Você está na página 1de 4

NBR ISO 37120:2017 – NORMA TÉCNICA PARA

CIDADES SUSTENTÁVEIS
22 de novembro - 2017

NBR ISO 37120:2017, foi a primeira norma técnica para cidades sustentáveis do Brasil aprovada e
publicada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). A norma define e estabelece
metodologias para um conjunto de indicadores relacionados ao desenvolvimento sustentável de
comunidades urbanas, com o objetivo de orientar e medir o desempenho de serviços urbanos e
qualidade de vida.

O trabalho de estudo e tradução da norma internacional já existente para esse tema foi feito pela
Comissão de Estudos Especial 268 da ABNT, uma comissão espelho da Technical Committee TC
268 da ISO, a Sustainable cities and communities, que atuou na confecção da norma internacional. A
CEE 268 foi coordenada pelo professor do Departamento de Engenharia de Construção Civil (PCC)
da Escola Politécnica (Poli) da USP, Alex Abiko.

Segundo o professor, trata-se de uma tradução e adaptação para a língua portuguesa da norma ISO
37120:2014 – Sustainable development of communities – Indicators for city services and quality of
life. “Esses indicadores podem ser utilizados para rastrear e monitorar o progresso do desempenho
da cidade no que se refere à sustentabilidade.”

O Departamento de Engenharia de Construção Civil da Poli possui uma linha de estudo de


planejamento e engenharia urbanos, de onde surgiu a iniciativa de ter uma norma nacional sobre o
assunto.

A primeira norma técnica para cidades sustentáveis contém 100 indicadores de sustentabilidade
urbana e trata dos aspectos ambiental, econômico, social e tecnológico, entre outros. “Esse
documento vai ajudar os municípios, governos de Estado, o Ministério das Cidades a medir a
sustentabilidade das cidades, mas essas normas não estabelecem padrões”, explica Abiko.

Ou seja, a norma não fala se uma cidade é sustentável ou não, mas estabelece quais requisitos devem
ser avaliados para se medir essa sustentabilidade. Engloba indicadores de diferentes áreas, tais como:
economia, educação, energia, ambiente, finanças, serviços de emergência, saúde, lazer, segurança,
resíduos, transportes, telecomunicações, água, planejamento urbano etc.

Além do setor público, a NBR ISO 37120:2017 também pode ser usada pelas empresas para que
atestem, para clientes e governo, o quão sustentável são seus empreendimentos.

A norma nasceu de uma necessidade acadêmica. “Queríamos saber como medir a sustentabilidade
das cidades e fomos investigar como isso é feito no mundo. Descobrimos mais de 150 sistemas de
medição, desenvolvidos e adotados em diversos países, como Estados Unidos, Austrália, França,
Inglaterra, África do Sul, e inclusive alguns sistemas no Brasil. Nossa próxima pergunta foi, então,
qual seria o melhor sistema para adotarmos aqui, considerando que muitos deles acabam
trabalhando questões muito particulares de cada país”, conta o professor.

Nessa pesquisa pelo melhor sistema, chegou-se à norma da ISO, a Organização Internacional de
Normalização, entidade que congrega as associações de padronização/normalização de 162 países do
mundo, incluindo o Brasil.

Selecionada a norma ISO, a Comissão 268 passou a trabalhar na tradução do documento. Não
bastava apenas traduzir para a língua portuguesa, mas fazer uma avaliação técnico-científica do
documento porque, ao mesmo tempo em que não se pode alterar uma norma ISO para adotá-la e ela
ser uma norma NBR ISO, é preciso fazer adaptações em itens para que a norma faça sentido ou seja
adaptada à realidade brasileira, o que foi feito por meio de notas.
Um exemplo de nota brasileira está na definição do termo favela, que também pode ter como
sinônimos, no Brasil, os termos assentamentos precários ou assentamentos subnormais, como
utilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Diversas instituições e órgãos públicos estiveram envolvidos com esse trabalho: Caixa, Ministério
das Cidades, Sabesp, Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), Câmara Brasileira da Indústria
da Construção (CBIC), Sindicato da Habitação (Secovi), Conselho Brasileiro da Construção
Sustentável (CBCS), Poli, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, Companhia de
Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU), Instituto de Engenharia,
entre outras, que compuseram a CEE 268.

As próximas normas a serem desenvolvidas no contexto da CEE 268 são as de Sistemas de Gestão
para o Desenvolvimento Sustentável, cujos trabalhos já estão avançados, as de Cidades Inteligentes e
as de Cidades Resilientes, em nível mais preliminar.

