Você está na página 1de 20

Escola Técnica Nossa Senhora da Consolação-ENSC

Componente curricular: Manipulação de Amostras


Biológicas
Professor: Helimarcos Nunes Pereira
Farmacêutico/Bioquímico
Mestrando em Ciências Farmacêuticas.

Fluxograma dos diferentes exames


laboratoriais (Setor de Hematologia)
Setor de Hematologia

Hematologia: Ramo que tem como função o estudo do sangue,


seus distúrbios e doenças.

Divisão das Atividades

hematologia geral Imunohematologia

Aspectos da coagulação
Principais Exames realizados

 Hemograma;
 Coagulograma;
 Classificação Sanguínea e Rh;
 VSH;
 Coombs direto;
 Coombs indireto;
 D fraco;
 Teste de falcização;
 Gasometria;
 Reticulócitos;
 Pesquisa de Células LE;
Hemograma

• Exame que avalia as Células sanguíneas de um paciente e é


solicitado por um profissional médico ou odontólogo.
Hemograma
Amostra

 Tipo: Sangue total colhido com EDTA;


 Volume mínimo: 3,0 mL;
 Coleta adequada;
 Preservação e Transporte: O exame deverá ser realizado
imediatamente após a coleta . Se necessário, refrigerar entre
2e8ºC
Coleta de sangue Venoso (PROCEDIMENTO)

1- Verificar se a cabine de coleta está limpa e guarnecida para


iniciar a coleta.
2- Solicitar ao paciente que diga seu nome completo para
confirmação do pedido médico e etiquetas.
3- Conferir e ordenar todo o material a ser usado no paciente de
acordo com o pedido médico e etiquetas. Esta identificação deve
ser feita na frente do paciente.
4- Informá-lo sobre o procedimento.
5- Abrir o lacre da agulha de coleta múltipla em frente ao
paciente.
6- Higienizar as mãos.
Coleta de sangue Venoso
7- Calçar as luvas.
8- Posicionar o braço do paciente e fazer a anti-sepsia.
9- Garrotear o braço do paciente.
10- Retirar a proteção que recobre a agulha múltipla de
sangue á vácuo.
11- Fazer a punção numa angulação de 30º, com o bisel
voltado para cima.
12- Inserir o primeiro tubo á vácuo.
13- Quando o sangue começar a fluir para dentro do
tubo, desgarrotear o braço do paciente e pedir para que
ele abra a mão.
Coleta de sangue Venoso
14- Homogeneizar imediatamente após a retirada de cada tubo,
invertendo-o suavemente de 5 a 10 vezes.
15- Após a retirada do último tubo, remover a agulha e fazer a
compressão no local da punção com algodão.
16- Exercer a pressão no local, evitando a formação de
hematomas e sangramentos.
17- Descarte a agulha imediatamente após sua remoção do
braço do paciente, em recipiente para materiais
perfurocortantes.
18- Fazer o curativo oclusivo no local da punção.
19- Orientar o paciente para não dobrar o braço, não carregar
peso ou bolsa a tiracolo e não manter a manga dobrada, que
pode funcionar como torniquete.
20- Certificar-se das condições gerais do paciente e liberá-lo.
Coleta de sangue Venoso
Observações importantes:
• Quando a coleta de material for insuficiente deve-se repetir o
procedimento;
• Hematomas pós-punção: realizar compressa fria no local.
• A agulha deve ser determinada de acordo com o acesso
venoso do paciente;
• Evitar coletar amostra de sangue no membro que apresenta
acesso venoso periférico instalado com hidratação venosa,
devido possíveis interferências no resultado
Erros na manipulação da amostra

 Descarga violenta na seringa;


 Calor excessivo;
 Agitação violenta com anti-coagulante;
 Agitador magnético com alta velocidade;
 Erro de identificação das amostras;
 Contaminação com a agulha da Coleta;
 Congelamento da amostra;
 Centrifugação da amostra.
Anticoagulante desejável (EDTA)

• Deve ser respeitada a proporção correta de


sangue/anticoagulante.

• TUBO DE TAMPA ROXA ou cores semelhantes.


Confecção do Esfregaço

1. Preparar duas lâminas limpas e desengorduradas, sendo uma


com os cantos recortados. (Também pode ser utilizada uma
lamínula).
2. Colocar uma gota de sangue na lâmina.
3. Tomar a lâmina de canto recortado e colocá-la à frente da gota
num ângulo de 45º, fazer um ligeiro movimento para trás até o
sangue se espalhar na lâmina.
4. Com um movimento uniforme, para frente, fazer esta lâmina
deslizar sobre a outra. Ela arrastará atrás de si o sangue que se
espalhará em fina camada;
5. Agitar a lâmina ao ar até o esfregaço secar-se completamente
e identificar com lápis
Realização do Esfregaço

REGRA DO SURF

ÚNICO
SUAVE RÁPIDO
FIRME
Confecção do Esfregaço (observações)
1. Utilizar preferencialmente sangue sem
anticoagulante, imediatamente após a coleta.
2. Utilizar lâmina limpa e desengordurada.
3. Esfregadeira sem ranhura com borda
uniforme.
4. Posição: Ângulo de 45º;
5. Comprimento do esfregaço não pode atingir
a extremidade da lâmina.
Coloração (PANÓTIPO RÁPIDO)

• Tipos de reagentes:
 - Panótico rápido n 1: compõe-se por uma solução de
triarilmetano a 0,1%.
 - Panótico rápido n 2: compõe-se por uma solução de
xantenos a 0,1%
 - Panótico rápido n 3: compõe-se por uma solução de tiazinas
a 0,1%
Coloração (PANÓTIPO RÁPIDO)

• PROCEDIMENTO TÉCNICO:
a-Preparar as extensões sangüíneas e deixar secar em temperatura
ambiente;

b- Preencher 3 recipientes (cubeta de Wertheim, cuba de Coplin ou similar)


com o as soluções n 1, 2 e 3 respectivamente;

c- Submergir as lâminas na solução n 1 mantendo-se um movimento contínuo


de cima para baixo ou para os lados durante 5 segundos (5 imersões de 1
segundo cada) e deixar escorrer bem;

d- Submergir as lâminas na solução n 2 mantendo-se um movimento contínuo


de cima para baixo ou para os lados durante 5 segundos (5 imersões de 1
segundo cada) e deixar escorrer;
EXECUÇÃO DO HEMOGRAMA

• Processo Automatizado:
 Homogeinizar a amostra
 Leitura no Aparelho
 Atenção na calibração e manuseio correto do aparelho.

 Processo Manual:
 Diluição prévia do sangue;
 Preenchimento da Camâra de Newbauer.
 Contagem específicas.
Obrigado!!!