Você está na página 1de 111

-0-

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA


FACULDADE DE DIREITO
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO

ANDRÉ BARRETO LIMA

A BANALIZAÇÃO NAS DEMANDAS JUDICIAIS RELATIVAS


A DANOS MORAIS INDIVIDUAIS JULGADAS NO BRASIL

Salvador
2017
-1-

ANDRÉ BARRETO LIMA

A BANALIZAÇÃO NAS DEMANDAS JUDICIAIS RELATIVAS


A DANOS MORAIS INDIVIDUAIS JULGADAS NO BRASIL

Dissertação apresentada como requisito parcial para a


obtenção do título de Mestre em Direito pelo Programa de Pós-
Graduação em Direito da Universidade Federal da Bahia -
UFBA.

Orientador: Prof. Dr. Ricardo Maurício Freire Soares

Salvador
2017
-2-

P834 Lima, André Barreto.


A banalização nas demandas judiciais relativas a danos
morais individuais julgadas no Brasil. – 2017.
110 f..

Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da


Bahia, 2017.
Orientador: Prof. Dr. Ricardo Maurício Freire Soares.

1. Danos Morais. 2. Banalização. I. Título. II. Título: a


banalização nas demandas judiciais relativas a danos morais
individuais julgadas no Brasil.
.

CDD 342.085
-3-

ANDRÉ BARRETO LIMA

A BANALIZAÇÃO NAS DEMANDAS JUDICIAIS RELATIVAS


A DANOS MORAIS INDIVIDUAIS JULGADAS NO BRASIL

Dissertação apresentada como requisito para obtenção do grau de mestre em


Direito, Programa de Pós-Graduação em Direito, da Universidade Federal da Bahia.

Aprovada 30 de março de 2017

Banca Examinadora

Ricardo Maurício Freire Soares – (Orientador) _____________________________________


Doutor em Direito pela Universitá del Salento

Mônica Neves Aguiar da Silva__________________________________________________


Doutora em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Charles Silva Barbosa ____________________________________________________


Doutor em Direito pela Universidade Federal da Bahia
-4-

Ao meu amado filho Filipe e minha


querida esposa Cristiane. Também a
meus pais Avacy e Maria das Graças e
irmãos Luciano e Fábio.
-5-

AGRADECIMENTOS

Agradeço imensamente à Universidade Federal da Bahia, instituição na qual sempre


tive o grande interesse em poder um dia estudar no curso de Mestrado em Direito e
que tanto contribuiu para o meu crescimento.

Ao Professor Dr. Ricardo Maurício Freire Soares, meu orientador, à Professora Dra.
Roxana Cardoso Brasileiro Borges por me aceitar no Tirocínio Docente Orientado,
passando-me seus conhecimentos e direcionamento para avançar nessa nova
experiência da vida acadêmica. Obrigado ao Professor Dr. Nelson Cerqueira, pelos
debates que pudemos vivenciar bem como os conselhos que me ajudaram a
avançar em meus estudos descortinando horizontes que anteriormente nunca havia
explorado. À Doutora Mônica Aguiar por todo apoio dado para concretização deste
trabalho.

Agradeço a todos os demais professores do Programa de Pós-Graduação em Direito


da UFBA, em especial aos professores, Doutores Saulo José Casali Bahia, Heron
José de Santana Gordilho e Wilson Alves de Souza. Também aos servidores da
Secretaria do Programa de Pós-Graduação da UFBA pela paciência em nos
atender, em especial à funcionária Luiza que com toda gentileza nunca se absteve
em esclarecer as dúvidas apresentadas.

Agradeço aos meus amados pais, Avacy e Graça, por todos os valores morais que
me passaram na vida e os ensinamentos que me trouxeram para ter garra e força e
sempre lutar pelo que quero na vida e mesmo nos momentos mais difíceis continuar
lutando em busca do que objetivo: Obrigado pais pelos princípios que me passaram
e por todo amor que me deram na vida cuidando de mim nos momentos que tive
mais dificuldades. Também aos meus irmãos Fábio e Luciano pela paciência e
companheirismo entendendo meus defeitos, que não são poucos, e compreendendo
minhas faltas sendo os irmãos mais completos que alguém poderia ter nessa vida.

Obrigado à minha amada esposa e companheira Cristiane, pela paciência que


sempre teve comigo, em especial nesses momentos difíceis nos quais tive que me
dedicar à pesquisa e aos estudos tornando-me ausente nos poucos momentos que
nos sobravam para poder contemplar a beleza que é a vida e criar nosso filho.

Obrigado a Deus, pela luz que coloca a cada dia no meu caminho e quando meus
horizontes parecem obscuros, sempre irradia seu amor me ensinando o melhor
caminho a seguir. Meu obrigado especial ao meu filho Filipe, a quem amo com todas
as minhas forças e que se tornou minha maior motivação de vida bem como ao
nosso próximo filho ou filha que planejamos receber de Deus com muito amor: que
com esse esforço eu possa vir a contribuir para seu crescimento intelectual e moral
ensinando-lhes como seguir o caminho certo na vida e servindo-lhes como um bom
exemplo.
-6-

Na vida, não vale tanto o que temos,


nem tanto importa o que somos.
Vale o que realizamos com aquilo
que possuímos e, acima de tudo,
importa o que fazemos de nós!
(Chico Xavier)
-7-

LIMA, André Barreto. A banalização nas demandas judiciais relativas a danos morais
individuais julgadas no Brasil. 110 f. 2017. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de
Direito, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

RESUMO

O presente trabalho objetiva demonstrar a existência de banalização nas ações por


danos morais no Brasil por parte daqueles que demandam judicialmente
desconhecendo o que realmente é um dano que fere a honra individual. Busca-se
evidenciar uma visão histórica acerca dos danos morais, demonstrando a existência
da busca pelo ressarcimento por danos morais na antiguidade de Roma, bem como
se deu a interpretação desse tipo de dano ao longo da idade média e nos conflitos
das grandes guerras que avançaram ao longo da idade moderna até a
contemporaneidade. Posteriormente, demonstra-se a criação da legislação civil com
o código civil que garante a proteção aos direitos individuais privados, tendo como
marco o código de Napoleão verificando-se a inauguração da referida codificação no
Brasil através do código civil de Clóvis Beviláqua, evoluindo nos tempos atuais com
a codificação civil de 2002. Em seguida verifica-se a proteção ao direito à
integridade moral individual através dos diversos ramos do direito que buscam
proteger a condição moral do indivíduo através da Constituição Federal de 1988, da
codificação civil, bem como do código penal. Posteriormente verifica-se que pode
existir dano material fruto de um dano moral. Mais adiante, analisa-se a importância
da dignidade da pessoa humana, relacionando-a com a honra individual explicitando
que os princípios são vetores que devem ser seguidos norteando a legislação pátria,
descrevendo como deve ser o papel do Estado nesse contexto buscando a garantia
da dignidade humana. Nesse diapasão, traz-se à baila, que na busca pela
concretização da dignidade humana, foram criadas organizações internacionais
visando a garantia desse importante direito, a exemplo da Organização das Nações
Unidas – ONU, bem como a celebração de tratados internacionais. Em seguida
observa-se a valorização do ser humano no Brasil após várias lutas travadas no
período de ditadura militar e que com o Neoconstitucionalismo, garantias foram
conseguidas para valorizar os direitos relativos à honra individual. Nessa esteira,
verifica-se a questão da banalização nas ações por danos morais no Brasil fruto do
excesso de demandas desnecessárias pleiteando a reparação dos referidos danos,
buscando evidenciar que os danos morais diferenciam-se de acontecimentos
cotidianos, bem como que algumas pessoas não adentram o poder judiciário em
busca de justiça, mas sim de uma oportunidade financeira, inchando a máquina
judiciária de demandas e criando por parte desse Poder uma visão banal acerca de
um instituto que merece a devida atenção no que tange à sua reparabilidade. Após a
visão que era dada aos danos morais antes da Constituição Federal de 1988,
verifica-se qual a visão jurisprudencial nos tempos atuais. Mais adiante, traz-se
como exemplo a experiência dos Estados Unidos da América com o julgamento dos
danos morais pela Suprema Corte Americana analisando a influência desses
julgados nas soluções adotadas no Brasil. Por fim, observa-se o panorama das
medidas que hoje são adotadas no Brasil, se são positivas ou não, e que impactos
podem trazer para as gerações futuras.

