Você está na página 1de 8

Vamos falar

sobre plágio
acadêmico?
O QUE É
PLÁGIO?
É a pratica de reproduzir
quaisquer trechos de um trabalho,
artigo, livro ou qualquer outro texto
escrito por outra pessoa sem a
devida citação da fonte e do autor,
principalmente no momento em que
este conhecimento passa por uma
avaliação formal. Ou seja, em outras
palavras: o aluno apresentar, em
trabalho ou prova que valha nota ou
pontos para uma determinada
disciplina, trechos ou a íntegra de um
texto como se este houvesse sido
escrito pelo próprio aluno.
Isto é considerado uma deso-
nestidade intelectual e também é um
crime previsto em Lei. O plágio é uma
violação dos direitos autorais e é
considerado infração grave. Por isso,
no Art. 184 do Código Penal, está
prevista a punição aos violadores.

Expediente VAMOS FALAR SOBRE PLÁGIO ACADÊMICO?

Universidade Estadual da Paraíba


Centro de Humanidades Osmar de Aquino Produção: Professora Andréa Morais Costa Buhler
Rodovia PB-75 km 1 - Areia Branca - Guarabira-PB Designer e ilustrador: J.Cesar
Departamento de Letras - Campus III Editora: Gráfica da UEPB

Este informativo objetiva repercutir um problema grave na relação alunos/academia. Ele não exaure as
informações sobre o tema porque há muitas outras formas de plágio. Deste modo, esta publicação é,
antes de tudo, um convite para um debate ou, no mínimo, uma reflexão sobre o tema, suas causas e
consequências.
ESTE PANFLETO TOMOU COMO BASE DE PESQUISA OS SEGUINTES LINKS:

www.insper.edu.br/wp-content/uploads/2018/08/Cartilha-plagio.pdf
repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/13018/2/O_plagio_academico_como_um_problema_etico_juridico_e_pedagogico.pdf
revistas.faculdadesocial.edu.br/index.php/dialogospossiveis/article/view/191/146
www.leffa.pro.br/textos/abnt.htm#5.16.2

2
COMO O PLÁGIO
PODE SER
CARACTERIZADO?
ACIDENTAL
Quando o infrator
desconhece as
normas acadêmicas. INTENCIONAL
Quando, mesmo
O plágio pode ser feito de conhecendo as normas, o
forma direta, ou seja, se copia infrator comete o plágio.
diretamente os trechos de algum
texto sem citar a fonte (exemplo 1);
ou transliteral, quando, fazendo Outro plágio muito comum é
uso de paráfrases (ou manobras a utilização indevida da internet.
textuais), se omite o autor original Como é muito fácil o acesso,
da ideia, mesmo quando se utiliza principalmente através das pala-
as próprias palavras fazendo uso de vras chaves, o redator plagia
sinônimos (exemplo 2); o plágio das quando não cita as fontes ou se vale
fontes se caracteriza quando o de qualquer outro recurso para
redator, consultando um autor para fingir-se autor de determinado
o seu trabalho, extrai deste outras texto. Os recursos digitais utiliza-
citações, e as registra como se dos e também as referências
estivesse com os originais em mãos. bibliográficas do texto, ou trecho,
Neste caso, o correto é fazer a a c e s s a d o a t r avé s d o s m e i o s
citação da citação, fazendo uso do eletrônicos, têm que, obrigatoria-
“apud” ou “conforme o autor”, mente, serem citados.
referindo-se à fonte primária. Outro plágio muito comum é
a reprodução em parte ou integral-
mente do trabalho de algum colega.
Isso caracteriza também a cola (ou
fila). Nestes casos, quando não for
possível ao professor identificar o
plagiador, a responsabilidade será
de todos os envolvidos.

