Você está na página 1de 11

1

1-INTRODUÇÃO
Atualmente a ludoterapia é colaboradora do
desenvolvimento social da criança. Tem mostrado excelentes
resultados em crianças com diversos tipos de dificuldades ou
problemas. A brincadeira pode ser um espaço que possibilita à criança
re-significar e compreender suas ações nas relações com as outras
crianças e figuras de autoridade, experimentando regras de
convivência para a mudança social e crescimento pessoal.
Assim, as crianças, tendo a oportunidade de brincar, estarão mais
preparadas emocionalmente para manejar suas emoções dentro do
contexto social, obtendo assim melhores resultados gerais no
desenrolar da sua vida.
Na Terapia Cognitivo comportamental viria a considerar o
papel mediador da cognição, a possibilidade de monitorar, avaliar e
medir a atividade cognitiva e mudar o comportamento, para propor a
melhor maneira de tratar aquilo que foi visto. Esta trouxe uma
proposta no qual não há somente tratamentos puramente
comportamentais, mas sim no qual o foco da intervenção é outra.
Dentro da terapia cognitivo comportamental a Ludoterapia se centrada
na criança enquanto pessoa.
A ludoterapia possibilita a construção das representações
psicológicas. Os objetos para a criança tem um sentido muito
especial. Vygotsky (1984) relata que: durante o brincar, a criança
substituí os objetos por outros que lhe dão mais sentido. A produção
de sentido permite que a criança se organize enquanto ser social. O
2

brincar da criança propicia a construção subjetiva dos signos e dos


significados, dos eventos e das relações humanas.
A ludoterapia é uma ferramenta eficaz da TCC como
facilitadora de expressões de sentimentos e conflitos da criança
porque é a metodologia terapêutica ocupacional que favorece a
criança a expressar os seus conteúdos internos, proporciona
o desenvolvimento nos seus aspectos criativos, expressivos,
cognitivos e sociais. Além disso quanto maior for a participação dos
pais no envolvimento do tratamento melhor será o feedback da criança
com o intuito é orientar e amenizar os seus temores frente à
dificuldade da criança, promover reflexões a respeito dos seus
sintomas, fortalecer os vínculos familiares, proporcionar bem estar e
qualidade de vida para todo o contexto.
A maioria das crianças adere facilmente à ludoterapia
dentro da Terapia Cognitiva Comportamental, que utiliza o brincar
enquanto linguagem universal? À medida que a criança se sentir mais
livre para se abrir, bem como revelar suas emoções, idéias e opiniões,
e souber que encontrará apoio e ligação com o terapeuta e com a
família, ficará mais forte dentro de si mesmo.
Esse artigo tem como objetivo geral identificar como a
Ludoterapia contribui como ferramenta na Terapia Cognitiva
Comportamental em crianças e como objetivos específicos descrever
que ferramentas a TCC utiliza no tratamento com crianças, investigar
como pode contribuir com o desenvolvimento cognitivo, lingüístico,
psicomotor e sócio-afetivo da criança,caracterizar o setting
psicoterapêutico na TCC e analisar a pertinência de cada método de
ludoterapia, em função das necessidades das criança.
3

A metodologia que será utilizada nesse artigo baseia-se


em pesquisas em livros, internet, revistas artigos e profissionais que
atuam na área.
Este trabalho foi dividido em três partes, não considerada a
introdução do material. O primeiro item conceitua: O que é
Ludoterapia? o segundo item, por sua vez, caracteriza a intervenção
do psicólogo, e por fim o terceiro item apresenta as colaborações da
Terapia Cognitiva Comportamental e o caminho metodológico, as
características do estudo, seguido de breve análise crítica e/ou
resultados.

2 - REFERENCIAL TEÓRICO
2.1- O QUE É LUDOTERAPIA?
A palavra Ludoterapia é derivada da palavra inglesa play-
therapy, podendo ser literalmente traduzida como terapia pelo brincar.
Entretanto, este brincar é diferente do brincar que a criança tem em
casa ou com os amigos na escola. (HOMEM, 1988).
A origem da ludoterapia se deu com o surgimento da clínica
psicanalítica infantil através das descobertas da psicanalista
austríaca Melanie Klein, que criou a "técnica do brincar". O uso da
técnica do brincar tinha fins de obter material para a interpretação e
elaboração de conflitos psíquicos. Com o desenvolvimento da clínica
psicanalítica infantil, a terapêutica do brincar é vista de forma mais
ampla.
Na Psicologia a Ludoterapia é uma técnica com
abordagem infantil, que emprega o uso de desenhos e brincadeiras
utilizando os mesmos para fazer a simbolização dos seus conflitos.
4