Palavras-chave: Danos Morais. Dignidade da Pessoa Humana. Dano Material.


Suprema Corte Americana. Banalização.
-8-

LIMA, André Barreto. The trivialization in litigation concerning individual deemed


moral damages in Brazil. 110 f. 2017. Dissertation (Master) – Scholl of Law,
Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

ABSTRACT

The present work aims to demonstrate the existence of trivializing the actions for
damages in Brazil by those who demand judicially unaware of what really is a
damage that hurts the individual honor. We seek to highlight a historical view about
the moral damage, demonstrating the existence of the quest for compensation for
moral damage in ancient times of Rome, as well as the interpretation of this kind of
damage throughout the middle ages and the conflicts of the great wars that
advanced along the modern age to the contemporaneity. Subsequently, the aim is to
demonstrate the creation of civil legislation with the civil code which guarantees the
protection of private rights of the individual, having as the Napoleon code by
checking the opening of that coding in Brazil through the civil code of Clóvis
Beviláqua, evolving nowadays with the encoding of 2002. Then there is the
protection of the right to individual moral integrity through the various branches of law
that seek to protect the moral condition of the individual through the 1988 Federal
Constitution, civil, as well as encoding of the penal code. Then it turns out that there
may be damage as a result of a moral damage. Subsequently, the importance of
human dignity, relating it to the honor, explaining that the individual vectors are
principles that must be followed guiding the country legislation, describing how
should the role of the State in this context seeking to guarantee human dignity. In this
tuning fork, brings up, that in the quest for fulfillment of human dignity, international
organizations have been set up in order to guarantee this important right, the
example of the United Nations Organization– ONU, as well as the conclusion of
international treaties. Then there is the valorization of the human being in Brazil after
several battles fought in the period of military dictatorship and that with the
Neoconstitucionalismo, guarantees were achieved to promote rights relating to the
honor of the human person. Then there is the issue of trivialization in actions for
damages in Brazil as a result of the excess of unnecessary demands compensation
for such damages lawsuit, seeking evidence that the punitive damages differ from
everyday events, as well as some people don't enter the judiciary in pursuit of
Justice, but a financial opportunity, swelling the judicial machine demands and
creating by this power a more commonplace about an Institute that deserves the due
caution with respect to his. After the vision that was given to moral damages before
the Federal Constitution of 1988, which the majority of vision nowadays. Then, if for
example the experience of the United States of America with the trial of the damages
by the Supreme Court. Analyzing the influence of these American tried in the
solutions adopted in Brazil. Finally, there is the panorama of the measures that are
adopted in Brazil, whether they are positive or not, and what impacts can bring to
future generations.

Keywords: moral damages. Dignity of the human person. Material Damage.


American Supreme Court. Trivialization.
-9-

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 11
1.1 DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ................................................................. 13
1.2 METODOLOGIA........................................................................................................ 16

2 O DANO MORAL AO LONGO DA HISTÓRIA ........................................................ 17


2.1 AS EXPERIÊNCIAS PRIMORDIAIS ACERCA DA HONRA INDIVIDUAL ............ 17
2.1.1 A honra no período da Antiguidade Romana ...................................................... 18
2.1.2 Panorama dos danos morais ao longo da Idade Média ..................................... 20
2.1.3 Conflitos Mundiais como marcos para valorização do ser humano.................. 23
2.2 O SURGIMENTO DA CODIFICAÇÃO CIVIL E A VALORIZAÇÃO DO INDIVÍDUO 28
2.2.1 O Código Napoleônico ........................................................................................... 29
2.2.2 O Código Civil de Clóvis Beviláqua ..................................................................... 30
2.2.3 O Código Civil de 2002................................................................................. 32

3 O DIREITO À HONRA NAS PERSPECTIVAS DOS DANOS MORAL E


MATERIAL ............................................................................................................... 34
3.1 A INTEGRIDADE MORAL DO INDIVÍDUO ............................................................ 34
3.1.1 O direito a honra na perspectiva Constitucional ................................................ 35
3.1.2 O Direito Civil Constitucionalizado ...................................................................... 36
3.1.3 Perspectiva Penal do dano moral ......................................................................... 39
3.2 O DANO MATERIAL ............................................................................................... 44
3.2.1 O dano material fruto do dano moral ................................................................... 44
3.2.2 A indenização por danos morais .......................................................................... 47
3.2.3 A proteção aos direitos personalíssimos ............................................................ 49

4 A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA ................................................................. 50


4.1 PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E PRESERVAÇÃO DA DIGNIDADE
HUMANA................................................................................................................... 50
4.1.1 Princípios: vetores a serem seguidos .................................................................. 52
4.1.2 O Princípio da Dignidade da Pessoa Humana ..................................................... 54
4.1.3 O papel do Estado na garantia de uma vida digna ............................................. 56
4.2 A BUSCA PELA REALIZAÇÃO DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA
HUMANA .................................................................................................................. 58
4.2.1 A criação da Organização das Nações Unidas e os Tratados Internacionais... 59
4.2.2 A valorização da Honra e do Ser Humano no Brasil .......................................... 62
4.2.3 O Neoconstitucionalismo e as conquistas voltadas para Honra ..................... 65

5 DIREITO A HONRA – BANALIZAÇÃO BILATERAL ........................................... 68


5.1 DEMANDAS JUDICIAIS PLEITEANDO DANOS MORAIS ................................... 68
5.1.1 A honra individual nos acontecimentos cotidianos ........................................... 69
5.1.2 Processos judiciais: uma oportunidade financeira ou a busca pela justiça ... 73
5.1.3 Excesso de demandas judiciais acerca de danos morais ................................. 76
5.2 PANORAMA DO PODER JUDICIÁRIO BRASILEIRO ............................................. 78
5.2.1 Visão do Poder judiciário acerca das demandas pleiteando danos morais .... 79
5.2.2 Análise de julgados anteriores à Constituição de 1988 ..................................... 81
5.2.3 Visão jurisprudencial nos tempos atuais ............................................................ 83

