Você está na página 1de 16

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS (DCH I)


FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

JONATAS DO CARMO SANTOS

ANÁLISE DAS TEORIAS E ABORDAGENS ADMINISTRATIVAS


APLICADAS À UM EMPREENDIMENTO FAMILIAR: NANDO’S BAR

SALVADOR
2019
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS (DCH I)
FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

JONATAS DO CARMO SANTOS

ANALISE DAS TEORIAS E ABORDAGENS ADMINISTRATIVAS


APLICADAS À UM EMPREENDIMENTO DE MICROEMPREENDEDOR
INDIVIDUAL: NANDO’S BAR

Trabalho apresentado como pré-requisito


parcial para aprovação na disciplina
Fundamentos da Administração, curso de
Turismo e Hotelaria da UNEB e, sob a
orientação do Profª Alíger dos Santos, turma do
2º semestre, turno vespertino.

SALVADOR
2019
INTRODUÇÃO

De acordo com Lacombe (2004), administrar é o conjunto de esforços que tem


como objetivo planejar, organizar, dirigir ou deliberar, coordenar e controlar as
atividades de um grupo de indivíduos que se associam para atingir um resultado
comum. Dessa formar, o trabalho presente, busca apresentar o desenvolvimento das
teorias da administração, através de uma pesquisa descritiva, para informação e
analise de seus elementos aplicados à um empreendimento microempreendedor
individual (MEI), Nando’s Bar, com o objetivo de abordar a visão temática dos
processos administrativos, estudadas nos conceitos fundamentais da administração.

O microempreendimento, Nando’s Bar, foi fundada em Agosto de 2004, um


micro empreendimento individual, que atuava no ramo de bares e restaurante, com a
filosofia de sempre agradar e tratar bem todos os clientes. A empresa é de propriedade
do indivíduo (privada), de característica familiar, que está dentro do ramo da
economia, a qual, engloba as atividades de prestação de serviços e de comercio, setor
terciário.

Quanto ao tipo de estrutura organizacional, Nando’s bar se enquadra na


estrutura funcional, pois a mesma é composta apenas por duas pessoas as quais,
desempenham uma autoridade funcional com linhas diretas de comunicação,
desenvolvendo o princípio da especialização, diante da necessidade de decompor as
funções para torna-las mais fáceis, sendo um responsável pela cozinha e o outro pelo
bar e atendimento aos clientes, todos os dois, donos do bar e restaurante.

Figura 1: Organograma do bar e restaurante, Nando’s Bar

NANDO'S
BAR

DONO 1 DONO 2
Cozinheiro Atendente

Fonte: Autoria própria


ASPECTOS CULTURAIS DA EMPRESA NO AMBIENTE DE
TRABALHO E SUAS RELAÇÕES

O comprometimento leva o trabalhador à aceitação do discurso e ideário da


empresa e a submeter-se à racionalidade organizacional, muitas vezes em detrimento
da vida pessoal, pois defendem a empresa mediante valores, símbolos empresariais
absorvidos na sua conduta em situações de trabalho. Portanto, a construção social e
discursiva da mudança, do comprometimento da subjetividade do trabalhador e da
forma como a mudança de perfil é impulsionada pelas transformações do trabalho em
empresas como a analisada.

As experiências vividas pelas pessoas no cotidiano do trabalho nas empresas


estão cercadas de mitos, rituais, valores e heróis, cada qual exerce sua função,
participa e organiza as relações entre os indivíduos, conferindo significado. A cultura,
denominada como “cultura da empresa” pode ser utilizada por dirigentes, seguindo
modismos ou tendências organizacionais no sentido de propagá-las como meio
estratégico da sua absorção através de lemas, refrões, slogans, e palavras de ordem
aos trabalhadores, no intuito de se criar uma “identidade do trabalhador com a
empresa”.

Cada empresa administra a sua estrutura e mantém uma série de peculiaridades


que se manifestam em sua cultura, missão e visão, valores que podem estar expostos
implícita ou explicitamente. Porém, quando se admite a existência da cultura na
empresa e se acredita na influência que exerce no ambiente de trabalho. A valorização
do trabalho, agregada ao símbolo da qualidade, é inculcada no trabalhador e na forma
como este encara a gestão do seu desempenho no ambiente de trabalho.

