Você está na página 1de 7

Faculdade de Tecnologia de Sorocaba

Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR: DEFINIÇÕES

ATIVIDADE 1

Prof.º Sergio Moraes


Disciplina: Interação Humano-Computador

Gabriel Giovani Ferreira Santos Leite 0030481721026


Tailan Muriel Fernandes Carrara 0030401711031

Sorocaba
Agosto/2019
Sumário

1. Introdução.........................................................................................................3

2. Interação Humano-Computador.......................................................................4

2.1. Definição por Roger Pressman.................................................................4

2.2. Definição por Maria Baranauskas..............................................................5

3. Conclusões.......................................................................................................6

4. Referências Bibliográficas................................................................................7
1. Introdução
A necessidade da construção de uma interface amigável ao usuário é
fundamental em um sistema. A interface faz parte do sistema computacional e
determina como as pessoas operam e controlam o sistema. Quando uma
interface é bem projetada, ela é compreensível, agradável e controlável. Neste
contexto, este trabalho tem como objetivo apresentar as principais definições
de Interação Humano-Computador, de acordo com Pressman e Baranauskas.
2. Interação Humano-Computador
A interação Homem-Computador é a área de pesquisa que cuida da forma em
que a comunicação entre homem e computador ocorrerá em sistemas
computacionais. Esta avalia o design, a verificação e a implementação das
interfaces e outras formas de comunicação humano-computador durante o
desenvolvimento de um projeto de aplicação.

Esta área é estudada por diversos autores, e cada um deles tem definições
próprias quanto ao seu conceito e o que uma aplicação necessita para ter uma
interação amigável para o usuário. Alguns dos autores que trataram desse
tema foram Roger Pressman e Maria Cecília Baranauskas.

2.1. Definição por Roger Pressman


De acordo com Pressman¹, os aspectos internos do projeto são importantes
para a qualidade da aplicação, mas ficam muitas vezes escondidas do usuário
final. O projeto de interface é diferente. Se ele for muito bom, o usuário terá um
ritmo natural de interação. Ele poderá até mesmo se esquecer de que a
comunicação está se desenvolvendo com uma máquina. Mas, se for ruim, o
usuário o saberá imediatamente e não ficará satisfeito com o modo de
interação não amigável.

A interface com o usuário é o mecanismo por meio do qual se estabelece um


diálogo entre o programa e o ser humano. Se os fatores humanos tiveram sido
levados em conta, o diálogo será harmonioso e um ritmo será estabelecido
entre o usuário e o programa. Se os fatores humanos tiverem sido ignorados, o
sistema quase sempre será visto como não amigável. Sendo assim, a interface
pode ser considerada o elemento mais importante de um sistema ou produto
baseado em computador.

O estilo de uma interação ser humano-computador percorre uma série de


opções que estão estreitamente relacionadas com a evolução dos
computadores. À medida que o hardware se mostrou mais sofisticado, as
opções de interação cresceram. Todavia, muitos sistemas computadorizados
ainda fazem uso de interação que já se tornaram obsoletos.
2.2. Definição por Maria Baranauskas
De acordo com Baranauskas², “o sistema ideal esconde tanto a tecnologia que
o usuário nem nota sua presença”, ou seja, quando um sistema responde a
todas as instâncias do usuário e tem uma interação de fácil manuseio da
aplicação junto ao mesmo, ela se torna tão simples e ideal que esconde toda a
tecnologia usada por de trás em seu desenvolvimento, suprindo toda a
satisfação e eficiência do mesmo.

“Interação” é um conceito que não pode ser determinado ou averiguado


independentemente. O ser humano tem que interagir com a aplicação de uma
maneira simples, e, na maioria das vezes, é necessário que ele compreenda o
que precisamente é a função que ele está realizando.

A Interface Humano-Computador (IHC) estuda o design junto à implementação


das aplicações e projetos computacionais para uso humano, uma ligação entre
comunicação humano-computador. É uma tarefa complicada estudar e
entender os pontos de vista do mesmo como: segurança, aspectos sociais e
organizacionais. Esta área tem como resolver estas distorções da comunicação
entre humano e computador, e melhorar as aplicações usáveis, seguras e
funcionais.
3. Conclusões
A interação humano–computador é uma área que estuda o design, avaliação e
implementação de aplicações de computador. Essa área visa facilitar a vida
dos usuários desenvolvendo meios de interação mais amigáveis.

Para isso é preciso examinar diversos fatores durante o projeto de


desenvolvimento de interação humano-computador em um projeto, dentre eles
a cultura e o lado emocional do usuário que utilizará a aplicação.

Uma interação adequada é de extrema importância, pois ela influencia


diretamente no êxito de um projeto de software. Mesmo que as outras partes
do projeto atendam aos requisitos funcionais de forma adequada, se a
interação não for bem projetada, a aplicação não atenderá ao usuário como
deveria.

Vários autores trataram da importância da interação humano-computador nos


projetos de software, como foi mostrado neste trabalho. Cada um tem seu
ponto de vista da importância da interação humano-computador e o que ela
precisa para ser harmoniosa. Porém todos eles concordam com o fato de que o
computador deve se adequar às exigências do ser humano, tendo para isso
aplicações construídas de forma a facilitar a interação do homem com a
máquina.

Há algum tempo atrás, a definição para essa interação era baseada somente
no design da interface da aplicação. Atualmente esse conceito mudou.

Podemos concluir que, por mais que todas as definições sobre interação
humano-computador serem plausíveis e convergirem entre si, esses e muitos
outros conceitos podem cair em desuso pelo efeito do tempo e evolução
humana.
4. Referências Bibliográficas

1. PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. 3ª ed. São Paulo: Makron


Books, 1995. cap 14. p. 602 – p. 607.

2. BARANAUSKAS, Maria Cecília C. Design e Avaliação de Interfaces


Humano-Computador. Campinas, SP: NIED/UNICAMP, 2003. p.03 - p.24.