6 BREVE VISÃO DO DANO MORAL EM OUTRAS PERSPECTIVAS ................. 86


6.1 A EXPERIÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA .................................. 86
6.1.1 A Suprema Corte Americana ................................................................................. 87
6.1.2 Punitive Damage .................................................................................................... 90
- 10 -

6.1.3 Julgados acerca de Danos Morais nos E.U.A ..................................................... 91


6.2 PERSPECTIVAS PARA AS NOVAS GERAÇÕES ................................................ 94
6.2.1 Influências da Corte Norte-Americana nas soluções brasileiras ..................... 95
6.2.2 Brasil: as medidas adotadas pelo judiciário Brasileiro são positivas? .......... 97
6.2.3 Alternativas para valoração do direito a honra .................................................. 99

7 CONCLUSÃO........................................................................................................... 101

REFERÊNCIAS ........................................................................................................ 105


- 11 -

1 INTRODUÇÃO

A inquietação que gerou o desenvolvimento do presente trabalho surge com o


questionamento acerca do panorama das demandas judiciais acerca de danos
morais no Brasil. Desta forma, indaga-se acerca da existência de banalização nas
demandas judiciais relativas a danos morais julgadas no país.

Diante do problema proposto, examina-se a hipótese de que se existe um


excesso desnecessário de demandas por danos morais, existe também menosprezo
na análise das referidas demandas por parte do Poder Judiciário brasileiro. Desta
forma, objetiva-se demonstrar a existência de demandas desnecessárias por danos
morais, o que gera uma análise fria por parte de quem as julga.

No que tange às suas origens, e conforme será explicitado no presente


trabalho, observa-se que não é de agora que se fala em direito à honra, mas sim,
desde a antiguidade, em escritos religiosos e códigos antigos.

Observam-se exemplos no Alcorão e na Bíblia Sagrada. Em Roma, também


havia uma preocupação com a reparação da honra ferida e também ao longo de
toda Idade Média, até adentrar-se aos períodos de guerras na Idade Moderna em
que o indivíduo era tratado em campos de concentração como se fosse um animal
ou menos do que isto.

No Brasil, essa preocupação foi maior com as atrocidades realizadas no


período de Ditadura Militar, em que o respeito à dignidade humana era pouco ou
quase inexistente, e foi então com a codificação civil, introduzida inicialmente na
Europa por Napoleão Bonaparte e posteriormente concebida no Brasil com artigos
próprios por Clóvis Beviláqua, que os direitos privados foram resguardados. Hoje
contamos com uma legislação mais atualizada que é o Código Civil de 2002 além de
legislações esparsas como o Código de Defesa do Consumidor e a própria
Constituição Federal de 1988 protegendo-se a condição moral da pessoa humana.

Nas lutas pela valorização do ser humano no Brasil, a dignidade da pessoa


humana tornou-se um princípio constitucional com irradiação para toda a legislação
pátria, de forma que, qualquer lei infraconstitucional que vá contra esse princípio, é
tida como inconstitucional.
- 12 -

Nessa esteira, na década de 40 o Código Penal também já trazia em si


figuras como a calúnia, injúria e a difamação como forma de resguardar a honra do
indivíduo de ser maculada, de forma que, quando cometidos quaisquer desses
crimes o sujeito ativo é passível a uma punição.

Além disso, a questão dos danos morais ganhou tanto valor que o mesmo
pode ter uma repercussão inclusive na esfera material. É o caso do médico que tem
um consultório onde atende seus pacientes e tem ventilada contra o seu nome uma
acusação que vem a ferir sua honra fazendo com que os pacientes deixem de
buscar seus serviços, tendo assim lucros cessantes derivados da sua honra atingida
no meio social em que ocupa.

Com o passar dos anos, os direitos personalíssimos ganharam cada vez mais
força e a busca pela valorização do indivíduo cresceu cada vez mais. Observa-se
então um esforço grande em buscar a valorização da honra individual protegendo a
dignidade da pessoa a cada dia, de forma que, tratados, convenções e a criação de
organizações foram pontos cruciais para evolução dessa causa, criando-se
inclusive, a título de exemplo, a Organização das Nações Unidas – ONU que atua
internacionalmente e diversos países fazem parte da mesma.

Mas com os direitos também vêm os abusos, e a garantia legal por uma
indenização por dano moral acabou servindo de meio para que indivíduos que
sofreram danos materiais adentrassem ao Poder Judiciário para pleitear
indenizações por danos morais, mesmo sem ter direito, como uma forma de buscar
um enriquecimento ilícito.

Por sua vez, o Poder Judiciário acaba por não suprir essa crescente demanda
não somente pelo inchaço no numero de pleitos por danos morais, mas também
pelo despreparo e pela desmotivação de funcionários públicos que acabam por não
dar a devida celeridade nas demandas internas, todavia, há também a falta de
servidores para atender proporcionalmente a crescente demanda por danos morais.

Ao juiz, cabe a tarefa de poder analisar o caso em concreto para poder


arbitrar, não só a existência do dano, como também o quantum deve ser indenizado,
isto é, analisando a condição social da vítima e do autor, tentando não criar uma
situação de enriquecimento ilícito, mas também não desvalorizando a causa, a ponto
de incentivar a reincidência por parte do autor.
- 13 -

Na análise do magistrado, ele deve considerar que os danos morais estão


distantes de serem tidos como os acontecimentos cotidianos a que todos são
submetidos. Seria como adentrar em um transporte público em horário de pico e
levar um empurrão ou uma pisada no pé. O dano moral configura-se por uma
situação vexatória que causa um desconforto excessivo à pessoa, ou objetivamente
perante os outros, ou subjetivamente para consigo mesmo.

Vale ressaltar que no Brasil, mesmo antes da Constituição Federal de 1988,


já se protegia o indivíduo de lesões no seu âmbito moral, com base em clausula
geral da Codificação Civil datada de 1916.

O direito estrangeiro traz situações nas quais o Brasil pode mirar-se em


decisões adotadas em outros países, ou seja, objetivando dar solução ao conflito,
muitas decisões são miradas em decisões da Suprema Corte Americana, que
influenciam alguns de nossos julgados nesta seara.

Face a todo exposto, tem-se um panorama a ser explorado, no que tange aos
danos morais e às consequências da forma pela qual os mesmos são vistos hoje,
trazendo enfrentamentos para as gerações futuras. É o que será abordado no
presente trabalho.

1.1 DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

A presente pesquisa parte do estudo dos danos morais individuais, que hoje
acabam sofrendo uma banalização em virtude do excesso desnecessário de
demandas por danos morais junto ao Poder Judiciário. Com as liberdades
conquistadas na Constituição Federal do Brasil, a exemplo do acesso gratuito à
justiça e o direito à celeridade processual, as demandas por danos morais
cresceram desarrazoadamente.

