das mais conceituadas coreógrafas do país, Rita Oliveira, e cerca de 100 crianças vão marcar momentos de sensibilização sobre os cuidados a ter com o planeta Terra

DANÇA

Espectáculo infantil «Gota


d’Água» em cartaz no CCB
Problemática dos oceanos e do meio ambiente levada em cena no palco do Centro de Conferências de
Belas, numa realização da Escola Ballet Atitude, produção da ZAP-Estúdos e direcção de Rita Oliveira.
◗ NOVO JORNAL

O Centro de Conferências de Belas (CCB), levisiva na ZAP Viva, além de aproveitar sobre a necessidade de preservarmos os tendo tido diversos professores angolanos
em Luanda, acolhe, no próximo dia 23 de o facto de se estar no mês da criança, oceanos e assim proteger este património e estrangeiros (russos e cubanos) e dife-
Junho, o maior espectáculo de dança in- afirma ter elegido o meio ambiente e os que é de todos: o planeta Terra. Por isso, es- rentes experiências em escolas de dança
fantil intitulada «Gota d’Água», uma co- oceanos como temas principais, numa colhemos as crianças para passarmos no estrangeiro (Paris, Londres e Lisboa).
-realização da ZAP Estúdios e a Escola de clara alusão à necessidade de preserva- esta importante mensagem durante os Vem desde então desenvolvendo de forma
Ballet Atitude, liderada pela professora de ção destes dois elementos da natureza, vários momentos da apresentação”, disse. ininterrupta a sua prática como bailarina.
dança e coreógrafa Rita Oliveira, respon- uma vez que a poluição coloca em risco Rita Oliveira iniciou os seus estudos em Em 1995, concluiu o curso superior de
sável pela direcção artística do evento. o equilíbrio do planeta. dança em Luanda, aos dez anos de idade, dança na área de educação, em Lisboa,
O espectáculo vai reunir no palco do CCB A directora artística do evento e coreó- tendo regressado a Angola onde retomou
cerca de 100 alunos da Escola de Ballet Ati- grafa, Rita Oliveira, explica o mote do es- a sua actividade como bailarina e profes-
tude, entre as quais crianças com idades
compreendidas entre os 5 e 14 anos, jo-
pectáculo e o facto de terem sido escolhi-
das as crianças como agentes de mudan-
◗ «Escolhemos sora na Companhia de Dança Contempo-
rânea, onde trabalhou até 1998.
vens e adultos, e contará igualmente com ças presentes e futuras. as crianças Ainda no ano de 1998, em conjunto com
a performance de alguns bailarinos pro- “Acreditamos que a dança, enquanto Mónica Anapaz, fundou a Companhia
fissionais que actuarão na qualidade de forma de arte, é um excelente veículo de para passarmos Dançarte, e na altura iniciou também a
convidados.
A organização do espectáculo, que
transmissão de valores, tendo um impor-
tante papel na orientação da actual e das
esta importante sua experiência como coreógrafa. Desde
então tem vindo a dirigir a Companhia
será gravado para posterior emissão te- futuras gerações, consciencializando-as mensagem» em conjunto com a sua colega.

| 38 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


Sorriso
Crónico
■ D.R.
AMADEU BATATINHA
Província de Luanda
Municípios
disputam O aforismo e as lágrimas
título
A
nossa vida está cheia de aforismos, sendo que uns nos são mais
próximos que outros. Na maior parte dos casos os aforismos são

de kizomba breves e precisos, transmitindo ideias próximas de ditados e


provérbios populares. O seu uso não é tão frequente como os ditados mas
ajudam-nos a perceber situações que nos rodeiam.
e semba Tecer aforismos é um acto de elevada intelectualidade e aptidão
linguística própria de filósofos que estudam a sociedade e escrevem
máximas relevantes para a compreensão da evolução da sociedade e
A Cooperativa Cultural Mãe África também para verbalizar a realidade que, por vezes, se esconde na curva do
realiza, até ao dia 11 de Julho, em regi- cinismo e da hipocrisia.
me presencial, inscrições para o Um interessante aforismo é “a mentira é o único privilégio do Homem
«Concurso de Dança Kizomba / Sem- sobre todos os outros animais”, que transmite uma realidade nua e crua da
ba Municipal de Luanda 2019», cujo capacidade do ser humano, enquanto animal racional, de usar artimanhas
Expo marca estreia das artistas no Camões
casting acontece no dia 13 de Julho para enganar terceiros, facto que acontece amiúde na nossa sociedade.
2019, pelas 15h00, na Baía de Luanda, Exemplos vão desde o choro dos mais pequeninos para justificar um
no local do Projecto Kizomba, e a final determinado acto até aos mais crescidinhos nos nossos tribunais por razões
no dia 20 de Julho no Centro Cultural Artes plásticas variadas.
Brasil-Angola (CCBA). Há um outro aforismo que, de tão taxativo que é, exibe uma leveza de
Os interessados terão de se inscre-
ver aos pares, no bairro do Alvalade,
Exposição tamanha importância e que permite compreender a complexa teia de
determinados recursos humanos existentes na nossa praça. Pessoas que,
junto à rua da Big One, ou através do
professor de dança Mário da Cruz
«Tchobela», efectuando o pagamento
«Flowers in apesar do seu longo e floreado discurso, constante aparição pública e
ocupação de cargos relevantes, são como um limão que, por mais que se
esprema, sumo que é bom não dá.
de uma taxa de inscrição de dois mil
kwanzas, para se habilitarem ao cas-
my Garden»
Exemplos vão desde o choro dos mais
ting que irá apurar 18 pares em repre-
sentação dos nove municípios da
província de Luanda, nomeadamen-
inaugurada pequeninos para justificar um
te Luanda, Cacuaco, Viana, Talatona,
Icolo e Bengo, Belas, Cazenga, Kissa-
no Camões determinado acto até aos mais crescidinhos
ma e Kilamba Kiaxi. nos nossos tribunais por razões variadas
Na final de 20 de Julho, que decor- As artistas plásticas angolanas Bea-
rerá às 15 horas no Centro Cultural triz Geraldo e Lauretta Geraldo inau-
Brasil Angola, serão atribuídos três guram, no próximo dia 21 do corren- “Nunca atribua à malícia aquilo que é adequadamente explicado pela
prémios, para os primeiro, segundo e te mês, no Camões/Centro Cultural estupidez”. Este breve texto articula de forma tão natural uma verdade
terceiro qualificados, respectiva- Português, pelas 18h30, a exposição verdadeira e responde a muitas interrogações de quem tem de lidar com
mente. A organização prometeu colectiva Flowers in my Garden [Flo- pessoas cuja natureza demonstra um grau de maldade quando na realidade é
anunciar, até ao dia 22 deste mês, a res no meu Jardim]. apenas uma capa para camuflar a sua gritante estupidez. E como estupidez
natureza dos prémios, pelo que serão As duas artistas, que partilham não é crime, lá vamos caminhando juntos numa agonia desmedida.
entregues no primeiro dia útil a se- laços de irmandade por via da con- Não é que não haja pessoas más, certamente existem, mas o cerne deste
guir à final do concurso. sanguinidade, reúnem nesta expo- aforismo é uma explicação racional para os motoristas do destino que não
O par vencedor será considerado sição 11 obras de vídeo, instalação e deixam o barco navegar ao sabor do vento, não por maldade, mas porque
campeão do «Concurso de Dança Ki- técnica mista, com recurso a mate- não sabem que têm de içar e desfraldar a vela. É uma verdade que dói, mas
zomba/Semba Municipal de Luan- riais diversificados, designada- que seguramente não dói o suficientemente para que sejam vertidas
da» e ostentará o título até à realiza- mente tecidos, cartão, tintas, cerâ- lágrimas. Contudo, apesar de os sinais serem claros de que as coisas vão
ção da edição de 2020 do concurso mica arame e urinóis. mal, há esperança que as lágrimas
que terá periodicidade anual. Flowers in my Garden, que marca a futuras sejam de alegria e
A Cooperativa Cultural Mãe África é estreia das duas artistas no salão de emoção.■
uma organização com vocação para exposições do Centro Cultural Portu-
a promoção da cultura nas suas mais guês, incorpora o tema da sobrevi-
variadas manifestações. vência e adaptação, associando-os
ao conhecimento e vivência das ar-
■ D.R. tistas em diferentes países.
Todas essas envolventes consti-
tuem “mote para uma reflexão em
torno da necessidade de aceitação da
diferença e integração da diversida-
de” na obra das duas artistas.
“Registando meus pensamentos,
emoções e, em alguns casos, minha
voz. Comecei minha jornada para
fora do conforto no desconhecido.
Na procura da minha verdadeira vo-
cação”, explica-se Beatriz Geraldo so-
bre a sua relação com a arte.
Já Laurette Geraldo procura “des-
sensibilizar o público para os proble-
mas globais. Não de uma forma que
os torne negligentes em relação ao
que acontece ao seu redor, mas na
verdade, tornando-os confortáveis,
não apenas em relação às suas pró-
prias realidades, mas também da-
Dezoito pares disputam título em Luanda
queles que os rodeiam”.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 39 |


