Você está na página 1de 5

Futuro da Índia: o país mais populoso e sem água potável

José Eustáquio Diniz Alves


Doutor em demografia, link do CV Lattes:
http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

A população indiana era de 376 milhões de habitantes em 1950, representando 14,8% da


população mundial de 2,5 bilhões de habitantes, perdendo apenas para a população chinesa
que era de 554 milhões de habitantes. No ano 2000, a China chegou a 1,29 bilhão de habitantes,
e a Índia chegou a 1,1 bilhão, representando 17,2% da população mundial de 6,1 bilhões de
habitantes. Na segunda metade do século XX, a população da Índia cresceu em ritmo superior
ao ritmo de crescimento da população da China e da média mundial.

Atualmente, a Índia está perto de se tornar o país mais populoso do mundo. Segundo as
projeções médias da Divisão de População da ONU, a Índia deve ultrapassar a China em 2027,
quando a primeira deve estar com 1,47 bilhão e a segunda com 1,46 bilhão de habitantes. A
população da Índia representará 17,6% da população mundial de 8,3 bilhões de habitantes em
2027. No restante do século a população indiana continuará acima da população chinesa, mas
deve crescer menos do que a média mundial. O pico da população indiana ocorrerá no ano de
2059, com 1,65 bilhão de habitantes. Em 2100, a China terá uma população de 1,06 bilhão e a
Índia 1,45 bilhão de habitantes, representando 13,3% da população global de 10,9 bilhões de
habitantes.

Portanto, a Índia será o país mais populoso do mundo a partir de 2027 e, mesmo apresentando
um decrescimento a partir de 2059, se manterá no topo da lista dos países com maior volume
demográfico, devendo manter um montante populacional mais do que o dobro da população
da América Latina e Caribe (ALC), na segunda metade do século XXI.
A economia da Índia é também uma das que mais crescem no mundo. Em 1980, o PIB indiano
(em poder de paridade de compra) representava apenas 2,9% do PIB global. Mas em 2019 já
representava 8,1% do PIB global. Apesar de ser um país de renda média baixa, a Índia tem
conseguido reduzir a pobreza e a mortalidade infantil e tem aumentado a renda per capita e a
esperança de vida.

Contudo, o crescimento demoeconômico tem ocorrido às custas do empobrecimento do meio


ambiente. A Índia tem as cidades mais poluídas do mundo e os agricultores indianos sofrem com
a degradação ecológica. A crise ambiental pode comprometer o futuro do país.

Um dos problemas mais sérios é a falta d’água e o estresse hídrico. Artigo de Saikat Datta, no
site Asia Times (02/07/2019), mostra que a Índia está caminhando para um “apocalipse da água”
e vislumbra um futuro sombrio. O autor mostra que a combinação de mudanças climáticas, más
políticas e falta de governança está levando a Índia a uma crise catastrófica da água que ameaça
a estabilidade no sul da Ásia.

Estudos recentes documentam que as geleiras que alimentam os rios do subcontinente indiano
recuam rapidamente, enquanto o rápido esgotamento das águas subterrâneas representa um
desafio existencial para a agricultura. As monções do sudoeste continuam sendo a maior fonte
de água na região. As monções levam a uma combinação de fontes de água que sustentam a
economia, incluindo geleiras, irrigação de superfície e água subterrânea. Mas a redundância e o
excedente tem desaparecido deste sistema, outrora abundante. Em seu lugar, há escassez
galopante.

Estudos científicos indicam que se a temperatura global subir 2,7º C, metade das geleiras do
Himalaia desaparecerá. E se a atual taxa de aquecimento global continuar e as temperaturas
subirem 6 graus centígrados, dois terços das geleiras derreterão. Isso tem implicações
dramáticas para a Índia, China, Paquistão, Nepal e Bangladesh.

O artigo também mostra que se o derretimento das geleiras é uma má notícia, a perspectiva é
pior quando se trata de águas subterrâneas que é a maior fonte de água no Sul da Ásia. No
entanto, a maioria dos governos se recusa a aceitar isso como uma realidade. Como resultado,
há uma sucessão de políticas ruins que pioraram as coisas. Estudos indicam que 21 grandes
cidades indianas ficarão sem água nos próximos anos.

De fato, o estresse hídrico já está presente na realidade indiana. A Índia testemunhou inúmeras
secas e dificuldades socioeconômicas nas últimas décadas, mas agora são agravadas pelas
mudanças climáticas.

Matéria de Vinayak Bhat, no site The Print (06/07/2019) mostra que diversas cidades são vítimas
da escassez de água, especialmente água potável. Os exemplos abaixo são realmente
alarmantes:

Chennai, a capital de Tamil Nadu, a sexta maior cidade da Índia, vive momentos dramáticos.
Imagens de satélite do mesmo dia com um ano de intervalo - 15 de junho de 2018 e 2019 - são
a prova do problema. O nível da água no lago Puzhal, um reservatório alimentado pela chuva
que contribui para o fornecimento de água potável à cidade, apresenta um forte contraste entre
dois momentos no tempo.
A cidade de Bhopal, no centro da Índia, situada no cinturão de ondas de calor, tem seus níveis
de água se esgotando extraordinariamente rápido, agravado devido ao gerenciamento
inadequado da água. O lago Bhojtal, conhecido como Upper Lake, é uma das principais fontes
de água da cidade. O lago está espalhado por 2.400 hectares e pode armazenar mais de 360
bilhões de litros de água a uma profundidade média aproximada de 15m. Mas as imagens de
satélite tiradas em maio de 2017 e junho de 2019 mostram a diferença alarmante nos níveis de
água do lago que, agora, mal cobre 700 hectares.
A cidade de Latur, que fica na região de Marathwada, em Maharashtra, está uma das regiões
mais secas da Índia. As imagens do lago Kava (que é alimentado pela chuva), de junho de 2018
e 2019, , mostram o quão ruim a situação ficou com a crise hídrica. O lago, com 80 hectares,
secou completamente, e a única opção para os cidadãos é a água fornecida pelos trens.

O maior lago de Bengaluru, Bellandur, faz parte do sistema de drenagem da cidade. Imagens de
satélite a partir de 2001 indicam como a invasão reduziu o tamanho do lago Bellandur. Ele
costumava cobrir mais de 1.000 hectares, mas agora está reduzido para cerca de 40 hectares.
Os climatologistas preveem um cenário mais dramático no futuro. No verão de 2019, a Índia foi
atingida por uma onda de calor e as temperaturas ultrapassaram 50º C no norte do país. Pelo
menos 100 pessoas morreram devido às temperaturas excessivas. Neste ritmo, várias partes do
país podem ficar inabitáveis e sem água, pois está cada vez mais difícil conciliar o crescimento
demoeconômico com a preservação do meio ambiente.

A Índia já teve uma das civilizações mais importantes da história. O país tenta voltar a ser
protagonista no cenário internacional e tenta dar um salto no desenvolvimento, melhorando a
qualidade de vida para os seus habitantes. Mas a crise hídrica e a degradação ambiental podem
inviabilizar o sonho de uma Índia prospera e sem pobreza.

Referências:

Saikat Datta. India staring at a water apocalypse, Asia Times, 02/07/2019


https://www.asiatimes.com/2019/07/article/india-staring-at-a-water-apocalypse/
Vinayak Bhat. It’s not just Chennai, India’s drying lakes crisis has spread far and wide, The Print,
06/07/2019
https://theprint.in/india/its-not-just-chennai-indias-drying-lakes-crisis-has-spread-far-and-
wide/259494/