Você está na página 1de 310

Página | 1

ANAIS
DO
2º CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INTERUNIESP
Monte Alto - 2016
Página | 2

APRESENTAÇÃO
Os Núcleos de Pesquisa e Extensão (NPE) das unidades de Araraquara, Ibitinga,
Jaú, MonteAltoeTaquaritinga,pormeiodeseusCoordenadoresdePesquisaeextensão,
Coordenadores de Curso e Diretores em conjunto, observando o necessário
desenvolvimentoeaperfeiçoamentodosalunosemrelaçãotantoàvidaacadêmicaquanto à
experimentação e troca de experiências, idealizou, por meio de uma comissão formada
com esse fim, o 2º Congresso de Iniciação Científica INTERUNIESP.
O referido congresso ocorreu nos dias 03 e 04 de Novembro de 2016, na cidade
de Monte Alto. A realização inédita deste evento interunidades inteiramente dedicado à
pesquisa e extensão, sediado na Cidade de Monte Alto (FMA), reconhecidamente
mostrou-se como um marco institucional, no sentido da valorização da pesquisa e
extensão.
Dentre as quase incontáveis missões que idealizou essa comissão, duasprincipais
se destacaram dentre todas: o fortalecimento dos núcleos de pesquisa e extensão das
presentes unidades e, estimular a interação e o intercâmbio transversal entre professores,
pesquisadores e alunos, promovendo a troca de experiências e saberes entre os diversos
níveis de ensino e saber, com a promoção de eventos científicos comoeste.
OpresenteCongresso,contoucomaparticipaçãodecincounidades,comooutrora já
salientado, contando com mais de 600 participantes, nos dois dias, oriundos de 11
diferentes cursos. Dentre os mais 600 alunos participantes, houveram aqueles
apresentaramtrabalhosoraisepôsteres;entretanto,nemtodososforamselecionadospara
integrarem esses primeiros registros por questõestécnicas.
A Comissão Organizadora do 2º Congresso de Iniciação Científica InterUniesp
expressa seu agradecimento aos convidados, pesquisadores, artistas e funcionários, por
suas inestimáveis contribuições para o evento, à Secretaria de Lazer e Cultura da Cidade
de Monte Alto, que gentilmente cedeu o Centro Cívico para a realização do evento, aos
autores que submeteram trabalho, e a todos os participantes.
Coordenador da Comissão Organizadora
Jorge Luis Nassif Magalhães Serretti
Página | 3
Organização do Evento e Conselho Pareceristas
Editorial
Prof. Amauri Tadeu Barbosa Nogueira
Profa. Débora Raquel da Costa Milani
Profa. Ana Cláudia C. de Camargo
Profa. Djenane Schieri Wagner Cunha
Profa. Anna Claudia Martins Coelho
Profa. Flávia Petra Melara
Prof. Débora Raquel da Costa Milani
Prof. Jorge Luis Nassif Magalhães
Prof. Emil Silva
Serretti
Profa. Flávia Luzia Lopes Bertaci
Prof. Osmar Bueno de Morais
Profa. Flávia Petra Melara
Profa. Paula Alvarinho Urbano Barroso
Prof. Gerson Carlos Eduardo
Prof. Tiago Massan
Profa. Graciana Simei
Profa. Valéria Fattore Mantovani Prof. Jorge Luis N. M. Serretti
Prof. Marcos Rogério da Cunha
Profa. Rita de Kássia Cândido
Profa. Rosa Maria Gutierrez
Prof. Tiago Massan
Profa. Vanessa Terra Pereira
Prof. Vera Lúcia Guimarães
Página | 4

S488c SERRETTI, J.L.N.M, ( Org.)


2º Congresso de Iniciação Científica InterUniesp (2: 2016: Monte
Alto, SP) Anais [recurso eletrônico]. – Uniesp, 2016.

Disponível em: www.


1. Ensino Superior – Pesquisa – Brasil – Congressos 2.Administração
3.Direito 4.Pedagogia 5.Enfermagem 6. Letras 7.Ciências Biológicas
8.Farmácia 9.Fisioterapia 10.Nutrição I. UNIESP
Página | 5

Sumário
Avaliação da dor lombar em funcionários da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade de
Taquaritinga-SP ........................................................................................................................................... 6
A eficácia dos medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica para o tratamento da
epilepsia ..................................................................................................................................................... 18
AIMPORTANCIADOCONTRATODETRABALHODEEXPERIÊNCIA ............................................... 30
REABILITAÇÃO DA MARCHA EM PORTADORES DE DOENÇA DE PARKINSON: UMA
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA .................................................................................................................. 22
Possíveis tratamentos fisioterápicos na Fibromialgia: Uma revisão bibliográfica..................................... 35
Atuação da Fisioterapia no Tratamento da Dor Oncológica ...................................................................... 49
A importância e a colaboração da hidroterapia durante o período da gestação, uma revisão bibliográfica
.................................................................................................................................................................... 60
Intervenção da Fisioterapia na Microcefalia .............................................................................................. 71
ÉTICA NA UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIA E REDES SOCIAIS NO AMBIENTE CORPORATIVO
.................................................................................................................................................................... 84
ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DO EXERCÍCIO RESISTIDO EM PACIENTES COM DIFERENTES
FATORES DE RISCO – AVALIANDO AS RESPOSTAS PRESSÓRICAS. ......................................... 99
Família e aprendizagens: a leitura uma influência para a formação e construção do sujeito leitor e
humanista ................................................................................................................................................. 112
Prevenção e orientação fisioterápica às pessoas portadoras de osteoporose na 3ª idade – uma revisão
bibliográfica ............................................................................................................................................. 136
Assistência Farmacêutica ao paciente doente crônico renal .................................................................... 150
AVALIAÇÃO COM PACIENTES PÓS – CIRÚRGICO DE LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR
COM PELO MENOS TRÊS ANOS DE CIRURGIA, ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO DE
QUALIDADE DE VIDA SF 36 E O QUESTIONÁRIO DE LYSHOLM. ............................................. 168
Sintomas e Tratamento da Hepatite C: Levantamento Bibliográfico ......................................................183
Tratamento fisioterapêutico na osteoartrose de quadril: Uma revisãobibliográfica.................................196
A importância de contar histórias para o desenvolvimento integral das crianças .................................... 210
Educação infantil e ludicidade: construindo novos caminhos para a aprendizagem ............................... 223
Planejamento Estratégico Situacional na Assistência Farmacêutica em um Município do Interior Paulista
Taquaritinga/SP........................................................................................................................................233
Avaliação do controle de estoque e demanda medicamentosa atendida em uma drogaria do município de
Taquaritinga: Estudo de caso ................................................................................................................... 250
A EFICIÊNCIA DA GESTÃO DE COMPRAS E ESTOQUE DE UMA CONCESSIONÁRIA
AUTOMOTIVA....................................................................................................................................... 267
Gestão de Recursos Humanos na Era da Sociedade da Informação ........................................................278
Página | 6

Avaliação da dor lombar em funcionários da Unidade de Pronto


Atendimento (UPA) da cidade de Taquaritinga-SP
Beatriz Savazzi Coutinho¹
Gustavo Naxara Oscko²
Naiara Francieli Rinaldi³

RESUMO
INTRODUÇÃO- A dor lombar (dor na região póstero-inferior da coluna vertebral) é
a causa mais comum de incapacidade e invalidez nos dias de hoje sendo, um dos principais
motivos de consultas médicas, hospitalizações e intervenções cirúrgicas. Ocorre em diversas
idades, porém são mais evidentes em homens acima de 40 anos e mulheres entre 50 e 60 anos
deidade.Noambientedetrabalhoéconhecidacomolombalgiaocupacionaletemcomofatores
causais mais comuns os posturais, mecânicos, traumáticos e psicossociais. MATERIAL E
MÉTODOS- Esse trabalho avaliou 40 funcionários, não médicos, dos três turnos, da Unidade
de Pronto Atendimento (UPA) da cidade de Taquaritinga–SP. O instrumento utilizado para
avaliação da prevalência de lombalgia foi o Questionário Roland-Morris de Incapacidade.
RESULTADOSECONCLUSÃO-Médiadeidadedosavaliadosfoi37,5anos,sendoamaioria
mulheres (87,5%), avaliados nos três turnos de trabalho, diurno (60%), noturno (12,5%) e
ambos (27,5%). Outros dados sócio-demográficos foram coletados, como por exemplo, tempo
de serviço. Embora o escore não tenha classificado nenhum indivíduo como incapaz, a
frequênciaderespostasdealgumasquestõesmostraquehácertograudedesconfortocabendo,
portanto, a elaboração de um plano de atuação. A comparação dos resultados com outros
estudos da literatura científica ficou prejudicada, pois esses estudos avaliaram pacientes
portadores delombalgia.
PALAVRAS CHAVE: Lombalgia, Questionário, Roland-Morris.
Página | 7
ABSTRACT

INTRODUCTION- The back pain (pain in the póstero-inferior region of the spine) is
themostcommomcauseofdisabilityandinvalidityinthesedaysbeingoneofthemainreasons for
medical appointment, hospitalizations and surgical interventions. Occurs in several ages, but
is more evident in men over 40 years and women between 50 and 60 years of age. Atwork
environment is known as occupational low back pain and has as the most commom causal
factors postural, mechanical, traumatic and psychosocial. MATERIAL AND METHODS –
Thisresearchevaluated40non-medicalemployeesfromthethreeworkshiftsoftheEmergency
CareUnit(UPA)inthecityofTaquaritinga–SP.Theinstrumentusedfortheevaluationofthe
prevalence of low back pain was the Roland-Morris disability questionnaire. RESULTS AND
CONCLUSIONS – The mean age of the evaluated subjects was 37,5 years, with the majority
of women (87,5%) evaluated in the three work shifts, daytime (60%), night (12,5%) and both
(27,5%).Othersocio-demographicdatawerecollected,suchaslengthofservice.Althoughthe score
has not classified any individual as unable, the frequency of answers to some questions shows
that there is some degree of discomfort being necessary, therefore, the elaboration of
performance plan. The comparison of results with other scientific literature research was
impaired, because these researches evaluated patients with low backpain.

KEY WORDS - Low back pain, questionnaire, Roland-Morris.

¹ Graduanda em Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga - FTGA.


beatriz.savazzi.c@gmail.com

² Prof. Me do Curso de Fisioterapia da Faculdade de Taquaritinga - FTGA.


osckogu@gmail.com

³ Graduanda em Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga– FTGA.


naiara0404@outlook.com
Página | 8

INTRODUÇÃO

A dor lombar é a causa mais comum de incapacidade e invalidez nos dias de hoje. O
que tem sido um dos principais casos de consultas médicas, hospitalizações e intervenções
cirúrgicas.
Na maioria da população a lombalgia ocorre em diversas idades, porém são mais
evidentes em homens acima de 40 anos e mulheres entre 50 e 60 anos de idade. (JUNIOR;
GOLDENFUM; SIENA, 2010, p.583)
Alombalgiaédefinidacomodornaregiãopósteroinferiordacolunavertebral.Umdos
maiores problemas de saúde responsável pela incapacidade física, podendo gerar limitações,
principalmente para a vida profissional. (ABREU; RIBEIRO, 2010,p.149)
A lombalgia ocupacional, é uma das maiores causas isoladas de transtornos na saúde
relacionadas com o trabalho, podendo levar a incapacidade e em alguns casos mais graves à
invalidez prematura.
Os fatores causais mais comuns em ambientes de trabalho são os posturais, os
mecânicos, os traumáticos e os psicossociais. A idade, a fadiga e a postura são considerados
como fatores que contribuem para a elevada porcentagem de reincidência da dor lombar. O
trabalho sentado ou de pé por muitas horas, o trabalho com excesso de peso, o levantamento
contínuo de peso, a falta de exercícios físicos e alguns problemas psicológicos são alguns dos
principais fatores que levam à lombalgia. (JUNIOR; GOLDENFUM; SIENA, 2010, p.584).
Na maioria dos casos, acredita-se, que a lombalgia ocupacional se deve a pressões
incomunssobreosmúsculoseosligamentosquesuportamacolunavertebral.Tantoosesforços
dinâmicos, relacionados a utilização de escada, deslocamento, transporte de carga, quanto os
esforços estáticos, relacionados a posturas erradas, sustentação de cargas pesadas e com a
restrição dos movimentos, podem contribuir para futuras lesões nas articulações e nos discos-
intervertebrais.
Essa patologia não deve ser analisada apenas como uma questão médica e sim como
uma questão socioeconômica, pois ao acometer um indivíduo economicamente ativo, ele terá
que conviver com a invalidez e a incapacidade de poder realizar seu trabalho.
Assim acarretando na vida social do indivíduo que terá que trocar de trabalho, as
vezesnem conseguindo mais trabalhar, além de ter um gasto econômico grande com a sua
patologia. Apesar do tempo e os gastos serem grandes com pessoas com esse tipo de
morbidade, é necessário que ela seja tratada como um problema de saúde pública, sendo
oferecido um
Página | 9

tratamento adequado, e não apenas afastar essas pessoas de seus cargos. Dando a elas um
tratamento de reabilitação adequado para que possam retornar à suas vidas profissionais.
(ABREU; RIBEIRO, 2010, p.149)
Éimportantetambémpensaremumprotocolodeprevençãoparaprofissionaisdeáreas que
podem ter risco delombalgia.
Assim devido à elevada prevalência da lombalgia ocupacional, nos dias de hoje, é
necessário que seja feito um estudo onde se obtenha os principais fatores de riscos e os
causadores dessa patologia. Podendo ser pensado futuramente em um protocolo de prevenção
e reabilitação para esses indivíduos, para proporcionar uma melhor qualidade de vida aos
trabalhadores e diminuir o número de pessoas acometidas.

MÉTODO

Para o desenvolvimento desse projeto de pesquisa foram avaliadosfuncionários(não


médicos),daUPA(UnidadedeProntoAtendimento)domunicípiodeTaquaritinga-
SP.Onúmerodeparticipantesdecadaunidadeseráselecionadoaleatoriamenteeporamostragem
devendo compreender, no mínimo, 50% do total de funcionários.O instrumento
utilizadoparaavaliação da prevalência de lombalgia nessa população será o
QuestionárioRoland-Morrisde Incapacidade, traduzido e validado para uso em língua
portuguesa (MONTEIRO, etal.,2010).
Esse,porsuavez,contém24(vinteequatro)frasesdepessoasdescrevendoasimesmasquando sentem
dor nas costas. Os participantes convidados, quevoluntariamenteaceitarem passar pelo teste,
serão devidamente informados como o procedimento serárealizado e,na
sequência,assinarãoTermodeConsentimentoLivreeEsclarecido.Oquestionáriotemum
scorepróprioqueclassificaráoresultadodecadateste.Osdadosvãoserorganizadosetratadosestatisti
camenteutilizandoosoftwareEXCELdaMicrosoft.Esseprojetofoisubmetidoe
aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Faculdade de Taquaritinga – CEP/FTGA.

DEFINIÇÃO LOMBALGIA OCUPACIONAL

De acordo com Vascelai (2009, p.1), “ Lombalgia é o conjunto de afecções dolorosas


que acometem a coluna lombar devido à presença de alguma anormalidade nessa região”.
É chamado de lombalgia, quadros de dores na região lombar, podendo ser associadas
ou não a dores ciáticas (lombociatalgia), dores que irradiam para glúteo, coxa, perna e/ou pé.
P á g i n a | 10

A descrição da dor, como dor em peso, aperto, queimação ou em choque pode ajudar o
médico a diagnosticar a lombalgia.
Este fenôme-no doloroso atinge em média 80% da população mundial em alguma fase
de sua vida,1 sendo que sua prevalência aumenta com a idade, atingindo um pico durante a
sexta década de vida (ABREU; RIBEIRO,2010, p.148).
A lombalgia, é uma das causas mais comum de incapacidade em trabalhadores com
menos de 45 anos de idade, tem predileção por adultos jovens e é responsável por
aproximadamente ¼ dos casos de invalidez prematura (JUNIOR; GOLDENFUM; SIENA,
2010, p.583).
De acordo com Sato (2010, p.331), A lombalgia aguda é de alta prevalência na
população geral na maioria dos casos, há resolução espontânea. Após o resfriado comum, é a
causa mais prevalente de consulta médica, sendo que cerca de 80% das pessoas no mundo têm
ou terão ao menos um episódio ao longo da vida.
As atividades profissionais com grande sobrecarga física, somada a uma postura
inadequada, movimentos repetitivos, vibração, trabalhos em grande velocidade, estresse,
reforçam o aparecimento desta morbidade, expondo o trabalhador à dor, geralmente na região
lombar, já que também pode acometer as regiões lombossacral ou sacroilíaca, apresentando,
portanto, um caráter ocupacional (ABREU; RIBEIRO,2010, p.149).
Alombalgiaéumproblemafrequenteparagrandepartedostrabalhadoresbraçaise,em
conseqüência, causa prejuízos econômicos e sociais, uma vez que esses trabalhadores formam
a porção produtiva da economia (DIAS; GODOY; ALMEIDA, 2003, p.67)
A idade, a postura e a fadiga no trabalho são consideradas como fatores contribuintes
para a elevada percentagem de recidiva da dor lombar. O trabalho sentado por longas horas, o
trabalho pesado, o levantamento de peso, a falta de exercícios físicos e os problemas
psicológicos representam alguns dos principais fatores que contribuem para a cronicidade da
dor lombar (JUNIOR; GOLDENFUM; SIENA, 2010, p.584)
Portanto,indivíduosdediversosramoslaboraispodemserconsideradoscomoumgrupo
suscetível para os riscos de dor lombar ocupacional, devido à precariedade das condições de
trabalho, que exigem posturas viciosas e a realização de movimentos repetitivos realizados de
formainadequada,acarretandonasobrecarga,colunavertebral,maisespecificamentedaregião
lombar (PINTO etal,2010).
P á g i n a | 11

ETIOLOGIA

DeacordocomJunior(2010,p.584),“Osfatorescausaismaisdiretamenterelacionados com
as lombalgias ocupacionais são os mecânicos, os posturais, os traumáticos e os psicossociais”.
Abuscadeumaúnicacausaouatémesmodacausaprincipaldapatologiapodesetornar difícil,
pois se trata de uma etiologiamultifatorial.
As inadequações do ambiente de trabalho e as condições de funcionamento dos
equipamentosdolocalacabamgerandomovimentaçõeseposturasincorretasdosprofissionais,
assim sendo os fatores de riscos mais encontrados nos ambientesprofissionais.
Um dos fatores contribuintes para a lombalgia ocupacional são a idade, a postura e a
fadiga no trabalho. Já os fatores que contribuem para a cronicidade da dor lombar no trabalho
podem ser por trabalho muito pesado, ficar na mesma posição por muito tempo, ficar sentado
por longas horas, falta de atividade física, levantar muito peso por tempo indeterminado, entre
outros.
As principais causas das dores lombares estão associadas à tensão da musculatura
paravertebral decorrentes de posturas incomodas e da degeneração precoce dos discos
intervertebrais. (JUNIOR; GOLDENFUM; SIENA, 2010, p. 584).

SINTOMAS

O sintoma mais frequente da Lombalgia ocupacional é a dor, causadas principalmente


por traumas cônicos repetitivos. Geralmente essas dores tem início discreto, tendo aumento
progressivo da intensidade que piora com movimentos da região.
Permanecer muito tempo em uma determinada posição, seja ela em pé ou sentado,
pode provocar o aparecimento da dor.
Um grau de encurtamento da musculatura lombar pode aparecer em alguns casos.
Um fator extremamente limitante é a persistência dos sintomas, onde acaba afetando a
vida social, profissional e até afetivo da pessoa, podendo até ocasionar em problemas
emocionais.
P á g i n a | 12

INCIDÊNCIA E PREVALÊNCIA

A dor lombar é uma condição que pode atingir até 65% das pessoas anualmente e até
84% das pessoas em algum momento da vida, apresentando uma prevalência pontual de
aproximadamente 11,9% na população mundial (NASCIMENTO; COSTA, 2015, p.1142).

Nos países desenvolvidos onde a demanda física no trabalho é menos intensa, a


prevalência da dor lombar é duas vezes maior, quando comparada à população dos países de
baixa renda, onde a exigência física laboral é maior.
A dor lombar é responsável por grandes índices de incapacidade e faltas ao trabalho,
gerando alto custo para a sociedade e para os sistemas de saúde nos países desenvolvidos.
A prevalência da lombalgia em um terço da população, demonstra associação com
atividades profissionais às quais exigem postura estática, movimentos repetitivos e
carregamento de peso. (ABREU; RIBEIRO, 2010, p.152).

ESTUDOS COM QUESTIONÁRIO ROLAND MORIS

No primeiro estudo foram entrevistados 311 participantes com dor crônica por mais de
3meses,atendidosemclínicasdedornosetorpúblicoeprivado.Osdadosforamcoletadosnas regiões
sul e sudeste do Brasil (JUNIOR et al., 2010,p.30).
O questionário sócio-demográfico coletou informações referentes à idade, gênero,
estado civil, nível de educação, profissão e situação empregatícia. Os questionários foram
entregues para serem completados em casa e devolvidos no próximo atendimento. Havia mais
mulheres entre os participantes do que homens (74% versus 26%, respectivamente). Amaioria
dos sujeitos estavam trabalhando, mas um percentual substancial (41%) estava afastada do
trabalho devido à dor. (JUNIOR et al., 2010,p.31).
Os resultados obtidos sugerem que existe uma associação entre aumento de níveis de
escolaridade e presença de incapacidade. Esse padrão também foi observado no tocante à
empregabilidade. Participantes que estão trabalhando apresentavam escores médios mais
reduzidos de incapacidade (JUNIOR et al., 2010, p.32).
No segundo estudo foram entrevistados 17 indivíduos portadores de lombalgiacrônica,
residentes do município de Jequié- BA, cadastrados na clínica Escola de Fisioterapia
(MASCARENHAS, SANTOS, 2011, p.205-206)
Para a coleta dos dados foi utilizado um questionário semiestruturado contendo
informaçõessociodemográficas,comportamentaisedesaúde(sexo,idade,escolaridade,prática de
atividade física, Índice de Massa Corpórea –IMC, e tempo de duração da dor)
(MASCARENHAS, SANTOS, 2011, p.206).
Verificou-se que 82,4% dos indivíduos eram do sexo feminino, 53% tinham idade entre
20 e 39 anos, e 64,7% possuíam o ensino médio (MASCARENHAS, SANTOS, 2011, p. 206).
P á g i n a | 13

Na mensuração da incapacidade funcional, a partir do questionário Roland-Morris, foi


observado que apenas 23,5% dos indivíduos foram classificados como portadores de
incapacidade funcional devido à lombalgia (MASCARENHAS, SANTOS, 2011, p. 206).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O questionário trata-se de uma ferramenta importante não só para investigação como


para otratamentodedoentescomlombalgia.Oquestionárioédefácilaplicação,sendo

preenchidopeloavaliado.Asuacotaçãoésimples,bastandosomarumpontoporcadaresposta
afirmativa.
OquestionárioRoland-MorrisBrasil,específicoparamediraincapacidadefuncionalde
pacientes com lombalgia, é composto de 24 questões relacionadas às atividades de vida
diária, dor e função. Para cada questão afirmativa é atribuído 1 ponto. O escore é a somatória
dos valores, podendo-se obter uma pontuação mínima de “0” e uma pontuação máxima de
“24”. Estequestionáriotemcomopontodecorteoescore“14”,ouseja,osindivíduosavaliadoscom
um escore igual ou maior que “14” são classificados como incapacitadosfuncionalmente.
Este questionário possui algumas frases que as pessoas usam para se
descreverem quando tem dor. A frase a ser assinalada deve descrever o que ela sente
nos dias de hoje.

Questionário de Incapacidade de Roland Morris


1 Fico em casa a maior parte do tempo devido a minha coluna.
2 Eu mudo de posição freqüentemente para tentar aliviar minha coluna.
3 Eu ando mais lentamente do que o meu normal por causa de minha
coluna.
Por causa de minhas costas não estou fazendo nenhum dos trabalhos
4
que fazia em minha casa.
5 Por causa de minhas costas, eu uso um corrimão para subir escadas.
6 Por causa de minhas costas, eu deito para descansar mais
7 freqüentemente.
Por causa de minhas costas, eu necessito de apoio para levantarme de
umacausa
Por cadeira.
de minhas costas, eu tento arranjar pessoas para fazerem
8
coisas para mim.
9 eu me visto mais lentamente do que o usual, Por causa de minhas costas.
10 Eu fico de pé por períodos curtos, Por causa de minhas costas.
11 Por causa de minhas costas, eu procuro não me curvar ou agachar.
12 Eu acho difícil sair de uma cadeira, Por causa de minhas costas.
13 Minhas costas doem a maior parte do tempo.
14 Eu acho difícil me virar na cama Por causa de minhas costas.
15 Meu apetite não é bom por causa de dor nas costas.
P á g i n a | 14

16 Tenho problemas para causar meias devido a dor nas minhas costas.
17 Só consigo andar distâncias curtas Por causa de minhas costas
18 Durmo pior de barriga para cima.
19 Devido a minha dor nas costas, preciso de ajuda para me vestir.
20 Eu fico sentado a maior parte do dia Por causa de minhas costas
21 Eu evito trabalhos pesados em casa Por causa de minhas costas
Devido a minha dor nas costas fico mais irritado e de mau humor com as
22
pessoas, do que normalmente.
23 Por causa de minhas costas, subo escadas mais devagar do que o usual.
24 Fico na cama a maior parte do tempo Por causa de minhas costas.

Dados sócio-demográficos coletados para a avaliação do Questionário de Roland-


Morris de Incapacidade na Unidade de Pronto Atendimento de Taquaritinga:

Número %
Total Funcionários 40

Média / Idade 37,8


Mulheres 35 87,5
Homens 5 12,5

Diurno 24 60,0
Noturno 5 12,5
Diurno/Noturno 11 27,5

Foram avaliados um total de 40 funcionários (não médicos), independente se já tinham


um quadro de lombalgia instalada.
O questionário foi entregue e explicado para cada funcionário, pedindo para que cada
um assinalasse a questão que fazia parte do seu dia a dia, nos dias atuais.
A média de idade foi 37,5 anos, sendo a maioria mulheres (87,5%), avaliados nos três
turnos de trabalho, diurno (60%), noturno (12,5%) e ambos (27,5%).
Na mensuração da incapacidade funcional a partir do questionário de Roland -Morris,
não foram classificados indivíduos incapacitados na Unidade de Pronto Atendimento de
Taquaritingaemfunçãodalombalgia,porémonúmerodequestõesassinaladasnoslevaauma
frequência de indivíduos com dorintensa.
Gráfico com as questões mais assinaladas na avaliação do questionário:
P á g i n a | 15

Resultados do Questionário
30%

25%

20%

15%

10%

5%

0%
Questão02 Questão11 Questão13 Questão17 Questão18 Questão21

Osresultadosforamcomparadoscomoutrosestudosdaliteraturacientífica,porémficou
prejudicadopoisestesestudosavaliavampacientesjáportadoresdelombalgiaeonossoestudo avaliou
profissionais da área da saúde (não médicos) no geral, não sendo necessário já ter o quadro
presente. Tendo como nosso objetivo levantar as principais causas da lombalgia ocupacional
no ambiente de trabalho para um futuro plano deatuação.

CONCLUSÃO

De modo geral foi observada uma frequência de indivíduos com dor intensa, no entanto o
score não classificou ninguém com incapacidade funcional em função da lombalgia.
Nesta perspectiva, a partir dos resultados apresentados no estudo, observou-se que algumas
questões obtiveram uma frequência nas respostas, mostrando que há um certo grau de desconforto nos
funcionários no horário de trabalho. Cabendo portanto um futuro plano de atuação para estes
indivíduos, para que não venha evoluir para um quadro de invalidez em função da lombalgia.

REFERÊNCIAS

ABREU,A.T.J.B;RIBEIRO,C.A.B.Prevalênciadelombalgiaemtrabalhadoressubmetidosao
programadeReabilitaçãoProfissionaldoInstitutoNacionaldoSeguroSocial(INSS),SãoLuís, MA.
Maacta Fisiatr, São Luís, v.17, n.3, p.148-152, fev/out 2010.Disponível em:
<http://www.actafisiatrica.org.br/detalhe_artigo.asp?id=32> Acesso em:26/09/2016.
P á g i n a | 16

Alexandre NMC, Angerami ELS, Moreira Filho DC. Dores nas costas e enfermagem. RevEsc
Enf USP 1996; 2(30):267-85; Disponível em: <http://www.reme.org.br/exportar-
pdf/855/v2n2a06.pdf> Acesso em:06/10/2016.

A utilização da quiropraxia no tratamento da ler/dort lombar crônica. Disponível


em:<http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/32/12 A_utilizaYYo_da_quiropraxia_no_tr
atamento_da_ler_dort_lombar_crYnica.pdf > Acesso em: 17/04/2016.

Barros SS, Ângelo RCO, Uchôa ÉPBL. Lombalgia ocupacional e a postura sentada. Revista
dor, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 227, 2011
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rdor/v12n3/v12n3a06> Acesso em: 04/10/2016.

COURYHJC,RODGHERS.Treinamentoparaocontrolededisfunçõesmúsculo-esqueléticas
ocupacionais: um instrumento eficaz para a fisioterapia preventiva. Rev Bras Fisioter. 1997;
Disponivel em: <http://www.rbf-bjpt.org.br/files/v2n1/v2n1a02.pdf> Acesso em:06/10/2016.

JUNIOR, J.J.S; NICHOLAS, M.K; PIMENTA, C.A.M; ASGHARI, A; THIEME, A.L.


Validação do Questionário de Incapacidade Roland Morris para dor em geral. Indd.,
Florianópolis, v.11, n.1, p. 28-36, mar. 2010. Disponível em:
<http://files.bvs.br/upload/S/1806-0013/2010/v11n1/a1496.pdf> Acesso em: 26/09/2016.

Lombalgia ocupacional. Disponível em : <http://www.scielo.br/pdf/ramb/v56n5/v56n5a22>


Acesso em : 17/04/2016

MASCARENHAS, C.H.M; SANTOS, L.S. Avaliação da dor e da capacidade funcional em


indivíduos com lombalgia crônica. J Health Sci Inst. Bahia, v. 29, n. 3, p. 205-208, 2011.
Disponível em:
<http://www3.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2011/03_julset/V29_n3_2011_p2
05-208.pdf > Acesso em: 26/09/2016

NASCIMENTO, P.R.C; COSTA, L.O.P. Prevalência da dor lombar no Brasil: uma revisão
sistemática. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.31, n.6, 1141-1155, jun,2015. Disponível
em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102311X2015000601141&script=sci_abstract&tlng
=pt > Acesso em: 26/09/2016.

Prevalência de lombalgia em trabalhadores submetidos ao programa de Reabilitação


Profissional do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Disponível em :
<http://www.actafisiatrica.org.br/detalhe_artigo.asp?id=32> Acesso em : 17/04/2016.

QUEIROGA,M.R.&FERREIRA,S.A.Ocorrênicadedornacolunavertebralemmotoristas de
ônibus e bombeiros militares. N.1. Revista de Traumato-ortopedia. Londrina, out.2005. v.
7.,disponível em:
<http://www.pgsskroton.com.br/seer/index
.php/JHealthSci/article/download/1603/1535.a> Acesso em:04/10/2016.
P á g i n a | 17

SILVA, M.A.D. & de MARCHI, R. Qualidade de vida e promoção da saúde. Em Saúde e


Qualidade de Vida no trabalho. São Paulo: Editora Best, 2001. Seller
Disponível em: <http://portal.ifrn.edu.br/ifrn/servidores/saude-do-servidor/lateral/promocao-a-
saude-e-qualidade-de-vida-no-trabalho/programa-de-promocao-a-saude-e-qualidade-de-vida-
no-trabalho-do-ifrn> Acesso em: 04/10/2016.

VASCELAI, Alessandra, Lombaligas.Mecanismo anátomo-funcional e tratamen to. In:


Congresso Sulbrasileiro de dor, 1, 2009, Itajaí. Anais... Itajaí: UNIVALI / ACED,2009. p.1-7.
Disponível em:
<http://www.alefisio.com.br/wpcontent/upl
oads/Alessandra_Vascelai_Lombalgia s.pdf > Acesso em:16/06/2016.
P á g i n a | 18

A eficácia dos medicamentos do Componente Básico da Assistência


Farmacêutica para o tratamento da epilepsia
Anderson Luiz Alves
Polliana Cristina do Prado Januário da Silva
Priscila de Freitas Lima

RESUMO
A epilepsia é considerada a segunda causa mais frequente de distúrbio neurológico em adultos.
Trata-se de uma doença cerebral com diversas etiologias possíveis e caracterizada pela
recorrência de crises epilépticas não provocadas. O tratamento farmacológico da epilepsia com
drogas antiepilépticas geralmente é de longa duração para a grande maioria dos pacientes. É
muito relevante que os farmacêuticos que prestam serviço de dispensação e/ou atenção
farmacêutica reconheçam as características dos medicamentos e do tratamento para garantir
uma prestação de serviço de qualidade aos pacientes acometidos pela epilepsia. O presente
estudo objetivou avaliar, a partir da literatura, a eficácia dos medicamentos utilizados para
tratamento da epilepsia disponibilizados pelo Componente Básico da Assistência Farmacêutica
(CBAF), que são carbamazepina, fenitoína, fenobarbital e ácido valpróico. Adotou-se como
metodologia a revisão bibliográfica a partir de livros, teses acadêmicas, documentos do
Ministério da Saúde e bases de dados de publicações científicas. Foram incluídas publicações
em Português e Inglês. Os resultados encontrados apontam que os medicamentos para epilepsia
padronizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no CBAF são considerados de primeira
linha para crises parciais (carbamazepina e fenitoína) e generalizadas (ácido valproico), de
acordo com vários estudos. O fenobarbital é tido como um medicamento de segunda linha com
indicação principal para crises focais. Este medicamento pode ser utilizado quando os de
primeira linha mostram-se ineficazes ou não são tolerados pelos pacientes. Desta forma é
possível concluir que, através das políticas centrais da Assistência Farmacêutica, o SUS
disponibiliza gratuitamente para a população brasileira fármacos que, embora antigos, ainda
são tidos como altamente eficazes para o tratamento da epilepsia. O CBAF assegura acesso ao
tratamento desta doença tão prevalente em todo o mundo, particularmente em países em
desenvolvimento como o Brasil, tanto na sua forma parcial (mais comum em adultos) quanto
na sua formageneralizada.

Palavras-chave: Epilepsia, Antiepilépticos, Componente Básico da Assistência Farmacêutica.


P á g i n a | 19

ABSTRACT
Epilepsy is considered the second most common cause of neurological disorder in adults. It is a
brain disease with several possible etiologies and characterized by recurrent unprovoked
seizures. Pharmacological treatment of epilepsy with antiepileptic drugs is usually long for
most patients. It is very important that pharmacists providing dispensing service and/or
pharmaceutical care may be able to recognize the characteristics of the drugs and treatment to
ensure the provision of quality service to patients suffering from epilepsy. This study aimed to
evaluate, from the literature, the effectiveness of drugs used to treat epilepsy provided by the
Basic Component of Pharmaceutical Care (Componente Básico da Assistência Farmacêutica -
CBAF), which are carbamazepine, phenytoin, phenobarbital and valproic acid. It was adopted
as the methodology a literature review from books, academic theses, Brazilian Ministry of
Health documents and scientific publications. Publications in Portuguese and English were
included. The results found show that the drugs for epilepsy standardized by the Brazilian
Public Health System (Sistema Único de Saúde – SUS) in CBAF are considered first-line
options for partial seizures (carbamazepine and phenytoin) and generalized seizures (valproic
acid), according to several studies. Phenobarbital is a second-line drug mainly indicated for
focal seizures. It can be used when the first-line options shown to be ineffective or are not
tolerated by the patients. Thus it can be concluded that, through the central policies of the
Pharmaceutical Care, SUS provides free drugs for the Brazilian population that, besides old,
are still regarded as highly effective for the treatment of epilepsy. The CBAF ensures access to
treatment of this prevalent disease worldwide, particularly in developing countries like Brazil,
both in its partial form (more common in adults) and in its generalizedform.

Keywords: Epilepsy, Antiepileptic drugs, Basic Component of Pharmaceutical Care


P á g i n a | 20

INTRODUÇÃO
A epilepsia é uma das doenças neurológicas crônicas mais comuns em todo o mundo.
Trata-se de um distúrbio cerebral causado por descargas elétricas anormais síncronas ou
excessivas dos neurônios, o que se reflete na geração de crises convulsivas, característica
essencial da epilepsia e aspecto fundamental para seu diagnóstico (FISHER et al., 2005;
ENGEL, 2006).
Dos 1% a 2% da população mundial que vive com epilepsia, cerca de 80% dos
pacientes reside em países em desenvolvimento (WHO, 2012).
A qualidade de vida das pessoas com epilepsia pode estar prejudicada por conta das
limitações impostas pela recorrência das convulsões. Embora seja um problema de saúde
pública, uma grande parcela da população não tem conhecimento sobre o que é epilepsia, seus
sintomas e tratamento. A falta destas informações levou a sociedade a excluir os indivíduos
com epilepsia em um determinado período histórico não muito distante. Ainda hoje, contudo, o
estigma permanece como um problema que prejudica o bem estar do paciente em sua vida
privada e na sociedade, levando frequentemente à discriminação destes indivíduos
(MARCHETTI, 2005).
O diagnóstico da epilepsia provoca um grande impacto na vida do paciente e dos
familiares. Por se tratar de uma doença crônica que muitas vezes é encarada como motivo de
receio, vergonha e limitações, muitos pacientes têm dificuldades em seguir corretamente o
tratamento, por mais que seja feito o esclarecimento sobre a importância de se tomar todas as
medicações adequadamente (BERGEN, 2003).
A diferenciação entre os tipos de epilepsia e respectivos tipos de crises é um fator
essencial para a escolha adequada e sucesso do tratamento, o qual tem como objetivo principal
o controle das crises (ARAIN, 2007; SANDER,2003).
Além do tratamento farmacológico com drogas antiepilépticas (DAEs), os pacientes
com epilepsia podem também se beneficiar do tratamento cirúrgico, da dieta cetogênica, dentre
outras alternativas; contudo, a farmacoterapia continua sendo a opção mais vastamente
utilizada, com altas taxas de sucesso para mais de 70% dos pacientes. O principal objetivo do
tratamento medicamentoso é o controle total das crises com o uso de DAEs potencialmente
efetivas, sem efeitos indesejáveis ou com efeitos adversos que não interfiram na qualidade de
vida do paciente (CABOCLO,2004; PERUCCA; TOMSON, 2011). Atualmente há várias
opções de DAEs disponíveis comercialmente, sendo que cada uma apresenta suas vantagens
em termos de eficácia e/ou tolerabilidade.
P á g i n a | 21

O tratamento eficaz da epilepsia está ligado à retirada de dúvidas do paciente e da


família sobre a doença e afirmar que é possível controlar as crises na maioria dos casos através
do tratamento correto seguindo os horários certos de tomar a medicação (GOMES;
MOREIRA,2007).

OBJETIVO
O presente estudo tem como objetivo geral realizar uma avaliação, a partir da
literatura científica publicada, acerca da eficácia dos medicamentos disponibilizados pelo
Componente Básico da Assistência Farmacêutica para o tratamento da epilepsia, ou seja,
carbamazepina, fenitoína, fenobarbital e ácido valpróico.

MATERIAIS E MÉTODOS
Trata-se de um estudo qualitativo, do tipo descritivo. Esse tipo de estudo tem por
prioridade descrever as características ou fatos e fenômenos de determinada realidade.
A estratégia metodológica para este tipo de estudo se baseou em revisão bibliográfica
a partir de livros, teses acadêmicas, documentos do Ministério da Saúde e em bases de dados
de publicações científicas tais como Scielo e MEDLINE. Foram incluídas publicações em
Português e Inglês.

DESENVOLVIMENTO
Epilepsia e seu tratamento farmacológico
A epilepsia é uma doença crônica caracterizada pela recorrência de crises epilépticas
não provocadas que podem resultar de diversas etiologias (ENGEL, 2008). Uma crise
epiléptica é definida como um distúrbio paroxístico da atividade elétrica cerebral causada por
descargas súbitas, excessivas e hipersincrônicas dos neurônios. As crises e suas classificações
se baseiam na descrição clínica e nos achados de eletroencefalografia (EEG). Elas são
essencialmente divididas em crises parciais (ou focais) ou crises generalizadas. As crises
parciais apresentam evidências clínicas e/ou de EEG de um início local, enquanto as crises
generalizadas não apresentam evidências neste sentido, levando em consideração que as
manifestações clínicas e de EEG mostram envolvimento inicial simultâneo e generalizado de
ambos os hemisférios cerebrais. As crises parciais são subdivididas em crises parciais simples,
sem alteração da consciência, e crises parciais complexas, estas com alteração (perda) da
consciência. Há de se considerar também que uma crise pode se iniciar como parcial (simples
P á g i n a | 22
ou complexa) e evoluir para generalizada (FISHER et al.,2005).

A epilepsia incide principalmente sobre as faixas etárias extremas da vida, ou seja,


entre os primeiros meses após o nascimento e em pacientes idosos. Diferentes síndromes
epilépticas são diagnosticadas a partir da identificação de diferentes tipos de crises, do padrão
de recorrência destas, da idade do início dos sinais neurológicos ou clínicos associados, assim
como dos achados de EEG e da existência de história familiar positiva para crises epilépticas
(FISHER et al., 2005).
Mesmo não sendo viável para todos os casos, a prescrição de DAEs é o critério mais
utilizado para o tratamento da epilepsia (PERUCCA, 2004). Aproximadamente dois terços das
pessoas com epilepsia recém-diagnosticada obtêm controle de suas crises com a utilização de
uma ou duas DAEs (monoterapias sequenciais) (SANDER, 2003). A monoterapia mostra- se
mais vantajosa do que a politerapia especialmente porque evita as combinações de
medicamentos, e assim é mais fácil que o paciente siga corretamente e tolere melhor o
tratamento (PERUCCA, 2002). A prescrição de monoterapia deve ser a primeira opção para o
tratamento, já a politerapia só deve ser indicada como primeira opção para pacientes que
tenham diversos tipos de crises, em casos de síndromes severas ou em casos de epilepsia
refratária, ou seja, que não responde adequadamente ao tratamento corretamente escolhido e
adequadamente utilizado (MATTSON, 1999; PERUCCA,2004).
O objetivo do tratamento da epilepsia é dar ao paciente qualidade de vida através do
controle das crises com a menor ocorrência possível de efeito adverso. A escolha de qual
fármaco será utilizado para o controle das crises não leva em conta só o fator eficácia, mas
também outros fatores tais como efeitos adversos, tolerabilidade individual, facilidade de
acesso e administração, assim como casos pertencentes a grupos específicos (idosos, recém-
nascidos, gestantes, hepatopatas, dentre outros). Desta forma, o tratamento medicamentoso da
epilepsia é individualizado e deve ser permanentemente acompanhado para que alcance seu
objetivo (ELGER, 2008).

Política Nacional de Assistência Farmacêutica e a Relação Nacional de


Medicamentos Essenciais
O maior desafio da humanidade é tentar controlar, reduzir os efeitos ou até mesmo
eliminar os sofrimentos causados pelas enfermidades. A saúde de uma população não depende
apenas dos serviços de saúde pública ou privada ou simplesmente do uso dos medicamentos. O
importante e inegável é a sua contribuição e a importância do medicamento no cuidado à
P á g i n a | 23
saúde. Como uma ação de saúde pública e parte integrante do sistema de saúde, a Assistência
Farmacêuticaédeterminanteparaaresolubilidadedaatençãoedosserviçosemsaúdee

envolve grandes volumes de recursos públicos, ações voltadas à promoção, proteção e


recuperação da saúde, tanto individual como coletiva, tendo o medicamento como insumo
essencial. Essas ações envolvem a pesquisa, o desenvolvimento e a produção de medicamentos
e insumos, bem como a sua seleção, programação, aquisição, distribuição, dispensação,
garantia da qualidade dos produtos e serviços, acompanhamento e avaliação de sua utilização,
na perspectiva da obtenção de resultados concretos e da melhoria da qualidade de vida da
população em geral (Resolução nº 338 de 06 de Maio de2004).
O Sistema Único de Saúde (SUS) engloba, dentre suas atribuições e
responsabilidades, o fornecimento de medicações específicas aos pacientes, além de
tratamentos em unidades básicas de saúde e centros hospitalares de alta complexidade. A
Assistência Farmacêutica foi incluída como parte da assistência terapêutica integral que deve
ser dirigida aos usuários do SUS. A Política Nacional de Medicamentos (PNM) foi concebida
em um contexto no qual era necessário reorganizar a forma de fornecimento de medicamentos
à população, em concordância com os princípios de descentralização das ações do SUS, a
promoção do uso racional de medicamentos, a otimização e eficácia do sistema logístico do
setor público e o desenvolvimento de iniciativas para melhorar o acesso aos medicamentos
(Portaria nº 3.916 de 30 de outubro de 1998). Com base na regulamentação da Relação de
Medicamentos Essenciais pela PNM, o SUS disponibiliza atualmente, via Componente Básico
da Assistência Farmacêutica, carbamazepina, fenobarbital, fenitoína e ácido valpróico,
fármacos que são de primeira escolha para o tratamento de diferentes tipos deepilepsia.
De acordo com a PNM, para o alcance do propósito nela estabelecido, os gestores do
SUS, nas três esferas de Governo, devem atuar em estreita parceria e na conformidade das
diretrizes fixadas, a saber: adoção de relação de medicamentos essenciais; regulamentação
sanitária de medicamentos; reorientação da assistência farmacêutica; promoção do uso racional
de medicamentos; desenvolvimento científico e tecnológico; promoção da produção de
medicamentos; desenvolvimento e capacitação de recursos humanos (Portaria nº 3.916 de 30
de outubro 1998).

RESULTADOS E DISCUSSÃO
Considerando-se os fármacos disponibilizados pelo Componente Básico da
Assistência Farmacêutica, as crises parciais ou focais têm como primeira opção de tratamento a
P á g i n a | 24
carbamazepina e fenitoína, e como segunda opção (em caso de ineficácia ou intolerância aos
efeitos adversos) o fenobarbital; já as crises generalizadas têm como primeira opção de
tratamento o ácido valproico. Independentemente do acesso a tais medicações (via SUS
ounão), estas estratégias de tratamento estão em acordo com o discutido e publicado no
Consenso de Especialistas Brasileiros para o Tratamento da Epilepsia (BETTING et al., 2003),
assim como permanecem em conformidade com os principais guias de tratamento publicados
mundialmente nos últimos anos (FRENCH et al., 2004; GLAUSER et al., 2006; NICE,2004).
A carbamazepina é um dos anticonvulsivantes mais amplamente usados em todo o
mundo, sendo um derivado químico dos antidepressivos tricíclicos. Age através da inibição dos
canais de sódio e cálcio controlados por voltagem que levam à corrente de entrada necessária
para geração de um potencial de ação. Sua aplicabilidade clínica é principalmente para crises
parciais, sejam elas simples ou complexas, com ou sem generalização secundária (RANG et al,
2007).
A fenitoína foi o primeiro fármaco não sedativo no arsenal de DAEs com um amplo
espectro de ação. É eficaz no tratamento de crises parciais simples e complexas, com ou sem
generalização secundária, e de crises tônico-clônicas generalizadas primárias. Seu mecanismo
de ação dá-se pelo bloqueio dos canais de sódio dependentes de voltagem (RANG et al,2007).
A fenitoína é contraindicada para crises de ausência e mioclônicas, podendo ser efetiva nas
crises tônicas (próprias da síndrome de Lennox-Gastaut) (MULLER, 2006).
Embora seja melhor tolerada do que o fenobarbital e apresente eficácia comparada à
da carbamazepina, os efeitos a longo prazo da fenitoína, assim como sua cinética não linear e
estreito intervalo de referência para concentrações plasmáticas fazem deste fármaco uma opção
menos favorável do que a carbamazepina para controle de crises focais, todavia ainda seja
considerada primeira linha (PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES
TERAPÊUTICAS,2013).
O fenobarbital foi um dos primeiros barbitúricos a serem lançados. É um fármaco
eficaz e de baixo custo, cuja eficácia deve-se à inibição neuronal em decorrência do aumento
da neurotransmissão gabaérgica. Seu principal mecanismo de ação é o prolongamento da
abertura dos canais de cloro consequente hiperpolarização da membrana pós-sináptica. O
fenobarbital também pode bloquear os canais de sódio e potássio, reduzir o influxo de cálcio
pré-sináptico e, provavelmente, reduzir as correntes mediadas pelo glutamato (RANG et al.
2012). O fenobarbital é indicado para crises focais e generalizadas de pacientes de qualquer
idade, inclusive recém nascidos em monoterapia ou em politerapia (NOLAN, 2013).
P á g i n a | 25
De acordo com o discutido por Tudur e colaboradores, embora o fenobarbital tenha
eficácia comparável à da carbamazepina na prevenção da recorrência de crises convulsivas

focais, sua baixa tolerabilidade justifica sua escolha como segunda opção (TUDUR SMITH;
MARSON; WILLIAMSON, 2003).
O ácido valproico tem como seus mecanismos de ação mais prováveis a redução na
frequência de disparos dos canais de sódio, ativação da condutância do potássio e,
possivelmente, ação direta sobre outros canais iônicos. É sabido que o ácido valproico tem um
efeito gabaérgico através da elevação dos níveis deste neurotransmissor por diversos
mecanismos: inibição da sua inativação, aumento da sua síntese, aumento da sua liberação e
inibição da sua recaptação (MARSON, 2007). O ácido valproico é a primeira opção para crises
generalizadas. Seu uso para crises focais apresenta eficácia limitada devido principalmente à
necessidade de doses significativamente maiores do que as usadas para crises generalizadas. O
tratamento com este fármacos geralmente é feito em monoterapia e terapia adjunta de pacientes
com mais de 10 anos de idade (MARSON,2007).

CONCLUSÕES
A análise do conjunto dos dados obtidos no presente estudo permite as seguintes
conclusões:
 A epilepsia é uma doença cerebral crônica causada por diversas etiologias e
caracterizada pela recorrência de crises epilépticas nãoprovocadas;
 Trata-se de um sério problema de saúde que acomete indivíduos de todas as
idades, raças e classessocioeconômicas;
 Dos 1% a 2% da população mundial que vive com epilepsia, cerca de 80% dos
pacientes reside em países emdesenvolvimento;
 A diferenciação entre os tipos de epilepsia e respectivos tipos de crises é um
fator essencial para a escolha adequada e sucesso do tratamento, o qual tem como
objetivo principal o controle das crises com mínima ocorrência de efeitosadversos;
 O SUS engloba, dentre suas atribuições e responsabilidades, o fornecimento
de medicações específicas aos pacientes com epilepsia, sendo carbamazepina, fenitoína,
fenobarbital e ácido valproico os associados ao Componente Básico da Assistência
Farmacêutica;
 A carbamazepina é uma inibidora de canais de sódio com eficácia
P á g i n a | 26
comprovada, seja em monoterapia ou politerapias, para controle de crises epilépticas
focais;

 A fenitoína apresenta perfil de eficácia e aplicabilidade semelhantes aos


apresentados pela carbamazepina, sendo considerada também primeira linha no
tratamento de crisesfocais;
 Caso alguma das duas medicações mencionadas não faça o efeito desejado ou
cause muitos efeitos adversos, o fenobarbital mostra-se como uma opção viável para o
controle de crisesparciais;
 O ácido valproico tem múltiplos mecanismos de ação e eficácia comprovada
para controle de crisesgeneralizadas;
O fornecimento gratuito de medicações que apresentam eficácias comprovadas
assegura maior acesso ao tratamento, o que é extremamente importante em um país em
desenvolvimento como o Brasil.

REFERÊNCIAS

ARAIN, A. M. Medical therapy of epilepsy. Expert Opin Ther Pat, v. 17, 2007.

BERGEN, Donna C. Epilepsia. In: WEINER, Willian J.; GOETZ, Christopher G.


Neurologia para o Não especialista. 4 ed. São Paulo: Livraria Santos, 2003. Cap.8, p.103-
109.

BETTING LE, Kobayashi E, Montenegro MA, Min LL, Cendes F, Guerreiro MM, et al.
Tratamento de epilepsia: Consenso dos Especialistas Brasileiros. Arq Neuropsiquiatr.
2003;61(4):1045-70

BRASIL, Ministério da Saúde, Brasília, 1998. Disponível em:


http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt3916_30_10_1998.html
Acesso: 23/08/2016

BRASIL, Ministério da Saúde, Brasília, 2004. Disponível em:


http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2004/res0338_06_05_2004.html
Acesso: 23/08/2016

BRASIL, Portaria nº 1.319, de 25 de Novembro de 2013. Protocolo Clínico e Diretrizes


Terapêuticas, Brasília, 2013.

CABOCLO, L. O. S. F. Epilepsias refratarias. In: YACUBIAN, E. M. (Ed.). Tratamento


medicamentoso da epilepsia. 2a ed. São Paulo: Lemos Editorial, 2004.

ENGEL J (2006). Report of the ILAE Classification Core Group. Epilepsia, 47:1558-
P á g i n a | 27
1568.

ENGEL J Jr PT. Epilepsy: a comprehensive textbook2008. 1-13 p.


ELGER CE, Schmidt D. Modern management of epilepsy: a practical approach. Epilepsy
Behav. 2008;12(4):501-39.

FISHER, R. S. et al. Epileptic seizures and epilepsy: definitions proposed by the


International League Against Epilepsy (ILAE) and the International Bureau for
Epilepsy (IBE). Epilepsia, v. 46, n. 4. 2005.

FRENCH JA, Kanner AM, Bautista J, Abou-Khalil B, Browne T, Harden CL, et al. Efficacy
and tolerability of the new antiepileptic drugs II: treatment of refractory epilepsy: report of the
Therapeutics and Technology Assessment Subcommittee and Quality Standards Subcommittee
of the American Academy of Neurology and the American Epilepsy Society.
Neurology.2004;62(8):1261-73.

GOMES, I.L.; MOREIRA, M.C. Sistema Nervoso. In: Fisiopatologia. Rio de Janeiro: LAB,
2007.

GLAUSER T, Ben-Menachem E, Bourgeois B, Cnaan A, Chadwick D, Guerreiro C, et al.


ILAE treatment guidelines: evidence-based analysis of antiepileptic drug efficacy and
effectiveness as initial monotherapy for epileptic seizures and syndromes. Epilepsia.
2006;47(7):1094-120.

MARCHETTI, R. L. Aspectos Epidemiológicos e Relevância dos Transtornos Mentais


Associados á Epilepsia. Revista Brasileira de Psiquiatria. São Paulo, vol.
27, n.4. Março. 2005.

MARSON AG, Al-Kharusi AM, Alwaidh M, Appleton R, Baker GA, Chadwick DW, et al.
The SANAD study of effectiveness of carbamazepine, gabapentin, lamotrigine,
oxcarbazepine, or topiramate for treatment of partial epilepsy: an unblinded randomised
controlled trial. Lancet. 2007;369(9566):1000-15.

MATTSON RH, Cramer JA, Collins JF, Smith DB, Delgado-Escueta AV, Browne TR, et al.
Comparison of carbamazepine, phenobarbital, phenytoin, and primidone in partial and
secondarily generalized tonic-clonic seizures. N Engl J Med. 1985;313(3):145-51.

MULLER M, Marson AG, Williamson PR. Oxcarbazepine versus phenytoin monotherapy


for epilepsy. Cochrane Database Syst Rev. 2006(2):CD003615.

NATIONAL Institute for Clinical Excellence (NICE). The epilepsies: the diagnosis and
management of the epilepsies in adults and children in primary and secondary care [Internet].
2004.

NOLAN Sarah J, Tudur Smith C, Pulman J, Marson Anthony G. Phenobarbitone versus


phenytoin monotherapy for partial onset seizures and generalised onset tonic-clonic seizures.
Cochrane Database of Systematic Reviews, 2013.
P á g i n a | 28
PERUCCA, E. Overtreatment in epilepsy: adverse consequences and mechanisms. Epilepsy
Res, v.52, p.25-33, 2002.
P á g i n a | 29
PERUCCA, E. General principles of medical treatment. In: SHORVON, S. et al. (Eds). The
treatment of epilepsy. Oxford: Blackwell Publishings, 2004. p.139-160.

PERUCCA, E.; TOMSON, T. The pharmacological treatment of epilepsy in adults. Lancet


Neurol, v. 10, n. 5, p. 446-456, 2011.

Rang, H.P., Dale, M.M., Ritter, J.M., Flower, R.J., Henderson, G. Fármacos Antiepiléticos.
In: Farmacologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Elsevier,2007.

Rang, H.P., Dale, M.M., Ritter, J.M., Flower, R.J., Henderson, G. Farmacologia. 7ª ed. Rio
de Janeiro: Elsevier, 2012.

SANDER, J. W. The epidemiology of epilepsy revisited. Curr Opin Neurol, v. 16, n. 2.


2003.

TUDUR Smith C, Marson AG, Williamson PR. Carbamazepine versus phenobarbitone


monotherapy for epilepsy. Cochrane Database Syst Rev. 2003(1):CD001904.

WHO, Epilepsy, World Health Organization, Fact Sheet no 999, 2012. Disponível em:
http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs999/en/print.html.
P á g i n a | 30

AIMPORTANCIADOCONTRATODETRABALHODEEXPERIÊ
NCIA

JhonatasMachado1
NatieliPereira2
MarianaP.MársicoAzadinho3

RESUMO

Opresente trabalhosepropõe aapresentarocontratodetrabalhoporprazo determinado na


modalidade de experiência, suas peculiaridades e sua importância nas
relaçõesdeemprego.Todo iníciodeumarelaçãoéumaincógnita,aspessoas integrantesdela
estãoseconhecendoenarelaçãodeempregonãoédiferente.Pormeiodocontratode
trabalhodeexperiência,queaconteceporaténoventadias,tem-seumperíodo deadaptação,
ondediversos fatoresserãoavaliados, comoasaptidõesdoempregado paraexercerafunção
paraaqualfoiselecionadoeapossibilidade deledeverificarseconsegueseadaptarcomas
condiçõesdetrabalhoeestruturahierárquicadaorganização, bemcomoseestacumprecom
seusdeveres. Essecontrato éimportante paraaspartesrefletiremsobrearelaçãodetrabalho
queseinicia.Dessamaneira,oestudoseiniciacomaevoluçãohistóricadodireitodo trabalho.
Emseguida, éfeitoumabrevepesquisasobre ocontratodetrabalho, destacandosua
natureza,suascaracterísticas,seusrequisitos, suascondiçõesesuasmodalidades.Após,é
analisadoocontratodetrabalhoporprazodeterminado,abordandoespecificamenteocontrato
deexperiênciaeasuaimportâncianapráticadecelebraçãodestescontratos.
Palavras-chave: contrato de trabalho, contrato por prazo determinado, contrato de
experiência.

ABSTRACT

Thisstudy aimstopresenttheemploymentcontractforaspecifiedperiodintheform of
experience, its peculiarities and its importance in employment relationships. Every

Alunodo cursodeAdministraçãodaFaculdadedeTaquaritinga–FTGA.jhonatas_machado@hotmail.com
1

Alunado cursodeAdministraçãodaFaculdadedeTaquaritinga–FTGA.natieli-cristina@bol.com.br
2
P á g i n a | 31
Orientadora,advogadae prof.ªespecialistadaFaculdadedeTaquaritinga–FTGA.mamarsico@gmail.com
3
P á g i n a | 32

beginningofarelationshipisunknown,themembersofherpeoplearemeetingandthe
employmentrelationshipisnodifferent.Throughtheexperienceofemploymentcontract,
heldforuptoninetydays,thereisaperiodofadjustment,whereseveralfactorswillbe
assessedastheemployee'sabilitytoperformthefunctionforwhichitwasselected,andthe
possibilityof ittocheck Youcanadapt to theworkingconditionsand hierarchicalstructureof
theorganization,andwhetheritcomplieswithitsduties.Thisagreementisimportantforthe
partiestoreflectontheworkingrelationshipthatbegins.Thus,thestudybeginswiththe
historicalevolutionoflaborlaw.Then,abriefsurveyismadeoftheemploymentcontract,
highlightingitsnature,itscharacteristics,itsrequirements,itsconditionsanditsmodalities.
Aftertheemploymentcontractforaspecifiedperiodisanalyzed,specificallyaddressingthe
experienceof contractanditsimportanceinthepracticeof concludingsuch contracts.
Keywords:employmentcontract,contractfora fixedterm contractexperience.

INTRODUÇÃO

ComaRevoluçãoIndustrial dosséculosXVIIIeXIX, surgiu ochamadotrabalho


formal,acompanhado daintrodução deregras,cargoseremuneração pelosserviçosprestados
pelostrabalhadores.Emseguida,surgiramoscontratosdetrabalho.
DeacordocomPeixoto4,ocontratodetrabalho,realizadoentreumempregadoeum
empregador,distingue-se deváriosoutroscontratosdenaturezacivilporhaver
necessariamenteaparticipaçãodeumapessoafísica,comoempregador. Conformeteoria
predominante, otrabalhotemnaturezacontratuale,destaforma,aexistênciadocontrato
ocorrerácomaprestaçãodeserviçospelofuncionário paracomaempresaoucontratante,
seguidaderemuneração,garantindo-se todotipodedireitotrabalhistaquecabeàspartes. Portanto,o
contratodetrabalhopossuialgunsrequisitose característicasquelhesãopróprios.
Comrelaçãoàsuaduração, ocontratodetrabalhoclassifica-se emcontratoporprazo
indeterminado,que éaregra, emrazão do princípiodacontinuidadedo contratode trabalho,e
contratoporprazodeterminado, cujostipossão:contrato deexperiência,contratoporobra
certa,contratodetrabalhotemporário.
Ocontratodeexperiênciatemrelevâncianomundojurídico,poispormeiodeleé
possíveloempregadorverificar,duranteesseperíodo,seoempregadotemaptidãopara

PEIXOTO,Sullivan.Análisedasespéciescaracterizadorasdarelaçãocontratual,2012.
4
P á g i n a | 33

exercerafunçãoparaaqualfoicontratado,comotambémoempregadoverificarseconsegue
seadaptara formadesubordinaçãodo empregador.5
Assim, esse estudo científico visa demonstrar a evolução históricado direito do
trabalhoeanalisarocontratodetrabalho,destacando suanatureza,suascaracterísticas,seus
requisitos, suascondiçõesesuasmodalidades,bemcomodestacarocontratodetrabalhopor prazo
determinado e suas peculiaridades, abordando especificamente o contrato de
experiênciaeasuaimportâncianapráticadecelebraçãodestescontratos.

MATERIAISEMÉTODOS

Naelaboraçãodestetrabalho,foirealizadoumlevantamentobibliográficocombase
narevisãobibliográficaeem artigos científicosdisponíveisrelacionadosaotema.

1.EVOLUÇÃOHISTÓRICADODIREITODOTRABALHO

É possívelafirmar quetrabalhoétãoantigoquantoohomem.Apartirdo momentome que


estesefixouàterra eorganizou-seosistema de trocas,ele deixoude trabalharsozinhoou
comafamíliapara seu sustentopróprioesurgiua ideiadeutilização do trabalhoembenefício
depessoadiversadoprópriotrabalhador.6
Naantiguidade, surgiuaprimeiraformadetrabalho:aescravidão,ondeoescravoera
consideradoapenasumacoisa,somentetinhaaobrigaçãodetrabalharenãopossuíadireito
algum.
Com o passar dos tempos, na época do feudalismo, surgiu a servidão, onde os
senhoresfeudaisdavamproteção militarepolíticaaosseusservos, quenãoeramlivrese
tinhamaobrigaçãodeprestarserviçosnasterrasdossenhoresfeudaiseentregaraelestoda
suaproduçãoem trocade tal proteção.Nessaépoca,otrabalhoeraconsideradoum castigo.
Apósdiversosacontecimentosnahistória,ohomemfoievoluindo epassou aperceber
queeranecessáriodaraotrabalhadorcondiçõesdignasparaquedesempenhasse umbom
trabalho.ComaRevoluçãoFrancesade1848,otrabalhotornou-selivreeodireitodo
trabalhopassouaserreconhecido.Otrabalhorealizadoporumapessoaemproveitodeoutra

SAKAMOTO,DaniloNogueiraReal.Arelaçãodeempregoe ocontratodeexperiência.
5
6
PAULO,Vicente.ALEXANDRINO,Marcelo.ManualdeDireitodoTrabalho.12 ed. RiodeJaneiro:Forense;
SãoPaulo:Método,2008.p. 1.
P á g i n a | 34

passouaserdecorrêncianãomaisderelaçõesdesubordinaçãopessoal,masdevinculação contratual.
ComaRevoluçãoIndustrial, otrabalho passouaserreconhecido comoempregoeos
trabalhadores, demaneirageral,passaramatrabalharporsalários,bemcomoalutarpor
melhoressaláriosecondiçõesdetrabalho.
SérgioPintoMartins7 afirmaqueodireitodotrabalho,bemcomoocontratode
trabalho,começouasedesenvolvercomosurgimentodaRevolução Industrial.
Com osurgimentodamáquinaavapor,houveainstalaçãodasindústrias
ondeexistissecarvão,comoocorreunaInglaterra. (...).O trabalhador
prestavaserviçosem condiçõesinsalubres,sujeitosa incêndios,explosões,
intoxicaçãoporgases,inundações,desmoronamentos,prestandoserviços
porbaixossaláriosesujeitoaváriashorasdetrabalho,além deoito. Ocorriam
muitosacidentesdetrabalho,além deváriasdoençasdecorrentes
dosgases,dapoeira,dotrabalhoem localencharcado,principalmentea
tuberculose, a asma e a pneumonia. (...). Eramfeitos contratos verbais
vitalícios ou então enquanto o trabalhadorpudesse prestar serviços,
implicando verdadeiraservidão. (...).8

Diantedocenáriocitadodeabusos quevinhamsendocometidospelosempregadores,
houveanecessidadedeoEstadointervirnasrelaçõesdetrabalhoparaprotegerotrabalhador,
realizandoobem-estarsocialemelhorando ascondiçõesdetrabalho. Assim,aleipassaa
estabelecernormasmínimassobrecondições detrabalho,quedevemserrespeitadaspelo
empregador.
NoBrasil,aprimeiraConstituiçãoFederala tratarespecificamentedodireitodo
trabalhofoiade1934.Emmaiode1943foieditadooDecreto-leinº5.452, aprovando a
ConsolidaçãodasLeisdo Trabalho(CLT), aqualreuniuasleisesparsassobrevários assuntos
trabalhistasexistentesnaépoca,consolidando-as.Atualmente,aConstituiçãoFederaltrata
dosdireitostrabalhistasnosartigos7º a11.

2.CONTRATODETRABALHO

Contrato éumacordoestabelecido entreduasoumaispessoasparaqueseja


constituído,reguladoouextintoumarelaçãojurídica.NaspalavrasdeOrlandoGomes9,

7
MARTINS,SergioPinto.DireitodoTrabalho.23 ed.SãoPaulo: Atlas,2007,p.05.
8
Idem.,2010,p. 06.
9
GOMES,Orlando.Contratos.26 ed.RiodeJaneiro:Forense,2008,p.04
P á g i n a | 12

contratoédefinidocomoumaespéciedenegóciojurídicoquesedistingue,naformação,por
exigirapresençadepelo menosduaspartes,sendo,portanto,bilateralouplurilateral.
AConsolidação dasLeisdoTrabalho(CLT),emseuartigo442definecontratode
trabalho:“Contratoindividualdetrabalhoéoacordotácitoouexpresso,correspondente à
relaçãodeemprego”.10
Importantedestacarque,conformeodispositivo legalcitadoacima,ocontratode trabalho
temcomoelementoarelaçãodeemprego, queseestabeleceentreempregadoe
empregador.Arelaçãotrabalhotemcarátergenérico,referindo-se atodarelaçãojurídica
caracterizadaportersuasprestaçõesemumaobrigaçãodefazerconsubstanciadaemtrabalho
humano.Engloba,portanto,oarelaçãodeemprego,otrabalhoeventual,autônomo,avulso,
etc.
Assim, arelaçãotrabalho égênero doqualarelaçãodeemprego éespécie,ouseja,a
relaçãodeempregosempreéumarelaçãodetrabalho,masnemtodarelaçãodetrabalhoé
umarelaçãodeemprego.
A CLTutilizaaexpressãocontratoindividualdetrabalho,pois foielaboradaem1943,
quando existia o contrato coletivo de trabalho, hoje denominado convenção ou acordo
coletivodetrabalho.
MaurícioGodinhoDelgado11,afirmaquecontratodetrabalhoéoacordodevontades,
tácitoouexpresso,peloqualumapessoafísicacolocaseusserviçosàdisposiçãodeoutrem,a serem
prestados com pessoalidade, não eventualidade, onerosidade e subordinação ao tomador.

2.1.Requisitosdocontratodetrabalho

Oselementosidentificadoresdarelaçãodeempregopodemserencontradosnosart.2º
e3ºda(CLT).
Oartigo3º,caput, trazadefiniçãodeempregado:“Considera-seempregado toda
pessoafísicaqueprestarserviçosdenaturezanãoeventualaempregador,sobadependência
desteemediantesalário”.12 Cabeaeleexecutarseutrabalhodeacordocomasregras

BRASIL.ConsolidaçãodasLeisdoTrabalho.Decreto-Leinº 5.442,de 01.mai.1943.


10

DELGADO,MaurícioGodinho.CursodeDireitodoTrabalho.4ed.SãoPaulo:LTR,2005,p.489.
11
P á g i n a | 13

estabelecidaspeloempregador,vistoquecolocasuamãodeobraadisposiçãodele,oqual
dirigeotrabalhodizendooquee comofazer.
Oartigo2º,caput,porsuavez,defineempregador: “Considera-seempregadora empresa,
individual oucoletiva,que,assumindo osriscosdaatividadeeconômica,admite,
assalariaedirigeaprestaçãopessoaldeserviço”.13 Cabeaeleorganizar,administrarou
controlarotrabalhoque deveser feitocomoobjetivodemelhoraradministrarasempresas.
Assim,oselementoscaracterizadores darelaçãodeempregoedocontratodetrabalho
são:continuidade,subordinação,onerosidade,pessoalidadee alteridade:
a) Continuidade:o trabalho deve ser prestado de forma contínua,permanente; o
empregadodevecompareceràempresa repetidamente, porforçadocontratodetrabalho,em horário
pré-estabelecidopeloempregador.Oindivíduoqueprestaserviçoseventualmentenão
podeserconsideradoempregado.
b)Subordinação:oempregado,noexercíciodesuasfunções,ésubordinado ao
empregador,pois cumpreordensdeste;exerce sua atividadecomdependênciaaoempregador,
porquemédirigido.
c)Onerosidade:oempregadotemodeverdeprestar seusserviços e,emcontrapartida,
oempregador temodeverdepagar-lheumsalário.Ocontratodetrabalhonãoégratuito,ou seja,o
empregadorecebe saláriopelosserviçosprestadosao empregador.
d)Pessoalidade:ocontratodetrabalhoéintuitupersonaeemrelaçãoaoempregado, ou seja, é
realizado com certa e determinada pessoa. Não pode o empregado fazer-se
substituirporoutrapessoa.Ademais,o empregadosomentepodeserpessoafísica.
e)Alteridade: oempregadoprestaserviços porcontaalheira,ouseja,porcontaerisco
doempregador.Trata-sede uma proteção ao empregado,quenãocorrequalquerrisco,
podendoparticipardoslucrosobtidospelaempresa,masnuncaparticipardosprejuízos.
Caberessaltarqueháumrequisito docontratodetrabalhoquenãoéessencial:a exclusividade
daprestaçãodeserviçospeloempregadoaoempregador.Istoé,otrabalhador portermaisdeum
emprego,visandoao aumentodesuarendamensal.

2.2.Característicasdocontratodetrabalho
P á g i n a | 14

De acordocomVicentePauloeMarceloAlexandrino14,são características do contrato


detrabalho:
• ébilateral, poisproduzdireitoseobrigaçõesparaambos;
• éoneroso,emquea remuneração érequisito essencial;
• é comutativo, pois as prestações de ambas as partes apresentam relativa
equivalência, sendo conhecidas no momento da celebração do ajuste;
• éconsensual,poisa leinãoexigeformaespecialparasuacelebração,
bastandoaanuênciadaspartes;
• éumcontratodeadesão,poisumdoscontratantes,oempregado, limita-
seaaceitarascláusulasecondiçõesestabelecidaspelo empregador;
• é pessoal (intuito personae), pois a pessoa do empregado é
consideradapelo empregadorcomoelemento determinantedacontratação,
nãopodendoaquelefazer-sesubstituirnaprestaçãolaboralsem o
consentimentosdeste;
• éde execuçãocontinuada, poisa execuçãodo contratonão se exaure
numaúnicaprestação, prolongando-seno tempo;
• é subordinativo, pois o empregado está sujeito às ordens do
empregadorou empresárioqueassumiu osriscosdo empreendimento.

2.3.Classificaçãodocontratodetrabalho

Ocontratodetrabalhopodeserclassificadodeváriasformas.Quantoàmanifestação
devontadeouàforma,ocontratodetrabalho podesertácitoouexpresso, verbalouescrito. Com
relação ao prazo de duração, ele pode ser por prazo indeterminadoou por prazo determinado.
Talclassificaçãoestáprevistanoartigo443daCLT:“Ocontratoindividualde
trabalhopoderáseracordadotácitaouexpressamente,verbalmenteouporescritoeporprazo
determinadoouindeterminado”.15
Oajusteexpresso escritoocorrequando háumcontratoescritodetrabalho.Emregra,
nãohánecessidadedeumdocumento soleneparaquearelaçãodeempregotenhaexistência
legal.Somenteem algunscasos alei exige opactoescrito,como éocasodocontratodeatleta
profissional,o contratodeartistaseo contratodeaprendizagem.16

14
PAULO,Vicente.ALEXANDRINO,Marcelo.ManualdeDireitodoTrabalho.12 ed. RiodeJaneiro:Forense;
SãoPaulo:Método,2008.p. 38.
BRASIL.ConsolidaçãodasLeisdoTrabalho.Decreto-Leinº 5.442,de 01.mai.1943.
15
16
PAULO,Vicente.ALEXANDRINO,Marcelo.ManualdeDireitodoTrabalho.12 ed. RiodeJaneiro:Forense;
SãoPaulo:Método,2008.p. 40.
P á g i n a | 15

Jáoajusteexpresso verbalocorrequando hásimplestrocaoraldepalavrasentre empregadoe


empregador,que,porsetratardeacordodevontades,produziráefeitosjurídicos,
obrigandoreciprocamenteaspartes.
Oajustetácitoéaqueleemquenãohápalavrasescritasou verbais, ouseja,resultada
práticareiterada,contínua,deprestaçãodeserviços,semqueoempregador semanifeste
contrariamente.
Importante ressaltarqueocontratodetrabalho,sejaeleescrito,verbaloutácito,deve
sempreser registradonacarteiradetrabalhodoempregado.
Noquedizrespeitoàduraçãodocontratodetrabalho, temosocontratoporprazo
indeterminado eocontratoporprazodeterminado. Considera-secontratoporprazo
indeterminadoaquelequenãotem termofinalestabelecidopelaspartes,asquais,porvontade,
nãoestipulamasua duração,podendofindar-seaqualquertempo,poriniciativadeumadelas.
Essaéaregra,ouseja,aformacomum,presumida semprequehouver dúvida, poisdeve
vigoraroprincípiodacontinuidadedotrabalho.
Jáocontrato por prazodeterminadoéaqueleemqueaspartesacertam antecipadamente
adatafinaldoajustelaboral. Trata-sedeexceçãoeaquelequealegara
determinaçãodoprazodeveráprová-laecasohajaoseudescumprimento, elepassaráaser
consideradoporprazoindeterminado.

3.CONTRATODETRABALHOPOR PRAZODETERMINADO

Ocontratodetrabalhoporprazodeterminado, tambémconhecido comocontratode


trabalhoatermo,éaquele combinadoparavigorarporum períododeterminado,cujavigência
dependadetermoprefixado oudaexecuçãodeserviçosespecificados ouaindadarealização
decertoacontecimentosuscetíveldeprevisãoaproximada,conformeestabeleceoparágrafo
1ºdoartigo443daCLT:“Considera-secomodeprazodeterminadoocontratodetrabalho
cujavigênciadependadetermoprefixado oudaexecuçãodeserviçosespecificados ouainda
darealizaçãodecertoacontecimentosuscetíveldeprevisãoaproximada”.17
ACLTestabelecenoparágrafo2ºdoartigo44318 quaissãoashipótesesemqueo
contratoporprazodeterminadoseráválido:
P á g i n a | 16

§ 2º - O contrato por prazo determinado só será válido em se


tratando:
a)deserviçocujanaturezaoutransitoriedade justifiquea
predeterminaçãodoprazo;
b)deatividadesempresariaisdecarátertransitório;
c)decontratodeexperiência.