Mutamba
OPINIÃO

Intervenção
JOSÉ TEIXEIRA *

Prémio de Literatura dstangola/Camões


Q
uero agradecer à União dos Escritores do grupo para nos darem formação foi um pequeno neurotransmissores responsáveis pelo bem-estar e
Angolanos a disponibilidade de nos receber passo. Entendemos, com o teatro, a importância de pela felicidade. Aquela felicidade que na metáfora do
para esta cerimónia de entrega do Prémio de controlar a narrativa, para termos uma boa história e Afonso Cruz é um escorrega. Tem de se fazer esforço
Literatura dstangola/Camões. Quero também para conseguirmos que, no final, os nossos para subir as escadas do escorrega, para surfar a
agradecer ao júri do prémio. Um agradecimento é personagens terminem como boas pessoas. Ser boa descida, tal como aprendemos em crianças. Tem de se
pouco quando o que o que nos dão é tanto. Um pessoa é quase tudo. O poder do bem é um poder de fazer um esforço, ler e aprender, num processo que
prémio, nomeadamente de literatura, das artes ou da equilíbrio homeostático. não tem fim (nem tem que o ter), que quanto mais
ciência, depende da sua reputação que, por sua vez, Há vinte e quatro anos criámos o Grande Prémio de sabemos, mais sentimos que não sabemos. O
está dependente do júri, das pessoas que o Literatura dst em Portugal para fazer passar duas Umberto Eco já escrevia que tinha na sua casa uma
constituem. Neste sentido, foi nossa preocupação imagens: uma interna e outra externa. Na interna biblioteca e uma anti-biblioteca: na biblioteca
nuclear encontrar representantes em que os pretendíamos sinalizar a importância da literatura e estavam os livros que leu e na anti-biblioteca os que
candidatos reconhecessem autoridade e dimensão da leitura para a construção do tal personagem ainda não tinha lido. Dizia ele que a zona escolhida
intelectual. Tivemos, no caso, uma enorme vitória. competitivo, mas focado no bem, no prazer e na da sua casa era a da anti-biblioteca porque o que lhe
Temos um júri que honra o prémio. Agradeço do felicidade. Numa empresa pouco adianta que o líder interessava eram os livros que ainda não tinha lido ou
fundo do coração à Sr.ª Professora Irene Guerra ou os líderes leiam muito. Uma empresa, como uma dizendo de outra forma, o que lhe interessava era o
Marques, enquanto presidente, ao escritor José comunidade na cidade ou num país, depende da que ainda não sabia. E assim ficam sintetizados os
Eduardo Agualusa e ao jornalista e escritor Carlos capacidade dos corações dos líderes fazerem match nossos valores estruturais: o bem, a verdade e o belo,
Sérgio Monteiro Ferreira, por terem aceite o convite com o coração das massas. O que interessa numa escritos e escolhidos há muitos séculos e inscritos nas
para fazerem parte deste júri. empresa, numa cidade ou num país é a sabedoria das escrituras. O que somos temos de sê-lo em toda a
O grupo dst é um grupo de engenharia que trabalha suas multidões para utilizar o título de um livro de parte. O princípio da coerência, o princípio da
em seis áreas de negócios. Indústria da construção e James Surowiecki. Na dimensão externa permanente construção do nosso ethos deve acontecer
obras públicas, indústria das energias renováveis, do pretendíamos dar luz à importância da cultura na onde quer que estejamos. Estamos em Angola, um
ambiente, das telecomunicações, do imobiliário e na economia e na construção de uma imagem país incrível com um potencial extraordinário. Um
área das ventures onde aparcamos a nossa capital de organizacional cool, cosmopolita e culta. país de artistas e de poetas, onde a poesia teve um
risco, o apoio à inovação e às start-ups. Trabalhamos papel central para construir o desejo de
em áreas de grande sofisticação e exigência de independência e a independência que viria a
conhecimento e há muitos casos, no nosso processo O que interessa numa acontecer. Um país que como o nosso, depende de
heurístico, em que não encontramos respostas para utopias, de sonhos grandes para se realizar. Um país
perguntas fora das áreas técnicas. Não encontramos
empresa, numa cidade onde, à nossa semelhança, a literatura e a leitura são
respostas na física, na matemática, na química, nem ou num país é a sabedoria fatores críticos de sucesso para que a criatividade
nas disciplinas da gestão ou da economia. seja completa e para que sejam encontradas soluções
Há muitos anos atrás tentamos encontrar o que não das multidões, para utilizar nunca vistas para os anseios de todos.
conseguíamos nas áreas das humanidades, da Em Angola estava na hora de darmos o nosso sinal
filosofia, da antropologia, da sociologia, mais
o título de um livro social. De intervirmos no sentido em que acreditamos
recentemente, nos autores da economia de James Surowiecki que deve seguir a economia, no sentido também de
comportamental e na neurociência, que estuda os que a riqueza que é criada nos sítios, aos sítios deve
sentimentos e as emoções, nas áreas das artes e da ser em parte devolvida. A nossa opção, esta nossa
literatura. Descobrimos, nestas literacias da beleza, primeira opção, foi pelos livros. Fizemos um contrato
muito do que procurávamos e de tanto procurarmos, Atualmente no grupo temos o objetivo de todos com o Instituto Camões para equipar a biblioteca com
por vezes, descobrimos o que não procurávamos. lerem pelo menos quinze horas por mês. Temos uma milhares de livros nos próximos três anos para que a
Descobrimos sobretudo a nossa imensa ignorância e biblioteca e fundos para comprarmos os livros que os oferta, para os angolanos que a frequentam, que são
por termos consciência do tanto que não sabemos, trabalhadores recomendam ler. Temos na nossa muitos, seja mais poderosa, mais rica e diversa.
ganhamos uma espécie de nova liberdade que nos faz intranet um repositório de pitches de leituras. Simultaneamente criamos o Prémio de Literatura
correr atrás de novas experiências. Apoiamos muitas edições de livros, oferecemos livros dstangola no qual, com imenso prazer, agregamos o
Descobrimos o poder da cultura na economia. para as escolas e em todos os aniversários dos nossos Instituto Camões para passar a designar-se
Descobrimos que a cultura é a variável que mais trabalhadores. Hoje existe no grupo uma espécie de dstangola/Camões e, por isso, através do Senhor
influencia a competitividade individual, das famílias, censura social coletiva para quem rejeita o livro, a Embaixador, um agradecimento ao Luís Ramos,
das cidades e dos países e que, paradoxalmente, todos leitura e a importância dos poetas para o nosso presidente do Instituto Camões e ao Senhor Ministro
investimos muito pouco, e outros quase nada, no que desenvolvimento coletivo sustentável. Quando dos Negócios Estrangeiros, Professor Augusto Santos
mais pode modificar a nossa competitividade coletiva. procuramos a verdade, temos de ler e ler a Silva.
Quanto mais culto um indivíduo for, mais livre, mais diversidade possível para que a verdade seja a Celebramos hoje o 10 de junho e há uma parte da
criativo e maior plasticidade cerebral terá para que a verdade pura. O livro saiu à rua na dst. A leitura está celebração que é tão propriedade de angolanos como
imaginação conquiste poder. na prioridade dos nossos trabalhadores e assumimo- de portugueses, como da comunidade que fala
Descobrimos o valor das emoções e dos -la como a chave das portas do que temos de vir a português: a celebração da nossa língua comum, do
sentimentos, o papel da diversidade e o que não conhecer, do que temos de vir a descobrir, mas português como a maior ferramenta, o maior ligante
imaginávamos: que há coisas que só os poetas também para manter as nossas horas de avanço de entre os nossos povos. Uma espécie anti mítica Babel,
entendem e, por isso, os teríamos de englobar nas criatividade e de imaginação face à concorrência. uma língua comum à comunidade de língua
nossas equações de incerteza. Tínhamos de ler os Num processo de permanente inquietação, de só portuguesa sem ter que subtrair a riqueza das línguas
poetas para ganharmos novas hipóteses de soluções, estarmos bem onde não estamos, como cantava num nativas. É uma honra muito grande poder assinalar,
para sermos agentes da economia. excelente verso o António Variações, também demos no Dia de Camões, a entrega da primeira edição do
Já tínhamos descoberto também, há mais de luz coletiva à importância das artes, da estética, do Prémio de Literatura dstangola/Camões aqui, em
quarenta anos, o papel do teatro na economia, na belo e da beleza na construção do modelo de Luanda, a um poeta maior angolano, com uma vasta
construção de personagens competitivos, na criação desenvolvimento da tal empresa culta. Temos um obra publicada.
de um bom texto, de uma boa encenação. Já tínhamos projeto de artes que virou um projeto empresarial e a Caro Zetho Cunha Gonçalves, parabéns, todos os
descoberto a importância de uma boa coreografia e arte e a estética estão no nosso quotidiano a parabéns e agradeço-lhe esta oportunidade de estar
dos figurinos na plenitude do palco, no palco como condicionar as nossas decisões e a utilização dos aqui a afirmar a importância da poesia e dos poetas
elemento inteiro e completo. Daí a apoiarmos nossos espaços. A arte e a beleza ativam, através de na nossa construção coletiva! Muito obrigado!
companhias de teatro e as trazermos para o interior sinapses super velozes, a serotonina e a dopamina, *Presidente do Grupo DST

