Você está na página 1de 85

Arquitetura TCP/IP

ÍNDICE

1. INTRODUÇÃO.........................................................................................................................................................3

1.1. SERVIÇOS EM REDES......................................................................................................................................4


1.2. ESCOPO DA INTERNET....................................................................................................................................8

2. BÁSICO DE UMA REDE......................................................................................................................................11

2.1. WANS E LANS....................................................................................................................................................12


2.2. A TECNOLOGIA ETHERNET.........................................................................................................................13
2.3. FDDI (FIBER DISTRIBUTED DATA INTERCONNECT).....................................................................................................15
2.4. ATM (ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE)................................................................................................................17
2.5. INTERLIGAÇÃO EM REDES..........................................................................................................................19

3. ENDEREÇAMENTO..............................................................................................................................................21

3.1. ENDEREÇOS DE REDES E DE BROADCAST..............................................................................................23


3.2. ENDEREÇO DE LOOPBACK..........................................................................................................................24
3.3. PONTOS FRACOS NO ENDEREÇAMENTO.................................................................................................25
3.4. UM EXEMPLO..................................................................................................................................................26

4. PROTOCOLOS.......................................................................................................................................................28

4.1. MODELO DA DIVISÃO EM CAMADAS OSI...............................................................................................29


4.2. MODELO DA DIVISÃO EM CAMADAS TCP/IP..........................................................................................31
4.3. PROTOCOLOS DE TRANSPORTE.................................................................................................................32
4.3.1. UDP (User Datagram Protocol)................................................................................................................32
4.3.2. TCP (Transmission Control Protocol).......................................................................................................35
4.4. PROTOCOLOS DE REDE................................................................................................................................38
4.4.1. IP (Internet Protocol).................................................................................................................................38
4.4.2. ICMP (Internet Control Message Protocol)...............................................................................................43
4.4.3. ARP (Address Resolution Protocol)...........................................................................................................44
4.4.4. RARP (Reverse Address Resolution Protocol)...........................................................................................45

5. ROTEAMENTO......................................................................................................................................................47

5.1. ROTEAMENTO BASEADO EM TABELAS...................................................................................................47

Cristiano Alan Torres Pág. 1/85


Arquitetura TCP/IP

5.2. ALGORITMOS DE ROTEAMENTO...............................................................................................................48


5.2.1. ROTEAMENTO VECTOR-DISTANCE .....................................................................................................49
5.2.2. ROTEAMENTO LINK-STATE (Shortest Path First)..................................................................................50
5.3. PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO...............................................................................................................52
5.3.1. IGP – Interior Gateway Protocol...............................................................................................................52
5.3.2. EGP - Exterior Gateway Protocol..............................................................................................................55
5.3.3. BGP – Border Gateway Protocol...............................................................................................................56
5.4. ROTEAMENTO MULTICAST.........................................................................................................................59

6. TCP/IP EM REDES ATM......................................................................................................................................62

7. DNS (DOMAIN NAME SYSTEM)........................................................................................................................64

8. APLICAÇÕES.........................................................................................................................................................67

8.1. TELNET.............................................................................................................................................................67
8.2. FTP (FILE TRANSFER PROTOCOL)............................................................................................................................69
8.3. NFS (NETWORK FILE SYSTEM)................................................................................................................................71
8.4. RPC (REMOTE PROCEDURE CALL)...........................................................................................................................73
8.5. SMTP (SIMPLE MAIL TRANSFER PROTOCOL)............................................................................................................74

9. FUTURO DO TCP/IP (IPV6).................................................................................................................................77

9.1. FORMATO DO DATAGRAMA.......................................................................................................................79


9.2. TAMANHO DO ESPAÇO DE ENDEREÇO....................................................................................................81
9.3. TRÊS TIPOS BÁSICOS DE ENDEREÇO DO IPV6.........................................................................................83

10. BIBLIOGRAFIA....................................................................................................................................................85

Cristiano Alan Torres Pág. 2/85


Arquitetura TCP/IP

1. INTRODUÇÃO

Devido ao tremendo impacto dos computadores na sociedade, principalmente na última década,


este período da história tem sido denominado “a era da informação”. O lucro e a produtividade
das organizações e indivíduos tem sido aumentados de forma significativa pelo uso das redes
de computadores como suporte a troca e acesso à informação. Indivíduos utilizam as redes de
computadores quase que diariamente de forma a conduzir suas atividades pessoais e
empresariais. O que se pode observar é uma aceleração da utilização e das aplicações com
base na tecnologia das redes de computadores, à medida que mais pessoas descobrem as
potencialidades dos computadores e das redes de comunicação tanto em aplicações
domésticas como em empresariais. As transações e atividades diárias em lojas de
departamentos, bancos, e outras pessoas e empresas das mais diversas naturezas, estão cada
vez mais dependentes das redes de computadores.

Lamentavelmente, a maioria das redes constitui entidades independentes estabelecidas para


atender às necessidades de um grupo isolado. Os usuários selecionam uma tecnologia de
hardware que seja adequada aos seus problemas de comunicação. É impossível a estruturação
de uma rede universal com base em uma única tecnologia de hardware, já que nenhuma rede
única atende a todas as aplicações. Alguns usuários precisam de uma rede de alta velocidade
para conectar-se a máquinas, mas essas redes não podem ser expandidas para alcançar
grandes distâncias. Outros preferem uma rede de velocidade inferior que faça conexão com
máquinas a centenas de milhas de distância.

Ao longo dos anos, as agências governamentais norte-americanas perceberam a importância e


o potencial de tecnologia de interligação em redes e vêm financiando as pesquisas que
possibilitaram a interconexão global de redes. A tecnologia da ARPA (Advanced Research
Projects Agency) inclui um conjunto de padrões de rede que especificam os detalhes do
sistema pelo qual os computadores se comunicam, bem como um conjunto de convenções para
interconexão em redes e para roteamento. Denominado oficialmente Pilha de Protocolos de

Cristiano Alan Torres Pág. 3/85


Arquitetura TCP/IP

interligação em redes TCP/IP, e geralmente citado como TCP/IP, essa pilha pode ser utilizada
para comunicação em qualquer conjunto de redes interconectadas. Algumas empresas, por
exemplo, utilizam o TCP/IP para interconectar todas as redes de sua organização, ainda que a
empresa não se comunique com redes externas. Outros grupos utilizam o TCP/IP para
estabelecer comunicações entre sites geograficamente distantes.

Nos Estados Unidos, a National Science Foundation (NSF), o Department of Energy (DOE), o
Department of Defense (DOD), a Health and Human Services Agency (HHS) e a National
Aearonautics and Space Administration (NASA) participaram do financiamento da Internet e
utilizam o TCP/IP para conectar muitas de suas instalações de pesquisa. A interligação em
redes resultante permite que os pesquisadores de instituições conectadas compartilhem
informações com seus colegas de todo o mundo com a mesma facilidade com que
compartilham informações com pesquisadores da sala ao lado. Um sucesso extraordinário, a
Internet demonstra a viabilidade da tecnologia TCP/IP e mostra como pode-se lidar com uma
diversidade de tecnologias de redes.

1.1. SERVIÇOS EM REDES

Grande parte da abordagem de serviços terá como foco padrões denominados protocolos.
Protocolos como TCP e IP fornecem as regras para a comunicação. Eles contém os detalhes
de formatos de mensagens, descrevem o que um computador faz ao receber uma mensagem e
especificam como um computador trata os erros ou outras condições anormais. De certa forma,
um protocolo de comunicação permite que alguém especifique ou entenda uma comunicação
de dados sem depender de conhecimentos minuciosos do hardware da rede de um fornecedor
específico. Todos os serviços de rede são descritos por protocolos.

Os serviços de aplicativos da Internet mais comum e difundidos incluem:

Cristiano Alan Torres Pág. 4/85


Arquitetura TCP/IP

• Correio Eletrônico. O correio eletrônico permite que um usuário elabore memorandos e os


envie a indivíduos ou grupos. Uma outra parte do aplicativo do correio eletrônico permite
que os usuários leiam os memorandos que receberam. O correio eletrônico tem sido tão
bem-sucedido que muitos usuários da Internet dependem dele para correspondência
comercial normal. Embora existam muitos sistemas de correio eletrônico, a utilização do
TCP/IP faz com que a entrega de correio seja mais confiável, já que não depende de
computadores para processamentos intermediários na transmissão de mensagens. Um
sistema de entrega de correio TCP/IP opera através de contato direto entre a máquina do
transmissor e a máquina do receptor. Assim, o transmissor sabe que quando a mensagem
deixa a máquina local, ela foi recebida com êxito no destino.

• Transferência de arquivos. Embora alguns usuários às vezes transfiram arquivos através


do correio eletrônico, ele se destina, sobretudo, a mensagens de pouco texto. Os
protocolos TCP/IP incluem um programa aplicativo que permite que os usuários enviem ou
recebam arbitrariamente arquivos externos de programas de dados. Ao utilizar, por
exemplo, um programa de transferência de arquivos, a pessoa pode copiar de uma
máquina para outra uma base de dados extensa contendo imagens de satélite, um
programa escrito em Pascal ou C++, ou um dicionário de inglês. O sistema indica uma
maneira de checar os usuários autorizados, ou até de evitar acessos. Tal como ocorre com
o correio eletrônico, a transferência de arquivos na interligação em redes TCP/IP é
confiável porque as duas máquinas envolvidas comunicam-se diretamente, sem depender
de máquinas intermediárias que façam cópias do arquivo ao longo do processo.

• Login remoto. O login remoto permite que, de seu computador, um usuário entre em
conexão com uma máquina remota e estabeleça uma sessão interativa de login. O login
remoto faz com que uma janela na tela do usuário pareça conectar-se diretamente com a
máquina remota, enviando cada toque no teclado a uma máquina remota e exibindo cada
caracter que o computador remoto imprime na janela do usuário. Quando a sessão de login
remoto termina, o aplicativo retorna o usuário ao sistema local.

Cristiano Alan Torres Pág. 5/85


Arquitetura TCP/IP

No nível da camada de rede, uma interconexão proporciona extensos tipos de serviços que
todos os programas aplicativos utilizam:

• Serviço de entrega de pacotes sem conexão. Este serviço, explicado com detalhes ao
longo do texto, forma a base para todos os serviços de interligação em redes. A entrega
sem conexão constitui uma preocupação do serviço oferecido pela maioria das redes
distribuidoras de encomendas. Isso simplesmente significa que a interligação em redes
TCP/IP promove o roteamento de pequenas mensagens de uma máquina para outra, com
base nas informações do endereço contidas na mensagem. Como o serviço sem conexão
promove o roteamento de cada pacote separadamente não há garantia de entrega, e nem
de entrega na mesma ordem na qual os pacotes forma transmitidos. Já que quase sempre
há um mapeamento direto para o hardware, o serviço sem conexão é extremamente
eficiente. O mais importante é que a entrega de pacotes, sem conexão, como base para
todos os serviços de interligação em redes, torna os protocolos TCP/IP adaptáveis a uma
ampla gama de hardware de redes.

• Serviço de transporte de streams confiáveis. A maioria dos aplicativos precisa de muito


mais do que uma entrega de pacotes, porque eles exigem que o software de comunicação
corrija automaticamente erros de transmissão, pacotes perdidos, ou falhas de comutações
ao longo do caminho entre o transmissor e o receptor. O serviço de transporte confiável
trata desses problemas. Ele permite que um aplicativo de um computador estabeleça uma
“conexão” com um aplicativo de outro computador, e a seguir envie um grande volume de
dados através da conexão, como se fosse uma conexão de hardware direta e permanente.
Naturalmente, em um nível mais baixo, os protocolos de comunicação dividem a cadeia de
dados em mensagens curtas e as envia, uma de cada vez, esperando que o receptor
confirme a recepção.

Muitas redes oferecem serviços básicos semelhantes aos mencionados acima, de modo que
alguém poderia questionar o que diferencia os serviços TCP/IP de outros. As principais
características diferenciadoras são:

Cristiano Alan Torres Pág. 6/85


Arquitetura TCP/IP

• Independência da tecnologia de redes. Embora o TCP/IP seja baseado em tecnologia


convencional de comutação de pacotes, ele é independente do hardware de qualquer
fornecedor específico. A Internet inclui diversas tecnologias de rede, desde as redes
projetadas para operar em um prédio até as projetadas para cobrir grandes distâncias. Os
protocolos TCP/IP definem a unidade de transmissão de dados denominada datagrama, e
especifica como transmitir datagramas em uma rede específica.

• Interconexão universal. Uma interligação em redes TCP/IP permite a comunicação de que


qualquer par de computadores ao qual ela é conectada. A cada computador é atribuído um
endereço universalmente reconhecido por toda a interligação em redes. Cada datagramas
traz os endereços de sua origem e de seu destino. Os computadores de comutação
intermediária utilizam o endereço de destino para tomar decisões sobre roteamento.

• Confirmações fim-a-fim. Os protocolos de interligação em redes TCP/IP fornecem uma


confirmação entre a origem e o destino final, e não entre máquinas sucessivas ao longo do
caminho, mesmo quando as duas máquinas não se conectam a uma mesma rede física.

• Padrões de protocolo de aplicativos. Além dos serviços básicos no nível de transporte


(como conexões de streams confiáveis), os protocolos TCP/IP incluem padrões para muitos
aplicativos comuns, inclusive o correio eletrônico, a transferência de arquivos e o login
remoto. Assim, quando estão desenvolvendo programas aplicativos que utilizam TCP/IP, os
programadores sempre descobrem que o software existente oferece os serviços de
comunicação de que eles precisam.

Cristiano Alan Torres Pág. 7/85


Arquitetura TCP/IP

1.2. ESCOPO DA INTERNET

A arquitetura TCP/IP surgiu com a criação de uma rede patrocinada pelo Departamento de
Defesa dos Estados Unidos. Uma das tarefas essenciais dessa rede seria manter comunicados,
mesmo que apenas uma parte, órgãos do governo e universidades, numa ocorrência de
guerras ou catástrofes que afetassem os meios de comunicação daquele país. Dessa
necessidade, surgiu a ARPANET, uma rede que permaneceria intacta caso um dos servidores
perdesse a conexão. A ARPANET necessitava então de um modelo de protocolos que
assegurasse tal funcionalidade esperada, mostrando-se confiável, flexível e de fácil
implementação. É então desenvolvida a arquitetura TCP/IP, que se torna um padrão de fato. A
ARPANET cresceu e tornou-se a rede mundial de computadores – Internet. A utilização (e
facilidades) do padrão TCP/IP utilizado pelos fabricantes de outras redes, com a finalidade da
conectividade com a Internet. A normalização do TCP/IP chegou após a sua utilização em
massa.

A Internet cresceu, abrangendo centenas de redes individuais localizadas nos Estados Unidos e
na Europa. Conectou aproximadamente 20.000 computadores de universidades, órgãos
públicos e laboratórios de pesquisa organizacional. O tamanho e a utilização da Internet
continuou em ascensão muito mais acelerada do que o previsto. No final de 1987, estimou-se
que o crescimento alcançara 15% ao mês. Em torno de 1994, a Internet alcançava mais de 3
milhões de computadores em 61 países.

A utilização de protocolos TCP/IP e o crescimento da Internet não se limitaram a projetos


financiados pelo governo. Grandes companhias voltadas para o setor de computadores
conectaram-se à Internet, bem como muitas outras organizações de grande porte como
companhias de petróleo, indústria automobilística, empresas de eletrônica, companhias
farmacêuticas e portadoras de telecomunicações. As empresas de pequeno e médio porte
começaram a conectar-se na década de 1990. Além disso, muitas outras utilizavam os
protocolos TCP/IP em suas interligações em redes corporativas, mesmo tendo optado por não
participar da Internet.

Cristiano Alan Torres Pág. 8/85


Arquitetura TCP/IP

Uma expansão acelerada trouxe problemas de escala não previstos no projeto original e
motivou os pesquisadores a encontrar técnicas para gerenciar numerosos recursos distribuídos.
No projeto original, por exemplo, os nomes e endereços de todos os computadores conectados
à Internet eram mantidos em um único arquivo que era editado manualmente e, a seguir,
distribuído a todos os sites da Internet. Em meados da década de 1980, tornou-se óbvio que um
banco de dados de origem não seria suficiente. Primeiro, os pedidos para atualização de
arquivos rapidamente provocaria excesso do pessoal disponível para processá-los. Segundo,
ainda que existisse um arquivo-fonte correto, a capacidade da rede seria insuficiente para
permitir a distribuição freqüente para todos os sites ou o acesso on-line a cada site.

Novos protocolos foram desenvolvidos e um sistema de atribuição de nome foi colocado em


vigor através da Internet para permitir que qualquer usuário automaticamente determinasse o
nome de uma máquina remota. Conhecido como Domain Name System (DNS), o mecanismo
conta com máquinas denominadas servidoras de nome para responder a consultas sobre
nomes. Nenhuma máquina contém todo o banco de dados de nomes de domínios. Em vez de
uma máquina, os dados são distribuídos por um conjunto de máquinas que utilizam protocolos
TCP/IP para se comunicarem entre si quando estiverem respondendo a uma consulta. Tão logo
a Internet tornou-se popular e os usuários passaram a buscar informações através de serviços
como Gopher e a World Wide Web, novamente o tráfego aumentou.

A Internet não é controlada por nenhum órgão governamental ou comercial, mas sim por
organizações voluntárias que controlam os usuários e os artigos publicados na Internet. Eis
algumas organizações:

IAB A IAB (Internet Advisory Board) é constituída de várias organizações e seu


objetivo principal é coordenar a organização geral da Internet.
InterNIC A InterNIC (Internet Network Information Center) foi criado pela NSF para
distribuir endereços IP.
IRTF O IRTF (Internet Research Task Force) é um dos comitês que constituem a
IAB. Ele é responsável por várias atividades a nível de pesquisa, como o
desenvolvimento de protocolos.
RFC RFC (Request for Comments) são documentos técnicos relacionados aos

Cristiano Alan Torres Pág. 9/85


Arquitetura TCP/IP

protocolos da Internet. Alguns deles contém padrões para os protocolos, outros


são recentemente desenvolvidos, podendo obter sucesso e se tornarem
padrões. Esses documentos formam a documentação da Internet.
FNC FNC (Federal Networking Council) é um comitê que exerce a parte informativa
da Internet. A FNC realiza o intermédio entre a IAB e as instituições
governamentais, além de prestar suporte a agências no uso da Internet.
IETF IETF (Internet Engeneering Task Force) é um subcomitê da IAB que realiza a
manutenção de problemas construtivos e também a implementação de novas
tecnologias.

