Você está na página 1de 2

Notas de “Sobre o Sacrifício” (Cosac Naify, 2005)

“Quando o parentesco entre homens e dos animais deixou de ser inteligível aos semitas o
sacrifício humano substituiu o sacrifício animal, pois se tornou o único modo de
estabelecer uma troca de sangue direta entre o clã e o deus” (p. 10)
- Depreende-se do trecho acima que os casos do boi de mamão e do boi do campo
representam um modo de retroação, de uma vinculação ritual entre homens e animais, no
fim das contas, pelo rito e seus procedimentos, aparentados, pois idênticos, o que, por
fim, permite o sacrifício animal?

- Podemos dizer que a profanação corriqueira do boi (corredor) se dá não tanto pela
alimentação, senão através do trabalho (tração) e produção (estrume)? À alimentação,
nesse caso, parece se dirigir justamente o sagrado (festivo, eventual).

1. Definição e Unidade do Sistema Sacrificial


- Consagração irradiante/centrífuga (além do sacrificado, o sacrificante é alterado).
- Benefícios (diretos ou indiretos) ao sacrificante são “repercussões necessárias do rito”
(n. 1 p. 113).
- “Objeto do sacrifício” é pelo que, a favor do que, em direção à que se realiza o rito. (No
boi de mamão é o bebê [ou seria a esposa?]).
- Assistir ao sacrifício pode ser uma função sacrificante. Assim, a transitividade indireta
do verbo é alçada à direta: quem assiste ao sacrifício, assiste o sacrifício. (Como pensar
isso no evento ritual/performático do boi de mamão? Como é que o público se relaciona?
Há culpa por conivência?)
- Sacrifício é toda oblação em que a oferenda ou parte dela são destruídos (p.18). “É um
ato religioso que mediante a consagração de uma vítima modifica o estado da pessoa
moral que efetua ou de certos objetos pelos quais ela se interessa” (p.19)
- Vários exemplos da identidade que é conferida às oferendas (grãos, leite-vaca, bolos).
Qual a relação entre destruição/morte e identidade?
- Boi de mamão = sacrifício objetivo (o bebê ainda nascido); Boi no campo = sacrifício
pessoal (ao farrista e ao boi que aqui é persona)

2. O Esquema do Sacrifício
- Rito amorfo: “não está orientado num sentido determinado, podendo servir a fins os
mais diversos” [sobre o sacrifício animal védico] (p. 25).
- Os autores reforçam constantemente o estatuo religioso do rito sacrificial. Devemos
adotar sua noção e enxergar religião em outros contextos ou contrariar essa necessidade
contextual particular?
- Levando em conta o princípio de entrada (aparentemente ausentes em nossos casos)
seriam todos os sacrifícios do boi, ritos mal cumpridos?
- Purificações e expiações do sacrificante
- Acúmulo de consagrações com consequente força religiosa deve se comunicar, além de
com o domínio religioso, com o profano das pessoas sacrificantes. Enfim, através do
intermédio da vítima/objeto estabelece-se uma continuidade entre sacrificante e objetivo
divino. As forças impressas à situação se confundem gerando ainda mais continuidade.
- Seria uma falta no sacrifício dos folguedos a não destruição completa do boi? Se isso
acontecesse não haveria renascimento.

3. Como o Esquema Varia Segundo as Funções Gerais do Sacrifício


-