Fonte: SustentArqui e ArchDaily, 7 e 16 de abril

https://comurb.com.br/nbr-iso-371202017-norma-tecnica-para-cidades-sustentaveis/

NBR ISO 37120:2017 - A primeira norma


técnica brasileira para cidades
sustentáveis
13 Sep 2017
|

Afonso Martins

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) aprovou e publicou neste ano


de 2017 a ABNT NBR ISO 37120:2017 "Desenvolvimento sustentável de
comunidades - Indicadores para serviços urbanos e qualidade de vida” A norma
trata-se de uma internalização da ISO 37120:2014 (Sustainable development of
communities - Indicators for city services and quality of life). A adaptação da norma
para o Brasil envolveu diversas instituições brasileiras, como: Secovi-SP, a Caixa
Econômica Federal, Ministério das Cidades, Sabesp, CAU, CBIC, CTE, CBCS,
Politécnica USP, FAUUSP, CDHU, Instituto de Engenharia e outras.

O que define a ISO 37120?


A ISO 37120:2017 define as metodologias de um conjunto de indicadores para
orientar e medir o desempenho dos seus serviços e qualidade de vida. Direciona-
se a qualquer cidade, município ou entidade de governação local que se
compromete a medir o seu desempenho de forma comparável e verificável,
independentemente do seu tamanho, localização ou nível de desenvolvimento.
Engloba indicadores de diferentes áreas, tais como: economia, educação, energia,
ambiente, finanças, serviços de emergência, saúde, lazer,segurança, resíduos,
transportes, telecomunicações, água, planejamento urbano, etc. e os resultados
dos indicadores da ISO 37120 podem ser usados como ferramentas para a
tomada de decisões informadas que permitam orientar as políticas de planeamento
e gestão.Ser sustentável é perceber as soluções para os problemas globais,
incorporando as dimensões sociais, políticas e culturais, como a pobreza e a
exclusão social, por exemplo. As cidades surgem como resultado da conjunção
desses e muitos outros fatores, que na maioria das vezes são reduzidos aos de
interesses políticos, apenas. A NBR 37120:2017 nasce com a missão de envolver
esses fatores e desenvolver um padrão de indicadores e metas, tornando possível
a comparação dos resultados e a definição de estratégias embasadas em dados
concretos dos diversos setores, possibilitando a aprendizagem e compartilhamento
das melhores práticas.

Indicadores
A NBR ISO 37120 é concedida para auxiliar, através de seus indicadores, cidades
e direcionar e avaliar a gestão de serviços urbanos e toda prestação de serviços,
assim como a qualidade de vida.
Os indicadores da ISO 37120 não são ordenados de forma hierárquica, são
classificados em temas de acordo com os diferentes setores e serviços prestados
em uma cidade. A interpretação dos indicadores deve ser feita revendo os
resultados de vários outros indicadores transversais, a fim de que não haja
conclusões distorcidas ou incompletas. Além disso, deve-se considerar o contexto
no momento da análise dos resultados.
Os indicadores são divididos em:

Requisito 05 – Econômicos;
Requisito 06 – Educação;
Requisito 07 – Energia;
Requisito 08 – Meio Ambiente;
Requisito 09 – Finanças;
Requisito 10 – Resposta a incêndios e emergência;
Requisito 11 – Governança;
Requisito 12 – Saúde;
Requisito 13 – Recreação;
Requisito 14 – Segurança;
Requisito 15 – Habitação;
Requisito 16 – Resíduos sólidos;
Requisito 17 – Telecomunicações e inovações;
Requisito 18 – Transporte;
Requisito 19 – Planejamento Urbano;
Requisito 20 – Esgotos;
Requisito 21 – Água e Saneamento.

Todos os indicadores essenciais, relacionados nas seções 5 a 21, devem ser


compilados em bases anuais e, afim de promover as melhores práticas, convém
que as cidades também apresentem os indicadores de apoio fornecidos nas
mesmas seções.
A descrição de cada um dos indicadores segue a seguinte estrutura dentro das
seções:
• Área
o Indicador essencial
 Generalidades
 Requisitos do indicador essencial
o Indicador de apoio
 Generalidades
 Requisitos do indicador de apoio
 Fontes de dados (Para alguns indicadores)
 Interpretação de dados (Para alguns indicadores)

Além dos indicadores essenciais e de apoio, há também os indicadores de perfil


que fornecem estatísticas básicas e informações do contexto para auxiliar na
identificação de quais cidades são interessantes para comparações em pares. Os
indicadores de perfil são indicadores de referência.
Os indicadores de perfis são divididos em indicadores de:
• População;
• Habitação;
• Economia;
• Governo;
• Geografia e clima.
A certificação de cidades sustentáveis tende-se a ser um diferencial para as
cidades e as que saírem na frente colherão os frutos positivos do seu pioneirismo.
Como qualquer outra certificação, acredito que a certificação de cidades passará a
ser praticamente obrigatória para atração de novos investimentos, tanto público
como privados.

https://www.paposustentavel.com.br/single-post/2017/09/13/NBR-ISO-371202017

Você também pode gostar