Você está na página 1de 9

História da aviação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A história da aviação remonta a tempos pré-históricos. O desejo de voar está presente na


humanidade provavelmente desde o dia em que o homem pré-históricopassou a observar o vôo
dos pássaros e de outros animais voadores. Ao longo da história há vários registros de tentativas
mal sucedidas de vôos. Alguns até tentaram voar imitando pássaros: usar um par de asas (que não
passavam de um esqueleto de madeira e penas, imitando as asas dos pássaros), colocando-os nos
braços e balançando-os.

Muitas pessoas acreditavam que voar fosse impossível, e que era um poder além da capacidade
humana. Mesmo assim o desejo existia, e várias civilizações contavam histórias de pessoas dotadas
de poderes divinos que podiam voar; ou pessoas que foram carregadas ao ar por animais voadores.
O exemplo mais bem conhecido é a lenda de Dédalo e Ícaro. Dédalo, aprisionado na ilha de Minos,
construiu asas feitas com penas e cera para si próprio e seu filho. Porém Ícaro aproximou-se demais
do Sole a cera das asas derreteu, fazendo ele cair no mar e morrer. A lenda era um aviso sobre as
tentativas de alçar aos céus, semelhante à história da Torre de Babel naBíblia, e exemplifica o
desejo milenar do homem de voar.

[editar]Século XVIII - Século XIX

Santos Dumontcontornando a Torre Eiffelcom o dirigível número 6, o processo necessário para ganhar o Prêmio
Deutsch. Foto cortesia da Smithsonian Institution(SI Neg. No. 85-3941).

O segundo vôo humano de que se tem notícia foi realizado em Paris, em 1783 (o primeiro foi o do
padre português Bartolomeu de Gusmão). Um doutor, Jean-François Pilâtre de Rozier, e um
nobre, François Laurent d'Arlandes, fizeram um vôo livre numa máquina: eles voaram por oito
quilômetros em um balão de ar quenteinventado pelos irmãos Montgolfier, fabricantes de papel. O ar
dentro da câmara de ar do balão era aquecido por uma fogueira de madeira. O curso a ser tomado
por tal balão era incontrolável, ou seja, voava onde quer que o vento o levasse. Esse balão, por ser
pesado, alcançou uma altura máxima de apenas 26 metros. Os irmãos Montgolfier continuariam a
fabricar outros balões. Os vôos bem sucedidos dos balões dos Montgolfier fizeram com que
o balonismo se tornasse muito comum na Europa ao longo do século XVIII. Balões permitiram o
aprofundamento nos conhecimentos da relação entre altitude e a atmosfera. Inclusive Napoleão
Bonaparte cogitou usar balões numa possível invasão francesa à Inglaterra, embora este uso não
tenha sido concretizado.

Outros inventores passaram a substituir o ar quente por hidrogênio que é um gás mais leve do que o
ar, mas mais perigoso pois tal gás explode com facilidade. Mesmo assim, o curso de tais balões não
podia ser controlado, e somente a altitude continuou a ser controlável pelos aviadores.

No século XIX, em 1852, o dirigível foi inventado. O dirigível é uma máquina mais leve do que o ar
com a diferença que, ao contrário do balão, seu curso poder ser controlado através do uso
de lemes e de motores. O primeiro vôo controlado em um dirigível aconteceu ainda no mesmo ano.
Esse dirigível, inventado e controlado por Henri Giffard voou por 24 quilômetros, na França, usando
um motor a vapor. Ao longo do fim do século XIX e nas primeiras décadas do século XX, o dirigível
foi uma opção séria e confiável de transporte. O dirigível chegou, inclusive, a ser usado na Primeira
Guerra Mundial para efetuar bombardeios.

[editar]Século XIX
Com a invenção do balão e do dirigível, os inventores passaram a tentar criar uma máquina mais
pesada do que o ar que fosse capaz de voar por meios próprios.

Primeiramente vieram os planadores, máquinas capazes de sustentar vôo controlado por algum
tempo. Em1799 o inventor inglês George Cayley desenhou um planador relativamente moderno que
tinha uma cauda para controle, e o local onde o piloto ficava dentro da aeronave abaixo do centro de
gravidade, dando assim estabilidade à aeronave. Cayley construiu um protótipo e fez seus primeiros
vôos planados em 1804, sem passageiro. Durante as cinco décadas seguintes, Cayley trabalhou no
seu protótipo tempo durante o qual ele deduziu muitas das leis básicas de aerodinâmica.
Em 1853 um amigo de Cayley fez um vôo planado de curta duração em Brompton-by-
Sawdon, Inglaterra. Cayley é considerado atualmente o fundador da ciência física de aerodinâmica,
tendo sido a primeira pessoa a descrever uma aeronave de asa fixa propulsionada por motores.