NaspalavrasdeSérgioPintoMartins19,oserviçodenaturezatransitóriaéaquelequeé
breve,temporário, ondeoserviçoétransitório enãoaatividadeempresarial,comopor
exemplo,contratarumempregado temporariamente paraatenderaumbreveaumentode
produçãoemcertoperíododoano.
Asegunda hipótese-atividadesempresariaisdecarátertransitório –dizrespeitoà
empresaenãoaoempregadoouserviço,comoporexemplo,asempresa quefuncionamem
determinadasépocasdoano,comoadevendadefogos nasfestasjuninas, aque produz
chocolatesparaPáscoa,aquefabricapanetonesou enfeitesparaoNatal.
Aterceiraeúltimahipótese prevista naleiéocontratodeexperiência,oqualserá
analisadonopróximotópico.
Comrelaçãoaoprazomáximodeduraçãodocontrato, oartigo445daCLTprevê os contratos
porprazodeterminado emgeralnãopodemultrapassardois anoseocontratode
experiêncianãopodesersuperiora90(noventa)dias,podendo todosseremprorrogadosuma
únicavezdentredestesprazos(art.451,CLT):
Art.445-Ocontratodetrabalhoporprazodeterminado nãopoderá
serestipuladopormaisde2(dois)anos,observadaaregradoart.
451.
Parágrafo único.Ocontratodeexperiêncianãopoderáexceder de90
(noventa)dias.
Art.451-Ocontratodetrabalhoporprazodeterminadoque,tácitaou
expressamente,forprorrogadomaisdeumavezpassaráavigorar
semdeterminaçãodeprazo.20

Assim,éadmitidaaprorrogação docontratoporprazodeterminado, masoprazonão


poderáultrapassar olimitelegaldedoisanosparaoscontratosemgeralede90diasparao
contratodeexperiência.Emqualquerhipótese,havendoumasegundaprorrogação,aindaque
P á g i n a | 17

dentre de dois anos ou dos 90 dias, o contrato passará a ser considerado por prazo
indeterminado.21
Deve-se ressaltar,ainda,queaCLTnãopermitenovocontratoporprazodeterminado
comomesmoempregado antesdecompletarseismesesdeconclusão docontrato
anteriormenteestabelecido,excetoseaexpiraçãodependeu daexecuçãodeserviços
especializados(necessidade demontagemdeumamáquina,portécnicoespecializado,por
exemplo)oudarealizaçãodecertosacontecimentos(atividadesdeumhotelduranteoverão,
porexemplo):
Art.452-Considera-se porprazoindeterminado todocontratoque
suceder, dentro de6(seis) meses,aoutrocontrato porprazo determinado,
salvoseaexpiraçãodestedependeu daexecuçãode
serviçosespecializadosoudarealizaçãodecertos acontecimentos.22

Noquediz respeitoàsverbasrescisórias,comoédeconhecimentodaspartesa
duraçãodocontratoporprazodeterminado, nãoháquesefalaremindenizaçãodeaviso
prévio,salvoseno contratotiver acláusulapermitindoàspartes a rescisão imotivadaantesdo
termofinalajustado.Nessecaso,deverãoser aplicadasasregrasdocontratoporprazo
indeterminado,cabendoaquio avisoprévio.
Art.481- Aoscontratosporprazodeterminado,quecontiverem
cláusulaasseguratória dodireitorecíprocoderescisãoantesde expirado
otermoajustado, aplicam-se,caso sejaexercido taldireito porqualquer
daspartes,osprincípios queregemarescisãodos
contratosporprazoindeterminado. 23

ACLTassegura aosempregados admitidosporprazodeterminadosemacláusula


asseguratória previstaacima,despedidos semjustacausaantesdotérminofinaldocontrato,
indenizaçãonovalorcorrespondente àmetadedaremuneraçãofaltanteatéofimdocontrato
(art.479).24Ouseja,seoempregadofordispensado semjustacausaantesdotermofinaldo
contrato,deveráoempregadopagar-lhe pelametadearemuneraçãoaqueteriadireitoatéo
términodocontratoatítulodeindenização.
Omesmoocorreseoempregado,semjustacausa,desligar-sedaempresaantesdo
termocombinado,noscontratossemcláusulaasseguratória,devendoindenizaroempregador

21
PAULO,Vicente.ALEXANDRINO,Marcelo.ManualdeDireitodoTrabalho.12 ed. RiodeJaneiro:Forense;
SãoPaulo:Método,2008.p. 46.
BRASIL.ConsolidaçãodasLeisdoTrabalho.Decreto-Leinº 5.442,de 01.mai.1943.
22
23
Idem.
24
PAULO,Vicente.ALEXANDRINO,Marcelo.ManualdeDireitodoTrabalho.12 ed. RiodeJaneiro:Forense;
SãoPaulo:Método,2008.p. 48.
P á g i n a | 18

dosprejuízos quelheresultaremcomnomáximometadedaremuneraçãoqueeleteriaatéo
finaldocontrato(art.480,CLT),devendotaisprejuízosseremcomprovados.

3.1.Contratodeexperiência

Naspalavrasdodoutrinador SérgioPintoMartins25,sãoencontradasváriasdefinições
paraocontratodeexperiência:períododeexperiência,contratodeprova,pactodeprova,
pactodeexperiência,contratodeexperiência,masaCLTusaaexpressão contratode
experiência(§2ºdo art.443e§únicodoart.445).
DeacordocomMaurícioGodinhoDelgado26,contratodeexperiênciaéoacordo
bilateralfirmadoentreempregado eempregador,comprazomáximodenoventa dias,emque
aspartespoderãoaferiraspectossubjetivos, objetivosecircunstanciaisrelevantesà
continuidadeouextinçãodovínculoempregatício.
Trata-se de uma modalidadede contrato de trabalho por prazo determinadoque
proporciona aambasaspartesdeconhecerem,istoé,oempregadorteráaoportunidade de
observar,durante operíodo dopactolaboral,odesempenhofuncionaldoempregado,asua
adaptação, integraçãoeaptidãoparaexercerafunção queparaele seráconfiada;eo
empregadopoderáverificarseconseguiráseadaptaràestruturadaempresa,aoempregador, às
funçõese condiçõesdetrabalhoaqueestarásubordinado.
Ocontratodeexperiênciaestáexpressamente previstonalegislaçãotrabalhista,no
artigo443,parágrafo2º,alínea“c”daCLT.Eleéválidopara atividadesdequalquernatureza, podendo
seraplicadoaqualquer trabalhador, poistemcomoumdeseusobjetivosavaliara
capacidadetécnicadoempregadonodesempenho desuafunçãoeseomesmotemfacilidade
deseadaptarem suasnovasatribuições.
Importantedizer que o contrato de experiêncianão se trata de um pré-contrato,
devendoserregistradonaCTPS,sendootrabalhador considerado empregadoapartirdo
momentoem queécelebradoo contrato.
Comovisto,ocontratodeexperiênciateráoprazomáximode90dias(§únicodoart.
445da CLT).Casoesseprazosejaexcedido pormaisde90dias,ocontrato passará avigorar
comosefossecontratoporprazoindeterminado.Cabedizerqueocontratodeexperiência

MARTINS,SergioPinto.DireitodoTrabalho.26 ed.SãoPaulo: Atlas,2010,p.118.


25

DELGADO,MaurícioGodinho.CursodeDireitodoTrabalho.4ed.SãoPaulo:LTR,2005,p.541.
26
P á g i n a | 19

pode serprorrogadoumaúnicavezdentrodoprazode90dias.Portanto,emhipótese alguma,


podeexcedera90dias,sejanaprorrogação (Súmula188doTST),sejaporumaúnica contratação.27
Importante,ainda, lembrarqueoempregadoquecumpriroprazodocontrato de
experiêncianãopoderásercontratadonovamenteporprazodeterminadoantesdedecorridos
6mesesdotérminodoprimeirocontrato(art.452daCLT).
Noquedizrespeitoàrescisãoantecipada, tantooempregado comooempregador
podemrescindirocontratodeexperiênciaantesdoprazoacordadoporambos.Oartigo481,
daCLTprevê,noentanto,quehaveráavisopréviosehouver cláusularecíproca derescisão
antecipadanocontrato.
Sendoassim,senãoexistiressacláusulano contratodeexperiência,o empregadorque
dispensar oempregado,semjustacausa,antesdotérminodocontrato deexperiênciadeve
pagaraeleindenizaçãoigualàmetadedaremuneraçãoqueteriadireitoatéofinaldo contrato.Da
mesmaforma,seoempregado rescindir ocontratodeexperiência antecipadamente,
deveráindenizar oempregadordosprejuízos queresultaremdessefatoem
atémetadedaremuneraçãoqueeleteriaatéo finaldocontrato,desdequecomprovados.

RESULTADOECONCLUSÃO

O contratode trabalhoégênerodo qualfazparteocontratodeemprego,relação típica


dotrabalhosubordinado entreempregadoeempregador,emqueseencontrampresentesos
requisitoscaracterizadoresdopactolaboral,comocontinuidade,subordinação, onerosidade,
pessoalidadeealteridade.Sãocaracterísticasdessecontratoabilateralidade,aonerosidade, a
equivalência,a adesão,apessoalidade,aexecuçãocontinuadaeasubordinação.
Oartigo443daCLTclassificaocontratodetrabalhoemtácito,expresso, verbalou
escrito,porprazodeterminadoouindeterminado.
Considera-se contratoporprazodeterminado aqueleemqueaspartesestipulam
antecipadamentea datafinaldo ajustelaboral.Éexceção,suashipóteses estão previstas nalei
epossuiváriaspeculiaridades,inclusivenoquedizrespeitoàsverbas rescisórias.
Dentreasmodalidadesdocontratodeterminadoencontra-se ocontratodeexperiência,
previstonaalínea“c”,§2ºdoartigo443e§únicodoartigo445daCLT.

MARTINS,SergioPinto.DireitodoTrabalho.26 ed.SãoPaulo: Atlas,2010,p.119.


27
P á g i n a | 20

Ocontratodeexperiência, queacontecedentrodenoventa dias,temgrande


importância,poiséoperíododeadaptação,tantodoprofissional comaempresa,comoda
organizaçãocomseumaisnovo colaborador.Asuafinalidadeépermitiraambasaspartesdo
pactolaboralumconhecimento recíproco, paraqueverifiquemseosrequisitos epretensões
almejadasserãoatendidos.
Diversosfatoressãoavaliadosnesseperíodo.Oempregador iráobservar aaptidãodo
empregadoparaafunçãoquelhefoiconfiada,seucomportamento,seucomprometimento
comotrabalho,suapontualidade,suacapacidadedetrabalhoemequipeederelacionamento,
dentreoutros.Jáoempregadoverificará suaadaptaçãoàstarefasqueteráquedesempenhar, à
estruturadaempresaeaoempregador, ascondiçõesdetrabalhoaqueestarásubordinado,
dentreoutros.
Sendoassim,ocontratodeexperiênciaéfundamental paraevitarfuturosproblemas,
devendoserutilizadodeformapositivatantopelaempresacomopeloempregado,osquais
têmaoportunidade deseconheceremerefletiremsobrearelaçãodeempregoqueseinicia, podendo
ocontratodeempregomanter-seporprazoindeterminado,garantindo aambosum
bomrelacionamentoprofissional.

REFÊRENCIAS

BARROS.Mariana.OcontratodetrabalhoàluzdaLei.Anode2008.Disponívelem:
ttp://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/1760/Contrato-de-trabalho.Acesso em:
14.set.2016.

BRASIL,ConsolidaçãodasLeisdoTrabalho(1943).CLT-LTR.38.ed.SãoPaulo:LTr,2011.

BRASIL.Consolidação das Leis do Trabalho. Decreto-Lei nº 5.442, de 01.mai.1943.


Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del5452compilado.htm.
Acessoem: 26.out.2016.

CALVET,OtávioAmaral.A NovaCompetênciadaJustiçado Trabalho:RelaçãodeTrabalho


versus Relação de Consumo. Disponível em:
http://www.nucleotrabalhistacalvet.com.br/artigos/A%20Nova%20Competência%20d%20Just
iça%20do%20Trabalho%20Relação%20de%20Trabalho%20x%20Relação20de%20Consum
o%20-%20Otavio%20Calvet.pdf.Acessoem 29/08/2011.Acessoem: 19.set.2016.
P á g i n a | 21

DELGADO,MaurícioGodinho.CursodeDireitodoTrabalho.10ed.SãoPaulo:LTr,2011.

.CursodeDireitodoTrabalho.4 ed.SãoPaulo:LTr,2005.

.CursodeDireitodoTrabalho.2 ed.SãoPaulo:LTr,2003.

DEOSTI,Dapper.Direitosedeveresdoempregadoedoempregador. Ano, de2011. Disponível


em:http://www.clicrbs.com.br/especial/sc/praias-sc/19,859,3402009,CLT- Direitos-e-deveres-
do-empregado-e-do-empregador.html.Acessoem: 10.out.2016.

DERETTI,Lucimara.DireitoseDeveresdoTrabalhador.Ano,de2011.Disponívelem:
http://advogadalucimara.blogspot.com.br/2011/05/direitos-e-deveres-do-trabalhador.html.
Acessoem: 10.out.2016.

GRAMKOW,Leonardo.ABOA-FÉOBJETIVANOSCONTRATOSINDIVIDUAIS DE
TRABALHO.Anode2013.Disponível em:
http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/35717/76.pdf?sequence=1n. Acesso
em: 23.set.2016.

GOMES,Orlando.Contratos.26ed.RiodeJaneiro:Forense,2008.

GUSMÃO,PauloDouradode. Introduçãoao EstudodoDireito.27.ed.Rio de Janeiro:


Forense,2000.

JÚNIOR,JoséCairo.Cursode Direitodo Trabalho– Direito Individuale Coletivodo


Trabalho.5.ed.Salvador.EditoraJusPodivm,2010.

MARTINS,SergioPinto.DireitodoTrabalho.29 ed.SãoPaulo:Atlas,2013.

.DireitodoTrabalho.26ed.SãoPaulo:Atlas,2010.

.DireitodoTrabalho.23ed.SãoPaulo:Atlas,2007.

NASCIMENTO, AmauriMascaro.Cursodedireitodotrabalho:históriaeteoriageraldo
direitodotrabalho:relaçõesindividuais ecoletivasdotrabalho.17ed.rev.eatual.SãoPaulo:
Saraiva,2001.
P á g i n a | 22

NOLASCO, Lincoln. Contrato de trabalho. 2014. Disponível em:


http://www.conteudojuridico.com.br/artigo,contrato-de-trabalho,46662.html. Acesso
em
23.set.
2016.

PAULO.Vicente;ALEXANDRINO,Marcelo.Manualdedireitodotrabalho.12ed.Riode
Janeiro:Forense.SãoPaulo:Método.20
08.

PEIXOTO,Sullivan.Análisedasespéciescaracterizadorasdarelaçãocontratual.Ano de
2012. Disponível em: http://www.jurisway.org.br/v2/dhall.asp?id_dh=8826.Acesso em:
02.out.
2016.

ROSAFILHO, ClaudioRoberto;WOLF,JoséSilvio. RelaçãodetrabalhoXrelaçãode


emprego. RevistaEletrônicadeIniciaçãoCientífica.Itajaí,CentrodeCiênciasSociaise
JurídicasdaUNIVALI.v.4,n.3,p.208-228,3ºTrimestrede2013.Disponível em:
www.univali.br/ricc-ISSN2236-5044.Acessoem: 23.set.2016.

REABILITAÇÃO DA MARCHA EM PORTADORES DE


P á g i n a | 23
DOENÇA DE PARKINSON: UMA REVISÃO
BIBLIOGRÁFICA
ELIZANDRA
AQUINOSUELEN
ANTONIO
Orientadora: Prof Juliana Aparecida Scalize

RESUMO

O estudo objetivou avaliar por meio de pesquisas realizadas as limitações do


parkinsoniano e abordar de uma forma clínica e social desenvolvendo técnicas com o
tratamento fisioterapêutico, buscando obter resultados significativos para o benefício da
marcha e equilíbrio por meio de diversas atividades terapêuticas proporcionando uma
maior amplitude na área da reabilitação. Medidas terapêuticas utilizadas pela
Fisioterapia que possibilita aos pacientes com doença de Parkinson manter a
independência para realização das atividades do dia-a-dia, melhorando a qualidade de
vida, são essenciais para minimizar algumas de suas complicações. O uso concomitante
do tratamento fisioterápico e de condicionamento aeróbio e fortalecimento muscular
resultou em melhoras nas medidas de desempenho funcional e de capacidade física de
indivíduos em fase leve a moderada de evolução da doença de Parkinson. O estudo foi
desenvolvido através de revisão daliteratura.

Palavras-chave: Parkinson; Tratamento; Fisioterapia; Treino: Marcha.

ABSTRACT

By the research, this paper aims to avaliate the parkisoniano limitations and introduce it
in a clinic and social way, also developing tecnics wih phisycal terapy treatment and
looking for relevant results in order to have benefits about the progress and the
consistency of it by several therapy activities and providing an amplitude int the
reabilitation area. These therapeutic measures that are used by physiotherapy provide to
pacientes with Parkinson’s desease a support to realize by themselves daily activities as
well as their well-being, that is essencial for reduce some of the complications. The
simultaneous treatment physiotherapy, aerobic conditioning and muscle strangthening
has resulted on improvements about the functional performance measurement and
people’s physical ability in light to moderate stage of Parkinson’s desease progress. The
research was developed by literature review.

Keywords: Parkinson; Treatment; Physiotherapy; Training: Gait.1

1 Graduandodo Curso de Fisioterapia elizandra-


a@hotmail.comGraduando do Curso de Fisioterapia
P á g i n a | 24
suelenantonio.sa@gmail.com
P á g i n a | 25

INTRODUÇÃO
A Doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade crônica e progressiva do
sistema nervoso que acomete os núcleos da base, com a perda de neurônios da
substância negra, produtores de dopamina. (LIMONGI, 2001). A evolução da doença
apresenta tremores, instabilidade postural e pode causar vários sintomas como:
alterações sensoriais, distúrbios da fala, voz e deglutição, mudanças cognitivas,
predominância dos músculos flexores com alterações comportamentais, gastrintestinais
e cardiopulmonares. A sintomatologia pode estar associada a substância negra com a
morte dos neurônios dopaminérgicos. (GAMA,2008).
O início é insidioso, com progressão lenta, o paciente parkinsoniano apresenta
menor motivação nas funções diárias, papéis e atividades, tornando o paciente
dependente e a depressão é comum nos indivíduos com DP. (O' SULLIVAN;
SCHMITZ, 2010,p.942)
A deambulação humana ou marcha, é um dos componentes da função motora
que é afetado na Doença de Parkinson, a intervenção fisioterapêutica visa restaurar ou
melhorar o estado de deambulação dopaciente.
Para manter a qualidade de vida a terapia física é primordial para preservar a
função motora do parkinsoniano. Diferentes estudos envolve a reabilitação para a
melhora da qualidade de vida, com foco em estudos recentes que visa promover a
melhora dos sintomas.
O programa terapêutico engloba distintas modalidades de reabilitação, como a
fisioterapia aquática, o treino em esteira da marcha, o desempenho de dupla tarefa,
realidade virtual, exercício aeróbio e fortalecimento muscular.
Desse modo, o estudo foi feito por meio de uma revisão bibliográfica que visa
expor o tratamento que utilizam a Fisioterapia e assim pretende-se através desses
recursos verificarem a melhora da marcha e no desempenho motor dos pacientes
acometidos pela Doença de Parkinson, que implicam em vários benefícios ao paciente,
para contribuir na melhora da qualidade de vida a fim de garantir a maior dependência
possível.
P á g i n a | 26

DOENÇA DE PARKINSON

Com aumento da expectativa de vida, várias patologias neurológicas com


quadro progressivo estão se intensificando na população, como a disfunção de
estruturas no sistema extrapiramidal associando a transtornos dos movimentos a
Doença de Parkinson (DP) é uma dessa patologia (GODEIRO, 2006).
A doença de parkinson foi descrita pela primeira vez por James Parkinson, em
1817, compõe-se de vários sinais e sintomas constituindo por desordens da
motricidade, sua patologia foi definida cerca de 100 anos depois, e o tratamento
sofreu uma revolução nos anos 60, com a introdução do fármaco levodopa.
(ANDRADE,2003)
A síndrome de parkinson é um “grupo de distúrbios nos quais os sinais e
sintomas característicos do parkinsonismo como tremores, rigidez muscular, postura
em flexão, lentidão dos movimentos voluntários, comprometimento dos reflexos
posturais”. (STOKES, 2000, p. 180).
Uma “substância química (dopamina) é a que transmitem impulsos através de
sinapses de um neurônio para outro, há uma redução na concentração de dopamina
na sinapse, causando a degeneração de neurônios, os sintomas da doença se tornam
evidentes quando 80% ou mais dos neurônios dopaminérgicos se degeneram.
(STOKES,2000).
A causa da doença de parkinson “não é conhecida e o tratamentoé,portanto,
paliativo e sintomático, na maioria dos casos o parkinson surge em idadeavançada,no
entanto, uma em sete pessoas tem o diagnóstico com menos 50
anos”.(COHEN,2001)Segundo Castro (2016) a grande maioria dos casos de
Parkinsonnãosão diretamente herdada. Cerca de 15 a 25 por cento das pessoas com
relatóriode Parkinson têm um parente com a doença. Em grandes estudos
populacionais,ospesquisadoresdescobriramqueaspessoascomumprimeirograuafetadorela
tivas,comoumpaiou irmão,temumachance4-
9porcentomaiordedesenvolverdoençadeParkinson,em
comparação com a população em geral.
A perda de neurônios dopaminérgicos na DP está incluída nas possíveis causas,
a toxicidade crônica em decorrência do envelhecimento normal as alterações na idade
P á g i n a | 27
no metabolismo oxidativo foram detectados níveis de enzimas reduzidos antioxidantes
na substancia negra, sugerindo o comprometimento nos estágios final da doença.
P á g i n a | 28
(BARBOSA, SALLEM, 2005)
De acordo com Barbosa e Sallem (2005) “a síndrome parkinsoniana pode ser
identificada: em primário, secundário e atípico, a primária sendo relacionada a
patologia sem causa aparente ou hereditária, a forma secundária suspeita por indução
medicamentosa, infeções e distúrbios metabólicos, já o parkinsonismo atípico está
associado a patologias neurodegenerativas evoluindo para os sinais comuns da DP”.
As manifestações clínicas são principalmente motoras, como sintomas comuns:
distúrbios do equilíbrio como consequência um maior número de quedas, dor é um
sintoma comum, desaceleração generalizada, tremor, episódios de congelamento, sendo
resultado do comprometimento neurotransmissor dopamina, levando a progressão dos
sintomas podendo levar à depressão, ao isolamento social, transtornos psicóticos,
piorando a qualidade de vida do parkinsoniano. (BARBOSA, 2005)
Outras desordens “apresentam anormalidades nos déficits do aprendizado
processual, a postura do parkinsoniano normalmente é cifose com a cabeça
anteriorizada com inclinação para um dos lados, os braços geralmente flexionados no
tronco com ombros arqueados e ligeira flexão nos joelhões e nos quadris” (STOKES,
2000, p. 169).
A identificação do diagnóstico é baseada no início com a manifestação do
quadro clinico do parkinsoniano, porem necessita de uma avaliação completa, além de
exames laboratoriais e neurológicos, pois diagnostico pode ser dificultado.
(O´SULLIVAN; SCHIMITZ, 2010).
Segundo Mayo (2015) a levodopa, a medicação mais eficaz da doença de
Parkinson, é uma substância química natural que passa para o cérebro e é convertida em
dopamina , consiste no alivio de bradicinesia e rigidez priorizando a melhora nos
pacientes, entretanto a controvérsias quando um histórico de utilização de medicamento
prolongado, como uso da levodopa.
Com as evidencias de que os sintomas foram agravados, a terapia farmacológica
e a física passam a não ter mais efeitos esperados, sendo indicado o tratamento
cirúrgico. A cirurgia é realizada somente em pacientes que não apresentam respostas
diante do tratamento medicamentoso, sendo abordados princípios cirúrgicos como:
cirurgia ablativa, transplantes neurais e estimulação cerebral profunda. (OXTOBY;
WILLIAMS,2000).
P á g i n a | 29
Para Maio (2015) a estimulação cerebral profunda é mais frequentemente a
pessoas com doença de Parkinson avançada, eletrodos com implante para uma parte
específica do cérebro. Os eletrodos são conectados a um gerador implantado no peito,
perto de sua clavícula que envia impulsos elétricos para o cérebro e pode reduzir os o
tremor, a rigidez e melhorar a desaceleração do movimento.

FISIOTERAPIA NO PARKINSON

A fisioterapia é essencial para os portadores de doença Parkinson sendo indicada


desde seu diagnóstico, pois visa promover a melhora no quadro clínico do paciente,
minimizar as alterações decorrentes do processo degenerativo, direcionando a
desenvolver metas buscando a melhora da marcha e equilíbrio postural do
parkinsoniano e tornar o paciente maisdependente.
A avalição do nível de comprometimento e grau de função motora é determinada
através de uma minuciosa avaliação, no início e fim do tratamento, por meio da
anamnese, história patológica do paciente, além dos exames físicos, investigados pela
condição diferenciada de cada paciente, gravidade do problema, o estágio da doença, a
idade a fase, além de vários estudos sobre o diagnostico funcional do paciente, e
mensuração dos resultados obtidos. (OXTOBY; WILLIAMS, 2000).
A reabilitação consiste em exercícios que abrangem um grande número de
repetições para um desenvolvimento processual, aperfeiçoar os padrões de marcha
incluindo velocidade e consistência dos movimentos, como alvos visuais e auditivos
para estimulação da marcha, esses estímulos apresentam uma influência nos padrões de
estimulação da marcha e sincronismo dos passos.

HIDROTERAPIA

Um dos recursos utilizados na doença Parkinson é a fisioterapia aquática (FA),


com imersão do corpo em uma piscina aquecida acarreta o aumento do metabolismo e
aumento dos níveis de dopamina no sistema nervoso central, um balanço suave usado
para produzir relaxamento generalizado das tensões musculares, voltados para a
melhora da flexibidade e da mobilidade relacionando com treino de marcha.
(CAMARGO et al,2004)
P á g i n a | 30
Segundo indica Levi (2008) o meio líquido, devido às suas propriedades físicas e
sobrecarga natural, proporciona ao indivíduo que se exercita, uma sensação de
diminuição do peso corpóreo, livramento das articulações, bom funcionamento do
sistema termorregulador, melhor irrigação ativando veias, artérias e vasos capilares e
ainda, envolvimento da maioria dos grupos musculares.
Como indicam Monteiro et al (2013) pacientes portadores de DP em
aquecimento na piscina composta por caminhadas, associada a coordenação postural,
com treino de dissociação de cintura escapular e pélvica, a realização de alongamentos
visando evitar o encurtamento das fibras musculares ,além de exercícios com uso da
resistência da agua, uso de cama elástica, exercícios associados à respiração,
priorizando a função cardiopulmonar dos pacientes, realizados dinâmicas grupais a fim
de estimular a memória e socialização grupais.

TREINO DE MARCHA

Para manter o seu centro de estabilidade é a realizado com a fisioterapia o


controle da postura do paciente, por meio de uma barra paralela trabalhamos a marcha
dos pacientes, e o equilíbrio para obter o efeito de treinamento da marcha além de
realizar marcha para frente, além de trabalhar andar para trás e o andar lateral,
resultando na melhora da mobilidade física e estabilidade postural ( HERBER ;
MICHAELSEN,2011).
Uma das técnicas realizadas para melhora da função motora, sendo utilizada
com treino em esteira com carga com uso de cinto de segurança para evitar queda,
auxiliado de dispositivos o treinamento em esteira com sistema de suspensão, ao
realizar a caminhada pede-se ao paciente pronunciar uma letra do alfabeto, verificando
o aumento e largura dos passos (FILIPPIN,COSTA,2010).
Filippin e Costa (2010) indicam que o treino em esteira promove uma força dos
passos e larguras, e as repetições aprimoram a aprendizagem motora, aumento tempo de
equilíbrio, assim evitando menor número de quedas, causando uma mudança
significativa na marcha, com a pratica dessa caminhada promove uma melhora na
função motora e diminuir influencias negativas.

PISTAS VISUAIS

Para Dias et al (2005) as pistas visuais são marcadores no solo, oferecendo um


P á g i n a | 31
efeito benéfico uma vez que se torna muito eficaz na regulação do comprimento do
passo e melhora da cadência e da velocidade de marcha, melhorando a preparação dos
passos além de estímulos auditivos com intuito de contribuir na aprendizagem motora.
Para Rubinstein et al. (2012) as pistas visuais funcionam porque agem como
alvos moventes, ativando a via cerebelar visual-motora. Apenas em determinados
estímulos visuais são aparentemente eficazes para melhorar a marcha. As linhas
transversais funcionam. Além disso, as linhas devem ser separadas por uma largura
apropriada (uma polegada ou mais larga) e por uma cor que contraste com o assoalho, a
fim de se conseguir os melhores resultados, devem ser espaçadas no solo de acordo
com o comprimento aproximado do passo dos pacientes e deve-se orientá-los a pisarem
sobreelas.

JOGOS VIRTUAIS

O tratamento da doença de Parkinson, segundo Pompeu et al (2012) pode utilizar


realidade virtual, que pode promover maior interação das habilidades motoras e
cognitivas simultaneamente, o que é exigido pela maioria das atividades de vida diária
(AVD). Assim, contribuirá para maior independência nas AVDs em comparação com o
treino baseado apenas em estímulos motores. O tratamento com a realidade virtual pode
causar efeitos positivos na qualidade de vida, visto que esta sofre influências negativas
da progressão dos sintomas e da diminuição da independência funcional.

Um estudo feito em (2015) pela Universidade de São Paulo (USP) a fisioterapia


utiliza a realidade virtual como jogos de vídeo game como kinect, nintendo wii, para a
recuperação do equilíbrio e da mobilidade dos pacientes, esses jogos com intuito de
verificar os comportados dos pacientes com uma nova modalidade, os pacientes
testados capazes de realizar as atividades e obtendo melhora no desempenho virtual,
além disso essa terapia observa a melhora da resistência cardiopulmonar, da marcha e
doequilíbrio.

ALONGAMENTO E FORTALECIMENTO MUSCULAR

O tratamento inicial se inicia com alongamentos a fim de evitar o encurtamento


muscular, pois os pacientes parkinsonianos possui uma musculatura flexora, sendo
enfatizados movimentos extensores, abdutores e rotatórios, alongamentos ativo-
P á g i n a | 32
assistidos, atividades que favoreçam o fortalecimento muscular evidenciando a melhora
da postura e do equilibrio (SOUZA,2016).
Após os pacientes apresentarem uma melhora no quadro clinico, é iniciado o
programa de fortalecimento muscular, com repetições e um prolongamento tempo, com
utilização de halteres, tornozeleiras, não devendo ser realizado de forma excessiva, tudo
de acordo com limite de cada paciente, apresentando ganhos físicos e funcionais
(PAULA,2011).

CONCLUSÃO

A doença de Parkinson consiste em uma patalogia, de caráter crônico-


degenerativa, que acarreta aos seus portadores transtornos de movimento, coordenação,
força muscular, além de reduzir a qualidade de vida e levar ao isolamento e depressão.
A revisão de literatura verificou os efeitos do tratamento fisioterápico em
portadores da doença de Parkinson.
Medidas terapêuticas utilizadas pela Fisioterapia como a hidroterapia, treino de
marcha e realidade virtual possibilita aos pacientes com doença de Parkinson manter a
independência para realização das atividades do dia-a-dia, melhorando a qualidade de
vida, são essenciais para minimizar algumas de suas complicações.
O uso concomitante do tratamento fisioterápico e de condicionamento aeróbio e
fortalecimento muscular resultou em melhoras nas medidas de desempenho funcional e
de capacidade física de indivíduos em fase leve a moderada de evolução da doença de
Parkinson.
Para finalizar deve-se indicar que o presente estudo não buscou ser determinante
nos resultados, e também esgotar o tema em questão. Ao contrário, busca incentivar
mais estudos acerca dos temas aqui discutidos.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, L. A. F.; Inibição enzimática, neuroproteção e tratamento da Doença de


Parkinson. Revista Neurociências, v. 5, n. 1, p. 27-33, 2003. Disponível em:
http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/1997/RN%2005%2001/Pages%20from
%20RN%2005%2001-5.pdfAcesso em 26/06/2016.

BARBOSA, E.; SALLEM, F. Doença de Parkinson – Diagnóstico. Rev Neurociências,


P á g i n a | 33
v. 13, n. 3, p. 158-165, 2005. Disponível em:
http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2005/RN%2013%2003/Pages%20from
%20RN%2013%2003-8.pdfAcesso em 15/07/2016.

CAMARGO, ACR, CÓPIO FCQ, SOUSA TRR, GOULART F. O impacto da doença


de Parkinson na qualidade de vida: uma revisão de literatura. Rev Bras Fisioter. 2004;
8(3):267-72. Disponível
em:http://www.crefito3.com.br/revista/rbf/rbfv8n3/pdf/267.pdfAcesso: 18/06/2016.

DIAS, Natalia Pesce et al. Treino de marcha com pistas visuais no paciente com Doença
de Parkinson. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v.18, n.4, p. 43-51, out./dez.,
2005. Disponível em:
http://www2.pucpr.br/reol/index.php/RFM/pdf/?dd1=230Acesso:25/08/2016.

FERRAZ, B. F.; BORGES, V. Doença de Parkinson. Revista Brasileira de Medicina,


v. 59, p. 207-219, 2016. Disponível em:
http://web.unifil.br/pergamum/vinculos/000004/00000414.pdfAcesso: 30/07/2016.

GAMA, ACC, MENEZES LM, MAIA AA, REZENDE NETO AL, OLIVEIRA JB.
Voice related quality of life after botulinum toxin injection for spasmodic dysphonia.
Rev Laryngol Otol Rhinol. 2008; 131(1):39-44. Disponível:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-
18462013000200020Acesso:02/09/2016.
GODEIRO JÚNIOR, C. O. et al. Mitocôndria e doença de Parkinson: contribuições da
genética no conhecimento do processo patogênico. Revista Einstein, v. 5, n. 2, p. 177-
181, 2006.

LEVY, J. A.; OLIVEIRA, A. S. B. Reabilitação em doenças neurológicas: guia


terapêutico. São Paulo: Atheneu, 2008.
MAIYO, Ichiro et al. Teradmill training with body weight support: its effect on
Parkinon's disease. Arch Phys Med Reahabil. 2010; 81 (7): 849-852. Disponivel em :
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10895994Acesso: 03/09/2016.

MONTEIRO, E. P.; PEYRÉ-TARTARUGA, L.A. Doença De Parkinson: o que


podemos esperar do Exercício Físico? PALESTRA NO IX CONGRESSO
PAULISTA DE NEUROLOGIA. Guarujá, SP, Brasil. Anais. maio 2013.
P á g i n a | 34
Disponível
em:http://congressos.cbce.org.br/index.php/conbrace2015/6conice/paper/viewFile/7445/
3716Acesso em 04/09/2016.

O’SULLIVAN, S. B.; SCHMITZ, T. J. Fisioterapia: avaliação e tratamento. 5. ed. São


Paulo: Manole, 2010.

OHEN, H. Neurociência para Fisioterapeutas: incluindo correlações clínicas. 2. ed.


São Paulo: Manole, 2001.

OXTOBY, Marie; WILLIAMS, Adrian. Tudo sobre doença de Parkinson: respostas


às suas dúvidas. São Paulo: Andrei,2000.

PAULA, Fátima. Exercício aeróbio e fortalecimento muscular melhoram o desempenho


funcional na doença de Parkinson. Fisioterapia em Movimento. 2011
jul/set;24(3):379-88. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/fm/v24n3/02.pdfAcesso:10/09/2016.

PIEMONTE, Maria Elisa P. Programa Semanal de Exercícios para Pacientes com


Doença de Parkinson. São Paulo: Lemos, 2003.

POMPEU, J. E., MENDES, F. A. D. S., SILVA, K. G. DA, LOBO, A. M., OLIVEIRA,


T. DE P., ZOMIGNANI, A. P., & PIEMONTE, M. E. P. Effect of Nintendo WiiTM-
based motor and cognitive training on activities of daily living in patients with
Parkinson’s disease: a randomised clinical trial. Physiotherapy, 20102. 98(3).
Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22898575 Acesso:20/08/2016.
RUBERT VA, REIS DC, ESTEVES AC. Doença de Parkinson e exercício físico. Rev
Neurocienc 2007;15(2):141–6. Disponível em:
http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2007/RN%2015%2002/Pages%20from
%20RN%2015%2002-9.pdfAcesso: 21/09/2016.

STOKES, M. Neurologia para fisioterapeutas. São Paulo: Ed. Premier, 2000.


P á g i n a | 35
Possíveis tratamentos fisioterápicos na Fibromialgia: Uma revisão
bibliográfica
Edilaine Michele dos Santos1
Elen Beatriz Moreira2
Prof. Me. Walther Spinelli Filho3
Resumo
A fibromialgia é uma síndrome musculoesquelética, pode ser identificada em indivíduos
com dor crônica e difusa com mais de três meses de duração e caracterizada por dor em
pontos específicos quando realizado o exame físico. A população fibromiálgica é composta
em sua maioria por mulheres, com faixa etária entre 30 e 55 anos. O nível de dor é tão
intenso, que interfere nas atividades de vida diária e na qualidade de vida do paciente, que
apresenta fadiga generalizada, distúrbios do sono, rigidez matinal, sensação de dispnéia,
ansiedade, depressão e alteração da função cognitiva. Trata-se de uma doença de etiologia
desconhecida, sendo assim, a fisioterapia atua diminuindo os sintomas, reestabelecendo a
capacidade física, mantendo a funcionalidade e promovendo melhora na qualidade de vida.
O objetivo deste trabalho é realizar uma revisão de literaturas sobre os possíveis
tratamentos fisioterápicos que podem ser utilizados pelo fisioterapeuta na fibromialgia e os
benefícios de cada um. Neste estudo de revisão bibliográfica, foram realizadas pesquisas
em livros nacionais, monografias e artigos coletados em bibliotecas virtuais (Lilacs e
Scielo, Medline), com dados mais recentes sobre a Fibromialgia, abordando assuntos
como: descrição da doença, seus sintomas, formas de diagnóstico e possíveis tratamentos.

Palavras-chave:Fibromialgia- Fisioterapia- Tratamentos

Abstract
The Fibromyalgia is a musculoskeletal syndrome, can be identified in individuals with
chronic pain and diffuse with more than three months duration and characterized by pain at
specific points when physical examination was performed. The fibromyalgia population is
composed mainly of women, with age between 30 and 55 years. The level of pain is so
intense that interferes in daily life activities and in the quality of life of the patient, which
presents generalized fatigue, sleep disorders, morning stiffness, sensation of dyspnea,
anxiety, depression and amendment of the cognitive function. It is a disease of unknown
etiology, being thus, the physiotherapy acts by decreasing the symptoms, reestablishing
forms the physical capacity, keeping the functionality and promoting the improvement of
life quality. The objective of this work is to perform a review of literature about the possible
physiotherapeutic treatments that can be used by the physiotherapist in fibromyalgia and the
benefits of each. In this bibliographic review study, researchers were carried out in national
books, monographs and articles collected in virtual libraries (Lilacs, Scielo, Medline), with
more recent data on Fibromyalgia, approaching subjects such as: description of the disease,
its symptoms, diagnosis and possibletreatments.

Keywords:Fibromyalgia- Physiotherapy- Treatments

1
Graduanda do curso de Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga FTGA. edilaine.msantos@hotmail.com
Graduanda do curso de Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga FTGA. beatrizmoreiradiniz@hotmail.com
2

Professor do curso de Fisioterapia da Faculdade de Taquaritinga FTGA, Fisioterapeuta – Fisioclinica S/S LTDA,
3

Fisioterapeuta concursado e responsável na Unidade Básica de Saúde em Cândido Rodrigues. Especialização em Fisioterapia
P á g i n a | 36
ortopédica e Traumatológica, especialização em R.P.G, mestrado em Engenharia de Produção.
P á g i n a | 37

Introdução
O termo fibromialgia foi criado para expor várias condições desta síndrome. “Fibro”
é derivado do latim, e significa ligamentos, tendões, tecido fibroso. O radical “mio”, que vem
do grego, significa tecido muscular. Ainda do grego, “algos” significa dor e “ia” uma
condição. Portanto, fibromialgia significa uma condição dolorosa originada nosmúsculos,
ligamentos e tendões (PRANDO, M.A.; ROGATTO, G.P,2008).
A Fibromialgia é uma síndrome reumática não inflamatória, de causas
desconhecidas, que atinge na maioria dos casos a população feminina, caracterizada por dor
musculoesquelética, difusa e crônica, além da presença de tender points, que são na verdade,
múltiplos pontos anatômicos dolorosos a palpação. Também são associados a esta patologia
diversos sintomas, como fadiga e rigidez matinal, distúrbios do sono, problemas
gastrointestinais e psicológicos (MARQUES, 2002; CHIARELLO,2005).
As dores costumam aumentar após a realização de atividade física, ou quando ocorre
exposição ao frio e à umidade (HEYMANN et al., 2010).
O nível de dor se torna tão intenso, que interfere nas atividades de vida diária, no
trabalho e na qualidade de vida dos pacientes portadores (ASSUMPÇÃO et al., 2002).
Fatores sociais, familiares, emocionais, aliados a uma característica de maior
resposta aos estímulos dolorosos, o baixo nível de condicionamento cardiovascular e
desempenho muscular são possíveis hipóteses para o surgimento desta patologia. (RIBERTO
M, PATO TR,2004).
Por conta de sua etiologia desconhecida, na fibromialgia a terapia permanece voltada
às manifestações clínicas, através de bases farmacológicas e não farmacológicas. Os
tratamentos tem como objetivo o controle da dor, a melhora da qualidade do sono, os
cuidados com o equilíbrio emocional, a melhora do condicionamento físico e da fadiga e o
tratamento específico de desordens associadas (PROVENZA, 2004).
A fisioterapia atua no sentido de amenizar os sintomas, controlando a dor e
realizando a manutenção das habilidades funcionais dos pacientes. Além disso, outra meta da
fisioterapia deve ser o papel educativo, para que os ganhos obtidos no tratamento possam
permanecer em longo prazo e os pacientes consigam se tornar menos dependentes dos
cuidados de saúde. Incentivam-se estilos de vida mais participativos e funcionais que tornem
melhores tanto a parte física quanto a parte emocional do paciente (MARQUES et al,2002).
P á g i n a | 38

O diagnóstico da fibromialgia é exclusivamente clínico, devendo ser feito através de


uma boa anamnese e um exame físico preciso. Exames complementares possuem papel de
excluir outras doenças com o quadro clínico parecido da fibromialgia. (SCOTTON, 2000)

Síndrome da Fibromialgia
Inicialmente a fibromialgia recebeu outras nomenclaturas, como fibrosite,
fibromiosite, miofasceíte e reumatismo muscular. Preferiu-se o termo fibromialgia, pois o
processo inflamatório não é característico nesta doença. Utilizava-se como nomenclatura
fibromialgia primária, quando não havia outro distúrbio encontrado como causa da doença e
fibromialgia secundária quando era desencadeadapor determinadas patologias, reumáticas ou
não, como osteoartrose, lúpus e outras doenças do tecido conjuntivo, traumas, doenças
endócrinas, infecções ou doenças malignas. (CHIARELLO, 2005)
Por muitos anos a fibromialgia não foi aceita como uma doença distinta.
Conceituava-se em alguns momentos como distúrbio psicológico em outros como síndrome
dolorosa regional. Mostrando que para cada observador a doença tinha uma definição
diferente. (HAUN, 1999)
A fibromialgia manifesta-se predominantemente no público feminino em faixa etária
produtiva, no entanto, crianças, adolescentes e idosos também podem ser acometidos (SILVA
et al, 2005).
A incidência da fibromialgia na população adulta é em torno de 1%. Nos homens a
prevalência é de 0,5%, enquanto 2% das mulheres apresentam seus sintomas - cerca de 80%
dos casos são mulheres entre 35 e 55 anos, idade de plena atividade física, profissional e
social (MARTINEZ, 2006). Sua prevalência é alta e no Brasil é estimada em 2,5% (SENNA
et al,2004).
Nos ambulatórios de ortopedia as queixas de dores musculoesqueléticas representam
26% dos novos casos atendidos, onde 55 a 88% apresentam os sintomas da fibromialgia
(SILVA,1997).
Dentre as principais hipóteses que tentam explicar a fisiopatologia da fibromialgia
estão: os distúrbios do processamento da dor; as disfunções neuroendócrinas; as alterações
imunológicas e as causas psicoemocionais. Contudo, as alterações em apenas um desses
fatores, não explicaria a quantidade de diferentes sintomas presentes na fibromialgia. Desse
modo, acredita-se que a manifestação e evolução dessa doença são dependentes da interação
entre os múltiplos fatores mencionados (CARVALHO et al, 2008).
P á g i n a | 39

Diagnóstico
Desde 1990 foi adotado como padrão pela comunidade científica internacional
especializada, o diagnóstico de fibromialgia, que exige pelo menos três meses consecutivos de
dor crônica e difusa e também à palpação, com cerca de 4 kg de pressão pela ponta do dedo,
nos „tender points‟ pré-definidos (FERREIRA, MARINO, CAVENAGHI, 2011).
O diagnóstico da fibromialgia é puramente clínico, baseado nos sintomas
apresentados e na pesquisa de 18 pontos específicos („tender points’), quando pelo menos 11
devem ser dolorosos na palpação, segundo critérios do Colégio Americano de Reumatologia
(LESLIE, 2010).
São eles:
- Inserção dos músculosoccipitais
- Coluna cervical baixa(C5-C6)
- Músculotrapézio
- Borda medial da espinha daescápula
- Quadrantes externos superiores dasnádegas
- Proeminências dos trocânteres maiores dofêmur
- Segunda junçãocostocondral
- Epicôndilo lateral docotovelo
- Coxim adiposo medial do joelho (junto ao tendão da pata de ganso)
(WEIDEBACH,2002)
Entre os questionários de avaliação de pacientes com Fibromialgia durante a
anamnese, destacam-se os Critérios de Avaliação da Fibromialgia do ACR (American College
of Rheumatology), o Questionário de Impacto da Fibromialgia (FIQ), o Questionário de
Qualidade de Vida SF-36, Escala de Depressão de Beck (DBI), Escala de Ansiedade Traço-
Estado, Escala Analógica Visual de Dor (EAV) e Questionário de Dor de McGill, por
fornecerem informações clínicas relevantes e serem de fácil aplicação ao paciente e baixo
custo (SANTOS LC; KRUEL LF, 2009).
O Questionário de Impacto da Fibromialgia (FIQ) é um método de graduação
utilizado com a finalidade de pesquisa quanto para o acompanhamento da doença. É
composto por 19 questões, que avaliam capacidade funcional, status de trabalho, distúrbios
psicológicos, sintomas físicos e dolorosos. Quanto maior o impacto da doença, maior será o
escore encontrado no final da avaliação (MARQUES et al,2006).
P á g i n a | 40

O Questionário de Vida SF-36 é composto de 36 itens de auto-resposta (com


finalidade de avaliar conceitos de saúde referentes à funcionalidade e ao bem-estar de cada
um), subdivididos em oito dimensões, cada um com a sua própria característica
(ABRUNHEIRO, 2005).
A Escala de depressão de Back (BDI) é um instrumento que avalia a depressão em
pacientes com doenças crônicas.Os indivíduos com dores crônicas têm alta incidência de de-
pressão, e sua avaliação torna-se de grande importância para o sucesso do tratamento destes
pacientes (HARRIS, D‟EON; 2005).
A Escala de Ansiedade Traço-Estado é utilizada para verificar o traço de ansiedade
dos pacientes com fibromialgia. Este instrumento é constituído de 40 afirmações, divididas
em duas sub-escalas. A primeira avalia a ansiedade- estado (20 questões) e refere-se a um
estado emocional temporário caracterizado por sentimentos pessoais de tensão que podem
variar em intensidade ao longo do tempo. Já a segunda sub-escala avalia a ansiedade-traço (20
questões) e refere-se a uma disposição pessoal, relativamente estável, a responder com
ansiedade a situações estressantes e uma tendência de perceber um maior número de situações
como ameaçadoras (SANTOS et al,2011).
A Escala Visual Analógica (EVA), deve ser mantido o contato visual do paciente
com a escala e ele deve ser capaz de mostrar ao examinador em que grau sua dor está. Pode
ser uma régua numérica com dez centímetros, dividida em dez espaços iguais, sendo
apresentada de forma simples, ou pode possuir um apelo visual com cores, mas é importante
que o paciente entenda que uma extremidade indica "sem dor" e que a outra indica "dor
máxima" (FORTUNATO,2013).
O Questionário de Dor McGill, é umalista com 78 descritores organizados em quatro
grupos e 20 subgrupos (componentes da dor sensorial-discriminativa, afetiva-motivacional e
avaliativa) e apresenta importantes pontos de avaliação da dor presente (SANTOS et al,
2006).
Exames laboratoriais de rotina e de imagem são, em geral, normais, servindo apenas
para exclusão de outras patologias. Os estudos mostram que em portadores de fibromialgia
estes exames estão alterados na mesma proporção da população saudável (SCOTTON;
FRAGA, 2000).
O diagnóstico deve ser confirmado logo no início do tratamento, para que assim
possam ser esclarecidos ao paciente os sintomas que fazem parte da doença e os que não
fazem. A orientação ao paciente é muito importante para o controle ideal da fibromialgia.
Como parte inicial do tratamento, devem ser fornecidos aos pacientes informações básicas
P á g i n a | 41

referentesa doença e suas opções de tratamento, orientando-os sobre controle da dor e


programas de autocontrole (BUCKHARDT et al, 2008).

Possíveis tratamentos
Entende-se que o tratamento dessa síndrome deve ser totalmente individualizado e
realizado por uma equipe multidisciplinar, contando com a participação do paciente e
baseando-se na combinação de tratamentos farmacológicos e não farmacológicos para uma
melhor qualidade do tratamento (MICHALSEN et al., 2013).
Para o tratamento dos indivíduos com fibromialgia, as intervenções escolhidas vão
depender da extensão e da gravidade dos sintomas, bem como da motivação, participação e
dos fatores psicossociais de cada indivíduo (Mannerkorpi & Iversen, 2003).
Para redução dos sintomas da fibromialgia podem ser utilizados alguns tratamentos
como:
- Hidrocinesioterapia:
Essa terapia não farmacológica é utilizada em aproximadamente 75% dos pacientes
com fibromialgia(LANGHORST et al, 2009).
Os exercícios realizados na água são leves e realizados de acordo com o nível de dor
do paciente. A sessão deve possuir duração de uma hora e ocorrer ao menos três vezes na
semana. Sendo feitos exercícios de alongamento global, fortalecimento muscular de membros
superiores e inferiores e relaxamento (KAWAKAMI et al, 2014).
As propriedades físicas da água provocam efeitos no corpo, tais como a densidade
relativa, que diminui o impacto dos exercícios sobre as articulações; pressão hidrostática que
gera uma pressão sobre todos os sistemas corpóreos, como por exemplo, cardiovascular,
fazendo com que o sangue circule melhor; flutuação ou empuxo promove diminuição do peso
corporal facilitando os movimentos de maior amplitude; viscosidade proporciona resistência
aos exercícios, contribuindo para fortalecimento muscular; a temperatura, que gira em torno
de 33º a 35º, resultando em relaxamento muscular adequado, melhorando assim o sono
(BASTOS; OLIVEIRA,2003).
A imersão na água permite movimentos lentos, com menor impacto no quadro
doloroso, tornando o tratamento mais agradável. O tratamento realizado em grupo auxilia no
combate à ansiedade e depressão, pois permite aos pacientes socializar, compartilhando dos
mesmos problemas e dificuldades (SEBBEN; WIBELINGER, 2014).
P á g i n a | 42

- Alongamentos:
Exercícios de alongamento são aqueles exercícios de flexibilidade realizados a fim
de aumentar a amplitude de movimento de uma ou várias articulações, já que pacientes
fibromiálgicos apresentam, na maioria das vezes, limitação na amplitude de movimento
(ROUTI et al,2000).
Esse ganho de comprimento muscular proporciona aumento da amplitude e liberdade
de movimento. Para desempenhar a maioria das tarefas cotidianas funcionais, assim como
atividades recreativas e ocupacionais, uma amplitude de movimento sem restrições previne a
dor, sendo importante para os pacientes com fibromialgia (ROSARIO et al, 2004)
Os alongamentos se mostram positivos, pois os pacientes que desenvolvem uma
postura antálgica tenderão a apresentar contraturas musculares e alterações posturais. Este
tratamento estaria atuando de forma a corrigir encurtamentos musculares, de tecido conectivo
e pele, uma vez que promove um deslizamento dos miofilamentos por meio de um
tensionamento passivo do músculo (BIENFAIT, 1999).
Estudos revelam que exercícios cinesioterapêuticos minimizam a dor, a fadiga e a
tensão muscular, melhorando níveis de depressão, ansiedade e estresse nos indivíduos
portadores de fibromialgia, quando executados de maneira regular e supervisionada (JONES;
LIPTAN, 2009).
- Eletrotermofototerapia:
O tratamento por meio da eletrotermofototerapia é utilizado como parte do programa
global de reabilitação, principalmente para alívio da dor (GÜR, 2006).
A TENS (estimulação elétrica nervosa transcutânea) é capaz de amenizar a dor em
pacientes com fibromialgia, trazendo como benefícios a vitalidade e melhora da saúde mental
de pacientes portadores (SILVA et al, 2008).
A TENS é muito utilizada em pacientes com fibromialgia como um recurso de
analgesia local, diminuindo a rigidez pela melhora da condição dolorosa, melhorando o
desempenho nas atividades de vida diária (GUSTAFSSON et al, 2002).
Outros recursos eletrotermofototerapêuticos como o ultrassom, o laser e o ondas
curtas têm sido usados como auxílio no tratamento da fibromialgia, nas clínicas de
fisioterapia. Entretanto, são necessários mais estudos, com o objetivo de se estabelecer a dose
ideal e de se compreender melhor os efeitos benefícios, efeitos fisiológicos, além dos efeitos
adversos vindos da utilização desses recursos (FERREIRA et al,2011).
P á g i n a | 43
- Acupuntura:
Acupuntura é a inserção de agulhas com finalidades terapêuticas em pontos
específicos do corpo, os acupontos, que também podem ser estimulados com calor, pressão,
ultrassom, eletricidade e laser (MACIOCIA, 2007).
Seus efeitos neurobiológicos, que interferem sobre os neurotransmissores
relacionados à depressão e à dor, qualificam a técnica como adequada para o tratamento da
dor crônica (SANCHEZ et al,2004).
Alguns estudos demonstram que a acupuntura estimula a liberação de endorfinas e
encefalinas, o que leva a uma resposta moduladora da dor, resultando em seu alívio
(FARGAS-BARBJAK et al, 1992).
Uma desvantagem da acupuntura é que só foram demonstrados efeitos sobre as dores
encontradas em fibromiálgicos, já em relação aos demais sintomas existem poucas evidências
disponíveis (TERRY et al., 2012).

- Terapia Manual:
A massagem terapêutica é uma técnica muito utilizada pelos pacientes com
fibromialgia, estudos realizados afirmam que quando associada a TENS, traz efeitos benéficos
na redução de alguns sintomas. Os principais benefícios são: o relaxamento, a melhora da dor,
a melhora no sono, bem estar geral, entretanto, tais benefícios parecem não perdurar por
longos períodos (TERRY et al., 2012).
Massagem é uma técnica terapêutica que requer a aplicação de sequências de
golpeamentos e técnicas de manipulação de tecidos (CASSAR, 2001).
A liberação miofascial, as terapias craniossacrais e a terapia dos pontos-gatilhos, são
exemplos de técnicas especializadas para ajudar no alívio da dor na fibromialgia.
As auto-massagens são um procedimento simples que os pacientes podem aprender
facilmente a realizar, nos próprios músculos para tentar proporcionar redução da dor e
relaxamento (CHAITOW,2002).
Os principais efeitos das terapias manuais são:aumento do fluxo sanguíneo
(mecânico),aumento da circulação linfática (mecânico), alívio da dor (fisiológico), remoção
dos produtos do catabolismo e metabolismo (fisiológico), facilitação da atividade muscular
(fisiológico), alívio da ansiedade e tensão (psicológico),relaxamento (psicológico),e sensação
de bem-estar (DE DOMENICO, 2008).
P á g i n a | 44

Conclusão
Por meio deste estudo, pode-se concluir que a Fibromialgia é uma doença reumática
não inflamatória, de causas ainda desconhecidas, que atinge na maioria dos casos a população
feminina, tendo como principal característica a dor musculoesquelética difusa e crônica, com
diversos pontos dolorosos à palpação espalhados por áreas do corpo, estes que recebem o
nome de “tender points”.
Estudos mostram que os episódios de dor tornam-se mais intensos após a prática de
exercícios físicos, exposição ao frio e umidade, fadiga e estresse, fazendo com que o
individuo tenha dificuldade na prática de suas atividades de vida diária e uma má qualidade de
vida. O diagnóstico desta patologia, é basicamente clínico e pode ser feito por meio de
anamnese e questionários próprios que devem ser respondidos pelo paciente, são de fácil
aplicabilidade, e avaliam as capacidades funcionais, status de trabalho, distúrbios
psicológicos, sintomas físicos e dolorosos do individuo, nestes casos, a solicitação de exames
complementares tem como função descartar outras patologias com quadro de sintomas
parecidos.
Por se tratar de uma doença de etiologia desconhecida, ainda não existe cura para
Fibromialgia, concluindo-se assim, que o objetivo principal dos tratamentos fisioterapêuticos
em indivíduos fibromiálgicos é o controle dos seus sintomas para que assim possa ser possível
uma melhor qualidade de vida e um retorno às atividades de vida diárias, sendo importante
também, o fisioterapeuta educar este paciente de forma que os ganhos obtidos através dos
tratamentos possam ser de longo prazo.
Os possíveis tratamentos fisioterapêuticos são prescritos levando em consideração a
gravidade dos sintomas de cada indivíduo, sendo os tratamentos mais encontrados nas
bibliografias pesquisadas intervenções como hidrocinesioterapia, alongamentos globais,
eletroterapia, acupuntura e terapias manuais, estas que tem por objetivo minimizar a dor, a
fadiga, melhorando os níveis de estresse, ansiedade e depressão dos portadores de
fibromialgia.
P á g i n a | 45

Referências

ANTÔNIO, S.F. - Fibromialgia. Revista Brasileira de Medicina., 58:215-24, 2001.

AZEVEDO VF, PAIVA ES, FAVRETTO LG, MACHADO DM, FELIPPE LRH, FERRAZ
JB, SOARES WA. FIQ Score em pacientes fibromiálgicos com e sem espondilite
anquilosante: análise comparativa. Rev. Med. Res. 2011; 13 (3): 000-000.

BARBOSA, AM; NETO, Guilherme AM; VALE, Leidyanne A.; PIRETT, Vanilda M.
Acupuntura no tratamento da fibromialgia: uma revisão de literatura. Revista
Movimenta ISSN: 1984-4298 Vol 6 N 2 (2013)

BATISTA JS, BORGES AM, WIBELINGER LM. Tratamento fisioterapêutico na


síndrome da dor miofascial e fibromialgia. Rev Dor. São Paulo, 2012 abr-jun;13(2):170-4

BATISTA T, ALFAIATE V, GOMES VSM, ALVES S. Os efeitos da hidroterapia na


fibromialgia – revisão de literatura. Salutis Scientia- Revista de Ciências de Saúde da
ESSCVP. Vol.3 Março/2014

Buckhardt CS, Goldenberg D, Crofford L, Gerwin R, Gowans S, Kugel P et al. Guideline for
the management of fibromyalgia syndrome pain in adults and children. APS Clinical
Practice Guidelines Series, No 4. Glenview, IL: American Pain Society; 2005.

CAMARGO, RS, MOSER ADL, BASTOS LC. Abordagem dos métodos avaliativos em
fibromialgia e dor crônica aplicada à tecnologia da informação: revisão da literatura em
periódicos, entre 1998 e 2008. Rev Bras Reumatol 2009;49(4):431-46

CHAITOW, LEON E COLS. Síndrome da Fibromialgia - Um guia para o tratamento.


Ed.Manole, 2002

CHIARELLO, B; DRIUSSO, P; RADL, AL. M. . REVISÃO DAS DIVERSAS


MODALIDADES FISIOTERAPÊUTICAS APLICADAS NO TRATAMENTO DA
FIBROMIALGIA. Fisioterapia Reumatológica. 1aed. Sao Paulo: Manole,2005

CHIARELLO, Berenice; DRIUSSO, Patricia; RADL, Andre L. M.: Fisioterapia


Reumatolgica. 1aed. Sao Paulo: Manole,2005

COSTA, José Geraldo C; FELÍCIO, Diogo Carvalho; SABINO, George S. ETIOLOGIA E


TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DA FIBROMIALGIA: UMA REVISÃO DE
LITERATURA disponível em <blog.newtonpaiva.br/pos/wp-content/uploads/.../E4-FI-
20.pdf > acesso em 19/08/2016

FARIA, P. C.; SILVA, L. R. T. da; FONSECA, A. C. S.; SILVA, R. V.; MEIRELES, C.;
PERNAMBUCO, A. P. Fibromialgia: diagnóstico, fisiopatologia e tratamentos. Conexão
ci.: r. cient. UNIFOR-MG, Formiga, v. 9, n. 1, p. 01-19, jan./jun. 2014

FERNANDES, IIB; VASCONCELOS KC; SILVA, LLL. A análise da qualidade de vida


segundo o questionário SF-36 nos funcionários da gerência de assistência nutricional
(GAN) da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. Belém , 2009. 76 f.
P á g i n a | 46

FERREIRA G, MARTINHO UG, TAVARES M.C.F.C.F. Fibromialgia e atividade física:


reflexão a partir de uma revisão bibliográfica. SALUSVITA, Bauru, v. 33, n. 3, p. 433-446,
2014.

FERREIRA, Karollini Birelo. Abordagem da hidroterapia no tratamento da fibromialgia


Revista PIBIC, Osasco, v. 3, n. 2, 2006, p. 39-47.

FIBROMIALGIA e os principais tratamentos .Disponível em


http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/32/101_-
_Fibromialgia_e_os_principais_tratamentos_fisioterapYuticos_RevisYo_BibliogrYfica.pdf>
Acessado em 21 de abr. de 2016.

FIBROMIALGIA. Disponível em:


<http://www2.unifesp.br/grupos/fibromialgia/pdf/A.fisioterapia.como.tratatamento.da.SFM%
5B1%5D.pdf> Acessado em 22 de abr. de 2016.

FISIOTERAPIA na fibromialgia. Disponível em :


<http://file:///C:/Users/Usu%C3%A1rio/Documents/TCC%20%201/174_-
_A_AtuaYYo_FisioterapYutica_na_Fibromialgia.pdf> Acessado em 22 de abr. 2016.

FORTUNATO JGS, FURTADOMS, HIRABAE LFA, OLIVEIRA JA. Escalas de dor no


paciente crítico: uma revisão integrativa. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto.
2013;12(3):110-11

Gustafsson M, Ekholm J, Broman L. Effects of a multiprofissional rehabilitation program


for patients with fibromyalgia syndrome. J Rehabil Med. 2002;34:119-27

HARRIS CA, D‟EON JL. Psychometric properties of the Beck Depression Inventoy-
Second Edition (BDI-II) in individuals with chronic pain. Pain 2008;137(3):609-22.

HAUN, Marcia V. A. et al.: Validacao dos criterios do Colegio Americano de


Reumatologia (1990) para classificacao da fibromialgia, em uma população brasileira.
Revista Brasileira de Reumatologia, v.39, 1999, p 221-230.

Heymann R, Paiva ES, Helfenstein M Jr, Pollak DF, Martinez JE, Provenza JR, et al.
Consenso brasileiro do tratamento da fibromialgia. Rev Bras Reumatol. 2010;50(1):56–
66.

Jentoft ES, Kvalvik AG, Mengshoel AM: Effects of pool-based and land-based aerobic
exercise on women with fibromyalgia / chronic widespread muscle pain. ArthritisCare
Res 2001;

Jorge, MSG; Myra, Rafaela Simon; Schnornberger, Caroline de Macedo; Ranzi, Claúdia;
Wibelinger, Lia Mara. HIDROCINESIOTERAPIA NA DOR E NA QUALIDADE DE
VIDA EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE FIBROMIALGIA. REVISTAINSPIRAR
Edição 37 - Vol. 8 - Número1 - JAN/FEV/MAR - 2016
P á g i n a | 47
KAWAKAMI, Débora Mayumi; LADVIG, Raíssa; SAKO, Lisiane Yuri; MASSELI, Maria
Rita. ANÁLISE DA CONDIÇÃO FÍSICA DE PACIENTES COM FIBROMIALGIA
EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO. Colloquium Vitae, vol. 6, n. Especial, Jul–
Dez, 2014, p. 84-90. ISSN: 1984-6436. DOI: 10.5747/cv.2014.v06.nesp.000239

LISBOA, Lilian Lira, et al. "Efeito da cinesioterapia na qualidade de vida, função sexual e
sintomas climatéricos em mulheres com fibromialgia."Revista Brasileira de
Reumatologia 55.3 (2015): 209-215.

Lorena, Suélem Barros de; Lima, Maria do Carmo Correia de; Aline Ranzolin, Aline; Duarte,
Ângela Luiza BP. Efeitos dos exercícios de alongamento muscular no tratamento da
fibromialgia: uma revisão sistemática. Rev. Bras Reumatol. 2015;55(2):167–173

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho


científico. São Paulo: Editora Atlas, 1992. 4a ed. p.43 e 44.

MARQUES, Amélia Pasqual; ASSUMPÇÃO, Ana; SOUSA, Adriana de; MATSUTANI,


Luciana Akemi; LAGE, Lais Verderame. Exercícios de alongamento ativo em pacientes
com fibromialgia: efeito nos sintomas e na qualidade de vida. Revista Fisioterapia e
Pesquisa 2007; 14( 3): 18-24
Martinez JE, Atra E, Ferraz MB, et al. Fibromialgia: aspectos clínicos e socioeconômicos.
Rev Bras Reumatol 1992;32(5):225-30.

Martinez JE, Fujisawa RM, Carvalho TC, Gianini RJ. Correlação entre a contagem dos
pontos dolorosos na fibromialgia com a intensidade dos sintomas e seu impacto na
qualidade de vida. Rev Bras Reumatol. 2009

MARTINEZ JE, PAIVA ES, REZENDE MC, HEYMANN RE, HELFESTEIN M.,
RANZOLIN A, PROVENZA JR, RIBEIRO LS, SOUZA EJR, FELDMAN DP, ASSIS MR.
EpiFibro (Registro Brasileiro de Fibromialgia): dados sobre a classificação do ACR e
preenchimento dos critérios diagnósticos preliminares e avaliação de seguimento. Rev.
Bras. Reumatol. Vol.53 no.5 São Paulo Set/Out.2013

MOSMANN, Alice; ANTUNES, Carla; OLIVEIRA, Danesa; NEVES, Caren Lara M.


Atuação fisioterapêutica na qualidade de vida do paciente fibromiálgico. Scientia
Medica, Porto Alegre: PUCRS, v. 16, n. 4, out./dez. 2006

Riberto M, Pato TR. Fisiopatologia da fibromialgia. Acta Fisiatr 2004;11(2):78-81.

RICCI, Natalia A.; DIAS, Carolina N.K; DRIUSSO, Patrícia. A utilização dos recursos
eletrotermofototerapêuticos no tratamento da síndrome da fibromialgia: uma revisão
sistemática. Ver. Bras. Fisioterap, São Carlos, v.14, n.1, p.1-9, Jan/Fev.2010

SANTOS CC, PEREIRA LSM, RESENDE MA, MAGNO F, AGUIAR V. Aplicação da


versão brasileira do questionário de dor Mcgill em idosos com dor crônica. ACTA
FISIATR 2006; 13(2): 75-82
P á g i n a | 48
SANTOS EB, QUINTANS Jr. LJ, FRAGA BP, MACIEIRAJC, BONJARDIM LR .
Avaliação dos sintomas de ansiedade e depressão em fibromiálgicos. Rev Esc Enferm
USP 2012; 46(3):590-6.

Santos LC, Kruel LF. Síndrome de fibromialgia: fisiopatologia, instrumentos de avaliação


e efeitos do exercício. Motriz Rev Educ Fís. 2009;15(2):436-48

Scotton AS, Fraga RO. Fibromialgia. Revista Brasileira de Medicina 2000, 57, edição
especial: 45-50.

Silva, EL; MENEZES EM. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Rev.


atual. 4. ed. – Florianópolis: UFSC, 2005. 138p.
SILVA, Mariele da; SILVA, Mayara Pires da. OS BENEFÍCIOS DA MASSOTERAPIA
NO TRATAMENTO DE PACIENTE COM FIBROMIALGIA – UM ESTUDO DE
CASO. Revista Eletrônica “Saúde CESUC” – Nº 01 – Ano de 2010

Síndrome da fibromialgia. Disponível em: <http://tcconline.utp.br/wp-


content/uploads/2012/09/REVISAO-BIBLIOGRAFICA-SOBRE-SINDROME-DA-
FIBROMIALGIA.pdf> Acessado em 22 de abr. 2016

Stival RSM, Cavalheiro PR, Stasiak C, Galdino DT, Hoekstra BE, Schafranski MD.
Acupuntura na fibromialgia: um estudo randomizado-controlado abordando a resposta
imediata da dor. Rev. Bras. Reumatol. 2014, vol.54, n.6, pp.431-436. ISSN 0482-5004

TEIXEIRA, MJ. Assistência ao doente com dor. Rev Med 1998;1:105-9.

TRATAMENTO dor crônica . Disponível em


:<http://tratamentodorcronica.com.br/fibromialgia/> Acessado em 22 de abr.de 2016.

Wibelinger , Lia Mara; Borges, AM; Doring, A.C.O; Fozza, Fraciele C; Pasini, MC; Zancan,
Mariana. Efeitos da hidrocinesioterapia como recurso terapêutico na fibromialgia.
EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Ano 17, Nº 172, Setembro de 2012.

Wilhelm, Joyce; Santos, Reni Volmir. Benefícios da Hidrocinesioterapia na fibromialgia.


FisiSenectus Unochapecó Ano 1 - Edição especial – 2013 p. 96-103

Wolfe F, Aarflot T, Bruusgaard D, et al. Fibromyalgia and disability. Report of the Moss
International Working Group on medico-legal aspects of chronic widespread
musculoskeletal pain complaints and fibromyalgia. Scan J Rheumatol 1995;24(2):112-8.

Wolfe F, Smythe HA, Yunus MB, et al. The american college of reumatology criteria for
the classification of fibromyalgia. Report of the multicenter criteria committee. Arthritis
Rheum 1990;33(2):160-72.

WOLFE, Frederick et al. Criteria for the classification of fibromialgia: report of the
multicenter criteria commitee. Arthritis Rheumatology, v.33, p.160-172, 1990.

ZANINI, Barbara. REVISÃO DAS DIVERSAS MODALIDADES ISIOTERAPÊUTICAS


APLICADAS NO TRATAMENTO DA FIOBROMIALGIA.2014/Fevereiro. p.72. Monografia do
curso de Fisioterapia - Unioeste
P á g i n a | 49
Atuação da Fisioterapia no Tratamento da Dor Oncológica

Camila Gabriela Rodrigues1

Francieli Marly da Silva2

Mirlaine Rodrigues Martuchelli Checarone3

Gustavo Naxara Oscko4

RESUMO
O câncer é um processo patológico que começa quando uma célula anormal é
transformada por mutação genética do DNA celular. Essa célula anormal forma um
clone e começa a se proliferar de maneira anormal, ignorando os sinais de regulação do
crescimento no ambiente que circunda a célula. As células adquirem características
invasivas, e as alterações têm lugar nos tecidos circunvizinhos. Assim, o câncer não é
uma doença única com uma causa única e sim um grupo de doenças distintas com
diferentes causas, manifestações, tratamentos e prognósticos. A dor é um sintoma muito
comum que acomete de 60 a 80% dos pacientes com esta doença, sendo um fenômeno
individual, complexo e multifatorial. Para sua avaliação é preciso considerar os aspectos
físicos, emocionais, sociais e espirituais, uma vez que a sensação de dor de cada
indivíduo é muito subjetiva. O cuidado paliativo é um conjunto de atos
multidisciplinares que têm por objetivo efetuar o controle da dor e dos sintomas do
corpo, da mente, do espírito e do social que afligem o homem. O foco da atuação da
fisioterapia varia de acordo com a funcionalidade do paciente. A fisioterapia detém
métodos e recursos exclusivos que são imensamente úteis aos cuidados paliativos, e sua
atuação é significante para melhora dos sintomas e da qualidade de vida do paciente
oncológico.

Palavras- Chave: Fisioterapia. Oncologia. Cuidados Paliativos.

1Aluna do curso de Fisioterapia da Faculdade de Taquaritinga- FTGA. camila-


gabrielarodrigues@hotmail.com
2 Aluna do curso de Fisioterapia da Faculdade de Taquaritinga- FTGA. franfisio16@bol.com.br
3 Aluna do curso de Fisioterapia da Faculdade de Taquaritinga- FTGA. myllamartuchellyr@hotmail.com

4 Profº Me. Faculdade de Taquaritinga - FGTA. osckogu@gmail.com


P á g i n a | 50

ABSTRACT

Cancer is a disease process that starts when an abnormal cell is transformed by genetic
mutation in the cellular DNA. This abnormal cell forms a clone and begins to proliferate
abnormally, ignoring the growth regulation signals in the environment surrounding the
cell. The cells acquire invasive characteristics, and changes take place in the
surrounding tissues. So, cancer is not a single disease with a single cause but a group of
different diseases with different causes, manifestations, treatment and prognosis. Pain is
a common symptom that affects 60-80% of patients with this disease, being an
individual, complex and multifactorial. To review must consider the physical,
emotional, social and spiritual aspects, since the feeling of each individual pain is very
subjective. Palliative care is a set of multidisciplinary actions that aim to make the
control of pain and symptoms of body, mind, spirit and social afflicting man. The focus
of the role of physiotherapy varies according to the patient's functionality. Physical
therapy holds methods and unique features that are immensely helpful to palliative care,
and its performance is significant for improvement of symptoms and quality of life of
cancerpatients.

Key-words: Physical Therapy. Oncology. Palliative care.


P á g i n a | 51

INTRODUÇÃO

O termo neoplasia significa “novo crescimento”, porém câncer é o termo mais


comum a ser utilizado para tumores. Embora “tumor” derive de tumefação, que é
causada pela inflamação, atualmente o termo “tumor” pode ser utilizado como sinônimo
de câncer. (MARQUES; SILVA; AMARAL, 2011, p. 29).
Embora o Câncer afete a todos os grupos etários a maioria deles ocorre em
pessoas com mais de 65 anos. Sua incidência cresce anualmente em todo mundo, sendo
que, no Brasil, constitui a segunda maior causa de morte por doenças incidindo mais
nos homens, bem como em regiões e países industrializados. (SMELTZER; BARE,
2005, p. 336)
De todos os sintomas que um paciente com câncer apresenta, a dor é o mais
temido, constituindo o fator mais determinante de sofrimento relacionado a doença
mesmo quando comparado á expectativa de morte(RANGEL; TELLES,2012, p. 32)
A Sociedade Internacional para o Estudo da Dor define dor como uma experiência
emocional e sensorial desagradável, onde é descrita em termos de lesões reais ou
potenciais e teciduais. A dor é bastante pessoal e cada pessoa aprende a utilizar este
termo a partir de suas experiências prévias. (SAMPAIO; MOURA; RESENDE, 2005, p.
340).
Quando não há mais possibilidades de cura para esta doença de caráter muitas
vezes crônico e degenerativo, o tratamento é frequentemente direcionado aos cuidados
paliativos da dor. Segundo Silva e Sudigurky (2008), buscam a promoção da
humanização no fim da vida através dos cuidados paliativos, proporcione a morte com
dignidade, respeito à vida humana.
A Fisioterapia tem uma atuação importante e benéfica neste tratamento paliativo
e humanizado uma vez que dispõe de variadas técnicas que têm como objetivo prevenir
e aliviar a dor e os demais sintomas psicofísicos ocasionados pela fadiga. Com isso, é
possível otimizar também a independência funcional do paciente para que passem
menos tempo hospitalizados e mais tempo com a família e amigos. (COSTA,
AUGUSTO,2008).
P á g i n a | 52

DENIFIÇÃO DE CÂNCER

Os termos, neoplasia, CA ou câncer são utilizados para designar uma condição de


crescimento e desenvolvimento celular anormal. Médicos mais antigos observavam nas
biópsias dos tumores que eles eram semelhantes a um caranguejo por causa das
extensões de suas patas e por invasões dos tecidos vizinhos, onde se mantém agarrados.
(MARQUES; SILVA; AMARAL, 2011, p. 29).
O câncer é célula transformada por mutação genética do DNA celular. Essa
célula anormal começa a se proliferar, no ambiente que circunda. Os tecidos
circunvizinhos adquirem células características invasivas, que se infiltram nesses
tecidos, vasos sanguíneos e linfáticos que as transportam para outras áreas do corpo. É
chamado de metástase (câncer disseminado para outras partes do corpo). (SMELTZER;
BARE, 2005, p. 336 e 337).
As características de crescimento das células cancerígenas benignas ou malignas se
diferem em tamanho, velocidade, capacidade de metastizar e de destruição tissular.
(SMELTZER; BARE, 2005, p.337).

