Você está na página 1de 20
Fontes Renováveis de Energia Prof. Maurício A. da Motta Sobrinho Depto. Eng. Química da UFPE
Fontes Renováveis de Energia
Prof. Maurício A. da Motta Sobrinho
Depto. Eng. Química da UFPE
Antecedentes
Antecedentes
Tipos de Fontes • Eólica • Solar – Fotovoltaica – Térmica • Biomassa – Biogás
Tipos de Fontes
• Eólica
• Solar
– Fotovoltaica
– Térmica
• Biomassa
– Biogás
– Álcool
• Mar
• Vulcões, etc.
Energia Eólica 1. Histórico 2. Recurso – Vento 3. Turbinas Eólica
Energia Eólica
1. Histórico
2. Recurso – Vento
3. Turbinas Eólica
BreveBreve HistóricoHistórico Primeira Aplicação - Velas para Navegar Engenhos hidráulicos => Obtenção de
BreveBreve HistóricoHistórico
Primeira Aplicação - Velas para Navegar
Engenhos hidráulicos => Obtenção de Trabalho
Vento - Comp. Irregular - Velocidade e Direção
• Rodas de Orações - Tibet e Mongólia
• Alexandria - Séc. III - Orgão
• Babilônia - Hamurabi - Irrigação
• Pérsia - Território com bons ventos (Fig.)
• Europa - Mat. da região e mão de obra barata
• Baixa Eficiência - Fonte Natural de Energia
BreveBreve HistóricoHistórico • China - Panémona - Percussores dos Persas Bombear Água Idade Média •
BreveBreve HistóricoHistórico
• China - Panémona - Percussores dos Persas
Bombear Água
Idade Média
• Moinho Horizontal (Lonas) - Giro manual
• Leonardo da Vinci (1452-1519) - 6 Lonas
• Holanda (1430) - 30 m diam. e 10 kW
Mais Comuns - 4 pás ( grade coberta com lona)
Aumento da resistência no bordo de ataque
BreveBreve HistóricoHistórico Desenvolvimentos Modernos • Máquinas a vapor (séc. XIX) - Moinhos de Água e
BreveBreve HistóricoHistórico
Desenvolvimentos Modernos
• Máquinas a vapor (séc. XIX) - Moinhos de Água e
Tração Animal
• EUA 1892 - Primeiras Bombas Eólicas - Rotores
Multipás, Sistema Manivela-Biela, Bomba de Pistão
• 1982 - Prof. Lacour - Programa de Desenv. do
Governo Dinamarquês
Primeiro Protótipo
Elétrico
• Séc. XX - Desenv. da Aerodinâmica - Modernas
Turbinas
BreveBreve HistóricoHistórico • 1890 - Lacour - Rotor 4 Pás - 25 m diam -
BreveBreve HistóricoHistórico
• 1890 - Lacour - Rotor 4 Pás - 25 m diam - 5 a 25 kW -
Altura de 24 m
• Teoria da Aerodinâmica - Sec. XX - Compreensão do
comportamento e da natureza das forças envolvidas
• 1927 - BETZ - Limite do rendimento de 60%
• 1927 - A.J. Dekker (Holandês) - Primeiro rotor com
pás com perfil aerodinâmico - velocidade de ponta de
pá 2 X => 4 a 5 X
A teoria mostrou que: maior vel. rot. - menor influência
no rendimento o número de pá tem
BreveBreve HistóricoHistórico • Grande Avanço - Controle de Passo Variável • Geradores Pequenos - Jacobs
BreveBreve HistóricoHistórico
• Grande Avanço - Controle de Passo Variável
• Geradores Pequenos - Jacobs Wind Electric (EUA)
1 kW - Vendeu milhares (Exterior)
• Mesma época (1927) - Darrieus - Turbina de Eixo
Vertical
• Companhia de Eletricidade da França (EDF) Eng.
Best-Romani, Turbina de 800 kW
1957-1961 NOI-
LE-REGENT - diam 30 m
• 1941 - 1 o gerador acima de 1 MW (EUA)
• 1952 - Mapa eólico da Dinamarca
• 1957 - em Gendser - 200 kW - Altam. Instru.