Sendo este, um meio natural para que a criança consiga expressar


seus sentimentos. Entretanto, diferentemente dos adultos as crianças
não conseguem fazer a associação livre.(acho que pode tirar essa
frase visto que seu tema liga com a TCC e não a psicanálise)
O brincar produz envolvimento emocional entre a criança e
o terapeuta, tornando possível a terapia. Segundo os apontamentos
de Mrech (2001), demonstrava-se, entre os psicólogos, uma
dificuldade na elaboração de diagnóstico infantil, a partir de
perspectivas adultas, e já não se tratava de uma terapia eficiente, e,
às vezes, era até pior para a criança.
Alguns psicólogos, como a pioneira Hermine von Hug-
Hellmuth, Anna Freud, Melaine Klein, entre outros, também se
depararam com essa dificuldade e problematizaram a possibilidade de
trazer brinquedos para o setting terapêutico, a fim de uma
comunicação entre psicólogo e criança: “Para Freud o brinquedo e o
brincar são os melhores representantes psíquicos dos processos
interiores da criança. Eles estão em significação, na busca do sentido
dos atos da criança.” (MRECH, 2001, p.6).
Após muitos estudos, houve uma melhor redefinição do
trabalho terapêutico com crianças. A utilização de atividade lúdica
como uma das formas de mostrar os conflitos interiores das crianças
foi, sem dúvida, uma das maiores descobertas. É brincando que a
criança revela suas desordens de uma forma muito semelhante que os
adultos revelam na fala. No entanto, o brincar e as brincadeiras
infantis não podem ser tomados como processos iguais à linguagem e
à fala. Eles apresentam uma singularidade típica (MRECH, 1999)
5

Nos dias atuais a Ludoterapia tem se mostrado eficaz


favorecendo uma melhora significativa de comportamentos e
interações sociais e prevenção de dificuldades futuras dentro de
diferentes abordagens.
Na TCC o terapeuta busca procedimentos alternativos ao
relato da criança para construir novos comportamentos. Brincar na
TCC é estabelecer um desenvolvimento saudável na criança
fortalecendo comportamentos funcionais em cada faixa etária.
O terapeuta cognitivo comportamental deve ser criativo
com o objetivo de criar um ambiente bastante reforçador e acolhedor
para a criança.
CITAR SOBRE AS TÉCNICAS COMO FERRAMENTA LUDICA NA
TCC PRA FECHAR ESTE PONTO.
2.2- APLICAÇÃO E EFICÁCIA DOS ESTUDOS
Hoje, sabemos mais sobre as necessidades da criança, sobre a
importância das brincadeiras para seu desenvolvimento sensorial, motor,
emocional e comportamental e sobre como seu ambiente exerce influência na
aquisição e manutenção de comportamentos.
A Terapia Cognitiva Comportamental faz uso de jogos e
brincadeiras na relação que se estabelece com as crianças, e se tem mostrado
uma área de atividade clínica que beneficia crianças e suas famílias, pois favorece
a aquisição de comportamentos sociais importantes e a melhora nas interações
sociais.
Segundo Castro (2007) cada vez mais tem-se estudado o universo
infantil, procurando conceituar e desvendar quem é a criança de hoje e os
fenômenos que a influenciam, “(...) As respostas a estas questões variam
conforme a concepção que se tem delas. Para alguns é uma fase da vida onde
reina a fantasia e a liberdade. Para outros, a infância é uma etapa da vida onde a
criança é considerada um adulto em miniatura. Outros ainda consideram a infância
6

