Você está na página 1de 147

Nota do digitalizador

Foram realizadas as seguintes alterações: a numeração das


páginas no índice, foi retirada por não corresponderem com
o original, nesta formatação. Os dados bibliográficos foram
colocados no final deste arquivo.

Ana Ferreira
AMADORA
romance

Texto da contra-capa: Se você pensava que Anais Nin, Henry


Miller c Charles Bukowsky haviam esgotado todas as maneiras de
narrar como homens e mulheres se entregam sem censura ao amor
e ao sexo, precisa conhecer Ana Ferreira. Perto dela, Anais Nin
era uma freira; Henry Miller, um frade; e Charles Bukovsky, um
sacristão. Amadora revela o que muitas mulheres queriam falar. K
o que muitos homens querem ouvir.

Texto das orelhas : Este livro narrado na primeira pessoa, de


forma livre e despudorada, nos aprisiona em suas malhas atrevidas
desde as primeiras linhas, e o resultado é que você vai lendo até o
fim, sofregamente, e aqui e ali se pergunta: mas tudo isso escrito
assim, dessa forma, por uma mulher? Mas como ela se atreve?
Com que direito descreve, descaradamente, levando às últimas
conseqüências, todas as nossas fantasias?
Pois é: Ana Ferreira, em seu primeiro livro, já nos surge
atrevida, irônica, bem humorada, amoral, dizendo muito bem a
que veio, sem qualquer autocensura e muito à vontade desde o
título, com duplo sentido: ela, a autora, admite que, em sua estréia,
pode até ser vista como uma amadora, uma iniciante nas artes,
digamos assim, das letras. Mas é também — como sua voraz
personagem, essa faminta devoradora de homens — uma amadora,
aquela que ama. E como ama! Não pode ver um ser humano que já
vai logo, bem... atacando.
Mas, atenção: não estamos aqui diante de uma mulher que
resolveu escandalizar os incautos e conservadores como uma
pornógrafa qualquer. Estamos diante de uma escritora. Uma
escritora que, já no primeiro livro, impressiona. E como
impressiona! Como Anais Nin, Henry Miller e Charles Bukowsky,
grandes mestres da literatura erótica e irreverente, Ana Ferreira
chegou para ficar.
Luiz Fernando Emediato EDITOR

***
ANA FERREIRA
nasceu em Ribeirão
Preto e vive atualmente
em São Paulo. É
dramaturga e faz
roteiros para televisão.
Amadora é seu
primeiro livro.

***

“Os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram


belas e tomaram como mulheres todas as que lhes
agradaram. Deus disse: “Meu espírito não se
responsabilizará indefinidamente pelo homem, pois ele é
carne; não viverá mais que cento e vinte anos”. Ora, naquele
tempo (e também depois), quando os filhos de Deus se
uniam às filhas dos homens e estas lhes davam filhos, os
Nefilim habitaram sobre a terra; estes homens famosos
foram os heróis dos tempos antigos. ”

Gênesis 6:1 - 4
ÍNDICE

ELE
DON JUAN
A PASTA AMARELA
O DESPERTAR
ESTRÉIA!
UM ACIDENTE DE PERCURSO
PIETA
O ILUSIONISTA
ELA
FLECHADOS
SEM NOME
MEU HOMEM DE DEUS
FLAGRA
O HOMEM CAVALO
LUIZ
TEDDY BEAR
GRANDE CAUSA
O VIZINHO
FURTA-COR
O PRINCIPE DA NOITE
AMOR ENCANTADO
A PASTA VERMELHA
MEUS IRMÃOS
FINAL PRATICAMENTE FELIZ
ELE
— Nicole Kidman ou Demi Moore?
— O quê?
— Qual das duas você escolheria?
— Pra?
— Pra uma noite de amor... ou manhã, tarde...
— As duas me querem...?
— Estão loucas por você.
— E eu tenho que escolher uma...
— Quem você prefere?
— Nicole Kidman ou Demi Moore?
— Qual delas?
— Nicole Kidman.
— Certo. Juliette Binoche ou Winona Ryder?
— Hum... Juliette Binoche.
— Mira Sorvino ou Julia Roberts?
— Mira Sorvino.
— Madonna ou Sharon Stone?
— Madonna.
— Kate Moss ou Gisele Bündchen?
— Kate Moss.
— Sou muito mais a Gisele Bündchen.
— Prefiro a Kate Moss.
— A Laura parece um pouco com ela...
— Você acha?!
— Ela acha...
— Nada a ver. Tom Cruise ou Keanu Reeves?
— Você responde!
— Não, agora é sua vez... Tom Cruise ou Keanu Reeves?
— Eu comecei...
— Vai, Tom Cruise ou Keanu Reeves?
— Keanu Reeves.
— Brad Pitt ou Johnny Depp?
— Johnny Depp.
— Bruce Willis ou Antonio Banderas?
— Bruce Willis!
— Lenny Kravitz ou Maxwell?
— Os dois.
— Um só.
— Kravitz.
— Raí ou Euller?
— Não sei quem é Euller...
— O Filho do Vento!
— Que filho de quem?
— O Euller do Palmeiras, o Filho do Vento, ele corre
muito...
— Fecho no Raí.
— Mike Tyson ou Hollyfield?
— Mike Tyson.
— Woody Allen ou Steven Spielberg?
— Woody Allen.
— Bob Dylan ou Bob Marley?
— Eu não lembro a cara... Bob Dylan, acho...
— Bill Clinton ou Bill Gates?
— Clinton.
— Principe Charles ou Fidel Castro?
— Nenhum.
— Tem que escolher um, se não escolher vai ser
estuprada pelos dois.
— Fidel, então...
— Maluf ou Suplicy?
— Suplicy, mil vezes.
— Toni Ramos ou Vera Fischer?
— Vera Fischer.
— Angela!!
— Você perguntou, eu respondi...
— Ulisses ou o Flávio?
— Amigo não vale.
— Vale sim. Ulisses ou Flávio?
— Dá então pra escolher uns melhores?
— Uns melhores?! Alexandre...?
— Nunca! Chega de vinho.
— E o André?
— Cansei dessa brincadeira...
— Idéia sua. Alexandre ou André?
— Você.
Ele Finge que não ouviu. Desenha uma estrela no canto
do bloquinho da Varig...
— Fora a Laura, quem mais você amou?
— Por quê...?
— Curiosidade!
— Só amei você.
— Mentiroso. Fala do seu primeiro amor...
— Já falei.
— Então o segundo...
— Não lembro.
— Uma que você só comeu...
— De jeito nenhum.
— Adoro histórias de sedução.
— Então lê um romance, assiste a um filme...
— Eu te falo cada cara que eu tive...
Ele olha pra porta, cruza os braços.
— Já sei o suficiente, não quero saber mais nada. Isso não
me excita.
— Não parece, pelo volume na sua calça...
— E o meu pau.
— Tive um namorado que só me dava presentes que
alimentavam a minha fantasia...
— Olha só que interessante!
— E eu morria de tesão imaginando outras mulheres com
ele...
— Me poupe, eu não quero saber.
— Adoro você!
— Adoro você...
— O último antes de você foi o maior de todos os meus
grandes enganos, foi muito engraçado... nomes ou
codinomes!?
— Fica a seu critério.
— Eu não tenho critério.
— Isso me irrita.
Anda em direção à porta. Recua. Segura o meu rosto e me
beija infinito com a certeza de que dali para a cama é só
alguns passos... Avanço.
— Eu adoraria saber cada segundo da sua existência.
— Prefiro as possibilidades desse momento, tanta coisa
pra descobrir...
Ele me arrebata num amasso sem saída e se esfrega em
mim de um jeito que não tem mais como parar.
— Codinomes, é melhor.
— Nomes, eu prefiro, me sinto menos otário. Quem foi o
último babaca que te comeu...? Manda...
— Você conhece.
— Fala logo.
— André.
— Caralho! Você deu pro André!?
— Foi antes de você. Foi muito engraçado...
— Engraçado!?
— É, e foi antes...
— Tudo bem, desculpa.
Ele levanta e se olha no espelho.
— Quanto antes?
— Umas duas semanas...
— Caralho!!
Mete as mãos nos bolsos da calça.
— Tudo bem... Quem mais?!
— Ninguém, esquece.
— Não, fala! E manda logo de cara a mais hard que é pra
eu já ficar bem conformado.
— Amores passam... bobagem.
— Amores?! Foi um amor o André?
— Amores, paixões, acidentes de percurso...
— Chega.
Ele senta na cama e tira a minha blusa, lambe os meus
mamilos...
— Tem uns caras que eu lembro tudo, outros mais ou
menos, acho que confundo alguns...
— Não quero saber.
— Tem gente que eu lembro o cheiro, o gosto...
— Pára.
Ele tira a minha calcinha.

DON JUAN
Só sei falar de amor.
Acordei com uma música que eu não conhecia. Na
verdade não sei se acordei com a música ou se era a trilha do
meu sonho. Não lembro o sonho, mas acordei amando... era
uma música de amor e ele surge no branco do teto do meu
quarto. E ele tocando pra mim. Don Juan em busca da
mulher ideal, e ela era eu.
Existe uma grande diferença entre sedutores e galinhas,
tenho uma teoria e pretendo fazer uma tese a respeito. O
galinha quer comer todas, o sedutor quer encontrar a amada.
O galinha busca quantidade; o sedutor, qualidade. O sedutor
é romântico, o galinha é sacaninha. O sedutor é verdadeiro,
profundo... Don Juan é um sedutor. Vou chamá-lo de Don
Juan. Ele sempre trazia uma rosa roubada do vaso da casa da
mãe, da empresa... nunca perguntei de onde vinham as rosas,
mas sei que eram roubadas. Antes do sexo sempre um
passeio marcante, ele queria ser marcante e era, é, será,
seria... No nosso primeiro encontro íntimo, eu usava uma
calcinha azul, nada intencional, se soubesse que ia dar pra
ele naquele dia teria optado por uma preta, branca... Era uma
calcinha azul básica de algodão meio velha que eu roubei da
Verônica e ele adorou.
— Você é linda só com essa calcinha azul...
— Tenho outras cores...
— Prefiro sem.
— Vem...
Tirei a azul e ele me degustou. Me torturava de prazer até
eu implorar uma penetração.
— Eu quero...
— Calma...
— Por favor!
— Espera um pouco...
— Eu quero agora!
Eu ficava num estado de agonia e euforia que se ele não
fizesse logo, acho que eu entrava em surto. Aí ele me
penetrava calmamente, até o fim, preenchia tudo, inteiro. E
se desenrolava a nossa sinfonia erótica... Andante tranqüilo,
allegro moderato, galope infernal...
Sempre acho que falei demais.
Não lembro exatamente quando nos vimos pela primeira
vez, ele me diria que foi numa Sexta-feira da Paixão, no
restaurante perto da rádio. Eu trabalhava numa rádio, era
diretora de um programa de variedades e bolava quase tudo;
tinha dicas de beleza, moda, horóscopo, e tinha um espaço
onde eram lidas histórias de amor que os ouvintes
mandavam. A gente dava um trato na narrativa, floreava um
pouco a trama e uma moça estranhérrima; mas de voz muito
sensual, lia as histórias meladas com uma interpretação
gélida e envolvente. Era o máximo esse programa,”Sol a
Pino” era o nome, de segunda a sexta, de meio— dia às duas
da tarde. Salário razoável.
Eu preferia almoçar depois do programa, sem
preocupações sem solicitações... Muito aconchegante o
restaurante perto da rádio, uma mistura de francês com
italiano e tinha ótimas saladas. Quando eu chegava, ele
estava saindo, pelo menos umas duas vezes por semana a
gente se topava, eu na entrada, ele na sobremesa. Sozinho ou
com uma morena de cabelo curto ou com uma loura chanel
ou com um cara de cavanhaque. Eu também variava a
companhia, Lurdinha, André, Eugênia, Vicente... sempre
tinha um faminto ou um louco por conversa fiada nos
corredores da rádio, mas não naquele dia. Ele também só, no
lugar do prato, um grande livro aberto.
Sento na minha mesa próxima à janela, ele levanta os
olhos e pede a conta pro mesmo garçom que anotou o meu
pedido, depois volta para o livro, lindo... eu achava,
Lurdinha achava um horror e falava que ele tinha jeito de ser
um puta galinha... Eu sabia que era um sedutor. Don Juan.
Ele olhava para as mulheres, gostava das mulheres, mas
comigo era diferente, eu era especial.
Calor tropical. O restaurante não tinha ar condicionado.
Os ventiladores levantavam a toalha de duas mesas, a dele
era uma das premiadas e pude ver que ele usava uma
bermuda. Que joelhos! Enlouqueci com os joelhos daquele
homem... nunca imaginei que um par de joelhos pudesse
alterar a minha pressão sangüínea daquele jeito. Mudei o
foco: o livro. Tentei ver o título e nesse momento ele o
fechou sem marcar a página. Fiquei sem graça, mas pude
ler”A Divina Comédia”. Eu tinha esse livro em casa, e pela
capa poderia ser a mesma edição. Chega o meu prato e a
conta dele. Preenche o cheque e não se levanta. Começo a
comer, ele não levanta. Quero olhar pra ele, mas me limito
ao quadro na parede, uma cópia; que falha seria esquecer de
mencionar o quase-beijo de Paolo e Francesca, ela com um
livro aberto e os olhos baixos, a meio segundo de ser beijada
por seu amado e proibido cunhado Paolo... Todos os dias,
quando eu via esse quadro, pelo menos por uma fração de
segundo, eu lembrava dos dois irmãos que amei. Nicolau e
Nicodemos. Mais o Nicodemos. Ele não se levanta.
Na”Divina Comédia”, Dante encontra— se com
Francesca no inferno, claro. É isso! Ele quer um gancho pra
se aproximar, vai comentar o quadro, o livro... Aplico uma
visão lateral, parece que ele me olha, fico esperta com o
passeio dos meus olhos pelas paredes, pessoas, mesas,
cadeiras, porta, pratos, joelhos, ele. Desvio. Meu Deus! Ele
contemplava o meu almoço como se fosse um quadro.
Francesca da Rimini — by Wílliam Dyce — à minha direita.
Cada mastigada era um suplício com aquele homem me
observando... Virei a Coca-Cola e veio a idéia que me
deixaria com uma fantástica ação paralela: o roteiro do
programa. Pego o calhamaço, finjo que leio, faço umas
anotações totalmente sem sentido e ele não se levanta. Me
encorajo e encaro. Ele me olhava com meio— sorriso... Ele
levanta. Eu suspiro.
— Posso sentar?
— Pode, se antes disser por que ficou me olhando assim...
— Vontade de te conhecer, desculpe.
— Pensei que estivesse me confundindo com alguém.
— De jeito nenhum, você é inconfundível.
Inconfundível era aquele par de joelhos. Eu deixo uma
lacuna, ele segue seguro...
— Te vejo sempre aqui. Já sei que você trabalha na rádio,
almoço ouvindo o seu programa, todos aqui ouvem.
— E, eu sei, ouvintes fiéis.
— É muito divertido. Inteligente, bem— humorado... vou
mandar uma história de amor.
— Pode entregar diretamente pra mim.
— Não, mando pelo correio, um dia...
Formal. Ele levanta e me estende a mão.
— Foi um grande prazer conhecer você.
— Prazer.
Dou uma última olhada nos joelhos, ele pega o livro e vai.
“A Divina Comédia”. Procurei, um por um, umas três ou
quatro vezes e não encontrei. Eu tinha a certeza de ter aquele
livro em casa. Quantas vezes o folheei, revirando os trechos
do inferno... o encontro de Dante com Francesca, condenada
pelo amor... Nicolau e Nicodemos. Sentia— me meio
Francesca quando namorei os irmãos. Um dia eu conto pra
Don Juan, tudo eu contaria pra ele... eu pensava enquanto
procurava o livro. Amei os dois. Nicolau foi o traído.
Nicodemos era o Paolo. Eu já tive um Romeu, um James
Bond, Che Guevara, Kung-fu, Don Juan...”A Divina
Comédia”. Na casa da minha mãe também não estava, nem
com meus irmãos. Pensei em ligar para alguns amigos que
teriam livros meus, mas é um sacrifício tão grande cobrar
livros emprestados... Quem pegou que tenha a iniciativa de
devolver. Sei que humanos estão sujeitos a falhas, os Nefilim
também, até os anjos erram... Notei vários volumes alheios
em minhas prateleiras... e um par de joelhos é só um par de
joelhos.
Don Juan passou a fazer parte da minha história com
muita sutileza. Moço cauteloso, certos seres não agem na
pressa. Banho— ma— ria. Foi impecável com os meus
colegas de trabalho, comentava o programa, dava uns
palpites redondos pra me impressionar e nunca mais
apareceu com a morena de cabelos curtos, nem com a loira
chanel. Lurdinha mudou de opinião à respeito dele que de
galinha passou a bem interessante... Eu estava encantada,
especialmente depois da canja que ele deu no piano do
restaurante. Uma música de amor... Meu imaginário foi a mil
e ele sumiu. Desapareceu. Um mês. Pergunto ao garçom. —
Ele sempre viaja... — Explicado o sumiço. — Ele esqueceu
um livro em cima do piano. — O garçom ainda informa. O
elo. Quem sabe se entre as páginas ele não teria deixado um
contato, uma pista... Claro! Pedi o livro ao garçom amigo.
Pois não... O meu livro! O meu livro da minha mãe!
Minhas pernas bambeiam. Sento. Logo na contracapa, a
estrela de cinco pontas que minha mãe desenhava em todos
os volumes como marca registrada. Virei as páginas. Na 119
tinha um marcador lilás e na página 357, um cartão de
empresa com o nome do pai dele, Miguel Fonseca —
presidente. Como ele teria o meu livro? Quem era aquele
cara? Segurei o braço do garçom, disse que era um livro
muito importante e que estaria mais seguro em casa. Ele
concordou imediatamente. Ouvinte fiel.
Passei o dia supondo... Ele provavelmente me seguiu e
invadiu o meu apartamento....nunca confiei no sistema de
segurança do prédio... pode ter entrado como entregador de
pizza, encanador, eletricista, qualquer coisa... Ficou
escondido me observando entre frestas, babaca. Me ouviu
falando sozinha, observou meu sono... sempre durmo nua...
Ou ele pode ter vindo a alguma festa em casa... impossível,
eu o teria notado... Emprestei esse livro e emprestaram a
ele... não... esqueci em algum lugar, alguém achou e vendeu
pra um sebo e ele comprou... Tanta coisa poderia ser...
Fiquei muito intrigada, isso me consumiu horas em
elucubrações. Acabei recuperando alguns volumes
emprestados há séculos, no entanto não localizei”A Divina
Comédia” com nenhum dos meus amigos. Só poderia ser o
meu livro. Da minha mãe, na verdade. Fiquei na espera. Don
Juan apareceria e desvendaria o mistério. Ele era familiar, se
parecia com alguém... tinha um ar de celebridade, de mito...
e eu precisava rever os joelhos.

Duas assistentes me ajudavam na seleção das histórias de


amor. Cerca de cento e cinqüenta cartas diariamente, as
histórias mais absurdas da face da terra. As de caligrafia
ininteligível e as pornográficas eram as primeiras a serem
descartadas por minhas assistentes, mas eu fazia questão de
conferir uma por uma... meus anos decifrando os sonhos que
a minha mãe escrevia no escuro me deixaram apta a entender
até receita médica, e aconteceu de umas vezes elas deixarem
passar algumas pérolas.
Olho para os dois montes de cartas sobre minha mesa.
Opto por conferir primeiro as descartadas. Encontro algumas
histórias razoáveis e outras duas que chamam a minha
atenção por terem a mesma caligrafia e mesmo início.
“Eles se conheciam de alguma outra vida, se outra vida
existiu. E tinham um pacto, se reconheceriam. Ele a
encontraria numa Sexta-feira da Paixão. Quando ela entrou
naquele pequeno restaurante, ele sentiu que ganhava o
maior presente de sua vida: a amada... ”
Entre as selecionadas, encontro uma terceira carta com a
mesma letra e exatamente o mesmo início das que minhas
assistentes consideraram lixo. Obviamente aquelas três
histórias foram escritas e enviadas pela mesma pessoa. O
primeiro parágrafo era igual nas três, depois tudo mudava.
Resumindo:
Na primeira, eles se apaixonam, se casam e passam a vida
juntos numa casa cor-de-rosa.
Na segunda versão, eles apenas se olham, passam a vida
se olhando e só na velhice se dão conta que a caravana
passou...
Na terceira, saem do restaurante, passam uma intensa
noite juntos e nunca mais se encontram.
Era ele o autor. Don Juan. Certeza.
Minhas assistentes selecionaram a terceira versão
deduzindo que as duas descartadas fossem cópias. Alguns
participantes mandavam a mesma história em duas ou três
vias. Ficou claro que elas leram somente o início das cartas.
Eu só poderia escolher a primeira versão.
Entrei no restaurante esbaforida e ele estava na minha
mesa. Lindo. Sorri e me sentei. Ele me deu uma rosa (até
hoje guardo as pétalas). Conversamos a vida e ele não
desvendou o mistério do livro, disse que o pegou na
biblioteca da casa do pai dele e não deu a mínima pra
coincidência do desenho da estrela de cinco pontas na
contracapa, — Todo mundo desenha estrela. — foi o breve
comentário — ... estrela, coração, quadrado, florzinha... —
complementou. Porra. Não era uma simples coincidência...
Que decepção. Eu esperava um relato heróico, uma descrição
minuciosa da estratégia pra obter o meu livro... Nada.
Também pensei que ele fosse comentar o quadro do
restaurante e o encontro de Dante com Francesca no inferno
da”Divina Comédia”... Nada. Talvez ele ainda nem tivesse
chegado nesse setor do inferno, talvez nem soubesse quem
era o casal do quadro. Sou uma tonta que conecta tudo,
sempre acabo encontrando uma relação para os fatos... E que
o panorama me fez crer que ele estava jogando comigo; tudo
planejado, cartas do destino cuidadosamente estudadas e
embaralhadas por ele; o quadro, o livro, o silêncio... Nada.
Será que ele conhece o Nicolau? E Nicodemos? O mundo é
pequeno e nele só existem dezessete pessoas... Nada. Nada
importava, não fazia a menor diferença, eu queria vê— lo e
ele estava ali... Eu queria tanto... Não fizemos amor naquela
noite, mas nos beijamos e nos abraçamos de todas as
maneiras cabíveis dentro de um carro. Na manhã seguinte
Don Juan liga pedindo o livro e eu engasgo quando ele diz
que está na portaria do meu prédio.
— Sobe.
Engasgada, abri a porta. Ele não entendeu. Eu estava sem
fôlego e as lágrimas escorriam, mas não era choro. Ele
entendeu. Bateu nas minhas costas, levantou minha cabeça e
meus braços, tudo fez pra me salvar do acesso provocado
pelo pedaço de bolo engolido errado. Fui aos poucos me
recuperando e bebi um copo d’água.
— Passou?
— Passou.
— Tá bem mesmo?
— Passou... pensei que fosse morrer... Engasguei com o
bolo... quer um pedaço?
— Não, obrigado...
— Desculpa... Que recepção...
— Não agüentei, eu precisava te ver.
— Quer um suco, um café?
— Quero você.
Ele me beijou com urgência, não dava mais pra segurar.
— A gente vai ter que transar...
— Assim...?!
— Se a gente não transar isso não vai passar e vai ficar
cada vez pior.
Ele tinha toda razão. Da cozinha diretamente para o
quarto. Ele tirou a roupa dele e eu tirei a minha e eu usava a
calcinha azul. Virilidade encarnada. O pau ereto, vibrante,
meu, na minha mão, bom de segurar... A penetração era um
momento muito delicado e explorado e ficávamos na mesma
posição até esgotarmos todas as possibilidades que cada uma
proporcionava. Geralmente a gente começava de frente,
olhos nos olhos... O rosto dele me penetrando era singular; a
boca entreaberta, pálpebras semicerradas... em nenhuma
outra situação ele teria aquela expressão. Suspiro. Ele
gostava quando eu ficava por cima e cavalgava... Andante
tranqüilo, allegro moderato, galope infernal... Eu adorava
ficar de quatro e ele mordendo a minha nuca. Era quase
sempre essa a nossa posição final, triunfal, a posição animal,
e os dentes dele cravados no meu cangote! Eu me sentia
meio loba ou leoa... mas já fui anta uma vez e logo na
seqüência ele disse que ficaria dois meses fora do país. Ele
tocava os negócios do pai em Miami e vivia dividido, muito
mais lá. Nos últimos tempos, ficava no máximo uma semana
e ia embora... Mas me ligava todos os dias, de onde estivesse
ele me ligava e era só amor. Não me interessava mudar pra
Miami, mas achei que era hora de passar uns tempos com ele
e pedi umas férias na rádio.
— Pedi férias na rádio...
— Cansada?
— Não é cansaço, eu queria passar uns tempos com você
em Miami.
— Você disse que não gosta de Miami.
— Mas eu gosto de você...
— Lá eu não tenho tempo pra te dar atenção, ainda mais
agora...
— Abre o jogo, você está com alguém por lá.
— Não é bem assim...
— Fala!
— Eu tenho a minha vida.
— E essa sua vida envolve mais alguém.
Ele não respondeu à minha afirmativa. Nem precisou.
Levantei, falei que ia ao toalete e saí do restaurante pela
lateral. Não olhei para trás. Parei um táxi e fui pra casa.
Quando entrei, o telefone tocava insistente, deixei a
secretária atender... Era Don Juan e eu não era a mulher
ideal. Baixei o volume pra não ouvir o recado, peguei a
chave do carro e me enfurnei no sítio de uma amiga a 50 km
da cidade, até a hora do embarque dele.
O pedido de férias pegou mal na rádio e a chefia decidiu
acabar com o programa. Acho que foi melhor. Aproveitei a
deixa e peitei uma reviravolta na vida. Mudei pro oeste da
cidade, pintei o cabelo de loiro dourado, comprei uma cama
nova e me matriculei num curso de fotografia e num de
Street dance. Não apareci mais no restaurante. Quase morri
de amor. Passei meses chorando de saudade. Doeu.
Don Juan só conseguiu me localizar uns três anos depois.
Viu meu nome nos créditos da revista onde eu estava
trabalhando e ligou. É claro que tive um enorme desejo de ir
correndo ao seu encontro. Eu ainda nem intuia o porquê, mas
segurei o impulso e disse que estava casada e quem sabe um
dia... Não consegui encontrar nenhum motivo terreno pra
justificar minha atitude; eu já tinha vivido todo tipo de
situação... fui traída, traí, sofri calada, dei vexame, ganhei e
perdi batalhas amorosas, mas com Don Juan, optei por
simplesmente me retirar. Pressenti que nós dois não
podíamos... E ainda não sei tudo sobre”A Divina Comédia”,
que voltou para a minha biblioteca.

A PASTA AMARELA

Não me resumo a uma dama do erotismo, uma oradora


sexual, não, eu sou romântica, sentimental, amadora...
Descobri que a minha missão neste mundo é amar, minha
grande experiência de vida é o amor e o amor é mais que
tudo, é a bênção maior, é divino, portanto minha existência
já vale alguma coisa. Além de filha de Deus, também sou
neta Dele, legítima. Não gosto dessa história de justificar a
personalidade de alguém se apoiando no meio ambiente ou
na genética, mas no meu caso é diferente, para me entender é
imprescindível conhecer minha origem.
Cresci com velas derretendo pela casa e lágrimas
encharcando o rosto da minha mãe. Ela me abraçava forte
como nos filmes, me beijava e olhava no fundo dos meus
olhos como se pudesse de alguma forma resgatar os olhos do
meu pai, seu eterno amado.
Raramente a história que nos contam é a real, segredos de
família sempre existiram e vão existir em todo lugar. Você
pode jamais saber, mas seus genitores seguramente
escondem alguma coisa a sete mil chaves.
Sempre soube que meus irmãos e eu não éramos filhos do
mesmo pai. Mamãe contava que meu pai era muito, muito
diferente... Ele é um anjo. Na minha certidão de nascimento,
no lugar do nome do pai, tem uma inscrição, escrita angélica,
composta por: traço, xis, traço, xis, traço.

***

Como todos os Nefilim, fui gestada em apenas três meses,


era o que minha mãe me dizia, e dizia isso pra quem ousasse
perguntar quem era o pai da menina...
“Anjos tem sexo sim, e o que eu amei era muito mais
homem do que qualquer outro... Os Nefilim são os filhos
dos anjos com humanos, a gestação é mais rápida
mesmo... Deus me deu este presente. A Bíblia fala dos
Nefilim... ”
As más línguas diziam que mamãe tanto apertou a barriga
que conseguiu esconder a gravidez até o sexto mês. Línguas
malditas... E não pensa que eu falo essas coisas só pra dar
uma mitificada na sacanagem, longe disso. É a minha
história, e inventada ou não, é o que me foi passado: meu pai
é um anjo.
Dediquei um tempo da minha vida pesquisando os
Nefilim. Consultei livros, filmes, entrevistei padres, pastores,
até com um cardeal eu falei. Na verdade ninguém sabia
muita coisa sobre os supostos gigantes que habitaram,
dominaram e corromperam a Terra antes do dilúvio.”Os
filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram belas e
tomaram como mulheres todas as que lhes agradaram. ” Os
espertos se encantaram com as lindas, elas gostaram do sexo
dos anjos e geraram uma nova raça: os Nefilim. Libidinosos,
temidos, poderosos, frutos do amor entre os filhos dos Céus
e as beldades terrenas.
Sou mais alta que minha mãe, mas estou longe de ser
gigante, a não ser na coragem e no apetite sexual. Talvez...
Segundo minhas pesquisas, mamãe não tinha noção do que
seria ter um Nefilim em casa, mas tinha resposta pra tudo e
disse que eu era de um tipo refinado, evoluído... ela enchia a
minha bola. E só quando as minhas amigas começaram a me
chamar de mentirosa, mamãe revela que meu pai morrera
num acidente, pouco antes do meu nascimento. Era anjo,
Deus chamou. Eu nunca o conheci, mas sei de cada detalhe
da curta e louca história deles. Prato cheio pros românticos,
psicólogos... Até os teólogos se interessariam.