No capítulo 02 observam-se as origens dos danos morais, os quais não


vieram a ser concebidos nos tempos atuais, mas sim, desde os primórdios da
humanidade. Buscava-se uma punição ou um lenitivo para aplacar o desejo de
vingança daquele que fora atingido moralmente.

Ainda nesse capítulo observa-se um panorama histórico, partindo de Roma,


uma vez que o direito privado tem suas fontes nascidas naquela civilização, e
- 14 -

também na Idade Média, quando havia uma acentuada distinção de classes, ou


seja, entre a nobreza e o clero nos mais altos escalões, enquanto que a plebe era
maltratada e humilhada de todas as formas.

Posteriormente, avança-se no estudo das guerras mundiais, que perduraram


até a Idade Moderna, quando em 26 de agosto de 1789, foi proclamada a
Declaração dos Direitos do Homem que buscou transformar o homem comum em
um cidadão, passando as leis a serem dirigidas não apenas a uma nação, mas aos
cidadãos.

Em seguida, a pesquisa traz em tela a questão da codificação civil, iniciada na


França por Napoleão Bonaparte com o intuito de organizar todas as leis civis
daquele país, o que posteriormente serviu de modelo para o Código Civil brasileiro
implementado em 1916 e futuramente modificado em 2002, trazendo artigos
importantes que preservam a dignidade humana e a honra do indivíduo.

No capítulo 03, tem-se que o direito a honra é protegido não só pela


legislação civil, mas, acima dela, pela própria Constituição Federal de 1988, e ao
seu lado, pelo Código Penal, que também traz previsões legais que objetivam
proteger a honra da pessoa humana maculada.

Por conseguinte os estudos voltam-se para a questão do dano material fruto


de um dano moral, uma vez que este, em determinadas situações pode trazer
resultados mais gravosos na esfera material individual.

Assim, tem-se que a reparação por um dano moral efetivado não tem o intuito
de definir um preço, mas sim, uma satisfação compensatória, pois, por exemplo,
uma pessoa que sofreu uma cirurgia plástica no rosto e que ficou com uma cicatriz
irreparável fruto de um mal procedimento cirúrgico, não terá a sua beleza física
recomposta, nem por todo dinheiro do mundo.

No capítulo 04, observa-se a importância dos princípios na legislação pátria e


que os mesmos são capazes de solucionar situações nas quais haja conflitos ou
lacunas na lei. Na aplicação de um princípio deverá ser analisada uma situação
concreta verificando o comportamento repetitivo da mesma, para daí então criar-se
um norte a ser seguido no julgamento de um determinado contexto fático.

Por conseguinte, tem-se que o princípio da dignidade da pessoa humana é o


mais importante da Constituição Federal do Brasil de 1988, não só por ser fruto dos
- 15 -

esforços de um povo que sofreu no período de ditadura militar, e que conseguiu


conquistar uma Constituição voltada para as aspirações e fatores reais de poder de
um povo, como também pela valorização que o referido princípio traz ao ser
humano, que deve ser respeitado em sua integridade na esfera social.

Ainda nessa linha de pesquisa, tem-se o papel do Estado na busca de


garantir uma vida digna à população, mas cabe também à população saber escolher
os seus governantes que vão lhe representar politicamente. Um esforço grande para
busca da preservação da dignidade do ser humano foi a criação da ONU –
Organização das Nações Unidas - e de tratados e convenções internacionais as
quais diversos países fizeram parte no intuito de resguardar a dignidade do ser
humano que fora massacrado nos períodos de guerras e revoluções.

No capítulo 05, observa-se o papel do magistrado na tarefa de julgar e


identificar a existência ou não de um dano moral, uma vez que, este não pode ser
confundido com aborrecimentos cotidianos que todos os seres humanos estão
submetidos. O dano moral é algo que fere o individuo intrinsecamente, na forma que
o mesmo se sente ferido em sua honra perante a sociedade, ou no meio social em
que está inserido, pela ótica desta, fazendo-se sentir humilhado pela ofensa ou
situação vexatória a qual foi exposto.

Em seguida, o referido capítulo aborda a questão do tabelamento e do


arbitramento na sentença, este último que é adotado em nosso país e que reflete o
papel que o magistrado deve adotar durante a sentença a ser proferida, identificando
a existência, gravidade, repercussão do dano e condição financeira do autor e da
vítima.

O referido capítulo traz à baila a questão do excesso de demandas propostas


no judiciário, que tem um contingente de funcionários incapaz de suprir esta
demanda crescente devido à banalização por parte de quem adentra as portas da
justiça. Existe falta de comprometimento por parte da justiça, em relação às referidas
ações, pelo fato de, em alguns casos, não serem demandas que deveriam existir,
mas sim uma forma de se buscar um dinheiro extra na sentença.

Analisa-se, ainda, alguns julgados anteriores à Constituição Federal de 1988,


constatando que os danos morais são uma garantia existente mesmo que de forma
- 16 -

geral no código civil de 1916, finalizando com a análise de alguns julgados recentes
sobre o tema.

Por fim, tem-se a questão dos processos julgados pela Suprema Corte
Americana e a repercussão dos mesmos na justiça brasileira, explicitando o punitive
damages e enfatizando quais medidas positivas podem ser adotadas para melhorar
a questão do julgamento de danos morais no Brasil, bem como qual a previsão para
as gerações futuras. Apresentado, então, o desenvolvimento do trabalho,
conheçamos a metodologia da pesquisa.

1.2 METODOLOGIA

Na busca por uma conclusão mais abrangente possível, utiliza-se inicialmente


o método histórico com o intuito de buscar identificar a evolução do dano moral ao
longo da histórica, de forma que, mesmo com as mutações relativas à cultura,
economia, política, religião e pensamento sociológico o dano moral sempre esteve
presente, mudando apenas a maneira como o mesmo era visto e como era tratado
ao longo da história.

De acordo com Marconi e Lakatos1 observa-se que as formas de vida em


sociedade atuais derivam de uma evolução do passado, desta forma, faz-se
importante o estudo das raízes de determinados institutos para um maior
entendimento de sua natureza e de sua função.

O método histórico consiste na investigação de acontecimentos, processos e


instituições passadas, observando como as mesmas influenciam nas sociedades
atuais, vez que existe sobre elas uma influência derivada do contexto cultural de
cada época.

Observa-se também o método comparativo como forma de edificar a pesquisa


demonstrando que a realidade de outro país pode vir a influenciar nas decisões do
nosso país nas ações de danos morais. No que tange aos procedimentos adotados
para o desenvolvimento da pesquisa tem-se a pesquisa documental disponibilizada
por livros, artigos, textos e arquivos digitais a disposição online.

1
MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed.
São Paulo: Atlas, 2003. p. 106.
- 17 -

2 O DANO MORAL AO LONGO DA HISTÓRICA

2.1 AS EXPERIÊNCIAS PRIMORDIAIS ACERCA DA HONRA INDIVIDUAL

A honra não é nascida em tempos atuais e acompanha o indivíduo desde os


primórdios da civilização, de forma que, aquele que pudesse ter sua integridade
moral atingida, poderia reivindicar sua reparação.

Assim, têm-se exemplos claros de normas que defendiam a honra do


indivíduo desde antes de Cristo, a exemplo do Código de Hamurabi (1792-1750
a.C.), que possuía 282 dispositivos legais e que tinha como ideia central a defesa do
mais fraco que pudesse ser prejudicado pelo mais forte e quando um fraco era
ofendido por um mais forte, havia ali o direito a uma reparação.

Desta forma, o dano causado deveria ser reparado de forma proporcional, e é


nesse panorama que se buscava uma reparação equivalente ao dano sofrido, o que
gerou o conhecido axioma “olho por olho, dente por dente” representado pela Lei do
Talião que consta dos parágrafos 196, 197 e 200 do Código de Hamurabi.

Nesse sentido, tem-se que outros povos já tratavam da ofensa à honra, de


forma que, na Suméria, na Babilônia (situada na Mesopotâmia) e na antiga Índia já
havia uma codificação que tratava da honra mitigada. Entretanto, de acordo com
Américo Luís Martins da Silva2, a codificação mais antiga que trata da defesa dos
direitos oriundos dos danos morais é o Código de Ur-Nammu

Segundo o referido autor, o mencionado código foi colocado em vigor por Ur-
Nammu, quem fundou a terceira dinastia de UR, país primitivo dos povos sumérios.
O código é mais antigo que o código de Hamurabi em aproximadamente trezentos
anos tendo sido descoberto em 1952 pelo assirólogo e professor da Universidade da
Pensilvânia Samuel Noah Kram.

No código de Ur-Nammu é possível identificar dispositivos que já abordavam


a reparabilidade do que hoje é tido como um dano moral, ou seja, desde os tempos
mais remotos da civilização humana, já se tratava do tema danos morais, que foi, ao
longo dos tempos, abordado no meio social.

2
SILVA, Américo Luís Martins da. O Dano Moral e Sua Reparação Civil. 2ª ed. Rio de Janeiro:
Editora Revista dos Tribunais, 2002. p. 75.
- 18 -

Nessa esteira, o autor menciona que haviam registros no Código de Manu


acerca da proteção à honra. De forma que, o Código de Manu trouxe um avanço em
relação ao Código de Hamurabi, uma vez que a reparabilidade deixa de ser auferida
por outro dano de igual potencial ofensivo e passa agora a ser feita através de uma
quantificação pecuniária.

Observa-se também, o disciplinamento da reparabilidade por danos morais


tanto no Alcorão, a exemplo da intolerância ao adultério, bem como na Bíblia
Sagrada, conforme consta do Velho Testamento, onde aquele que repudia-se a
mulher difamando-a por não ser virgem, quando oferecida a ele pelos pais em
casamento, se provado o contrário, o homem era castigado pelos anciãos, tendo
uma multa pecuniária e ele nunca mais poderia se separar dela pelo resto da vida
nem a desprezar.

Face o exposto, observa-se que desde os povos mais antigos já existiam


discussões e normatizações que tratavam da proteção á honra do indivíduo, de
forma que a evolução das tratativas voltadas à proteção da honra avançou no
período Romano, na Idade Média até o período dos grandes conflitos mundiais e
tempos atuais.

Com as grandes guerras, quando a dignidade humana era totalmente


menosprezada, passou-se a ter uma preocupação maior com a valorização dos
danos morais que pudessem vir a atingir os indivíduos, conforme será explicitado a
seguir.

2.1.1 A honra no período da Antiguidade Romana

Outro marco histórico que merece atenção é o período da antiguidade romana


uma vez que, de acordo com Cahali3, “a reparação por dano moral, como a maior
parte das instituições de direito privado, encontra suas fontes no Direito Romano”, o
que fundamenta um estudo a parte do direito à honra nesse período.

A lenda da fundação de Roma diz que a mesma foi criada por Rômulo e
Remo em 753 a.C.. Eles cresceram amamentados por uma loba e, futuramente,
após a fundação de Roma, um deles matou o outro por discordância de pontos de
vista. De acordo com Costa, Roma teve como sua principal característica a

3
CAHALI, Yussef Said. Dano Moral. 4ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, p.26.
- 19 -

dominação e ficou conhecida como um dos maiores impérios que a humanidade


conheceu, uma vez que nós séculos II e III d. C. seus domínios já se espalhavam
por boa parte do mundo4.

Para concretização da tomada de posse em terras alheias, eles não


poupavam agressões e humilhações àqueles que eram dominados que, quando não
mortos, eram escravizados. Os escravos eram tidos como coisas. As mulheres, por
sua vez, tinham função pró-criativa e eram tidas como propriedade dos pais e dos
maridos.5

Além disso, o Império Romano era divido em classes sociais e havia um


distanciamento muito grande de uma classe para outra. Os patrícios tinham direitos
civis, religiosos e políticos, contudo os plebeus, não tinham esses direitos, e em
caso de contratação de matrimônio entre patrícios e plebeus, tal direito não era
reconhecido.

Quanto á legislação em si, Costa6 expõe que a Lei das XII Tábuas foi a
primeira legislação escrita naquele país e que na mesma, observa-se que nos seus
§2º e §9º já existia, primariamente, a possibilidade de reparação por dano moral.

A Lei das XII tábuas foi editada por causa da diferenciação de classes que,
segundo Wolkmer7, gerou uma série de instituições políticas e jurídicas, assim como
um ambiente de conturbação e de conflitos de classe, fruto das desigualdades
sociais, principalmente entre patrícios e plebeus: “esta situação se manifestou, por
exemplo, na rebelião plebeia que gerou a elaboração da famosa Lei das XII
Tábuas.”

4
Costa conceitua Império Romano como um império que se estende à Inglaterra, da Gália à Ibéria,
da África ao Oriente, até os confins do Império Persa, tendo sido considerado um dos maiores
impérios de toda a humanidade de todos os tempos. Para maior aprofundar conferir COSTA, Elder
Lisbôa Ferreira da. História do Direito: De Roma à História do Povo Hebreu e Mulçumano. A Evolução
do Direito Antigo à Compreensão do Pensamento Jurídico Contemporâneo. Belém: Unama, 2009. p.
40.
5
Ibid., p.51.
6
COSTA, Elder Lisbôa Ferreira da. História do Direito: De Roma à História do Povo Hebreu e
Mulçumano. A Evolução do Direito Antigo à Compreensão do Pensamento Jurídico Contemporâneo.
Belém: Unama, 2009. p. 61.
7
WOLKMER, Antônio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 3ª ed. 2 tir. Belo Horizonte: Del
Rey, 2006, p. 138.
- 20 -

Nesse sentido, Silva8 acrescenta que na Lei das XII Tábuas verificavam-se
casos relativos ao malum carmen ou famosum carmem (versos infames), bem como
a occentatum (injúrias), demonstrando que a injúria era para os antigos romanos um
ato ofensivo à honra ou boa reputação do indivíduo.

Conforme ensinamentos de Santos, a honra era venerada em Roma e vários


são os exemplos disso, como na oração contra Catilina de Marco Túlio Cícero, onde
o mesmo afirmava que “a honra é o princípio dos grandes homens”. Referido autor,
deixa claro que bastava haver o dano à honra que este deveria ser reparado, não
importando a que título o dano era cometido9.

