Você está na página 1de 8

CEDERJ – PVS

História - Módulo 1 _2009 exercícios do capítulo 4 GABARITO


CEDERJ 2009-1) “Achamos toda a terra habitada por gente nua, tanto os homens como
as mulheres, sem cobrir suas vergonhas. (...) Não têm nem lei nem fé alguma. Vivem
segundo a natureza. Não conhecem a imortalidade da alma. Não possuem entre si bens
próprios, porque tudo é comum. (...) não têm rei, nem obedecem a ninguém:cada um é
senhor de si.”
Este é um trecho da carta que o navegante Américo Vespúcio escreveu ao visitar o litoral
brasileiro em 1502.
Nesse trecho, ele se referia aos indígenas brasileiros. Sua maneira de descrever o modo
de vida dos nativos revela:
(A) uma profunda compreensão sobre os hábitos locais;
(B) o interesse econômico sobre as riquezas da terra;
(C) seu estranhamento frente aos costumes dos índios;
(D) sua piedade cristã face aos pecados dos nativos;
(E) uma atitude em defesa da conversão dos índios.
Resposta : opção C

(UFU 2009) --- Leia o fragmento: Que é que os descobridores do Novo Mundo viram
surgir nas praias atlânticas? ‘Homens sem fé, sem lei, sem rei’, nas palavras dos cronistas
do século XVI. A causa era evidente: esses homens em estado de natureza não tinham
ainda ascendido ao estado de sociedade. CLASTRES, P. Arqueologia da violência: a guerra nas
sociedades primitivas. In: Guerra, Religião e Poder. Lisboa: Edições 70, 1980.
Tomando o trecho acima como ponto de partida e considerando as formas de
relacionamento entre os “conquistadores” e os povos ameríndios no contexto da
colonização européia da América entre os séculos XV e XVII, marque para as alternativas
abaixo (V) verdadeira, (F) falsa ou (SO) sem opção.
1 ( ) O estereótipo dos índios como homens que viviam sem qualquer autoridade
instituída (“fé, lei ou rei”) não foi igualmente aplicado pelos europeus a todas as
civilizações pré-colombianas. Os Astecas, por exemplo, eram vistos como um grande
Império.
2 ( ) A idolatria, como forma de “falsa” religião, foi atribuída pelos europeus ao conjunto
dos índios da América, especialmente aos Guaranis, que cultuavam o Deus Sol (Tupã),
representado sob a forma de um asno de ouro.
3 ( ) Como os indígenas da América não tinham leis, rei ou religião, a Igreja postulou
que eles não eram homens e que não tinham alma, legitimando, assim, sua escravização
pelos europeus e o genocídio que marcou os processos de conquista.
4 ( ) Devido ao fato de índios da América não terem Estado, religião e noção de
“propriedade privada”, eles viviam pacificamente entre si. Porém, com a chegada dos
europeus na América, esses povos tornaram-se guerreiros.
Resposta: V F F F

(UFU 2008) - Leia o trecho : “Até agora não pudemos saber se há ouro ou prata nela,
ou outra coisa de metal, ou ferro; nem lha vimos. Contudo a terra em si é de muito bons
ares frescos e temperados como os de Entre-Douro-e- Minho, porque neste tempo d’agora
assim os achávamos como os de lá. Águas são muitas; infinitas. Em tal maneira é
graciosa que, querendoa aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das águas que tem!
Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E
esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar. E que não
houvesse mais do que ter Vossa Alteza aqui esta pousada para essa navegação de
Calicute bastava. Quanto mais, disposição para se nela cumprir e fazer o que Vossa Alteza
tanto deseja, a saber, acrescentamento da nossa fé!” CAMINHA, Pero Vaz de. Carta de Pero Vaz
de Caminha. In: CHANDEIGNE, Michel (org.). Lisboa ultramarina:1415-1580: a invenção do mundo pelos
navegadores portugueses. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992, p.165.
Com base no fragmento acima, marque para as afirmativas abaixo (V) verdadeira, (F)
falsa ou (SO) sem opção.
1 ( ) Caminha sugere que não há potencialidades econômicas na nova terra descoberta,
pois não sabe se há nela ouro e prata. Assim, a única justificativa para a posse do
território seria a expansão da fé.
2( ) Para Caminha, mesmo que a terra não oferecesse outros atrativos econômicos e
políticos, utilizá-la como entreposto para o caminho das Índias já seria, em si, algo útil a
Portugal.
3 ( ) A carta de Caminha sugere que as grandes riquezas do Brasil são as suas matas e
sua beleza natural, de modo que as atividades econômicas extrativas (como, por
exemplo, a coleta do pau-brasil) deveriam ser privilegiadas em relação às atividades
agrícolas.
4( ) A carta de Caminha revela uma ética missionária presente nas falas dos
descobridores portugueses, o que, inclusive, atendia às necessidades da coroa de
legitimar as novas possessões por meio do seu reconhecimento pela Igreja.
Resposta: F V F V