FISIOTERAPIA PRÉ E PÓS - OPERATÓRIA

O tratamento deve ser individualizado baseando-se na doença, no estado físico,


emocional do paciente, orientando sobre o processo do tratamento, evolução, avaliação,
exame físico, por meio de uma linguagem simples, para que o paciente entenda o que
será realizado. Essas informações que são passadas para o paciente contribuem para a
melhora do reconhecimento do seu próprio corpo, diminui a ansiedade, estimula o
paciente a ser mais colaborativo durante o tratamento. (FARIA, 2010).
A avaliação pré-operatória oferece uma reabilitação mais adequada. Ao realizar a
anamnese deve conter exames físicos, antecedentes pessoais e atividades de vida diária.
(AMARAL et al.,2011).
O exame físico deve verificar Pressão Arterial (PA); Frequência Respiratória
(FR); Frequência Cardíaca (FC); Força Muscular (FM); Alteração Postural;
Sensibilidade Tátil e Dolorosa, Mensurar a Circunferência dos Membros. (AMARAL et
al.,2011, p. 75).
Periodicamente é avaliada a função respiratória, se há presença de pneumonia ou
embolia pulmonar, função circulatória, se há presença de trombos, edema nos membros,
P á g i n a | 53
funções intestinais e urinárias, se a infecção na ferida cirúrgica, dor, atentar sobre os
aspectos cicatriciais. Após a alta hospitalar, há um acompanhamento de uma equipe
multidisciplinar por aproximadamente 2anos; para evitar identificação de possíveis
complicações futuras. (AMARAL et al.,2011, p. 75-76 e 79).
A Fisioterapia visa intervir o avanço da independência do paciente, diminuindo a
dor , riscos de infecção, medicação. (FARIA, 2010, p.8).
Avaliação de sintomas cuidados paliativos, foi desenvolvido uma escala por
Edmonton no Canadá – ESAS, no qual habilita o paciente a referir o seu grau de dor.
Essa escala é numerada de 0 à 10, significando 0 a ausência e 10 a maior intensidade
dossintomas.
O questionário deve ser breve, objetivo e prático para que não se torne cansativo,
e realizado todos os dias.
São avaliados também os sintomas subjetivos (cansaço, depressão, ansiedade e
bem-estar).
Essa escala foi traduzida para o português pela Dra. Isabel Gabiça Neto, de
Portugal e no Brasil sua validação está em andamento. (COSTA, AUGUSTO, 2008).

CUIDADOS PALIATIVOS

O cuidado paliativo é o atendimento humanizado aos pacientes que estão na reta


final de suas vidas e de seus familiares. A equipe multidisciplinar que atua de forma
integrada e complementar. (AMARAL et al.,2011).
Em 1.975 foi fundado o primeiro Hospice Americano e, em 1.982, uma lei
americana permitiu o Hospice Care. Neste mesmo ano, a OMS forma um grupo de
trabalho com o objetivo de criar estratégias para promover o alívio da dor e os cuidados
do tipo Hospice para doentes com câncer, passando a adotar o termo cuidados
paliativos.Aprimeiradefiniçãodecuidadopaliativofoifeitaem1.986erevisadaem
2.2. (AMARAL etal.,2011).
“Cuidado paliativo é a abordagem que promove melhora na qualidade de vida de
pacientes e seus familiares diante de problemas associados com doenças que ameaçam a
continuidade da vida, através de prevenção e alívio do sofrimento, por meio de
identificação precoce, avaliação e tratamento impecável da dor e outros problemas de
natureza física, psicossocial e espiritual”. (AMARAL et al.,2011)..Promover o alívio da
dor e de outros sintomas estressantes,reafirmar a vida e aceitar a morte como um
P á g i n a | 54
processo natural,integrar aspectos psicossociais e espirituais ao cuidado, oferecer um
sistema de suporte que auxilie o paciente a viver tão ativamente quanto possível, até a
sua morte, não antecipar e nem postergar a morte, iniciar este atendimento o mais
precocemente possível e oferecer um sistema de suporte que auxilie a família e entes
queridos a se sentirem amparados durante todo o processo da doença. (SMELTZER;
BARE, 2005)
O cuidado paliativo é um conjunto de atos multidisciplinares que têm por objetivo
efetuar o controle dos sintomas do corpo, da mente, do espírito e do social que afligem
o homem na sua finitude. Discussão do prognóstico, explicação do tratamento e
veracidade constituem benefícios para o paciente e seus familiares, possibilitando a
participação ativa nas tomadas de decisões. (AMARAL etal.,2011).
O trabalho da fisioterapia tem por objetivo reintegrar o paciente ao convívio
domiciliar sempre que possível, instruindo o cuidador a atender suas necessidades e
evitar internações ou tratamentos exaustivos, estabelecer a maioria dos seus potenciais
diminuídos, incentivando-os a ajustar objetivos em curto prazo, aliviando seu
desconforto. (SMELTZER; BARE, 2005)
Em 1990, a Organização Mundial de Saúde (OMS) definiu cuidados paliativos
como: cuidado com esses pacientes cuja doença não responde mais ao tratamento
curativo, ou seja, não vai existir a cura da doença. E os cuidados priorizam o controle
dos sintomas físicos, da dor, na parte psicológica, espiritual e social, buscando melhorar
a qualidade de vida dos pacientes terminais e de seus familiares. (SILVA;
SUDIGURSKY,2008).
Há cinco princípios éticos que fundamentam os cuidados paliativos: Prevenção
(prever complicações e aconselhar a família); Efeito (os efeitos positivos devem ser
maiores que os efeitos negativos); Proporcionalidade terapêutica (adotar somente
medidas terapêuticas úteis); Não abandono (sempre ser solidário e acompanhar o
paciente e seus familiares); Princípios da veracidade (sempre dizer a verdade ao
paciente e sua família); (SILVA; SUDIGURSKY,2008).

DOR ONCOLÓGICA

A dor é sempre subjetiva e cada pessoa aprende a utilizar este termo a partir de
suas experiências prévias. A Sociedade Internacional para o Estudo da Dor a define
P á g i n a | 55
como experiência sensorial e emocional, que é descrita em termos de lesões teciduais
reais ou potenciais. (SAMPAIO; MOURA; RESENDE, 2005, p. 339).
E por isso é definida como individual, complexo e multifatorial onde em sua
avaliação é preciso considerar vários fatores entre eles: aspectos físicos, emocionais,
sociais e espirituais. E inclusive a sensação de dor para cada indivíduo é muito pessoal,
cada um com sua história, contexto e momento. (SAMPAIO; MOURA; RESENDE,
2005, p.340).
Devido às várias incapacidades relacionadas ao Câncer pode ocorrer grande
prejuízo funcional, anorexia, perda do convívio social, redução de atividades de vida
diária e profissional, lazer e confinamento ao leito. (SAMPAIO; MOURA; RESENDE,
2005, p. 340).
O uso de alguns medicamentos pode ocasionar a dor, devido a reação adversa de
alguns como, por exemplo, sulfato de vincrisistina, e vários outros quimioterápicos,
ocorrendo dores musculares e ósseas, principalmente na coluna e membros inferiores
sendo frequentes os distúrbios neuromusculares, pulmonar e sensorial.(RBM REVISTA
BRASILEIRA DE MEDICINA, 2010, p. 509-513)
Indivíduos com Câncer frequentemente experimentam algum tipo de dor ao longo
de seu tratamento clínico. Dor é um sintoma que permite algumas vezes, o diagnóstico e
a progressão da doença. A manifestação de dor nesses pacientes pode ser devido ao
próprio Câncer e as metástases se houver, sendo este a principal causa de dor nos
pacientes ou então específicos ao tratamento ou a outras causas referidas a doença;
como dor em virtudes de condições de alguma alteração. (MANUAL DE
ONCOLOGIA,2008)
Por isso o controle adequado da dor deve ser a prioridade no cuidado com estes
pacientes, a dor oncológica as vezes, pode estar relacionada a vários fatores, ligadas a
três grandes grupos: dor ligada ou indiretamente ao tumor primário e suas metástases, as
introgenias que resulta de algum procedimento terapêutica ou pode ser por condições
não relacionadas com o Câncer.(MANUAL DE ONCOLOGIA, 2008)

CLASSIFICAÇÃO DA DOR

A dor pode ser classificada em aguda ou crônica. Dor aguda acontece na fase
inicial da doença ou pode ainda manifestar-se com a progressão do Câncer, ou ser
decorrente de diagnóstico e tratamentos terapêuticos, como exames, cirurgia,
P á g i n a | 56
quimioterapia e radioterapia. Já a dor crônica é relacionada a progressão da doença ou
consequência também de algum tipo de tratamento realizado.(MANUAL DE
ONCOLOGIA,2008).
Este tipo de dor ocorre várias incapacidades dentre elas nas atividades físicas, no
sono, no apetite, na convivência social e outras. (MANUAL DE ONCOLOGIA, 2008).
A dor mais comum é causada por invasão tecidual direta de tumores nos casos de
doenças ósseas, metastáticas, compressão de troncos nervosos, mucosas, vasos de
decúbitos. (Fairfield e Taycross, 1982).
E com isso a dor também pode ser classificada de acordo com a distribuição de
sintomas superficiais e profundos, referidos, localizados, generalizados, e ainda de
origem somática, neuropática, ou psicogênica, neuropática e visceral. (SAMPAIO;
MOURA RESENDE, 2005, p. 341).

RESULTADOS

Ao longo da pesquisa foi possível verificar que é fundamental proporcionar ao


paciente oncológico o bem estar, a melhora funcional, a qualidade de vida e o controle
da dor. Os tratamentos fisioterapêuticos mais eficazes na dor oncológica foram o TENS;
Cinesioterapia; Termoterapia; Massagem Terapêutica; Crioterapia; para melhor eficácia
no controle da dor oncológica.
P á g i n a | 57

CONCLUSÃO
Durante esse trabalho, observamos que varia muito a utilização de recursos
fisioterapêuticos para cada paciente tanto no adulto como em crianças. Os aspectos
levados em consideração são o tipo, intensidade, causa e localização da dor. Dessa
forma a fisioterapia auxilia e orienta ensinando exercícios específicos, aplicando
recursos físicos para melhor controle da dor, aprimorando a funcionalidade nas
atividades de vida diária, no bem estar e, ainda, orientando familiares e cuidadores.
Especificamente no caso do tratamento em crianças além da abordagem já citada, o
grande diferencial é poder associar atividades lúdicas e ou música para assim facilitar a
relação fisioterapeuta/paciente o que, por sua vez, contribui para a melhora da qualidade
de vida dessespacientes.
P á g i n a | 58

REFERÊNCIAS
A atuação da Fisioterapia nos cuidados paliativos da criança com Câncer.

Disponível em https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-
BR&q=a+atua%C3%A7%C3%A3o+da+fisioterapia+nos+cuidados+paliativos+da+cria
n%C3%A7a+com+c%C3%A2ncer&btnG=&lr=

Acesso em 04 Mar. 2016.

http://pgsskroton.com.br/seer/index. php/ensaioeciencia/article/view/2777

Tratamento da dor oncológica em cuidados paliativos.

Disponível em https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-
BR&q=tratamento+da+dor+oncol%C3%B3gica+em+cuidados+paliativos&btnG=&lr=

Acesso em 04 Mar.2016

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index. php/revistahupe/article/view/8928

Recursos Fisioterapêuticos no controle da dor oncológica: Revisão da Literatura.

Disponível em
https://scholar.google.com.br/scholar?q=recursos+fisioterap%C3%AAuticos+no+contro
le+da+dor+oncol%C3%B3gica+revis%C3%A3o+da+literatura&hl=pt-
BR&as_sdt=0&as_vis=1&oi=scholart&sa=X&ved=0ahUKEwiYiIPDnIHQAhXHD5A
KHfAgAWQQgQAKHfAg

Acesso em 04 Março 2016

http://bases.bireme.br/cgi-
bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=
p&nextActionitora =lnk&exprSearch=555182&indexSearch=ID

Acesso em 06 Março 2016

A Cinesioterapia Reduz a Dor no Membro Superior de Mulheres submetidas á


Mastectomia ou Quadrantectomia

Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rdor/v13n3/v13n3a02

Acesso em 13 Abril. 2016

Fisioterapia para o Tratamento do Linfedema no Pós-Operatório de Mastectomia:


revisão de Literatura

Disponível em http://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/viewArticle/5572
P á g i n a | 59
Acesso em 13 Abril 2016

Fisioterapia na Reabilitação de Mulheres Operadas por Câncer de Mama

Disponível em http://www.saocamilo-
sp.br/pdf/mundo_saude/65/12_Fisioterapia_baixa.pdf

Acesso em 21Abril 2016

Fisioterapia em Oncologia Mamária: Qualidade de Vida e Evolução Clínico Funcional

Disponível em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/view/6448

Acesso em 21Abril 2016

As Práticas do Cuidar na Oncologia: A Experiência da Fisioterapia em Pacientes com


Câncer de Mama

Acesso em 03 Março 2016

Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
59702010000500005

Acesso em 03 Março 2016

Atrofia Muscular em Pacientes Oncológicos Internados em Unidade de Terapia Intensia

Disponível em
https://scholar.google.com.br/scholar?q=atrofia+muscular+em+pacientes+oncol%C3%B
3gicos+internados+em+unidade+de+terapia+intensiva&hl=pt-
BR&as_sdt=0&as_vis=1&oi=scholart&sa=X&ved=0ahUKEwjt0suj1qjNAhXKk5AKH
YVbB2oQgQMIGjAA

Acesso em 03 Março 2016

Fisioterapia em Pacientes com Leucemia: Revisão Sistemática

Disponível em
http://www.inca.gov.br/rbc/n_57/v02/pdf/11_revisao_literatura_fisioterapia_pacientes_l
eucemia_revisao_sistematica.pdf

MARQUES, Silva. Amaral. Tratado de Fisioterapia em Saúde da Mulher. Editora:


ROCCA, 2011, p.30-89.

SMELTZER, Bare. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgico. Vol. 1,10 ed., 2005,


p. 335-384.
P á g i n a | 60
A importância e a colaboração da hidroterapia durante o período
da gestação, uma revisão bibliográfica
Camila Thaís Torezani¹
Caroline Stefany Barbosa Orellana²

Walther Spinelli Filho³

Resumo
Durante o período gestacional observam-se várias alterações fisiológicas e funcionais na
mulher. Algumas dessas alterações podem resultar em desconforto ou até mesmo dor na
gestante, causando-lhe limitações durante a execução de suas atividades de vida diária,
interferindo diretamente em sua qualidade de vida. O aumento dos sintomas dolorosos
desencadeia uma constante busca por medidas terapêuticas que possam amenizá-las. A
hidroterapia é um recurso terapêutico na qual a água é usada como meio para a realização de
exercícios, proporcionando conforto e relaxamento às gestantes, amenizando as modificações
fisiológicas e, em especial as musculoesqueléticas, prevenindo assim complicações nas etapas
finais da gestação.
Palavras-chave: gestação, fisioterapia, hidroterapia

Abstract
During the pregnancy period are observed several changes physiological alterations and
functional in woman. Some of these alterations can result in discomfort and pain in the
pregnant woman can triggered limitations during the performance of your activities in your
daily life interfered directly in your quality of life. The increase of painful symptoms trigger a
constantly search for a therapy measures which might lessen them. The hydrotherapy is a
therapeutic resource whom the water is used as way for a exercise realizations provide
comfort and relax in the pregnant woman, lessen the physiological modifications specially the
musculoskeletal avoided the complications in final stages of a pregnancy.
Descriptors: Pregnancy, Physiotherapy, Hydrotherapy.

¹Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga UNIESP- FTGA. camilinha_thais@hotmail.com

²Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga UNIESP- FTGA. carol-orellana@live.com

³Atualmente é Professor do curso de Fisioterapia da Faculdade de Taquaritinga – FTGA, Fisioterapeuta –


FISIOCLÍNICA S/S LTDA. Fisioterapeuta concursado e responsável na Unidade Básica de Saúde em Cândido
Rodrigues. Especialização em Fisioterapia Ortopédica e Traumatológica ligada a Medicina do Esporte (2000).
Especialização em R.P.G (Reeducação Postural Global, 1997). Foi Coordenador do curso de Fisioterapia da
Faculdade de Taquaritinga – FTGA no período de 2007 a 2011. Mestrado em Engenharia de Produção (2013).
fisioclinica1@terra.com.br
P á g i n a | 61

Introdução

De acordo com Rezende (1998), a gravidez é estabelecida como sendo um episódio na


vida normal da mulher; teoricamente a mulher grávida deverá experimentar os reflexos de
maior sobrecarga imposta ao funcionamento dos órgãos.
Conhecer o corpo durante a gravidez, especialmente quando à morfologia e ao
funcionamento interno e externo dos órgãos envolvidos no processo de gestação e parto, é de
fundamental importância para o tratamento fisioterapêutico. Por isso, torna-se indispensável
que profissionais da área da saúde como os fisioterapeutas que trabalham diretamente com
gestantes tenham um conhecimento básico das estruturas pélvica, muscular e ligamentar, já
que o atendimento fisioterapêutico trabalha no exercício dessas funções e das estruturas
corporais. (BARACHO et al., 2012, p. 3)
As modificações na gravidez resultam de fatores como: mudanças hormonalmente
mediadas no colágeno e no músculo involuntário; aumento de volume total de sangue com o
fluxo sanguíneo aumentado para o útero, crescimento do feto resultando a consequente
ampliação e deslocamento do útero e também o aumento do peso e as mudanças adaptáveis no
centro de gravidade e postura (REZENDE apud ORLANDI, 2004).
Kisner e Colby (2005) apontam que as principais indicações para o exercício aquático
incluem: facilitar os exercícios de amplitude de movimento, facilitar atividade com descarga
de peso, prover acesso tridimensional ao paciente, facilitar os exercícios cardiovasculares,
minimizar o risco de lesões e favorecer o relaxamento ao paciente.
Os equipamentos para utilização da piscina para hidroterapia terão que serosmais
adaptáveispossíveisparaagestante,comoovestuário,pisoseoambientequesejaomais harmonioso
possível, para que a gestante possa elaborar suas atividades dentro dapiscina com
maiortranquilidadeparaelaeseufeto.Jáaduraçãodosexercíciosteráqueternomínimo entre 45 a 60
min de duração com intervalos de 5 a 7 min. (CAMPION, 2000;KATZ,1999). Segundo Katz
(1999) superaquecimento da água, pois as mudanças
cardiorrespiratórias durante a gravidez reduzem a adaptabilidade da grávida aocalor.Agestante
corre um risco maior de se ferir com o superaquecimento em situaçõesquea exponham às altas
temperaturas, como em exercícios físicos rigorosos na águaquente.Além
disso,obebênãopossuiumsistemaderesfriamento,ofetonãotemmeiosparadissiparocalor.Especial
mentenoiníciodagestação,odesenvolvimentodobebêéafetadoquandoo
corpo da gestante é superaquecido.
P á g i n a | 62

Já Polden (2000) afirmam que, exercícios de grandes esforços são contraindicados em


gestantes devido à redistribuição seletiva do fluxo sanguíneo que sai dos órgãos esplâncnicos
e depois da placenta em direção aos músculos em atividade. Exercícios vigorosos podem
ocorrer em algumas mulheres que não estão acostumadas a atividades físicas a um parto
prematuro.

Anatomia

Stephenson e O’Connor (2004) afirmam que as alterações fisiológicas durante a vida


da mulher são numerosas, ocorrendo em todos os sistemas do corpo. As alterações mais
frequentes, no entanto, ocorrem durante e imediatamente após a gestação.
A pelve, formada pelas articulações sacro ilíacas e a sínfise púbica, resguarda e
protege o útero gravídico, e durante esta fase sofre modificações fisiológicas e anatômicas
importantes. A sínfise púbica, por exemplo, possui um disco inter púbico fibrocartilaginoso,
que se torna amolecida pelo hormônio da relaxina, correndo o risco de romper-se com
movimentos ousados ou exercícios abruptos (RUOTI; MORRIS; COLE, 2000)
Segundo Polden & Mantle (2002) a pelve serve como um escudo que oferece proteção
aos importantes conteúdos pélvicos, além de servir como suporte para o tronco e constituir a
parte óssea do mecanismo pelo qual o peso corporal é transferido aos membros inferiores ao
deambular e, ás tuberosidades do ísquio, ao sentar. A pelve consiste de dois ossos ilíacos, o,
sacro e o cóccix; estes ossos articulam-se na sínfise púbica, e articulações sacro ilíacas direita
e esquerda, lombo sacral, e sacrococcígea para formar um anel ósseo.
Autores, como Baracho (2012), afirmam que, o assoalho pélvico tem como objetivo
sustentar os órgãos internos, principalmente o útero, a bexiga e o reto. Proporcionam ação
esfincteriana para uretra, a vagina e o reto, além de permitir a passagem do feto, na hora do
parto. O assoalho pélvico fecha a cavidade inferior, sendo limitado anteriormente pelo arco
púbico e posteriormente pelo cóccix; lateralmente limita-se pelos ramos e ísquios púbicos e
pelos ligamentos sacrotuberais existentes entre as tuberosidades isquiáticas e as margens
laterais do sacro e do cóccix.
O assoalho pélvico é um conjunto de partes moles que fecham a pelve, sendo formado
por músculos, ligamentos e fáscias têm a função sustentar e suspender os órgãos pélvicos
(útero, bexiga, ovários) e abdominais, regular excreção e função sexual. (LACERDA,2000).
De acordo com Oliveira (2006) durante a gestação, a musculatura do assoalho pélvico
sofre um prolongado teste de resistência ao sustentar, além dos órgãos pélvicos, o bebê, o
P á g i n a | 63

novo útero e todos os demais anexos embrionários (placenta, cordão umbilical, etc.).
Normalmente este aumento deve ser de 11 Kg, mas muitas vezes chega a orbitar os 20 Kg.
Para Barros (2006), o crescimento do útero inclina a pelve para frente e, somado à
redução do tônus da musculatura abdominal, exige que a coluna se realinhe, principalmente
no final dagestação.
O útero sofre alterações de forma, peso, tamanho, posição e consistência durante a
gravidez. Normalmente tem cerca de 7 cm de comprimento e pesa 50g. Aumenta cerca de 4
cm por mês, atingindo no final da gravidez cerca de 36cm e 1Kg. No colo do útero forma-se
um tampão mucoso (conhecido pelo nome de rolha de Schroeder), cuja finalidade é proteger a
cavidade uterina do meio externo. (GONZALEZ et al.,2010, p.113)
O períneo também se torna amolecido, elástico, para facilitar o canal do parto.
(GONZALEZ et al.,2010, p.113)
A genitália feminina externa se estende do púbis ao períneo e é formada pelo monte
púbico, grandes lábios, pequenos lábios, bulbo do vestíbulo, glândulas vestibulares e clitóris.
(BARACHO et al.,2012, p.4)
As mamas encontram-se aumentadas e dolorosas em razão do desenvolvimento e
preparo para a lactação. Pode ser observado o aumento da pigmentação da aréola e do
mamilo, presença de veias superficiais dilatadas e visíveis, por causa do aumento da
vascularização, presença de glândulas sebáceas salientes na aréola, ao redor do mamilo, cuja
função é a lubrificação, presença de colostro que pode estar presente desde os primeiros
meses de gestação até o quinto dia após o parto. (GONZALEZ et al.,2010,p.112)

Alterações posturais na gestação

O aumento da massa corpórea e das dimensões do corpo da gestante causam um


aumento da carga e um desequilíbrio no sistema osteomioarticular, modificando o seu centro
de gravidade e provocando uma maior oscilação no centro de força, que levam a um
equilíbrio instável e influenciam na biomecânica da postura (OKUNO,2003).
Biomecanicamente, uma das principais causas dessas mudanças na estática e na dinâ-
mica do esqueleto da gestante, é o constante crescimento do útero. Sua posição anteriorizada
dentro da cavidade abdominal, além do aumento do peso e do tamanho das mamas, são
fatores que contribuem para o deslocamento do centro de gravidade da mulher para cima e
para frente, podendo acentuar a lordose lombar, promover uma anteversão pélvica e,
consequentemente causar dor (MARTINS; SILVA,2005).
P á g i n a | 64

Para Aires (1999), devido à distensão abdominal e às mamas desenvolvidas, o centro


de gravidade se desloca para frente fazendo com que a mulher adote uma postura involuntária
com lordose da coluna e aumento da base de sustentação.
São aspectos da gestação normal a presença de abdome protuso, marcha gingada e
lordose exagerada, para compensar a lordose e manter a linha de visão a gestante aumenta a
flexão anterior da coluna cervical, além de andar curvada com abdução dos ombros. (ARTAL;
WISWELL; DRINKWATER, 1999).
Além da ação hormonal, as modificações corporais se intensificam com o crescimento
uterino que inicia um processo de expansão, ocasionando um aumento das curvaturas ósseas,
principalmente a lombar e o complexo ósseo do quadril. A coluna lombar sofre o impacto do
peso anterior desenvolvido pelo abdome que estará se expandindo, levando a uma desarmonia
das cadeias musculares (FREITAS, 2008). (Figura 4)
O centro de gravidade deslocar-se para cima e para frente, devido o alargamento do
útero, aumento das mamas e do peso da mãe e da criança; e em decorrência disto, o corpo 9
compensa com: anteriorização da cabeça; aumento das curvaturas da coluna lombar, dorsal e
cervical causando tensão da musculatura paravertebral, acompanhada de protrusão e rotação
interna dos ombros; hiperextensão de joelhos e sobrecarga de peso nos pés; aumento da base
de sustentação para dar equilíbrio e estabilidade (BARACHO, 2007, MANN et al, 2008,
FABRIN; CRODA; OLIVEIRA, 2010)

Alterações fisiológicas e hormonais na gestação

Conhecer os mecanismos de adaptações fisiológicas do organismo materno durante a


gestação é uma estratégia muito importante. As modificações fisiológicas envolvem todos os
sistemas temporariamente, mas o suficiente para criar situações biológicas, corporais,
mentais, espirituais e sociais que deve ser diferenciado entre o normal e o patológico.
(BARACHO et al.,2012,p.13)
No período gestacional ocorrem mudanças importantes em todas as funções do
organismo materno que deverá formar e nutrir o feto que no útero se desenvolve.
(CALDEYRO-BARCIA et al; 2004).
Durante a gravidez, a mulher sofre alterações fisiológicas como o aumento do peso
corporal, o aumento do tamanho do coração, mudança no centro de gravidade, aumento do
volume plasmático, anemia, aumento da frequência cardíaca, volume de ejeção, diminuição
da resistência vascular e periférica. (ROBERGS; ROBERGS,2002).
P á g i n a | 65

Tortora e Gralowiski (2002) apontam que com a gravidez ocorre uma pressão sobre a
bexiga urinária, fato este que se dá devido ao aumento do útero, causando assim sintomas
urinários, como o aumento da frequência e urgência da micção e incontinência de esforço, o
aumento da capacidade de filtração renal, o que permite a eliminação mais rápida de resíduos
produzidos pelo feto.
Da descoberta da gravidez até o 3° mês, a fecundação do óvulo coloca o hormônio
HCG, que em dupla com a progesterona, desencadeia os sintomas característicos da gravidez:
enjoo e vômito, retenção de líquidos, dor nos seios, nas pernas e na barriga e manchas na pele.
Os hormônios também fazem o intestino trabalhar mais devagar e respondem pelas alterações
de humor. Nessa fase, o comum é engordar até meio quilo por mês. (TORTORA;
GRALOWISKI, 2002).
Do 4° ao 6° mês, enjoos e vômitos diminuem ou desaparecem, mas o inchaço nas
pernas e nos pés fica mais frequente, porque o crescimento da barriga dificulta a circulação do
sangue. O deslocamento do centro de gravidade do corpo leva ao desalinhamento da postura e
dores na lombar. Os ajustes hormonais que o corpo precisa fazer e o aumento do volume de
sangue no organismo faz o metabolismo ficar mais acelerado. Como consequência, a mulher
tem mais fome e mais cansaço. (TORTORA; GRALOWISKI, 2002).
Do 7° ao 9° mês, o bebê pressiona órgãos internos da mulher e ela sente uma série de
desconfortos como a falta de ar, azia e sensação de estômago cheio. O mais saudável é ganhar
até 1,5 quilo por mês, o saldo final deve ser entre 7 e 12 quilos a mais, ao longo dos nove
meses. (TORTORA; GRALOWISKI, 2002).
Chistófalo, Martins e Tumelero (2003) descrevem que as mulheres, no final da
gestação, tendem a inclinar o corpo mais para frente, para uma melhor postura de equilíbrio,
podendo ocasionar dores nas costas, devido ao esforço das fáscias musculares
De acordo com Fischer (2003), as alterações hormonais produzem mudanças no perfil
endócrino que ocorrem durante a gestação, quatro hormônios desempenhamum papel
fundamental para a mãe e para o feto que são: a progesterona, o estrogênio, a gonadotrofina
coriônica e a somatomamotropina coriônica. Dois desses são os hormônios sexuais femininos,
estrogênio e progesterona, os quais são secretados pelo ovário, durante o ciclo menstrual
normal, passando a ser secretados em grandes quantidades pela placenta durante a gestação.
Asfunçõesdoestrogêniosãopromoveraproliferaçãodedeterminadascélulas,o aumento da vagina,
o desenvolvimento dos grandes e pequenos lábios, o crescimento de pelospubianos, o
alargamento pélvico, o crescimento das mamas e de seus elementos glandulares,além de
deposição de tecido adiposo em áreas específicas femininas, tais como coxas e
P á g i n a | 66

quadris. Ou seja, o estrogênio é responsável por desenvolver as características sexuais


femininas (FISCHER, 2003).
De acordo com Baracho (2012), a função da progesterona é a redução da tonicidade da
musculatura lisa em órgãos maternos levando a alterações no estômago, no cólon, bexiga, nos
ureteres e nos vasos sanguíneos, aumento da temperatura e gordura corpóreas. Na mama
associa-se as células alveolar e glandular, que produzem o leite.
Segundo Costil e Wilmore (2001) a gonadotrofina coriônica é um hormônio cuja
função é manter ativo o corpo lúteo durante o primeiro trimestre. Sem o corpo lúteo em
atividade, a secreção de progesterona e estrogênio seria afetada e assim o feto cessaria seu
desenvolvimento e seria eliminado dentro de poucos dias. Após o primeiro trimestre, a
remoção do corpo lúteo já não afeta mais a gravidez, uma vez que a placenta fica responsável
pela secreção de estrogênio e progesterona em quantidades muito elevadas. A concentração
máxima de gonadotrofina coriônica acontece aproximadamente na oitava semana que é,
justamente, o período essencial para impedir a evolução do corpo lúteo.
A somatomamotropina coriônica humana, por sua vez, é um hormônio responsável,
principalmente, pela nutrição adequada do feto, diminuindo, dessa forma, a utilização da
glicose pela mãe e tornando-a disponível em maior quantidade para o feto. Ocorre também
uma mobilização aumentada de ácidos graxos do tecido 11 adiposo materno, elevando a
utilização da mesma como fonte de energia em lugar da glicose. Outro efeito desse hormônio
é auxiliar o crescimento fetal, efeito esse semelhante ao do hormônio do crescimento, contudo
esse efeito é relativamente fraco. (COSTIL; WILMORE,2001).
Conforme Batista (2003) é comum ocorrer aumento dos hormônios adrenais, o que,
provavelmente, pode contribuir para o surgimento de estrias róseas de pele. Níveis
aumentados de glicocorticoides, estrogênios e progesterona modificam o metabolismo da
glicose aumentando assim a necessidade deinsulina.

Propriedades da água e exercícios indicados para gestante

Na flutuação um objeto imerso apresenta menor peso na água do que na terra, há uma
força oposta a gravidade atuando sobre o objeto. Essa força chamada de flutuação é igual a
uma força para cima gerada pelo volume de H²O deslocado. (RUOTI et al., p.19).
A pressão hidrostática é a pressão exercida sobre objetos em imersão, a
proporcionalidade entre profundidade e pressão permite a gestante realizar o exercício com
mais facilidade quando está mais perto da superfície. (KISNER;COLBY, 2005, p.259).
P á g i n a | 67

A água a temperatura ambiente, e na maioria das variedades dos seus usos terapêuticos
comuns, é um líquido, todos esses líquidos compartilham uma propriedade que é a
viscosidade, que se refere a magnitude do atrito interno do líquido. (RUOTI et al., p.23).
Os movimentos realizados na água, reduz o estresse articular, diminuindo o impacto
sob as articulações e o risco de lesões, além de a flutuação fornecer suporte completo às
gestantes, ajuda a aumentar a amplitude dos movimentos sem a resistência do atrito,
auxiliando a movimentação. Os movimentos aquáticos promovem maior controle sobre a
frequência cardíaca da mãe e do feto, reduz as varizes, melhora o condicionamento físico,
aumenta a resistência muscular e a diurese, além de promover um melhor controle postural
que proporciona analgesia lombar. (VALLIM,2005).
São recomendados, ainda, para as gestantes, os exercícios que incluem a combinação
de atividades aeróbicas envolvendo grandes grupamentos musculares e atividades que
desenvolvem força de determinados músculos. (CHISTOFALO et al., 2003).
Exercícios realizados sob supervisão, adequados para cada época e circunstância
gestacional, sendo realizados em ambientes apropriados e para mães motivadas, sem intuitos
de competição e/ou desempenho incentivado, são, sem dúvida, benéficos, tanto para mãe
quanto para o feto. (Marques e Silva, 1993).
O principal objetivo da hidroterapia para gestantes é promover exercícios que tragam
benefícios e sejam seguros, para estimular uma boa postura. Nas sessões serão incluídos
exercícios de aquecimento e alongamento dos principais grupos musculares, exercícios para
força e resistência muscular, uma sessão aeróbia, resfriamento e alongamentos e relaxamento.
(CAMPION et al.,2000, p.300).
Os exercícios de aquecimento foram planejados para mobilizar as articulações,
promover a circulação e o aquecimento dos músculos. Esses exercícios devem aumentar
gradualmente a frequência cardíaca e a taxa em que sua intensidade aumenta deve estar
engrenada ao próprio paciente. Alguns exercícios como levantamento dos calcanhares, dobrar
os joelhos, círculos com os ombros, levantamento dos joelhos, são exercícios de aquecimento.
(CAMPION et al.,2000, p.301).
Os exercícios de alongamentos são indicados para ajudar no equilíbrio da musculatura
dorso-lombar, abdominal e do assoalho pélvico, assim como exercícios respiratórios, por
favorecerem uma maior consciência corporal, levando ao relaxamento e auxiliando no parto.
(SANTOS et al., 2007).
P á g i n a | 68

Conclusão

Pode-se concluir que através das propriedades físicas da água, o empuxo e a pressão
hidrostática, juntos, reduzem o peso corpóreo da gestante, auxiliam no retorno venoso e
condicionam o coração, diminuindo o risco de lesão musculoesquelético e os edemas
gravitacionais. Através das propriedades naturais da água aquecida relaxa e sustenta o peso
corporal.
Há diminuição das varizes, controle maior sobre a frequência cardíaca materna, um
aumento da diurese, diminuição da formação de edema, alivio sintomatológico doloroso,
como as lombalgias, a melhora da circulação de retorno venoso, tanto linfático quanto venosa,
reeducação postural, melhora do tônus muscular são alguns dos benefícios que a hidroterapia
pode oferecer na face gestacional. Entretanto as atividades exercidas no período pré-natal a
maioria dos autores citam que só poderão ser feitas após os 3 meses gestacional. Sendo
comprovado a eficiência da hidroterapia, sendo adequada a gestante no período especifico de
vida das mulheresgestantes.
Concluímos também que há muitos benefícios que a hidroterapia causa na mãe no
feto, que são de grande importância na hora do parto e no bem-estar da gestante. Além de
aliviar tensões do dia a dia, no controle de ganho de peso durante a gestação, na circulação, na
respiração, reduz o risco de lesões, melhora dores lombares entre vários outros benefícios. Os
exercícios pré-natais na água são fornecidos para proporcionar uma sensação de bem-estar e
nos momentos de desconforto. Tem benefícios também quando a gestante apresenta
lombalgia, pois diminui a dor, por meio da água aquecida que reduz a sensibilidade das
terminações nervosas sensitivas, promovendo um relaxamento muscular geral, reduzindo a
sensibilidade à dor, reduzindo espasmos musculares e consequentemente melhorando o
equilíbrio epostura.

Referências

ALLEGRETTI, Rafael. Água como recurso terapêutico no período pré-natal, Rio de


Janeiro, 2008. Disponível em:
<http://www.uva.br/sites/all/themes/uva/files/pdf/agua_como_recurso_terapeutico_no_period
o_pre_natal.pdf> . Acesso em: 08/06/16.

ARAUJO, Luciane.; REIS, Adriana. Enfermagem na prática materno-neonatal. Rio de


Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.
P á g i n a | 69

BARACHO, Elza, Fisioterapia aplicada à saúde da mulher. 5.ed. Rio de Janeiro:


Guanabara Koogan, 2012.

BARACHO, Elza, Fisioterapia aplicada à obstetrícia, uroginecologia e aspectos de


mastologia. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

BUSSATO, Thiago. Fraturas da pelve e do acetábulo, 2014. Disponível em:


<http://medicinadoquadril.com.br/site/fraturas-da-pelve-e-do-acetabulo/>. Acesso em:
16/06/16.

CALDEYRO_BARCIA, R.et al. Fecundação, gestação e parto. In.CINGOLANI, H.E.;


HOUSSAY,A.B (cols).Fisiologia humana de Houssay.Tradução Adriane Belló Klein et al.
7ed. Porte Alegre: Artmed, 2004.

CAMPION, Margaret, Hidroterapia princípios e pratica. 1 ed. Barueri: Manole Ltda, 2000.

COSTA, Daniela. Os benefícios de um assoalho pélvico saudável durante a gravidez,


2010. Disponível em: <http://studiopilatesteresina.blogspot.com.br/2010/02/os-beneficios-de-
um-assoalho-pelvico_08.html>. Acesso em: 16/06/16.

FISCHER, B. Alterações fisiológicas durante a gestação. 2003. Disponível em:


<http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudoexibe1.as>. Acesso em:
16/06/16.

GARCIA, Larissa; LEÃO, Vera. A intervenção da fisioterapia preventiva em grávidas na


maternidade do povo de Belém, Belém, 2008. Disponível em:
<http://www.unama.br/graduacao/fisioterapia/pdf/2008.2/a-intervencao-da-fisioterapia-
preventiva-em-gravidas.pdf>. Acesso em: 16/06/16.

GONZALEZ, Helcye, Enfermagem em ginecologia e obstetrícia. 15.ed. rev. e ampl. São


Paulo: Editora Senac São Paulo, 2010 – (Série Apontamentos).

KISNER, C; COLBY, L.A. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 4 ed. Trad.


São Paulo: Manole, 2005.

LEAL, Inácia; PAES, Izabelle; GOUVEIA, Manuela; RODRIGUES, Pollyane. Intervencao


da fisioterapia aquática na lombalgia de gestantes, Campina Grande, 2013. Disponivel em:
<http://nupex.cesed.br/public/uploads/INTERVENCAO_DA_FISIOTERAPIA_AQUATICA
_NA_LOMBALGIA_DE_GESTANTES.PDF> Acesso em: 04/09/16.

MARQUES, A. de A.; SILVA, J. L. P. Fisioterapia obstétrica: exercícios e gestação -


algumas controvérsias. Revista da Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e
Obstetrícia – Fernasgo. Campinas, v.21, n .3, p.248-258, mar.1993.

MEYER, Guilherme. Dor lombar durante a gestação. Disponível em:


<http://www.drguilhermemeyer.com.br/website/index.php/patologias/dor-lombar-durante-a-
gestacao> Acesso: 04/09/16.
P á g i n a | 70
OLIVEIRA, Camila Fernandes Piveta; BARROS, Deiner José Morani; ARAÚJO, Franciele
Aparecida Bazanini de; COSTA, Ana Cláudia de Souza; LIMA, Ana Beatriz. A Incidência de
Dores Musculoesqueléticas na Gestação. Revista Científica do Unisalesiano –SP, ano 1, n.2,
jul/dez de 2010. Disponível em:
<http://www.salesianolins.br/universitaria/artigos/no2/artigo26.pdf> Acesso em: 16/06/16.

ROVARIS, Bárbara. Hidroterapia na gestação, Tubarão, Nov.2005.


Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAkHQAH/tcc-hidroterapia-na-
gestacao>. Acesso: 08/06/16.

RUOTI, R.G; MORRIS, D.M; COLE, A.J. Reabilitação aquática. 1 ed. Barueri: Manole
Ltda, 2000.

SEBBEN, V. Tratamento hidroterapeutico na dor lombar em gestantes. Disponível em:


<http://www.uricer.edu.br/site/pdfs/perspectiva/129_164.pdf> Acesso em: 09/08/16.
SERRÃO,Erika. O pensador. Disponível em:
<http://pensador.uol.com.br/ser_fisioterapeuta_e/> Acesso em: 05/05/16.

SANTOS, Bruna; ROSSINOLI, Caroline; COSTA, Ana Claudia. Importância da


hidroterapia na qualidade de vida da gestante. Disponível em:
http://www.unisalesiano.edu.br/simposio2011/publicado/artigo0058.pdf> Acesso em:
04/09/16.

TORTORA, Gerard J; GRABOWSKI. et al. Princípios de anatomia e fisiologia. ed.9.Rio de


Janeiro, RJ:Guanabara, 2002.
P á g i n a | 71

Intervenção da Fisioterapia na Microcefalia

Taís Caroline Escudeiro Seti1


Tânia Mara Estinati Araújo2
Gustavo Naxara Oscko3
Resumo

Este trabalho relata a atuação da fisioterapia nas crianças de zero a três anos de idade
acometidas pela microcefalia, por meio de revisão bibliográfica. Intervenções já estudadas
servirão de auxílio para fisioterapeutas como guia para o tratamento neurológico na população
estudada. A microcefalia é uma condição neurológica que se caracteriza por anormalidades no
crescimento do cérebro dentro da caixa craniana, acarretando disfunções neurológicas e
anormalidades no desenvolvimento neuropsicomotor da criança. Esta patologia apesar de
muito antiga, era até então pouco estudada, provavelmente devido à baixa incidência. Com a
mudança do quadro epidemiológico, o que se observa é a falta de profissionais habilitados
para tratar estas crianças, incluindo o fisioterapeuta. O intuito desse trabalho é fornecer
alternativas de tratamento aos profissionais
.
Palavras-chave: Microcefalia – Tratamento - Fisioterapia

Abstract
This work reports the performance of physical therapy in children from zero to three years of
age affected by microcephaly, through a bibliographic review. Interventions already studied
will serve as aids for physiotherapists as a guide for neurological treatment in the studied
population. Microcephaly is a neurological condition that is characterized by abnormalities in
brain growth within the cranial cavity, causing neurological dysfunctions and abnormalities in
the child's neuropsychomotor development. This pathology, although very old, was until then
little studied, probably due to the low incidence. With the change in the epidemiological
picture, what is observed is the lack of professionals qualified to treat these children,
including the physiotherapist. The purpose of this paper is to provide alternatives for
treatment toprofessionals.

Keywords: Microcephaly – Treatment – Physiotherapy

1
Graduando do Curso de Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga FTGA. taisseti@hotmail.com
2
Graduando do Curso de Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga FTGA. Testinati29@gmail.com
3
Professor Me. do Curso de Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga FTGA osckogu@gmail.com
P á g i n a | 72

Introdução

Para Fonseca et al. (2006, p. 60), a microcefalia é definida como uma importante
diminuição da circunferência cefálica, sendo inferior ao percentil 5 ou 2 desvios-padrão
abaixo da média. Geralmente é detectada após 24 semanas, fazendo com que o diagnóstico
seja mais fácil com o avançar dagestação.
Nos últimos três anos cerca de 1,2 mil bebês (até 8% do total analisado) nasceram
com a patologia, uma média de 400 registros ao ano. Hoje, o Ministério da Saúde investiga
cerca de 3,8 mil casos suspeitos da doença destes, 462 já foram confirmados. (BRETAS,
2016)
Esta patologia decorre de uma produção baixa de neurônios durante a embriogênese,
que pode estar associada ou não a alterações estruturais. (EINA, 2016). Portadores de
microcefalia podem apresentar além da deformidade craniofacial, característica do transtorno,
déficit intelectual, atraso nas funções motoras e de fala, distorções faciais, nanismo ou baixa
estatura, hiperatividade, epilepsia, dificuldades de coordenação e equilíbrio, dentre outras
alterações neurológicas.(BRUNA,2015)
A microcefalia não apresenta tratamento, mas existem métodos para amenizar os
efeitos da sua ocorrência, no que diz respeito ao desenvolvimento neuropsicomotor da
criança, principalmente entre zero e três anos, que é o intervalo considerado de maior
importância para iniciar a estimulação precoce na criança diagnosticada com a patologia.
Como não é possível reverter o quadro da doença depois de instalado, o que se deve fazer é
utilizar terapias que venham melhorar a qualidade de vida da criança. (TECKLIN,2002)
A Fisioterapia representa um papel importante na vida da criança com microcefalia,
pois atua de forma preventiva e interventiva por meio da estimulação precoce; da prescrição
de equipamentos auxiliares quando preciso; da integração sensorial; da terapia lúdica; da
tecnologia assistida; da orientação familiar e; por fim no que se diz respeito às orientações
para que a inclusão escolar aconteça. (TECKLIN,2002)

Microcefalia

A microcefalia tem como definição “Perímetro Cefálico menor que 2 desvios-padrão


(DP) abaixo da média em relação à crianças do mesmo sexo e idade.” (HARRIS, 2013).
P á g i n a | 73
Ascriançacommicrocefaliageralmenteapresentamalgunstiposdedeficiência,incluindo
P á g i n a | 74

déficit intelectual e atraso no desenvolvimento neurológico. (VON DER HAGEN et al.,


2014). Entretanto, pode-se encontrar cérebros dentro desses padrões exibindo um QI normal.
(EINA,2016)

Apesar da definição não ser padronizada, há consenso quanto a ocorrência de um


perímetro cefálico (PC) abaixo do padrão das curvas apropriadas para idade e gênero. Um PC
baixo indica, de modo geral, um cérebro pequeno. Cerca de 90% das microcefalias estão
associadas com retardo mental, exceto nas de origem familiar que podem ter o
desenvolvimento cognitivo normal. (Protocolo Epidemiológico Microcefalia)

Etiologia

A microcefalia decorre de uma produção baixa de neurônios durante a embriogênese,


que pode ou não estar associada a alterações estruturais. Pode ser por
causa genética ou insultos por infecção, toxicidade, problemas circulatórios, drogas, etc., que
ocorrem durante a gestação ou mesmo precocemente na vida pós-natal. Em geral está
associada a outras anormalidades cerebrais. (EINA, 2016)

Incidência

Nos últimos três anos, cerca de 1,2 mil bebês (até 8% do total analisado) nasceram
com a patologia – uma média de 400 registros ao ano.
Hoje, o Ministério da Saúde investiga cerca de 3,8 mil casos suspeitos da doença –
onde, 462 já confirmados.
Isso revela que o surto atual já é parte da realidade do brasileiro há um bom tempo.
(BRETAS, 2016)

Diagnóstico/Prognóstico

O diagnóstico da microcefalia intra-útero é feito quando a medida da circunferência


cefálica (CC) é inferior a 2 desvios padrões (DP) do limite inferior da curva de normalidade
para a idade gestacional, e o diagnóstico de microcefalia em bebês que nascem com perímetro
cefálico (PC) menor que o normal, que é habitualmente maior que 33 cm.(XIMENES, 2015)
P á g i n a | 75

Tratamento multidisciplinar

O diagnóstico de microcefalia pode despertar nos pais uma série de emoções, como
medo, preocupação, tristeza e culpa, portanto é importante buscar ajuda de uma equipe
profissional de confiança. Os pais são orientados a procurar médicos, professores e terapeutas
de sua confiança. (GUERREIRO, 2013)

Fisioterapia na Microcefalia

Para que o fisioterapeuta possa atuar de maneira eficaz na população diagnosticada,


este deve ser capaz de reconhecer os processos do desenvolvimento neuropsicomotor da
criança, usando de modelos teóricos que possam embasar sua prática, apoiados em uma
formação apropriada para usarem das melhores estratégias de avaliação e tratamento para
minimizar as deficiências e promover o máximo de independência e qualidade de vida para
essas crianças (KANDEL et al., 2014).

A fisioterapia neurofuncional julga atualmente o sistema sensoriomotor como um


sistema de percepção/ação que explora ativamente o meio ambiente para satisfazer seus
próprios objetivos de forma dinâmica. (SHUMWAY-COOK; WOOLLACOTT, 2010).

Os processos de aprendizagem e controle motor, as avaliações e intervenções feitas


pelo fisioterapeuta neurofuncional, são baseados nos avanços da neurociência, no surgimento
de novas teorias do aprendizado e controle motor e na compreensão da neuroplasticidade. O
aprendizado motor, o controle motor e a neuroplasticidades são resultados da interação
indivíduo, ambiente e tarefa.

Desta maneira, a fisioterapia neurofuncional em pediatria é primordial para possibilitar


à criança a ganhar habilidades motoras e interação com o ambiente, prevenindo ainda
deformidades e contraturas que podem piorar seu quadro motor e comprometer outros
sistemas. Evidências na literatura mostram que a intervenção precoce, a prática, a repetição, a
motivação, a experiência e o ambiente enriquecido favorecem o processo de
neuroplasticidade, isto é, às mudanças estruturais no sistema nervoso na organização e na
quantidade de conexões entre os neurônios (BASU, 2014; CARR; SHEPHERD,2003).

Para uma boa intervenção precoce, deve-se considerar que os melhores instrumentos
P á g i n a | 76
preditivos são idade-dependentes (CAMPBEL et al., 2008).
P á g i n a | 77

Com base na avaliação, o fisioterapeuta deve ser capaz de identificar o principal


problema, e a partir daí traçar o seu diagnóstico, estabelecer metas e coletar dados para
determinar os resultados obtidos com a intervenção. De acordo com os dados coletados
durante a avaliação, é importante oferecer orientações aos cuidadores. Para relatar a evolução
do paciente, são recomendadas avaliações periódicas (CARR; SHEPHERD, 2003).

As estratégias de tratamento fisioterapêutico devem fazer com que a criança entenda a


terapia como tratamento, porém que não seja uma tortura para a mesma, e sim uma
motivação. Uma das maneiras de se alcançar isto, é usando de estratégias lúdicas, onde o
objetivo principal é fazer a criança repetir as tarefas propostas fornecendo vários tipos de
feedback como o conhecimento de resultado e de desempenho e não a deixando perder a
motivação (CARR; SHEPHERD,2003).

Estimulação Precoce

É no período de 0 a 3 anos que o indivíduo é mais suscetível a transformações


provocadas pelo ambiente externo, por esse motivo, a plasticidade neural fundamenta e
justifica a intervenção precoce para bebês que mostram risco potencial de atrasos no
desenvolvimento neuropsicomotor. (LIMA; FONSECA, 2004)

O ponto de partida do tratamento são os eventos plásticos de reorganização que


ocorrem em decorrência de uma lesão cerebral, no qual os estímulos sensitivo-motores devem
ser conduzidos do mais simples até que alcancem, através do aumento progressivo no grau de
dificuldades, uma complexidade funcional maior. (FORMIGA; PEDRAZZANI; TUDELA,
2010, p.46)

Segundo Tudella et al, 2004, quando o tratamento é iniciado pecocemente, até o quinto
mês de idade, em crianças com diagnóstico de paralisia cerebral, há significamente mais
benefícios ao desenvolvimento neuromotor em comparação ao tratamento realizado após essa
idade.

Formiga, Pedrazzani e Tudela (2010), estabaleceram as principais metas de uma


programa de intervenção precoce, nas quais compreendem:

1. Por meio da estimulação em nível ambulatorial e também em seu ambiente natural,


aumentar o potencial de cada criança inserida no programa, estabelecendo o ritmo e a
P á g i n a | 78

velocidade dos estímulos, e apontando, na medida do possível, um perfil de reação.

2. Fortalecer a ajuda dos pais ou responsáveis, fazendo com que eles interajam com a
criança de forma a estabelecer mutualidade precoce na comunicação e afeto, prevenindo de
patologias emocionais ecinestésicas.

3. Fornecer um ambiente agradável para a realização das atividades que são


necessárias para o desenvolvimento dacriança.

4. Orientar os pais e a comunidade sobre as possibilidades de acompanhamento desde


o período neonatal até a faseescolar.

5. Articular um modelo de atuação multiprofissional einterdisciplinar.

6. Dissipar informações encorajando e auxiliando a criação de novos programas de


estimulaçãoprecoce.

É por meio da abordagem proprioceptiva que irá ocorrer a estimulação das funções
motoras, visando proporcionar a sensação de onde se localizam as partes de seu próprio
corpo, no espaço, com maior diversidade de experiências sensitivas/motoras e favorecendo
praxias do sistema sensório motor oral e do próprio toque. (BARATA; BRANCO,2010)

O estímulo deve ser iniciado o quanto antes, pois quanto mais tarde a estimulação,
mais defasado estará o seu desenvolvimento motor, em conjunto com a perda na área
sensorial, resultando na perda da noção do espaço, esquema corporal, percepção, que poderá
ajudar na falta de atenção ou dificuldades cognitivas. (Ministério daSaúde)

A meta principal da estimulação precoce é se beneficiar desse período crítico para


estimular a criança a ampliar suas competências, tendo como referência os marcos do
desenvolvimento típico e desta forma, diminuindo os efeitos negativos de uma história de
riscos. (PAINEIRAS, 2005)

Assim como o aprendizado, a recuperação da função pode ser caracterizada por uma
continuidade de mudanças funcionais a curto prazo que ocorrem no momento após a lesão,
para mudanças estruturais a longo prazo como o remapeamento do córtex sensorial ou motor.

O cérebro é mais plástico e receptivo a intervenções nas lesões cerebrais no início da


vida comparado a lesões na idade adulta (YANG et al., 2013).
P á g i n a | 79

Segundo KOLB et al., 2001, geralmente o cérebro é especialmente plástico após a


conclusão da migração neuronal durante os processos de crescimento e formação de sinapses
estão altamente ativos. HADDERS-ALGRA, 2001, diz que isso quer dizer que uma elevada
plasticidade pode ser esperada até 6 a 8 meses após o nascimento do bebê a termo. Segundo
YANG et al., 2013 e BASU, 2014, este período é essencial para uma recuperação funcional
mais próxima possível do normal, indicando que o quanto antes é a intervenção, melhor o
prognóstico.

Quando iniciados antes do 9º mês de vida, os programas terapêuticos apresentam


maiores ganhos nas habilidades motoras e pessoais comparados a programas iniciados mais
tardiamente (SHONKOFF; HAUSER-CRAM, 1987; SHARKEY et al., 1990).

O maior objetivo da estimulação precoce é desenvolver e potencializar, por meio de


exercícios, jogos, atividades, técnicas e demais recursos, as atividades do cérebro das
crianças, beneficiando seu lado intelectual, físico e afetivo. O estímulo precoce deve visar a
estimulação de atividades funcionais ou atividades onde a criança consiga ver algum objetivo
para o exercício praticado. Este tipo de atividade beneficia a motivação, a repetição e a
tranferência daquela atividade a outras situações do dia a dia da criança (CARR;
SHEPHERD,2003).

O tipo de intervenção fisioterapêutica benéfica em crianças prematuras é diferente da


intervenção eficaz em crianças que tenham nascido a termo. Os bebês prematuras se
beneficiam mais de intervenções que imitem o ambiente intrauterino, já os bebês a termo, de
intervenções específicas por meio de tarefa orientada. Isto é, o tipo de intervenção e o grau de
maturação do SNC interferem no resultado motor da criança (BLAUW-HOSPERS;
HADDERS-ALGRA, 2005).

Prescrição de Equipamentos Auxiliares

O fisioterapeuta é responsável pela indicação do uso de órteses para a manutenção do


alinhamento biomecânico, facilitando assim a execução de algumas tarefas motoras, além de
prevenir encurtamentos e deformidades futuras. É importante lembrar que o quanto antes
esses equipamentos forem usados e as intervenções fisioterapêuticas forem realizadas, melhor
será o prognóstico da criança. (ULRICH et al.,2001)
P á g i n a | 80

Tecnologia Assistida

Por meio de testes e escalas de desenvolvimento padronizados, são detectados


precocemente alterações, levando a uma intervenção terapeutica mais rápida e eficaz. As
escalas de desenvolvimento fornecem valiosas informações sobre o npivel de operação da
criança ou sobre os marcos alcançados por ela. (FORMIGA; PEDRAZZANI; TUDELA,
2010) As avaliações são realizadas por fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fisiatras e
nerologistas.

Os testes tem como principal contribuição quantificar e qualificar o desempenho


motor em diferentes domínios, e isso permite ao avaliador metas mais realísticas de
tratamento, nortear ações terapêuticas com eficiência e eficácia e demonstrar objetivamente
para a família os ganhos alcançados pela criança. (Ministério daSaúde)

Os principais aspectos avaliados são sinais neurológicos precoces anormais no período


neonatal; as aquisições motoras de crianças em diferentes faixas etárias; a qualidade do
movimento, controle e alinhamento postural, equilíbrio e coordenação e até o desempenho
funcional de crianças na realização das atividades de vida diária. (Ministério da Saúde)

Instrumentos mais utilizados para avaliação do desenvolvimento motor:

 Test os Infant Motor Performance(Timp)

Avalia a postura e o movimento infantil, pode ser utilizado em recém-nascidos de 32


semanas de idade gestacional até quatro meses de idade corrigidal.
<https://www.infantmotortest.com/>

 Alberta Infant Motor Scales(Aims)

O objetivo do teste é avaliar as aquisições motoras de criança até os 18 meses de idade.

 Motor Assesment os The Developmental Infant (Mai) (PIPER; DARRAH,1994)

Avalia o desenvolvimento motor de crianças até um ano de idade, que mostram alto risco
para distúrbios motores, como contribuição para estabelecimento de base para intervenção
preoce.

 General Movements(GM)
P á g i n a | 81

Proposta por Precchetl e Beintema, 1977, onde se constitui em um exame neurológico


utilizado para avaliação do RN, com o intuito de detectar precocemente sinais neurológicos
anormais no período neonatal.

Terapia Lúdica

Para que a criança obtenha outras habilidades motoras, é importante trabalhar os


componentes do movimento necessários para a tarefa que lhe foi designada. O fisioterapeuta
deve usar de estratégias que estimulem a execução da tarefa de maneira independente. O
fisioterapeuta deve ter flexibilidade para atender crianças na faixa etária de 0-3 anos. O uso de
equipamentos como rolos, bolas, bancos e espelhos pode ser bem vindos para aumentar o
feedback fornecido a criança e ajudá-la na realização da tarefa. O treinamento muscular pode
ser potencializado com o usado de resistência ao movimento, mudança nas características dos
objetivos utilizados para a realização da tarefa. (UYANIK et al., 2010)

Segundo CARR; SHEPHERD, 2003, o treinamento realizado com a criança deve ser o
mais semelhante possível à função almejada. Para SHUMWAY- COOK e WOOLLACOTT,
2003, é necessário que o treinamento da tarefa seja repetido várias vezes e com a maior
freqüência possível no mesmo atendimento, para que as mudanças plásticas geradas pela
intervenção ativa específica se consolidem. GOBBO e O’MARA, 2004, afirmam que o
ambiente deve ser enriquecido, estimulando e desafiando a criança para a execução da
atividade específica.

Segundo Formiga, Pedrazzani e Tudela, 2010, o contato da criança com o corpo do


fisioterapeuta é importante, das pessoas que estão ao seu redor, os brinquedos e brincadeiras,
dando a criança o apoio afetivo, a segurança e o equilíbrio de que lhe é necessário para
crescer em harmonia com o meio em que vive. Para que isso ocorre, é necessário observar que
a quantidade de estímulos utilizados deve estar estreitamente relacionada à capacidade, ao
interesse e às possibilidades de cada criança. A criança não deve ser forçada e nem cansada,
pois nessa relação é essencial ter reconhecimento de suas necessidades e da medida exata de
estímulos parasuprí-las.
P á g i n a | 82

Orientação e Participação da Família


A família está diretamente ligada ao processo de recuperação funcional da criança, as
crianças que convivem em ambientes pouco estimulantes apresentam piora no seu prognóstico
funcional (FINNIE, 2000).

Algumas considerações

Este trabalho evidenciou que a importância da fisioterapia no tratamento da criança


com microcefalia se mostra mais eficaz quando a estimulação precoce é realizada entre 0 e 3
anos.

Além de todo conhecimento técnico necessário para que o tratamento seja realizado
com êxito, os responsáveis pelos pacientes deverão ser orientados pelo fisioterapeuta quanto a
inclusão social.

Referências

BRUNA, Maria Helena Varella. Microcefalia, 2015. Disponível


em:<http://drauziovarella.com,br/crianca-2/microcefalia>. Acesso em: 26 de abril 2016.

BRETAS, Valéria. Incidência de microcefalia no NE já era alta antes da zika, 2016.


Disponível em:<exame.abril.com.br/Brasil/noticias/incidência-de-microcefalia-no-traço-pais-
já-era-alta-antes-da-zika>. Acesso em: 26 de abril 2016.

EINA, 2016. Distúrbios de Desenvolvimento Embriológico, 2016. Disponível


em:<http://www.enscer.com.br/material/artigos/eina/deficiencias/micro.php>. Acesso em: 26
de abril 2016.

FONSECA, Luis Fernando. Manual de Neurologia Infantil – Clínica – Cirúrgica –


Exames Complementares. 1ª Edição. São Paulo: Guanabara, 2006.

GUERREIRO, Marilisa M. Microcefalia: tratamentos e causas, 2013. Disponível


em:<http://www.minhavida.com.br/saude/temas/microcefalia>. Acesso em: 09 de março
2016.

Ministério da Saúde. DIRETRIZES DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE Crianças de zero a


3 anos com Atraso no Desenvolvimento Neuropsicomotor Decorrente da Microcefalia,
2016. Disponível
em:<http://www.saude.go.gov.br/public/media/ZgUINSpZiwmbr3/20066922000062091226.
pdf>. Acesso em: 10 de junho 2016.
P á g i n a | 83

Parecer sobre estimulação precoce e microcefalia, 2016. Disponível


em:<http://abrafin.org.br/wp-content/uploads/2015/02/PARECER-MICROCEFALIA.pdf>.
Acesso em: 10 de junho 2016.

PERNAMBUCO. Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. Secretaria Executiva de


Vigilância em Saúde. Protocolo Clínico e Epidemiológico para investigação de casos de
microcefalia no estado de Pernambuco. Versão N° 02. Pernambuco: Secretaria Estadual de
Saúde, 2015. 42p.

TECKLIN, J.S. Fisioterapia Pediátrica - Tecklin. 3ª Edição.São Paulo: Artmed, 2002

XIMENES, Renato. Diagnóstico de microcefalia: informações importantes, 2015.


Disponível em:<http://cbr.org.br/diagnostico-de-microcefalia-informacoes-importantes/>.
Acesso em: 26 de abril 2016.
P á g i n a | 84

ÉTICA NA UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIA E REDES


SOCIAIS NO AMBIENTE CORPORATIVO

Alessandra Matias da Silva1


Sara Mesquita Pinotti2
Orientador: Profº. Dr. Eduardo José Aloia3

RESUMO

Mídias como Facebook, twiter, blogs, entre outras se aperfeiçoaram e se tornaram


ferramentas úteis para as empresas que aderiram à essas tecnologias, devido ao fato de
economizarem tempo, dinheiro e auxiliarem na educação, no cotidiano e no trabalho das
pessoas e das organizações, o que proporciona o aumento da qualidade dos serviços ou
produtos oferecidos e como consequentemente agrada aos clientes. Este trabalho se propõe a
apresentar como as mídias sociais invadiram o cotidiano das pessoas e das corporações. Com
isto em mente, as redes sociais são apresentadas, mostrando como elas podem servir de
ferramentas para as empresas crescerem e se destacarem no competitivo mercado de trabalho,
suas vantagens e desvantagens, e as mudanças na forma de gestão e as análises de conteúdo
em redes sociais como instrumento de pesquisa.Qualidades importantes das mídias sociais
que apresentam diferenciais competitivos às empresas foram discutidos, especificamente
como elas otimizam tempo, possibilitam um atendimento mais eficiente, diminuem custos e
ainda possibilitam às empresas encontrarem clientes em potencial em qualquer lugar do
mundo.

Palavras-chave: mídias sociais, empresas, ferramentas.

Aluna do 8º Período do curso Superior de Administração da Faculdade de Taquaritinga.


1

alessandra_matias.123@hotmail.com
Aluna do 8º Período do curso Superior de Administração da Faculdade de Taquaritinga.
2

sarinhapinotti@hotmail.com
Professor Doutor, do curso Superior de Administração da Faculdade de Taquaritinga.eduardoal56@gmail.com
3
P á g i n a | 85
2

ABSTRACT

Media like Facebook, Twitter, Blogspot, Wordpress, among others, have improved
and become useful tools for companies that joined to this technologies, due to the fact that
save time, money and assist in education, daily life and work of people and organizations,
which provides increased quality of services or products offered and consequently appeals to
customers. This study aims to present how social media invaded the daily lives of individuals
and corporations. With this in mind, social networks are presented, showing how they can
serve as tools for companies to grow and excel in the competitive job market, their advantages
and disadvantages, and the changes in management and content analysis in networks social as
a research tool. Important qualities of social media that have competitive advantages
companies were discussed, specifically how they optimize time, enable a more efficient
service, reduce costs and enable companies to meet potential customers anywhere in the
world.

Key – words: social medias, companys, tools.

INTRODUÇÃO

A evolução do mundo tecnológico exige que as corporações adotem várias mídias


que até então eram utilizadas apenas para uso pessoal. Isso as ajuda a melhorar seu contato
com os clientes, a promover negócios e a publicidade se tornou praticamente gratuita. Hoje
em dia, a empresa que não se “digitalizar” vai se tornarobsoleta.
Além disso, esse avanço da tecnologia possibilitou o envio e o acesso imediato de
informações. Acontecimentos sociais, crises políticas, racismo, preconceito de todas as
espécies e opiniões que podem gerar prejuízo ou que denigrem a imagem de outras pessoas
são a todo o momento objeto de postagem nas mais variadas redessociais.
As redes sociais como facebook, twiter, instagram, entre outras, possibilitam uma
conexão de 24 horas na vida das pessoas, ocupando mentes e tempos, assim como todas as
opiniões sobre quaisquer assuntos são imediatamente divulgadas.
Não só opiniões são divulgadas, mas também qualquer fato ou ato são divulgados,
como um acidente, o almoço de alguém, ou a ida ao banho, o famoso “partiu banho”. Dessa
forma a vida das pessoas resta quase totalmente exposta.
P á g i n a | 86
3

Essas informações ainda que pareçam inúteis ou inofensivas podem ser usadas a
favor ou contra quem as emitem? As empresas separam vida e opiniões pessoais da vida
profissional?
O mercado profissional está cada vez mais competitivo e as empresas mais exigentes,
com capacidade de observar os atos de qualquer candidato por meio das redes sociais.

METODOLOGIA

Na elaboração deste trabalho foi utilizada revisão bibliográfica disponível


relacionada ao tema. Também foram utilizadas imagens parailustração.

1. AS MUDANÇAS E TRANSFORMAÇÕES NASORGANIZAÇÕES

Segundo Chiavenato (2010, p. 2-34), as organizações para que não se tornem


obsoletas devem acompanhar a ágil e intensa mudança que ocorre no mundo tecnológico,
econômico e social.
As mudanças organizacionais podem ser classificadas como: A Era Industrial
Clássica, a Era Industrial Neoclássica e a Era da Informação.
A primeira se desenvolveu a partir da industrialização, fase na qual as pessoas eram
consideradas recursos de produção, juntamente com outros recursos como máquinas, capital
etc. A segunda, surgiu à partir da década de 1950, época em que surgiu o departamento de
Recursos Humanos, e se estendeu até a década de 1990, tornando o modelo estruturalista
baseado na velocidade do progresso com abertura de comércios e indústrias,modelo na qual
os funcionários foram considerados como recursofuncional.
E a terceira, a “Era da Informação” se iniciou na década de 1990. Nessa época houve
uma mudança na arte da tecnologia, incluindo a modernização dos aparelhos telefônicos,
televisões e computadores cada vez mais diversificados, exigindo que a equipe produza seus
serviços em tempo real e com destaque diante de um mercado competitivo. (CHIAVENATO,
2010, p. 34-38).
Nesta última concepção, as pessoas deixam de ser simples recursos (humanos), para
se tornarem seres dotados de inteligência, capacidade, criatividade, conhecimento,
P á g i n a | 87
4

habilidades, personalidades que não só compõem uma estrutura organizacional, mas


caracterizam a inovação em um processo global de reestruturações mercadológicas.

1.1 A Gestão na Era da Informação

Chiavenato (2010, p. 37-40) menciona a era da informação como a explosiva


expansão das tecnologias. Com aparelhos cada vez mais evoluídos, as informações cruzam os
continentes em milésimos de segundos. Surge então as organizações virtuais, que não são
limitadas pelo tempo, espaço ou distância, ou seja, as pessoas podem trabalhar em qualquer
lugar ou em casa por exemplo, em tempo real. Os gerentes devem buscar conhecimento e
inovações para poder liderar na era digital.
As pessoas agora são parceiras da organização, com colaboração ativa e eficaz no
propósito e crescimento da empresa e acompanhamento da ágil mudança da tecnologia,
garantindo destaque da concorrência com inteligência, habilidades, conhecimentos e
capacidades para desenvolver tecnologias que podem ajudar no crescimento sustentável das
empresas.

2. O IMPACTO DAS TECNOLOGIAS NOCOTIDIANO

2.1 A influência das Tecnologias de Informação na vida daspessoas

Barbosa; Silva (2010, p. 02) afirmam que as tecnologias estão evoluindo muito
rápido, causando impacto nas nossas vidas e tornando-a dependentes dela. É difícil encontrar
pessoas que ainda não tenham tido acesso à internet, independente da classe social.
Citando algumas evoluções temos os aparelhos eletrônicos que utilizamos no dia-a-
dia, a máquina fotográfica, as máquinas de lavar louças, ou roupas, o forno micro-ondas.
Esses aparelhos possuem várias funções que podem ser controladas facilmente, apenas com
botõesdigitais.
Os jogos eletrônicos com imagem em 3D, de impressionantemente semelhança com
P á g i n a | 88
o real e difícil a percepção de erros, os aparelhos de TV digital, os carros completamente
automatizados com função de voz e comando (BARBOSA; SILVA, 2010,p.02).

Na área da saúde vimos a crescente tecnologia nos aparelhos para exames e


diagnósticos em alta definição e até para realizar cirurgias a laser sem a necessidade de
incisãocirúrgica.
As contas mensais como as de energia elétrica, água, cartão de crédito ou qualquer
outro boleto que podem ser impressos, acessados em casa ou em qualquer lugar e podem ser
pagos em bancos, casas lotéricas, pelo caixa eletrônico de qualquer agência bancária, ou até
mesmo pelo celular (BARBOSA; SILVA, 2010).

Figura 1: Pagamento de contas pelo celular

Fonte:Oliveto, 2015.www.oimparcial.com.br

Qualquer objeto pode ser observado em forma de tamanho, cor, material, etc., e
comprados de qualquer aparelho eletrônico como computador, tablet, ou celular, em qualquer
lugar do mundo, bem como a realização das compras podem ser feitas sem sair de casa ou até
mesmo no período de trabalho, e chegam ao endereço desejado.(BARBOSA; SILVA,2010)

2.2 A influência das Tecnologias de Informação naeducação

Na educação a tecnologia criou mais conteúdos didáticos como: e-books, artigos,


jornais, conteúdos de concursos públicos com ampla quantidade de materiais, vídeos,
exploração de atividades virtuais, e muitas atividades que podem ser assinadas mensalmente e
adquiridas pela internet (BARBOSA; SILVA,2010, p. 03).
Ensinam ainda Barbosa; Silva (2010), que um curso superior pode ser realizado
P á g i n a | 89
desdeainscriçãoatéarealizaçãodesuasaulasàdistânciaeemtemporealatravésdevídeo-
P á g i n a | 90

aulas. “A Organização das Nações Unidas (ONU) acaba de criar uma universidade on-line de
ensino a distância em escala mundial: a University of the People.”

2.3 A influência das Tecnologias de Informação notrabalho

Pedimos licença para mais uma vez mencionar a avassaladora presença das mídias
virtuais na vida de muita, muita gente.

A popularidade das mídias sociais tem se espalhado como fogo incontrolável


nos últimos anos. Assim como fogo pode causar pânico por causa de seus
movimentos caóticos e aleatórios, os efeitos ondulatórios dessa tecnologia
estão surpreendendo muitos líderes organizacionais” (JUE; MARR;
KASSOTAKIS, 2011, p. 03).

Como exemplo, daremos o caso da Emergent Solutions, Inc.4. Nesta empresa, as


mídias sociais têm papel importante, como relata a diretora administrativa Chris Cavanaugh-
Simmons:

Precisamente um ano atrás, as circunstâncias me forçavam a olhar para as


mídias sociais. Um conhecido me disse que eu deveria explorar os sites de
relacionamento social e as wikis e também recomendou que eu aprendesse
mais sobre elas. A primeira coisa que me inspirou foi o fato de as metas da
Emergent Solutions combinarem perfeitamente com os princípios de uma
wiki: estar aberto, trabalhar conjuntamente, compartilhar e agir globalmente.
Aí eu de fato me interessei em quais eram as possibilidades a ser exploradas.
(JUE et al, 2011, p. 139/140).

O uso das mídias sociais otimizou os processos internos da empresa, influindo até no
tempo em que seus funcionários precisavam permanecer na empresa e tornou o atendimento
ao cliente muito mais rápido, eficiente e com nível de qualidade mais alto. (JUE et at., 2011,
p.141).

A Emergent Solutions, Inc., é uma empresa global líder em consultoria de desenvolvimento sediada em Palo
4

Alto, Califórnia.
P á g i n a | 91

3. MÍDIASVIRTUAIS

As comunidades virtuais têm transformado o acesso a comunicação, podendo as


pessoas ter acesso às conversações em qualquer lugar, por exemplo, no trabalho, dentro do
ônibus, nas ruas, ou em qualquer outro lugar, na forma de textos, imagens vídeos, através de
aparelhos eletrônicos.(BARBOSA; SILVA,2010, p.03).
Nas empresas, as redes sociais são utilizadas como meio de comunicação de
marketing, para divulgação e vendas de seus produtos ou serviços.

3.1 ConceitosBásicos

Para Goulart (2014, p. 14), as mídias sociais surgiram das ferramentas vindas da
Web 2.0, que é um programa de aperfeiçoamento de sistemas existentes no surgimento da
web nos anos 90. A Web 2.0 se caracteriza por desenvolver programas de relacionamentos
entre as pessoas e troca de conteúdo entreelas.
Mídias, segundo o dicionário Michaelis (2009), significam “um veículo de
comunicação de divulgação de informações e propagandas, podendo ser por meio de jornais,
revistas, televisão, celulares, computadores”. É um instrumento de agrupamento de pessoas de
forma individual ou coletiva, podendo ser por meio de um site ou comunidades
virtuais.(GOULART,2014, p.15).
As mídias sociais possuem diversas características, como a de participação de
qualquer pessoa de qualquer classe social, desde que tenha acesso a um aparelho eletrônico
com internet; O acesso (limitado) à páginas de outras pessoas, à conversação, que pode ser
unidirecional ou multidirecional, ou seja, as conversas podem ser diretamente a uma única
pessoa, ou a um grupo de pessoas, as comunidades são criadas por interesse pessoal ou por
grupos como de colaboração mútua, e por fim, a facilidade da conectividade entre diversas
mídias sociais.(GOULART,2014, p.15).

3.2 Tipos de MídiasSociais

As mídias sociais, conforme já citado antes, são páginas ou ambientes on-line de


interação e agrupamento de pessoas, e divulgação de marketing e propagandas, tantos
P á g i n a | 92
pessoais como empresariais. Elas podem ser classificadas de acordo com sua finalidade ou
funções a elas associadas. Para Goulart (2014, p. 16-18), elas podem ser classificadascomo:

3.2.1 Redes sociaisvirtuais:


São redes on-line que permitem a criação de páginas pessoais ou grupais, e que
podem compartilhar conteúdos profissionais ou para familiares, podendo ser optativo o
compartilhamento de modo privativo ou público, como por exemplo, o Facebook e o
MySpace.

3.2.2 Blogs:
Os blogs são como “jornais ou revistas on-line”, na qual qualquer pessoa ou empresa
pode publicar as suas recentes informações, e os leitores podem comentar sobre o assunto,
Blogspot e o Wordpress.

3.2.3 Wiks:
Os Wikis são sites construídos para a editoração de conteúdos geralmente
educativos.Os textos são adicionados pelo dono do site mas podem ser modificados por
qualquer leitor para completa formação dos conteúdos, como por exemplo a Wikipedia.