Mamãe era linda! Já tinha meus dois meio— irmãos e o


marido a havia trocado pela secretária só porque ela não
gostava de sexo anal. Foi o fim, mamãe chorou muito,
perdeu a fome, mas depois de duas semanas de separação já
agradecia a Deus por ter tirado da vida dela aquele tarado
traidor. Ele tentou voltar algumas dezenas de vezes, pediu
desculpas, implorou, mandou flor, deu anel, disse que só
faria sexo convencional... mas ela não quis, estava com”o
coração fechado para reforma e o corpo travado para
qualquer toque”. Li tudo isso numa longa carta que ela
nunca mandou pro meu pai, ficava junto com outras cartas e
um caderno de anotações, numa pasta amarela, em cima do
armário, sob uma mala cheia de roupas de inverno. Eu
achava excitante saber a intimidade da minha mãe, divagava
olhando pra ela. Imaginava as cenas relatadas, os sonhos que
ela escrevia na madrugada... Ela não gostava quando eu a
olhava daquele jeito. Daquele jeito era lembrando da pasta
amarela. Até hoje ainda sei muitos trechos de cor...
“Eu me sentia tão longe do amor e você me tocou, senti
meu corpo febril... me beijou e me arrebatou, e as suas
mãos deslizaram... seios, ventre, sexo...”
Quando achei a pasta, não acreditei. Minha mãe escreveu
seios, ventre, sexo... O ventre tudo bem, mas seios e sexo...
Sexo! Eu tinha medo de falar sexo, a palavra sexo soava
estranha, proibida... Sexo. A leitura interessou. Muitas coisas
sobre ela e o meu pai, a história deles. Sexo.
Tudo começou no cinema. Chovia torrentes e o bairro
ficou sem luz. O filme parou quase no fim. Minha mãe tinha
uma lanterninha de leitura e ajudou a iluminar o caminho da
pequena platéia, que em poucos minutos cansou do blecaute.
“A grande sala parecia vazia, percorri todo o espaço com
a luz pouca da lanterna e ele surgiu no breu, eu o via
sempre, a cada novo filme... Não tínhamos nenhum tipo de
relacionamento, mas nos víamos com certa freqüência, nos
olhávamos... passamos a nos cumprimentar e, depois de um
tempo, conversamos algumas vezes na porta do cinema,
comentando o roteiro, o desfecho, os truques de filmagem...
Ele segurava minhas mãos enquanto falava comigo. Fora do
cinema só nos víamos em sonhos... Naquele dia ele veio
decidido a enfrentar a fúria dos deuses. Era a primeira vez
que estávamos só nós dois naquela imensa sala de projeção!
Ele segurou a minha mão. Tentamos adivinhar o final do
filme e eu, sem mais nem menos, comecei a chorar. Chorei
muito e inexplicavelmente. Como pode, num primeiro
encontro romântico alguém chorar daquele jeito...? Lancei a
culpa na lua cheia e chorei por todos os amores impossíveis
ou ameaçados. ”
Era só o trailler...
“Saímos do cinema e andamos abraçados pelo centro
velho da cidade...”
A cada Quarta-feira um novo filme de amor. Eles se viam
às quartas-feiras.
“Qual seria o nosso destino? Perguntas e descobertas
desfilavam na minha cabeça... Amor sem pressa, no
entanto urgente, nenhum dos dois entendia o porquê de
tantos suspiros, eu só sentia que há muito tempo te
conhecia e que juntos para sempre nós iríamos ficar, em
algum lugar...”
Diz a carta que eles foram pro Caribe. Minha mãe nunca
conheceu o Caribe. Desconfio que seja o nome de algum
hotel, motel, pousada...
“...e fomos para o Caribe. Poderíamos gritar de alegria!
E ele me amou como nenhum homem nunca tinha feito... e
passamos a noite inteira descobrindo o mundo em cada
sensação... Olhos abertos, olhos nos olhos só para ter
certeza, o tempo todo, que éramos nós dois ali. Meu anjo
e eu. Você e eu... Amor. ”
Isso nunca tinha acontecido e jamais se repetiria.
“... tirou a minha roupa e disse que eu era exatamente
como você imaginava... Minha calcinha na altura dos
joelhos não me deixava abrir as pernas direito e eu
terminei de tirá-la usando o calcanhar. Me beijou inteira,
e seus dedos firmes tocaram a minha intimidade até me
inundar de desejo... Mergulhou nos meus olhos e entrou
em mim... Fizemos um amor intenso como só os deuses
são capazes. Alinhamos os planetas... Movimentos
precisos, umidade, unidade, orgasmos... E uma única vez
valeria mais que toda uma eternidade sem provar o seu
amor...”
Tudo isso ela escreveu, tá tudo guardado na pasta
amarela. A minha mãe!
Um detalhe: ela descreve os acontecimentos se referindo
ao seu amado, tanto na segunda quanto na terceira pessoa,
“você” e “ele” são o mesmo: meu pai. O homem e o anjo.
Passei a vida imaginando aquela noite intensa, aquele
amor único que poucos no mundo têm a bênção de
experimentar...
“Nunca mais! Como pode meu Deus!? Meu grande amor
ir embora assim... Como épossível o Deus que é amor
acabar com uma história tão única? Como pode fazer
isso com a gente? Nunca mais o seu olhar, o seu rosto, a
sua mão na minha mão, nossas longas conversas, suas
palavras. Como viver sem seus beijos, seu sorriso, nosso
sexo... Acabou Quarta-feira, você nunca mais, saiu de
cartaz.”
Era um filme de amor que não cabia, não podia neste
cinema. O mais incrível é que os protagonistas não pararam
por aí, continuaram se encontrando nos sonhos de minha
mãe. Alguns ela escreveu meio dormindo e no escuro, pela
caligrafia torta como as linhas de Deus, noutros parece bem
acordada; boa letra, parágrafos, parênteses, datados, com
horário, observações, relações com fatos cotidianos e o
escambau. Muitos sonhos. Erotismo, medo, prazeres, culpas,
desculpas e descobertas, descrições completas do que eles
viveram entre o Céu e a Terra.
“Acordei feliz e molhada, sonhei com o meu anjo... Era
uma festa, numa fazenda. Eu saí da casa, fiquei olhando
as estrelas e surge ele, falando que as abelhas tinham
descoberto um novo jeito de fazer mel. Alguém se
aproximava, aproveitamos o escuro e nos refugiamos
numa espécie de estábulo. Ouvimos vozes por perto,
muitas vozes, cada vez mais, como se a festa estivesse se
deslocando... Falavam muito e alto e nós fizemos tudo
silenciosamente, golpeando o escuro e adivinhando cada
pedaço de nós... Ele levantou a minha saia, afastou a
minha calcinha (como no sonho do avião) e me fincou
sua espada gloriosa. Em todos os sonhos, no momento
que ele me penetra, eu sinto fisicamente...”
Tem muitos sonhos anotados, aos poucos eu vou
citando... Coisas incríveis. Depois do meu pai, nunca mais
teve outro homem. Verdade. Surgiram vários pretendentes,
mas ela não se interessou por mais ninguém, dizia já ter
conhecido o seu grande amor e é bem provável que as cenas
vividas nos sonhos a satisfizessem muito mais que o simples
contato físico com um reles mortal. Fica claro numa das
anotações que na vida acordada ela também tinha tesão, seu
corpo continuava sentindo desejos, ela cita alguns homens
que chamaram a sua atenção, mas era tão forte a
determinação em não ser de mais ninguém, que esses desejos
carnais eram logo dissipados e recompensados quando ela
deitava a cabeça no travesseiro.
Seria muito triste se Deus não existisse.
E eu nasci com os olhos do meu pai e com a intensidade
de um amor eterno e avassalador. E eu sinto esse amor o
tempo todo, todo amor que houve além deste mundo. É por
isso que eu sou assim, não querendo me justificar.

O DESPERTAR
Nunca lembro dos meus romances em ordem cronológica,
já fiz várias tentativas de regressão amorosa, mas sempre
desisto no meio. Aliás, acho que o começo mesmo seria uma
descrição das sensações intra— uterinas, mas sinceramente
nem uma Nefilim consegue lembrar tempos tão remotos. E
pensar que todo mundo surgiu de uma trepada... sempre
penso nisso quando olho as pessoas... todos existem porque o
pai e a mãe treparam, os cachorros também, cachorro, gato,
mosquito, tudo é conseqüência de um fuck.
Da infância, lembro vagamente de umas cenas com
primos e até com os meus irmãos, essas coisas de comparar o
sexo... Na verdade vêm só uns flashs e é bobagem tentar
contar, mesmo porque nada tem de relevante, coisa de
criança. Agora, consciente mesmo, sabendo o que estava
fazendo e querendo, eu lembro bem, foi logo que eu descobri
a pasta amarela da minha mãe. Foi um começo meio lésbico
o meu, mas não era só eu, acho que todas as meninas se
beijavam, normal. Eu beijava mesmo, beijei quatro da minha
rua. Comecei pela Fernanda. Os meninos eram muito débeis
com suas bolas e figurinhas e eu queria brincar... Fernanda
topou. E só imaginar algum ator do cinema ou da televisão,
eu sugeri. Ela imaginou. Eu preferia alguém mais próximo,
mais palpável... Secretamente escolhi o pai de Daniel. Fiquei
mais de cinco anos roçando a minha língua na inventada
língua dele, até que comprei um manual de hipnose e decidi
abordá-lo. Ele era dentista, o consultório logo na esquina de
baixo.

Quase noite, sexta— feira. Esperei a assistente dele sair e


entrei no consultório tremendo. Já tinha trocado toda a
dentição, mas por sorte um dente de leite custava a cair: o
canino superior direito.
— Esse dente não cai... o outro já nasceu torto...
— Não precisa ter pressa, ele vai cair.
— Eu preferia arrancar logo...
— Vamos marcar um horário, pede pra sua mãe ligar
amanhã...
— Não pode ser agora?
— Minha assistente já foi embora.
— Esse dente me incomoda... Por favor, dá só uma
olhada...
Ele sorriu. Eu prontamente me sentei naquela excitante
cadeira
e abri a boca.
— Dentes perfeitos. Você não vai ter nenhum problema
com esse canino atrasado.
Eu sabia que ele me achava linda... meus peitinhos já se
faziam notar e eu fiz questão de vestir uma Hering branca
bem justa e uma saia curta que, deitada, daria pra ver a
calcinha. E ele com dois dedos dentro da minha boca...
Revirei os olhos e chupei os dedos grossos daquele homem
todo de branco. No lugar dos dedos, ordenei que ele
colocasse a língua. Funcionou o livro de hipnose.
— Beije— me, beije— me... Eu nem precisei falar, fiz
tudo só com os olhos. O beijo dele era completamente
diferente do beijo das meninas. Fui pro espaço na velocidade
da luz e quando estava em Plutão, senti que a mente dele
desligava... Caramba. Ele me empurrou, me rejeitou.
— Menina, vá embora.
— Eu não vou...
— Pelo amor de Deus, olha aquele Cristo em cima da
porta! Menina, vai embora daqui!
Eu tentei hipnotizá-lo de novo; virei os olhos, abri as
pernas, fui além do manual, mas ele não cooperou; não se
concentrava, não parava de falar...
— Por que você está fazendo isso? Eu sou um homem
sério! Sai desta cadeira, vai pra casa...
— Por quê?
— Porque você é uma criança, porra!!!
— Eu não sou mais criança.
— Eu vou conversar com a sua mãe.
— Eu falo que o senhor me agarrou...
— Diabo! Some da minha frente!!
— Então me beija de novo.
— De jeito nenhum!
— Não saio daqui nem morta.
— Não é possível! Vou te por pra fora desse consultório
nem que tenha que te arrastar!
— Eu te amo.
— Isso é absurdo!
— Há muito tempo eu te amo...
— Menina, pára com isso, você nem sabe o que é amor.
— E claro que eu sei! E você sabe? Fala pra mim Doutor
Paulo, o que é amor? O que é o amor?! Se não sabe dizer
apenas sinta e se entregue... O que é o amor?
Quando os olhos não funcionam, o manual manda tentar o
canal da audição, usando uma frase que reflita a base da
sessão. Infelizmente esse recurso não foi um sucesso, ele não
relaxava...
— Você tem a idade do meu filho!
— Sou dois anos mais velha que ele.
— Vá procurar um garoto da sua idade.
— Eles são muito idiotas...
— Eu não acredito! Escuta, você é uma menina linda, é
uma tentação! Mas eu não posso ter nada com você, não
quero e estou pedindo pra você sair agora. Por favor!
Ele foi tão sincero... Disse que eu era linda! E tentação!
Desisti de hipnotizá-lo, decidi ser sincera também, teria que
ser uma conquista honesta, qualquer migalha me satisfaria.
Humildemente, pedi...
— Deixa eu chupar o seu dedo de novo e eu vou. Só
isso...
Minha sinceridade convenceu. Ele cedeu, enfim. Colocou
o dedo dentro da minha boca e eu chupei. O indicador, o
dedo médio, o anelar... O prazer da vitória era muito maior
do que o chupar aqueles dedos e eu delirava com a minha
conquista usando unicamente os meus recursos naturais.
Linda. O manual de hipnose era fajuto. Tentação. Fui fundo
na intuição e ele não resistiu e sucumbiu...
— Ah menina...
Foi o que ele disse antes de invadir a minha calcinha e
roçar os dedos úmidos de minha própria saliva na minha
xoxota de ralos pêlos...
— ...Eu só vou te ver... Menina...
Ele tirou o foco de luz da minha boca e o direcionou para
a minha calcinha branca, o strass do lacinho transformou a
luz num pequeno arco-íris...

ESTRÉIA!
Namorei os melhores do colégio. Neto, Cláudio,
Nicolau... Tudo me inspirava: filmes, livros, quadros,
estátuas, primavera, verão, revistas, cogumelos, aspargos,
antúrios, chocolate, sorvete, iogurte, passarinho, borboleta,
trepadeira, samambaia, atletas, poetas, amigas, a pasta
amarela da minha mãe, caixa-eletrônico, horóscopo do
jornal... Meu coração batia frenético e eu suspirava por
beijos na boca.
Fui até a casa de Nicolau, meu namorado. Ele não estava,
só o irmão dele, dois anos mais velho e três vezes
impossível. Peço para entrar e esperar.
Ficamos vendo o jogo na televisão, final de algum
campeonato... Nicodemos o nome dele, do irmão, irmão do
meu namorado. Ele não tirava os olhos da TV e eu não tirava
os olhos dele. Irmão. Passo o primeiro tempo todo
observando detalhadamente os seus traços; lembra Nicolau,
não são exatamente parecidos, mas tem uns repentes iguais.
Boca, olhos, a voz... Pensei também no pai deles, não com
tesão, um tesão respeitoso talvez... Eu queria era me ajoelhar
e agradecer a Deus por aquele homem existir e produzir
filhos tão interessantes. Não tenho culpa por eles terem
nascido irmãos.
Tirei a blusa. Ele enfim me olhou e abriu a boca.
— Não sei o que deu em mim...
— Tudo bem, tá calor.
— Não foi o calor, foi um impulso. Desculpa.
— Você não precisa pedir desculpa, não tem motivo, e
sempre que tiver eu vou te perdoar. Gostei de ver...
— Eu nem devia estar aqui.
— Mas tá aqui e eu também e tem alguma coisa
acontecendo...
— Escanteio!
— Eu sempre quis pôr a mão em você...
— Olha o seu calção!
— Sabe o que é isso? O que você acha que é?
— Acho que a minha cabeça me manda embora, mas o
meu corpo quer ficar...
Me aproximei, ele apalpou os meus peitos. Eu o beijei
com fúria e sem a culpa de Francesca quando foi beijada por
seu cunhado Paolo.
— Você é do meu irmão...
— Sou de ninguém...
— Você é louca!
— Eu estou louca... Faz alguma coisa...
— Acho que eu não devia, mas eu quero.
— Eu também quero...
— Fala baixo.
— Por quê?
— Minha avó tá dormindo.
— E se ela acordar?
— E se eles chegarem? Nicolau, meu pai...
— O jogo ainda não acabou.
— Dois a zero!
— Eu quero...
— Você já fez...?
— Muitas vezes.
Era mentira. Era a primeira vez e minha saia e o sofá
ficaram com manchas de sangue. Ele percebeu, mas
continuou, cada vez mais fundo.
— Você mentiu... é a primeira vez... eu sei.
— É... eu menti.
— Como eu queria você!
— I love you!
— O que você falou?!
— Gol!
Ele se empolgou, quis ser impecável, inesquecível, o
primeiro... Muitas mulheres lamentam a primeira vez, eu
sinceramente não tenho a menor reclamação. Foi muito bom
apesar de um pouco rápido, não sei bem se gozei, mas o que
senti foi sublime, minha alma urrava de felicidade e eu tinha
vontade de colocar o Nicodemos inteiro dentro de mim.
Sugeri um sexo mais violento...
— Ai...
— Te machuquei?
— Muito... vai mais...
— Assim eu não agüento.
— E pênalti!
— Eu vou gozar...
— É gol!
São Paulo campeão. A vó acordou com os gritos e os
fogos. Éramos dois seminus estirados no tapete azul. A velha
gritava...
— Que pouca vergonha é isso?! Seu pai vai saber! E essa
menina...? É a namorada do seu irmão, seu desavergonhado
trapaceiro! E você, moça safada, vai agora embora dessa
casa!
— Não é nada disso...
— Cala a boca e sai correndo dessa casa!
Foi o que fiz. Saí correndo. Corri, corri... chorando de
alegria! Pensei na mancha de sangue no sofá... É campeão!
Eu não era mais virgem!!! Era como se eu corresse numa
outra atmosfera, outra dimensão. É campeão!!! O ar era
diferente, as cores, os sons, as pessoas, meu corpo...
Felicidade!
Nicolau não soube do ocorrido. Fugi. Ele insistiu, me
procurou muitas vezes... Acabei transando com ele, foi uma
bobagem, eu só pensava em Nicodemos... Tive que dizer que
estava apaixonada por outro cara e não dava mais. Depois de
um tempo ele acabou desistindo. Eu queria o irmão.
Suspiro.

UM ACIDENTE DE PERCURSO
Amor, paixão, acidente de percurso, tudo se confunde e se
funde. Um amor pode ser um acidente de percurso, uma
paixão pode ser um amor... enfim, não sei direito o que é o
quê, mas o Matias eu tenho certeza de que foi um gravíssimo
acidente de percurso e é incrível como lembro detalhes.
Sete e cinco. Meu colégio era bem perto de casa, eu ia
andando calmamente, quase sempre atrasada. Meu
referencial era um boy com o boné do Corinthians, mais
preciso que meu relógio.
Um coroa bonitão tipo Sean Connery passa num carro
preto olhando pra mim e quase atropela uma mulher com um
menino no colo. Alguns minutos, ele de novo. Eu olho e o
boy corintiano também. Fico constrangida, busco refugio no
relógio preso ao meu pulso de Cinderela, apresso os passos e
passo de cabeça baixa pelo boy. Antes de atravessar a rua,
olho para trás e focalizo, entre o homem de terno e a gorda
de lenço, o carro preto dobrando a esquina... e se aproxima...
O boy já está longe e só dá pra ver o boné com o brasão
alvinegro. Ando olhando pra frente como um soldado, mas
minha visão periférica acompanha o carro preto passando
praticamente na velocidade das minhas pernas trêmulas.
Penso em dar meia— volta e sair correndo na direção oposta,
mas ele enfim me ultrapassa e vai diminuindo, diminuindo,
até virar um ponto e desaparecer.
No dia seguinte ocorre tudo igual. Quase igual... O boy
corintiano usava um boné azul desbotado e o Sean Connery
do carro preto passou três vezes.
E foi assim no dia seguinte, e no outro... Na sexta-feira o
carro parou. Por sorte, eu me atrasei mais que o usual e não
cruzei com o boy.
O vidro do carro desce, e o bacana de óculos escuros me
acena.
— Vai pra onde?
— Eu? Pro colégio...
A voz dele era mais grossa que a voz do tio Marcos.
— Eu levo você, quero te conhecer...
— Eu não sei...
— Confia em mim.
— Eu não sei...
Ele abre a porta. Tiro a mochila das costas e entro no
carro meio sem jeito e com um frio vagando pela espinha...
Ele dá a partida e eu cruzo as pernas e cruzo os braços sobre
a mochila no colo e penso em nada.
— Você é muito bonita.
Só então olhei pra ele. Era impossível ver os olhos
escondidos atrás dos óculos tão escuros.
— Seu nome?
— Angela.
Eu queria que fosse Helena, ou Elizabeth com th no final,
ou Lucilla com dois eles. Eu devia ter mentido.
— Angela... Toma um café da manhã comigo?
— Café da manhã?!
— É...
— Eu já tomei, obrigada. Entra na próxima à esquerda...
Eu tenho prova.
— Prova de quê?
— Geografia. Agora à direita...
Ele ficou em silêncio e seguiu à risca a minha enxuta
indicação. Tocou um botão, acenderam— se umas luzinhas
azuis e o carro foi embalado por uma música envolvente...
Eu poderia conhecer tantas músicas, ver tanta coisa
diferente, e me casar com ele, e morar numa linda casa
branca... Poderia até virar capa de revista, estrela de
cinema... Sean Connery se casa com uma bela jovem
brasileira...
O carro pára. Sinal vermelho.
— Estudou? Se sente preparada para a prova?
Acho que ele percebeu que era mentira a prova, senti que
podia ler os meus pensamentos.
— Estudei pouco, muito pouco.
— Não sabe nada?
— Não. E já tomei café da manhã em casa.
O sinal abre. Ele avança.
— Amanhã eu te arrumo um bom atestado médico, você
mostra no colégio e fala que teve uma virose de inverno, ou
uma intoxicação. Então!?
Fiquei quieta, aquele homem me intimidava, me deixava
sem ação. Já estávamos bem longe do colégio, o bacana
entendeu que eu estava no papo e embicou o carro na entrada
de um hotel.
— Um hotel!?
— Sempre me hospedo aqui... Tem uma ótima cozinha,
você vai gostar... Angela. Você é realmente muito bonita.
Um manobrista de chapeuzinho cinza abre a porta e eu
entendo que é para sair do carro. O coroa também sai.
Finalmente tira os óculos escuros. Nada se parece com Sean
Connery e é bem mais velho do que eu supunha, embora não
apresentasse um único fio de cabelo branco.
Deve ser mais velho que tio Marcos, pensei, já querendo
sair dali correndo, entrar em qualquer ônibus, metrô,
helicóptero e ir embora sem destino... Não queria ir direto
pra casa e dava ainda pra ir pro colégio, na verdade perderia
só a primeira aula! Mas e o café da manhã? Eu nunca tinha
tomado café da manhã num hotel só eu e um homem... Em
meio segundo se dissolveu todo o meu plano de fuga. Seria
ridículo desistir... Eu ainda nem sabia o nome dele!!
Numa perfeita sincronia ele interfere:
— Não vai perguntar o meu nome?
Tive certeza. Ele lia todos os meus pensamentos. Decidi
não pensar mais.
— Ciro. Dr. Ciro Augusto Moretti, advogado.
— Dr. Ciro...
— Ciro.
Ele tinha a minha estatura, se eu estivesse usando a
sandália preta de salto seria mais alta que ele. Moretti,
Sidney Sheldon, “A Fúria dos Anjos”, Michel Moretti.
Entramos num elevador espelhado e odiei minha calça
jeans detonada e a camiseta com estrelinhas azuis na manga
e na gola, roupa sem graça, infantil...
O ascensorista usava um chapéu cinza igual ao do
manobrista que levou o carro.
— Doze.
O elevador sobe. Baixo a cabeça. O tapete era azul-
marinho e em cinza as letras grandes RPH. Deduzo que o H
é hotel, o P Palace e o R, Royal ou Real...
Décimo segundo. O elevador pára e a porta se abre.
Saímos e deslizamos num amplo corredor com muitas portas
numeradas. Quando Ciro, o coroa, introduz a chave na
fechadura do 129, meu coração dispara... Ele abriu a porta do
pesadelo e eu entrei primeiro. Ele só queria me comer, claro,
evidente que era eu o café da manhã... Na mão direita ele
tinha um anel e na esquerda não tinha aliança, mas ele
poderia ser casado, até ser avô ele poderia... Três netos.
Nove, sete e cinco anos, os netos.
Analisei detalhadamente o grande quarto. Tudo me
incomodava, especialmente a cama king size. Eu nunca tinha
estado numa cama como aquela, já tinha transado com vários
caras, em muitos lugares... Rua, garagem, sala, no carro do
pai do Neto... Na época eu namorava o Neto e tinha transado
com ele na noite anterior, havia poucas horas, naquela
caminha dele de solteiro, vulgarmente forrada com um
lençol de florzinhas amarelas que nada combinava com a
fronha listrada nem com o cobertor xadrez que me fazia
espirrar. Ele era um deus grego, mas tinha um péssimo
gosto. Era desajeitado, errava tudo nas roupas, nos sapatos,
no cabelo, na risada...
Pelo reflexo no espelho, vejo o bacana tirando a camisa...
Muitos pêlos no peito. Pêlos nas costas! Neto não tem
nenhum pêlo no peito, só do umbigo pra baixo. E também
não tem essa barriga. Neto... Por alguns segundos acreditei
que o Neto era mesmo o grande, único e derradeiro amor de
toda a minha existência. Eu amava todos os seus defeitos, me
casaria com ele naquele momento. Por que não era ele ali?!
O bacana tirou a mochila dos meus ombros e me entregou
um cardápio com as mesmas iniciais do tapete do elevador
na capa.
— Escolhe mit dear... Depois eu te levo pra casa. Relaxa,
eu não vou fazer nada que você não queira, fica tranqüila... E
lógico que estou louco pra beijar essa sua boquinha de
morango... mas não vou fazer isso. Prometo. Já tomou
champanhe alguma vez na vida!?
— Claro que já, no Natal.
Ele sorriu, apertou o número 2, fez o pedido e, em cinco
minutos, uma campainha soou. Champanhe. O bacana legal
deu uma nota de 50 pro moço do serviço de quarto. Ele era
engraçado e eu acabaria me familiarizando com os pêlos
dele. Não era a porra de um ator famoso, mas era no mínimo
um bandido refinado, portanto, adrenalina.
— Sua beleza merece um brinde e o seu nome, uma
trova...
Ele estourou o champanhe e eu fiquei imaginando o que
seria uma trova.
— À sua beleza!
Adorei as bolhinhas brincando no céu da minha boca...
O bacana tirou os sapatos, deitou na cama e bem pouco
imaginativo, fez o gesto de quem chama um gato.
— Psh, psh, psh... Vem, senta aqui...
Bebi mais um gole e me sentei a uma certa distância do
meu predador. Começou pelos cabelos... eu não me esquivei
e ele massageou meus ombros e minhas costas...Interrompeu
bruscamente a massagem para reabastecer as duas taças.
— Por que isso!?
— Porque você é linda. Fica tranqüila, eu não disse que
vou transar com você... Te convidei para tomar um café da
manhã, você aceitou e é só... O café da manhã é champanhe.
Se você quiser comer alguma coisa...
— Eu não estou com fome.
— Nem eu, olhar para você satisfaz qualquer faminto. E
viva a sua exuberante beleza, e esse charme, e as suas belas
coxas... e mesmo que não as veja, eu sei que elas estão aí e
isso só já me faz feliz!!! Tim tim!!
Eu ri muito e tive vontade de estar nua e sozinha naquele
quarto frio... Poderia pular na cama! Mas o bacana estava ali
e ousou apalpar os meus peitinhos. A cabeça rodava e eu
senti aquele frio que passeava pela espinha refletir nos meus
mamilos quando senti o toque daquelas mãos estranhas,
peludas...
— Você gosta?
— Eu não sei bem...
— Essa sensação fica muito melhor se tirar a camiseta e o
sutiã... Posso?
Não consegui responder, mas como ele podia ler todos os
meus pensamentos, foi exatamente o que fez.
— Belos peitinhos...
Ele beijou meus biquinhos e eu deixei escapar o gemido
que desencadearia a consumação daquele encontro. Eu
mesma desabotoei e desci a calça jeans. O mundo girava e a
boca pedia mais um pouco do champanhe que elevava a
minha alma e deixava o meu corpo naquele estado... Virei a
taça e me vi no espelho só de calcinha. A calcinha que um
dia foi da Sílvia, minha prima... Sempre roubei calcinhas, só
roubo calcinhas.
Vi um volume aumentando dentro da calça dele... Tirou a
calça e a cueca, estava realmente bastante excitado. O pinto,
menor que o de Davi e maior que o de Nicodemos. O urso
parou de falar “linda” e começou a falar “gostosa”,
“tesuda”... Eu preferia o “linda”, pelo menos me deixava
menos tensa... Ele mordeu levemente a parte interna das
minhas coxas, depois lambeu o meu sexo que provavelmente
ainda cheirava ao sabonete verde que eu odiava e minha mãe
insistia em comprar.
Prensei a cabeça dele com as minhas coxas fortes e então
abri as pernas, me escancarei... E ele deslizou a língua por
todas as paredes, protuberâncias e cavidades, depois apertou
a minha bunda e disse “cuzinho rosado”. Eu sabia que era
rosado, já tinha visto no espelho. Fechei os olhos e pensei
em todos os homens do planeta, de Silvio Santos ao boy
corintiano... Passei por jogadores de futebol, políticos,
cantores, uns caras da televisão que eu não lembro o nome...
os mais lindos e os mais absurdos. Terminou em Mike
Tyson. Em Neto eu não pensei nenhuma vez, nem no urso
que me chupava. De repente ele pára tudo, segura a minha
cabeça e eu entendo que é a vez dele. Tentei imaginar outras
picas, de anônimos e de famosos, mas não deu certo, não
consegui ser imaginativa o suficiente e chupei a realidade ali
na minha frente, dentro da minha boca, com muita
consciência e nenhum estímulo. Ele não se irritou.
— Quer que eu te lamba mais um pouquinho, meu anjo?
Não respondi. Deitei e abri as pernas... E ele fez tudo de
novo.
Dessa vez eu quis ver, fiquei olhando ele se lambuzar...
Aí ele parou, colocou um preservativo e crau. À cada
bombada ele gemia “Uhh!!” e eu gemia “Ai!”
Ele tenta me beijar na boca diversas vezes, eu desvio.
O sexo vai evoluindo e ficando cada vez mais violento e
eu só queria que tudo aquilo terminasse logo... As mãos
peludas, a voz fúnebre, as estocadas furiosas... Ele é do
mal... Um ritual de horror!!
— Foi bom, mas não dá mais, eu não quero, eu não
agüento...
— Agüenta sim, gostosinha... Olha como você agüenta!
— Pára, por favor...
— Eu tô quase gozando, fica quietinha, deixa que eu faço
tudo...
— Chega!!
Ele não pára, fàz tudo ainda com mais furor, e demora...
Eu queria desmaiar, apagar... Penso no biquíni estampado
que vi numa vitrine. Desejo um Marlboro... pode ser Camel,
se não tiver Marlboro, eu não sou muito fumante, só fumo
quando fico nervosa ou constrangida. Só. Agora estou os
dois, fumaria dois cigarros... Quando menos espero, ele
gruda na minha cintura e urra como um urso velho. Acabou,
deduzi aliviada. Senti um peso bem maior que o da mochila
despencar sobre as minhas costas. Finalmente eu estava
conseguindo pensar em nada.
— Você não gozou.
— Como?!
— Deita, meu anjo...
Ele força a minha cabeça, acaricia minhas costas e passa a
língua no cuzinho rosado. Eu deixo. Nunca ninguém tinha
feito isso, nem o Neto, ele já tinha posto o dedo uma vez, eu
censurei e ele não tentou mais... Pensei na minha mãe,
lembrei de um dos sonhos que ela escreveu, um dos mais
picantes, ela comenta que se superou e experimentou um dos
maiores prazeres...
“ ...latejo só de lembrar de você, feito um anjo das trevas,
me segurando os quadris num vai e vem ritmado que se
acelerava... A cada estocada uma estrela cruzava o céu e
depois de tudo eu ainda queria mais, mais, mais... Eu
implorei, põe atrás...”
Mas isso era um sonho dela com o meu pai, bem diferente
do urso bacana. Apesar do champanhe na cabeça, achei a
coragem pra ir embora e levantei bruscamente olhando para
o meu relógio.
— Chega, eu quero ir embora.
— Agora não, vamos terminar.
— Eu não quero mais!!
— Quer sim, gostosinha, você nem gozou..
— Gozei sim!
— Você vai ver quanta coisa gostosa a gente ainda pode
fazer, vai ver o que é gozar... Vou por no seu cuzinho bem
gostoso...
Eu não queria mais nada e ele me segurou com força.
Tentei me desvencilhar e ele era bem mais forte... Seria
melhor encontrar uma saída estratégica e inteligente... —
Preciso ir ao banheiro! — Foi a escapatória. Ele me soltou.
Olhei pra ele, percebi que os cabelos eram tingidos e fui pro
banheiro. Fechei a porta certa de nunca mais abri-la. Estava
tonta de tanto sexo e champanhe. Liguei o chuveiro e tomei
o melhor banho quente da minha vida. Depois rezei e saí.
Estava mais sóbria, disposta a encarar o coroa e convencê-lo
a me levar pra casa.
Ele continuava deitado. Vesti minha roupa rapidinho e só
depois de calçar os sapatos toquei no ombro dele. Nada, ele
não se moveu. Pressenti que ele estivesse morto, e ele estava.
Tiro na nuca. O travesseiro encharcado de sangue. Levantei
o lençol e vi o pinto ainda duro. Quase ri. Não sabia o que
fazer... Eu tremia... Pensei em gritar, sair correndo... Peguei
o telefone e toquei o número 2. Eu queria comunicar a morte
de Dr. Ciro, mas acabei perguntando se tinha misto quente e
pedi um no 129. Quando desliguei o aparelho, senti o quarto
desabando sobre a minha cabeça.
Verifiquei a porta. Trancada. Também as janelas estavam
fechadas. No armário aberto não tinha alguém dentro.
Cobri com o lençol o corpo do homem e despi novamente
o meu. Ainda tinha a sensação de que, mesmo morto, ele
sabia o que eu pensava...
A campainha soou e eu me vi nua no espelho. Me enrolei
numa toalha, com uma outra fiz um turbante e entreabri a
porta para pegar o meu sanduíche sem direito a gorjeta.
O misto quente cheirava muito bem. Tinha também, na
borda do prato, um alface verdinho e batatas fritas.
Liguei a televisão. Desenho animado. Piu-piu e Frajola.
Sentei de costas para o corpo e devorei, em generosas
bocadas, todo o sanduíche e as fritas. No alface eu nem
toquei, nem nos talheres. Quando terminei, desejei uma
Coca-Cola, mas acabei me contentando com o resto do
champanhe da taça do bacana que não era nada bacana.
— Preciso ir embora.
Sussurrei no ouvido dele sabendo que não se levantaria
pra me levar.
A calça do homem estava no chão e achei conveniente dar
uma conferida na carteira. Cento e cinqüenta em notas de 50,
era o que tinha em dinheiro. Muitos cartões de crédito de
Luiz Paulo Pereira de Melo — quem? —, em todos os
cartões e até no talão de cheques tinha escrito aquele nome...
Ele mentiu! Quem é esse cara? E foi assassinado! Meu Deus!
Querem que eu seja a culpada!
Levantei o lençol a fim de uma autópsia superficial. Ele
estava esfriando. Imaginei uma seqüência de possíveis
assassinatos e vi no chão, ao lado da cama, uma arma. Um
medo indescritível tomou conta de mim e, como num filme
policial, limpei compulsiva, com a toalha, todos os possíveis
lugares onde eu teria tocado, depois me sentei ao lado do
cadáver e notei que ele não lia mais os meus pensamentos.
Definitivamente, ninguém mais morava naquele corpo.
Percorri todos os canais. A previsão do tempo anuncia
chuva no final da tarde. Nova aventura de Piu— piu e
Frajola. Show de talentos. Jornal. Meio— dia. Uma matéria
sobre os garimpeiros de Serra Pelada.
A boca do morto um pouco aberta. Muito ouro. Meio—
dia e cinco. E a boca do cadáver abriu ainda mais...
Peguei o garfo e a faca e garimpei a boca de Luiz Paulo
Pereira de Melo. O espelho me olhou desconfiado, mas eu
nem liguei. Serra Pelada. Piu— piu e Frajola. Dezesseis
pepitas na taça de cristal.
Lavei as mãos. Estava pronta para deixar o quarto. Mas
como passaria por todos aqueles homens de chapéus cinza?
Teria que arriscar. Não dava pra ficar nem mais um segundo
olhando aquele cadáver desdentado que disse que o meu
cuzinho era rosado.
Desliguei a TV, peguei minha mochila e fechei sem
piedade a porta daquele quarto frio. Meio— dia e quinze. Saí
do pesadelo.
Disse térreo pro ascensorista e rezei durante toda a
descida. Piu— Piu. Um longo tapete vermelho estava
estendido para mim. Atravessei o lobby em passos
relativamente lentos e me vi livre de todos os homens de
cinza. Estava na rua!! E ia pra casa de ônibus!
Dois dias depois estava no jornal a foto do bacana
banguela. O verdadeiro nome dele era Matias Alvarez, alto
escalão do narcotráfico internacional. A polícia ainda não
tinha nenhuma conclusão sobre a morte. Vingança? Traição?
Devido aos dentes arrancados, estava descartada a hipótese
de suicídio.
“... Os funcionários do hotel onde o corpo foi encontrado
afirmaram que a vítima entrou acompanhada de uma
jovem de cabelos castanhos que deixou o local poucas
horas depois...”
Abaixo da foto dele, o retrato falado da suspeita. Nada se
parecia comigo.