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento • Pode soprar em todas as direções, não tem uma direção
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
• Pode soprar em todas as direções, não tem uma
direção definida, em um período pode estar soprando
na direção norte e em um outro período na direção
sul. Além disso, a variação da velocidade e direção
do vento acima da superfície do solo não segue um
modelo definido. E se torna mais complexo, pois
envolve influencias locais e planetárias.
• Para o estudo do vento como matéria prima para a
produção de energia, através de turbinas eólicas, se
faz necessário o conhecimento de suas
características.
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento VENTOS PLANETÁRIOS E LOCAIS Os ventos são o movimento do ar devido
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
VENTOS PLANETÁRIOS E LOCAIS
Os ventos são o movimento do ar devido
principalmente ao aquecimento desigual da
superfície terrestre pelo sol, variações de pressão e
movimentos da terra. Os ventos podem ser
classificados como ventos gerais (planetários) e
ventos locais. Os ventos gerais são o mais comuns
que se movem na parte superior da atmosfera e os
ventos locais são os que se movem próximo a
superfície do solo
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE • O sol emite energia em forma de
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE
• O sol emite energia em forma de radiação - 1,39 kW/m 2
- Constante Solar.
• Praticamente toda radiação solar incidente na terra
chega a superfície (presença de poeira, gotas de água,
nuvens, etc.)
• A quantidade de radiação solar absorvido pela
superfície da terra é menos da metade da radiação
solar incidente no planeta.
• Da energia absorvida pela superfície da terra um parte
é liberada de volta para a atmosfera radiação terrestre.
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento A radiação terrestre - f (tipo de superfície) albedo - Relação
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
A radiação terrestre - f (tipo de superfície)
albedo - Relação entre a radiação terrestre e o
fluxo incidente.
Superfície
Albedo (%)
neve fresca
70-95
neve velha
70
dunas de areia seca
37
grama molhada com sol
33-37
grama molhada sem sol
14-26
grama seca
15-25
floresta
10-18
oceano
2-7
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento VARIAÇÃO COM O TEMPO • O vento é inerentemente um recurso
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
VARIAÇÃO COM O TEMPO
• O vento é inerentemente um recurso variável (em
tempo e espaço).
• Como não podemos controlar estas variações, a
turbina eólica deve ser construída dentro de
parâmetros compatíveis a estas variações.
• As variações da velocidade do vento no tempo
podem ser divididas em quatro tipos: variações
intra-anual, anual, diárias e de pequenos períodos
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento Variações intra-anual Para se ter todos os ciclos anuais e obter uma
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
Variações intra-anual
Para se ter todos os ciclos anuais e obter uma média
anual confiável da velocidade do vento em uma
determinada localidade é melhor tomar dados de 10 ou
mais anos. No entanto, variações de longos períodos
da velocidade do vento implica dados de no mínimo 10
anos. Isto nos indica que a variação da média anual de
dois longos períodos de contínuos registros pode ser
diferente para os dois períodos.
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento Variação anual • A variação anual é uma das mais
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
Variação anual
A
variação
anual
é
uma das mais importantes
variações
quando
queremos
comparar
as
conveniências
de
um
terreno
em
um
região
ou
quando
queremos
selecionar
a
melhor
região.
(inverno)
• Para se estimar a energia (kWh/m 2 ) ou potência
(W/m 2 ) por unidade de área que indica a energia
potencial ou o potencial de potência de vento, se usa
as médias anuais de vento.
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento Variação Diária • É ocasionada pela diferença de aquecimento
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
Variação Diária
• É ocasionada pela diferença de aquecimento sobre a
terra. Uma variação típica é se ter velocidade altas
durante o dia com os ventos começando a diminuir
durante o por do sol.
• Esta variação afeta da capacidade da turbina de
fornecer energia para a rede pública. PEAK LOAD
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento Variação de curto período • Para utilização em energai eólica
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
Variação de curto período
• Para utilização em energai eólica são utilizados dois
intervalos: 3 e 10 minutos.
• 10 min. - Utilizado para estimar a perform. da turbina
eólica em termos de energia produzida.