(UFU 2008) - Leia o seguinte trecho: “Montezuma e muitos dos principais da cidade
ficaram comigo até destruir os ídolos, limpar as capelas, colocar as imagens e todos com
alegre semblante. Defendi que não matassem criaturas aos ídolos, como costumavam,
pois, além de ser abominável a Deus, Vossa Sacra Majestade, por suas leis, proíbe e
manda que se mate o matador. Dali em diante, deixaram de fazer aquilo e, em todo o
tempo que eu fiquei na cidade, nunca se viu matar nem sacrificar criatura alguma.”
CORTÉS, Hernán. Cartas de Relación.México: Editorial Porrúa, 1994, p. 65.
Interprete o texto acima com base em seus conhecimentos sobre os primeiros cofrontos
entre espanhóis e astecas e marque para as afirmativas abaixo (V) verdadeira, (F) falsa
ou (SO) sem opção.
1 ( ) Cortés pressupunha que Montezuma era súdito do rei da Espanha e, portanto, que
os súditos de Montezuma estavam sujeitos às leis da coroa Espanhola.
2( ) Os espanhóis, depois de conquistarem o México, escravizaram o Imperador
Montezuma e outros principais, fazendo-os trabalhar na destruição de seus templos e na
construção de Igrejas.
3 ( ) Montezuma estabeleceu relações amigáveis com Cortés, concordando com
diversas mudanças impostas pelos conquistadores espanhóis, dentre as quais estava a
não realização de sacrifícios aos “ídolos”.
4( ) Cortés acreditava que Montezuma, embora parecesse amigável, mais cedo ou
mais tarde o trairia, desse modo o expunha a trabalhos manuais, desmoralizando-o
perante os demais principais da cidade.
Resposta: V F V F

(PVS_2007 ) -- Sabe-se que Cristóvão Colombo não descobre a América, pois imagina
estar chegando à Ásia, à ilha de Cipango [ o Japão], perto da costa da China e da corte do
Grão-Cã. O que procurava? As “Ilhas Douradas”, Tarsis e Ofir, de onde saíam as fabulosas
riquezas que o rei Salomão explorara [...]. aliás, o Almirante era um homem obstinado.
Convencido de ter chegado ao Continente Asiático quando desembarcou em Cuba, ele
obrigou seus partidários a partilharem de sua idéia fiixa. GRUZINSKI, Serge. A passagem do
século. 1480-1520: as origens da globalização. São Paulo : Companhia das Letras,1999,p.21
Considerando-se as informações desse texto, é CORRETO afirmar que:
A) a obstinação de Colombo levou-o a atingir as remotas regiões do Japão e da China,
onde estariam as riquezas que – dizia-se – haviam sido exploradas pelo rei Salomão e pelo
Grande Cã.
B) a busca das maravilhas relatadas em livros de viagens, desde os tempos
medievais, se constituiu em um dos fatores que incentivaram as grandes navegações no
início dos tempos modernos.
C) o desembarque de Colombo em Cuba, na sua segunda viagem, acabou por
convencê-lo e a sua frota de que eles haviam chegado a uma terra ainda por descobrir –
possivelmente as chamadas “Ilhas Douradas”.
D) a descoberta da América foi feita por Américo Vespúcio, uma vez que Colombo, de
acordo com os novos estudos, atingiu, na sua primeira viagem, o Continente Asiático,
onde foram fundadas feitorias.
Resposta: opção B
(UFU - 2004) --“Colombo não estava tão longe de certas concepções correntes durante
a Idade Média acerca da realidade física do Éden, que descresse de sua existência em
algum lugar do globo. E nada o desprendia da idéia (...) de que precisamente as novas
Índias, para onde o guiara a mão da Providência, se situavam na orla do Paraíso Terreal.
(...) A das ´visões do paraíso` impregna todas as suas descrições daqueles sítios de
magia e lenda”. Sérgio Buarque de Holanda. Visão do Paraíso.
A partir da interpretação do trecho acima, assinale a alternativa CORRETA.
A) Colombo, conforme a mentalidade de sua época, acreditava na existência do
Paraíso terrestre, na sua localização nas novas terras descobertas, e que ele havia sido
levado para bem perto desse paraíso por vontade de Desus.
B) O Paraíso terrestre é um mito medieval cuja presença nas novas terras
descobertas, na era das grandes navegações atlânticas dos séculos XV e XVI, é evocada
apenas como uma metáfora.
C) Colombo não acreditava no Paraíso terrestre, mas só pode compreender a novidade
da América comparando-a ao Paraíso.
D) A América era um território cujas condições naturais e riquezas lembravam
metaforicamente um paraíso, porém as colonizações espanhola e portuguesa destruíram
seu aspecto paradisíaco.
Resposta: opção A
(UFF) – “Não é por acaso que o primeiro humanismo – o que se alimenta unicamente do
patrimônio clássico – é mais aberto (...). mas se a difusão de conhecimentos relativos aos
“outros” do continente americano deu lugar ao exato sentido de “relativismo” de
Montaigne (...), por outro lado, levou as grossas fileiras do humanismo a estabelecerem
uma unicidade agressiva, voraz, esmagadora”.(R.Romano. Mecanismos da conquista colonial. São
Paulo: Perspectiva, 1973)
A partir da afirmação acima, é CORRETO afirmar que :
A) a percepção de que havia outros mundos e povos diferentes foi algo completamente
novo para o homem europeu.
B) a descoberta da América pelos europeus reforçou sentimentos e atitudes de
intolerância no Velho Mundo, retirando do humanismo a paixão pela diversidade cultural
que até então o animava.
C) o humanismo europeu se nutriu fortemente dos conhecimentos derivados da
descoberta dos “outros” americanos, razão pela qual abandonou o patrimônio clássico e
adotou o mito do “bom selvagem”.
D) somente após a descoberta da América é que se pode verdadeiramente falar de
humanismo na Europa, pois até o século XV prevaleceu a idealização da Antigüidade
greco-romana.
E) a descoberta da América não exerceu, a rigor, nenhuma influência sobre o humanismo
europeu, pois o Renascimento se manteve sempre fiel ao legado da Antigüidade clássica.
Resposta : opção A
(UFMG-2007) -- No final do século XV e início do XVI, quando os europeus conquistaram
o Continente Americano, este era habitado por inúmeros grupos étnicos, com diferentes
formas de organização social.
Considerando-se o Império Inca, é INCORRETO afirmar que:
A) a agricultura, base de sua economia, era praticada nas montanhas andinas por
meio de um sofisticado sistema de produção que incluía a irrigação e a adubação.
B) o Estado era centralizado, com o poder político concentrado nas mãos do Inca , o
imperador ,e sua sociedade era rigidamente hierarquizada.
C) seu domínio se estendia ao longo da Cordilheira dos Andes, ocupando parte dos
atuais territórios da Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Chile e noroeste da Argentina.
D) um deus criador e protetor da vida e da natureza era cultuado segundo uma
doutrina monoteísta e para ele foram construídos diversos templos.
Resposta: opção D
(UFMG 2004) –É CORRETO afirmar que a prática da antropofagia entre algumas tribos
indígenas brasileiras se devia:
A) ao barbarismo daqueles povos, que não possuíam religião ou normas morais capazes
de refrear seus instintos.
B) à crença de que, ao devorarem os inimigos, os índios estariam incorporando suas
virtudes e qualidades.
C) à influência dos conquistadores europeus, uma vez que os índios procuravam
responder à crueldade dos brancos.