A Internet é considerada por muitos como um dos mais importantes e revolucionários


desenvolvimentos da história da humanidade. Pela primeira vez no mundo um cidadão comum
ou uma pequena empresa pode (facilmente e a um custo muito baixo) não só ter acesso a
informações localizadas nos mais distantes pontos do globo como também – e é isso que torna
a coisa revolucionária – criar, gerenciar e distribuir informações em larga escala, no âmbito
mundial, algo que somente uma grande organização poderia fazer usando os meios de
comunicação convencionais. Isso com certeza afetará substancialmente toda a estrutura de
disseminação de informações existente no mundo, a qual é controlada primariamente por
grandes empresas. Com a Internet um pessoa qualquer (um jornalista, por exemplo) pode, de
sua própria casa, oferecer um serviço de informação baseado na Internet, a partir de um
microcomputador, sem precisar da estrutura que no passado só uma empresa de grande porte
poderia manter. Essa perspectiva abre um enorme mercado para profissionais e empresas
interessadas em oferecer serviços de informação específicos.

Cristiano Alan Torres Pág. 10/85


Arquitetura TCP/IP

2. BÁSICO DE UMA REDE

Independente do tipo de conexão que façam, seja entre computadores ou entre terminais e
computadores, as redes de comunicação dividem-se em dois tipos básicos: de comutação de
circuitos (também conhecidas como redes baseadas em conexões) e de comutação de pacotes
(conhecidas, ainda, como redes sem conexão).

• A comutação por circuitos opera formando uma conexão dedicada entre duas pontas. O
sistema telefônico dos Estados Unidos utiliza uma tecnologia de comutação de circuitos –
uma chamada telefônica estabelece um circuito da linha de quem telefona, através de uma
central de comutação local, passando por linhas do tronco, até uma central de comutação
remota e, finalmente, ao destinatário da chamada. Enquanto um circuito estiver aberto, o
equipamento telefônico testa o microfone várias vezes, converte os sinais para o formato
digital e os transmite através do circuito para o receptor. O transmissor tem a garantia de
que os sinais serão distribuídos e reproduzidos, pois o circuito oferece um percurso de
dados seguro, de 64 kpbs (mil bits por segundo), o mínimo necessário para o envio de voz
digitalizada. A vantagem da comutação de circuitos reside na sua capacidade segura: uma
vez que um circuito é estabelecido, nenhuma outra atividade de rede poderá reduzir a
capacidade do circuito. A desvantagem da comutação de circuitos é o alto custo: o preço é
fixo, independente do tráfego. Por exemplo, o preço de uma ligação telefônica é o mesmo,
ainda quando as duas pontas não se comunicam.

• Nas redes de comutação de pacotes, as mensagens a serem transmitidas através das


estações da rede são divididas em pequenas unidades chamadas pacotes que são
multiplexados por meio de conexões entre máquinas de alta capacidade. Um pacote que
geralmente contém apenas pequenas unidades de informações transporta uma
identificação que capacita o hardware da rede a enviar as informações a determinado
destino. Por exemplo, a transmissão de um arquivo extenso entre dois equipamentos deve
ser feita a partir da divisão do arquivo em vários pacotes antes de encaminhá-los à rede. O

Cristiano Alan Torres Pág. 11/85


Arquitetura TCP/IP

hardware da rede envia os pacotes aos seus respectivos destinos onde o software os
reúne novamente em um único arquivo. A grande vantagem da comutação de pacotes é a
possibilidade de realizar simultaneamente várias comunicações entre computadores, com
conexões entre equipamentos compartilhados por todos os pares de equipamentos que
estão se comunicando. A desvantagem é que à medida que a atividade se intensifica, um
determinado par de computadores conectados entre si recebe uma capacidade menor da
rede. Ou seja, toda vez que uma rede de comutação de pacotes estiver sobrecarregada,
os computadores conectados a ela terão que esperar até poderem enviar pacotes
adicionais.

2.1. WANs e LANs

As tecnologias de comutação de pacotes são freqüentemente divididas em duas categorias, de


acordo com a extensão: redes de longas distâncias (WANs) e redes locais (LANs). As duas
categorias não possuem definições formais. Ao contrário, os fornecedores utilizam os termos de
forma coloquial para que os consumidores saibam diferenciar as duas tecnologias.

As tecnologias de rede remota ou de redes de longas distâncias possibilitam a comunicação


entre grandes distâncias. A maioria das tecnologias de rede de longas distâncias não impõe um
limite na extensão da distância; permite que os dois extremos se comuniquem a uma distância
arbitrária. Por exemplo, uma rede de longa distância pode operar em um continente ou conectar
computadores de continentes diferentes. Geralmente, as redes de longa distâncias operam em
velocidades mais lentas do que as redes locais, e necessitam de um retardo de transmissão
bem maior entre as conexões. A velocidade de uma rede de longas distâncias varia de 56 Kbps
a 155 Mbps (um milhão de bits por segundo). O retardo de transmissão pode variar desde
alguns milissegundos até vários décimos de segundo.

As tecnologias de rede local possuem uma velocidade de conexão entre comutadores bem
mais rápida, mas deixam a desejar na capacidade de operar em longas distâncias. Por
exemplo, uma rede local típica abrange uma área pequena, como um único edifício ou um

Cristiano Alan Torres Pág. 12/85


Arquitetura TCP/IP

campus, e funciona entre 10 Mbps e 2 Gbps (bilhões de bits por segundo). Já que essas
tecnologias operam em pequenas áreas, o retardo de transmissão é bem menor do que o das
tecnologias de rede de longas distâncias, o qual pode durar desde alguns décimos de um
milissegundo, até no máximo dez milissegundos.

2.2. A TECNOLOGIA ETHERNET

Ethernet é o nome dado a uma tecnologia de rede local popular, de comutação de pacotes; a
maioria das empresas de médio e grande porte a utiliza. Cada cabo da Ethernet possui
aproximadamente 0,5 polegadas de diâmetro e até 500 metros de comprimento. Para oferecer
o máximo de proteção contra interferência elétrica de dispositivos como motores elétricos, o
cabo possui uma forte proteção que o torna difícil de ser dobrado. O esquema de fiação
funciona perfeitamente quando vários computadores ocupam um mesmo compartimento. O
cabo percorre o trajeto diretamente de um computador a outro. Para incluir um novo
computador, basta conectá-lo à cadeia.

CABO DA ETHERNET

Figura 2.1. Conexão física entre dois computadores.

Com o avanço da tecnologia foi possível construir redes Ethernets que não necessitam da
proteção elétrica de um cabo coaxial. Chamada de Ethernet de pares trançados, essa
tecnologia permite que um computador acesse uma rede Ethernet utilizando um par de fios de
cobre normais sem proteção, semelhantes aos utilizados para fazer conexões entre
equipamentos telefônicos. A vantagem desse tipo de tecnologia é que, além de reduzir os
custos, oferece proteção a outros computadores da rede no caso de um usuário desconectar
um único computador. Em alguns casos, uma tecnologia de pares trançados possibilita que

Cristiano Alan Torres Pág. 13/85


Arquitetura TCP/IP

uma instituição utilize a Ethernet com a fiação telefônica já existente, sem a adição de novos
cabos. Conhecido tecnicamente como 10Base-T, o esquema de fiação de pares trançados
conecta cada computador a um HUB da Ethernet, como ilustra a Figura 2.2.

CONEXÕES DE PARES TRANÇADOS PARA O


HUB

HUB

Figura 2.2. Cada computador conecta-se a um HUB por cima de um par de fios.

O HUB é um dispositivo eletrônico que estimula os sinais num cabo Ethernet. Fisicamente, o
HUB é formado por uma pequena caixa que geralmente é alojada em um gabinete de fiação;
uma conexão entre um HUB e um computador deve ter menos de cem metros de extensão. Um
HUB necessita de energia elétrica e, talvez, de pessoal qualificado para fazer o monitoramento
e o controle de sua operação na rede. Para a interface com um computador, a conexão a um
HUB parece funcionar do mesmo modo que a conexão direta com coaxial.

A Ethernet é uma tecnologia de barramento de difusão de 10 Mbps com método de entrega


sem garantia e controle de acesso distribuído. É um barramento porque todas as estações
compartilham um único canal de comunicação; é de difusão (broadcast) porque todos os
transceptores recebem cada uma das transmissões. O controle de acesso é distribuído porque,
ao contrário de algumas tecnologias de rede, a Ethernet não possui nenhuma autoridade
central para permitir o acesso, vários equipamentos podem acessar a Ethernet
simultaneamente e cada um deles estabelece se o meio está ou não livre, detectando a
presença ou não de sinal. Quando uma interface do host tem um pacote para transmitir, ela
verifica o meio para saber se há alguma mensagem sendo transmitida. Se nenhuma
transmissão for detectada, a interface do host inicializa a transmissão. Cada uma das
transmissões possui um limite de duração (porque há um tamanho máximo de pacote). Além do

Cristiano Alan Torres Pág. 14/85


Arquitetura TCP/IP

mais, o hardware deve observar um intervalo mínimo de tempo entre as transmissões, o que
significa que nenhum par de equipamentos comunicantes pode utilizar a rede sem oferecer aos
demais equipamentos uma oportunidade de acesso.

Apesar de um cabo da Ethernet possuir um comprimento máximo, a rede pode ser aumentada
de duas maneiras: com o auxílio de repetidores e de pontes.

• O repetidor pode ser utilizado para transmitir sinais elétricos de um cabo a outro.
Entretanto, no máximo dois repetidores podem ser colocados entre duas máquinas, de
modo que o comprimento total de uma única Ethernet continua muito pequeno (três
segmentos de 500 metros cada).

• As pontes são melhores do que os repetidores porque não repercutem os ruídos, as falhas
ou os quadros com má formação; um quadro inteiramente válido deve ser recebido antes
que a ponte o aceite e o transmita para outro segmento.

De acordo com a visão do TCP/IP, as Ethernets ligadas por pontes são simplesmente uma
outra forma de conexão física de rede. O importante é que: Em virtude de a conexão entre
cabos físicos, fornecida pelas pontes e pelos repetidores, ser transparente para os
equipamentos conectados à Ethernet, um sistema único de rede física.

2.3. FDDI (Fiber Distributed Data Interconnect)

A FDDI é uma conhecida tecnologia de rede que opera em pequenas áreas geográficas e
oferece uma largura de banda maior do que a Ethernet. Ao contrário da Ethernet e de outras
tecnologias de redes locais que utilizam cabos para transportar os sinais elétricos, a FDDI utiliza
fibras de vidro e transmite as informações, convertendo-as em feixes de luz.


O termo quadro deriva-se da comunicação por linhas seriais, nas quais o transmissor “configura” a informação,
acrescentando sinais especiais antes e após a transmissão das informações.

Cristiano Alan Torres Pág. 15/85


Arquitetura TCP/IP

A fibra óptica possui duas vantagens a mais do que o fio de cobre:

• são imunes à interferência eletromagnética, podendo ficar próximas a dispositivos elétricos


potentes;

• como utilizam luz, a quantidade de informação transportadas por um único canal de fibra
óptica é significativamente maior do que a dos cabos que transportam sinais elétricos.

A FDDI é uma rede token ring de 100 Mbps dotada de um recurso de auto-reparo É uma rede
em anel porque forma um circuito fechado, iniciando em um computador, passando por todos
os outros, e novamente retornando ao computador de origem.
Trata-se de uma rede de tecnologia token ring porque utiliza um token como forma de controlar
a transmissão. Quando a rede está inativa, um quadro especial denominado token passa de
estação a estação. Sempre que uma estação tiver que enviar um pacote, ela terá que esperar a
chegada de um token, enviar o pacote e depois passar o token à estação seguinte. O token que
está sendo utilizado garante o equilíbrio: concede a todas as estações a oportunidade de enviar
um pacote antes que outra estação envie um segundo pacote.

REDE FDDI EM ANEL

Figura 2.3. Uma rede FDDI com fibras ópticas fazendo a conexão de seis computadores. As setas indicam a direção
do tráfego nas fibras e nos computadores conectados entre si.

Cristiano Alan Torres Pág. 16/85


Arquitetura TCP/IP

Para oferecer um recurso de recuperação automática de falhas, o hardware da FDDI utiliza dois
anéis independentes que se conectam a cada computador. Quando a interface percebe que
não pode comunicar-se com o computador ao lado, o anel de garantia é utilizado para contornar
a falha.

A falha talvez seja decorrente da desconexão da fibra (p. ex., um corte acidental). Se as fibras
de ambos os anéis seguirem o mesmo percurso físico, é muito provável que a Segunda fibra
também seja desconectada. O hardware da FDDI automaticamente utiliza o anel de rotação
oposta para formar o circulo fechado na direção em que ele ainda está operando. Com isso, os
outros computadores podem continuar se comunicando, mesmo com a ocorrência da falha.

2.4. ATM (Asynchronous Transfer Mode)

O ATM é o nome dado a uma tecnologia de rede de alta velocidade, baseada em conexão, que
vem sendo usada tanto nas redes que operam em pequenas como em grandes áreas
geográficas. Pelos padrões correntes, as redes de alta velocidade são aquelas que operam a
uma velocidade de, no mínimo, 100 Mbps; o ATM pode intercambiar informações com
velocidades de gigabit/segundo. É claro que para se obterem velocidades tão altas é necessário
um equipamento complexo de última geração. Consequentemente, as redes ATM possuem um
custo mais alto do que as demais tecnologias.

Uma rede ATM utiliza técnicas de hardware e software especiais:

• Uma rede ATM é formada por um ou mais comutadores de alta velocidade que são
conectados aos computadores host e a outros comutadores ATM.

• O ATM utiliza fibras ópticas para fazer conexões, inclusive conexões entre um computador
host e um comutador ATM. As fibras ópticas possuem uma velocidade de transferência

Cristiano Alan Torres Pág. 17/85


Arquitetura TCP/IP

maior do que a dos fios de cobre; normalmente, a conexão entre um host e um comutador
ATM opera a uma velocidade de 100 ou 155 Mbps.

• As camadas mais baixas de uma rede ATM utilizam quadros de tamanhos fixos chamados
células. Como as células possuem exatamente o mesmo tamanho, o hardware do
comutador ATM pode processá-la rapidamente.

A rede ATM difere das redes de comutação de pacotes porque oferece um serviço baseado em
conexão. Antes de um computador host conectado a um ATM enviar células, ele deve
primeiramente interagir com o comutador para especificar o endereço do destinatário. A
interação é análoga a uma ligação telefônica. O host especifica o endereço do computador
remoto e espera o comutador ATM entrar em contato com o sistema remoto e estabelecer um
caminho (rota fixa). Se o computador remoto não aceitar o pedido, não responder ou se o
comutador não puder alcançar o computador remoto, o pedido para estabelecer a comunicação
falha.

Quando uma conexão é feita, o comutador ATM local escolhe um identificador da conexão e
passa-o para o host, juntamente com um mensagem informando o sucesso da conexão. O host
utiliza o identificador da conexão ao enviar ou receber células.

Ao terminar a conexão, o host comunica-se novamente com o comutador para que a conexão
seja desfeita. O comutador desconecta os dois computadores. A desconexão equivale a tirar
um telefone do gancho no final de uma ligação telefônica; após a desconexão, o comutador
pode novamente utilizar o identificador da conexão.


Em virtude de a rede ATM ter sido idealizada para transportar voz, assim como dados, há uma forte relação entre o
ATM e a comutação telefônica.

Cristiano Alan Torres Pág. 18/85


Arquitetura TCP/IP

2.5. INTERLIGAÇÃO EM REDES

Fisicamente, duas redes só podem ser conectadas por um computador que esteja ligado às
duas. No entanto, uma ligação física não fornece a interconexão que imaginamos, porque tal
ligação não garante que o computador vai cooperar com outras máquinas que desejam se
comunicar. Para se ter uma interconexão de rede viável, necessitamos de computadores que
queiram repassar pacotes de uma rede para outra. Os computadores que conectam entre si
duas redes e repassam pacotes de um para o outro são chamados de gateways de interligação
em redes ou roteadores de interligação em redes. Considere um exemplo que consista de duas
redes físicas mostradas na Figura 2.4, o roteador R está conectado às redes 1 e 2. Para R atuar
como um roteador, precisa capturar pacotes na rede 1 que são destinados às máquinas na rede
2 e transferi-los e vice-versa.

REDE REDE
R
"1" "2"

Figura 2.4. Duas redes físicas conectadas entre si por um roteador.

Na figura acima, são usadas nuvens para demonstrar redes físicas, porque o hardware
específico não tem importância. Cada rede pode ser uma rede local ou uma rede de longa
distância, e cada uma pode ter muitos ou poucos hosts acoplados.

Quando conexões de interligação em redes se tornam mais complexas, os roteadores


necessitam saber sobre a topologia da interligação em redes, além das redes às quais estão
conectados.

Cristiano Alan Torres Pág. 19/85


Arquitetura TCP/IP

REDE REDE REDE


R1 R2
"1" "2" "3"

Figura 2.5. Três redes interconectadas por dois roteadores.

Neste exemplo, o roteador R1 deve transferir da rede 1 para a rede 2 todos os pacotes
destinados a máquinas em qualquer das redes 2 e 3. Para uma grande interligação em redes
composta de muitas redes, a tarefa do roteador de tomar decisões sobre por onde enviar
pacotes se torna mais complexa.

Além de roteadores que conectam entre si redes físicas, o software é necessário em cada host
para permitir que programas aplicativos usem a interligação em redes como se fosse uma única
rede realmente física. Do ponto de vista da interligação em redes, qualquer sistema de
comunicação capaz de transferir pacotes é considerado como uma única rede, independente do
retardo, da vazão, do tamanho máximo do pacote ou da escala geográfica.

O protocolo da interligação em redes do TCP/IP trata todas as redes do mesmo modo. Uma
rede local, como uma Ethernet, uma rede de área maior, como o backbone de ANSNET, ou
uma ligação de ponto a ponto entre duas máquinas, cada uma conta como uma rede.

Cristiano Alan Torres Pág. 20/85


Arquitetura TCP/IP

3. ENDEREÇAMENTO

Pensando em uma interligação em redes como uma grande rede igual a qualquer outra rede
física. A diferença é que a interligação em redes é uma estrutura virtual, idealizada por seus
projetistas e totalmente implantada em software. Assim, os projetistas estão livres para escolher
formatos e tamanhos de pacotes, endereços, técnicas de entrega e assim por diante; nada é
orientado pelo hardware. Para endereços, os projetistas de TCP/IP optaram por um esquema
análogo ao endereçamento de rede física, no qual a cada host da interligação é atribuído um
endereço com número inteiro de 32 bits, denominado seu endereço IP. A parte interessante do
endereçamento da interligação é que os números inteiros são escolhidos cuidadosamente para
tornar o roteamento eficiente. Especificamente, um endereço IP codifica a identificação da rede
à qual um host se acopla, assim como a identificação de um único host nessa rede. Resumindo:

“A cada host de uma interligação em redes TCP/IP é atribuído um endereço de


interligação em redes único de 32 bits que é usado em todas as comunicações com
aquele host.”

