Você está na página 1de 8

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALBUFEIRA

Biologia e Geologia – TESTE DE AVALIAÇÃO


DATA: 03 /02 /2006 PROFESSOR: _______________________________________

NOME: _____________________________________________________________________ ANO: _____TURMA: _____Nº ______


OBSERVAÇÕES: CLASSIFICAÇÃO
Não satisfaz
Quase satisfaz
Satisfaz
Satisfaz Muito
Satisfaz Plenamente

1. Na figura seguinte é possível observar um esquema que representa o fluxo de calor no


interior da Terra, razão pela qual é considerada um planeta geologicamentre activo.

Fig.1

1.1. Como se explica que a transferência de calor (fluxo geotérmico) se efectue do


interior para o exterior do planeta?

1.2. Define grau geotérmico.

1.3. Indica um fenómeno geológico que comprove que a Terra é um planeta


geologicamente activo.

1
1.4. O valor da densidade das rochas da crusta terrestre varia entre 2,7 e 2,9, enquanto o
valor da densidade média da Terra é de 5,52.
Como é que estes dados podem ajudar a compreender o interior da geosfera?

II
1. Para os geólogos e geofísicos o vulcanismo longe de ser um incidente secundário é,
pelo contrário, um fenómeno dos mais importantes que ocorrem na crosta terrestre.
O vulcão Popocatepetl, localizado do a 60 quilómetros da Cidade do México,
projectou de novo, ontem de manhã, cinzas e vapor de água a uma altura de dois
quilómetros acima da cratera. Segunda-feira o vulcão emitiu fumos a oito quilómetros
de altura e depois projectou matérias incandescentes. “ A montanha que fuma” voltou ao
activo depois de um período de calma. Em Dezembro teve várias erupções, que
provocaram a evacuação de milhares de pessoas daquela zona.

Fig.2
1.1. Classifica a erupção vulcânica a que a figura 2 e o texto se referem.

1.2. Caracteriza a lava expelida na erupção (fig.2) quanto à composição e viscosidade.

2
1.3. Contextualiza, tectonicamente, o vulcão Popocatepetl.(fig.3)

Fig.3

2. Faz corresponder as letras da chave aos números das características vulcânicas.

A - formas vulcânicas explosivas


CHAVE: B - formas vulcânicas efusivas
C - vulcanismo residual

2.1.

1. Nuvens ardentes muito densas e opacas constituídas por matérias sólidas e voláteis.

2. Lavas muito viscosas as quais podem solidificar na chaminé, originando agulhas.

3. Repuxos intermitentes de água subterrânea.

4. Inexistência de lava e emissão de produtos gasosos essencialmente constituídos por


dióxido de carbono e vapor de água.

5. Lavas muito fluidas, de fácil escoamento, originando cones vulcânicos largos e


baixos.

6. Lavas que, depois de solidificadas, apresentam a superfície encordoada.

3
2.2. O que é um géiser?

3. Um dos aspectos mais característicos da morfologia vulcânica é a existência


de caldeiras. A figura 4 representa um esboço topográfico da ilha de S.
Miguel, em que se evidencia a existência de três centros vulcânicos
principais, hoje representados pela Caldeira das Sete Cidades, pela Caldeira
de Água de Pau e pelo sistema oriental (Caldeira das Furnas e da Povoação).

Fig.4

3.1. Como explicas que algumas caldeiras assinaladas apresentem lagoas com
perímetro de vários quilómetros quando, na verdade, tais dimensões não se
verificam nas crateras dos aparelhos vulcânicos que as originaram?

3.2. Na ilha de S.Miguel, embora não se conheçam, actualmente, manifestações de


vulcanismo activo, tal não significa que os fenómenos vulcânicos não deixem
de fazer-se sentir ali, ainda hoje. Explica a formação de águas juvenis.

4
III

1. Lê atentamente o texto.

Na madrugada de ontem, por volta das 5 da manhã, o leito do Canal, situado a 15 km


da Ribeirinha, tremeu, semeando a destruição nas ilhas do Triângulo Açoriano.
De um momento para o outro as casas estavam todas a cair, a igreja da freguesia de
Pedro Miguel estava parcialmente destruída e vários automóveis estavam soterrados.
Em Cedros e Flamengos, freguesias do Faial, as estradas foram obstruídas e as
pontes caíram. Muitos habitantes do Faial ficaram sem luz, sem telefone, sem água e
privados de um tecto.
Os poucos segundos que durou o abalo fizeram 8 mortos e aproximadamente 100
feridos.
De acordo com Costa Nunes, perito em sismologia do Instituto de Meteorologia, a
situação é “infelizmente normal” naquela zona dos Açores. Entre as ilhas do Pico e do
Faial são frequentes as libertações de energia acumulada ao nível da crosta, resultantes
da compressão das placas.
Ao longo do dia a terra persistiu em tremer, criando o medo de voltar à cama em toda
a população…
Jornal de Notícias, 10.07.1998

1.1. Classifica o sismo descrito no texto quanto à origem.

1.2. A intensidade sísmica pode ser avaliada pela escala de Mercalli modificada.
1.2.1. Retira do texto informações que permitam identificar a intensidade deste
sismo segundo a mesma escala.

1.3. O sismograma da figura 5 A pretende representar o sismo açoriano registado


numa estação sismográfica.

Fig.5

5
1.3.1. Avalia o sismo na escala de Richter utilizando o método gráfico (figura 5 B)

1.3.2. Define magnitude de um sismo.

1.4. Indica a designação atribuída ao “tremer de terra” que sucedeu ao grande abalo.

1.5. Devido à localização do epicentro do sismo, a população da ilha poder-se-ia ter


confrontado com um fenómeno ainda mais devastador.
1.5.1. Identifica esse fenómeno, justificando.

2. O sismo de 9 de Julho de 1998, que atingiu o arquipélago dos Açores está


representado na figura 6 por uma carta.

Fig.6
2.1. Como se designam as linhas que delimitam zonas de igual intensidade sísmica?

2.2. Em que ilha se registou maior intensidade?

2.3. Explica por que razão as curvas representadas na ilha do Pico não serem arcos
de circunferência.

6
3. A figura 7 representa três sismogramas relativos ao mesmo sismo.

Fig.7
3.1. Sabendo que as ondas P e S se originam no foco ao mesmo tempo, como
explicas que cheguem às estações consideradas em tempos diferentes?

3.2. Qual das estações se encontra a maior distância do epicentro? Justifica a


resposta.

3.3. Baseando-te nos dados do gráfico da figura 8, calcula a distância epicentral da


estação sismográfica A.

7
Fig.8

Cotações: (200 pontos)

I III
1.1. 8 1.1. 10
1.2. 8 1.2.1. 8
1.3. 8 1.3.1. 8
1.4. 4 1.3.2. 8
II 1.4. 8
1.1. 10 1.5.1. 10
1.2. 10 2.1. 10
1.3. 8 2.2. 10
2.1. 12 2.3. 10
2.2. 4 3.1. 10
3.1. 8 2.2. 10
3.2. 8 3.3. 10