Você está na página 1de 14

1

CONTEÚDOS ESTRUTURANTES:
 MITO E FILOSOFIA
 ÉTICA
 ESTÉTICA
 FILOSOFIA POLÍTICA

Professora: Márcia Cristina Almeida de Oliveira


EJA-Educação de Jovens e Adultos (Ensino Médio)
Aluno (a): ________________________________
Escola:___________________________________
2

O QUE É A FILOSOFIA?
A pergunta já foi feita por várias gerações nas mais diversas sociedades. Afinal, o que significa a
palavra filosofia? A palavra filosofia deriva das palavras gregas Philo (amor) e Sophia (sabedoria),
tratar-se esta do gosto pelo conhecer.
PORÉM, O QUE É REALMENTE A FILOSOFIA?
• É o questionamento da realidade, procurando as causas e os princípios das coisas: é a procura do
saber.
• É o ato de pensar livre e racionalmente, no qual se reflete sobre toda a realidade.
• Surge da necessidade do Homem explicar o mundo e o sentido da sua existência, pelo que não se
satisfaz com respostas imediatas e superficiais, procurando sempre, sem cessar, melhorar todo o seu
saber.
Assim, a Filosofia surge como uma reflexão crítica sobre o conhecimento e sobre o mundo. É um
“conjunto de respostas” aos problemas que se colocam, pelo que nenhuma resposta é definitiva ou
totalmente correta. Você mesmo pode construir o seu próprio significado de filosofia, desde que
seja construído com base em conceitos bem solidificados e com sentido e não meras bases
desequilibradas.
MOTIVOS INCRÍVEIS PARA ESTUDAR FILOSOFIA!
1. APRENDER A ARGUMENTAR
Argumentar não é vencer alguém, forçá-lo a aceitar a nossa verdade. Seja na escola, na política, no
trabalho ou numa simples conversa, saber argumentar é, primeiramente, saber compreender o raciocínio
do outro. Argumentar é também conseguir o que desejamos, mas de uma forma construtiva e num sistema
de conversa, onde devemos sempre ouvir o que o outro tem para dizer. O principal objetivo da
argumentação é passar a nossa verdade para a verdade do outro.
2. SER ABERTO A NOVAS IDEIAS
Estima-se, atualmente, que a população humana seja superior a 6,8 bilhões de pessoas. Embora os nossos
cérebros funcionem todos da mesma maneira, cada indivíduo pensa de uma forma completamente
diferente. A filosofia estimula a investigação, não desprezando a realidade, mas nos tornando capazes de
ir além dos conceitos e dos preconceitos presentes na sociedade, para que possamos ser abertos a novas
ideias ou novas formas de pensamento.
3. DESENVOLVER A CAPACIDADE CRÍTICA
Quando se estuda filosofia, independentemente do tema ou assunto, as suas capacidades críticas de
raciocínio vão sendo treinadas sem que você sequer dê por isso. Ao analisar cada vez mais questões
filosóficas ou enigmas lógicos, o nosso cérebro vai progressivamente aumentando a sua capacidade
crítica. Ou seja, ao longo de algum tempo cada indivíduo será bem capaz de encontrar verdades e
respostas mais eficazes aos problemas ao invés de se contentar apenas com uma simples solução.
4. A FILOSOFIA DESENVOLVE O RACIOCÍNIO LÓGICO
Com a ajuda da Filosofia aprendemos a argumentar de forma a podermos expressar e justificar as nossas
opiniões, bem como provocar a livre adesão dos nossos interlocutores. Através do desenvolvimento de
um raciocínio lógico é possível a organização coerente dos pensamentos e a avaliar a validade dos
argumentos que nos são apresentados, contribuindo assim paradesenvolver a autonomia do espírito
3

crítico.Vivemos em sociedade, precisamos nos comunicar, expor as nossas ideias e defender os nossos
pontos de vista. Se o fizermos com rigor e clareza, tudo se torna mais fácil e conseguimos fazer com que
as nossas ideias sejam melhor compreendidas e aceitas pelos outros.
Agora que você já tem uma ideia breve do que seja, para que estudar filosofia e em como precisamos
desenvolver uma forma de pensar criticamente é hora de praticar.
1 Analise a tirinha abaixo e responda:

1- A imagem e o texto estão coerentes ou algo lhe parece estranho?


2- O que você entende por desigualdades sociais?
3- O que a política tem a ver com as desigualdades sociais?

O MITO

A definição dada pelos dicionários, grosso modo, é a de que "mito quer dizer história ou conjunto de
histórias que fazem parte da cultura de um povo e tentam explicar fenômenos incompreendidos ou sem
resposta comprovada, como a criação do mundo, o sentido da vida humana e morte" (História ilustrada
da Grécia antiga, p.58). O mito, isto é, o pensamento mítico busca por meio de uma crença alcançar uma
verdade; procura encontrar o sentido da vida; tenta dar explicações que perpetuamente inquietam o ser
humano.
O mito expressa o mundo e a realidade humana, além de ser sempre uma representação coletiva, ou seja,
ele se refere à história de um grupo, de um povo, nunca de um único indivíduo. E os mitos são
transmitidos de geração em geração, como uma espécie de herança que deve ser levada e passada adiante.
Justamente por tentar explicar o mundo e a complexidade da realidade, o mito não tem como ser lógico
ou racional. Aos olhos dos leigos - e também dos menos sensíveis - os mitos parecem algo sem sentido.
De fato, sua narrativa é ilógica e irracional, mas assim deve ser, pois ele está aberto a todas as
interpretações possíveis. O mito deve, antes de tudo, ser decifrado (Op. cit., p. 71).