No tocante à aplicabilidade da justiça criminal, Costa destaca que havia a


diferenciação entre vingança privada e vingança divina e que somente
posteriormente, a vingança divina foi separada, criando-se então a distinção entre
direito e religião, e que nenhum outro direito influenciou tanto o mundo ocidental
como direito romano10.

2.1.2 Panorama dos danos morais ao longo da Idade Média

Com o passar dos tempos, o Império Romano atingiu sua decadência, que na
visão de Wolkmer11, foi fruto de colapsos na economia escravagista e crescimento
do exército de desocupados. Ademais, acrescenta-se à sua decadência, o Estado,
que passou a ser insolvente e falsário reduzindo o quantitativo de prata na cunha de
moedas, morte de mais de 15 mil soldados de legiões, bem como a ascensão da
Igreja que acompanhou o novo modelo, baseado na propriedade de terras,
(conhecidas como feudos).

No modelo feudal, o Senhor Feudal criava a lei dentro de sua unidade de terra
e o sistema escravagista deu lugar ao sistema de servidão. A queda do Império
Romano em 476 d.C. constituiu apenas o último passo no processo de
desintegração dando lugar ao novo sistema.

8
SILVA, Américo Luís Martins da Silva. O Dano Moral e Sua Reparação Civil. 2ª ed. Rio de Janeiro:
Editora Revista dos Tribunais, 2002. p. 75.
9
SANTOS, Enoque Ribeiro dos. O Dano Moral da Dispensa do Empregado. 3ª ed. São Paulo: 2002.
p.62.
10
COSTA, op. cit. 45.
11
WOLKMER, op. cit.105 .
- 21 -

Na idade média, os abusos contra os indivíduos de classes inferiores


continuaram e perduraram ao longo de todo esse período, de forma que, abusos
contra honra individual eram cometidos principalmente contra a plebe.

Nesse sentido, de acordo com Lassale12 “a nobreza ocupava um lugar de


destaque”, todavia, segundo Silva13, a igreja também exercia um poder muito forte
sobre a sociedade naquele período através do Direito Canônico, assim, mesmo com
todos os abusos cometidos àquela época, o Direito Canônico reprovava lesões
relativas a calúnias e injúrias.

Como exemplo, tem-se um casamento a ser realizado e a referida promessa


é rompida às vésperas do mesmo, o que de acordo com a Igreja é uma vulneração
aos preceitos cristãos, sendo assim passível de uma punição indenizatória.

O poder da igreja sobre as pessoas na época era oriundo da religiosidade,


que na visão de Byington14, exercia um uma força psicológica separando, na visão
social, o bem do mal buscando estimular no indivíduo suas potencialidades e
desenvolvimento dentro da sociedade em busca de sua realização voltada ao seu
potencial pleno.

Nesse contexto, a figura de Deus buscava criar uma imagem de medo e


punição para aqueles que desviavam-se dos ditames católicos. De acordo com
Passos15, para os cristãos a natureza origina-se de Deus e a única portadora da
palavra de Deus era a igreja Romana. A Igreja católica se impunha como a única
portadora da ética de Deus e única autorizada a revelar os ideais cristãos.

Entretanto com o poder que exercia na época, a Igreja Católica também


cometia abusos à honra individual, em muitos casos, realizando diversas

12
LASSALLE, Ferdinand. A Essência da Constituição. 9ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009, p.34.
13
Que era chamado de “Corpus Juris Canonici”, e regulava a organização da Igreja Católica bem
como os deveres de seus fiéis e que também abordava vários casos que constituíam essencialmente
danos morais, atribuindo-lhes a correspondente reparação. Para maior aprofundar ver em SILVA,
Américo Luís Martins da. O Dano Moral e Sua Reparação Civil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora Revista
dos Tribunais, 2002. p.85.
14
BYINGTON, Carlos Amadeu Botelho. A Moral, a Lei, a Ética e a Religiosidade na Filosofia, no
Direito e na Psicologia. Palestra proferida no II Encontro “Ética para o Juiz – Um Olhar Externo”.
Evento da Corregedoria do Tribunal de Justiça de São Paulo. Escola Paulista de Magistratura, São
Paulo, 22 de novembro de 2013. Disponível em <http://www.carlosbyington.com.br/site/wp-
content/themes/drcarlosbyington/PDF/pt/A_Moral,_a_Lei,_a_Etica_e_a_Religiosidade_na_Filosofia,_
no_Direito.pdf> . Acesso em: 17 nov. 2016, p.03.
15
PASSOS, José Joaquim Calmon de. Direito, Poder, Justiça e Processo. Rio e Janeiro: Forense,
2000, p.56.
- 22 -

atrocidades, respaldada no poder divino que a ela era supostamente atribuído.


Assim, Lopes16 explica que a inquisição era uma espécie de centralização do poder
no Papa e que muitos abusos foram cometidos pela igreja católica se utilizando do
processo inquisitório.

Nesse prisma, a tortura tornou-se um ato formal do processo de inquisição


podendo ser aplicada quando houve-se indícios de atos atentatórios aos ditames da
igreja católica, todavia, nesse processo de tortura, havia uma espécie de prova
irracional, vez que, acreditava-se que o justo era capaz de superar as torturas
resistindo sem confessar o erro.

De acordo com Lopes17, a Igreja Católica disputava o poder com o imperador


e aqueles que pertenciam à nobreza eram respeitados enquanto os que não
pertenciam a essa classe eram tratados como posse em relações de soberania, de
forma que, haviam dois sistemas em vigor, um era o sistema feudal propriamente
dito, relativo a vassalagem e tenência da terra enquanto que o outro era o senhorial,
que dizia respeito à apropriação da terra impondo uma relação entre servo e senhor.

De acordo com Passos18, o poder sempre é dominador, mesmo sendo


usufruído pela burguesia ou pelas classes trabalhadoras, ou por militares, etc. se
governam, oprimem, ou seja, mesmo que supostamente fundamentados na vontade
de Deus, esse poder acaba por ser uma forma de dominar.

Dentro de cada feudo, o senhor feudal ditava as regras e aqueles que


desobedeciam eram punidos, muitas vezes, até com a morte. Os servos eram
tratados como posse ou como animais, não havia respeito, e a valorização à
propriedade de terra era tamanha, que aqueles que possuíam maior feudo, segundo
Lopes, eram mais respeitados que os outros19.

A autoridade da Igreja Católica era incontestável e a mesma impunha seus


ditames explorando a fé alheia e, como no período feudal quem detinha maiores

16
LOPES, José Reinaldo de Lima. O Direito na História. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2011, p.92.
17
Ibid, p. 59.
18
PASSOS, José Joaquim Calmon de. Direito, Poder, Justiça e Processo. Rio e Janeiro: Forense,
2000.p. 55.
19
Havia no sistema feudal uma valorização extrema à propriedade de terras e a referida posse
absolvia dois poderes para nós muito distintos: o direito de jurisdição (julgar as disputas dentro do
território respectivo e o que chamaríamos hoje de um direito de propriedade na verdade algumas
parcelas de poder de exploração da terra). Haviam serviços que eram ligados a terra e outros ao
direito sobre a mesma. Para maior entendimento ver em LOPES, José Reinaldo de Lima. O Direito na
História. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2011. p. 59.
- 23 -

participações de terra detinha maior poder, a igreja sobressaia-se uma vez que, de
acordo com Magnoli20, através das indulgências e do confisco de bens nas
inquisições ela era grande detentora de terras.