Os bits dos endereços IP para todos os hosts de uma rede dada compartilham um mesmo
prefixo. Conceitualmente, cada endereço é um par (netid, hostid) em que netid identifica uma
rede e hostid identifica um host naquela rede. Na prática, cada endereço IP deve Ter uma das
três primeiras formas mostradas na Figura 3.1. Dado um endereço IP, seu tipo pode ser
determinado a partir de três bits de alta ordem, sendo dois bits suficientes para distinguir entre
as três classes principais:

• Endereços do tipo A, são usados pelas numerosas redes que não possuem mais de 216
(ou seja, 65.536) hosts, dedicam sete bits para netid e 24 bits para hostid.

• Endereços do tipo B, que são usados para redes de tamanho médio que possuem entre
28 (ou seja, 256) e 216 hosts, alocam 14 bits para o netid e 16 bits para o hostid.

Cristiano Alan Torres Pág. 21/85


Arquitetura TCP/IP

• Endereços do tipo C, que possuem menos de 28 hosts, alocam 21 bits para o netid e
somente 8 bits para hostid.

O endereço IP foi definido de tal modo que é possível extrair as partes do netid ou do hostid
rapidamente. Os roteadores, que usam a parte netid de um endereço ao decidir qual o destino
de um pacote, dependem de uma extração eficiente para alcançar velocidade alta.

0 1 2 3 4 8 16 24 31
1 Netid Hostid
1 0 Netid Hostid
1 1 0 Netid Hostid
1 1 1 0 Endereços multicast
1 1 1 1 0 Reservado para uso futuro

Figura 3.1. As cinco formas de endereços da Internet (IP). As três primeiras formas, classes A, B e C podem ser
diferenciadas pelos três primeiros bits.

Quando os computadores convencionais possuem duas ou mais conexões físicas são


denominados hosts multi-homed. Esses hosts e os roteadores necessitam de endereço IP
múltiplos. Cada endereço corresponde a uma das conexões de rede da máquina. Portanto,
como os endereços IP codificam não apenas uma rede, como também um host daquela rede,
os endereços IP não especificam um computador individual, e sim uma conexão à rede. Assim,
um roteador conectando n redes tem n endereços diferentes de IP, um para cada conexão de
rede.

Os endereços IP são escritos como quatro números inteiros decimais separados por pontos
decimais, no qual cada número inteiro fornece o valor de um octeto de endereço IP. Assim, o
endereço de 32 bits:
10000000 00001010 00000010 00011110
é representado por:
128.10.2.30

Cristiano Alan Torres Pág. 22/85


Arquitetura TCP/IP

Na realidade, a maioria dos softwares TCP/IP que apresenta ou requer uma pessoa para
manipular um endereço IP usa a notação decimal com ponto. Assim, compreender a relação
entre tipos de endereços IP e números decimais pode ajudar. A tabela da Figura 3.2 resume a
escala de valores para cada tipo.

Classe Endereço mais baixo Endereço mais alto


A 0.1.0.0 126.0.0.0
B 128.0.0.0 191.255.0.0
C 192.0.1.0 223.255.255.0
D 224.0.0.0 239.255.255.255
E 240.0.0.0 247.255.255.255

Figura 3.2. A escala de valores decimais que correspondem a cada tipo de endereço IP.

3.1. ENDEREÇOS DE REDES E DE BROADCAST

A maior vantagem de codificar informações de rede em endereços de interligação em redes é o


roteamento eficiente. Outra vantagem é que os endereços de interligação em redes podem se
referir a redes, assim como a hosts. Por convenção, hostid zero nunca é atribuído a um host
individual. Em vez disso, um endereço IP com hostid zero é usado para se referir a essa própria
rede. O esquema de endereçamento da interligação em redes inclui um endereço de difusão
que se refere a todos os hosts da rede. De acordo com o padrão, qualquer hostid que consista
de todos os 1s é reservado para difusão. Em muitas tecnologias de rede, difusão pode ser tão
eficiente quanto as transmissões normais; em outras, difusão é apoiada pelo software da rede,
mas requer uma demora muito mais substancial do que uma transmissão única. Algumas redes
não aceitam qualquer difusão. Assim, ter um endereço de difusão de IP não assegura a
disponibilidade ou a eficiência da entrega de difusão.

Um endereço de difusão direcionado pode ser interpretado sem ambivalência em qualquer


etapa de uma interligação em redes porque identifica, de modo único, a rede de destino, além
de especificar difusão naquela rede. Os endereços de difusão direcionados fornecem um
poderoso mecanismo que permite a um sistema remoto enviar um pacote único que será

Cristiano Alan Torres Pág. 23/85


Arquitetura TCP/IP

transmitido por difusão na rede especificada. Do ponto de vista de endereçamento, a principal


desvantagem da difusão direcionada é que ela requer conhecimento do endereço da rede.
Outra forma de endereço de difusão, denominada endereço de difusão limitado ou de rede
local, fornece um endereço de difusão para a rede local, independente do endereço atribuído de
IP. Consiste em trinta e dois 1s. Um host pode usar os endereços de difusão limitados coo parte
de um procedimento padrão antes que ele aprenda seu endereço de IP ou o endereço para a
rede local. Entretanto, uma vez que o host aprenda o endereço correto de IP para a rede local,
ele deve usar difusão direcionada.

Em geral, o software da interligação em redes interpreta os campos que consistem em 0s


(zeros) para significar “este”. Assim, um endereço de IP com hostid igual a zero refere-se a
“este” host e outro de netid igual a zero refere-se a “esta” rede. Usar netid zero é especialmente
importante nas circunstâncias em que um host deseja comunicar-se em uma rede, mais ainda
não sabe o endereço IP dela. O host usa a netid zero temporariamente, e outros hosts da rede
interpretam o endereço como “esta” rede.

3.2. ENDEREÇO DE LOOPBACK

A tabela da Figura 3.2 mostra que nem todos os endereços possíveis foram atribuídos a
classes. Por exemplo, o endereço 127.0.0.0, num valor da escala da classe A, é reservado para
loopback, e é utilizado no teste TCP/IP e para a comunicação na máquina local. Quando algum
programa usa o endereço de loopback como destino, o software de protocolo retorna os dados
sem enviar o tráfego através de qualquer rede. Um pacote enviado a um endereço 127 da rede
não deve aparecer em nenhuma rede. Além disso, um host ou um roteador nunca deve difundir
informações sobre roteamento ou alcance para o número de rede 127; este não é um endereço
de rede.

Cristiano Alan Torres Pág. 24/85


Arquitetura TCP/IP

3.3. PONTOS FRACOS NO ENDEREÇAMENTO

Codificar informações de rede em um endereço pode ter suas desvantagens. A mais óbvia
delas é que os endereços referem-se às conexões de redes, não ao host: se um host se move
de uma rede para outra, seu endereço IP deve mudar.

Outra falha do esquema de endereçamento é que, quando qualquer rede tipo C cresce além de
255 hosts, deve ter seu endereço mudado para um endereço tipo B. Apesar de isto parecer um
problema menor, mudar endereços de redes pode tomar muito tempo e ser difícil para depurar.
Coo muitos softwares não são projetados para trabalhar com endereços múltiplos para a
mesma rede física, os administradores não podem planejar uma transição tranqüila, na qual
introduzam novos endereços lentamente. Ao contrário, devem interromper o uso de um
endereço de rede, mudar os endereços de todas as máquinas e, então, recuperar a
comunicação usando o novo endereço de rede.

Saber apenas um endereço de IP, para determinado destino, talvez não seja suficiente; pode
ser impossível alcançar o destino usando tal endereço. Considere o exemplo da interligação em
redes mostrado na Figura 3.3. Nesta figura, dois hosts, A e B, conectam-se à rede 1 quase
sempre se comunicam diretamente usando aquela rede. Assim, os usuários do host A
normalmente devem referir-se ao host B usando endereço IP I3. Existe outro caminho de A até
B, através do roteador R, e é usado sempre que A envia um pacote com endereço IP I 5
(endereço de B na rede 2). Agora, suponha que a conexão de B para a rede 1 falhe, mas a
máquina em si continue trabalhando. Os usuários em A, que especificam endereços IP I 3, não
alcançam B apesar de os usuários que especificam endereços I5 poderem alcançar.

Cristiano Alan Torres Pág. 25/85


Arquitetura TCP/IP

REDE 1

I2 I3
I1
R A B
I4
I5
REDE 2

Figura 3.3. Um exemplo de interligação em redes com um host de multi-homed, B, que indica um problema com o
esquema de endereçamento IP. Se a interface I3 é desconectada, A deve usar o endereço I5 para alcançar B,
enviando pacotes através do roteador R.

3.4. UM EXEMPLO

Para esclarecer o esquema de endereçamento IP, considere um exemplo de duas redes de


Universidades conectadas à IBPI-NET. A Figura 3.4 mostra os endereços de redes e ilustra
como os roteadores conectam redes entre si.

UMC
(Ethernet)
128.10.0.0
ROTEADORES

UNICSUL
IBPI-NET
(Token)
10.0.0.0
192.5.48.0

Figura 3.4. A conexão lógica de duas redes ao provedor IBPI-NET.

O exemplo mostra três redes e os números de rede que lhes foram designados: a IBPI-NET
(10.0.0.0), a UMC (128.10.0.0) e a UNICSUL (192.5.48.0). De acordo com a tabela da Figura
3.2, os endereços têm classes A, B e C, respectivamente.

Cristiano Alan Torres Pág. 26/85


Arquitetura TCP/IP

A Figura 3.5 mostra as mesmas redes com host, e endereços Internet designados para cada
conexão de rede. Quatro hosts cognominados HOST1, HOST2, HOST3 e HOST4 acoplam-se
às redes; ROUTER1 é um roteador que conecta a IBPI-NET e a rede token ring (UNICSUL), e
ROUTER2 é um roteador que conecta a rede UNICSUL à Ethernet (UMC). O HOST2 tem
conexões tanto na Ethernet quanto na rede token ring, podendo, assim, alcançar destinos
diretamente em qualquer rede. Apesar de um host de multi-homed, como HOST2, poder ser
configurado para rotear pacotes entre as duas redes, a maioria dos sites usa computadores
dedicados como roteadores, a fim de evitar sobrecarregar sistemas de computação
convencionais com o processamento requerido pelo roteamento. Na figura, um roteador
dedicado, ROUTER2 , executa a tarefa de rotear tráfego entre a Ethernet e as redes token ring.

UMC (Ethernet)
128.10.0.0

128.10.2.3 128.10.2.8 128.10.2.26

Host Host Host


2 3 4

192.5.48.3

192.5.48.7 UNICSUL 192.5.48.6 10.0.0.37


(Token) IBPI-NET
128.10.2.70 192.5.48.0
Router2 Router1

192.5.48.1
Host
1

Figura 3.5. Exemplo de designação de endereços IP para roteadores e hosts acoplados a três redes da figura
anterior.

Cristiano Alan Torres Pág. 27/85


Arquitetura TCP/IP

4. PROTOCOLOS

Os protocolos são os padrões que especificam como os dados são apresentados ao serem
transmitidos de uma máquina para outra. Os protocolos representam para a comunicação
computadorizada o que a linguagem de programação é para a computação.

Os complexos sistemas de comunicação de dados não usam um único protocolo para tratar
com todas as tarefas de transmissão. Ao contrário, requerem uma pilha de protocolos
cooperativos, algumas vezes chamados família de protocolo ou pilha de protocolo. Para
compreender a razão, vejamos os problemas que surgem quando as máquinas se comunicam
através de uma rede de dados:

• Falha de hardware. Um host ou roteador pode falhar tanto porque o hardware falha como
porque o sistema operacional entra em colapso. Um enlace de transmissão de rede pode
falhar ou ser desconectado acidentalmente. O software de protocolo necessita detectar tais
falhas e recuperar-se delas, se possível.

• Congestionamento de redes. Mesmo quando todo o hardware e software operam


corretamente, as redes têm capacidade finita que pode ser ultrapassada. Os protocolos
precisam encontrar formas para que uma máquina em congestionamento possa suprimir o
excesso de tráfego.

• Demora ou perda de pacotes. Algumas vezes, os pacotes demoram muito ou são perdidos.
Os protocolos precisam aprender sobre as falhas ou adaptar-se a longas demoras.

• Danificação de dados. Interferência elétrica ou magnética ou falhas de hardware podem


causar a transmissão de erros que danificam os conteúdos dos dados transmitidos. Os
protocolos necessitam detectar e recuperar tais erros.

Cristiano Alan Torres Pág. 28/85


Arquitetura TCP/IP

• Duplicação de dados ou erros seqüenciais. Redes que oferecem rotas múltiplas podem
transmitir dados fora de seqüência ou podem transmitir duplicatas de pacotes. Os
protocolos necessitam reorganizar os pacotes e remover algumas duplicatas.

4.1. MODELO DA DIVISÃO EM CAMADAS OSI

Existe um modelo desenvolvido pela ISO (International Standards Organization) usado para
descrever a estrutura e funcionamento dos protocolos de comunicação de dados é denominado
Modelo de Referência OSI (Open Systems Interconnect). A base deste modelo é a divisão da
complexidade do projeto organizando a rede em camadas, com níveis de abstração diferentes
definindo uma pilha de protocolos. Ele contém sete camadas, sendo cada uma, responsável por
oferecer serviços às camadas superiores de uma forma transparente, ou seja, as demais
camadas não precisam saber de detalhes da implementação do serviço implementado nesta
camada.

Camada Funcionalidade
7 Aplicativo
6 Apresentação
5 Sessão
4 Transporte
3 Rede
2 Enlaces de Dados
1 Conexão Física

Figura 4.1. Modelo OSI de referência das sete camadas para o protocolo.

Descrição básica das camadas do modelo OSI:

• Camada física. Especifica um padrão para a interconexão física entre hosts e comutadores
de pacote de rede, e também os procedimentos usados para transferir pacotes de uma
máquina para outra.

Cristiano Alan Torres Pág. 29/85


Arquitetura TCP/IP

• Camada de enlaces de dados. Especifica como os dados transitam entre um comutador de


pacote e um host ao qual está conectado. Define o formato dos quadros e especifica como
as duas máquinas reconhecem os limites do quadro. Já que a transmissão de erros pode
destruir os dados, o protocolo de nível inclui a detecção de erro, permitindo que as duas
saibam quando a transferência de um quadro foi bem-sucedida.

• Camada de rede. Contém a funcionalidade que completa a definição da interação entre o


host e a rede. Denominado camada de rede ou sub-rede de comunicação, esse nível
define a unidade básica de transferência na rede e inclui os conceitos de endereçamento e
roteamento de destino.

• Camada de transporte. Garante que o destino recebe os dados extamente da forma que
eles tenham sido mandados. Para isso ela também oferece serviços com conexão e sem
conexão, como a camada de redes, mas estes são melhorados. A camada de rede faz
parte da sub-rede de comunicação, pertence à concessionária e pode variar de uma rede
para outra. Com a camada de transporte é possível rodar vários programas de aplicação
sobre redes diferentes, uma vez que se utiliza primitivos padrões da camada de transporte.

• Camada sessão. Permite que os usuários estabeleçam uma sessão, ou seja, um ambiente
iniciado a partir de uma conexão e que permite a transferência organizada de dados. Além
disso, gerencia os diálogos, ou seja, o controle de quem deve ser a vez de conversar.
Existem conexões full-duplex, onde os dados se movem nos dois sentidos
simultaneamente, e half-duplex, onde somente um lado “fala” a cada vez.

• Camada de apresentação. Cuida dos problemas relativos a representação dos dados


transmitidos, como conversão, criptografia e compressão.

• Camada de aplicativo. Contém os programas com os quais o usuário interfaceia mais


diretamente. Alguns desses programas tornaram-se extremamente úteis e acabaram por
definir uma série de padronizações. Entre os exemplos possíveis estão: correio eletrônico,
transferência de arquivos, acessos a arquivos remotos, entre outros.

Cristiano Alan Torres Pág. 30/85


Arquitetura TCP/IP

4.2. MODELO DA DIVISÃO EM CAMADAS TCP/IP

O software TCP/IP é organizado em quatro camadas conceituais construídas em uma quinta


camada de hardware. A Figura 4.2 mostra as camadas conceituais, assim como a forma dos
dados à medida que passa entre elas.

Camada Conceitual Objetos Passados entre Camadas


Aplicativo Mensagens ou Fluxos
Transporte Pacotes de Protocolos de Transporte
Inter-rede Datagramas IP
Interface de Redes Quadros de Redes Específicas
Hardware

Figura 4.2. As quatro camadas conceituais do software TCP/IP e a forma dos objetos que passam entre elas.

• Camada de aplicativos. No nível mais alto, os usuários rodam programas aplicativos que
acessam serviços disponíveis através de uma interligação em redes TCP/IP. Um aplicativo
interage com um dos protocolos do nível de transporte para enviar ou receber dados. Cada
programa aplicativo escolhe o estilo de transporte necessário, que tanto pode ser uma
seqüência de mensagens individuais ou um stream contínuo de bytes. O programa
aplicativo passa, para o nível de transporte, os dados na forma adequada, para que
possam, então, ser transmitidos.

• Camada de Transporte. A primeira função da camada de transporte é prover a


comunicação de um programa aplicativo para outro. Tal comunicação é sempre chamada
fim-a-fim. A camada de transporte pode regular o fluxo de informações. Ela pode fornecer
transporte confiável, assegurando que os dados cheguem sem erros e em seqüência. Para
isso, o protocolo de transporte faz com que o lado receptor envie confirmações e o lado
transmissor retransmita pacotes perdidos. O software da camada de transporte divide o
fluxo de dados transmitidos em pequenas partes (algumas vezes chamadas pacotes) e

Cristiano Alan Torres Pág. 31/85


Arquitetura TCP/IP

passe cada pacote, juntamente com o endereço de destino, à camada seguinte para ser
transmitido.

• Camada Internet. Como vimos, a camada da Internet trata das informações de uma
máquina para outra. Aceita um pedido para enviar um pacote originário da camada de
transporte juntamente com um identificação da máquina para a qual o pacote deve ser
enviado. Encapsula o pacote em um datagrama IP, preenche o cabeçalho do datagrama,
usa o algoritmo de roteamento para decidir se entrega o datagrama diretamente ou o envia
para um roteador e passa o datagrama para a interface de rede apropriada para
transmissão. A camada Internet também lida com datagramas de entrada, verificando sua
validade, e usa o algoritmo de roteamento para decidir se o datagrama deve ser
processado no local ou se deve ser enviado. Para os datagramas endereçados à máquina
local, o software da camada de interligação em redes apaga o cabeçalho do datagrama e,
entre vários protocolos de transporte, escolhe aquele que vai cuidar do pacote.