D) a uma estratégia de apavorar os adversários, que ficavam com medo de combater os
antropófagos.
E) todas as alternativas estão corretas.
Resposta: opção B
(???) A descoberta do Brasil não alterou os rumos da expansão portuguesa voltada
prioritariamente para o Oriente, o que explica as características dos primeiros anos da
colonização brasileira, entre as quais se inclui o(a):
A) caráter militar da intensa ocupação, visando a defesa das rotas atlânticas.
B) escambo com os indígenas, garantindo o baixo custo da exploração.
C) abertura das atividades extrativas da colônia a comerciantes de outras potências
européias.
D) migração imediata de expressivos contingentes de europeus e africanos para a
ocupação do território.
E) exploração sistemática do interior do continente em busca de metais preciosos.
Resposta: opção B
(UERJ) Na expansão marítimo-comercial moderna, o pioneirismo português pode ser
explicado como resultado de diversos fatores. Entre eles pode-se destacar os seguintes:
A) localização geográfica e estabelecimento de intensas relações comerciais via
Mediterrâneo com o Oriente.
B) descoberta das rotas mediterrâneas para o Oriente e concorrência comercial com
as cidades italianas.
C) centralização política e interesses e da burguesia mercantil e da nobreza.
D) avanço das artes cartográficas e reivindicações de setores populares por reformas
liberais.
E) cobiça da burguesia mercantil e liberalismo da Coroa e da Igreja.
Resposta: opção C
(UFES) As Grandes Navegações e os descobrimentos marítimos, no alvorecer da Era
Moderna, marcaram em Portugal e nas áreas recém-descobertas, grandes
transformações, pois :
A) a empresa marítima portuguesa assumiu no ocidente o caráter colonizador ao lado do
mercantil, primeiro nas ilhas do Atlântico e, a seguir, no Brasil.
B) o grande comércio europeu implicou o estabelecimento de impérios ultramarinos com
ampla autonomia, correspondendo à formação de uma economia totalmente nacional nas
colônias.
C) o interesse em subjugar as novas terras coloniais deu origem a uma política federal de
Estado, no Reino e nas colônias, com a divisão de poderes entre o Rei e as Assembléias
de Estado.
D) A mudança do eixo econômico do Mediterrâneo para o Atlântico determinou a
descentralização do Estado Moderno em Portugal, enfraquecendo o absolutismo.
E) A necessidade de dominar as rotas estratégicas de navegação inviabilizou a
manutenção do sistema de monopólios nas colônias, liberalizando o comércio.
Resposta: opção A
(PUC-Rio) a chegada de Cristóvão Colombo ao continente americano em 1492,tomando
posse das terras encontradas para o rei da Espanha, constituiu um momento importante
da chamada “era dos descobrimentos”.
Analise as afirmativas abaixo referentes as relações entre a expansão ibérica e a
transição do feudalismo para o capitalismo:
I – a constituição de um Estado nacional e a centralização do poder político na figura do
rei foram fatores decisivos na expansão marítima portuguesa e espanhola.
II – a opção atlântica dos países ibéricos deveu-se à impossibilidade de realizar um
projeto expansionista na direção do continente europeu e do Mediterrâneo.
III – a expansão marítima espanhola foi determinada pelas necessidades dos capitais
italianos, especialmente os da cidade de Gênova, que buscavam superar o monopólio
veneziano no oriente.
IV- o desenvolvimento do comércio e da produção foi uma alavanca para a expansão,
uma vez que possibilitou o desenvolvimento de técnicas de navegação e o acúmulo de
capital nas mãos de comerciantes portugueses.
Assinale a opção que contém as afirmativas corretas:
A) somente I e IV B) somente I e II C) somente II e III D) somente I,II e IV
E) somente II e IV
Resposta: opção A
(PUC-Rio adaptada) – Sobre o Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494 pelos
soberanos de Espanha e Portugal, é correto afirmar que:
A) alargou a representação do mundo conhecido para o que será o continente
americano, embora fosse conservada pelos europeus a concepção de uma terra
plana, delimitada a oeste pelo novo continente
B) teve o propósito de pacificar as relações entre de Espanha e Portugal, já que a
primeira insistia em participar da rota africana – o “périplo africano” – para as
Índias.
C) assegurou o monopólio português sobre as duas margens do Atlântico sul, na
medida que incorporou ao “império português” as terras a oeste – o “Brasil”, de
que os lusitanos tomariam posse seis anos mais tarde.
D) foi assinado sob protestos generalizados dos reinos europeus, particularmente do
Império Germânico, que propôs a intermediação da Igreja Luterana.
Resposta: opção C
(UFGO 2004) -- Com a conquista da América espanhola, a Igreja Católica impôs aos
povos conquistados os referenciais simbólicos cristãos.
Essa imposição religiosa resultou na transformação dos valores culturais dos povos
conquistados, que pode ser identificada na
(A) projeção do imaginário da Reconquista Ibérica (processo de expulsão dos sarracenos)
que concebe os ameríndios como mouros infiéis na América.
(B) adoração dissimulada de deusa asteca no culto à Nossa Senhora de Guadalupe, atual
padroeira do México.
(C) reformulação das idolatrias indígenas associadas às práticas antropofágicas e à
invocação do diabo pela Igreja Católica.
(D) conversão dos sacerdotes indígenas aos ensinamentos evangélicos como condição da
sua permanência na liderança espiritual.
(E) aceitação dos valores cristãos trazidos pelos missionários e pelo colonizador, como
forma de garantir a sobrevivência cultural.
Resposta: opção B