Além disso, o movimento das cruzadas representou, não só a expansão de


feudos para igreja, como também um conjunto de atrocidades que eram cometidos
em nome da cruz católica cristã, que espalhava o medo através da fé cega.

As cruzadas representaram um movimento que resultou em um longo período


de enfrentamento militar especialmente nas regiões da Síria e Palestina entre os
séculos XI e XIII, também na Península Ibérica, entre os séculos VIII e XV. Era um
movimento fundamentado na necessidade de expansão das fronteiras da
Cristandade21.

Segundo Wolkmer22, o poder da igreja era fruto das grandes propriedades


adquiridas por ela em troca de “uma vaga no reino dos céus”, outra forma de
explorar a fé de pessoas ignorantes para angariar riquezas.

2.1.3 Os Conflitos Mundiais como marcos para valorização do ser humano

Guerras e conflitos mundiais marcaram a história da humanidade,


demonstrando que a valorização do indivíduo, em sua esfera moral, ficou muito a
desejar ao longo dos tempos, de forma que, humilhações, violências e atrocidades
eram cometidas contra os indivíduos que, em muitos casos, não recebiam nenhum
tipo de respeito.

Dentre os grandes conflitos que assolaram o mundo, segundo Hecht e


Servent23, alguns deles deixaram a marca do sangue da guerra, com a Primeira
Guerra Mundial (1914-1918), a Guerra Civil Russa (1918-1920), a Guerra Civil
Espanhola (1936-1939), a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a Guerra da
Indochina (1946-1954), a Guerra da Argélia (1954-1962), a Guerra do Vietnã

20
MAGNOLI, Demétrio. História das Guerras. São Paulo: Editora Contexto, 2006, p.106.
21
Ibid, loc. cit.
22
“Nesse sentido a Igreja também poderia ser classificada como Senhor Feudal, pois detinha vastas
propriedades de terra e, por seu poder espiritual e temporal abranger toda a Europa durante o
período medieval, foi certamente a única instituição sólida existente”. Para aprofundar o assunto ler
WOLKMER, Antônio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 3ª ed. 2 tir. Ver. E ampl. Belo
Horizonte: Del Rey, 2006. p. 177.
23
HECHT, Emmanuel e SERVENTE Pierre. O Século de Sangue. 1914 a 2014. As Vinte Guerras que
Mudaram o Mundo. São Paulo: Contexto, 2015, p. 5-6.
- 24 -

(1964,1975), a Guerra do Golfo (1990-1991), a Guerra do Afeganistão (2001), a


Guerra do Iraque (2003), dentre outras.

A humanidade ao longo dos séculos buscou a valorização de seus atributos


morais em virtude de guerras e movimentos que refletiram o sofrimento humano.
Como exemplo, ao findar da Idade Média, houve a Revolução Francesa, que
buscava quebrar o Absolutismo vigente à época, que segundo Grespan 24
“representa a centralização do poder realizada nesta época em diversas dimensões
da vida pública”, com o intuito de alcançar a Liberdade, Igualdade e Fraternidade,
slogan da Revolução.

Na visão de Byington25, foi na época do Iluminismo em que se demandava um


entendimento racional da ciência fugindo da ciência da natureza para ciência da
razão resultante da política da Revolução Francesa.

Buscava-se eliminar Deus e a Igreja como fontes de direito e substituir os


mesmos pela razão. Em conformidade com os dizeres de Magnoli, a burguesia
buscava o livre comércio, além de outros interesses26.

Quando ocorreu a invasão da França, por austríacos e ingleses, na tentativa


de salvar Luís XVI, guilhotinado no período de Terror, despertou-se nos franceses
um espírito patriótico que os ajudou não só a defender sua pátria, mas os incentivou
a iniciar um processo de exportação dos ideais da Revolução pelas armas, mais
adiante, sob a liderança militar de Napoleão.

O Terceiro Estado era constituído por plebeus desejosos de extinguir as


vantagens usufruídas por nobres e alto clero através da igualdade civil, em 26 de
agosto de 1789, foi proclamada a Declaração dos Direitos do Homem que buscava

24
GRESPAN, Jorge. Revolução Francesa e Iluminismo. São Paulo: Contexto, 2008, p.22.
25
BYINGTON, Carlos Amadeu Botelho. A Moral, a Lei, a Ética e a Religiosidade na Filosofia, no
Direito e na Psicologia. Palestra proferida no II Encontro “Ética para o Juiz – Um Olhar Externo”.
Evento da Corregedoria do Tribunal de Justiça de São Paulo. Escola Paulista de Magistratura, São
Paulo, 22 de novembro de 2013. Disponível em <http://www.carlosbyington.com.br/site/wp-
content/themes/drcarlosbyington/PDF/pt/A_Moral,_a_Lei,_a_Etica_e_a_Religiosidade_na_Filosofia,_
no_Direito.pdf> . Acesso em: 17 nov. 2016, p.02.
26
“A França vivenciou simultaneamente no final da década de 1780: a) uma “revolução aristocrática”
que objetivava a descentralização além da autonomia local; b) uma “revolução burguesa” que visava
extirpar os obstáculos existentes para a produção e afirmar o direito inalienável à propriedade
privada; c) uma “revolução popular”, de um lado urbana, voltada para a imediata melhoria das
condições de existência e da situação do trabalho, e de outro lado rural, direcionada para a conquista
da posse da terra e a erradicação da servidão”. Para maiores informações verificar em MAGNOLI,
Demétrio. História das Guerras. São Paulo: Editora Contexto, 2006. p.195.
- 25 -

transformar o homem comum em um cidadão passando as leis a serem dirigidas não


a uma nação, mas aos cidadãos.

De acordo com Siey’es27, é impossível que a nação viesse a ser livre se o


Terceiro Estado não fosse livre, pois estes mereciam direitos pertinentes a todos os
cidadãos, ou seja, a igualdade era imprescindível em um período em que o povo
viveu com coações e humilhações.

Nesse prisma, mesmo com o avanço das tecnologias e das ciências, o


prestígio moral individual sempre continuou relevantemente desprezado e apesar
das conquistas ao longo dos séculos, os indivíduos nunca tiveram a plenitude do
respeito à sua condição moral, de forma que, tem-se como exemplo da Revolução
Industrial.

Segundo Hobsbaw28, havia nesse período uma exploração da mão de obra,


que vivia em níveis de subsistência proporcionando aos ricos ficarem cada vez mais
ricos acumulando lucros e criando conflitos com os proletariados.

Conforme bem explicita Martins29, a Revolução Industrial teve seu marco com
o aparecimento da máquina a vapor e, posteriormente, com o avanço das
tecnologias, foi criado o tear mecânico, que demandava a utilização de pessoas para
manipular os referidos equipamentos.