• Camada de interface de rede. O nível mais baixo do software TCP/IP compreende uma
camada da interface de rede responsável pela aceitação de datagramas IP e por sua
transmissão através de uma rede específica. Uma interface de rede pode consistir em um
driver de dispositivo ou em um subsistema complexo que usa seu próprio protocolo de
enlace de dados.

4.3. PROTOCOLOS DE TRANSPORTE

4.3.1. UDP (User Datagram Protocol)

Na pilha de protocolos TCP/IP, o UDP, fornece o mecanismo principal utilizado pelos programas
aplicativos para enviar datagramas a outros programas iguais. O UDP fornece um serviço de
transmissão sem conexão, não-confiável, usando o IP para transportar mensagens entre

Cristiano Alan Torres Pág. 32/85


Arquitetura TCP/IP

máquinas. Usa o IP para transportar mensagens, porém acrescenta a habilidade de distinguir


entre múltiplos destinos em um certo host.

Cada mensagem UDP é conhecida como um datagrama de usuário, que consiste em duas
partes: um cabeçalho UDP e uma área de dados UDP. Como a Figura 4.3 mostra, o cabeçalho
está dividido em quatro campos de 16 bits que especificam a porta da qual a mensagem foi
enviada, a porta à qual a mensagem é destinada, o comprimento da mensagem e a soma de
verificação UDP.

0 1 2 3 4 8 16 24 31
PORTA DE ORIGEM UDP PORTA DE DESTINO UDP
COMPRIMENTO DE MENSAGEM UDP SOMA DE VERIFICAÇÃO UDP
DADOS
...

Figura 4.3. O formato dos campos em um datagrama UDP.

Os campos PORTA DE ORIGEM e PORTA DE DESTINO contêm os números de porta do


protocolo UDP de 16 bits usados para demultiplexar os datagramas entre os processos que
esperam para recebê-los. A PORTA DE ORIGEM é opcional. Quando usada, especifica a porta
para a qual devem ser enviadas as respostas; se não usada, deverá ser zero.

O campo COMPRIMENTO contém uma contagem de octetos no datagrama UDP, incluindo o


cabeçalho UDP e os dados de usuário. Assim, o valor mínimo para COMPRIMENTO é oito,
que é o comprimento apenas do cabeçalho.

A soma de verificação UDP é opcional e não precisa ser usada; um valor de zero no campo
SOMA DE VERIFICAÇÃO significa que a soma de verificação não foi calculada. Os projetistas
resolveram tornar opcional a soma de verificação a fim de permitir que as implementações
operassem com pouco overhead ao usar UDP através de uma rede local altamente confiável. O
IP não calcula uma soma de verificação na parte dos dados de um datagrama IP, portanto, a
soma de verificação oferece o único modo de assegurar que os dados tenham chegado intactos
e possam ser usados.

Cristiano Alan Torres Pág. 33/85


Arquitetura TCP/IP

A camada IP é responsável apenas pela transferência de dados entre um par de hosts em uma
interligação em redes, enquanto a camada UDP é responsável apenas pela diferenciação entre
múltiplas origens ou destinos em um host. Desse modo, apenas o cabeçalho IP identifica os
hosts de origem e destino; apenas a camada UDP identifica as portas de origem e destino em
um host.

O software colocado em cada camada de uma hierarquia de protocolo deve ser capaz de
multiplexar ou demultiplexar múltiplos objetos da camada seguinte. O software UDP apresenta
outro exemplo de multiplexação e demultiplexação. Aceita datagramas UDP de muitos
programas aplicativos e os passa ao IP, para transmissão, e aceita datagramas UDP recebidos
de IP e os passa ao programa aplicativo apropriado. Conceitualmente, toda a multiplexação e
demultiplexação entre o software UDP e os programas aplicativos ocorre através do mecanismo
da porta. Na prática, cada programa aplicativo deve negociar com o sistema operacional a fim
de obter uma porta de protocolo e um número de porta correspondente, antes que ele possa
enviar um datagrama UDP.

O modo mais simples de conceber uma porta UDP é uma fila. Na maioria das implementações,
quando um programa aplicativo negocia com um sistema operacional para usar determinada
porta, o sistema operacional cria uma fila interna que pode reter as mensagens que estão
chegando. Freqüentemente, o aplicativo pode especificar ou mudar o tamanho da fila. Quando
o UDP recebe um datagrama, verifica se o número de porta de destino confere com uma das
portas atualmente em uso. Se não conferir, envia uma mensagem de erro de porta não-atingida
e descarta o datagrama. Se for encontrada uma correspondência, o UDP enfileira o novo
datagrama na porta onde o programa aplicativo pode acessá-lo. Naturalmente, ocorrerá um erro
se a porta estiver cheia e o UDP descartar o datagrama recebido.

O UDP é um protocolo mais rápido do que o TCP, pelo fato de não verificar o reconhecimento
das mensagens enviadas. Por este mesmo motivo, não é confiável como o TCP.

Cristiano Alan Torres Pág. 34/85


Arquitetura TCP/IP

4.3.2. TCP (Transmission Control Protocol)

Em um nível mais baixo, as redes de comunicação fornecem uma entrega de pacotes não-
confiável, os pacotes podem ser perdidos ou danificados quando erros de transmissão
interferem nos dados. As redes que roteiam pacotes dinamicamente podem entregá-los fora de
ordem, entregá-los após um intervalo substancial, ou entregar reproduções.

Em um nível mais alto, os programas aplicativos freqüentemente precisam enviar grandes


volumes de dados de um computador a outro. A utilização de um sistema de transmissão sem
conexão e não-confiável torna-se tediosa e irritante, e requer que os programadores criem
detecção e recuperação de erros em cada programa aplicativo. Um dos objetivos da pesquisa
de protocolos de rede foi encontrar soluções de fins gerais para problemas de transmissão
confiável de streams de pacotes, possibilitando aos especialistas criar um único protocolo para
transmissão de stream de dados que todos os programas aplicativos pudessem utilizar.

O serviço é definido pelo TCP, o serviço de stream confiável é tão importante que toda a pilha
de protocolos é citada como TCP/IP. O TCP é um protocolo de comunicação, e não um
software, o protocolo especifica o formato dos dados e das confirmações que os dois
computadores trocam para oferecer uma transferência confiável e, também, os procedimentos
de que se valem os computadores para assegurar que os dados cheguem corretamente.

O TCP pode ser utilizado com uma variedade de sistema de transmissão de pacotes, inclusive
o serviço de transmissão de datagramas IP. O TCP pode, por exemplo, ser implementado para
utilizar linhas telefônicas por discagem, rede local, rede de fibra óptica de alta velocidade, ou
uma rede de longas distâncias de velocidade mínima. Na realidade, um dos pontos fortes do
TCP é a grande variedade de sistemas de transmissão que ele pode usar.

O TCP posiciona-se acima do IP no esquema de divisão em camadas do protocolo, permite que


programas aplicativos múltiplos, de determinada máquina, comuniquem-se simultaneamente, e
ele demultiplexa o tráfego TCP de entrada entre os programas aplicativos. Como o UDP, o TCP
utiliza números de porta de protocolo para identificar o destino final em uma máquina. Porém,

Cristiano Alan Torres Pág. 35/85


Arquitetura TCP/IP

as portas TCP são muito mais complexas, porque determinado número delas não corresponde
a um objeto único. Ao contrário, o TCP foi estruturado na abstração de conexão, em que os
objetos a serem identificados são conexões de circuito virtual, e não portas isoladas.

A unidade de transferência entre o software TCP de duas máquinas é denominada segmento.


Os segmentos são trocados para estabelecer conexões, transferir dados, enviar confirmações,
informar tamanhos de janelas e encerrar conexões. A Figura 4.4 mostra o formato do segmento
TCP.

0 1 2 3 4 8 16 24 31
PORTA DE ORIGEM PORTA DE DESTINO
NÚMERO DE SEQÜÊNCIA
NÚMERO DO RECONHECIMENTO
HLEN RESERVADO BITS DE CÓDIGO JANELA
SOMA DE VERIFICAÇÃO PONTEIRO URGENTE
OPÇÕES (SE HOUVER) ENCHIMENTO
DADOS
...

Figura 4.4. O formato de um segmento TCP com o cabeçalho TCP seguido de dados.

Cada segmento é dividido em duas partes: um cabeçalho seguido de dados. O cabeçalho,


conhecido como cabeçalho TCP, transporta a identificação esperada e as informações de
controle. Os campos PORTA DE ORIGEM e PORTA DE DESTINO contêm os números de
portas TCP que identificam os programas aplicativos nas extremidades da conexão. O campo
NÚMERO DE SEQÜÊNCIA identifica a posição no stream de bytes do transmissor dos dados
no segmento. O campo NÚMERO DO RECONHECIMENTO identifica o número do octeto que a
origem espera receber depois. Observe que o número seqüencial refere-se ao stream que
segue na mesma direção que o segmento, enquanto o número do reconhecimento refere-se ao
stream que segue em direção oposta ao segmento.

Cristiano Alan Torres Pág. 36/85


Arquitetura TCP/IP

O campo HLEN contém um número inteiro que especifica o comprimento do cabeçalho do


segmento, medido em múltiplos de 32 bits. Isso é necessário porque o campo OPÇÕES varia
em comprimento, dependendo de quais opções foram incluídas. Assim, o tamanho do
cabeçalho TCP varia de acordo com as opções selecionadas.

Uma das idéias mais importantes e complexas em TCP concentra-se na maneira como ele trata
o timeout e a retransmissão. A exemplo de outro protocolos confiáveis, o TCP espera que o
destino envie confirmação toda vez que recebe novos octetos, com êxito, do stream de dados.
Sempre que envia um segmento, o TCP inicia um temporizador e espera uma confirmação. Se
o temporizador terminar antes que os dados do segmento tenham sido confirmados, o TCP
aceita que esse segmento foi perdido ou destruído e o retransmite. O software TCP precisa
aceitar as duas grandes diferenças entre o tempo necessário para atingir vários destinos e as
alterações necessárias no tempo para atingir um determinado destino, de acordo com a
variação de carga do tráfego. O TCP monitora o desempenho de cada conexão e deduz valores
razoáveis para timeout. À medida que o desempenho de uma conexão muda, o TCP revisa seu
valor de timeout (ou seja, adapta-se à mudança).

O congestionamento é uma condição de retardo longo causado por uma sobrecarga de


datagramas em um ou mais pontos de comutação (p. ex., em roteadores). Quando ocorre um
congestionamento, os intervalos aumentam e o roteador começa a enfileirar datagramas até
que possa distribuí-los. Precisamos lembrar que cada roteador possui uma capacidade limitada
de armazenamento e que os datagramas concorrem para esse armazenamento. Na pior
hipótese, o número total de datagramas que chega ao roteador congestionado cresce até que o
roteador alcance a capacidade e comece a eliminar datagramas. Lamentavelmente, a maioria
dos protocolos de transporte utiliza timeout e retransmissão, de modo que reajam ao aumento
do retardo com a retransmissão de datagramas. As retransmissões agravam o
congestionamento em vez de o amenizarem. Se não for verificado, o aumento do tráfego
produzirá um aumento do retardo, provocando uma elevação do tráfego, e assim por diante, até
que a rede torne-se inútil; mas os protocolos de transporte, como o TCP, podem evitar o
congestionamento reduzindo automaticamente as taxas de transmissão sempre que ocorrerem


De acordo com a especificação, o campo HLEN é o deslocamento dos dados da área situada dentro do
segmento.

Cristiano Alan Torres Pág. 37/85


Arquitetura TCP/IP

retardo. Logicamente, os algoritmos para evitar congestionamentos precisam ser criados


cuidadosamente porque, mesmo em condições operacionais normais, uma interligação em
redes exibirá grande variação de retardo de ida e volta.

4.4. PROTOCOLOS DE REDE

4.4.1. IP (Internet Protocol)

O serviço mais importante de uma rede consiste em um sistema de entrega de pacotes.


Tecnicamente, o serviço é definido como um sistema de transmissão sem conexão, e não-
confiável; é análogo ao serviço oferecido por hardwares de redes. O serviço é conhecido como
não-confiável porque a entrega não é garantida. O pacote pode ser perdido, reproduzido,
atrasar-se ou ser entregue com problemas, mas o serviço não detectará tais condições, nem
informará isso ao transmissor nem ao receptor. Ele é denominado sem conexão porque cada
pacote é independente dos outros, uma seqüência de pacotes enviados de um computador a
outro pode trafegar por caminhos diferentes, ou alguns podem ser perdidos enquanto outros
são entregues.

O protocolo que define o mecanismo de transmissão sem conexão e não-confiável é conhecido


como Internet Protocol. O IP oferece três definições importantes:

• O protocolo IP define a unidade básica de transferência de dados utilizada através de uma


interligação em redes TCP/IP, assim, ela especifica o formato exato de todos os dados à
medida que ela passa pela interligação em redes TCP/IP.

• O software IP desempenha a função de roteamento, escolhendo um caminho por onde os


dados serão enviados.

Cristiano Alan Torres Pág. 38/85


Arquitetura TCP/IP

• O IP inclui um conjunto de regras que concentram a idéia da entrega não-confiável de


pacotes, que definem como os hosts e os roteadores devem processar os pacotes, como e
quando as mensagens de erro devem ser geradas e as condições segundo as quais os
pacotes podem ser descarregados.

Numa rede física, a unidade de transferência é um quadro que contém um cabeçalho e dados,
onde o cabeçalho fornece informações como endereço de origem e de destino (físicos). A
interligação em redes denomina sua unidade básica de transferência de um datagrama IP, que
é dividido em cabeçalho e áreas de dados. A diferença é que o cabeçalho do datagrama
contém endereços IP, enquanto o quadro contém os endereços físicos.

A Figura 4.5 mostra a organização dos campos em um datagrama:

0 1 2 3 4 8 16 24 31
VERS HLEN TIPO DE SERVIÇO COMPRIMENTO TOTAL
IDENTIFICAÇÃO FLAGS DESLOCAMENTO DO FRAGMENTO
TEMPO DE VIDA PROTOCOLO VERIFICAÇÃO DA SOMA DO CABEÇALHO
ENDEREÇO IP DE ORIGEM
ENDEREÇO IP DE DESTINO
OPÇÕES IP (SE HOUVER) PADDING
DADOS
...

Figura 4.5. Formato de um datagrama da Internet, a unidade básica de transferência em um interligação em redes
TCP/IP.

Já que o processamento de datagramas se dá em softwares, o conteúdo e o formato não são


retringidos por quaisquer hardwares. O primeiro campo de quatro bits de um datagrama
(VERS), por exemplo, contém a versão do protocolo IP utilizada para criar o datagrama. Ele é
utilizado para verificar se o transmissor, o receptor e quaisquer roteadores existentes entre eles
concordam quanto ao formato do datagrama. Todo software IP precisa verificar o campo de
versão antes de processar um datagrama, para assegurar-se de que ele se adapta ao formato

Cristiano Alan Torres Pág. 39/85


Arquitetura TCP/IP

que o software espera. Se os padrões mudarem, as máquinas rejeitarão datagramas com


versões de protocolo diferentes dos seus, impedindo que eles deturpem o conteúdo do
datagrama com um formato desatualizado. A versão atual do protocolo IP é a quatro.

O campo de comprimento do cabeçalho (HLEN), também de quatro bits, fornece o comprimento


do cabeçalho do datagrama medido em palavras de 32 bits. Todos os campos do cabeçalho
contêm um comprimento fixo, exceto para OPÇÕES IP e os campos correspondentes
PADDING. O cabeçalho mais comum, que não contém qualquer opção e nenhum
preenchimento, mede 20 octetos e o campo de comprimento de cabeçalho é igual a cinco.

O campo COMPRIMENTO TOTAL, fornece o comprimento do datagrama IP medido em


octetos, incluindo octetos no cabeçalho e nos dados. O tamanho da área de dados pode ser
calculado subtraindo-se de COMPRIMENTO TOTAL o comprimento do cabeçalho (HLEN). Já
que o campo COMPRIMENTO TOTAL, possui 16 bits de coprimento, o maior tamanho possível
para um datagrama IP é 216 ou 65.535 octetos. Na maioria do aplicativos, essa não é uma
limitação rígida. No futuro pode tornar-se mais importante, se as redes de velocidade mais alta
puderem transportar pacotes de dados maiores que 65.535 octetos.

Três campos no cabeçalho do datagrama, IDENTIFICAÇÃO, FLAGS e DESLOCAMENTO DO


FRAGMENTO, controlam a fragmentação e a remontagem de datagramas. O campo
IDENTIFICAÇÃO contém um número inteiro único que identifica o datagrama, sua finalidade
principal é permitir que o destino saiba quais datagramas estão chegando e a que datagramas
pertencem. O campo DESLOCAMENTO DO FRAGMENTO é responsável pela remontagem do
datagrama, o destino precisa obter todos os fragmentos que iniciam com o fragmento que
possui deslocamento zero até o fragmento de maior deslocamento. O campo FLAGS controlam
a fragmentação, define se o datagrama pode ou não ser fragmentado e se o destino reuniu
todos os fragmentos.

O campo TEMPO DE VIDA especifica quanto tempo, em segundos, o datagrama pode


permanecer no sistema de interligação em redes, os roteadores e os hosts que processam
datagramas precisam decrementar o campo TEMPO DE VIDA à medida que o tempo passa e
remover o datagrama da interligação quando seu tempo expira. PROTOCOLO especifica qual

Cristiano Alan Torres Pág. 40/85


Arquitetura TCP/IP

protocolo de alto nível foi utilizado para criar a mensagem que está sendo transportada na área
DADOS do datagrama.

O campo VERIFICAÇÃO DA SOMA DO CABEÇALHO assegura a integridade dos valores de


cabeçalho. A verificação IP é formada com o tratamento do cabeçalho como uma seqüência de
números inteiros de 16 bits (na ordem de bytes da rede), reunindo-os com uma aritmética
complemento de um, e a seguir considerando o complemento de um como o resultado. Para a
finalidade de calcular a soma de verificação, considera-se que o campo VERIFICAÇÃO DA
SOMA DO CABEÇALHO contenha zero.