• 3 min. - É para medir a rajada e os dados de
turbulência
• A turbulência é importante para se estimar a fadiga
causada a turbina
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento Variação de curto período • A rajada de vento é um evento
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
Variação de curto período
• A rajada de vento é um evento discreto dentro da
turbulência. As características de uma rajada são:
a amplitude, a duração, a variação do máximo da
rajada e queda de período
• Turbulência e rajadas são eventos discretos que
podem ser determoinados pelos usos de métodos
estatísticos como a função espectro de potência.
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento Fluxo de Vento sobre Rotor Eólico
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
Fluxo de Vento sobre Rotor Eólico
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento VARIAÇÃO COM A DIREÇÃO • Dois tipos de variação de direção de
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
VARIAÇÃO COM A DIREÇÃO
• Dois tipos de variação de direção de vento.
• O primeiro é sazonal devido a circulação geral do
vento e não tem efeitos prejudiciais sobre o
desempenho e operação de uma turbina eólica de
eixo horizontal.
• O segundo é devido a variações diárias e de curto
período da velocidade do vento e que influencia
diretamente na produção de energia, em uma turbina
eólica de grande porte.
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento Freqüentes mudanças na direção induz fadiga do rotor e na torre de
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
Freqüentes mudanças na direção induz fadiga do
rotor e na torre de uma turbina eólica de eixo
horizontal
Dispositivo pode ser passivo ou ativo,
• "FREE-YAW" (livre mudança de direção)
• "POWERED-YAW" (mudança de direção orientada
por um motor).
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento Rosa dos Ventos
CaracterísticasCaracterísticas dodo VentoVento
Rosa dos Ventos
Parâmetros Parâmetros Eólicos Eólicos ParâmetrosParâmetros BBáásicossicos VelocidadeVelocidade dodo ventovento
Parâmetros Parâmetros Eólicos Eólicos
ParâmetrosParâmetros BBáásicossicos
VelocidadeVelocidade dodo ventovento
DireDireççãoão dodo ventovento
TurbulênciaTurbulência
TemperaturaTemperatura dodo arar
Grupo de Energia Eólica - UFP
Parâmetros Parâmetros Eólicos Eólicos ParâmetrosParâmetros BBáásicossicos ParâmetrosParâmetros
Parâmetros Parâmetros Eólicos Eólicos
ParâmetrosParâmetros BBáásicossicos
ParâmetrosParâmetros OpcionaisOpcionais
VelocidadeVelocidade dodo ventovento
DireDireççãoão dodo ventovento
TurbulênciaTurbulência
TemperaturaTemperatura dodo arar
VelocidadeVelocidade VerticalVertical dodo ventovento
RadiaRadiaççãoão solarsolar
PressãoPressão atmosfatmosfééricarica
VariaVariaççãoão dede temperaturatemperatura
comcom aa alturaaltura
Grupo de Energia Eólica - UFP
Velocidade Velocidade do do Vento Vento AA velocidadevelocidade mméédiadia dodo ventovento éé oo principalprincipal
Velocidade Velocidade do do Vento Vento
AA velocidadevelocidade mméédiadia dodo ventovento éé oo principalprincipal parâmetroparâmetro
utilizadoutilizado parapara indicarindicar oo potencialpotencial eeóólicolico dede umauma região.região.
OsOs dadosdados dede velocidadevelocidade dodo ventovento sãosão coletadoscoletados aa divdiversasersas alturasalturas ee
utilizadosutilizados tambtambéémm parapara aa caracterizacaracterizaççãoão dodo gradientegradiente verticalvertical dede
velocidadevelocidade dede ventovento ee ccáálculolculo dede desempenhodesempenho dede turbinasturbinas eeóólicas.licas.
AlturaAltura parapara coletacoleta dede dados:dados:
1010 mm -- PadrãoPadrão meteorolmeteorolóógicogico (10(10 mm acimaacima dada vegetavegetaçção).ão).