Na mesma época Frank Wenham tentou construir uma série de planadores mas não teve sucesso.
Porém em seus esforços Wenham descobriu que a maior parte da sustentação de um pássaro
parecia ser gerada na frente, e Wenham concluiu que asas finas, longas e fixas - semelhante às
asas dos aviões dos dias atuais - seriam mais eficientes do que asas baseadas em pássaros e
morcegos. Seu trabalho foi apresentado à recém-criada Royal Aeronautical Society of Great Britain,
em 1866, e Wenham decidiu provar suas idéias construindo o primeiro túnel de vento do mundo,
em 1871. Os membros da Aeronautical Society fizeram uso do túnel, e ficaram surpresos e
encantados com o resultado: asas fixas geravam sensivelmente mais sustentação do que os
cientistas haviam previsto. Este experimento claramente demonstrou que a construção de máquinas
mais pesadas do que o ar era possível, o problema era como gerar o empuxo necessário para
movimentar a aeronave para frente (visto que aeronaves de asa fixa precisam de um fluxo de ar
constante passando pelas asas) e como seria feito o controle da aeronave em vôo.

A década de 1880 foi tempo de estudos intensos, caracterizados pelos gentleman


scientists(cientistas cavalheiros), que fizeram a maior parte das pesquisas na área da aeronáutica.
Começando na década de 1880 um incontável número de avanços foram feitos, que levaram aos
primeiros verdadeiros e práticos planadores. Três nomes em particular continuam bem conhecidos
no mundo da aviação: Otto Lilienthal, Percy Pilcher e Octave Chanute.

Um dos primeiros planadores modernos a serem construídos, nos EUA, foi construído porJohn
Joseph Montgomery, que voou em sua máquina em 28 de agosto de 1883, em vôo controlado.
Porém somente muito posteriormente os trabalhos de Montgomery tornar-se-iam conhecidos.
Anteriormente, na Europa, Jean-Marie Le Bris efetuou um vôo em 1856. Outro planador foi
construído por Wilhelm Kress em 1877, em Viena.

O alemão Otto Lilienthal continuou com o trabalho de Wenham, tendo-o melhorado bastante por
volta de 1874, e publicou toda sua pesquisa em 1889. Otto Lilienthal também produziu uma série de
planadores de qualidade, e em 1891 Lilienthal foi capaz de fazer vôos sustentados por mais de 25
metros consistentemente, ao contrário de antigas tentativas que apresentavam resultados instáveis.
Lilienthal rigorosamente documentou todo seu trabalho através inclusive de fotografias e, por esta
razão, Lilienthal é o mais conhecido dos antigos pioneiros da aviação. Lilienthal também promoveu a
idéia de "pule antes que você alce vôo", sugerindo que pesquisadores deveriam começar com
planadores e para somente então tentar trabalhar em um avião, ao invés de desenhar tal avião
diretamente no papel e esperar que tal desenho funcionasse.

Lilienthal fez vários vôos bem-sucedidos até 1896, ano de sua morte. Otto Lilienthal é por isso
considerado a primeira pessoa a fazer um vôo planado controlado, na qual é o piloto que controla a
aeronave. No ano da morte de Lilienthal, em 1896, estima-se que ele tenha realizado cerca de 2.500
vôos em diversas máquinas voadoras. Lilienthal morreu em um acidente aéreo em 9 de outubro,
causado por um vento lateral repentino (conhecido atualmente como vento de través), que rompeu a
asa de sua aeronave em pleno vôo de planeio, e fez com que Lilienthal caísse de uma altura de 17
metros e quebrasse sua espinha dorsal. Suas últimas palavras, antes de morrer no dia seguinte,
foram:

Lilienthal então estava trabalhando em busca de pequenos motores adequados para equipar suas
aeronaves, buscando criar uma aeronave mais pesada do que o ar capaz de alçar vôos por meios
próprios.