PlETÁ

Dar por obrigação é horrendo e engloba qualquer situação


em que a vontade da fêmea nada signifique. A situação mais
grave e extrema é, sem dúvida, o estupro; mais que obrigada,
a vítima é forçada, não tem opção. Obrigações mais suaves
fazem parte do cotidiano, estão presentes em situações
comuns e qualquer mulher pode ser vítima: irmã, tia, esposas
infelizes, namoradas insatisfeitas, solteiras carentes,
prostitutas sentimentais... Essas coisas acontecem.
Pior que dar por obrigação é dar por piedade. Dar por
piedade é desumano, mas, nesse caso, a fêmea é o centro das
atenções, o macho é um devoto incondicional da vítima e
costuma ser muito sincero. Ela aqui também não tem desejo,
não tem vontade, apenas piedade... — Coitado. — Piedade.

Sentia— me péssima dentro daquela calça justa e com os


saltos das minhas botas andando por toda a imensa feira de
eletroeletrônicos. Depois da rádio, trabalhei um pouco com
moda, publicidade e fui parar numa produtora de eventos.
Naquele evento, eu cuidava de quatro estandes coordenando
o trabalho das pessoas, de operários de montagem e
manutenção a modelos e vendedoras. Cinco dias de feira.
Como fiquei feliz vendo os estandes desmontados e
acomodados nos dois caminhões. Acabou. Era só me
despedir da equipe, dispensar os técnicos e fim. Minha
bexiga explodia e tive que correr pro banheiro. Fiz o mais
longo xixi dos últimos tempos, e quando voltei todo mundo
já tinha evaporado, menos Josias, o técnico bonito e gentil
que prestou todos os serviços de iluminação e som. Ele tinha
dois copinhos de plástico e me ofereceu um.
— Champanhe.
— Obrigada. Cadê todo mundo?
— Ih! Saíro tudo correno.
Se ele conhecesse melhor as palavras, até poderia ser...
— Então, boa noite, obrigada, tudo de bom pra você,
Josias.
— Quer dizer que essa é a última vez que eu le vejo?
— Quem sabe em outro evento...
— Eu queria le falá uma coisa...
— Fala, Josias.
— Eu gostei muito do seu corpo.
— Como?!
— É, olha, eu ensaiei muito pra le falá isso, mas é que
você mexeu comigo, eu gostei do seu corpo, é o tipo de
corpo que eu gosto.
— Ô Josias, você é casado, não é?
— Não...
— E sim, eu vi a sua aliança.
— Sô casado, ma num sô safado.
— E não sabe mentir.
— E sério, eu fiquei louco com o seu corpo, com o seu
jeito...
— Era o corpo, agora é o corpo e o jeito...
— O corpo, o jeito, o rosto, a voz... tudinho em você. É
uma princesa, uma deusa...
— Vai pra casa, Josias, vai cuidar da sua mulher.
— Eu vou, vou sim, ma eu quero le vê de novo.
— Esquece.
— Porque eu sou pobre...
— Não! Porque você é casado, e eu também tenho o meu
namorado e eu gosto dele...
— Tá certo, me perdoe.
— Tudo bem.
— Eu só queria ver...
Estendi a mão, ele a beijou. Eu disse boa noite e corri pro
estacionamento. No pára— brisa do meu carro, um hibisco.
Chorei. Sempre choro quando vejo ou vivo cenas de amores
impossíveis. Sou mais chorona que minha mãe. Peguei a flor
e bebi os dois últimos goles do champanhe.
Uma semana depois, o técnico Josias liga na produtora
atrás de mim. Não atendi, nem retornei. Alguns dias e recebo
flores com um cartão que tocou”Love me Tender” antes que
eu abrisse o envelope. A produtora em peso olhou pra mim.
Escondi o cartão e meus caros colegas de trabalho quase
morreram de curiosidade.
O Cartão dizia:
“Princeza,
Não concigo esquecer de você.
Não concigo mais dormir nem faso nada direito.
Me de uma xance de te ver só mais uma vez.
Meu telefone é 2343 5434 pode liga fala que é serviço.
Pelo amor de nosso Deus.
Com todo respeito.
Josias”
Só fui ler em casa. O cartão me emocionou. Decidi ligar
para aquele homem simples, errado, sincero e de uma beleza
rude, selvagem, pura... alma pura. E ele me queria, me
idolatrava, pediu Pelo amor do nosso Deus e Com todo
respeito.
Liguei, uma mulher atendeu, eu disse que queria falar
com o técnico Josias, e ele imediatamente disse pois não. No
telefone a voz era ainda pior e os erros gramaticais gritantes.
Eu quis desistir, mas meu coração piedoso acabou me
convencendo a convidá-lo para jantar.
Quando cheguei, ele já estava na esquina combinada, todo
arrumadinho. Camisa azul-clara de manga curta, calça bege
de um tecido misterioso e uma rosa cor-de-rosa estendida pra
mim.
Ele entrou no carro sorridente, eu continuei séria, quase
brava. Cheirei a rosa e a coloquei sobre o painel.
— Onde vamos?
— Onde ce quiser..
— Onde você levaria uma namorada?
— Eu num sei...
— Ou sua esposa, uma prima, uma amiga...
— Sei não.
— Onde você passeia com sua família?
— No shopping.
— Shopping!? Então vamos a um shopping, ótima
escolha! Tem uma boa variedade... Em qual shopping você
costuma ir?
— No do bairro, mas é melhor a gente ir em outro...
— Claro.
Rodei, até encontrarmos um shopping que eu não
conhecia. Center Norte. Entramos no elevador lotado e
subimos até a praça de alimentação.
— O que vamos comer?
— Você escolhe, princesa.
— Cada um escolhe o que quiser...
Olhei os sushis e deixei que ele sugerisse.
— Acho que eu vô numa pizza.
— Pizza?!
— E, de queijo.
— Eu também.
Ele estava completamente envergonhado, comemos em
silêncio. A conta. Ele fez questão de pagar a conta, e eu me
segurei para não ser desagradável e dizer que o dinheiro ia
fazer falta em casa. Safado. Só não disse nada porque notei
que ele estava sem a aliança e que portanto esse era um
código para não lembrarmos que era um homem casado.
Terminamos a pizza, e ele apertou a minha mão.
— Cê num pode imaginá como eu tô me sintino.
— Eu tenho namorado e só topei me encontrar com você
porque... eu não sei.
— Quero vê seu corpo.
— Você disse”com todo respeito”.
— E isso, com todo o respeito mesmo, nem boto as mão.
No começo da noite, eu tinha vontade de corrigir cada
erro de
português, mas aos poucos fui me acostumando e depois
de um tempo eu já estava completamente familiarizada e até
incorporando alguns termos dele no meu discurso.
Ele insistia em me levar a um “hotel por hora” em
Pinheiros.
— Eu só quero ver, juro que não le encosto a mão.
— E se encostar?
— Juro pela minha mãe.
— Jure pelo seu pai.
— Não tenho pai não, minha princesa...
— Não tem?
— Pelo menos nunca vi, nem sei o nome.
— Você tem RG ?
— Oi?
— RG. Carteira de identidade. Você tem aí?
— Tenho sim, tenho carteira de trabalho, título de
eleitor...
— Deixa eu ver sua identidade.
Ele revirou a carteira e me entregou o documento. Conferi
a filiação. Só o nome da mãe. Eu não conseguia parar de rir,
ele ficou sério e esperou meu ataque passar. Justifiquei o
riso.
— Um Nefilim...
— Oi?
— Seu pai pode ser um anjo...Vamos pro hotel.
Ele não entendeu e eu tive muita preguiça de explicar.
Durante o percurso até o tal “hotel por hora” eu pensei na
quantidade de Nefilim que o mundo teria e concluí que não
fazia o menor sentido ficar nua para um homem que eu não
desejava só porque ele era filho de mãe solteira.
Hotelzinho bem simples. A recepcionista nos entregou a
chave do quarto número 13, mas Josias recusou e pegou o
23. O quarto cheirava a Pinho— Sol. Limpo. Cama de casal
com lençóis bem passados, uma cadeira, espelho e TV.
Decente. O ambiente deixou— me à vontade. Maneiro. Tirei
os sapatos. Josias sentou— se na cadeira e ficou olhando pra
mim.
— Você quer que eu tire a roupa...?
— Quero muito, minha deusa, só penso no seu corpo.
— Você não vai me tocar?
— Dô minha palavra. Confia.
— Ok... ok.
Uma leviana começa a se despir... Tiro primeiro a calça,
depois a camiseta, cada peça olhando pra ele. Inexpressiva.
Tiro o sutiã. Ele fecha os olhos e depois os abre bem devagar
e sorri embasbacado. O show é bom. Tiro a calcinha. A cena
merece um palco. Subo na cama. Ele continua imóvel,
vidrado, depois se ajoelha perante sua deusa que sou eu.
Palco não, altar. Interrompo a adoração.
— Pronto, deu.
— Muito obrigado.
— Tudo certo.
Ele se levantou dos joelhos, e eu me sentei na cama.
— Posso só beijar o seus pé?
— Só os pés.
Deitei e vi meus pés sendo beijados com afeto. Ele
acariciou as minhas pernas... Quando eu menos esperava e já
quase acendia, ele levanta e se afasta.
— Acho melhor a gente ir embora.
— Não gostou de me ver nua?
— Gostei muito, mas estou no ponto de perder o respeito.
Rolei na cama para que ele visse todo o meu corpo em
movimento.
— Quer que eu me vista?
— O princesa... Querê eu num quero, mais é melhor.
— Por quê?
— Porque tá difícil eu me comportá, cê mexe comigo.
— O que você queria fazer além de me ver?
— Fazê tudinho do jeito que você mais gosta.
— Você sabe que eu não tenho a menor intenção...
— Sei, sim, e sei que você tá aqui só por dó de mim. Isso
eu tâmem sei.
— Piedade...
Ele repetiu.
— Piedade.
Michelangelo. Seria incrível reproduzir a pose da estátua
com aquele homem.
— Pietá ! Josias, deita no meu colo...
— Como?
— Quero que você se deite no meu colo. Tira a camisa.
Ele obedeceu. Tirou a camisa e deitou— se no meu colo.
Reproduzi fielmente a pose da estátua, quase morri de
emoção e comecei a chorar. Foi o momento mais absurdo da
noite. Entre as lágrimas, veio junto a minha lente de contato
descartável, e o operário achou que era um cristal que saía
dos meus olhos.
— Tu é santa! Deus do céu... Coisa santa que me atenta!
É santa!
— De onde você tirou isso?
— O seu olho! Você chora cristal!
— Catso! É a minha lente de contato.
Recoloquei a lente. O coitado do Josias estava ofegante.
— Santa é demais...
— Pensei que era um cristal, princesa...
— Princesa é melhor.
— Quando é o seu aniversário?
— Por quê?
— Só pra sabê...
— 19 de novembro. Dia da bandeira.
— Me desculpa, mas eu num me güento mais de tesão.
— Josias!
Ele me agarrou, me deitou na cama e, em movimentos
paralelos, tirou a calça e a cueca. Não lutei contra.
— Com todo respeito, me dê nem que seje por piedade
mesmo, pode ter pena de mim.
Senti o toque da compaixão e permiti que aquele homem
matasse no meu corpo toda a sua sede de amor. Fiquei à
disposição. Ele desfrutou cada parte de mim com cuidado e
devoção. Por sorte, durante todo o ato, ele permaneceu
silencioso. Quando ele gozou, eu chorei. Ele se agarrou em
mim e jurou que faria qualquer coisa pra ficar comigo, disse
que deixaria a mulher, que voltaria a estudar, disse que
morreria por mim... Permaneci silenciosa, chorosa, fiquei
uns três dias ruminando a dor de dar por piedade. Pietá.
Nunca mais vi Josias, mas por muitos aniversários ele me
mandou flores brancas.

O ILUSIONISTA
Nunca tive queda por academias, prefiro os esportes mais
inventivos, mais artísticos... Danço, escalo, ando de bicicleta,
patins, tive a fase do skate, do trapézio... Assisti a”Asas do
Desejo”, achei que tinha tudo a ver comigo virar trapezista e
procurei um circo que oferecia uns cursos. Aprendi
rapidamente. Os anos de ginástica olímpica e o parentesco
com os anjos facilitaram os meus saltos e, em menos de três
meses, eu já voava pelos ares, sob a lona amarela e azul do
Circo Faviero. Minha performance chamou a atenção da
cúpula circense e acabou sendo eu a convidada a substituir
uma das trapezistas que engravidara. Foi emocionante a
minha primeira apresentação; apesar da emoção, fiz tudo
perfeito e fui muito aplaudida.
No circo tinha muitos gostosos, especialmente os filhos
do dono, também trapezistas. Nenhum deles me atraía
exatamente. Até fiquei com o mais novo uma vez, só pra ver
como era trepar num trailler, mas foi só aquela vez. O cara
gostou de mim, queria que queria me arrastar de novo pro
mocó ambulante, mas eu não quis, já estava de olho no
ilusionista. Ilusão, ele era casado com a partner, e o circo era
uma grande família da qual eu não levava muito jeito de
parente...
Ele não era forte como os outros, mas tinha um corpo
alto, magro e muito bem definido, era de poucas palavras e
muitos livros. Delineava os olhos e ficava com um ar ainda
mais enigmático e instigante. Tinha cara de ter pau grande e
eu tive o grande prazer de comprovar. Foi na Romênia, terra
do Conde Drácula, não poderia ser em outro lugar, não com
ele... Era um festival anual que reunia companhias do mundo
inteiro; coisa séria, profissional, eu às vezes não acreditava
que estava metida ali naquele mundo sem fronteiras e cheio
de purpurina... É tudo verdade.
Eu usava um maiô prateado que caía muito bem, mas
entrava um pouco na bunda. Puxei a lycra. Ele viu. Sempre
olhava pra mim, mesmo que não diretamente; era como se
ele dispusesse de um jogo de espelhos invisíveis, não sei
explicar quando não entendo... Era algum truque que me
fazia saber que ele estava me observando, mas quando eu
olhava, ele estava virado pra outra direção. Intrigante isso. E
no espelho invisível ele sorria, eu olhava e ele estava sério.
Nunca me entregou esse truque e ainda teve a pachorra de
falar que era coisa da minha cabeça.
Um ilusionista me pareceu muito excitante... Não que eu
tenha me envolvido só com caras de profissões exóticas,
alternativas ou marginais, nada disso, tive advogado,
executivo, dentista, bancário, banqueiro, engenheiro, agiota,
médico, professor... Aliás, eu mesma já fui tanta coisa, já
encarei os mais variados ofícios e bicos. Professora,
secretária, videomaker, produtora, maquiadora, radialista,
fotógrafa, back vocal, artista plástica, fui enfermeira,
garçonete, padeira, do lar, fui modelo, fui obra de arte,
estilista, garota— propaganda... Fiz um comercial de filtro
solar e um de sabão em pó. Gravei também o piloto de um
programa que seria bem bacana, pena que não rolou. Minha
fase mais luxuriosa foi quando lecionei. Esse papo de
profissão nada tem a ver com qualidade de performance
sexual, muitas vezes os que eu prejulguei menos criativos
surpreenderam na horizontal.
Ilusionista. Confesso que o ofício me encantou, neste
caso. Ilusionista: um mágico envolvimento. Perdi horas
adivinhando o sexo misterioso que me levaria à levitação.
Ilusionista. Tirei da cartola os meus truques de sedução, mas
deixei alguns na manga...
Pelo reflexo no espelho invisível, vi que ele estava de
olho em mim. Ajeitei o maiô... Ele sorriu e meu coração
disparou. Quase errei o vôo.