O PENSAMENTO FILOSÓFICO

"Não se pode ensinar filosofia, o que se pode é ensinar a pensar filosoficamente". Estas palavras de
Immanuel Kant, de certo modo, revelam-nos o que a filosofia é. Delas podemos extrair que a filosofia não
é coisa que se aprende, embora fosse Kant professor de filosofia. Mas ela, a filosofia, não se aprende na
práxis de que alguém pode ensinar a alguém uma filosofia, tal qual o professor ensina ao aluno em suas
aulas a fazer cálculos ou uma fórmula qualquer. Ora isso pode ser um contrassenso, já que os grandes
filósofos tiveram professores e alunos. Verdade. Mas estes não se propuseram a ensinar, mecanicamente,
nenhuma filosofia a alguém. Os grandes filósofos debatiam, argumentavam, criticavam, questionavam,
duvidavam, ou seja, exercitavam o ato de pensar, mas pensar radicalmente, até ao âmago das coisas.
Enfim, nesse sentido, professor e aluno eram verdadeiros agentes do pensar filosófico, e com isso faziam
filosofia, pensavam filosoficamente. Como se percebe, o pensar filosófico é crítico e radical, exige
sistematicidade e compromisso com o todo, e neste está o homem inserido.

LÓGICA

A lógica é um dos campos da filosofia, e pode ser considerada uma disciplina introdutória para qualquer
estudo filosófico. Isso acontece porque a lógica lida com raciocínios e argumentos, e raciocínios e
argumentos fazem parte de qualquer reflexão filosófica, seja ela no campo da teoria do conhecimento, da
ética, da filosofia política ou da estética. Com a Lógica estudamos as relações entre as proposições.
4

Estudamos o argumento, examinando se ele é válido ou inválido. Essa é a tarefa da lógica. Não estamos
discutindo as ideias de Sócrates e sua condição de homem.
Tradicionalmente a lógica foi considerada um portal de acesso ao estudo da filosofia e das ciências.Faz
sentido. Discutir e argumentar faz parte do debate sobre qualquer questão. No caso das ciências, conhecer
um pouco de lógica pode ser muito valioso. As ciências foram construídas usando procedimentos lógicos
e o método científico pode ser visto como lógica aplicada.
Falácia é uma palavra de origem grega utilizada pelos escolásticos para indicar o “silogismo sofistico” de
Aristóteles.
Atualmente, falácia é entendida como qualquer erro de raciocínio, seguido de uma argumentação
inconsistente. Considerando que um raciocínio pode falhar de inúmeras maneiras, as falácias foram
classificadas em formais (tentativa de um raciocínio dedutivo válido, sem o ser) e informais (outro erro
qualquer). Os vários tipos de falácia foram ainda nomeados.
Os tipos de falácia mais conhecidos são os seguintes
Falácia do homem espantalho – definir um termo para favorecimento próprio, utilizando posições
defendidas por um opositor. Falácia muito utilizada por políticos.
Falácia das várias perguntas – muito utilizada pelos advogados em ocasiões oficiais, ao fazer uma
pergunta que na verdade é múltipla, ou seja, uma pergunta que vale por duas ou mais perguntas, a qual
não caberia como resposta um sim ou um não. Um exemplo clássico desse tipo de pergunta: “Já parou de
bater em seu filho?” – que na verdade se desdobra: “Alguma vez já bateu em seu filho?” e “bate hoje em
dia?”
Falácia da inversão dos quantificadores – Um exemplo desse tipo de falácia seria a seguinte afirmação:
“Todas as pessoas tem uma mãe, então, há alguém que é mãe de todas as pessoas”.
Falácia do apostador – Crer na regularidade de um sistema de jogo (uma roleta, por exemplo) não
viciado.
Outros tipos de falácias são as seguintes: da ignorância, da “bola de neve”, "depois disso, logo, por causa
disso", (em latim post hoc ergo propter hoc), entre outras.

ÉTICA E MORAL

Isso é certo ou errado? Bom ou ruim? Devo ou não devo? Provavelmente você já deve ter feito alguma
dessas perguntas na hora de tomar uma decisão ou fazer uma escolha. Essas perguntas permeiam a
reflexão sobre dois termos: ética e moral.
É muito comum esses termos serem confundidos como se significassem a mesma coisa. Embora estejam
relacionados entre si, moral e ética são conceitos distintos.
A palavra “ética” vem do grego ethos. Em sua etimologia, ethos significa literalmente morada,
habitat, refúgio. O lugar onde as pessoas habitam. Mas para os filósofos, a palavra se refere a “caráter”,
“índole”, “natureza”.
Sócrates coloca o autoconhecimento como a melhor forma de viver com sabedoria. E seguindo a máxima
de Aristóteles em “Ética a Nicômaco” e em seu pensamento moral de forma geral, “somos o resultado de
nossas escolhas”. Aristóteles acreditava que a ética caracteriza-se pela finalidade e pelo objetivo a ser
atingido, isto é, que se possa viver bem, ter uma vida boa, com e para os outros, com instituições justas.
Já Platão entende que a justiça é a principal virtude a ser seguida.
Neste sentido, a ética é um tipo de postura e se refere a um modo de ser, à natureza da ação humana, ou
seja, como lidar diante das situações da vida e ao modo como convivemos e estabelecemos relações uns
com os outros. É uma postura pessoal que pressupõe uma liberdade de escolha.
O que estamos fazendo uns com os outros? Quais são as nossas responsabilidades pessoais diante do
outro? Uma postura ou conduta ética pode ser a realização de um tipo de comportamento mediado por
princípios e valores morais.
A palavra “moral” deriva do latim mores, que significa “costume”. Aquilo que se consolidou ou se
cristalizou como sendo verdadeiro do ponto de vista da ação. A moral é fruto do padrão cultural vigente e
incorpora as regras eleitas como necessárias ao convívio entre os membros dessa sociedade. Regras estas
determinadas pela própria sociedade.
Na época medieval, por exemplo, a moral era muito atrelada a crenças religiosas. A sociedade buscava na
religião um meio para orientar o homem a agir de acordo com valores éticos. Após a Idade Moderna, o
Estado passou a estimular regras e valores éticos, por meio de leis e o reconhecimento dos deveres de um
sujeito em responder pelas consequências de seus atos.
E o que seria um comportamento moral ou imoral? Assim como a reflexão ética, uma conduta moral
também é uma escolha a ser feita. As normas ou códigos morais são cumpridos a partir da convicção
íntima da pessoa que se comporta. Uma pessoa moral age de acordo com os costumes e valores de uma
5