Os campos ENDEREÇO IP DE ORIGEM e ENDEREÇO IP DE DESTINO contêm endereços IP


de 32 bits do transmissor do datagrama e do receptor desejado. Embora o datagrama possa ser
roteado através de muiots roteadores intermediários, os campos da origem e destino nunca
mudam; eles especificam os endereços IP da origem e do último destino.

O campo denominado DADOS mostra o início da área de dados do datagrama, seu


comprimento depende, logicamente, do que está sendo enviado no datagrama. O campo
OPÇÕES IP que se segue ao endereço de destino não é necessário em todo datagrama, e as
opções são incluídas principalmente para testes ou depuração da rede. Contudo, o
processamento de opções é parte integrante do protocolo IP; assim, todas as implementações
de padrões precisam incluí-lo. O campo PADDING depende das opções selecionadas. Ele
representa bits contendo zero e que podem ser necessários para garantir que o cabeçalho do
datagrama se estenda até o múltiplo exato de 32 bits.

O objetivo do IP é fornecer uma rede virtual que abranja várias redes físicas e ofereça um
serviço de entrega de datagrama sem conexão. O algoritmo de roteamento IP deve escolher a
forma pela qual enviará um datagrama através de várias redes físicas. O roteamento se
classifica em dois tipos: encaminhamento direto e encaminhamento indireto. O
encaminhamento direto é a transmissão de um datagrama, através de uma única rede física
para outra máquina. Duas máquinas só podem executar o encaminhamento direta se ambas se
conectarem diretamente a uma mesma rede física (p. ex., uma única Ethernet). O

Cristiano Alan Torres Pág. 41/85


Arquitetura TCP/IP

encaminhamento indireto ocorre quando o destino não se encontra na mesma rede física,
forçando o transmissor a passar o datagrama para um roteador executar a entrega.

O algoritmo de roteamento IP pode ser descrito da seguinte forma:

Extrai o endereço IP de destino, D, do datagrama e calcule o prefixo da rede, N;


Se N corresponder com qualquer endereço de rede conectado
diretamente entregue datagrama ao destino D através desta rede
(Isto envolve converter D para um endereço físico, encapsular o datagrama e enviar o
quadro.)
Se a tabela contiver uma rota específica do host para D
envie o datagrama para o próximo passo da rota especificada na tabela
Se a tabela contiver uma rota para a rede N
envie o datagrama para o próximo passo da rota especificada na tabela
Se a tabela contiver uma rota padrão
envie o datagrama para o roteador padrão especificado na tabela
Caso contrário declare um erro de roteamento;

O endereço IP selecionado pelo algoritmo de roteamento IP é conhecido como endereço do


próximo passo da rota, porque indica para onde o datagrama deve ser enviado (mesmo que
não seja o último destino). O software da interface de rede vincula o endereço do próximo
passo da rota a um endereço físico, forma um quadro usando aquele endereço físico, coloca o
datagrama na parte de dados do quadro e envia o resultado. Após usar o endereço do próximo
passo da rota para encontrar um endereço físico, o software de interface da rede descarta o
endereço do próximo passo da rota.

Quando um datagrama IP chega a um host, o software de interface da rede entrega-o ao


software IP para processamento. Se o endereço de destino do datagrama corresponder ao
endereço de IP do host, o software IP do host aceita o datagrama e passa-o ao software
apropriado, do protocolo de nível mais alto, para posterior processamento. Se não houver
correspondência com o IP de destino, o host deve descartar o datagrama (ou seja, os hosts
ficam proibidos de tentar encaminhar datagramas acidentalmente roteados para a máquina
errada).

O algoritmo de roteamento da interligação em redes é orientado por tabela e usa apenas


endereços IP. Embora seja possível para uma tabela de roteamento conter um endereço de

Cristiano Alan Torres Pág. 42/85


Arquitetura TCP/IP

destino específico ao host, a maior parte dessas tabelas contém apenas endereços de rede,
mantendo pequenas as tabelas de roteamento. O uso de uma rota padrão também pode manter
pequena a tabela de roteamento, principalmente para hosts que só conseguem acessar um
roteador.

4.4.2. ICMP (Internet Control Message Protocol)

Para permitir que os roteadores de uma interligação em redes informem os erros ou forneçam
informações sobre ocorrências inesperadas, os projetistas acrescentaram aos protocolos
TCP/IP um mecanismo de mensagem para fins específicos, conhecido como ICMP – Internet
Control Message Protocol (Protocolo Internet de Mensagem de Controle), é considerado uma
parte necessária do IP e deve ser incluído em cada implementação de IP.

O ICMP permite que os roteadores enviem mensagens de erro ou de controle aos outros
roteadores ou aos hosts; possibilita a comunicação entre o software do IP em uma máquina, e o
software de IP em outra. Um host pode usar o ICMP para se corresponder com um roteador ou
com outro host. A principal vantagem de permitir que os hosts usem ICMP é que isto fornece
um mecanismo único usado para todas as mensagens de controle de informação. Do ponto de
vista técnico, o ICMP é um mecanismo para relatar erros. Fornece um meio pelo qual os
roteadores que encontram erros possam levá-los ao conhecimento do transmissor.

As mensagens ICMP são geradas por gateways na rota de transporte de um datagrama ou pela
estação de destino. Quando ocorre algum problema previsto pelo ICMP. A mensagem ICMP
descrevendo a situação é preparada e entregue à camada IP (Figura 4.6), que adiciona à
mensagem ICMP o cabeçalho IP e envia ao emissor do datagrama com o qual ocorreu o
problema.

Cristiano Alan Torres Pág. 43/85


Arquitetura TCP/IP

Mensagem ICMP

Camada IP Cabeçalho IP Dados IP

Camada Inferior Cabeçalho do Quadro Dados do Quadro

Figura 4.6. Encapsulamento da mensagem ICMP em um Datagrama IP.

4.4.3. ARP (Address Resolution Protocol)

Os endereços IP são atribuídos independente de um endereço de hardware físico de uma


máquina. Para enviar um pacote de interligação em redes através de uma rede física de um
computador para outro, o software de rede deve mapear o endereço IP em um endereço físico
de hardware e usar o endereço de hardware para transmitir o quadro. Se os endereços de
hardware forem menores do que os endereços IP, um mapeamento direto pode ser
estabelecido tendo o endereço físico da máquina codificado em seu endereço IP. De outra
maneira, os mapeamentos devem ser executados dinamicamente. O ARP executa a conversão
de endereço dinâmica, usando somente o sistema de comunicação de rede de baixo nível. ARP
permite que as máquinas convertam endereços sem manter um registro permanente das
vinculações.

Uma máquina usa ARP para descobrir o endereço de hardware de outra máquina, difundindo
uma solicitação ARP. A solicitação contém o endereço IP da máquina para o qual um endereço
de hardware é requisitado. Todas as máquinas de uma rede recebem uma solicitação ARP. Se
a solicitação combina com um endereço IP de máquina, a máquina responde enviando uma
resposta que contém o endereço de hardware necessitado. As respostas são dirigidas para
uma máquina; não são transmitidas por difusão.

Cristiano Alan Torres Pág. 44/85


Arquitetura TCP/IP

Para tornar ARP eficiente, cada máquina trata as vinculações entre endereços físicos IP. Como
o tráfego de interligação em redes geralmente consiste em uma seqüência de interações entre
pares de máquinas, o cache elimina muitas solicitações de difusão ARP.

4.4.4. RARP (Reverse Address Resolution Protocol)

Este protocolo destina-se à solução do problema inverso ao resolvido pelo ARP. O problema
RARP é um host que não conhece o seu próprio endereço IP ou o de um outro host, mas
possui o endereço físico correspondente. O protocolo RARP permite que a partir do endereço
físico, seja obtido o endereço IP correspondente. Para que o RARP funcione, é necessário ao
menos um servidor RARP, que possui informações de mapeamento de todos os hosts da rede.
Pode haver um ou vários servidores RARP na mesma rede.

A principal vantagem de possuir diversas máquinas funcionando como servidores RARP é


tornar o sistema mais confiável. Se um servidor estiver desativado, ou excessivamente
sobrecarregado para responder, um outro responderá à solicitação. Assim, é muito mais
provável que o serviço esteja disponível. A principal desvantagem de se utilizarem muitos
servidores é que quando uma máquina difunde uma solicitação RARP, a rede torna-se
sobrecarregada se todos os servidores tentam responder. Em uma Ethernet, por exemplo,
utilizar servidores RARP múltiplos torna mais provável uma colisão.

Para evitar respostas múltiplas e simultâneas, há pelos menos duas possibilidades, e ambas
envolvem o aumento do intervalo entre as respostas:

• A cada máquina que faz solicitações RARP é atribuído um servidor principal. Em


circunstâncias normais, somente o servidor principal da máquina responde à sua solicitação
RARP. Todos os servidores que não sejam principais recebem a solicitação, mas apenas
registram seu tempo de chegada. Se o servidor principal não estiver disponível, a máquina
original fará um intervalo para aguardar uma resposta e, a seguir, difundir novamente a

Cristiano Alan Torres Pág. 45/85


Arquitetura TCP/IP

solicitação. Sempre que um servidor, que não seja o principal, receber uma segunda cópia
de uma solicitação RARP em um curto espaço após a primeira, ele responde.

• A segunda solução utiliza um esquema semelhante, mas tenta impedir que todos os
servidores não-principais transmitam respostas simultaneamente. Cada máquina não-
principal que receber uma solicitação calcula um intervalo aleatório e, a seguir, envia uma
resposta. Em circunstâncias normais, o servidor principal responde imediatamente e com
intervalos entre as respostas sucessivas, de modo que há pouca probabilidade de que
cheguem ao mesmo tempo. Quando o servidor principal não está disponível, a máquina
solicitante sofre um pequeno retardo antes que uma resposta seja recebida. Escolhendo os
intervalos com cuidado, o projetista assegura que as máquinas solicitantes não difundiram
antes de receber uma resposta.

Cristiano Alan Torres Pág. 46/85


Arquitetura TCP/IP

5. ROTEAMENTO

5.1. ROTEAMENTO BASEADO EM TABELAS

Este algoritmo do protocolo IP utiliza uma tabela de roteamento que armazena informações
sobre como atingir cada sub-rede de rede internet. Sempre que a camada IP, em uma estação
ou em um gateway, precisa transmitir um datagrama para uma estação que não está
diretamente conectada à mesma sub-rede, ela consulta a tabela de roteamento a fim de
determinar o gateway para o qual esse datagrama deve ser enviado.

128.10 129.7

A B E F

128.15

HOST B

128.15.1.1 C D 128.15.1.3 Destino Roteamento


128.10 Conexão Direta
128.15 Conexão Direta
129.7 128.15.1.3
Default 128.15.1.1
INTERNET

Figura 5.1. Tabela de Roteamento do Gateway B.

Cristiano Alan Torres Pág. 47/85


Arquitetura TCP/IP

Tipicamente, a tabela de roteamento do IP contém entradas do tipo (N,G), onde N é um


endereço IP (endereço de destino) e G é endereço IP do próximo gateway para atingir N. Essa
tabela, portanto, só determina o próximo passo no caminho para um destinatário. Nem a
estação emissora nem o gateway conhecem a rota completa até a estação a estação
destinatária. Vale ressaltar que as entradas dessa tabela só referenciam gateways que podem
ser atingidos diretamente, isto é, todos os gateways listados na tabela de roteamento de uma
máquina M estão conectados às sub-redes físicas nas quais a máquina M está conectada. Um
exemplo de tabela de roteamento é dado na Figura 5.1.

A tabela de roteamento do IP pode conter informações sobre todos os destinatários de uma


rede internet, já que a maioria das máquinas não teria espaço em memória suficiente para isso
Por esse motivo, são armazenados os endereços das sub-redes. Outra técnica utilizada para
minimizar o tamanho das tabelas é a utilização de rotas predefinidas (default) para o qual um
datagrama deve ser enviado sempre que não for encontrada na tabela uma entrada específica
para o endereço IP destino. A utilização de rotas predefinidas é particularmente útil em redes
com um único gateway, já que todas as demais sub-redes da rede Internet devem ser atingidas
mediante esse gateway.

5.2. ALGORITMOS DE ROTEAMENTO

O algoritmo de roteamento é a técnica utilizada pelos gateways para se localizarem


mutuamente e para conseguirem comunicação com as diversas redes de uma rede Internet. A
tabela de roteamento de um gateway é atualizada a partir de informações obtidas na execução
do algoritmo de roteamento utilizados na arquitetura TCP/IP: Vetor-Distância (Vector-Distance)
e Estado-do-Enlace (Link-State), que são discutidos a seguir.

Cristiano Alan Torres Pág. 48/85


Arquitetura TCP/IP

5.2.1. ROTEAMENTO VECTOR-DISTANCE

Inicialmente, cada gateway possui uma tabela contendo uma entrada para cada sub-rede à qual
está conectado. A cada sub-rede especificada na tabela está associada a distância entre a
mesma e o gateway que mantém a tabela. Esta distância pode ser medida em hops (número de
gateways a atravessar para atingir uma sub-rede) ou em retardo (tempo necessário para a sub-
rede).Inicialmente, os campos de distância devem valer zero, pois somente as sub-redes às
quais o gateway está diretamente conectado são especificadas na tabela. Periodicamente, cada
gateway envia uma cópia de sua tabela para todo o gateway que possa atingir diretamente. O
gateway que recebe a tabela, a compara com a sua própria e modifica esta última nos
seguintes casos:

• se o gateway emissor conhecer um caminho maios curto para determinada sub-rede, ou


seja se a distância apresentada na tabela do emissor for menor do que a da tabela do
receptor;

• se o gateway emissor apresentar uma sub-rede que o receptor não conhece, ou seja, se
na tabela do emissor existir uma entrada que não está presente na tabela do receptor; esta
entrada é inserida na tabela do receptor;

• se uma rota que passa pelo emissor tiver sido modificada, ou seja, se a distância
associada a uma sub-rede que passa pelo emissor tiver mudado.

Na atualização dos campos de distância da tabela do receptor, deve-se considerar a distância


entre os gateways emissor e receptor, (por exemplo, é necessário somar 1 no caso da métrica
baseada em hops). Vale lembrar que, para cada sub-rede especificada na tabela, existe
associada um campo que indica o próximo gateway na rota para essa sub-rede. A Figura 5.2
ilustra este tipo de roteamento.

Cristiano Alan Torres Pág. 49/85


Arquitetura TCP/IP

O algoritmo é simples e de fácil implementação; porém, em ambientes dinâmicos, onde novas


conexões surgem e outras são desativadas com freqüência, a informação de atualização
propaga-se muito lentamente e, durante esse período de propagação, alguns gateways
possuem informações de roteamento inconsistentes. Além disso, as mensagens de atualização
tornam-se enormes, pois são diretamente proporcionais ao número total de redes e gateways
presentes na rede Internet (todos os gateways devem participar, senão o algoritmo não
converge).

1 2
A B C Tabela do Nó A

Destino Ligação Distância


3 4 A local 0
5 B 1 1
C 1 2
D 3 1
6
D E E 1 2

Figura 5.2. Roteamento Vector-Distância.

5.2.2. ROTEAMENTO LINK-STATE (Shortest Path First)

Neste algoritmo, cada gateways deve conhecer a topologia completa da rede Internet. Isto é
feito descrevendo-se os gateways interconectados entre si por enlaces (links). Existe um enlace
entre dois gateways se ambos puderem comunicar-se diretamente, ou seja se estiverem à
mesma rede física.

Cada gateway exerce duas funções principais. A primeira é testar continuamente o estado dos
enlaces com os gateways vizinhos. A segunda é enviar periodicamente os dados de estado de
seus enlaces a todos os outros gateways da rede Internet. O teste de estado é realizado
através do envio de mensagens curtas que exigem resposta. Se acontecer uma resposta, sob

Cristiano Alan Torres Pág. 50/85


Arquitetura TCP/IP

condições que variam segundo a implementação do protocolo, o enlace está ativo, senão está
inativo. Os dados de estado indicam, simplesmente, se há possibilidade de comunicação entre
dois gateways. .Estes dados são em geral enviados em modo difusão (broadcast)
individualmente.

Ao receber uma informação de estado, um gateway atualiza seu mapa da rede Internet ativado
ou desativado os enlaces em questão e recalcula as rotas para todos os destinos possíveis
através do algoritmo Shortest-Path-First (SPF), de Dijskstra, aplicado à topologia da rede
Internet. A figura 5.3 ilustra um exemplo deste tipo de roteamento.

Em relação ao algoritmo Vector-Distance, o SPF possui diversas vantagens. O cálculo das rotas
é realizado localmente, não dependendo de máquinas intermediárias. O tamanho das
mensagens não depende do número de gateways diretamente conectados ao gateway emissor.
Como as mensagens trafegam inalteradas a detecção de problemas torna-se mais fácil.

1 2
A B C Tabela do Nó A

Fonte Ligação Distância


3 4
A B 1
5 B C 2
A D 3
6 C E 5
D E E D 6
B E 4

Figura 5.3. Roteamento Link-State.

Os algoritmos descritos anteriormente assumem, a priori, a existência de uma tabela de


roteamento devidamente iniciada. Esta iniciação depende do próprio sistema computacional no
qual se situa a camada IP. Várias soluções manuais existem como, por exemplo, a carga de
uma tabela pré-configurada com dados limitados ou a carga de uma tabela vazia que são
preenchidas através de comandos. Entretanto, o problema principal é a manutenção dessas
tabelas devido à dinâmica das redes. Para resolver esse problema torna-se imprescindível o

Cristiano Alan Torres Pág. 51/85


Arquitetura TCP/IP

uso de mecanismos automáticos, previstos nos protocolos de roteamento descritos nos itens
seguintes.

5.3. PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO

O protocolo de roteamento determina a forma pela qual os gateways devem trocar informações
necessárias à execução do algoritmo de roteamento. Por exemplo, se o algoritmo de
roteamento implementado for do tipo Vector-Distance, o protocolo de roteamento deve definir
como cada gateway envia aos demais a sua distância em relação a cada sub-rede Internet.

5.3.1. IGP – Interior Gateway Protocol

O termo IGP é utilizado para designar o protocolo usado na troca de informações de roteamento
entre Interior Gateways (IG).

Em sistemas autônomos (SA) pequenos, as tabelas de roteamento podem ser determinadas,


manualmente, pelo administrador do sistema. O administrador mantém uma tabela de redes do
SA que é atualizada sempre que uma rede é removida ou inserida no SA . Além de não ser
confiável, esse método torna-se inviável com o crescimento do SA .

Não existe um protocolo padrão entre os gateways de um mesmo SA . Por esse motivo, o termo
IGP é usado para referenciar qualquer protocolo de roteamento entre Interior Gateways (IG). Os
protocolos IGP mais conhecidos são: RIP (Routing Information Protocol), Hello Protocol e OSPF
(Open Shortest-Path-Frist Protocol).