3
EXEMPLO 1

ORIGINAL PLÁGIO CORRETO

Um dos mais importan- A autora, Lúcia A autora, Lúcia


tes temas que surgem do Helena (1989), discutin- Helena (1989), discutin-
relacionamento entre o do sobre o relaciona- do sobre o relaciona-
nosso modernismo e as mento entre o moder- mento entre o moder-
vanguardas europeias é o nismo brasileiro e as nismo brasileiro e as
nacionalismo. vanguardas europeias, vanguardas europeias,
A leitura dos documen- nos diz que o tema do nos diz que o tema do
tos e obras literárias da nacionalismo surge nacionalismo surge
fase heroica (1920-1930) como um dos mais como um dos mais
revelam terem sido importantes. Ao lado importantes. Ao lado
múltiplos os caminhos de disso registra que a disso registra que “a
desenvolvimento desta leitura dos documentos leitura dos documentos
questão, assim como e obras literárias da fase e obras literárias da fase
foram as interpretações heroica (1920-1930) heróica (1920-1930)
do significado do revelam terem sido revelam terem sido
nacionalismo, fornecidas múltiplos os caminhos múltiplos os caminhos
naquele momento. de desenvolvimento de desenvolvimento
Referência: HELENA, desta questão, da desta questão, assim
Lúcia. Modernismo mesma forma que como foram as interpre-
Brasileiro e Vanguarda. foram as interpretações tações do significado do
Rio de Janeiro: Ática, do significado do nacionalismo.”
1989. nacionalismo. (HELENA, 1989, p. 8)

UMA OBSERVAÇÃO
Se a citação tem mais que três linhas, deve ser
destacada em espaçamento duplo com relação
ao corpo do texto, sem aspas, com fonte menor
que 12, espaçamento entre as linhas de 1 cm e
recuo de 4cm a esquerda. O alinhamento é
justificado e a página deve estar obrigatoria-
mente indicada. (Observe o exemplo na página.5).

4
EXEMPLO DE CITAÇÃO
COM MAIS DE 3 LINHAS
Lucia Helena (1989), abordando o problema da relação entre modernismo
brasileiro e vanguarda europeia, demonstra que o nacionalismo foi um tema
extremamente relevante naquele momento, não só no âmbito da discussão
do problema estético, mas também político:

Neste tema se embutem não só questões de ordem estética, como o repudio às


formas consagradas pelo academicismo Parnasiano e naturalista; como
também questões primordialmente culturais, como a da discussão da
dependência brasileira das matrizes da colonização europeia; até gravíssimas
questões políticas, como a do elogio e do veto à concepção do Estado como
instituição necessariamente forte e centralizadora. (HELENA, 1989, p.8)

EXEMPLO 2

PLÁGIO TRANSLITERAL
ORIGINAL
É preciso imaginar o que era o Brasil no século XVI, para ter uma
ideia do que poderia significar a literatura transplantada de Portugal.
Uma vasta extensão de terras quase totalmente desconhecidas,
cujas fronteiras com os domínios espanhóis eram indefinidas, habitada
por indígenas que pareciam ao conquistador seres de uma espece
diferente, talvez não inteiramente humanos (CANDIDO, 1997, p. 5.)

PLÁGIO
Quando se pensa no Brasil no século XVI, tem-se em mente que este
novo território se apresenta como uma larga extensão de terra
desconhecida e habitada por indígenas. É preciso partir deste
contexto para poder entender o transplante da língua e da literatura
de Portugal em terras brasileiras. (observem a manobra, uso de
sinônimos e similares, sem o comparecimento da fonte original)

CORRETO
Quando se pensa no Brasil no século XVI, descreve Antonio
Candido (1997), tem-se em mente que este novo território se
apresenta como uma larga extensão de terra desconhecida e
habitada por indígenas. É preciso partir deste contexto, assevera
Candido, para poder entender o transplante da língua e da literatura
de Portugal em terras brasileiras.

