Você está na página 1de 2

NOME:_______________________________________________________ DATA:______________

PROVA FOFA DE HISTÓRIA


1) Leia o texto abaixo e responda as seguintes questões:

Os mais importantes movimentos revoltosos desse século foram a conjuração mineira e a conjuração baiana, as quais possuíam,
além do caráter econômico, uma clara conotação política. A conjuração mineira, ocorrida em 1789, também em Vila Rica, foi
liderada por Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, que terminou preso e enforcado, em 1792. Pretendia, entre outras coisas,
a independência e a proclamação de uma república. A conjuração baiana -- também chamada revolução dos alfaiates, devido à
participação de grande número de elementos das camadas populares (artesãos, soldados, negros libertos) --, ocorrida em 1798,
tinha ideias bastante avançadas para a época, inclusive a extinção da escravidão. Seus principais líderes foram executados.
a) Qual o tema do texto?
b) Como ficaram conhecidos os movimentos descritos no texto?
c) Quais as motivações destes fatos históricos?
d) O que houve com seus principais líderes?
2) Marque um X nos objetivos correspondentes a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana:

( ) Separar o Brasil de Portugal ( ) Proclamar uma república ( ) Continuar a escravidão


( ) O Brasil se tornar o centro do poder democrática ( ) Cobrar mais impostos
político ( ) Implantar indústrias ( )Abolição da escravidão
( ) Viajar no tempo ( ) Criar universidades
3) O que foi o Bloqueio Continental?

4) Leia o texto abaixo e responda as questões a seguir:


“Determinou que partiriam todos os membros da família real, os ministros de Estado e os empregados do Paço, sem excepção;
decidiu que a sede do governo do Paço, se estabeleceria provisoriamente no Rio de Janeiro, ficando o territorio portuguez sujeito a
uma regencia de cinco fidalgos, que nomeou, a qual governaria em seu nome com os poderes que costumavam conceder ás regencias
os antigos reis de Portugal quando iam pelejar na Africa.”
“Assim se ia instalando a corte no Brasil, os cerca de quinze mil portugueses que viajaram para o Brasil evitando o confronto com
os soldados franceses e espanhóis às ordens de Napoleão, desalojavam agora aqueles portugueses indígenas de suas casas e em vez
de seguir o exemplo do príncipe regente, com palavras acolhedoras e de gratidão, muitas vezes “só encontravam depois de os
despojar, frases soezes para os maldizer. Riam-se dos hábitos brasileiros, das suas modinhas e dos seus sotaques, troçavam da sua
existência simples, dos seus usos patriarcais, das suas maneiras de vestir, continuavam, dentro das carruagens apreendidas, seges,
coches e cadeirinhas, a vida faustosa de Lisboa, recebendo do tesouro réditos e pensões e para que em tudo se assemelhasse o seu
viver ao levado em Portugal, dentro em pouco as ruas cariocas estavam empestadas de detrictos, de lôdos imundos, lançados no
grito porco do «àgua vai!»”
a) Sobre qual contexto histórico o texto faz referência?
b) Como ficou a política portuguesa com a vinda do rei de Portugal ao Brasil?
c) Por que foi preciso realizar a mudança da Corte portuguesa para o Brasil?
d) O que a Corte portuguesa achava dos brasileiros?

4) Marque um X na alternativa correta:


a) Em 1808, após chegar ao Brasil fugindo da invasão francesa, o regente D. João VI decidiu:
( ) Declarar a libertação dos escravo ( ) Anistiar todos os presos das antigas rebeliões nativistas;
( ) Decretar a abertura dos portos brasileiros às nações amigas; ( ) Proibir a entrada de produtos ingleses na colônia; ( ) Iniciar a
política da imigração.
b) A vinda da família real portuguesa foi bastante significativa para o Brasil, pois possibilitou
( ) O fim do pacto colonial a partir da liberdade de comércio estabelecida em 1808. ( ) Uma maior liberdade para os negros
africanos de exercer seus rituais religiosos. ( ) Uma alteração na cultura brasileira, que se tornou livre das influências britânicas. (
) A perpetuação dos valores culturais portugueses que passaram a ser os únicos do Brasil.
c) Na realidade, o bloqueio objetivava isolar uma nação europeia:
( ) Lisboa. ( ) França. ( ) Holanda. ( ) Inglaterra. ( ) NDA.
d) A vinda da Corte portuguesa para o Brasil, ocorrida em 1808, foi provocada, sobretudo: ( ) Pelo fim da ocupação francesa em
Portugal e pelo projeto, defendido pelos liberais portugueses, de iniciar a gradual descolonização do Brasil.
( ) Pela pressão comercial espanhola e pela disposição, do príncipe regente, de impedir a expansão e o sucesso dos movimentos
emancipacionistas na colônia.
( ) Pelo interesse de expandir as fronteiras da colônia, avançando sobre terras da América Espanhola, para assegurar o pleno
domínio continental do Brasil.
( ) Pela invasão francesa em Portugal e pela proximidade e aliança do governo português com a política da Inglaterra. ( ) Pela
intenção de expandir, para a América, o projeto de união ibérica, reunindo, sob a mesma administração colonial, as colônias
espanholas e o Brasil.