Encerramento do festival. Festa, muito vinho. Ele gostava


do meu assunto. Sempre fui chegada num Best-seller, a
maioria eu parei na metade, mas minha boa memória lembra
cenas inteiras com detalhes que nem acredito ter registrado,
nomes de personagens também não esqueço; assim, pouco
importava o fim do livro, o que eu lembrava já
impressionava o meu mágico e eu aproveitava pra saber o
desfecho das minhas melhores leituras inacabadas. Sempre
conversávamos depois do espetáculo, no almoço... Naquela
noite ele me evitou, eu percebi. Havia dias, Janice, a
esposa— partner, me olhava torto, mandava um sorrisinho
gracioso, mas eu não sou otária, ela estava na marcação,
sentiu nossa atração. Fiquei conversando com uns espanhóis,
bem longe dele e vi a esposa— partner entrando numa
pequena tenda onde umas ciganas liam o destino nas mãos e
nas cartas. Ciganas quentes, disseram. Meia hora de
consulta. Free. Contratadas do festival. Porra. Fila. Eu não
enfrentaria a fila, mas a esposa— partner era curiosa demais
e enfrentou, mulher corajosa, disposta a colocar o seu
destino nas mãos da cigana. Durante a consulta, a pequena
tenda permanecia fechada. Meia hora. Ele fez uma mágica e
me livrou dos espanhóis.
— Você sabe que eu sei que você é um anjo.
— Você não imagina o quanto está quase certo...
— Quase certo?
— Sou quase anjo...
— Nessa terra de vampiros, anjos e quase anjos precisam
de proteção.
— Já leu a sua mão?
— Não, mas sei que demora mais de meia hora, fora a
fila.
— Meia hora é um bom tempo...
— Quer dar uma volta?
Saímos da festa e andamos abraçados pelas ruas. Noite
escura, nos beijamos insanos e era impossível segurar a
vontade acumulada durante os ensaios e toda a temporada.
Pulamos uma grade e invadimos a entrada de uma casa
aparentemente desocupada. Tive um medo delicioso de, de
repente, meu ilusionista virar um vampiro. Ele também se
inspirou, fez a linha conde e me beijou muito o pescoço
enquanto desabotoava a minha calça e a dele. Eu bem que
podia estar usando uma saia, um vestido...
— Como eu tinha vontade de ficar com você!
— Eu também...
— Faz tempo que eu não fico tão à vontade com alguém,
tão envolvido...
— Sem essa, você é casado...
— Por isso mesmo.
— Meia hora.
— O que você quer dizer com isso?
— Nada...
— Pega no meu pau.
— Gostoso...
— Essa sua calça é tão difícil...
— Acho que é melhor eu tirar a bota.
— A bota?!
— É, se eu não tirar a bota, a calça não sai...
— Eu te ajudo.
— Preciso tirar uma perna pelo menos...
Ele ajudou a tirar minha bota esquerda, uma perna da
calça e metade da calcinha. Um frio do cão, por sorte meu
casaco tinha uma fenda atrás e isso facilitou nossa
performance. Apoiei a perna numa jardineira sem plantas e
ele me comeu. Ele era alto e fazia de um jeito que me
impulsionava pra cima com as coxas, não era bem uma
levitação, mas eu perdi o chão e flutuei no pau duro.
— Que bom que você existe e está aqui...
— Pensei que isso nunca fosse acontecer.
— Eu não pensei, eu tinha certeza que era uma questão de
oportunidade... Fala como você quer...
— Se eu falar, eu desconcentro e vou querer ficar
conversando...
— Pode falar o quanto quiser, o que quiser...
— Quero você, assim...
— Eu sou seu, agora...
— Morde a minha nuca!
— Que nem um vampiro?
— Não o pescoço, a nuca...
— A nuca...?
— A nuca... Ah...
Cravou os dentes na minha nuca e gozei
instantaneamente. Ele continuou me estocando, abracei uma
coluna e fiquei praticamente no ar. Ele me segurava pela
cintura. Gozei mais duas vezes e quando ele anunciou o seu
orgasmo, uma voz tumular invade o ambiente com palavras
incompreensíveis. Paramos tudo. Não era o Conde Drácula,
mas por meio segundo achei que fosse... Era um homem
velho e malcheiroso, com um cobertor nas costas e uns
papelões nas mãos. Atrás dele, dois rapazes e uma mulher,
igualmente maltrapilhos. Falavam sem parar e agitavam os
papelões. Vestimos nossas roupas rapidamente e apesar de
não compreendermos uma só palavra em romeno, ficou claro
que era um bando de mendigos reclamando o point deles.
Nem vesti a outra perna da calça, calcei minha bota e saímos
correndo dos palavrões dos pobres coitados.
— O que será que eles disseram?
— Não tenho a menor idéia, mas que bom que a gente
não entendeu.
— Era o abrigo deles!
— Incrível como existem mendigos em todo lugar...
— Acho que perdi minha calcinha... Era uma calcinha
superim— portante... não é possível!
— Quer voltar pra procurar?
— Achei! Nem tirei...
— Eu tava quase gozando...
— Quer continuar?
— Quero muito.
— Mas a gente tem que voltar... meia hora...
— Só deixa eu gozar.
— Deixo o que você quiser...
Achamos um beco meio escuro e foi bem fácil, eu já
estava sem a calça e a calcinha importante, preta, da esposa-
partner. Ele não reconheceu a calcinha e apesar do frio e da
situação absurda com os mendigos, a vara continuava
eretíssima. Vara de condão. Abri a fenda traseira do meu
overcoat e retomamos nosso sexo. Ele gozou rapidinho. Eu
já estava satisfeita e com a bunda muito gelada.
— Vamos...
— Preciso vestir minha calça...
— Se apóia em mim.
— Tenho que tirar a bota.
— De novo!?
— Senão a calça não entra...
Tirei a bota e vesti a calça e a outra metade da calcinha da
esposa dele...
(Calcinhas alheias, sempre fervi antes de usar.)
Voltamos em silêncio e nos separamos logo na entrada. A
festa era quase a mesma. Mais de meia hora se passara e a
esposa— partner conversava com os espanhóis.
Rapidamente peguei um copo de vinho e virei em dois ou
três goles. Ele foi direto para o toalete, sexo relâmpago
sempre deixa odores. A esposa— partner se aproxima de
mim...
— Acabei de ler a minha mão.
— Mesmo? E que tal?
— As ciganas são muito boas, a que leu a minha fala
português e espanhol.
— O duro é a fila...
— Mas a consulta compensa. Demora mais ou menos
meia hora...
— Sei...
— Dá pra fazer muita coisa em meia hora, fala a
verdade...
— Acho que vou dormir.
— A cigana disse que tem uma mulher no meu caminho.
— Elas sempre falam essas coisas...
— Cadê o meu marido?
— Não sei.
Acenei pros espanhóis e fui me retirando. Ela segurou
meu braço.
— A cigana falou mais sobre essa mulher...
— Não acredito nessas coisas.
— Eu também não acreditava até entrar naquela tenda, ou
eu não enxergava...
— Boa noite.
— Você não sabe o que te espera...
Cena de novela mexicana. Deixei a mulher falando
sozinha e saí apressada. Passei pelas tendas e nem olhei para
as ciganas. Arrisquei uma panorâmica antes de deixar a
grande festa e vi meu ilusionista saindo do toalete com a cara
bem matutina. Ele não me viu e a partner ainda me olhava.
Dormi. Teríamos a próxima semana livre e eu pensaria
melhor no que fazer... Olhei os dias passando e nada fiz,
nada aconteceu. O ilusionista se escondeu atrás dos livros, a
esposa também não me perturbou mais, até sorria. Calmaria.
Decidi deixar o circo logo após a temporada na França,
portanto três semanas eu dispunha para organizar e resolver
minha situação. Não foi por causa dele, um dia acordei e
simplesmente vi que não queria mais a vida circense. Não
queria mais voar, nem viver viajando, cansei da purpurina,
da lona, eu queria era voltar pra casa e ficar lendo o
caderninho de sonhos da minha mãe.
Meu coração doía de vontade de chegar perto do meu
mágico de olhos delineados, mas sabia que era roubada e
mantive distância. A mulher não saía da cola e era
conchavada com toda a ala feminina do circo, virei o assunto
delas, só a contorcionista era minha amiga, Soraia, fazia
qualquer coisa com o corpo, qualquer coisa mesmo, os
homens enlouqueciam com ela, não passava uma cidade sem
arrumar um namoradinho; falava mais de cinco línguas e era
toda alegre. Eu gostava dela e ela também de mim. Foi a
minha salvação. Entrei na dela.
— Nunca gostei muito de francês, mas aquele Renè...
— Prefiro o amigo.
— É, eu percebi... Combinei deles passarem aqui depois
do espetáculo, vamos dar um rolé por Paris...
— Fechado.
A estréia em Paris foi emocionante, caprichei no vôo e fui
muito aplaudida. Meus colegas encheram a minha bola, meu
mágico olhou— me com orgulho e os franceses da Soraia
ficaram nos esperando na platéia. Preferia mil vezes um
passeio romântico... Só meu ilusionista e eu... Ilusão, nada de
romance, só diversão.
Os franceses fizeram um tour básico noturno na cidade—
luz, depois fomos a um bistrô, todos famintos. Fizemos o
pedido, e antes das entradas o francês começou a pegar na
minha perna. Deixei. Depois da sobremesa começamos a nos
beijar. Não gostei do beijo dele, mas correspondi. Ele tinha a
língua dura demais e não mexia direito...
Saímos do restaurante e fomos para uma casa noturna. Eu
queria dançar, mas o francês da língua dura queria que
queria me arrastar pruns sofazinhos escuros. Pedi socorro à
Soraia.
— Eu não gostei do beijo desse cara.
— Beija outro!
— E pra me livrar desse?
— Vamos dançar e você de repente desaparece!
— Vamos dançar!
Fomos todos para a pista de dança e eu segui as
indicações de minha amiga; dancei um pouco e desapareci
no meio da multidão em movimento estrobo. Fui até o bar, vi
no balcão um homem parecido com meu Don Juan, ele
percebeu que eu olhei e me saudou levantando o copo. Eu
sorri e baixei a cabeça. Ele veio. Fui logo avisando que não
falava francês e ele me disse, meio em inglês, meio em
espanhol, que nos entenderíamos só com os olhos. De perto,
não se parecia tanto com Don Juan, mas era apetitoso.
Usamos todos os recursos lingüísticos e não demorou muito
pra que os dois percebessem que a linguagem corporal seria
a única cabível ao casal. Nos beijamos, ele beijava normal.
Estava ofegante. Pela pressão na minha perna deu pra
perceber a ereção. Fomos para os sofazinhos escuros, eu
estava de saia, proposital, saí mal intencionada e nada mais
oportuno que uma saia. Ele afastou minha calcinha e enfiou
o dedo no meu buraquinho úmido. Falava umas coisas que
eu não entendia, mas que me excitaram bem. Passei a mão
no pau dele e era de boa consistência, ele disse alguma coisa
e eu adivinhei que era sexo que ele queria. Eu queria uma
ilusão qualquer pra tirar o ilusionista do foco. Não muito
discretamente, entramos os dois numa das portinhas do
banheiro feminino, que por sorte estava meio vazio. Ele me
comeu sem a menor cerimônia. Comeu.
Uma mulher bate na porta, me assusto e quero parar tudo,
ele não deixa e ainda sugere um coito anal. Claro que não
liberei, é o tipo de coisa que comigo funciona meio tipo
prêmio, só quem merece muito e não era o caso ali no
banheiro, com aquele estranho. Ele deu uma insistida e eu
me irritei, quis sair, ele não deixou e ainda empurrou minha
cabeça pro pau dele e conseguiu me enjoar... Odeio quando
os caras empurram a cabeça pra forçar um sexo oral. Odeio.
Disse que eu estava enjoada em português mesmo, acho que
ele entendeu, deve ter ficado com medo que eu vomitasse em
cima dele e me soltou. Ódio. Saí do toalete, voltei para o
dance e fui logo enlaçada por um careca bonito. Dançamos
uma dança insinuante e em poucos minutos ele começou a
beijar a minha boca já beijada por dois. Noite promíscua. O
beijo dele era o melhor. Continuamos na nossa dança pré—
nupcial até o corpo pedir água, sentimos sede no mesmo
momento e fomos até o bar. Ele falava francês e pediu duas
garrafas de água com gás. Bebemos e continuamos a nos
beijar sem trocarmos uma palavia, só sei que ele não era
mudo porque ouvi a voz falando com o barman. Êxtase.
Ele pegou na minha mão e entramos numa pequena porta.
Subimos uma escada em silêncio absoluto, eu na frente; a
escada terminava num terraço com vista impressionante, um
panorama de encher os olhos d’água. Pensei no meu
ilusionista, mas continuei beijando o careca bonito. Ele
levantou a minha saia e mordeu minhas coxas... Depois tirou
os meus peitos do sutiã e beijou os meus biqui— nhos.
Quando desabotoou a calça, o pinto pulou, não usava cueca.
Ele pegou o falo grosso e o colocou na minha mão, segurei,
parecia um foguete pronto pra ser lançado. Ele tirou do bolso
uma camisinha... Contagem regressiva: cinco, quatro, três,
dois, um, zero!
Sexo no topo do prédio. Gozei olhando as luzes de Paris!
Gozei só uma vez, ele também. Nos beijamos mais um
pouco, ajeitamos nossas roupas e voltamos para a pista de
dança. Soraia dançava com o francês. Ela segura meu braço
e me arrasta até o toalete.
— Você sumiu...
— Eu fiquei com um cara... quer dizer, dois..
— Não creio, o amigo do Renè tá te procurando...
— Sem chance, não gostei.
— Ficou com aquele careca?
— Fiquei... mas teve um outro antes...
— Não creio!
— Nem eu...
Demoramos horas pra entrar numa daquelas portinhas e
quando voltamos não encontrei mais o careca bonito. Ele não
soube a minha voz, quer dizer, ouviu uns gemidos, só.
Procurei bastante por ele, no bar, nos sofás, varanda, pista,
pensei em subir até o terraço, mas não me senti disposta a
encarar as escadas. De repente o raio do língua dura
atravessa o meu caminho... ele era um engodo, um engano.
Dei meia-volta e me camuflei no meio da multidão em
trânsito, e um cara se esfregou em mim; todo mundo se
esbarrava, se encostava pra conseguir passagem, mas ele se
esfregou diferente, senti o pau roçando a minha bunda. Virei
para trás e olhei a cara dele... eu o conhecia! Cláudio! Tinha
sido meu namorado eras passadas, um pouco depois dos
irmãos Nicolau e Nicodemos.
— Angela!
— Cláudio!
— Que coisa!
— Angela...!
— E, sou eu!!
— Eu sei! Você!!
Gritávamos feito dois desesperados.
— Está a passeio?
— Não, trabalho! E você?
— Moro aqui!
— Mesmo!?
— Há dois anos!
— Que surpresa!!
— Como?
— Que surpresa!
A música cada vez mais alta...
— Quer dar uma fugida?
— Não entendi.
— Aquele cara é seu namorado? Marido?
— Quem?
— O que estava com você!
— Não entendi!
— Vamos sair um pouco daqui!?
— Eu não posso!!
— Eu também estou com a minha namorada!
— Você não está entendendo!
Ele me lascou um beijo molhado, me conduziu para trás
de uma coluna e apalpou meus peitos como se tivéssemos
quinze anos.
— Sempre morri de vontade de fazer isso...
— O quê?
— Pegar nos seus peitos. Você mal deixava...
Veio um desejo incontrolável de colocar o pau dele na
minha boca... Cláudio era o mais cobiçado... todas queriam,
eu quis bancar a difícil e não transei com ele, pura burrice, já
tinha dado pra mais de meia dúzia, mas não liberei, ele
cansou e me trocou por Valquíria, uma feia que dava bem...
Os malditos comedores bocas de trombone diziam que ela
dava como uma rainha e que gozando, era lindíssima.
Namoraram um tempão. Não me conformei muito, mas
continuei fazendo o tipo nem aí... E o pau dele estava ali,
duro. Apertei o falo e me ajoelhei, ele tirou o pinto que eu
não conhecia e o chupei com nostalgia, voltei no tempo... Foi
rápido, chupei bem pouco, na verdade mais beijei que
chupei. Horror de noite. Levantei, limpei a boca e saímos do
nosso refúgio, o canto escuro atrás daquela coluna. Olhei
bem pra ele, todo colorido pelas luzes, e estava tão distante
de ser aquele Cláudio, era um outro cara. Limpei a boca de
novo. Ele sorriu, eu também sorri e ele voltou a apalpar os
meus peitos com infantilidade. Débil. Alguém se aproximou,
era ela, Valquíria!? Olhei boquiaberta, Cláudio também
olhou, com meus peitos nas mãos... Baixei a cabeça. A
mulher começou a falar com ele em francês e eu pude ver
que não era Valquíria, mas parecia. Gêmea. Sósia. Clone.
Ele soltou meus peitos. Vi o zíper dele aberto e o pinto mole
meio pra fora, ele percebeu e guardou o dito cujo sem que a
falsa Valquíria notasse. Ela se aproximou de mim. Esperei
um tabefe, mas pra minha surpresa a falsa Valquíria também
veio pondo as mãos nos meus peitos; apalpou bem tipo
médico e fez um comentário em português, mas o sotaque
entregou sua nacionalidade francesa.
— Son bons... Mas prefiro os meus. Quer tocá-los?
Não os toquei, Cláudio se tocou e se despediu, ela
também, e se foram, falando empolgados, quase na altura da
música.
Saí à captura de Soraia e os franceses dela. Queria ir
embora, mas pensar em encarar a volta no carro do língua
dura fez brotar a idéia de ir de táxi sem me despedir de
ninguém. Paguei com meu cartão e fui.
Senti que mandei bem no meu francês limitado, mas o
taxista era italiano. Belo italiano. Revelei minha
nacionalidade e ele foi logo dizendo que amava as
brasileiras, que seu sonho era conhecer o Brasil, que adorava
café. Eu também. Paramos pra tomar um expresso. Ele,
gentilíssimo, pagou os cafés, abriu a porta do carro, não quis
cobrar a viagem, mas me lascou um beijaço na boca e foi
logo pondo a mão na minha virilha. Transamos no táxi. Não
domino o idioma, no entanto entendi tudo o que ele dizia e,
inspirada, acabei soltando uns gemidos em italiano...
— Dio mio! Dio santo!
Ele me estendeu um cartão com o telefone e endereço e
eu vi que quase amanhecia. Pensei no meu ilusionista
dormindo e abri a porta do quarto. A cama de Soraia intacta,
concluí que ela tivesse ido pra casa do francês dela, mas mal
tirei os sapatos ouvi batidas na porta. Eu estava louca para
contar do Cláudio e do taxista italiano! Noite absurda!
Abri a porta e perdi o chão. Era ele, ilusionista.
— Eu precisava te ver...
— Se sua mulher te pega aqui...
— Foda-se.
— Nada disso, chega, a gente já transou.
— Eu não quero só sexo com você.
— O que mais você pode querer?
— Muitas coisas...
— Você não sabe de onde eu venho...
— De onde?
— Abracadabra, só faltava você.
— Eu precisava te ver.
— E eu preciso de um banho...
— Sem banho. Você não sai da minha cabeça...
Sem banho não seria, com ele não. Depois do contato com
quatro desconhecidos... Não. Nunca! Tinha também que
escovar os dentes... Fugi do beijo e me tranquei no banheiro.
Ducha rápida e eficiente. Saí nova e pronta para levitar de
amor nos braços mágicos do meu ilusionista cheio de truques
sensoriais.
Nosso sexo no abrigo dos mendigos tinha sido muito
bom, mas nada supera uma horizontal. A cama era de
solteiro, viramos um só e transformamos aquele retângulo
estreito num oceano de delícias. Repetimos o número no dia
seguinte, e até o fim da temporada já éramos íntimos
conhecedores de todos os nossos truques e mistérios. Ele
vinha com uma freqüência assustadora, teve um dia que
apareceu três vezes, manhã, tarde e noite. Soraia começou a
se irritar por ter que sair do quarto... Era todo dia, até o
último espetáculo, quando fechou a cortina.
Fiquei horrorizada quando ele entregou que colocava
tranqüilizante na bebida e na comida da esposa— partner pra
poder escapar... Escapar?! Escapar. Usou a palavra errada.
Até tudo bem ele dopar a coitada, que quase dormiu durante
uma apresentação, tudo seria perdoável; mas escapar foi
péssimo, para acabar. Não disse nada, só me esquivei e,
terminada a turnê, esqueci o trapézio e desapareci. Ele tinha
meu telefone, me encontrou. Saímos algumas vezes; fomos
ao cinema, jantamos, tudo bem normal, tranqüilo, mas fora
do circo não foi a mesma coisa, perdeu o encanto, acabou a
magia e os olhos dele não estavam mais delineados. Escapei.

ELA
Me apaixonei por uma mulher. Nos conhecemos em maio,
mês das noivas, das mães... Cris, Dinho e Markito me
arrastaram pra um show de Verônica Maia, que tinha
acabado de ser descoberta e uma multidão cantava todas as
músicas junto com a voz dela, deliciosa e amplificada. Meus
amigos alfinetaram na minha blusa um crachá da produção.
Markito era figurinista dela, e depois do show acabei indo
com eles para o camarim. Verônica reluzia e ria... Após a
sessão de autógrafos fui informada que iríamos todos pra
casa da estrela. Uma loira bonita se encostava nela.
Em menos de uma hora foi servido o jantar. Vinte e três
pessoas. Bebemos vinho tinto. No brinde ela olhou pra mim.
Passamos a noite conversando. A loira bonita e muito
mau humorada bocejava cada vez que Verônica me lançava
um olhar ou uma palavra... Aos poucos, os convidados foram
saindo; Cris foi embora com um fotógrafo, Markito apagou
no sofá, e me vi sozinha com as anfitriãs e Dinho, que falava
por uma multidão. A loira bonita, mau humorada e exausta
beijou a boca de Verônica e se arrastou pela escada que dava
para os quartos. Dinho já me cansava. Tentei acordar
Markito, mas ele tinha sido abocanhado pelo sofá e não
conseguia se levantar. Sentei num puff, que começou a
vibrar. Verônica olhou.
— Gostou do puff?
— Assustador.
Senti meu rosto corando... A vibração plantou no meu
corpo um desejo incontrolável de abraçar Verônica com
meus braços e minhas pernas... Acho que ela percebeu e deu
um jeito de tirar o Dinho dali, ouvi a voz dele se afastando.
Fiquei de olhos fechados imaginando como seria. Uma
mulher? Nunca. Mas por que não? Cair de boca eu não vou...
Sou hetero, nunca me interessei por nenhuma mulher. Ela é
diferente. Verônica... Eu queria só beijar a boca dela. Só a
boca. Atraída por ela ou pelo desconhecido? Não sei. Não
sou sapata, é só uma vontade. Curiosidade. Gosto dos
homens. Adoro os homens. Verônica. Que coisa! Mas pode
ser bom...
No auge do meu devaneio, senti um toque no joelho. Era
ela, Verônica.
— Se você quiser ficar mais confortável num quarto...
— Não, vou chamar um táxi.
— De jeito nenhum.
Sentou-se ao meu lado, olhou a minha orelha, comentou o
meu brinco e depois beijou— me calmamente, eu a abracei e
senti seu corpo vibrando junto ao meu. Mulher. Verônica.
Nunca tinha beijado uma mulher, só as meninas da infância.
Fernanda, Rafaela, Ana Cristina e Bianca.
Ela desabotoou a minha blusa, tirou meu sutiã e passou a
língua doce nos meus mamilos entusiasmados. Eu quis fazer
o mesmo... brincar com os biquinhos dela na minha boca...
Mamar em peito de mulher é realmente uma experiência
muito boa, os bebês são felizes... Ela delirava e me
acariciava com as mãos precisas e delicadas. Meu coração
foi a mil, minha respiração acompanhou e a nossa química
reagiu instantaneamente. Bateu.
— Verônica!
A voz vinha de cima, era a loira quem a chamava.
Verônica se levantou, pegou minha blusa e meu sutiã e me
puxou. Silenciosamente, saímos por uma porta secreta que
nos levou até a garagem. Entramos no carro...
— Eu quero você... mas não vai dar pra ser aqui.
— Eu sei.
— Você... mora com alguém?
— Minha mãe e dois irmãos.
— Suas amigas costumam dormir na sua casa?
— Às vezes... Pouco.
— Posso ser sua hóspede?
— É que... Você não é qualquer hóspede...
— Não?!
— Meu irmão é seu fã.
— Sei... Tem um hotelzinho aqui perto.
— Tá muito tarde... Vamos nos ver amanhã.
— Eu quero agora!
— Amanhã.
— Ok, te deixo em casa.
Em dez minutos estávamos defronte a minha casa. Tudo
apagado. Nos beijamos. Os vidros do carro suavam por nós
duas... Fiquei nua, inteira. Verônica parecia conhecer
precisamente o meu corpo, e eu gozei uma, duas, três vezes.
Suspiro.
O sol ameaçava surgir e eu apavorada tinha que entrar
antes que alguém acordasse. Saí do carro nua, descalça e
entrei em casa na ponta dos pés, num silêncio absoluto, com
toda a cautela. Acenderam a luz. Meu irmão mais novo e
nervoso era o iluminador...
— Então o Ronaldo tinha razão, ele deve ter te comido
mesmo e eu te defendendo que nem um otário...
— Quem?!
— Ronaldo do bar... Ele disse que te comeu.
— Que cara babaca! E mentira!
— Era pra ele que você tava dando até essa hora?
— Fala baixo!
— Eu estou falando baixo, você é que está quase gritando
e entra em casa pelada... Ele te comeu onde? No portão?
Foi?
— Cala a boca! Não tinha nenhum cara comigo, eu só
tirei a roupa pra não fazer barulho... pra não acordar
ninguém... E você pára de olhar pra mim!
Nunca tinha visto meu irmão tão calmo e ele nunca tinha
me visto tão nua. De repente ele apertou meu braço e o
semblante era outro, frio, calculista, sádico, torturador
profissional, sussurrava e apertava meu braço cada vez mais,
queria me matar.
— Quem foi o filho da puta que te comeu no portão da
sua casa?
— Eu já disse! Eu tirei a roupa pra não fazer barulho!
— Isso é ridículo.
— Me solta seu idiota! Eu tô falando a verdade! Eu saí
com Mar— kito, pergunta pra mamãe!
— Você teve coragem de dar pra aquela bicha? Puta
merda! Eu não acredito!
— Tirei a roupa antes de entrar pra não acordar a minha
mãe, que demora pra dormir! E eu não te devo satisfação e
quem me trouxe foi uma amiga!
— Mentirosa.
— Uma amiga minha que você é louco pra
conhecer...Looouuuco. Ela é linda!
— Mentirosa.
— Eu não sou mentirosa!!! Markito é figurinista dela.
Verônica Maia.
— Ah, inventa outra mais absurda... Você é a pessoa mais
mentirosa que eu conheço, ninguém ganha de você.
— Eu tô falando! É verdade, ela que me trouxe pra casa!
Eu fui ao show dela. Olha o convite! Tá aqui o telefone dela,
liga lá agora!
— O pior mentiroso é o que acredita na própria mentira.
— Oh!!! Você é um babaca. Quer que eu te fale o quê?!
Que ela é lésbica? Que me beijou na boca e depois me
chupou os peitos e a xoxota...? Que lambeu tanto meu grelo
e que só com os dedos ela me fez gozar muito mais que você
faz gozar a mãe do Tiago?!
— Cala a boca!
— Pensa que eu não sei que quando o marido dela sai
você vai pra lá? Já matou aula e tudo pra comer a senhora...
Fiquei sabendo...
— Quem te falou essa besteira? Foi o cara que te comeu?
— Solta o meu braço! Que nível de conversa... Aonde
chegamos!
— Foda-se, chegamos.
— Verônica Maia. Tá aqui o número dela. Só não fala em
meu nome porque eu tenho vergonha de ter um irmão tão
idiota.
Ele ligou. A loira deve ter atendido, ele disse que era
Saulo de Paris, se desculpou pelo horário da ligação e foi
informado que Verônica tinha saído pra levar uns amigos pra
casa e voltaria em poucos minutos.
Desligou o telefone e guardou o número dela no bolso.
Me apaixonei por Verônica Maia e vivemos uma história
louca, até encarei ser back vocal em muitas turnês, eu
cantava direitinho. Em casa, ela era celebridade e minha
melhor amiga, chegou a dormir na minha cama com a
mamãe no quarto ao lado... Nunca desconfiaram de nada, e
meus caros irmãos sempre tentando seduzi-la.

* Meus dois irmãos e o cuidado que tinham comigo


merecem um capítulo.

FLECHADOS
Fatalmente eu ficaria com Luiz. Ele era casado com Sara,
uma amiga dos meus amigos. Na estréia da ópera de
Fernando, lá estava ela, ao lado dele. Luiz... Amor à primeira
vista, e eu que nunca acreditei nisso... Foi na escadaria do
teatro, na saída. Tropeço num degrau e, para não cair, me
apóio no braço daquele homem... Ele me segura, me salva.
— Desculpa.
— Tudo bem.
— Eu tropecei...
Continuo descendo, na frente dele e de Sara. Lá embaixo
trocamos um rápido olhar e eu sinto uma pontada nas
costas... Coloco a mão no peito, é a ponta de uma flecha.
Todos estavam preocupados em fazer comentários
inteligentes sobre a ópera e ninguém notou que eu estaria em
apuros. Fingi que nada anormal se passava... Andei com a
flecha fincada e ninguém notou. Ele me olhava. Sara percebe
e olha pras escadas. Segui o olhar dela, e exatamente onde eu
tropecei estava um anjo lindo, com um arco nas mãos, rindo
e me mandando beijos. Levei a mão ao peito atingido e tive
muito medo. Comecei a chorar. Chorei muito e todos diziam
que a ópera era emocionante. Nos despedimos com um
sorriso e ele se foi. Nas costas dele também tinha uma flecha
fincada... Eu era quem ele buscava havia milênios.
Nunca tinha visto Sara acompanhada, mas já sabia que ela
era casada. Também nunca tínhamos trocado mais que três
frases. Inconscientemente, evitei maiores contatos, por
algum motivo não deixei que ela se aproximasse muito de
mim e só entendi o porquê quando conheci o marido. Minha
intuição raramente falha.
Nosso segundo encontro foi numa festa. Só então fomos
oficialmente apresentados. Nossos olhos se encontraram e
senti o impulso de abraçá-lo, mas só olhei brava pro anjo
atrevido que zoava perto da pista de dança. Ele me mandou
beijinhos, como fazia com todos que se aventurassem a olhar
pra ele. Vi várias pessoas flechadas naquela festa.
Luiz passou a freqüentar. Ele dava um jeito de falar um
pouco comigo, muito pouco, sempre tanta gente em volta, no
meio, em cima... Passa um ano e nada passa disso, dois anos,
três anos... Tive dois maridos e alguns namorados nesse
período. Ele continuava com Sara.
Quatro anos.
— Sara e Luiz estão se separando.
A notícia ecoou na minha cabeça.
— Ele saiu de casa ontem à noite... Foi pra um flat.
Eu não sabia que expressão esboçar...
— Ela me ligou na madrugada.
Eu só sabia que ele me amava.
— Disse que ele ama outra mulher...
Eu! Finalmente ele estaria livre para olhar nos meus
olhos, e me abraçar e beijar... Eles nunca se beijaram na
minha frente, ele e Sara. Meu apetite já era... Julia continuou
com a notícia em primeira mão...
— Ele tem outra, Sara descobriu.
Como ele teria outra? Meu Luiz?! Outra mulher? Deixo
cair o garfo, o garçom me oferece outro. Agradeço e me
levanto. Dispenso saber quem levou o meu amor... Odiei
minha rival invisível e a imaginei mais atraente que Marilyn
Monroe, mais inteligente que um semáforo e mais
envolvente que o som de Morcheeba.
Toalete. Olho meu rosto estranho no espelho e tenho
medo de quebrá— lo. Meu desejo imediato era quebrar tudo,
sair e quebrar os pratos, os copos, puxar as toalhas das
mesas, destruir as cadeiras e bater a cabeça na parede. Nunca
fui exatamente possessiva, nunca tive ciúme dele com Sara,
acho um saco gente ciumenta, mas morreria se o visse
amando a mulher da minha cabeça. Fiquei tomada por um
amargo que me secou a boca e arregalou os olhos, e o meu
sangue
corria quente e rápido, e minha cabeça não parava, minha
visão escurecia, e eu queria ir para casa ficar quietinha na
minha cama olhando o nada no branco do teto.

Camila era o nome da nova namorada do Luiz. Era bonita,


simpática, jornalista, nada parecida com Marilyn. Eles
estavam de mãos dadas, mas Luiz não tirou os olhos de mim.
Não tive ciúme, achei empolgante vê-lo com outra mulher...
e depois dela ainda viriam mais duas ou três e aí ele seria
meu para sempre... Foi assim que sempre idealizei o nosso
romance; ele teria umas mulheres pra disfarçar que foi por
minha causa a separação e só depois de, no mínimo um ano,
ficaríamos juntos e aí que exploda o mundo. O mais incrível
foi André, minutos antes de Luiz entrar. André diz que eu
nunca tinha amado de verdade e que sentia que a minha alma
gêmea estava por vir... Sinceramente, sempre achei esse
papo de alma gêmea, cara— metade, essas coisas, uma
bobagem. Nunca acreditei em príncipe encantado e vivi cada
um dos meus amores como se fosse o amor do momento, e
se acabar é porque vem outro... Claro que com alguns desejei
amor eterno, o casal envelhecendo junto, essas coisas... Mas
sempre me apavorou a possibilidade de encasquetar com um
cara que nem aconteceu com minha mãe. Tem histórias que
se repetem. Sem saber, André soprou o meu destino quando
disse que sentia que meu grande amor estava para aparecer...
Não sei de onde ele tirou isso, acho até que atribuiu a ele
próprio o título de grande amor, mas quando olhei para o
lado, vi Luiz...

Nunca tive pressa, urgência sempre, pressa não...


Esperaria tranqüilamente Luiz se divertir um pouco com a
vida de homem livre, como eu havia planejado, mas
aconteceu que conheci um negro divino, um bailarino
americano que ativou meu furor uterino. Nunca tinha trepado
com um negro, tive alguns pardos, morenos, mas com um
anjo de ébano como aquele, nunca. Ele me enlouqueceu. Eu
tinha uma amiga que praticamente só namorava negros. Teve
um cantor famoso que ela namorou, um jogador de basquete,
teve um camelô com os cabelos rastafari até o meio das
costas... Dizia que eles eram os melhores na cama, sem
comparação com qualquer outra raça. Ela se sentia
especialista em negros, e eu em orientais. Eu já tinha trepado
com um japonês e um nissei, ambos formidáveis, e posso
afirmar que a lenda do pintinho é pura maldade, tanto o japa
como o nissei tinham, além de bons paus e técnicas
fantásticas, a pele lisinha, macia... Ótimos os orientais. Mas,
eu estava falando do meu negro deus da dança... Além do
corpo escultural esculpido por pliès e relevès, o pênis e a
ginga dele, por algumas semanas, não deram espaço para
mais nada, nem ninguém. Conversávamos em inglês,
trepávamos em inglês, passei a sonhar em inglês. Fiquei
completamente fascinada pelo bailarino a ponto de querer
virar americana. Cheguei a comprar uma nuance clareadora
pra virar loira, pensei até em bombar os seios com silicone,
mas a mínima possibilidade de perder a sensibilidade nos
mamilos, o pós-operatório e o tempo de permanência do
visto dele me fizeram desistir do plano pin-up.
Meu romance rapidamente tornou— se público e
divulgado como casamento. E Luiz ligou.
— Angela?
— Eu...
Reconheci a voz, sempre fui uma péssima reconhecedora
de vozes ao telefone, mas ele era inconfundível, tive medo...
— Luiz!?
— Angela! Como vai, como vai você?
— Bem...
Ele ficou alguns segundos em silêncio, eu também não
sabia o que dizer, tanta coisa e as palavras escapavam e não
vinha uma frase inteira... Ele enfim me salvou, objetivo
como uma seta.
— Estou ligando pra me despedir...
— Como se despedir?!
— Soube que você vai embora...
— Eu não...
— Vai deixar o país...
— Eu não vou!
— Não vai se casar?
Só se for com você. Eu queria dizer, mas não disse.
— Não vou me casar, nem vou me mudar...
— Não vai?
— Não!
— Tem algum compromisso hoje à noite?
— Tenho, mas posso cancelar.
— Passo na sua casa às nove, pode ser?
— Será.
Luiz ligou.
Luiz ligou.
Luiz ligou.
Luiz ligou e sem a menor cerimônia me convidou para
jantar... Eu não acreditava... Primeiramente tratei de
convencer minha amiga a sair com o bailarino. Fiz isso com
tanta naturalidade e desprendimento que, uma semana
depois, ela embarcou com ele e estão casados até hoje. E a
vida...
Olhei para o espelho certa de que Luiz era o amor que
André intuiu... Eu, no fundo, não queria que fosse, não
estava muito disponível pra uma história intensa, profunda,
esses romances roubam tanto tempo... Decidi que seria um
caso raso, rápido, e vi a cicatriz invisível que a flecha tinha
deixado em meu peito.
Tomei um banho quente e acabei demorando na
masturbação mais tempo que de costume. Sempre me
masturbei no banho, acho que nunca passei um único banho
sem uma gozadinha pelo menos. Meus banhos e a descrição
das minhas técnicas com o chuveirinho já me inspiraram a
escrever um manual.
Esfreguei todo o meu corpo com açúcar, truquezinho de
uma amiga. Além de ser um ótimo esfoliante capaz de
remover todas as células mortas da pele, o açúcar te deixa
numa atmosfera doce... Depois do açúcar, shampoo, cremes,
sabonete e finalmente o chuveirinho. Nas minhas siriricas,
raramente penso no cara que eu estou amando, ouvi dizer
que dá azar, que zica o relacionamento. Não acredito nessas
coisas, mas acho que acabo influenciada. Ine— ditamente,
no banho para Luiz, imaginei Luiz mesmo, não me vinha
outra pessoa; até vinha, mas eu não embarcava e toda hora
aparecia Luiz e eu deixei. Consegui aquela pressão exata da
água no chuveirinho manual direcionado diretamente para o
meu clitóris... E Luiz no imaginário fazendo absurdos e me
levando ao êxtase.
Saí do chuveiro tonta e xinguei o relógio especialista em
me trapacear. Deu vontade de deitar na minha cama e
esperar o interfone tocar, aí eu pediria pra ele subir, entrar no
meu quarto, deitar na minha cama e repetir todos os takes do
banho, só que no banho as imagens às vezes são meio
truncadas, mal editadas e agora seria tudo na íntegra, ao
vivo, em cores!!
O interfone tocou. Era ele. Eu disse que estava descendo.
Tinha planejado um belo modelo, mas na hora caí no básico
de sempre, mais um rímel e perfume pra dar um toque de
noite. No elevador, visualizei o anjo negro com minha cara
amiga e tive certeza de que eles seriam muito felizes.
Luiz lindo e meu, foi o que eu vi ao lado do carro que me
esperava de portas abertas. Ele beijou meu rosto, fechou a
porta e entrou no carro. Antes de dar a partida, segurou
minha mão e olhou no fundo dos meus olhos sem dizer uma
palavra. Entendi que era hora de silêncio e que teríamos a
vida toda para conversar.
Fomos a um bistrô que eu não conhecia e como a gente
também quase não se conhecia, apesar do tempo que nos
esperamos, o assunto foi tanto que a comida esfriou. De
sobremesa beijos, beijos... Tivemos que deixar o lugar.
Descemos as escadas e continuamos nos beijando na rua,
dois passos e um longo beijo. Quase meia hora pra chegar no
carro estacionado a poucos metros...
Ele estava morando num flat. Ao longo dos anos de
espera, planejei milhões de primeiros encontros com Luiz.
Idealizei os lugares mais exóticos, os papos mais
inteligentes, os vestidos mais esvoaçantes, a lingerie mais
sexy que ele nem veria... Em todos os planos, estava
excluída a possibilidade de dar logo de cara. Sempre fui
contra dar no primeiro encontro, não sou tão fiel às minhas
intenções, mas quando é possível ou instigante, eu torço a
calcinha, mas não dou. E com Luiz era a típica ocasião pra
me segurar. Ele fechou a porta e eu temi abrir as pernas. Me
ofereceu um vinho, aceitei Coca-Cola. Achei melhor não
ingerir nada alcoólico, eu poderia ficar solta demais... Coca-
Cola. Ele me acompanhou.
— Um dejà vu... Eu já vivi isso com você!
Aquilo ecoou na minha cabeça.
— Ou então eu já imaginei essa cena... Penso em você faz
tempo, você não faz idéia...
— Quanto tempo?
— Desde quando você tropeçou na escada do teatro...
— Que memória!
Ficamos em silêncio. Os dois sabiam que a parada era
forte.
— Acho que foi a primeira vez que nos vimos...
— Amor à primeira vista.
— E por que a gente demorou tanto?
— O nosso tempo é diferente, a gente pode ficar dez anos
sem um encontro e é como se nos víssemos diariamente.
Estamos sempre juntos, mesmo que separados, somos uma
unidade.
— Definitivamente é você o meu derradeiro amor!
— Isso significa que me ama para sempre?
— Isso não significa nada.
— Do que você tem medo? De que sentimento? Os cães
ladram, e a caravana passa...
— Tenho medo de você, não exatamente de você...
— Eu também tenho medo, seu olhar, suas palavras, sua
mão na minha mão... Olha, isso... Que medo, mas e aí?
E aí que meu plano de não dar logo no primeiro encontro
foi por água abaixo. Dei. Na mesma semana ele se mudou
para minha casa e nada mais fazíamos senão amor. Dia e
noite, só parávamos para comer, dormir, conversar... Parei de
trabalhar. Ele também parou. Emagrecemos, nos retiramos
do mundo e nada mais importava. Tentamos reativar a vida,
mas não dava, acordávamos fazendo amor e quando a gente
via, mais um dia ia embora. Finalmente, os prazos,
compromissos, as contas, nos fizeram tomar uma atitude:
separação. Não tinha outro jeito, decidimos juntos, foi
doloroso. O que a gente sentia era tão forte que não dava pra
fazer mais nada. Nos libertamos.