| 40 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


Breves
■ D.R.

Festival de cultura
Festikongo
«Nem só de beijos
terá como sobrevive o lar»
lançado no Camões
palco No dia 19 de Junho de 2019,

Mbanza pelas 18h30, no Camões/Centro


Cultural Português será lançado
o livro Nem só de beijos e
Kongo e Soyo abraços sobrevive o lar, da
autoria de Salvador & Marisa
Francisco. Trata-se de uma
As actividades que vão marcar a pri- cartilha, baseada na experiência
meira edição do Festival Internacio- pessoal dos autores, que reúne
nal da Cultura, Artes e Turismo (Fes- alguns ensinamentos dirigidos
tikongo), a ter lugar entre os dias 5 e 8 aos jovens casais, procurando
de Julho do corrente ano, inicialmen- incutir valores de amizade
te na capital da província do Zaire, vão e honestidade e cumplicidade
estender ao município do Soyo, por es- na relação a dois. O lançamento
cassez de unidades hoteleiras na cida- ocorre no quadro da
de de Mbanza Kongo para acolher o «Divulgação de Jovens
número de excursionistas e partici- Escritores – Publicação
pantes do evento que vai juntar tam- de Primeira Obra», criada
bém artistas vindos do estrangeiro. pelo Camões.
A informação foi avançada esta
quarta-feira, 12, pela Angop, que ci-
tava o governador do Zaire, Pedro
Conjunto Os Kiezos será uma das bandas que vai animar a tarde das recordações no Kilamba
Makita Júlia, que justificou a deci- Camões acolhe o
são com o facto de o município do primeiro concerto
Soyo — que dista a 300 quilómetros infanto-juvenil
Espectáculo «Tarde das da capital da província — deter
“uma vasta rede hoteleira capaz de A produtora de eventos
acomodar muitas delegações”. da Jazz em Casa leva neste

Recordações» reúne três Pedro Júlia, que falava durante a


realização de um encontro do conse-
sábado, 15, às 10h, no
Camões/Centro Cultural
lho de auscultação da comunidade, Português, o primeiro concerto
bandas no Centro Kilamba destacou, entre os participantes,
uma delegação composta por peritos
Infanto-Juvenil de Música do
Mundo. O evento, que será
do Património Mundial da UNESCO. realizado anualmente, tem
O Centro Recreativo e Cultural Kilamba, DT, que se vai exibir no Kilamba como a À cidade de Mabnza Kongo — cujo como foco a descoberta de
no município do Rangel, recebe no pró- principal banda de cartaz. centro histórico foi declarado Patri- talentos, que trará certamente
ximo dia 23 do corrente, pelas 12h00, um A Orquestra Mizangala DT vai apresen- mónio Mundial da Humanidade a 8 ao mercado musical não apenas
espectáculo ao vivo em dose tripla: so- tar no palco do Kilamba com os músicos de Julho de 2017, durante a 41.ª sessão novas estrelas, mas ajudará os
bem ao palco da mais tradicional casa Zé Mueleputo (guitarra solo), Dany gui- daquela comissão, reunida em Cracó- pequenos artistas
do semba do país o emblemático con- tarra (guitarra solo), Dulce Trindade (gui- via, no sul da Polónia — estarão tam- a traçarem um rumo brilhante
junto Os Kiezos, a Orquestra Mizangala tarra ritmo e voz), Mogue (viola baixo), bém caravanas artísticas dos países para as suas carreiras.
DT e a banda Welwitschia. Juca (bateria), Raul Tolingas (dikanza e que integravam o antigo território do De carácter internacional,
Denominado «Tarde das Recorda- voz), Julinho (congas), Neto Maradona Reino do Kongo (RDC, Congo Brazza- o concerto terá nove
ções», o espectáculo, além de represen- (teclado), Zé Manico (voz principal) e ville e Gabão), para além de represen- participantes com idades
tar uma ponte entre passado e presente Mady Star (voz). tantes do Benin e dos Camarões tam- compreendidas
através de uma geração de artistas que Os Kiezos, liderados por Manuelito bém participarão neste evento. entre os 8 e 16 anos.
viveu intensamente as décadas de 1960 (voz e dikanza), vão exibir-se com Bran- O Festikongo é uma das nove exi-
e 1970 — fase de maior afirmação da do (guitarra solo), Gegé (viola ritmo), gências colocadas pela UNESCO
música popular urbana angolana —, Hambana Maior (congas) e contará ain- aquando da candidatura de Mban-
será também um tributo a todo um con- da com a participação de Dulce Trinda- za Kongo. Jornalista Miguel
junto de sucessos musicais que passa- de e Neto Maradona. Manuel lança
rão pela rumba congolesa, Brasil e ou- A banda Welwitschia, a terceira banda ■ D.R.
documentário
tros países cuja música representou um do cartaz da «Tarde das Recordações», é
marco na vida destes artistas. também ela um poço de sumidades, en- O documentário, intitulado
“Essencialmente, vamos ter dois mo- tre as quais se destacam Boto Trindade Cada, Filhos Prodígios, conta
mentos fundamentais: um primeiro mo- (guitarra solo), Zeca Tirilene (guitarra as memórias dos filhos dos
mento em que os artistas leverão para o ritmo), Joãozinho Morgado (congas), João últimos contratados que
palco temas do seu repertório, e um outro Diloba (bateria), Carlos Timóteo (viola regressaram às suas origens
em que as bandas vão trazer à memória baixo), Josué (teclado) e Legalize (voz). e se reencontraram com os
sucessos dos anos 60/70 [do século passa- Entre as bandas que subirão ao palco, membros daquela que já foi
do]. São, na verdade, incursões musicais o conjunto Os Kiezos é o mais antigo e a quarta maior produtora
que passarão pela rumba congolesa”, ex- com o maior pergaminho. A sua histó- de café e a mais bela vila
plicou ao Novo Jornal o porta-voz do es- ria começa no bairro Marçal, quando Ki- do mundo. Será apresentado
pectáculo, Soky Dya Nzenze. tuxi (membro fundador) reuniu Marito, na quinta-feira, 20, às 17h, no
“Será um show com foco não só em Adolfo Coelho e Avozinho, resultando na Centro de Imprensa Aníbal de
Angola, mas em outras latitudes. As criação de um grupo anónimo que ani- Melo. Trata-se de um trabalho
bandas vão levar ao palco velhos suces- mava as noites no Marçal. de investigação jornalística de
sos para as pessoas reviverem esses A integração de Tony do Fumo faz com Miguel Manuel, que obedece
momentos”, disse. que o conjunto ganhe notoriedade com os princípios que este género
À cabeça da organização do evento as canções Nguami Ku Soba, Kiezu jabu, exige, caracterizado no
está a Dulce Trindade Produções, dirigi- Monami Messene e outras, e na década de compromisso da exploração
da pelo baixista Dulce Trindade, que é 1990, com Zecax, volta a marcar a sua po- da realidade.
Vista parcial da catedral de Kurumbimbi
também o líder da Orquestra Mizangala sição no music hall nacional.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 41 |