3.2.4 Podcads:
São sites para a disponibilização de conteúdos em áudio como por exemplo rádios,
que são gravados e podem ser ouvidos em momentos diversos, como a CBN.

3.2.5 Fóruns:
É uma área de conversações on-line para disponibilidade discussões de qualquer
finalidade.

3.2.6 Comunidades deconteúdo:


São ambientes on-line destinados à inserção de conteúdo específico. Esses sistemas
podem ser públicos, ou privativos, com acesso somente as pessoas integrantes do grupo.

3.2.7 Microblogs:
É uma combinação de redes sociais virtuais e blogs, como o Twiter, destinado a
adolescentes, para postarem suas atividades pessoais, as mensagens são curtas e podem ser
integrados em sistema de telefonia móvel.
P á g i n a | 93

Figura 2: Mídias Sociais


9

Fonte: Silva, 2015. http://www.e-commercebrasil.org/

3.3 Vantagens

Esclarece Goulart (2014, p. 21-22) que a grande quantidade de informações que são
depositadas nas mídias pelos usuários, podem trazer vantagens para muitos e para as
empresas.
Uma das vantagens é a liberdade de se comunicar. Essa comunicação pode ser
formal ou informal, mas sendo um marketing feito de forma criativa e de fácil
convencimento, pode favorecer o aumento significativo de lucro e da rentabilidadefavorável.
As vantagens de criar páginas na web é poder divulgar as informações com conteúdo
importantes, atrair pessoas a procedimentos que garantem bons resultados. Não precisa ser um
especialista em informática para conseguir criar páginas para divulgação de seus projetos e
suas vendas, uma ideia logo cria repercussão e sugestões nas mídias.(GOULART,2014, p.
22).
O ato de contribuição pode ser feito de diversos níveis e objetivos, por exemplo,
aspessoas se utilizam de comunidades virtuais para a coleta de opiniões, idéias e como uma
forma de ajudar grupos ou pessoas que demonstrem necessidades. Já as empresas demonstram
participação de inclusão e responsabilidade social para com a humanidade e o meio ambiente.
Compartilhar postagens é um tipo de interação que traz satisfação, umsentimento de
realização, mesmo quando é algo somente para mostrar para os outros usuários. Informações,
propagandas e marketing são gratuitamente publicados. (GOULART,2014, p. 23).
P á g i n a | 94
10

A colaboração entre grupos de ajudar uns aos outros, as ações em conjunto ajuda na
disseminação dos projetos de marketing das empresas, favorecendo a ligeira propagação de
seus novos produtos e de suas novas tecnologias.

3.4 Desvantagens

Assevera Goulart (2014, p. 23) que, em meio a tantas vantagens de se utilizar as


mídias sociais, elas têm possibilitado uma grande abertura de divulgação de informações
pessoais ou coletivas. Quando mal utilizada, ela pode trazer malefícios que podem durar uma
vida toda, por exemplo: uma pessoa que posta suas fotos indecorosas entre amigos ou para o
público, difamando a própria vida, pode ser impossibilitada de garantir um emprego por um
bom tempo principalmente dentro das empresas de sua cidade.
Já uma empresa que tem um de seus líderes ou um funcionário agindo de forma
corrupta e tal fato é demonstrado pelas redes, manchará o nome da empresa, e levará grande
quantidade de tempo para restituí-lo.
Lembrar que os funcionários são usuários das mídias e que podem utilizar de críticas
e comentários negativos em caso de desentendimento na empresa, proporcionando também
riscos relativos à privacidade e a segurança dos dados dela.(JUE et al., 2011, p. 216-217).

4. Atuação das Organizações nas mídiassociais

Assegura Goulart (2014, p. 55) que com a facilidade para abrir páginas nas mídias
sociais, na maioria das vezes de forma gratuita, esse meio de comunicação abriu as portas
para novas estratégias virtuais na utilização da comunicação organizacional, favorecendo a
aproximação das pessoas, ao divulgar suas fotos, histórias e promovereventos.

Uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Inteligência de Mercado (Ibramerc)


(PORTAL HSM, 2010) corrobora essa questão do baixo investimento ao
afirmar que 40% das empresas entrevistadas contam com apoio de seus
funcionários na gestão da presença em mídias sociais, e que 25% destacam
um colaborador exclusivamente para tal atividade. Apenas 11% optam por
terceirizar o monitoramento e a atualização dos perfis nas tecnologias
sociais.(GOULART, 2014,p. 55).
P á g i n a | 95
11

As organizações, devem promover novidades a todo o momento levando em


consideração a constante briga pela concorrência e o poder de convencimento para ter os
clientes cada vez mais fidelizados. Outro grande desafio é a busca pelo desenvolvimento de
aplicativos que garantem a facilidade de acesso aos sites das empresas nos dispositivos
móveis, o objetivo é aumentar o número de visitas e de vendas que tragam um resultado
satisfatório em uma loja de e-commerce, ou mesmo estabelecimentos comerciais que
divulgam constantemente suas informações.(GOULART,2014, p.57-68).

4.1 Oportunidades para pequenasempresas

Redes sociais como Facebook por exemplo, por si só oferecem a possibilidade de


divulgação de produtos e serviços, microempreendedores ainda que não tenham
estabelecimento físico podem iniciar uma página simples no facebook, exemplo disso, é a
página https://www.facebook.com/cachorradacom-807184352742458/. Esta página permite
ao empreendedor divulgar e vender seus produtos, combinar por exemplo ponto de
entrega,isto tudo sem um ponto físico. Costa, citado por Goulart (2013, p. 68) afirma que em
2013 “as fanpages” pertencentes as pequenas e médias empresas somavam 15milhões.

Figura 3: cachorrada.com

Fonte: Pinotti, 2016. https://www.facebook.com


P á g i n a | 96
12

Além das páginas comuns oferecidas por esta rede social, ela ainda cedia desde o
final de 2012 uma consultoria chamada “Rota de Sucesso” para as empresas que investiram
mais de 50 reais por dia. Esta consultoria ajuda os empresários a “criarem uma página,
arquitetarem campanhas e otimizarem resultados”.
Já em 2014 em parceria com o Sebrae o facebook promoveu um curso online a fim
de garantir a inclusão digital dos micro e pequenos empreendedores, mostrando as
oportunidades do meio digital a esses empreendedores. (GOULART,2014,p.68).

5. Análise de conteúdo em Redes SociaisVirtuais

As redes sociais têm dominado a participação tecnológica em todos os ambientes,


desde os que possuem uma prevalência em uso de tecnologia, software e sites para uso
empresarial, ou uma pessoa que não possui um mínimo de conhecimento sobre informática,
mas apenas tem a vontade ou a necessidade de conversar com familiares e amigos em uma
rede social.(GOULART,2014, p.107).
A comunicação nessas redes, contém valiosas informações que esclarecem um
comportamento que pode causar polêmica, processos, danos a outrem, ou mobilizar uma
sociedade a uma necessidade que surgira por uma simples postagem.(GOULART,2014,
p.108)
As empresas possuem acesso a páginas de qualquer pessoa. Através de diversas redes
sociais é possível conhecer a índole e o caráter, principalmente do candidato que se ofereceu
para trabalhar em determinada empresa, fazendo desde já uma avaliação do perfil deste
candidato, excluindo-o talvez, por não ter agradado em suas postagens, o Gestor de Recursos
Humanos.

5.1 Análise de Redes Sociais como instrumento depesquisa

Para que as redes sociais sirvam de instrumento de pesquisa, pode-se observar alguns
quesitos que facilita a análise de conteúdo de cada usuário, obtendo assim, as informações
desejadas, por exemplo (GOULART,2014, p. 129):
 Se o usuário apresenta dadosverdadeiros;
P á g i n a | 97
13

 Se ele permanece constantemente online, indica que não possui uma


ocupação, ou que tem afazeres, mas que permanece “desatento” o tempo todo
conectado nasredes;
 As fotos do perfil são apresentadas de forma ultrajada, podendo causar
até incômodo aovisitador;
 As postagens apresentam assuntos e conteúdo que trazem benefícios
para a sociedade ou para si mesmo, ou se mostram discriminação, desrespeito e
imagensindecorosas,
 Se criam páginas de “ajuda ao próximo” e serviços sociais com
arrecadação dedonativos.
Essas e outras podem garantir ou não vagas de emprego no competitivo mercado de
trabalho.

5.2 Como as organizações continuarão a usar as mídiassociais

Sustenta Jue et al.(2011, p. 189-190), que as mídias sociais têm deixado de ser
apenas canais de comunicação para ter grande valor na evolução das organizações e na
contribuição de novos desafios, sendo que na próxima década, será requisito básico no
crescimento de uma empresa e de sua sustentabilidade econômica. Muitas empresas, se
adequarão no processo de implementação de ferramentas que facilitará o agrupamento de
várias comunidades sociais, agregando valor em seustatus.
Terá poder na diversidade de línguas, fuso horário, diminuindo custo de viagem,
agilidade de entrega, maior visualização e caracterização dos produtos a serem vendidos, e
aprendizado com diferentes pessoas de diversas etnias.
As organizações terão que omitir o modelo de trabalho convencional que é de 8
horas diárias de trabalho controlado, para se adequar à nova estrutura organizacional mais
liberal e mais lucrativa, trazendo mais eficiência na produtividade.(JUE et al., 2011, p. 191-
192).
Será constantemente compartilhado conhecimento entre as experiências de grupos e
pessoas, que ajudará a definir novas perspectivas de mercado.(JUE et al., 2011, p. 193).
P á g i n a | 98
14

Conclusão

Quando surgiram as primeiras mídias sociais, as empresas passaram por


transformações consideráveis. Elas “invadiram” o mundo e tornaram-se presentes em todas as
áreas: doméstica, pública e empresarial.
O número de mídias sociais aumentou escandalosamente tornando-se uma
ferramenta importantíssima para as empresas. Elas otimizam tempo, possibilitam um
atendimento mais eficiente, diminuem custos e ainda viabilizam às empresas encontrarem
clientes em potencial em qualquer lugar domundo.
Noutra via elas podem ser um ponto negativo no momento da contratação, pois, as
empresas comumente observam o perfil de seus candidatos e a depender de suas publicações a
empresa pode entender que o candidato não se encaixa no perfil desejado.

REFERÊNCIAS

BARBOSA, Simone Diniz Junqueira; DA SILVA, Bruno Santana. Interação


Humano-Computador. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas. 3ª ed, tot. rev. e atual. Rio de


Janeiro: Elsevier, 2010.

GOULART, Elias E. Mídias Sociais - Uma Contribuição de Análise. Volume 5.


Porto Alegre: ediPUCRS, 2014.

JUE, Artur L, MARR, Jackie Alcade e KASSOTAKIS, Mary Ellen. Mídias sociais
nas empresas: colaboração, inovação, competitividade e resultados. São Paulo: Évora 2011.
P á g i n a | 99

ESTUDO SOBRE OS EFEITOS DO EXERCÍCIO


RESISTIDO EM PACIENTES COM DIFERENTES
FATORES DE RISCO – AVALIANDO AS RESPOSTAS
PRESSÓRICAS.

DAIANA PEREIRA DOS SANTOS QUEIROZ ¹


GREICE CRISTINA GONÇALVES ²
JULIANA APARECIDA SCALIZE ³

Resumo: Nas suas atuações profissionais na área de fisioterapia, tais profissionais


descobrem, invariavelmente, a presença de indivíduos com fatores de risco diversos e
que precisam realizar atividades físicas. Seja este exercício realizado com orientação
médica ou a fim de melhorar o condicionamento físico e a boa forma nas academias. No
sentido de se utilizar um treino resistido adequado, de forma que estes indivíduos
consigam, assim, superar ou manter sob controle as doenças relacionadas aos diversos
fatores de risco estudados nesta revisão devemos buscar o máximo de segurança na hora
de orientá-los. Entre os fatores de risco abordados no presente estudo destacam-se a
Hipertensão Arterial Sistêmica, que é popularmente conhecida como pressão alta;
também, o Tabagismo, o Sedentarismo, e outras doenças e fatores relacionados. Sendo
que o presente estudo apresenta umapesquisa de levantamento bibliográfico,
especificamente se tratando de revisão de literatura científica, de metodologia
qualitativa acadêmica, onde para conseguir atingir os objetivos da pesquisa, foi feita
assim a análise histórica crítica dos malefícios e benefícios de exercícios resistidos para
determinados grupos de pacientes. De maneira que com este estudo, se espera responder
aos profissionais de fisioterapia se de fato os exercícios resistidos auxiliam
beneficamente como tratamento para hipertensos e demais fatores de risco pretende-se
ainda observar se com auxilio de tal método pode se cuidar com maior presteza e
seguridade das pessoas que apresentam tais quadros ao realizarem atividades físicas
resistidas.

Palavras-Chave: Exercícios Físicos Resistidos, Fatores de Risco, Saúde, Fisioterapia.


2º Congresso de Iniciação Científica INTERUNIESP 2016 – Araraquara, Ibitinga, Jaú, Monte Alto e Taquaritinga.

¹ Faculdade de Taquaritinga/Graduando em Fisioterapia


daiana-queiroz@live.com

² Faculdade de Taquaritinga/GraduandoemFisioterapia ³
FaculdadedeTaquaritinga/Orientadoragre.goncalves@hotmail.com julianascalize@hotmail.com
P á g i n a | 100

Abstract:: In its professional performance in the area of physical therapy, such


professionals discover, in their daily routines, invariably, the presence of people with
several risk factors that need to perform physical activities, be it performed under
medical supervision or to fitness in sense of using a resistance training on measurement;
so that these individuals are able to thus overcome or keep under control the diseases
related to the various risk factors studied in this review and case study. Among the risk
factors addressed in this study include the Hypertension, which is popularly known as
high blood pressure; Also, Tobacco, the sedentary lifestyle, and other diseases and
related factors. Since the present study presents a literature survey, specifically when it
comes to scientific literature review, academic qualitative methodology, where in order
to accomplish the research objectives, and was made the historical critical analysis of
the harms and benefits of resistance training certain groups of patients. So that with this
present study, it is expected to respond to the fact of physical therapy professionals
resistance exercises help being beneficial as a treatment for hypertension and other risk
factors and with the aid of such a method can take care of with greater promptness of
people who have such frames when performing resisted physicalactivities.

Keywords: Physical Exercises resistance, Risk Factors, Health, Physiotherapy.

Introdução

Vivemos uma era onde as pessoas vivem apressadas, com tempo restrito e com
o ritmo de vida cada vez mais frenético, assim a alimentação e a saúde são deixadas em
segundo plano.
A má alimentação regada a “fast foods” e o sedentarismo são consequências
desse estilo de vida que cedo ou tarde acarretam danos á saúde, danos estes que muitas
vezes acabam se tornando fatais.
O principal prejuízo à saúde causado por esses abusos são as doenças
cardiovasculares, desencadeadas por alguns fatores resultantes desta combinação
perigosa. Problemas como hipertensão, diabetes, obesidade, tabagismo, alcoolismo,

2º Congresso de Iniciação Científica INTERUNIESP 2016 – Araraquara, Ibitinga, Jaú, Monte Alto e Taquaritinga.

¹ Faculdade de Taquaritinga/Graduando em Fisioterapia


daiana-queiroz@live.com

² Faculdade de Taquaritinga/GraduandoemFisioterapia ³
P á g i n a | 101
FaculdadedeTaquaritinga/Orientadoragre.goncalves@hotmail.com julianascalize@hotmail.com
P á g i n a | 102
estresse são algumas das causas de doenças cardiovasculares, todas elas ou a maioria
podem ser causadas por este estilo de vida.
Segundo a OMS (s/d) apud Portal Brasil (2014) as principais causas de mortes
prematuras no mundo são as doenças crônicas não transmissíveis, entre elas estão às
cardiopatias, o diabetes e a hipertensão, essas agravadas pelo estilo de vida sedentário, o
consumo do tabaco, o consumo nocivo do álcool, e dietas pouco saudáveis, que vem a
contribuir para que as doenças – consequência desses hábitos – se tornem caso de saúde
pública; e com isto, causando grande locomoção mundial a ponto de a OMS criar a
implantação de ação mundial para a prevenção de doenças crônicas. Este plano
apresenta metas de ação para prevenção e controle dessas doenças e seus fatores de
risco.
A prática de atividades físicas regulares é recomendada para controlar a
hipertensão, redução de peso, controle da diabetes, e por isso se tem estudado a prática
de exercício resistido e seus efeitos de controle e prevenção a estas doenças; Como
também são estudados os seus resultados a curto, médio e longo prazo em grupos de
risco em potencial. Em algum estudo já foi atestado que o exercício resistido tem efeito
hipotensivo (Siqueira; Kemper, 2011). Mas poucos estudos avaliaram os efeitos do
exercício resistido em indivíduos com diferentes fatores de risco, além da hipertensão,
como por exemplo, o hipertenso fumante.
Diante desta constatação fica claro a necessidade e a importância desse estudo,
que tem por objetivo acompanhar indivíduos pré-selecionados para participarem de um
programa de exercício resistido onde vamos analisar o comportamento da pressão
arterial em indivíduos hipertensos, hipertensos fumantes e em normotensos. E ainda
avaliar e comparar a resposta da pressão arterial nestes diferentes grupos depacientes.

Metodologia
Para alcançar os objetivos da pesquisa, foi feito um estudo qualitativo de cunho
bibliográfico para comprovação cientifica dos efeitos dos exercícios resistidos em
cardiopatas. Análise histórica crítica dos benefícios e malefícios dos exercícios
resistidos para determinado grupo depacientes.
E avaliar quantificando os resultados obtidos durante a aplicação da pesquisa.

2º Congresso de Iniciação Científica INTERUNIESP 2016 – Araraquara, Ibitinga, Jaú, Monte Alto e Taquaritinga.

¹ Faculdade de Taquaritinga/Graduando em Fisioterapia


daiana-queiroz@live.com

² Faculdade de Taquaritinga/GraduandoemFisioterapia ³
P á g i n a | 103
FaculdadedeTaquaritinga/Orientadoragre.goncalves@hotmail.com julianascalize@hotmail.com
P á g i n a | 104
Os participantes não poderiam ser portadores de deficiências físicas,
apresentar limitação de movimentos ou ter qualquer problema de saúde que os
impedissem ou colocassem sua vida em risco, por último não podiam apresentar
nenhuma contra indicação aos exercícios.
Todos os voluntários foram devidamente informados sobre os detalhes da
pesquisa, e só foram incluídos na mesma após lerem e assinarem um termo de
consentimento livre e esclarecido.
A pesquisa foi desenvolvida através da aplicação de uma ficha avaliativa e
posteriormente um protocolo de exercício resistido, em um grupo de indivíduos
previamente selecionados, classificados e escolhidos de acordo com a idade, sexo e
fatores de risco pré-estabelecidos.

1. Materiais emétodos

Participaram da pesquisa 6 indivíduos, 3 homens e 3 mulheres, todos eles com


faixa etária entre 40 a 55 anos de idade.
Esse estudo foi realizado em um período de trinta dias, em dias alternados,
totalizando 16 sessões. Cada sessão tinha uma duração de 45 minutos, onde foram
realizadas três series de 15 repetições cada de cada exercício (relacionados na Tabela
II), com intervalo de descanso de 30 segundos entre asséries.
Inicialmente os pacientes foram submetidos a umaavaliação, previamente
elaborada, para a realização desta pesquisa, e depois se iniciou à aplicação do protocolo
de tratamento, também elaborado pelas autoras, para a realização do trabalho. A pressão
arterial foi aferida no início e imediatamente ao final de cada sessão.
Os exercícios realizados foram flexão, extensão, adução, e abdução de membros
inferiores e superiores com os pacientes em pé e em decúbito dorsal. Foram utilizamos
faixas elásticas (theraband 1) com diferentes graus de força especificadas pelas suas
respectivas cores (amarela e azul), halteres de 2 kg e bola suíça.
Sobre a coleta de dados, ela foi realizada individualmente, sendo feita antes e
depois de cada sessão.

Faixas elásticas Therabands são definidas como faixas elásticas de esforços físicos; e tem as cores:
1

amarela que representam esforços de ½ kg; e azul que representam esforços de 1 kg.
P á g i n a | 105

Resultados eDiscussão

Visto que a hipertensão arterial atinge um grande número de pessoas, resultando


em um comprometimento grave de saúde, surge a necessidade de buscar um tratamento
mais seguro, eficaz e aprimorado para esse tipo de paciente. Também despertou o
interesse por esse tema pelo fato de não haver um número importante de pesquisa
relacionado o que causa um significativo déficit quando se fala neste assunto.
A HAS é a hipertensão arterial sistêmica, onde se observa um valor pressórico
das artérias de 140 x 90 mm/Hg, mesmo em pessoas que estejam descansadas e
tranquilas.
A hipertensão arterial é considerada um dos principais fatores de risco de
morbidade e mortalidade cardiovasculares, seu alto custo social é responsável por cerca
de 40% dos casos de aposentadoria precoce e de absenteísmo no trabalho em nosso
meio. Devido à magnitude do problema, tem sido constante a preocupação mundial em
ampliar e aperfeiçoar os métodos para diagnóstico e tratamento da hipertensão arterial.
Assim, diante das novas aquisições científicas e tecnológicas, tornou-se necessária a
revisão dos conceitos e indicações clínico terapêuticas, constantes do documento do II
Consenso Brasileiro de Hipertensão Arterial, produzido em 1994.
Segundo as pesquisas de Boing; Boing (2007) apud Neves (2010, p. 7) a
hipertensão arterial sistêmica (HAS) configura-se como um dos agravos crônicos mais
comuns; e, são a que tem, como repercussões clínicas, as mais graves observadas e
estima-se que em todo mundo, 7,1 milhões de pessoas morram anualmente por causa de
pressão sanguínea elevada e que 45% da carga de doença no mundo seja causadas pela
HAS. Boing (2007) também diz que no Brasil, as doenças do aparelho circulatório são
as principais causas de óbitos a décadas. Quanto à hipertensão, estudos de base
populacional apontam prevalência nas cidades brasileiras variando entre 22% e 44%
(adotando-se como critério pressão ≥ 140/90mmhg) (BOING; BOING, 2007 apud
NEVES, 2010, p.7-8).
Realizar a medição destas variáveis é fundamental, como bem observam as
Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial (2007), onde afirmam que “em cada
consulta, deverão ser realizadas pelo menos três medidas, com intervalo de um minuto
dentre elas, sendo a média das duas últimas considerada a pressão arterial do
indivíduo”. As diretrizes também ditam que caso as pressões sistólicas e/ou diastólicas
obtidas apresentem diferença maior que 4 mmHg entre elas, deverão ser realizadas
P á g i n a | 106
novas medidas até que se obtenham medidas com diferença inferior ou igual a 4 mmHg,
utilizando-se a média das duas últimas medidas como a pressão arterial do indivíduo .
A tabela 1 fornece maiores detalhes sobre como proceder com as
medições de Pressão Arterial Sistólica e Diastólica.

Tabela 1: Recomendações para seguimento (prazos máximos para reavaliação)*

Fonte: V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial, 2007, p. e33.

A hipertensão arterial pode ser em função de escolhas de estilo de


vida, incluindo tabagismo, atividade física reduzida, estresse e dieta (p.ex.,
ingestão de sal) (Marilyn Moffat Donna Frownfelter et. al., 2008, p.05).
No mundo, pelo menos um terço da população é fumante ativo, o que
equivale à cifra estupenda de um bilhão e cem milhões de pessoas que
fumam. Atualmente, são ceifadas vidas de aproximadamente três milhões e
quinhentas mil pessoas por ano, cerca de uma a cada dez segundos, todas
causadas diretamente pelo uso do fumo. Com previsão catastrófica da
Organização Mundial de Saúde, em 2020 o número de mortes saltará para 10
milhões, sendo a maioria, 70%, nos países pobres e em desenvolvimento,
como o nosso. Serão, portanto, duzentos milhões de seres humanos que
perderão suas vidas para o grande vilão da humanidade, o tabagismo,
simplesmente porque fumam ou estão perto de quem fuma, muitas dessas
pessoas são crianças e adolescentes (TORRES, 2005).
A partir de 1960, surgiram os primeiros relatórios científicos que relacionaram o
cigarro ao adoecimento do fumante. Atualmente, existem inúmeros trabalhos
comprovando os malefícios do tabagismo à saúde do fumante e do não fumante exposto
à fumaça do cigarro. Apesar dos males que o hábito de fumar provoca, a nicotina é uma
das drogas mais consumidas no mundo (DENARC - PR, 2011).
Nota-se assim, que pessoas com HAS e que sejam fumantes, estão duplamente
P á g i n a | 107
em risco.
É deste modo que o I Consenso Nacional de Reabilitação Cardiovascular (1997)
afirmava que é importante que as pessoas como HAS ou tabagismo façam,
regularmente, atividades físicas, resistidas ou não.
Os exercícios físicos sempre são uma recomendação médica; isto se deve ao fato
de notada correlação entre uma menor incidência de doenças crônicas não
transmissíveis em indivíduos praticantes de atividades físicasregulares.
O exercício físico, de acordo com Moraes et. al. (2007); Fountoulakis et. al.
(2003), apud Nogueira et. al. (2012) consiste em participar de uma atividade física
planejada, organizada e que se repete, a fim de melhorar a aptidão física e a saúde de
seus participantes podendo propiciar benefícios agudos e crônicos. Dentre eles
destacam-se a melhora no condicionamento físico; a diminuição da perda de massa
óssea e muscular; o aumento da força, coordenação e equilíbrio; a redução da
incapacidade funcional, da intensidade dos pensamentos negativos e das doenças
físicas; e a promoção da melhoria do bem-estar e do humor, além da redução da pressão
arterial (PA) pós-exercício em relação aos níveispré-exercício.
Segundo a Sociedade de Cardiologia Brasileira (2006) o interesse científico
tem se voltado para a análise dos efeitos cardiovasculares de um outro tipo de exercício
físico, o exercício resistido e, principalmente, para seus efeitos sobre a pressãoarterial.
Conforme recomendação citada acima foi desenvolvido um estudo para analisar
o efeito hipotensor do exercício resistido sobre a PA em pacientes onde foi elaborado
um protocolo de exercícios que fosse efetivo para avaliar a resposta pressórica
conforme o termino (término) no período deestudo.
A tabela 2 indica a forma que foram realizados os exercícios resistidos nos
pacientes.
O protocolo de exercícios foi realizado durante 30 dias em dias alternados
totalizando 16 dias de tratamento, cada exercício foi realizado em três séries de 15,
com intervalos de 05 segundos entre as series, e de 30 segundos cada exercício. Antes
de iniciar cada sessão foi aferida a pressão artéria e realizado alongamento global para
aquecimento da musculatura, os exercícios realizados foram de flexão e extensão,
adução-abdução de cotovelo e ombro, elevação e flexão e extensão de quadril ambos
com bola suíça, agachamento em pé com apoio dorsal, abdominal com flexão e
extensão de joelhos alternados usando bola suíça e flexão e extensão de joelho com
theraband.
P á g i n a | 108

Tabela 2: Estudos para analisar o efeito do exercício resistido sobre a PA.

AMOSTRAGEM PROTOCOLO DE PARAMETRO RESULTADOS APÓS O


EXERCÍCIOS S ESTUDO
APLICADOS EM MENSURADO CONCLUIDO
TODOS PACIENTES S
HOMEM PA INICIAL PA se manteve inicialmente,
NORMOTENS PA FINAL vindo a ter redução após a
O
quinta sessão assim se
estabilizando em uma PA
HOMEM PA INICIAL Ocorreu uma redução da PA
HIPERTENS PA FINAL que inicialmente estava alta
O
notou-se que após a sétima
sessão paciente apresentava
Exercícios PA reduzida dentro dos
HOMEM resistidos em PA INICIA PA constantemente alta
FUMANTE dias alternados PA FINAL oscilava durante as sessões e
com duração houve uma redução mínima
E
HIPERTENSO de 30 dias inicialmente, após a décima
totalizando 16 primeira sessão a PA
sessões de 45 estabilizou-se dentro do limite
minutos de dos parâmetros para
MUHER duração e 3 PA INICIAL PA manteve-se estável
NORMOTENS series de 15 PA FINAL durante as sessões iniciais
A repetições cada tendo uma pequena redução
exercícios. no decorrer das sessões
MULHER PA INICIAL PA inicialmente alta oscilando
HIPERTENS PA FINAL nas primeiras sessões logo
A
após a quarta sessão PA se
manteve estável dentro dos
parâmetros de
MULHER PA INICIAL PA inicialmente alta e
FUMANTE PA FINAL conforme andamento das
E
sessões houve redução,
HIPERTENSA porém continuando
quatro sessõ pacient
apresent es nos e
ou PA limite
Fonte: Próprios Autores

Utilizamos de comando verbal, para que os pacientes entendessem como


deveria ser realizado o exercício.
Conforme foram realizados os exercícios inicialmente observamos que a PA da
paciente hipertensa feminina oscilou, de forma que a PA apresentada antes do início do
tratamento apresentava-se alta e reduzia após os exercícios mais na próxima sessão a
P á g i n a | 109
PA estava novamente elevada. Mas após a quarta sessão, notamos que a paciente
apresentava a PA final da sessão anterior, ou seja, a paciente manteve seus valores
pressóricos e teve sua pressão arterial reduzida apenas nas últimas sessões. Chegando
ao fim do tratamento com a PA diminuída e estabilizada. Já o paciente hipertenso
masculino se encontrava durante as aferições iniciais de cada atendimento com a PA
elevada e após cada sessão a pressão tinha uma pequena redução mais permanecia
ainda acima ou no valor limite do considerado PA normal, logo após a sétima sessão,
foi observado que a PA inicial do paciente reduziu, e sua PA final mostrou efeitos
hipotensores dos exercícios, paciente finalizou o tratamento com a PA estabilizada e
dentro dos parâmetros para se categorizado comonormotenso.
Os pacientes fumantes, tanto feminino quanto masculino mantiveram a PA
elevada tendo diminuições após os atendimentos, mais essas diminuições não foram
suficientes para reduzir a PA ao considerado normal nas sessões iniciais, somente no
decorrer da pesquisa nas sessões finais foi possível notar que a PA dos pacientes
diminuiu mais manteve se no valor limite para ser considerado “normal”.
Os pacientes normotensos de ambos os sexos apresentaram PA normais sempre
em 120/80mmhg e 120/90mmhg nas aferições iniciais, em seguida aos exercícios foi
notado que a PA final diminuía ou mantinha-se. Na quinta sessão houve algumas
alterações na PA dos pacientes que veio a reduzir e se manteve estável não sofrendo
alterações nas sessões seguintes. Ambos os pacientes depois das primeiras sessões,
mantiveram a PA estáveis e normais.

Conclusão

Após os fatos, dados colhidos e analisados cuidadosamente, podemos notar que


veridicamente os exercícios resistidos tem influência sobre a PA.
A prática de exercícios resistidos supervisionado feitos em dias alternados com
uma carga baixa a moderada dividida em três séries de quinze surte efeito muito
relevante no sistema cardiovascular, esse efeito acontece não somente no hipertenso,
mais também no normotenso e em pacientes que tenham algum agravante como o
cigarro.
Os principais achados desse estudo foram:
 A Pressão arterial de pacientes hipertenso diminui com exercícios resistidos,
mais a frequência do exercício influencia diretamente sobre a redução da PA,
pois mesmo que a resposta aguda seja hipotensora é necessária uma resposta
P á g i n a | 110
crônica ao exercício para que a pressão se estabilize e continue dentro dos
parâmetrospressóricos.
 Em pacientes hipertenso fumante de ambos os gêneros a resposta ao exercício é
mais lenta, e a resposta aguda ao exercício mostra alterações, mas essas não são
tão significativas quanto do hipertenso não fumante, que começaram a sentir o
efeito dos exercícios nas primeirassessões.
 O paciente normotenso também sofre alteração na PA, sendo esses efeitos
imediatos, na forma de resposta aguda. Já a resposta crônica permitiu que a PA
ficasseestável.
 Pode- se observar ainda que não houve diferença em relação aosgêneros.

Durante o decorrer do estudo os pacientes relataram que estavam sentindo-se


melhores, com menos cansaço e com mais disposição, além de sentirem uma melhora
drástica na redução de dores e sintomas de doenças pré-existentes. Esses sintomas ou
consequências da prática de exercícios somente se mantem se o paciente continuar com
os exercícios regularmente.
Assim podemos concluir que os exercícios resistidos podem ser utilizados em
pacientes hipertensos, desde que isso aconteça de forma correta e com acompanhamento
profissional. Porém, sugerimos que novas pesquisas sejam feitas.

Referência Bibliográfica

I CONSENSO NACIONAL DE REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR. Arq. Bras.


Cardiol., São Paulo, v. 69, n. 4, p. 267291, Out. 1997 . Disponível em
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066782X1997001000010&
lng=en&nrm=iso>. Acesso em
21 Ago. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S0066782X1997001000010.

DENARC – PR, 2011. Divisão Estadual de Narcóticos – Tabaco. Disponível em


http://www.denarc.pr.gov.br/modules/conteudo/conteu do.php?conteudo=22. Acesso
em 30 Ago.2016.

V DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL. Arq. Bras.


Cardiol., São Paulo , v. 89, n. 3, p. e24e79, Sept. 2007 . Disponível em
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066782X2007001500012&
lng=en&nrm=iso>.
Acess
P á g i n a | 111
o em 21 Ago. 2016.http://dx.doi.org/10.1590/S0066782X2007001500012.

MARILYN Moffat Donna Frownfelter 2008, p.05 Fisioterapia do Sistema


Cardiorrespiratório.

NEVES, Daniela Silva. Taxa de Internação Por Acidente Vascular Cerebral: Um


Problema de Saúde Pública no Município de Santo Antônio do Retiro, Minas Gerais.
Aruçaí (MG): UFMG, 2010. Monografia de Especialização em Atenção Básica à saúde
da Família. Orientação de Juliana Dias Pereira dos Santos.

PORTAL BRASIL. Cigarro mata mais de 5 milhões de pessoas, segundo OMS. Portal
Brasil: Saúde. Matéria em Dia nacional de Combate ao fumo; datada de 29 de agosto
de 2014. Disponível em <http://www.brasil.gov.br/saude/2014/08/cigarro-mata-mais-
de-5-milhoes-de-pessoas-segundo-oms> Acesso em 10 de abril de2016.

MORAES JÚNIOR, Jefferson José de. Exercícios Resistidos e Aeróbios e Hipertensão


Arterial. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2007. Faculdade de Educação
Física. Orientação de Rosane Beltrão da Cunha Carvalho.

SIQUEIRA, Letícia; KEMPER, Carlos. Exercício Físico e Alterações da Pressão


Arterial em Idosas Normotensas e Hipertensas: Estudo de Caso. Rev. Vivências. Vol.7,
N.13: p.128-134, Outubro/2011. Contatos: anitasi18@yahoo.come
ckemper@urisan.tche.br

TORRES, Blancard Santos. Tabagismo: O que você precisa saber. Recife (PE): Ed.
UFPE, 2005.
P á g i n a | 112

Família e aprendizagens: a leitura uma influência para a


formação e construção do sujeito leitor e humanista
Gerson Carlos Eduardo¹
Cláudia Camila Ferreira²
Adaiane Claudiene de Sousa Alves³

Resumo: O presente artigo tem por objetivo abordar e refletir acerca do processo de
leitura e sua contribuição para a formação e construção de um sujeito leitor e mais
humanista, ou seja, refletir sobre o desenvolvimento de potencialidades humanas e seus
valores e competências humanas, tendo a família como a primeira instituição
responsável e norteadora no processo educacional do sujeito. Assim, o contexto
discursivo pauta-se numa constante interação por parte da família, valorizando a
importância da aprendizagem em relação à leitura imbuída da literatura oralizada ou
escrita. Pauta-se também o olhar sobre a escola como instituição com papel
sistematizador no processo de ensino-aprendizagem, sendo que, ambas precisam
caminhar com um direcionamento em parceria, em conjunto para realizar e alcançar o
propósito a que se pretende. A família pode ser o exemplo com seu modelo de estrutura
segura ao preparo e incentivo e contato com a criança no seu âmbito de conhecimento, e
da própria bagagem cultural, que sem dúvida precisa ser balizada e valorizada, tanto no
contexto familiar, quanto na escola. Dessa forma, poder-se-á refletir e tentar
compreender um pouco mais acerca dessa temática que, tem sido preocupação de
grande parte dos educadores e pesquisadores da área educacional.

Palavras-chave: Leitura. Família. Escola. Aprendizagem. Formação. Sujeito.


Abstract: The purpose of this paper is to discuss and reflect about the process of
reading and its contribution to the formation and construction of a reader and more
humanized subject; in other words, to reflect about the development of human potentials
and their values and skills, having family as the first responsible and guiding institution
of the subject’s educational process. So, discursive context is based on a constant
interaction of the family, emphasizing the importance of reading learning associated
with oral or written literature. School is also considered as institution with systematizing
role in the teaching and learning process, and both (family and school) must develop
activities together to achive and accomplish their goals. Family can be the example with
its safe structure for the preparation, encouragement and contact between child in her
field of knowledge and the cultural background, that needs to be guided and valued,
both in the family and school context. Thus, it will be possible to reflect and try to
understand a little more about this theme that has been important to most educators and
educationalresearchers.
Keywords: Reading. Family. School. Learning. Formation. Subject.

¹Mestre em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade de Marília UNIMAR. Pós-
Graduado (lato senso) em Crítica Literária pela Universidade Estadual Paulista UNESP/Araraquara. Pós-Graduação
em Formação Pedagógica de Docente da Educação Profissional em Nível Superior e Básico pelo Instituto Federal de
Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo IFSP. Graduado em Letras pela Faculdade de Educação São Luís.
Docente da FTGA - Faculdade de Taquaritinga/SP – IES Integrante do grupo UNIESP – e-mail para contato:
gbagah@hotmail.com
²Aluna do curso de Pedagogia da FTGA – Faculdade de Taquaritinga/SP – IES Integrante do grupo UNIESP – e-mail
P á g i n a | 113
para contato: claudiamilaferreira@hotmail.com
³Aluna do curso de Pedagogia da FTGA – Faculdade de Taquaritinga/SP – IES Integrante do grupo UNIESP – e-mail
para contato: adaiane-claudiene@hotmail.com
P á g i n a | 114
A leitura é uma necessidade cada vez maior e constante em nossas vidas. É de
suma relevância que se tenha em mente a sua importância e seus benefícios. Sendo a
ferramenta capaz de moldar e transformar o mundo, ela é o caminho para ampliação de
conhecimentos, construção na interação social e aquisições ligadas ao comportamento
humano, tendo função transformadora e enriquecedora do saber.
É imprescindível que se crie e oportunize as crianças a terem esse contato e
acesso a esse mundo tão vasto da leitura, criando assim cidadãos críticos, autônomos e
reflexivos. Cidadãos esses capazes de pensar, interagir, demonstrar sentimentos e
sensações, de compreender por meio da percepção da realidade que os rodeia, o
significado humanista de que pouco se tem tido afirmação nas últimas décadas.
Neste contexto, a relação familiar se torna imprescindível no processo de
interestimulação e mediação dando suporte necessário para o seguimento da criança no
contato com a leitura.
O trecho a seguir retirado dos Parâmetros Curriculares Nacionais destaca:

A leitura é o processo no qual o leitor realiza um trabalho ativo de


compreensão e interpretação do texto, a partir de seus objetivos, de
seu conhecimento sobre o assunto, sobre o autor, de tudo o que sabe
sobre a linguagem etc. Não se trata de extrair informação,
decodificando letra por letra, palavra por palavra. Trata-se de uma
atividade que implica estratégias de seleção, antecipação, inferência e
verificação, sem as quais não é possível proficiência. É o uso desses
procedimentos que possibilita controlar o que vai sendo lido,
permitindo tomar decisões diante de dificuldades de compreensão,
avançar na busca de esclarecimentos, validar no texto suposições
feitas. (BRASIL, 1997, p.69-70).

Sendo a maneira mais eficaz de se adquirir conhecimento e contribuir para que o


sujeito trace, escreva a sua própria história, a leitura deve ser tanto para a proposta de
formar leitores quanto para transformar o espaço na constituição do sujeito, em sua
formação e no processo de socialização. Desse modo, a aprendizagem da leitura e da
escrita que tem sido preocupação de inúmeros educadores e pesquisadores, é uma tarefa
ou situação que deve se iniciar cedo e ser prolongada para toda a vida, sendo
compreendida como um processo contínuo e duradouro.
Quando há esse comprometimento por parte da família enquanto geradora e
gerenciadora das ações e comportamento da criança, juntamente com o vínculo da
escola, a probabilidade de preparar e formar leitores, com certeza será bem maior e bem
mais fácil de se trabalhar, com os dois polos envolvidos: família e escola.
Ainda sobre esta temática, os PCNs de Língua Portuguesa pressupõe:
P á g i n a | 115
2
P á g i n a | 116
A leitura, como prática social, é sempre um meio, nunca um fim. Ler é
resposta a um objetivo, a uma necessidade pessoal. Fora da escola,
não se lê só para aprender a ler, não se lê de uma única forma, não se
decodifica palavra por palavra, não se responde a perguntas de
verificação do entendimento preenchendo fichas exaustivas, não se faz
desenho sobre o que mais gostou e raramente se lê em voz alta. Isso
não significa que na escola não se possa eventualmente responder a
perguntas sobre a leitura, de vez em quando desenhar o que o texto
lido sugere, ou ler em voz alta quando necessário. No entanto, uma
prática constante de leitura não significa a repetição infindável dessas
atividades escolares (BRASIL, 1997, p.43).

Quando pensamos em leitura supostamente se faz a associação à escrita, sendo


esta o resultado influenciado daquela. Portanto, tanto a escrita quanto à leitura são dois
fatores imprescindíveis na vida humana. É por meio da aprendizagem destes fatores que
se amplia o conhecimento de mundo e se acessa às diversas formas de comunicação
necessárias na vida em sociedade. Outro ponto importante que pode ser interpretado e
verificamos na citação acima, é o processo de leitura se deslocando em pontos
diferentes, isto é, a leitura não precisa se prender estaticamente à instituição
convencional escola, com algumas obras da literatura as quais são impostas no currículo
escolar, não necessariamente; ela vai sim ser trabalhada, redirecionada, ampliada dentro
da escola, e isso precisa ser dirigido, porém, a instituição escola não pode ser vista
como uma máquina de reprodução repetitiva nesse processo. Essas reflexões são
importantes para termos uma base até mesmo de investigação de como está sendo
organizado, feito e direcionado o processo de leitura doaluno.
Fora do espaço escolar, o aluno vivencia uma realidade que pode ler, vislumbrar
e agregar em seu conhecimento, é o conhecimento de mundo dele, do que a sociedade
propõe, elabora, recria, descria e nos farta com uma avassaladora intensificação de
informações, que são refletidas e observadas, argumentadas, num processo de
construção de mundo, de valores, com suas culturas diversas, linguagens, produções,
eis, as leituras que se sobressaem, voltam para o contexto familiar se fundem, se
apreendem em suas necessidades e interesses edificando, estabelecendo modelos,
tecendo significados que vão fortalecendo a individuação desse sujeito nasociedade.
O sujeito, que ainda não sabe ler e escrever, ele está em fase de aproximação
com o mundo; ao ouvir estórias, causos, fatos ocorridos, tudo e o que lhe é contado,
pode ser o diferencial para a sua compreensão de mundo quando transmitidos e
absorvidos por meio de vozes, gestos, cores, sons, imagens, desenhos, símbolos que são
formas de linguagens e leituras, as quais podem ser decodificadas, interpretadas. De
P á g i n a | 117
3
P á g i n a | 118
fato, não somente a escrita, mas também todas essas formas de comunicação e a própria
leitura associada à literatura, fazem parte da formação do indivíduo, em seu meio de
interação social. Segundo Radino (2011), através da oralidade é possível despertar na
criança a construção de um imaginário, dessa forma, inserindo-a no mundo cultural,
metafórico e simbólico, utilizando como recurso a literatura infantil.
Radino (2011), também comenta sobre a ilustração que faz parte de um código e
transmite uma mensagem, tanto quanto o código escrito. Ler imagens introduz a criança
em um processo cultural. Portanto, as crianças gostam de livros com mais imagens,
ilustrações que vão chamar a atenção delas.
A leitura está intrinsicamente vinculada à literatura, seja a literatura oralizada ou
não; e é por meio da literatura e aqui falamos da literatura infantil, que a criança começa
a descobrir o mundo, a se interagir com situações as quais podem estar atreladas à
realidade ou as possíveis situações da realidade. Unem-se sonhos e realidades, num
contexto em que o sujeito viaja, divaga, reflete, interpreta, pode apreciar ou ter repulsa
de inúmeras descobertas, é quando ele começa a atuar e por em evidência as suas
potencialidades humanas e suas competências.

Família: A primeira escola

A família é a base norteadora no processo educacional, e é de suma importância


que trabalhe em parceria com a escola em prol da criança. Quando o estímulo da leitura
parte de dentro do convívio familiar, a criança tende a se sentir mais preparada para os
estudos, para o trabalho escolar, o futuro e para a vida. Ler um livro, contar histórias e
causos leva a criança a sentir o gosto, interesse e prazer da leitura, colaborando assim na
formação do mesmo.
Não há uma idade apropriada para se introduzir a leitura, pois nenhuma criança é
igual a outra, tudo depende dos estímulos e reforços que elas recebem. A escola e a
família são parceiras nessa caminhada, assim sendo, os pais não devem depositar toda
responsabilidade na escola, devem ser ativos e participativos para que a aprendizagem
aconteça. Para tanto, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, no art. 2º -
(LDB 9.394/96), afirmaque:

[...] a educação é dever da família e do estado inspirada nos princípios


de liberdade e nos ideais de solidariedade humana tem por finalidade
o pleno desenvolvimento do educando. Seu preparo para o exercício
da cidadania e sua qualificação para o trabalho. (BRASIL,1996).
P á g i n a | 119
P á g i n a | 120
A família é a base norteadora no processo educacional, e é de suma importância
que trabalhe em parceria com a escola em prol da criança. Pois, a escola e a família são
parceiras nessa caminhada, de modo que, os pais não devem depositar toda
responsabilidade na escola, mas devem ser ativos e participativos na aprendizagem da
criança. Inventar, ler, envolve a criança dando oportunidades de conhecerem o mundo
da leitura. Em parceria com a escola, devem ser mediadores nesse processo levando e
interagindo com diversos tipos de textos, contribuindo para que se tornem leitores ativos
ereflexivos.
Através dessa mediação feita em família, cria-se não somente o hábito de ler,
mas, também contribui, sobretudo, para a escrita, explorando a capacidade intelectual e
cognitiva e afetiva dos mesmos. É preciso haver a inter-relação constante e permanente
com o meio familiar e social, num processo que vem a ser dialético.
Família e escola formam uma dupla e devem trabalhar como tal, tendo em
comum os mesmos propósitos e objetivos, traçando as mesmas metas para o
desenvolvimento de cidadãos críticos, reflexivos e conscientes. Assim, a educação
acontecerá dentro, fora e junto à escola, potencializando e fazendo com que a criança se
descubra e desenvolva na realidade em que vive. Os pais devem ter o comprometimento
de estarem próximos, atuantes no ensino para com as crianças, afinal são eles os
responsáveis e irão contribuir para o aprendizado, a partida para a educação futura.
Eles são os responsáveis por moldar a mente de seus filhos
desdeosprimeirosanosdevida.
Apartirdessascolocaçõespodemosdizerqueénainfânciaquesedeve
apresentaraospequenos,omundodaalfabetizaçãoedaleitura,tendooseiofamiliar
comooprimeiroambientealfabetizadoreafamíliacomoabaseestrutural,paraque haja a
possibilidade de se construir com êxito o processo educacional.
A respeito desse levantamento Ellen G. White no livro Conselho ao Pais,
Professores e Estudantes, enfatiza:

É no lar que a educação da criança deve ter início. Ali está a primeira
escola dela. Ali, tendo seus pais como instrutores, a criança terá que
aprender as lições que devem guiá-la por toda a vida-lições de
respeito, obediência, reverência e domínio próprio. (WHITE, 2007,
p.107).

Os pais devem induzir a criança a descobertas, devendo ter uma postura de


instrução, guiar e mostrar o caminho certo e nunca realizar ou propor respostas prontas,
P á g i n a | 121
e incentivar apoio à busca de novos conhecimentos, pois, elogios são necessários, mas

5
P á g i n a | 122
correção adequada também. Na Bíblia Sagrada (1993) no livro de Provérbios
encontramos a seguinte colocação que pode servir como orientação: “Educa a criança
no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.”
(Provérbios 22:6, p.452).
Essa orientação diz respeito a ensinar a criança não somente para o caminho do
bem, mas também podemos utilizá-la com relação à aprendizagem, pois, se desde
pequenas colocarmos a leitura e a literatura como algo rotineiro e prazeroso, quando
adulto a leitura se tornará um hábito. A família deve manter sempre uma parceria e um
convívio com a escola, pois são situações indispensáveis para o desenvolvimento das
crianças. Ações como verificar o caderno diariamente, organizar regras em casa para
leitura, atividade, ou seja, que a criança perceba e vá absorvendo o comprometimento
pautado no seio familiar; participar de reuniões, conversar com os professores sobre o
desempenho da criança, o comportamento dentre outros, podem parecer coisas simples,
porém, são essas atitudes com a participação dos pais em relação à vida escolar de seus
filhos que favorecerá e contribuirá para a formação de um sujeito leitor, reflexivo, mais
crítico e com competências para exercer a cidadania e o convívio dentro desse sistema
pluricultural em que vivemos.

Funayama (2008, p. 80) corrobora:

Através de seu envolvimento, os pais fornecem os recursos


emocionais essenciais ao desenvolvimento de um senso de
competência, tanto quanto recursos mais concretos, como, por
exemplo, um local apropriado para fazer a lição de casa. Exemplos
simples de vida quotidiana ilustram o envolvimento dos pais: ler para
uma criança e ouvir sua leitura quando ela solicita; promover e
compartilhar atividades no final desemana.

Sabe-se que aquelas crianças cujos pais leem contos, comentam suas leituras e
fatos culturais e falam sobre a linguagem, até mesmo causos, lendas, inventa estórias,
observam imagens, quadros, e fazem destes uma leitura, têm em geral, melhores
resultados escolares e até mesmo comportamento que difere daqueles em que ocorre
essafalta.

Ambiente alfabetizador: escola segunda família


O ambiente alfabetizador direciona a aprendizagem, a partir do qual a criança
consegue sozinha adquirir novos conhecimentos. Sendo um espaço bem estruturado
P á g i n a | 123

6
P á g i n a | 124
pode auxiliar nos métodos de alfabetização, quanto maior a influência e as
características alfabetizadoras maiores as possibilidades de o aluno se entregar ao
processo de alfabetização, ou seja, dando-lhes oportunidades de participar, interagir e de
descobrir o que está ao seuredor.

Teberosky (2016, p. 74), afirma:

Um ambiente alfabetizador é aquele em que há uma cultura letrada,


com livros, textos digitais ou em papel, um mundo de escritos que
circulam socialmente. A comunidade que usa a todo momento esses
escritos, que faz circular as ideias que eles contêm, é chamada
alfabetizadora.

Esse ambiente pode ser a família, a escola, como também a comunidade, a


sociedade em que a criança está inserida, portanto, cada uma tem o seu
desenvolvimento de acordo com o estímulo querecebe.

Se no ambiente familiar e na sociedade ela não teve oportunidades de se inserir


em uma cultura letrada, acesso a livros e ao mundo da escrita, ao chegar à escola terá
mais dificuldades que outra criança que desde pequena foi estimula através da leitura,
por exemplo. Cabe então ao professor proporcionar esse ambiente que Teberosky
(2016) define como o educador deve elaborar um lugar agradável aos olhos dos
pequenos, que desperte curiosidades e que proporcione um mundo de escrita ao redor
deles, dando assim oportunidades iguais atodos.
Nesse ambiente o professor deve ser apenas o mediador, sempre pensando no
conhecimento prévio que cada aluno traz consigo, avaliando a continuidade da
aprendizagem. Como forma de organização, podemos descrever que a principal
caraterística é ter materiais ao alcance das crianças, em que não precisem de ajuda para
interagir com espaço. Diversos tipos de livros, alfabetos móveis, revistas, jogos de
alfabetização, imagens, são algumas ideias e exemplos.
É extremamente importante que os alunos tenham a oportunidade de levar livros
escolhidos por eles, para casa, onde poderão dividir com os pais o prazer da leitura e
esses terão a oportunidade de auxilia-los. E também o incentivo de levar um livro que
ele goste para a escola a fim de que haja uma interação e uma amostragem deleitura.
Uma forma de realizar essa atividade e despertar o interesse é criar a "maleta de
leitura", "mala viajante" ou "sacola de leitura" onde a criança possa levar os livros
escolhidos por ele com maior facilidade. Podendo ser essa maleta toda enfeitada
“divertida” para atrair a atenção dos pequenos, e que ela possa ir e vir sempre com
P á g i n a | 125
7
P á g i n a | 126
novidades. Junto a essa pasta pode se agregar um caderno de registros, ou seja, após a
leitura dos pais e com ajuda deles, o aluno escreva, desenhe o que entendeu e se gostou
do livro, ou se não gostou, que parte mais lhe chamou a atenção dentre outras situações.
Em sala de aula o(a) professor(a) pode trabalhar esses registros através
de uma roda de conversa, explanar as várias “viagens” da leitura feita pelosalunos.
Outro procedimento que auxilia os educadores é a leitura compartilhada, ou seja,
aquela leitura em que os alunos também possuem um livro, ou conte uma estória que já
tenha ouvido. Deve-se pedir para que leiam da forma deles as palavras e a imagens,
realizar perguntas e permitir que os alunos também discutam sobre os textos lidos,
apenas auxiliando nessa interação como forma de incentivar o começo da leitura.
Despertar algum sentido nessa prática implica estímulos, cabendo aos
envolvidos adequarem a realidade, a qualidade e a idade da criança, pois culturalmente
a criança está provida de uma bagagem que vem do seu meio familiar e comunitário,
com suas representações evalores.

Ao ingressar na escola, seja qual for sua idade, a criança traz consigo
as marcas de seu meio cultural. Inserida em um meio familiar e
comunitário, ela carrega consigo conjuntos de representações
simbólicas que lhe foram transmitidas por seus pais, avós e amigos. A
cultura é um fenômeno humano, organizada em códigos simbólicos de
relações e valores tais como: tradições, religiões, leis, política, ética,
artes, etc (Jean, 1990b). A criança em idade pré-escolar adquire a
maior parte de seus conhecimentos através da transmissão oral. Os
adultos com quem convive são os que a introduzem no uso da palavra.
“(...) A língua é o instrumento necessário e privilegiado de toda a
relação educativa e, ..., é em grande parte pela língua que se revela a
cultura inicial, para não dizer primitiva, de toda a criança” (RADINO,
2001, p. 74)

Assim, o processo de construção de leitores, possibilitando a constituição de um


sujeito mais preparado, desenvolvido e atuante na sociedade, dar-se-á com a interação e
integração da criança com o meio, e o respeito mútuo neste preparo, que envolve um
comprometimento por parte dos envolvidos “família-criança-escola”.
A escola deve providenciar, garantir e descobrir meios de quando e como criar um
ambiente propício à leitura para que essa prática seja efetiva e contínua, abrindo novos
rumos e olhares atentos a essa prática. Todos devem se unir para o procedimento da
criança e para o seu progredimento, fazendo da leitura um hábito benéfico e eficaz,
estimulando a inteligência e cooperando para a inserção dos indivíduos na sociedade em
que estamos vivendo.
P á g i n a | 127
8
P á g i n a | 128
Durante análises e leitura, elaboramos um quadro para uma apreciação visual
neste contexto, para um olhar e uma compreensão prévia:

Figura 1: Interação

criança

leitura

escola família

Fonte: Os autores

Assim como os pais, também é fundamental que a escola garanta aos seus
alunos, o contato com os livros desde pequeninos. O professor em sala de aula deve
apresentar diversas obras literárias para que possam ter contato e aprimorar o
conhecimento, aprendam a manusear, a buscar informações, com isso as crianças tem
uma grande probabilidade de se tornarem leitores assíduos, transformando e
enriquecendo e aprimorando a suaescrita.
Toda escola, particular ou pública, deve fornecer uma educação de qualidade
incentivando a leitura, pois dessa forma a população se torna mais informada e crítica
Num mundo contemporâneo, onde a tecnologia passou a ser a nossamaior concorrente,
onde o digital é mais presente que o manual (livros) na vida das crianças, é
desafiadorpara os docentes, mas não impossível, trabalhar com a leitura, por isso é de
grande valor que tenham o contato físico com os livros. Quanto mais cedo esse contato
acontecer, melhor será, pois mais cedo formaremos aprendizes e formadores de
opiniões.
Meirelles (2010) relata que o início do ensino fundamental é essencial para os
alunos desenvolverem autonomia e continuarem seu percurso para se tornar leitores.
Nessa etapa, o melhor é estimular a troca de livros e de opiniões, sobre o que se lê.
Torna-se importante o desenvolvimento na criança para o hábito leitor, e que
elas possam compreender e entender o que está sendo lido. Para isso é necessário que
elas tenham a disposição livros de diversos contextos, assim desenvolveremhabilidades
P á g i n a | 129
9
P á g i n a | 130
eautonomiatornando-seleitoresfluentes.Adisponibilidadedelivrosaelasajudano processo
de alfabetização, uma vez que não é necessárioestaremcompletamentealfabetizadas para
conhecerem o mundo da leitura, é desuma importância quetenham
acessodesdecedo,quesepermitam,toquemesintam-selivresparaessemanuseio. Na sala de
aula a proposta é que o educador procure sempre ler
livrosparaascriançasetambémqueasmesmaspossamlerecompartilharaleituraemrodasde
conversas,podendotrocarexperiênciasdelivrosjálidoscomoscolegasaguçando
assimointeressedasoutras.Oprofessordeveseromediadorresponsávelemlevara seus
alunos, diversas informações e conteúdo e fazer com que a criança reflita,
proporcionando atividades múltiplas e lúdicas explorando o interesse dos mesmos.
A criança já vem para escola com uma bagagem própria de informações e
conhecimentos individuais, com sua cultura, cabe então ao professor a explorar esses
conhecimentos para que haja harmonia e entendimento do aluno, desenvolvendo
habilidades e uma boa aprendizagem, respeitando sempre o que a criança traz de casa e
levando-a a outras explorações.

De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais da língua portuguesa:

Formar um leitor competente supõe formar alguém que compreenda o que lê;
que possa aprender a ler também o que não está escrito, identificando elementos
implícitos; que estabeleça relações entre o texto que lê e outros textos já lidos;
que saiba que vários sentidos podem ser atribuídos a um texto; que consiga
justificar e validar a sua leitura a partir da localização de elementos discursivos.
Um leitor competente só pode constituir-se mediante uma prática constante de
leitura de textos de fato, a partir de um trabalho que deve se organizar em torno
da diversidade de textos que circulam socialmente. Esse trabalho pode envolver
todos os alunos, inclusive aqueles que ainda não sabem ler convencionalmente.
(BRASIL, 1997, p. 41).

Diante do exposto torna-se necessário a motivação da leitura, tendo a escola, a


função de criar um ambiente estimulador, prazeroso para a continuidade fora do
contexto escolar. Escola tem de ter intenção de garantir fluidez, levando as perspectivas
que o aluno necessita, produzindo significados positivos em relação àproposta.

Brasil (1997, p. 43) ainda relata:

Para tornar os alunos bons leitores — para desenvolver, muito mais do


que a capacidade de ler, o gosto e o compromisso com a leitura —, a
escola terá de mobilizá-los internamente, pois aprender a ler (e também
P á g i n a | 131
10
P á g i n a | 132
ler para aprender) requer esforço. Precisará fazê-los achar que a leitura é
algo interessante e desafiador, algo que, conquistado plenamente, dará
autonomia e independência. Precisará torná-los confiantes, condição
para poderem se desafiar a “aprender fazendo”. Uma prática de leitura
que não desperte e cultive o desejo de ler não é uma prática pedagógica
eficiente.

O professor em sala de aula deve ser um modelo leitor, tendo em vista que esse é um
dos meios mais considerável para a aprendizagem. Com apoio da escola, o mesmo tem que
oferecer recursos de leitura para exercer as capacidades dos alunos, ênfatizando o
aprimoramento dosenvolvidos.

A importância e influência da leitura na formação e construção do


sujeito leitor

O mundo da leitura enriquece o sujeito para o convívio social, o conhecimento e


a informação. Um livro, um jornal ou coisa semelhante tem o poder de transformar o
mundo e de modificar essa realidade. Sendo um processo contínuo, deve-se incentivar o
sujeito a buscar e expandir novos horizontes, proporcionando oportunidades e meios
para essa descoberta. Cada leitura deve se tornar um aprendizado e não mais uma na
lista, mostrar a criança/sujeito que a leitura é algo essencial, inestendível e necessário
para toda a vida e mediante disso, o enriquecimento do vocabulário, a forma de
escrever, falar e até mesmo de agir e pensar serão notavelmente o suporte para a
diferenciação até mesmo profissional, pois quanto mais se le, mais seaprende.
De acordo com Bamberger (1975), o desenvolvimento de interesses e hábitos
permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se
sistematicamente na escola e continua pela vida afora.
Diante a afirmação percebe-se o quanto é necessário o estímulo tanto por parte
da família, como por parte da escola nesse processo. Ambos têm de tero
comprometimento de serem os orientadores para a formação dessas crianças, que estão
inseridas nesse mundo tecnológico, onde o digital tornou mais acessível que o manual.
Ler é essencial para o crescimento e o amadurecimento do indivíduo, levando-o
a e expansão e aquisição de conhecimentos. Um indivíduo bem informado saberá
compreender os problemas e soluções, saberá cumprir seus deveres e cobrar seus
direitos. Ao se escutar uma leitura lida pela criança, deve primordialmente elogiá-la
para elevar a sua autoestima, contribuindo sempre para que a criança progrida. O
P á g i n a | 133
11
P á g i n a | 134
caminho na formação de leitores é longo, mas não impossível. Caberá à família e à escola,
contribuírem para que a criança trilhe nesse caminho. A criança geralmente é um espelho dos
pais, por isso é importante que o exemplo venha deles.
Levar a leitura como hábito divertido, possibilita o próprio conhecimento, fazendo com
que esse momento se torne frequente e um momento de prazer e não de martírio, por isso, os
livros devem ser vistos e apresentados como “bons amigos” que nos acompanharam a vida
toda, podendo nos levar a imaginações, a várias sensações, emoções, dentre outras.
Lembrando que não existe uma idade certa para apresentá-los a uma criança, quanto mais
cedo terem o contato, melhor será para a criança.
Segundo Viveiros (2014) destaca:

A criança que lê, possui mais conhecimento do mundo, requisito


básico para o desenvolvimento de uma melhor interpretação textual,
habilidade fundamental no contexto escolar. Sem a leitura, o
desempenho nas demais disciplinas estudadas na escola
écomprometida.

Sendo assim, constatamos que a leitura é a base norteadora no processo ensino


aprendizagem, sendo uma das ferramentas capaz de fazer com que a criança busque novos
horizontes. A leitura deve ser dinâmica oportunizando análises, compreensões e reflexões. Ler
envolve uma série de estratégias que deve ser observadas e praticadas pela escola e, sobretudo
pelos pais, introduzindo a criança ao convívio social, para que ela se torne um sujeito capaz,
mais humanista no convívio sociocultural e no que diz respeito a agir em plenitude com as
possibilidades de realizações social e profissional e também comocidadão.

REFERÊNCIAS
A importância da leitura na vida do ser humano. Homepage. 2009. Disponível em:
<https://voluntarios.institutocea.org.br/pages/6410-a-importancia-da-leitura- na-vida-do-ser-
humano>. Acesso em: 28 ago. 2016.

BAMBERGER, Richard. Como incentivar o hábito da leitura. São Paulo: Cultrix,


1975.

BRASIL. Decreto-lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e


bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 23
dez. 1996. Seção 1, p. 27833. Disponível em:
<http://www.jusbrasil.com.br/diarios/1541961/pg-1-secao-1-diario-oficial-da- uniao-dou-
de-23-12-1996>. Acesso em: 25 mar. 2016.

BRASIL. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais:


língua portuguesa. Brasília: Sec. da Educação Fundamental, 1997. 144 p. Disponível em:
P á g i n a | 135
<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf> Acesso em: 18 out. 2016.

BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução de João F. de Almeida. 2. ed. Barueri:


Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

Dicas para despertar o gosto pela leitura. Booxs. Homepage. 2014. Disponível em:
<http://www.booxs.com.br/dicas-despertar-gosto-leitura/>. Acesso em: 28 ago. 2016.

FERREIRA, M. C. R. et al. Os fazeres na educação infantil. 12. ed. São Paulo:


Cortez, 2011.

FUNAYAMA, C. A. R. (Org.). Problemas de aprendizagem: enfoque


multidisciplinar. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MEIRELLES, E. Literatura do 1º ao 5º ano: ajude os alunos a ler com autonomia.


Nova Escola, [S. l.], n. 234, ago. 2010. Disponível em:
<http://acervo.novaescola.org.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/literatura-1o-ao-5o-
ano-ajude-alunos-ler-autonomia-583986.shtml>. Acesso em 23 set. 2016

RADINO, Gloria. Oralidade, um estado de escritura. Psicologia em Estudo, Maringá, v.


6, n. 2, p. 73-79, jul./dez. 2001. Disponível em
<http://www.scielo.br/pdf/pe/v6n2/v6n2a10.pdf>. Acesso em 20 out. 2016.

TEBEROSKY, A. Ana Teberosky: debater e opinar estimulam a leitura e a escrita.


Entrevista concedida a Paola Gentili, [S. l.], 26 ago. 2016. Disponível em:
<http://novaescola.org.br/conteudo/251/ana-teberosky-debater-e-opinar- estimulam-a-
leitura-e-a-escrita>. Acesso em: 14 maio 2016.

VIVEIROS, R. A importância da leitura na formação das crianças. Homepage.


2014. Disponível em: <http://www.institutonoa.org/single-post/2014/08/19/a-
import%c3%a2ncia-da-leitura-na-forma%c3%a7%c3%a3o- das-crian%c3%a7as>.
Acesso em: 18 jul. 2016.

WHITE, E. G. Conselhos aos professores, pais e estudantes. [S. l.]: Ellen G. White Estate,
2007. Disponível em:
<http://centrowhite.org.br/files/ebooks/egw/Conselhos%20aos%20Professores,
%20Pais%20e%20Estudantes.pdf>. Acesso em: 11 maio 2016.
P á g i n a | 136

Prevenção e orientação fisioterápica às pessoas portadoras de


osteoporose na 3ª idade – uma revisão bibliográfica

Daiane Cristina Clemente¹


Priscila de Oliveira Santos Pinheiro²
Walther Spinelli Filho³

Resumo
Envelhecer é um processo manifestado por um declínio das funções de diversos órgãos,
observa-se alterações funcionais ou estruturais que vão evoluindo para falta da capacidade
física, mental e social. Este declínio traz a ocorrência de várias doenças como a osteoporose e
deformidades ósseas. A osteoporose é uma doença osteometabólica com redução da massa
óssea e deteriorização da micro-arquitetura, levando ao enfraquecimento ósseo tornando-os
vulneráveis à fraturas. É uma doença silenciosa, assintomática, lenta e progressiva,
geralmente diagnosticada após ocorrerem fraturas espontâneas nos ossos do punho, quadril,
coluna vertebral e colo do fêmur. É preciso que se tenha um diagnóstico precoce, e através de
um exame chamado densitometria óssea é possível medir o nível da densidade óssea. A
fisioterapia tem papel fundamental na prevenção, orientação e tratamento destes idosos,
incentivando à prática de exercícios físicos, melhorando a qualidade de vida, evitando assim o
aumento dos fatores de risco como quedas, deformidades ósseas, fraturas e dependências por
invalidez.
Palavras-chave: Osteoporose. Idosos. Exercício físico. Qualidade de vida.

¹ Acadêmica em Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga UNIESP - FTGA. daiane.c.clemente@gmail.com


² Acadêmica em Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga UNIESP - FTGA. priscila.s.pinheiro@bol.com.br
³ Atualmente é Professor do curso de Fisioterapia da Faculdade de Taquaritinga – FTGA, Fisioterapeuta -
FISIOCLINICA S/S LTDA. Fisioterapeuta Concursado e Responsável na Unidade Básica de Saúde em Cândido
Rodrigues. Especialização em Fisioterapia Ortopédica e Traumatológica ligada a Medicina do Esporte (2000),
Especialização em R.P.G. (Reeducação Postural Global, 1997). Foi Coordenador do Curso de Fisioterapia da
Faculdade de Taquaritinga – FTGA no período de 2007 a 2011. Mestrado em Engenharia de Produção (2013).
fisioclinica1@terra.com.br
P á g i n a | 137

Abstract
Aging its a process manifested by a decline of functions of several parts of the body. Its
observed functional or structural changes which go evolving to the lack of physical, mental
and social capacity. This decline brings the occurrence of many diseases like osteoporosis and
osseous deformities. Osteoporosis is an osteometabolic disease that causes reduction of
osseous mass and deterioration of the micro-architecture, leading to bones weakening making
them vulnerable to fractures. Is a silent, asymptomatic, slow and progressive disease, usually
diagnosed after spontaneous fractures in the wrist, hip, spine and femur bones. Its necessary to
have an early diagnosis through an examination called osseous densiometry that is possible to
measure the level of bones density. Physiotherapy plays a fundamental role in the prevention,
orientation and treatment of these elderly people, encouraging the practice of physical
exercises, improving life quality, avoiding the increasing of the risk factors such as falls,
osseous deformities, fractures and disability dependencies.

Key-Words: Osteoporosis. Elderly. Physical exercises. Life quality.

Introdução

A osteoporose tem a característica dos ossos comprometidos, com o aumento de


fraturas, dor, deformidades e a incapacidade física, é uma doença silenciosa muitas vezes só é
descoberta logo após uma fratura. (Freitas et al Gorzoni 2013 p. 839-843).
Com o avanço da idade a osteoporose é mais comum, sendo assim ocorre à perda ou o
afinamento do tecido ósseo que deixa os ossos mais fracos e quebradiços. Devido à baixa
produção de hormônios sexuais, os ossos se tornam mais finos e porosos. A falta de
atividades físicas é um sério fator de risco para a osteoporose. O tabagismo, tratamento com
corticosteróides, artrite reumatóide, hipertireoidismo e falência renal crônica, também podem
influenciar o desenvolvimento da osteoporose. (Steve Parker, 2012 p.48)
A osteoporose tipo I ou pós-menopausa acomete pessoas com idade igual ou menor
que 65 anos, onde vai acontecer o remodelamento ósseo em maior quantidade, com perda
relativa de osso trabecular e ocorrem também fraturas vertebrais e do antebraço distal. As
mulheres nesta fase da vida são muito mais afetadas que os homens. Esta perda óssea esta
associada ao declínio agudo da produção ovariana de estrogênios, hormônio que por sua vez
faz a proteção dos ossos. Esta perda óssea tem longa durabilidade e após os 70 anos de idade
ela pode aumentar. (Moreira; Pinheiro; Neto, 2009 p.260-277).
A osteoporose tipo II ou senil atinge pessoas com idade igual ou maior que 65 anos, o
remodelamento ósseo é bem lento, com perda relativa de osso cortical e ocorremtambém
P á g i n a | 138

fraturas do fêmur proximal. Devido à perda de massa óssea, a perda de equilíbrio, a


diminuição da visão, audição e os riscos ambientes como iluminações inadequadas, calçadas
irregulares que provocam as quedas, podem até levar os idosos a óbito. Entre as quedas temos
5% que resultam em fraturas leves e de 5% a 10% que resultam em fraturas mais graves. Pela
faixa etária temos 32% de 65 a 74 anos, 35% de 75 a 84 anos e 51% acima de 85 anos.
(Moreira; Pinheiro; Neto, 2009 p. 277).

Metodologia

Foram realizados levantamentos bibliográficos utilizando livros, revistas, artigos científicos


em formato impresso ou eletrônico a fim de reunir e aprofundar o conhecimento sobre o tema
proposto. Iniciou-se a leitura desses dados levando em consideração temas que abordassem a
prevenção e orientação fisioterápica em osteoporose e a utilização de exercícios físicos para a
terceira idade como prevenção e tratamento.

Envelhecimento

Estudos revelam que o envelhecimento no Brasil segundo as pesquisas do IBGE


(2013), estima-se que a população de 65 anos ou mais passe de 14,9 milhões (7,4% do total)
em 2013, para 58,4 milhões em 2060 equivalente à 26,7% da população total do país.
(Ruzene, 2014 p.11)
Paschoal (1996) relata que envelhecimento vem de vários fatores, biológicos, sociais,
econômicos, funcionais e cronológicos. Biologicamente o envelhecimento não começa aos 60
anos e sim logo após o nascimento; socialmente, o envelhecimento vai depender do momento
histórico e da cultura; intelectualmente, fala-se que a pessoa esta envelhecendo quando
acontece perda de memória, falta de atenção, perca de orientação e concentração;
economicamente, a pessoa envelhece quando começa a receber a aposentadoria;
funcionalmente quando o idoso não consegue mais, realizar as atividades diárias e depende de
outra pessoa para realizá-las; cronologicamente a pessoa se torna idoso aos 60 ou 65 anos de
idade. (Silva, 2009 p. 23).
O envelhecimento ocorre com perda das funções de diversos órgãos do corpo. Tudo se
inicia sem que a pessoa perceba, mas com o tempo vão aumentando, levando a alterações
funcionais e estruturais. Com 30 anos de idade, acontece perda de 1% da função orgânica,
P á g i n a | 139

mas tudo depende de pessoa para pessoa e de organismo para organismo. (Papaléo Netto apud
Driusso; Chiarello, 2007 p. 2).
Vários fatores estão contribuindo para que a taxa de mortalidade de idosos esteja
diminuindo como mudanças favoráveis no estilo de vida e alimentação, combate ao fumo,
realização de exercícios físicos antes dos 60 anos ou até mesmo quando atingem esta idade,
entre outras coisas que permitem uma melhor qualidade de vida e uma expectativa de vida
maior. (Wenger apud Driusso; Chiarello, 2007 p. 3).
Um ponto importante é saber diferenciar senescência e senilescência. Senescência ou
envelhecimento primário (fisiológico) acontece com todo mundo processo natural do
envelhecimento. Senilescência é o envelhecimento secundário (patológico) geralmente
acompanhado por doenças crônicas degenerativas que acarretam danos à saúde como a
osteoporose, osteoartrose, doenças cardiovasculares, demências, canceres entre outras
patologias. (Birrem; Schaie; et al Silva 2009, p. 26).

Osteoporose

Osteoporose é uma doença osteometabólica que pode evoluir e é caracterizada pela


baixa densidade óssea e pela deterioração da microarquitetura do tecido ósseo, levando assim
ao aumento da fragilidade óssea, com maior risco da fratura após mínimos traumas. (Szejnfeld
2010, p. 417).
É uma doença sistêmica do esqueleto, se caracteriza pela redução da massa óssea,
levando ao aumento da fragilidade e maior risco de fraturas, ocorre à diminuição da
estabilidade dos ossos. (Dölken, 2008, p.497).
A osteoporose é silenciosa, assintomática, lenta e progressiva, as principais fraturas
que ocorrem são, ossos do punho, do quadril e da coluna vertebral. (Rebelatto; Morelli, 2007,
p.300).
A manifestação da perda de massa óssea é de etiologia muito complexa, multifatorial,
pois inclui fatores como: etnia, idade avançada, hereditariedade, sexo, sedentarismo,
tabagismo e fatores nutricionais. (Dias; Leite; Venhoven, 2006, p. 32-37).
Os ossos servem para proteger os órgãos, além de sustentar e estruturar o corpo ajuda
no movimento e serve de alavanca para o sistema muscular, são depósitos de cálcio e sais
minerais. Eles são compostos por duas camadas macroscópicas: osso cortical (mais duro e
P á g i n a | 140

externo) e o osso trabecular (mais interno e esponjoso), e mais vulnerável à osteoporose.


(Rebelatto; Morelli, 2007, p. 301).
Na infância, na adolescência e no início da fase adulta, a quantidade de osso que vai
sendo depositado é maior do que a quantidade de osso que vai ser removido, com isso o
esqueleto cresce, os ossos ficam maiores, mais densos e fortes. Na osteoporose ocorre o
oposto, os ossos ficam mais fracos, levando à diminuição da massa óssea e menor resistência.
(Szejnfeld, 2010, p. 418).

Osteoporose Tipo I - Osteoporose Primária, Osteoporose Pós-menopáusica.

Esse tipo é encontrado nas mulheres pós-menopáusicas é caracterizada por acentuada


reabsorção óssea. A diminuição de níveis de estradiol (hormônio) aumenta a frequência do
ciclo de remodelagem dos ossos. O aumento das células de osteoclastos destrói as trabéculas
ósseas, podendo levar a fraturas cominutivas e o colapso de vértebras ao pegar peso ou na
rotação do tronco inclinando para frente. A baixa de estradiol faz com que a força muscular
também diminua, agravando assim a reabsorção óssea de fator mecânico. (Dölken, 2008, p.
500).

Osteoporose Tipo II - Osteoporose Secundária, Osteoporose Senil.

Essa forma manifesta em homens e mulheres a partir dos 65 anos, sua característica é
o baixo índice de neoformação óssea. A osteoporose primária se difere da osteoporose
secundária não pelo aumento da atividade dos osteclastos e sim pela redução da atividade
osteoblástica. Afeta todo o esqueleto levando a fratura dos ossos mais solicitados como
corpos vertebrais, colo do fêmur, costelas e úmero distal e subcapital. (Dölken, 2008, p.501).
Entre 65 a 75 anos as mulheres apresentam um misto de osteoporose, devido à
deficiência de estrógenos (pós-menopausa) para a osteoporose senil. Com o avanço da idade
observam-se frequentemente fraturas dos ossos longos, principalmente do fêmur proximal,
além do colapso de corpos vertebrais e das fraturas por compressão. Além da deficiência
hormonal em homens e mulheres, existe também a falta de atividade física, carência de cálcio
e vitamina D, a falta de vitamina D torna insuficiente a absorção do cálcio alimentar, e
aumenta a eliminação do cálcio pelas fezes e urina. (Dölken, 2008, p. 501).
P á g i n a | 141

Osteoporose Gravídica

Essa é uma forma de osteoporose encontrada em 0,4/100.000 mulheres jovens, alguns


casos não são registrados. (Hellmeyer et al, 2004, p. 502).
Na osteoporose gravídica as mulheres apresentam diminuição comprovada da
densidade óssea durante a gestação. (Dölken, 2008, p. 502).

Quadro clínico da osteoporose

A primeira manifestação se dá por fraturas e são frequentes nas vértebras, terço distal
do rádio, fêmur, úmero e nos pequenos ossos periféricos (metatarsos). Nas vértebras as
fraturas se apresentam com dores agudas e pode ser acompanhada por raquialgia. (Szejnfeld,
2010, p. 418).
Com o surgimento de uma ou mais vértebras fraturadas, começam a surgir
deformidades esqueléticas que são características da osteoporose como: acentuação da cifose
dorsal (corcunda da viúva), acentuação da lordose cervical e retificação da lordose lombar.
Isso facilita a ocorrência de infecções das vias aéreas superiores e constipação intestinal
crônica. Nas fraturas de quadril, 12% dos pacientes morrem 3 meses depois da fratura, 50%
morrem após 1 ano e os demais 50% se recuperam mas podem perdem a liberdade de
movimento, e se tornam dependentes de sua família e do estado. (Szejnfeld, 2010, p. 418-
419).

Fatores de risco para osteoporose

Alguns fatores de risco para osteoporose e fraturas podem ser divididos em:
modificáveis, não modificáveis e entre outras condições. (Szejnfeld, 2010, p.419).

Quadro39.1 FATORES DE RISCO PARAOSTEOPOROSE

Não-Modificáveis Modificáveis Outras Condições


Sexo Níveis hormonais Medicamentos
Idade Dieta Doenças osteopenizantes
História familiar Atividade física
P á g i n a | 142

Tamanho dos ossos Álcool


Etnia Tabagismo
Fonte: Guia de Reumatologia, SATO, Emília Inoue, pag. 419, 2ª Ed., São Paulo, Manole,
2010.

Diagnóstico da osteoporose

O exame mais seguro e confiável ainda é a Densitometria Óssea, um teste simples e


não invasivo podendo ser realizado inclusive por gestantes, é um método quantitativo que
identifica os vários estágios da doença, baseia-se na imagem dos ossos da coluna lombar, do
colo do fêmur, do corpo todo ou de regiões específicas é registrado em peso por unidade de
superfície e é baseado no enfraquecimento de um raio de fótons ou de raios X pela
hidroxiapatita do osso. O exame radiológico é capaz de revelar a diminuição do número de
trabéculas, diminuição acentuada da altura do corpo da vértebra seus contornos e lâminas.
(Dölken, 2008, p. 503-504).
A radiografia de coluna lombar é de suma importância, pois avalia
alteraçõesdegenerativas como: osteofitose e calcificação da aorta. Com o paciente de perfil
pode serobservado fraturas de vértebras, diminuição maior que 20% entre a altura vertebral
(anterior média e posterior). A resistência óssea parece estar determinada pelo número e pela
espessura das trabéculas e pontes que formam entre si. (Lemos; Nakaoka; Kashiwabara, 2013,
p. 45-48).
Ultrassonografia quantitativa, Tomografia Computadorizada, Cintilografia Óssea
também são utilizados para diagnóstico da osteoporose. (Dölken, 2008, p. 505).
Exames Subsidiários: são realizados em laboratórios, recomenda-se hemograma,
provas de atividade inflamatória, eletroforese de proteínas, cálcio, fósforo, fosfatasse alcalina
e cálcio na urina 24 horas. Pode ser pedida também a dosagem de (TSH), (LH), (FSH), (GH),
cortisol plasmático, anticorpo antigliadina são feitos se houver suspeita das doenças
relacionadas. (Szejnfeld, 2010, p.421).

Tratamento

O tratamento para osteoporose consiste basicamente em medidas gerais (dieta,


atividade física, suplementação de cálcio, vitamina D) e medicamentosas (raloxifeno,
P á g i n a | 143

calcitocina, ranelato de estrôncio, teriparatida PTH), os bifosfanatos, alendronato, risedronato,


ibandronato, zoledronato e a Terapia Hormonal. (Szejnfeld, 2010, p. 422 - 423).
Durante os estudos foi observado falta de conhecimento em relação à dieta com a
osteoporose, 70% dos idosos desconheciam a informação e os poucos pacientes que
receberam orientações 66,7% foram por consultas ao médico, 20,8% pelosmeios de
comunicação e 12,5% por revistas e folhetos. (Carvalho; Fonseca; Pedrosa, 2004, p 719-725).
Um procedimento que vem sendo utilizado como tratamento éa Vertebroplastia (inserção de
material resistente matacrilato, em vértebras fraturadas) é indicado para melhora de dor
empacientes que não respondem ao tratamento clínico convencional depois de trêsmeses.
Entre 24 à 48hs já é possível observar alívio sintomático da dor torácica ou lombar. É um
procedimento guiado por tomografia computadorizada, altamente especializada e de alto
custo, é bem tolerado e previne a perda de altura e deformidade vertebral (cifose),
característica da osteoporose. (Szejnfeld, 2010, p. 426).
A terapia medicamentosa tem papel importante na prevenção e no tratamento da
osteoporose como: Cálcio, este é obtido do leite e seus derivados, verduras escuras (couve,
espinafre), ou mesmo por suplementos. (Lemos; Nakaoka; Kashiwabara, 2013, p. 45-48).
Alguns medicamentos utilizados são:
Calcitonina é utilizada na prevenção da osteoporose e também produz certa analgesia
em casos de fratura, é indicada para indivíduos que não podem fazer uso dos bisfosfanatos.
(Dias; Leite; Venhoven, 2006, p. 32-37).
Bisfosfanatos são indicados para aumentar a densidade mineral óssea podendo reduzir
fraturas de coluna, quadril e punho em até 50%, ele não deve ser ingerido com outros
alimentos o indicado é que seja ingerido em jejum. (Dias; Leite; Venhoven, 2006, p. 32-37).
O alendronato pode ser ingerido 10 mg ao dia ou 70 mg por semana, esta é a forma de
maior comercialização, o risedronato em pacientes mulheres com osteoporose acima de 80
anos obteve 81% na diminuição de novas fraturas vertebrais, mas não reduziu as fraturas de
quadril, o ibandronato sódico é recomendado por doses mensais de 150 mg, sua eficácia são
para fraturas vertebrais, já o ranelato de estrôncio tem maior eficácia na diminuição do risco
das fraturas vertebrais e não vertebrais, o decanoato de nandrolona mostrou sua eficácia no
aumento de massa óssea e melhorando o equilíbrio, enquanto que o raloxifeno atua inibindo
e fazendo a reabsorção óssea reduzindo fraturas vertebrais. (Lemos; Nakaoka; Kashiwabara,
2013, p.45-48).
P á g i n a | 144
Zoledronato este é utilizado na prevenção e no tratamento da osteoporose com uma
dose de 5 mg ao ano, seu sucesso foi na redução de fraturas vertebrais, é usado por via
endovenosa, ibandronato serve para prevenção e no tratamento da osteoporose sendo ingerido
150 mg, assim como os demais bisfosfanatos deve ser ingerido 30 minutos do café da manhã
com água, risedronato, serve para prevenção e tratamento da osteoporose, este reduz as
fraturas de coluna em 60 % , o alendronato também tem ação na prevenção e no tratamento da
osteoporose alguns pacientes observaram aumento da massa óssea, ele também reduz a perda
da massa óssea no antebraço e reduz fraturas no geral em 50%, o ranelato de estrôncio este
reduz fraturas de quadril e atua no aumento e na formação e na redução da reabsorção óssea.
(Szejnfeld, 2010, p. 424-426).
Terapia por reposição de hormônios é indicada para a prevenção da osteoporose e é
ideal para mulheres na menopausa, mas é contraindicada a pacientes que já tiveram histórico
de coagulação sanguínea e câncer de mama. (Dias; Leite; Venhoven, 2006, p. 32-37).
A teriparatida ou hormônio da paratireóide (PTH) é um medicamento indicado para
reverter alterações causadas pela osteoporose, atua direto estimulando a formação óssea
ativando os osteoblastos, mulheres na menopausa tiveram bastante resultado, também
ganharam densidade óssea na coluna e no fêmur. (Szejnfeld, 2010, p. 425-426).
O hormônio da paratireóide quando produzido de forma natural pelo nosso organismo
promove reabsorção óssea, na forma injetável ele estimula a formação de massa óssea,
aumenta a absorção de cálcio pelo intestino e pode ser utilizada por homens e mulheres com
osteoporose grave. (Dias; Leite; Venhoven, 2006, p. 32-37).

Tratamento fisioterápico

Uma anamnese minuciosa deve ser seguida, o exame fisioterápico deve observar
dores, anomalias em relação à postura e ao biótipo, musculatura, encurtamentos, mobilidade,
coordenação e força muscular. (Dölken, 2008, p. 506-508).
A prescrição de exercícios físicos depende da existência ou não de fraturas e se a
osteoporose já se instalou ou se o paciente tem grande risco para osteoporose, pois o objetivo
do exercício é reduzir a dor, melhorar força muscular, prevenir a perda de massa óssea,
melhorar coordenação, melhorar postura, manter mobilidade articular, atingir treinamento
cardiorrespiratório. (Dias; Leite; Venhoven, 2006, p. 32-37).
P á g i n a | 145
O principal objetivo é o alivio das dores e das estruturas sobrecarregadas em
consequência da postura errada, preservar e aumentar a tolerância aos movimentos para obter
melhor correção possível da postura. O aumento da mobilidade promove a formação de tecido
ósseo e previne deformidades dos corpos vertebrais, aumenta a habilidade motora e treina a
maneira de cair prevenindo queda e ocorrência de fraturas. (Dölken, 2008, p. 511).
Combatendo à dor: Aplicar calor ou frio sobre as tendinopatias, utilizar da
eletroterapia como tens, ultrassom, micro-ondas são algumas possibilidades de tratamento no
alivio da dor. Posicionamento relaxante, confortável como: decúbito dorsal com degrau, tendo
proteção suficiente de ombro e nuca por uma almofada, decúbito lateral com um travesseiro
entre membros inferiores e mobilizações de todos os segmentos da coluna vertebral sem
elevações, alongamentos com cautela, correção da postura, exercícios de hidroterapia,
caminhar na piscina ou em locais planos, treinar coordenação motora, fortalecer musculatura,
se possível realizar alguns exercícios ao ar livre com exposição ao sol por 30 minutos diários,
isso vai ajudar na produção de vitamina D. (Dölken, 2008, p.511).
O programa de reabilitação destina-se ao aumento da flexibilidade, o equilíbrio e o
fortalecimento devem ajudar a prevenir as quedas. O fisioterapeuta deve estar sempre atendo
aos sinais e sintomas associados, pois algumas medicações têm implicações para o terapeuta,
como por exemplo, a administração de estrógenos está associada ao aparecimento de êmbolos
sanguíneos, acidente vascular cerebral, aumento da pressão arterial, súbitas alterações de
coordenação, visão respiração e muitos outros, dificultando em alguns momentos a realização
da terapia. (Oliveira, 2007, p. 308).
Um fator muito importante no início e durante a terapia é combater o medo que o
paciente tem de se movimentar, é preciso fazer utilizações de brincadeiras que melhorem a
sensibilidade e a capacidade de perceber sinais provenientes do próprio corpo e do ambiente.
O paciente deve dedicar-se com regularidade à pratica de esportes e vencer seu receio de
movimentar-se, o exercício equilibra os efeitos terapêuticos de diversos medicamentos, reduz
fraturas, quedas, e tem efeitos psicossociais desenvolvendo autoconfiança, alegria,
redescoberta dos próprios recursos, diversão entre outros, sempre com vigilância de um
profissional. (Dölken, 2008, p. 512)
P á g i n a | 146

Prevenção e orientação aos idosos portadores de osteoporose

O fisioterapeuta faz uma atuação muito importante que é orientar seus pacientes a fim
de prevenir acidentes e também para o sucesso de seu tratamento, manter o paciente
esclarecido dos riscos é fundamental. (Dölken, 2008, p. 504).
Para segurança do idoso, é possível melhorar as observações gerais do ambiente, como
deixar um espaço amplo para o idoso caminhar, retirar móveis com quinas vivas, deixar
sempre um copo com água na cabeceira da cama, deixar o caminho iluminado à noite, do lado
externo da casa nos jardins eliminar as irregularidades do piso, orientar o idoso a tomar suas
medicações corretamente. (Borges; Morelli; Rebellato, 2007, p. 183).
Realizamos exercícios de coordenação, equilíbrio e treino de força por serem muito
eficientes no equilíbrio dinâmico e estático. Estudos mostram que exercícios aeróbicos tem
efeito na prevenção da osteoporose quando combinados aos exercícios de força e de alta
resistência acompanhados pela ingestão de cálcio e vitamina D. (Santos; Borges, 2010, p.
292-297).

Possibilidades de intervenção clínica

No Treino de Marcha o idoso pode caminhar em barras paralelas ou local amplo, fazer
dissociação de cinturas escapular e pélvica, mudar direção, andar para frente e para trás, subir
e descer escadas se possível, pode colocar obstáculos durante a marcha para ele se desviar ou
passar por cima. No Treino de Força pode ser feito idêntico ao domicílio com utilização de
faixas elásticas, exercícios de levantar e sentar da cadeira e até aparelhos de musculação.
Treino de Equilíbrio pode se utilizar exercícios específicos e os propostos para domicílio,
pode caminhar sobre uma linha demarcada ao chão com um pé a frente do outro diminuindo a
base de sustentação, pular obstáculos, fazer dupla tarefa como carrega um copo com água
enquanto caminha ou caminhar batendo uma bola no chão e para os Treinos de Propriocepção
melhorar as funções articulares do idoso para terem a capacidade de suportar as demandas
diárias e esse treinamento tem que ser o mais funcional possível, elaborar situações do dia-a-
dia como fazer movimentos que realiza ao cozinhar, lavar louças, estender cama ou roupas o
varal, utilizar o balançinho (plataforma móvel), prancha de equilíbrio entre outros. (Borges;
Rebellato; Morelli, 2007, p.184-186).
P á g i n a | 147

Resultado

O fisioterapeuta faz uma atuação muito importante que é de orientar seus pacientes a
fim de prevenir acidentes e para o sucesso de seu tratamento esclarecer o paciente a cerca dos
riscos é fundamental, a educação sobre a doença ajuda na prevenção e no tratamento, pois o
idoso consegue compreender de forma clara e objetiva o que esta se passando com ele
colaborando de forma positiva no seu tratamento.
A prevenção é a melhor orientação, porém muitas vezes essas informações passam
despercebidas pelos idosos a qual só vão à procura de um médico ou fisioterapeuta, logo após
as fraturas.
É importante ressaltar sobre a dieta, pois deve ser uma dieta balanceada para a
complementação das devidas vitaminas, essa dieta deve ser acompanhada por um profissional
da área (nutricionista).
Sendo assim nunca é tarde, mesmo após os 60 anos podemos conseguir alguns
benefícios com uma boa alimentação, exercícios físicos, exposição ao sol e acompanhamento
médico.

Conclusão

Através desta revisão concluímos que o exercício físico tem papel fundamental na
prevenção e no tratamento da osteoporose, pois atua de forma específica, melhorando o tônus
muscular, o equilíbrio, a coordenação e assim prevenindo quedas e possíveis lesões que
acometem os idosos.
Nunca será tarde para se cuidar, basta ter o apoio da família, fazer algumas adaptações,
como não usar tapetes em casa, mas caso seja necessário o uso de tapete que seja
antiderrapante, colocar proteção nas quinas dos moveis, para evitar fraturas no quadril,
colocar barras principalmente nos banheiros, para evitar as quedas, quando sair para caminhar
tomar muito cuidado, pois as calçadas são irregulares, uma dieta balanceada e o exercício
físico, mesmo iniciado após os 60 anos trará bonsresultados.
Entretanto, é importante salientar que muitos estudos ainda são necessários, a fim de
encontrar formas cada vez mais eficazes de tratamento. Para isto, é preciso que sejam
realizadas pesquisas sérias, com metodologia adequada e resultados comprovados, para que os
protocolos e técnicas sejam cientificamente comprovados.
P á g i n a | 148

Referências

CARVALHO, Cecília Maria Resende de; FONSECA, Carla Cristina Carvalho; PEDROSA,
José Ivo. Educação para a saúde em osteoporose com idosos de um programa universitário:
Repercussões. Caderno Saúde Pública. Rio de Janeiro, p. 719-726, mai-jun 2004.
DIAS, Robson Sampaio; LEITE, José da Silva; VENHOVEN, Vanessa Lelpo. Osteoporose e
exercício físico. Revista Brasileira de Saúde, Ano III, n.10, p. 32-37, out-dez 2006.

DÖLKEN, MECHTHILD. Osteoporose. In: Dölken. Fisioterapia em Ortopedia. São Paulo:


Editora Santos, 2008. p. 497-513

DRIUSSO, Patrícia; OISHI, Jorge. Envelhecimento populacional: causas e consequências. In:


Driusso, Patrícia; Chiarello, Berenice. Fisioterapia Gerontológica: Manuais de Fisioterapia. 1.
ed. Barueri, SP: Manole, 2007, p. 1-7.
LEMOS Maicon Pimentel; NAKAOKA, Vanessa Yuri; KASHIWABARA, Tatiliana Geralda
Bacelar. Osteoporose no idoso e fraturas de quadril. Brazilian Journal of Surgery Clinical
Research-BJSCR. Minas Gerais/ MG Vol.4, n.3, p. 45-48, set-nov. 2013.

MARQUES NETO, João Francisco; MOREIRA Caio; PINHEIRO, Geraldo da Rocha


Castelar. Reumatologia Essencial. 1ªed. Rio de Janeiro, 2009 Guanabara KOOGAN S.A, p.
277.

OLIVEIRA, Anamaria Sirianide. Fisioterapia aplicada aos idosos portadores de doenças


Reumáticas: osteoporose. In: Rebellato, José Rubens; Morelli; José Geraldo da Silva.
Fisioterapia Geriátrica: A prática da Assistência ao Idoso. 2. ed. Barueri, SP: Manole, 2007. p.
300-308.

REBELATTO, José Rubens; MORELLI, José Geraldo da Silva. Fisioterapia Geriátrica. 2ºed.
Barueri-SP, Manole, 2007, p.183
RUZENDE, Juliana Rodrigues Soares. Influência de protocolos de treino de equilíbrio no
desempenho funcional de idosas com osteoporose. Programa de Pós-Graduação em
Desenvolvimento Humano e Tecnologias. Unesp Campus Rio Claro /SP, p. 23-43.

SANTOS, Marcelo Lasmar dos; BORGES,Grasiely Faccin. Exercício físico no tratamento e


prevenção de idosos com osteoporose: uma revisão sistemática. Fisioter. mov, Curitiba/ SP,
Vol. 23, n. 2, p. 289-299, abr-jun 2010.
P á g i n a | 149

PARKER, Steve. Corpo Humano. 4. ed. em 2012, Parque dos Príncipes – SP , Ciranda
Cultural Editora e Distribuidora Ltda.

SILVA, Afonso Carlos. Saúde do Idoso. 1. ed. SP-Latria, 2009 p.23

SZEJNFELD, Vera Lúcia. Osteoporose. In: SATO, Emília Enoue. Guia de medicina
ambulatorial e hospitalar da unifesp - EPM. Reumatologia 2. ed. São Paulo: Manole, 2010. p.
417- 427.
P á g i n a | 150
Assistência Farmacêutica ao paciente doente crônico renal

Amanda Letícia de Souza1


Graciana Aparecida Simei Bento da Silva2

Resumo
A doença renal crônica representa nos dias de hoje um importante problema de saúde pública
no Brasil, pois a maioria dos brasileiros sofre de problemas renais e nem todos são
diagnosticados, alguns acabam indo até a óbito, já outros, realizam diálise e poucos
conseguem transplante renal. O tratamento da doença crônica renal tem como objetivo
retardar a doença, ou mesmo incentivar o rim a voltar a funcionar, a não adesão ao tratamento
farmacológico dificulta o processo, sendo assim, o profissional farmacêutico tem a função de
auxiliar o paciente durante o tratamento, orientando e aumentando a adesão do paciente ao
tratamento. Este trabalho de conclusão de curso tem o objetivo de descrever como é o rim e
suas funções, focando na doença renal crônica e seus tratamentos, visando a parte da
assistência. Conclui-se que com a evolução, a tecnologia e a correria do dia a dia, as pessoas
alimentam-se de maneira não saudáveis e descuidam-se de sua saúde, talvez por falta de
conhecimento. Ao decorrer do trabalho ficou claro, que o farmacêutico acaba não sendo
excluído na equipe multiprofissional responsável pelo tratamento do paciente crônico. Enfim,
pode-se concluir que a assistência farmacêutica tanto ao doente renal crônico como a qualquer
outra doença é muito importante para a adesão do paciente ao tratamento e consequentemente
para seu sucesso, melhorando a qualidade de vida do pacientecrônico.

Palavras-chave: Assistência Farmacêutica, Doença Renal Crônica, Rim.

ABSTRACT
Chronic kidney disease is nowadays an important public health problem in Brazil because
most Brazilians suffer from kidney problems and not all are diagnosed, some end up going to
the death, while others, perform dialysis and few can kidney transplant . Treatment of chronic
kidney disease aims to slow the disease, or even encourage kidney to return to work, non-
adherence to drug treatment complicates the process, therefore, the pharmacist has the
function of assisting the patient during treatment, directing and increasing patient adherence
to treatment. This course conclusion work aims to describe how the kidney and its functions,
focusing on chronic kidney disease and its treatments, aimed at part of the assistance. It is
concluded that the evolution in technology and the rush of everyday life, people feed on
unhealthy way and neglect to their health, perhaps for lack of knowledge. In the course of the
work it became clear that the pharmacist does not end up being excluded in the
multidisciplinary team responsible for the treatment of chronic patients. Finally, it can be
concluded that the pharmaceutical care both chronic kidney disease as any other disease is
very important for the patient's adherence to treatment and consequently to its success,
improving the quality of life of chronicpatients.

Key-words: Pharmaceutical Care , Chronic Kidney Disease , Kidney.


1
Graduanda do curso de Farmácia – FTGA, email: Amanda.s.alc@hotmail.com.
2
Farmacêutica pela FHO, Especialista em Bioquímica e Homeopatia, Licenciada em Física, Pedagoga e Mestre
em Engenharia de Produção, email: graciana.si@gmail.com.
P á g i n a | 151

INTRODUÇÃO
A doença renal crônica representa nos dias de hoje um importante problema de saúde
pública no Brasil (MOREIRA et al, 2005). Uma grande maioria dos brasileiros sofre de
problemas renais e nem todos são diagnosticados. Várias pessoas vão a óbito por ano. Outros
fazem diálise, são poucos os que conseguem transplante renal, e os que foram transplantados
seguem em acompanhamento. A grande maioria dos doentes crônicos renais sofrem de
diabetes e/ou hipertensão ou ambos (SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA,
2016.).
O tratamento da doença crônica renal tem como objetivo retardar a doença, ou mesmo
incentivar o rim a voltar a funcionar, a não adesão ao tratamento farmacológico dificulta o
processo. São vários os motivos que levam o paciente a não fazer uso do medicamento entre
eles esta a falta de informação que depende dos profissionais e a resistência do paciente em
aderir (MOREIRA et al, 2005).
O regime terapêutico da DRC (dieta, ingestão de líquidos, medicamentos e terapia
dialítica) apresenta taxas elevadas quando não aderido corretamente. Fatores como: idade,
gênero, tabagismo, duração da HD e comorbidades determinam o processo da má adesão. A
percepção do paciente de melhora de saúde, a negação de realizar tratamento prolongado, bem
como a complexidade terapêutica e a confusão das orientações também alteram a adesão à
terapia (MOREIRA et al, 2008).
O profissional farmacêutico tem como dever prestar orientação necessária a estes
pacientes, fazendo parte da equipe no processo de racionalizar sobre os medicamentos,
fazendo com que os mesmos tenha total eficácia, evitando problemas que possam ocorrer
devido à grande quantidade de fármacos utilizados. Muitas vezes o paciente com insuficiência
renal crônica se encontra desmotivado à adesão terapêutica, devido ao fato de conviver com
uma doença incurável que o submete a tratamentos longos e dolorosos, além de questões
sociais que acabam limitando-o de uma rotina comum, podendo ocorrer o afastamento de
amigos, a perda do emprego, a dependência da previdência social, a impossibilidade de
passeios devido à rotina das sessões de hemodiálise entre outros (MOREIRA et al, 2008).
Este estudo tem como objetivo esclarecer o que vem a ser a doença renal crônica, os
tratamentos existentes e o papel do profissionalfarmacêutico.

Justificativa
P á g i n a | 152
O que levou a desenvolver esse projeto foi perceber a falta de informação que a
maioria das pessoas tem sobre o respectivo assunto Doença renal crônica e sobre como
ofarmacêutico pode estar dando assistência, sendo que como podemos ver, a grande parte da
população acredita que o dever do farmacêutico seja apenas dispensar medicamentos,
esquecendo toda a parte da assistência em si.
Segundo o Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica (2002), pagina 16:
“Um modelo de prática farmacêutica, desenvolvida no contexto da Assistência
Farmacêutica. Compreende atitudes, valores éticos, comportamentos, habilidades,
compromissos e co-responsabilidades na prevenção de doenças, promoção e
recuperação da saúde, de forma integrada à equipe de saúde. É a interação direta do
farmacêutico com o usuário, visando uma farmacoterapia racional e a obtenção de
resultados definidos e mensuráveis, voltados para a melhoria da qualidade de vida.
Esta interação também deve envolver as concepções dos seus sujeitos, respeitadas as
suas especificidades bio-psico-sociais, sob a ótica da integralidade das ações de
saúde”

Baseada nessa definição, esse projeto estará analisando a função do farmacêutico ao


paciente portador de DCR, enfatizando a atenção farmacêutica.

Metodologia
Trata-se de uma pesquisa “aplicada”, quem tem como tema: Assistência Farmacêutica
ao Doente Crônico Renal, sendo classificada como descritiva, por utilizar artigos colhidos, e
através deles ter base para conseguir realizar um levantamento de assistência/atenção
farmacêutica e inserir ela no que se diz respeito à DCR.
O projeto foi realizado através de pesquisas bibliográficas constituídos em artigos e
livros direcionados ao titulo escolhido. Diante dos dados colhidos, a pesquisa terá como
objetivo esclarecer o trabalho do profissional farmacêutico quando se diz respeito a DCR.

Sistema Renal: Anatomia do Rim

O corpo possui vários órgãos que são responsáveis pela filtração do sangue, entre eles
se encontra os rins, eles medem cerca de 10 cm de comprimento, são na forma de um grão de
feijão, na cor marrom avermelhada (AMABIS, et al 2010).
Os dois rins possuem três camadas cada, formando uma capa de proteção, as camadas
são: Fáscia renal, mais externa, a cápsula adiposa, mais intermediaria e a capsula fibrosa, mais
interna, ainda mais abaixo da cápsula fibrosa, possui uma camada que é chamada de córtex
renal, no córtex fica os néfrons que são responsáveis pela filtração do sangue (LAURENCE,
2000).
P á g i n a | 153
E ainda os rins possuem uma porção central, onde se encontra a medula renal, na
medula fica os ductos papilares que coletam a urina formada nos néfrons. Os ductos drenam
P á g i n a | 154

para estruturas chamadas cálices renais menor e maior. O cálice renal menor recebe urina dos
ductos papilares de uma papila renal e a transporta até um cálice renal maior. Do cálice renal
maior, a urina drena para a grande cavidade chamada pelve renal e depois para fora, pelo
ureter, até a bexiga urinária. O hilo renal se expande em uma cavidade, no rim, chamada seio
renal (AMABIS et al, 2010).
Figura 1 - Fisiologia do rim

Fonte: http://fisiorenal.blogspot.com.br/2009/06/nefron.html

Néfrons
O néfron possui uma região onde ocorre a filtração do sangue, que é formado pelo
glomérulo e pela cápsula renal. O glomérulo é composto por capilares sanguíneos enovelados,
que se originam da artéria renal (LAURENCE, 2000).
Na filtração o sangue reabsorve as proteínas do plasma e células sanguíneas, enquanto:
uréia, glicose, sais minerais e água são filtrados e passam do sangue para a cápsula renal. Na
cápsula renal surgem os túbulos nefricos que são: Túbulo contorcido proximal, alça nefrica, e
túbulo contorcido distal. E então existe um grupo de capilares sanguíneos que se unem e vão
para as veias renais (AMABI et al, 2010).
P á g i n a | 155

Figura 2 - Fisiologia do Néfron

Fonte: http://ulbra-to.br/morfologia/2011/08/17/Sistema-Urinario

Compostos Nitogenados
O sangue é constituído por diversos metabólitos, e quando passado pelo rim, esses
metabólitos, conhecidos como compostos nitrogenados, são reabsorvidos ou excretado na
urina, como ocorre com a maioria dos compostos (SANTOS et al, 2012).
O quadro abaixo estará mostrando quais são os compostos nitrogenados e quais suas
ações e onde são sintetizadas no organismo:
P á g i n a | 156

Quadro 1: Compostos Nitrogenados


Composto Local a ser sintetizada Funçã
o
Albumina Sintetizada no fígado Transportadora de Calcio, ácidos
graxos livres, aminoácidos, entre
outros.
Regula pH sanguineo, atuando como
Acido Úrico Provém da metabolização
das purinas que são
proteínas, que alguns
alimentos possuem, como:
carne, feijão ou marisco.
Creatinina A creatinina é produzida Utilizada como suplemento, tem
através do metabolismo da função de aumentar a força e
creatina que se origina no resistência muscular.
fígado e pâncreas.
Uréia Sintetizada no fígado, a Mantém o equilíbrio hidroeletrolitico.
partir da amônia, que é
proveniente da síntese de
Fonte: Próprio autor

Função Renal
O corpo possui dois rins localizados na parte dorsal do abdome, aos quais tem as
funções de: filtrar, reabsorver, homeostase, funções endocrinológica e metabólica. Porém sua
principal função é através dos glomérulos filtrar grandes quantidades do plasma passando
para os túbulos que reabsorvem o que o organismo necessita na quantidade ideal e excretando
através da urina o excesso de eletrólitos, que já não são mais necessários e que venha a gerar
doenças ao organismo (DUARTE et al,2011).
Como dito, o rim tem também a função de produzir hormônios como a Eritropoetina,
que é responsável por estimular a medula óssea na produção de hemácias. Pacientes que são
DCR, possuem deficiência desse hormônio, sendo necessário ser feita a recomposição através
de fármaco chamado Eritropoetina, conhecida como Hemax (FERMI, 2011).
E por ultimo detém a função de controla o metabolismo ósseo, é de extrema
importância que a manutenção da quantidade de cálcio no sangue seja conforme o normal,
P á g i n a | 157
porém sabemos que o cálcio tem pouca absorção pelo trato intestinal pelo fato de ser
P á g i n a | 158

insolúvel, sendo assim existe a vitamina D que faz com que aumente a absorção do cálcio no
trato intestinal, mas para tanto a vitamina D deve ser convertida primeiramente no fígado e
depois nos rins, por uma substância que tem por nome diidroxicolecalciferol, sendo ela que
irá aumentar a absorção do cálcio no organismo (DUARTE et al,2011).

DOENÇA CRÔNICA RENAL


A doença crônica renal, trata-se de uma lesão renal, que é acometida por varias
doenças como por exemplo: Diabetes Mellitus e a Hipertensão, que são as mais conhecidas e
citadas. Essas doenças se não tratadas corretamente, gera perda progressiva e irreversível das
funções renais (ROMÃO, 2010).
O que diferencia a DRC da IRC, é o fato de na doença renal crônica os rins funcionam
parcialmente, já a insuficiência renal crônica, os rins não funcionam (ROMÃO, 2010).
Segundo DUARTE e outros (2011) a DRC utiliza os seguintes critérios:
 Se a lesão durar 3 meses ou mais, sendo definida por anormalidades na
estrutura ou funções dos rins, incluindo alterações no exame de sangue e urina,
entreoutros;
 FG <60ml/min/1,73m² mantendo esse valor por 3 meses ou mais, podendo ter
ou nãolesão.
Baseado nesses critérios citados, a DRC é definida como lesão renal, como dito antes
ou também como diminuição na função do rim por um período igual ou maior que 3 meses.
Alguns pacientes por serem portadores de certas doenças tem uma probabilidade
maior de obter a DRC, sendo eles: Hispertensão, Diabéticos, Idos, Pacientes com Doença
Cardiovascular (DCV) e Pacientes em uso de medicações nefro-tóxicas. Essas doenças são
classificadas como grupo de risco, pois alteram de alguma forma as funções renais, podendo
ou não causar lesão, mesmo que não seja ao adquirir essas doenças, com o passar do tempo
pode surgir alterações ao pouco e gerando assim a DRC (BASTOS et al,2010).
Portanto, a DRC pode ser diagnosticada sem ter uma causa, neste caso, é estimado
que seja decorrente a proteína de baixo peso molecular, para detectar a DRC nesta forma é
realizada a avaliação de proteinúria, onde irá avaliar as proteínas excretadas, revelando se há
lesão renal, baseado nos resultados (BASTOS et al, 2010). A figura a seguir descreve como
acontece aavaliação:
P á g i n a | 159

Figura 3 - Avaliação através de proteinúria

Fonte: BASTOS et al, 2010.

Tratamento

Tendo em conta que, a doença renal crônica, é uma doença que tem evolução lenta, é
de extrema importância que o paciente queira aderir ao tratamento, para que aja uma
esperança de cura ou mesmo para que não evolua para uma insuficiência renal crônica. Para
isso, há uma forte influencia e apoio da família e dos profissionais da saúde para com o
paciente, já que o mesmo de acordo de como visualiza sua patologia terá dificuldade em
aceitar tanto a patologia quanto o tratamento em si, sendo normal negar o tratamento, a dieta e
tudo o que for lhe imposto no principio (MALDANER et al,2008).
Para a DCR, não existe tratamento farmacológico, porém como já mencionado antes a
P á g i n a | 160
Diabetes e a Hipertensão são as principais causa da doença renal crônica, e para retardar sua
P á g i n a | 161

evolução é passado o tratamento e a dieta dessas causas, mas se não obtiver resultados
benéficos, o paciente é encaminhado para o tratamento através da hemodiálise ou diálise
peritoneal (MARTINS et al, 200
2005).
Hemodiálise, é um procedimento onde o sangue é filtrado utilizando uma máquina,
onde tem as toxinas e o excesso de liquido retirado, e assim substituindo a função dos rins,
que não funcionam parcialmente ou não funcionam. O sangue sai do paciente, através de um
cateter ou uma fistula que é a junção de uma artéria e uma veia, e é exposto a uma solução de
diálise que é chamado de dialisato, que possui a mesma concentração do plasma considerado
normal, através de ultra-filtração
filtração as moléculas de água, aass toxinas e os solutos presentes no
sangue e no dialisato passam pela membrana semipermeável, o que gera a filtração (FERMI,
2011). Segue uma imagem demonstrando oprocedimento:
Figura 4 - Demonstração do processo que ocorre na HD

Fonte: Retirado de http://www.gamba.epm.br/pub/irc/irc.htm

Além da hemodiálise, existe também diálise peritoneal, onde a transferência dos


líquidos ocorre através da membrana peritônio. Através de um cateter implantado na cavidade
abdominal, onde através dele ocorrera a troca entre dialisato e solução. A diálise peritoneal
funciona utilizando três fases, sendo elas: infusão, permanência e drenagem (FERMI, 2011).
Segue imagem demonstrando:
P á g i n a | 162

Figura 5 - Demonstração de Diálise Peritoneal

Fonte Retirada de: http://www.gamba.epm.br/pub/irc/irc.htm

Terapia Nutricional
Além dos tratamentos que os pacientes são encaminhados, e o fármacos para controlar
as doenças que causaram a DRC, existe também a terapia nutricional, que tem o papel de
diminuir os nutrientes a serem ingeridos, para assim contribuir com que eles não adquirirem o
acumulo de compostos nitrogenados tóxicos, que alterará os exames, e também a quantidade
de liquido ingerido (AQUIMO et al, 2009).
Contudo, mesmo tendo uma dieta hipoproteica, e a mesma tendo muito beneficio, tem
que se ter a atenção redobrada para não baixar o valor energético, fazendo com que o paciente
fique desnutrido, por isso o paciente possui um acompanhamento mensal com o nutricionista
(AQUIMO et al, 2009).

Assistência farmacêutica
Com o passar do tempo, as mudanças tecnológicas, o farmacêutico passou a ser visto
apenas como vendedor, existem vários artigos onde autores tentam redefinir a relação entre o
P á g i n a | 163
farmacêutico e o paciente, porem se pode ver que ainda nos dias atuais não houve muitas
P á g i n a | 164

mudanças. O farmacêutico, através de sua graduação, possui capacidade total para realizar um
acompanhamento fármaco-terapêutico de qualidade (PEREIRA et al, 2008).
Segundo IVAMA e outros (2002), assistência farmacêutica significa:
“Conjunto de ações desenvolvidas pelo farmacêutico, e outros profissionais de
saúde, voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto no nível
individual como coletivo, tendo o medicamento como insumo essencial e visando o
acesso e o seu uso racional. Envolve a pesquisa, o desenvolvimento e a produção de
medicamentos e insumos, bem como a sua seleção, programação, aquisição,
distribuição, dispensação, garantia da qualidade dos produtos e serviços,
acompanhamento e avaliação de sua utilização, na perspectiva da obtenção de
resultados concretos e da melhoria da qualidade de vida da população”( IVAMA,
NOBLAT, CASTRO, OLIVEIRA, JARAMILLO E RECH, 2002, pg15).
Ou seja, não é apenas entregar o medicamento ao paciente, mas também garantir, que
o medicamento tenha o efeito e a qualidade desejada, e que o paciente/cliente não auto-
medique, visando a melhoria e o acompanhamento de suasaúde.
Através da assistência juntamente com o aconselhamento farmacêutico, o paciente e o
farmacêutico cria um elo, onde há troca de informações da parte do paciente e orientação da
parte do farmacêutico, sobre o medicamento como sobre a doença e como o medicamento irá
agir na doença. Gerando benefícios ao paciente e dando maior conhecimento na área de
assistência ao farmacêutico (SILVA et al, 2008).
Segundo, MOREIRA e outros 2005, o motivo de os pacientes portadores de DRC, não
fazerem o tratamento com medicamento correto, ou na posologia correta, é porque não houve
nenhum profissional que o informasse como tomar corretamente.

DISCUSSÕES E RESULTADOS
Baseado nas informações colhidas, pode-se ver que a DRC é uma doença que acomete
boa parte da população, e que quando a causa dessa doença são outras doenças existem
medicamentos disponíveis para retardar a evolução da DRC, porem o que está faltando, é
espaço para o farmacêutico agir, pois capacidade ele tem, para dar assistência, informar ao
paciente sobre a doença e tratamento, e acompanhar a evolução ou até mesmo encorajar o
paciente no tratamento.
É notável que o enfoque no farmacêutico tenha sido todos esses anos apenas na parte
de balcão, manipulação ou como químico, assim como é notável que o farmacêutico em si,
não tenha feito alteração no modo de agir, ou seja ao vender, ao fazer a dispensação
incrementar a assistência, para assim estar criando uma nova visão sobresi.
P á g i n a | 165

CONCLUSÃO
Conclui-se que com a evolução, a tecnologia e a correria do dia a dia, as pessoas
alimentam-se de maneira não saudáveis e descuidam-se de sua saúde, talvez por falta de
conhecimento. A equipe de saúde preocupada em cuidar da patologia pode estar esquecendo
de cuidar do paciente, da prevenção de doenças e da orientação correta sobre a patologia
Ao adquirir uma doença crônica, o choque sempre é grande, mas torna-se maior ao
saber que terá que viver fazendo tratamento até o resto de sua vida, passando mais tempo em
uma clínica de hemodiálise do que em casa com a família. Torna-se então, necessário o apoio
da família e também o incentivo da equipe de profissionais da saúde, alertando o paciente do
que poderá ocorrer se não aderir ao tratamento.
Porém, mesmo após o paciente ter aderido ao tratamento, é de extrema importância o
acompanhamento e estar sempre relembrando, o que é, o que acontece e como fazer, tanto no
tratamento dialítico como no tratamento com os medicamentos que ele continuará ou
começará a tomar.
Ao decorrer do trabalho ficou claro, que o farmacêutico acaba não sendo excluído na
equipe multiprofissional responsável pelo tratamento do paciente crônico. Enfim, pode-se
concluir que a assistência farmacêutica tanto ao doente renal crônico como a qualquer outra
doença é muito importante para a adesão do paciente ao tratamento e consequentemente para
seu sucesso, melhorando a qualidade de vida do paciente crônico.

REFERÊNCIAS
AMABIS, J. M; MARTHO, G. R; Biologia. 3°edição - São Paulo: Moderna 2010

AQUIMO, R. C; PHILIPPI, S. T; Nutrição Clinica: Estudos de Casos Comentados –


Barueri – SP: Manole, 2009. Pg 180 a 184.

BASTOS, M.G.; BREGMAN, R.; KIRSTAJN, G.M. Doença Renal Crônica: frequente e
grave, mas também prevenível e tratável. Revista Associação Medica Brasileira, v. 56, n. 2,
p. 248-253, 2010.

BARROS E; MANFRO R. C; THOMÉ F. S; GONÇALVES L. F. Nefrologia: Rotina,


diagnóstico e Tratamento. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. Pag:162

CABRAL, A. S. Diabetes Mellitus. Sociedade Brasileira de Nefrologia, 2016.


CONSENSO BRASILEIRO DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA - PROPOSTA. Atenção
Farmacêutica no Brasil: “Trilhando Caminhos”. Brasília: Organização Pan-Americana da
Saúde, 2002. 24p.
P á g i n a | 166

COUTINHO, N; TAVARES M; Atenção ao paciente renal crônico, em hemodiálise, sob a


ótica do usuário; Cad. Saúde Colet., 2011, Rio de Janeiro, 19: pg: 232; Relatório. Disponível
em: <http://sbn.org.br/publico/doencas-comuns/diabetes-mellitus/>. Acesso em: 24 de fev.
2016.

DUARTE J; MEDEIROS R. F; DI PIETRO T; LOPES T. M. Alterações de volumes e


capacidades pulmonares pré e pós-hemodiálise em insuficiência renal crônica. Curso de
Fisioterapia da Universidade Paulista, São Paulo-SP, Brasil; 2 Hospital Luzia de Pinho Melo,
Mogi das Cruzes-SP, Brasil.

FERMI M. R. V. Diálise para Enfermagem: Guia prático. 2° ed. Rio de Janeiro. Guanabara
Koogan, 2011. Pag: 15.

IVAMA, A. M; NOBLAT, L; CASTRO, M. S; OLIVEIRA, N. V. B. V; JARAMILLO, N. M;


RECH, N. Consenso brasileiro de atenção farmacêutica: proposta. Brasília: Organização
Pan-Americana da Saúde, 2002. Pag:24.

HIGA et al, Kost et al, Soares et al, Moraes et al, Polins et al. Qualidade de vida de
pacientes portadores de insuficiência renal crônica em tratamento de hemodiálise. WCN
2007/ Nursing Meeting: Relatório.

LAURENCE, J. Biologia:Ensino Médio: Volume único: 1° Ed – São Paulo: Nova geração


2000.

MARTINS, M. R. I; CESARINO, C. B; Qualidade de vida de pessoas com doença renal


crônica em tratamento hemodialítico. Rev. Latino-Am. Enfermagem v.13 n.5 Ribeirão
Preto set./out. 2005.

MALDANER, C. R; BEUTER, M; BRONDANI, C. M; BUDÓ, M. L. D; PAULETTO, M. R.


Fatores que influenciam a adesão ao tratamento na doença crônica: o doente em terapia
hemodialítica. Rev Gaúcha Enferm., Porto Alegre (RS) 2008 dez; 29.

MOREIRA L. B. et AL. Adesão ao Tratamento Farmacológico em Pacientes com Doença


Renal Crônica. Centro de Pesquisas em Doenças Hepatorrenais, Hospital Universitário
Walter Cantídio, Universidade Federal do Ceará; 2005. Relatório.

MOREIRA, L. B.; FERNANDES, P. F. C. B. C.; MONTE, F. S.; GALVÃO, R. I. M.;


MARTINS, A. M. C. Conhecimento sobre o tratamento farmacológico em pacientes com
doença renal crônica. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas Brazilian Journal of
Pharmaceutical Sciences,vol. 44, n. 2, abr./jun., 2008.

PEREIRA L; FREITAS O. A evolução da Atenção Farmacêutica e a perspectiva para o


Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas; Departamento de Ciências
Farmacêuticas; vol. 44, n. 4, out./dez., 2008. Trabalho de graduação.

ROMÃO, J. E; Doença Renal Crônica: Definição, Epidemiologia e Classificação;


Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP, São Paulo, 2010. Trabalho de Graduação.
SANTOS, M. R. V; QUINTANS, L. J.; FISIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO; Aula
10; Colegio São Francisco, 2012.
P á g i n a | 167

SILVA, E. V.; NAVES, J. O. S.; VIDAL, J. O papel do farmacêutico comunitário no


aconselhamento ao paciente;Conselho federal de farmácia;Ano XIII • Números 4 e 5 • jul-
out/2008.
P á g i n a | 168

AVALIAÇÃO COM PACIENTES PÓS – CIRÚRGICO DE


LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR COM PELO MENOS
TRÊS ANOS DE CIRURGIA, ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO
DE QUALIDADE DE VIDA SF 36 E O QUESTIONÁRIO DE
LYSHOLM.
Beatriz Lopes Batista Mendes1

Raquel Lima Jorge2

Walther Spnelli Filho³

Resumo
Lesões no joelho são bastantes comuns em indivíduos jovens ativos e o ligamento cruzado
anterior é um dos ligamentos mais acometidos. As lesões, na maioria das vezes, ocorrem
devido aos desequilíbrios musculares levando à instabilidade articular. O Tratamento
Cirúrgico é uma opção eficaz nesses casos. Uma maneira objetiva de avaliar a condição
funcional no pós-operatório destes indivíduos, bem como sua repercussão em aspectos de
qualidade de vida, é utilizar questionários específicos consagrados na literatura. O objetivo
deste trabalho é avaliar a condição funcional dos pacientes submetidos à ligamentoplastia do
ligamento cruzado anterior, com pelo menos três anos de pós-operatório, através do
questionário Lysholm e verificar aspectos de qualidade de vida relacionados à saúde através
do Questionário Medical Outcomes Study 36-Item Short-Form Health Survey (SF-36).
Participaram desse estudo vinte e cinco pacientes selecionados a partir de consulta prévia a
prontuários médicos. Os resultados obtidos estão organizados em formato de tabela e gráficos
a partir de scores específicos. O tratamento fisioterapêutico é iniciado após a cirurgia, visando
devolver a capacidade funcional, realizando-se exercícios terapêuticos específicos e
integrando novamente os pacientes às suas atividades de vida diária e desportiva. Para este
estudo, em pacientes que atenderam os pré-requisitos citados acima, observou-se que a grande
maioria teve seus aspectos funcionais conservados e não apresentaram dificuldades nas suas
atividades de vida diária. Conclui-se que a fisioterapia é de extrema importância no processo
de reabilitação, tendo como objetivo principal proporcionar o retorno dos pacientes às suas
atividades cotidianas edesportivas.

Palavras-Chave: Fisioterapia - Ligamento Cruzado Anterior - Qualidade de vida - Aspecto


Funcional.
1
Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga UNIESP- FTGA. bialopesbmendes@outlook.com

² Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga UNIESP- FTGA. raquellimajorge94@gmail.com

³ Atualmente é Professor do curso de Fisioterapia da Faculdade de Taquaritinga - FTGA, Fisioterapeuta -


FISIOCLINICA S/S LTDA. Fisioterapeuta Concursado e Responsável na Unidade Básica de Saúde em Cândido
Rodrigues. Especialização em Fisioterapia Ortopédica e Traumatológica ligada a Medicina do Esporte (2000),
Especialização em R.P.G. (Reeducação Postural Global, 1997). Foi Coordenador do curso de Fisioterapia da
Faculdade de Taquaritinga - FTGA no período de 2007 a 2011. Mestrado em Engenharia de Produção (2013).
fisioclinica1@terra.com.br
P á g i n a | 169

ABSTRACT

Knee injuries are quite common in active young individuals and the anterior cruciate ligament
is one of the most affected ligaments. The lesions, most of the time, occur due to muscle
imbalances leading to joint instability. Surgical Treatment is an effective option in these
cases. An objective way of evaluating the postoperative functional status of these individuals,
as well as its repercussion on aspects of quality of life, is to use specific questionnaires
established in the literature. The objective of this study was to evaluate the functional status of
patients submitted to anterior cruciate ligament ligamentplasty with at least three years
postoperative using the Lysholm questionnaire and to verify aspects of health-related quality
of life through the Medical Outcomes Study Questionnaire 36 -Item Short-Form Health
Survey (SF-36). Twenty-five patients selected from prior consultation with medical records
participated in this study. The results obtained are organized in table format and graphs from
specific scores. Physiotherapy treatment is started after surgery, aiming at restoring functional
capacity, performing specific therapeutic exercises and integrating patients into their daily and
sports activities. For this study, in patients who met the prerequisites cited above, it was
observed that the great majority had their functional aspects conserved and did not present
difficulties in their activities of daily living. It is concluded that physiotherapy is extremely
important in the rehabilitation process, with the main objective of providing the patients'
return to their daily activities andsports.

Keywords: Physiotherapy - Anterior Cruciate Ligament - Quality of life - Functional Aspect.

Introdução

O Joelho é a maior articulação do corpo Humano, sendo de suma importância para


realização das atividades de vida diária como locomoção, posição bípede, estabilização.
(BECKER, DOLKEN, 2007, p. 178).
Sua principal função é dar mobilidade e estabilidade para a realização das atividades
de vida diária, como também para pratica de atividades esportivas. A articulação do joelho é
considerada a mais complexa da anatomia Humana, sendo também a articulação mais
suscetível a lesões, por conta de suas restrições que contribuem para altos índices de lesões
ligamentares como Ligamento Cruzado Anterior (LCA). (ELLENBECKER apud SAVOLLI,
2005, p. 15).
Para um bom desempenho funcional do joelho é necessário um equilíbrio ótimo entre
estabilizadores estáticos e dinâmicos de tecidos moles e componentes ósseos e cartilaginosos
(ELLENBECKER apud SAVOLLI, 2005, p. 15). Dessa forma observa-se que o LCA
funciona juntamente com outras estruturas anatômicas em torno do joelho, tendo um
importante papel nos segmentos proprioceptivos dos mecanorreceptores. (GODINHO et. al.,
2014, p.614).
P á g i n a | 170

Quando se fala em estabilidade para a realização de movimentos é de grande


importância os ligamentos capsulares, intra e extracapsulares, que são responsáveis por
estabilizar a articulação para realização do movimento. (BECKER, DOLKEN, 2007, p. 178).
O Ligamento Cruzado Anterior está localizado no centro da articulação sendo
classificados como estrutura Extra sinovial apesar de ser intra-articular. (CASTRO apud
MADRUGA, 2004, p. 20).
A lesão do ligamento ocorre com maior incidência em jovens entre 20 e 40 anos,
tendo como mecanismo de lesão esporte de contato, mas podem ocorrer em indivíduos de
qualquer idade. Sendo que a forma mais comum de se levar a lesões deste ligamento é um
golpe lateral, levando então a uma força em valgo sobre a articulação. (KISNER, COLBY,
2009, p. 756).
O diagnóstico do LCA deve ser baseado na combinação de exames clínicos onde o
paciente é questionado sobre o mecanismo de lesão, tipo de trauma, intensidade, localização e
duração de dor. No Exame Físico deve constar a inspeção, palpação e teste especiais como:
Gaveta anterior, Teste de Lachman, Pivot Shift e Jerk Test Teste de Gaveta Anterior. E
através dos exames de imagens (Ex: Radiologia e Ressonância Magnética, tomografia
computadorizada e artroscopia. (CAMANHA, LASMAR&LASMAR, 2002, CASTRO et al.,
2003 Apud MADRUGA, 2004, p.21).
Quando falamos em tratamento da lesão do LCA pode ser dividido em cirúrgico e
conservador. Sendo o tratamento conservador pouco utilizado, mas deve ser considerado
principalmente para os pacientes idosos. (MADRUGA, 2004, p. 21).
Já o tratamento cirúrgico é predominante em relação ao tratamento conservador,
devido à facilidade de diagnóstico de lesões do LCA e eventuais lesões associadas. Com a
lesão diagnosticada evoluem-se a episódios repetidos de falseio, levando ao afrouxamento dos
restritores secundários, lesões meniscais e condrais, terminando com a degeneração precoce
da articulação. (NUNES et al., 2003 apud MADRUGA, 2004, p.21).
A cirurgia de reconstrução do LCA é uma das mais realizadas na área Ortopédica e
demaiorincidênciaafetandoprincipalmentejovens.Estima-sequesejamrealizadosentre
75.000 e 100.000 procedimentos anuais nos EUA. (VIEIRA, et al.; 2013, p. 161).

Anatomia do Joelho

O joelho é classificado como uma articulação completa e complexa há todo momento


está exposta à ação do peso corporal. Para sua estabilidade depende-se da relação entre a sua
P á g i n a | 171

anatomia óssea, atividade muscular e ligamentar. O joelho possui dois graus de movimento,
sendo eles no plano sagital (flexão-extensão) e no plano transversal (rotação com o joelho a
90º) (ASTON, 1998 apud CASTRO; VIEIRA, 2012, p. 01).
A articulação do joelho desempenha um papel fundamental na locomoção, ao fazer a
flexão e extensão, levando uma diminuição do impacto dos pés ao solo. (PARDINE, 2002
apud SOUZA, JORDÃO, GONÇALVES, 2015, p. 49). Essa articulação é caracterizada como
um gínglimo ou articulação em dobradiça (entre o fêmur e a tíbia) e plana (entre o fêmur e a
patela). Os ossos da articulação do joelho são envolvidos por ligamentos, tendões e
meniscos.(SOUZA et al., 2014, p. 315).
Sua formação óssea é composta por: fêmur (região distal) com seus dois côndilos a
tíbia (região proximal) com seus dois platôs tibial e um grande osso sesamóide localizado
dentro do tendão do músculo quadríceps femural, denominado a patela. Essas estruturas
ósseas formam duas articulações: tibiofemoral e patelafemoral, se apresentam em capsulas
articulares, a grande quantidade dessa capsula levam a formação de bursas (exemplo:
suprapatelar, subpoplítea e bursa do músculo gastrocnêmio). (KISNER, COLBY, 2009, p.
720).

Ligamento Cruzado Anterior

O LCA encontra-se localizado no centro da articulação sendo classificada extra


sinovial e intra-articular, tem sua origem na porção póstero-lateral do intercôndilo femoral e
insere-se anteriormente a espinha da tíbia. (SOARES, 2005, p. 19).
É uma das estruturas mais importante e fundamental do joelho, sendo responsável
por impedir a instabilidade anterior e rotação interna da tíbia. Sendo a estrutura que mais sofre
lesão no joelho, principalmente em indivíduos jovens e ativos, as lesões na maioria das vezes
ocorrem devido à instabilidade articular que o indivíduo pode apresentar. (OLIVEIRA et al.,
2012, p.193).
Este ligamento é constituído por resistentes cordões de tecidos conjuntivos e está
localizado no interior da cápsula articular do joelho, entre os côndilos fêmurais, mas fora da
cavidade sinovial da articulação. Apresenta dois feixes importantes, o feixe ântero-medial e
póstero-lateral. Sendo que o primeiro tem como origem face posterior do fêmur com inserção
na face lateral da tíbia, este feixe é considerado mais resistente do que o feixe ântero-medial.
O feixe ântero-medial tem sua origem na parte anterior do fêmur com inserção medial a tíbia.
A junção desses dois feixes apresenta um formato espiral que é responsável pela rotaçãotíbio-
P á g i n a | 172

femoral durante a realização de todos os movimentos do joelho. (CHRISTOVAM, MEJIA,


2000, p. 03).
Com a realização de movimento da articulação do joelho, o feixe ântero-medial
encontra-se isométrico, ficando mais tenso durante a flexão. De forma contrária o feixe
pôstero-lateral encontra-se mais tenso na extensão, frouxo a 20º de flexão e com a flexão
máxima reassumi seu estado de tensão. Na extensão, impede a translação anterior da tíbia e na
flexão possibilita que a tíbia rode internamente, mesmo com o estado de contração do
músculo quadríceps. Este mecanismo trabalha como suporte de sustentação de peso, no joelho
em extensão e proporciona o movimento durante a flexão. Com a flexão do joelho há um
aumento da rotação interna. (ALMEIDA, 2013, p.05).
O principal objetivo do LCA é impedir o deslocamento anterior da tíbia e à rotação
medial do joelho, quando apresenta ruptura deste ligamento a tíbia desloca-se para
anteriormente ao fêmur, denominado gaveta anterior. Este ligamento tem a função de evitar o
movimento de gaveta anterior, atuando como estabilizador primário, e secundariamente limita
a rotação tibial e em um mínimo grau de angulação varo-valgo (joelho em extensão). Não
apresenta ação restritiva durante a translação da tíbia. (IEBRA, 2011, p. 08).

Mecanismos de Lesão

Como citado a cima, o LCA é uma estrutura de grande importância para o joelho,
impedindo uma instabilidade anterior e rotação interna da tíbia. Sendo essa estrutura
considerada a mais lesionada, em casos de ruptura total. Essas lesões acometem
principalmente indivíduos jovens e ativos e tem como característica principal a instabilidade
articular. (ARLIANI et al., 2012, p. 192).
Segundo Daniel et al, em estudos realizados no hospital de San Diego em pesquisa
com a população, obtiveram uma margem de 0,24 lesão do LCA a cada 1.000 indivíduos
saudáveis ao ano. (FATARELLI, ALMEIDA, NASCIMENTO, 2004, p. 198).
O mecanismo de lesão pode ser divido em lesões associadas e isoladas. As lesões
associadas se caracterizam por um trauma em valgo, flexão e rotação externa e seguido por
uma força crescente, ocorrendo a lesão do ligamento cruzado medial (LCM) e do LCA e
desinserção do menisco medial, podendo estar associada com uma lesão na musculatura da
pata de ganso, que tenta impedir o valgo. Quando há uma hiperextensão maior que 30º, leva
primeiramente a lesão do ligamento cruzado posterior (LCP) e depois do LCA. (DIONÍSIO,
PINI, 1996, p. 52).
P á g i n a | 173

Uma força exercida diretamente e posteriormente contra a parte superior da tíbia


leva há um deslocamento anterior no momento em que o joelho está fletido, ocorrendo uma
lesão do LCA com a associação de uma lesão do LCP e da cápsula articular. (DIONÍSIO,
PINI, 1996, p.52).
A respeito das lesões isoladas, essas ocorrem a partir de movimentos forçados de
flexão, varo, rotação interna, provocando um enrolamento dos ligamentos cruzados, nesse
momento há uma abertura do compartimento lateral onde o côndilo interno do fêmur realiza
uma pressão ao LCA ocasionando uma lesão. (DIONÍSIO, PINI, 1996, p. 53).
Quando o joelho é estendido e ocorre uma rotação interna da tíbia, pode predispor
uma ruptura isolada do LCA, já que os feixes póstero-lateral e ântero-medial deste ligamento
encontram-se tensos durante a realização deste movimento. (DIONÍSIO, PINI, 1996, p. 53).
Segundo, Peterson e Renstrom, 2002, as lesões ligamentares podem ser organizadas
em três graus, dependendo da gravidade da lesão:
Grau 1: um pequeno estiramento, com um leve edema, e não apresenta perda da
estabilidade. Neste grau o indivíduo consegue deambular e o ligamento encontra-se íntegro;
Grau 2: apresenta um estiramento com lesão parcial do ligamento;
Grau 3: ruptura total do ligamento, com dilaceração da cápsula e com uma possível
lesão meniscal, classificada como uma grave lesão.
Portanto a ruptura do LCA pode estar relacionada com várias outras lesões, sendo as
mais corriqueiras as lesões do menisco e lesões condrais, essas poderão apresentar-se no
estado agudo proporcionado pelo trauma ou de forma crônica decorrente da instabilidade
devido à lesão do LCA. Com essas lesões associadas pode-se levar a uma progressão na
degeneração da cartilagem articular, provocando sinais e sintomas como: dor, edema e a perda
de mobilidade do membro. (ROCHA et al, 2007, p. 105).

Tratamento

Para o tratamento da lesão do LCA é necessário saber qual é o tipo de lesão, já que
podemos encontrar um ligamento estirado, uma ruptura do ligamento parcial ou completa. O
médico poderá optar para um tratamento conservador ou cirúrgico. Além de saber o tipo de
lesão, é de suma importância uma anamnese completa, contendo a idade do paciente, a
extensão das lesões associadas, a disponibilidade para participar de um programa de
reabilitação e qual é o estilo de vida do paciente, quais são as suas atividades de vida diária, a
sua profissão. (PINHEIRO, 2016, p. 325).
P á g i n a | 174

A fisioterapia tem um papel importante no tratamento conservador, com objetivo de


analgesia, estabilização dinâmico do joelho, ganho de força muscular, treino proprioceptivo,
pode-se utilizar órteses para a proteção do joelho em casos de instabilidades, e buscar
mudanças no estilo de vida do paciente, orientando, por exemplo, que ele realize exercícios
físicos com uma menor carga sobre o joelho. Este tratamento conservador é escolhido pelo
médico em casos de: ruptura parcial e/ou completa sem instabilidade; pacientes que possuem
um estilo de vida sedentário ou que trabalham com serviços manuais leves, e em crianças por
conter as placas de crescimentos ainda não consolidadas. (PINHEIRO, 2016, p. 325).
Quando a opção do tratamento conservador é descartada pelo médico, será indicado
o tratamento cirúrgico, sendo essa indicação realizada em 50% dos casos. O principal objetivo
é a reconstrução do ligamento lesado, com colocação de enxertos no local do LCA.
(BONANÇA, 2014, p. 16). O tratamento cirúrgico visa ainda uma reconstrução ligamentar
mais próxima de um joelho “normal”, devolvendo o máximo de funcionalidade. (WOJTYS,
2006, p.238).

Questionário SF-36 (Medical Outcomes Study 36 - Item Short-Form Health


Survey).

O SF-36 (Medical Outcomes Study 36 - Item Short-Form Health Survey) é um


instrumento genérico para realizar avaliação de qualidade de vida, de fácil manuseio e
compreensão, inicialmente criado na língua inglesa, traduzido e validado na língua portuguesa
por CICONELLI et al., 1999 (Brasil-SF-36) . Sendo esse questionário considerado
multidimensional composto por 36 itens, divididos em oito domínios: capacidade funcional
(CF -10 questões), aspectos físicos (AF- 04 questões), dor (DOR - 02 questões), estado geral
da saúde (EGS – 05 questões), vitalidade (VIT – 04 questões), aspectos sociais (AS – 02
questões), aspectos emocionais (AE – 03 questões) e saúde mental (SM – 05 questões).
Esses oito domínios podem ser separados em dois aspectos gerais. O aspecto Saúde
Física com 21 questões é composto pela CF, AF, DOR, EGS. O aspecto Saúde Mental com 14
questões é composto pela VIT, AS, AE e SM. (OSCKO, 2007, p. 41).
Há ainda nesse questionário uma questão que compara as condições de saúde atual e
as de um ano atrás. Porém essa questão não participa da análise geral do questionário. O SF-
36 apresenta um escore final de 0 a 100, onde zero corresponde a um pior estado geral de
saúde e cem a um melhor estado de saúde (CICONELLI, 2003).
P á g i n a | 175

Questionário de Lysholm

A escala de Lysholm Knee Scoring Scale teve sua publicação em 1985 em língua
inglesa e foi traduzida para a língua portuguesa por Maria Stella Peccin et al., sendo validada
na publicação cientifica da revista Acta Ortopédica Brasileira em junho de 2006. Essa escala
tem como o principal objetivo a avaliação dos resultados das lesões do Ligamento Cruzado
Anterior, com especial atenção na instabilidade articular. É distribuído em oito questões,
sendo divididas em: claudicação, necessidade de auxilio para caminhar, travamento,
instabilidade, dor, edema, dificuldade para subir escadas e agachar. O resultado final é
apresentado em um quadro de pontuação sendo: 95 a 100 Excelente, 84 a 94 Bom, 65 a 83
Regular, menor que 64 pontos é considerado Ruim. É uma escala capaz de descobrir
alterações durante o processo cirúrgico e pós-cirúrgico. (RIBAS, LIMA, p.477).

Matérias e Métodos

Para este estudo avaliamos 25 pacientes com pelo menos três anos de pós-operatório
do ligamento cruzado anterior. Estes indivíduos foram selecionados a partir de prontuários
médicos fornecidos de forma sigilosa pelo cirurgião responsável.

Os questionários foram aplicados após os pacientes serem devidamente contatados,


bem como orientados quanto aos objetivos do trabalho.
Para avaliação funcional utilizamos o questionário de Lysholm que foi aplicado
através de entrevistas presenciais realizadas no domicilio dos pacientes. Outro aspecto
pesquisado foi à qualidade de vida relacionada à saúde. O Medical Outcomes Study 36-Item
Short-Form Health Survey (SF-36) foi o instrumento de escolha.
Ambos os questionários produzem um score e os resultados obtidos estão
organizados em forma de tabela egráficos.

Resultados

Através do Questionário de Lysholm que avalia a condição funcional. Dos vinte


cincos pacientes submetidos nesse estudo, observou-se que 52% (13) demonstram estarem
excelentes, 32% (8) bom e 8% (2) regular e 8% (2) ruim.
P á g i n a | 176

Questionário de Lysholm

8% 8%
52%
32%

Excelente Bom Ruim Regular

Figura 1: Representação gráfica da comparação das médias dos scores obtidas através do
Questionário de Lysholm.

O Medical Outcomes Study 36-Item Short-Form Health Survey (SF-36) avaliou a


qualidade de vida desses pacientes, e os resultados foram divididos em três grupos de idade
(22 a 29 anos, 30 a 38 anos, 40 a 64 anos) e comparados entre si, por meio da média dos
scores estabelecida em cada domínio dessequestionário.

CapacidadeFuncional

100
90
80
70
60
50
40
30
20
10
0
22 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 64 anos
P á g i n a | 177
Figura 2: Representação gráfica das médias dos scores obtidas através do Questionário SF-36
do domínio CF, com a comparação entre os grupos de idade.

Dor
80

70

60

50

40

30

20

10

0
22 a 29 anos 30 a 38 anos 40 a 64 anos

Figura 3: Representação gráfica das médias dos scores obtidas através do Questionário SF-36
do domínio DOR, com a comparação entre os grupos de idade.

Limitação por AspectoFísico

88
87

86

85

84

83

82

81

80

79
22 a 29 anos 30 a 38 anos 40 a 64 anos

Figura 4: Representação gráfica das médias dos scores obtidas através do Questionário SF-36
do domínio AF, com a comparação entre os grupos de idade.
P á g i n a | 178

Estado Geral deSaúde

80

70

60

50

40

30

20

10

0
22 a 29 anos 30 a 38 anos 40 a 64 anos

Figura 5: Representação gráfica das médias dos scores obtidas através do Questionário SF-36
do domínio EGS, com a comparação entre os grupos de idade.

Vitalidade

90
80

70

60

50

40

30

20

10

0
22 a 29 anos 30 a 38 anos 40 a 64 anos

Figura 6: Representação gráfica das médias dos scores obtidas através do Questionário SF-36
do domínio VIT, com a comparação entre os grupos de idade.
P á g i n a | 179

AspectosSociais

90

88

86

84

82

80

78

76
22 a 29 anos 30 a 38 anos 40 a 64anso

Figura 7: Representação gráfica das médias dos scores obtidas através do Questionário SF-36
do domínio AS, com a comparação entre os grupos de idade.

AspectoEmocional

90

85

80

75

70

65
22 a 29 anos 30 a 38 anos 40 a 64 anos

Figura 8: Representação gráfica das médias dos scores obtidas através do Questionário SF-36
do domínio AE, com a comparação entre os grupos de idade.
P á g i n a | 180

SaúdeMental

84
82

80

78

76

74

72

70

68

66
22 a 29 anos 30 a 38 anos 40 a 64 anos

Figura 9: Representação gráfica das médias dos scores obtidas através do Questionário SF-36
do domínio SM, com a comparação entre os grupos de idade.

Conclusões

Conclui-se que os pacientes submetidos nesse estudo, realizaram a ligamentoplastia


sendo o principal objetivo a reconstrução do ligamento lesado, devolvendo o máximo de
funcionalidade. Estudos demonstram que a fisioterapia é de extrema importância no processo
de reabilitação, proporcionando ao paciente o retorno em suas atividades de vida diária e
desportivas. O que podemos analisar nesse caso é que todos esses pacientes que passaram
pelo processo de cirurgia e reabilitação retomaram sua funcionalidade, sendo que 52% dos
pacientes consideram-se excelentes em sua condição funcional através da aplicação do
Questionário deLyslhom.
Em relação aos dados obtidos pelo Questionário de Qualidade de Vida SF-36
observa-se que jovens entre 30 e 39 anos apresentam um maior índice (94,58%) de ganho
capacidade funcional e estado geral de saúde (78,5%) comparado com os pacientes entre 22 a
29 anos com capacidade funcional (89,28%) e estado geral de saúde (64,28%) e o grupo de 40
a 64 anos com capacidade funcional (70,83%) e estado geral de saúde (69,83%). No domínio
DOR observamos que a média é melhor nas idades entre 22-29 anos (63,14%) e 40 a 64 anos
(63%) comparados ao grupo de 30-38 anos que apresentam uma média de 76,16%. O domínio
de aspecto físico observou que o grupo com 40 a 64 anos teve uma média maior (87,5%)
comparada aos demais grupos, ou seja, provavelmente devido a idade esses pacientes tem
P á g i n a | 181

mais limitação em suas atividades de vida diária. Logo a frente aparece o grupo de 30-38 anos
(85,41%) e o de 22 a 29 anos (82,14%).
No domínio vitalidade o percentual é maior no grupo de 40 a 64 anos (81,66%),
seguido pelo grupo de 30 a 38 anos (75%) e o de 22 a 29 anos (66,42%). No aspecto social o
grupo de 30 a 38 anos tem uma média maior (89,58%) do que o de 22 a 29 anos (82,14%) e o
de 40 a 64 anos (80,75%). Nos últimos dois domínios o aspecto emocional no grupo de 22 a
29 anos tem uma média maior (85,71%), os de 30 a 38 anos (80,55%) e os de 40 a 64 anos
(72,22) e na saúde mental o grupo de 40 a 64 anos (82,66%), 30 a 38 anos (82,33%) e o de 22
a 29 anos (72,57%).

Referências

ARAUJO, A.L.; PINHEIRO, I.A, Protocolo de Tratamento Fisioterápico nas Lesões do


Ligamento Cruzado Anterior Após Ligamentoplastia – Uma Revisão, mar. 2016 p. 05,
Santa Catarina, v.16. Disponível em: <Downloads/Dialnet-
ProtocolosDeTratamentoFisioterapicoAposCirurgiaDoL-3969898.pdf > 23/09/2016

ALMEIDA, A.N, Métodos de Avaliação dos Resultados do Tratamento das Lesões do


Ligamento Cruzado Anterior, jun. 2013, p. 35. Mestrado (Integrado em Medicina) –
Universidade do Porto, Porto, 2012/2013. Disponível em: < https://repositorio-
aberto.up.pt/bitstream/10216/71981/2/93616.pdf> - 06/09/16

ARLIANI, G.G. et al. Correlação entre tempo para o tratamento cirúrgico e mortalidade
em pacientes idosos com fratura da extremidade proximal do fêmur. Rev. Bras. Ortop. V.
46,n 2, p. 189-194, 2011.Disponível em:
<http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/34/260_IntervenYYo_fisiot._no_pYsop._de_frat
ura_proximal_do_fYmur_em_idosos_rev._de_lit..pdf> - 20/10/16

BECKER, DOLKEN, Fisioterapia em Ortopedia. São Paulo: Santos, 2007.

CASTRO, ALVES, Revisão de Aspectos Penitentes a Fisioterapia. 2003. 15 f. Tese (Pós-


Graduação em Ortopedia e Traumatologia com Ênfase em Terapia Manual), Universidade
Ávila, Goiânia, Goiás, 2003. Disponível
em:<http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/32/111
Joelho_revisYo_de_aspectos_pertinentes_Y_Fisioterapia.pdf>. 10/06/16

CHRISTOVAM, L. L., MEJIA, D. P.M, Reeducação Proprioceptiva Após Reconstrução


do Ligamento Cruzado Anterior. 2000. 14 f. Tese (Pós-Graduação em Ortopedia e
Traumatologia com Ênfase em Terapia Manual), Universidade Ávila, Goiânia, Goiás, 2000.
Disponívelem:<http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/32/18
ReeducaYYo_proprioceptiva_apYs_reconstruYYo_do_LCA.pdf> 05/11/16

CECONELLI, R.M., Tradução para o Português e Validação do Questionário Genérico de


Avaliação de Qualidade de Vida Medical Outcomes Study 36-item Short-Form
P á g i n a | 182
Health Survey (SF-36), Rev. Bras. Reumatol.V.39, nº 3, 1999. Disponível em:
<http://www.absh.org.br/00.php?nPag=11_005>. 07/09/16

DIONISIO, V. C.; PINI, G. A. Reabilitação do LCA: Uma Revisão da Literatura. São


Carlos: Revista Brasileira de Fisioterapia, Vol. 1, n. 02, p. 51-60, 1997. Disponível em:
<http://www.rbf-bjpt.org.br/files/v1n2/v1n2a02.pdf> 15/06/16

ELLENBECKER, T. S., Reabilitação dos Ligamentos do Joelho. São Paulo: Manole, 2002.

FATARELLI, I. F. C, ALMEIDA, G. L, NASCIMENTO B. G., Lesão e Reconstrução do


LCA: Uma Revisão Biomecânica e do Controle Motor. Revista Brasileira de Fisioterapia,
Vol. 8, n 03, 2004. Disponível em:
<http://www.crefito3.com.br/revista/rbf/rbfv8n3/pdf/197.pdf>- 28/10/16

GODINHO, P., et. al., Déficit Proprioceptivo em Pacientes com Ruptura Total do
Ligamento Cruzado Anterior. Revista Brasileira Ortopedia, Vol. 49, nº 06, 2014.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbort/v49n6/pt_0102-3616-rbort-49-06-0613.pdf>
24/09/16

INSALL, T.J.N.; SCOTT, A.B. Surgery of the Knee. Philadelphia. Churchill Livingstone
Elsevier, 2006.

KISNER, C.; COLBY, L. A. Exercícios Terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. São


Paulo, Manole, 2009.