como uma fase em que a criança vai ser preparada para o futuro.” (CASTRO,
2007).
Nesse sentido Castro (2007) afirma que as discussões voltadas
para a criança e seu universo constitui um campo emergente de estudos e uma
temática de natureza multidisciplinar, envolvendo pesquisadores e estudiosos do
mundo todo e de todas as áreas como sociólogos, psicólogos, educadores, dentre
outros.
Para a mesma, ao se tratar de infância não devemos esquecer de
que existe todo um contexto a ser considerado, bem como as relações em seus
aspectos sociais, econômicos, culturais, políticos e inclusive familiar (afetivo) que
compõe (surgimento e desenvolvimento).
Segundo Nascimento, Brancher e Oliveira (s.d.) demorou muito
tempo para focar e abordar a criança e a infância como objetos centrais de suas
pesquisas, as entendendo como sujeito histórico e de direitos, bem como
buscando interpretar suas representações infantis de mundo, objetivando entender
o complexo e multifacetado processo de construção social da infância e o papel
que a escola vem desempenhando diante desta invenção da modernidade.
Nesse sentido Zavaschi, Conte, Recondo, Bassols& Ghelen
(2008) afirmam que até o século XX quando era reconhecido um transtorno mental
na criança não era ela própria que era tratada, mas os pais que eram
aconselhados em como manejar a situação em vez da própria da criança ser
ouvida e ou atendida.
A ludoterapia tem mostrado excelentes resultados em crianças
com diversos tipos de dificuldades ou problemas, permitindo que a criança
expresse seus medos, conflitos e ansiedades, possibilitando a elaboração desses
sentimentos, já que brincando, a criança aprende o funcionamento das coisas, as
regras, o que é certo e errado, aprovado ou recriminado em nossa sociedade.
Aprenderque perder faz parte da vida e que há sempre um dia após o outro. Por
meio do brincar, a criança está experimentando o mundo, os movimentos e as
reações, tendo assim elementos para desenvolver atividades mais elaboradas no
futuro.
7

Nesse sentido, é fundamental que os terapeutas procurem obter uma


compreensão global do funcionamento da criança nos seus diversos contextos e
consigam identificar os aspectos e/ou sintomas que dificultam sua adaptação na
rotina diária, assim como o papel que os aspectos cognitivos exercem na etiologia
desses problemas e transtornos. Ressalta-se também o caráter focal e diretivo da
TCC, que demanda uma avaliação diagnóstica devidamente conduzida.(PORQUE
ESTA COM ESSA MARCA DE COR DIFERENTE??)
A utilização de jogos e brinquedos na TCC é algo que pode ser
considerado bastante novo. Foi a partir da década de 1960, as crianças
freqüentemente precisavam de outras formas para expressar seus sentimentos
que não a verbal, para obter os ganhos que essa expressão significa para o
desenvolvimento da terapia. Essas outras formas de expressão incluem desenhar
ou contar histórias, fantasiar, imaginar e interpretar situações, usar bonecos e
jogos, pinturas, colagens, argila, massa plástica de modelagem, música, entre
outros instrumentos que caracterizam uma situação natural para a criança e um
ambiente livre de censura para a exposição de seus sentimentos. O uso desses
instrumentos depende de um esforço do terapeuta infantil em identificar quais
deles são úteis para proporcionar a identificação de importantes variáveis de
controle sobre o comportamento da criança. Consideramos que a ludoterapia
refere-se à utilização de jogos,brinquedos, desenhos e livros de histórias, com
algum objetivo específico na TCC.
Qualquer atividade pode ser considerada lúdica, uma vez que
qualquer objeto pode ser utilizado como brinquedo pela criança. Um pedaço de
madeira pode virar um boneco, assim como um pedaço de folha, um barquinho.
Uma classe de estímulos pode ser denominada brinquedo, desde que na
presença desses estímulos a criança emita uma única resposta: brincar.

ACHO QIE ESSE PODERIA SER OUTRO TÓPICO:2.3 Porque a aplicação da


ludoterapia na TCC traz eficácia na terapia?
8

Primeiro, porque a utilização de jogos e brinquedos é bastante reforçadora para a


criança. Inclusive em pesquisas sobre autocontrole com crianças, pode-se
observar que muitas das tarefas propostas às crianças envolvem situações lúdicas
em que o terapeuta chama a criança para uma brincadeira ou jogo. Isso facilita a
participação da criança na terapia.
Outro ponto a ser considerado quanto à utilização de brinquedos e jogosna TCC é
o fato de o brinquedo fornecer à criança um ambiente planejado no qual é possível
a aprendizagem de habilidades (Bomtempo, 1987, citado em Soares, Moura&
Prebianchi, 2003). Além disso, o brinquedo pode ser considerado uma condição
para o desenvolvimento social, emocional e intelectual da criança (Bomtempo,
1992).
Além de permitir que as crianças informem sobre seus sentimentos e
descrevam comportamentos e eventos importantes, as brincadeiras dirigidas
permitem que aprendam respostas alternativas a seus comportamentos
disfuncionais ou indesejáveis como bater, gritar, xingar, chorar e tremer. O
brinquedo é um instrumento do processo de aprendizagem e brincar é uma
possibilidade de aprender a se comportar adequadamente frente a determinados
estímulos. Por meio da brincadeira, a criança analisa seu próprio comportamento,
ficando ciente das contingências que o determinam e, a partir daí, pode alterar sua
relação com o ambiente. O uso da fantasia e da brincadeira leva a criança a
encontrar alternativas de comportamentos,inicialmente para os personagens de
suas brincadeiras e depois para as situações de sua vida (Guerrelhas, Bueno &
Silvares, 2000).
Falar dos personagens de uma história é um instrumento eficaz na
ludoterapia, pois falar primeiro dos personagens é uma aproximação gradual para
depois falar de si mesmo (Regra, 2000). Ao analisar o comportamento dos
personagens, ensina-se acriança a fazer análise funcional do comportamento e a
etapa posterior é a transposição desse tipo de análise funcional para seu próprio
comportamento. Ao fazer a ponte da fantasia com a realidade, quando a criança é
levada a identificar os padrões de comportamento dos personagens da história
que têm relação com seus padrões de comportamento e de seus familiares, a
9