Agenda
Cultural

ESPECTÁCULOS
Artista Afrikkanitha apresenta
EVENTOS concerto intimista em Luanda MIB: Homens de Negro — Força
Internacional
Santos Populares no On Board 13:00 | 16:00 | 18:40 | 21:30 | 00:10
Em Luanda, os Santos Populares
é no On Board (Clube Naval), de 14 a 16 Aladdin 2D (VP)
de Junho, a partir das 16h00. Entradas 12:45 | 15:30 | 18:20
a 2.500 Kz.
Hotel Mumbai
Tarde Solidária 21:10 | 00:00
O Campo Multiusos Mawete (Hoji Ya Henda)
recebe no dia 16 de Junho, a partir das A Vida Secreta
12h00, uma Tarde Solidária alusiva dos Nossos Bichos 2
ao Dia da Criança Africana. Entrada gratuita. 11:00 | 13:40 | 16:20

TEATRO Godzilla 2: Rei dos Monstros


20:40 | 23:30 | 18:40 | 21:30 | 00:20
«A Dívida»
O Auditório Njinga Mbande apresenta John Wick 3: Implacável (2D)
■ ADJALI PAULO
nos dias 15 e 16 de Junho a peça teatral 15:00 | 18:00 | 20:50 | 23:50
A Dívida, a partir das 19h45. Entradas A cantora Afrikkanitha sobe ao palco do Loanda Pub, no Maculusso, para a
a 2.000 Kz. apresentação de um show intimista que promete reunir vários fãs, a ter X-Men: Fénix Negra
lugar no dia 15 de Junho pelas 20h00. O espectáculo será marcado com as 12:50 | 15:20 | 18:10 | 21:20 | 23:50
«O Xuxuado» principais canções da cantora. Apesar de ter descoberto o seu dom para o
De 27 de Junho a 29 de Junho, o auditório canto aos 4 anos, foi no grupo N’Sex Love que Afrikkanitha se torna Brightburn: O Filho do Mal
Njinga Mbande acolhe a peça teatral O conhecida. O desejo de fazer algo novo fê-la desvincular-se deste conjunto e, 23:50
Xuxuado, a partir das 20h30. Entradas mais tarde, seguir a carreira a solo, voltando-se para o jazz, afrobeat, funk,
a 2.500 Kz (normal) e 3.500 (VIP). bossa-nova e outros estilos de matriz africana. Troll e o Reino de Ervod (VP)
11:10 | 13:20 | 15:40 | 17:50
LITERATURA
do livro da jornalista italiana Augusta inaugurada no Camões/Centro Cultural
«As Aventuras Infantis Conchiglia Agostinho Neto — Da guerrilha Português a exposição colectiva MIB: Homens de Negro — Força
da Princesa Mukuimbondo» aos primeiros anos da independência. Flowers In My Garden, das artistas Internacional
No dia 23 de Junho, às 08h00, o Auditório angolanas Beatriz Geraldo e Lauretta Em Homens de Negro — Força
Casa da Juventude (Viana) acolhe Feira do Livro Infantil Geraldo. A exposição fica patente até Internacional, Molly é uma menina
o lançamento da obra infantil As Aventuras Acontece no dia 14 de Junho, às 11h00, ao dia 16 de Julho. que numa noite encontra um
Infantis da Princesa Mukuimbondo, no Memorial Agostinho Neto, a Feira pequeno extraterrestre, decidindo-o
da escritora Fátima Borró. do Livro Infantil. «Plovãod’escadas» salvar, enquanto os seus pais vêem
Está patente até ao dia 16 de Junho as suas memórias apagadas pelos
Lançamento do livro EXPOSIÇÃO a exposição Plovãod’escadas, do artista Homens de Negro. Anos mais tarde,
de Augusta Conchiglia Paulo Amaral, na Thomson Art House (Ilha Em é já uma adulta extremamente
O Memorial Dr. Agostinho Neto acolhe no «Flowers In My Garden» de Luanda). inteligente que procura uma posição
dia 21 de Junho, às 16h00, a apresentação Dia 21 de Junho, pelas 18h30, será na divisão secreta dos Homens de
«Oikonomos» Negro. Nesta nova aventura, eles
No dia 18 de Junho, às 18h30, será vão enfrentar a maior ameaça até
inaugurada no Camões/Centro Cultural hoje: um infiltrado e traidor na
LITERATURA Português a exposição Oikonomos, organização Homens de Negro,
do artista angolano Edson Chagas. justamente quando a agência se
Obra literária da escritora portuguesa A exposição fica patente até torna internacional. Quem irá
Lídia Jorge revisitada no Camões ao dia 16 de Julho. auxiliar Em nesta jornada é o
atrapalhado agente H (Chris
«A Língua Portuguesa em Nós» Hemsworth).
Está patente até ao dia 14 de Junho, Actores: Tessa Thompson, Chris
no Centro Cultural Brasil-Angola, a Hemsworth, Rebecca Ferguson
exposição A Língua Portuguesa em Nós. Realização: F. Gary Gray
Géneros: Acção, Comédia
ESPECTÁCULO Argumeto: Matt Holloway, Art
Marcum
Show intimista de Afrikkanitha
O Loanda Pub, no Maculusso, recebe
no dia 15 de Junho, a partir das 20h00,
o show intimista de Afrikkanitha.
Ingressos a 5.000 Kz.

Yola Semedo no Palmeiras Clube


O Palmeiras Clube recebe no dia 14
de Junho um jantar romântico
com Yola Semedo e os convidados
■ D.R.
Ivan Alekxei, Bruna Tatiana e Chelsy
A escritora portuguesa Lídia Guerreiro Jorge, de 72 anos, vencedora do Shantel, às 19h30.
Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura, terá a sua obra literária revisitada na Bilhetes a 20.000 Kz.
Biblioteca do Camões, no Centro Cultural Português, no dia 24 deste mês, pelo
Núcleo de Leitura que, no âmbito do projecto «Escritor do Mês», leva àquele Puto Português no Chá de Caxinde
espaço a obra de um autor lusófono. Lídia Jorge é licenciada em Filologia Puto Português apresenta o seu novo álbum
Românica, viveu alguns anos em Moçambique e em Angola, foi professora do Alma no Chá de Caxinde, no próximo dia 21
ensino secundário, membro da Alta Autoridade para a Comunicação Social e de Junho, às 20h00. Bilhetes a 25.000 Kz.
integra o Conselho Geral da Universidade do Algarve.
AVENNIDA CINEMAS

| 42 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


◆ PUBLICIDADE

Mutamba
OPINIÃO

Mambos
da Nguimbi
CARLOS RENATO ■(DE KAMBAMBE)
Bom Petisco
em escabeche
ASSINATURA FOTOGRAFIA

