Você está na página 1de 18

Quando o individuo ta sendo gerado no útero, ele está protegido de M.

Os, vírus e agentes


externo, teoricamente ele está em um ambiente estéril. Claro que a mae pode entrar em
contato com alguns microorganismos que podem sim levar problemas durante a gestação,
mas na grande maioria dos casos a gente diz que ele está em uma ambiente estéril.

A partir do momento que ele nasce, ele entra em contato com o meio ambiente e dependo do
local, a variedade de M.Os muda(aprisco, caatinga, sistema confinado) quando ele entra em
contato com os microorganismos, ele desenvolve uma resposta.

O individuo recém nascido já nasce com algumas capacidades de debelar essas


infecções(imunidade inata), porem a imuninidade inata não se equipara a de um adulto(que já
passou por vários desafios), ela é “insuficiente”. Controla infecção microbiana em um curto
período de tempo, depende do que ele entra em contato e da resposta que já possui.
Devido ao fato de não terem essa imunidade desenvolvida, são altamente vulneráveis, até
mesmo a infecções nas primeiras semanas de vida, necessitando de auxílios externos como
anticorpos e células T.

Nasce com a imunidade inata e vai desenvolver imuninadade passiva ou ativa.

Com relação ao tipo de infecção intrauterina como de alguns vírus, microorganismos que a
mãe pode entrar em contato(toxoplasmose, diarreia viral bovina...) mesmo que a mãe não
desenvolva sintomas, mas pelo fato do feto não ter uma imunidade desenvolvida, a infecção
vai ser muito maior pra ele, podendo chegar a letalidade. Mesmo que tenha o potencial de
combater infecções, ela é pequena, sendo fraco.
Exemplo: desenvolvimento progressivo do sistema imune fetal dos bezerros: eles quando tao
no útero desenvolve alguns tipos de sistemas, células de defesa e órgãos do sistema imune.
Com 41 dias de gestação depois da concepção, ele já tem um timo funcional, o timo já
consegue desenvolver algum tipo d defesa. Já tem alguns tipos de linfócitos sanguíneos, a
medida vai aumentando, mas claro que a funcionalidade dessas células e órgãos não são iguais
a de um animal adulto ou quando ele nasce, vai ser sempre inferior. Vai ter receptores nessas
células, macrófagos, neutrófilos funcionando e o sistema complemento não totalmente
funcional. Não comparado com a de um animal adulto, tudo isso dentro do útero.

A partir do momento que a mãe entra em um processo de parto, o nivel de cortisol fetal sobe
e causa uma imunosurpressão, e nisso vai fazer com que o neonato nasça, ele fique mais
vulnerável quando nasce devido ao efeito do cortisol, com capacidade fagocítica mais
reduzida, mas varia de acordo com a resposta. Redução da capacidade fagocititica e do
sistema complemento.

No parto ocorre uma serie de mudanças hormonais, entre eles, o nível de cortisol, o feto é
expulso do corpo da mae. O cortisol quando se liga nos receptores das células, ele diminui a
sua capacidade funcional, células perdem potencia.

23:20
O animal quando exposto ao meio ambiente ele entra em contato com agentes e
microorganismos, e a partir dai ele pode desenvolver dois tipos de resposta imune.

A primaria: que é a ativa que é a qual o organismo desenvolve, nasce com a inata e quando
entra em contato com os M.Os ele desenvolve a própria imunidade, multiplicando células,
gerando anticorpos(imunidade ativa)

Imunidade passiva-aquela que é passada pra ele, normalmente da mãe para o filho, passando
o anticorpo e a célula T pronta, de acordo com o que ela entrou em contato na vida dela.

Quais a forma dela transferir:

Via transplacentária, colostro e a lactogica.

A mae entra em contato com mo.s e desenvolve seus anticorpos, células T que vão ser
transferidas em uma dessas vias para seus descendentes.
Via transplacentárias: depende da espécie e do tipo de plascente

Primatas e humanos: plascenta


Via transplacentárias: depende ad espécie e do tipo de plascente

Primatas e humanos: plascenta hemocorial: maior contato entre o feto e a mae, tem 3
camadas, e ela permite a troca de células entre a mae e o efto. Basicamente IgG, e ai as
imunoglobulinas maternas são iguais as fetais.
Carnívoros: placenta endoteliocorial: tem 4 camadas, ainda permite troca de células, mas em
menor quantidade. Chega a transferir cerca de 5 a 10% dos anticorpos da mae, principalmente
igG.

Plascenta de ruminantes: placenta sindemoscorial e suínos e equinos: placenta epiteliocorial

Essas duas plascentas tem 5 e 6 camadas e bloqueia totalmente a transferência de


imunoglobulinas da mae para o feto. Essas espécies dependem totalmente da transferência via
colostro, não recebem nada na gestação.

Transferências de imunoglobulinos:

Primatas e humanos: 100%,

Carnívoros- 5 a 10%

Ruminantes, suínos e equinos: 0 %, depende do colostro. Por conta da vascularização da


placenta, do numero de camadas...
O colostro é uma secreção produzida pela glândula mamaria horas antes do parto, ou semanas
antes do parto. É apatir do contato da mãe com microorganismos, dependente do sistema
imune da mae e da sua capacidade de transferir esses anticorpos para a glândula mamaria.
Por isso é bom ter a mae no local qual vai viver quando parir, para que o filhote tenha
anticorpos daquele local.

Ela sofre influencia de uma serie de hormônios – estrógeno e progesterona.

Sendo rico em IgG e IgA, contendo também IgM e IgE, varia conforme a espécie, e a uma
predominanancia de 65-90% de IgG, que está em menor quantidade no leite. Depois de 24h
mais ou menso depois de dar a cria e de dar colostro, ele muda a composição.

32:25 importante, tabela q não tem aqui.

Capacidade de absorver moléculas grandes(anticorpos) pelo trato gastrointestinal.

anticorpos são proteínas, porque não são absorvidas? Ao nascer as proteínas colostrais não sai
degradadas pelo intestino porque as próteses estão inativas quando o animal nasce, tendo um
prazo de algumas horas para absorver essas células de proteção.

As igm atigem a circulação sistema e os animais recém nascido atingem níveis altos de igm
materna. Existe formas de dosar essas imunoglobulinas em um pico de 24h após o nascimento,
a maioria das espécies tem que atingir o mesmo nível de anticorpos da ame e do feto, se esse
colostro for passado de forma correta. Tem que ser parecidas maternos e filhote.

Glândula mamaria produz colostro rico em anticorpos, as proteases e tripsinas estão inativas e
elas passam pelo intestino do neonato, receptores nas células epiteliais do intestino, dando
uma permeabilidade a mucosa e esses anticorpos conseguem ser absorvidos para circulação.
Cada espécie vai diferir na seletividade de absorção do intestino.
A permeabilidade vai começar a ser reduzida a partir de 6 horas em media.

Os animais que

Não tomaram colostro vai ter baixa de níveis, se receber o colostro o pico de IGs no soro
alcança o ápice em 12-24 horas.

A secreção da glândula mamaria muda gradualmente de colostro para leite.

Leite rico em IGG E IGA EM RUMINANTES E IGA EM NÃO RUMINANTES.

MENOR QUANTIDADE DE IGE E IGM(MAIS CRONICA)

MAIOR QUANTIDADE

Você também pode gostar