SEM NOME
(FLASH)
Virei maquiadora e saí com a equipe da produção, depois
da filmagem. Fomos a uma casa badalada e escura que tinha
uma comida que eles anunciavam como afrodisíaca, e nos
confortáveis sofás, casais se beijavam com ardência.
Luiz na cabeça. Eu tinha que zerar o coração e abrir
espaço pra uma nova história. A música era bem sugestiva,
no entanto nenhum dos meus colegas de trabalho me
interessava. Absolutamente. Mas tinha um moreno bonito na
mesa ao lado, com outros três caras e duas loiras. Fui
dançar... Ele olhou um pouco e veio. Dançou duas músicas,
na terceira ele segura a minha cintura e cola o corpo dele no
meu. Adoro homens que dançam! Nos beijamos ainda na
pista e enfrentamos, aos amassos, a lenta fila da saída.
A casa dele era perto, o apartamento. Subimos já tirando
as roupas no elevador. Ele abriu a porta e me jogou no sofá.
Tinha um aquário com dois peixes pretos, a luz fria do
aquário era a única iluminação.
Levantou meu vestido, tirou minha calcinha e veio direto,
sem prelúdio e sem tirar a camisa e as meias. Ele tinha dois
ritmos que se alternavam; primeiro, lento e profundamente,
depois, rápido e mais superficial — um jeito que me fez
pensar em coelhos — e novamente os profundos mergulhos
que me levaram pro espaço antes dele.
— Angela, foi muito bom...
Fiquei quieta olhando o aquário. Ele sabia o meu nome,
eu não sabia o dele. Nem queria saber. Ficamos olhando os
peixes, e eu divaguei lembrando um sonho da minha mãe...
“Eu mergulhava num lago muito claro, completamente
nua. Fui à tona para respirar e ele, lindo e também nu,
me puxou pelo braço e me levou para uma pedra enorme
e prateada, onde metade da lua dormia. Nos beijamos,
nos abraçamos e voltamos para a água. Mergulhamos
feito dois peixes. Foi uma cópula espetacular..”
Não sei quanto tempo fiquei viajando no aquário; quando
olhei para o lado, vi o moço desmaiado no sofá; era ainda
mais bonito dormindo... Me levantei com cuidado, peguei
minhas roupas e a bolsa e saí do apartamento sem fazer um
ruído. Sempre fui especialista em não fazer barulho e me
virar muito bem à meia luz. É incrível como no escuro roupa
faz barulho... Só fui me vestir no elevador, era um vestido
fácil. A calcinha, guardei na bolsa. Não quis registrar o
número do apartamento, nem o andar, só sei que era alto. Saí
do prédio sem olhar a fachada, subi duas quadras e só então
olhei para trás.
Estive em algum daqueles edifícios, e aquele moço bonito
tinha um nome que eu não sei.

MEU HOMEM DE DEUS


Nem todos os meus amores se realizaram. Infelizmente.
Essa história me deixa um pouco triste...
Num domingo resquício de sábado eu ainda não tinha
dormido, fui até a padaria onde eu sempre terminava as
noites ou começava os dias, pedi um pingado e na hora de
pagar me vi sem a bolsa. Não era a primeira vez que isso
acontecia, e o portuga do caixa se irritou.
— De novo!? Não é possível!!
— Desculpe! Caramba! Acho que deixei a bolsa no táxi,
com tudo! Todos os meus documentos...!
— A senhora me deve mais de quinze reais!!!
— Senhorita. Te devo oito e oitenta.
— De jeito nenhum!
— Eu lembro, oito e oitenta.
— Nada! Isso é da semana passada!
— Te pago vinte, amanhã, sem falta. Pode ser?!
— Não pode não.
E uma alma salvadora se materializou na minha frente e
entregou ao caixa duas notas de dez.
— Cobra aqui o da moça...
— Nossa! Obrigada. Eu vou te pagar, juro.
— Não jure.
— Mas eu vou, só preciso do meu cartão e da minha bolsa
que esqueci no táxi.
— Esquece.
— Não esqueço.
Ele sorriu divino e saiu sem pegar o troco. Me senti
princesa e fiz questão de pedir um Ping— Pong de tutti—
frutti... Que homem era
aquele?! Lindo, elegante, generoso, em plena manhã de
domingo, um terno claro de linho 120.
Era o meu amor e eu o segui... E ele entrou numa casa que
tinha uma grande faixa com a inscrição Deus é Amor. Era
ele o pastor e as ovelhas o esperavam.

Naquele tempo eu ainda me achava imortal e acreditava


que a velhice não passava de somatização de frustrações...
Ele dizia — Aleluia!!!
Eu dizia — Amém.
Passei a freqüentar todos os cultos. Estudava a Bíblia
durante a semana só pra arrasar no domingo e ver o meu
homem de Deus contente. No fundo, as nossas teorias
desembocavam num lugar parecido: eu era imortal e ele
tinha a vida eterna, pra ele o Paraíso era em algum lugar lá
em cima, pra mim era em qualquer lugar entre quatro
paredes, onde estivéssemos só nós dois, nus e unidos para
todo o sempre.
Como seria? Como amaria um homem de Deus?! Ele me
diria os Cânticos do rei Salomão? Eu vislumbrava o corpo
dele enroscado no meu corpo e o beijo santo e cheio de amor
que o levaria ao pecado, aos prazeres da carne e ao encontro
de nossas almas num orgasmo multiplicado. Por que não?
Ele não era um padre, era um ministro do Senhor, um pastor,
e a eles é dado o direito de fazer amor. Aliás, ele era casado
e tinha um filho de dois anos e meio, Matheus, o nome do
menino. Aquela criança era a prova viva de que ele tinha um
órgão reprodutor ativado. Ele trepou! Tinha um pênis!
Portanto tinha tesão, ereção, ejaculação e eu queria tanto...
Louise era o nome da esposa. Eu era muito mais bonita que
ela, mas ele só me via como ovelha.
Não era minha intenção destruir uma família. Minha fé
crescia a cada dia e eu me tornava tão generosa e
transcendente que seria capaz de dividi— lo com a esposa,
com os filhos, com as ovelhas, com Deus...
Coloquei uma foto dele no lugar dos santos, talismãs e
oráculos no meu pequeno altar e decretei o fim do meu
ecletismo religioso. A vida é muito breve, tudo é fugaz, eu
preciso experimentar, viver diversidades... Profissão e
religião, a gente tem que conhecer pelo menos umas cinco, aí
você escolhe, ou não... Eu estava enfermeira e evangélica,
totalmente Bíblia.
Limpei o altar. Tirei tudo, até as pedras, ficaram somente
a Palavra e a foto do meu homem de Deus.
Decidi assediá-lo e optei pelo vestido carmim que sempre
me enchia de sorte. Por baixo, a calcinha cor-de-rosa do
réveillon e um sutiã preto de renda francesa. Deixei os
cabelos soltos e não precisava de batom.

Todos cantavam. Ele olhou quando eu entrei. Já estava no


púlpito. Chorei muito durante todo o culto e o meu pastor
quis saber.
— Nada importante, quer dizer... É complicado,
problemas do coração.
— Do coração físico?
— Não...
Era a minha oportunidade de dizer o quanto eu o amava.
Queria beijá-lo, senti meus lábios pedindo. Não poderia ser
ali.
— Vai até a minha casa... Na rua de cima, aquele prédio
amarelo, apartamento 102.
— 102...?
— Estou esperando. Vai lá.
Outras ovelhas requisitavam a atenção do pastor e eu
desci as escadas sem olhar para os lados.
Dei uma ajeitada rápida na casa e esperei, esperei,
esperei... Ele não apareceu. Deixei de freqüentar os cultos, a
padaria... Nunca mais. Logo lembrei que gostava das festas,
dos amigos, do mundo.
Um dia ele veio. Num domingo por volta das três da
tarde, ouvi o interfone e era ele! O meu pastor vinha ao
encontro de sua ovelha desgarrada e nua!! Escovei os dentes
rapidamente, deixei a porta entreaberta, joguei um Cebion no
copo d’água e voltei para a minha cama quente. Ele entrou.
— Boa tarde!!
— Aqui no quarto...
Ele surgiu e iluminou o meu quarto escuro. Vestia o
mesmo terno que usava quando nos conhecemos... O Cebion
efervescia, meu coração borbulhava...
— Não te vi mais na igreja.
— Eu não pude mais...
— Por quê?
— Porque meus sábados não me deixam levantar dessa
cama pra nada.
— Você desistiu?
— Do quê?!
— De freqüentar os cultos...
— Desisti de ser ovelha, prefiro ser mulher.
Ele riu e olhou pro lençol que me cobria, viu todos os
volumes do meu corpo e certamente soube que eu estava
nua. Naquele segundo ele me desejou, eu sei. Eu poderia ter
tirado o lençol pra que ele visse o que vislumbrou, mas não
tive coragem, era o meu homem de Deus. Ele evitava deixar
cair os olhos sobre o lençol, olhava só pros meus olhos ou
pra janela ainda fechada, escondendo o dia como o lençol me
escondia... Virei os dois gramas de vitamina C.
— Um dia volto pra igreja, agora não dá, eu não quero,
não posso.
— Não pode?
— E difícil falar... O pastor pode entender..?
— Entendo.
Viu a foto dele na minha cabeceira e disse que a esposa o
esperava.
Mudei minha posição na cama, o lençol moldou outros
volumes. Ele olhou, levantou a cabeça e procurou os meus
olhos.
— Vou orar por você.
Era tudo o que ele tinha pra me dizer antes de sair. Eu não
era qualquer ovelha... Chorei.

FLAGRA

E foi que acabei casada por três longos anos. Conheci


Gustavo numa festa maluca, fui pra casa dele e só vi a rua
dois dias depois... Quando ele me olhou, ainda na festa,
ambos tivemos certeza de que estaríamos juntos por algum
tempo, relataríamos isso mais tarde.
Nosso beijo era perfeito, o mesmo estilo, era como se ele
tivesse me ensinado a beijar. O resto foi conseqüência.
— Eu quero...
— Eu também...
— Você começa.
Ele adorava quando eu começava. Começar significava
um bom boquete. Primeiro só a ponta da língua fazendo um
passeio circular pela glande polpuda e lisa, depois eu
chupava com uma técnica inspirada nos bezerros,
envolvendo a língua na parte inferior e fazendo movimentos
lentos e estacados, só com a língua e o lábio superior. Aí as
minhas mãos entravam em ação, a direita roçando a terra de
ninguém, e a esquerda segurando a base do falo. Os
testículos nunca eram esquecidos, eu colocava
cuidadosamente as duas bolas dentro da boca e fazia uma
manobra incrível pra evitar que elas escapassem. Era assim
que eu começava... Aprendi isso numa revista, mas a técnica
do bezerro fui eu que inventei.
Gustavo também era um profundo conhecedor de todos os
meus orifícios, sabia exatamente cada ponto que me levava
ao delírio, o ritmo, a intensidade... Diariamente.
Depois de dois plenos anos, ele desenvolveu um ciúme e
desconfiança incomuns. Todos os homens eram prováveis
amantes, minhas amigas não passavam de vagabundas
descoladas, em todas as festas ele me inventava um flerte... E
eu fui ficando cada vez mais presa, in—
segura, atordoada e entrei numa fase completamente
Amélia. Lavava, passava, cozinhava, cuidava das plantas, via
novela, aprendia novas receitas e truques caseiros num
programa da tarde... Dona-de-casa impecável, e mesmo
assim o ciúme do Gustavo era cada vez mais doentio.
Desconfiava dos porteiros, zelador, encanador, eletricista...
Eu sabia que aquele sentimento sem freios nada tinha a ver
com amor, mesmo porque os nossos beijos foram ficando
escassos, as preliminares menos usuais e, perto do fim, os
gloriosos fucks diários passaram a quinzenais. Quando algo
um pouco mais criativo ocorria, eu sentia que ele estava em
qualquer lugar, menos no nosso quarto, e eu era qualquer
mulher menos eu. Quem ele imaginava? Caiu a ficha, eu quis
saber. No dia seguinte, segui...
Prédio baixo, três andares. Ele tocou o interfone e a porta
abriu. Ele entrou. Eu tinha que fazer alguma coisa, mil
atitudes desfilaram na minha cabeça desnorteada. Escalar o
prédio? Gritar? Apedrejar as janelas? Aluga— se! Nenhuma
placa, nem porteiro, mas numa das teclas do interfone estava
escrito ZELADOR. Insisti. Ele veio.
— Por favor, tem algum apartamento pra alugar?
— Tem o 22. Segundo andar.
— Da frente?
— Não, dos fundo. Mas tem problema de infiltração...
— São quantos dormitórios?
— Dois. Tá aqui as chave.
— Quanto?
— Aí é só com a imobiliária.
— E, me diz uma coisa... Na frente não tem nenhum...?
— Nenhum, só esse mesmo.
— Segundo andar?
— Isso. Só tem armário na cozinha...
Torci pra que ele não me acompanhasse.
— Depois traz as chave pra mim.
— Claro... Obrigada.
O zelador entrou numa porta estreita, e eu subi as escadas
com um misto de medo e desejo, imaginando como seria a
minha rival. Antes de introduzir a chave no 22, colei meu
ouvido nas portas vizinhas. Nenhum ruído, fora músicas e
panelas.
Entrei no apartamento vazio e fui direto para a sacada. Se
pelo menos eu ainda fumasse, teria alguma ação para
preencher aquele momento... Era essa a causa de tanto
ciúme, ele, na verdade, temia que eu fizesse as mesmas
coisas que ele fazia. Olhava pra mim como se eu fosse seu
espelho, sabia o quanto é fácil trair...
Olhei para a sacada da esquerda e vi uma gordinha ruiva
alimentando um papagaio verde que dizia:”Acabou!”,”Ó o
café!” e”Loro!”
Olhei pro andar de cima. Na sacada da direita, vi uma
mulher loira cerrando uma cortina branca. Só podia ser ela...
Uma loira. Odiei todas as loiras do planeta, saí do
apartamento e subi voando mais um lance de escadas.
Trinta e dois, o apartamento dela, pela posição da sacada.
Ouvi claramente um vocalise erótico. Forcei a maçaneta.
Trancada. Toquei a campainha. Alguns segundos e a loira
abre a porta.
Invadi o apartamento e fui diretamente para o quarto. Um
homem nu, excitado, estava na minha frente e não era o meu
marido.
— Acho que eu errei...!
— Vem, Cabri!
A loira veio por trás e colocou as mãos em conchas sobre
os meus seios.
— Cabri! Que presente!
— Gostosinha... hum, que peitinhos gostosos, vem ver
Sansão.
— Vocês são loucos! Eu entrei no lugar errado!!
— Agora você já entrou, gostosura. Relaxa, que nós
vamos fazer você gozar muito, tira a roupa...
— Vocês não estão entendendo!
— Não esquenta, ninguém precisa entender nada...
A loira começou a me beijar o pescoço, e o cara já foi
logo tirando a minha blusa. Quando lembrei que entrei no
prédio atrás do Gustavo, eu já estava nua e sendo totalmente
devorada pelo casal surpresa.
— Eu errei o apartamento!
— Ela é muito gostosa, cheirosa.
— Muito... Vamos deixar a gata louquinha...
— Cabri, passa a língua no grelinho dela...
Já era... deixei que eles fizessem tudo... e o fizeram com
conhecimento. Ele me penetrou com a ajuda dela. Enquanto
ele me comia, ela me beijava, me chupava os peitos,
trabalhava bem com os dedos... Como eles sabiam!! Eu me
odiava por estar gostando do luxurioso episódio... Será que o
Gustavo já fez isso?! Ele nem imagina como eu gozei.
— Por quanto você combinou, Cabri?
— Você que armou, você que paga...
— Não fui eu...
— Entrei no apartamento errado, nenhum de vocês me
chamou.
— Não?!
— Segui o meu marido, e ele entrou nesse prédio, eu
queria pegar um flagrante dele.
— Seu marido entrou aqui...?
— Entrou.
— Ih, vai saber com quem ele tá...
— Aqui moram mais de trinta meninas...
— Como assim?
— Assim, praticamente só tem garota de programa
morando aqui, lindinha.
— Edifício Treme— treme.
— Então o Gustavo tá trepando com uma prostituta?
— Uma garota de programa, provavelmente...
— Normal, a gente pensou que você fosse uma...
— Me poupe.
— É melhor que ele prefira uma profissional, minha
linda, menos problemas...
— Você gostou?
— Gozou feito uma rainha!
— Preciso ir embora.
— Toma aqui, pega esse dinheirinho.
O cara me estendeu duas notas de cinqüenta.
— Eu não sou puta!
— Mas pega...
— Eu cobraria muito mais que isso se um dia eu fosse...
— Aqui na área a média de preço é essa.
— Que absurdo! Então quer dizer que o canalha só
precisa de cenzinho pra fazer a festa!?
— É, meu bem, tem as de cem, as de cinqüenta, tem até
as de dez...
— Mas tem também as de mil, cinco mil... As de catálogo
tiram uma nota preta.
— Sexo fácil.
— Não é?!
— Vai, pega a grana.
— Eu não quero, não tenho a menor vocação pra puta.
Sou amadora.
— Mas muito talentosa!
— Espera o cachorro lá fora, eles costumam ser
rapidinhos em hora de almoço... Vai que você ainda pega o
safado. Linda e gostosa do jeito que você é, esse cara merece
é uma surra.
— Não fala assim Cabri...
— Não é o seu caso Sansão, a sua mulher, além de tonta,
é um canhão.
— Ah, ela é ajeitadinha...
— E nada. Você tá perdoado.
— E a sua esposa nem sonha que você vem aqui?
— Claro que não, linda.
— Isso é o fim...
— Vá sem culpa e acerta o cara.
— Eu vou.
— Vai com Deus.
— Foi muito bom, você tem estilo.
— Acha mesmo?
— Pô!!
Cabri beijou meu rosto, abriu a porta, e eu saí pronta pra
pegar o Gustavo... Desci as escadas sem tremer, toquei a
campainha do zelador, entreguei as chaves do apartamento
vazio e esperei, no outro lado da rua... Uns dez minutos e era
ele abrindo a porta de ferro e vidro. Ele me viu, e eu parti pra
cima e bati, bati muito no rosto, no peito... Ele se protegia
com os braços.
— Quanto você pagou pra ela?! Quanto?
— Pára com isso! Eu vou te falar, não tem nada a ver...
— Quanto você pagou pra puta? Cenzinho?
— Não tenho nada a ver! É a namorada do Wilson!
— Mentiroso! Seu porco! Eu quero te matar...
— Pára com isso!
— Canalha!
— Eu só vim trazer um negócio que o Wilson mandou...
— Cala a boca!
Ele me beijou. Havia tempos não me beijava daquele
jeito... Eu gostei do beijo e lembrei que as putas não beijam.
Eu tinha beijado o inusitado casal.
— Tenho que voltar pro escritório.
— Eu vou pra casa...
— É só a namorada do Wilson...
— Uma puta?
— Não é bem assim...
— Como é o nome dela?
— E Vanessa. Liga pra ele! Liga, se você não acredita...
Fingi que acreditei e, à noite, fizemos um sexo muito
bom; ele quis mostrar serviço e mostrou. Alguns dias depois
desse episódio, organizando a papelada do Gustavo,
encontrei um cartão de detetive particular. E bem provável
que ele tenha tido a paranóia de contratar um detetive pra me
seguir, nas fases que ele mais me traía.
Abandonei todos os eletrodomésticos, deixei a casa cair e
não movi uma palha.
Nunca mais fiz arroz, nem vi o fim da novela... Desisti da
carreira de do lar, e o Gustavo se foi, proclamando que eu
era louca.

O HOMEM CAVALO
Aqueles dias que é melhor nem acordar... Nenhuma idéia
para meu novo trabalho, nenhum amor, nenhuma vontade de
ver o dia.
A secretária se encarrega dos recados... Dois da
imobiliária, um da Julia, nenhum da Verônica... Acordo na
primeira ligação e não consigo mais dormir, também não
tenho a menor disposição para levantar.
— Dia 11, lançamento do cd...
Passo mais de duas horas olhando para o branco do teto,
relembrando cenas, inventando acontecimentos perfeitos,
estudando a vida... Umas cartelas de starfix!, ao invés de
elucubrar eu posso contar as estrelas na escuridão do meu
quarto. Grande solução. Fim dos projetos no branco do teto.
Boa idéia. Tela branca sugere imagem.
O segundo recado estridente da pentelha da maldita
imobiliária me fez encarar o relógio e abandonar a cama com
a urgência de um bombeiro. Saco. Corri pro chuveiro.
Merda. Abri a torneira e deixei a água quente criar uma
névoa arrebatadora. Caralho. Fiquei me olhando no espelho
até a imagem embaçar e desaparecer... Tirei a camiseta velha
e estava nua, linda e destruída. Um banho seria o estímulo
pra começar o dia, que já passava da metade. Entreguei—
me ao chuveiro e esqueci que estava com pressa.
— Já beijei uma mulher...
— Já?!
— Beijei uma vizinha quando eu era criança...
O primeiro encontro com Verônica foi logo depois do
show de lançamento do seu mais belo disco de todos os
tempos... eu já contei... Depois dela, beijei outras duas bocas
femininas, mas não rolou. Reencontrar Verônica fez o
mundo parar... e olha que eu não sou de ter recaída. Talvez
tivéssemos deixado coisas pendentes, inconclusas...
Reinventei Verônica e meu coração embarcou. Hoje eu
poderia ligar.
O calor do banheiro provocou uma ligeira tontura. Olhei
os dedos enrugados pela água, interrompi a ducha e os meus
movimentos se tornaram rápidos, precisos. Imobiliária. Em
dez minutos estava dentro do elevador, que por sorte veio
vazio e foi direto para o S2. Durante o percurso desejei estar
usando sutiã, mas era tarde demais pra voltar. Fuck.
O trânsito era o mesmo de todas as sextas— feiras. Não
adiantava buzinar, xingar, tentar caminhos alternativos, fiz
tudo isso e cheguei à imobiliária às 19:19 horas, exatamente.
Porta fechada. Insisti no interfone e uma mulher muito feia
apareceu...
— Eu preciso entrar..
— Só amanhã, já foi todo mundo embora.
— E a Sueli?
— Foi faz tempo...
— Tenho que pagar um aluguel hoje sem falta...
— E só com a Sueli mesmo.
— Não é possível! Não tem mais ninguém que possa...?
— Só amanhã...
Passei a mão no cabelo úmido, olhei pro céu nublado e
quando pensei em dar meia— volta surgiu na porta um
homem de terno preto. Ele passou por mim e foi abrindo um
carro também preto. Li na vaga
— DIRETORIA — e entendi a mensagem.
— Quem é esse cara?
— É o dono daqui...
— Providência divina.
Corri e dei meia dúzia de toques desesperados no vidro do
carro já se deslocando... O vidro baixou. A mulherzinha feia
olhou pra mim, deu uma risadinha de voyer e fechou a porta
com cara de quem ia assistir a tudo pelo olho mágico.
— Oi! Senhor, por favor! Olha... Eu preciso pagar um
aluguel atrasado.
— Não é comigo.
— Sei que é com a Sueli, mas ela já foi embora! Você é o
dono daqui, eu tô sabendo. Quebra essa pra mim, você pode.
— Volta amanhã...
— Eu não vou voltar amanhã, não vai dar e vai atrasar
mais um mês... Deixa eu pagar pra você. Por favor...
Ele nada respondeu, viu o quanto eu era gostosa e abriu a
porta do carro. Entrei quase chorando...
— Quebra essa pra mim!
— A imobiliária já fechou, estou indo embora...
— Eu sei.
— Toma um café comigo e você me passa os dados.
— Café? Não, café não, vai me deixar mais tensa ainda...
— E uma cerveja? Tá calor...
— Uma cerveja eu tomaria.
Ele notou que eu estava sem sutiã, percebi que ele notou.
— Tem um bar aqui perto...
Fechei a porta, e o carro ganhou a rua.
— Desculpa, eu preciso resolver essa história..
— Tudo bem. Seu nome...?
— Angela.
— Davi Almeida.
— Angela Costa.
— Angela costa, braços, pernas, peitos... Que peitos!
Ele pensou e conferiu e percebeu que eu notei que ele
olhou e retomou o tom profissional...
— Quando foi o vencimento?
— Ah, no mês passado, retrasado... Devo quatro meses.
— Quatro?!
O carro entrou na vaga exato e numa única manobra. Davi
desceu. Teve a intenção de abrir a porta pra mim, mas eu fui
mais rápida, não esperava por essa gentileza...
Só duas mesas vazias, ele escolheu a do canto, perto da
janela. O garçom se aproximou.
— Cerveja.
Ele pediu. Dois minutos de silêncio e observação. A
palavra cerveja ficou ecoando na cabeça dos dois. A cerveja
enfim chegou, gelada como Verônica.
— Saúde!
— Amor, sucesso, paz, idéias!
Brindamos e bebemos. Pousei o copo na mesa, abri a
bolsa e tirei os boletos da imobiliária e o talão de cheques.
— Empresta a sua caneta...
— Não, guarda isso!
— Eu quero pagar já.
— Não, agora não.
— Por quê?
— Não fica bem...
— Não fica bem?! Isso é ridículo!
— Deixa pra depois, pode ser?
— Você parece o Santo Expedito, o santo dos
desesperados...
— Você é a desesperada e eu o santo?
— Eu tenho um cartãozinho dele aqui. Ganhei ontem.
Olha, não parece você?
Ele observou o santo e riu como um cavalo. Mostrou
todos os dentes brancos, grandes... imaginei como seria uma
mordida na nuca.
— Angela...
— Fala Davi...
O assunto só foi retomado quando o garçom trouxe a
terceira cerveja.
— Fala um pouco de você... O que você faz?
— No momento, sou artista plástica.
— Que maravilha!
— Maravilha é ter uma imobiliária...
— Não diga essa besteira... E um stress...
— Stress é atrasar o aluguel e a imobiliária ficar ligando...
ameaçando...
— Você pinta quadros?
— Vou pintar o Santo Expedito... Posa pra mim?
— Depende do cachê...
— Não tem cachê... Pensei em te vender o quadro, ou
negociar um permuta...
— Podemos entrar num acordo. E cavalos? Você pinta
cavalos?
— Pintei um ontem!
— É mesmo?! Eu adoro cavalos. Que cavalo você pintou?
— Um cavalo que você nunca vai montar...
— Domo qualquer espécie, monto qualquer cavalo...
— Hum... Cavalo-marinho?
— Cavalo-marinho não.
— Eu pintei um Cavalo-marinho.
— Deve ser lindo.
— Que horas são!?
— Por quê? Algum compromisso?
— Não exatamente... Eu queria ligar pra alguém...
— Namorado? Marido..?
— Não... Alguém que eu amo... Esse alguém me
despreza...
— Como alguém pode desprezar uma mulher fantástica
como você!? Só pode ser um louco...
— Uma louca.
— Uma louca?!
— Hoje é o lançamento do cd dela... Eu teria um motivo
pra ligar... Você conhece, todo mundo aqui conhece o meu
amor... Logo mais toca uma música... Verônica Maia! Sou
louca por ela...
— Você é fã da Verônica...?
— Não, sou amante dela, quer dizer, fui. Estou em plena
recaída... Ele ficou mudo. O garanhão estava reduzido a uma
mula, um pangaré... Assisti ao efeito devastador da minha
confidência no semblante do homem cavalo.
— Desculpa, eu devia ter ficado quieta, esquece, bebi
demais...
— Não, eu entendo...
— Entende nada, você entende de cavalos, casas,
apartamentos...
— Posso até não entender, mas acho excitante. É
excitante duas mulheres...
— Excitante..?! Que papo de bofe. É triste. Ela não quer
saber de mim. Hoje eu posso ligar! O lançamento do cd é um
bom motivo... O que você acha?
— Acho que não sei, nem sabia que essa Verônica Maia
era...
— Lésbica?
— É... Você também eu nunca ia imaginar...
— Por que não?
— Porque você é muito bonita, deliciosa, atraente. Pode
ter o homem que você quiser.
— Ela supera muitos homens.
— Mas fica faltando...
— Não falta nada.
— Não?!
— Quem tem criatividade não precisa de pinto.
— Eu tenho os dois.
— Foram quantas cervejas...?
— Umas cinco... Eu quero você.
Emudeci e senti a manifestação dos mamilos, gostei da
sensação e adorei estar sem sutiã... “Eu quero você” numa
voz masculina caiu muito bem... Olhei para os ombros, o
pescoço, os braços torneados, o maxilar, as mãos...
— Você quer me comer pra ter o assunto mais original da
turma de bofes. Comi uma sapata, namorada daquela
cantora...
— Não pense uma coisa dessas. Vamos embora daqui e
você vai ver...
— Você não tem absolutamente nada a ver comigo, dono
de imobiliária, você é o meu oposto.
— Por isso mesmo vai ser muito bom.
— Então fala! Eu devo ligar pra ela?
— Acho que você deve me beijar.
— Beijo só se você responder. Ligo ou não ligo!?
— Não liga.
— Não!?
Oito cervejas. Segurei o rosto dele e o beijei... Ele puxou
meu cabelo como se fosse uma crina e deixou o beijo mais
violento, estava ofegante, também eu estava, vi todo o
sangue do corpo dele se concentrando no pênis.
— Vamos embora daqui.
— Me empresta o seu celular...
— O quê!? Garçom! A conta.
— Eu vou ligar... Posso?
Onze cervejas. Ele passou a perna dele na minha,
discretamente pousei a mão sobre o joelho dele, fui subindo,
atravessei a coxa e toquei o membro excitado. Ele fechou os
olhos e me estendeu o celular. Liguei.
— Verônica!? É hoje! O seu dia... Você tá por aí?
Verônica... fala comigo! Não está... então, então... toda a
sorte do mundo, meu amor. Escuta, eu estou num bar com
um amigo de infância, Fernanda é o nome da vizinha que eu
beijei quando era criança, queria te dizer isso e também
queria ver você. Verônica?!
Desliguei o aparelho e o coloquei sobre a mesa. Fechei os
olhos pra não ver o dono da imobiliária.
— Preciso ir... Garçom! A saideira!
Bebemos em silêncio. No último copo eu estava louca,
comecei a beijar a minha própria mão, acariciei meu
abdome...
— Ela me enlouquece... eu sou louca por ela, a pele dela,
o beijo... Nosso sexo é muito bom. Ela sabe como fazer tudo,
faz de um jeito que parece que ela vive em mim, e vive...
Não sai do meu corpo, nem da minha cabeça, ela me
enlouquece com a língua mágica e as mãos... objetivas.
Mãos objetivas.
— Eu posso te chupar...
— Cala a boca!
— Posso sim, se você quiser eu te chupo como ela, faço
igual, é só você falar como mais gosta e eu faço, faço
qualquer coisa...
— Olha pra você...
— Olha pro meu pau. Olha, põe a mão nele... Desculpe,
se você quiser eu nem te como, só chupo e faço você gozar
quantas vezes quiser...
— Como você é grosseiro. Cavalo. Tá aqui o cheque da
porra do aluguel.
— Eu não quero essa merda de cheque, desculpa, eu
bebi...
— Eu também.
— Você começou... disse que a Verônica te chupa e te faz
gozar feito louca...
— Eu não disse isso... assim.
— Falou da língua dela te lambendo...
— Também não foi assim que eu falei...
— Hum... que ela te leva ao êxtase usando a língua e os
dedos objetivos...
— Ela me leva ao êxtase só de me olhar.
Ele sentiu a porrada da frase. Olhou pro garçom e pediu
novamente a conta. Como!? Porra, ele é um homem, um
macho, um garanhão, situação ridícula, uma gostosa
tomando um porre com ele, contando sobre sexo com uma
mulher... O pênis pulsava, ele tinha que fazer alguma coisa,
mudar a tática.
— Deve ser lindo o amor de vocês...
— Hã?!
— Eu disse que deve ser lindo o amor de vocês...
— Essa conta não vem?
— Se você quiser, eu te deixo na casa dela.
— E se ela estiver acompanhada?
— Você também está!
— Com você?! Há há...
— Por que há há?
— E o que ela ia fazer, rir! Há há...
— Rir de mim?
— Não, de mim.
— Porque você está comigo?! Ela não sentiria ciúme?
— Nunca.
— Só se você estivesse com uma mulher?
— Não... Esquece. Meu carro ficou na sua imobiliária...
— E mesmo? Isso é muito bom!
— Viu só? Você venceu, vamos para o seu território.
Doze cervejas. Ele emudeceu e eu umedeci. Fomos
diretamente para a imobiliária. Meu carro ainda estava lá.
Ele queria que queria me mostrar os cavalos, achei tudo
muito engraçado e topei entrar. Era uma casa grande,
subimos uma escada e entramos na sala dele. Eu não tive
como não rir. Muitos cavalos! Pôster, gravuras, escultura,
ferraduras, medalhas, troféus, e eu tinha que sair dali
correndo por que ele veio selvagem me mordendo e
arrancando minha roupa... A cerveja não me deixou reagir e
ele foi direto me estocando aquele pau enorme de garanhão
puro— sangue, silvestre, e ele tinha tanto orgulho do pau...
— Você gosta que eu te coma assim?
— É bom.
— Isso é gostoso, fala...
— É bom...
— É pica, pica de verdade, você gosta de pica grande?
— E bom...
E ele foi feroz, animal, me comeu completamente. Fiquei
inchada, esfolada, mas satisfeita, feitíssima. Enquanto ele
estava no banheiro, eu preenchi o cheque do aluguel e o
deixei sobre a mesa dele. Fui pra casa abismada e não liguei
prü Verônica, nem pensei nela... Só lembrava do garanhão
galopando em mim. No dia seguinte ele não ligou, nem no
outro, nem no outro, eu também não liguei, mas a vulva
esfolada não me deixava esquecer... Depois de uma semana
quem ligou foi a Sueli da imobiliária, dizendo que ia entrar
com ação de despejo por falta de pagamento. Como fiquei
feliz! Eu iria vê-lo! Iria invadir a sala dele enfurecida e ele
iria me laçar... Provavelmente estaria usando um terno e uma
camisa de list as verticais ou xadrez... Eu nunca me
interessaria por ele, só depois de doze cervejas.
Tomei um banho de me1 e me vesti. Pensei em usar uma
saia reta, uma camisa, prender os ca »elos meio tipo
executiva, mas acabei no básico, como eu estava naquele dia,
todo dia...
Eu não sabia o que fazer e decidi ir até a banca comprar o
jornal e ler o horóscopo pelo menos pra ter uma direção.
Comprei também uma revista que tinha umas dicas e testes
de conquista...