Escolhe bem
C
umpas, li e reli a tua mensagem sobre a possibilidade de migrar. Sei que não
deve estar fácil viver aí na banda com todas as dificuldades que têm enfrentado
para sobreviver durante os últimos dez anos e que segundo me consta têm
de maracujá
piorado. A ideia de migrares com a família não é má, até porque o homem desde os
primórdios que se locomove em busca de melhores condições de vida para si e para os
seus; cá por acaso há melhores condições sociais do que aí, no entanto, convém que
antes de o fazer tenham bastante atenção a certos aspectos que podem definir o
sucesso ou não da escolha. Têm de recolher o máximo de informações possíveis sobre
o país e a localidade para onde pretendem migrar — cultura, língua, história,
legislação, economia, política de acolhimento aos migrantes, benefícios sociais e
outros aspectos importantes. Façam os possíveis para que a família se mantenha
unida, porque na estranja só vão poder contar convosco mesmo, por estarem longe dos
parentes e kambas habituais, e com as makas das transferências de divisas fica mais Ingredientes para 4 pessoas
rijo. Tracem objectivos claros sobre o que farão em conjunto e a nível individual —
formação, trabalho, passeio, procurem saber que políticas de integração há nas Atum Bom Petisco 1 lata 120 g
localidades para onde querem ir, que línguas falam. Outra cena importante é terem Cebola laminada 2 unid
um bom pé-de-meia para se sustentarem pelo menos nos primeiros dez meses, Alho laminado 1 c. sopa
enquanto buscam trabalho ou uma fonte de renda, como bolsa de estudo ou de Louro 1 folha
pesquisa. É imperioso que se legalizem o quanto antes, ou que pelo menos comecem Pimenta da Jamaica 3 bagos
Azeite virgem extra 1 dl
com o processo de legalização para que possam ser mais facilmente abrangidos pelos
Vinagre de vinho branco 1 c. sopa
benefícios sociais — segurança social com o subsídio de desemprego e para as Maracujá (polpa) 1 dl
crianças, escola e saúde públicas, formações profissionais; até mesmo a questão laboral Mel 2 c. sopa
fica mais facilitada quando o candidato tem a situação migratória legal regularizada, Salsa em folhas 2 c. sopa
visto de trabalho e autorização de residência. Sal q.b.
Têm de estar dispostos a dar no Miolo de pão 100 g
duro, cá nem tudo são flores,
também há bué de espinhos. Em Confeção
termos de salo, não pagam mal, no
Num tacho, coloque o azeite, cebolas,
entanto, tens de fazer valer o
alho, louro e pimenta da Jamaica.
tempo que ficas a bumbar, nada de
Cozinhe as cebolas até que estejam
mangonha como aí na banda transparentes e tenras. De seguida,
alguns fazem, aqui mandam pra molhe com o vinho branco.
rua. Faça chuva, sol ou neve tens de
Quando estiver a ferver, adicione
ir bumbar e chegar a horas, seja lá
a polpa de maracujá, tempere com sal
qual for o teu salo, só em caso de e deixe cozinhar em lume brando.
calamidade é que toleram atrasos
À parte, desfaça o miolo de pão
ou faltas. Na escola é a mesma
em migalhas, tempere com azeite e sal,
cena, há pontualidade e
e leve ao forno a tostar.
assiduidade quer dos profs. quer
dos alunos. O salário mínimo não é Para empratar, espalhe o escabeche
sobre o prato e sobreponha o atum.
mau, dá para cobrir as despesas
Perfume com folhas de salsa e polvilhe
mensais — água, luz, gás, renda,
com o pão tostado.
transporte (passe), comunicação,
alimentação, etc. Mas se não
■ D.R. Conheça todas as receitas Bom Petisco em
tiveres juízo vai ser chapa ganha
chapa gasta. Nem já um cem Tens de fazer valer www.bompetisco.pt
consegues enviar pra banda para
kinguilarem. Se saírem daí já com o tempo que ficas
um salo garantido, que nem
muitos estrangeiros que vão para
a bumbar, nada
aí, seria fixe. de mangonha como aí
Há vários países e localidades a
receberem bem os migrantes, na banda alguns fazem
com boas políticas de acolhimento
por muitos motivos, como a baixa
natalidade e o despovoamento de algumas zonas ou ainda por falta de mão-de-obra
específica para uma actividade, como a agrícola ou as de ciências exactas e biológicas.
Vejam bem para onde querem ir, quais as razões que vos motivam e quais as que
fazem continuar aí na banda, analisem com calma, cabeças frias e escolham bem para
que não se arrependam. É importante saberes que aquele teu hábito de dar boda de
sexta a domingo com música alta aqui não funciona, os vizinhos chamam polícia,
pagas multa e se fores reincidente podes ir kuzu. Atirar lixo pra rua também não dá
certo, vais mamar. Dar gasosa para tratar documento no imbondeiro é gato, aliás, cá
nem há imbondeiro, logo, podes até ser deportado. Não há pedir sal nem gindungo na
vizinha. Fazer puxada é crime, bater na dama e nos putos nem já, vão te entrar, vais
dentro e perdes a guarda dos kandengues. O que podes fazer, por exemplo, é
continuar a ser micheiro, cá é uma profissão legal, chamam de lobbying, e micheiro é
lobista, ou dar aulas de dança — kizomba, semba, tarrachinha e kuduro.
Mano, fico feliz por saber que estão a pensar no melhor para a vossa família, mas
pensem bem, vejam se não têm como ser bem-sucedidos aí e ajudarem a banda a
mudar essa triste situação. Qualquer decisão que tomarem, estamos cá para ajudar.
Vou voltar pro salo, aproveitei a hora do almoço para responder. Cumé, é verdade que
o ManQuem está na lista de candidatos pro CC? Katé+■

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 43 |


Desporto CAN 2019

EM CASO DE TÍTULO

FAF pode
gastar mais
de 1,2 milhão
USD em
prémios
Segundo apurou o NJ, 104 mil dólares é o valor
que já foi disponibilizado aos 23 jogadores
convocados pelo seleccionador nacional,
enquanto os outros 138 mil são os valores
das três semanas, caso permaneçam até ao final
da competição. Se porventura o título for
erguido pelos Palancas Negras, cada jogador
terá como prémio de 40 mil dólares, sem contar
outros prémios.
◗ EDUARDO GITO

O cálculo feito pelo Novo Jornal não abrange alguns patrocínios que eventualmente poderão surgir por parte de

Em caso de título dos Palancas Negras gem às meias-finais, os jogadores po- tar em Agosto próximo no Brasil. MINJUD garante pagar última
no Campeonato Africano das Nações dem levar para casa 20 mil dólares, 15 Até quarta-feira, 12, de acordo com o parte dos dinheiros
(CAN), a Federação Angolana de Futebol mil se passarem os quartos-de-final e 10 documento, na conta de FAF terá entra- Contactado pelo NJ, Joaquim Clemen-
poderá gastar, só em prémios dos 23 jo- mil para os oitavos-de-final. do apenas 320 milhões de kwanzas, te, director do Gabinete de Comunica-
gadores que vão disputar a prova, cerca metade do valor solicitado para asse- ção Institucional do Ministério da Ju-
de 1.162.000 USD. Ministério só disponibilizou gurar o CAN do Egipto. ventude e Desportos, garantiu que tudo
De acordo com os cálculos do Novo metade dos valores solicitados “Não é verdade o que foi dito pelo Mi- está a ser feito para que os valores este-
Jornal, em função da tabela de prémios Há seis dias do «tiro» de partida da nistério de que os valores já estavam jam já nas contas da FAF ainda no co-
disponibilizada pela FAF, o valor acima maior festa futebolística continental, nas contas da FAF no final do mês de meço da próxima semana.
referenciado é a soma dos 920 mil dóla- os Palancas Negras continuam a viver Maio. Os 320 milhões já em nossa posse “A federação só fez sair este comuni-
res de prémio caso vençam o troféu, dos dias «ensombrados» pela crise finan- só chegaram às contas da instituição cado porque se aperceberam que os va-
138 mil se ficarem três semanas na ceira, porque até ao momento, de acor- no dia 5 de Junho. Até à presente data, lores solicitados ao MINJUD já estavam
competição e mais os 104 mil dólares do com um documento da FAF a que o não recebemos mais nada do MINJUD, em sua posse. Nos próximos dias irá
que estão a ser gastos nestas três sema- NJ teve acesso, o MINJUD só conseguiu quer para o CAN, quer para o Mundial”, chegar a outra parte, para que a nossa
nas de preparação em Portugal. transferir as contas do órgão reitor lê-se no documento consultado pelo NJ. selecção tenha uma participação con-
Feitos estes cálculos de premiação, pelo futebol nacional metade do valor digna na prova”, garantiu.
cada jogador dos Palancas Negras pode, solicitado. Clemente garantiu que as trocas de
em caso de título, levar para casa um Segundo a Federação Angolana de mimos entre Federação Angolana de
«bolo» de mais de 50 mil dólares. Futebol, pediu-se 640,7 milhões de ◗ «Até à presente Futebol e o Ministério já terão sido ul-
O valor aqui descrito pelo NJ não en- kwanzas ao Ministério da Juventude e trapassadas, sendo que os mesmos fo-
globa os 2.000 dólares de cada vitória, Desportos, valor este devia servir para data, não ram causados pelo atraso na aprovação
nem os 1.000 dos empates. A FAF avança
ainda no documento que, em caso de a
toda a empreitada do CAN e 224 mi-
lhões para o Mundial de futebol em
recebemos mais do Orçamento Geral do Estado do pre-
sente ano económico.
Selecção Nacional conseguir a passa- sub-17, que os Palanquinhas irão dispu- nada do MINJUD»
| 44 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019
■ ADJALI PAULO