MADRUGA, R.E.T.T.A, Estudo pós-operatório da reconstrução do ligamento cruzado


anterior utilizando enxerto do ligamento patelar, fixado com parafuso bioabsorvíveis.
2004. 93 f. Tese (Mestrado em Cirurgia) – Centro de Ciência da Saúde, Universidade Federal
de Pernambuco – UFPE, Recife, 2004. Disponível em:
<http://repositorio.ufpe.br/bitstream/handle/123456789/3070/arquivo5507_1.pdf?sequence=1
&isAllowed=y> 05/06/16

PINHEIRO, A.N. Lesão do Ligamento Cruzado Anterior: Apresentação Clínica,


Diagnóstico e Tratamento, Mar. 2016 p. 329, Viana do Castelo – Portugal, v. 23. Disponível
em: <http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpot/v23n4/v23n4a05.pdf> 08/09/2016

ROCHA, I.V. et al., Avaliação da Evolução das Lesões Associada a Lesão do Ligamento
Cruzado Anterior, Out. 2006 p. 108, São Paulo, v. 02. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/aob/v15n2/v15n2a10> 06/09/16

SOARES, M.S, Ligamentoplastia do Cruzado Anterior com Enxerto dos Tendões dos
Músculos Semitendíneo e Gracilis: Comparação das Técnicas Contrair-Relaxar e
Artrocinemática no Desbloqueio Articular. 2005 . 36 f. (Monografia) - Projeto a Vez do
Mestre, Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, 2005. Disponível em:
<http://www.avm.edu.br/monopdf/8/MAUR%C3%8DCIO%20DOS%20SANTOS%20SOAR
ES.pdf>. 10/08/16
P á g i n a | 183

Sintomas e Tratamento da Hepatite C: Levantamento


Bibliográfico
Carina Luana Santos da Costa
Carolina de Oliveira Nery
Priscila de Freitas Lima

RESUMO

Segundo a Sociedade Brasileira de Hepatologia, a hepatite C é um problema de saúde pública


de grandes proporções, com impactos sérios não apenas para o indivíduo acometido, mas
tambémparaosistemadesaúde.Reconhecercomoéfeitoodiagnóstico,quaissãoossintomas e
tratamentos possíveis, assim como seus prognósticos, é de extrema importância para os
profissionais da saúde, uma vez que se trata de uma doença crônica altamente prevalente.
Especialmente no caso dos farmacêuticos, compreender os protocolos de tratamento para
hepatite C, assim como os aspectos farmacológicos dos medicamentos disponíveis, é essencial
para a prestação de um serviço de qualidade à comunidade. Neste contexto, o objetivo do
presente trabalho foi analisar, a partir da literatura científica, a sintomatologia e abordagem
farmacoterapêutica adotada para tratamento da hepatite C, via Sistema Único de Saúde. Foi
realizado um levantamento a partir de livros, artigos científicos, documentos técnicos do
Ministério da Saúde, teses e dissertações. Partiu-se de bases de publicações como Scielo e
MEDLINE, e foram incluídos trabalhos em Português e em Inglês. Os dados encontrados
apontam que o tratamento atual da hepatite C tem como função erradicar o vírus, com a
finalidade de aumentar a expectativa e a qualidade de vida do paciente, reduzindo a incidência
de complicações da doença hepática crônica (cirrose e carcinoma hepatocelular) e diminuindo
a transmissibilidade da doença. No Brasil há a disponibilidade do interferon convencional e da
ribavirina. Com a evolução das pesquisas, novos medicamentos com ação antiviral foram
incorporadosaotratamentodahepatiteC,osquaisincluemsofosbuvir,daclatasviresimeprevir, que
causam menos efeitos colaterais. Conclui-se ser necessário buscar cada vez mais
conhecimentos para uma formação coerente que possibilite avanços e orientações claras, de
formaareduziraocorrênciadahepatiteCaolongodosanos,bemcomopossibilitaràpopulação maior
conscientização para que se atente para cada manifestação da hepatite C. É de extrema
importância que os profissionais da saúde sejam capazes de converter as limitações da
população em práticas deprevenção.

Palavras-chave: Hepatite C, Vírus da Hepatite C, Antivirais.


P á g i n a | 184

ABSTRACT

AccordingtotheBrazilianSocietyofHepatology,hepatitisCisamajorpublichealthproblem of
major proportions, with serious impacts not only for the individual affected, but also for the
health system. Recognize how the diagnosis is made, what are the symptoms and possible
treatments,aswellastheirprognosisisextremelyimportantforhealthprofessionals,sinceitis a
highly prevalent chronic disease. Especially in the case of pharmacists, understanding the
treatmentprotocolsforhepatitisCaswellasthepharmacologicalaspectsofthedrugsavailable is
essential for providing a high quality service to the community. In this context, the aim of this
study was to analyze, based on the scientific literature, the symptoms and
pharmacotherapeuticapproachadoptedforthetreatmentofhepatitisC,viatheBrazilianPublic
Health System (Sistema Único de Saúde – SUS). A literature search was conducted based on
books,scientificpapers,technicaldocumentsfromtheBrazilianHealthMinistryandacademic thesis
and dissertations. Publication databases such as Scielo and Medline were evaluated, and
publications in English and Portuguese were included. The data found suggest that the current
treatment for hepatitis c has the purpose to eradicate the virus in order to increase the patient
expectancy and quality of life, reducing the incidence of the complications attributed to the
chronic liver disease and reducing the transmission. In Brazil the conventional interferon and
ribavirin are available. As the researches evolved, new drugs with antiviral action were
incorporatedintothetreatmentofhepatitisC,includingsofosbuvir,daclatasvirandsimeprevir,
which has fewer side effects. It can be concluded that it is necessary to search for more
knowledge in order to allow a significant progress and to provide clear orientations to reduce
the occurrence of hepatitis c, eventually giving to the community a broader understanding
towards the clinical manifestations of the hepatitis c. It is extremely important that the health
professionals are able to convert limitations into preventionpractices.

Keywords: Hepatitis C, Hepatitis C Virus, Antiretrovirals.


P á g i n a | 185

INTRODUÇÃO
A hepatite pode ser definida como uma inflamação do fígado causada por agentes
infecciososoutóxicos.Issoocorre,emparte,porquepraticamentequalqueragressãoaofígado pode
destruir o hepatócito e recrutar células inflamatórias, mas porque também doenças
inflamatórias representam condições crônicas de longa duração, conforme dados da Aliança
Brasileira pela Doação de Órgãos e Tecidos (ADOTE C,2014).
Entre os distúrbios inflamatórios, a hepatite viral é a mais frequente e as suas formas
agudasecrônicassediferenciampeladuraçãoepelopadrãodalesãocelular.Ashepatitesvirais podem
ser classificadas de acordo com o vírus hepatotrópico que as causam (A, B, C, D ou E)
(KUMAR; ABBAS; ASTER,2013).
AhepatiteCéumadoençaviralcausadapeloVírusdaHepatiteC(VHC),queinflama o
fígado sem despertar sintomas, fazendo com que muitas pessoas desconheçam que têm
hepatiteC,àsvezesdescobrindoadoençaquandovaidoarsangueourealizarexamesderotina, ou
quando a doença do fígado já se encontra em estágio muito avançado, algumas décadas depois
da contaminação (FERRARINI,2014).
A transmissão da hepatite C ocorre através do contato com sangue contaminado, em
casos de transfusão de sangue, ou de acidentes com material contaminado, entre profissionais
da saúde, ou ainda quando se compartilha instrumentos para injetar drogas. No caso de mãe
para filho é rara a transmissão dessa doença, com cerca de 5% de chance de acontecer,
ocorrendo no momento do parto. Em relação à transmissão por contato sexual, esta ainda não
foi totalmente comprovada em estudos, conforme dados da Organização Mundial da Saúde
(OMS) (VARALDO, 2003).
AhepatiteCapresenta-seemduasformasclínicas:aagudaeacrônica,sendoaforma crônica
a mais comum, pois, devido a doença ser assintomática em sua primeira fase, grande parte das
pessoas se encontra infectada com o vírus. Porém, conforme a doença for avançando e
infeccionando ainda mais o fígado, podem ocorrer os seguintes sintomas: dor e inchaço
abdominais; sangramento no esôfago ou estômago; coceira; icterícia; urina escura; perda de
apetite; náusea (FERRARINI,2014).
ApessoaquecontraioVHCestáaptaadesenvolvercirrose,insuficiênciahepáticaou
carcinoma hepatocelular. A hepatite C é responsável por 70% das hepatites crônicas, 40% dos
casos de cirrose e 60% dos carcinomas hepatocelulares, se apresentando com a primeira causa
de transplante de fígado em todo o mundo (COSTA, 2016, p.1).
A hepatite C apresenta elevada taxa de cronicidade, com uma gradativa evolução e se
caracterizandoporumadoençadegrandepotencialfatal,participandocomoadoençademaior
P á g i n a | 186
número de óbitos entre todos os tipos de hepatite (FOCACCIA, 2007 apud RODRIGUES
NETO et al., 2012).
A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), estima que há no mundo em média 400
milhões de pessoas infectadas pelo VHC, esse número acredita-se que é 10 vezes maior que o
de pessoas contaminadas pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) (HEPATITE..., 2016).
OSistemaÚnicodeSaúde(SUS)tratou15.821decasosdehepatiteCnoanode2015 no
Brasil e já fez o cadastro de 11 mil pessoas como potenciais pacientes do tratamento, de
acordo com os critérios de classificação estabelecidos pela OMS (BRASIL,2015B).
OtratamentodehepatiteCdeveseriniciadoempacientescomnívelséricoelevadode
alaninaaminotransferase(ALT)ecomevidênciadeatividadeinflamatórianoexamedebiópsia
hepática. O principal medicamento usado para a hepatite C é o interferon (IFN) alfa, mais
conhecido como IFN convencional, ele tem o potencial de inibir a carga viral após 48 horasde
tratamento (BRASIL,2014B).
De acordo com Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME), além do
IFN existem outros medicamentos usados para o tratamento da hepatite C, tais como
alfaepoetina, alfainterferona 2b, alfapeginterona 2a, alfapeginterferona 2b, boceprevir,
filgrastim, ribavirina e telaprevir (BRASIL, 2014A).

OBJETIVO
O presente estudo tem o objetivo de analisar criticamente a sintomatologia e
abordagem farmacoterapêutica adotada para tratamento da hepatite C, via SUS.

MATERIAIS E MÉTODOS
Foi realizada uma pesquisa qualitativa (levantamento bibliográfico) a partir de livros,
artigos científicos e técnicos do Ministério da Saúde, assim como teses e dissertações. Partiu-
sedebasesdedadoscomoScieloeMEDLINE,eforamincluídostrabalhosemPortuguêseem Inglês.

DESENVOLVIMENTO
A palavra hepatite significa inflamação no fígado e existem vários tipos de hepatite,
comoasnãovirais,causadasporagentestóxicos,comosubstânciasquímicasoudrogas,álcool,
medicamentos ou alguma anormalidade no sistema biológico, e que não são contagiosas. As
hepatitesviraisseclassificamporletradoalfabeto;ashepatiteA,BeCsãoconsideradasas
P á g i n a | 187
mais preocupantes para a população em geral, e as hepatites D, G e TT são potencialmente
relevantes especialmente para gestantes, pois podem causar aborto (ADOTE, 2014).
NomundotodoahepatiteClevaàmortecercade350mila700milpessoasanualmente. No
Brasil, o SUS já confirmou 120 mil casos, dentre os quais 100 mil foram tratados. Porém,
anualmente surgem aproximadamente 10 mil novos casos (BRASIL, 2015A).Existem vários
veículos de contaminação da hepatite C, dentre eles destacam-se osseguintes: a via parental
(transfusão de sangue ou de seus derivados); transmissão sexual; aleitamento materno; parto;
secreção vaginal; contaminação em ambiente hospitalar (incluindo
risco associado diretamente aos profissionais da saúde) (ADOTE C, 2014).
O vírus que causa a hepatite C tem Ácido Ribonucleico (RNA) como seu material
genético, distinto dos vírus causadores dos demais tipos de hepatites. O VHC se hospeda em
uma célula do fígado e, da mesma forma que os demais vírus, toma emprestadas as estruturas
que produzem proteínas das células normais, em razão de que sozinho é incapaz de produzir
proteínas virais em grande quantidade (VARALDO, 2003).
Este vírus apresenta variações, dentre as quais 6 são as mais importantes (1 a 6) e
ainda se subdividem em mais de 50 subtipos (1a, 1b, 2a e outros). O RNA desses genótipos
chega a apresentar 30 a 50% de diferença, e subdividi-los é importante em razão de que cada
subtipo apresenta peculiaridades em relação à agressividade e resposta ao tratamento. Por
exemplo, os genótipos 1 e 4 são mais resistentes ao tratamento com IFN, enquanto que os
genótipos 2 e 3 apresentam melhores respostas. Por outro lado, estas variações confundem o
sistema imunológico e tornam muito mais difícil a produção de vacinas, além de outras
complicações (GONÇALVES JORGE, 2003).
Granato e Alberto (2008) analisaram, no ano de 2008, a distribuição da variação dos
genótipos do VHC na população brasileira a partir de 233 amostras consecutivas de pacientes
infectados por esse vírus. Os resultados mostraram a seguinte prevalência dos principais
genótipos do VHC: 1b - 45,6%; 3a - 32,5%; 1a - 15,8%; outros subtipos - 6,1%.
Conforme Gonçalves Jorge (2003), o vírus C se apresenta em maior quantidade no
sangue infectado do que o vírus B na hepatite B e o sangue infectado com o vírus C não
apresenta antígenos da hepatite B. Considera-se que na hepatite C, da mesma forma que na
hepatite B, o sistema imunológico do próprio hospedeiro seja o principal mecanismo de
destruiçãodecélulasdofígado,emboratambémsejaprovávelqueocorradestruiçãodiretapelo vírus.
É grande o impacto da hepatite C na saúde pública do Brasil e do mundo, pois essa
doença pode levar o paciente a ocorrência de fibrose hepática, cirrose e carcinoma
P á g i n a | 188
hepatocelular, podendo ainda alcançar fases tão avançadas, ocasionando o óbito (LAGE, 2011;
RODRIGUES NETO et al., 2012; BRASIL, 2015A; COSTA, 2016).
Conforme estimativas do Ministério da Saúde, a infecção causada pelo VHC ocorre
em todos os continentes, e cerca de 170 milhões de indivíduos se encontram ou já se
encontraram infectados. Nos países mais desenvolvidos o transplante hepático é o
procedimento mais indicado para casos de cirrose por VHC (CORRÊA, 2004).
Por isso é de grande importância que sejam esclarecidos à população, através de
campanhas educativas governamentais, os agentes que causam a hepatite C, bem como as
características da doença, de forma a proporcionar maior conhecimento e reduzir os casos da
evolução da doença e dos óbitos, podendo aumentar a qualidade de vida dos portadores
(FERREIRA;SILVEIRA,2004;CORREA,2004;BRASIL,2008;RODRIGUESNETOetal.,
2016).
Quandoalgunscuidadospassaramasertomados,comoatriagemrealizadaempessoas que
vão doar sangue, foram reduzidos os casos de infecção por via parenteral. Por isso são
importantes campanhas educativas nesse sentido (FERREIRA; SILVEIRA, 2004). Ainda,
dentre as medidas preventivas destacam-se muito cuidado no manuseamento de objetos que
possam conter sangue, como seringas de injetar drogas lícitas e ilícitas, aparelhos de barbear,
tesouras,alicatesdeunhasecutículas,escovasdedente,entreoutros,osquaisnuncadevemser
compartilhados (GONÇALVES JORGE, 2003; BRASIL,2008).
Existem aproximadamente cerca de 10 a 30% de pessoas que tem o HIV e também
estão coinfectados com o VHC, esse dado ainda é maior quando se trata de pessoas que fazem
o uso de drogas injetáveis, que chega a 75%. Pessoas infectadas com esses dois vírus tem um
risco maior de progressão para cirrose, insuficiência hepática e câncer, piorando o prognóstico
em razão da maior morbidade e mortalidade. (BRASIL, 2015B).
Quanto ao diagnóstico da hepatite C, este normalmente é realizado quando a doença
jáseencontraemsuafasecrônica,porserassintomáticanoinício.Porém,quandoossintomas,
depoisdealgunsanos,começamaevoluir,odiagnósticoespecíficoocorreapóstestesorológico de
rotina, por meio do exame chamado Anti-VHC, o qual indica exposição ao vírus, mas não
distingue doença ativa e contato anterior com o vírus e o reagente por mais de seis meses, e
HCV-RNAdetectável(positivo),ouseja,marcadordiretodainfecçãoativaporVHC(BRASIL,
2011).
P á g i n a | 189

RESULTADOS E DISCUSSÃO
Claramente,asaúdenoBrasilenfrentamuitosdesafios,especialmentenoqueserefere ao
tratamento de doenças transmissíveis, como é o caso da hepatite C, o que exige muito mais
responsabilidade e atitude por parte das autoridades no sentido de prevenir, controlar e curar a
doença (COSTA,2016).
AhepatiteCéumadoençaquenãoapresentasintomasemseuestágioinicial,podendo ser
descoberta em casos de doação de sangue ou algum exame específico, podendo já se
encontrar em fase bem avançada de inflamação, muitas vezes irreversível, tendo como único
recurso disponível o transplante de fígado. É gradativa a evolução desta doença, em grande
parte dos casos, durando até décadas, enquanto que em outros casos pode ser tão rápida que
leva o portador à óbito, uma vez que já existe o comprometimento total do fígado (BRASIL,
2008).
CasoahepatiteCnãosejatratadaquandodescoberta,podelevaraumacirrosehepática
em20ou30anos,desdeoiníciodainfecção,etambémparaocâncerdefígadodentrode6a
10anos(DUNCAN;SCHMIDT;GIUGLIANI,2004).Reconhece-seque,emgeral,ahepatite
Cevoluidaseguintemaneira:exposição€infecção€recuperaçãooucronicidade€fibrose
progressivadofígado€cirrosee/oucarcinomahepatocelular€mortepordoençasdofígado ou
transplante (MARCELIN, 1999; DUNCAN; SCHMIDT; GIUGLIANI, 2004;THOMSON;
FINCH, 2005; BRASIL, 2008). Isto ocorre porque o fígado tenta reparar as suas células
agredidas e tem capacidade para fazê-lo. Contudo, quando esta agressão se torna constante,
perdurando por um longo período, esse processo de reparação acaba por substituir o tecidodas
células hepáticas com o tecido cicatricial, o qual impede que as células hepáticas executem suas
funções.Destaforma,quandoofígadoéconstantementeagredido,podesercicatrizadoemsuasáreas
significativas, processo este que recebe a denominação de cirrose (DUNCAN; SCHMIDT;
GIUGLIANI,2004).
O objetivo do tratamento da hepatite C é a erradicação do vírus com a finalidade de
aumentar a expectativa e a qualidade de vida do paciente, reduzindo a incidência de
complicações da doença hepática crônica e diminuindo as chances de transmissão do VHC. O
tratamento pretende evitar os desfechos primários da progressão da infecção, como cirrose,
carcinoma hepatocelular e óbito (THE EUROPEAN ASSOCIATION FOR THE STUDY OF
THE LIVER, 2015 apud BRASIL, 2015B, p. 19).
O tratamento das formas crônicas de hepatite C se baseava na combinação de IFN ou
interferon peguilado (PEG-IFN) com ribavirina, aplicados durante um período de 48 a 72
semanas, conforme o genótipo diagnosticado. O PEG-IFN tem uma molécula de
P á g i n a | 190
polietilenoglicol que se junta à molécula do interferon, assim o tornando maior e com mais
dificuldadeemsermetabolizado,permanecendomaistemponacorrentesanguínea(PARANÁ et
al.,2009).
No Brasil há a disponibilidade do IFN convencional e da ribavirina, produzidos no
país, bem como o PEG-IFN alfa produzido por diferentes companhias farmacêuticas
(SHEPHERD et al., 2004 apud GARCIA et al., 2012).
Em relação ao mecanismo de ação, sabe-se que assim que o IFN se liga à molécula
receptoranasuperfíciedacélulaespecífica,acélularecebeamensagemparaproduzirproteínas
antivirais. Esse processo leva à produção de 24 proteínas que acabam por inibir a penetração
do vírus. Possivelmente há outros mecanismos que contribuem para o efeito terapêutico final
do fármaco. Já o mecanismo de ação da ribavirina não está completamente claro, mas
supostamente está relacionando com a alteração dos reservatórios de nucleotídeos celulares, o
que inibe a síntese do RNA mensageiro viral (ACOSTA; FLEXNER,2012).
A partir do ano de 2015, o Brasil passou a importar outros medicamentos para tratara
hepatite C via SUS, como o daclatasvir, simeprevir ou sofosbuvir, indicados para pacientes
cujos exames mostrem resultados de fibrose hepática avançada (THE EUROPEAN
ASSOCIATION FOR THE STUDY OF THE LIVER, 2015 apud BRASIL,2015A).
Estes novos tratamentos correspondem a uma taxa de cura de 90%, com duração do
tratamentode12a24semanas,sendoadministradosporviaoral.Antesdestenovotratamento, a cura
da hepatite C era por meio de um composto do medicamento IFN, cuja taxa de cura era de
cerca de 50%, com duração de tratamento de 48 a 52 semanas e administração por via oral e
injeção subcutânea (BRASIL,2015B).
Amedicinatemavançadomuito,especialmentenaassistênciaàhepatiteC,nosentido de
segurança, posologia, custo, abrangência de pacientes tratados e efetividade dos fármacos
disponibilizados. Diante disso, o novo Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para
Hepatite C e Coinfecções (BRASIL, 2015B), optou por cessar o uso de medicamentos de ação
diretadeprimeirageração,comoobocepreviretelaprevir,ressaltandoagarantiadotratamento com
esses medicamentos aos pacientes com Protocolo prévio, porém, adicionando ao arsenal
terapêutico do SUS os três referidos medicamentos: o sofosbuvir, que consiste em um
semelhante nucleotídeo inibidor da polimerase do VHC; o simeprevir, que inibe a protease de
segunda geração e o daclatasvir, que inibe a NS5A. O genoma do VHC codifica uma única
poliproteína precursora que depois de processada dá origem a dez proteínas virais, sendo a
NS5A uma dessas proteínas virais não estruturais, associada com a resposta ao tratamento
baseado em IFN (OLIVA,2012).
P á g i n a | 191
AatuaçãodessesnovosmedicamentosédiretanoVHC,demodoaimpedirqueelese
replique. Constituem o que há de mais avançado, atualmente, no tratamento da hepatite C
crônica (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2014; THE EUROPEAN ASSOCIATION
FOR THE STUDY OF THE LIVER, 2015 apud BRASIL,2015B).
OtratamentocomIFNapresentamuitosefeitoscolaterais,queincluemcefaleia,dores
musculares,febre,perdadeapetite,cansaço,depressão,perdadepeso,alémdadiminuiçãodos
glóbulos brancos, plaquetas e anemia, e somente 40 a 50% dos pacientes apresentam a não
detecção do vírus em 12 semanas após o término do tratamento (BRASIL,2015B).
DeacordocomodiscutidoporOliva(2012),osofosbuvir,queentranalistadosnovos
medicamentos para VHC preconizados pelo SUS, é melhor tolerado. Ele associado com o IFN
earibavirinaapresentaramtaxadecuraentre80a98%,alémdereduzirotempodetratamento para 1
semana. Sofosbuvir e ribavirina sem o IFN apresentaram respostas de 64 a 100%. O
simeprevir deve ser combinado com o IFN e a ribavirina, apresentando assim taxas de cura
entre 68% e 86%, mas os efeitos colaterais foram parecidos com os do IFN eribavirina.
A hepatite C atinge proporções quase que epidêmicas no Brasil, acometendo cerca de
2milhõesdebrasileiros,sendoquesomente25%possuemconhecimentodequesãoportadores do
VHC e menos de 5% já foram favorecidos com a cura. Esse elevado número de portadores se
reflete em muitas vidas perdidas e custos muito altos de assistência médica e, se nada for
feito, até o ano de 2030 serão mais de 95% dos casos de carcinoma hepatocelular e de cirrose
relacionadosàhepatiteC,gerandomaiornecessidadedetransplantesdefígadoeresultandoem maior
número de óbitos (WESSLER, 2009; RODRIGUES NETO et al., 2012). Estima-se que com a
nova terapia abraçada pelo SUS (sofosbuvir, daclatasvir e simeprevir), mais de 80% da
população infectada será tratada (BRASIL,2015A).
Além dos medicamentos, o SUS também incorporou um novo exame, o qual avalia o
quanto o fígado do paciente está danificado com hepatite C. É o exame Elastografia Hepática
Ultrassônica, que tornará bem mais fácil diagnosticar os portadores que usarão os novos
medicamentos. Esses avanços mostram que a meta é oferecer, a cada dia, melhor assistência
aos portadores de hepatite C (BRASIL, 2015B).
Como políticas públicas voltadas para o tratamento da hepatite C no Brasil, existe um
esforço muito grande nesse sentido, principalmente a partir dos novos medicamentos. Existe
um acordo realizado entre a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) e o consórcio BMK, integrado
pelas empresas Blanver Farmoquímica, Microbiológica Química e Farmacêutica e Karin
Bruning,paraaproduçãodomedicamentosofosbuvirnoBrasil,aumpreçobemacessível,para
P á g i n a | 192
tratar a hepatite C, o qual será distribuído no SUS, além de outros medicamentos antivirais
(GANDRA, 2016).
Segundo o Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), AIDS e
Hepatites Virais, o tratamento da hepatite c em pacientes com HIV é ainda mais complicado,
pois o sistema imunológico está mais sensível, ou seja, não é raro que haja má resposta ao
tratamento, comprometendo o processo de adesão e agravando os efeitos colaterais. Isso pode
levar a uma evolução mais rápida para a cirrose, insuficiência hepática e câncer de fígado.
Pacientes com o HIV e VHC têm grandes chances de ter toxicidade hepática causada pela
combinaçãodosváriosantiviraisutilizadosparatratarambasascondições(SILVA;BARONE,
2004).

CONCLUSÕES
Oobjetivodopresentetrabalhofoianalisarcriticamenteasintomatologiaeabordagem
farmacoterapêutica adotada para tratamento da hepatite C viaSUS.
Pode-se afirmar que esse objetivo foi alcançado, uma vez que se conheceu um pouco
maisarespeitodahepatiteC,umadisfunçãocausadanofígadopelosefeitosdiretoseindiretos do
VHC. A hepatite C pode ser contraída por sangue infectado, em transfusão de sangue, uso
coletivo de instrumentos perfurocortantes, como seringas, aparelhos de barbear e alicates de
cutículas.Asconsequênciasdestadoençapodemsercomplicadas,podendolevaraumacirrose,
câncer de fígado eóbito.
Conheceu-se também, por meio da literatura pesquisada, que novos medicamentos
foram incorporados ao SUS para o tratamento da hepatite C. São eles: o sofosbuvir, o
daclatasvir e o simeprevir, com os quais cerca de 30 mil tratamentos poderão ser realizados,
considerando que, com o tratamento anterior, de IFN associado a outros fármacos, 15.821
pessoas já haviam sido tratadas no ano de 2015.
Este foi, sem dúvida, um grande avanço no tratamento da hepatite C, pois representa
umagrandemudançadeparadigmas,emrazãodequeoBrasilconseguesairdeumesquemade
tratamentojáavançado,constituídopeloIFNeribavirinaecaminharparaumnovotratamento, agora
oral, com uma excepcional tolerância e de grandeeficácia.
A realização desse trabalho foi muito construtiva, pelos conhecimentos que
proporcionou. Porém, é um assunto que deve ser mais estudado, em razão de se tratar de um
problema de saúde pública, ficando aqui a sugestão para que novos estudos sejam feitos no
sentido de verificar a real eficácia dos novos tratamentos conforme eles forem sendo cada vez
mais utilizados pela população brasileira.
P á g i n a | 193

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ACOSTA, E.P.; FLEXNER, C. Agentes Antivirais (não retrovirais).In: BRUNTON, L. L.;


CHABNER, B. A.; KNOLLMANN, B. C. As Bases Farmacológicas da Terapeutica de
Goodman e Gilman, São Paulo, 12º Ed.,2012. p.1593-1622.

ADOTE C - ALIANÇA BRASILEIRA PELA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS.


Informações gerais sobre hepatites virais, 2014. Disponível em:
<http://www.adote.org.br/inst_adotec.htm> Acesso em: 12 jul. 2016.

BARONI, A. A.; SILVA, A. C. M. Fatores de Risco Para Infecção em Pacientes com Virus da
HepatiteC.2004.Disponivelem:<http://www.scielo.br/pdf/rsp/v40n3/17.pdf>Acessoem:24
agosto.2016.

BRASIL.MinistériodaSaúde.RENAMERelaçãoNacionaldeMedicamentosEssenciais.9 ed.
Brasília. 2014A,229p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Assistência Farmacêutica. Portaria nº 1014 de


dezembro de 2014: Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Hepatite Viral C. Brasília,
2014B, 182p.

BRASIL. Ministério da saúde. Hepatites virais: o Brasil está atento.2008. Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/hepatites_virais_brasil_atento_ 3ed.pdf> Acesso
em: 12 jul. 2016.

BRASIL. Novos remédios de hepatite C começam a chegar ao SUS; 'revolucionário', diz


ministro. Ministério da Saúde, 2015A. Disponível em:
<http://www.brasil.gov.br/saude/2015/10/novo-tratamento-da-hepatite-c-e-
2018revolucionario2019-diz-ministro> Acesso em: 12 jul.2016.

BRASIL. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite C E Coinfecções.


Ministério da Saúde, 2015B. Disponível em:
<http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2015/58192/
arquivoweb4_pcdt_ 17_05_2016_pdf_31085.pdf> Acesso em: 13 jul.2016.

BRASIL.ProtocoloClínicoeDiretrizesTerapêuticasparaHepatiteViralCeCoinfecções.
Hepatite viral crônica C: apresentação clínica e laboratorial. Ministério da Saúde, 2011.
Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes
/protocolos_diretrizes_hepatite_viral_c_ coinfeccoes.pdf> Acesso em: 16 jul.2016.

CORRÊA, M.C.M. Tratamento atual dos pacientes co-infectados pelo HIV e VHC. Prática
Hospitalar 2004; 34: l0l-3.Disponível em:
http://drjeffchandler.blogspot.com.br/2013/03/epidemiologia-dahepatite-c-daniela.html>
Acesso em: 15 jul.2016.

COSTA, M. Hepatite C: Diagnóstico, evolução e tratamento- Parte I. Orientação Médica


Essencial, 2016. Disponível em: <http://orientacaomedicaessencial.com.br/hepatite-c-
diagnostico-evolucao-e-tratamento/> Acesso em: 12 jul. 2016.
P á g i n a | 194
DUNCAN,B.B.,SCHMIDT,M.I.GIUGLIANI,E.R.J.MedicinaAmbulatorial:Conditas de
Atenção Primária Baseados em Evidencias. 3 ed. Porto Alegre,2004.

FERRARINI, C. Problemas no fígado: sintomas indicam quadro avançado: Icterícia e


inchaço abdominal são alguns sinais e alerta para formas graves de doença hepática.
Minha Vida, 2014. Disponível em: <http://www.minhavida.com.br/saude/materias/17926-
problemas-no-figado-sintomas-indicam-quadro-avancado> Acesso em: 16 Jul. 2016.

FERREIRA, C. T; SILVEIRA, T. R. Hepatites virais: aspectos da epidemiologia e da


prevenção. Rev Bras Epidemiol .2004; 7:473-87.

GANDRA, A. Fiocruz e laboratórios privados desenvolvem medicamento para hepatite C.


Agência Brasil, 2016. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-
05/fiocruz-e-laboratorios-privados-desenvolvem-medicamento-para-hepatite-c> Acesso em:
16 jul. 2016.

GARCIA, T. J.; LARA, P. H. Schmitt; MORIMOTO, T. P.; HIGASIARAGUTI, M.;


PEREJÃO, A. M.; AYUB, M. A. Efeitos colaterais do tratamento da hepatite C no polo
aplicador do ABC. Rev Assoc Med Bras, 2012. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/ramb/v58n5/v58n5a10.pdf> Acesso em: 17 jul. 2016.

GONÇALVESJORGE, S. Hepatite C: introdução e epidemiologia. Hepcentro, 2003.


Disponível em: <http://www.hepcentro.com.br/hepatite_c.htm> Acesso em: 12 jul. 2016.

GRANATO, C.; ALBERTO, F. L. Genotipagem do vírus da hepatite C (HCV). Fleury


Medicina e Saúde, 2008. Disponível em: <http://www.fleury.com.br/ medicos/educacao-
medica/artigos/Pages/genotipagem-do-virus-da-hepatite-c-hcv.aspx> Acesso em: 23 jul. 2016.

HEPATITE atinge 400 milhões de pessoas no mundo, diz OMS. Disponível em


<http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/hepatite-atinge-400-milhoes-de-pessoas-no-
mundo- diz-oms> Acesso em 25/08/2016.

KUMAR,V.;ABBAS,A.K.;ASTER,J.C.:RobbinsPatologiaBásica.9.ed.RiodeJaneiro:
Elsevier,2013.

LAGE, P. S.. Hepatites Virais. Um importante problema de saúde publica em Governador


Valadares MG. 2011. Disponível em: <
https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/2563.pdf> Acesso em: 11 jul.2016.

MARCELIN, P The clinical spectrum of the disease. Em: European Association for the Study
of the Liver. Proceedings of the International Consensus Conference on Hepatitis C.
França, 1, 1-6, 1999. Disponível em:
<http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0168827899803687>
Acesso em: 14 jul. 2016.

OLIVA, C.B. Evolução das quasiespécies da proteína NS5A do Vírus da Hepatite C genótipo
3a. São José do Rio Preto, 2012. Disponível em:
<http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/102747/oliva_cb_dr_sjrp.pdf?sequence=1
> Acesso em: 23 jul. 2016.
P á g i n a | 195
PARANÁ, R.; ALMEIDA, D.; SCHINONI, M. I.; CAVALCANTE, D. Farmacologia Aplicada
ao Tratamento das Hepatites Crônicas. In: SILVA, P. Farmacologia. Ed. Guanabara Koogan,
2009.p. 904-909.

RODRIGUES NETO, J.; CUBAS, M. R.; KUSMA, S. Z.; OLANDOSKI, M.. Prevalência da
hepatite viral C em adultos usuários de serviço público de saúde do município de São José dos
Pinhais - Paraná. Rev. bras. epidemiol. vol.15 no.3 São Paulo Sept. 2012.

STRAUSS, E. Hepatite C. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 34(1):69-


82, jan-fev, 2001.

THOMSON, B. J.; FINCH, R. G. Hepatitis C virus infection. Clin Microbiol Infect, 11 (2),
86-94, 2005.

VARALDO, C. N. Convivendo com a hepatite C: Manual da convivência - Experiênciase


Informaçõesdeumportadordovírus–SegundaEdição–Revistaeampliada.RiodeJaneiro,
2003.268p.

WESSLER, B. G. Hepatite C: Doenças e tratamento sob a ótica dos pacientes portadores


nomunicípiodeCriciuma,2009.50p.(GraduaçãoemFarmácia)–UniversidadedoExtermo Sul
Catarinense. Criciuma,2009.
P á g i n a | 196
Tratamento fisioterapêutico na osteoartrose de quadril: Uma
revisãobibliográfica
Nathanael de Oliveira Benatti

Orientador: Prof. Me. Walther Spinelli Filho

Resumo
A osteoartrose é uma doença degenerativa caracterizada pela destruição da cartilagem hialina e
do osso subcondral, essa destruição é causada pelo desequilíbrio entre a solicitação a resistência
do tecido cartilaginoso. Atinge em média cerca de 16% da população brasileira e pode ser
considerada uma doença reumática. A osteoartrose se subdivide em primária, que pode ser
devido a fatores hereditários, fatores genéticos e hormonais, já na secundária pode estar
associado a traumas, fraturas e doenças inflamatórias, acometendo 80% dos indivíduos com
idade acima de 70 anos. Sua característica é dor na região com um aumento nas atividades do
dia a dia e diminuição dessa dor no repouso, rigidez que acomete no início do dia e melhora
com a movimentação da articulação, perda de força e de amplitude de movimento. A
fisioterapia propõe um tratamento voltado na função sintomatológica apresentada pelo
paciente, usando aparelhos para diminuir a dor, promover condicionamento físico, respostas
rápidas a exercícios de baixa intensidade, visando sempre devolver a autonomia e a
independência do paciente para que ele volte às rotinas do seu dia a dia sem dor, sem
complicações e com qualidade devida.

Palavras-chave: Osteoartrose. Fisioterapia. Exercícios.

Abstract
Osteoarthritis is a degenerative disease characterized by destruction of articular cartilage and
subchondral bone, this destruction is caused link imbalance between the request resistance of
the cartilaginous tissue. M reaches average about 16% of the population and can be considered
a rheumatic disease. Osteoarthritis is divided into primary that may be due to hereditary factors,
genetic and hormonal factors, as in the secondary may be associated with trauma, fractures,
inflammatory diseases, affecting 80% of individuals over the age of 70 years. Its characteristic
is pain in the region with an increase in day-to-day and decrease that pain at rest, rigidity that
occurs at the beginning of the day and improves with movement of the joint, loss of strength
and range of motion. Physical therapy offers a focused treatment in the clinical function
presented by the patient, using devices to reduce pain, promote physical fitness, quick
responses to low-intensity exercise, always seeking to return the autonomy and independence
of the patient so that he comes back to routines their day to day without pain, without
complications and with quality oflife.

Keywords: Osteoarthritis. Physiotherapy. Exercises.12

Graduando do curso de Fisioterapia pela Faculdade de Taquaritinga FTGA. nathanaelbenatti@hotmail.com


1

Professor do curso de Fisioterapia da Faculdade de Taquaritinga FTGA, Fisioterapeuta – Fisioclinica S/S LTDA,
2

Fisioterapeuta concursado e responsável na Unidade Básica de Saúde em Cândido Rodrigues. Especialização em


P á g i n a | 197
Fisioterapia ortopédica e Traumatológica, especialização em R.P.G, mestrado em Engenharia de Produção.
P á g i n a | 198

Introdução

A osteoartrose (OA) é definida por consequentes alterações bioquímicas,


moleculares e histológicas que ocorrem na cartilagem articular e no osso subcondral,
ocasionando uma falha dos condrócitos em sintetizar a matriz extracelular. No início, trata-se
de uma degeneração não-inflamatória levando a formação de osso subcondral na superfície
articular e nas margens articulares. (REBELATO; MORELLI, 2007, p.282)
A osteoartrose de quadril vem ao longo dos anos, sendo um problema crescente na
região do ocidente e sua principal causa é a mobilidade e inabilidade principalmente entre
pessoas idosas. Além da dor e do seu desconforto, a osteoartrose tem conseqüências
econômicas muito importantes. (DANI; AZEVEDO, 2006, p. 38).
A osteoartrose é uma doença que se caracteriza pela degeneração progressiva da
cartilagem e conseqüentemente sua destruição, devido ao desequilíbrio entre a solicitação e
resistência do tecido cartilaginoso, assim podendo progredir até a incapacidade física do
paciente. (BECKER; DOLKEN, 2008, p. 366).
Pressupõe que o conceito característico de doença degenerativa consiste de uma
anormalidade na cartilagem hialina que determina sua sintomatologia de intensidade variável
e possível comprometimento da função do quadril. (SILVA, 2008, p.01).
Pode ser primário na cartilagem articular o processo degenerativo ou degradativo,
podendo ser secundário com diferentes causas, sendo elas: Doença hereditária, doença
endócrinas, desarranjos articulares e doenças inflamatórias. (SILVA, 2008, p. 01).
É caracterizado as alterações profundas na superfície articular na degeneração cartilaginosa.
Fissuras, fibrilações e erosão são eventos que podem de certa forma estar presente. Devido a essas
mudanças, ocorrem alterações na atividade biossintética dos condrócitos e na sua composição
bioquímica. (DANI; AZEVEDO, 2006, p. 38).
P á g i n a | 199

Osteoartrose de Quadril

De caráter degenerativo a osteoartrose de quadril é composta pela degeneração da


cartilagem articular. Com a idade e o peso como fatores agravantes dessa patologia que
acomete ambos os sexos. (WIBELINGER, 2009 p. 62).
Também conhecida como coxoartrose é uma das formas que causam mais dores e
incapacidades para os pacientes. Com três padrões de acometimento sendo eles; súpero-lateral
que é o mais comum, o médio e o axial. É variável a localização da dor, sendo ela na região
glútea, inguinal, face anterior da coxa e no joelho, com redução da amplitude de movimento e
rigidez articular no quadril. (SILVA, 2008 p. 05).
A osteoartrose de quadril pode ser definida e caracterizada como dor localizada na
região da articulação, que aumenta na atividade física e alivia no repouso, rigidez articular
principalmente de manhã, formação de edemas e deformidades, instabilidade articular e
insegurança, limitação funcional, perda de força muscular e perda de amplitude de
movimento. (DE ROSIS; MASSABKI; KAIRALLA, 2010 p.102).
Pode ser considerada como doença reumática que está associada à idade, atingindo
cerca de 16% da população brasileira. (MIOTTO et al, 2013 p. 03).
Na articulação, primeiramente se observa um comprometimento da abdução do
quadril antes do acometimento da flexão e rotação do quadril. Com o passar do tempo, o
movimento mais acometido se torna a rotação interna, e que pode ser notado crepitações
audíveis em alguns casos. A atrofia muscular da coxa e dos glúteos pode ser observada e
ainda sendo possível detectar o sinal de Trendelenburg que é fraqueza do glúteo médio. No
decorrer da doença, se observa o encurtamento do membro acometido, compensações na
articulação e na marcha e perda de equilíbrio. (SILVA, 2008 p.05).
As deformidades que ocorrem na articulação do quadril são devidas de processos
inflamatórios como a necrose asséptica, tumores e fraturas, sendo essas afecções possíveis
causadoras de artrose da articulação. (BECKER; DOLKEN, 2008, p. 430).
Sua etiologia não é muito bem conhecida, mas podem estar relacionados com micro
traumas repetitivos cargas excessivas na mesma articulação em suas atividades diárias, e
também aos fatores hereditários, metabólicos e endócrinos, que pode causar a participação do
estrógeno em desordem no corpo. (MARQUES et al, 1998 p. 84).
Existem na osteoartrose de quadril fatores de risco que possam contribuir para seu
aparecimento ou agravamento, sendo eles; a obesidade, excesso de esforço articular, lesões
periarticulares e riscos ocupacionais. (MARX et al, 2006 p. 254).
P á g i n a | 200

Osteoartrose primária é considerada como causa desconhecida, os fatores


hereditários podem estar relacionados juntos com fatores genéticos e hormonais,
principalmente em mulheres perto ou no período da menopausa. (WIBELINGER, 2009 p.
62).
Ocorre também uma predisposição genética denominada poligênica, e também a
fatores ambientais. Essa mutação ocorre no procolágeno tipo II responsável pelo colágeno
tipo II. (SILVA, 2008 p.22).
Pode também estar relacionados com a osteoartrose, de quadril fatores nutricionais
como agentes antioxidantes que são os condroprotetores, e pode se notar em pacientes cuja
quantidade de vitamina D é extremamente baixa. Esse paciente com vitamina D abaixo do
normal tem três vezes mais chances de adquirir a doença. (SILVA, 2008 p. 22).
Já a secundária estão relacionadas a traumas, fraturas, doenças inflamatórias,
hematológicas e outras. Acomete 80% dos indivíduos acima de 70 anos, esses indivíduos já
começam a sentir e apresentar os primeiros sintomas. (WIBELINGER, 2009 p. 62).
Pode estar relacionada com necrose avascular, atrite séptica, artrite reumatóide e
artropatia. (REBELATO; MORELLI, 2007, p. 282)
Mas a sua principal ocorrência da doença é a mecânica, que ocorre devido a micro
traumatismos constante na articulação causando o desgaste precoce da superfície
cartilaginosa, com isso acontece um processo de degeneração alterando a estabilidade e
autonomia da articulação lesada. (WIBELINGER, 2009 p.62).
A dor é o sintoma principal na osteoartrose, ela aparece com mais freqüência na
evolução da patologia aparecendo quando se usa pouco a articulação ou até mesmo em seu
repouso. (WIBELINGER, 2009 p. 62).
Essa dor com o decorrer do tempo e da evolução se divide em três estágios, sendo
eles; estágio I, quando a dor se manifesta de manhã e desaparece aos poucos quando se
movimenta a articulação, o paciente relata dor no período do dia ou quando a articulação fica
parada na mesma posição por um tempo; estágio II, a dor se agrava e o trajeto sem dor
diminui e nesse momento se instala os mecanismos de claudicação, tornando mais difícil ao
paciente as mudanças de posição como levantar e sentar, o paciente se torna incapaz de ficar
de pé por muito tempo; estágio III, nessa fase não ocorre intervalos sem dor, elas se
manifestam inclusive em repouso, fazendo o paciente trocar várias vezes de posição.
(BECKER; DOLKEN, 2008, p.430).
Por ser uma doença que causa incapacidade ao paciente, a osteoartrose gera um
grande impacto econômico. Os pacientes apresentam cerca de 30% a 40% da procura por
P á g i n a | 201

assistência. Ela causa incapacidade laborativa em 15% da população adulta do Brasil e no


mundo, e representa 7,5% de afastamentos pela previdência social. (REBELATO; MORELLI,
2007, p. 283).
Após os 35 anos, 50% das pessoas poderão apresentar alterações articulares
degenerativas que se diz respeito à osteoartrose. (REBELATO; MORELLI, 2007, p. 283).
Sua prevalência aumenta com a idade do paciente, não observa aos 40 anos de idade
e é mais freqüente após os 60 e 75 anos. Desses resultados, 85% apresentam evidencias
radiográficas da enfermidade. (REBELATO; MORELLI, 2007, p.282).

Fisioterapia na Osteoartrose de Quadril

O fisioterapeuta tem um papel importante na diminuição do impacto dos sintomas na


vida do paciente, usando abordagens terapêuticas para melhorar a capacidade funcional e
ajudar na manutenção da sua qualidade de vida. (BERLATO; TOKUMOTO; OLIVEIRA,
2009 p.18).
O diagnóstico realizado pelo fisioterapeuta em doenças reumatológicas tem suas
especialidades, e é muito importante que o profissional fisioterapeuta tenha em mãos o
diagnostico médico, para depois elaborar um diagnostico funcional do paciente, identificando
as disfunções na anamnese, e assim identificar o quadro clinico do paciente. O diagnóstico
cinesiológico funcional possibilita um melhor prognostico do paciente. (UNIVERSIDADE
FEDERAL DE JUIZ DE FORA, 2009 p.04).

Cinesioterapia

A mobilização da articulação afetada é muito importante para realização de


movimento ideal sem dor, mantendo a extensibilidade da articulação ou aumentando se
estiver com restrições periarticulares. (AMARAL; CERDEIRA; VIDOTTO, 2009 p.05).
A mobilização proporciona a circulação do fluido sinovial, nutrindo as superfícies
articulares, diminuindo a dor na articulação devido à estimulação dos receptores articulares.
Para os pacientes com osteoartrose, a mobilização é muito importante, pois o paciente
apresenta diminuição da amplitude de movimento, com isso, causa encurtamentos, contraturas
em músculos e estreitamentos capsulares ocasionando em uma dificuldade no movimento.
(AMARAL; CERDEIRA; VIDOTTO, 2009 p.05).
P á g i n a | 202

Além da mobilização o alongamento aumenta a mobilidade dos tecidos moles e


conseqüentemente ocorre uma melhora da amplitude da articulação. Estruturas que estão
encurtadas se tornam hipomóveis com o tempo, causada pela imobilização prolongada e
traumas dos tecidos que pode resultar em inflamação e dor. O alongamento nos casos de
inflamação deve ser controlado, pois ocorre uma diminuição de força tênsil do músculo em
50%. Os alongamentos são realizados nos isquiostibiais, tríceps sural, piriforme, glúteos,
quadrado lombar, paravertebrais, quadríceps, iliopsoas, adutores e abdutores do membro
inferior. (AMARAL; CERDEIRA; VIDOTTO, 2009 p.05).
Ocorre na osteoartrose a diminuição da força muscular e a endurance, e com isso
ocorre diminuição da capacidade funcional e da capacidade aeróbica. Estudos apontam que os
exercícios físicos melhoram e mantém a mobilidade, força e a funcionalidade do músculo ou
estruturas musculares, pois aumentam a densidade óssea, diminuem a dor e melhoram a
biomecânica da estrutura afetada. (MARQUES; KONDO, 1998 p. 85).
Um dos principais recursos da fisioterapia é o exercício físico e é muito utilizado
para restaurar e recuperar a força muscular. (OLIVEIRA, et al, 2008p.02).
No começo do tratamento usando a cinesioterapia recomenda-se realizar exercícios
isométricos, pois são toleráveis para o paciente que esta com receio de dor e inflamação, e
porque são de mínima probabilidade de causar alguma inflamação, e se forem feitos em
ângulos articulares causam menos dor. (AMARAL; CERDEIRA; VIDOTTO, 2009 p.05).
“O impacto dos exercícios é avaliado principalmente nos aspectos de dor e função.”
(RICCI; COIMBRA, 2006 p. 04).
Após os exercícios isométricos são implantado os exercícios isotônicos, se a
inflamação e a dor estiverem controladas. Os exercícios isotônicos são exercícios superiores
aos isométricos e aumentam o ganho de força muscular, endurance, capacidade aeróbica e
habilidades funcionais. (MARQUES; KONDO, 1998 p. 85).
Os objetivos nessa fase são traçados para reduzir o quadro álgico, melhorar a
mobilidade, diminuir o edema, ganhar amplitude articular, força e resistência muscular,
estimulação da propriocepção e consciência corporal e evitar enfermidades. (AMARAL;
CERDEIRA; VIDOTTO, 2009 p.05).

Acupuntura

A agulha é colocada nos pontos chamados de Qi, causando dormência ou


formigamento. A acupuntura na osteoartrose de quadril obteve um bom resultado melhorando
P á g i n a | 203

a dor em 8 semanas de aplicação, classificando 4 pontos em uma escala de 0 a 20.


(MANHEIMER, et al, 2010 p. 02).
A analgesia através da acupuntura mostrou melhora em curto prazo da dor do
quadril. A função física em oito semanas foi satisfatória com o uso das agulhas, em 26
semanas o resultado foi ainda melhor, ocasionando em uma melhora significativa da dor e na
função do quadril. (MANHEIMER, et al, 2010 p. 02).
A acupuntura na osteoartrose reduz o uso de analgésicos no tratamento, diminuindo a
dor e com um programa fisioterápico associado, ajuda na melhora e recuperação do paciente.
(RICCI; COIMBRA, 2006 p. 04).

Método Bad Ragaz

As propriedades físicas da água proporcionam um meio excelente para exercícios. A


água possui a flutuação, viscosidade, densidade relativa, pressão hidrostática, tensão
superficial, calor especifico e refração. (ROCHA, 2010 p. 29).
A temperatura da água fica em torno de 33º a 36º, essa temperatura aumenta a
densidade do colágeno, diminui espasmos musculares, alivia a dor, diminui a rigidez
muscular, aumenta a circulação sanguínea, facilita a diminuição dos processos inflamatórios,
edema e exsudatos, relaxando e provocando várias sensações benéficas para a articulação e o
corpo. (OLIVEIRA; SOUSA, 2009 p.05).
Com a água aquecida, o quadril tem uma melhor mobilidade, proporcionando a
diminuição do quadro álgico e espasmos. A água proporciona uma resistência dinâmica
fazendo com que os exercícios de fortalecimento de grandes grupos musculares e o treino de
marcha sejam eficazes para evolução no tratamento de osteoartrose de quadril. (ROCHA,
2010 p.33).
Vários autores relatam que a água transfere ou retém calor devido a um mecanismo
de condução. O terapeuta se posiciona para proporcionar sustentação para o paciente, desse
modo, possibilita que o terapeuta oriente e com isso aumente a amplitude de movimento
durante o exercício. (OLIVEIRA; SOUSA, 2009 p. 05).
O terapeuta usa o método de Bad Ragaz para o tratamento das perdas de força
muscular, ajuda o paciente a realizar movimentos eficazes, fortalecendo a estrutura do quadril
e coluna lombar. O terapeuta fica fixo em um ponto e trabalha ao redor do paciente de forma
isométrica, usando as bóias nas posições de supino, bruços e de lado, movimento em cadeia
fechada, movimentos retos e diagonais. (OLIVEIRA; SOUSA, 2009 p. 05).
P á g i n a | 204

Kinesio Taping

A utilização da bandagem proporciona inúmeros benefícios como; melhora da


propriocepção, realinhamento de tecido facial devido à normalização da tensão muscular,
aumento do espaço intersticial, melhora da circulação sanguínea e linfática, correção da
função muscular melhorando a amplitude de movimento e diminuição da dor. (FREITAS
apud KASE, 2016 p.03).
A aplicação da bandagem vai depender do tipo de tratamento ou estrutura muscular
está envolvida, coloca-se a partir da inserção até a origem do músculo, para inibir a ação do
músculo, já para músculos fracos, aplica-se da origem muscular até a inserção, isso faz com
que aumente a contração e ativação do músculo. (FREITAS; MARCHETTI, 2016 p. 03).
Quando aplicado a bandagem no glúteo máximo, quadríceps e tensor da fascia lata,
obteve um aumento da contração muscular e da força dos músculos, ajudando na recuperação
da musculatura em torno do quadril. (FREITAS; MARCHETTI, 2016 p. 04).
O uso da bandagem elástica afeta o desempenho da força e atividade muscular, dá
estabilidade para articulação, ajuda no equilíbrio e descarga de peso. Ela sozinha não faz todo
o tratamento, mas pode ser associada com os demais tratamentos proposto pela fisioterapia
para obter uma resposta mais rápida e eficiente. (FREITAS; MARCHETTI, 2016 p. 04).

Ambiente Virtual

Criando um ambiente virtual, pode-se estimular a execução de movimentos de flexão do


quadril, com o joelho fletido no plano frontal, eixo transverso com rotação interna e externa de
quadril. (SCHAFFER; SILVA, 2014 p. 941).
O aparelho usado para esse ambiente é o Kinect, que faz a captura de imagens em três fluxos
de dados, a imagem colorida, a tridimensional e o som, esses fluxos permitem que o sistema detecte o
corpo humano e outros objetos. Esse sistema é ajustado automaticamente para o paciente sendo à
distância do objeto virtual em relação ao quadril e a mesma entre joelho e quadril. (SCHAFFER;
SILVA, 2014 p. 942).
Quando começa o jogo, uma bola virtual é colocada na altura do quadril, e quando se inicia
os movimentos de flexão, rotação externa com flexão do joelho e abdução, para ir em direção a bola, é
calculado o ângulo do movimento, a quantidade de exercícios realizados e depois gera uma pontuação
que são salvos em um banco de dados. (SCHAFFER; SILVA, 2014 p.941).
P á g i n a | 205
É realizada uma série de exercícios com movimentos monitorados de extensão e flexão do
quadril com o joelho flexionado no plano frontal, e o objetivo é acertar a bola virtual, o aparelho
mostra a quantidade e o ângulo de flexão do joelho. (SCHAFFER; SILVA, 2014 p. 943).
O ambiente virtual ajuda no tratamento fisioterápico de forma lúdica e amigável, gerando
motivação para o paciente para realizar os movimentos do quadril, com um ambiente descontraído
com um fundo de praia ou gramado, o aparelho possibilita que o fisioterapeuta possa acompanhar o
processo e as respostas da reabilitação sensório motora de seus paciente, nada mais é que mais uma
ferramenta da fisioterapia para complementar o tratamento. (SCHAFFER; SILVA, 2014 p.944).

Crioterapia e Eletroterapia

Outros recursos usados na fisioterapia além dos exercícios são o calor da eletroterapia e o
frio da crioterapia. O frio é mais indicado em casos de dor, inflamação e espasmos musculares por ser
um excelente analgésico, pois atua nas terminações nervosas diminuindo a velocidade da condução
nervosa, e estimulação competitiva de fibras amielínicas agindo na via de mecanismo de comporta.
(MARQUES; KONDO, 1998 p.86).
O frio age nos processos inflamatórios reduzindo a hiperemia e o edema devido a sua ação
vasoconstritora, o músculo com o frio reduz a velocidade de disparo de fibras do fuso muscular, e com
isso diminui os espasmos musculares. (MARQUES; KONDO, 1998 p. 86).
O uso do calor também alivia a dor, aumentando a sua extensibilidade do colágeno do tecido
e diminuição da rigidez muscular. Há diversas controvérsias no uso da eletroterapia, no entanto,
autores referem que alguns sistemas enzimáticos podem ser desligados com o uso do calor.
(MARQUES; KONDO, 1998 p. 86).
Podem ser utilizadas para analgesia e para diminuição da inflamação aparelhos como o
microondas, a corrente galvânica, ultrassom, ondas curtas e o TENS (estimulação elétrica
transcutânea). (MARQUES; KONDO, 1998 p. 86).
O uso do ultrassom promove vasodilatação, aumento da permeabilidade celular, melhora o
retorno venoso, melhora o metabolismo local e sua capacidade de regeneração celular, diminui rigidez,
aumenta a flexibilidade dos tecidos ricos em colágenos. (AMARAL; CERDEIRA. VIDOTTO, 2009 p.
05).
Pode ser usada também para estimulação muscular melhorando a perfumasse e
aprimoramento muscular. Os impulsos elétricos percorrem na fibra nervosa com o papel de potencial
de ação até o terminal axonal, na sinapse do músculo, resultando em contração muscular idêntica a
contração fisiológica. (NELSON; HAYES; CURRIER, 2003 p. 145 e 146).
O uso do aparelho TENS (estimulação elétrica transcutânea) para alívio da dor pode ser
associado no tratamento, pois evidências mostram que a corrente elétrica quando aplicada
P á g i n a | 206
externamente, realiza uma reparação tecidual e conseqüentemente o alívio da dor. (NELSON;
HAYES; CURRIER, 2003 p.304).

Conclusão

A fisioterapia tem um papel importante para melhora das afecções causadas pela
osteoartrose de quadril, tendo como objetivo o reconhecimento precoce e promovendo
estratégias para incrementar e melhorar o quadro clínico do paciente, melhorando os sintomas
e restaurando a função. Dentro dessas estratégias a fisioterapia propõe a manutenção da
amplitude articular, aumento de força muscular, alívio da dor e prevenção de perda de
trofismo, minimizando a progressão da doença, prevenindo limitações articulares e
consequentemente prevenindo deformidades articulares. Com isso, devolve ao paciente
autonomia para realizar as atividades de seu cotidiano sem dor e com mais prazer.
Conclui-se nessa revisão que com o uso do protocolo conservador da fisioterapia na
osteoartrose de quadril, combinado com técnicas atuais como Bad Ragaz, Kinesio Taping,
Acupuntura e Ambiente Virtual, obtém vários resultados positivos para o alívio da dor, ganho
de amplitude de movimento e força muscular, garantindo ao paciente um atendimento atual e
completo para melhora da sua patologia.
Entretanto, é importante salientar que muitos estudos ainda são necessários, a fim de
encontrar formas cada vez mais eficazes de tratamento. Para isto, é preciso que sejam
realizadas pesquisas sérias, com metodologia adequada e resultados comprovados, para que os
protocolos e técnicas sejam cientificamente comprovados.

Referências

AMARAL,CERDEIRA, VIDOTTO. Tratamento Fisioterapêutico em pacientes com


osteoartrose: Estudo de caso. UNIVALI. Itavai- SC. 2009. Disponivel em:
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAaIkAH/tratamento-fisioterapeutico-paciente-com-
osteoartrose-estudo-caso. Acesso:18/04/16

BEKER, DOLKEN. Fisioterapia em Ortopedia. ed. Santos. 2008.

BEKER, DOLKEN. Fisioterapia em Traumatologia e cirurgia. ed. Santos. 2008.

BERLATO, TOKUMOTO, OLIVEIRA. O papel da fisioterapia em lesões traumato-


ortopédicas de quadril em idosos. UNISALESIANO, Lins, SP. 2009. Disponível em:
http://www.unisalesiano.edu.br/biblioteca/monografias/48508.pdf Acesso: 31/03/2016.
P á g i n a | 207

BUSSATO, T.S. Artroplastia do quadril. Curitiba, PR. 2014. Disponível em:


http://medicinadoquadril.com.br/site/proteses/ Acesso: 22/05/16

COIMBRA, PASTOR, GREVE, PUCCINOLLI, FULLER, CAVALCANTI, MACIEL,


HONDA. Osteoartrose (artrose). Tratamento. Revista Brasileira de Reumatologia. São
Paulo, SP. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0482-
50042004000600009&script=sci_arttext Acesso: 22/05/16

CREFITO 3. Fisioterapia. São Paulo, SP. 2016. Disponível em:


http://www.crefito3.org.br/dsn/fisioterapia.asp Acesso:25/07/2016

CUNHA, R. Considerações sobre o sistema articular, artrose e exercício físico: Um


estudo de revisão. Revista Digital. 2009. Disponível em:
http://raphaelcunha.com.br/admin/upload/artigos/1382120630209.pdfAcesso: 01/08/2016

DANI, AZEVEDO. Elementos básicos de diagnóstico de osteoartrose de quadril. Editora


Moreira Junior. Lages, SC. 2006. Disponível em:
http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=3244Acesso:31/03/16

DE ROSSIS, MASSABKI, KAIRALLA. Osteoartrite: avaliação clínica e epidemiológica


de pacientes idosos em intuição de longa permanência. UNINOVE. São Paulo, SP.
2009/2010. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2010/v8n2/a003.pdf
Acesso: 31/03/16

DRIUSSO,CHIARELO. Fisioterapia Gerontológica. ed. Manole. 2007.

FREITAS, MARCHETTI. Efeitos do Kinesio Taping no desempenho de força e na


atividade muscular. UNIMEP. São Paulo, SP. 2016 Disponível em:
https://www.researchgate.net/profile/Paulo_Marchetti/publication/293491389_Efeitos_do_Kinesio
_Taping_no_desempenho_de_forca_e_na_atividade_muscular_uma_breve_revisao_Effects_of_Kine
sio_Taping_on_strength_performance_and_muscle_activity_a_brief_review_2016/links/56b936490
8ae3b658a88c8ba.pdf Acesso: 01/08/2016

HAMLTON, WEIMAR, LUTTGENS. Cinesiologia: Teoria e pratica do movimento


humano. ed. Guanabara Koogan. 2013.

KOTTKE, LEHMAN. Tratado de medicina física e reabilitação de Krusen. ed. Manole.


1994.

LIPPERT. Cinesiologia clinica e anatomia. ed. Guanabara Koogan. 2013.

MANHEIMER, CHENG, LINDE, LÃO, YOO, WIERLAND, WINDT, BERMAN,


BOUTER. Acupuntura na osteoartrite. Grupo Cochrane. 2010. Disponível em:
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/14651858.CD001977.pub2/abstract?systemMessage=Wil
ey+Online+Library+will+be+unavailable+on+Saturday+30th+July+2016+from+08%3A00-
11%3A00+BST+%2F+03%3A00-06%3A00+EST+%2F+15%3A00-
18%3A00+SGT+for+essential+maintenance.Apologies+for+the+inconvenience. Acesso: 26/07/16
P á g i n a | 208
MARX, OLIVEIRA, BELLINI, RIBEIRO. Tradução e validação cultural do questionário
algofuncional de Lequesne para osteoartrite de joelhos e quadris para a língua
portuguesa. UNIFESP. São Paulo, SP. 2006. Disponível em:
http://www.alpierin.com.br/artigos/Question%C3%A1rios%20e%20Escalas/LEQUESNE.pdfAcesso:
31/03/16

MARQUES, KONDO. A fisioterapia na osteoartrose: uma revisão da literatura. FMUSP.


São Paulo, SP. 1998. Disponível em: http://www.luzimarteixeira.com.br/wp-
content/uploads/2009/09/osteartrose1.pdf Acesso: 16/05/16

NELSON, HAYES, CURRIER. Eletroterapia Clínica. ed. Manole. 2003.

OLIVEIRA, NUEVO, NICOLAU, PACHECO. Tratamento fisioterápico na osteoartrose:


uma revisão bibliográfica. UNIVAP. São José dos Campos, SP. 2008. Disponível em:
http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2005/epg/EPG4/EPG4-6_a.pdf Acesso: 26/07/16

OLIVEIRA, SOUSA. Hidroterapia como tratamento fisioterápico de osteoartrite de


quadril. Faculdade Ávila. Goiânia, GO. 2009. Disponível em:
http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/33/175_-
_Hidroterapia_como_tratamento_fisioterapYutico_de_osteoartrite_de.pdfAcesso: 31/03/16

ONO, LIMA, HONDA, POLECELLO, GUIMARÃES, JÚNIOR, QUEIROZ. Artroplastia


parcial no tratamento das fraturas do colo do fêmur. FCMSCSP. São Paulo, SP. 2010.
Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbort/v45n4/a07v45n4 Acesso: 10/10/2016

O’ SULLIVAN, SCHIMTZ. Fisioterapia: Avaliação e Tratamento. ed. Manole. 2010.

PUTZ, PABST. Sobota Atlas Anatômico. ed. Guanabara Koogan. 2000.

PINHEIRO, BRAGA. Introdução a Fisioterapia. ed. Guanabara Koogan. 2011.

REBELATO, MORELLI. Fisioterapia Geriátrica: A pratica da assistência do idoso. ed.


Manole. 2007.

RICCI, COIMBRA. Exercício físico como tratamento na osteoartrite de quadril: uma


revisão de ensaios clínicos aleatórios controlados. Revista Brasileira de Reumatologia. São
Paulo, SP. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbr/v46n4/31823.pdfAcesso:
31/03/16

ROCHA, C.G. Efeitos da fisioterapia aquática como proposta de tratamento para


pacientes com Legg-Calvé- Perthes: uma revisão da literatura. UNESC. Criciúma, SC.
2010. Disponível em:
http://200.18.15.27/bitstream/1/942/1/C%C3%ADntia%20de%20Godoi%20da%20Rocha.pdfAcesso:
10/05/16

SANTANA, T.S. Proposta de protocolo de reabilitação fisioterapêutica em pacientes com


osteoartrose de quadril. USP. Ribeirão Preto, SP. 2014. Disponível em:
http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/ses-31670 Acesso: 06/05/16
P á g i n a | 209
SCHAFFER, SILVA. Ambiente virtual para auxiliar no processo de reabilitação de
osteoartrite de quadril. Universidade de Mogi das Cruzes. Mogi das Cruzes, SP. 2014.
Disponível em:
http://www.canal6.com.br/cbeb/2014/artigos/cbeb2014_submission_282.pdfAcesso: 31/03/16

SILVA, OLIVEIRA, MONTANDON. Doenças osteoarticulares degenerativas periféricas.


UFG. Goiânia, GO. 2008. Disponível em:
https://www.researchgate.net/profile/Nilzio_Silva/publication/26540000_Peripheral_degenerative_jo
int_diseases/links/53cfc4920cf2f7e53cf82e64.pdf Acesso:31/03/16

SIMS, K. Avaliação e tratamento da osteoartrite de quadril. Jornaut of Manual Therapy.


1999. Disponível em: https://www.terapiamanual.com.br/site/noticias/?c=1&id=165Acesso:
18/04/16

SCAV, ARAUJO, MOCHIZUKI. Avaliação dos músculos flexores e extensores do quadril


em sujeitos portadores de osteoartrose. USJT. São Paulo, SP. 2007. Disponível em:
https://www.researchgate.net/profile/Luis_Mochizuki/publication/228514204_Avaliao_dos_msculos
_flexores_e_extensores_do_quadril_em_sujeitos_portadores_de_osteoartrose/links/02e7e51ebd97
dbc5c2000000.pdf Acesso: 01/08/2016

WIBERLINGER, MARA. Fisioterapia em Reumatologia. ed. Revinter. 2009.


P á g i n a | 210
A importância de contar histórias para o desenvolvimento
integral das crianças
Débora Ferreira da Costa de Macedo1
Irene Ferreira do Nascimento2
Débora Raquel da Costa Milani3

Resumo
Esta pesquisa discorreu sobre a importância da contação de histórias para o
desenvolvimento integral das crianças. Verificou-se que o conhecimento e a postura que
o contador de histórias deve ter para que, em posse dos recursos que a literatura infantil
oferece, saber desenvolver o momento de contação de histórias para estimular o futuro
leitor a encantar-se pela leitura. Utilizamos a metodologia da Pesquisa Bibliográfica. Ao
longo da pesquisa foi possível perceber que a escola, enquanto instituição responsável
pela formação cultural das novas gerações e espaço privilegiado para o
desenvolvimento da competência leitora tem sido questionada quanto ao seu papel no
processo de preparação de futuros leitores. A leitura e a contação de história para cativar
o leitor precisam estar associadas ao prazer, ao interesse e à motivação. Contar história
contribui para o desenvolvimento em todos os aspectos: social, mental, moral ou físico,
proporcionando maior desenvolvimento perceptivo do aluno. A escola, como espaço do
saber precisa incluir práticas que possibilitem ao aluno, apreender a linguagem por meio
da diversidade de textos que circulam socialmente e, consequentemente, das
peculiaridades do gênero aos quais correspondem, criando condições para o
desenvolvimento da capacidade de ler, segundo as necessidades pessoais do estudante,
relacionadas às ações efetivas do cotidiano, à transmissão e busca de informação e ao
exercício dareflexão.

Palavras-chave: Contação. Histórias. Crianças.

Abstract

This research discussed the importance of storytelling for training and integral
development of children. It was found that the knowledge and attitude that the
storyteller must have for that in possession of resources that offers children's literature,
know the time to develop storytelling to stimulate future reader to delight yourself by
reading. We used the methodology of bibliographical research. During the research it
was revealed that the school as an institution responsible for the cultural education of
the new generations and privileged space for the development of reading competence
and writer has been questioned about his role in the preparation of future readers
process. Reading and storytelling to captivate the reader need to be associated with
pleasure, the interest and motivation. Storytelling contributes to the development in all
aspects: social, mental, moral or physical, providing greater perceptual development of

Aluna do curso de Pedagogia Faculdade de Taquaritinga UNIESP-FTGA. deboracosta0311@hotmail.com


1

Aluna do curso de Pedagogia Faculdade de Taquaritinga UNIESP-FTGA. ire.nascimento49@gmail.com


2

Doutora em Educação Escolar pela Faculdade de Ciências e Letras - Universidade Estadual Paulista
3

“Júlio de Mesquita Filho”- UNESP. Professora da Faculdade de Taquaritinga UNIESP- FTGA. Professorada
P á g i n a | 211
Faculdade Anhanguera- Matão. Professora do Programa de Mestrado em Educação Sexual- UNESP
Araraquara. deb.milani@yahoo.com.br
P á g i n a | 212
the student. The school, as a space of knowledge must include practices that allow the
student learn the language through the diversity of texts circulating socially and
consequently of the genre peculiarities which correspond, creating conditions for the
development of the ability to read, according to the student's personal needs, related to
the actual everyday actions, transmission and search for information and the exercise of
reflection.

Keywords: Storytelling. Stories. Children.

Introdução

É da natureza do ser humano contar histórias e estamos o tempo todo as


contando: no ônibus na volta da escola, no trabalho, quando nos reunimos para jantar.
Contamos como foi o dia, o que fizemos o que vimos o que experimentamos.
ConformeGiroux(1997),aleituraéumapráticasocialdealcancepolítico, porque,
através dela, o sujeito-leitor interage com o mundo, enriquecendosuabagagem
cultural,paraneletambématuar,exercendoasuacidadania.Pelapráticadaleitura,o ser
humano cria possibilidades de mergulhar em dimensõesespaço-temporaisdiferentesdas
suas e, portanto, vivenciar experiências inéditas, as quais transformam,
progressivamente, a sua maneira de compreender a sua realidade e tudo o queaenvolve.
Ao ouvir uma história as crianças vivenciam situações, seusmedos,alegrias, tristezas,
bem como problemas e conflitos dessa história, contribuem para aformaçãode
suapersonalidade.Atravésdanarraçãooralacriançaéconvidadaarecriarasideiaslançadas
pelo narrador para acompanhar, compreender e ressignificar as histórias que
está ouvindo.
Oliveira (1996, p. 27), afirma que:
A literatura infantil deveria estar presente na vida da criança como
está o leite em sua mamadeira. Ambos contribuem para o seu
desenvolvimento. Um, para o desenvolvimento biológico: outro, para
o psicológico, nas suas dimensões afetivas e intelectuais. A literatura
infantil tem uma magia e um encantamento capazes de despertar no
leitor todo um potencial criativo. É uma força capaz de transformar a
realidade quando trabalhada adequadamente com oeducando.

As palavras referendadas acima pela autora enfatizam a importância da


Literatura Infantil na vida das crianças como leitores iniciantes, não apenas de maneira
escrita nos livros, mas também de forma oral através da contação de histórias.
P á g i n a | 213
Nesse sentido, um dos principais resultados que o estudo evidencia é o
conhecimento e a postura que o contador de histórias deve ter para que, envolto dos
recursos que a literatura infantil oferece saber desenvolver o momento de contação de
histórias que estimule o futuro leitor a apaixonar-se pela leitura. Para que isso ocorra, o
contador de histórias não pode meramente escolher uma história aleatoriamente e contá-
la aos pequenos. Pelo contrário, o contador de histórias deve preparar o enredo que irá
contar, ensaiá-lo, gostar da história que vai contar, cuidar da tonalidade da voz, ser
expressivo, elencar quais recursos poderá utilizar preparar o espaço ideal para que essa
contação ocorra com sucesso e de maneira correta. Para que a criança seja
coparticipante da história narrada contribuindo assim para melhor formação do leitor.

Literatura infantil e formação humana

Segundo Zilberman & Moysés (2005, p.15): “A literatura, e em especial a


infantil, tem uma tarefa fundamental a cumprir nesta sociedade em transformação: a de
servir como agente de formação, seja no espontâneo convívio leitor/livro, seja no
diálogo leitor/texto”.
De acordo com Cândido (1995), a arte literária, assim como a vida, manifesta-se
num constante movimento dialético, um ir e vir que nos fornece oportunidade de
explicarmos a realidade a partir dos contrários.
A leitura literária é entendida por muitos estudiosos como prática escolar
fundamental. Na concepção de Lajolo (1993, p.106):
É a literatura, como linguagem e instituição, que se confiam os
diferentes imaginários, as diferentes sensibilidades, valores e
comportamentos através dos quais uma sociedade expressa e discute,
simbolicamente, seus impasses, seus desejos, suas utopias. Por isso, a
literatura é importante no currículo escolar: o cidadão para exercer
plenamente sua cidadania, precisa apossar-se da linguagem literária,
alfabetizar-se nela, tornar-se seu usuário competente, mesmo que
nunca vá escrever um livro: mas porque precisa ler muitos.

A fim de descrever sobre a contribuição da literatura infantil na formação do


futuro leitor, é necessário conhecer as origens, como eram as primeiras narrativas, como
esta passou a ser criada para o público infantil até chegar aos dias atuais com diversos
livros de literatura para crianças.
P á g i n a | 214
De acordo com Coelho (2009), o ser humano começou usar inteligência para
organizar as formas no seu cotidiano ele teve o estímulo de registrar em algo durável
suas experiências deixou registradas suas ações e ideias por meio da escrita.
Cavernas descobertas por arqueólogos entre 12 e 15 mil anos atrás revela de
maneira bem clara, esse impulso que levou o homem a se expressar de forma artística
suas experiências de vida. O homem pré- histórico procurando uma forma de se
comunicar ou marcar sua presença no mundo através da escrita, usava vários suportes
extraídos da natureza como: pedras, tábuas, argilas, peles de animais, cortes das árvores,
junco, chifres, e tantos outros.
Com o auxílio do buril o “escritor” fazia riscos para transmitir seus
pensamentos aos outros a partir desta escrita, a humanidade foi conseguindo reorganizar
o sistema da escrita e foi evoluindo até chegar ao modo atual que todos conhecemos, na
forma de livros, com páginas e corpo verbal, sendo acessível aosleitores.
Nesse sentido o homem buscava comunicar-se desde os tempos primitivos, e
continua buscando contemporaneamente.

A Arte de Contar História

A arte de contar história se faz presente desde a antiguidade. Contavam-se


histórias para diversão, ensino, relembrar ou apenas para passar o tempo. A contação de
histórias faz parte de um processo cultural dos povos, cada geração contava histórias de
sua cultura para geração seguinte, esse modo de transmissão de conhecimento é
chamado de tradição oral.
Alguns contadores cantam ou narram suas histórias em forma de poesia, ritmo e
rimas, a exemplo desses, temos na literatura de cordel, o tradicional do nordeste
brasileiro.
O cordelista, ou cantador de histórias, vai inventando seus versos e cantando de
forma rimada e cadenciada, depois as histórias são impressas e os livretos pendurados
num cordão, para serem vendidos. Daí seu nome, literatura de cordel. Para atrair
compradores, o vendedor vai cantando as histórias muitas vezes acompanhado de uma
viola. Um dos principais cordelistas e difusor da literatura de cordel foi o paraibano
Leandro Gomes de Barros, o primeiro poeta a publicar histórias versadas no Brasil, ao
redor de 1893, no Recife. Barros foi um poeta popular e sua obra é conhecida e recitada
P á g i n a | 215
pelos sertanejos. É considerado pelos cordelistas do Nordeste Rei da Poesia Sertaneja.
(ESCOLA BRITÂNICA, 2016).
Em alguns povos todos podiam passar as histórias adiante em outros somente
contadores especiais tinham essa tarefa tão importante, esses, porém tinham que ter uma
boa memoria, e encontravam maneiras especiais de interpreta-las.
Na África ocidental, os Griôs são os mestres da arte das palavras. Os Griôs
dizem que representam a memória dos homens. Eles são narradores, cantores e músicos
responsáveis pela transmissão oral das tradições de seu povo. (ESCOLA BRITÂNICA
2016).
Os Griôs são treinados desde a infância no ofício da palavra oral, eles se
apropriam e transmitem crenças, lendas, lições de vida, segredos, e saberes, e tem o
compromisso com aquilo que dizem.
Segundo Vansina (2010, p. 139):
Nas sociedades africanas reconhece-se a fala não apenas como uma
forma de comunicação cotidiana, mas também como uma forma de
preservação da sabedoria, por meio daquilo que chamamos de tradição
oral. A tradição, nesse caso, é entendida como um testemunho
transmitido verbalmente de uma geração à outra. Na maioria das
civilizações africanas, a palavra tem um poder misterioso, pois
palavras criam coisas [...] Inspirados pela tradição africana, no Brasil,
há pessoas que são denominadas e consideradas griôs. São pessoas
que trabalham com a cultura, arte e educação popular, reconhecidas
pela própria comunidade como mestres das artes, da cura, líderes
religiosos de tradição oral, músicos que sabem tocar instrumentos
tradicionais, contadores de histórias de suas comunidades que
socializam as raízes dos povos a que pertencem, são também cantores
e poetas. Pessoas que, por meio da oralidade, das experiências vividas
e da corporeidade, desenvolvem uma pedagogia que valoriza o poder
daspalavras.