(UFES) "Quando as embarcações de Colombo aportaram na América, de fato não a


'descobriram', pois muita gente já vivia em nosso continente. O que de fato ocorreu foi a
integração da América ao continente europeu, ou, mais exatamente, à sociedade
mercantil.Há quem pense que essa integração foi um favor que os europeus 'civilizados'
prestaram aos indígenas 'bárbaros'. Isto não é verdade. As sociedades nativas eram
socialmente muito complexas e desenvolvidas e sua incorporação teve custos humanos
imensos, graças a massacres cruéis perpetrados pelos cristãos 'civilizados' da
Europa."(PINSKY, J. et al. "História da América através de textos". São Paulo: Contexto, 1991, p. 11)

Acerca das "Altas Culturas" pré-colombianas, NÃO é correto afirmar que


a) os maias e os astecas situavam-se na região denominada Meso-América (México e
América Central), ao passo que os incas ocupavam a Zona Andina.
b) a economia era basicamente agrária, com destaque para a produção do milho, e se
utilizavam técnicas elaboradas de irrigação, a exemplo dos chinampas astecas e dos
canais incas.
c) a utilização da escrita pelos governantes representou um notável impulso à
centralização do poder, como comprovam as listas reais incaicas, grafadas no dialeto
andino "quipu", e os tratados políticos maias e astecas.
d) a estrutura social era de tipo classista, com a existência de uma elite composta por
militares, sacerdotes e altos funcionários, que tributava as comunidades aldeãs, sob a
forma de trabalho compulsório ou de produtos.
e) a política e a religião se encontravam intimamente unidas, razão pela qual a monarquia
se revestia de um caráter sagrado, a exemplo da eleição do Tlatoani asteca, realizada sob
inspiração divina, e do título de Filho do Sol, atribuído ao soberano inca.
Resposta : C
(CESGRANRIO) Os "índios" encontrados pelos espanhóis ao "descobrirem" a América
formavam um contingente numeroso com características culturais variadas, tais como:
I - a maioria era constituída de grupos tribais em estágios diversos de desenvolvimento -
nômades ou sedentários;
II - Astecas e Incas constituiam verdadeiras civilizações, com estruturas políticas e sociais
complexas;
III - no caso dos Maias, a sedentarização possibilitou a constituição de uma sociedade
agrícola e o surgimento de cidades;
IV - predominavam as comunidades de guerreiros, que dividiam com os sacerdotes a
posse das melhores terras.
Assinale se estão corretas apenas:
a) I e II b) II e III c) I e IV d) I, II e III e) I, III e IV
Resposta : D

