Você está na página 1de 3

Chão de Umbanda Casuá Data:

do Pai Francisco 07/01/2019


Revisão: 1
Artigo 002 – “SER FILHO DA UMBANDA” Folha: 1

A partir de uma palestra proferida pelo Caboclo Pena Branca, em 1976 num centro no Rio de
Janeiro, durante uma gira festiva de Oxóssi, aprendi com o que disse:

Ser filho de Umbanda não é só se vestir de branco, entrar em um terreiro, cantar meia dúzia
de pontos, deixar a entidade incorporar, prestar consultas e pronto. Trabalho feito “Vou para
casa deitar e dormir tranquilo porque pratiquei a caridade e fui exemplo para meus irmãos”.

Ser filho de Umbanda é se doar pelo terreiro que te abrigou e se doar mais ainda pelas
entidades com as quais você trabalha. Afinal, você não os escolheu, eles te escolheram.
Seguir seus dogmas e suas crenças. Mas não acreditar piamente em tudo.

Ser filho de Umbanda é ser questionador. É saber o porquê das coisas, o como, o por onde e
como fazer melhor. É estudar, pois “religião não se discute, se estuda e se pratica”. É ter
paixão por estudar, por conhecer a fundo a religião que ama e professa no dia a dia.

Ser filho de Umbanda é ser família. UMBANDA! Sim, pois ser umbandista é fazer parte de
uma família. É ser abraçado por pessoas com os mesmos ideais que o seu e que por uma
questão, talvez karmica, estão na mesma casa que você.

Ser filho de Umbanda é ser fiel aos princípios ensinados pelas entidades, pelos irmãos, pais
ou mães de santo. É ser umbandista 24 horas por dia, sete dias por semana. E não apenas
uma vez por semana, durantes as giras.

Ser filho de Umbanda é fazer da caridade um objetivo de vida, e não praticá-la para não ser
castigado ou então para não parecer feio perante a sociedade. A caridade tem que vir do
fundo do coração. Tem que ser um desejo incontrolável de ver o próximo bem. Com alimento,
saúde, esperança e, o principal, amor. Pois caridade que é caridade é movida pelo amor ao
próximo.
Chão de Umbanda Casuá Data:

do Pai Francisco 07/01/2019


Revisão: 1
Artigo 002 – “SER FILHO DA UMBANDA” Folha: 2

Ser filho de Umbanda é ser humilde. Abaixar a cabeça quando alguém grita e apenas defender
quando alguém bate. Mas deve-se também lembrar que ser humilde, não é se deixar ser
humilhado. Levantar a voz em defesa do irmão, do mais fraco, dos discriminados. É usar a
voz não para humilhar, mas para elevar quem precisa.

Ser filho de Umbanda é ser amor. Amor com o amigo, com a família e com o conhecido. Mas
é acima de tudo ser amor pelo inimigo, pelo desconhecido. É rezar por quem não gosta de
você e pedir sempre a Deus por aquela pessoa em suas orações.

Ser filho de Umbanda é igualdade. Tratar todas pessoas como igual, independente de sua
roupa, de sua carteira ou de sua aparência. É saber respeitar as diferenças que nos fazem
tão iguais perante Deus. Pois Deus é plural. É uno e plural. É um para todos. É um no coração
de cada um.

Ser filho de Umbanda é fé. Fé nos Orixás, manifestações do amor de Deus nas nossas vidas,
fé nas entidades que trabalham com você e que te amparam na hora de dificuldade. É ter fé
em você mesmo. É acreditar. Pois quem faz com amor, não faz errado. O errado vira certo.

Ser filho de Umbanda é trabalho. Responsabilidade. Compromisso. Quando você se torna


filho de uma casa, assume um compromisso com ela e com a sua banda de trabalhar.
Trabalhar pelo bem, pela evolução do próximo e pela sua própria evolução e da Umbanda.

Ser filho de Umbanda é ser filho de DEUS. É se sentir amado a cada dia de sua vida por
alguém que você não pode ver, mas que você sente e que está sempre lá olhando por você
e torcendo por sua alegria.

Ser filho de Umbanda é ser humano. Amar, errar, viver, aprender, trabalhar, lutar, acreditar,
praticar.

Ser filho de Umbanda é ser sempre. E “apenas” ser.

Mas aprendi com a postagem da Patroinha Helga, a mensagem do Jornal da Macumba:

Médium não é superior a ninguém.


Médium não é de Ferro!!!

Ué você não é médium e está desempregado?


Ué você não é médium e ficou doente?
Ué você não é médium e sua companheira (o) lhe traiu?
Ué você não é médium e está sem dinheiro?
Ué você não é médium e não sabia que iria acontece isso em sua vida?

Aonde estão as Entidades que você diz tanto que lhe protege e lhe ajuda?
Cadê Seu Exu?
Cadê sua Pombo Gira?
Cadê seu Caboclo (a)?
Cadê seu Preto Velho (a)?
Cadê a sua Criança?
Cadê seu Orixá?
Chão de Umbanda Casuá Data:

do Pai Francisco 07/01/2019


Revisão: 1
Artigo 002 – “SER FILHO DA UMBANDA” Folha: 3

Cadê as suas entidades que não vê isso?

Com o Perdão da palavra e falta de Conhecimento achar que só porque somos médiuns temos
que estar livres e imunes há tudo é há todos.
Só porque eu sou médium eu não posso perder o emprego ou ficar doente não funciona desta
forma mediunidade não e moeda de troca.

Se nós médiuns fôssemos superiores aos demais qual a finalidade então da reencarnação e
da evolução espiritual?
Nós médiuns temos que ter noção do que é mediunidade e deixar bem claro para pessoas
que tem pouco conhecimento sobre nossa amada Umbanda que o fato de sermos médiuns
não somos melhores ou piores que eles.

Pelo contrário!!! Nossa responsabilidade e dobrada pois nós mesmos antes de reencarnarmos
pedimos para vir nesta condição de médium, para evoluir e cumprir as dívidas de outras
encarnações.
Nós médiuns sejamos mais coerente e sábios para não transferir nossos problemas para
nossas entidades ou nossa religião.

Ah!!! Já ia me esquecendo quando fui questionado aonde estão minhas entidades.


Com um lindo sorriso no rosto respondi: minhas entidades estão comigo o tempo todo.
Meu Exu está me dando firmeza.
Minha Pombo gira está me dando equilíbrio.
Meu Caboclo (a) está me dando Forças.
Meu preto velho (a) está me dando Sabedoria.
Meus Orixás estão me dando fé para que eu não deixe de acreditar que com os joelhos no
chão eu sou mais forte.
Que com o joelho no chão e realizando uma oração eu consigo vencer na vida.
Que com os joelhos no chão, a Umbanda me ensina que mediunidade não é superioridade.
Que mediunidade é trabalhar e é missão. Não é dom e nem moeda de troca.

Meu Saravá, na lei de Umbanda.

Pois então!!! Quando aprendemos estes dois textos, choramos e pedimos perdão por falarmos
sem conhecer e julgarmos sem saber.

Ensinar aos filhos e irmãos o significado de ser Filho da Umbanda, é praticar o mais
puro do Amor, Fé e Caridade. E não precisa ser Pai de Santo para isso. Basta ser um
Filho de Fé. Basta ser um Filho da Umbanda.

Você também pode gostar