A escola, enquanto instituição responsável pela formação cultural das novas


gerações e espaço privilegiado para o desenvolvimento da competência leitora e
escritora tem sido questionada quanto ao seu papel no processo de preparação de futuros
leitores.
A leitura e a contação de história para cativar o leitor precisam estar associadas
ao prazer, ao interesse e à motivação. É certo que a criança e o jovem leem não por
reconhecerem a importância da leitura, mas sim por motivações e interesses diversos
que vêm ao encontro de necessidades intrinsecamente humanas: fantasia,
autoafirmação,entretenimento.
P á g i n a | 216
A escola, como espaço institucional de acesso ao conhecimento, precisa incluir
práticas que possibilitem ao aluno, apreender a linguagem por meio da diversidade de
textos que circulam socialmente e, consequentemente, das peculiaridades do gênero aos
quais correspondem, criando condições para o desenvolvimento da capacidade de ler,
segundo as necessidades pessoais do estudante, relacionadas às ações efetivas do
cotidiano, à transmissão e busca de informação e ao exercício da reflexão.
Para Machado (2011) uma criança aprende a gostar de histórias, inicialmente
pela voz do adulto, que enquanto leitor e possuidor de repertórios de textos ficcionais e
poéticos é aquele que apresenta à criança não só as narrativas e os poemas, mas também
seus suportes, seus portadores de textos (livros, telas, suplementos de jornais, folhetos
etc.). A autora afirma ainda que grande parte das crianças só tem acesso a livros de
literatura quando ingressa na escola, dessa forma, é de suma importante propiciados
espaços de leitura para que condições que possibilitem o contato com os livros,
preparando o caminho para a leituraliterária.
As histórias são fundamentais para a formação da criança, principalmente no
início da escolaridade, para tal atividade deve haver planejamento e haver envolvimento
do contador, para que a história seja bem conduzida.
Para Cavalcanti (2009), o leitor infantil pode ser muito facilmente envolvido
pelo momento de ouvir a história, desde que este momento seja bem conduzido.
Pensando nisso, para narrar à história de forma sedutora, prazerosa e envolvente o
contador, no caso o professor precisa ser apaixonado pelo mundo do faz-de-conta, pois
estar comprometido afetivamente com a narrativa é ponto principal, isso porque a
história precisa ser contada com sentimento e partilha. Para o autor, o bom contador de
história é alguém que possui a virtude natural para fazer da palavra o canto mágico das
narrativas. Dessa forma, podemos dizer que a história leva a criança para um passado
misterioso, o instiga para o futuro onde se pode viajar pelas galáxias, ou seja, é possível
ir até onde sua imaginação chegar.
As primeiras produções infantis foram realizadas por professores e pedagogos
no final do século XVII e durante o século XVIII. Coelho (2000) afirma que estudar a
história é escolher a melhor forma ou recurso mais adequado de apresentá-la. A
contação de história é atividade própria de incentivo à imaginação e o trâmite entre o
fictício e o real. Ao preparar uma história para ser contada, tornamos a experiência do
narrador e de cada personagem como nossa e ampliamos nossa experiência por meio da
P á g i n a | 217
narrativa do autor. Os fatos, as cenas e os contextos são do plano imaginário, mas os
sentimentos e as emoções transcendem e se materializam na vida real.
A capacidade de imaginar permite que o ser humano crie uma habilidade de
entendimento e compreensão de história ficcional, que apenas é entendida dentro da
narrativa. As histórias nos transmitem informações, abordagens e emoções.
Um dos contos de fadas mais apreciados pelas crianças é o da Bela Adormecida.
Antes era uma história destinada aos adultos, o conto foi adaptado e alguns elementos
foram modificados e retirados e, assim se tornou um conto infantil. Na versão original a
encantadora Bela Adormecida, depois de furar o dedo numa agulha dorme por cem
anos, até que um dia surge um príncipe que a beija e ela desperta. Eles se apaixonam, se
casam e vivem felizes para sempre. A contação de história pode e deve ser usada como
metodologia para o desenvolvimento, dos alunos e de sua personalidade, melhorando de
maneira significativa o desempenhoescolar.
Acredita-se que é estimulando as crianças a imaginar, criar, envolver-se, que se
dá um grande passo para o enriquecimento e desenvolvimento da personalidade, por
isso é de suma importância o conto. A contação de história pode interferir positivamente
para a aprendizagem significativa, pois a fantasia e a imaginação antecedem a leitura.
Utiliza-se da leitura através da contação de histórias, como metodologia para o
desenvolvimento dos alunos e melhoria de seu desempenho escolar, respondendo a
necessidades afetivas e intelectuais pelo contato com o conteúdo simbólico das leituras.
Podem ser contadas as histórias que os pais gostam ou que tenham atração e
valor para as crianças. Os escritores mais famosos dos contos de fadas infantis são os
irmãos Grimm- Jacob e Wilhem Grimm- que fizeram e fazem sucesso até hoje com suas
histórias e seus contos. Nascidos na Alemanha dedicaram sua vida ao registro das
fábulas infantis. A fábula é uma narração, vem do latim e significa falar. O gênero
fábula apresenta características marcantes, trata-se de pequenas narrações, em que as
personagens protagonistas geralmente são animais que representam sentimentos e
emoções humanas. Mesmo assemelhando-se às histórias infantis, as fábulas foram
criadas inicialmente para serem contadas a adultos, com o objetivo de aconselhá-los e
distraí-los. A fábula é uma narração alegórica cujos personagens são animais, que
ensinam uma lição. De caráter mitológico, ficção, drama, enredo, poemas ou romance.
Contém afirmações de falas imaginárias sem interação deliberada de enganar, mas sim
de promover uma crença na realidade dos acontecimentos. A fábula seria, portanto uma
narraçãoemprosaedestinadaadarrelevoàideiaabstrata,permitindodessaforma
P á g i n a | 218
apresentar de maneira agradável uma verdade que de outra maneira se tornaria mais
difícil de ser assimilada.
A fábula é um gênero e assim como outras narrativas registra as experiências e o
modo de vida dos povos. Seu objetivo é trazer reflexões quanto a valores, amizades,
respeito, diferenças, companheirismo, dentre outros. A moral contida nas fábulas é uma
mensagem animada e colorida. Uma história contém moral quando desperta
valorpositivo no homem. Transmite a crítica ou o conhecimento da forma interpessoal.
Afábula resume uma ação e sua reação, é seguida do discurso que levará o leitor a
refletir.
Quando se conta uma história, deve-se ter em mente que aquele momento será
de grande valia para a criança, pois através desses contos será formado um banco de
dados de imagens que será utilizado nas situações interativas vividas por ela.
(CAIADO,2016).
Para que objetivos sejam alcançados exige do professor diversas estratégias
como: entonação de voz postura corporal ritmo e gestos fazendo com que a criança se
envolva neste momento. As histórias devem ser contadas diariamente, os livros devem
ser bem ilustrados, com linguagem simples, podendo contá-las em locais diferenciados
desde salas de aulas, pátios ou jardins. Não deve existir um horário estipulado para o
momento da história, deve acontecer de acordo com a necessidade e até mesmo de
forma surpreendente para o aluno. Conforme uma situação ocorrida no ambiente, o
professor poderá utilizar certa história que encaixe naquele instante, de forma que venha
contribuir na resolução e amadurecimento dacriança.
O contador de histórias precisa considerar alguns pontos importantes: as
histórias podem ser lidas ou contadas; o contador deve preocupar-se com a entonação de
voz e a postura corporal; é necessário ter sensibilidade; considerar as diversas
possibilidades do multiculturalismo; considerar as diversas possibilidades de frases para
começar e terminar um conto; lembrar a sequência da história e atrair a curiosidade das
crianças.
Preparar o ambiente, considerar as idades, falar com clareza, começar e finalizar
as histórias; direcionar uma por dia é fundamental para uma boa contação; é essencial
que, no final seja feita uma avaliação de todo o processo; Ao ouvir uma história as
crianças e o leitor em geral vivenciam nos planos psicológicos, ações os problemas, os
conflitos dessa história. Essa vivência por empréstimo, a experimentação de modelos de
ações e soluções apresentadas nas histórias fazem aumentar consideravelmente o
P á g i n a | 219
repertório de conhecimento da criança, sobre si e sobre o mundo e tudo isso a
P á g i n a | 220
Percebemos, dessa forma, o quanto é importante à leitura infantil no desenvolvimento
dacriança.
Portanto, o contar história para crianças é uma forma de desenvolvimento de
seu potencial crítico, levando-as a questionar, duvidar, pensar sobre o significado que
cada históriatem.
A contação de história é uma atividade primordial do ser humano, tanto no
sentido de educar, como no sentido de recreação. No sentido de educar verifica-se que
as brincadeiras acompanham as crianças desde a pré-escola e penetram nas instituições
infantis devendo estas ser estimuladas pelo educador. Uma história bem contada com
emoção abre para as crianças, possibilidades de relação entre seu mundo de fantasia e
sonhos e a realidade à sua volta. Cabe ao professor ajudar na construção da autoestima
de cada criança, transmitindo a ela uma imagem positiva de si própria, apoiando-a
sempre que for necessário, buscando que a criança adquiraautonomia.
Na primeira infância o que mais encanta os bebês são os sons, os gestos, a
linguagem falada pelos adultos, por isso é que as crianças passam um bom tempo com a
olhar fixamente ao rosto do adulto que fala e expressa o que diz, por isso sabendo-se
desse encantamento que a leitura de histórias para os pequenos produz, uma boa
contação deve ser apresentada como atividade diária nas salas de aula.
É válido ressaltar que ainda existe na sociedade pouco incentivo e interesse pela
leitura e isso gera uma problemática na formação da criança. Segundo Souza (1998, p.
25) “o desinteresse pela leitura é um grave problema, pois a falta de informação leva à
preguiça mental e conduz a humanidade ao caos social ecultural”.
De acordo com Abramovich (1995, p.17), é preciso:
Ler histórias, contar histórias para crianças, sempre, sempre [...] É
poder sorrir, rir, gargalhar com as situações vividas pelas personagens,
com a ideia do conto ou com o jeito de escrever dum autor e, então,
poder ser um pouco cúmplice desse momento de humor, de
brincadeira, de divertimento. É também suscitar o imaginário, é ter a
curiosidade respondida em relação a tantas perguntas, é encontrar
outras ideias para solucionar questões (como as personagens fizeram).
É uma possibilidade de descobrir o mundo imenso dos conflitos, dos
impasses, das soluções que todos vivemos e atravessamos - dum jeito
ou de outro - através dos problemas que vão sendo defrontados,
enfrentados (ou não), resolvidos (ou não) pelas personagens de cada
história (cada uma a seu modo). É a cada vez ir se identificando com
outra personagem (cada qual no momento que corresponde àquele que
está sendo vivido pela criança). E, assim, esclarecer melhor as
próprias dificuldades ou encontrar um caminho para a resolução delas.
P á g i n a | 221
A prática da leitura, da contação de história sob essa perspectiva, é um exercício
de cidadania, pois demanda um leitor ativo, crítico, cooperativo e competente que não
se limita a decodificar a palavra, mas que busca dialogar com o texto, estabelecendo
relações, preenchendo, assim, as suaslacunas.

Algumas Considerações

Com a pesquisa realizada foi possível verificar que contar história contribui
muito para o desenvolvimento da criança em todos os aspectos: social, mental, moral ou
físico, proporcionando maior desenvolvimento perceptivo do aluno. As histórias devem
ser contadas em todos os lugares, em casa, na escola, em grupos de amigos, etc.
No âmbito da instituição escolar, a literatura é usada com as mais diversas
finalidades. Considerando essa função formativa, o objetivo da contação de histórias e
da educação literária é, em primeiro lugar, o de contribuir para a formação integral da
pessoa, uma formação que está associada à construção da sociabilidade e realizada
através da confrontação com textos que explicitam a forma em que as gerações
anteriores e as contemporâneas abordaram e abordam, respectivamente, avaliação da
atividade humana através da linguagem. Também é possível que o aluno enfrente seus
medos, as adversidades; que deixe a imaginação fluir e consiga bons relacionamentos
interpessoais. Sem contar, que poderá apreciar as diversas possibilidades dos recursos
da linguagem e desenvolver melhor as capacidadescomunicativas.

Referências

ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. 5. ed. São Paulo:


Scipione, 1995.
BRITANNICA. Contação de histórias In: Britannica escola online. Enciclopédia
Escolar Britannica, 2016. Web,
2016.Disponível.em:http//escola.britannica.com.br/article/482590/contaçao-de-
historias>.Acesso em:19 de setembro de 2016.
BRITANNICA. Cordel. In Britannica escola online. Enciclopédia Britannica, 2016.
Web:<http//escola.britanica.com.br/article/574457/cordel>.acesso em:19 de setembro
de2016.
P á g i n a | 222
CAIADO, E. C. Como contar histórias. Canal do educador. Disponível
em:<http//educador.brasilescola.uol.com.br/orientações/como-contar-
historias.htm>.Acesso em20/10/2016.
CANDIDO, A. O Direito à literatura. In: Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades,
1995.
COELHO, N. N. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna,
2009.
GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica
da aprendizagem. Trad. Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Editora
Ática, 1993.
MACHADO, M. Z.V.Na ponta do lápis. Revista Na Ponta do Lápis. Ano 7, número 17,
agosto-2011.p. 24 a 37.
OLIVEIRA, M. A. Leitura Prazer: Interação Participativa da Criança com a Literatura
Infantil na Escola. São Paulo: Paulinas, 1996.
SOLÉ, Isabel. Estratégias de Leitura. Porto Alegre: Artmed, 1998.
SOUZA, M.S.D. A Conquista do Jovem Leitor: uma proposta alternativa. 2 ed.
Florianópolis UFSC, 1998.
VANSINA, J. A tradição oral e sua metodologia. In: História geral da África. Joseph
Ki-Zerbo. 2. ed. Brasília: UNESCO, 2010, p. 139.
ZILBERMAN, R; MOYSÉS, S.M.A. Recuperando a alegria de ler e escrever.
Cadernos CEDES. São Paulo: Cortez & CEDES, (44), 2005.
P á g i n a | 223

Educação infantil e ludicidade: construindo novos caminhos


para a aprendizagem
Vanessa Daiana Pires1
Débora Raquel da Costa Milani2
Resumo
Na educação infantil ocorre o primeiro contato formal da criança com a educação e é comum
encontrar os elementos lúdicos neste local. Sendo assim, é necessário que o professor
compreenda a importância do lúdico no processo ensino-aprendizagem não o utilizando
somente nos períodos de recreação. Por ser o primeiro contato que a criança tem com o
mundo escolar a Educação Infantil está repleta de brincadeiras e jogos que podem ser
utilizados com enfoque didático dentro da sala de aula. Sua utilização pode ajudar no
desenvolvimento social, psicológico e no aprendizado das crianças. Com esta pesquisa
pretendemos: verificar como a ludicidade é utilizada no processo de ensino aprendizagem na
educação infantil. Utilizamos a metodologia da Pesquisa Bibliográfica. Ao longo da pesquisa
foi possível perceber que o lúdico além de ser uma atividade livre, exterior a vida e capaz de
absorver o jogador, é um dos meios pelos quais os professores e alunos podem construir o
conhecimento, sendo necessário que eles consigam interagir. A sua utilização parece estar
crescendo devido ao olhar que os educadores estão construindo em relação à forma de
utilização das atividades lúdicas, como jogos, brincadeiras ebrinquedos.

Palavras-chave: Educação Infantil- Ludicidade - Ensino-aprendizagem.

Abstract
In early childhood education is the first formal contact between children and education and it
is common to find the playful elements in this site. Therefore, it is necessary that the teacher
understands the importance of playfulness in the learning process not using only during
periods of recreation. As the first contact that the child has with the school world Early
Childhood Education is full of fun and games that can be used with a didactic approach in the
classroom. Its use can help in the social, psychological and learning of children. With this
research we aim to: check how the playfulness is used in the process of teaching and learning
in early childhood education. We used the methodology of bibliographical research. During
the research it was revealed that the playful and is a free activity, outdoor life and capable of
absorbing the player is one of the ways in which teachers and students can construct
knowledge, being necessary that they are able to interact. Their use seems to be growing
because of the look that educators are building on the form of use of recreational activities,
such as games, games and toys.

Keywords: Education Infantil- Playfulness - Teaching-learning.

Pedagoga pela Faculdade de Taquaritinga - FTGA. vanessa-daiana@hotmail.com


1

Doutora em Educação Escolar pela Faculdade de Ciências e Letras - Universidade Estadual Paulista “Júlio de
2

Mesquita Filho”- UNESP. Professora da Faculdade de Taquaritinga UNIESP- FTGA. Professora da Faculdade
Anhanguera- Matão. Professora do Programa de Mestrado em Educação Sexual- UNESP Araraquara.
deb.milani@yahoo.com.br
P á g i n a | 224

Introdução

Na educação infantil ocorre o primeiro contato formal da criança com a educação e é


comum encontrar os elementos lúdicos neste local. Sendo assim, é necessário que o professor
compreenda a importância da ludicidade no processo ensino-aprendizagem.

De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB, Lei nº


9.394/96), a Educação Infantil faz parte da Educação Básica e tem por objetivo o
desenvolvimento integral da criança. A educação infantil contempla o trabalho nas creches
para as faixas etárias de 0 a 3 anos e para as classes de educação infantil as crianças de 4 a 6
anos em suas atividades de educar e cuidar, deve orientar – se pelas diretrizes traduzidas nas
“propostas curriculares e nos projetos pedagógicos” das instituições de ensino. O sucesso da
proposta envolve o desempenho dos educadores com formação no mínimo de nível médio e
do professor que deve ser formado em nível superior, com horários adequados de trabalho,
calendários e férias, e outros fatores que envolvem a educação com qualidade, dentre eles, um
determinado número de crianças por adulto, uma proposta pedagógica que atenda os objetivos
estabelecidos, desenvolvendo uma progressiva e prazerosa articulação dasatividades.

Por ser o primeiro contato que a criança tem com o mundo escolar a Educação Infantil
está repleta de brincadeiras e jogos que podem ser utilizados com enfoque didático dentro da
sala de aula como, por exemplo, os jogos didáticos e os jogos educativos. Sua utilização pode
ajudar no desenvolvimento social, psicológico e no aprendizado das crianças.

Cada criança é singular e as experiências lúdicas, os estímulos, as atividades


reflexivas, as interações sociais contribuem para seu desenvolvimento e aprendizagem.
Devemos respeitar os limites das crianças. Cabe a família e especificamente a Educação
Infantil criar ambientes que contribuam para o crescimento da criança nessa fase da infância.
A orientação deve fazer parte do processo para ajuda-la a aprender a ter uma vida feliz, a
aprendizagem deve estar a serviço davida.

A Educação Infantil, que representa a primeira infância, é um momento


imprescindível no processo de escolarização da criança, onde terá contato com a
aprendizagem de múltiplas linguagens da cultura, inclusive: jogos, brinquedos e brincadeiras.
Portanto cabe dizer que na Educação Infantil há possibilidades de criação de condições para
que a criança reflita e construa saberes. Essa cultura contribui de modo significativo para o
seu desenvolvimentointegral.
P á g i n a | 225

O lúdico

O lúdico envolvia tanto os adultos como as crianças, mas estas também tinham seus
próprios jogos que ocorriam em determinados momentos sem a interferência dos adultos.
Conforme Friedmann (1998, p.29), a brincadeira era um “elemento da cultura do riso, do
carnaval e do folclore” e “um fenômeno social”. Pode-se entender que o lúdico também é um
elemento da cultura e deste modo precisa ser visto “como produto e como processo”
(MARCELLINO, 1989, p. 29) desta cultura. Com o passar do tempo, a brincadeira,
desenvolvida nos momentos lúdicos, se tornou individual e foi transformada ou abandonada,
tendo também o abandono por parte dos adultos ocorrendo, assim, a segregação das crianças
em relação aos adultos. Deste modo, adultos e crianças não compartilhavam mais o momento
lúdico e as crianças ficaram como “detentoras” da ação de brincar.

O lúdico é estudado por vários autores e para a maioria deles é uma atividade que está
associada ao prazer e a vida. Olivier (2003, p.21) comenta que o lúdico tem como objetivo a
vivência prazerosa, é realizado sem motivo, é espontâneo; privilegia a criatividade devido à
sua ligação com o prazer, não tem regras pré-estabelecidas e seu local de manifestação é o
lazer, e o lazer “tem no prazer uma das suas características fundamentais”.

De acordo com Silva (2007, p.7), o lúdico é definido como “qualquer atividade em
que existe uma concentração espontânea de energias com finalidade de obter prazer da qual os
indivíduos participam com envolvimento profundo e não por obrigação”. Sendo assim, a
relação do lúdico com o lazer é estabelecida porque ambos possuem uma atitudevoluntária.

Huizinga (2004, p.16) relaciona o lúdico com o jogo; essa relação ocorre porque o
jogo é uma atividade livre, “não-séria”, é exterior a vida habitual, tem a capacidade de
absorver o jogador, não está ligada a interesses materiais, é praticado em tempo e local
determinado, segue regras e possui uma ordem. O lúdico possui as seguintes características:
“ordem, tensão, movimento, mudança, solenidade, ritmo eentusiasmo”.

O lúdico está relacionado com a vida e desta forma está relacionado com o
desenvolvimento do ser humano, principalmente no período da infância. No caso do
desenvolvimento infantil (o psicológico, o físico, o social e o cognitivo) seu alicerce está no
lúdico. Por meio do lúdico a criança consegue se expressar.

Sempre houve a utilização de jogos e brincadeiras na escola, principalmente na


educação infantil, para que a criança se desenvolva e aprenda. E, com base nisto, é possível
P á g i n a | 226

afirmar que por meio da atividade lúdica pode ocorrer a integração entre o desenvolvimento
da criança e o desenvolvimentoeducacional.

O jogo

Silva (2007) afirma que o conceito de jogo está mais relacionado com o lúdico; assim
como o lúdico, o jogo faz parte da história da humanidade e é por meio dele que nos
desenvolvemos. Marcellino (1989) também acredita que o lúdico ajuda na formação do ser
humano e que essa formação servirá para torná-lo participante da cultura da sociedade e não
somente um indivíduo.

De acordo com Huizinga (2004, p.16), o jogo está presente em tudo que nos cerca; é
um fenômeno cultural e não biológico. O autor caracteriza o jogo da seguinte maneira:

Atividade livre, que se não for voluntária e existir ordens teremos uma
“Imitação forçada” do jogo; “não-Séria”, mas ele pode ocorrer na seriedade;
exterior a vida habitual; absorve o jogador intensamente e totalmente, ele é
fascinante e excitante; atividade desligada de interesses materiais, ele se
realiza na satisfação da sua realização; é praticado dentro de limites espaciais
e temporais próprios; segue determinadas regras; “fazer de conta”; possui
ordem e cria ordem; ajuda na formação de grupos sociais.

O jogo é uma relação dialética entre a realidade e a fantasia, e o seu conteúdo e


significado dependem do local de realização.

Huizinga (2004. p.21) caracteriza os jogos infantis como atividades realizadas na


seriedade, porque a partir do momento em que as crianças começam a brincar se transportam
para um mundo de fantasia, no qual elas interpretam uma realidade que por ser realizada
intensamente acaba se tornando uma atividade séria. Entretanto, as crianças sabem que essa
realidade é um jogo e é por isso que ele é caracterizado como sério. Com base nisso, o autor
afirma que “os jogos infantis possuem a qualidade lúdica em sua própria essência, e na forma
mais pura dessa qualidade”.

O jogo pode ser utilizado na escola como uma proposta pedagógica, pois como afirma
Oliveira (2002) o jogo é visto como um recurso que auxilia no desenvolvimento e
aprendizagem da criança, por meio de conteúdos e habilidades que devem ser trabalhados, e
que o jogo de faz-de-conta auxilia na autonomia e criatividade da criança, podendo ser usado
para dar sentido às atividades que são realizadas.
P á g i n a | 227

Brinquedo

O brinquedo, no senso comum, é definido como objeto utilizado na brincadeira, mas


para Kishimoto (1998) é um objeto que dá suporte e orienta a brincadeira, tem uma atribuição
lúdica e pode ser usado como recurso de ensino ou como material pedagógico. Para
Vygotsky, referendado por Reis (2010) é um meio utilizado para satisfazer desejos das
crianças que não podem ser realizados imediatamente. Deste modo, o brinquedo contribui,
juntamente com a brincadeira, para o desenvolvimento e construção dos saberes da criança.
Marcellino (1989, p.26) define brinquedo como um objeto cuja utilização é marcada “pelo
exercício individual e pela gratuidade” e é por meio dele que a criança se expressa; assim
como a brincadeira ele também é um instrumento dobrincar.

Outra concepção de brinquedo é a de Brougère, a qual Volpato (2002, p.224) nos


apresenta. Para o autor, o brinquedo além de orientar a brincadeira também lhe traz conteúdo
e matéria. Só podemos brincar com aquilo que temos “e a criatividade, tal como a evocamos,
permite, justamente, ultrapassar esse ambiente, sempre particular e limitado”. Os brinquedos
eram utilizados tanto pelas crianças como pelos adultos e eram produzidos por pessoas
diferentes, ou seja, não existia uma loja especializada embrinquedos.

Contudo, com o passar do tempo, essa forma de produção individual foi substituída
pela especialização dos brinquedos. Segundo Volpato (2002, p.220), “com o desenvolvimento
do capitalismo, o brinquedo passou a ser comercializado com fins lucrativos. A partir daí os
objetivos do brinquedo começam a se afastar da sua origem”.

O autor ainda, traz a ideia, de que o brinquedo está inserido na sociedade e, assim, ele
suporta as funções sociais e isso confere sua razão de ser, existir. O adulto acabou
apoderando-se do brinquedo e o transformando em pura comercialização e o tornou um
artifício para mostrar para crianças as regras e conduta dos adultos. Assim, o brinquedo se
tornou algo planejado pelos adultos para as crianças.

Além dos tipos de brinquedos que conhecemos também existe o brinquedo educativo;
ele teve sua origem no renascimento e ganhou força no século XX devido à expansão da
Educação Infantil.

Brincadeira

A brincadeira está intimamente entrelaçada com a ação de brincar. Essa ação está
relacionada ao jogo porque ao brincarmos e jogarmos nos divertimos. As brincadeiras são
P á g i n a | 228

caracterizadas como atividades livres, têm um enfoque individual, segundo Winicott (apud
Marcellino, 1989), e possuem um fim em si mesmo. Por isso as brincadeiras “são organizadas
apenas por recreação e divertimento”, sendo consideradas atividades lúdicas (VITAL, 2003,
p.39).

Para Rosa (2002, p.40) a brincadeira é “como uma atividade separada e independente
da criança que brinca”. A autora relaciona esse sentido da brincadeira com o sentido de
brincar, de Winnicott, que atribui à palavra brincar a uma experiência das formas de viver.

A brincadeira é um “recurso que ensina, desenvolve e educa de forma prazerosa; o


brinquedo educativo encontra-se exemplificado no quebra-cabeça, nos brinquedos de
tabuleiro” (VITAL, 2003, p.41).

Oliveira (2002, p.231) também faz a relação do brincar com o desenvolvimento. A


autora comenta que ao brincar a criança se desenvolve, pois, seus processos psicológicos são
acionados e desenvolvidos. Para ela a “brincadeira infantil beneficia-se de suportes externos
para sua realização: rituais interativos, objetos e brinquedos”.

Por meio da brincadeira as crianças conseguem expressar seus sentimentos, suas


facilidades, dificuldades, vivências.

O jogo na educação

“O brincar é uma das formas privilegiadas de as crianças se expressarem, se


relacionarem, descobrirem, explorarem, conhecerem e darem significado ao mundo, bem
como de construírem sua própria subjetividade, constituindo-se como sujeitos humanos em
determinada cultura. É, portanto, uma das linguagens da criança e, como as demais, aprendida
social e culturalmente.” (FARIA & SALLES, 2007, p. 70).

Rosa (2002) afirma que brincar e aprender apresentam diferenças; contudo, eles não
são opostos, existem na escola e cada um tem o seu lugar. O que não sabemos é até queponto
o professor-educador, carregando todo peso da austeridade associada ao seu trabalho, se
permite brincar. Ou seja, não sabemos até onde para o professor é possível ensinar brincando.
A autora ainda apresenta um estudo realizado por Caspari (com contribuições de Winnicott)
no qual a aprendizagem apresenta-se “como um estágio posterior do brincar compartilhado,
mas com uma exigência muito maior da criança em levar em conta a realidade externa”
(ROSA, 2002, p.60).
P á g i n a | 229

Outros autores também fazem a relação entre o brincar e a aprendizagem, como por
exemplo, Vital (2003). Para a autora o brincar envolve a utilização do jogo, da brincadeira e
do brinquedo e é o modo mais eficiente para a aprendizagem porque ao brincarmos
desenvolvemos a habilidade de aprender apensar.

Kishimoto (1998, p.17) afirma que a “expansão dos jogos na área da educação dar-se-
á (...) estimulada pelo crescimento da rede de ensino infantil e pela discussão sobre as
relações entre o jogo e aeducação”.

Como vimos, as atividades lúdicas são importantes na aprendizagem. Para Kishimoto


(1998) o jogo se realiza pelos brinquedos, é auxiliador na ação docente e ajuda na
aprendizagem de conceitos, noções e habilidades. Para a autora, quando o brinquedo é
utilizado como material pedagógico ele deixa de realizar sua função lúdica. Essa ideia é
corroborada por Marcellino (1989) quando este afirma que ao funcionalizarmos o brinquedo o
lúdico é morto e desta forma o jogo acaba virando puro entretenimento. Para os autores,
quando o jogo é utilizado para realizar uma atividade escolar que tem como foco adquirir
conhecimento e habilidades, ele perde sua característica de ser uma ação livre, deixando de
ser o jogo propriamente dito e passando a ser um instrumentopedagógico.

Este instrumento pedagógico, mencionado por Kishimoto, receberá o nome de Jogo


Educativo e seu início, segundo Rabecq-Maillard referendado por Kishimoto, (1998, p.15)
ocorre “quando o jogo deixa de ser objeto de reprovação oficial, e incorpora-se no cotidiano
de jovens, não como diversão, mas como tendência natural do ser humano”. Quando o jogo
educativo é utilizado na sala de aula pode ocorrer um desvirtuamento da prioridade do
processo de brincar porque existe a priorização do produto ao invés da aprendizagem de
noções e habilidades, causando um desequilíbrio entre as funções que esse jogo possui. O
jogo educativo apresenta duas funções: a lúdica, que implica na escolha voluntária do jogo e a
educativa, sendo que o jogo é colocado como algo que auxilia na aprendizagem e na
compreensão do mundo. O jogo educativo ocorre pela união das características da educação e
do jogo, sendo necessário o equilíbrio entre a liberdade característica do jogo e o objetivo de
ensinar conteúdos da educação. Quando ocorre o desequilíbrio entre essas características o
brinquedo utilizado no jogo deixa de ser brinquedo para se tornar um material pedagógico ou
didático e isso acaba interferindo na aprendizagem, uma vez que as características principais
seperdem.
P á g i n a | 230

Com base nesses aspectos, percebemos que o jogo educativo nada mais é do que o
jogo utilizado para ensinar fornecendo um suporte para o trabalhopedagógico.

As diferenças entre o jogo educativo e o jogo didático, trazidas por Kishimoto (1998,
p.22), são que o jogo educativo, ao contrário do didático, é mais dinâmico, aberto a
exploração é “utilizado como material ou situação que exige ações orientadas com vistas à
aquisição ou treino de conteúdos específicos ou de habilidades intelectuais”. Alguns exemplos
de jogos que podemos utilizar como jogos educativos são: os de regras, os de construção, os
tradicionais infantis e os defaz-de-conta.

Quando a atividade lúdica é considerada na escola as propostas que a envolve


“sãocarregadas pelo adjetivo “educativo”, que perdem as possibilidades de realização do
brinquedo, da alegria, da espontaneidade, da festa”. (MARCELLINO, 1989 p. 85). Podemos
perceber que o jogo educativo é um recurso que pode ser bastante produtivo;contudo, não
adianta possuir o melhor jogo educativo se o professor não souber estimular ascrianças, tornar
a sua utilização significativa e participar dos jogos e brincadeiras propostos.Para o jogo ser
realmente eficiente o professor tem que construir novos caminhos, participar durante o
desenvolvimento da atividade lúdica, sendo que deve ocorrer à mediação entre a atividade
lúdica e o aprendizado que ela trará. Sendo que esta mediação pode ser realizada por meio de
sujeitos (como o professor, a mãe ou um amigo), de objetos e artefatos,
por que a mediação é importante para os processos educativos.

Como no ambiente escolar o professor é o encarregado da aprendizagem das crianças


será ele quem fará o convite para a realização das atividades lúdicas e quem irá promover “as
condições de sustentação da experiência lúdica que está na origem do processo de conhecer”
(ROSA, 2002, p. 104), ou seja, o professor agirá como mediador enquanto a criança estiver
realizando uma atividade lúdica.

Kishimoto (2001) afirma que a utilização do brinquedo pode ser de dois tipos: o
primeiro é aquele utilizado de forma livre, onde o professor valoriza a socialização das
crianças; e o outro é aquele no qual ocorre a valorização da escolarização e aquisição de
conteúdo, que a autora chama de brincar dirigido e jogo educativo.

Faria e Salles (2007) afirmam algo parecido às ideias de Kishimoto quando


exemplificam as ideias que professores da Educação Infantil apresentam em relação ao
brincar na escola. Para alguns profissionais, o brincar é apenas uma estratégia para ensinar os
conteúdos; outros professores utilizam-se do brincar como o tempo livre dado as crianças para
P á g i n a | 231

“brincarem” juntas. Assim como existem profissionais que não conseguem compreender o
brincar na educação, também existem aqueles que utilizam-se deste recurso para ensinar.

Leite (2010) nos traz a ideia de Friedmann de atividade lúdica dirigida no qual o
professor ajuda no desenvolvimento da criança e escolhe atividades (jogos e brincadeiras) que
tragam algum conteúdo importante para as crianças. A autora ainda comenta que o professor
tem que orientar a criança para que ela possa ter independência ao realizar a atividade; não
somente orientar, mas também deve observar como as crianças realizam as atividades, por
meio da utilização da ludicidade.

Rosa (2002, p.57) comenta que se nem o aluno nem o Professor tiverem a capacidade
de brincar não haverá um “espaço potencial”, não haverá a comunicação necessária para o
desenvolvimento da aprendizagem. Com essa ideia podemos perceber que não adianta o
professor não saber usar o material, do mesmo modo que não adianta saber utilizar sem que
exista a interação necessária com seus alunos para desenvolver o trabalho adequado. Será por
meio do auxílio do professor que a brincadeira, que traz um “não-saber”, vai se converter em
um saber que fará sentido em determinado momento para a criança.

Algumas considerações

Ao longo do referencial teórico foi possível perceber que o lúdico além de ser uma
atividade livre, exterior a vida e capaz de absorver o jogador, é um dos meios pelos quais os
professores e alunos podem construir o conhecimento, sendo necessário que eles consigam
interagir entre si. A sua utilização parece estar crescendo devido ao olhar que os educadores
estão construindo em relação à forma de utilização das atividades lúdicas, como jogos,
brincadeiras e brinquedos.

A escola é um local de criação e por isso, a importância da utilização da ludicidade.


Daí a necessidade dos educadores estarem com olhar atento e perspicaz para a realização de
atividades que de fato ajudem no desenvolvimento integral da s crianças.

As atividades lúdicas são bastante importantes na aprendizagem. O lúdico está


relacionado com a vida e desta forma está relacionado com o desenvolvimento do ser
humano, principalmente no período da infância. No caso do desenvolvimento infantil (o
psicológico, o físico, o social e o cognitivo) seu alicerce está nolúdico.
P á g i n a | 232

As pesquisas sobre a utilização do lúdico no processo de ensino-aprendizagem na


Educação Infantil devem continuar ocorrendo e ficar acessível aos professores que estão
lecionando porque desta forma eles terão informações novas que ajudarão na aplicação das
atividades lúdicas no processo de aprendizagem.

Referências

BRASIL Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, em


www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em 09 de abr. de 2011.

FARIA, Vitória & SALLES, Fátima. Currículo na Educação Infantil. Diálogo com os
demais elementos da Proposta Pedagógica. (Percursos). São Paulo: Editora Scipione, 2007, p.
70 – 76.

FRIEDMANN, Adriana. A evolução do brincar. IN: FRIEDMANN, Adriana [et al.]. 4. ed.,
São Paulo: Edições Sociais: Abrinq, 1998, p. 27-35.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens – O jogo como elemento da cultura. São Paulo:
Perspectiva, 5. ed., 2004, p. 3-31.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira, 1998.

. Brinquedos e materiais pedagógicos nas


escolasinfantis. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 27, n. 2, jul. 2001. Disponível em
www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151797022001000200003&lng=pt&nrm=

iso. Acesso em 18 Set. de 2011.

LEITE, Ana Maria. Caixa de brinquedos e brincadeiras: uma aliada na construção de


atitude lúdica para a ressignificação da prática pedagógica do movimento na educação
infantil. São Paulo, 2010. Disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/39/39133/tde-
08122010-101232/pt-br.php. Acesso em 18 de Set. de 2011.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Pedagogia da Animação. São Paulo: Papirus, 1989.

MELLO, Miriam Moreira de. O lúdico e o Processo de Humanização. In: MARCELLINO,


Nelson Carvalho (org.). Lúdico, educação e educação física. Ijuí: Ed. Unijui, 2003, 2 ed.

OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo:
Cortez, 2002.
P á g i n a | 233
Planejamento Estratégico Situacional na Assistência Farmacêutica
em um Município do Interior Paulista Taquaritinga/SP.

Camilla Santos1
Silvana Cardoso Neves2
Graciana Aparecida Simei Bento da Silva3

Resumo
O sistema único de saúde (SUS) necessita de ferramentas capazes de garantir qualidade no
atendimento e acessibilidade do usuário, deste a sua criação passou por grandes avanços,
favorecendo a população o direito ao acesso a todos os níveis de atenção, sendo o principal a
assistência farmacêutica, apresentando-se como uma área importante e de grande impacto no
SUS, na medida em que o medicamento é a principal fonte de intervenção das doenças e
agravos que acometem a população. Para a organização deste trabalho foi realizado
inicialmente um estudo descritivo afim de levantar causas da possível falta de medicamento
em um município do interior paulista com o objetivo de Identificar problemas decorrentes da
falta de medicamentos, identificar as causas e consequências do problema escolhido através
de uma importante ferramenta de gestão e ainda descrever os problemas evidenciados pela
ausência de medicamento no município em estudo. Desta forma, para se ter um resultado
significativo para a resolução de tal problema foi utilizada uma ferramenta de intervenção
importante e necessária o plano estratégico situacional, onde este método busca interferir
diretamente na causa e na realidade do problema, proporcionando qualidade no serviço
prestado apopulação.

Palavras-chaves: Sistema único de saúde, Plano estratégico situacional, Assistência


farmacêutica

Abstract
The Unified Health System (SUS) NEED to be able to ensure quality of service and User
Accessibility tools, this YOUR Creation been great advances, favoring the population the
right to access to all levels of care, being the first one Pharmaceutical care, Presenting itself as
an important area of great impact on SUS Measure in the que Drugs and the main source of
Intervention of Diseases and Injuries que affect the population. For this Labor Organization
was Held initially hum descriptive study in order to Raise Causes Possible lack of medicines
in hum Municipality of São Paulo with the objective to identify problems arising from lack of
medicines, identified as causes and consequences of the chosen problem through Important
One Management tool and STILL tHE describe problems evidenced by the lack of medicines
no municipality in study. Thus, paragraph have hum significant result paragraph the
resolution of this problem was used An important intervention tool and needed the Situational
Strategic Plan, where this search method directly affect the cause and the Problem of Reality,
providing Quality of Services Provided to Population.

Keywords: Health System, Situational Strategic Plan, Pharmaceutical Care


1
Graduanda do curso de Farmácia – FTGA, email: camillacf17@gmail.com.
2
Graduanda do curso de Farmácia - FTGA; Email: silvana_neves07@hotmail.com.
3
Farmacêutica pela FHO, Especialista em Bioquímica e Homeopatia, Licenciada em Física, Pedagoga e Mestre
em Engenharia de Produção, email: graciana.si@gmail.com.
P á g i n a | 234

Introdução
Planejamento estratégico situacional na assistência farmacêutica em um município o
interior paulista. A assistência farmacêutica em seu âmbito prioriza o uso adequado de
medicamento, visando a uma vida mais saudável, observando-se, a partir desta assistência, de
acordo com relatos, vários fatores relacionados ao uso inadequado de medicamentos
(SANTOS,2014).
O sistema único de saúde (SUS) sofreu grandes transformações ao longo do tempo,
entre estas prioriza-se o desabastecimento de medicamento, acarretando vários problemas
para as farmácias e gerando influencia direta na qualidade da assistência farmacêutica
(REIS,PERINI 2008).
A disponibilidade e dispensação de qualquer medicação que deve seguir
orientação médica com critérios de especificações em sua prescrição, onde se observa a
posologia especificas. Neste sentido, visa o uso correto de medicamentos e que encontra a
farmácia em suas funções principais, salientado ainda, que este serviço é de extrema
importância para assegurar a funcionalidade, eficácia e segurança dos medicamentos e em
consequência disto a efetivação do tratamento proposto. (ANACELTO et al, 2006;
ALBUQUERQUE et al, 2012; COSTA et al, 2008). São vários os motivos relacionados a
falta de medicamento podendo classificar como diretamente e indiretamente, atua na parte
direta toda parte de logística farmacêutica , já a indireta é vista no controle alfandegário ,
fiscal e sanitário (REIS,PERINI2008).
No Brasil foi elaborado uma Política Nacional de Medicamentos (PNM), a fim de
enfatizar o uso racional de medicamentos e em consequência a melhora da saúde. A PNM tem
como norte o fortalecimento dos princípios propostas constitucionais envoltas no SUS, tendo
como principio “garantir a necessária segurança, eficácia e qualidade dos medicamentos, a
promoção do uso racional e o acesso da população àqueles considerados essenciais”
(BRASIL,2001).
Em contrapartida, uma ausência no planejamento efetivo, no que se refere à assistência
dos serviços farmacêuticos, que podem acarretar grandes desperdícios de dinheiro, e tendo em
vista que cada vez mais há uma crescente na demanda de medicamentos, neste sentido, as
atitudes de gerenciamento e o planejamento estratégico da área são imprescindíveis,
abrangendo além de planejamento como já foi dito, execução, acompanhamento, avaliação de
resultados, bem como o replanejamento a partir dos resultados destas avaliações e assim
replanejar (MARIN et al, 2003).
P á g i n a | 235
Neste prognóstico, o presente trabalho será pautado na analise das vivencias e
desenvolvimento do plano estratégico para a resolução de problemas relacionados à falta de
medicamentos nas farmácias públicas em um município do interior paulista, com foco na
ferramenta do Plano Estratégico Situacional.

Justificativa
A assistência farmacêutica apresenta-se como uma área importante e de grande
impacto no SUS, na medida em que o medicamento é a principal fonte de intervenção das
doenças e agravos que acometem a população.
A insatisfação da população quanto aos serviços da saúde publica é percebida dia a
dia, sendo que os problemas crescem descontroladamente, dando ênfase a grande falta de
medicamentos nas unidades básicas de saúde, gerando sérios danos e agravos a saúde da
população.
Desta forma, para se ter um resultado significativo para a resolução de tal problema é
importante se ter uma ferramenta de planejamento na assistência farmacêutica, para que se
possam realizar intervenções importantes e necessárias para solucionar o problema.

Metodologia
Para a organização deste trabalho foi realizado inicialmente um estudo descritivo afim
de levantar causas da possível falta de medicamento em um município do interior paulista,
utilizando- se da ferramenta do planejamento estratégico situacional na assistência
farmacêutica para a resolução de tal problema (BARROS E LEHFELD, 2007; PEROVANO,
2014).
Ao que se refere à organização estratégica e plano organizacional que serão
organizados para proporcionar alternativas de soluções da situação problema é caracterizado
pelo direcionamento de ações que possibilitem definição de responsáveis, limites de prazos,
os norteadores de indicadores tanto para o monitoramento quanto para a avaliação. (VEBER;
LACERDA; CALVO,2011).

Sistema Único de Saúde e Assistência Farmacêutica

O país passou por inúmeras transformações ao longo do tempo, evidenciado a


implantação do sistema único de saúde (SUS) no sistema publico.Neste sentido a política de
P á g i n a | 236
saúde no Brasil em buscando o acesso ao medicamento, integridade na atenção,igualdade
(OLIVEIRA,2010).
O SUS é visto como uma política do estado, enfatizando o direito a saúde sendo dever
do estado. Foi instituído em 1988 pelo congresso nacional, onde este visa à qualidade da
assistência farmacêutica (TEIXEIRA,2011).
A assistência farmacêutica é uma área de grande dimensão, dividida em subáreas
diferentes, mas que se complementam, sendo uma área voltada para tecnologia de gestão, ou
seja, acesso ao medicamento e a outra voltada a tecnologia do uso racional de medicamento,
salientando que a atenção farmacêutica é uma particularidade da tecnologia do uso adequado
do medicamento e privativa do farmacêutico (ARAUJO et al, 2008; SANTOS,2014). No
entanto o histórico da assistência farmacêutica no país apresenta uma grande defasagem,
principalmente no que se diz respeito ao acesso ao medicamento e a qualidade do serviço
prestado a população (GOMES,2012).

Política nacional de medicamento

Após o surgimento da política nacional de medicamento no ano de 1988, foi atribuída


a assistência farmacêutica sua responsabilidade e importância dentro do sistema único de
saúde, que vai deste a distribuição do medicamento ate seu uso adequado, ressaltando que a
assistência farmacêutica é responsável pela segurança, qualidade e eficácia do medicamento,
garantindo o bem estar do paciente (OLIVEIRA et al,2010). Portanto a (PNM) passa a
conduzir a reforma do setor saúde, sendo que a mesma ocorreu se forma democrática e
participativa, estando voltada aos princípios do SUS, colaborando no crescimento do país,
desenvolvendo metas e ações definidas para o ministério da saúde(GOMES,2012).
A maneira como a assistência farmacêutica foi introduzida no SUS após todas estas
transformações destaca sua importância no setor da saúde. Mas para que estas políticas sejam
realizadas com êxito é preciso a garantia de recursos para exercer as ações propostas,
salientando ainda que a gestão deve ser de qualidade (VIEIRA,2010).

Falta de medicamento no sistema único de saúde

A população tem consciência de que a saúde é um direito, sendo esta o dever do


estado, porém o que as pessoas vivenciam ao ir atrás dos seus direito é descaso e transtorno
no sistema público de saúde(GUERRA,2014).
P á g i n a | 237
Mesmo com o grande desenvolvimento do sistema único de saúde (SUS), os
municípios brasileiros cometem grandes falhas, a população tem graves problemas para a
garantia dos medicamentos considerados essências, uma vez que, o país se encontra
desestruturado na politica de medicamento, sendo freqüentes pessoas a procura do poder
judiciário para lutar pelo direito ao medicamento (VIEIRA, ZUCCHI,2007; VIEIRA, 2010).
A judicialização tornou-se uma prática recorrente devido à falta de medicamentos no
sistema público, devendo a esta uma forma de assegurar acessibilidade e qualidade do serviço
de saúde , visto que a mesma gera muitos gastos aos municípios e estados
(CHIEFFI,BARATA,2009; RAMOS, 2012).
Desta forma, o planejamento estratégico situacional é uma ferramenta de grande
importância para auxiliar na resolução da falta de medicamento e conseqüentemente diminuir
a judicialização.

Planejamento Estratégico Situacional (PES)

O método visa resolver problema e objetiva principalmente resolver os casos mais


difíceis e de complicada resolução, e ainda para os que não têm solução normativa como os
bens estruturados. Evidenciando que tais problemas são identificados nos diversos setores
existentes. Desta forma suas causas não se prendem apenas em seu interior, em seu setor e
área, se estende por toda parte, tendo em vista que para resolução do mesmo dependem
também de recursos exta-setorial e a participação das pessoas envolvidas no problema
(ARTMANN,2000).
Para Matus (1993), defende que um tipo de calculo que antecede e gerencia a ação
com a intenção de instaurar um futuro e não ato de previsão. Neste sentido o PES tem como
função acompanhar permanentemente a realidade, ou seja, avalia as decisões e verifica se os
resultados obtidos estão acompanhando aquilo que foi projetado eesperado.
Já para a atuação em instituições o trabalho com o PES, demanda a necessidade de se
estabelecer uma relação direta com “missão”, pois através desta analise pode-se considerar e
analisar o papel desta empresa junto à sociedade, no que se refere a produtos e serviços, que
são produzidos ou oferecidos para os clientes ou usuários (TANCREDI; BARRIOS;
FERREIRA, 2002; VEBER, LACERDA; CALVO, 2011).
De acordo com Toni (2004), a analise, identificação do local, visualização e a
participação social e de outros autores e analises estratégicas são fundamentais
P á g i n a | 238
diferenciadores do PES em relação e comparação a outros sistemas ou métodos de
planejamento.
Tendo como foco deste trabalho e ainda sobre a realidade dos serviços de saúde é
definida por questões complexas, que exigem o trabalho e o posicionamento de diferentes
atores, que inclui cidadãos que buscam por direitos. E nesta busca encontra-se o setor de
medicamentos, assim as assistências farmacêuticas devem deter um planejamento abrangente
participativo, para que seja eficaz o enfrentamento dos problemas observados nesta pesquisa,
seguindo a realização de quatro momentos (ARTMANN, 2012; ARTMANN, 2000).
O PES prevê quatro momentos (Matus, 1993, 1994) que atuam na constância desta
organização no processamento técnico-político da resolução de problemas, destacado pelos os
seguintes momentos: explicativo, normativo, estratégico e tático-operacional.

Momento explicativo: selecionando e compreendendo o problema

É neste momento que entra a seleção das analises dos problemas relevantes para o ator
que esta em contato direto com o problema em que pretende intervir. Assim, selecionados os
problemas, eles passam por uma descrição de indicadores ou descritores que melhores o
definem com maior clareza. Quando os descritores são elaborados de forma eficiente, são
importantes ferramentas para avaliar os impactos do plano (ARTMANN, 2000).
Vale salientar que nem sempre é possível usar apenas os descritores quantitativos.
Muitas das vezes é preciso apenas com descritores qualitativos. Assim, os descritores, como
são propostos não explica o problema, mas sim o caracteriza expressa os “sintomas” que os
definem (MATUS,1987).
Ainda segundo Matus,(1987), problemas estratégicos estão sempre entrelaçados e
relacionados com outros problemas, pois as causas podem ser semeadoras de vários
problemas, podendo também estar presentes e ser de mérito de diferentes setores. Por este
motivo, há a importância intersetorial. Assim, dentre as várias causas dos problemas estão
aquelas que são pontos críticos de intervenção, chamados de nos críticos, dos quais devem ser
elaboradas as propostas de ação. Para a seleção destes pontos críticos, devem ser observados e
feitos as seguintes perguntas, sobre a causa dos problemas (MATUS,1994a):
A. A intervenção sobre esta causa trará um impacto representativo sobre os descritores do
problema, no sentido de modificá-lospositivamente.
B. A causa constitui-se num centro prático de ação, ou seja, há possibilidade de
intervenção direta sobre este nó causal (mesmo que não seja pelo ator queexplica).
P á g i n a | 239
C. É oportuno politicamente intervir(MATUS,1994a).

O Momento normativo: as propostas de ação em diferentes cenários

É neste momento que se desenha os planos de intervenção sobre o problema, ou seja, é


agora que se define a situação objetivada, as operações/ações que concretas e contextualizadas
que visam os resultados, moldados pelos nós críticos (ARTMANN, 2000; MATUS, 1993).
Para cada nó critico, diagramado na etapa anterior deve ser fomentada uma ou mais
operações para as propostas de intervenção. As operações devem ser elucidadas de forma
sintética e expressar uma proposta de intervenção, com verbos que enfatizem ações concretas.
Ou seja, para cada operação será detalhada em ações, onde expõe maior precisão para os
conteúdos. Para elaborar as ações devem ser pautadas e direcionadas pelos nós críticos
(MATUS,1994b).
Na seqüência, cada ação deve ter produtos e resultados determinados, os responsáveis
pelas ações, recursos, tempo de realização, no contexto definido no plano (MATUS,1994b).

O momento estratégico: construindo a viabilidade do plano

Nesta etapa esta a analise da viabilidade do plano, mesmo apesar de uma pré- analise
ter sido realizada na etapa anterior, agora faz se necessário uma analise mais profundo e a
impetração de simulação de variações possíveis. Salientando ainda que, é importantíssimo
uma analise da viabilidade muito bem feita, com situações onde o ator, não possa controlar
todos os recursos e requisitos para a realização do plano (MATUS,1994b;MATUS,1993).

O momento tático operacional: a gestão o plano

Assim que elaborado o (flexível e adaptável à conjuntura), e depois de feita todas as


etapas para os planejamentos, sobretudo a viabilidade, é chegada a hora de colocar o plano em
ação, a sua implementação. Salientando ainda que, na estruturação do PES, o que diz sobre o
planejamento e a gestão são indissociáveis, ou seja, o plano é um compromisso de atitudes e
ações que são vinculadas a um resultado, meta e que o enfrentamento de problemas que
devem traduzir novas situações que buscam melhorar a situação inicial.(MATUS,1994a-b).
P á g i n a | 240

Resultado e discussão

A aplicação da ferramenta, plano operativo (PO) seguiu com o desenvolvimento dos


quatros momentos do planejamento estratégico situacional, iniciando-se com a identificação
dos problemas.
Neste momento foi realizada inicialmente a explicação da ferramenta aos participantes
e posteriormente, a definição e a realização de uma pesquisa com atores do sistema único de
saúde no município em estudo, onde foram elencados e priorizados os problemas de acordo
com sua magnitude, governabilidade e urgência, e posteriormente seus descritores.
Após apontar os descritores iniciou-se a realização da fase II do Momento Explicativo
com a elaboração da Espinha de Peixe, onde foram elencadas as causas e conseqüências do
problema priorizado, feito o levantamento das causas e chegando a causa convergente,
realizou-se a mesma conduta para as conseqüências e conseqüências convergentes, como
mostra a figura a seguir:
Figura 4.2 Espinha de peixe

Faltadeumplanejamentoeficaz

Falta de organização
Porquê Faltade
ocorre? planejamento

Faltadeum Faltado
Atraso no Atrasono Ausênciade
Atraso controlede medicamen processode
repasse interessadosno
dodose estoqueefetivo tono
financeiro licitação
certa incorreto mercado processo
licitatório

2,84% receitas
não atendidas 7,95% itens
Faltade
por falta de em falta da Redução do
medicamentos
medicamentos REMUME número de falta
de medicamentos

Agravamento
Super lotação Usuário
da saúde do Uso incorreto
de hospitais insatisfeito
paciente do
medicamento

O Expectativa Geraaumento
que de gasto com Falta de adesão
de vida
hospitalização ao tratamento
gera? menor Cancelamentoe
adiamento de
procedimentos
Serviços de assistência cirurgicos
farmacêuticadeficitário
e ineficiente

AumentodosRiscoàSaúdedoPaciente

Fonte: próprio autor

A partir deste momento foi desenvolvido o momento normativo fase I a causa


convergente “Falta de um planejamento eficaz” e a conseqüência convergente “Aumento dos
riscos a saúde do paciente” iniciou-se a execução da fase I do momento normativo com a
definição objetivo geral: desenvolver um planejamento capaz de diminuir a falta de
P á g i n a | 241
medicamentos, assegurando a saúde do paciente.
P á g i n a | 242
Assim também foi feito para defini-la os objetivos específicos do plano operativo,
partindo das causas e conseqüência secundaria foram definidos os objetivos específicos para
os quais foram estabelecidas operações e ações. Os objetivos específicos, as operações e
ações necessárias podem ser vistas no quadro a seguir:
Quadro 4.3 Objetivos, ações e operações.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS OPERAÇÕES AÇÕES
Conhecer a causa do problema.
Desenvolver um Desenvolver um plano capaz de
planejamento para Elaborar o projeto resolver o problema
solucionar o problema em Promover palestras com funcionários
vigor: falta de palestras com os usuários do serviço de
saúde.
medicamento.
Organização no processo Agendar sala e reunião
Promover reuniões
de licitação dos Elaborar convite
com os envolvidos
medicamentos, visando Providenciar coffe break
no processo
comprometimento com a
licitatório.
Melhoria do controle Dispensação Palestra sobre o uso racional de
de estoque, para correta de acordo medicamento
Cortes nas quantidades
melhor atendimento com a posologia excedidas de medicamentos
do paciente
Fonte: próprio autor prescrita.

Estabelecido as operações e ações do plano operativo, a próxima etapa foi analisar a


viabilidade e facibilidade por meio da matriz momento estratégico, sendo ele um diferencial
do planejamento estratégico situacional, pois traz a reflexão das situações descritas no
momento normativo, mas que por algum motivo não estão em condições de serem
executadas, construir mecanismos para viabilizar estas ações e operações são importantes
para que o plano torne-se exeqüível assim, para cada objetivo especifico foi realizado a
analise estratégica referente ao problema” falta de medicamento” em busca da imagem-
objetivo” diminuir a falta de medicamento” como mostra a matriz a seguir:

Quadro 4.4 Matriz do momento estratégico


OBJETIVO
Desenvolver um planejamento capaz de solucionar o problema..
ESPECÍFICO 1 :
ANÁLISE DE VIABILIDADE ANÁLISE DE
(Poder) FACTIBILIDADE
Déficit ATIVIDADE
OPERAÇOES AÇÕES Recurso Recursos
Decidir Executar Manter ESTRATÉGICA
s necessári
Conhecer a existent os
Sim Sim Sim Sim Sim - -
causa do
Desenvolvi-
mento Sim Sim Sim Sim Sim - -
Desenvolver um
planejament
P á g i n a | 243
planejamento Promover
capaz de palestras com
Sim Sim Sim Sim Sim - -
solucionar o os funcionários
problema.
Promover
Sim Sim Sim Sim Sim - -
palestra com a
OBJETIVO
Organização do processo licitatório do medicamento.
ESPECÍFICO 2 :
ANÁLISE DE VIABILIDADE ANÁLISE DE
(Poder) FACTIBILIDADE
Déficit ATIVIDADE
OPERAÇÕES AÇÕES Recurso Recursos
Decidir Executar Manter ESTRATÉGICA
s necessári
Elaborar Sim Sim Sim existent
Sim os
Sim - Parcerias
convites
Agendar sala de
Sim Sim Sim Sim Sim - -
Organização do reunião
processo licitatório Agendar
Sim Sim Sim Sim Sim - -
do medicamento material
Providencia
Sim Sim Sim Sim Sim - -
r “coffe

Elaborar lista de Sim Sim Sim Sim Sim - -


presença
OBJETIVO Melhoria do estoque para melhor atender a necessidade do paciente.
ESPECÍFICO 3:
ANÁLISE DE VIABILIDADE ANÁLISE DE
ATIVIDADE
OPERAÇÕES AÇÕES (Poder) FACTIBILIDADE Déficit
ESTRATÉGICA
Recurso Recurso
Decidir Executar Manter
s s
Cortes existent necessári
na
Sim Não Não Não Não - -
s quantidade
Melhoria do
excedida
estoque para
Palestras sobre
melhor atender a
uso racional de Não Não Não Não Não - -
necessidade do
medicamentos
paciente.
Atenção
Não Não Não Não Não - -
n
Fonte: próprio autor

No momento tático-operacional com a elaboração final do plano operativo para a


resolução do problema “falta de medicamento que possui o objetivo geral de diminuir a falta
de medicamento, assegurando a saúde do paciente” teve seu detalhamento dos objetivos
específicos, operações e ações, inclusive as estratégicas. Para finalizar o plano, foi necessário
o estabelecimento de indicadores de monitoramento e avaliação para o acompanhamento de
sua execução como mostra as matrizes aseguir:
P á g i n a | 244
Quadro 4.5 Matriz do momento tático-operacional
Operação Indicador Cálculo Periodicidade Fonte de
de coleta verificação
Desenvolver um Execução do - 3 meses Plano pronto
planejamento planejamento
para solucionar
o problema em
vigor: falta de
medicamento.
Organização Processo - 3 meses Licitação
no processo solicitado definida
de licitação
dos
Melhoria Organização - 3 meses Estoque
no controle do estoque controlad
de o
estoque.
Fonte: próprio autor

As matrizes a seguir mostram os indicadores de monitoramento e avaliação para o


acompanhamento do plano que foram estabelecidas no momento tático-operacional, sendo o
momento de concretizar as ações construídas nos momentos anteriores, e ainda, avaliar e
adequar às ações conforme a necessidade, buscando sempre atingir o objetivo.
Quadro 4.6: Explicação da operação1
Ação Indicador Cálcul Periodicidade Fonte de
o de coleta verificação
Conhecer a causa Entendimento - 3 meses Causas definidas
do problema da causa

Desenvolver um Execução do - 3 meses Plano executado


plano capaz de planejamento
resolver o problema.

Promover palestras Número - 3 meses Confirmação


com funcionários na de dos
busca de palestrante palestrantes
novasopiniões. s
palestras com os Número - 3 meses Confirmação
usuários do serviço de dos
de saúde palestrante palestrantes
s
Fonte: próprio autor

Cada operação e ação possuem sua particularidade, no entanto estão relacionadas e são
complementares tornando o processo dinâmico, como mostra a seguir:
Quadro 4.7: explicação da operação 2
Ação Indicador Cálculo Periodicidade Fonte de verificação
de coleta
P á g i n a | 245
Números - 3 meses Lista de
de recebimento
convites assinada
Elaborar elaborados
convites e enviados
Agendar sala Número de - 3 meses Verificação da
e reunião agendament agenda
o
Providenciar Realização - Por Coffe break oferecido
coffe break de coffe evento
break
Elaborar lista Número de - 3 meses Listas impressas
de presença lista
elaborada e
Fonte: próprio autor

Com os indicadores estabelecidos foi possível a elaboração da matriz final do Plano


Operativo, com ações estratégicas, indicador, periodicidade e fonte de verificação como
mostra a matriz a seguir
Quadro 4.8: explicação da operação 3
Ação Indicador Cálculo Periodicidade Fonte de
de coleta verificação

Cortes nas Cortes feitos - 3 Redução de gastos


quantidades meses
excedidas de
medicamentos

Palestras sobre Número - 3 Confirmação


uso racional de de meses dos
medicamento palestrante palestrantes
s
Atenção na Atenção 3 Atendimento
dispensação retrógrad meses de
a qualidade
Fonte: próprio autor

Conclusão
A assistência farmacêutica apresenta-se como uma área de grande impacto no
sistema único de saúde, sendo responsável pela qualidade no atendimento da população,
visando sempre a saúde do paciente, porém seu histórico apresenta uma grande defasagem, no
quesedizrespeitoaqualidadedoserviçoprestadoapopulação.Oplanejamentoestratégico
situacional é uma ferramenta que permite através do plano operativo o conhecimento do
problema e a melhor forma de resolvê-lo, sendo um instrumento de grande importância para a
assistência farmacêutica uma vez que permite avaliar e reavaliar a mesma, detectando suas
carências, sendo essencial para a gestão de serviços.
Mesmo sendo pouco conhecido o plano estratégico é um instrumento de grande valia
P á g i n a | 246
para a gestão da assistência farmacêutica, pois auxilia de forma clara e objetiva o modo de se
conduzir um problema e chegar a um resultado satisfatório e ainda permite a mudança da
postura dos profissionais, tornando-os mais críticos e parte importante de uma equipe,
salientando que todas estas melhorias refletem diretamente na qualidade do atendimento para
com o paciente.
Portanto, pode-se destacar que a ferramenta permitiu alcançar todos os objetivos
propostos, identificando a causa do problema, suas conseqüências e a forma mais fácil e ágil
para resolução do mesmo, mostrando-se como instrumento que pode ser usado em qualquer
outro serviço proporcionando resultados satisfatórios.
A ferramenta proporciona ainda traçar estratégias a longo e curto prazo, alinhar os
profissionais para um mesmo objetivo melhorando o desempenho dos mesmos.
Desta forma o planejamento estratégico situacional mostrou-se muito eficaz e
importante para auxiliar e direcionar a resolução desde problemas mais simples aos mais
complexos, detectando todas as suas carências, obtendo-se melhorias e satisfação nos
resultados e ainda organização do serviço e qualidade do atendimento.

REFERÊNCIAS

ANACLETO, T. A.; PERINI, E.; ROSA, M. B. Prevenindo erros de dispensação em


farmácias hospitalares. Infarma, v.18, nº 7/8, 2006.

ARAUJO, A. L. A.; PEREIRA, L. R. L.; UETA, J. M.;FREITAS, O. Perfil da assistência


farmacêutica na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Ciênc. saúde coletiva 2008,
vol.13,suppl., pp.611-617. ISSN 1678-4561. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-
81232008000700010 . Acesso em: 03 maio.2016.

ARTMANN, E. O planejamento estratégico situacional no nível local: um instrumento a


favor da visão multissetorial.2000 COPPE/UFRJ. Oficina social nº 3: desenvolvimento social,
2000. 25p. disponível em: http://www6.ensp.fiocruz.br/repositorio/resource/356595 . Acesso
em: 04 maio.2016.

BARROS, Aidil Jesus da Silveira; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos de


Metodologia. Cientí□ fica. 3.ed. São Paulo: Prentice□Hall, 2007.

BRASIL. Política Nacional de Medicamentos. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de


Saúde, Departamento de Atenção Básica, 2001.

CHIEFFI, A.L.; BARATA R.B. Judicialização da política pública de assistência


farmacêutica e equidade. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(8):1839-1849, agosto,
2009

GOMES, C. A. P. A Assistência Farmacêutica no Brasil: Análise e PerspectivasMinistério


Saúde. Disponível em: http://www.cgee.org.br/arquivos/rhf_p1_af_carlos_gomes.pdf. Acesso
em: 03maio.2016.
P á g i n a | 247

MARIN, N.; LUIZA, V. L.; CASTRO, C. G. S. O.; SANTOS, S. M.


AssistênciaFarmacêutica para gerentes municipais. Opas/OMS, 334 p, Rio de Janeiro,
2003.MATUS, C., 1982. Política y Plan. Caracas: Iveplan.

MATUS, C., 1987. Adiós Sr. Presidente. Caracas: Pomaire Ensayos.

MATUS, C., 1993. Política, Planejamento e Governo. Brasília: IPEA.

MATUS, C., 1994a . El PES en la Practica. Caracas: Fundación ALTADIR. (mimeo)

MATUS, C., 1994b. Guia de Análisis Teórico. Curso de Governo e Planificação. Caracas:
Fundación Altadir.

OLIVEIRA, L. C. F.; ASSIS, M. M. A.; BARBONI, A. R. Assistência Farmacêutica no


Sistema Único de Saúde: da Política Nacional de Medicamentos à Atenção Básica à
Saúde. Ciências & Saúde Coletiva, 15 (Suplemento 3). 3561-3567. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-8123201000090003. Acesso
em 15 de maio.2016.

PEROVANO, Dalton Gean. Manual de Metodologia Científica. Paraná: Editora Juruá,


2014.

REIS, A.M.M.; PERINI, E. Desabastecimento de medicamentos: determinantes,


consequências e gerenciamento. Ciência e Saúde Coletiva, v. 13, supl., p. 603-610, 2008.
Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000700009.Acesso em: 22 março.
2016.

SANTOS, F. B. Logísitca de Medicamentos nas Prefeituras: Projeto de Melhoria dos


Controles Internos dos Municípios Mato-grossenses – Ênfase em Processos Organizacionais
de Logística de Insumos da Saúde. Cuiabá: Controladoria Geral da União - Tribunal de
Contas de Mato Grosso,2014.

TANCREDI, F. B.; BARRIOS, S. R. L.; FERREIRA, J. H. G. Planejamento em saúde. São


Paulo: FSP-USP, 2002.

TEIXEIRA, C. Os princípios do sistema único de saúde. Texto de apoio elaborado para


subsidiar o debate nas Conferências Municipal e Estadual de Saúde. Salvador, Bahia. Junho
de 2011. Disponível em: http://www.saude.ba.gov.br/pdf/OS_PRINCIPIOS_DO_SUS.pdf.
Acesso em:03maio.2016.

TONI, J. O que é o Planejamento Estratégico Situacional. Revista Espaço Acadêmico, n.


32, jan. 2004. Disponível em: http://www.espacoacademico. com.br/032/32ctoni.htm. Acesso
em: 25 abril. 2016.

VEBER, A. P.; LACERDA, J. T.; CALVO, M. C. M. Planejamento em saúde. Módulo


Transversal 1: gestão da assistência farmacêutica. Florianópolis: EdUFSC, 2011.

VIEIRA, F.S; ZUCCHI, P. Distorções causadas pelas ações judiciais à política de


medicamentos no Brasil. Revista Saúde Pública, 2007; 41(2):214-22.

VIEIRA,F.S. Assistencia Farmaceutica no Sistema Publico de Saúde no Brasil. Ver.


P á g i n a | 248
Panam Salud Pública.2010;27(2):149-56.
P á g i n a | 249

OLIVIER, Giovanina Gomes de. Lúdico e escola: entre a obrigação e o prazer. IN:
MARCELLINO, Nelson Carvalho (org.). Lúdico, educação e educação física. Ijuí: Ed. Unijui,
2003, 2 ed., p.15-24.

REIS, Carol Woichkoski dos. Os contos de fadas no processo de alfabetização: da


imaginação à representação. São Paulo, 2010, p. 36-47.

ROSA, Sanny S.da. Brincar, Conhecer, Ensinar. 3 ed., São Paulo: Editora Cortez, 2002.

SILVA, Paulo Sérgio. Jogar e Aprender: contribuições psicológicas ao método


lúdicopedagógico. São Paulo: Expressão e Arte Editora. 1 ed., 2007.

VITAL, Marcia Regina. A priorização dos conteúdos escolares em detrimento das


atividades lúdicas na educação infantil. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Dissertação de Mestrado, 2003.

VOLPATO, Gildo. O Jogo e o Brinquedo: Reflexões a partir da Teoria Crítica. IN:


revista Educação e Sociedade, Campinas, vol. 23, n. 81, p. 217-226, dez. 2002. Disponível
em: www.scielo.br/pdf/es/v23n81/13938. pdf . Acesso em 04 de Set. de2011.
P á g i n a | 250
Avaliação do controle de estoque e demanda medicamentosa
atendida em uma drogaria do município de Taquaritinga:
Estudo de caso
Jorge Felipe
Bernardes Graciana Aparecida
1

Simei Bento da Silva2

Resumo
Em um contexto de mudanças econômicas e sociais extremamente dinâmicas, as
exigências peculiares da atividade comercial farmacêutica determinam a vital
importância da adoção de um sistema de controle de estoques adequado para o
gerenciamento otimizado, nesse ramo de negócios. Este trabalho visa trazer um estudo
de caso focando na atividade de gestão de estoque de medicamentos, e a demanda
medicamentosa em uma drogaria do município de Taquaritinga. Que o seu
gerenciamento atenda, não somente a melhorar a situação econômica do
estabelecimento comercial, como também possa prestar ao atendimento das
necessidades sociais de seus consumidores. Visando a Assistência Farmacêutica como
fator imprescindível para a conquista mercadológica e uma melhor forma para manter
um estoque de segurança. ia

Palavras-chaves: Controle de estoques, Demanda medicamentosa e


Assistênc Farmacêutica.

Abstract
In a context of highly dynamic economic and social changes, the peculiar
requirements of the pharmaceutical business activity determine the vital importance of
adopting an inventory control system suitable for the optimal management in this line
of business. This work aims to bring a case study focusing on drug stock management
activity, and drug demand in a drug store in the city of Taquaritinga. That its
management meets, not only to improve the economic situation of the commercial
establishment and can also pay to meet the social needs of its consumers. Aiming at
the Pharmaceutical Care as an indispensable factor for the achievement marketing and
a better way to maintain a safety stock.

Keywords : Inventory control drug demand and Pharmaceutical Services .


P á g i n a | 251

1
Graduando do curso de Farmácia – FTGA, email:
Jorge_felipe_2016@hotmail.com.2Farmacêutica pela FHO, Especialista em
Bioquímica e Homeopatia, Licenciada em Física, Pedagoga e Mestre em Engenharia
de Produção, email: graciana.si@gmail.com.

Introdução

A medicina tem progredido a passos largos nos últimos anos, com o avanço da
ciência na área da saúde, ocorreram descobertas para tratar e prevenir doenças. A
busca do cidadão por uma qualidade de vida melhor, fez com que surgisse um
segmento no mercado diferenciado e em evolução, que é o setor que trabalha com
produtos farmacêuticos, dando ênfase, nos dias atuais, às drogarias (SILVEIRA,
2011).
As drogarias respondem por 80% do escoamento de medicamentos da indústria. Os principais
fatores de atratividade do setor são a demanda crescente no Brasil para o mercado de remédios; as boas
perspectivas para os medicamentos genéricos; o programa farmácia popular; o fácil acesso a softwares
de gestão de drogarias; o envelhecimento da população brasileira e a expansão do portfólio de produtos
para artigos de higiene, limpeza, perfumaria e até alguns produtos alimentícios (SEBRAE, 2016). O
crescimento das drogarias faz com que ocorra cada vez mais a necessidade de buscar informações para o
desenvolvimento e adequação de processos logísticos (RODRIGUES, 2015).
Os principais objetivos de um gestor do estoque que visa ao sucesso é prever a
demanda que será utilizada, tais como: quanto comprar, receber, armazenar, manter e
controlar o estoque. Na área farmacêutica, a atividade que está associada à gestão de estoques
é a programação de medicame ntos, uma etapa do ciclo da assistência farmacêutica que tem a
finalidade de contribuir para melhorar a qualidade de vida da população, propondo ações de
promoção, prevenção, recuperação e reabilitação de saúde, assim como orientar o uso racional
dos medicamentos , dentre as diversas atribuições do farmacêutico que atuam em drogarias no
Brasil (LIRA, 2013; RODRIGUES, 2015; SILVA et al, 2014; MORTARI et al,2014).
Dessa forma, este trabalho busca mostrar a análise do controle de estoque e a
avaliação da demanda medicamentosa de uma drogaria. Este estudo tem como objetivo
avaliar a demanda medicamentosa em uma drogaria, traçando o perfil farmacológicolocal.

Justificativa

A rápida urbanização do País concentrou enormes massas nas cidades, como


P á g i n a | 252
consequência, as pessoas desenvolveram maus hábitos alimentares, sedentarismo, a obesidade
crescente, a poluição, a precariedade do saneamento básico, entre outros problemas, gerando
assim o aumento das doenças. Nos dias atuais a importância das drogarias para a sociedade é
analisar quais os problemas e soluções enfrentados na administração da cadeia de suprimentos
deste segmento (RODRIGUES et al.,2015; SIMPRAFARMA, 2014; AZEVEDO, 2016).
Com a diversidade de produtos lançados, anualmente, no mercado farmacêutico, bem
como a competitividade crescente, é necessário formular um plano de gerenciamento para
conseguir superar a concorrência na geração do lucro (DIAS, 1993). A gestão de estoques é
necessária para evitar os altos custos com os produtos, diminuir o capital total investido pela
empresa no estoque, além de evitar a falta de produtos para os clientes. O objetivo é o
atendimento ao cliente na hora certa e com a quantidade certa (NOGUEIRA, 2011; LIRA
etal., 2013).

Os serviços farmacêuticos são indispensáveis no acompanhamento da dispensação


com qualidade, porque a dificuldade no entendimento da terapêutica prescrita leva os
pacientes a conviverem com retornos precoces aos consultórios, além disso o paciente deve
ser orientado corretamente e indicadores de prescrição devem auxiliar na prática terapêutica
(SOUZA et al., 2012; GOMES, 2000; MARIN et al., 2003; COLOMBO et al.,2004).
É importante ressaltar que pela falta de controle dos estoques corre-se o risco de
variação excessiva da quantidade a ser produzida, produção parada frequentemente por falta
de material, falta de espaço e armazenamento, baixa rotação dos estoques, obsoletismo em
demasia (DIAS, 1993; RODRIGUES etal.,2015).