MAIS EXERCÍCIOS cap.4 ...... QUESTÕES DISCURSIVAS


OBS.: AS RESPOSTAS SÃO OFICIAIS, DIVULGADAS PELAS
UNIVERSIDADES. AS QUESTÕES SEM RESPOSTAS FORAM AQUELAS
ONDE NÃO HOUVE POSSIBILIDADE DE OBTER O GABARITO OFICIAL)

UFRJ – 1993 Expansão Portuguesa na África (séc. XV)

No Início do século XV Iniciou-se uma progressiva expansão européia através do litoral


atlântico da África. Os portugueses desempenharam um papel pioneiro nesse processo.
Desde a tomada de Ceuta, em 1415, até vencer o Cabo das Tormentas em 1488. Os
portugueses Implantaram feitorias pela costa africana. Integrando-a ao comércio de
especiarias da época e abrindo caminho para o tráfico negreiro que intensificaria, nos
séculos seguintes, a presença das burguesias européias no continente africano.
a) Cite uma razão da não-ocupação do Interior africano pelos portugueses.
Resposta: o candidato deverá citar uma razão da não-ocupação do Interior
africano pelos portugueses, dentre as quais:o desenvolvimento de atividades
restritas à esfera da circulação de mercadorias; a resistência imposta por
sociedades africanas; a parceria com segmentos das sociedades africanas;
maior interesse pelo Oriente no século XVI.
b) Explique por que a burguesia européia tinha interesses no tráfico de
escravos.
Resposta: o candidato deverá explicar porque a burguesia européia tinha
interesses no tráfico de escravos, considerando a alta lucratividade das
atividades e as possibilidades de participação das diferentes burguesias
européias nos lucros da exploração colonial.
c) Cite uma conseqüência, para o continente africano, de sua inserção no tráfico
de escravos.
Resposta: o candidato deverá citar uma conseqüência, para o continente
africano, de sua inserção no tráfico de escravos, entre as quais: a
desestruturação das comunidades agrárias; o crescimento e enriquecimento de
reinos e segmentos das sociedades africanas envolvidas no trafico; a inserção
africana na economia mundial (subordinação); o declínio demográfico; o
aumento das rivalidades e das guerras internas.
UFRJ - 2003 "O Mestre de México, Montezuma, nos envia, a nós e a alguns outros
nobres, com a ordem de contar a nosso irmão o Cazonci tudo o que diz respeito à gente
estranha que chegou [em Tenochtitlán]. Nós os enfrentamos no campo de batalha e
matamos aproximadamente duzentos dos que vinham montados em cervos e duzentos
dos que andavam a pé. Os cervos são protegidos por armaduras de couro retorcido e
carregam algo que ressoa como as nuvens, que produz um ruído de trovão e que mata
todos os que encontra em seu caminho, até o último. Romperam completamente nossa
formação e mataram muitos dos nossos. A gente de Tlaxcala os acompanha, pois voltou-
se contra nós" Adaptado de Todorov, Tzevetan. A conquista da América (a questão do outro).
São Paulo: Martins Fontes, 1988, p. 91.
O trecho acima é parte do relatório que dez mensageiros de Montezuma levaram
ao Cazonci (rei) dos Tarascos da região de Michoacán, para pedir-lhe ajuda nas luta
contra os espanhóis.
a) Identifique no texto dois exemplos de fatores que auxiliaram a rápida
conquista do México pelos espanhóis.
Gabarito:O candidato deverá combinar dois a dois os seguintes elementos
presentes no texto:
- a posse, pelos espanhóis, de “cervos são protegidos por armaduras de couro
retorcido” (cavalos);
- a posse, pelos espanhóis, de “algo que ressoa como as nuvens, que produz um
ruído de trovão e que mata todos os que encontra em seu caminho” (canhões);
- as dissensões observadas entre os povos subordinados pelos astecas (“a
gente de Tlaxcala os acompanha, pois voltou-se contra nós"), traduzidas em
alianças militares entre eles e os espanhóis.
b) Explique como os fatores identificados no item anterior ajudam a