determinada sociedade. Ou seja, quem segue as regras é uma pessoa moral; quem as desobedece, uma
pessoa imoral.
Uma pessoa moral ou imoral não é necessariamente aquela que segue as leis ou regras jurídicas.
Comportamentos como furar fila no banco, jogar lixo no chão, colar na prova, falar mal de um colega na
frente do outro ou não dar espaço para os mais velhos no metrô não são considerados ilegais, mas podem
ser atos imorais.
A ética, por sua vez, é a parte da filosofia que estuda a moral, isto é, que reflete e questiona sobre as
regras morais. A reflexão ética pode inclusive contestar as regras morais vigentes, entendendo-as, por
exemplo, como ultrapassadas ou simplesmente erradas do ponto de vista pessoal.
Os filósofos antigos (gregos e romanos) consideravam a vida ética transcorrendo como um embate
contínuo entre nossos apetites e desejos – as paixões – e nossa razão. Eles estabeleceram três aspectos
principais para a ética: o racionalismo (a vida virtuosa é agir em conformidade com a razão, que conhece
o bem, o deseja e guia nossa vontade até ele); o naturalismo (a vida virtuosa é agir em conformidade
com a Natureza - o cosmos - e com nossa natureza – ethos -, que é uma arte do todo natural); e a
inseparabilidade entre ética e política, ou seja, entre a conduta do indivíduo e os valores da sociedade.
Um exemplo. Como lidar com uma pessoa que roubou um remédio para salvar uma vida? Seu
comportamento é imoral, ela quebrou a regra de uma sociedade. Mas será que seria justificado
eticamente?
A moral é constituída pelos valores previamente estabelecidos e comportamentos socialmente
aceitos e passíveis de serem questionados pela ética, em busca de uma condição mais justa. É
possível uma ação moral ou imoral sem qualquer reflexão ética, assim como é possível uma reflexão ética
acompanhada de uma ação imoral ou amoral.
Basicamente, quando se trata de moral, o que é certo e errado depende do lugar onde se está.A ética é o
questionamento da moral, ela trata de princípios e não de mandamentos. Supõe que o homem deva ser
justo. Porém, como ser justo? Ou como agir de forma a garantir o bem de todos? Não há resposta
predefinida. Mas há sempre uma resposta a ser pensada.
Ninguém nasce com ética ou com moral. São construções culturais e simbólicas. As pessoas podem
aprender ética na família, na escola, na rua, no trabalho. Esses conceitos são adquiridos ao longo da
experiência humana, seja pela cultura, pelas regras jurídicas, pela educação ou por reflexões pessoais.
Quando uma empresa diz que possui um “código de ética”, na verdade o que se está presente no texto são
códigos ou regras de moral que buscam criar uma cultura ética. A moral é convenção e a ética, reflexão.
6

O aprendizado da ética seria o aprendizado da convivência. Aprender a conviver juntos é um dos maiores
desafios no século 21. A ética pode ser uma bússola para orientar o pensamento e responder a seguinte

pergunta: qual sociedade eu ajudo a formar com a minha ação?


RESPONDA:
1.. Para Aristóteles, ser ético significa viver conforme a razão. O que ele quer dizer com isso? De acordo
com o pensamento aristotélico, os comportamentos adotados pelo homem deveriam ser racionais, na
medida que contivessem finalidades práticas, intelectuais para que assim, tivéssemos princípios que
guiariam todo o campo de nossa conduta moral.

2.. Baseando-se nos pressupostos do pensamento filosófico, na Ética e Moral, comente a tirinha abaixo:

