Você está na página 1de 17

CRIOLIPÓLISE

Aline Cardoso Ferreira

Orientador: Profa. Dra. Cristiane Soncino Silva

Pós-Graduação Lato Sensu em


Biomedicina Estética

Ribeirão Preto
2017
CRIOLIPÓLISE

ALINE CARDOSO FERREIRA


aline_carferreira@hotmail.com

Professora Doutora Cristiane Soncino Silva

Trabalho realizado e defendido para


obtenção do título de Pós-Graduação Lato
Sensu em Biomedicina Estética.

Ribeirão Preto
2017
LISTA DE FIGURAS

Figura 1. Aplicação de criolipólise em gordura. ........................................................... 9


Figura 2. Regiões de maior acúmulo de gordura ...................................................... 13
LISTA DE ABREVIATURA E SIGLAS

FDA – Food and Drug Administation (Administração de Comida e Remédio).


RESUMO

A gordura localizada, também conhecida como Síndrome da Desarmonia Corporal, é


uma das preocupações das mulheres na atual sociedade, pois causa efeitos
indesejados como celulite, alterações da gordura corporal, e alterações musculares,
causando flacidez e perda de massa muscular. Neste contexto, o objetivo do
presente artigo é analisar a Criolipólise, um método recente, que consiste em resfriar
de forma controlada o tecido adiposo, agindo no nível celular. Este conceito é
interessante, pois entende-se que os adipócitos são mais sensíveis ao frio do que os
tecidos circundantes. Embora este não seja um método invasivo, pode haver
algumas consequências indesejáveis, variando de pessoa para pessoa. Assim, por
meio de uma revisão de literatura, se analisará o uso da Criolipólise e o seu nível de
segurança para o paciente.

Palavras-Chave: Criolipólise; Eficácia; Segurança; Síndrome da Desarmonia


Corporal.
ABSTRACT

The localized fat, also known as Body Disharmony syndrome, is one of the concerns
of women in modern society, as cause unwanted effects such as cellulite, changes in
body fat, and muscle changes, causing sagging and loss of muscle mass. In this
context, the objective of this article is to analyze the Criolipólise, a recent method,
which consists of a cold in a controlled manner the adipose tissue, acting at the
cellular level. This concept is interesting because it means that the adipocytes are
more sensitive to cold than the surrounding tissue. Although this is not an invasive
method, there may be some undesirable consequences, ranging from person to
person. Thus, through a review of literature, if will examine the use of Criolipólise and
your level of safety for the patient.

Keywords: Criolipólise; Effectiveness; Safety; Syndrome of Disharmony.


7

1 INTRODUÇÃO

A gordura localizada causa, principalmente nas mulheres alguns efeitos


indesejados, que vão desde problemas estéticos como patológicos. Dentre tais
efeitos estão a celulite, alterações da gordura corporal, e alterações musculares,
causando flacidez e perda de massa muscular.
Tal problema também é conhecido como Síndrome da Desarmonia Corporal,
e está associada geralmente a alterações da gordura corporal e excesso de peso,
causados tanto por fatores alimentares como por hábitos como o sedentarismo.
Assim, muitas mulheres têm buscado tratamento para reduzir ou mesmo eliminar
essas alterações, obtendo mais saúde e melhorando a estética e autoestima.
Embora a realização de exercícios físicos regulares e mudanças nos hábitos
alimentares sejam de extrema importância, existem tratamentos mais eficazes e com
respostas mais rápidas. Dentre tais está a Criolipólise.
A Criolipólise é um método recente que tem se mostrado eficaz e seguro.
Consiste em resfriar de forma controlada o tecido adiposo, agindo no nível celular.
Este conceito é interessante, pois entende-se que os adipócitos são mais sensíveis
ao frio do que os tecidos circundantes. Embora este não seja um método invasivo,
pode haver algumas consequências indesejáveis, variando de pessoa para pessoa.
Deste modo, o presente trabalho, por meio de uma revisão de literatura,
analisará o uso da Criolipólise e o seu nível de segurança para o paciente. Num
primeiro momento se conceituará a Criolipólise e na sequencia serão abordados a
sua eficácia, bem como os fatores negativos relacionados a este tratamento.