Metodologia

A metodologia utilizada no trabalho:


Do ponto de vista dos objetivos: trata-se de um estudo exploratório, pois o principal
objetivo é conhecer melhor o fenômeno a ser estudado, aumentando assim, o conhecimento
acerca do objeto de estudo, esclarecendo conceitos (SELLTZ, 1987; OLIVEIRA, 2001). Do
ponto de vista da forma de abordagem do problema: é uma pesquisa quantitativa, pois o
ambiente natural é fonte de coleta de dados (MASSARIOLLI, 2003). Do ponto de vista dos
procedimentos técnicos: será utilizado o método de estudo de caso, onde serão coletados e
registrados dados para organizar um relatório ordenado e crítico de uma experiência
avaliando-a de forma analítica (GIL, 1996). Do ponto de vista do local de realização: trata-se
de uma pesquisa de campo, pois os dados serão extraídos do sistema informatizado de
P á g i n a | 253
controle de estoque da drogaria em estudo. Do ponto de vista do período de investigação: será
uma pesquisa transversal, pois serão utilizados dados de um determinado momento.

Gestão de estoque: vantagem e desvantagem

A gestão de estoque de drogarias não é tão simples, e não é apenas só lucro, está cada
vez mais complexo em um mercado cada vez mais globalizado, o controle de estoque tornou-
se um fator essencial para a sustentabilidade financeira das empresas (NEO QUIMICA,
2016). Existe uma situação de conflitos entre os setores em relação aos estoques, pois para o
setor comercial quanto mais estoque melhor, já para o setor financeiro é necessário estoques
reduzidos para a diminuição do capital investido. A melhor forma é conciliar os setores, num
nível que não prejudique os objetivos da empresa (VIANA, 2000; TEOFÁNES et al, 2012).
Um estoque falho nas drogarias, que ainda são os principais pontos de dispensação de
medicamentos, dependendo de sua distribuição, acarretaria em um grande problema em nível
de saúde pública e implicaria em perdas para a drogaria como comércio e como
estabelecimento de saúde (ABREU, 2011). Já um estoque eficiente auxilia a fidelização do
cliente, possibilitando um primeiro contato com a empresa (NITAHORA, 2013 ).
Quando um cliente deixa um estabelecimento farmacêutico e recorre a um concorrente
em busca de um medicamento em falta no estoque da primeira drogaria em questão, o valor
dos estoques parece inquestionável. Este é o dilema do gerenciamento de estoque: apesar dos
custos e outros fatores relacionados à manutenção de estoques, busca-se harmonia entre
fornecimento e demanda (VIANA, 2000; NEO QUIMICA, 2016).

Assistência Farmacêutica

De acordo com a Resolução nº 338, de 6 de maio de 2004, do Conselho Nacional de


Saúde, que aprovou a Política Nacional de Assistência Farmacêutica, Assistência
Farmacêutica (AF) é:
“Um conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto
individual como coletiva, tendo o medicamento como insumo essencial e visando ao
acesso e ao seu uso racional. Este conjunto envolve a pesquisa, o desenvolvimento e
a produção de medicamentos e insumos, bem como a sua seleção, programação,
aquisição, distribuição, dispensação, garantia da qualidade dos produtos e serviços,
acompanhamento e avaliação de sua utilização, na perspectiva da obtenção de
resultados concretos e da melhoria da qualidade de vida da população (BRASIL,
2004 ,p.1).”

O Farmacêutico está inserido nessa realidade e de todo o aspecto ético da profissão,


P á g i n a | 254
sendo ele um profissional de relevância e capacidade profissional dentro da equipe
multidisciplinar de saúde (SILVEIRA, 2011).
Na gestão de controle, é fundamental o estabelecimento de critérios de padronização
dos medicamentos, mecanismos de aquisição, armazenamento e logística de distribuição, de
modo a garantir a racionalidade administrativa, e equilíbrio da demanda (FARINA et al, 2009;
LUCCHETA, 2010; ANVISA, 2012; SILVA, 2015).

Variedades de medicamentos ofertados na drogaria

A Drogaria em estudo tem um estoque com cerca de 28 classes de


fármacosdisponíveis para o comércio, com denominações de medicamento: Genérico , Similar e
Referência (BRASILPHARMA, 2013)
O advento dos genéricos, sem dúvida, trouxe a garantia de produtos com maior
confiabilidade ao mercado de medicamentos, pressionando os preços para baixo e uma
sensível redução dos custos com medicamentos.
Os medicamentos similares, também representam uma alternativa para pressionar os
custos para baixo, porém, devemos adotar critérios técnicos e regulamentares na escolha dos
fornecedores desses produtos, conforme descrito na Resolução ANVISA RDC nº 133, de 02
de junho de 2003.
O prazo de entrega de medicamentos pelas distribuidoras é, em média, de dois dias.
Sendo assim, a possibilidade do trabalho com estoques cada vez mais reduzidos aumenta, o
tempo de reabastecimento é menor e o risco de desabastecimento de estoques é reduzido.
Além disso, o custo de estocar reduz consideravelmente, havendo um elevado valor de giro de
estoque.

Demanda medicamentosa

O termo “gestão da demanda” significa necessidade para um produto ou componente


particular (OLIVEIRA, 2005). Prever a demanda: é a função que se preocupa em predizer o
consumo dos medicamentos de forma que a aquisição possa ser nas quantidades apropria- das.
Segundo Pinheiro, 2005, o estoque existe pela variação de ritmo entre demanda e
fornecimento (OLIVEIRA, 2005). Com uma população de mais de 200 milhões de pessoas e
com a prevalência de doenças crônicas em ascensão, o Brasil é um dos países que mais
consome medicamentos no mundo (IBGE, 2013).
A partir de todo esse contexto foi realizado um controle de estoque na drogaria em
P á g i n a | 255
estudo por cerca de 6 meses, e os medicamentos independente as variações de demanda , mais
prescritos tratava-se das classes terapêuticas: Anti-hipertensivos: Atenolol e Losartana
Potássica; Analgésicos e Antitérmicos: Anador e Dorflex; Anti-inflamatórios: Diclofenaco
Potássico e Nimesulida; Hipoglicemiantes: Glifage xr e Insulina NPH.

Anti-hipertenivos com maior saída

Atenol: Possui as seguintes apresentações: Comprimidos simples de Atenolol 25 mg /


50 mg e 100 mg ,em embalagem com30comprimidos. É indicado para: Controleda
hipertensão arterial, controle da angina pectoris e tratamento do infarto do miocárdio
(BRASIL, 2016).
Losartana Potássica: Apresentações - Embalagens contendo 30 comprimidos
revestidos de 50mg ou 100mg. É indicado para: O tratamento da hipertensão e também para o
tratamento da insuficiência cardíaca (NET,2015).

Analgésicos e antitérmicos de maior consumo

Anador: Apresentações - Comprimidos de 500 mg: embalagens com 24, 120, 240 e
512 comprimidos. É indicado para: Dor (analgésico) e (antitérmico) (BRASIL, 2016).
Dorflex: Apresentação - Comprimidos 300 mg + 35 mg + 50 mg: embalagem com 30,
240 ou 300. É indicado para: Dor (analgésico) e atua como relaxante muscular (NET, 2014).
O dorflex já recebeu o primeiro lugar no ranking dos medicamentos mais vendidos em anos
consecutivos e nunca deixa de estar entre o top 10. (HIPOLABOR,2015).

Anti-inflamatórios de maior demanda

Diclofenaco de Potássio: Comprimidos revestidos de 50 mg: embalagens com 10, 20,


500 e 1000 comprimidos revestidos. Indicado para: Dor e inflamação, infecções de garganta
entre outras finalidades (NET, 2014).
Nimesulide: Apresentação: Comprimidos de 100 mg: embalagem com 12
comprimidos. Indicado: é um anti-inflamatório não-esteroidal indicado para uma variedade de
condições que requeiram atividade anti-inflamatória, analgésica e antipirética (BRASIL,
2016).

Hipoglicemiantes mais usados


P á g i n a | 256
Glifage XR: Apresentações Glifage® 500 mg / Glifage® 850 mg / Glifage® 1 g
Embalagens contendo 30 comprimidos revestidos. Indicação: agente antidiabético, associado
ao regime alimentar, para o tratamento de: Diabetes tipo 2, não dependente de insulina ( NET,
2013).
Insulina NPH: Apresentação - Suspensão injetável de Insulina Humana Recombinante
NPH (ADN recombinante). Embalagem contendo um frasco
frasco-ampola
ampola com 10 mL de
suspensão na concentração de 100 UI/mL. Indicação: Tratamento do diabetes mellitus
(BRASIL,
IL, 2016). Como podemos observar o quadro abaixo, no quesito top 10 e faturamento,
alguns medicamentos citados acima como demanda medicamentosa mais utilizada pela
população na drogaria, constam na lista dos remédios mais vendidos no Brasil em 2015.
Como os anti-hipertensivos
hipertensivos Glifage xr e Losartana potássica, além dos analgésicos e
antitérmicos: Dipirona sódica eDorflex.

Discussão

Não precisa manter um alto estoque a não ser que o preço de compra e venda esteja
oscilando muito, então depende do mercado financeiro e da inflação, bem como, do capital de
giro do estabelecimento (DIAS et al, 1993). Como pode
pode-se
se visualizar no gráfico.
Figura 1: Evolução dos reajustes máximos em porcentagem.

Fonte:(G1)

Como podemos visualizar no gráfico, a partir do ano de 2011 a 2015 a evolução dos
reajustes máximo em %, teve o reajuste médio em torno de 6%.
Porém, o impacto no consumidor historicamente tem ficado e deve ficar abaixo do teto
P á g i n a | 257
de reajuste aprovado este ano 2016, que é de 12,5%", afirmou o (BRASIL, 2004) .O reajuste
acima da inflação tem como pano de fundo os reflexos da crise econômica no setor
farmacêutico, uma vez que, pelas regras, o cálculo do índice leva em conta também fatores
como produtividade da indústria e variações dos custos de insumos.
Segundo a Interfarma 2016, a forte alta do dólar e das tarifas de energia elétrica teve
forte impacto nos custos da indústria, cuja boa parte da matéria-prima é importada .
P á g i n a | 258

Apesar de o reajuste já estar valendo, é aconselhável que o consumidor faça pesquisa,


uma vez que os preços tradicionalmente tendem a ser remarcados conforme as farmácias
forem renovando seus estoques (GLOBO, 2016; NITAHORA, 2013).
Como não é possível prevê uma inflação média para o ano seguinte, uma das maneiras
possíveis para driblar os aumentos seria a utilização de remédios genéricos, sendo que é
preciso ter cuidado e consultar um médico apropriado para fazer essa troca, pois o organismo
vai reagir a isso, sendo as respostas individuais, e planejar os estoques com base numa
previsão de vendas. Gerando perdas ou ganhos de lucro para a empresa, o essencial é como
será a prestação de serviços no atendimento das necessidades dos clientes (LIRA, 2013).
Diante, disso um controle de estoque é fundamental para a drogaria tanto como
estabelecimento comercial quanto como estabelecimento de saúde.

Resultados

A seguir está representado o consumo mensal e a porcentagem dos medicamentos


Atenolol e Losartana K por um período de 6 meses.
Gráfico 1: Anti –Hipertensivos mais consumidos pela população

Fonte: Próprio autor.


Gráfico 2 - Porcentagem do consumo dos anti-hipertensivos Atenol e Losartana K
P á g i n a | 259

Fonte: Próprio autor.


Como podemos visualizar nos gráficos acima os anti
anti-hipertensivos
hipertensivos mais prescritos
pelos médicos pelo período de 6 meses são Atenolol e Losartana k ,devido as alterações no
estilo de vida e o sedentarismo a população esta cada vez mais atingida por doenças
cardiovasculares , e para a prevenção são utilizados estes medicamentos ,os dados obtidos de
novembro de 2015 a Abril 2016 ,registram que o Atenolol ,manteve
,manteve-se
se constante as saídas
,apenas em fevereiro e março houve um declínio nas vendas , deve
deve-se
se pelo fato de o Atenolol
ser um medicamento fornecido pelo SUS , assim a população tem a opção de escolher a
retirada do mesmo.
Já a Losartana K teve seus picos variados de vendas, pode ter ocorrido à queda de
vendas pelas reações adversas acometidas ou pela substituição do anti
anti--hipertensivo por outro
da mesma classe. Os gráfico a seguir indica os Anti
Anti-inflamatórios
ios com maior prescrição
durante um período de 6 meses e suas respectivas porcentagens.
Gráfico 3- 2 Classes de Anti-inflamatórios
inflamatórios mais utilizados pela população.

Fonte: Próprio autor.


O nimesulida é um fármaco bem mais preferível a o Diclofenaco K pela população,
P á g i n a | 260
como podemos observar nos gráficos, nos meses de fevereiro e abril, a queda foi em torno de
P á g i n a | 261
10% em relação aos outros meses, devido de o nimesulida ser o dobro do preço do
diclofenaco K, que é distribuído gratuitamente, ou seja, entre preferir e não ter gasto, o cliente
não pensa na melhor indicação e sim na melhor opção (valor).Observa-se abaixo a quantidade
mensal dos medicamentos mais utilizados parador.
Gráfico 4 - Os analgésicos de maior preferência estão o Anador e Dorflex

Fonte: Próprio autor.


O fácil acesso e a isenção da prescrição destes medicamentos contribuem ao consumo
excessivo, o orflex aderido pela população por além de ação analgésica, também age como
relaxante muscular. Os gráficos demonstram que seu uso esta estável, apesar de não
ultrapassar a marca do anador é um dos medicamentos mais utilizados para cefaleia, queixa
extremamente comum da população.
A seguir segue gráfico do consumo dos medicamentos mais utilizados por pessoas
portadoras da diabetes , tipo 1 e 2.
Gráfico 5 - Glifage Xr e Insulina ,hipoglicemiantes mais amplamente utilizados durante os meses em estudo.
P á g i n a | 262

Fonte: Próprio autor.


Gráfico 6 - Notam-se
se os gráficos a seguir: a porcentagem dos Hipoglicemiantes mais consumidos por pessoas
diabéticas.

Fonte: Próprio autor.

O exagero na alimentação tem um preço. A diabetes tornou


tornou-se uma epidemia.
Conforme os dados nos gráficos os hipoglicemiantes mais consumidos pela população estão o
Glifage XR, que desencadeou um alto valor de vendas durante os meses, de pesquisa, porém
em janeiro e fevereiro seu uso teve uma queda brusca, fato de os médicos aderirem às outras
classes farmacológicas para o tratamento dos tipos de diabetes. A insulina NPH, por ser tratar
de um medicamento de uso contínu
contínuo,
o, mantem seu consumo bem instável. Isso prova que a
população cada vez mais sofre com doenças crônicas.
Após as pesquisas, os medicamentos mais consumidos pela população são destinados
a doenças crônicas e doenças mais comumente da população, de uso cont
continuo ou de procura
instantânea, que atualmente lidera o varejo, tanto por alguns citados fazerem parte do
Programa FP, distribuídos gratuitamente e os outros por não terem restrições de venda. Sendo
assim pode-se
se confirmar a demanda medicamentosa da drogar
drogaria
ia do município de
Taquaritinga, com as respectivas classesfarmacológicas:
Anti-hipertensivos:
hipertensivos: Atenolol e Losartana Potássica.
Analgésicos e Antitérmicos: Anador e Dorflex
Anti-inflamatórios:
inflamatórios: Diclofenaco Potássico e Nimesulida
Hipoglicemiantes: Glifage xr e Insulina NPH.

Conclusão

Ao final do trabalho, com base nos objetivos traçados para o mesmo e no


desenvolvimento do estudo de caso, os resultados demonstram que é de suma importância o
controle dos estoques, pois é através deste controle que a empresa cria estratégias, torna-se
torna
P á g i n a | 263
competitiva reduzindo custo e atendendo da melhor forma o cliente, chegando aos resultados
que foram planejados.
Partindo desse pressuposto, e após o diagnóstico elaborado neste estudo, identificou-se
que a drogaria procura atender os clientes com eficiência e o mais rápido possível, atualmente
para não perder o cliente quando não se tem a medicação de imediato é solicitada para o dia
seguinte, caso o cliente deseje imediatamente, os responsáveis, tentam o meio de troca ou
empréstimo entre drogarias e farmácias, para que não ocorra a perca do maior ativo financeiro
da drogaria “o cliente”.
Com base nisso o estoque da drogaria é controlado adequadamente, com o software
SOS – SOFT para que não ocorra perca (vencimento) e nem o acúmulo de medicamentos
(perda de lucros) e espaço físico.
No caso de sazonalidade o medicamento é reposto conforme as saídas, já em relação à
classe terapêutica de medicamentos prescrita com maior frequência durante a pesquisa estão
os Anti-hipertensivos: Atenolol e Losartana Potássica, os Analgésicos e Antitérmicos: Anador
e Dorflex, Anti-inflamatórios: Diclofenaco de potássico e Nimesulida, e Hipoglicemiantes
orais: Glifage xr e InsulinaNPH.
Deve-se ao fato de constarem na lista dos remédios mais vendidos no Brasil em 2015 e
por a drogaria possuir o programa “Aqui tem Farmácia Popular” que além dos medicamentos
gratuitos para hipertensão, diabetes e asma, o programa oferece mais 11 itens, com preços até
90% mais baratos, visando o acesso aos medicamentos para as doenças mais comuns entre os
cidadãos (SAÚDE, 2015).
Sendo assim é mantido um estoque relevante, pois as doenças crônicas não
transmissíveis são responsáveis por uma incidência alta das causas de mortes no Brasil. Além
de um estoque com um gerenciamento planejado, otimizado e bem executado, atualmente o
atendimento também é a alma do negocio, a relação humana é entender e satisfazer as
necessidades e expectativas do cliente, “solucionar o problema”, com lucratividade.
Um atendimento eficiente e personalizado é um dos principais fatores que o cliente
leva em consideração ao iniciar um processo de fidelização junto à empresa.
Então, são vários fatores que interagem na tão cobiçada conquista mercadológica, a
drogaria do município de Taquaritinga, segue o ditado:
“Assim como o mar toca o céu no horizonte, mão-de-obra e capital podem se
encontrar em algum lugar na linha do horizonte patrimonial da empresa” (BRAGA,1989).
P á g i n a | 264

Referências

ABREU, P. M . 2011. Controle de estoque farmacêutico:Um ponto de encontro entre


rentabilidade e acesso á saúde. Rio de Janeiro.Fundação Oswaldo Cruz. Disponível em:
<http://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/7739/2/37.pdf>.Acesso em: 12/04/2016.

ALVIN, M . 2016 - Saiba quais foram os remédios mais vendidos no brasil em 2015
.Disponível em: <http://oglobo.globo.com/registro?evento=colunista>. Acesso em:
14/03/2016.

ANVISA, 2012. Agência Nacional de Vigilância . Conceitos técnicos - Disponível em:


<http://www.anvisa.gov.br/medicamentos/conceito.htm>.Acesso em: 01/06/2016.

AZEVEDO, E. A ;SOUZA, J. C . A Importância da Gestão de Estoques, 2016. Disponível


<http://www.techoje.com.br/site/techoje/categoria/detalhe_artigo/1023>
Acesso em: 20/03/2016.

BRASIL, Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Relatório Final da I


Conferência Nacional de Assistência Farmacêutica. Brasília, 2004.

BRASIL, P. 2013. Qual a diferença entre um medicamento genérico e similar? Disponível


em: <http://brasilpharma.com.br/site/pt/bem-estar-brasil-pharma/qual-a-diferenca-entre-um-
medicamento-generico-e-similar/>.Acesso: 18/01/2016.

BRASIL, MS. Ministério da Saúde, 2016. Bulário Eletrônico Disponível em:


<http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=1480282
2016&pIdAnexo=3255443>.Acesso em: 12 de maio de 2016.

BRAGA, Roberto. Fundamentos e técnicas de administração financeira. ed. São Paulo: Atlas,
1989.

COLOMBO D. ;HELENA E. T. S. ;AGOSTINHO A. C. M. G, et al. Padrão de Prescrição:


Medicamentos nas Unidades de Programa saúde da Família de Blumenau. Revista
Brasileira de Ciências Farmacêutica, 2004, 40(4): 549-558.

DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais: uma abordagem logística. 4. ed. São
Paulo: Atlas, 1993.

FARINA, S. S ;LIEBER, N S.R. Atenção Farmacêutica em Farmácias e Drogarias: existe


um processo de mudança? Pharmaceutical Care in Pharmacies: is there a changing process?
Saúde Soc. São Paulo, v.18, n.1, p.7-18, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa, Editora Atlas, 3. ed., São Paulo, 1996.

GOMES, M. J. V. M. ;REIS, A. M. M. Ciências farmacêuticas – Uma abordagem em


farmácia hospitalar. São Paulo: Atheneu Ed., 2000.

GLOBO. G1 ,2016 Governo autoriza reajuste de até 12,5% no preço dos remédios, Disponível
em <http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2016/04/governo-autoriza-reajuste-
de-ate-125-no-preco-dos-remedios.html> Acesso em: 12/05/ 2016.
P á g i n a | 265

HIPOLABOR, 2015. Informa: os 7 remédios mais vendidos no Brasil. Disponível


em:<http://www.hipolabor.com.br/blog/2015/07/02/hipolabor-informa-os-7-remedios-mais-
vendidos-no-brasil/>.Acesso em: 09/06/2016.

IMSHEALTH, Brasil 2016. Disponível em <http://www.imshealth.com/pt_BR/country-


homepage-content/brazil> Acesso em: 10/02/2016.

LIRA, A. B, et al. Gestão de estoque: proposta para uma farmácia diferenciada. O


Mundo da Saúde, São Paulo -2013;37(1):97-104

LUCCHETA, R. C. ;MASTROIANNI, P. C. Avaliação do conhecimento e das condutas


dos farmacêuticos, responsáveis técnicos por drogarias-; Rev Ciênc Farm Básica Apl,
2010; 31(3):183-191.

MARIN, N. ; LUIZA, V. L. ; CASTRO, C. G. S. O. ; SANTOS, S. M. Assistência


Farmacêutica para gerentes municipais. Rio de Janeiro: OPAS/OMS, 2003.

MASSARIOLI, V. Análise do relacionamento cliente-fornecedor nas indústrias do


segmento farmacêutico. 2003. 97p. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação
em Administração de Empresas – Departamento de Economia, Contabilidade, Administração
e Secretariado – ECASE, Universidade de Taubaté, Taubaté,2003.

Medicamentos de Referência, Genéricos e Similares: Você sabe a diferença? Disponível


em: <http://www.crf-pr.org.br/site/noticia/visualizar/id/3316/Medicamentos--de-Referencia-
Genericos-e-Similares-Voce-sabe-a-diferenca> 13 de junho de 2012- Conselho Regional de
Farmácia do Estado do Paraná CRF –PR.

MORTARI, C. et al. Avaliação dos indicadores de prescrição e dispensação de medicamentos


no município de Feliz/RS ; Rev. Bras. Farm. 95 (3): 833 – 854, 2014.

NEO QUIMICA, 2016. Gerenciamento de estoque na farmácia. Disponível em:


<http://www.neoquimica.com.br/gerenciamento-estoque-farmacia.php>. Acesso em:
20/03/2016

NET, M. Bula Losartana Potássica. Disponível em


http://www.medicinanet.com.br/Acesso em 20/03/2016. Data da bula: 07/05/2015.

NET, M. Bula Dorflex. Disponível em <http://www.medicinanet.com.br/> .Acesso em


20/03/2016. Data da bula: 27/05/2014.

NET, M. Bula Diclofenaco k. Disponível em <http://www.medicinanet.com.br/> Acesso em


20/03/2016. Data da bula: 09/05/2014.

NET, M. Bula Glifage XR. Disponível em <http://www.medicinanet.com.br/> .Acesso em


20/03/2016. Data da bula: 18/07/2013.

NITAHORA, A. 2013 Com estoque abastecido, farmácias podem retardar reajustes nos
preços dos medicamentos . Criado em 04/04/13 Disponível em:
<http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2013/04/estoque-alto-podera-evitar-varejo-de-
repassar-logo-aumento-no-preco-dos>. Acesso em: 07/01/ 2016.
P á g i n a | 266
NOGUEIRA, A. Gestão de estoques para controle da demanda ,2011. O Mundo da Saúde,
São Paulo - 2013; 37(1): 97-104. Acesso em: 07/02/2016.

OLIVEIRA ,J. L. R. Logística de distribuição e controle de estoques em uma


distribuidora de medicamentos. Universidade Federal de Santa Catarina - Florianópolis –
2005;5(3).

OLIVEIRA, S. L. Tratado de metodologia Científica. Editora Abrasco, São Paulo, 2001.

RODRIGUES, G. P ;SOARES. L. As estratégias de gestão de estoque aplicadas ao


cotidiano de drogarias; Cad. Unisuam Pesqui. Ext.Rio de Janeiro, 2015;.5(4): 10-26.
SAÚDE, P. Portal Saúde, Programa Farmácia popular do Brasil .Disponível
em:<http://portalsaude.saude.gov.br/index.%20php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-
ministerio/346-sctie-raiz/daf-raiz/farmacia-popular/l1-farmacia-popular/18008-programa-
farmacia-popular-do-brasil>.Acesso em 02/01/2016. Criado: 09/06/2015.

SEBRAE, 2016 Como montar uma drogaria, Ideias e Negócios. Disponível em:
<http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ideias/Como-montar-uma-drogaria>. Acesso
em: 30/02/2016.

SELLTIZ, W. S. Pesquisa nas relações sociais, Editora Edusp, São Paulo, 1987.

SILVA, L. A ;SILVA K. O ;MASCARENHAS, G. D. M. Avaliação dos indicadores de


qualidade das prescrições de medicamentos dispensados em um centro de saúde do
município de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil; 2014;(26(4):240-245.

SILVEIRA, V. C. Planejamento e controle do estoque de medicamentos de uma farmácia


varejista. 2011. 46 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração) –
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul.

SIMPRAFARMA, 2014. Setor de farmácias cresce e amplia faturamento. Disponívelem:


<http://www.sinprafarmasp.org.br/noticia.php?nt=530>, Acesso em: 27/05/2016.

SOUZA, J. M. ;VINHOLES, E. R. ;TRAUTHMAN, S. C. ;GALATO D. Avaliação dos


indicadores de prescrição e da demanda atendida de medicamentos no Sistema Único de
Saúde de um município do Sul do Estado de Santa Catarina; Rev Ciênc Farm Básica Apl.,
2012;33(1):107-113.

TEOFÁNES A. et al, 2012 ; A importância do controle de estoques ,Disponível


em:<http://logisticaepatrimonial.blogspot.com.br/>Acesso em : 02/06/2016.

VIANA, João José, Administração de Materiais: um enfoque prático. São Paulo: Atlas,
2000.
P á g i n a | 267

A EFICIÊNCIA DA GESTÃO DE COMPRAS E ESTOQUE DE


UMA CONCESSIONÁRIA AUTOMOTIVA
Marcio Nicoletti1
John C. V. Lisboa2
Raphael da Silva Carvalho3
Ulysses C. R. Maia4

Resumo
O presente estudo trata-se de como é possível atingir a excelência em relação a gestão de estoque
(almoxarifado) e gestão de compras. Com a globalização as empresas são limitadas a não cometerem
erros em sua forma de comprar, vender, estocar, dirigir e controlar. Iniciou-se os estudos a partir dos
seguintes objetivos: analisar o processo de compras dos produtos; e Identificar como a empresa estoca
seus produtos. Foi acompanhada a rotina de uma concessionária de veículos automotivos e todo o seu
processo de compras e de recebimento; conferência; checagem de avarias; armazenamento. No decorrer
do processo descrito foi possível perceber e identificar alguns problemas que as empresas do ramo citado
enfrentam em seu dia-a-dia. Durante o estudo percebeu-se que a concessionária em questão obtinha
somente uma única fonte de recursos de matéria-prima, ou seja, um único fornecedor: O fabricante de
automóveis da “bandeira”. Toda concessionaria trabalha ostentando a bandeira de um determinado
fabricante automobilístico. Sendo assim, existe uma aliança entre ambas (concessionária e fabricante),
mediante contrato, as concessionárias devem somente obter peças genuínas que são adquiridas através do
fabricante. Então como se destacar no mercado de trabalho entre outras empresas do mesmo seguimento?
Será possível? Por isso partimos do seguinte questionamento Qual é a real importância do gerenciamento
de compras e armazenagens em uma empresa? É possível perceber e identificar pequenos detalhes que
são o caminho para a fonte do sucesso empresarial, porém, é necessário ter plena consciência que todo o
caminho a ser percorrido se requer, esforço, dedicação, profissionalismo, treinamento e conhecimento
técnico e especifico.

Palavras-chaves: COMPRAS; ALMOXARIFADO; CONCESSIONÁRIA

Abstract
This study deals with how you can achieve excellence with regard to inventory management (warehouse)

1
Graduando em Administração na Faculdade Jauense
2
Graduando em Administração na Faculdade Jauense
3
Graduando em Administração na Faculdade Jauense
4
Graduando em Administração na Faculdade Jauense
P á g i n a | 268
and purchasing management. With globalization companies are limited to not make mistakes on their
way to buy, sell, store, manage and control. He began studies from the the following objectives: to
analyze the process of purchases of products; and identify how the company stocks its products. the
routine of a dealership automotive vehicles and all their purchasing process and receipt was
accompanied; conference; check faults; storage. In the process described it was possible to see and
identify some problems cited branch companies face in their day-to-day. During the study it was noticed
that the concessionaire in question got only a single source of resources of raw material, ie, a single
supplier: The automaker's "flag". Dealers all works bearing the flag of a particular automobile
manufacturer. Thus, there is an alliance between the two (dealership and manufacturer), by contract, the
concessionaires should only get genuine parts that are purchased from the manufacturer. So how to stand
out in the labor market among other companies in the same follow-up? It will be possible? So we left the
following question What is the real importance of purchasing management and storage in a company?
You can see and identify small details that are the way to the source of business success, however, you
must be fully aware that all the way to go is required, effort, dedication, professionalism, and technical
training and specific knowledge.

Keywords: SHOPPING; WAREHOUSE; UTILITY

INTRODUÇÃO
Nos dias atuais com o mercado de trabalho globalizado, as empresas sofrem grande pressão para se
manter em funcionamento, pois um erro cometido pode comprometer a estrutura da empresa.
Para que não ocorram erros é de fundamental importância obter profissionais capacitados e com
conhecimentos específicos. No ramo das concessionárias automobilísticas necessitasse de colaboradores
com competências técnicas.
Toda concessionária trabalha ostentando a bandeira de um determinado fabricante automobilístico.
Sendo assim, existe uma aliança entre ambas (concessionária e fabricante), mediante contrato, as
concessionárias devem somente obter peças genuínas que são adquiridas através do seu único
fornecedor, ou seja, o fabricante de automóveis da bandeira.
Assim sendo, sem opções de fornecedores, paga-se os preços estipulado por sua única fonte de recursos
de matéria-prima.
Para concorrer no mercado de trabalho que esta cada dia mais disputado, o grande segredo é obter a
excelência em sua gestão de compras e estoque (almoxarifado. Saber comprar e estocar tem feito a
diferença nas redes de concessionarias do país.
A pesquisa realizada ajudará a compreender como obter esta excelência e não somente se manter vivo no
mercado de trabalho, mas como fazer a diferença, destacar-se e ser visto como referência no país por
outras empresas do ramo.
P á g i n a | 269
GESTÃO DE COMPRAS E ALMOXARIFADO
A gestão de compras é a ciência (atividade) responsável de obter com eficiência os materiais
certos, nas quantidades corretas, com entregas na data certa e com os preços mais vantajosos
para a empresa.
A função compras é um segmento essencial do Departamento de Material
Suprimentos que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou
serviços planejá-las quantitativamente e satisfá-las no momento certo com as
quantidade corretas, verificar se recebeu efetivamente o que foi comprado e
providenciar andamento. Compras é, portanto, uma operação da área de
materiais, muito importante entre as que compõem o processo de
suprimento. (DIAS, 2010, p. 271)

A gestão de almoxarifado foca na implementação e aplicação de melhores métodos de gestão no


almoxarifado que podem e vão auxiliar a empresa, permitindo a diminuição de gastos e custos
desnecessários e o melhor aproveitamento dos serviços prestados. Este setor (almoxarifado;
estoque) é o local onde se guardam os materiais, de forma organizada e sincronizada. O
almoxarifado (estoque) é geralmente na maioria das empresas responsável por boa parte dos
investimentos financeiros.
A eficiência de um sistema para estocagem de cargas e o capital necessário
dependem da escolha adequada do sistema. Não há, para isso, uma fórmula
pré - fabricada: o sistema de almoxarifado deve ser adaptado às condições
específicas da armazenagem e da organização. Ao lado de fatores diretos
intervêm problemas indiretos que podem modificar radicalmente os sistemas
e os métodos possíveis. O desenvolvimento futuro, por exemplo, é um fator
que muitas vezes toma proibitivo o uso de certos métodos atualmente
aplicados com sucesso. A peque na flexibilidade de certas máquinas, além
de impedir a expansão dos programas da produção, pode tomá-los
antieconômicos5 no caso de redução das vendas. Da escolha de um
equipamento resultam, às vezes, despesas elevadas de operação,
manutenção, reparos etc. (DIAS, 2010, p.144)

Problematização, Objetivos e Justificativa.

Para iniciarmos o desenvolvimento deste trabalho, vamos começar como seguinte


questionamento: Qual é a real importância do gerenciamento de compras e armazenagens em

5
Antieconômicos - Contrário a uma boa gestão econômica
P á g i n a | 270
uma empresa?
Esse problema será abordado através do estudo que será desenvolvido em uma empresa na
cidade de Jaú, que atua no ramo automobilístico. A partir daí podemos verificar como a empresa
realiza o processo de compra e armazenamento. Diante desta análise, podemos verificar se a
empresa esta comprando e armazenando adequadamente seus itens e de maneira vantajosa.
Através da teoria iremos verificar se a empresa esta aplicando os melhores métodos para ambos
os processos (compras e estoque).
Partiremos com os seguintes objetivos para o desenvolvimento deste trabalho:
 Identificar como a empresa estoca seus produtos e
 Analisar o processo de compras dos produtos;
O interesse pelo tema surgiu devido um dos pesquisados do grupo trabalharem em uma
determinada empresa na cidade de Jaú, no ramo automobilístico, facilitando assim obter os
dados necessários para o estudo e desenvolvimento deste tema de pesquisa, e consequentemente
poderá ajudá-lo na resolução do problema.
A coleta das informações foi realizada através da análise de documentos da empresa na parte de
compras, e uma análise do almoxarifado, ou seja, como os produtos são armazenados. Como são
inúmeros os produtos, escolhemos apenas um item para o estudo o óleo lubrificante de motores
que se dividem em dois grupos de viscosidade; 5W630 que tem o consumo médio de 390 litros
por mês e o 15W40 que tem o consumo médio de 87 litros por mês.

Processo de Compras
Quando mencionamos o fator processo de compras, vem à mente algo muito simples e fácil, porém, a
realidade é oposta ao que pensamos, existem algumas regras e táticas a serem seguidas e respeitadas para
que se haja sucesso na operação realizada.
Segundo VIANA (2012, p. 172):
Embora todos saibamos comprar, em função do cotidiano de nossas vidas, é
imprescindível a conceituação da atividade, que significa procurar e
providenciar a entrega de materiais, na qualidade especificada e no prazo
necessário, a um preço justo, para o funcionamento, a manutenção ou a
ampliação da empresa.
Comprar é uma arte, talvez das mais antigas, motivo pelo qual o padrão atual
exige que o comprador possua qualificações, demonstrando conhecimentos
dos procedimentos a serem adotados, das características dos materiais, bem
como da arte de negociar, essencial na prática das transações. (VIANA,
2012, p. 179)

O conhecimento do gestor de compras e do comprador é essencial para os resultados positivos

6
W - winter (inverno); índice de viscosidade
P á g i n a | 271
que refletirão sobre os custos, armazenagem, qualidade, prestação de serviços (...).
Para VIANA (2012, p. 179) “ser um bom negociador é ter a iniciativa e a capacidade de decisão,
bem como objetividade e idoneidade7, são as principais características do comprador, as quais
norteiam sua conduta profissional”.
O comprador deverá ter responsabilidades de seus atos acompanhada da
indispensável autoridade, condições indispensáveis para o exercício de suas
funções. O comprador sem autoridade jamais conseguirá levar a bom termo
sua atividade, pois não poderá, por exemplo, responsabilizar-se por
negociações efetuadas com fornecedores, pois o vendedor confia no acordo
firmado, o qual estará sujeito a interferências e outros fatores.(VIANA,
2012, p.179).

Segundo Dias (2010, p. 272), existem certos mandamentos de como se comprar bem e inclui a
analise de verificação de prazos, preços, qualidade, (...). É de grande importância o bom
relacionamento com seus fornecedores antevendo assim eventuais problemas que possam
prejudicar a empresa.
Dias (2010, p. 272), ainda nos afirma que é extremamente necessário fazer cotações
semestralmente com seus fornecedores, para que assim, a empresa (o gestor de compras e
diretoria) possa aprovar a compra e gozar do melhor preço oferecido.
A seleção de fornecedores é considerada igualmente ponto-chave do
processo de compras. A potencialidade do fornecedor deve ser verificada,
assim como suas instalações e seus produtos, e isso é importante. O seu
balanço deve ser cuidadosamente analisado. Com um cadastro atualizado e
completo de fornecedores e com cotações de preços feitas semestralmente,
muitos problemas serão evitados (DIAS, 2010, p. 272).

Um pedido prossegue suavemente por cada etapa (entrada do pedido,


liberação de crédito, disponibilidade de estoque, separação precisa, entrega
no prazo, faturamento correto e pagamento sem deduções) do processo de
gerenciamento do pedido, sem falhas, sejam elas de expedição,
processamento de exceção ou intervenção manual (BOWERSOX, 2001, p.
565)

Processo de Armazenamento
Segundo DIAS (2010, p. 145), os problemas e as características de um sistema de almoxarifado
estão relacionados com a natureza do material movimentado e armazenado.
A armazenagem foi estabelecida no exato momento em que o ser humano
primitivo descobriu que podia guardar para uso futuro os produtos
excedentes às suas necessidades, ou ainda para permutá-los com outros
8

7
Idoneidade - é um substantivo feminino que deriva do termo em latim idoneitate, que expressa a qualidade de idôneo, e também
significa capacidade, aptidão, habilitação e competência
8
Permuta é um tipo de contrato no qual uma das partes é obrigada a dar algo em troca de alguma coisa, que não seja moeda financeira.
P á g i n a | 272
produtos dos quais não dispunha. (Rodrigues, 2010, p.176)

Como menciona Rodrigues (2010), é possível estabelecer alguns princípios básicos na armazenagem:
• Planejamento: avaliar a área de armazenagem, verificando a existência de efetivas condições físicas e
técnicas para receber, armazenar, controlar e entregar adequadamente, de acordo com peso e dimensões
unitárias, características de manuseio e de segurança;
• Flexibilidade operacional: promover a adaptabilidade de corredores, docas, portas e equipamentos que
facilitem o recebimento de produtos com diferentes características de movimentação.
• Simplificação: desenvolver, adaptar ou implantar o arranjo físico, para obter maior produtividade
possível, sem ocasionar gargalos.
• Integração: planejar a integração simultânea do maior número de atividades possível.
• Otimização do espaço físico: armazenamento técnico e seguro, para possibilitar a fácil movimentação,
observando a resistência estrutural do piso e a capacidade volumétrica da área.
• Otimização de equipamentos e mão-de-obra: analisar, dimensionar, desenvolver, padronizar,
sistematizar e implantar um conjunto de procedimentos direcionados a racionalização dos equipamentos
de movimentação e equipes de trabalho.
• Verticalização: aproveitar os espaços verticais da melhor forma possível, sem perder a segurança e a
vista da movimentação.
• Mecanização: avaliar as reais necessidades e possibilidades em relação custo-benefício de obter
equipamentos mecanizados.
• Automação: avaliar a necessidade em relação custo-benefício de automatizar o sistema de
gerenciamento da armazenagem.
• Controle: planejar, implantar e acompanhar metodicamente um sistema com registros de recebimentos,
tempos de permanência das cargas armazenadas, entregas e controle sob o inventario.
• Segurança: dotar a área de armazenagem de sistemas que garantam a integridade física das
mercadorias armazenadas, mão-de-obra, segurança das instalações e equipamentos, mantendo as equipes
de trabalho devidamente treinadas para eventuais emergências.
• Preço: garantir a compatibilidade das tarifas de armazenagem, calculadas a partir de uma estrutura de
custo real com o praticado pelas empresas congêneres no mercado.

CONCESSIONÁRIAS
No ramo das concessionarias de automóveis enfrenta-se um mercado altamente competitivo, em relação
a preços e serviços, em que seus maiores concorrentes são as oficinas e autopeças alternativas, ou seja,
prestadores de serviços e fornecedores de peças que não possuem uma bandeira (relação de aliança) com
a marca (montadora) dos automóveis.
Considerando que as concessionarias tenham que comprar dos fornecedores autorizados pelos
fabricantes, acaba pagando mais caro pelas peças e produtos oferecidos, porém, recupera o poder de
P á g i n a | 273
competitividade por sempre trabalhar com itens genuínos e mão de obra altamente capacitada e
qualificada. É de grande importância observar as estratégias de compras, vendas e estoques destes
concorrentes que geralmente são de pequeno porte, porém são muitos que estão no ramo.
A estratégia competitiva deve nascer de um conhecimento detalhado da
estrutura da indústria e da maneira pela qual se modifica. Em qualquer
indústria, seja nacional ou internacional, a natureza da competição está
materializada em cinco forças competitivas: a ameaça de novas empresas, a
ameaça de novos produtos ou serviços, o poder de barganha dos
fornecedores, o poder de barganha dos compradores e a rivalidade entre
9

competidores existentes. (PORTER, 1986, p,176).

Francisco de La Torre, que é presidente do Sincopeças-SP (Sindicato do Comércio Varejista de Peças e


Acessórios para Veículos no Estado de São Paulo), afirma que a disputa entre essas esferas
(concessionarias, varejistas de autopeças e oficinas) é normal.
O mercado de reposição é altamente competitivo. Com a chegada de novas
marcas, a disputa tem se acirrado, principalmente em itens de alto giro para
veículos mais novos. Mas isso faz parte do mercado. Contudo, as lojas de
autopeças têm ampla capilaridade e atendem a mais modelos, dos novos aos
mais antigos e de diferentes marcas” (Revista Mercado Automotivo, 2013,
p.13 ).

ESTUDO DE CASO
Para uma melhor compreensão dos processos de compras e de armazenagem foi escolhida uma empresa
da cidade de Jaú, a qual não terá o nome divulgado, para preservar a sua integridade. A análise parte do
seguinte princípio, se a empresa esta comprando e armazenando adequadamente seus itens e de maneira
vantajosa.
Diante desta análise iremos verificar se a empresa esta aplicando os melhores métodos para ambos os
processos (compras e estoque).

A Empresa e o Óleo Lubrificante para Motores


A empresa em estudo atua no mercado de vendas de veículos novos, semi-novos, peças e serviços
desde 2007. Inaugurou sua primeira concessionária na cidade de Jaú, e posteriormente nas cidades
Ibitinga, Itápolis, Bariri e Botucatu.
Nos anos de 2014 e 2015 se destacou na Região do centro oeste Paulista e ocupa a segunda melhor
pontuação no ranking do Regional de Campinas, é considerada uma das melhores concessionárias do
país por sempre atingir suas metas e objetivos.

9
Barganhar - Ato de troca lícita ou ilícita em que apenas uma das partes é favorecida.
P á g i n a | 274
Durante os anos tem se destacado de seus concorrentes, por seu comprometimento em relação aos
clientes, fornecedores, colaboradores e comunidade que a cerca. Constantemente seus funcionários
(colaboradores) passam por treinamentos junto ao fabricante, suas peças e acessórios são somente
genuínas, possuem responsabilidade ambiental, com separação adequada de seu lixo (metal, papel,
orgânico, vidro e não recicláveis), coleta e descarte de óleo terceirizado para não agredir o ecossistema.
Assim, a cada dia que se passa vem se consolidando cada vez mais no mercado de trabalho e fazendo a
diferença não somente na região em que se encontra, mas servindo de exemplo para todas as
concessionárias da mesma bandeira no país.
A empresa possui um grande estoque com ampla variedade de produtos, um destes itens é o óleo
lubrificante de motores Sèlenia (item escolhido para a o estudo de caso) que se dividem em dois grupos
de viscosidade; 5W30 e 15W40 destinados para a motorização FIRE e ETORQ.

Processo de Compras da Empresa


A empresa tem como uma de suas metas comprarem um valor 180.000,00 reais de peças e acessórios
diretamente da fábrica (montadora). Através do cumprimento de suas metas e obrigações à
concessionária passa ser bonificada pelo o fabricante. Levando em consideração de que a concessionaria
só tem um único fornecedor é de extrema importância saber o que se deve comprar.
Constantemente os compradores e vendedores são submetidos a treinamentos específicos, pois não há
cotação de preços, sendo assim, a compra tem que ser acertiva, desta forma é dada preferência a
aquisição de peças e produtos de alta rotatividade como por exemplos: óleo para motor, filtro de óleo,
filtro de combustível, filtro de ar, pneus, jogos de vela, entre outros (...).
A empresa usa como sistema um software próprio que é interligado com a montadora, as reparações e as
atualizações deste sistema são realizados pelo departamento de T.I da empresa. Com o sistema
alimentado corretamente é possível saber o que se vende e o que se compra mais, sendo assim, é possível
se fazer médias de consumo e calcular quantos veículos são reparados por determinados períodos.
Com análise deste sistema é possível saber a média de venda e compra de qualquer produto. Para
realizarmos o nosso estudo escolhemos acompanhar o óleo lubrificante de motores que se dividem em
dois grupos de viscosidade; 5W30 que tem o consumo médio de 390 litros por mês; 15W40 que tem o
consumo médio de 87 litros por mês.

Processo de Armazenagem do Óleo Lubrificante de Motores


No ato do recebimento das peças e acessórios adquiridos, é feito uma conferência minuciosa de item por
item, os recebedores (que são os mesmo que trabalham no almoxarifado), analisam cada detalhe, caso
haja alguma avaria em um dos produtos é realizado uma notificação via web para os fornecedores do
fabricante e em seguida é feita a devolução da mesma.
Logo após todos os itens serem analisados é dada a entrada das notas no sistema interno da empresa, em
P á g i n a | 275
seguida, cada item é dirigido para sua locação. No caso nosso produto é locado em dois lugares diferente
(ambos os locais respeitam normas de segurança por ser um produto inflamável), os frascos de 1 litro (da
viscosidade 5w30 e 15w40 ambas Sèlenia10) são alocados em uma prateleira em um ponto estratégico do
almoxarifado, que fica entre os vendedores que negociam direto com os clientes e o assistente de vendas
(o estoquista) que atende os produtivos da linha (os mecânicos), sendo assim, ambos os profissionais tem
acesso rápido ao produto.
O segundo local de armazenagem (onde fica os tambores de 200 litros) fica mais próximo do auxiliar de
vendas (o estoquista), pois, conforme a necessidade diária, o estoquista gradua as quantidades de óleo
5w30 em pequenos recipientes conforme a especificação dada pelo fabricante, ou seja, porções de 3
litros para veículos de motores 1.0 e 1.4 FIRE e 4,5 litros para veículos de motores 1.6 e 1.8 ETORQ
(ambas as motorizações usam o óleo 5w30).
Esta armazenagem respeitam normas técnicas como:
• O acesso ao setor de estocagem somente deverá ser permitido a pessoas autorizadas pela chefia;
• Os locais proibidos ao fumo deverão possuir letreiros informativos, posicionados em local de fácil
visualização;
• As instalações da unidade armazenadora deverão ser dotadas de porta com trancas e cadeados, e se
tratando de áreas descobertas e galpões, de sistema de vigilância;
• As instalações que possuírem áreas de ventilação deverão ser protegidas com telas metálicas de malha
fina, para impedir a entrada de roedores, aves e outros animais;
• Os corredores, escadas, bem como saídas de emergência deverão possuir sinalização de advertência de
fácil visualização e leitura;
• Equipamentos de proteção individual, calçados de segurança, capacetes, luvas, etc. devem ser
empregados quando houver possibilidade de acidente;
• As instalações e os equipamentos elétricos deverão ter inspeção e manutenção periódicas;
• A limpeza e arrumação são aspectos importantes na prevenção contra o fogo, pois o lixo e os detritos de
combustível são causas frequentes de incêndio;
• Os equipamentos de proteção contra incêndio deverão estar dentro do prazo de validade e serem
inspecionados periodicamente para teste de sua eficiência;
• Os colaboradores deverão ser treinados quanto ao manuseio dos extintores e outros equipamentos
correlatos;
• Os equipamentos de segurança, as áreas de perigo e as instalações de proteção contra incêndio deverão
obedecer ao CÓDIGO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO, estabelecido pelo
Decreto-Lei nº 247 de 21-07-75, regulamentado pelo Decreto nº 897 de 21-09-76

A Importância da Gestão de Compras e Armazenagem

10
Sèlenia – Marca de óleo da Petronas
P á g i n a | 276
A gestão de compras da empresa analisada é dotada de grande responsabilidade, pois, não é
somente adquirir 180.000,00 reais de peças e acessórios é preciso saber comprar.
Há um grande cuidado na aquisição de peças, afinal, não existe lucro em peças obsoletas ou em
itens que tenham baixo giro comercial, o gestor de compras e vendas é responsável em realizar os
pedidos, seu conhecimento não se limita a ser apenas técnico, precisa ser tático.
A maior importância da quantia do numerário a ser investido é destinada a compra de peças de
carrocerias, ou seja, para-lamas, para-choques, faróis, capôs, para-brisas, entre outros (...). Os itens
citados são peças de grande rotatividade e são destinadas ao setor de funilaria e pintura da empresa e de
terceiros, ou seja, tudo que é comprado tem venda garantida.
A armazenagem é realizada de forma concisa e estratégica, há um grande cuidado com todo
material que seja tóxico e inflamável, sendo assim, estes itens são armazenados conforme prevê os
códigos de seguranças e NRs estabelecidas em lei. Toda chaparia é armazenada em local seco e sem
umidade para que não haja oxidação levando assim a perda da mesma.
Cada locação existente tem sua finalidade e sua característica adequada para o produto locado,
ou seja, cada item ocupa seu lugar de forma tática e estratégica com isso as perdas e danos são totalmente
minimizados gerando garantia e lucros ao setor de almoxarifado.

CONCLUSÃO
No decorrer do estudo realizado notou-se que a empresa estudada trabalha com pouco fornecedor devido
seu vinculo com a montadora de automóveis, que a submete a adquirir peças genuínas e que a montadora
é a única fornecedora, o óleo lubrificante de motores a ser comprado é exclusividade da marca Sèlenia.
Através do acesso do sistema informatizado da empresa foi possível saber que o consumo de óleo do
ultimo semestre foi de 390 litros da viscosidade 5W30 por mês; 87 litros o 15W40 por mês.
Ao analisarmos estes dados sabemos que a média de carros que fazem sua troca de óleo é de 110 (cento e
dez) veículos por mês. A empresa se utiliza de um sistema gerenciador que é informatizado e integrado
com o fabricante, desta forma, toda e qual baixa de um produto requisitado é de conhecimento do
fornecedor, sendo assim, logo que qualquer item do estoque da empresa se encontra com baixa
quantidade um aviso é gerado pelo sistema alertando a necessidade de compra.
Após a empresa realizar a compra que necessita, o fabricante despacha o pedido requisitado, em seguida,
o pedido é recebido na concessionária pelo o estoquista, que por sua vez faz uma análise minuciosa em
cada item no momento do recebimento, caso encontre alguma avaria, o mesmo reporta o ocorrido
alimentando o sistema com os dados obtidos.
Com a conferência realizada cada item é destinado a sua locação, no caso do item de estudo observamos
que há duas locações por motivos estratégicos (ambos os locais respeitam normas de segurança por ser
um produto inflamável), os frascos de 1 litro são alocados em uma prateleira que fica entre os
vendedores que negociam direto com os clientes e o assistente de vendas (o estoquista) que atende os
P á g i n a | 277
produtivos da linha (os mecânicos), sendo assim, ambos os profissionais tem acesso rápido ao produto.
O segundo local de armazenagem (onde ficam os tambores de 200 litros) fica mais próximo do auxiliar
de vendas (o estoquista), pois, conforme a necessidade diária, o estoquista gradua as quantidades de óleo
5w30 em pequenos recipientes, ou seja, porções de 3 litros para veículos de motores 1.0 e 1.4 FIRE e 4,5
litros para veículos de motores 1.6 e 1.8 ETORQ (ambas as motorizações usam o óleo 5w30).
Sendo assim, a empresa garante a eficiência em suas compras, pois, constantemente seu sistema de
informação é abastecido com dados precisos e é auxiliado pelo fabricante.
Seu almoxarifado (estoque) atende as normas de seguranças previstas em lei e seus itens são locados de
forma estratégica para garantir um fácil acesso e rapidez por parte dos requisitantes.
Conclui-se que a assertividade e o sucesso do gerenciamento de compras e do gerenciamento de estoque
são devido ao sistema integrado na concessionária e dos profissionais que constantemente são treinados
para comprar, gerir, vender, estocar, conferir e alimentar o sistema de forma correta.

REFERÊNCIAS

BOWERSOX, Donald J., CLOSSS, David J. Logística Empresarial. São Paulo: Atlas, 2001.

PORTER, M.E. A Vantagem Competitiva. Ed. Campus: Rio de Janeiro, 1986.

RODRIGUES, P. R. A. Administração de matérias, uma abordagem logística. 5 ed. São Paulo: Atlas:
2010

RODRIGUES, P. R. A. Gestão estratégica da armazenagem. 2 ed. São Paulo: Aduaneiras: 2010

VIANA, J. J. Administração de materiais, um enfoque prático. São Paulo: Atlas: 2012

DISPONÍVEL EM <HTTP://WWW.AEDB.BR/SEGET/ARQUIVOS/ARTIGOS12/56416696.PDF>
Acesso em: 22 out 2016

DISPONIVEL EM <HTTP://WWW.REVISTAMERCADOAUTOMOTIVO.COM.BR/REVISTA-
MERCADO-AUTOMOTIVO.PHP?E=23> Acesso em: 22 out 2016
P á g i n a | 278

Gestão de Recursos Humanos na Era da Sociedade da Informação

Papa Sufre Fernando Quadé


Neiva Maria Sagioro
Ubiraci Augusto Crivelari
11

Resumo
O presente artigo analisaa relação existente entre a área dos recursos humanos com a era da
sociedade da tecnologia da informação, demonstrando a necessidade de mudanças nas
organizações, visando aprimorar e qualificar cada vez mais os recursos humanos e tecnológicos
num ambiente totalmente diferente dos tempos passados. Hoje se considera as vantagens
qualitativas que as organizações podem alcançar a partir dessa mudança, buscando resultados
positivos através de uma preparação mais relevante. O ambiente atual nos coloca a uma
vantagem recíproca entre as organizações, sociedade, tecnologia e conhecimento, a partir de
uma fusão das mesmas. O objetivo dessa pesquisa visa analisar as relações impostas ao uso da
tecnologia da informação na atual sociedade globalizada.Diante desse enfoque, busca-se
responder o seguinte questionamento: “Qual a vantagem e a desvantagem que as tecnologias da
informação trouxeram para o mercado de trabalho atual relacionado ao fator humano? ”. O
presente trabalho é desenvolvido através da metodologia de pesquisa qualitativa, com técnica de
analise bibliográfica, em relação ao objetivo dessa investigação. Dessa maneira, partimos das
leituras relacionadas ao tema de Recursos Humanos a leituras relacionadas ao tema de
Tecnologia da Informação, buscando um paralelo que relacione um tema ao outro, na busca de
contribuições significativas. A essa análise foram articulados alguns referenciais teóricos sobre
o tema de Recursos Humanos e Tecnologia da Informação. Em vista dos argumentos
apresentados, acreditamos que a tecnologia nos coloca numa necessidade do desenvolvimento
do capital humano, visando à capacitação e a promoção de uma nova mentalidade

11
Neiva Maria Sagioro(neivasagioro@gmail.com): Professora Mestre em Ensino de Ciências e
Matemática, Especialista em Educação Matemática, Licenciada em Matemática e Bacharel em Administração de
Empresas. Lecionando nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Superior.
Papa Sufre Fernando Quadé(papasufre1989@gmail.com):Graduando em Administração, Técnico em
Construção Civilpelo Centro de Instrução Formação Artesanal e Profissional de Bissau/Guiné-Bissau, Estagiário
Administrativo, Centro Paula Souza/ETEC Agrícola de Jaú.
Ubiraci Augusto Crivelari(crivelariaugusto@gmail.com ): Professor Especialista em Geourbanismo e
Licenciatura Plena em Geografia, História e Sociologia. Psicanalista Clínico. Lecionando no Ensino Médio e
Superior.
P á g i n a | 279
organizacional numa sociedade globalizada e contemporânea.
Palavras-chave: Recursos Humanos. Tecnologia da Informação. Sociedade
Globalizada/Sociedade do Alto Conhecimento.
Abstract
This article analyzes the relationship between the area of human resources with the era of the
society of information technology, demonstrating the need for change in organizations, aiming
to improve and qualify increasingly human and technological resources in a very different
environment from times past. Today considered the qualitative benefits that organizations can
achieve from this change, seeking positive results through more relevant preparation. The
current environment puts us on a mutual benefit between organizations, society, technology and
knowledge from a merger of the same. The objective of this research is to analyze the relations
imposed on the use of information technology in today’s global society. Given this approach,
we seek to answer the following question: “What are the advantage and the handicap that
information technologies have brought to the current labor market related to the human factor?”.
This work developed through qualitative research methodology, literature analysis technique,
for the purpose of this investigation. Thereby, we began by set the readings related to the theme
of the Human Resources readings related to the theme of Information Technology, seeking a
parallel that relates a theme to another in search of significant contributions. By this analysis we
were articulated some theoretical references on the topic of Human Resources and Information
Technology. In view of the arguments presented, we believe that technology puts us in a need
for the development of human capital, aimed at training and the promotion of a few
organizational mindsets in a globalized and contemporary society.
Keywords: Human Resources. Information Society. Globalized Society/Society of High
Knowledge.

Introdução
O presente artigo apresenta uma ponte relacionada à área dos recursos humanos com a era da
sociedade da tecnologia da informação, demonstrando a necessidade de mudanças nas
organizações,visando aprimorar e qualificar cada vez mais os recursos humanos e tecnológicos
num ambiente totalmente diferente aos tempos passados.
Com o declínio da era industrial que trouxe muitas transformações em várias áreas do
P á g i n a | 280
conhecimento humano, o advento a era das tecnologias da informação começou a unir os
continentes e as culturas,despertando o interesse na construção do conhecimento que a nova
ferramenta agrega. Nisso, ficou claro que as organizações também precisam se moldar de uma
forma a poderem caminhar junto com as mudanças que o mundo já vem enfrentando.
No passado, as áreas ligadas a recursos humanos tinham como preocupação a maximização do
lucro tendo em conta a própria situação de concorrência quantitativa que as organizações
precisavam superar, e àsvezes, limitando apenas nos controles das entradas dos funcionários na
hora marcada, assentando a preocupação na grande quantidade da produção e cumprimento do
horário da saída.
Por outro lado, hoje se considera as vantagens qualitativas que as organizações podem alcançar
a partir da mudança do passado, buscando resultados positivos através de uma preparação mais
relevante. O ambiente atual nos coloca a uma vantagem recíproca entre as organizações,
sociedade, tecnologia e conhecimento,a partir de uma fusão das mesmas. Assim, a tecnologia
ontem idealizada como um luxo passa a ser uma necessidadeindispensável a todos os setores.
O objetivo dessa pesquisa visa analisar as relações impostas ao uso da tecnologia da informação
na atual sociedade globalizada.
Diante desse enfoque, busca-se responder o seguinte questionamento: “Qual a vantagem e a
desvantagem que as tecnologias da informação trouxeram para o mercado de trabalho atual
relacionado ao fator humano? ”.
Considerando que as tecnologias são recursos inovadores no dia a dia das pessoas, fazendo parte
do processo de trabalho a qual estamos sujeitos, esta pesquisa faz um paralelo da evolução de
questões relacionadas a gestão de pessoas com o surgimento dos recursos tecnológicos
existentes.
A seguir apresentamos o desenvolvimento do trabalho, com a metodologia estabelecida para
contemplar esta pesquisa, e as considerações auferidasdurante o processo de pesquisa.

Desenvolvimento
O presente trabalho é desenvolvimento através da metodologia de pesquisa qualitativa, com
técnica de analise bibliográfica, em relação ao objetivo dessa investigação. A essa análise foram
articulados alguns referenciais teóricos sobre o tema de Recursos Humanos e Tecnologia da
Informação.
Flick (2004) expõe que a pesquisa qualitativa trabalha especialmente com textos, sendo um
processo que pode ser representado como uma trajetória – que parte da teoria em direção ao
P á g i n a | 281
texto, e do texto de volta para a teoria. Assim, através da intersecção dessas duas trajetórias e
possível estabelecer um plano de pesquisa especifico, em que o pesquisador contextualiza os
dados para que o processo de pesquisa produza conhecimentos.
Dessa forma, esse trabalho pode ser considerado de natureza qualitativa, visando a importância
da compreensão e entendimentos dos textos estudados e analisados nesse processo.
A técnica de pesquisa utilizada nesse trabalho compreende a pesquisa bibliográfica, que
segundo Marconi e Lakatos (1992), abrange toda bibliografia já publicada, e sua finalidade é
fazer com que o pesquisador entre em contato direto com todo material escrito de um
determinado assunto, auxiliando-o na análise de suas pesquisas.
Dessa maneira, partimos das leituras relacionadas ao tema de Recursos Humanos a leituras
relacionadas ao tema de Tecnologia da Informação, buscando um paralelo que relacione um
tema ao outro, na busca de contribuições significativas.
Descrever um breve histórico da Gestão de Recursos Humanos nos remete a abordagem
relacionada à Inglaterra, na época em que pedreiros, carpinteiros, trabalhadores de curtumes e
outros artesãos se organizavam, formando associações. Usavam essa união para melhorar as
condições de trabalho.
Segundo Ivancevich (2009), a área evoluiu ainda mais com o evento da Revolução Industrial no
final do século XVIII, a qual estabeleceu as bases para a nova e complexa sociedade industrial.
Em suma, a Revolução Industrial deu início à substituição do trabalho manual, que consumia
mais tempo, pelos maquinários e energia a vapor. As condições de trabalho, os padrões sociais,
e a divisão de mão-de-obra, também sofreram modificações significativas. Um novo tipo de
funcionário – o chefe, que não necessariamente era proprietário da empresa, tornou-se
negociador poderoso no sistema fabril inovador. Com essas mudanças, também aumentou a
distância entre trabalhadores e proprietários.
Já Chiavenato, expressa:
“As organizações são verdadeiros seres vivos. Quando elas são bem-sucedidas, tendem
a crescer ou, no mínimo, a sobreviver. O crescimento acarreta maior complexidade dos
recursos necessários às suas operações, com o aumento de capital, incremento de
tecnologia, atividades de apoio etc. E, de lambuja, provoca o aumento do número de
pessoas, bem como a necessidade de intensificar a aplicação de seus conhecimentos,
habilidades e destrezas indispensáveis à manutenção e competitividade do negócio.
Tudo isso para se assegurar que os recursos materiais, financeiros e tecnológicos sejam
utilizados com eficiência e eficácia. E as pessoas passam a significar o diferencial
competitivo que mantém e promove o sucesso organizacional: elas passam a construir a
competência básica da organização, a sua principal vantagem competitiva em um
P á g i n a | 282
mundo globalizado, instável, mutável e fortemente concorrencial”. (CHIAVENATO,
2008, p. 4).
Considerando a reflexão dos dois autores, refletimos sobre as ideias de Ivancevich (2009),
expressando que não há uma só ideia, e/ou, melhor forma de gerencias as pessoas, mas existem
práticas de uma maneira geral e não um sistema perfeito. Desta forma, a empresa precisa
compreender que a gestão de recursos humanos é crucial nos resultados finais da empresa para
fazer parte do planejamento estratégico desde o início.
Outro autor ainda considera:
“O trabalho corresponde ao artificialismo da existência humana. Ele produz um mundo
de coisas completamente diferentes de qualquer ambiente natural. E é exercido por
diversos fluxos. Com o trabalho o homem pratica a troca em todos os sentidos para
cumprir sua permanência na Terra. A condição humana do trabalho é a mundanidade.
Uma das qualidades dessa condição humana é criação, e o registro, em código próprio,
da informação e de sua representação. Com a apropriação e elaboração gera-se o
conhecimento. A ação é a única atividade da condição humana que só pode ser
praticada com outros homens. Corresponde à condição humana da pluralidade. A ação
é a condição de toda a vida política do homem na Terra. Nela o homem exerce sua
qualidade de inteligência para introduzir seu conhecimento no espaço em que convive,
com a intenção de modificar para melhor esse espaço, com a finalidade de estabelecer
um acréscimo ao bem-estar de seus habitantes”. (BARRETO, 2002, p. 67).
Essas considerações fundamentam que o recurso humano é o fator mais importante dentro das
organizações, embora tenhamos as ferramentas tecnológicas que trazem um benefício
incomensurável na eficiência e eficácia do trabalho. Com isso, o fator humano deve ser
valorizado juntamente com a implantação dos recursos tecnológicos.
A Ciência da Informação tem um histórico que se desenvolveu em tempos distintos, que foram e
são fundamentais para as atuais mudanças.
Barreto (2002, p. 71) expressa que:
“Voltado ao desenvolvimento da ciência da informação como uma instituição
mediadora da relação informação e conhecimento, vê-se tempos distintos, se quiser
analisar sua história: - Tempo da gerência de informação que vai de 1945 a 1980; -
Tempo da relação informação e conhecimento no período de 1980 a 1995; - Tempo do
conhecimento interativo de 1995 até os dias atuais”.
É importante ressaltar, que as mudanças ainda acontecem, já que vivemos em progresso
constante de inovações tecnológicas na busca da construção do conhecimento.
Para Silva (2002), com o comparecimento do século XXI, o mundo passou a ser caracterizada
por uma sociedade globalizada e com a urgência de uma sociedade que vivencia ser chamar de
P á g i n a | 283
sociedade do conhecimento. Esse cenário traz muitas informações para todos os setores.Assim,
a importância dada a informação é incontestável, pois a tecnologia é um processo facilitador na
comunicação. Hoje em dia, é possível armazenar, recuperar, professar, e até comunicar
informações sem interferência e sem a preocupação com o volume, tempo e distância.
Segundo Silva (2002, p. 77), “O mundo globalizado da sociedade do conhecimento trouxe
mudanças significativas ao mundo do trabalho”.
Era da Industrialização Neoclássica compreende as décadas de 1950 a 1990,tendo seu início
logo após a Segunda Guerra Mundial, quando o mundo começou a mudar mais rápido e
intensamente.
Os fluxos de informação e conhecimento começam a ser processados incessantemente e
progressivamente, visando o conhecimento.
Segundo Barreto (2002, p. 70) “A ciência da informação passou a ser uma instituição de
reflexão da informação, como um campo, que estuda a ação mediadora entre informação e
conhecimento acontecido no indivíduo. Nesse sentido, a ciência da informa- ção difere da
biblioteconomia, pelo valor colocado no foco com que cada área “reflete” a importância relativa
dos fluxos de informação, que são internos e os voltados para o exterior em um sistema de
armazenamento e recuperação da informação”.
Milkovich e Bourdreau (2000, p. 501), relatam que nas décadas de 80 e 90 os indivíduos e as
empresas enfrentaram uma definitiva e crescente competição globalizada que resultaram em
pressões econômicas. Deste modo, a área de RH não é isentada dessas transformações. E a
resposta para essa crescente transformação é o modelo de envolvimento que por sua vez é
baseado no envolvimento dos empregados de uma forma crescente, enriquecendo suas funções,
trabalho em equipe, relação de confiança, objetivos recíprocos. E apoia-se tudo isso por
cuidadoso processo de seleção, emprego inalterável, comprometimento com a oferta de
oportunidade de desenvolvimento, salários que incentivam, comunicação mais complexa e
benefícios flexíveis.
Miranda (2004, p. 113), expressa:
“Para administrar, era preciso informações. Informações sobre cada trabalhador, suas
tarefas, seus horários, sua produtividade, sobre o produto e suas características etc. Mas
essa informação ainda não era fator de produção. Com a produção mecanizada, a
produtividade em níveis mais altos e o custo em níveis mais baixos, o mercado passou
de vendedor a comprador*. Com a concorrência em alta e um consumidor mais
exigente e específico, fatores antes inexistentes começaram a influenciar na produção:
a qualidade do produto e os desejos e preferências do consumidor. A economia de
P á g i n a | 284
serviço começava a ser mais importante que a economia do produto”.
Para o autor, a informação passa a ser um dos fatores da produção, fazendo com que a sociedade
da informação se torna mais real. Nesse enfoque, a informação e o conhecimento passaram a ser
visíveis e a sua importância passou a ser reconhecida. Assim, o trabalho passa a ser intrínseco a
quem o realiza.
Chiavenato (2008, p. 42) relata que “Na Era da Informação, lidar com as pessoas deixou de ser
um problema e passou a ser a solução para as organizações. Deixou de ser um desafio e passou a
ser a vantagem competitiva para as organizações bem-sucedidas”.
Para Vergara (2013), a tecnologia dá uma oportunidade convencional para a organização, no
sentido virtual e presencial de trabalho. Hoje em dia, é possível trabalhar conectado, através de
vários locais de forma síncrona e assíncrona.
A comunicação síncrona oferece os recursos de chat ou videoconferência em tempo real, sem
requisitar que os envolvidos estejam no mesmo espaço físico para que ocorra a comunicação.
A comunicação assíncrona oferece outros serviços, em que o envolvido no processo realiza sua
atividade em seu tempo disponível.
Dessa forma, a informação deve ser correta, na hora certa e para a pessoa certa. Neste sentido,
Silva (2009), relata à necessidade de incumbir através de uma eleição à pessoa que irá
responsabilizar do sistema de RH. Assim, essa função deve diferenciar das demais, tendo em
conta o nível de confiança e da continuidade da credibilidade para com os demais superiores da
organização. Os processos de cópia de segurança (backups) das informações são importantes
para a manutenção da realização das tarefas.
Neste paralelo, Silva (2002, p. 77) expressa que “O mundo globalizado da sociedade do
conhecimento trouxe mudanças significativas ao mundo do trabalho”. Nessa perspectiva, o autor
relata que o conhecimento, a criatividade e a disposição para capacitação permanente,devem ser
valorizados, pois as tecnologias da informação e da comunicação estão modificando as situações
de trabalho, e as maquinas podem executar tarefas relacionadas aos seres humanos.
A tecnologia impacta profundamente o ambiente de negócios, estando presente nas formas de
organização do trabalho, nos fluxos de tarefas e na exigência de novas habilidades
diferenciadas. Entretanto, a tecnologia pode estar presente dispensando a presença do
trabalhador para a execução da tarefa, conforme pode ser observado em inúmeros casos de
automação e de informatização.
Hoje em dia, a contratação de pessoas está mais exigente no quesito conhecimento e
qualificação. Segundo Andrade (2010), a fase embrionária da introdução de pessoas na
P á g i n a | 285
organização é a seleção. A adequação da pessoa ao cargo e a sua satisfação ao cargo são duas
situações diferentes. As fundamentações de dados, informações e especificações do cargo a ser
preenchido devem fazer parte do critério da seleção.
Segundo Silva (2009, p. 167):
Os sistemas de recrutamento e de seleção de talentos na era digital, seguramente,
abriram novas perspectivas aos profissionais de RH. Não somente pelos acréscimos
tecnológicos, mas também pelas mudanças ocorridas no ambiente corporativo e no
mercado.
Assim, a era da informação causou impacto nos cargos, na forma de condução dos negócios e na
necessidade de mais trabalhadores de conhecimento, conforme expressa Ivancevich (2009).
Para Silva (2002) a era do conhecimento demanda mentes questionadoras e imaginativas, que
devem ser cultivadas através de uma educação adequada e com conteúdos pertinentes, adequado
a realidade atual, que exige profissionais qualificados. O autor ainda relata:
“... O conhecimento está sempre incorporado por uma pessoa, é transportado por uma
pessoa, é criado, ampliado ou aperfeiçoado por uma pessoa, é aplicado, ensinado e
transmitido por uma pessoa e é usado, bem ou mal, por uma pessoa. Para ele, a
sociedade do conhecimento coloca a pessoa no centro, e isso levanta desafios e
questões a respeito de como preparar a pessoa para atuar neste novo contexto”. (DA
SILVA, 2002, p. 78).
Com isso, a atual conjuntura mundial nos convida a uma de mudança de estilo da alta
administração, estilo este que até nos coloca a uma imperiosa valorização da necessidade de
levarmos em conta uma nova visão na condução dos destinos das organizações. Através dessa
necessidade chegamos a uma visão muito mais clara no que se refere a questão da era da
sociedade da informação com a necessidade de afirmar uma posição muito mais estável. A
estabilidade pode ser alcançada através de um tríplice - organização, tecnologia da informação e
fator humano – dentro de uma sociedade. As organizações que no século XXI souberam
consolidar esse tríplice alcançaram seus objetivos num mundo globalizado onde a vantagem
competitiva tende a crescer cada vez mais.
Deste modo, o século XXI é permeado pelas novas mudanças que relaciona o fator humano com
o fator da tecnologia da informação e comunicação. Se no passado a procura do conhecimento
não era vista como uma solução para a satisfação profissional, hoje é o principal elemento para
o sucesso.
Conclusão
É imprescindível trabalhar de forma eficiente, mas isso implica saber consolidar a atual
conjuntura global. É importante salientar que as utilizações dos conteúdos tratados aqui
P á g i n a | 286
representam um esforço para transformar e aumentar a produtividade e, consequentemente,
aumentar os lucros desejados nas organizações.
Somos levados a acreditar que, no sentido mais amplo, este estudo favorece um procedimento
capaz de definir e reparar ações de natureza produtiva nas organizações; sejam elas privadas ou
públicas. Não obstante, o uso da tecnologia da informação nos coloca juntamente com
organizações numa clara necessidade do conhecimento para estar à altura de dar respostas às
demandas do mercado globalizado. Demandas essas que nos coloca numa velocidade muito
rápida. Porém, existem problemas na consolidação da organização, tecnologia da informação e
fator humano, gerando escasso desenvolvimento em termos qualitativos e eficientes.
Entende-se que a atual conjuntura da globalização requer posturas mais humanas e não somente
voltadas à maximização do capital financeiro. Nisso, com o surgimento da era da sociedade da
informação, é preciso pensar em outro tipo de gestor, ou seja, um gestor esse que saiba lidar
com a tecnologia, mas baseado no comprometimento através de um enfoque participativo,
subvertendo as condições desumanas, muita das vezes impostas no passado, quando se fala da
maneira de comandar uma entidade.
Em vista dos argumentos apresentados, acreditamos que a tecnologia nos coloca numa
necessidade do desenvolvimento do capital humano, visando à capacitação e a promoção de
uma nova mentalidade organizacional numa sociedade globalizada e contemporânea.

Referências Bibliográficas
ANDRADE, Denise de Fátima – Recursos Humanos: gerenciando pessoas – 2ª ed. Santa
Cruz do Rio Pardo, SP: Viena, 2010.
BARRETO, Aldo de Albuquerque. A condição da informação. São Paulo em Perspectiva, v.
16, n. 3, p. 67-74, 2002.
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas. Elsevier Brasil, 2008.
DA COSTA, Tatiana Ribeiro. E-Rh: O impacto da tecnologia para a gestão competitiva de
recursos humanos. 2002.
DA SILVA, Edna Lúcia; DA CUNHA, Miriam Vieira. A formação profissional no século
XXI: desafios e dilemas. Ci. Inf, v. 31, n. 3, p. 77-82, 2002.
DRUCKER, Peter Ferdinand – Administrando para o futuro: os anos 90 e a virada do século
– Nivaldo Montingelli Jr. – São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.
FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. São Paulo: Artmed, 2004.
IVANCEVICH, John M. Gestão de recursos humanos. AMGH Editora, 2009.
P á g i n a | 287
JAMBEIRO, OTHON. Gestão e tratamento da informação na sociedade tecnológica. São Paulo
em perspectiva, v. 12, n. 4, p. 3-10, 1998.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico.
São Paulo: Editora Atlas, 1992.
MILKOVICH, George T.; BOUDREAU, John W. – Administração deRecursos Humanos –
Reynaldo C. Marcondes. - São Paulo: Atlas, 2000.
MIRANDA, Silvânia Vieira. Identificando competências informacionais. Ciência da
informação, v. 33, n. 2, p. 112-122, 2004.
SILVA, Roberto Ferreira Lima – e-RH em um ambiente global e multifuncional – Brasília:
Senac - DF, 2009.
VERGARA, Sylvia Constant – Gestão de Pessoas – 13ª ed. São Paulo: Editora Atlas S.A.,
2013.