5
EXEMPLO 3

PLÁGIO ELETRÔNICO

ORIGINAL PLÁGIO CORRETO

Desde os primeiros Estudando a poesia Estudando a poesia


momentos de vida, infantil, Alice Martha, infantil, Alice Martha,
entramos em contato em seu artigo Literatura em seu artigo Literatura
com a poesia, que nos infantil: a poesia (2017), infantil: a poesia (2017),
propicia o intercâmbio descreve que nos descreve que a criança
de emoções com nossos primeiros momentos de entra logo nos primei-
semelhantes e com vida, entramos em ros momentos de vida,
mundo. Seja pelos contato com a poesia, e em contato com a
versos de acalanto, é ela que nos propicia o poesia nos propiciando
pelas cantigas folclóricas intercâmbio de emo- “o intercâmbio de
ou de roda, seja pelas ções com nossos emoções com nossos
parlendas, adivinhas ou semelhantes e com semelhantes e com
trava-línguas, é brincan- mundo, seja pelos mundo, seja pelos
do, jogando, que, versos de acalanto, versos de acalanto,
crianças, nos aproxima- pelas cantigas folclóri- pelas cantigas folclóri-
mos, espontaneamente, cas ou de roda, seja cas ou de roda, seja
dos versos. pelas parlenda, advi- pelas parlenda, advi-
Referência bibliográfica: nhas ou trava-línguas. nhas ou trava-línguas”
MARTHA, A. A. (2017, p. 138)
Literatura infantil: A
poesia. Disponível em:
https://acervodigital.une
sp.br/bitstream/123456
789/40361/3/01d17t10.
pdf, Acessoem :09, set,
2017.

OBS: Se houver mais


dados bibliográficos
(subtítulo, nome do
periódico, local de
publicação, ano, número
do fascículo etc), é
obrigatório o registro.

6
Fique
atento!
O aluno deve estar atento para aplicar as
normas de citação e referência seguidas pela
instituição de ensino.
Em caso de dúvidas sobre a forma
correta de fazer citações e referências, os
alunos devem solicitar auxílio aos professo-
res, orientadores e às bibliotecárias.
O ideal é obter a melhor orientação
quanto à forma de citar e de referenciar de
acordo com as normas da Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que
são as utilizadas pelo Insper para o desenvol-
vimento de trabalhos de conclusão de curso e
trabalhos acadêmicos em geral.

E AS PENAS?
A penalização pode variar entre a perda da
disciplina, uma intimação formal por parte
da gestão administrativa ou as implicações
legais com a Lei dos Direitos Autorais. É
melhor prevenir:

Adquira e comheça as normas


acadêmicas da ABNT (disponível
na internet).

Exija dos professores esclareci-


mentos permanentes;

Realize pesquisas, artigos,


resumos, resenhas e demais
atividades sempre usando as
citações da forma legalmente
prevista.

7
“O plágio tem sido objeto de crescentes preocupações no meio acadêmico
brasileiro. Órgão públicos de financiamento de pesquisas científicas, tais
como CNPq, a CAPES, e a FAPESP, desde o ano de 2011, tem emitido
documentos para orientar que as instituições de ensino tomem medidas
preventivas e punitivas em casos de fraude – dentre os quais se inclui o
plágio” (PITHA, Lívia; VITAL, Tatiane).

“Nenhuma pesquisa pode e deve desenvolver-se rompendo ou desrespei-


tando completamente o sistema ético que envolve o universo do pesquisa-
dor. Assim, se existe liberdade criativa definida ao criador, também existem
deveres fixados em lei, ou em normas técnicas e éticas, que definem até
onde se desenrolam os limites da liberdade criativa” (BITTAR, Eduardo).

“Ao estudante, há que instrui-lo [...] procurando corrigir os vícios herdados


de uma escolarização em que a distinção entre a produção intelectual
própria e a alheia é difusa e/ou inadequada, substituindo , ao menos em
uma primeira instância avaliativa, a obstinação persecutória de incorreções
pela firme atitude pedagogica do esclarecimento que possibilite a criação
de uma consciência de autoria intelectual responsável” (PUCRS).

Universidade Estadual da Paraíba


Centro de Humanidades Osmar de Aquino
Rodovia PB-75 km 1 - Areia Branca - Guarabira-PB
Departamento de Letras - Campus III