ESTÉTICA

CULTURA, ARTE E ALIENAÇÃO


7

Cultura significa todo aquele complexo que inclui o conhecimento, a arte, as crenças, a lei, a moral, os
costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos pelo ser humano não somente em família, como
também por fazer parte de uma sociedade da qual é membro.
Cada país tem a sua própria cultura, que é influenciada por vários fatores. A cultura brasileira é marcada
pela boa disposição e alegria, e isso se reflete também na música, no caso do samba, que também faz
parte da cultura brasileira. No caso da cultura portuguesa, o fado é o patrimônio musical mais famoso,
que reflete uma característica do povo português: o saudosismo.
Cultura na língua latina, entre os romanos, tinha o sentido de agricultura, que se referia ao cultivo da
terra para a produção, e ainda hoje é conservado desta forma quando é referida a cultura da soja, a
cultura do arroz etc.
Cultura também é definida em ciências sociais como um conjunto de ideias, comportamentos, símbolos
e práticas sociais, aprendidos de geração em geração através da vida em sociedade. Seria a herança
social da humanidade ou ainda, de forma específica, uma determinada variante da herança social. Já em
biologia a cultura é uma criação especial de organismos para fins determinados. A principal característica
da cultura é o mecanismo adaptativo, que consiste na capacidade que os indivíduos têm de responder ao
meio de acordo com mudança de hábitos, mais até que possivelmente uma evolução biológica. A cultura
é também um mecanismo cumulativo porque as modificações trazidas por uma geração passam à
geração seguinte, onde vai se transformando, perdendo e incorporando outros aspetos procurando assim
melhorar a vivência das novas gerações.
A cultura é um conceito que está sempre em desenvolvimento, pois com o passar do tempo ela é
influenciada por novas maneiras de pensar inerentes ao desenvolvimento do ser humano.
A cultura popular é algo criado por um determinado povo, sendo que esse povo tem parte ativa nessa
criação.Pode ser representada pela literatura, música, arte, dança e etc. A cultura popular é influenciada
pelas crenças do povo em questão e é formada graças ao contato entre indivíduos de certas regiões.
CULTURA NA FILOSOFIA
De acordo com a filosofia, a cultura é o conjunto de manifestações humanas que contrastam com a
natureza ou o comportamento natural.É uma atitude de interpretação pessoal e coerente da realidade,
destinada as posições suscetíveis de valor íntimo, argumentação e aperfeiçoamento.Além dessa condição
pessoal, cultura envolve sempre uma exigência global e uma justificação satisfatória.Podemos dizer que
há cultura quando essa interpretação pessoal e global se liga a um esforço de informação, no sentido de
aprofundar a posição adotada de modo a poder intervir em debates. Essa dimensão pessoal da cultura,
como síntese ou atitude interior, é indispensável.
ARTE E ALIENAÇÃO
A arte por si só não promove mudanças na sociedade, ela pode contribuir para a conscientização das
massas através dos artistas engajados politicamente, porém isto depende das condições objetivas e
subjetivas onde ocorre a luta de classes. Isto explica por que em determinadas épocas temos uma maior
produção cultural e um maior engajamento por partes dos artistas, e em outros momentos um maior
empobrecimento intelectual e alienação dos artistas.
A arte e os bens culturais estão no capitalismo submetidos aos interesses do mercado, dessa forma não
passam de negócios, como qualquer outro produto. O nosso carnaval e o nosso futebol são vitrines para
vender mercadorias. O carnaval feito pela população já não existe mais com raras exceções, as escolas de
sambas se tornaram uma grande indústria do entretenimento que movimenta milhões de reais, a
população de baixa renda antes personagens principais, foi varrida dos destaques destas escolas de samba,
hoje são apenas números. Enquanto os empresários bancam suas musas para se tornarem celebridades e
com isto receber convites para capas de revistas masculinas ou ascender através de espaços na mídia,
contratos etc. Atrizes, modelos, atletas, turista, empresários, colunistas sociais e outros, são estes os
personagens principais de nosso carnaval, até o carnaval da Bahia se elitizou “Quem não paga o abadá
não pode ficar próximo ao trio elétrico”, quem não tem padrinho não se torna madrinha das baterias das
escolas de samba do Rio e de São Paulo.
Vivemos a época da morte da razão crítica tão propalada pelo iluminismo ainda no nascedouro do
capitalismo, asfixiadas pelas relações de produção capitalista, a indústria cultural ou indústria da diversão,
promove a deturpação das consciências levando os sujeitos à adaptação ao sistema social dominante.
8

O nosso carnaval como parte


da indústria do lazer e
divertimento investe em
determinados produtos
culturais que agradam as
massas de forma imediata,
ela não está preocupada com
uma educação estética, ou
seja, com a criação de
condições culturais para a
maioria das pessoas receberem uma qualidade melhor de produtos culturais, este tipo de entretenimento
apenas aliena as massas.
Este tipo de manifestação não leva ao enriquecimento pessoal, não leva ao questionamento e a reflexão da
realidade onde vivemos.
Esta indústria do simples divertimento, da distração é da perpetuação das condições atuais de existência.
Este tipo de indústria que leva difusão de suas mercadorias culturais (Filmes, músicas, shows, revistas,
novelas, futebol...) vende os valores dominantes do capitalismo, promovendo alienação dos consumidores
desses produtos.
A arte, como diz o filósofo comunista Georg Lukács, é um fenômeno social, ela reflete a sociedade e suas
contradições no caso do capitalismo o conflito capital x trabalho. O artista por ser um ser social não está
imune ao conflito que ocorre na sociedade burguesa nem está acima deles como querem nos fazer
acreditar certos artistas. O artista como um ser social deve refletir através de sua obra de arte a maneira de
sentir o mundo em que vive, as alegrias, as angústias, os problemas e as esperanças de seu momento
histórico.
Apesar do embotamento da sensibilidade e do sufocamento da arte, pela indústria cultural, a arte
conseguirá assim mesmo sobreviver e surgirão sempre artistas que através de suas obras de artes refletirão
as alegrias, tristezas, angústias e esperanças de nossos trabalhadores e estes artistas vão se colocar em
combate à alienação e à ideologia burguesa. (José Renato André Rodrigues-Professor de Filosofia)

EXERCÍCIOS:
1. Qual a diferença de arte para Indústria Cultural?
2. De exemplos de músicas que podem ser entendidas como produtos da Indústria
Cultural.
3.O que Indústria Cultural tem a ver com “alienação”?
A FILOSOFIA: "FILHA DA CIDADE"

Quando a Filosofia surge na Grécia Antiga e se consolida na cidade de Atenas que naquela época
havia se tornado um centro intelectual e cultural, a Filosofia vai adquirir uma característica bastante
peculiar. Filósofos como Sócrates, Platão, Aristóteles e os Sofistas vão concentrar boa parte de suas
reflexões em torno das discussões antropológicas, quer dizer, em torno do próprio homem, do ponto de
vista individual, normativo, social, político e existencial.
Por sua ênfase nas discussões antropológicas e em torno da realidade política ateniense o
historiador da Filosofia, Jean-Pierre Vernant, chegou a declarar que a Filosofia é "filha da cidade", ou
seja, havia uma preocupação por parte de tais pensadores em discutir o papel social e coletivo dos
indivíduos e esta preocupação era tão forte que Aristóteles chegou a definir o homem como um
"zoonpolitikon", um "animal político".
A ágora (praça pública) era o lugar privilegiado onde o debate em torno dos problemas políticos e
sociais enfrentados pelos cidadãos atenienses se realizavam.
9