1.1 JUSTIFICATIVA

A presente pesquisa se justifica pelo fato de muitas pessoas, na maioria


mulheres sofrerem com gordura localizada ou Síndrome da Desarmonia Corporal, e
buscarem um tratamento que seja seguro e eficiente. Assim, a análise da
Criolipólise, e sua eficácia e segurança passa a ser um assunto relevante.
8

1.2 OBJETIVOS

1.2.1 Objetivo Geral

Analisar o uso da Criolipólise e o seu nível eficácia e de segurança para o


paciente.

1.2.2 Objetivos específicos

 Conceituar a Criolipólise;
 Apresentar as reações ao tratamento;
 Analisar a eficácia e a segurança.

1.3 METODOLOGIA

Os estudos foram obtidos a partir de acessos de domínio público: The


Cochrane Librarye Scientific Eletronic Library Online (SciELO) e National Library of
Medicine/ NLM (PubMed); Publicações citadas como referências nos artigos
selecionados foram incluídas nesta revisão.
Os descritores da saúde utilizados na busca, foram: Criolipólise; Eficácia;
Segurança; Síndrome da Desarmonia Corporal.

2 REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 CONCEITO DE CRIOLIPÓLISE

De acordo com Mendes, et al (2014), o termo Criolipólise vem dos termos


gregos “Kryos” que significa gelo ou frio, “Lipos”, que significa gordura, ou
substancia gorda e “Lúses”, que significa dividir ou separar. Deste modo, esta
técnica consiste em separar a gordura localizada na região subcutânea por meio de
resfriamento.
A Criolipólise foi criada em 2005 pela Zeltiq Aesthetics, e tem se tornado um
dos recursos mais eficazes no tratamento da gordura localizada. Depois de muitos
9

estudos publicados, passou a entender que os tecidos ricos em lipídios,


diferentemente dos tecidos ricos em água, são suscetíveis a lesões pelo
resfriamento. Assim, ao fazer aplicações de frio na pele, percebeu-se a possibilidade
de lesionar de forma seletiva os adipócitos subcutâneos, sem causar dano a
epiderme e a derme sobrejacentes (JALIAN; AVRAN, 2013).
A figura a seguir demonstra como é utilizada a criolipólise no tratamento de
gordura localizada.

Figura 1. Aplicação de criolipólise em gordura.

Fonte: Almeida, et al (2009).

De acordo com Mastein, et al (2008), ao se fazer testes na gordura de um


porco, por resfriar camadas externas de gordura a -7°C, pode-se observar que
houve uma redução substancial na espessura de gordura superficial. Além disso, o
frio ocasionou a morte dos adipócitos por apoptose, sem qualquer dano a pele ou a
outra estrutura subjacente. Outros estudos apontaram que é possível reduzir
camadas de gordura subcutânea em até 30%, por meio da Criolipólise, por se
realizar apenas uma aplicação.
De acordo com Borges; Scorza (2014, p. 3):
10

Tendo em vista os dados publicados acerca da eficácia e segurança da


criolipólise, este recurso terapêutico obteve autorização do FDA (Food and
Drug Administration) em 2010 para ser utilizado em flancos6 , a partir daí
surgiram protocolos com configuração de múltiplas aplicações em regiões
variadas7 ; em 2012 obteve-se liberação do FDA para uso no abdômem,1,6
e em 2014, o FDA também aprovou a criolipólise para o tratamento de
gordura subcutânea nas coxas.8 Atualmente, seu uso também está
autorizado pela Health Canadá, pela União Europeia9 e na Ásia como um
tratamento não invasivo para a redução da gordura subcutânea localizada.
Entendemos como criolipólise o “resfriamento" localizado do tecido adiposo
subcutâneo de forma não invasiva, com temperaturas em torno de -5 a -
15ºC (medidas externamente), causando paniculite fria localizada, morte
adipocitária por apoptose e, consequentemente, diminuição do contingente
adiposo subcutâneo localizado.