Octave Chanute continuou o trabalho de Lilienthal na área de planadores. Chanute criou vários
planadores e fez várias melhorias em suas aeronaves. No verão de 1896, ele fez vários vôos em
diversos de seus planadores em Miller Beach, Indiana, e eventualmente Chanute decidiu que o
melhor deles era um biplano. Como Lilienthal, Chanute documentou detalhadamente seu trabalho, e
também fotografou suas máquinas e experimentos. Chanute, além disso, também ocupava boa
parte de seu tempo correspondendo-se com outras pessoas que possuíam os mesmos interesses,
entre elas Percy Pilcher.

Chanute estava particularmente interessado em solucionar um problema: como fornecer


estabilidade à aeronave quando esta estivesse em vôo. Tal estabilidade é realizada naturalmente
em pássaros, mas teria que ser realizada manualmente pelos humanos. Dos vários problemas
relacionados com a estabilidade de uma aeronave em vôo, o mais desconcertante deles era a
estabilidade longitudinal, por que o ângulo de ataque de uma asa fazia com que o centro de pressão
da aeronave a movesse para frente, e fizesse com que o ângulo da aeronave aumentasse ainda
mais.

[editar]Aviões

No século XIX algumas tentativas foram feitas para produzir um avião que decolasse por meios
próprios. Porém, a maioria deles era de péssima qualidade, construídos por pessoas interessadas
em aviação, mas que não tinham os conhecimentos dos problemas discutidos por Lilienthal e
Chanute.

Em 1843, William Henson, um inventor inglês, fez a primeira patente de uma aeronave equipada
com motores, hélices e uma asa fixa, ou seja, de um avião. Porém, o protótipo construído com base
nos desenhos de Henson foi mal-sucedido, e Henson desistiu de seu projeto. Em 1848, seu
amigo John Stringfellow construiu uma pequena aeronave baseada nos desenhos de Henson. A
aeronave construída por Stringfellow obteve sucesso em certos aspectos, podendo decolar por
meios próprios. Porém, decolava apenas sem o piloto, e podia voar apenas por uma questão de
dois ou três segundos.

Em 1890, Clément Ader, um engenheiro francês, construiu um avião que ele nomeou Eole, que era
equipado com um motor a vapor. Ader conseguiu decolar no Eole, mas não conseguiu controlar a
aeronave, nem mantê-la no ar. Mesmo assim, Ader considerou os resultados de seu teste
animadores, e imediatamente construiu uma aeronave maior, que tomou cinco anos para ser
construída. Porém, seu novo avião, o Avion III, era pesado demais e nunca foi capaz de decolar.

À época, Hiram Maxim, um americano que naturalizou-se como cidadão britânico, estudou uma
série de desenhos na Inglaterra, eventualmente construindo um mostruoso avião (para os padrões
da época). Era um biplano equipado com dois motores a vapor, cada um capaz de gerar 180 cv de
força. Maxim construiu a aeronave par estudar os problemas básicos de aerodinâmica e potência.
Maxim observou que a aeronave, sem equipamentos que ajudassem a obter seu controle, seria
insegura e perigosa em qualquer altitude, e ele construiu então uma pista especial, onde o avião
estava atado a trilhos, para realizar seus testes. Os primeiros testes foram realizados em busca de
problemas. Em 31 de julho de 1894, Maxim começou a fazer a série de testes para valer. Ele
alinhava sua aeronave na pista e aplicava potência aos motores, aumentando a potência aplicada
em cada teste. Os dois primeiros testes mostraram resultados razoáveis. A aeronave conseguiu
"pular" nos trilhos por um ou dois segundos. Mas ele não voou. No terceiro teste, em uma tarde, a
tripulação de três da aeronave aplicou potência máxima aos motores do avião, e após o avião ter
alcançado 68 km/h, tendo percorrido 183 metros, a máquina produziu tanta sustentação que o avião
saiu dos trilhos, tendo decolado e alçado vôo. Após percorrer 61 metros, a aeronave chocou-se com
o solo. Maxim somente voltou a fazer novos testes na década de 1900, usando motores a gasolina,
e aeronaves menores. Outro pioneiro foi Samuel Pierpont Langley, um cientista americano. Após
uma carreira bem-sucedida em astronomia, Langley começou a estudar seriamente aerodinâmica
no que é atualmente a Universidade de Pittsburgh. Em 1891, Langley publicouExperiments in
Aerodynamics (Experimentos em Aerodinâmica), com sua pesquisa, e então Langley dedicou-se a
desenhar e construir aeronaves baseadas em sua pesquisa. Em 6 de maio de 1896, um protótipo
construído por Langley fez o primeiro vôo bem sucedido de uma aeronave mais pesada do que o ar.
O nome da aeronave era Aerodrome No. 5 (Aeródromo Número 5). O avião voou por
aproximadamente mil metros, a uma velocidade de 40 km/h. Em 28 de novembro outro vôo bem
sucedido foi feito por Langley, com o modelo Aerodrome No.6. Este conseguiu voar por 1 460
metros. Porém, o avião decolara sem tripulantes.