Vale lembrar que a Grécia Antiga é o berço da Democracia (governo do povo) e, pela primeira
vez, os cidadãos poderiam participar diretamente da coisa pública (res pública). Assim surge, se assim
podemos dizer, a Filosofia Política.
Os primeiros grandes mestres do pensamento político foram, sem dúvida, Platão e Aristóteles.
Ambos procuraram sistematizar suas idéias escrevendo obras cuja importância são reconhecidas ainda
hoje, o primeiro, é autor do clássico A República e o segundo, autor de Política. Obras fundamentaispara
quem quer conhecer um pouco da história e das ideias em torno dofenômeno do poder.
Filosofia e Política têm mantido, entre si, ligações antigas. Platão oferece aquele que pode ser o
seu mais forte paradigma. O filósofo rei, aquele que está apto a exercer uma função pública de
administrar a cidade e que pode fazer passar, para a ordem instável do mundo sensível e na qual se
encontra a cidade, a imutabilidade do mundo das ideias, o mundo da verdade. Já com o filósofo
alemão Karl Marx nós encontramos um outro modelo. Pois agora a verdade é a dialética do movimento
do mundo material (o mundo das ideias platônico é uma quimera, só existe o mundo sensível, material)
histórico e da luta de classes entre opressores e oprimidos. Marx, além disso, denuncia a filosofia que,
ocupando-se apenas em interpretar o mundo, esquece de transformá-lo. Mas a práxis revolucionária
marxista, que fique bem claro, não é uma práxis que se faria às cegas. Toda práxis demanda sua teoria, e
cabe à filosofia, então revolucionária indicar-lhe o seu portador.

Marx pesquisou a história da humanidade. Foi um


pensador, um estudioso, que queria entender a sociedade. Sua grande contribuição foi uma profunda
análise sobre o sistema Capitalista e como esse modelo de organização política e Econômica favorece a
ampliação das desigualdades sociais. E de como esse modelo revela uma sociedade que não é uma
sociedade preocupada com o bem estar geral, é uma sociedade preocupada em vender, a sociedade do
lucro, por isso que é a sociedade do capital, não a sociedade do social, é a sociedade que só quer se
manter para que cada vez mais seja produzido mais e mais lucro. A sociedade avança muito com a
tecnologia, começa a produzir muito, mas o social fica para trás.
O Capitalismo que tem suas origens no Liberalismo político com John Locke e se consolida com
o Liberalismo econômico de Adam Smith. A ideia de que o homem é livre e o Estado existe apenas para
garantir o direito à vida, à liberdade e o direito da propriedade faz com que Locke seja considerado o pai
do liberalismo político. A ideia de que essa liberdade tem que ser garantida dentro das relações de
mercado, ou seja, o Estado tem que intervir o mínimo possível na economia faz com que Adam Smith
seja considerado o pai do liberalismo econômico. E a crítica a este pensamento é feita por Karl Marx.
Mas a ideia de que a propriedade privada é algo natural e tem que ser garantida pelo Estado é criticada
antes mesmo de Marx, por Jean-Jacques Rousseau. O primeiro homem que cercou um lote de terra e disse
“isso aqui é meu”, afirma Rousseau, causou um dos maiores males para a humanidade, pois com a
surgimento da propriedade privada teve origem as desigualdades sociais. Rousseau estabelece dessa
forma a instituição da propriedade privada e da desigualdade social como o principal problema da
organização política

Maquiavel caracterizou-se pela reflexão crítica sobre o poder e o Estado.


10

Em “O Príncipe”, Maquiavel secularizou a filosofia política e separou o exercício do poder da moral e


religião cristã. Diplomata e administrador experiente, cético e realista, defende a constituição de um
estado forte e aconselha o governante a preocupar-se em conservar o Estado, pois na política o que vale é
o resultado. O príncipe deve buscar o sucesso sem se preocupar com os meios. Com Maquiavel surgiram
os primeiros contornos da doutrina da razão de estado, segundo a qual a segurança do estado tem tal
importância que, para garanti-la, o governante pode violar qualquer norma jurídica, moral, política e
econômica. Maquiavel foi o primeiro pensador a fazer distinção entre a moral pública e a moral particular
e o primeiro defensor da autonomia da esfera política, sobretudo em relação à moral e a religião, quer
dizer, fora de qualquer preocupação de ordem moral e teológica. Além disso, Maquiavel rejeita os
sistemas utópicos, a política normativa dos gregos e procura a verdade efetiva, ou seja, como os homens
agem de fato.
Maquiavel propõe estudar a sociedade pela análise dos fatos, sem se perder em vãs especulações.
Ao observar a história dos fatos, Maquiavel constata que os homens sempre agiram pelas formas de
violência e da corrupção e conclui que o homem é por natureza capaz do mal e do erro. Às utopias opõe
um realismo antiutopista através do qual Maquiavel pretende desenvolver uma teoria voltada para a ação
eficaz e imediata
Vemos assim como o problema político evidencia o problema social – sua organização, seus
mecanismos – e ambos têm ocupado os filósofos em todos os tempos. Nesta seção você poderá
aprofundar algumas das ideias aqui esboçadas, seja na Filosofia Antiga, através das ideias de Platão e
Aristóteles, seja na Filosofia Moderna, mergulhando no pensamento de Maquiavel, Rousseau ou dos
economistas clássicos, seja na Filosofia Contemporânea, através do pensamento de Marx, Arendt,
a Escola de Frankfurt, dentre outros.
Através destes pensadores, a filosofia se projeta para o campo da política, para pensar os desafios
do convívio sócio político, enfrentar e debater de perto a lógica das regras que devem presidir o jogo das
relações políticas, para propor-se a avaliar o confronto de valores na esfera pública, para pôr a nu a
presença do mecanismo Ideológico como mascarador do poder nas relações sociais, para apresentar a
utopia que guia o raciocínio em direção a ruptura com as mazelas do sistema estabelecido quando
apresenta traçado um Estado Ideal, para criar alternativas reflexivas e críticas para a superação da crise
política e se debruçar sobre as formas de Estado. Se a filosofia pensa o poder, pensa os limites do poder,
se pensa a justiça, discute as injustiças. É neste sentido que seu papel e sua função social vêm exatamente
descritos por esta sua intromissão na dimensão das questões de relevância política e de relevância social,
na governança dos interesses comuns.

