Hemoglobina

• Função: captar e transportar o oxigênio dos

HEMOGLOBINOPATIAS

pulmões paras todas as células • Hemoglobina normal do adulto: Hb A

Prof.a MSc. Eliana Alvarenga

Hemoglobina fetal (Hb F)
• Produzida durante a vida intra-uterina • Constitui cerca de 80% da Hb do recém – nascido • No 5o dia de vida (coleta do teste do pezinho) é a Hb predominante • A Hb F é a primeira Hb escrita nos resultados do teste do pezinho

• A partir do nascimento, até por volta do 6o mês de vida, a Hb F vai sendo gradativamente substituída pelas Hb produzidas pela criança, a partir da sua estar própria presente, herança no genética, em

podendo

adulto,

quantidades muito pequenas ou indetectáveis.

HEMOGLOBINOPATIAS
• Conhecidas como distúrbios hereditários da hemoglobina humana • São doenças geneticamente determinadas e apresentam morbidade significativa em todo o mundo.

• Ocorrem principalmente devido a alterações estruturais e quantitativas dos aminoácidos que compõem as diferentes cadeias de globinas, • Bem como as moléculas e enzimas que participam da formação do grupo heme, resultando em hemoglobinas variantes e talassemias

1

6 da cadeia polipeptídica da globina beta por meio de um processo conhecido por mutação. conforme a seqüência representada a seguir: 2 . • Essa anormalidade se deve a uma troca da base nitrogenada adenina (A) pela timina (T). • Bem como naqueles quantitativa destinados da à seqüenciamento • Quando um determinado gene apresenta uma de suas bases nitrogenadas substituída por outra diferente.• As alterações que ocorrem nas globinas se devem às modificações pelo nos genes e responsáveis globina. • Resulta na formação de moléculas de hemoglobinas com características bioquímicas alteradas em relação às hemoglobinas normais • E são por isso denominadas hemoglobinas variantes estrutura de cada tipo de polipeptídeo de regulação síntese equilibrada entre as globinas alfa e beta • Por exemplo: • A hemoglobina S se deve à introdução do aminoácido valina (Val) no lugar do ácido glutâmico (Glu) na posição no.

e dos desequilíbrios na talassemia alfa (diminuição da síntese de globina a) e na talassemia beta (diminuição da síntese de globina b). • Quando a mutação bloqueadora de síntese de globina atinge. por exemplo. ou até mesmo ausência de síntese. delta ou gama. normais bem com como as alterações 3 . • Causada pela mutação de 1 ou + bases nitrogenadas que resultam na substituição de 1 ou + aminoácidos nas globinas alfa. A2 ou Fetal). denominam se hemoglobinas variantes aquelas que apresentam estrutura química diferente à da sua hemoglobina normal correspondente (A. • As hemoglobinas anormais são aquelas consideradas hemoglobinas quantitativas. • Por exemplo: – Hb A2 – Hb Fetal – Hb A2 variantes. essas mutações provocam (talassemia alfa). • E as conseqüências fisiopatológicas são proporcionais ao tamanho do Esquematização do equilíbrio entre globinas na formação de hemoglobinas normais. • Essa diferença de síntese entre globinas alfa e beta . enquanto a síntese de globina beta se faz normalmente. o gene alfa diversificadas.promove o desequilíbrio entre elas. • Em geral. diminuições no volume de síntese de uma das globinas com intensidades variáveis. desbalanceamento ocorrido • Dessa maneira.• As mutações que afetam o controle dos genes para as sínteses equilibradas entre as globinas alfa e não-alfa são muito • Nesses casos ocorrem desequilíbrios do conteúdo entre a globina produzida normalmente e a alterada. há diminuição do conteúdo de globina alfa dentro das células eritróides. beta.

da Índia e do leste da Ásia. originário de Granada (Índias Ocidentais) da hemácia na sua forma original. para a forma de foice. além de várias outras conseqüências patológicas. in vitro. • Esta doença surgiu nos países do centro-oeste africano.• As talassemias consistem um conjunto de síndromes causadas principalmente por alterações de sínteses quantitativas de globinas alfa e beta. Emmel observou a transformação caso clínico de anemia falciforme deveu-se • À observação de hemácias alongadas e em forma de foice no esfregaço sangüíneo de um jovem negro. • O fato que motivou a mutação do gene da hemoglobina normal (HbA) para o gene da hemoglobina S (HbS) ainda permanece desconhecido • A primeira descrição na literatura médica de 1 • Em 1917. • 1922. 4 . • Levando ao desequilíbrio entre elas e variáveis graus de anemias hemolíticas. Anemia falciforme • É uma das doenças hematológicas herdadas mais comuns em todo o mundo. o termo Anemia Falciforme foi utilizado por Manson. atingindo expressiva parcela da população dos mais diferentes países. bicôncava. há cerca de 50 a 100 mil anos.