Com o sucessos destes vôos-testes, Langley decidiu construir um avião que seria capaz de voar
pilotado por uma pessoa. Langley começou a procurar investidores dispostos a investir em sua nova
máquina. O governo americano eventualmente forneceu 50 mil dólares a Langley, talvez por causa
do início da Guerra Hispano-Americana. Langley construiu então o Aerodrome A, e passou a
realizar testes em uma versão menor desta aeronave, a Quarter-scade Aerodrome - um protótipo
que tinha um quarto do tamanho da aeronave original - sem tripulantes. O protótipo voou duas
vezes, em 18 de junho de 1901. Em 1903, o protótipo fez mais algumas decolagens bem-sucedidas.

Com o desenho básico da aeronave aparentemente aprovado nos testes, Langley acreditava que
o Aerodrome A estava pronto para ser testado com um tripulante a bordo. Langley então começou a
buscar por um motor adequado ao seu avião Aerodrome A. Ele contratou Stephen Balzer para a
construção deste motor. Langley ficou desapontado quando viu que tal motor gerava apenas 8 cv de
força, ao invés dos 12 cv que ele esperava. Um assistente de Langley, Charles Manly, então refez o
desenho do motor, transformando-no em um motor com 5 cilindros, refrigerado a água, que produzia
até 52 cv e 950 rpm.

Em 7 de outubro e em 8 de dezembro de 1903, Langley, ao comando da Aerodrome A, tentou fazer


com que seu avião decolasse. Ele realizou suas tentativas de decolagem em um navio no Rio
Potomac, e utilizou uma catapulta para fornecer o empuxo necessário para a decolagem. Porém,
para a infelicidade de Langley, seu avião era muito frágil. Simplesmente produzindo uma cópia
maior de suas aeronaves-testes resultou em um desenho que era pesado e frágil demais. Foram
realizados no total dois testes. Em ambas as tentativas, a aeronave acabou por chocar-se com a
água logo após sua decolagem. Eventualmente, os fundos monetários de Langley esgotaram-se.
Tentativas em arrecadar mais fundos falharam, e seus esforços terminaram. Além do mais, o avião
de Langley não dispunha de controle longitudinal, nem de trem de pouso - por isto mesmo sendo os
testes realizados sobre o rio. Mesmo assim, Langley foi reconhecido pela Smithsonian Institution,
uma instituição educacional sediada em Washington, DC, onde Langley anteriormente trabalhara,
como o inventor do avião - isto porque Glenn Hammond Curtiss posteriormente faria várias
modificações na Aerodrome A de Langley, na década de 1910, e conseguiria alçar vôo com ela.

Enquanto isto, no Reino Unido, Percy Pilcher quase se tornou a primeira pessoa a alçar vôo em um
avião. Pilcher construiu vários planadores, The Bat (O Morcego), The Beetle (O Besouro), The
Gull (O Mosquito) e a The Hawk (O Gavião). Pilcher alçou vôo em todos eles, obtendo sucesso em
suas tentativas. Em 1899, Pilcher construiu um protótipo, um avião equipado com um motor a vapor.
Porém, Pilcher morreu em um acidente aéreo, em um planador, não tendo testado o seu protótipo.
Seus trabalhos ficaram esquecidos por vários anos, e somente recentemente seus estudos
despertaram interesse na comunidade científica. Estudos mais recentes indicaram que tal aeronave
seria capaz de alçar vôo por meios próprios, e com um tripulante a bordo.

[editar]Século XX
A controvérsia sobre o primeiro vôo é grande. Geralmente são creditados Alberto Santos Dumont ou
os Irmãos Wright (mais exatamente, Orville Wright). Foi o vôo do 14-Bis, emParis, o primeiro
de um avião na história da aviação registrado publicado e sem artifícios externos. Tais
especialistas alegam o uso de trilhos e catapultas nas operações dedecolagem das aeronaves dos
tais irmãos Wright, o testemunho do vôo do 14-Bis em Paris por aviadores e autoridades de
aviação.