E eis como o filósofo e historiador do pensamento político contemporâneo, Norberto Bobbio,


definiu a Filosofia Política:

1. Filosofia política como determinação do Estado perfeito: quando a filosofia busca construir
modelos ideais de Estado ou convivência política fundamentada em valores;
2. Filosofia política como determinação da categoria “política”: quando a filosofia busca
esclarecer os significados e o alcance do conceito e da atividade política;
3. Filosofia política como procura do critério de legitimidade do poder: quando a filosofia
procura responder à questão dos fundamentos da necessidade da obediência ao poder político;
4. Filosofia política como metodologia da ciência política: quando a filosofia busca esclarecer os
pressupostos epistemológicos que tornam possível a Ciência Política.

TRABALHO E ALIENAÇÃO

Alienação, Trabalho Alienado, Consumo Alienado e Lazer Alienado

Alienação
11

Capaz de ameaçar o trabalho e a consciência humana desde seus primórdios, a alienação afeta
principalmente o homem do mundo moderno, em que as relações sociais se tornam cada vez mais
determinadas por seu aspecto mercantil ou econômico-financeiro.
Alienação é a condição psico-sociológica de perda da identidade individual ou coletiva decorrente de uma
situação global de falta de autonomia. Encerra portanto uma dimensão objetiva -- a realidade alienante --
e a uma dimensão subjetiva -- o sentimento do sujeito privado de algo que lhe é próprio.
O conceito de alienação é comum a vários domínios do saber. Em psicologia e psiquiatria, fala-se de
alienação para designar o estado mental da pessoa cuja ligação com o mundo circundante está
enfraquecida. Em antropologia, a alienação é o estado de um povo forçado a abandonar seus valores
culturais para assumir os do colonizador. Em sociologia e comunicação, discute-se a alienação que a
publicidade e os meios de comunicação suscitam, dirigindo a vontade das massas, criando necessidades
de consumo artificiais e desviando o interesse das pessoas para atividades passivas e não participativas.
Em filosofia política, fala-se de alienação para designar a condição do trabalhador que, à
semelhança de uma peça de engrenagem, integra a estrutura de uma unidade de produção sem ter
nenhum poder de decisão sobre sua própria atividade nem direitos sobre o que produz.
Transcendendo o âmbito da produção, a alienação se estende às decisões políticas sobre o destino da
sociedade, das quais as grandes massas permanecem alijadas, e mesmo ao âmbito das vontades
individuais, orientadas pela publicidade e pelos meios de comunicação de massas.

Trabalho alienado
Será que o trabalho aliena o indivíduo? Para Marx existe sim o trabalho alienado. Este seria o trabalho
que a sociedade industrial criou, a sociedade dominada pela produção de mercadorias. O trabalho que
rompe a ligação entre o homem e sua atividade vital.
Marx descreveu algumas características do trabalho alienados, que aqui estão:
"a alienação e o caráter fortuito do trabalho em relação ao sujeito trabalhador";
"a alienação e o caráter fortuito do trabalho em relação ao objeto dele";
"a determinação absoluta do trabalhador pelas necessidades, já que o trabalho (...) não tem para ele
outro significado que ser uma fonte de satisfação de suas necessidades, enquanto ele só existe para elas
como escravo de suas necessidades";
"resumir o trabalhador à luta pela subsistência, fazendo com que ele (...) destine sua vida a adquirir
meios de vida".
Estão aí as características do trabalho alienado segundo Marx. Características estas que separam o homem
de sua naturalidade.
Quem nunca assistiu ao filme "Tempos Modernos" de Charles Chaplin? Este filme mostrava
explicitamente o trabalho em sua forma de alienação. O indivíduo trabalhava em uma fábrica de peças e
fazia sempre a mesma coisa: apertava roscas. Mas não sabia para quê? Qual era a finalidade daquilo? Ele
era um escravo do trabalho. Não havia uma finalidade para que estivesse fazendo aquilo, a não ser receber
o salário no final do mês.
Logicamente, o exemplo é de um filme, mas que não foge da realidade de hoje. Veja nas indústrias.
Trabalhadores fazendo repetições sem conhecer muitas vezes o produto final daquele parafuso que ele
aperta incansavelmente todos os dias. Sua realidade torna-se limitada e esse trabalho acaba por
desumanizar o indivíduo, fazendo-o trabalhar como escravos de suas necessidades.
Podemos disso tirar uma conclusão que, num cenário amplo, a sociedade capitalista aliena o ser humano.
O trabalho realmente pode alienar um indivíduo e, por consequência disto, pode alienar-se do mundo por
estar vivendo dentro de um espaço limitado. Seu conhecimento pode não ir mais longe do que apertar um
simples parafuso. E será que um trabalhador como esse consegue discernir a realidade social em que
vive?
Ou seja, o Trabalho alienado, e aquele trabalho em que o indivíduo passa despercebido por ele, e pelo que
acontece a sua volta e um indivíduo que segue uma rotina capitalista que de tanto estar acostumado com a
rotina ele esquece da vida, ele só espera o a semana acabar para poder voltar a mesma rotina.

Lazer alienado
O processo de alienação na sociedade industrial afeta também a utilização do tempo livre destinado ao
lazer.
A indústria cultural e de diversão vende peças de teatro, filmes, livros, shows, jornais e revistas
como qualquer outra mercadoria. E o consumidor alienado compra seu lazer da mesma maneira como
compra seu sabonete. Consome os “filmes da moda” e frequenta os “lugares badalados” sem um
envolvimento autêntico com o que faz.
12

Agindo desse modo, muitos se esforçam e fingem que estão se divertindo, pensam que estão se
divertindo, querem acreditar que estão se divertindo. Na verdade, “através da máscara da alegria se
esconde uma crescente incapacidade para o verdadeiro prazer”.

Consumo Alienado
O Tópico que provavelmente e o mais importante, o consumo alienado e o indivíduo que compra certa
mercadoria e não usa, geralmente compra Consumo é o ato de a sociedade adquirir algo para atender as
suas necessidades e seus desejos. Quando a pessoa compra de uma forma para aliviar sua ansiedade ou
compra exageradamente e muitas vezes nem utiliza o produto, a pessoa se torna alienada. Oneomania é
uma doença que atinge principalmente as mulheres, alguns dos sintomas que possam detectar a doença é
o fato de a pessoa querer comprar tudo o que vê pela frente, se tornando viciado (a) em compras. As
empresas devem estar sempre atentas e inovando a cada dia para atender as necessidades e os desejos de
seus clientes.
por estar na moda ou por influência das pessoas e da mídia. O Consumo alienado também fala do
indivíduo que usa o produto por estar na moda mesmo não gostando do produto ele o utiliza, para ficar na
moda e para demonstrar diferença de status.
De acordo com Marx, capital e trabalho apresentam um movimento constituído de três momentos
fundamentais:
Primeiro, “a unidade imediata e mediata de ambos”; significa que num primeiro momento estão unidos,
separam-se depois e tornam-se estranhos um ao outro, mas sustentando-se reciprocamente e promovendo-
se um ao outro como condições positivas;
Em segundo lugar, “a oposição de ambos”, já que se excluem reciprocamente e o operário conhece o
capitalista como a negação da sua existência e vice-versa;
Em terceiro e último lugar, “a oposição de cada um contra si mesmo”, já que o capital é simultaneamente
ele próprio e o seu oposto contraditório, sendo trabalho (acumulado); e o trabalho, por sua vez, é ele
próprio e o seu oposto contraditório, sendo mercadoria, isto é, capital.
Já a alienação ou estranhamento é descrita por Marx sob quatro aspectos:
1. O trabalhador é estranho ao produto de sua atividade, que pertence a outro. Isto tem como
consequência que o produto se consolida, perante o trabalhador, como um “poder independente”, e que,
“quanto mais o operário se esgota no trabalho, tanto mais poderoso se torna o mundo estranho, objetivo,
que ele cria perante si, mais ele se torna pobre e menos o mundo interior lhe pertence”;
2. A alienação do trabalhador relativamente ao produto da sua atividade surge, ao mesmo tempo, vista do
lado da atividade do trabalhador, como alienação da atividade produtiva. Esta deixa de ser uma
manifestação essencial do homem, para ser um “trabalho forçado”, não voluntário, mas determinado pela
necessidade externa. Por isso, o trabalho deixa de ser a “satisfação de uma necessidade, mas apenas um
meio para satisfazer necessidades externas a ele”. O trabalho não é uma feliz confirmação de si e
desenvolvimento de uma livre energia física e espiritual, mas antes sacrifício de si e mortificação. A
consequência é uma profunda degeneração dos modos do comportamento humano;
3. Com a alienação da atividade produtiva, o trabalhador aliena-se também do gênero humano. A
perversão que separa as funções animais do resto da atividade humana e faz delas a finalidade da vida,
implica a perda completa da humanidade. A livre atividade consciente é o caráter específico do homem; a
vida produtiva é vida “genérica”. Mas a própria vida surge no trabalho alienado apenas como meio de
vida. Além disso, a vantagem do homem sobre o animal – isto é, o fato de o homem poder fazer de toda
natureza extra-humana o seu “corpo inorgânico” – transforma-se, devido a esta alienação, numa
desvantagem, uma vez que escapa cada vez mais ao homem, ao operário, o seu “corpo inorgânico”, quer
como alimento do trabalho, quer como alimento imediato, físico;
4. A consequência imediata desta alienação do trabalhador da vida genérica, da humanidade, é a alienação
do homem pelo homem. “Em geral, a proposição de que o homem se tornou estranho ao seu ser, enquanto
pertencente a um gênero, significa que um homem permaneceu estranho a outro homem e que,
igualmente, cada um deles se tornou estranho ao ser do homem”. Esta alienação recíproca dos homens
tem a manifestação mais tangível na relação operário-capitalista.A tomada de consciência de classe e a
revolução são as únicas formas para a transformação social.