Portanto, nas empresas, essa influência causada pela cultura organizacional,


que nada mais é que os costumes que a empresa adota em seu método de gestão de
pessoas, de recursos, impacta na forma que estas se portam diante das adversidades
do mercado ao qual está inserida. Nesse sentido, Viver em conjunto com pessoas de
diferentes costumes, mas inseridas no mesmo universo cultural cria momentos que
somente naquele instante e naquele contexto poderão ser desfrutados. A forma como
os colabores são tratados nas atividades do cotidiano influenciam direta e
indiretamente as pessoas que cercam o ambiente de trabalho.
PRINCIPAIS ABORDAGENS E TEORIAS

Cientifica

Segundo Frederick W. Taylor, A ideia de tarefa é, quiça, o mais importante


elemento na administração cientifica. Para Taylor, o aumento da eficiência da indústria
se dá por meio de racionalização do trabalho do operário. Taylor reduziu o homem a
gestos e movimentos, sem capacidades de desenvolver atividades mentais, depois
de uma especialização funcionava como uma máquina. Defendia a organização linear.
Segundo ele, o homem era influenciado e incentivado a produzir mais, devido as
recompensas salarias, materiais e econômicas, não pelo amor ao trabalho.

A teoria cientifica, tinha como princípio a racionalização do trabalho, aonde


deveria ser acompanhada por uma estruturação geral das empresas – padronização
de métodos, maquinas, maquinas e equipamentos -, sendo elaborada a ORT –
Organização Racional do Trabalho. Na teoria, também está presente o estudo da
fadiga (formas de eliminar os movimentos desnecessários); Divisão do trabalho e a
especialização do operário (eficiência aumenta com a especialização); Desenho de
Cargos e tarefas; Condições de trabalho; Padronização e Supervisão funcional.

A supervisão e a especialização dos funcionários, não estão descritos nas


pesquisas, como já mencionado nesta pesquisa, os dois funcionários que tinham,
eram os donos e eles não possuíam especialização na área. Entretanto, eram
presente as características do incentivo salarial, material e econômico, a eliminação
de movimentos desnecessários para aumentar a eficiência do trabalho e aumentar a
produção, e era visível que existência de uma condição favorável ao trabalho.

Clássica

Para Fayol (1981, p. 26), “Administrar é prever, organizar, comandar, coordenar


e controlar.” A Teoria Clássica da Administração foi idealizada por Henri Fayol.
Caracteriza-se pela ênfase na estrutura organizacional, pela visão do Homem
Econômico e pela busca da máxima eficiência. Defendia a organização funcional
caracterizada pela descentralização da autoridade (atuação participativa). Elaborou
a ênfase na estrutura da organização, de modo eficiente, formando inicialmente a
divisão do trabalho, a qual começa a dividir a emprese em seis atividades ou funções
distintas, como: técnica, comercial, financeira, de segurança, contábil e administrativa.
Além de dar ênfase na fisiologia da organização, de cima para baixo ( da direção para
a execução) e de todos (organização) para suas partes componentes (departamentos)
A teoria clássica, é a base fundamental de todas as teorias administrativas anteriores.

De acordo com Fayol, a administração é uma atividade comum a todos os


empreendimentos humanos que sempre exigem algum grau de planejamento,
organização comando, coordenação e controle.

O empreendimento era composto apenas por dois cargos, o de cozinheira e o


de atendente, mas nenhum deles possuíam especialização. As características das
funções administrativas (POCCC) era presente no estabelecimento, fazendo parte da
rotina, a fim de melhorar os processos e os resultados de cada uma delas, como forma
de manter a organização no rumo correto.

