Você está na página 1de 1

Texto para compreensão

Mais uma CARTA DE DEMISSÃO. Meghan NÃO CONSEGUE segurar assistentes!

Meghan Markle é adorada por muitos e criticada por outros tantos. Verdade é que a duquesa
de Sussex não consegue segurar uma assistente pessoal e recebe a terceira carta de demissão

O Mundo mostra-se dividido, sempre que o assunto é Meghan Markle. Se, por um lado, a
mulher de Harry é idolatrada, por outro, há quem goste pouco dela. Ao que parece a ex-atriz
tem um temperamento muito delicado, com o qual nem sempre é fácil lidar.

Especulações à parte, a verdade é que, desde que se casou com Harry, a 19 de Maio de 2018, o
lugar de assistente pessoal da estrela norte-americana já ficou vago três vezes.

Depois das duas primeiras assistentes terem apresentado a demissão, agora é Amy
Pickerill quem anuncia que irá, também, despedir-se e voltar costas à realeza…

A assistente pessoal já fez saber que, assim que Meghan e Harry forem viver para Frogmore
Cottage, em Windsor (uma mudança prevista até ao fim do mês de março), o seu lugar estará
à disposição.

A condição apresentada pela assistente pessoal

Segundo avança o Daily Mail, a demissão irá mesmo oficializar-se. Porém, esta é uma decisão
que preocupa os colegas que trabalham diretamente com Amy Pickerill para a família real
britânica. A publicação garante que a funcionária é muito querida e que o anúncio da demissão
abalou toda a equipa que presta os mais variados serviços à realeza.

Após Samantha Cohen, a anterior assistente da duquesa de Sussex, ter-se despedido, Amy
aguentou exatamente três meses a desempenhar funções naquele que é um dos lugares mais
cobiçado pelos súbditos.

Uma fonte, em declarações à imprensa internacional, garantiu que a assistente pessoal


acordou com a realeza manter-se a prestar serviços até ao nascimento do bebé e depois disso,
vai-se embora.

De referir que seis meses após o casamento de Harry e Meghan, também Melissa Toubati se
demitiu… O feitio complicado da ex-atriz é apontado como o grande causador das desavenças.

Texto: Tânia Cabral