Segundo Zelickson (2009), a aplicação de frio, além de ser um procedimento


não invasivo, causa danos a gordura, sem que haja dano a pele e não causa
aumento prejudicial aos níveis de lipídeos. Uma inflação precede a perda de
gordura, que ocorre de 24 a 72 horas após a aplicação e tem duração de até 30
dias.
Um meio de utilizar a Criolipólise atualmente é por utilizar um aplicador no
formato de um copo que cria um vácuo puxando uma prega de pele gordura para
dentro do aplicador, deixando entre duas placas de arrefecimento. Tais painéis
atuarão como extratores de calor, causando um resfriamento, induzindo assim os
adipócitos na área de tratamento a uma morte apoptótica. Mais de 650.000
receberam este tratamento até o ano de 2014 (JALIAN, et al, 2014).
Para Borges; Scorza (2014, p. 3):

Verificamos no mercado nacional uma grande procura para aquisição de


equipamentos de criolipólise por profissionais e estabelecimentos
comerciais, assim como, de uma grande oferta de tratamentos onde não se
vê padronização do procedimento, gerando protocolos de atendimento
duvidosos e inconsistentes. Por conta disto, este estudo tem por objetivo,
elucidar alguns elementos de fundamentação da técnica de Criolipólise a
fim de prover o entendimento necessário para a realização de um
procedimento terapêutico eficiente.

Apesar de estar no mercado por pouco tempo, a Criolipólise tem chamado a


atenção de profissionais de estética em todo o mundo, tornando-se uma técnica
muito popular. Entretanto, este tratamento está sendo muito divulgado sem que se
tenha muito conhecimento sobre os seus aspectos fisiológicos e práticos.
11

2.2 REAÇÕES AO TRATAMENTO

Comprovadamente, o resfriamento causado pelos equipamentos de


Criolipólise, causa danos apenas ao tecido adiposo, não gerando nenhum outro
dano biológico ou físico ao paciente que recebe o tratamento. Para evitar que o
resfriamento causa algum dano a derme, a aplicação do resfriamento é protegida
por película que possui ativos anti-congelantes (JEWELL, 2005).
As reações inflamatórias que são causadas pelo congelamento, eliminam
metabolicamente as células mortas. Entretanto, o profissional deve evitar que o
paciente sofra algumas sequelas do resfriamento, pois o corpo procurará
automaticamente produzir calor, promovendo homeotermia através da liberação de
hormônio pelo hipotálamo (FERRARO, et al, 2012).
A partir do momento que se inicia o resfriamento das células dos adipócitos,
em 0°C, ocorre a apoptose celular. Tal destruição celular, embora ative mecanismos
de defesa naturais do organismo, não causam comprometimento hepático ou renal
(BARCELAR, 2005).
De acordo com Amaral (2015, p. 7):

O termo apoptose (do grego apó= separação, ptôsis=queda), adotado pela


primeira vez na década de 70, designa que morte celular é um processo
essencial para a manutenção do desenvolvimento dos seres vivos. É isso
que acontece quando o paciente é submetido ao tratamento de criolipólise.
Ocorre a morte das células congeladas que, segundo programa genético,
desencadeia um processo de autodigestão controlada, seguida da remoção
das células lesadas, sem a alteração do microambiente celular.

Embora em muitos casos, a criolipólise cause danos apenas ao tecido


adiposo, não gerando nenhum outro dano biológico ou físico ao paciente que recebe
o tratamento, deve-se evitar a exposição ao frio por mais de três horas, pois isso
poderia causar danos irreparáveis às estruturas nervosas. Em menos tempo, pode
haver a ocorrência de alguma sensibilidade temporária nos nervos (COLEMAN, et
al, 2009).
Conforme Zelickson, et al (2009), dentre as contraindicações mais frequentes
relacionadas ao processo de criolipólise estão as relacionadas a pacientes que
tenham doenças como a crioglobulinemia paroxística ao frio, hemoglobinúria e
12

urticária ao frio. Pacientes sem histórico de doenças relacionadas ao frio, podem


receber muito bem a este tipo de tratamento.
Eventos adversos observados foram: dor final de duração variável dentro de
dois a três dias após o procedimento, aparência de 5 casos de paniculite e os
hematomas. Os eventos foram geridos com analgesia, usando codeína 30mg
associada com 500mg paracetamol, heparina de sódio 50U com nicotinato 2,067 mg
benzílico e sessões de ultrassom respectivamente (ALMEIDA, et al, 2015).