Cristiano Alan Torres Pág. 52/85


Arquitetura TCP/IP

RIP - Routing Information Protocol

O RIP foi originalmente desenvolvido pela Universidade da Califórnia em Berkeley. Este


protocolo permite a troca de informações utilizadas pelo algoritmo de roteamento Vector-
Distance em uma sub-rede dotada do serviço de difusão de mensagens.

O RIP divide as máquinas da sub-rede em ativas e passivas. As máquinas ativas divulgam


informações de roteamento para as outras, enquanto as máquinas passivas recebem as
informações e atualizam suas rotas, sem divulga-las. Tipicamente, os gateways executam o RIP
no modo ativo, enquanto as estações o executam no modo passivo.

Um gateway executando o RIP no modo ativo difunde as mensagens a cada 30 segundos e


também quando recebe uma solicitação de informação de outro gateway. A mensagem
difundida normalmente contém informações sobre todas as sub-redes do SA, extraídas da
tabela de roteamento do gateway. Cada mensagem enviada por um gateway G consiste em
pares de informações. Cada par é composto de um endereço de sub-rede IP e da distância do
gateway G à sub-rede . A métrica utilizada para o cálculo de distância é baseada no número de
hops (número de gateways) na melhor rota entre o gateway G e a rede. Curiosamente o RIP
assume o valor "1" para a distância de um gateway a uma sub-rede à qual ele está diretamente
conectado. Para compensar diferenças de tecnologia de redes, algumas implementações do
RIP informam uma distância maior quando a rota atravessa uma rede lenta. Participantes ativos
e passivos do RIP, quando recebem uma mensagem, atualizam suas rotas de acordo com o
algoritmo de roteamento Vector-Distance, descrito no item 5.2.1 Para evitar que uma rota oscile
entre dois ou mais caminhos com a mesma métrica, o RIP especifica que uma rota deve ser
atualizada somente quando a nova rota possuir distância menor que a atual.

OSPF - Open Shortest-Path-First Protocol

O protocolo OSPF foi elaborado por um grupo de trabalho da Internet Engineering Task Force
com o propósito de atender às exigências de roteamento de grandes redes, ou seja, um IGP
para sistemas autônomos de porte. É um protocolo que usa o algoritmo SPS e compreende

Cristiano Alan Torres Pág. 53/85


Arquitetura TCP/IP

uma série de facilidades adicionais listados a seguir, as quais permitem diminuir a sobrecarga
necessária para a manutenção da topologia atualizada de uma rede Internet:
• roteamento levando em consideração o tipo de serviço;
• balanceamento de carga entre rotas de mesmo tamanho;
• participação dos gateways e redes em subgrupos denominados áreas, sendo a topologia
de uma área conhecida apenas dentro da mesma, facilitando o crescimento modular do SA ;
• definição da topologia de rede virtual que abstraia detalhes de rede real;
• divulgação e informações recebidas de exterior gateways. O formato da mensagem
permite distinguir informações recebidas de fontes externas daquelas recebidas dentro do
SA ;

O protocolo OSPF é baseado nas mensagens: Hello, Database Description, Link Status
Request e Link Status Uptade. Quando um gateway OSPF é inicializado, sua primeira ação é
contatar os gateways vizinhos, através de mensagens Hello. Os gateways trocam mensagens
entre si para eleger o gateway mestre (DR -Designated Router). Este gateway torna-se
responsável pela notificação de informações de roteamento a todos os gateways presentes na
rede (gateways secundários). Nos protocolos de roteamento discutidos anteriormente todos os
gateways enviavam e recebiam informações de roteamento, gerando tráfego excessivo. A figura
de um gateway mestre, com o função de gerador/distribuidor de informações, reduz
significativamente o tráfego relativo às mensagens de roteamento, que são trocadas somente
entre o gateway mestre e os demais gateways secundários.

O OSPF usa o roteamento link state. As informações de roteamento trocados entre gateways,
através da mensagem Database Description, indicam o estado e o custo associado às
interfaces e aos gateways vizinhos. Estas mensagens são confirmadas pelos gateways que a
recebem. Como as bases podem ser grandes, uma base de topologia pode gerar várias
mensagens. A mensagem Link Status Request é usada por um gateway na requisição de dados
atualizados a outro gateway. Na mensagem Link Status Updade é usada por um gateway no
envio de informações sobre o estado de seus enlaces.

Uma vez estabelecido o gateway mestre da cada sub-rede Internet ,realizada a troca de
informações de roteamento entre o gateways mestres das várias sub-redes em que esteja

Cristiano Alan Torres Pág. 54/85


Arquitetura TCP/IP

conectado, o gateway monta a sua base de dados de roteamento. O algoritmo SPF é, então
executado a partir dessa base e, como resultado, é obtida uma árvore de roteamento com o
gateway na raiz, indicando a conectividade com outras redes. A partir dos dados de custo, são
calculados os custos totais das rotas até cada sub-rede da Internet.

5.3.2. EGP - Exterior Gateway Protocol

O protocolo EGP não está vinculado a nenhum algoritmo de roteamento. Isto é, para que dois
gateways se comuniquem através do EGP não é necessário que eles executem um mesmo
algoritmo de roteamento. O EGP define as informações a serem trocadas entre EG
(basicamente as tabelas de roteamento) e os elementos de protocolo necessários à troca
dessas informações.

Tais informações permitem que um ou mais sistemas autônomos sejam utilizados como
intermediários do tráfego originado em algum sistema autônomo e destinado a outro, sem que o
usuário da rede perceba que a rede é composta por mais de um sistema autônomo.

O EGP é um protocolo de roteamento elaborado para uma rede de sistemas autônomos


organizados em uma estrutura tipo árvore, ou seja, uma rede sem loops (ciclos) na sua
topologia. As informações trocadas neste protocolo não impedem que ocorram loops no
roteamento. Uma situação de loop pode ocorrer, por exemplo, quando uma tabela de
roteamento de um gateway G indica o gateway G' como a melhor saída para uma rede N, e a
tabela de roteamento de G' indica G como a melhor saída para a rede N.

As mensagens do EGP são associadas a cada Sistema Autônomo através de uma identificação
de 16 bits que é colocada no cabeçalho da cada mensagem do EGP. Essas mensagens
trafegam somente entre gateways vizinhos. Dois gateways podem tornar-se vizinhos quando:
• estão diretamente conectadas por um, cabo, por exemplo; ou

Cristiano Alan Torres Pág. 55/85


Arquitetura TCP/IP

• estão conectados por uma rede transparente para eles, isto é, uma rede cuja estrutura
interna eles não conhecem.

Não faz parte do protocolo EGP determinar quando dois gateways devem tornar-se vizinhos.
Esta é uma tarefa do administrador do SA . Dois gateways tornam-se vizinhos através da troca
de mensagens de Aquisição de Vizinho.

Após se tornarem vizinhos, dois gateways passam a trocar mensagens de Disponibilidade,


para conhecer o estado do vizinho (conectado/desconectado), e mensagens de Alcance, para
identificar quais redes podem ser acessadas através do vizinho.

O EGP é um protocolo do tipo solicitação (polling). As mensagens são trocadas somente


quando ocorre uma solicitação de um dos vizinhos. Por isso, o EGP permite que cada gateway
controle a sua taxa de envio e recebimento de informação de roteamento. Além disso, esse
protocolo permite que um S A tenha um mecanismo de roteamento interno que não é afetado
por falhas em outros sistemas.

5.3.3. BGP – Border Gateway Protocol

Com o crescimento da Internet, o uso do EGP tornou-se limitado. Existia a necessidade de


acrescentar funções de policiamento no roteamento e o protocolo devia suportar topologias
complexas. Consequentemente surgiu o BGP, para suprir as deficiências do EGP no
roteamento entre sistemas autônomos.

Roteadores com BGP se preocupam com critérios políticos de roteamento. Um sistema


autônomo (SA) deve querer habilidade de enviar pacotes para algum site e receber pacotes de
outro site de seu interesse. Entretanto, ele não deve gostar de conduzir pacotes entre sistemas
autônomos (SA's) que não seja de seu interesse. Por exemplo, companhias telefônicas devem
atuar como portadora de seus clientes, mas não dos outros.

Cristiano Alan Torres Pág. 56/85


Arquitetura TCP/IP

O protocolo BGP foi projetado para permitir muitos critérios de roteamento a serem aplicadas no
tráfego entre SA's. Critérios típicos envolvem considerações de ordem política, de segurança,
ou econômicas. Alguns exemplos de limites de roteamento são: nunca coloque o Iraque na rota
para o Pentágono; tráfego iniciando ou terminando na IBM, não trafega para Microsoft. Os
critérios são configurados manualmente em cada roteador BGP.

Do ponto de vista do roteador BGP, o mundo consiste de outros roteadores BGP


interconectados. Dois roteadores BGP são considerados conectados se eles compartilham uma
rede comum. Dado o interesse de um BGP especial no tráfego, as redes são grupadas em três
categorias. A primeira categoria é stubs networks, na qual somente tem conexão para um
roteador BGP. Estas não podem ser usadas para trânsito na rede, porque só tem uma ligação.

A segunda é as redes multiconnected networks. Podem ser usadas para tráfego em trânsito,
exceto se recusarem. Finalmente, existem as redes transit networks, como um backbone, que
estão dispostas a manipular pacotes de outros, possivelmente com algumas restrições.

Pares de roteadores BGP se comunicam através de conexões TCP. Operando deste modo eles
fornecem uma comunicação confiável e escondem os detalhes da rede que os pacotes estão
passando.

BGP é um protocolo que usa o algoritmo vector distance, mas com uma pequena diferença. Ao
invés de manter a distância de cada destino, cada roteador BGP mantém o caminho usado.
Similarmente, ao invés de periodicamente dar a cada vizinho a distância estimada para cada
possível destino, cada roteador diz a seus vizinhos o caminho exato que está usando.

Como um exemplo, considerar os roteadores conforme a Figura 5.3. Em particular, considerar a


tabela de roteamento de F. Supor que ele usa o caminho FGCD para alcançar D. Quando os
vizinhos sua informação de roteamento, eles fornecem seus caminhos completos, como mostra
a Figura 5.3 (por simplicidade, somente o destino D é ilustrado).

Cristiano Alan Torres Pág. 57/85


Arquitetura TCP/IP

B D
C F recebe informações
de seus vizinhos
sobre D:

A de B: BCD
de G: GCD
de I: IFGCD
de E: EFGCD
G
H
F
E

I J

(a) (b)

Figura 5.3. Roteamento com o protocolo BGP.

Após todos os caminhos chegarem dos vizinhos. F examina-os para ver qual é o melhor.
Rapidamente descarta os caminhos de I e E, porque estes caminhos passam por F. A escolha
está entre B e G. Cada roteador BGP contém um módulo que examina rotas para um dado
destino e dá um valor a eles, retornando um número da distância para o destino de cada rota.
Alguma rota viola um critério de roteamento e seu valor é infinito. O roteador então adota a rota
de menor distância.

BGP facilmente resolve o problema de contagem infinita que causa problema a outros
algoritmos de roteamento. Por exemplo, supor que G quebre ou a linha FG esteja desativada. F
então recebe rotas dos outros três vizinhos. Estas rotas são BCD, IFGCD e EFGCD. Verifica-se
que duas rotas estão sem sentido, porque passam por F, então é escolhido FBCD como a nova
rota.

Vector-distance, uma diferente estratégia de podar a árvore deve ser seguida. O algoritmo
básico é o reverse path forwarding. Entretanto, quando um roteador que não faz parte do grupo,

Cristiano Alan Torres Pág. 58/85


Arquitetura TCP/IP

recebe uma mensagem multicast, ele responde para que o emissor não envie mensagens para
ele.

5.4. ROTEAMENTO MULTICAST

A comunicação IP normal é ponto-a-ponto. Entretanto, para algumas aplicações, a


comunicação multiponto é útil para o processo de enviar mensagens para um grande número
de receptores simultaneamente. Exemplos de aplicações multiponto são replicação de dados,
banco de dados distribuídos e multiconferência.

O IP suporta multicast, usando a classe de endereços D. Cada endereço da classe D identifica


um grupo de estações. No endereço IP, 28 bits estão disponíveis para identificar grupos.
Quando um processo envia um pacote para endereço de classe D, o pacote é liberado para
todos os membros do grupo, mas não garante que todos receberão o pacote.

Existe dois tipos de grupos de endereços: permanente e temporário. Um grupo permanente


sempre existirá e não precisa ser configurado. Alguns exemplos de endereços de grupo
permanente são:

- 224.0.0.1 - todos os sistemas numa rede local;


- 224.0.0.2 - todos os roteadores numa rede local;
- 224.0.0.5 - todos os roteadores OSPF numa rede local.

Multicasting é implementado por roteadores multicast especiais. Cerca de uma vez a cada
minuto, cada roteador multicast envia um pacote para as estações de sua rede local (endereço
224.0.0.1) perguntando para eles responderem de volta, quais os grupos que seus processos
pertencem. Estes pacotes de consultas e respostas usam um protocolo chamado IGMP
(Internet Group Management Protocol) , que é similar ao ICMP. Ele tem dois tipos de pacote:
consulta e resposta, cada um com formato fixo contendo alguma informação de controle na
primeira palavra do campo payload e um endereço classe D na segunda palavra.

Cristiano Alan Torres Pág. 59/85


Arquitetura TCP/IP

Para algumas aplicações, os processos estão separados em vários locais, mas trabalham
juntos em grupo. Por exemplo, um grupo de processos implementando um sistema de banco de
dados distribuído. Nele é freqüente um processo enviar uma mensagem para todos os outros
membros do grupo. Então necessita-se de um modo de enviar mensagens para grupos bem
definidos que são numericamente grandes, mas pequenos comparados ao tamanho da rede.
Para realizar esta tarefa é necessário utilizar uma técnica de roteamento multiponto.

Para fazer multicasting, cada roteador constrói sua spanning tree selecionando enlaces na
rede formando uma árvore, de forma a cobrir todos os outros roteadores na sub-rede. Por
exemplo, na Figura 5.4(a) temos uma sub-rede com dois grupos, 1 e 2. Alguns roteadores são
ligados nos grupos, como indicado na Figura 5.4(a). A spanning tree para o roteador mais a
esquerda é mostrado na figura 5.4(b).

2 1 2
1

1,2 1,2
1,2 2 2 1,2 2 2

1
1
1
1
(a) SUB-REDE (b) "SPANNING TREE" DO ROTEADOR MAIS A ESQUERDA

1 2

2
1 2 2
1 2

1
1
(c) ARVORE MULTICAST - GRUPO 1 (d) ARVORE MULTICAST - GRUPO 2

Figura 5.4. Roteamento Multicast.

Cristiano Alan Torres Pág. 60/85


Arquitetura TCP/IP

Quando um processo envia um pacote multicast para o grupo, o primeiro roteador examina sua
spanning tree e poda a árvore, removendo toda as linhas que não pertencem ao seu grupo. A
Figura 5.4(c) ilustra a árvore do grupo 1 e a Figura 5.4(d) ilustra a árvore do grupo 2. Pacotes
multicast são enviados somente na spanning tree apropriada.

Vários modos de podar a árvore são possíveis. O modo mais simples é usar o roteamento link-
state, sendo que cada roteador deve conhecer a topologia completa da sub-rede. Então a
spanning tree pode ser construída iniciando no final de cada caminho até a raiz, eliminando os
roteadores que não pertencem ao grupo.

Com o roteamento vector-distance, uma diferente estratégia de podar a árvore deve ser
seguida. O algoritmo básico é o reverse path forwarding. Entretanto, quando um roteador que
não faz parte do grupo, recebe uma mensagem multicast, ele responde para que o emissor não
envie mensagens para ele.

Uma desvantagem deste algoritmo é que para grandes redes muita memória é necessária.
Supor que uma rede tem n grupos, cada um com a média de m membros. Para cada grupo, m
spanning trees podadas são armazenadas, para um total de m.n árvores. Quando muitos
grupos grandes existem, é gasto muito memória para armazenar as árvores.

Uma alternativa é usar árvores chamadas core-base tree. Aqui uma única árvore spanning tree
por grupo é computada, com a raiz ("the core") perto do meio do grupo. Para enviar uma
mensagem multicast, uma estação envia-a para a raiz, que então envia para os nós do grupo.
Embora esta técnica não seja ótima, ela reduz os custos de armazenagem de m árvores para
uma árvore por grupo.

Cristiano Alan Torres Pág. 61/85


Arquitetura TCP/IP

6. TCP/IP EM REDES ATM

O ATM é uma tecnologia de rede de alta velocidade na qual a rede possui um ou mais
comutadores conectados entre si para formar uma estrutura de comutação. Na lógica, uma
estrutura de comutação funciona como uma única grande rede que permite a comunicação
entre quaisquer hosts.

Já que o ATM é uma tecnologia baseada em conexão, dois computadores devem estabelecer
um circuito virtual através da rede antes de transmitir dados. Um host pode optar por um circuito
virtual comutado ou permanente. Os circuitos comutados são criados por demanda. Os
permanentes requerem uma configuração manual. Em ambos os casos, o ATM atribui a cada
circuito aberto um identificador de número inteiro. Cada quadro enviado pelo host ou pela rede
possui um identificador de circuito. Um quadro não possui um endereço de origem e de destino.

Apesar dos níveis mais baixos do ATM utilizarem células de 53 octetos para a transmissão de
dados, o ATM possui mecanismos adicionais em sua camada de adaptação que são utilizados
pelos aplicativos. A AAL5 (Adaptation Layer 5) do ATM, em particular, é utilizada para o envio
de dados através de uma rede ATM. A AAL5 oferece uma interface que recebe e envia blocos
de dados de tamanhos variados, os quais podem ter octetos de até 64kb.

Para enviar um datagrama IP através de uma rede ATM, o transmissor precisa formar uma
conexão de circuito virtual para o destino que utiliza a AAL5 e enviar o datagrama à AAL5 coo
um único bloco de dados. A AAL5 acrescenta um trailer, divide o datagrama e o trailer em
células menores para a transmissão através da rede e, depois, reagrupa o datagrama antes de
encaminhá-lo ao sistema operacional do computador de destino. Assim, ao enviar datagramas
através da rede ATM, o IP não fragmenta no tamanho da célula ATM. Ao contrário, o IP utiliza
uma MTU de 9.180 octetos e permite que a AAL5 divida o datagrama em células.


MTU (Maximum Transfer Unit) significa o maior volume de dados que pode ser transferido em determinada rede
física, a MTU é determinada pelo hardware da rede.