Relações Humanas

Segundo Gaither e Frazier (2005, p. 11, grifo nosso): “Quando esses estudos
produziram resultados confusos sobre a relação entre o ambiente físico e a eficiência
dos trabalhadores, os pesquisadores deram-se conta de que fatores humanos deviam
estar afetando a produção. Essa foi talvez a primeira vez que tanto pesquisadores
como administradores reconheceram que fatores humanos afetavam não somente a
motivação e atitude das pessoas como também a produção “

A experiência de Hawthorne teve papel preponderante no que tange o


desenvolvimento dos princípios básicos relativos às Relações Humanas, por
meio de suas pesquisas, podem ser extraídas diversas e infinitas conclusões,
cabe por oportuno destacar “’ o nível de produção é resultante da integração
social” (CHIA VEBATO, 2011, p. 105).

Com uma abordagem humanística, a teoria administrativa sogreu verdadeira


revolução conceitual. A ênfase voltou-se para as pessoas que trabalhavam na
organização.e nas tarefas.

Durante a pesquisa, foi evidente a presença da teoria como um fator importante


para o desenvolvimento das atividades e eficiência para as mesmas. Ficou claro que
após o descanso, tanto como horário de descanso e folgas, a produção ficava melhor
e que o comportamento dos donos estavam apoiados nos, demonstrando que era um
fator condicional para o desenvolvimento do trabalho. Entretanto, não havia caixa de
sugestão no estabelecimento e evidentemente, não havia um profissional de saúde
no estabelecimento, para prestar assistência medica.

Comportamental

A Teoria comportamental ou behaviorismo, originou-se exatamente quando


surgiu uma reação muito forte dos operários, emanei deles, e dos trabalhadores
intelectuais atacando, principalmente a Teoria Clássica. A teoria comportamental
segue uma linha humanística e para isto a psicologia organizacional contribuiu
decisivamente para o surgimento de uma teoria administrativa mais democrática,
propondo o abando de posições normativas e descritivas e a adoção de uma posição
humanística.

O homem passa a ser visto como um animal dotado de necessidades


que vão além do objetivo apenas financeiro, possuindo necessidades
gregárias inerentes ao homem... Seu comportamento é orientado para
objetivos, podendo cooperar com os outros indivíduos, quando for importante
para o alcance dos objetivos o esforço coletivo, ou ainda pode competir com
os outros, quando ocorre uma disputa (CHIAVENATO, 2003, cap. 13)

A teoria tem como características, a ênfase no comportamento individual das


pessoas, preocupação com o comportamento organizacional (processo de trabalho),
tipos de liderança o estudo do comportamento humano (motivação).

Todas as perguntas feitas aplicadas a teoria presente, foram contempladas. A


liderança presente era a situacional, como melhor forma para as tomadas de decisões.
Tinha uma motivação de fatores, a qual, para chegar ao objetivo, o relacionamento
informal era condicional para alcançar os objetivos, sendo ligado ao esforço em
conjunto e o companheirismo. A teoria X e Y estavam presentes, pois, de acordo com
um dos donos, o dinheiro e o prazer andam lado a lado. A teoria dos dois fatores
também estava presente, era evidente a motivação de está na empresa e a empresa
dava retorno aos mesmos. E por fim, afirmaram que existia uma hierarquia de
necessidades.
Burocrática

A teoria da burocracia tem como base o pensamento racional, almejando sempre


a excelência, para Max Weber, a burocracia é o tipo de organização perfeita, com
ênfase na competência e no mérito individual como critério de seleção e promoção. A
teoria burocrática, é a forma detalhada de explicar como as atividades serão
realizadas.

Segundo Weber, a teoria da burocracia tem algumas características especificas.


De acordo com o livro: Introdução da teoria da administração de Idalberto Chiavenato
(2004, 7 ed.) essas características são: Caráter legais de normas e regulamentos,
caráter formal das comunicações, caráter racionas e divisão de trabalho,
impessoalidade nas relações, hierarquia de autoridade, rotina e procedimentos
padronizados, competência técnica e meritocracia, especialização da administração,
profissionalização dos participantes e completa previsibilidade do funcionamento.