Veja se você é capaz de seduzir o homem dos sem sonhos.


1. Ele é o máximo. Obviamente você não é a única
interessada, tem um bando de mulheres na disputa,
você...
a) Vai logo intimando, afinal você é moderna.
b) Fica superamiga da namorada do melhor amigo dele.
c) Fica na sua e espera ele chegar.
d) Manda-lhe românticas cartas anônimas.
e) N. d. a.

2. Você percebeu que ele está olhando, você...


a) Encara o cara e o chama pra conversar.
b) Finge que não o vê, bem blasé.
c) Espera cruzar um olhar e dá um sorrisinho.
d) Manda-lhe um torpedo.
e) N. d. a.

3. Enfim o primeiro encontro, ele vai te deixar em


casa...
a) Você sugere um motel.
b) Você começa a bocejar e diz que tem que acordar cedo.
c) Você marca um novo encontro, pois nunca dá no
primeiro.
d) Você o convida a entrar no seu site.
e) N. d. a.

4 . Vocês transaram e foi ótimo, no dia seguinte você...


a) Liga logo cedo e pergunta se ele sonhou com você.
b) Não atende o telefone.
c) Espera ele ligar.
d) Liga, mas desliga quando ele atende.
e) N. d. a.

Tinha mais uns vinte itens, e eu fiz a babaquice do teste,


mas o diagnóstico só seria dado na edição seguinte. Ódio.
Reli o horóscopo e fui pra imobiliária. Ignorei a
recepcionista feia, passei reto pela Sueli, subi as escadas e
fui direto para a sala do garanhão.
Ele estava lá. Empaquei na porta. Ele se levantou, exibiu
os dentes grandes e me indicou uma cadeira.
— Pensei muito em você...
— Por que não me ligou, se pensou tanto assim?
— Eu pensei muito em você porque você faz parte do
meu prejuízo.
— Como!?
— A imobiliária passa por uma séria crise devido aos
inadimplentes, e você deve cinco meses de aluguel.
— Quatro! Mas eu paguei! Deixei um cheque aqui sobre
essa mesa.
— Rasguei seu cheque.
— Você rasgou?
— Eu queria te ver...
— Tudo bem, aí meu nome vai pro pau e...
— Meu advogado resolve tudo. Você não confere sua
conta bancária?
— Raramente.
— Posso morder a sua nuca, as suas costas?
— Não pode.
Trancou a porta e me mordeu inteira. Eu dei como uma
égua no cio. Gozei relinchando, olhando pros cavalos, bem
potranca.

Tentamos namorar, mas não fomos um sucesso. Ele não


se adaptou ao meu estilo de vida e eu jamais suportaria o
esquema dele. Também o nosso assunto não dava em
nenhum terreno comum, mas o sexo era animal. Nos vimos
mais umas três ou quatro vezes naquele ano, depois
desencantei. Sumi e ele me deu um coice com uma ação de
despejo. Homem cavalo.

Luiz
— Cameron Diaz ou Milla Jovovich?
— Ah não...
— Fala... Qual das duas você prefere?
— As duas são lindas.
— Mas você escolhe... um, dois, três... você escolhe...
— Milla Jovovich.
— Victoria Abril ou Susan Sarandon?
— Victoria Abril.
— Geena Daves ou Daryl Hannah?
— Geena Daves.
— Isabelle Adjani ou Kim Basinger?
— Prefiro você a todas essas...
— Isabelle Adjani ou Kim Basinger?
— Isabelle Adjani.
— Marilyn Monroe ou Rita Hayworth?
— Marilyn...

É muito difícil falar de Luiz porque é muito forte o


sentimento que me vem e as palavras não acompanham, por
mais que eu insista em banalizar a nossa relação.
Sei sumir, me desligar é outra história. Amo Luiz e ele
vem e vai com o vento...

Minha amiga Cris tinha que se interessar por ele...


Querida... Ficamos anos afastadas e um dia ela ligou e
retomamos nossa amizade, foi como se nunca nos
tivéssemos distanciado. Querida... Relembramos os velhos
tempos, falamos do presente, Cris estava derretida por uma
paixão misteriosa e fiquei semanas ouvindo detalhes de
acontecimentos, atitudes, roupas...
— Eu fui com a blusa preta de decote...
— Sei...
— E ele se posicionou de um jeito que eu ficava
totalmente à vista dele e vice— versa, aí ele foi até o
banheiro...
— Edita.
— Edito que ele é um puta gostoso.
Aconteceu. Festa na casa da Julia, lá estaria revelado o
mistério da Cris. Eu esperava qualquer pessoa, e minha cara
amiga me indicou sua nova paixão...
— E ele! Não olha! Espera...
— Onde?
— Espera...Vai, pode olhar agora, camiseta branca, junto
com a moça de blusa azul... Vamos passar por ele... Você
nem imagina... tcham tcham tcham...!
Suspirei. Era ele, Luiz e a moça de blusa azul. Querida...
Cris trocou beijinhos com o casal e eu corri atrás do garçom
pra não precisar encarar o meu amor.
— Cris, você enlouqueceu? E o meu Luiz!
— Eu não tenho culpa, essas coisas acontecem...
querida...
— Essas coisas não podem acontecer! Cris, é o meu
amor...
— Eu queria ter te falado...
— Mas não falou!
— Fiquei quase sete anos sem te ver...
— E vai ficar mais sete. Foi essa a razão do seu sumiço?
— De jeito nenhum, isso só começou agora, reencontrei
Luiz também depois de anos...
— Ficou com ele?
— Ainda não.
— Ainda não!?
— Achei que você nem lembrava mais...
— Você sabe que ele é inesquecível, eterno!
— Desculpa, nem sei o que te dizer, me apaixonei...
— Com tanta gente no mundo!? Não acredito.
— Nem eu, querida... não combina a gente gostar do
mesmo cara...
— E não somos só nós, como você pode ver.

Pequeno mundo. Luiz novamente no meu caminho. Me


emocionei com o reencontro. Ele deu um jeito de dispensar a
moça da blusa azul e quando voltou, a festa já estava
avançada. Sentou— se na nossa mesa, entre Cris e eu, e
ficamos conversando... Cris foi dançar e nós continuamos
falando, falando... quanto tempo!
Ele me beijou. Cris viu, veio e se despediu. Eu não tinha o
que dizer e não disse nada, só tchau. Saímos logo na
seqüência, rumo ao paraíso. Noite quente, decidimos pegar
uma estrada e amanhecer em algum lugar onde a gente nunca
esteve, alguma cidade fora do mapa. Ele tinha um mapa do
estado de São Paulo no carro. Percorremos uma hora de
silêncio e carícias e entramos numa estrada duvidosa que
desembocou numa estradinha de terra que nos levou a um
lugar onde dava para ver o Olimpo, os satélites em órbita e
tantas estrelas cadentes que não tinha mais o que pedir.
Luiz sempre considerou as preliminares uma etapa
imprescindível, a boca e as mãos dele teciam sensações que
me faziam dilatar todos os poros... Ele tinha um talento
especial para provocar múltiplos orgasmos clitorianos, fazia
um ritual assombroso com a língua e depois me sugava como
se fosse o mais saboroso veneno. Muitas vezes morri de
medo de morrer de tanto gozar. E ele só me penetrava depois
do terceiro orgasmo.
— Quer agora?
— Eu quero muito...
Era perfeito e ele fazia daquele jeito que me deixava com
medo de morrer. Suspiro. Foi assim sempre. Não quero falar
de Luiz nem de Cris.

TEDDY BEAR
Jaime era um mentiroso da pior marca, gostava de mim,
mas começou mentindo e nunca mais conseguiu parar. Eu
achava que ele era só aquele tipo de homem que não quer se
envolver por mais envolvido que já esteja, então vive
histórias paralelas e finge pra si mesmo que não está muito aí
com ninguém. Assim, enquanto esteve comigo, eu tinha
certeza de que ele mantinha, simultaneamente, outras duas
ou três namoradas. Eu era a oficial, portanto a mais
enganada, só não tinha idéia de como...
As desculpas para não me ver, o mais esfarrapadas
possível. O aniversário do sobrinho foi álibi umas três vezes
no mesmo ano, reuniões de negócios, nem cito, viagens
repentinas... e todas as mulheres que ligavam pra ele eram
simpáticas senhoras obesas ou tias mumificadas. Conheço
bem os mentirosos, não acreditava em nada do que ele dizia,
sabia que ele me traía, mas não conseguia sair fora. Acho
que eu gostava das mentiras, e nosso sexo era de
primeiríssima qualidade. No começo eu sofria a dor dos
torturados quando ele sumia, depois fui me acostumando às
mentiras, fui aceitando minha condição de iludida, acabei
ficando cega, e na minha cegueira comecei a exercitar a
realidade que eu temia e desejava: ser corna. Todas as vezes
que a gente transava, eu só me excitava imaginando Jaime
com outra mulher, e delirava pensando que elas sentiam o
que eu estava sentindo, que aquele mesmo prazer ele
proporcionava a cada uma delas... Imaginava todas: atrizes,
amigas, empregada, caixa do banco, qualquer mulher.
Cheguei a pensar em propor um ménage à trois, mas eu não
bancaria ao vivo, ele se deliciando com outra, se
entranhando na carne dela... Melhor só imaginar.
Deixei-o no aeroporto e fui para casa. Antes de dormir
tentei ligar pra perguntar se ele fez boa viagem, mas o
celular estava desligado. — Tem alguma coisa
acontecendo... — O acontecendo é outra mulher. Minha
antena levantou. Desisti de dormir e acendi a luz, olhei pros
bichinhos de pelúcia, todos presentes dele. Doze. Abracei a
ursa branca e chorei como choram todas as traídas. Quando
eu desconfiava, sempre alguma coisa tinha, mas ele vinha
todo meloso, com palavras tiradas de algum filme, e um
presente bem romântico que me faria acreditar que, mais
uma vez, tudo não passava de invenção da minha cabeça
atordoada, ou de fofoca malvada de alguma amiga
intrigueira.
Uma vez eu tive certeza, vi os dois; ele e a moça da loja
de meias. Eu estava na farmácia e vi quando ele entrou na
loja e ela baixou as portas. Saí da farmácia, pra minha dor
não tinha remédio... Cheguei diante das portas fechadas da
loja, ouvi as batidas amplificadas do meu coração e as
risadas abafadas dos desgraçados ali dentro se esfregando, a
poucos metros de mim...
Esmurrei a porta de ferro e um bando de curiosos formou
uma platéia que só saiu antes do final do barraco porque a
fulana levantou a porta e Jaime apareceu, aos berros,
chacoalhando violentamente duas sacolas e mandando cada
um ir cuidar da própria vida. Uma das sacolas tinha o mesmo
logotipo da fachada e o esperto quis me convencer que só
estava comprando umas meias. Claro que eu sabia que não
era só isso, mas ele me segurou e disse que me amava, jurou
que não tinha nada com aquela mulher sem graça e fomos
para a minha casa. Na outra sacola tinha o ursinho azul e
mais uma vez ele estava me traindo... E numa revelação
divina todas as peças se encaixaram. Doze ursinhos, doze
mulheres. Cada um deles significa uma traição! E isso! Essa
ursinha foi quando ele comeu a Bete! Ela jurou que não, mas
eu sei que comeu... O de gravata xadrez foi a psicóloga que
morava no 71 e os outros eu ainda não sei, mas vou saber de
cada uma e elas vão ficar apavoradas com os jornais e a TV
anunciando, diariamente, mais uma vítima da maníaca dos
ursinhos. “...Todas as moças foram encontradas abraçadas
a um urso de pelúcia. Uma delas conseguiu escapar e disse
que a assassina é uma mulher branca, jovem, inteligente e
linda!!!” Uma por uma, depois mato ele. Te odeio. Bum. Aí
sumo e me misturo aos sem-teto, ou aos sem— terra, sem—
nada, bem sem amor, sem alegria, sem vontade de viver.
Minha cabeça não parava, investigava cada faceta
esquecida em busca das mulheres que teriam se deitado com
o meu Jaime. Meu...
Tiro não, faz muito barulho. Faca! Faca de cozinha.
Os ursinhos de pelúcia arregalaram os olhos de medo,
mas as boquinhas riam como se fossem cúmplices de uma
ardente e inesquecível cena de adultério. Meu ódio esvaziou
a estante e lançou todos os meus inimigos ao chão.
Liguei o rádio e tocava uma música triste, que fez sofrer
ainda mais o meu coração rasgado. Fui até a cozinha e fiquei
olhando o jogo de facas. Peguei a maior. Pode ser essa...
Enxuguei os olhos, bebi suco de maracujá e voltei para o
quarto com a faca na mão. Golpeei cada um dos doze
ursinhos, que riram ainda mais, depois lavei as mãos limpas
e lembrei que eu tinha as chaves do apartamento dele.
Acho um horror fuçar a vida alheia, mas nada mais
humilhante do que ser enganada, saber-se traída e não fazer
nada pra mudar esse quadro negro e cheio de borrões. Eu
precisava de alguma prova concreta, documental, pra me
convencer da minha condição miserável, estúpida e covarde,
e nada mais propício que a ausência dele pra eu me deleitar
numa blitz.
Esperei o portão da garagem abrir e entrei sem que o
porteiro me visse. O elevador parou no térreo. Caramba.
Entrou o casal do décimo terceiro e naquele segundo eu
percebi que eles sabiam de muita coisa, moravam
exatamente embaixo do Jaime e tinham pena de mim. Me
olhavam com piedade — pobre corna —, pensavam. Décimo
terceiro. O casal sai do elevador e me deseja uma boa noite.
Eles eram felizes.
Jaime nem sonhava que eu tinha aquela chave... Uma vez
ele a esqueceu no meu carro e eu fiquei bem quietinha.
A chave não girou e isso só acontecia se tivesse uma outra
chave na fechadura, pelo lado de dentro, e isso significava
que alguém estaria no apartamento. Não... Meu coração
disparou. Fui até a porta da cozinha e pela fresta vazava a luz
acesa. Ele estava lá! Não embarcou, foi tudo encenação e a
trouxa ainda o levou até o aeroporto!
A porta da cozinha estava liberada, abri e entrei na ponta
dos pés. Deixei minha bolsa e meus sapatos na área de
serviço, olhei a noite lá fora e descobri que não amava
Jaime, meu amor por ele era uma mentirinha que eu contava
pra mim, estava era metida numa doença, num vício e eu
tinha total consciência de que nossa relação era uma farsa
sustentada pelo ótimo sexo, que eu nem sei se era tão ótimo
assim, se fosse eu não precisaria ficar imaginando as minhas
rivais. Nem ele me amava, gostava dos meus orifícios e do
meu remelexo, e de me exibir nas festas, éramos bons de
conversa, mas aquilo não era amor. Amor de verdade, amor
mesmo, eu só conheci dois, e tanto os amei que nunca os
prendi e acabei até fugindo para que, de alguma forma, eles
não se esgotassem, não perdessem o encanto, não tivessem
um fim.
E o que eu temia e desejava finalmente estava ali, a
poucos metros dos meus olhos estatelados pelo torpor do
ciúme. Apurei todos os meus sentidos e meus ouvidos
detectaram duas vozes masculinas. Era tudo que eu não
esperava: Jaime gay, ou melhor, bissexual. Não acreditei e
quase tropecei na mesa de passar. Ele era um cara muito
amável com todo mundo, decididamente com todo mundo.
Capaz de seduzir até poste.
Respirei fundo e contei os meus passos no corredor, vinte
e quatro passos, andei até me encostar na porta do quarto e
ver meu Jaime deitado com outro homem. A porta do quarto
estava entreaberta e eles em plena trepada, assisti a tudo pela
fresta. Bernardo, seu grande amigo Bernardo, e Jaime
embaixo dele. Eu nem respirava, eram dois homens lindos,
mas não tive a menor vontade de participar daquele ato,
muito pelo contrário... e se fosse uma mulher ali, eu teria
sentido a mesma coisa, a única diferença é que não seria uma
surpresa.
Eles se beijavam e sorriam, tinham afeto um pelo outro,
isso destruiu o meu ódio e matou o meu amor que nem era
amor porra nenhuma. Fim. Nem chorei.
Voltei à área de serviço, calcei os meus sapatos, peguei
minha bolsa, abri a porta da cozinha e chamei o elevador.
Antes de sair fui até a sala, acendi um cigarro e escolhi uma
música bem adequada à ocasião: o Réquiem de Mozart em
alto e bom som.
Eles devem ter se assustado e obviamente souberam que
eu estive ali, pelo cigarro com batom que eu fiz questão de
deixar queimando no cinzeiro.
No sofá tinha uma sacola com um imenso urso de pelúcia
cuidadosamente embrulhado para presente.

GRANDE CAUSA
Ele agitava os braços e bradava! Tinha o ideal dos
revolucionários, a convicção dos profetas e os olhos
brilhantes como os de Che Guevara.
Movimento pelo fim dos cemitérios nas áreas urbanas. Eu
particularmente era contra aquilo, mesmo porque sabia que
minha mãe era frenqüentadora assídua. Ela nunca disse onde
meu pai estava enterrado, dizia que ele virou luz, mas eu sei
que ela passava horas no cemitério. Levava livros, flores e
cigarros. Eu a segui.
Quarta-feira. Ela começou a se arrumar e eu me enfiei na
escuridão tumular do porta-malas. Deixei destravado o
assento traseiro que, baixado, dava acesso ao interior do
carro.
Mamãe perfumadíssima. Todas as quartas-feiras ela se
punha bonita e dizia que ia para a entidade.
Rezei pra que ela não abrisse o porta-malas. Deu certo.
Sofri um pouco com as brecadas, curvas, lombadas, e o carro
parou. Dentro do porta-malas era completamente escuro e eu
nada ouvia, pois tinha duas caixas de som bem em cima de
mim. James Taylor. Ela desligou o som e bateu a porta do
carro. Esperei um pouco, já tinha planejado contar até 50,
mas no 33 desisti e baixei o banco a fim de sair. Apavorei
quando a vi voltando pro carro trazendo lírios brancos.
Rapidamente voltei a me encolher na escuridão. Rezei pra
ela não ligar o James Taylor, mas do porta-malas Deus não
pôde me ouvir. Rodamos uns quinze minutos e o carro
estacionou, Taylor se calou... Contei até 50 e saí.
Cemitério. Antes de deixar o carro, avistei minha mãe
com os lírios adentrando o portão principal. Fui atrás dela.
Dei de cara com um anjo chorando sobre um mármore frio...
E bonito cemitério. Ela dobrou uma quadra e eu acelerei os
passos. Dobrei a mesma quadra, mas não a vi. Avancei
olhando para todos os lados e não a encontrei. O cemitério
era imenso, e eu levaria horas percorrendo todos aqueles
metros quadrados de lápides geladas. Também ela
demoraria; às quartas, nunca voltava pra casa antes das seis.
Dei prosseguimento à minha busca e passei quase duas horas
andando entre os mortos. No meu mórbido percurso, cruzei
algumas figuras peculiares; uma senhora que parava em
frente a certos túmulos e conversava um pouquinho, falou
com quatro ou cinco falecidos. E me entreti também com um
adolescente branqueio, cheio de espinhas, ele vestia uma
camisa branca com rendas na gola e nas mangas, sobre a
camisa um casaco preto abotoado; calça preta, botas de cano
alto, um crucifixo no peito e um terço nas mãos. Os
funcionários do cemitério usavam macacão azul.
Assisti de longe a um enterro. Uma mulher, um pouco
afastada, acompanhava o cortejo de longe. Ela chorava se
amparando nos túmulos, chorava como quem perdeu um
amor proibido. A amante. Continuei andando pensativa,
questionando a vida e a morte como todo ser humano faz.
Pensei em quantas pessoas morrem e nascem todos os dias,
pensei no Rei Leão, no ciclo da vida, no meu pai anjo, em
como alguém podia acreditar numa história tola dessas...
Lembrei do dia em que cansei dessa ficção barata, aliás, eu
já tinha até visto muitos filmes cujo tema era o amor entre
anjos e humanas. Assistia a essas fitas até o último crédito
pra ver se constava o nome da minha mãe e também pra me
certificar de que o filme era mesmo uma obra de ficção.
Hora de acabar com o mistério. Prensei mamãe contra a
parede.
— Eu quero saber quem é o meu pai.
— Você já sabe.
— Ah mãe... até quando!? Quem é? O nome!
— Traço xis traço xis traço!!
— Isso é ridículo e você é louca e eu quero saber quem é
o meu pai! Fala!!
— Ele era americano.
— Americano?!
— Americano.
— Estados Unidos? Norte-Americano?
— É. Chega.
— O nome dele... Você não sabe o nome dele? Qual deles
pode ser? Pensa! Fala! Com qual eu me pareço?
— Cale a sua boca! Me respeite! Eu sei muito bem quem
é o seu pai.
— O nome dele. Só um nome... Inventa um, qualquer
nome...
— Tem três letras.
— Fala!
— Jim.
— Jim?!
— Ele morreu num acidente aéreo. O corpo nunca foi
encontrado. Ele é um anjo. E isso.
— Jim o quê?
— O sobrenome dele? Eu não sei...
— Como não sabe?!
— Não sei se é Jones ou Smith...
— Isso é ridículo!
— Eu não sei, naquele vôo tinha um Jim Smith e um Jim
Jones. Aí ela começou a chorar e a conversa acabou. Não
acreditei em nada do que ela disse e foi aí que parti para as
sessões de investigação.
— Angela!!
— Mãe!
— Angela... Eu vim trazer flores pra sua avó, hoje é
aniversário de morte dela.
— Onde é o túmulo?
— Ih... Lá embaixo... Uma hora eu mostro. Ah! Acho que
você já viu... Tem dois anjinhos brancos no túmulo ao lado,
lembra?
— Não.
— O que você faz aqui?
— Vim pro enterro do pai da Rô, minha amiga.
— Rô?
— Do colégio... lembra?
— Não... Morreu do quê?
— Coração.
— Novo?
— Não. 47.
— Muito novo! Você nem comentou nada...
— Era hora de almoço, achei desagradável.

Voltamos pra casa e não falamos mais sobre nosso casual


encontro no cemitério. Até eu descobrir a pasta vermelha,
seria essa a versão oficial, e de anjo meu pai passou a
americano, de qualquer forma continuou anjo, o corpo nunca
foi encontrado... American Angel. Passei a imaginá-lo com a
cara do Tio Sam.
Minha mãe continuou indo ao cemitério religiosamente
todas as quartas. Eu voltei a segui-la, mas nunca descobri
onde estava o morto que ela visitava. Uma vez ela me levou
até o tal túmulo da minha avó, que na verdade era uma avó
da tia Rita não sei das quantas...

Eu não apoiaria aquele movimento se não tivesse me


encantado com o líder. O brilho dos olhos de Che Guevara...
Ele era eloqüente, convincente, eu entrei na dele e aderi ao
movimento sem saber exatamente do que se tratava.
— Este mundo é para os vivos! Os mortos não precisam
dele!
Me enfiei no meio do grupo que protestava e até ajudei a
distribuir uns folhetos.
Era mais ou menos o seguinte: eles solicitavam da
prefeitura a desapropriação de todos os cemitérios existentes
dentro das áreas urbanas e propunham a construção de
centros culturais. Os restos mortais de todos os finados
seriam transferidos para um novo cemitério modelo,
moderno, vertical. Uma causa perdida, enfim. A iniciativa
era de um grupo de estudantes de arquitetura e jovens
artistas.
O prefeito não concedeu a entrevista solicitada e eu
acompanhei o grupo até um bar nas proximidades.
Che era envolvente, eu sinceramente achava tudo aquilo
uma bobagem, mas não perdia cada palavra dele, cada
gesto... Ele se aproximou e quis saber quem era a nova
adepta.
— Oi, você está com alguém do grupo?
— Não, estou sozinha...
— É a favor do movimento?
— Sou a favor de movimento.
— De qualquer movimento...?
— Eu vi vocês tão animados!
— E... Você sabe qual é a nossa proposta?
— Sei sim, transformar cemitérios em centros culturais.
Nunca vão conseguir.
— Então você não concorda...
— Eu gosto de cemitérios, são cheios de história.
— Eu sei, mas são áreas perdidas que os vivos poderiam
desfrutar, é um espaço...
— Não precisa explicar.
— Você acha tudo isso uma besteira.
— Acho.
— Vou anunciar o fim do movimento.
— Acho que você não precisa anunciar nada, já acabou,
seus amigos estão em outra, olha só...
Os manifestantes bebiam cerveja, casais se beijavam, eles
brindavam, eles riam... Era só alegria! Na verdade queriam a
mesma coisa que eu: movimento. Nada como uma grande
causa... e a minha grande causa naquele momento era
conquistar os olhos negros do causador de tudo aquilo.
Hasteei minhas bandeiras, levantei meu pulso forte e lutei
por Che Guevara.
— Então você gosta de movimento...?
— Adoro.
Deixamos o bar e fomos para a sede do grupo: o
apartamento de Che. Foram também alguns membros da
diretoria e ficaram horas na sala fumando maconha e
discutindo o projeto faraônico de um megaestúdio
multimídia.
O líder me convocou para uma reunião particular em seu
gabinete. Ele tinha um cacho que caía sobre o olho direito.
Nos beijamos e ele não demorou muito pra avançar as
mãos por todo o meu corpo. Ele tirou a camiseta branca e
embaixo dela estava uma barriga definida, um peito aberto, e
debaixo da calça um membro ativista, avante, ereto. Nos
deitamos na cama e tiramos a minha roupa; ele me ajudou a
tirar a calça, a blusa eu tirei sozinha, ele tentou tirar meu
sutiã, mas não entendeu o fecho e eu interferi, tirei as meias
e ele tirou a minha calcinha.
— E esse movimento, você apóia?
— Totalmente.
Ele absolutamente entendia de movimentos, sexualmente
perfeito. Fizemos grandes pesquisas mapeando todas as
nossas zonas erógenas. Descobri com ele um movimento
interno muito sutil que o deixava com o prazer da vitória
numa luta por uma tão grande causa que mudaria o modo de
vida de milhões de habitantes de todo o planeta Terra. Eu
fazia um pequeno movimento com os quadris e, paralela e
internamente, pressionava os músculos da vagina
desenhando um oito, ou infinito... Ele enlouquecia. Esse
movimento foi conquistado depois de muitas manifestações
e reformas nos nossos propósitos eróticos.
Além de transar, também íamos muito ao cinema, ao
parque, e ele gostava de sorvete de creme... Éramos tão
alegres! Amigos! Foi o que se sucedeu; depois de
esgotarmos todas as possibilidades sensuais, inevitavelmente
nos tornamos amigos, grandes e eternos amigos. Era como se
estivéssemos o tempo todo pesquisando, testando, nos
preparando para alguém, ensaiando, não sei...
Nos arriscamos uma vez numa retomada amorosa, os dois
solitários num réveilon... Sem chance, mal começamos a nos
beijar e caímos no chão de tanto rir. Amigos.