Cristiano Alan Torres Pág. 62/85


Arquitetura TCP/IP

Uma LIS (Logical IP Subnet) é formada por um conjunto de computadores que utiliza a rede
ATM em vez de uma rede local. Os computadores formam circuitos virtuais entre si por meio
dos quais alteram os datagramas. A presença tanto dos circuitos virtuais como dos circuitos
permanentes em uma LIS torna ainda mais complicada a questão da vinculação de endereços.
Um protocolo ARP modificado, conhecido como ATMARP, faz a vinculação de endereços para
os computadores em uma LIS conectada por um circuito virtual comutado. Os computadores de
uma LIS contam com um servidor ATMARP para vincular o endereço IP de outro computador
da LIS a um endereço ATM equivalente. Cada computador de uma LIS deve fazer o registro
com o servidor, fornecendo seus endereços IP e ATM ao servidor. Desse modo, outros
computadores podem entrar em contato com o servidor para obter uma vinculação, conforme
necessário. Como no caso do ARP convencional, uma vinculação deve ser revalidada ou
descartada. Um protocolo relativo ao ATMARP inverso é utilizado para descoberta dos
endereços ATM e IP de um computador remoto conectado por um circuito virtual permanente.

Cristiano Alan Torres Pág. 63/85


Arquitetura TCP/IP

7. DNS (DOMAIN NAME SYSTEM)

O DNS (Domain Name System) é um esquema de gerenciamento de nomes, hierarquico e


distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de
autoridade na definição de nomes, um banco de dados distribuído que associa nomes a
atributos (entre eles o endereço IP) e um algoritmo distribuído para mapear nomes em
endereços. O DNS é especificado nas RFCs 882, 883 e 973.

As aplicações normalmente utilizam um endereço IP de 32 bits no sentido de abrir uma conexão


ou enviar um datagrama IP. Entretanto, os usuários preferem identificar as máquinas através de
nomes ao invés de números. Assim e necessário um banco de dados que permita a uma
aplicação encontrar um endereço, dado que ela conhece o nome da máquina com a qual se
deseja comunicar.

Um conjunto de servidores de nomes mantém o banco de dados com os nomes e endereços


das máquinas conectadas a Internet. Na realidade este é apenas um tipo de informação
armazenada no domain system (sistema de domínios). Note que é usado um conjunto de
servidores interconectados, ao invés de um único servidor centralizado. Existem atualmente
tantas instituições conectadas a Internet que seria impraticável exigir que elas notificassem uma
autoridade central toda vez que uma máquina fosse instalada ou trocasse de lugar. Assim, a
autoridade para atribuição de nomes e delegada a instituições individuais. Os servidores de
nome formam uma árvore, correspondendo a estrutura institucional. Os nomes também adotam
uma estrutura similar.

Um exemplo típico é o nome chupeta.jxh.xyz.br. Para encontrar seu endereço Internet, pode
ser necessário o acesso a até quatro servidores de nomes. Inicialmente deve ser consultado um
servidor central, denominado servidor raiz, para descobrir onde está o servidor br. O servidor br


RFC (Request For Comments), nome de um conjunto de notas que contêm levantamentos, avaliações, idéias,
técnicas e comentários, bem como padrões de protocolos TCP/IP sugeridos e aceitos. As RFCs estão disponíveis
on-line.

Cristiano Alan Torres Pág. 64/85


Arquitetura TCP/IP

é o responsável pela gerencia dos nomes das instituições/empresas brasileiras ligadas a


Internet. O servidor raiz informa como resultado da consulta o endereço IP de vários servidores
de nome para o nível br (pode existir mais de um servidor de nomes em cada nível, para
garantir a continuidade da operação quando um deles para de funcionar). Um servidor do nível
br pode então ser consultado, devolvendo o endereço IP do servidor xyz.

De posse do endereço de um servidor xyz é possível solicitar que ele informe o endereço de um
servidor jxh, quando, finalmente, pode-se consultar o servidor jxh sobre o endereço da máquina
chupeta. O resultado final da busca é o endereço Internet correspondente ao nome
chupeta.jxh.xyz.br.

Cada um dos níveis percorridos e referenciado como sendo um domínio. O nome completo
chupeta.jxh.xyz.br é um nome de domínio.

Na maioria dos casos, não é necessário ter acesso a todos os domínios de um nome para
encontrar o endereço correspondente, pois os servidores de nome muitas vezes possuem
informações sobre mais de um nível de domínio o que elimina uma ou mais consultas. Além
disso, as aplicações normalmente tem acesso ao DNS através de um processo local (servidor
para as aplicações e um cliente DNS), que pode ser implementado de modo a guardar os
últimos acessos feitos, e assim resolver a consulta em nível local. Essa abordagem de acesso
através de um processo local, simplifica e otimiza a tarefa das aplicações no que tange ao
mapeamento de nomes em endereços, uma vez que elimina a necessidade de implementar, em
todas as aplicações que fazem uso do DNS, o algoritmo de caminhamento na árvore de
domínios descrito anteriormente.

O DNS não se limita a manter e gerenciar endereços Internet. Cada nome de domínio e um nó
em um banco de dados, que pode conter registros definindo varias propriedades. Por exemplo,
o tipo da máquina e a lista de serviços fornecidos por ela. O DNS permite que seja definido um
alias (nome alternativo) para o nó. Também é possível utilizar o DNS para armazenar
informações sobre usuários, listas de distribuição ou outros objetos.

Cristiano Alan Torres Pág. 65/85


Arquitetura TCP/IP

O DNS é particularmente importante para o sistema de correio eletrônico. No DNS são


definidos registros que identificam a máquina que manipula as correspondências relativas a um
dado nome, identificado assim onde um determinado usuário recebe suas correspondências. O
DNS pode ser usado também para definição de listas para distribuição de correspondências.

Cristiano Alan Torres Pág. 66/85


Arquitetura TCP/IP

8. APLICAÇÕES

As aplicações, no modelo TCP/IP, não possuem uma padronização comum. Cada uma possui
um RFC próprio. O endereçamento das aplicações é feito através de portas (chamadas
padronizadas a serviços dos protocolos TCP e UDP), por onde são passados as mensagens. É
na camada de Aplicação que se trata a compatibilidade entre os diversos formatos
representados pelos variados tipos de estações da rede.

8.1. TELNET

O protocolo TCP/IP inclui um protocolo simples de terminal remoto denominado TELNET. O


TELNET permite que um usuário em determinado site estabeleça uma conexão TCP com um
servidor login situado em outro site. O TELNET transmite, então os toques no teclado do
usuário diretamente ao computador remoto, como se estivessem sendo digitados no teclado
conectado à máquina remota. Esse terminal também retorna a saída da máquina remota até a
tela do usuário. O servidor recebe o nome de transparente, porque faz com que o teclado e o
monitor do usuário pareçam estar conectados diretamente à máquina remota.

Embora o TELNET não seja sofisticado se comparado a alguns protocolos de terminal remoto,
ele é amplamente aceito. Geralmente o software do cliente do TELNET permite que o usuário
especifique a máquina remota fornecendo seu nome de domínio ou seu endereço IP. Por
aceitar endereços IP, o TELNET pode ser usado com hosts mesmo que o vínculo
nome/endereço não possa ser estabelecido (p. ex., quando o software de atribuição de nomes
de domínio estiver sendo depurado).

O TELNET oferece três serviços básicos:

Cristiano Alan Torres Pág. 67/85


Arquitetura TCP/IP

• Define um terminal virtual da rede fornecedora de uma interface padrão para sistemas
remotos. Os programas clientes não precisam entender os detalhes de todos os sistemas
remotos possíveis; eles são projetados para usar a interface padrão.

• Inclui um mecanismo que permite ao cliente e ao servidor negociar opções e fornece um


conjunto de opções padronizadas (p. ex., uma das opções verifica se os dados passados
pela conexão usam o caracter padrão ASCII de sete bits ou o conjunto de oito bits).

• Trata ambas as pontas da conexão de forma simétrica. Em particular, não obriga a entrada
do cliente via teclado, nem obriga o cliente a ter a saída indicada na tela. Dessa forma, o
TELNET permite que o programa arbitrário torne-se um cliente. Além do mais, qualquer
ponta pode negociar opções.

A Figura 8.1 ilustra como os programas aplicativos implementam um cliente e servidor TELNET,
quando um usuário chama o TELNET, um programa aplicativo existente na máquina do usuário
torna-se o cliente. O cliente estabelece uma conexão TCP com o servidor por intermédio da
qual irão se comunicar. Uma vez estabelecida a conexão, o cliente aceita toques de teclado do
usuário e os envia ao servidor enquanto, simultaneamente, aceita caracteres que o servidor
envia de volta e apresenta-os na tela do usuário. O servidor deve aceitar uma conexão TCP de
um cliente e, a seguir, retransmitir dados entre a conexão TCP e o sistema operacional local.

Na prática, o servidor é mais complexo do que a figura representa porque precisa conduzir
várias conexões simultâneas. Em geral, um processo de servidor-mestre aguarda novas
conexões e cria um novo escravo para cuidar de uma conexão em particular. Desse modo, “o
servidor TELNET” mostrado na Figura 8.1 representa o escravo que trata de uma conexão em
particular. A figura não mostra o servidor-mestre que espera novas solicitações, nem mostra os
escravos cuidando das outras conexões.

Cristiano Alan Torres Pág. 68/85


Arquitetura TCP/IP

Sevidor envia
Cliente lê dados do Cliente envia dados
dados para
terminal Cliente ao servidor Sevidor pseudoterminal
TELNET TELNET

S.O. Servidor receb e S.O.


dados do cliente
Dispositivo de
entrada e saída Inter-rede
de dados do TCP/IP
usuário

Figura 8.1. Trajeto de dados em uma sessão de terminal remoto TELNET, enquanto trafega do teclado do usuário
até um sistema de operação remoto. Acrescenta um servidor TELNET a um sistema timesharing geralmente requer
modificações no sistema operacional.

O termo pseudoterminal descreve o ponto de entrada do sistema operacional que permite que o
servidor de um programa em funcionamento, como o TELNET, transfira caracteres ao sistema
operacional como se estivessem vindo de um teclado. É impossível construir um servidor
TELNET, a não ser que o sistema operacional forneça tal recurso. Se o sistema suporta tal
abstração de pseudoterminal, o servidor TELNET pode ser implementado com programas
aplicativos. Cada servidor-escravo conecta um canal TCP de um cliente a um pseudoterminal
específico.

8.2. FTP (File Transfer Protocol)

A transferência de arquivos é um dos aplicativos TCP/IP usados com mais freqüência e


responde por grande parte do tráfego de rede. Os protocolos de transferência de arquivos
padrão existiram para ARPANET antes que o TCP/IP se tornasse operacional. Essas versões
anteriores do software de transferência de arquivos evoluíram para um padrão atual conhecido
como FTP (File Transfer Protocol).

O FTP oferece muitas vantagens além da função de transferência propriamente dita:

Cristiano Alan Torres Pág. 69/85


Arquitetura TCP/IP

• Acesso interativo. Apesar do TCP ser projetado para uso por programas, muitas
implementações fornecem uma interface interativa que permite que as pessoas interajam
facilmente com servidores remotos. Por exemplo, um usuário pode pedir uma listagem de
todos os arquivos de um diretório em uma máquina remota. O cliente também responde
normalmente à entrada “help”, mostrando a informação do usuário sobre possíveis
comandos que podem ser chamados.

• Especificação de formato (representação). O FTP permite que o cliente especifique o tipo e


o formato dos dados armazenados. Por exemplo, o usuário pode determinar se um arquivo
contém texto ou números inteiros binários e se os arquivos textos usam os conjuntos de
caracteres ASCII ou EBCDIC.

• Controle de autenticação. O FTP requer que os clientes autorizem a si próprios enviando


um nome de login e a senha ao servidor antes de requisitar a transferência e arquivos. O
servidor recusa acesso aos clientes que não podem fornecer um login válido e uma senha.

A exemplo de outros servidores, a maioria das implementações de servidor FTP permite o


acesso simultâneo de vários clientes. Os clientes usam o TCP para se conectar a um servidor.
Um processo de servidor principal único guarda concessões e cria um processo escravo para
tratar cada conexão. De maneira diferente de outros servidores, no entanto, o processo escravo
não realiza toda a computação necessária. Ao contrário, o escravo aceita e trata a conexão de
controle do cliente, mas usa um processo ou processos adicionais para tratar uma conexão de
transferência de dados à parte. A conexão de controle transporta comandos que informam ao
servidor qual arquivo transferir. A conexão de transferência de dados, que também usa o TCP
como protocolo de transferência, transporta todas as transferências de dados.

Geralmente tanto o cliente como o servidor criam um processo separado para tratar da
transferência de dados. Considerando que os detalhes exatos da arquitetura do processo
dependam do sistema operacional usado, a Figura 8.2 ilustra o conceito:

Cristiano Alan Torres Pág. 70/85


Arquitetura TCP/IP

Sistema Cliente Sistema Servidor


Conexão de
controle do
cliente
Processo Processo
Transferência Transferência
de de
de dados de dados
Controle Controle
Conexão de
controle do
servidor
Sistema Operacional Sistema Operacional

Conexão de Conexão de
dados do dados do
cliente Interligação servidor
em TCP/IP

Figura 8.2. Um cliente e um servidor FTP com uma conexão de controle TCP entre eles e uma conexão TCP à parte
entre seus processos e transferência de dados relacionados.

A conexões de transferência de dados e os processos de transferência de dados que as


utilizam podem ser criados dinamicamente, quando necessário, mas a conexão de controle
persiste através de uma sessão. Uma vez que a conexão de controle desaparece, a sessão é
finalizada e o software de ambas as extremidades encerra todos os processos de transferência
de dados.

8.3. NFS (Network File System)

Desenvolvido inicialmente pela Sun Microsystems, o NFS (Network File System) fornece acesso
de arquivo online compartilhado que é transparente e integrado. Muitos sites TCP/IP usam NFS
para interconectar seus sistemas de arquivo de computadores. Da perspectiva do usuário, o
NFS é praticamente invisível. Um usuário pode executar um programa aplicativo arbitrário e
usar arquivos arbitrários para entrada ou saída. O próprio nome dos arquivos não indica se eles
são locais ou remotos.

Cristiano Alan Torres Pág. 71/85


Arquitetura TCP/IP

A Figura 8.3 ilustra como o NFS está inserido no sistema operacional. Quando um programa
aplicativo é executado, este chama o sistema operacional para abrir um arquivo ou para
armazenar e recuperar dados de um arquivo. O mecanismo de acesso a arquivos aceita o
pedido e automaticamente passa-o ou para o software de sistema de arquivo local ou para o
cliente NFS, dependendo de o arquivo estar no disco local ou em uma máquina remota.
Quando ele recebe um pedido, o software do cliente usa o protocolo NFS para contatar o
servidor apropriado em uma máquina remota e executar a operação requisitada. Quando o
servidor remoto responde, o software do cliente devolve os resultados ao programa aplicativo.

Aplicativo

Sistema de
Cliente
arquivos
NFS
local

Conexão da inter-rede
Disco com o servidor NFS
local

Figura 8.3. Código NFS em um sistema operacional. Quando um programa aplicativo requisita uma operação de
arquivo, o sistema operacional deve passar o pedido para o sistema de arquivo local ou para o software do cliente
NFS.

Cristiano Alan Torres Pág. 72/85


Arquitetura TCP/IP

8.4. RPC (Remote Procedure Call)

Em vez de definir o protocolo NFS a partir de riscos, os projetistas deviam preferir montar três
peças independentes: o próprio protocolo NFS, um mecanismo de RPC (Remote Procedure
Call) para fins gerais e um XDR (eXternal Data Representation), também para fins gerais. O
objetivo seria separar os três para possibilitar o uso de RPC e XDR em outro software, inclusive
em programas aplicativos e também em outros produtos.

Do ponto de vista do programador, o próprio NFS não fornece novos procedimentos que
possam ser chamados por um programa. Ao contrário, uma vez que um administrador tenha
configurado o NFS, ele programa arquivos remotos de acesso usando exatamente as mesmas
operações utilizadas para arquivos locais. No entanto, o RPC e o XDR fornecem macanismos
que os programadores podem usar para construir programas distribuídos. Por exemplo, um
programador pode dividir um programa entre o lado do cliente e o lado do servidor que usam
RPC como o principal mecanismo de comunicação. No lado do cliente, o programador atribui
alguns procedimentos como remotos, obrigando o compilador a incorporar a esses
procedimentos os códigos de RPC. No lado do servidor, o programador implementa os
procedimentos desejados e usa outros recursos RPC para declará-los parte do servidor.
Quando o programa de execução do cliente chama um dos programas remotos, o RPC
automaticamente coleta valores para argumentos, monta uma mensagem, envia a mensagem
ao servidor remoto, espera uma resposta e armazena os valores devolvidos nos argumentos
atribuídos. Basicamente, a comunicação com o servidor remoto ocorre automaticamente como
efeito parcial de uma chamada de procedimento remoto. O mecanismo RPC concentra todos os
detalhes do protocolo, possibilitando aos programadores que têm pouco conhecimento de
protocolos de comunicação básicos desenvolver programas distribuídos.

O XDR é uma ferramenta relacionada que fornece meios para que os programadores passem
dados entre máquinas heterogêneas sem codificar procedimentos que convertam as
representações de dados de hardware. Por exemplo, nem todos os computadores armazenam
números inteiros binários de 32 bits no mesmo formato. Alguns armazenam o byte mais

Cristiano Alan Torres Pág. 73/85


Arquitetura TCP/IP

significativo no endereço de memória mais alta, enquanto outros armazenam o byte menos
significativo no endereço mais alto. Assim, se os programadores usam uma rede simplesmente
para mover bytes de número inteiro, de uma máquina para outra, sem redistribuí-los, o valor do
número inteiro pode mudar. O XDR resolve o problema definindo uma representação de
máquina independente. Em uma extremidade de um canal de comunicação, um programa
chama procedimentos XDR para fazer a conversão da representação do hardware local para a
representação independente da máquina. Uma vez que os dados tenham sido transferidos para
outra máquina, o programa receptor solicita rotinas XDR para proceder à conversão da
representação independente da máquina para a representação local da máquina.

A principal vantagem do XDR é automatizar grande parte da tarefa de conversão de dados. Os


programadores não precisam digitar chamadas de procedimentos XDR normalmente. Ao
contrário, eles fornecem o compilador XDR com os estatutos de declaração do programa para o
qual os dados devem ser transformados e o compilador automaticamente gera um programa
com as chamadas de biblioteca XDR necessárias.