Enquanto isto, os tais irmãos Wright não realizaram vôos públicos, buscando realizar seus vôos
sozinhos ou com a presença de poucas testemunhas - embora tenham tentado realizar
demonstrações para forças armadas dos Estados Unidos, da França, do Reino Unido e
daAlemanha, sem sucesso - buscando evitar o "roubo de informações" por parte de outros
aviadores, e em busca de aperfeiçoar a aeronave o suficiente para obter a patente de seu avião
(ironicamente, Santos Dumont colocava todas as suas invenções no domínio público).

Apesar da falta de testemunho de aviadores e de organizações de aviação, mesmo estes


especialistas também apontam para o fato de que - através na forma de notícias publicadas
em jornais do Ohio, o testemunho de habitantes da região onde estes vôos foram realizados e fotos
- de que estes vôos foram de fato cumpridos, mas as aeronaves, por não possuírem rodas,
necessitavam de catapultas ou de vento em condições favoráveis para decolar por conta própria
(embora a decolagem do Flyer de 17 de dezembro de 1903 tenha sido realizada sem o uso de
catapulta), fator este que é usado como argumento pelos brasileiros, já que o 14-Bis era capaz de
decolar por conta própria em condições variáveis de vento.
De fato, os Irmãos Wright são creditados, nos Estados Unidos e em vários outros países, como os
primeiros a voarem em um avião. Os primeiros vôos públicos dos Irmãos Wright, realizados com a
presença de um grande número de testemunhas, foram realizados em 1908 na França, em Le
Mans.

Santos Dumont é pouco conhecido em maior parte do mundo. No Brasil ele é chamado de Pai da
Aviação. Santos Dumont virou herói nacional brasileiro. Porém, muitos criticam este título, mesmo
que suportem ou os vôos dos Irmãos Wright, ou os vôos de Santos Dumont, como os primeiros vôos
de um avião. Tais críticos alegam que outros aviadores fizeram suas contribuições à aviação muito
tempo antes de Santos Dumont e dos Irmãos Wright e que este título não se emprega corretamente
a nenhum aviador em particular, incluindo os Irmãos Wright ou Santos Dumont.
Durante a década de 1890 os Irmãos Wright (construtores de bicicletas) tornaram-se obcecados
pela aviação, especialmente com a idéia de fabricar e voar em uma aeronave mais pesada do que o
ar motorizada. À época eles administravam uma fábrica de bicicletasem Dayton, Ohio, Estados
Unidos. Os irmãos passaram a ler e estudar livros e documentos relacionados com aviação.
Seguindo o conselho de Lilienthal, os irmãos passaram a fabricar planadores em 1899. Na virada do
século, já estavam realizando seus primeiros vôos bem sucedidos em planadores, em Kitty
Hawk, Carolina do Norte. A região de Kitty Hawk foi escolhida para tais vôos por causa
dos ventos constantes e intensos, facilitando assim o planeio. Além disso, a região dispunha de um
solo macio, arenoso, que amaciava os pousos.

Após a realização de vários testes e vôos de planeio, os irmãos decidiram tentar fabricar um
avião mais pesado do que o ar, em 1902. Os irmãos Wright foram a primeira equipe de
desenhistas a realizar testes sérios para tentar solucionar problemas aerodinâmicos,
controlabilidade e de potência que afligiam os aviões fabricados na época. Para um vôo bem
sucedido, potência do motor e o controle da aeronave seriam essenciais, e precisariam ser
bem controlados ao mesmo tempo. Os testes foram difíceis, mas os irmãos Wright
perseveraram. Eventualmente, eles fabricaram um motor com a potência desejada, e
solucionaram os problemas do controle de vôo, através de um método chamado de wing
warping - pouco usado na história da aviação, mas que funcionava nas baixas velocidades que
este avião voaria.

O avião fabricado pelos irmãos Wright chamava-se Flyer, (Voador), um biplano. O piloto ficava
deitado na asa inferior do avião. O motor localizava-se à direita do piloto, e fazia girar duas
hélices localizadas entre as asas. O sistema de wing warping consistia em cordas atadas às
pontas da asas que podiam ser puxadas ou afrouxadas pelo piloto, assim podendo fazer o
avião girar em seu eixo longitudional ou no seu eixo vertical, permitindo o controle do avião ao
comando do piloto. O Flyer foi o primeiro avião registrado na história da aviação dotado de
manobralidade longitudional e vertical - excluindo-se os planadores de Lilienthal, onde tal
controle era realizado através da força do próprio tripulante.
Fotografia do primeiro vôo do Flyer em 17 de dezembro de 1903.

Em 17 de Dezembro de 1903, numa praia da Carolina do Norte, perto de Kitty Hawk, os


irmãos Wright efetuaram aquele que seria considerado como o primeiro vôo de um aparelho
voador controlado, motorizado e "mais pesado que o ar".

Utilizaram trilhos para manter a aeronave em seu trajeto, pois esta não tinha rodas, mas um
par de patins, o Flyer ganhou altitude após o fim dos trilhos, alcançando uma altura máxima de
37 metros, e velocidade média de 48 km/h. O tempo de vôo foi de 12 segundos; segundo
informações passadas pelos tais irmãos Wrights mas não comprovadas por nenhuma outra
fonte. Mais quatro vôos foram realizados ainda no mesmo dia. Os vôos foram testemunhados
por quatro salva-vidas e um menino da vila, fazendo destes vôos os primeiros vôos semi-
públicos, e também os primeiros vôos documentados de um motoplanador. Em um quarto vôo
realizado ainda no mesmo dia, Wilbur Wright conseguiu percorrer 260 metros em 59
segundos. O motoplanador foi destruído por uma rajada de vento nesse mesmo dia.
Alguns jornais do Estado de Ohio, entre eles oCincinnati Enquirer e o Dayton Daily
News Image:Boys Emulate Dumont.JPG, publicaram no dia seguinte, com enormes exageros
e informações incorretas, o feito dos Irmãos Wright.

Os Irmãos Wright realizaram diversos vôos semi-públicos (mais de 105) em 1904 e 1905,
desta vez em Dayton, Ohio. Eles convidaram amigos e vizinhos para assistirem alguns desses
vôos, proibindo sempre que quaisquer fotografias fossem feitas por outros que não eles
próprios. Em 1904, uma multidão de jornalistas foi concidada para presenciar um vôo dos
Irmãos Wright, mas por causa de problemas no motor, os Wright foram ridicularizados pela
mídia em geral, passando a receber pouca atenção, com exceção da imprensa de Ohio. Em
setembro de 1904 os Wright criaram um sistema de catapultagem para não mais dependerem
de vento para fazer decolar o seu aeroplano. Jornalistas de Ohio presenciaram diversos vôos
dos Irmãos Wright, inclusive o primeiro vôo circular do mundo, e um novo recorde de distância,
um vôo de 39 minutos e 40 quilômetros pecorridos, realizado em 5 de outubro de 1905. A
partir de 1910, os aviões dos Irmãos Wright já não precisariam mais definitivamente da
catapulta para alçar vôo.
Em 7 de novembro de 1910, fizeram o primeiro vôo comercial do mundo. Este vôo, realizado
entre Dayton a Columbus, durou uma hora e dois minutos, pecorreu 100 quilômetros e rompeu
um novo recorde de velocidade, tendo alcançado 97 km/h.

[editar]Alberto Santos Dumont

Ver artigo principal: Alberto Santos Dumont

O brasileiro Alberto Santos-Dumont era fascinado por máquinas. Em 1891,


visitando Paris em companhia de seu pai, o engenheiro Henrique Dumont, teve contato
com os primeiros motores a explosão interna. Assim que se estabeleceu em Paris,
Santos-Dumont passou a se interessar pelo automobilismo, tendo sido o primeiro a
trazer um automóvel para o Brasil, que rodou por São Paulo. Em 1897 fez seus primeiros
vôos como passageiro de balão livre em Paris e, no ano seguinte, projetou seu próprio
balão, o Brésil (Brasil, emfrancês). Santos Dumont criou uma série de modelos de
dirigíveis, alguns voando com sucesso e outros não. Os feitos de aviação de Santos
Dumont em Paris tornaram-no famoso no mundo, tendo sido alvo dos jornalistas, e
mesmo de notícias sensacionalistas, baseadas em seus hábitos extravagantes.

Após ter sido o primeiro homem a provar a dirigibilidade dos balões, quando conquistou
o “Prêmio Deutsch de La Meurthe” com o seu balão dirigível nº 6, tendo percorrido, em
menos de 30 minutos, um itinerário preestabelecido que incluía a circunavegação da
Torre Eiffel, Santos Dumont passou a se dedicar à aviação. Em 23 de outubro de 1906,
Santos Dumont realizou um vôo público em Paris, em seu famoso avião 14-Bis. Esta
aeronave usava o mesmo sistema de wing-warping usado nas aeronaves de Wright, e
percorreu uma distância de 221 metros.