A empresa atende algumas dessas características, tais como: Caráter legais de


normas e regulamentos, pois a mesma possui o certificado do Sebrae, como um
empreendimento MEI (Micro empreendimento Individual), pagamento de impostos,
além de possuir normas regulamentadoras afim de garantir a excelência de qualidade
e evitar problemas que comprometam o trabalho e a saúde dos clientes e funcionários;
Caráter formal das comunicações, onde a comunicação era feita pela escrita a afim
de evitar múltiplas interpretações e procedimentos, sendo encontrado na elaboração
dos cardápios, os quais, eram escritos diariamente; Caráter racional e divisão do
trabalho, era presente na organização da empresa, composto pela cozinheira e pelo
atendente, afim de obter a eficiência dentro do estabelecimento; Rotina e
procedimentos padronizados, características de acordo com o cargo de cada um;
Competência técnica e meritocracia, era visível, pois cada um desempenhava sua
função excelentemente competente ao que se submeteram, mas não tinham
competência técnicas (sem cursos de formação na área); Especialização da
administração, eram proprietários e membro do corpo administrativos, assumiam a
função de administrador do estabelecimento. E Profissionalização dos participantes,
os colaboradores eram profissionais pois se encaixavam em diversos fatores como
especialista de um cargo.
Neoclássica

A teoria neoclássica é uma teoria que reuniu e otimizou as contribuições mais


significativas de todas as teorias da administração. Para Ducker (2001) “A
administração é uma arte liberal, onde podemos entender, que a arte está na pratica
e na aplicação, dada pelos administradores, onde cada um além do conhecimento
sobre administração, que é o mesmo disponível para todos, emprega suas habilidades
pessoais”.

A neoclássica preocupa-se com a pratica da administração: Formação do


administrador prático. O processo administrativo da teoria aborda 4 funções:
planejamento, organização, direção e controle. O foco principal passa a ser o alcance
dos objetivos da organização, através da ferramenta Administração Por Objetivos
(APO). Robbins; Decenzo (2004, p.58) afirmam que a APO é, um sistema em que os
objetivos específicos de desempenho são determinados em conjunto pelos
subordinados e seus supervisores, o progresso em direção aos objetivos é
periodicamente e visto e as recompensas são alocadas com base nesse progresso.
Em vez de usar os objetivos para controlar, a APO usa-os para motivar.

A teoria tem como modelo o administrador prático e coordena atividades


operacionais (Escola Mecanicista) junto as atividades grupais (Humanista), cultura
organizacional (Estrutura) e tecnologia (Ambiente). Formando assim, um conjunto de
reações que retoma os conceitos clássicos, adaptando-os, renovando-os e
atualizando-os à conjuntura política, econômica e social da empresa atual, afim de
buscar resultados concretos em função dos objetivos e dos resultados, alcançados
por meio de operações eficientes.

A empresa mostrou ter ênfase nos objetivos e resultados, sendo também


constatado na pesquisa. Trabalham com eficiência e eficácia, além de dimensionar a
empresa, estruturar e orientar em função dos objetivos e dos resultados por meio de
processos administrativos, tornando evidente a aplicação da teoria na empresa.

Sistêmica
Essa teoria – denominada Teoria Geral dos Sistemas – é um conjunto de
elementos interdependentes e interagentes; um grupo de unidades combinadas que
formam um todo organizado e cujo resultado é maior do que o resultado que as
unidades poderiam ter se funcionassem independentemente. Nas relações entre as
partes que compõem um sistema, mudanças acontecem. Estas mudanças, ao mesmo
tempo em que impactam os subsistemas, também acarretam alterações no sistema
maior. Segundo Lawrence e Lorshc (1973, p. 24), “a medida que os sistemas crescem,
diferenciam-se em partes e o funcionamento destas partes separadas tem de ser
integradas para que o sistema inteiro seja viável”. Os autores permitem uma reflexão
sobre a importância de que as informações coletadas sejam também adequadamente
utilizadas por diferentes partes do sistema, apresentando uma visão de que
informações também podem ser utilizadas de forma integrada, compondo um sistema
de informação.

A teoria sistêmica, analisa o sistema da organização como um todo, atacando


seu ponto mais frágil. Identifica os mecanismo, ferramentas e estratégias, no
relacionamento com o meio externo. Além de buscar soluções para os problemas a
partir do próprio sistema.