Mundial de Hóquei

Fallé quer superar


ou, no mínimo, igualar
a prestação na China
O bom clima na Federação Angolana Montreux, na Suíça, nesta prova An-
de Hóquei em Patins está restaurado, gola conquistou a quarta posição.
porque a equipa técnica e a direcção “Conheço bem as capacidades de
voltaram a fazer as pazes, com a defi- cada atleta, penso que a integração
nição do palco de estágio da Selecção destes em toda a preparação será rápi-
Nacional que irá competir no Mun- da”, valorizou.
dial deste ano em Espanha. Recorde-se que Angola participa na
Antes de deixarem o país na passada no Mundial na qualidade de campeã e
segunda-feira, 10, o treinador dos ho- representante africano, onde irá de-
quistas angolanos garantiu que o con- frontar no grupo A as selecções da Itá-
junto está comprometido em melho- lia, França e Espanha, com os italia-
rar ou igualar a quinta posição con- nos como adversários de estreia.
quistada no mundial da China, isto a
julgar pela coesão e capacidade com-
petitiva do grupo de trabalho. ◗ «Tudo sobre a
“Apesar de o grupo se concentrar
tarde, existe dedicação por parte dos questão financeira
jogadores no sentido de fazermos
uma boa prova, da qual passa por me-
está feita por
lhorar ou, no mínimo, igualar a pres- parte da
tação de 2017, na China, onde o con-
junto obteve o quinto posto, que até ao federação»
momento é a melhor classificação de
sempre”, prometeu o técnico portu-
guês ao serviço de Angola. Selecção com orçamento
O treinador lamentou o interregno de 50 milhões de kwanzas
que a preparação sofreu, mas lembrou O NJ, através de uma fonte federativa,
que as mesmas foram causadas pela soube que, para o estágio e participa-
falta de condições, que agora já estão ção da Selecção Nacional no Mundial
garantidas. “O importante neste mo- de Espanha, a Federação Angolana de
mento é o grupo estar unido, quanto Hóquei em Patins disponibilizou 45
aos objectivos, vamos assumir o que milhões Kz e mais outros cinco mi-
prometemos”, salientou. lhões, que foram conseguidos por via
Confiante em bons êxitos, Fernando de um patrocinador.
Fallé está satisfeito, pelo facto de ter “Tudo sobre a questão financeira
no seu plantel todos os jogadores com está a ser feita por parte da federação,
os quais, em Março último, disputou o só nos resta desejar boa prova no
Campeonato Africano das Nações e o Mundial”, desejou.

■ D.R.

e entidades privadas

◗ Foi inicialmente presente data, os valores não estão


nas contas da instituição, embora o
transferido 250 mil, nosso patrão ao nível continental já
terá feito o seu papel”, afirmou.
mas que ainda não
CAF «doa» 12 milhões
estão nas contas de dólares aos participantes
da FAF No cômputo geral, quanto às despesas
de patrocínio das 24 selecções africa-
nas que, a partir do dia 21 deste mês,
Sistema bancário angolano vão subir ao palco da competição, a
«trava» chegada Confederação Africana de Futebol irá
dos dólares da CAF gastar 12 milhões de dólares, sendo
A FAF reconhece em nota que a Confede- 500 mil para cada selecção.
ração Africana de Futebol prometeu 500 Com o objectivo de pelo menos chegar
mil dólares para cada uma das 24 selec- aos oitavos-de-final, os Palancas Ne-
ções participantes, do qual foi inicial- gras entram em campo a partir do dia
mente transferido 250 mil, mas que ain- 24 para defrontar a sua congénere da
da não estão nas contas da FAF por “difi- Tunísia; no dia 29, com a Mauritânia; e
culdades do sistema bancário angolano”. termina a fase de grupos com o Mali,
“No dia 11 de Junho, fomos notifica- este último conhecido pelos angolanos
dos pela CAF a transferência da meta- pelo «pesadelo» do empate (4-4) no CAN
de do valor de participação ao CAN, de 2010, prova disputada no país, em
Fernando Fallé, treinador da Selecção Nacional de hóquei em patins
mas podemos já avançar que até a quatro diferentes províncias.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 45 |


Desporto
LANÇAMENTO

Breves
■ LIDIA ONDE ■ ASSINATURA FOTOGRAFIA

Girabola ZAP
2019-2020 arranca
a 16 de Agosto
O Girabola ZAP edição 2019-
-2020 começa no dia 16 de
Agosto e termina a 17 de Maio
de 2020, sendo que o sorteio
está agendado para a próxima
quarta-feira, 19, no auditório
da FAF. O órgão reitor
do desporto-rei em Angola
anunciou ainda que a
Supertaça será disputada
entre as formações do 1.º de
Agosto e a do Desportivo
da Huíla, sem antes avançar a
data do jogo que abre a época
futebolística nacional. Por
outra, a FAF anunciou que a
Taça de Angola arranca
apenas em Janeiro de 2020.

Pogba e Real
João Julião, proprietário da marca JUVAN, de produção de equipamentos desportivos
«afastados» por 17
milhões de Euros

JUVAN A «indumentária»
Paul Pogba é agora o alvo
prioritário do Real Madrid,
mas a operação não parece
fácil. Segundo o The Mirror de

que quer «equipar»


quinta-feira, 13, o Manchester
United, baseando-se no
valor pago há três anos
pela contratação do médio

o desporto angolano
à Juventus, pretende 168,5
milhões de euros, enquanto
os merengues só estão
dispostos a largar 151,6
milhões para garantir aquele
João Julião é o primeiro sustado quando viu o seu projecto apre- as poucas divisas que tem, caso optas- que é o principal desejado
angolano a entrar no mundo sentado ser “copiado” pelo designer da- sem pela JUVAN tudo seria pago com o por Zidane Zidade para
quela instituição. “Eles roubaram a mi- nosso kwanza”, revelou. reforçar o meio-campo do
do empreendedorismo
nha ideia ao colocarem a samakaka nos O criador da primeira marca de equi- clube, uma diferença de 17
e na produção equipamentos, mas uma coisa garanto pamentos em Angola avança igualmen- milhões de euros.
de equipamento desportivo. aos angolanos, eles são maus copiado- te ao NJ que o seu material é igual ao ac-
res, porque só colocaram nas mãos das tual equipamento do Petro de Luanda e
◗ EDUARDO GITO camisolas, quando no meu tem a ima- Interclube.
gem da palanca no interior, um símbolo “Já tivemos encontros com as direc- Toronto Raptors
O ex-futebolista angolano João Julião característico da Selecção”, acusou. ções de quase todos os clubes que parti- vencem inédito
lançou recentemente a sua marca de Por outro lado, João Julião adianta cipam no Girabola, só estamos à espera título da NBA
equipamentos, a JUVAN, com o objectivo que, ao levar a proposta à Federação An- que nos digam alguma coisa e poste-
de ajudar todos os clubes existentes no golana de Futebol para a produção das riormente avançaremos com as assina- Os Toronto Raptors
país, nas suas diversas modalidades. indumentárias dos Palancas Negras, foi turas dos respectivos contratos”, reve- conseguiram na madrugada
Na sua entrevista ao Novo Jornal, JJ, também com a finalidade de ajudar a lou o empresário. desta sexta-feira, 14, fazer
como é também conhecido nas lides FAF a deixar de comprar divisas para o história, ao tornarem os
desportivas, acusa a Federação Angola- pagamento da actual marca que veste a Sambilas de Paixão Júnior já primeiros canadianos a
na de Futebol de ter “agido de má-fé”, Selecção. vestem a JUVAN conquistarem a Liga Norte-
quando esta última optou por ficar com “Estou desiludido com os dirigentes Apesar de o lançamento ter sido feito -Americana de Basquetebol
a Lacatoni, uma empresa multinacio- da FAF, mas não com a inveja da Lacato- apenas no início do mês de Junho, o ex- profissional (NBA), a maior do
nal de vestuário e materiais desportivos ni. Fiz a proposta porque sou em primei- -futebolista avançou que na última edi- Mundo, estando desde já a
portuguesa, fundada em Braga, em 1988, ro lugar angolano, conheço bem a vai- ção do Girabola já tinha conseguido fe- modalidade no ADN
e por terem “roubado” a sua ideia de co- dade e os gostos dos meus irmãos, daí a char um contrato com a formação do desportivo daquele país do
locar os timbres da samakaka no actual razão de querer trazer um produto só Progresso do Sambizanga, daí tê-la ves- norte. Os Raptores venceram
equipamento dos Palancas Negras. nosso. A FAF devia deixar de economizar tido em algumas jornadas. na sexta e última partida da
“No final do ano passado, sentei-me “Não somos tão novos no mercado na- melhor de sete jogos da final
com o presidente [da FAF] Artur de Al- cional. Durante a segunda volta do os Golden State Warriors por
meida e Silva e propus-lhe produzir
equipamentos para todas as selecções
◗ «Estou desiludido Campeonato Nacional de futebol da pri-
meira divisão, consegui vestir toda a
114-110, com a notável
ausência, por lesão, de Kevin
nacionais, em que podia estampar as com os dirigentes equipa do Progresso do Sambizanga, Durant. No cômputo geral, a
cores que representam Angola, e no in- apesar de aquele clube ter vivido mo- equipa do Canada ergueu o
terior devia colocar a Palanca Negra Gi- da FAF, mas não mentos tão infelizes por causa da sua título mais valioso a nível de
gante e as cores da nossa samakaka”,
lembrou.
com a inveja da condição financeira. Já temos alguns
projectos com o Bravos do Maquis e com
clubes da NBA, por 4-2.

