Você está na página 1de 10

Tabela Periódica

Histórico

Identificação dos elementos

Primeiras classificações

Divisão entre metais e não-metais

Elementos ordenados em ordem crescente de massa atômica ( John Dalton )

Elementos agrupados em tríades 1829 ( Johann Boebereiner )

Mendeleev ( 1869 ) e Mosseley ( 1913 )

Tabela periódica moderna

Critérios para a classificação periódica dos elementos

Os elementos ficam organizados em ordem crescente de número atômico Repetição periódica em suas propriedades

Os elementos ficam dispostos em ordem de distribuição dos elétrons nas camadas.

Períodos (camadas)

Camadas

K

L

M

N

O

P

Q

n

1

2

3

4

5

6

7

Grupos (famílias):

Grupos dos elementos representativos

Grupos dos elementos de transição

Os grupos e a distribuição eletrônica

1. Grupos dos elementos representativos

Distribuição eletrônica termina num subnível s ou p.

2. Grupos dos elementos transição

2.1 Elementos de transição simples

Distribuição eletrônica termina num subnível d.

2.2 Elementos de transição interna

Distribuição eletrônica termina num subnível f.

Configuração eletrônica e a tabela periódica

Configuração eletrônica e a tabela periódica A organização em períodos 1° período – 1s 1 a

A organização em períodos

1° período – 1s 1 a 1s 2

2 ° período – 2s 1 a 2p 6

3 ° período – 3s 1 a 3p 6

4 ° período – 4s 1 a 4p 6

5 °, 6 ° e 7 ° períodos completam a classificação dos elementos químicos.

*6 ° período (série dos lantanídeos) e 7 ° (série dos actinídeos) estão situados fora da parte principal da tabela.

Os grandes conjuntos de elementos

1. Os metais:

Condutores

Sólidos (exceto o mercúrio)

Dúcteis e maleáveis

Altos PF e PE.

Perdem elétrons com facilidade

Possuem brilho característico

(exceto o mercúrio) Dúcteis e maleáveis Altos PF e PE. Perdem elétrons com facilidade Possuem brilho
(exceto o mercúrio) Dúcteis e maleáveis Altos PF e PE. Perdem elétrons com facilidade Possuem brilho

2. Os não-metais:

Não possuem brilho característico

Maus condutores

É difícil formar fios e lâminas com eles

Tendem a receber elétrons originando íons negativos.

3. Os semi-metais:

Possuem propriedades intermediárias entre os metais e os não-metais

*O hidrogênio apresenta características peculiares, que tornam difícil classificá-lo como metal, não-metal ou semi-metal.

Propriedades periódicas dos elementos

1. Variação do raio atômico

Valores obtidos por meio de medidas de ligações químicas

Para cada período o raio atômico decresce à medida que se aumenta o número atômico

Variação do raio atômico

Variação do raio atômico Explicação: • Para o segundo e terceiros períodos os elétrons são adicionados

Explicação:

• Para o segundo e terceiros períodos os elétrons são adicionados na camada de valência.

Existe também o acréscimo de prótons ao núcleo Aumento da carga nuclear

• Para os períodos 4, 5 e 6 decréscimo menos acentuado dos raios atômicos.

Preenchimento da segunda camada externa ( n-1 )d entre a camada mais interna e a camada de valência

Geração de um efeito protetor para os elétrons da camada de valência. Promove a redução da força de atração do núcleo sobre os elétrons de valência.

Tamanho dos íons

Tamanho dos íons Íons positivos: • São menores que o respectivo átomo neutro do elemento Íons
Tamanho dos íons Íons positivos: • São menores que o respectivo átomo neutro do elemento Íons
Tamanho dos íons Íons positivos: • São menores que o respectivo átomo neutro do elemento Íons

Íons positivos:

• São menores que o respectivo átomo neutro do elemento

Íons negativos:

• São maiores que o respectivo átomo neutro do elemento Raio atômico e raio covalente

do elemento Íons negativos: • São maiores que o respectivo átomo neutro do elemento Raio atômico

Variação do potencial (ou energia) de ionização

É a energia mínima necessária para remover um elétron da camada mais externa de um átomo gasoso.

um elétron da camada mais externa de um átomo gasoso. • A primeira energia de ionização
um elétron da camada mais externa de um átomo gasoso. • A primeira energia de ionização

• A primeira energia de ionização tende a aumentar através do período

Fatores que influenciam

• Tamanho do átomo

• Carga do núcleo

• Efeito de proteção das camadas internas de elétrons

Variação da afinidade eletrônica (ou eletroafinidade)

É a quantidade de energia envolvida em um processo de adição de um elétron a um átomo no estado fundamental gasoso.

Átomo (g) + e - átomo (g)

F (g)

+

e - F - (g)

+ 328 Kj

Átomo

Raio Covalente (pm)

Afinidade eletrônica ( Kj mol -1 )

Cl

99

-348

Br

114

-324

I

133

-296

• Dependem do tamanho do átomo e da carga nuclear efetiva.

•Embora o comportamento não seja uniforme, a afinidade eletrônica torna-se mais negativa do grupo IA ao grupo VIIA Aumento da carga nuclear.

Variação da Eletronegatividade

• Tendência do átomo de atrair elétrons, quando combinado em um composto químico.

Regra geral:

• Geralmente átomos pequenos atraem mais os elétrons que os átomos grandes, sendo portanto mais eletronegativos.

eletrônicos quase completos terão

eletronegatividade maior do que átomos com níveis eletrônicos pouco

• Átomos com níveis

preenchidos

ATENÇÃO

A afinidade eletrônica e a energia de ionização podem ser consideradas como medidas de eletronegatividade.

A eletronegatividade pode ser calculada através de medidas da ligação química ( proposto por Pauling ) e do ciclo de Born - Haber.

Através dos cálculos efetuados pode-se generalizar que a eletronegatividade aumenta da esquerda para direita no período e de baixo para cima nas colunas.