2.3 EFICÁCIA E SEGURANÇA

De acordo com Almeida et al (2015), muitos pacientes buscam o tratamento


de criolipólise, para a redução de gordura no abdome. A grande maioria fica
satisfeito com o resultado. Entretanto, precisa-se de mais de uma sessão para
obterem resultados satisfatórios. Este tem sido o tratamento não invasivo mais
eficiente até o momento.
A Lipoaspiração, utilizada na remoção do excesso de gordura localizada é
mais frequentemente realizado cirurgia nos Estados Unidos da América. Devido as
desvantagens inerentes a este cirúrgico procedimento, tais como a possibilidade de
hospitalização e geral anestesia, complicações e tempo de recuperação pós-
operatória, passa-se a se ter uma demanda crescente por tratamentos estéticos
não-invasivo (AVRAM, 2009).
Assim, a criolipólise passa a ser uma alternativa não-invasivos usada com
frequência. Este tratamento é eficaz porque reduz o volume de gordura na região
onde o procedimento foi realizado através do congelamento dos adipócitos. Devido a
o fato de que os adipócitos são mais sensíveis ao frio do que outras estruturas como
a epiderme, derme, vasos sanguíneos, glândulas de suor, músculos e nervos, seu
apoptose ocorre antes que as outras células (NELSON, 2009).
Conforme figura abaixo, pode-se observar as regiões onde há maior acumulo
de gordura, tanto em homens como em mulheres que podem ser tratados por
criolipólise.
13

Figura 2. Regiões de maior acúmulo de gordura

Fonte: Almeida, et al (2009).

O tecido adiposo é colocado em contato com placas frias usando um


aplicador de pressão que termicamente "mata" a gordura sem danificar a pele, as
células mortas são removidas metabolicamente, tal como acontece com a gordura
encontrada em alimentos (KLEIN, et al, 2009).
Almeida, et al (2015), trataram 251 pacientes (38 homens e 213 mulheres)
que tinha o acúmulo de gordura localizada, com um total de 740 áreas tratadas. 96
noventa e seis pacientes foram submetidos o procedimento em mais de uma área,
com 8, tendo sofrido mais do que uma sessão na mesma área. Vale notar que todas
as áreas foram necessárias duas sessões com o objetivo de adquirir um resultado
satisfatório, exceto para a região do abdome, em que 21% dos casos, necessários
somente uma única sessão.
Uma das vantagens da criolipólise é que se destina apenas as células de
gordura na região selecionada. O médico escolhe a região a ser tratada e áreas e
coloca o dispositivo de aplicação. O aparelho puxa e segura a gordura entre seus
dois painéis, refrigerá-lo automaticamente durante uma hora. Tratamentos invasivos
14

causam maior transtorno, pois o uso de anestésicos e outros medicamentos afetam


outras partes do corpo, trazendo consequências indesejáveis (KLEIN, et al, 2009).
Para Dover et al (2009, p. 32), “a sensação é a de um puxão firme, e ação de
congelamento não afeta a pele ou outros tecidos e órgãos. A epiderme e a derme
são protegidas por uma película de gel durante a sessão”. Por este motivo, não se
observa nenhum dano ou contraindicação, fazendo com que o tratamento seja
seguro.
Para Almeida, et al (2015), a criolipólise pode ser realizada em pacientes de
qualquer idade, que é consistente com o seu estudo, que incluiu pacientes entre 13
e 69 anos de idade. A média de idade de 40 anos observadas em seu estudo é
consistente com a literatura. Quanto mais velho for o paciente, maior será o nível de
preocupação.