20m,20m, 30m,30m, 40m40m ee 50m50m -- PadrãoPadrão dede energiaenergia eeóólicalica (altura(altura dodo eixoeixo dodo rotor)rotor)
Grupo de Energia Eólica - UFP
Direção Direção do do Vento Vento OO conhecimentoconhecimento dada diredireççãoão predominantepredominante dodo
Direção Direção do do Vento Vento
OO conhecimentoconhecimento dada diredireççãoão predominantepredominante dodo ventovento éé
importanteimportante parapara identificaridentificar osos terrenosterrenos comcom orientaorientaççãoão
favorfavoráávelvel ee determinardeterminar aa posiposiççãoão ““layoutlayout”” dede turbinasturbinas
eeóólicaslicas isoladasisoladas ouou emem centraiscentrais eeóólicas.licas.
AlturaAltura parapara coletacoleta dede dados:dados:
1010 mm -- PadrãoPadrão meteorolmeteorolóógicogico (10(10 mm acimaacima dada vegetavegetaçção).ão).
20m,20m, 30m,30m, 40m40m ee 50m50m -- PadrãoPadrão dede energiaenergia eeóólicalica (altura(altura dodo eixoeixo dodo rotor)rotor)
Grupo de Energia Eólica - UFP
Temperatura Temperatura do do Ar Ar AA temperaturatemperatura dodo arar éé umum parâmetroparâmetro
Temperatura Temperatura do do Ar Ar
AA temperaturatemperatura dodo arar éé umum parâmetroparâmetro importanteimportante parapara oo
desempenhodesempenho dasdas turbinasturbinas eeóólicaslicas (quantidade(quantidade dede energiaenergia gerada)gerada)
ee parapara oo conhecimentoconhecimento dasdas condicondiççõesões dede operaoperaççãoão dodo
equipamento.equipamento.
AlturaAltura parapara coletacoleta dede dados:dados:
22 aa 3m3m acimaacima dodo nníívelvel dodo solo.solo.
NaNa alturaaltura dodo eixoeixo dodo rotor.rotor.
Grupo de Energia Eólica - UFP
Radiação Radiação Solar Solar OsOs dadosdados dede radiaradiaççãoão solarsolar quandoquando utilizadosutilizados
Radiação Radiação Solar Solar
OsOs dadosdados dede radiaradiaççãoão solarsolar quandoquando utilizadosutilizados conjuntamenteconjuntamente
comcom aa velocidadevelocidade dodo ventovento ee aa horahora dodo diadia podempodem reprepresentarresentar
umum indicadorindicador dede estabilidadeestabilidade atmosfatmosféérica.rica.
DadosDados dede radiaradiaççãoão solarsolar podempodem tambtambéémm serser utilizadosutilizados comocomo dadosdados dede
entradaentrada emem modelosmodelos numnumééricosricos parapara simulasimulaççãoão dede fluxofluxo dede vento.vento.
AlturaAltura parapara coletacoleta dede dados:dados:
33 aa 4m4m acimaacima dodo nníívelvel dodo solo.solo.
Grupo de Energia Eólica - UFP
Velocidade Velocidade Vertical Vertical do do Vento Vento EsteEste parâmetroparâmetro fornecefornece
Velocidade Velocidade Vertical Vertical do do Vento Vento
EsteEste parâmetroparâmetro fornecefornece informainformaççõesões sobresobre aa
turbulênciaturbulência contidacontida nono fluxofluxo dede vento.vento. ÉÉ umum bombom
indicadorindicador dede cargascargas aeroelaeroeláásticassticas atuantesatuantes nono rotorrotor
dede turbinasturbinas eeóólicaslicas dede grandegrande porte.porte.
AA medidamedida dede velocidadevelocidade verticalvertical dodo ventovento éé feitafeita atravatravééss dede umum
anemômetroanemômetro dede hhéélices.lices.
AlturaAltura parapara coletacoleta dede dados:dados:
PrPróóximoximo aoao anemômetroanemômetro dede referênciareferência maismais alto.alto.