O VIZINHO
Edifício à direita do meu. Dezenas de metros nos
separava. Ele morava no 15° e eu, no 17°. Só eu tinha
sacada, só eu tinha cortinas, e por estar dois andares acima,
era minha a melhor visão.
Ele morava sozinho, vestia— se com distinção e tinha o
hábito de comer maçãs na janela, na janela do quarto. Ele
fingia que não me via e, às vezes, não via mesmo, eu tinha os
meus truques de observação.
Era verão, e meu vizinho abria totalmente as janelas nuas,
fazia ginástica na sala, sem camisa, de sunga, às vezes de
cueca... O visual merecia uma análise mais profunda, mais
próxima. Comprei um binóculo. Ele saía por volta das nove
horas e só voltava à noite; saía de terno e gravata. Aproveitei
a luz da tarde pra dar uma geral no apartamento dele. A sala
era bem arrumada, com poucos móveis, não tinha plantas
nem animais. Uns livros de direito, código penal, uns
clássicos de literatura e filosofia — nada como um bom
binóculo — , revistas empilhadas, um porta— retratos que
refletia a janela e não dava pra ver a foto, um jornal sobre a
mesa de vidro, caderno de esportes.
Pesquisa na sala: advogado, organizado, bem—
informado e gosta de futebol.
Duas janelas iguais; dois dormitórios. A primeira janela,
ao lado da sala, era o escritório, dava pra ver a tela de um
computador.
Pesquisa no escritório: Conectado.
A segunda janela era o quarto dele, dava pra ver a
cabeceira, um pedaço da cama desfeita e a lateral de uma
cômoda de gavetas. Nenhum quadro ou gravura nas paredes,
pelo menos dentro do meu campo de visão. A televisão
ficava no quarto, pela luz azulada e oscilante.
Pesquisa no quarto: Não arruma a cama, nem tão
organizado assim, na medida.
Era o que dava pra eu ver. A cozinha, banheiro e área de
serviço ficavam na outra face do prédio.
Às segundas, quartas e sextas, ele chegava com roupa
esportiva. Era mais caseiro que eu, mas saía às terças e
sábados e só voltava na madrugada, às vezes acompanhado,
sempre a mesma moça. Eu já conhecia a silhueta, o cabelo...
Obs.: Fiel.
Terça-feira, 16/01 — Ele chega bem tarde, com a
namorada, e transam na sala, com a luz acesa. Vi tudo de
camarote. Ele viril, intenso, forte, ela sorria extasiada e eu
também ria e reproduzia o prazer dela na minha alma. Bela,
a pela branca e os cabelos castanhos arruivados, sardas
espalhadas pelo corpo como estrelas, longas pernas, peitos
generosos, e não eram silicone, certeza. A pele dele, mais
escura que a dela, também os cabelos. Pelo jeito que ele se
mexia sobre ela, dava pra eu imaginar a sensação. Era voraz,
mas tinha delicadeza e a beijava com amor.
Mudaram de posição, ele se sentou no sofá, ela
agachou— se sobre ele, revirou os quadris em movimentos
circulares e depois verticais. Eu, no lugar dela, faria uma
sequência de espirais. Espirais, de cima a baixo, da base ao
topo do obelisco. Não me masturbei olhando pra eles, mas
molhei a calcinha. De repente ele olhou pra mim. As luzes
do meu apartamento estavam todas apagadas, não sei como
ele me viu, se viu, olhou e continuou... Mais ou menos uma
semana depois todas as janelas do apartamento dele
ganharam persianas e as minhas observações foram
totalmente prejudicadas.
Obs. 2: Discreto. Reservado.
Sexta-feira, 29/01 — Inverti o jogo, não foi proposital.
Chamei umas dez, doze pessoas para uma festinha em casa, e
tinha um cara de Veneza, ele era brasileiro, mas morava em
Veneza, trabalhava com vidro, esculpia vidro, um trabalho
lindo... Nos encantamos e juntos ficamos depois que todos se
foram. Começamos na sacada da sala e terminamos na janela
do meu quarto. Gozei olhando para as persianas fechadas do
meu vizinho. Alguns minutos e ele surgiu na janela do
quarto comendo uma maçã.
Verão, sol da manhã. Olhei minha brancura e desejei uma
marquinha de biquíni pelo menos pra me sentir participando
da estação das peles morenas. Reclinei a cadeira e me
entreguei ao astro— rei. Segundo os meus cálculos e
projeções, do ponto de vista dele, daria pra ver parte das
minhas coxas, joelhos, braços, busto e metade da cabeça;
talvez da janela da sala ele pudesse ver minhas pernas
inteiras. Ele continuava protegido pelas persianas e eu me
libertava das cortinas e desfrutava a sacada. Sol, vento...
Depois de umas duas semanas de exposição, minha pele já
era dourada e a marca do biquíni, a nova estampa.
Infelizmente tive que parar com as sessões de bronzeamento
natural devido às reclamações de alguns vizinhos, que
classificaram o meu solzinho como atentado ao pudor.
Recebi uma carta assinada pelo síndico e adorei quando
soube que algumas adolescentes do prédio aderiram à minha
sacada da sacada e lutaram por seus direitos numa reunião de
condomínio. Não adiantou, as meninas tiveram suas vozes
caladas pela maioria do conselho, mas aceleraram a reforma
do solário e fizeram uma piscina razoável.

Terça-feira, 06/02 — O vizinho chegou sozinho e eu


apaguei todas as luzes, deixei só a luminária. Depois de
algum tempo, ele subiu a persiana da sala. Cabelos molhados
e uma toalha amarrada na cintura. Ele bebia uísque com gelo
e olhou para a minha sacada.
Quarta-feira, 07/02 — Limpei as lentes do binóculo e fui
pra janela do meu quarto. O porta— retratos não estava mais
na estante e sobre a mesa de vidro tinha uma agenda aberta e
um binóculo! Ele também me observa?!
Quinta, 08/02 — Sentou— se no sofá e abriu o jornal, fez
leitura dinâmica nuns dois cadernos e voltou a olhar pra
minha sacada. Dobrou o jornal, pegou o telefone e teclou.
Nesse exato momento o meu telefone toca. Tremi, deixei
tocar um pouco e atendi. Ele se virou de costas e
impossibilitou uma leitura labial.
— Alô.
— Alô, eu queria falar com a Denise...
— Não tem Denise, você ligou errado.
— Desculpe.
— Tudo bem.
Desliguei o aparelho e voltei pro binóculo. Ele ainda
estava de costas... virou. Desligou e teclou novamente. Meu
telefone não tocou, mas alguém atendeu e ele ficou mais de
quarenta minutos falando. Ele sorria e se tocava enquanto
falava. Alisava os pelos da perna, passava a mão na barriga,
no peito, ajeitou a toalha duas vezes... Era ele, eu tenho
certeza! Aquela voz só poderia ser a voz dele. Eu queria ter
uma luneta da Nasa pra ter lido o meu número na agenda
aberta na letra V de vizinha.
Peguei uma lista telefônica e tentei chegar nele. Encontrei
duas possibilidades no décimo quinto andar, nenhuma delas
deu ocupado, portanto nenhum daqueles era o número dele.
Chamou a minha atenção o nome Denise F. Gramello,
moradora do meu prédio, apartamento 142. Liguei. Ocupado.
Fechei a lista, acendi a luz da sala e fui pra sacada. Ele
continuava no telefone... Outra vizinha? Pensei no tempo
que eu perdi olhando a vida dele, nos micos tipo a exposição
na sacada com o cara de Veneza, os banhos de sol, a grana
que gastei no binóculo... E ele falando com outra vizinha,
espiando outras janelas, outro andar...
Desligou o aparelho e foi pra janela. Me apoiei na mureta
da sacada, banquei a situação e escondi os olhos atrás do
meu binóculo. Olhei em todas as direções menos na dele, eu
queria que ele visse que eu possuía aquelas poderosas lentes
aproximadoras. Arrisquei um foco rápido na janela dele e
devo ter aberto a boca de espanto quando cruzei com ele
também me olhando através de binóculos. Tive que rir. Eu
era o foco dele e ele o meu. Continuei olhando, ele também...
Toca o telefone. Meu irmão inconveniente, que sempre liga
na hora mais imprópria. Quando voltei, o vizinho não estava
mais lá e o binóculo havia sido abandonado sobre a mesa de
vidro.
Cruzei com ele algumas vezes na padaria, supermercado...
De perto não era a mesma coisa. Nunca sequer nos
cumprimentamos, mas sempre sorrimos quando nos
encontramos através das lentes.
Obs. 3 — Fotogênico.

FURTA— COR
Vivi uma sequência de decepções amorosas que deixaram
o meu coração em farrapos. Nada a ver com medo de amar,
eu só estava decidida a apagar os homens por um tempo,
queria experimentar uma solidão inédita... E ele apareceu
num sonho louco. Tínhamos nos visto algumas vezes, em
vernissages, exposições... Eu gostava da obra, mas nunca
tinha olhado para o criador... e sonhei com ele, nós dois nus
num ateliê. Eu sobre uma mesa, posava. Ele me lambia. A
saliva era colorida e a língua funcionava como uma espátula,
acho... e o pênis era o pincel espalhando a tinta por todo o
meu corpo. Acordei e, a exemplo de minha mãe, anotei esse
sonho. Passei a olhar aquele homem de uma outra maneira.
Um dia ele liga me convidando pra uma exposição, a
conversa seguiu caminhos insanos e combinamos um jantar
naquela mesma noite. A verdade é que eu nem lembrava
direito do rosto dele, mesmo no meu sonho, era um rosto
sem contornos.
Ele passou em casa e me levou pra comer ostras.
Conversamos infinitamente, nos beijamos, na volta ele subiu
e tudo acabou na minha cama...
O sonho foi mais colorido, mas o pincel real era melhor e
o beijo um esboço perfeito do que seriam as luzes e sombras
do depois. E ele veio equipado! Todo munido de camisinhas,
e nosso sexo foi seguro e tranqüilo. Gozei e ele veio junto.
Fizemos uma breve pausa e começamos tudo de novo, um
sexo mais íntimo, vibrante...
— E muito bom...
— Tá gostoso? Fala...
— Muito gostoso...
— Ah... você é demais.
— Eu vou pro espaço...
— Já vai gozar?
— Eu vou... Ah...
— Você é linda gozando...
— Vai de novo?
— Eu vou muitas vezes se continuar assim...
Foram mais cinco. Ele veio junto na última e mesmo
exausto e saciado me beijou muito depois.
Abri a porta pra ele e embarquei num sono de tons
pastéis. Duas horas depois, ele liga dizendo que teve uma
idéia. Temi que me pedisse em casamento, meu coração
dadaísta não sabia mais como bater... Nada de casamento,
ele não viu em mim uma esposa, mais que isso, vislumbrou
uma obra de arte.
Coletiva em Nova York. Renovei meu passaporte e fui
num avião fretado. Telas, esculturas e eu. Fiquei uma
semana exposta, mas não à venda. Fui a obra mais
comentada da exposição, capa do catálogo, página de várias
revistas e jornais, até o New York Times eu estampei.
Escultura viva.”Furta-cor” era o título da obra. Pintou o
meu cabelo e meu corpo de branco perolado, criou uma
iluminação especial e me colocou vivendo numa instalação
de superfície colorida. Conforme a minha movimentação,
alteravam-se as cores no meu corpo, num efeito furta— cor.
Belíssimo trabalho. Na instalação tinha tudo o que eu
precisava para sobreviver. Eu comia, via TV, lia... Tinha até
banheiro. O banheiro era o único lugar onde eu tinha quase
privacidade: meus pés e cabeça ficavam expostos ao público
e o restante do meu corpo era protegido por uma tarja preta.
Uma semana em Nova York, numa megaexposição, numa
supergaleria... À noite, eu era a única obra de arte que saía e
voltava no dia seguinte. Não transamos mais. Ele era muito
profissional e passou a cuidar de mim como se eu fosse parte
do seu acervo. No último dia da exposição, um milionário
americano ficou louco por mim e ofereceu setecentos mil
dólares pelo “Furta-cor”. Era a obra favorita, não tinha
preço, o artista não vendeu.

O PRÍNCIPE DA NOITE

Alguns seres intocáveis fizeram parte do meu imaginário:


teve um skatista, por quem eu fiquei semanas apaixonada,
teve um grisalho charmoso, com quem eu sempre cruzava no
supermercado, já me apaixonei por vários caras de
Hollywood, enfim, e teve o príncipe da noite, lindo! Nós
também, três lindas. Julia, Cristina e eu.
Tudo combinado por telefone: cinema e depois Dinastia,
o mais novo e descolado bar da cidade. Sugestão do Guia.
Nenhuma de nós esperava nada muito especial daquela noite,
mesmo porque esses caras que a gente cruza na noite
raramente viram alguma coisa que valha...
Julia, casada havia mais de um ano, achava que vivia a
sua eterna história de amor. Vestido preto.
Cristina, embalada pela última consulta de tarô,
direcionava todo o seu destino rumo às previsões apontadas
pelas cartas: até novembro encontraria alguém, portanto a
qualquer momento poderia dar— se o grande encontro e era
preciso estar sempre preparada e atenta. Minissaia marrom,
saltos altíssimos e os peitos explodindo dentro do sutiã
apertado. Muita lycra.
Eu andava temporariamente desiludida, os três últimos
relacionamentos mais estáveis terminaram em falência total
e eu ainda sofria de amor pelo Luiz. Só saía mesmo pra dar
uma arejada. Estava magra e sentia frio. Calça preta,
camiseta branca e o casaquinho cinza...
Entramos no bar lotado, nenhuma mesa vazia.
— Balcão.
— Será?
— Não tem mesa.
E lá se foram as três moças condenadas a desperdiçar
beleza no balcão até, quem sabe, vagar uma mesa. Também
o balcão estava entupido. Eu corri e sentei rapidamente no
único banco giratório desocupado como quem participa de
uma gincana. A gente reveza, eu disse, consolando as amigas
mais lentas e olhei pro casal de adolescentes encostado na
coluna. Os dois usavam aparelhos nos dentes e se beijavam
até sair faíscas.
— Vamos num vinho? — O vinho embalava minha
melancolia. — Cerveja — rebateu Cristina, a cerveja acendia
sua alegria. — Muito calor. — Para Julia era indiferente, ela
nada bebia. Acabamos optando pela cerveja, mas só tinha
chope. Muito chope. Os garçons transitavam sem parar com
as bandejas redondas de copos cheios que logo voltavam
vazios, e os moços da ordenha também não tinham um
segundo de pausa.
As mesas ficavam entre o bar e um pequeno palco, onde
umas bandas se apresentavam de quinta a domingo, mas
como era segunda-feira, não tinha show e o rádio tocou um
sucesso nacional que fez todo mundo mexer a boca da
mesma maneira.
O bar era o novo point, mais um daqueles febre de verão
que têm os dias contados e todos corriam e se desdobravam
pra não perderem um centavo do tempo que agia contra eles.
— Eu liguei pro Luiz...
— Não acredito que você fez essa besteira de novo.
— Já não deu certo, parte pra outra...
— Recaída...
— E aí?
— E aí que atendeu a mesma voz de mulher...
— Ah, pode ser a irmã...
— Ele só tem irmão.
— A empregada!
— Eu conheço a voz da Cida.
— Uma amiga...
— Voz de quem tava acordando...
Percebi meu queixo tremendo... Julia, precisa, mudou de
assunto.
— Esse chope tá demorando...
Quando eu resolvia embarcar no choro, era noite perdida
em furadas receitas de reconquista e muito flashback. E
sempre sobrava pra, no fim da noite, Cris colocar um tarô,
runa, pêndulo... Se sofro de amor, sofro mesmo. Nas piores
fases, não era raro viver a aventura de encontrar uma
farmácia que aceitasse vender Dormonid com uma receita
amassada e rasgada, de dois anos atrás, que eu mantinha
dobrada dentro da agenda pra me precaver contra eventuais
insônias.
— Alguém pediu o chope!?
— O quê?
— Eu não pedi.
— Nem eu.
— Também não... Moço!
O moço era o moreninho da ordenha e ele apontou um
outro rapaz, que, num segundo, apanhou os três cartões e
marcou os três chopes. Nós sempre brindamos.
— Saúde!
— Saúde.
— Amor!
— Sucesso.
— Paz...
— Alegria!
— Prosperidade...
— Idéias!
Pareceu que os copos se quebrariam só pra que todos
olhassem... Eu então subiria no palco e revelaria todos os
meus desejos e necessidades... Luiz! Era só o que eu queria.
— Ele tá com outra. É a mesma voz há meses... Ele ama
outra mulher...
— Ama nada.
— Eu queria morrer...
— Não começa!
— Queria mesmo... Xingo todo mundo no trânsito pra ver
se levo um tiro na cabeça e acabo logo com essa dor...
— Pára com isso!
— Ontem eu fiquei me imaginando num hospital, à beira
da morte, Luiz entrando no quarto... e quando ele chega
perto de mim, escorre uma única lágrima...
— Ah não, isso a gente imagina quando tem 15 anos...
— Eu nunca imaginei essa besteira.
— Era eu bem fraca... mas linda! Linda, impossível,
inesquecível, insubstituível, combustível da vida dele.
Julia pressionou levemente o braço de Cristina e eu vi que
tinha na área alguém interessante. Beto. Nada interessante.
Li o pensamento da Cris. Beija bem, mas é um galinha.
Longe de ser o homem do tarô... mas por hora tudo bem, tem
tempo até novembro, ele virá... Cristina acenou pro moço,
que mandou um sorriso de quem está disponível e veio
certeiro pra envolvê-la num abraço de corpo inteiro que deu
uma vaga idéia de como seria o final da noite.
— Pronto, Cris se garantiu.
— Será que o cara de novembro vai aparecer?
— Ainda é outubro...
— Tomara que o Juca seja o homem da minha vida.
Cris e Beto finalmente se desgrudam. Ele, como professor
de história, tinha sempre um papo polêmico e as últimas
medidas tomadas pelo congresso foi o assunto chato que ele
insistiu em pôr na roda. Julia, economista, foi a única que
participou, mas, assim que percebeu o olhar entediado da
Cris, enveredou a conversa pro festival de dança. Cristina,
bailarina, pôde então brilhar. Sabia de cor o nome de todas
as companhias e tinha convite aberto para os três dias.
— Meu Deus...
— O que foi?
— Olha!
— Olha o quê?
— A porta.
— Meu Deus!!!
Acho que era Ele. Instantaneamente eu esqueci que sofria
e de fria passei a fervente. Em meio segundo, meu pobre
coração lamentou todas as noites que perdi, enlouquecida
por causa de homem. Luiz nunca mais.
Julia mandou ver no chope e não acreditava que estava
casada:
— Definitivamente o Juca não é o homem da minha vida.
Cristina não via mais Beto, nem mais ninguém:
— E o homem de novembro!
Eu estava decidida: — Esqueci o Luiz.
Cabelos e olhos negros, a pele branca, elegantemente
vestido com uma calça e uma camisa prata, única, divina!
Era, sem dúvida, o homem mais lindo do mundo. Nada de
beleza óbvia tipo catálogo de moda, não, era uma outra
coisa...
Ele passou os olhos por nós quando deu uma panorâmica
no bar, depois disse alguma coisa pro garçom.
— Deve estar esperando alguém...
— Será?
— Ou procurando alguém...
— Eu.
O tal Beto já nem existia, invisível, tentou resgatar a
atenção da Cris, mas ela também tinha sido abduzida. Ele se
tocou e voltou à mesa dos amigos, de onde nunca deveria ter
saído.
O palco não estava mais vazio. Era o único lugar onde
havia espaço pro garçom colocar uma mesa, e o príncipe da
noite se sentou e ficou uns vinte centímetros acima de todos
os presentes.
— Eu não estou acreditando nesse cara...
— Só você.
— E o homem de novembro.
— Que Novembro!? É o homem de março, abril, maio...
— O príncipe da noite.
Eu queria me fazer notar, todas as mulheres do bar
queriam se fazer notar por ele, que estava com o rosto
coberto pelo imenso cardápio. Eu queria sair dali correndo e
beijá— lo infinitamente e fugir pra um lugar bem longe,
onde ficaríamos juntos pro resto da vida. Eu não reclamaria
de ter que lavar, passar, cozinhar pra ele... Faria tudo
cantando e com indescritível prazer.
O garçom anotou o pedido e trouxe um vinho e talheres.
— Ele vai jantar.
— Sozinho?
— Parece...
Em poucos minutos ele estava comendo uma salada
colorida como o meu pensamento...
— Eu vou lá falar com ele.
— Não acredito.
— Acho péssimo.
— Vou até o banheiro...
Atravessei as mesas e passei em frente ao palco olhando
para o protagonista da noite e de todo o meu futuro, mas ele
não olhou pra mim, nem pra ninguém. Olhava o nada ou
alguma coisa invisível aos olhos humanos.
O banheiro estava ocupado e eu preenchi o tempo de
espera arrumando os cabelos e revisando no espelho os meus
melhores ângulos. Lembrei de um sonho da minha mãe, ela e
o seu anjo amado fazendo amor no toalete de um avião...
“...Entrei correndo no avião, que já acionava as turbinas
para a decolagem. Passei por duas aeromoças vestidas
de preto, elas sorriram e me ofereceram um copo de
groselha Todos os passageiros da aeronave bebiam
groselha. Olhei cada rosto estranho e entrei no toalete
minúsculo. Fechei a porta e meu anjo me aguardava
sedento. Pedi pra que ele viesse comigo, mas o beijo dele
me convenceu a ficar. Ele levantou o meu vestido, afastou
a minha calcinha e fizemos amor na pequena cabine
enquanto o avião decolava ganhando o céu...”
Forcei a fechadura, ouvi o barulho da descarga e
finalmente a porta abriu e saíram duas loiras de olhos
saltados e narizes escorrendo.
Fui rápida depois da longa espera. Saí do banheiro e
voltei olhando o palco, com a sensação de ter perdido um
show. Ele terminava a salada.

— Tenho certeza de que ele é o cara.


— E nada. E a boa alma que Deus mandou pra eu
esquecer o Luiz.
— Esse é o homem da minha vida.
— Muito gostoso...
— Olha o corpo...
— Olha a mão...
— Tem cara de ter pau grande.
— Eu faria qualquer coisa com ele...
— E tem cara de quem sabe fazer...
— Pelo jeito que ele toca nas coisas parece que trabalha
bem com as mãos...
— Eu o beijaria inteirinho...
— Eu daria até não agüentar mais...
— Serviço completo. Tudo.
— E, mas ele não olha...
O moço da ordenha ouvia e via tudo. Os dois homens da
esquerda riam nervosamente. Roberto olhava para Cris, já
acompanhado de uma morena corpulenta.
As três pediram mais um chope. O inesperado.
— Ele pediu a conta!
— Não é possível!
— Ele vai embora...
— Meu Deus, quem é esse homem?
— Olha, pra estar vestindo uma camisa prateada...
— Deve estar indo pra uma puta festa.
— Ou saindo de uma apresentação.
— O que tem hoje na cidade?
— Ah, tanta coisa...
— Pode já ter vindo pro festival! É bailarino!
— Ele não é daqui.
— Não olha pra ninguém...
— Será que é gay?
— Não.
— Também acho que não.
— De jeito nenhum!
— Russo ou inglês?
— Não tem cara de gringo...
— Olha o estilo!
— Eu quero esse homem.
— Você fica lá com o Beto...
— Que Beto...!?
— Pode esperar o seu homem de novembro porque esse
eu acabei de descobrir que é o homem da minha vida.
— Se alguma de nós ficar com ele, as outras duas
precisam jurar que nunca vão chegar perto. Combinado,
Cris?!
Rimos e vimos que ele estava pagando a conta.
— Não...
— Ele vai mesmo embora.
— E se eu chegasse e falasse que o conheço de algum
lugar...
— Pergunta pro garçom se ele vem sempre aqui.
— Pergunta você!
— Eu vou falar diretamente com ele.
— Você não vai pagar esse mico...
— Muito estranho esse cara chegar, pedir uma mesa,
sentar sozinho no canto do palco e comer como se estivesse
em casa e nada acontecesse além do seu próprio jantar.
— Pode ser um número! Pode ser um ator fazendo um
pocket show. “O Jantar” é o nome da performance.
— Não, teria pelo menos um foco de luz...
— Pra quê? Ele emana luz.
— E um extraterrestre!
— Nada. É só um homem lindo, gostosíssimo e solitário
que veio jantar e vai embora... Pra onde?
— Ele levantou.
— Adoro homens discretos... Ele sabe o poder que tem...
— Um belo membro ele deve ter...
— Será que é casado?
— Sem aliança.
— Até aí...
— Eu queria saber pelo menos o nome dele...
— Felipe.
— Não. Ulisses.
— Eduardo.
— Um nome russo...
— Nicolau...
— Dmitri!
— Ivan.
— Alexei...
— Alexei?
— Alexei!!
Eu chamei, mas ele não ouviu. Saiu do bar e desapareceu
na noite.
Não estava em nenhuma apresentação do festival de
dança, nem nunca mais foi visto no Dinastia, nem em
nenhum outro lugar da cidade.
Julia continuou casada, no entanto sempre se lembrava de
que o homem da sua vida existia em algum lugar...
Cristina esperou até o último dia de novembro, mas ele
não apareceu e em dezembro ela conheceu Tiago.
Eu nunca mais sofri pelo Luiz, nem por nenhum outro
homem. Só sofreria por aquele príncipe da noite que poderia
ser e foi, para sempre, Alexei.

AMOR ENCANTADO
Sei sumir, me desligar é outra história... Falava que ele
me amava e que eu só era apaixonada por ele. Dizia também
que odiava paixão, queria era conquistar o meu amor...
Falava que me sentia frágil, apesar da minha panca de
poderosa... e que iria me proteger... e queria só pra ele o meu
coração, e eu era especial e linda... Falava todas essas coisas
que mulher gosta de ouvir e que sempre voltam na minha
cabeça... Tantas palavras... Amor.
Amor. Procurei e não encontrei. A palavra amor não
estava no meu dicionário! Como não?! Um poderoso Aurélio
completíssimo de uma promoção do jornal. Colecionei os
fascículos e completei o dicionário. Capa dura, mais de não
sei quantos mil verbetes e tal... Só perdi o número 3. Eu
tinha toda a intenção de ligar na editora atrás do fascículo
que me faltava, mas acabei esquecendo, deixando pra
depois... Nunca imaginei que bem amor tivesse ficado de
fora. Eu tinha em casa mais dois outros Pequenos
Dicionários da Língua Portuguesa, um de bolso bem meia-
boca e outro de mil novecentos e bolinha, com as páginas
secas e amarelas, farmácia com ph, essas coisas... Nos dois
encontrei amor, mas ambas as definições me soaram vagas e
incompletas. E não eram meus aqueles dicionários, um
pertenceu ao meu avô e o outro era do meu irmão. No meu
dicionário não constava a palavra amor. Seria um sinal?
Estaria eu fadada à solidão? Fiz um rápido balanço dos meus
últimos relacionamentos amorosos e concluí que eu me
tornava uma pessoa cada vez mais complicada, medrosa,
cínica, egoísta, insolente, solitária.
Liguei na editora e eles não puderam me ajudar, a edição
já tinha mais de cinco anos e as páginas avulsas dos
fascículos nem existiam mais, foi o que me disseram. Meu
dicionário estava condenado a ficar sem amor, mas eu não.
Deu uma vontade louca de ligar pro Luiz. Já fazia doze anos
eu não o via... Ao longo desses anos, nos procuramos
algumas vezes mas na véspera eu desistia, ou algum
empecilho surgia... Nos distanciamos, silenciamos. Mas
desligar é outra história... E é incrível, quando a gente adia
um acontecimento, ele vai ficando cada vez mais longe e
corre o risco de virar mito.