compreender a rapidez através da qual Hernán Cortéz e seus comandados
conquistaram o Império Asteca.
Gabarito:O candidato deverá indicar que cavalos e canhões, ambos
desconhecidos pelos astecas, ofereciam vantagem militares aos espanhóis
tanto porque aumentavam a mobilidade militar (o cavalo), quanto porque
possibilitavam a destruição à distância (o canhão); deverá ainda indicar que as
dissensões entre os povos subordinados aos astecas ofereciam aos espanhóis a
vantagens tática de facilmente encontrar aliados.
UFRJ 2003 - “À frente do projeto de expansão do luso-cristianismo estavam os monarcas
portugueses, aos quais, desde meados do século XV, os papas haviam concedido o direito
do padroado (...) Quando se iniciou o ciclo das grandes navegações, Roma decidiu confiar
aos monarcas da Península Ibérica o padroado sobre as novas terras descobertas”.
AZZI, Riolando. A Cristandade Colonial: Mito e Ideologia. Petrópolis: Vozes, 1987, p. 64
As relações entre os Estados nascentes e a Igreja Católica constituíram-se
em um dos mais importantes eixos de conflito ao longo da etapa final da Idade
Média. Ao contrário de outras regiões, na Península Ibérica a resolução do
problema implicou no estreitamento das interações entre uma e outra instituição.
1 – Cite duas das atribuições das Coroas Ibéricas contidas na delegação papal
do Padroado, cujo fim último era a expansão do catolicismo nas terras recém-
descobertas da América.
Resposta: O candidato poderá citar, dentre outras, que os reis da Espanha e de
Portugal deviam enviar missionários para as suas conquistas, construir igrejas
e conventos, fundar paróquias e dioceses, subvencionar o culto, bem como
remunerar o clero diocesano, escolher bispos, párocos e missionários, financiar
expedições evangelizadoras, preencher cargos e, em circunstâncias especiais,
fornecer ajuda aos religiosos, como no caso dos aldeamentos indígenas.
2 – Indique a principal fonte de arregimentação de recursos para a realização
das tarefas que, por meio do Padroado, estavam a cargo das Coroas Ibéricas na
América nos séculos XVI e XVII.
Resposta: O candidato deverá indicar o dízimo como a principal fonte de
arregimentação de recursos. A Coroa, mediante o padroado, passava a recolher
e administrar o equivalente à décima parte da riqueza social.
UFGO 2003- QUESTÃO 03
[...]Nos caminhos jazem dardos quebrados;
os cabelos estão espalhados.
Destelhadas estão as casas,
incandescentes estão seus muros.
Vermes abundam por ruas e praças,
e as paredes estão manchadas de miolos arrebentados.[...]
(O canto triste dos conquistados: os últimos dias de Technochtitlan (México, 1521–1528). In:
LEÓN-PORTILLA, Miguel et al. História documental doMéxico. México: UNAM, 1984. v. 1. p. 122.)
O trecho acima descreve a violência da conquista espanhola na América, ocorrida no final
do século XV e início do XVI, a qual, a despeito de um reduzido número de soldados,
conseguiu submeter os povos astecas, com uma população estimada em 25 milhões, e os
povos incas, com 10 milhões de pessoas.
Sobre a conquista espanhola na América,
a) descreva a formação do Estado moderno na Espanha e sua relação com a
expansão marítima nos séculos XV e XVI.
A Espanha se constituiu como Estado Nacional em 1469 com o Casamento dos Reis
Católicos Isabel de Castela e Fernando de Aragão um importante passo para a
expansão marítima e comercial iniciada em 1492 depois da vitória sobre os mouros na
Guerra de Reconquista.
b) identifique duas estratégias militares utilizadas pelos espanhóis que
facilitaram a conquista dos povos astecas e incas.
Os espanhóis empregaram maciçamente as armas de fogo e aproveitaram-se das rivalidades
internas nos impérios asteca e inca, cooptando aliados entre os povos que eram submetidos
nesses impérios.

Você também pode gostar