Grupo de Energia Eólica - UFP
Variação Variação da da Temperatura Temperatura com com a a Altura Altura EstaEsta medidamedida podepode
Variação Variação da da Temperatura Temperatura com com a a Altura Altura
EstaEsta medidamedida podepode serser utilizadautilizada comocomo indicadorindicador dede
turbulênciaturbulência ee estabilidadeestabilidade atmosfatmosfééricarica
UmUm parpar dede sensoressensores dede temperaturatemperatura devedeve serser instaladinstaladoo nana torretorre ananemomemoméétrica.trica.
AlturaAltura parapara coletacoleta dede dados:dados:
PrPróóximoximo aoao anemômetroanemômetro maismais altoalto ee prpróóximoximo aoao anemômetroanemômetro maismais baixobaixo
Grupo de Energia Eólica - UFP
Pressão Pressão Atmosférica Atmosférica AA pressãopressão atmosfatmosfééricarica podepode serser
Pressão Pressão Atmosférica Atmosférica
AA pressãopressão atmosfatmosfééricarica podepode serser utilizadautilizada juntojunto comcom aa
temperaturatemperatura dodo arar parapara sese calcularcalcular aa massamassa especespecííficafica dodo ar.ar.
AA pressãopressão atmosfatmosfééricarica éé melhormelhor medidamedida emem ambientesambientes protegidosprotegidos dodo ventovento
(evita(evita--sese asas pressõespressões dinâmicasdinâmicas causadascausadas pelopelo fluxofluxo dede venvento).to). PorPor estaesta razãorazão
nãonão éé recomendadorecomendado aa instalainstalaççãoão dede barômetrosbarômetros emem torrestorres anemomanemoméétricas.tricas.
AA massamassa especespecííficafica dodo arar podepode serser calculadacalculada atravatravééss dada temperaturatemperatura dodo arar ee dada
altitudealtitude dodo local.local.
Grupo de Energia Eólica - UFP
Geração da Energia A equação abaixo dá a potência gerada pelos cata- ventos e turbinas
Geração da Energia
A equação abaixo dá a potência gerada pelos cata-
ventos e turbinas de vento. É importante ressaltar
que esta regra é teórica e na prática, não conseguimos
converter toda essa potência em potência útil.
A taxa de conversão é de aproximadamente de 59% ,
quando o sistema funciona de maneira otimizada.
Potência é igual ao trabalho (Energia) dividido pelo
tempo:
Geração da Energia mas o trabalho realizado pelo vento - que neste caso é igual
Geração da Energia
mas o trabalho realizado pelo vento - que neste
caso é igual a sua energia cinética - é:
então:
, mas como
temos:
Geração da Energia Um aumento de 10% na velocidade do vento, eleva a potência em
Geração da Energia
Um aumento de 10% na velocidade do vento, eleva a
potência em 33%, o que mostra como é importante a
escolha de um lugar com vento mais velozes para o
melhor aproveitamento da energia eólica.
Com um hélice de 3 m de diâmetro e um vento de 32
km/hora teríamos uma potência de 1000 W; se
dobrarmos o diâmetro da hélice e mantivermos o
vento em 32 km/hora a potência irá para 4000 W. Isto
ocorre pois a área varia com o quadrado do raio, ou
seja, dobrando-se a área do rotor aumentamos
potência em quatro vezes.
Equipamentos • Moinhos; • Cataventos; – Eixo Horizontal – Eixo Vertical • Turbinas Eólicas; –
Equipamentos
• Moinhos;
• Cataventos;
– Eixo Horizontal
– Eixo Vertical
• Turbinas Eólicas;
– Pequeno Porte
– Grande Porte
Eixo Horizontal Eixo Vertical Savonius
Eixo Horizontal
Eixo Vertical
Savonius
75 kW - Noronha Darrenius
75 kW - Noronha
Darrenius
Energia Solar Fotovoltaica – Conversão da Energia Solar diretamente em eletricidade através das fotocélulas.
Energia Solar Fotovoltaica – Conversão da Energia Solar diretamente em eletricidade através das fotocélulas.
Energia Solar
Fotovoltaica – Conversão da Energia Solar
diretamente em eletricidade através das fotocélulas.
Térmica – Conversão na Energia Solar em Energia
Térmica – Aquecimento ou geração de eletricidade por
turbinas a vapor.