8.5. SMTP (Simple Mail Transfer Protocol)

O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) e o protocolo usado no sistema de correio eletrônico
na arquitetura Internet TCP/IP. Um usuário, ao desejar enviar uma mensagem, utiliza o módulo
interface com o usuário para compor a mensagem e solicita ao sistema de correio eletrônico
que a entregue ao destinatário. Quando recebe a mensagem do usuário, o sistema de correio
eletrônico armazena uma cópia da mensagem em seu spool (área do dispositivo de
armazenamento), junto com o horário do armazenamento e a identificação do remetente e do
destinatário. A transferência da mensagem é executada por um processo em background,
permitindo que o usuário remetente, após entregar a mensagem ao sistema de correio
eletrônico, possa executar outras aplicações.

O processo de transferência de mensagens, executando em background, mapeia o nome da


máquina de destino em seu endereço IP, e tenta estabelecer uma conexão TCP com o servidor

Cristiano Alan Torres Pág. 74/85


Arquitetura TCP/IP

de correio eletrônico da máquina de destino. Note que o processo de transferência atua como
cliente do servidor do correio eletrônico. Se a conexão for estabelecida, o cliente envia uma
cópia da mensagem para o servidor, que a armazena em seu spool. Caso a mensagem seja
transferida com sucesso, o servidor avisa ao cliente que recebeu e armazenou uma cópia da
mensagem. Quando recebe a confirmação do recebimento e armazenamento, o cliente retira a
cópia da mensagem que mantinha em seu spool local. Se a mensagem, por algum motivo, não
for transmitida com sucesso, o cliente anota o horário da tentativa e suspende sua execução.
Periodicamente o cliente acorda e verifica se existem mensagens a serem enviadas na área de
spool e tenta transmiti-las. Se uma mensagem não for enviada por um período, por exemplo de
dois dias, o serviço de correio eletrônico devolve a mensagem ao remetente, informando que
não conseguiu transmiti-la.

Em geral, quando um usuário se conecta ao sistema, o sistema de correio eletrônico e ativado


para verificar se existem mensagens na caixa postal do usuário. Se existirem, o sistema de
correio eletrônico emite um aviso para o usuário que, quando achar conveniente, ativa o módulo
de interface com o usuário para receber as correspondências.

Um mensagem SMTP divide-se em duas partes: cabeçalho e corpo, separados por uma linha
em branco. No cabeçalho são especificadas as informações necessárias para a transferência
da mensagem. O cabeçalho e composto por linhas, que contém uma palavra-chave seguida de
um valor. Por exemplo, identificação do remetente (palavra-chave “to:” seguida do seu
endereço), identificação do destinatário, assunto da mensagem, etc... No corpo são
transportadas as informações da mensagem propriamente dita. O formato do texto é livre e as
mensagens são transferidas no formato texto.

Os usuários do sistema de correio eletrônico são localizados através de um par de


identificadores. Um deles especifica o nome da máquina de destino e o outro identifica a caixa
postal do usuário. Um remetente pode enviar simultaneamente varias cópias de uma
mensagem, para diferentes destinatários utilizando o conceito de lista de distribuição (um nome
que identifica um grupo de usuários). O formato dos endereços SMTP é o seguinte:

Nome_local@Nome do domínio

Cristiano Alan Torres Pág. 75/85


Arquitetura TCP/IP

Onde o nome_do_domínio identifica o domínio ao qual a máquina de destino pertence (esse


endereço deve identificar um grupo de máquinas gerenciado por um servidor de correio
eletrônico). O nome_local identifica a caixa postal do destinatário.

O SMTP especifica como o sistema de correio eletrônico transfere mensagens de uma máquina
para outra. O módulo interface com usuário e a forma como as mensagens são armazenadas
não são definidos pelo SMTP. O sistema de correio eletrônico pode também ser utilizado por
processos de aplicação para transmitir mensagens contendo textos.

Cristiano Alan Torres Pág. 76/85


Arquitetura TCP/IP

9. FUTURO DO TCP/IP (IPv6)

Nem a Internet nem os protocolos TCP/IP são estáticos. Através de sua Força Tarefa de
Engenharia da Internet, a Diretoria de Arquitetura da Internet (IAB, acrônimo de Internet
Architecture Board) promove esforços efetivos e constantes que mantêm a tecnologia elástica e
em evolução. O estímulo para a mudança ocorre à medida que aumentos em volume e em
tamanho forçam as melhorias necessárias para manter o serviço, uma vez que novos
aplicativos exigem mais da tecnologia denominada e já que novas tecnologias tornam possível
fornecer novos serviços.

A versão 4 do Internet Protocol (IPv4, versão atual) fornece o mecanismo básico de


comunicação da pilha TCP/IP e da Internet. Essa versão permaneceu quase inalterada desde
seu início, no final da década de 1970. A longevidade da versão 4 mostra que o projeto é
flexível e poderoso. Desde quando o IPv4 foi projetado, o desempenho do processador
aumentou mais de duas ordens de magnitude, os tamanhos típicos de memória aumentaram 32
vezes, a largura de banda de rede cresceu 800 vezes, tecnologias de rede local afloraram e o
número de hosts na Internet cresceu para 4 milhões. Além disso, as mudanças não ocorreram
simultaneamente – o IP conciliou mudanças em uma tecnologia, diante das mudanças em
outras.

O protocolo IPv6 proposto mantém muitas das características que contribuíram para o sucesso
do IPv4. Na verdade, os projetistas dotaram o IPv6 basicamente com as mesmas
características do IPv4, com algumas modificações. Por exemplo, o IPv6 ainda aceita entrega
sem conexão (permite que cada datagrama seja roteado independentemente), permite que o
transmissor escolha o tamanho de um datagrama e requer que o transmissor especifique o
número máximo de passos da rota que um datagrama pode fazer antes de ser concluído. O
IPv6 também retém a maioria dos conceitos fornecidos pelas opções do IPv4, inclusive os
recursos para fragmentação e roteamento de origem.

Cristiano Alan Torres Pág. 77/85


Arquitetura TCP/IP

A despeito de muitas semelhanças conceituais, o IPv6 muda a maioria dos detalhes do


protocolo. Por exemplo, o IPv6 usa endereços maiores e acrescenta algumas características
novas. Mais importante, revisa completamente o formato de datagrama, substituindo o campo
de opções de comprimento variável do IPv4 por uma série de cabeçalhos de formato fixo. As
mudanças introduzidas pelo IPv6 podem ser agrupadas em cinco categorias:

• Endereços Maiores. O novo tamanho de endereço é a mudança mais visível. O IPv6


quadruplica o tamanho de um endereço de IPv4, de 32 para 128 bits. O espaço de
endereço de IPv6 é tão grande que não pode ser consumido em futuro previsível.

• Formato Flexível de Cabeçalho. O IPv6 usa um formato de datagrama inteiramente novo e


incompatível. A contrário do IPv4, que usa um cabeçalho de datagrama de formato fixo
onde todos os campos, exceto o de opções, ocupam um número fixo de octetos com um
deslocamento fixo, o IPv6 usa um conjunto de cabeçalhos opcionais.

• Opções Aprimoradas. Como o IPv4, o IPv6 permite que um datagrama inclua informações
de controle opcionais. O IPv6 inclui novas opções que oferecem recursos adicionais não
disponíveis no IPv4.

• Suporte para Alocações de Recursos. O IPv6 substitui a especificação de tipo de serviço do


IPv4 por um mecanismo que permite pré-alocação de recursos de rede. Particularmente, o
novo mecanismo aceita aplicativos tais como vídeo em tempo real, que requer garantias de
largura de banda e retardo de transmissão.

• Provisão para Extensão de Protocolo. Talvez a mudança mais significativa no IPv6 seja uma
transição de um protocolo que especifica inteiramente todos os detalhes, para um protocolo
que pode permitir recursos adicionais.

Cristiano Alan Torres Pág. 78/85


Arquitetura TCP/IP

9.1. FORMATO DO DATAGRAMA

O IPv6 muda completamente o formato de datagrama. Como mostra a Figura 9.1, um


datagrama IPv6 tem um cabeçalho básico de tamanho fixo seguido de zero, ou mais
cabeçalhos de extensão seguidos de dados.

Opcional
Cabeçalho Cabeçalho ... Cabeçalho Dados...
Básico De Extensão 1 De Extensão N

Figura 9.1. Forma geral de um datagrama IPv6 com vários cabeçalhos. Apenas o cabeçalho básico é exigido; os de
extensão são opcionais.

Curiosamente, embora deva acomodar endereços maiores, um cabeçalho básico IPv6 contém
menos informações do que um cabeçalho de datagrama IPv4. As opções e alguns dos campos
fixos que aparecem em um cabeçalho de datagrama IPv4 foram removidos para cabeçalhos de
extensão no IPv6. Em geral, as mudanças no cabeçalho de datagrama refletem mudanças no
protocolo:

• O alinhamento foi mudado de múltiplos de 32 bits para múltiplos de 64 bits

• O campo de comprimento de cabeçalho foi eliminado e o campo de comprimento de


datagrama foi substituído por um campo COMPRIMENTO DO PAYLOAD.

• O tamanho dos campos de endereço de origem e de destino foi aumentado para 16 octetos
cada.

• As informações de fragmentação foram retiradas de campos fixos do cabeçalho básico,


para um cabeçalho de extensão.

• O campo TEMPO DE VIDA foi substituído por um campo LIMITE DE PASSOS DE ROTA.

Cristiano Alan Torres Pág. 79/85


Arquitetura TCP/IP

• O campo TIPO DE SERVIÇO foi substituído por um campo RÓTULO DE FLUXOS.

• O campo PROTOCOLO foi substituído por um campo que especifica o tipo do próximo
cabeçalho.

A Figura 9.2 mostra o conteúdo e o formato do cabeçalho básico do IPv6.

0 1 2 3 4 8 16 24 31
VERS RÓTULO DE FLUXO
COMPRIMENTO DO PAYLOAD PRÓXIMO LIMITANTE DE PASSOS
CABEÇALHO DA ROTA

ENDEREÇO DE ORIGEM

ENDEREÇO DE DESTINO

Figura 9.2. Formato de cabeçalho básico de 40 octetos do IPv6. Cada datagrama do IPv6 começa com um
cabeçalho básico.

Vários campos de um cabeçalho básico do IPv6 correspondem diretamente aos campos de um


cabeçalho do IPv4. Como no IPv4, o campo inicial VERS de 4 bits especifica a versão do
protocolo; VERS sempre contém 6 em um datagrama IPv6. Como no IPv4, os campos
ENDEREÇO DE ORIGEM e ENDEREÇO DE DESTINO especificam os endereços do
transmissor e do destinatário pretendido. No IPv6, entretanto, cada endereço requer 16 octetos.
O campo LIMITE DE PASSOS DA ROTA corresponde ao campo TEMPO DE VIDA (TIME TO
LIVE) do IPv4. Ao contrário do IPv4, que interpreta um tempo de vida como uma combinação de
contagem de passos da rota e do tempo máximo, o IPv6 interpreta o valor atribuindo limite
estrito ao número máximo de passos da rota que um datagrama pode fazer antes de ser
descartado.

Cristiano Alan Torres Pág. 80/85


Arquitetura TCP/IP

9.2. TAMANHO DO ESPAÇO DE ENDEREÇO

Em IPv6, cada endereço ocupa 16 octetos, quatro vezes o tamanho de um endereço de IPv4. O
espaço grande de endereço garante que o IPv6 pode tolerar qualquer esquema razoável de
atribuição de endereço. De fato, se posteriormente os projetistas decidirem mudar o esquema
de endereçamento, o espaço de endereço será suficientemente grande para acomodar uma
nova atribuição.

É difícil compreender o tamanho do espaço de endereço de IPv6. Um modo de examiná-lo


consiste em relacionar a magnitude ao tamanho da população: o espaço de endereço é tão
grande que cada pessoa do planeta pode ter endereços suficientes para ter sua própria
interligação em redes tão grande quanto a Internet atual. Um outro modo de compreender o
tamanho é o relacionar ao esgotamento do endereço. Por exemplo, considere quanto tempo
você levaria para atribuir todos os endereços possíveis. Um número inteiro de 16 octetos pode
conter 2128 valores. Assim, o espaço de endereço é maior do que 3,4x1038. Se os endereços
forem atribuídos à razão de um milhão de endereços a cada microssegundo, serão necessários
mais de vinte anos para atribuir todos os endereços possíveis.

Embora solucione os problemas de capacidade insuficiente, o tamanho grande do endereço cria


um problema novo e interessante: as pessoas que mantêm interligações em rede precisam ler,
dar entrada e manipular tais endereços. Obviamente, a notação binária é indefensável.
Contudo, a notação decimal pontuada, usada para IPv4, também não torna tais endereços
suficientemente compactos. Para compreender por que, considere um número de 128 bits,
como um exemplo, expresso na notação decimal pontuada:

104.230.140.100.255.255.255.255.0.0.17.128.150.10.255.255

Para ajudar o endereço a tornar-se ligeiramente mais compacto e mais fácil de dar entrada, os
projetistas do IPv6 propõem o uso de notação hexadecimal de dois pontos, na qual o valor de
cada conjunto de 16 bits é representado em hexadecimal separado por dois pontos. Por
exemplo, quando o valor mostrado acima em notação decimal pontuada tiver sido convertido

Cristiano Alan Torres Pág. 81/85


Arquitetura TCP/IP

em notação hexadecimal de dois pontos e impresso usando o mesmo espaçamento, ele se


tornará:

68E6:8C64:FFFF:FFFF:0:1180:96A:FFF

A notação hexadecimal de dois pontos tem a vantagem óbvia de requerer menos dígitos e
menos caracteres separadores do que o decimal pontuada. Além disso, a notação hexadecimal
de dois pontos inclui duas técnicas que a tornam extremamente útil. Primeiro, a notação
hexadecimal de dois pontos permite a compressão de zero, em que um string de zeros
repetidos é substituído por um par de dois pontos. Para assegurar que a compressão de zero
produz uma interpretação não-ambígua, a proposta determina que ela pode ser aplicada
apenas uma vez em qualquer endereço. A compressão de zero é especialmente útil quando
usada com o esquema de atribuição de endereço proposto, pois muitos endereços vão conter
strings de zero contíguos. Segundo, a notação hexadecimal de dois pontos incorpora sufixos de
notação hexadecimal pontuada. Veremos que tais combinações destinam-se ao uso durante a
transição do IPv4 para IPv6. Por exemplo, o string a seguir é uma notação hexadecimal válida,
de dois pontos:

0:0:0:0:0:0:128.10.2.1

Observe que, embora os números separados cada um por dois pontos especifiquem o valor de
uma quantidade de 16 bits, cada número da parte de notação hexadecimal pontuada especifica
o valor de um octeto. Naturalmente, a compressão de zero pode ser usada com o número
acima a fim de produzir um string equivalente de notação hexadecimal de dois pontos que
parece ser totalmente semelhante a um endereço IPv4:

::128.10.2.1

Cristiano Alan Torres Pág. 82/85


Arquitetura TCP/IP

9.3. TRÊS TIPOS BÁSICOS DE ENDEREÇO DO IPv6

Como o IPv4, o IPv6 associa um endereço a uma conexão de rede específica, não a um
computador específico. Assim, atribuições de endereço são semelhantes a IPv4: um roteador
IPv6 tem dois ou mais endereços, e um host IPv6 com uma conexão de rede precisa de apenas
um endereço. O IPv6 também retém (e estende) a hierarquia de endereço de IPv4 em que um
prefixo é atribuído a uma rede física. Entretanto, para facilitar a atribuição e a modificação de
endereço, o IPv6 permite que vários prefixos sejam atribuídos a determinada rede e permite
que um computador tenha vários endereços simultâneos atribuídos a determinada interface.

Além de permitir vários endereços simultâneos por conexão de rede, o IPv6 expande e, em
alguns casos, unifica endereços especiais do IPv4. Geralmente, um endereço de destino de um
datagrama situa-se em uma das três categorias:

Unicast O endereço de destino especifica um único computador (host ou roteador); o


datagrama deverá ser roteado para o destino ao longo do caminho mais curto
possível.

Cluster O destino é um conjunto de computadores que juntos dividem um único prefixo de


endereço (ex.: vinculam-se à mesma rede física). O datagrama deverá ser roteado
para o grupo ao longo de um caminho o mais curto possível e, então, entregue a
exatamente um membro do grupo (ex.: o membro mais próximo).

Multicast O destino é um conjunto de computadores, possivelmente em diversos locais. Uma


cópia do datagrama será entregue a cada membro do grupo usando hardware
multicast ou broadcast, conforme o caso.

Um endereço IPv6 tem um comprimento de 128 bits, tornando o espaço de endereço tão longo
que cada pessoa do planeta poderia ter uma interligação em redes tão grande quanto a atual
Internet. O IPv6 divide os endereços em tipos, do mesmo modo que o IPv4 os divide em
classes. Um prefixo de endereço determina o local e a interpretação dos campos restantes do
endereço. Muitos endereços de IPv6 serão atribuídos por provedores de serviços de rede

Cristiano Alan Torres Pág. 83/85


Arquitetura TCP/IP

autorizados. Esses endereços têm campos eu contêm uma ID de provedor, uma ID de


assinante, uma ID de sub-rede e uma ID de nó.

Cristiano Alan Torres Pág. 84/85


Arquitetura TCP/IP

10. BIBLIOGRAFIA

• Sociedade Brasileira para Interconexão de Sistemas Abertos (BRISA), ARQUITETURA DE


REDES DE COMPUTADORES OSI e TCP/IP, Makron Books, 1994.

• Alves, Luiz, COMUNICAÇÃO DE DADOS, Makron Books, 1994.

• Comer, Douglas E., INTERLIGAÇÃO EM REDES COM TCP/IP, Editora Campus, 1998.

• Tanenbaum, Andrew S., COMPUTERS NETWORKS, Third Edition, Prentice Hall PTR,
1996.

• Huitema, Christian, ROUTING IN THE INTERNET, Prentice Hall PTR, 1995.

• O'Sullivan, Bryan, THE INTERNET MULTICAST BACKBONE, February 1996.


http://www.serpentine.com/~bos/tech/mbone

• Kumar, V., MBone: INTERACTIVE MULTIMEDIA ON THE INTERNET, Indianapolis, IN:


New Riders, 1996.

• Deering, S., HOST EXTENSIONS FOR IP MULTICASTING, August 1989.


http://ds.internic.net/rfc/rfc1112.txt

• Schulzinne, H., Casner, S., Frederick, R., Jacobson, V.,RTP: A TRANSPORT PROTOCOL
FOR REAL TIME APPLICATIONS, January 1996. http://ds.internic.net/rfc/rfc1889.txt

Cristiano Alan Torres Pág. 85/85