Passei por três casamentos: Gustavo, Arthur e Luiz. Não


falei do Arthur, o rei que quis me coroar... Nos casamos na
igreja, foi minha única união segundo as boas regras do
cristianismo. Usei um vestido de princesa tipo medieval.
Julia pegou o buquê e se casou no mesmo ano, joguei
praticamente nas mãos dela. Arthur e eu. Fomos um casal
feliz somente durante a lua— de— mel no Egito. Na volta,
descobrimos que nosso casamento era um equívoco, mas
havia sido tão grande o estardalhaço em torno do casório...
festa, vestido de noiva, tantos presentes e convidados e o
escambau, seria ridículo uma separação logo depois da lua—
de— mel. Enrolamos nossa história o quanto deu e
chegamos ao ponto de levarmos amantes pra casa sem que
isso fosse uma situação constrangedora ou geradora de
qualquer ressentimento. Até fizemos uma vez um jantar com
os nossos parceiros, e depois um torneio de gamão e
xadrez... Se nos amássemos, não seriamos um casal tão
perfeito. Ele fazia a feira e eu, o supermercado; ele preparava
o café da manhã e eu, o jantar. Só nos separamos porque o
Arthur se apaixonou por uma ruiva ciumenta que não aceitou
o nosso casamento-fachada. Ela me odiava, mal me
cumprimentava, desligava o telefone na minha cara... Hora
de terminar nossa feliz sociedade. Só brigamos pelo álbum
de fotos do casório, que os dois queriam, um dia, mostrar
para os netos.
Olhei o dicionário, tropecei na saudade e liguei pro Luiz.
Caí numa caixa postal, cambaleei com a voz dele na
secretária e desmontei no chão sem conseguir deixar um
recado. Nosso amor era um vulcão adormecido, pelo menos
o meu amor — que ele dizia que era só paixão — , era
vulcão e estava entrando em atividade sem avisar. Erupção.
De repente ferve, transborda, e as lavas impiedosas escorrem
devastando tudo à sua volta. Nada pode deter a fúria e a
urgência de um vulcão que acorda. Me entreguei à saudade e
a embalei com o último disco que Luiz me deu. Tomei um
longo banho em sua homenagem e vesti a mesma roupa que
usei no nosso último encontro, há doze anos: uma calça de
veludo azul e uma camiseta branca de mangas longas que
por algum tempo adotei como pijama. A calça estava um
pouco mais justa e a camiseta quase se desfazia de tão gasta.
Cantei, dancei, chorei. Achei que um vinho tinto combinava
com a ocasião e matei meia garrafa em menos de meia hora.
Eu queria escrever uma carta de amor, nada de e-mail,
tinha que ser uma carta de amor à moda antiga, com papel de
seda perfumado, caneta azul, envelope, selo e carimbo do
correio... Tanto a dizer, eu queria falar de amor, do amor
imenso que habita o meu peito flechado...
Nosso encontro era sempre uma alegria! Desde a primeira
vez... A gente se via e dava pra sentir nossas almas sorrindo
e brincando pelos ares... elas dançavam, se beijavam, uma
vez fizeram amor em pleno show dos Titãs, sobre as cabeças
da platéia animada. Literalmente animada! Ânimas! Nós
ainda nem tínhamos tido nada físico, mas nossas ânimas já
eram íntimas. Inevitável, um dia aconteceria... Nossas longas
conversas, nosso beijo, nosso sexo, nossa música...
“You do me, anyone with eyes can see...”
Ele nunca deixava as roupas no chão. Não lavava louças
nem se prestava muito a aventuras domésticas tipo trocar
lâmpadas, consertar torneira, mas ele gostava de arrumar os
livros, cuidar das plantas, mudar o lugar dos pequenos
objetos da estante... E adorava me presentear com os livros e
os discos que ele mais gostava.
“I do you, everybody knows it’s true...”
Sempre andamos abraçados, de mãos dadas era pouco,
nem a rotina e convivência nos roubariam os beijos e
abraços. Dois eternos namorados. Era como se fossemos
imantados; até nos almoços e jantares, enquanto não
estávamos comendo, nossas mãos ficavam entrelaçadas...
Claro que as brigas existiam, conflitos, tudo normal, mas a
possibilidade de um rompimento definitivo nos apavorava e
os dois perdoavam e enterravam os pecados cometidos com
generosa facilidade, às vezes era até ridículo... Iniciava-se
uma discussão, caía o mundo, batiam-se portas, mas sem
querer um de nós tecia algum comentário sobre qualquer
coisa, a conversa se prolongava e quando a gente lembrava
da briga, já estávamos na cama...
“Day to day that’s the way our game is played.”
Rever Luiz poderia ser desastroso... Eu o amei tanto que
cheguei ao ponto de desejar que ele sumisse pra que o nosso
amor nunca acabasse e ficasse no ar... encantado. Já falei
isso... E aconteceu. Parada muito forte. Bastava um
reencontro pra voltar tudo, e o vulcão despertar. Nossa
primeira separação durou dois meses, o reencontro foi pra
combinar a partilha dos discos, quase todos dele. Fomos a
um restaurante japonês, escolha minha, tinha salinhas
privativas onde a gente poderia no mínimo discutir à
vontade, eu poderia chorar... ele poderia me beijar... Suspiro.
A efervescência começou logo que descemos do carro e
caminhamos até o restaurante... Era como se, juntos, fosse
impossível andar separados... Nos encostamos, andando
praticamente colados, mas o abraço estava proibido e
nenhum dos dois sabia o que fazer com tantos braços
soltos... A japonesa nos recebeu com festa e nos indicou a
única sala vaga, a 19. A nossa sala. Tiramos os sapatos,
sentamos no tatame e a japonesa festiva nos entregou o
cardápio. Eu estava faminta, ele disse que também... A
japonesa anotou o pedido e fechou a porta do nosso pequeno
mundo. Eu de frente pra ele, ele de costas pra porta. Os
primeiros dez minutos de conversa foram aquela cena de
perguntas idiotas, respostas imbecis, gaguejadas, olhos na
mesa, nas paredes...
— Blusa nova?
— Não muito... Ah! Eu achei o seu canivete!
— Que bom, muito bom.
Em cada palavra tola um sentido velado, em todas as
frases um subtexto, revelações nas entrelinhas, nas legendas
que traduzem a voz do coração.
— Achei o canivete e as peças de xadrez...
(Você não faz idéia do que acontece aqui dentro quando
vejo você...)
— Tudo bem.
(Eu queria que o botão da sua blusa explodisse...)
— O tabuleiro virou a mesinha de telefone...
(Que vontade de te beijar... Meu Deus!)
— E, eu lembro, eu arrumo outro tabuleiro...
(Daqui pra casa... pra sua casa...)
— Legal.
(Legal)
Antes de a japonesa festiva chegar com os sushis, nós já
éramos um único ser. A senhora oriental deu umas
batidinhas na porta pra avisar que estava entrando...
Interrompemos nossos beijos e Luiz disse que era tudo pra
viagem. Coloquei os sushis no banco traseiro. Não
conversamos. Fiquei olhando a cidade passar e ouvi o vento
cantando seu hino de vitória. Ele sempre trazia o Luiz de
volta pra mim.
Mal entramos no meu prédio já começamos. Garagem.
Ele parou o carro e foi violando a minha embalagem,
buscando a minha pele, que rugia por um contato com a pele
dele... No elevador, tivemos que nos comportar do térreo ao
sexto andar, quando a senhora de xale verde nos deixou a
sós.
“Night to night that’s the way to love you right.”
Nosso último desentendimento aconteceu porque eu
troquei o nome dele... disse André e ele ficou irado e
desapareceu.
— Você sabe que o André é meu melhor amigo!
— E foi seu namorado, isso eu também sei...
— E daí?!
— Trocar nome é demais...
— A gente nem tava transando...
— Só faltava na hora do orgasmo você gritar “Ah!
André!”
— Que bobagem...
— Vou te chamar de Vivian, Bárbara...
— Pode chamar pelo nome que você quiser... Roberta,
Fernanda, Isadora, Rebeca, Yasmin... Laura, Judite...
Ele pegou o casaco e fechou a porta quando eu disse
Valéria.
“You do me, I do you...”
Idas e vindas e voltas, reviravoltas, tantas histórias dentro
de uma história, tantas palavras... Amor. Comprei um novo
dicionário.

A PASTA VERMELHA
Tinha a pasta amarela e tinha a pasta vermelha. Ao
contrário da amarela, a vermelha ficava totalmente visível e
ao alcance de todos, na cabeceira da minha mãe. Essa pasta
nunca despertou minha curiosidade, era nela que minha mãe
guardava contas, contratos, certidões... Ninguém nunca
mexeu ali até ela viajar e precisar urgentemente de um
documento. Ela ligou do Canadá e acompanhou pelo
telefone toda a busca na pasta vermelha, sabia exatamente
entre quais papéis o tal documento estaria. A pasta era
abarrotada e o elástico prestes a arrebentar.
— Manda amanhã sem falta, sem isso eu não saio daqui...
— Mãe, você estava na Sicília...!
— Conheci uma senhora canadense numa excursão...
— Sei... Nunca mais eu vou te ver?
— Vai, no Natal...
— Diz isso há dois anos.
— Eu prometo, vou nesse Natal, já comprei presentes,
muitos presentes, vou ter problemas com excesso de peso...
Mas eu continuo em forma...
— Amiga ou amigo canadense!?
— Amiga. Cheryl. Quer falar com ela?
— No, thanks...
— Fechou a pasta direitinho? Olha se não caiu nada, tem
muitas notas pequenas...
— Tudo certo.
— Cuidado com o elástico, está quase se rompendo.
— Eu já fechei, ele agüentou.
— Mande um beijo pros seus irmãos, vou mandar uns
postais...
— Morro de saudade...
— Eu também.
— Então vem logo!
— No Natal. Amo você.
— Também te amo.
— Um beijo!
— Beijo!
... O último cartão vinha da Sicília.
Depois que meus irmãos se casaram eu ainda fiquei uns
três anos morando com mamãe... Nessa época ela começou a
estudar uns autores a fundo. Leu obras completas, se arriscou
a escrever umas monografias e acabou ganhando uma bolsa
em Portugal; seis meses de bolsa custeados por uma
universidade. E lá se foi mamãe toda importante cruzando o
Atlântico... Terminou a bolsa e ela foi visitar uns amigos em
Amsterdã, depois foi pra Milão, mandou um postal dizendo
que iria pro Nepal, ligou de Marte pedindo pra que eu
descobrisse o telefone de uns parentes que viviam na África
do Sul...
Minha mãe não é anjo, mas descobriu que tinha asas e
voou.
Desliguei o telefone e quis rever a pasta amarela. Abri a
porta do armário e não achei a mala cheia de roupas de
inverno e muito menos a pasta, ela levou, concluí. Temi
nunca mais reler seus escritos e esquecer os trechos gravados
em minha memória...
Molhei as plantas, fechei as janelas, fazia isso uma vez
por semana. Mamãe sugeriu que eu ficasse na casa dela
durante sua ausência, mas eu não saberia o que fazer com
todos os meus móveis.
Entrei no meu antigo quarto, ela fez questão de deixar do
meu jeito, só mudou a cor da parede de amarelo para branco.
Também o quarto dos meus irmãos era o mesmo. Senti
saudade do tempo que vivi naquela casa e abracei a pasta
vermelha. Quando fui recolocá-la na gaveta da cabeceira, o
elástico frouxo se rompeu e todos aqueles papéis importantes
fugiram do meu abraço, bailaram no espaço e forraram o
chão do quarto. Contas, contratos, duplicatas, recibos,
convites de aniversário e casamento de meio mundo,
orações, santinhos, passaporte vencido, minha certidão de
nascimento e dos meus irmãos... título de eleitor, cic, recorte
de jornal, recorte de jornal, recorte de jornal...
Eu poderia ter começado pela pasta vermelha, até tive a
intenção quando falei do Don Juan... O Don Juan dos joelhos
e da atmosfera misteriosa...”Don Juan”,”A Divina
Comédia”,”Paolo e Francesca”... Nada fazia sentido. Salada
russa. Tragédia grega.
Em partes, o que minha mãe contou sobre meu pai parecia
ser verdade... ele se foi num acidente aéreo... Mas aquele
recorte de jornal ela nunca havia me mostrado... Por que o
guardava? Por que escondia?
“Todos os corpos foram encontrados. Nenhum dos
passageiros sobreviveu. O reconhecimento foi feito pelos
familiares das vítimas...”
Na lista com os nomes das vítimas não tinha nenhum Jim,
mas um outro nome chamou minha atenção... Miguel, nome
de anjo... Seria essa a viagem da minha mãe? Do outro lado
do recorte, tinha um pedaço de uma matéria sobre a geada
que prejudicou umas plantações no nordeste do estado.
Mamãe nunca se interessou por geadas...
Miguel Fonseca. Meu pai é um anjo e aquele poderia ser o
nome dele. Eu conhecia aquele nome e também o
sobrenome. Gritei.

MEUS IRMÃOS
Naturalmente a minha vida sexual não passaria sem um
caso de incesto e, pelo título do presente capítulo,
subentende— se que a relação, no caso, acontece entre
irmãos... Mas não é bem assim.
Li numa revista de psicanálise que relações incestuosas
entre irmãos acontecem com muito maior freqüência do que
se previa, altas porcentagens. Na matéria, além de alguns
casos reais, havia histórias de incesto entre divindades da
mitologia grega, citava também uns orixás... Isso acabou
dando um tom poético ao delicado assunto e eu, ao invés de
me sentir um verme, acabei me identificando com os deuses.
Meus dois meio— irmãos, Pedro e Paulo, sempre tiveram
verdadeira adoração por mim. Já o pai deles nunca suportou
a minha presença. Por muito tempo aquele homem perturbou
a minha mãe. Mesmo estando separados, quando soube que
ela estava grávida, quase a espancou, se não fossem os
vizinhos o deterem, essas linhas tortas não seriam escritas
nem por Deus, nem por mim... Inferno. E isso porque ele a
havia trocado pela secretária especialista em sexo anal, que,
sei lá como, também engravidou e, poucos meses antes do
meu nascimento, eles tiveram um menino: Edmundo, irmão
dos meus irmãos, mas não é meu irmão... Grande família.
Pedro, meu querido irmão mais velho, doce, lindo e
inteligente, sempre me ajudou em tudo: crises escolares,
financeiras, existenciais, crises amorosas... Quando eu tinha
dezesseis anos, me apaixonei perdidamente pelo cara mais
disputado do colégio, o Cláudio (eu o reencontrei em Paris
durante a turnê com o circo). Eu era louca por ele e Pedro
não suportava o meu sofrimento por causa daquela rala
criatura... E eu saía das festas chorando porque o Cláudio
estava aos beijos com a namorada... Na festa de formatura,
me excedi na bebida e quase cometi a tolice de me declarar
pra ele. Fiquei cega, não via nada nem ninguém à minha
frente, só ele e a fulana. Pedro me abraçou forte e cantou no
meu ouvido. Qualquer coisa ele faria pra que eu parasse com
aquela histeria desenfreada. Eu queria morrer... Abri a porta
do carro e tentei saltar. Ele me segurou, perdeu a direção e
estourou o carro num poste. Meu choro duplicou. Na hora da
batida ele me xingou de todos os palavrões existentes na
língua pátria, mas, passado o susto, me abraçou com ternura
e enxugou cada lágrima que brotava nos meus olhos antes
que elas rolassem. A batida não comprometeu o motor, e o
carro andou normalmente, embora com a frente
completamente amassada. Chegamos em casa e ele me
preparou um chá. Eu não conseguia parar de chorar, já nem
sabia mais se era por Cláudio ou pelo carro, ou pela minha
vida... por tudo talvez.
Tomei o chá e deitei a minha cabeça no ombro dele. Tive
vontade de beijá-lo. Dono de irresistíveis lábios carnudos, as
meninas gostavam e divulgavam o beijo dele como
“especial”.
— Eu queria te beijar.
— Beijar?
— Na boca, de língua.
— Ficou louca?
— Falam tanto do seu beijo, dizem que é especial.
Ele recheou os lábios com seus belos dentes e passou a
mão na minha cabeça como se eu fosse um cachorro.
— Como é um beijo especial?
— É o que eu quero saber... Você tem coragem?
— Não.
— Tem vontade?
— Não.
— Um beijo de irmão...
Ele beijou minha bochecha com exagerada sonoridade.
— E um beijo de meio— irmão?
— Quer mais chá?
— Não, quero um beijo da metade não-irmão.
— Vai dormir, amanhã se arrepende por ter bebido desse
jeito...
Eu nunca conheceria aquele beijo especial.
Já meu irmão Paulo não tinha toda essa paciência comigo,
pelo contrário, vivia irritado com as minhas roupas e com os
meus namorados. Pra ele, todos eram monstros terríveis que
só queriam se aproveitar de mim... Nunca entendi esse “se
aproveitar”, como se a minha participação num romance
fosse forçada... Demente. Quando Paulo estava tranqüilo, me
tratava feito débil mental, quando ficava atacado, me reduzia
a vagabunda. Morria de ciúme toda vez que eu me
apaixonava. Era selvagem, impetuoso, encrenqueiro, e com
notável facilidade afastava todos os meus melhores
pretendentes.
Ele era ciumento e eu era tão alegre... Eu amava ver todo
mundo alegre como eu. Adorava dançar e beijar as pessoas...
Teve um carnaval, eu toda feliz em cima de um trio elétrico,
dançando e beijando muito um lindo cheio de tatuagens, me
aparece Paulo com feição de possesso, me intimando a ir
embora naquele segundo...
— Eu não vou!
— Você vai agora, bonitinha e sem discussão.
— Percebeu que ela tá a fim de ficar?
— Não pedi o seu palpite.
— É o meu irmão... Mas eu vou ficar.
— Você vai comigo!
— Depois ela vai...
— Que depois ela vai, rapaz, ela vai agora!
O grosso do Paulo foi pegando no meu braço e me puxou
sem a menor delicadeza. Eu tentei me esquivar, ele me
segurou com violência e me empurrou em direção à
escadinha do trio elétrico. O tatuado me mandou um beijinho
e não lutou por mim...
— Imbecil...
— Esse banana só queria se aproveitar de você...
— Isso é ridículo! Você é um ridículo, insuportável e só
atrapalha a minha vida!
— É por você mesma, sua trouxa.
— Deixa que eu me cuido! Eu te odeio, seu bosta!
— Caguei...
— Você me sufoca, é o pior irmão do mundo... Nenhum
cara se aproxima de mim por causa de você, insuportável!
Eu queria que você sumisse da minha vida agora!
Insuportável!
— Eu não gosto de ver esses caras se esfregando em você.
— Então olha pro céu, olha pro lado, pra baixo... Some da
minha frente! Estrume!
— Eu sei que eu pego um pouco pesado...
— Um pouco?!
— Me sobe o sangue ver um babaca qualquer quase te
comendo...
— E se eu estou ali é porque estou gostando muito!
— Você não vale nada...
— Por quê!?
E me vi no lado inverso da mesma situação, vivida na
mesma cozinha, mas com o meu outro irmão. Eles são tão
diferentes...
— Você beija todos os caras.
— Eu não beijo todos os caras, beijo só os que eu gosto.
— O tatuado você nunca tinha visto e tava lá...
— Gostei dele!
— Fica com qualquer um, até comigo se eu insistir um
pouco...
— Com você!?
— Você me beijaria como beija aqueles caras?
— Não...
Me aproximei dele, fechei os olhos...
— Me deixaria ser beijada...
Entreabri a boca esperando por um tapa na cara. Ele me
beijou, o beijo dele era como o meu. Foi relativamente
longo, eu encerrei baixando a cabeça, depois olhei bem nos
olhos dele e fui direto para o meu quarto. Nunca mais nos
beijamos, mas a partir desse ocorrido, ele passou a me tratar
com mais respeito. Também nunca comentamos aquele beijo
na cozinha, não sei dizer se foi bom... Foi estranho e
fraterno. Sempre que eu via um fdme, romance, novela, cujo
tema era incesto entre irmãos, eu lembrava desse beijo e
pensava no Paulo. Pela minha experiência com ele, eu
acreditava ser impossível me envolver com um irmão. Foi só
um beijo e não passaria daquilo, nossos glóbulos não
deixariam... imaginei.
Uma vez, num devaneio, me coloquei como uma
desconhecida do Paulo. — Nos encontramos numa feira
livre... Minha sacola arrebenta e as frutas caem rolando... Ele
me socorre. Tomamos um café e passamos a nos encontrar.
— Se ele fosse meu irmão, mesmo tendo vivido no Japão a
vida inteira, eu o reconheceria. Também o Pedro, eu saberia
que é meu irmão em qualquer situação. Sempre achei que os
glóbulos falariam mais alto.

“O mundo é pequeno e nele existem dezessete pessoas”,


as restantes são todas ligadas a essas dezessete. Alguém me
disse essa bobagem... Mas é incrível como a vida dá voltas,
linhas se cruzam e como parece que só tem dezessete
pessoas... no máximo.
Miguel: nome de anjo.
Fonseca: sobrenome do Fernando, meu Don Juan...
Miguel Fonseca. Foi como um soco na boca, na boca do
estômago, no colo do útero, um nocaute na alma. Meu corpo
formigou e minha respiração falhava. Me apoiei na maçaneta
da porta e respirei fundo pra não cair das minhas pernas.
Miguel Fonseca. Com tanta gente no mundo! Minha
cabeça começou a processar todos os dados fornecidos e eu
fazia mil conecções de fatos com documentos, de sonhos
com medos e realidade com desejos...
Uivei como um lobo encurralado. Miguel Fonseca era o
nome impresso no cartão— marcador da”Divina Comédia”
que tinha a estrela de cinco pontas que minha mãe desenhava
em seus livros... Don Juan dissera que o pegou na biblioteca
do pai... Como um livro de minha mãe estaria na biblioteca
do pai dele? Agora tudo fazia sentido. Ou não? Percorri
todos os setores do inferno visitado por Dante. Horácio não
me acompanhou, nem Beatriz me recebeu.
Miguel Fonseca: pai de Don Juan. O pai dele era vivo,
pelo que eu sempre soube. Tinha negócios em Miami,
Tóquio e mais não sei onde, trabalhavam com importação e
exportação. Lembrei o que me causava olhar os joelhos do
Don Juan e a secretária passou a ligação.
— Angela? Como vai você? Angela!
— Eu estou ótima!
— Pensei tanto em você, te procurei muito... Tudo bem
mesmo?
— Tudo ótimo.
— Insistiu muito no ótimo...
— Estou bem, acredite.
— Ligou por saudade ou por compaixão?
— Liguei porque achei uma coisa muito estranha...
— Você e seus doces mistérios.
— É sério... Seu pai não se chama Miguel Fonseca?
— Chamava...
— Chamava? Mas ele está vivo...
— Era o mais vivo, mais elegante e charmoso, mas
morreu, já faz dois anos...
— Dois anos?!
— Coração. Foi no escritório, ele trabalhando
normalmente, de repente deu um gemido e tombou.
— Meu Deus...
— Ele foi tranqüilo... O escritório dele era atrás do
cemitério, ele sempre disse que quando morresse era só
atravessar a rua...
— Atrás do cemitério!?
— É, e ele já tinha pago todo o serviço funerário, havia
anos tinha escolhido o modelo do caixão, dizia que morto dá
muito trabalho pra quem fica... Figura.
— Depois a gente conversa, eu preciso desligar.
— Como?! Angela! Espera, que papo fúnebre... Desculpa,
fala da sua vida...
— O que é a minha vida? Que coisa absurda!
— O quê?
— Eu andei mexendo nuns papéis antigos, jornais,
revistas, livros...
— Achou uma foto minha e lembrou que você me adora.
— Nada disso Don Juan, eu achei um jornal velho, tem
uma manchete de um acidente aéreo e entre os nomes das
vítimas tem um Miguel Fonseca...
— Esse acidente foi a salvação do velho...
— Salvação?
— Foi outro Miguel Fonseca que morreu...
— Não é possível...
— Mas a confusão serviu pro papi fugir das dívidas e das
amantes... he he..
— Dívidas e amantes?!?
Dívidas e amantes...he he... Tudo escureceu. Tive que
desligar o telefone. Eu tremia e não conseguia mexer nada
além dos olhos. Não chorei. Eu só poderia me desesperar
com a possibilidade daquele homem ser meu pai e,
conseqüentemente, Don Juan ser meu irmão. Eu já teria
cometido o incesto... Mas isso nem passou pela minha
cabeça... — dívidas e amantes. O livro com a estrela
desenhada nada significava, todo mundo desenha estrela de
cinco pontas, coração, flor, quadrado... A única coisa
realmente estranha foi aquele senhor ter morrido há dois
anos, justamente quando nasceram as asas de minha mãe.
Minha conclusão: mamãe só ia mesmo ao cemitério levar
flores para a tia— avó que ela gostava muito, não seria tão
tola pra chorar a vida inteira pelo defunto errado, nem
mórbida ao ponto de atravessar o cemitério antes de
encontros amorosos no escritório do amante. Miguel Fonseca
não é um nome incomum e Don Juan só seria meu irmão
antes do incesto ser pecado. Como é possível comprovar na
minha Certidão de Nascimento, meu pai é mesmo um anjo, o
nome dele é — x— x— , não sei traduzir, nem pronunciar.

FINAL PRATICAMENTE FELIZ


O Novíssimo Dicionário tinha tudo, tinha amor. Para mim
o significado de amor era bem mais que aquilo, eu teria 12
páginas de definições, no mínimo... mas isso já não fazia a
menor diferença, o que importava era que o meu novo,
novíssimo dicionário continha a palavra amor.
Aniversário do Luiz.
Almoço olhando as fotos do último aniversário dele que
passamos juntos. Felizes. Eu queria abraçá— lo como
naquele dia e falar de amor... Falar do desejo enorme de
conhecê— lo ainda mais profundamente e de fazê— lo
totalmente feliz... e se estiver triste, estarei ao seu lado e
qualquer coisa farei pra agradar e tudo ficar bem... Eu queria
dizer o que se passa dentro de mim e que eu não sei como
expressar...
Suspiro.
Lembrei do nosso sexo pleno, intenso, que flui e nos leva
àquele estado de beatitude que inspira os poetas e faz brilhar
as estrelas...
Sei sumir, me desligar é outra história.

Peguei o telefone. Eu não queria só ouvir, eu queria ver,


tocar... Desisti do telefonema, eu não teria voz. Telegrama.

Me vesti diferente, ligeiramente inadequada para uma


tarde tão ensolarada, mas era um dia especial: vestido preto,
saltos, até passei batom...
Entrei no Grande Hotel e solicitei a suíte 134. O quarto
nos aguardava. Sentei na cama e respirei fundo pra arejar o
vulcão. Ele viria?
O relógio não andava, e meu coração corria desvairado
pelas alamedas da saudade.
Abri a janela do quarto e deixei o sol fazer a festa. Me
olhei no espelho e retoquei o batom pra ele borrar. Eu
poderia já ir pedindo um champanhe, mas seria muito
deprimente se ele não aparecesse e eu ficasse bebendo
sozinha... Me satisfiz com a água de coco do frigobar.
Três toques na porta. Era ele. Luiz...
Me levanto corajosa e abro a porta do paraíso. Foge a
fala, falha a respiração, meus olhos inundam. Luiz,
eternamente Luiz. Senhor do meu amor, a página que eu
nunca consigo virar... Quantas canções eu faria se tivesse o
dom de musicar o que eu sinto toda vez que o vejo...
Ele entrou, fechou a porta, me deu um abraço de tirar o
fôlego e me entregou uma rosa vermelha como as brasas do
meu coração vulcânico. Depois me beijou intenso e me levou
aonde o seres celestiais se reúnem pra ver o pôr-do-sol.
— Hillary Clinton ou Margareth Tatcher?
— Por que eu?
— Fui flechada.
— Eu também...
Ele tira a camisa, eu sento na cama.
— Tenho tanta coisa pra falar...
— Então fala...
— Com o tempo eu falo.
— Não tenho pressa...
— Que bom.
— Feliz aniversário!!!
— Meu presente é você. Linda, ainda mais linda... os anos
te caem bem.
— Olha só nós dois aqui...!
— Tira o vestido.
— Eu estou tremendo...
— Eu também. Vamos falar de banalidades...
— Adivinha a cor da minha calcinha... Três chances.
— Vermelha.
— Errou.
— Preta.
— Errado.
— Branca.
— Não.
— Azul, lilás...
— Acabou. Não acertou.
— Tira o vestido.
Obedeço. Revela— se a calcinha cor-de-rosa.
— Que saudade do seu corpo, de você inteira... que
vontade de te conhecer de novo...
— Como eu te quero!
— Cor-de-rosa.
— Como o amor. É nova. Especial pra ocasião. Acabei de
roubar.
— Ainda rouba calcinhas?
— Só roubo calcinhas.
— Isso é um desvio gravíssimo...
— Um dia eu descubro a causa.
— Não, é sério mesmo, imagina se um dia te pegam
roubando...
— Já fui pega três vezes...
— E aí?
— Na primeira, eu era menor e minha mãe respondeu por
mim, já te contei... O gerente da loja nem deu queixa. A
segunda vez foi numa loja de departamentos, a câmera
filmou e fui parar na delegacia. Dormi numa cela com mais
outras duas larápias e no dia seguinte minha advogada e uma
psicanalista amiga dela me livraram alegando cleptomania.
— O delegado deve ter adorado seu depoimento...
— E, ele gostou.
— O que foi que você disse? Que não conseguia controlar
sua compulsão... que tinha que roubar calcinhas...?
— Era você o escrivão!?
— Que vexame minha amada!! Minha gostosa... O
terceiro flagrante é o mais intrigante...
— Eu já te contei...
— Nunca!
— Esqueci que o tempo passou, você sumiu...
— Você sumiu...
— Foi em Los Angeles o terceiro flagrante, eu me
sentindo a dona da cidade, a senhora da casa, tudo ali era a
minha cara. Angela em Los Angeles! Fui um leilão de
figurinos usados por Marilyn Monroe, não me controlei e
roubei uma calcinha que ela usou no filme”Adorável
Pecadora”.
— Linda!
— Um segurança viu... me levaram para uma sala e
revistaram até o forro da minha bolsa, me puseram quase
nua, mas não encontraram a calcinha e me liberaram.
— Truco!
— E verdade! Juro! Estarei usando a calcinha de Marilyn
no nosso próximo encontro. Não vai perguntar o que fiz com
a calcinha de Marilyn?
— O que você fez com a calcinha de Marilyn?
— Eu fui esperta. Assim que notei o movimento do
segurança, entrei no banheiro feminino e troquei minha
presilha pela calcinha de Marilyn! Assim, saí do toalete com
a calcinha amarrando os meus cabelos, eles não a
encontraram e tudo não passou de um equívoco.
— Você é a minha heroína!
— Eu não sou droga...
Ele ri sonoramente, eu me emociono e sinto um nó na
garganta.
— Você me faz rir muito alto!
— E você me faz chorar.
— Não! Sem choro, meu amor...
— Eu não consigo...
— Consegue sim! Sem choro e sem calcinha...
Ele faz cócegas na minha barriga e tira a recém roubada.
Querido. Me beija como sempre e me faz passar por sete
portais de arco— íris quando entra em mim. Amado.
Lembrei de uma belíssima cópula de caramujos que vi num
filme —”Microcosmos”. Imperdível. Tem em vídeo e DVD.
— Eles se unem numa dança erótica e se entrelaçam, se
misturam e se confundem em belíssimos movimentos, em
total unidade e sublimação... Lindo.
Me enrosco em Luiz e me entrego aos desejos secretos
dos libidinosos, à loucura dos amantes proibidos e à
memória dos amores platônicos. Sento no falo que me cala e
me faz trocar as palavras por grunhidos prolongados e
confusos como a língua que se perderia na queda da Torre de
Babel. Amor. Meu remelexo é a redondilha da melodia que
ele intui e nós suamos a maresia que embaçou todas as
vidraças do Grande Hotel. Eu, a odalisca apaixonada
dançando sobre o meu sultão até sentir as pernas bambas, e o
meu astro, sem perder a deixa, improvisa o nosso sexo
sagrado em estocadas cada vez mais cadentes, que me
colocam à frente de um batalhão de choque e eu quase morro
de tanto gozar...
Um novo recomeço de uma história inacabada que Deus
deixava na gaveta pra retomar num dia bem inspirado... Luiz
e eu, personagens a mercê do Criador e do seu humor
imprevisível como o fim do universo e o curso dos meus
pensamentos desordenados.
Acho que falei demais.
Suspiro.
Amanhã eu nunca sei, depois do pôr do sol é sempre
noite.

:::: F I M ::::

Copyright © by 2001 by Ana Claudia Ferreira


1ª edição — Setembro de 2001
1ª reimpressão — Fevereiro de 2002
2ª reimpressão — Fevereiro de 2003

Editor
Luiz Fernando Emediato

Diagramação e editoração eletrônica


ABBA Produção Editorial Ltda.

Capa
Victor Burton

Revisão
Paulo César de Oliveira
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro)

Ferreira, Ana
Amadora : romance / Ana Ferreira. — São Paulo :
Geração Editorial, 2001

1. Romance brasileiro I. Título.

ISBN— 85— 7509— 018— 6

01— 3676 CDD— 869.935

índices para catálogo sistemático:

1. Romances : Século 20 : Literatura brasileira


869.935
2. Século 20 : Romances : Literatura brasileira
869.935

Todos os direitos reservados


GERAÇÃO DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA
COMERCIAL LTDA.
Rua Cardoso de Almeida, 2188 — 01251 — 000 — São
Paulo — SP — Brasil
Tel. (11) 3872— 0984 — Fax: (11) 3862— 9031

Geração na Internet
www.geracaobooks. com. br
geracao@geracaobooks. com. br

2003
Impresso no Brasil
Printed in Brazil