5) Leia o texto a seguir e responda as questões a seguir:

A independência do Brasil aconteceu na medida em que a elite brasileira percebeu que o desejo dos portugueses era restabelecer os
laços coloniais. Quando a relação ficou insustentável, o separatismo surgiu como opção política, e o príncipe regente acabou sendo
convencido a seguir esse caminho. As Cortes de Portugal tomaram medidas que foram impopulares aqui no Brasil, tais como a
exigência do retorno do príncipe regente e a instalação de mais tropas no Rio de Janeiro. Além disso, a relação azedava também
porque os portugueses tratavam os representantes brasileiros que iam a Portugal para negociar com desdém. Quando os portugueses
exigiram o retorno do príncipe a Portugal, foi organizado um movimento de resistência contra a medida. Dessa forma, foi criado
aqui no Brasil o Clube da Resistência, e o Senado brasileiro recebeu uma carta contendo milhares de assinaturas que defendiam
que príncipe ficasse aqui. Em 9 de janeiro de 1822, d. Pedro anunciou o Dia do Fico, contrariando as ordens das Cortes de Portugal.
O movimento que exigia a permanência de d. Pedro motivou-o a desafiar a ordem das Cortes, e isso resultou no Dia do Fico, em 9
de janeiro de 1822. Na ocasião, d. Pedro anunciou publicamente que permaneceria no Brasil. Apesar de uma forte insatisfação, o
separatismo ainda não era uma opção consolidada na cabeça dos brasileiros.
A relação entre Portugal e Brasil continuava ruim, e, em maio de 1822, foi decretado o Cumpra-se, lei que determinava que as
medidas aprovadas em Portugal só valeriam no Brasil se d. Pedro aprovasse-as. A essa altura, a ideia de separatismo já estava
bastante propagada, tanto que, em junho, foi convocada uma eleição para formação de uma Assembleia Constituinte. O caminho
do rompimento seguia a todo vapor, e a ideia de elaborar uma Constituição para o Brasil reforçava isso. A forma como d. Pedro
conduziu esse processo foi bastante influenciada por sua esposa, d. Maria Leopoldina, e por seu conselheiro, José Bonifácio.
Declaração de independência
A situação agravou-se em agosto, quando ordens chegaram de Portugal. As Cortes atacavam os “privilégios brasileiros”, acusavam
José Bonifácio de traição e ordenavam o retorno de d. Pedro. Isso fez d. Maria Leopoldina convocar uma sessão extraordinária
presidida por José Bonifácio, em 2 de setembro. Nessa sessão ficou decidido que era o momento de declarar a independência do
Brasil. Uma declaração de independência foi redigida e enviada, junto às cartas portugueses, para d. Pedro. O regente estava a
caminho de São Paulo na ocasião, e acabou sendo alcançado pelo mensageiro, no dia 7 de setembro de 1822.

a) Quais os fatores que geraram descontentamento dos brasileiro durante o processo de Independência?
b) O que foi o Dia do Fico?
c) Quais as influências políticas de d. Pedro?
d) Quais as acusações das Cortes portuguesas neste contexto?

6) O que foi a Constituição da Mandioca?


7) Leia o texto abaixo e responda as questões a seguir:
Dom Pedro I convocou dez membros aliados para a confecção da primeira Constituição do Brasil, que foi outorgada pelo próprio
rei em 1824. Nela, o poder de Dom Pedro I foi ampliado com a criação de um quarto poder, o poder moderador, que se sobrepunha
aos outros três poderes nas tomadas de decisão. Esse poder moderador, representado pelo rei, podia também dissolver a câmara,
vetar decisões do legislativo, nomear cargos etc. Sendo assim, a Constituição de 1824:
- ampliou o poder político de Dom Pedro e, consequentemente, de seus aliados do Partido Português;
- instituiu o voto censitário, ou seja, a exigência de uma renda mínima para o exercício do voto, independente da posse de terras;
- decretou a religião católica como a religião oficial do Estado;

a) O que era o poder moderador?


b) Como foi elaborada a primeira Constituição do Brasil?
c) A Constituição de 1824 foi boa ou ruim para a população brasileira?
d) Como foi recebida a ideia do poder moderador e a Constituição de 1824 pela oposição política brasileira?

8) Em relação as causas e objetivos da Confederação do Equador, é correto afirmar que:


Principais causas:
- Forte descontentamento com centralização política imposta por D. Pedro I, presente na Constituição de 1824;
- Descontentamento com a influência portuguesa na vida política do Brasil, mesmo após a independência;
- A elite de Pernambuco havia escolhido um governador para a província: Manuel Carvalho Pais de Andrade. Porém, em 1824,
D.Pedro I indicou um governador de sua confiança para a província: Francisco Paes Barreto. Este conflito político foi o estopim da
revolta.
Objetivos da revolta
- Convocação de uma nova Assembleia Constituinte para elaboração de uma nova Constituição de caráter liberal;
- Diminuir a influência do governo federal nos assuntos políticos regionais;
- Acabar com o tráfico de escravos para o Brasil;
- Organizar forças de resistências populares contra a repressão do governo central imperial;
- Formação de um governo independente na região.

a) Qual foi o principal motivo da Confederação do Equador?


b) Quais os objetivos em comum entre a Confederação do Equador com as Revoltas Colonais?

9) Leia o poema abaixo:


"Sem grande corte na corte Que o corte é que nos faz bem,
Não se tem um bem geral; A corte é quem nos faz mal".

a) Qual a ideia central do poema?


b) De que forma ela retrata o contexto histórico estudado?
c) Elabore um desenho representando o poema e/ou o tema desta prova.