O agora empresário diz ter ficado as- Lacatoni» o Paulo FC”, afirmou.

| 46 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019


Bancada
■ D.R.
Central
SILVA CANDEMBO
Futebol com muletas
Clube
1 de Junho O dirigismo que temos…
é o novo
E
m várias ocasiões, nesta e noutras tribunas, defendi que o elo fraco do
desporto angolano é o dirigismo. E dei vários exemplos, um dos quais os

campeão elencos de oficiais nos bancos de suplentes das nossas equipas de futebol.
Todos, mas todos mesmo (treinadores, médicos, fisioterapeutas, estatísticos...), têm
formação que lhe permite exercer as funções que os leva ali. Os dirigentes, estes,
nacional geralmente não possuem qualificação suficiente para os cargos que desempenham.
Um ou outro fez daqueles seminários de uma semana da FIFA ou da Solidariedade
Olímpica e pouco mais do que isso.
A formação do 1 de Junho de Luanda Vem isto a propósito da descida de divisão do Kabuscorp FC do Palanca,
sagrou-se nesta quinta-feira, 13, determinada pela entidade máxima do futebol mundial, a FIFA. Como é consabido,
campeã nacional de futebol com o clube do general reformado Bento Kangamba foi punido com a despromoção por
muletas em seniores masculinos. não ter honrado uma dívida junto do seu antigo futebolista Rivaldo, que
Na final disputada na província representou o clube em 2012, numa altura de “vacas gordas”.
Messi herda o «trono» de Mayweather
de Benguela, no estádio São Filipe, a Embora muita gente, sobretudo na comunicação social, finja ter esquecido, esta
equipa da capital derrotou por 2-0 a é a segunda vez que o Kabuscorp FC desce de Divisão. E, curiosamente, em
formação do Misto do Huambo, no qualquer das ocasiões não foi em “jogo jogado”. Na primeira vez, em 1998,
encontro referente à última jorna- Revista Forbes também foi por razões administrativas e por... falta de pagamento, como agora.
da do Campeonato Nacional de fu- Então, a poucas jornadas do fim do “Girabola”, Bento Kangamba tinha uma
tebol adaptado.
Tino e Paizinho foram os protago-
Messi é o montanha de dívidas com os jogadores. O débito crescia a olhos vistos. Como, de
acordo com o regulamento, falta de comparência numa das três últimas jornadas
nistas dos golos que garantiram a
vitória e o título ao emblema do 1 de
Junho de Luanda.
desportista do campeonato dá lugar a despromoção, os atletas marcaram greve para esse
período, com o propósito de demoverem o presidente-empresário-general. Mas,
sem dinheiro, tal como agora, o homem viu a greve materializar-se e, com isso, a
Pedro Luís, treinador da equipa
campeã, disse, em entrevista à An-
mais sua equipa desceu de Divisão.
Quando em 2012 o Kabuscorp FC contratou Rivaldo, este já contava 40 anos de
gop, que a conquista do presente tí-
tulo é o resultado de muito trabalho
intenso.
bem pago idade e estava claramente na fase terminal da sua carreira. De modo que,
quando regressou ao Brasil, um ano depois, sequer conseguiu terminar o
campeonato Estadual de São Paulo no “seu” Mogi Mirim. Contudo, a festa à sua
“O jogo foi bastante renhido, isto
porque o trabalho feito pelos nossos
do mundo chegada a Luanda foi enorme, até mesmo na comunicação social, normalmente
submissa ao dono do clube, que se permitia ao luxo de “escolher” quem podia ou
jogadores dentro da quadra de jogo não fazer os relatos radiofónicos dos jogos da sua equipa de futebol. Então, os
foi importante e benéfico para nós. Segundo lista divulgada na passa- hossanas foram do tamanho do Mundo e quase todos vergaram a coluna em cega
Fomos justos vencedores por ter- da terça-feira, 11, pela revista nor- aprovação ao suposto “golpe de génio” protagonizado pelo “iluminado”
mos marcado os únicos dois golos te-americana Forbes, Lionel Messi, presidente-empresário-general.
do encontro”, admitiu o técnico. avançado do Barcelona e da selec- Na comunicação social, principalmente numa certa rádio, houve mesmo quem
Para Hélder Gomes, treinador da ção argentina, tornou-se no último defendesse que a partir daquele momento o “Girabola” ganharia em prestígio, que
formação derrotada, reconheceu ano o desportista mais bem pago Angola seria mais conhecida no mundo e blá-blá-blá. Como se os jornalistas em
que a equipa só pode queixar-se de do planeta, arrecadando 112,2 mi- causa tivessem um aparelho para medir prestígio (seria um prestigiómetro?) ou
si mesma, pelo facto de terem co- lhões de euros. como se as destacadas prestações de Angola em palcos mundiais do basquetebol e
metido muitos erros. O argentino recebeu, entre Junho do andebol não fossem bastante para o país ser conhecido além-fronteiras. Como se
“Perdemos tantas oportunidades, de 2018 e Junho de 2019, 81,2 milhões o “Angolazo”, registado com saliência na história dos Jogos Olímpicos, não fosse
foi feliz o adversário por aproveitar de euros em salários e 31 milhões em suficiente para Angola ser desportivamente conhecida, por exemplo, em Espanha
as oportunidades que teve. O des- contratos publicitários, especifica a ou noutra paragem europeia qualquer.
porto tem essa vertente, ganha publicação norte-americana. Por não haver uma entidade que controle as transacções de valores mobiliários
quem mais golos marcar e nós fo- Messi, que sucede nesta lista ao pu- no país, ninguém sabe quanto Rivaldo terá custado aos cofres do clube (?). Mas
mos infelizes neste capítulo”, reco- gilista norte-americano Floyd sabe-se que foi um balúrdio, porque o “Melhor do Mundo” de 2001 não iria correr
nheceu o técnico. Mayweather, deixou relegado para o risco de apanhar uma malária ou outra doença mais grave, daquelas que fazem
O Campeonato Nacional de futebol segundo lugar Cristiano Ronaldo, que verdadeiros estragos em Angola, por dá cá aquela palha. O que é verdade é que
para amputados é uma organização terá recebido 96,3 milhões de euros ganhou (ou vai ganhar) uma pipa de massa, suficiente para construir um estádio de
do Comité Paralímpico Angolano. no último ano (57,5+38,9). No terceiro futebol do género do InterClube ou do Recreativo da Caála.
lugar aparece Neymar, com total de Rivaldo fez uma época com a camisola do Kabuscorp FC e, embora em algumas
■ D.R. 92,7 milhões de euros. ocasiões ainda se visse nas suas actuações em campo alguns rasgos de genialidade,
No «top 10» da classificação en- o saldo final dessa contratação foi igual a zero. Ou seja, o clube não teve qualquer
tram ainda os jogadores de futebol retorno financeiro do “investimento” feito (ou não feito, como agora deu para
americano Russell Wilson (79 ME) e perceber!). Nada ganhou com o jogador no quesito merchandising, os estádios só
Aaron Rodgers (78,8 ME), e os basque- enchiam de adeptos palanquinos porque, como sempre aconteceu, estes eram pagos
tebolistas da NBA LeBron James (78,6 para lotarem as bancadas, e a equipa de futebol ganhou nada. Nem “Girabola”, nem
ME), Stephen Curry (70,4 ME) e Kevin Taça de Angola. Mais: em 2012 sequer participou nas “Afrotaças”, montra que
Durant (57,7 ME). poderia, eventualmente, justificar tamanha “operação de marketing”, de modo a
Entre as desportistas femininas, a que os olhos do continente se virassem para o “Nacional” angolano!
única que surge na classificação é a Ao que tudo indica, objectivamente, a contratação de Rivaldo não obedeceu a
tenista norte-americana Serena razões de mercado, cuja presidência é o lucro. Nem a razões de natureza desportiva
Williams, com 25,7 milhões de euros porque um homem só não ganha campeonato e muito menos aos 40 anos, numa
anuais e num distante 63.º lugar en- modalidade tão exigente como o futebol. Dá mais a impressão que a ida do antigo
tre os 100 publicados. futebolista do AC Milan e FC Barcelona a esse clube da periferia luandense teve a ver
No total, atletas de 10 diferentes com um impulso exibicionista, com uma demonstração de suposto poder. Como
modalidades e de 25 nacionalidades pagar atletas para vestirem a camisola do clube por um dia na corrida de São
integram a lista dos 100 desportistas Silvestre, só para constar no palmarés que o campeão do ano X ou Y foi do Kabuscop
mais bem pagos do mundo. FC. Isso agrega nada ao clube. Pelo contrário, só dá despesas e... de que tamanho!
Uma centena de atletas, juntos, ti- O que não se compreende mesmo é o facto de um clube que sequer dispõe de
veram ganhos na ordem dos 3,5 mil infra-estruturas desportivas próprias meter-se numa aventura destas! E no capítulo
milhões de euros nos últimos 12 me- de instalações, não falo já de um estádio mas de um recinto de treino digno de uma
ses, diz a Forbes, um aumento de 5% equipa de alta competição. Isto é o dirigismo que temos.■
A prova foi disputada em Benguela
em relação ao ano anterior.

SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019 | 47 |


n.º 589 14.06.19
www.novojornal.co.ao geral@novojornal.co.ao Sobe
& Desce
PROPRIEDADE Tolerância, SA CONTRIBUINTE 5417271586 REGISTO MCS-491/B/2008 DIRECTOR Carlos Ferreira CHEFE DE REDACÇÃO Nok Nogueira COORDENAÇÃO EDITORIAL Álvaro Victória EDITOR EXECUTIVO
Isaac Brigano EDITORES Eduardo Gito, Hélder Caculo e Maurício Vieira Dias REDACÇÃO António Gaspar, António Paulo, Borralho Ndomba, Dulcineia Lufua, Ernesto Gouveia e Hortêncio Sebastião
SECRETÁRIA DE REDACÇÃO Irene Trindade FOTOGRAFIA Adjali Paulo e Quintiliano dos Santos PAGINAÇÃO André J. Suamino e Luciano Bento COLABORADORES Carlos Renato, Dario de Melo, Eugénio Costa
Almeida, Fernando Pacheco, Fernando Pereira, Gustavo Costa, Ismael Mateus, Luís Bernardino, Sérgio Calundungo, Sérgio Piçarra, Victor Fontes e Vladimir Russo DIRECÇÃO COMERCIAL Alide
Hussen / alide.hussen@novavaga.co.ao (t) 941 114 883 ASSINATURAS DIGITAIS +244 921 358 582 DISTRIBUIÇÃO Vaspe, SA (t) +244 937 581 904 / +244 921 303 903 / assinaturas@vaspe.co.ao PROJECTO GRÁFICO
Pedro Morais / novas.oportunidades.criativas@gmail.com IMPRESSÃO Damer, SA MORADA Avenida Lénine, n.º 72 / Domo Business Center / 3.º Andar / Bairro Maculusso / Luanda TELEFONES 222 332
819 / 222 332 962 / 222 333 230 / 222 332 714 E-MAIL geral@novojornal.co.ao SITE www.novojornal.co.ao www.facebook.com/novojornal.ao

Proposta Polícia anuncia «subsídio de ▲


«ZUNGA»
Carrinho
antiguidade» no lugar da não promoção A comodidade
com que Esperança Valentim
■ ADJALI PAULO desenvolve sua actividade
◗ NOVO JORNAL/LUSA de zungueira desperta a
atenção de transeuntes, na
A Polícia Nacional estuda a hipótese de Baixa de Luanda. Registada
conceder um “Subsídio de Antiguidade” com o Cartão de Ambulante,
aos agentes da corporação que aguar- a cidadã ganhou da Comissão
dam por promoção, anunciou o director Administrativa da Cidade
de Intercâmbio e Cooperação da PN. de Luanda um carrinho
“Ninguém deve ser promovido se não personalizado, que comporta
houver uma vaga, mas, entretanto, a um espaço para colocar
antiguidade permitirá que, de tempo o carvão, duas cubas
em tempo, aqueles oficiais que já te- para os quitutes, um extintor
nham tempo para promoção, mas que e uma sombrinha.
não tenham vaga ainda, recebam um


subsídio de antiguidade”, referiu Rui
Cardoso.
Em declarações na quinta-feira, 13,
em Luanda, à margem da reunião ex- GREVE
traordinária do Conselho Superior da Palancas
Polícia Nacional, o responsável salien- Esta semana, as
tou que a implementação do referido dificuldades financeiras que a
Agentes da PN vão ter direito a um subsídio enquanto aguardam pela efectivação das promoções
programa surge à luz do Projecto de De- Federação de Futebol enfrenta
creto Presidencial que aprova a Tabela produziram um episódio
Salarial Indiciária Por Escalões de Anti- Criação, Reestruturação, Organização e des centrais, aos comandos municipais, que nada dignifica a imagem
guidade da corporação. Extinção dos Órgãos Internos dos Órgãos às esquadras e aos postos policiais, para do nosso país. Os Palancas
O director de Intercâmbio e Cooperação Centrais e Comandos Provinciais da PN, além dos departamentos e secções que Negras, que se preparam
da PN observou que o “Subsídio de Anti- em análise no encontro, Rui Cardoso dis- possam ser criadas, e é necessário que em Portugal para o CAN 2019,
guidade”, um incentivo que já vigorava se que o diploma legal, que vem regula- se regulamente isso”, frisou. paralisaram os treinos na
no passado e que agora a instituição pre- mentar como se processa a criação, orga- Foi ainda abordada a forma de imple- segunda-feira, 10, por falta
tende resgatar, deverá ser implementa- nização e extinção dos órgãos internos mentação do Decreto Presidencial que de pagamento das diárias a
do para “salvaguarda” do tempo de acti- da PN, terá como foco os comandos mu- aprova o Estatuto Orgânico da Polícia Na- que os jogadores têm direito.
vidade dos oficiais da instituição que vela nicipais, esquadras e postos policiais. cional, nomeadamente sobre a fusão de


pela ordem e tranquilidade do país. “Estamos a referir-nos, não tanto aos órgãos, criação/estruturação de novos
Relativamente ao Projecto de Decreto comandos provinciais, que já vêm no órgãos, mobilidade de pessoal, forma-
Presidencial, que aprova as Regras de estatuto orgânico, mas àquelas unida- ção, aquisição e cedência de meios.
JEFRAN
Suspensão
CARTOON | Sérgio Piçarra A Jefran, empresa
angolana do ramo imobiliário,
viu a sua actividade suspensa
pelas autoridades, por conta
de um antigo diferendo com
centenas de clientes que,
há anos, depositaram somas
de dinheiro nas contas
da empresa, sem que
esta cumprisse a sua
parte, que é a entrega das
habitações. Espera-se que
as vítimas sejam, finalmente,
ressarcidas.


EPAL
Corte
Há cerca de duas
semanas que parte da
cidade de Luanda está privada
do fornecimento de água
potável. Os clientes reclamam
não terem sido informados
pela EPAL do corte no
fornecimento da água e dizem
não dispor de nenhum tipo de
informação sobre quando a
situação irá ser restabelecida.

| 48 | SEXTA-FEIRA 14 de Junho 2019

Você também pode gostar