A complexidade das organizações depende do conjunto de variáveis que a


compõe, pois a organização é um sistema orgânico e adaptativo que muda sua
natureza como resultado das mudanças no sistema externo que a envolve, sendo
estruturado por 2 subsistemas, o social e o técnico. Lawrence e Lorsh (1973. p. 24)
apresenta suas preocupações de que a compreensão de uma organização pode ser
visto em diferentes dimensões, “... é ainda mais complexa porque nosso interesse vai
além do funcionamento interno da organização e alcança o problema mais intrincado
de saber como aquilo que acontece no interior da emprese se relaciona com as
condições técnicas e do mercado situados fora da empresa”.

E quanto à sua constituição, os sistemas podem ser físicos ou abstratos, com


características também de um sistema aberto que contem, entrada, saída, retroação
positiva ou negativa, estabilidade, adaptabilidade e entropia, além de possuírem
características de diferenciação, equifinalidade, ciclo de eventos e limites ou fronteiras

O estabelecimento apresenta influência das mudanças externas que a envolve,


pois a mesma, sempre procura inovar no mercado por conta da concorrência no local
e como forma de busca de soluções para os problemas a partir do próprio sistema da
empresa, eles elaboram promoções e cortesias para os clientes.

Matemática

A teoria matemática destaca-se em relação _as outras por demonstrar um


estudo mais profundo de técnicas estatísticas e matemática aplicas as organizações.
Uma abordagem determinística, logica e principalmente quantitativa, pois envolve a
estatística e própria matemática, além de estar relacionada a soluções dos problemas
administrativos, conhecida como Pesquisa Operacional, se tornando uma corrente
que localiza e que enfatiza o processo decisório e o trata de modo logico e racional
através de uma abordagem quantitativa, determinística e logica. Sua maior aplicação
está na Administração das Operações em organizações da manufatura e de serviços
que envolvem atividades relacionadas com produtos e serviços, processos e
tecnologia, localização industrial, gerenciamento da qualidade, planejamento e
controle de operações.

A TGA recebeu muitas contribuições da Matematica sob a


forma de modelos matemáticos para proporcionar soluções de
problemas empresariais. Muitas decisões administrativas são
tomadas com base em soluções contidas em equações
matemáticas que simulam situações reais que obedecem a
certas leis ou regularidades. (CHIAVENATO, 2003. P. 441)

A abordagem matemática está presente na utilização de métodos matemáticos


para melhorar a medição e controle da empresa, na elaboração métodos estatísticos
para prover os alimentos e bebidas, caso esteja perto de acabar, além de utilizarem
ferramentas matemáticas para melhorar as tomadas de decisões da empresa.

Cibernética

O filosofo e matemático Norbert Wiener criou o termo “cibernética“ para


designar a ciência do controle, comunicação e cognição. É a ciência da comunicação
e do controle, seja animal (homem, seres vivos), seja da máquina. Disciplina voltada
ao estudo dos processos que envolvem interdependências entre mecanismo, seus
alimentadores e seus produtos (input, processos e outputs) voltada principalmente
para a autorregulação advinda do processo de retroalimentação advinda do processo
de retroalimentação.

A primeira vez que escrevi Cibernética, o principal obstáculo com que


me defrontei, ao demonstrar minha proposição, foi o fato das noções de
informação estatística e de teoria do controle serem novas e talvez até
chocantes para as atitudes usuais e estabelecidas da época. Presentemente,
tornaram-se tão familiares como instrumento dos técnicos de comunicação e
dos projetistas de controle automáticos, que o perigo maior contra o qual devo
prevenir-me é que o livro possa parecer trivial e um lugar comum. (Wiener,
[1961] 1970: p. 9)

A comunicação torna os sistemas integrados e coerentes e o controle regula


seu comportamento. A cibernética compreende os processos e os sistemas de
transformações da informação e sua concretização em processos físicos, fisiológicos
e psicológicos. O campo de estudos da cibernéticas são os sistemas, que são um
conjunto de elementos que estão dinamicamente relacionados entre si, formando uma
atividade para atingir um fim, um objetivo, operando sobre entradas e fornecendo
saídas processadas.