como a hemoglobina A Mas assim que o oxigênio é liberado por essas Hb S A hemoglobina em baixa quantidade de oxigênio se precipita em cristais longos dentro da hemácia FORMA DE FOICE hemácias com hemoglobina S. dando origem ao conceito de doença molecular. no Brasil. pela 1a vez havia sugerido que a falciformação ocorria como conseqüência de uma herança autossômica dominante. Accioly. elas são enviadas ao acaso. Hanh e Gillepsie descobriram que a falcização dos eritrócitos ocorria como conseqüência da exposição das células a uma baixa tensão de O2. suas moléculas se agrupam. • Sendo heterozigotos portadores assintomáticos os • 1956 -Ficou caracterizado que a anemia falciforme era ocasionada pela substituição do ácido glutâmico por valina na cadeia da hemoglobina. Quando as moléculas da hemoglobina S deixam os pulmões carreando o oxigênio. • Em 1947. é que se definiu a doença somente em estado de homozigose. tomando uma forma gelatinosa. • Aparentemente simples troca de um único aminoácido na composição da cadeia beta globínica ocasiona o surgimento de uma estrutura hemoglobínica nova. formando filamentos que alongam e distorcem a membrana da hemácia dando a ela uma forma irregular e afoiçada. • só em 1949. que em português traduz-se como foice). Anemia Falciforme Troca de um aa (GLU) por um aa (VAL) na cadeia . através dos trabalhos de Neel e Beet. • Denominada hemoglobina S (onde a letra S deriva da palavra inglesa sickle. 5 .• 1927.

febre. exposição a temperaturas muito baixas ou muitos altas no ambiente e desidratação. Algumas vezes as células afoiçadas bloqueiam o fluxo de sangue aos tecidos e órgãos. As mais comuns são: infecção. Isto é chamado de crises falcêmicas e levam a dor. Atinge. e como resultado muitos pacientes sentem dores. evolui com a formação de trombose e infartos culminando com a atrofia e fibrose do órgão (autoesplenectomia). cansaço e falta de apetite. ocorre uma esplenomegalia decorrente da congestão pelo seqüestro de eritrócitos falcizados. As células afoiçadas são endurecidas e se quebram facilmente. Evitando-se sempre que possível estas situações a pessoa com doença falciforme pode reduzir o risco de afoiçamento de hemácias. Anemia Falciforme É mais freqüente nas regiões sudeste e nordeste. Sua forma irregular leva a uma dificuldade para elas passarem pela rede sangüínea deslizando. Porém após sucessivos afoiçamentos as células podem permanecer afoiçada não mais voltando à forma arredondada. Maior adesão dos eritrócitos ao endotélio. resultando em obstrução do fluxo sangüíneo e hemólise. um a cada cinco mil recém-nascidos Os glóbulos vermelhos em forma de foice não circulam adequadamente na microcirculação. Diferentes situações podem levar as células com hemoglobina S a se afoiçarem. Elas vivem metade do tempo que uma célula normal vive. em média.Quando a célula retorna ao pulmão e recebe novamente o oxigênio a célula se torna redonda de novo. Não apresenta relação com o sexo. Na infância. Posteriormente. 6 .

anoxia. Tratamento • Profilático – evitar fatores que sabidamente precipitam crises. a HbA não é detectada.AF • Exames de triagem para deformação falciforme dos eritrócitos são positivos qdo o sangue é desoxigenado • Eletroforese de Hb: na Hb SS.AF • Hb geralmente está entre 6 e 9g/dl – baixa em comparação com os sintomas • Eritrócitos falciformes e células em alvo ocorrem no sangue. icterícia. simétrica das mãos e pés. em especial desidratação. lesão hepática e do miocárdio .Manifestações Clínicas Durante os 6 primeiros meses de vida. estase da circulação e resfriamento da pele. Mais comum em crianças pequenas. Características de atrofia esplênica (corpúsculo de Howell-Jolly p. Tumefação dolorosa e. Achados Laboratorias . Síndrome torácica aguda decorrente de infarto pulmonar. Úlceras crônicas.ex) tb pode estar presentes. mais comum em adolescentes. em geral. Dactilite falciforme Achados Laboratorias . A quantidade de HBF é variável. geralmente de 5 a 15 %. infecções. quantidades maiores são associadas a doença mais leve.devido à isquemia. Palidez. Atraso de maturação física. a maioria é assintomática devido à altos níveis de hemoglobina F Episódios vaso-oclusivos e crises dolorosas agudas representam as manifestações mais freqüentes. Manifestações Clínicas Dactilite falciforme aguda (síndrome mão-pé): primeira evidência em um lactente. Seqüestro esplênico agudo em que grande quantidade de sangue acumula-se no baço com sinais de colapso circulatório. • Ácido fólico – 5mg 1 vez por semana • Boas condições de nutrição e higiene • Vacinação contra pneumococo 7 . Fibrose glomerular e tubular difusa do rim.

Tratamento • As crises devem ser tratadas com repouso. aquecimento. hidratação por via oral ou intra venosa • Antibióticos – houver infecção • Transfusão sanguíneaquando houver anemia muito grave 8 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful