Você está na página 1de 1

MATERIAIS MANIPULÁVEIS NO ENSINO DE SISTEMA DE

NUMERAÇÃO DECIMAL: TAREFA ELABORADA EM UM GRUPO DE


ESTUDOS
Josebeli de Oliveira Marigo
Karina Alessandra Pessoa da Silva (UTFPR)
Maria Carolina Marin Pires (UEL)
Maria do Carmo Cardoso Bezerra (UEL)

INTRODUÇÃO

Neste trabalho apresentamos uma tarefa com materiais manipuláveis (estruturados


e não estruturados) elaborada em um grupo de estudos de professores que
ensinam Matemática. O objetivo da tarefa é que alunos do 5 o ano do Ensino
Fundamental compreendam a base do Sistema de Numeração Decimal, fazendo
agrupamentos e identificando os valores que um algarismo pode ter de acordo com
sua posição na constituição de um número ao realizar trocas entre as ordens nas
operações como adição e subtração. Os materiais utilizados para a elaboração da
tarefa são: ábaco, material dourado e palitos. Ábaco e Material Dourado são
materiais manipuláveis estruturados que já foram construídos para servirem de
apoio à estruturação numérica, já os palitos fizeram parte da constituição de um
material manipulável não estruturado. A metodologia para o planejamento da tarefa
está pautada em indicações dos Estudos de Aula (TALL, 2008, PONTE, et. al.
2016) que culminou em um plano de aula. A tarefa elaborada consiste em
desenvolver um circuito em que alunos divididos em grupos adicionem e subtraem
fazendo uso de cada um desses materiais manipuláveis. A partir dos registros dos Plano de aula 5º ano
alunos, o professor encaminhará a sistematização do conteúdo. Embora neste Conteúdos Sistema de numeração decimal, adição de números naturais.
trabalho apresentamos antecipação da aula temos como intenção que o plano seja matemáticos:
executado com alunos de uma das integrantes do grupo para que resultados
Materiais necessários: Material dourado, ábaco, palitos, elásticos, dados, quadro valor-
possam ser compartilhados.
lugar, tabela para registro das jogadas.
Encaminhamentos Dividir os alunos em grupos com 4 alunos.
OBJETIVOS metodológicos Orientar os alunos para manipularem os materiais livremente.
Explicar as regras do circuito (descritas abaixo).
Tem-se como objetivos ao final do desenvolvimento deste plano de aula que Entregar impresso as folhas para registro das jogadas.
alunos do 5º ano do Ensino Fundamental possam: Encaminhar os alunos para que organizem os dados registrados
em tabelas e gráficos para cada material.
•Ler, escrever e ordenar números naturais até a ordem das centenas de milhar com compreensão Sistematizar algumas ideias da adição e subtração a partir de
das principais características do sistema de numeração decimal; questionamentos sobre as jogadas realizadas pelos alunos.
•Resolver problemas de adição com números naturais, cuja representação decimal seja finita;
Regras dos jogos: Jogar dois dados e multiplicar os números indicados na face
•Resolver problemas de multiplicação com números naturais, cuja representação decimal é finita voltada para cima, representar o valor obtido no ábaco, material ou
(com multiplicador natural). palito. Realizar rodízio com os materiais entre os grupo.
A partir da segunda rodada o participante além de fazer a
multiplicação dos dados adiciona o resultado com o valor representado
MÉTODO no ábaco. Ganha o participante com o maior número formado no
Para elaborar uma tarefa com o objetivo de que alunos do 5º ano do Ensino Fundamental ábaco.
compreendam a base do Sistema de Numeração Decimal, um grupo de professores que ensinam
Matemática, no âmbito de um grupo de estudos - GEAMAI - fez uso de materiais manipuláveis e Possíveis 1.Ordene as pontuações dos alunos do grupo de forma crescente
se inspiraram na metodologia do Estudos de Aula (TALL, 2008, PONTE et al, 2016). Questionamentos: para cada material.
Nesta metodologia, a partir de um conteúdo matemático escolhido pelo grupo de professores, 2.Qual aluno é o ganhador em cada material?
aulas são elaboradas e executadas para posterior reflexão. 3.Quantos pontos faltam para você empatar com o aluno
ganhador?
São seguidas as etapas: 4.Qual é a pontuação total do seu grupo em cada material?
•Identificação de um problema na aprendizagem dos alunos; Represente esse total nos materiais.
•Planejamento de uma aula pelos participantes, considerando as orientações curriculares; 5.Como vocês chegaram à pontuação total do seu grupo em cada
material?
•Aplicação da aula por um professor, com observação dos outros participantes;
6.O que vocês tiveram que fazer ao somar as unidades e o total de
•Reunião com os professores para analisar e refletir sobre o que observaram;
unidades ultrapassou 9 unidades?
•Reformulação do plano de aula

Esta abordagem possibilita a troca de experiências entre professores, visando a aprendizagem CONSIDERAÇÕES FINAIS
dos alunos. Além disso, proporciona desenvolvimento profissional dos professores que ensinam
matemática. Planejar uma aula, de certa forma, exige do professor “antecipar as prováveis O planejamento da tarefa a ser desenvolvida na sala de aula da primeira autora deste trabalho
contribuições dos alunos, preparar respostas que possa dar a eles e tomar decisões sobre como levou em consideração as dificuldades dos alunos sobre SND. Todavia, entendemos que um
estruturar as apresentações dos alunos” (STEIN et al., 2008, p. 321). plano de aula é um suporte para o trabalho do professor em sala e que consiste em uma
antecipação de estratégias que podem emergir nesse ambiente.
Antes de estruturar o planejamento da tarefa que consta como resultado deste trabalho, os
professores do GEAMAI realizaram-na na prática. Isso está em consonância com as assertivas de A execução do plano de aula pode fazer suscitar outros encaminhamentos e questionamentos,
Stein et. al (2008) com relação à antecipação. Quando os professores “se colocam na posição de necessitando de uma reflexão e, consequente, adaptação do que havia sido antecipado. Essas
seus alunos ao fazer a tarefa”, poderão considerar “maneiras pelas quais os alunos podem etapas são previstas na metodologia Estudos de Aula e devem ser realizadas no GEAMAI em
interpretar problemas ou apresentar dificuldades ao longo do caminho [...]” (STEIN et al., 2008, p. momento posterior.
323).
BIBLIOGRAFIA
RESULTADOS
PIRES, M.N.M; GOMES, M. T.; PIRES, M. C. M. Conhecimento Matemático Revelado por Professoras dos Anos
Iniciais: uma análise commognitiva. In: 5º Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEMAT),
2018, Pará.
A aula planejada levou em consideração a turma de 24 alunos do 5º ano da
PONTE, J. P.; QUARESMA, M.; MATA-PEREIRA, J.; BAPTISTA, M. O Estudo de Aula como Processo de
primeira autora deste artigo, reunidos em seis grupos. Com a utilização de materiais Desenvolvimento Profissional de Professores de Matemática. Bolema, Rio Claro, v.30, n.56, p. 868-891, dez.
manipuláveis como ábaco, material dourado e palitos (imagens), planejamos 2016.
realizar um circuito do Jogo Nunca 10 em que os alunos fazem uso desses STEIN, M. K.; ENGLE, R. A.; SMITH, M. S.; HUGHES, E. K. Orchestrating Productive Mathematical Discussions:
Five Practices for Helping Teachers Move Beyond Show and Tell. Mathematical Thinking and Learning, 10 (4),
materiais para realizar as operações de adição e subtração. p.313-340, 2008.
TALL, D. Using japanese lesson study in teaching mathematics. The Scottish Mathematical Council Journal, v.
38, p. 45-50. 2008.

REALIZAÇÃO: APOIO:

Especialização em
Educação Matemática

Você também pode gostar