A teoria citada, está presente no estabelecimento, na utilização da tecnologia,


afim de receber e analisar informações (Feedback) para as tomadas de decisões,
como a utilização das redes sociais, equipamentos eletrônicos e maquinas.

Contingencial

A visão contingencial procura analisar as relações dentro e entre os


subsistemas, bem como, entre a organização e seu ambiente, afim de definir
padrões de relações de configuração de variáveis. Enfatiza a natureza multivariada
das organizações. Enfatiza também, o uso da tecnologia da informação e na ênfase
no ambiente e nas demandas ambientais sobre a organização. Segundo Chiaveneto
(2004, p. 22), “as empresas bem sucedidas são aquelas que conseguem adaptar-se
adequadamente às demandas ambientais”. As relações funcionais entre as
condições ambientais e as praticas administrativas devem ser constantemente
identificas e especificadas.
A teoria contingencial está dirigida, acima de tudo para o desenho organizacional
e sistemas gerencias adequados para cada situação especifica. Ela parte de uma
relação funcional entra as condições do ambiente e as técnicas administrativas
apropriadas para o alcance dos objetivos da organização, através da Pesquisa e do
desenvolvimento.

No estabelecimento foi notável o uso da tecnologia, além da utilização de


métodos apropriados para alcançar os objetivos da organização, através do uso da
tecnologia, como o marketing digital, pesquisas de bebidas e alimentos para
diversificar o estoque, receitas, dentre outras, afim de fomentar o estabelecimento,
ficando livre para a tomada de decisões de diferentes situações, dependendo das
circunstancias.

A IMPORTÂNCIA DO TURISMOLOGO PARA ÂMBITO DO TURISMO E


DA SOCIEDADE

A construção de um planejamento estratégico para o turismo nacional, regional


e ou local, deve ser prioridade para todos os envolvidos na atividade: poder público,
iniciativa privada, associações, turismólogos e a comunidade.

O turismologo, profissional graduado no curso de bacharel em Turismo, se


apresenta como um profissional preocupado com o desenvolvimento da atividade
turística e as mudanças atuante no desenvolvimento do mesmo em uma determinada
sociedade, além de que, segundo Botomé (1998), o Campo de atuação do turismo é
definido pelas possibilidades de intervenção profissional em diferentes problemas ou
necessidades locais. Neste sentido, o turismologo está envolvido numa diversidade
de tipos de influência que precisam estar baseadas no conhecimento produzido nas
mais variadas áreas.

O termo turismologo ainda se faz pouco conhecido, sendo mais usual no


ambiente acadêmico e pelos profissionais que tiveram a formação em turismo, mas
de grande competência, poispara uma conduta competente é necessária a junção de
saberes teóricos e práticos, e que indo além destas ligações de saberes, se faz
necessária também a reflexão conjunta sobre eles e a capacidade de estabelecer
relações entre estes saberes para a tomada de decisões adequadas nas tarefas da
atividade profissional.

A pesquisa que vem sendo realizada permite compreender o conceito de


competência como a capacidade de agir, em situações previstas e não
previstas, com rapidez e eficiência, articulando conhecimentos tácitos e
científicos a experiências de vida laborais e vivenciadas ao longo das
histórias de vida. Ele tem sido vinculado à ideia de solucionar problemas,
mobilizando conhecimentos de forma transdisciplinar a comportamentos e
habilidades psicofísicas, e transferindo-os para novas situações; supõe,
portanto, a capacidade de atuação mobilizando conhecimentos. (KUENZER,
2000, p.10)