DIVERSIDADE E SiMBOLOGIA
13

A maior parte de nossa comunicação diária tem como finalidade narrar, descrever, lembrar econceituar
coisas que não estão presentes. Ao fazer isso, retiramos todas as coisas de seus contextos originais, que
não pode ser reproduzido em toda a sua riqueza e complexidade, e escolhemos alguns deseus aspectos a
serem ressaltados.
Assim é que nós simbolizamos as experiências vividas, e por meio dessa comunicação simbólica
podemos atribuir qualidades ao mundo. “Essa flor é alegre”, “esse cheiro me lembra a infância”, “as cores
desta bandeira simbolizam a paz e a riqueza”, “o crucifixo identifica os cristãos”, são formas de
simbolizar experiências e sensações.
Não está na “flor em si” ser alegre ou triste, mas o ser humano identifica certas qualidades. Não existe
“cheiro de infância”, mas aromas que são convencionalmente usados em bebês, ou, ainda, aromas de um
lugar que marcaram a infância de determinada pessoa etc. O correto é observarmos que na natureza não
existem qualidades que são criadas pelo homem, como
bondade/maldade, justiça/injustiça, beleza/feiura. Uma catástrofe da natureza, como um terremoto, não é
ruim senão do ponto de vista dos prejuízos que possa causar aos seres humanos. Para a terra, onde ele se
originou, não existe esse tipo de julgamento.
Bondade, justiça e beleza, bem como todos os conceitos de valor que dispomos são resultados da criação
das culturas humanas, e não da natureza. Portanto, são valores, que se expressam por meio de símbolos.
Um céu escuro e carregado de nuvens pode simbolizar preocupações e problemas, ou um terremoto pode
ser utilizado para simbolizar alguém inquieto, agitado. Ao utilizar um crucifixo, uma pessoa é identificada
pelos outros como “cristão”, pois a cruz simboliza um evento da figura fundadora dessa fé, que é Cristo.
Essa é outra associação possível com os símbolos.
Os símbolos representam coisas, ideias e pessoas que não estão presentes.
Cada profissão elege seu símbolo; os times utilizam brasões, cores e emblemas; placas de trânsito são
símbolos; placas de “proibido fumar”, “proibido cães” e outras regras de uso do espaço são símbolos. O
símbolo facilita e agiliza a comunicação, transmite ideias complexas e sentimentos, e tudo isso é
possível porque, como afirma Geertz, “a humanidade atribui, de forma sistemática, racional e estruturada,
significados e sentidos às coisas do mundo”. Portanto, tudo na comunicação é símbolo? Sim!
Os símbolos são frutos da persistência humana em olhar para o mundo e ver significados, em tornar
rotineiras as soluções racionalmente pensadas11, cheias de significados coletivamente construídos.
Rotina é o mesmo que fazer algo sempre da mesma maneira, portanto, é um hábito. Os significados dos
símbolos culturais dependem de uma rotinização, ou seja, precisam ser incorporados de maneira mecânica
em nossas atitudes, de forma que não precisamos raciocinar o tempo todo para compreender as
linguagens à nossa volta.
Simbolização – ato ou efeito de simbolizar; processo que procura expressar o raciocínio por meio de um
sistema simbólico. (fonte: Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Rio de Janeiro:
Objetiva)
A cultura caracteriza a espécie humana e nos dota de infinitas possibilidades. Somos indivíduos em
aberto, modeláveis, com plasticidade, que aceitam mudanças e têm capacidade de refletir e escolher.
Necessitamos participar de uma coletividade, necessitamos de referências para saber como nos comportar
e, sobretudo, precisamos organizar nossa coletividade de forma a permitir um comportamento mais
voltado para o grupo e menos voltado para satisfações individuais. Nossa vida coletiva é simbolizada.
Objetos, vestuário, construções e
mesmo aromas se tornam símbolos de nossas relações sociais. A simbolização
é uma das características básicas das culturas humanas.

EXIERCÍCIO:
Entre nós [brasileiros], (...) a separação imposta pelo sistema de produção foi a mais fluida possível.
Permitiu constante mobilidade de classe para classe e até de uma raça para outra. Esse amor, acima de
preconceitos de raça e de convenções de classe, do branco pela cabocla, pela cunhã, pela índia (...) agiu
poderosamente na formação do Brasil, adoçando‑o (Gilberto Freire, O mundo que o português criou).
14

[Porém] o fato é que ainda hoje a miscigenação não faz parte de um processo de integração das “raças”
em condições de igualdade social. O resultado foi que (...) ainda são pouco numerosos os
segmentos da “população de cor” que conseguiram se integrar, efetivamente, na sociedade competitiva
(Florestan Fernandes, O negro no mundo dos brancos).
Considerando as atitudes expostas acima e os pontos de vista dos estudiosos, é correto afirmar que:
A) A posição de Gilberto Freire e a de Florestan Fernandes demonstram o conhecimento do senso comum
diante da questão étnica no Brasil.
B) A posição de Gilberto Freire e a do turista estrangeiro demonstram a visão da ciência antropológica
diante da questão étnica no Brasil.
C) A posição do turista estrangeiro demonstra o conhecimento do senso comum diante da questão étnica
no Brasil.
D) Somente a posição de Gilberto Freire caracteriza a visão da ciência antropológica diante da questão
étnica no Brasil.
E) Somente a posição de Florestan Fernandes caracteriza a visão da ciência antropológica diante da
questão étnica no Brasil.
Resolução desta questão na Plataforma

REFERÊNCIA:
ADAS, Sérgio. Propostas de trabalho e ensino de Filosofia: especificidade: das habilidades; eixos
temático-históricos e transversalidade. Moderna. São Paulo, 2012

MARTIN, Celso. A identidade cultural e A relação saúde‑doença, in GUERRIERO, Silas (org) Antropos
e psique: o outro e sua subjetividade. 9. ed. São Paulo: Olho d´Água, 2011.

Você também pode gostar