3 DISCUSSÕES

Conforme Jalian; Avran (2013), a criolipólise tem se tornado um dos recursos


mais eficazes no tratamento da gordura localizada. Depois de muitas pesquisas,
concluiu-se que os tecidos ricos em lipídios, diferentemente dos tecidos ricos em
água, são suscetíveis a lesões pelo resfriamento. Para Mastein (2008), o frio
ocasiona a morte dos adipócitos por apoptose, sem qualquer dano a pele ou a outra
estrutura subjacente. Além disso, é possível reduzir camadas de gordura
subcutânea em até 30%, por meio da Criolipólise, por se realizar apenas uma
aplicação.
Segundo Zelickson (2009), uma das grandes vantagens da criolipólise é que,
além de ser um procedimento não invasivo, causa danos a gordura, sem que haja
dano a pele e não causa aumento prejudicial aos níveis de lipídeos. Jewell (2005),
corrobora com este entendimento ao mencionar que este tratamento causa danos
apenas ao tecido adiposo, não gerando nenhum outro dano biológico ou físico ao
paciente que recebe o tratamento.
No que se refere a algumas reações ao tratamento, Ferraro et al (2012),
menciona que há algumas reações inflamatórias causadas pelo congelamento, que
eliminam metabolicamente as células mortas, mas o profissional deve evitar que o
paciente sofra algumas sequelas do resfriamento, pois o corpo procurará
automaticamente produzir calor, promovendo homeotermia através da liberação de
15

hormônio pelo hipotálamo. Coleman et al (2009), assevera que, para o tratamento


causar danos apenas ao tecido adiposo, não gerando nenhum outro dano biológico
ou físico ao paciente, deve-se evitar a exposição ao frio por mais de três horas, pois
isso poderia causar danos irreparáveis às estruturas nervosas.
De acordo com Almeida et al (2015) e Avram (2009), a maior eficácia do
tratamento está no fato de não ser invasivo como a lipoaspiração e assim, não
acarreta em serias sequelas ao paciente. Nelson (2009), concorda, por mencionar
que a eficácia está justamente na redução do volume de gordura especificamente na
região onde o procedimento foi realizado. De fato, os adipócitos são mais sensíveis
ao frio do que outras estruturas como a epiderme, derme, vasos sanguíneos,
glândulas de suor, músculos e nervos, seu apoptose ocorre antes que as outras
células.
Para Klein et al (2009), uma das vantagens da criolipólise é que se destina
apenas as células de gordura na região selecionada. Assim, o médico escolhe a
região a ser tratada e áreas e coloca o dispositivo de aplicação. Conforme Dover, et
al (2009), visto a epiderme e a derme serem, protegidas por uma película de gel
durante a sessão, não se observa nenhum dano ou contraindicação, fazendo com
que o tratamento seja seguro.

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O presente artigo, por meio de uma revisão de literatura, se analisou o uso da


Criolipólise e o seu nível de segurança para o paciente, que procura tratamento para
eliminar a gordura localizada, também conhecida como Síndrome da Desarmonia
Corporal.
Notou-se que esta é uma das preocupações das mulheres na atual
sociedade, pois causa efeitos indesejados como celulite, alterações da gordura
corporal, e alterações musculares, causando flacidez e perda de massa muscular.
Assim, o presente artigo é analisou a Criolipólise, um método recente, que consiste
em resfriar de forma controlada o tecido adiposo, agindo no nível celular.
Pôde-se perceber que este tratamento não invasivo é interessante, pois
descobriu-se que os adipócitos são mais sensíveis ao frio do que os tecidos
circundantes, trazendo uma boa resposta na redução da gordura localizada. Este
16

tratamento tem sido muito procurado nos Estados Unidos, pois, em comparação
com a lipoaspiração, não traz graves sequelas ou riscos.
Porém, pode-se perceber que há possibilidade de algumas reações, como
reações inflamatórias causadas pelo congelamento, que eliminam metabolicamente
as células mortas. Além disso, alguns pacientes possuem patologias que reagem
mal ao frio, devendo assim evitar este tipo de tratamento. O profissional deve evitar
que o paciente sofra algumas sequelas do resfriamento, pois o corpo procurará
automaticamente produzir calor, promovendo homeotermia através da liberação de
hormônio pelo hipotálamo.
Entretanto, algumas pesquisas mostraram raríssimos casos de reações
adversas, onde a grande maioria dos pacientes ficam satisfeitos com o tratamento.
Isso se dá, porque a ação da criolipólise é realizada exatamente em região
especifica, escolhida pelo médico, preservando as outras regiões do corpo.