criança está sendo conduzida a falar de si e de suas relações, diante da audiência


não punitiva do terapeuta (Regra, 2000).
O uso de metáforas na terapia ajuda a evocar comportamentos e
sentimentos relevantes. Um exemplo é pedir à criança que imagine ser um barco
pequeno numa imensa tempestade .Falar sobre as ondas, o vento e a luta para
vencer a tempestade pode trazer a tona sentimentos da criança em relação ao
seu ambiente familiar ou escolar, especialmente se este tem alguma similaridade
funcional com a metáfora do barco. Por meio de dinâmicas e técnicascomo essa é
possível modelar descrições apropriadas dos sentimentos e também respostas
adequadas a situações extraterapêuticas similares. O desenho é uma outra
maneira de lidar com os sentimentos das crianças na terapia.
Assim, os jogos de fantasia são úteis para identificação de variáveis das
quais um certo comportamento é função e a ludoterapia são instrumentos
importantes para o sucesso da relação terapêutica com as crianças. Por meio da
ludoterapia a sessão terapêutica com a criança se constitui um ambiente rico de
aplicação de procedimentos comportamentais, como reforçador de
comportamentos adequados, extinção de inadequados e modelação (Guerrelhas,
Bueno & Silvares, 2000).
Algumas estratégias na ludoterapia têm sido usadas por nós na
prática clínica com os objetivos de favorecer a formação do vínculo com a criança,
identificar os conceitos e as regras que governam seu comportamento, verificar
sua relação com pessoas dos ambientes em que está inserida, identificar seus
sentimentos em relação a si mesma, a determinadas pessoas e situações, treinar
a solução de problemas cotidianos, desenvolver habilidades, trabalhar a
autoconfiança e favorecer a concentração e o relaxamento.
As fontes pesquisadas mostraram que a ludoterapia é uma técnica efetiva com
crianças, pois favorece a expressão de sentimentos, conflitos e dificuldades.
Por meio do brinquedo as situações traumáticas, tristes que não são
manifestadas na fala, são expostas no brincar, no faz de conta.
.
CONCLUSÃO:
10

A Ludoterapia foi apontada como recurso dentro da terapia cognitivo


comportamental tendo resultados eficazes em sua aplicabilidade e retorno clínico.
O psicoterapeuta precisa ouvir, ter muita atenção e um maior contato com a
criança nesta terapia há um relacionamento, onde o brinquedo e o brincar são
a ponte de ligação.

Oferecendo a possibilidade do terapeuta interagir com a criança como indivíduo.


É possível trabalhar o reforço de coisas positivas, ouvir, fazer falar, dando se
uma mudança expressiva, contemplando sua auto percepção, compreensão do
outro e do mundo.
A Terapia cognitivo comportamental nos estudos apareceu
como uma das mais eficazes no tratamento infantil. (REF??) Esta pode usar
vários instrumentos terapêuticos, como (PROCURE ALGUNS INSTRUMENTOS
PRA CITAR AQUI).
Pode ser parte do protocolo de terapia principalmente entre as
crianças menores (PROCURE AS IDADES QUE MAIS USAM PRA CITAR
AQUI)com sintomas diversos. As intervenções pelo brincar é uma forma de
estimular a fala, a exposição de sentimentos, mas não é algo isolado, sendo
parte de todo um contexto e trabalho terapêutico para sua eficácia.
Assim, para as crianças o tratamento por meio da Ludoterapia
é entendida como relevante, pois (EXPLICAR AQUI O MOTIVO DA
RELEVÂNCIA).
11

REFERÊNCIAS:

CITAR SUAS REFERÊNCIAS

Você também pode gostar