Desse modo, tais situações requerem a atuação de um profissional apto a


perceber, com mais clareza, necessidades, demandas, motivações individuais,
institucionais e coletivas e, consequentemente, a contribuir com intervenções
eficientes e eficazes, nos mais diversos campos, como os de hospitalidade,
gastronomia, transporte, agenciamento e operação de viagens, consultoria
especializada, planejamento e políticas públicas, entre em outras alternativas de
atuação no mundo do trabalho. Não é apenas o estudo da inserção de um atrativo
turístico em determinado local, é estuda toda complexidade que a envolve, a sua
interação com os moradores, visitantes, avaliação dos aspectos positivos e negativos,
elaborar estratégias de planejamento, organização sobre mobilidade, marketing,
equipamento e serviços de infraestrutura e elaboração dos serviços turísticos. Dito de
desta forma, requerem um profissional da área, cuja atuação, em decorrência,
repercuta na qualificação da própria atividade turística em suas diferentes dimensões,
que inter-relaciona com todos os setores presente, não agindo apenas de forma
isolada, ou seja, o papel do turismologo é de tamanha importância e conhecer este
papel, é de grande importância para a sociedade.

Fazer frente a tais desafios pressupõe, pois, para os turismólogos formação para
o desenvolvimento de competências/habilidades e de conhecimentos que possam
configurar um perfil profissional específico e diferenciado daqueles afetos a
profissionais que com eles atuam no mundo do trabalho.
CONCLUSÃO

A organização moderna a qual conhecemos é fruto de longa experiência e do


estudo científico. Analisando empresas que obtiveram êxito, e outras que
fracassaram, podemos perceber a importância das teorias e abordagens da
administração, e também procedimentos, que determinam o êxito de uma
organização. Assim sendo, refletir sobre o turismo e as teorias e abordagens da
administração – e, consequentemente, sobre as estruturas e serviços que lhe dão
suporte implica não só o desafio de considerar múltiplas interfaces entre aspectos
técnico-administrativos, socioeconômicos, psicossociais, culturais, ambientais, éticos,
entre outros. Por fim, concluo que foi extraído da pesquisa e entrevista realizada, a
inegável comprovação de que as teorias administrativas esão presente em diversas
atividades e organizações econômica, demonstrando uma grande importância,
enquanto ciência para a sociedade atual e as perspectivas futuras.

REFERÊNCIAS

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução a Teoria da Administração: modelo


burocrático de organização. 7. Ed. São Paulo. Editora CAMPUS, 2004.
CHIAVENATO, Idalberto. Introdução a teoria geral da administração, Rio de
Janeiro, Elsevier, 2004. Cap. 15p. 326-332
CHIAVENATO, Idalberto. Administração: Teoria, Processo e Prática. 3 ed. São
Paulo: Makron Books, 2000. Pag 22
DRUCKER, P.F. A profissão de administrador. São Paulo: Nobel, 2001.
<FAYOL, Henri. Administração Industrial e Geral. 9ª ed. São Paulo: Atlas, 1981.>
GAITHER, N.; FRAZIER, G. Administração da produção e operações. 8 ed. São
Paulo: Thompson Learning, 2006. 598p.
LACOMBE, Francisco José Masset. Dicionário de administração. São Paulo:
Saraiva 2004.
LAWRENCE, P. R.; LORSCH, J. W. As Empresas e o ambiente: Diferenciação e
Integração Administrativas. Petrópolis: Vozes, 1973. 300p.
KUENZER, Acácia Z. Conhecimento e Competências no Trabalho e na Escola.
Texto apresentado na Sessão Especial “Competencias em educação e formação de
professores” na 25ª Reunião Anual da ANPED, Caxambu-MG, 2000. Disponivel
em:http://www.anped.org.br/reuniões/25/ts25.htm
ROBBINS, S. P.; DECENZO, D.A... Fundamentos de administração: conceitos
essenciais e aplicações. 4 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004. P. 58-62.
Wiener, N. ([1961] 1970) Cibernética: ou controle e comunicação no animal e na
máquina (Cybernetics, or Control and Communication in the Animal and the Machine.
2 ed) Trad. G. K. Ghinzberg. Poligono/USP

http://polianalopez.blogspot.com.br/2010/03/teoria-cibernetica.html.
Acesso em 04Set.2019

http://sisdinf.blogspot.com.br/2006/04/um-breve-resumo-sobre-teoria- geral-dos.html.
Acesso em 04Set.2019