5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMARAL, Edenise Edilma. Os Efeitos da Criolipólise na gordura localizada. Tese de


MBA em estética e cosmetologia. Universidade Tuiuti do Paraná, 2015.

AVRAM, MATHEW M, et al. Cryolipolysis TM for Subcutaneous Fat Layer Reduction.


Lasers in Surgery and Medicine v.4, p: 703-708.2009.

BACELAR, VANESSA CORREIA FERNANDES et al. Importância da Crioterapia na


Lipólise. Fisioter.Bras.v6, n(2), p:151-156,mar abril.2005.

BORGES, F. S.; SCORZA, F. A. Fundamento de Criolipólise. Fisioterapia Ser. v. 9 -


nº 4 . 2014, São Paulo.

COLEMAM, SYDNEY R et al. Clinical Efficacy of Noninvasive Cryolipolysis and Its


Effects on Peripheral Nerves. Aesth Plast Surg. v33, p: 482-488. 2009.

DOVER J, BURNS J, COLEMAN S, et al. A prospective clinical study of noninvasive


cryolypolysis for subcutaneous fat layer reduction-interim report of available subject
data. Lasers Surg Med. v.12, p 120-131, 2009.

FERRARO,G.A. et al. Synergistic Effects of Criolipolysis and Shock Waves for


Noninvasive Body Contouring. Aesth Plast Surg.v36, p: 666-679. 2012.

JALIAN, H. R.; AVRAM, M. M.; CRYOLIPOLYSIS: A Historical Perspective and


Current Clinical Practice Seminars in Cutaneous Medicine and Surgery. Frontline
Medical Communications. p.1085-5629, 2013.
17

JALIAN, H. R.; AVRAM, M. M.; GARIBYAN, L.; MIHM, M. C; ANDERSON, R. R.


Paradoxical adipose hyperplasia after cryolipolysis. JAMA Dermatol. v.150, n(3),
p:317-319, 2014.

JEWELL, MARK L.; SOLISH, NOWELL J.; DESILETS, CHARLES S. Noninvasive


Body Sculpting Technologies with an Emphasis on High-Intensity Focused
Ultrasound. Aesth Plast Surg. v.35, p:901–912, 2011.

KLEIN, K.B.; ZELICKSON, B, RIOPELLE JG, OKAMOTO E, BACHELOR EP,


HARRY RS, et al. Noninvasive Cryolipolysis for subcoutaneous fat reduction does
not affect serum lipid levls or liver function tests. Lasers Surg Med v. 41, (10):789-
90, 2009.

MANSTEIN, D.; LAUBACH, H.; WATANABE, K.; FARINELLI, W.; ZURAKOWSKI, D.;
ANDERSON, R. R. Selective cryolipolysis: A novel method of non-invasive fat
removal. Lasers Surg Med v.40, n.(9):595-604, 2016..

MENDES, J.; BENDER, M. R.P; LACERDA, F. A técnica da Criolipólise: Achados


científicos e pressupostos teóricos. Camboriú: UVI, 2014.

NELSON, A. A.; WASSERMAN, D; AVRAM, M. M. Cryolipolysis for reduction of


excess adipose tissue. Semin Cutan Med Surg.v 28, (4):244-9, 2013.

ZELICKSON, B.; EGBERT, B. M.; PRECIADO, J.; ALLISON, J.; SPRINGER, K.;
RHOADES, R. W.; MANSTEIN, D. Cryolipolysis for noninvasive fat cell destruction:
initial results from a pig model. Dermatol Surg. v 35: 1462-1470, 2009.