Entretanto, o trabalho era feito de forma a explorar pessoas que chegavam a


trabalhar 16 horas diárias (ficando conhecidos como proletários), não distante, o
menosprezo pelo ser humano era tamanho que mulheres e crianças eram obrigados
a trabalhar, por ate 16 horas e recebendo metade do que era devido aos homens.

Durante a Revolução Industrial demonstrou-se uma série de abusos


cometidos contra os trabalhadores que buscaram se libertar dos excessos

27
SIEY’ES, Emmanuel Joseph. A Constituinte Burguesa. Qu’est-ce que le Tiers État?. 4ª ed. Rio de
Janeiro: Lumen Iuris, 2001, p. 7.
28
HOBSBAWM, Eric J.. A ERA DAS REVOLUÇÕES. 1789-1848. 34ª ed. São Paulo: Paz e Terra,
2014, p. 75.
29
“Tudo começou com o surgimento da máquina a vapor, Indústrias se instalaram onde existia
carvão, como ocorreu na Inglaterra. Os trabalhadores eram explorados com trabalhos abusivos em
minas. O trabalhador prestava serviços e condições insalubres, sujeito a incêndios, explosões,
intoxicação por gases, inundações, desmoronamentos, prestando serviços por baixos salários e as
horas trabalhadas extrapolavam 8 horas por dia. Ocorriam vários acidentes de trabalho, além das
várias doenças decorrentes dos gases, da poeira, principalmente a tuberculose, a asma e a
pneumonia”. Para maiores informações verificar em MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do Trabalho. 24ª
ed. São Paulo: Atlas, 2008. p. 5-6.
- 26 -

cometidos pelos seus empregadores, na ótica de Hobsbawm30, na década de 1780


pela primeira vez na história da humanidade foram retirados os grilhões do poder
produtivo da sociedade humana.

Além de revoluções, quando o ser humano buscava a igualdade, a liberdade


e direitos justos, o contexto de guerras demonstrou que a honra era um valor que
era totalmente desprezado em tempos de batalhas, a exemplo das duas Grandes
Guerras Mundiais.

Como exemplo, nos campos Nazistas, durante a Segunda Guerra Mundial, se


um soldado matasse um Judeu, ele não estaria cometendo um crime, uma vez que o
mesmo estava cumprindo a lei, assim, valores morais eram desprezados naquela
época.

De acordo com Hecht e Servent a Primeira Grande Guerra Mundial inicia-se


em 1914 quando Paris é atacada por três bombas lançadas por um avião alemão.
Os habitantes refugiavam-se nas estações de metrô e, mesmo descumprindo as
convenções de Haia de 1899 e 1907, o ataque direcionado a militares não poupava
civis, culminando em 200 mortes31.

Nesse mesmo período, os alemães passaram a utilizar gases asfixiantes, e,


no fim, segundo Magnoli, na Primeira Grande Guerra houve o maior índice histórico
de abatimento de seres humanos em combate, o que se estimou em torno de 10
milhões e o número de feridos foi a 20 milhões32.

Na visão de Moraes33, esse foi um período de horrores praticados pelo Estado


nazista, onde foram implementadas políticas racistas, de destruição e morte, tudo
assegurado por lei.

Mas até essa conquista, muito desprezo e humilhação aos indivíduos foram
cometidos ao longo da Segunda Grande Guerra, e o aspecto moral foi rebaixado a
nada. De acordo com Hecht e Servent34, os arianos deviam dominar os povos, em
função da suposta hierarquia superior que eles ocupavam em relação à escala

30
HOBSBAWM, op. cit. 59.
31
HECHT, Emmanuel e SERVENTE Pierre. O Século de Sangue. 1914 a 2014. As Vinte Guerras que
Mudaram o Mundo. São Paulo: Contexto, 2015. p. 15-16.
32
MAGNOLI, Demétrio. História das Guerras. São Paulo: Editora Contexto, 2006. p. 344.
33
MORAES, Maria Celina Bodin de. Danos à Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-Constitucional dos
Danos Morais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003, p.66.
34
HECHT e SERVENTE, op. cit. p. 16.
- 27 -

racial, de forma que, Judeus e Eslavos eram vítimas de desapropriações e


escravidões.

Para Hitler, a guerra era tanto um meio como um fim 35, buscava-se a
expansão territorial a ferro e sangue. Na visão de Hitler, o estrondo de armas
eliminaria os mais fracos assegurando o triunfo à raça mais forte.

No panorama da Segunda Guerra, os Judeus eram tratados da forma mais


desumana do mundo e não existia sequer sombra de valorização do aspecto moral
daquele povo. Os alemães pretendiam extinguir aquela raça, que era massacrada,
muitas vezes com apoio da população polonesa e, de acordo com Hecht e
Servent36, houve uma matança de judeus em Babi Yar, nos subúrbios de Kiev, onde
cerca de 33 mil judeus foram assassinados em alguns dias, o que no final totalizou a
morte de 1,4 milhão de homens, mulheres e crianças.

Centros de extermínio foram implantados pelo Reich, e segundo Magnoli 37, os


mesmos visavam destruir em quantidade os judeus na Europa, assim, se na
Primeira Guerra o objetivo era o combate ao inimigo para impor condições de paz,
na Segunda Guerra não se aplicava essa teoria, pois a Alemanha de Hitler pretendia
dominar a Europa e transformar os países do ocidente em estados vassalos,
buscando também a transformação da União Soviética em colônia tomando sua
população como serviçais germânicos.

A política nazista na época contava com sofisticados sistemas de


investigação, concentração e extermínio de judeus nos campos de concentração,
denominado como Holocausto. Em 1945, americanos jogaram bombas atômicas em
Hiroshima e Nagasaki. O ser humano era tratado desprezado em seus valores
morais durante as guerras.

Contudo, com o fim da Segunda Grande Guerra Mundial, os direitos da


personalidade ganharam destaque, com o advento da nova Declaração Universal
dos Direitos Humanos, através da qual o respeito à dignidade humana passou a ser

35
Vale ressaltar que os Judeus não foram os únicos a serem dominados por um Reich nazista, que
perseguia objetivos tanto econômicos quanto ideológicos, visto que os territórios conquistados
deviam servir em seu esforço de guerra. Com base no autoritarismo, os nazistas se utilizavam de
violência (pilhagens, requisições, taxas de câmbio abusivas) para conseguirem seus objetivos. Para
aprofundar, verificar em HECHT, Emmanuel e SERVENTE Pierre. O Século de Sangue. 1914 a 2014.
As Vinte Guerras que Mudaram o Mundo. São Paulo: Contexto, 2015. p. 62 e 69.
36
Ibid., p. 68.
37
MAGNOLI, Demétrio. História das Guerras. São Paulo: Editora Contexto, 2006, p.355.
- 28 -

a tônica dos sistemas constitucionais e a partir de então, vários códigos passaram a


dedicar um capítulo aos direitos da personalidade.

2.2 O SURGIMENTO DA CODIFICAÇÃO CIVIL E A VALORIZAÇÃO DO INDIVÍDUO

A evolução humana foi o laboratório perfeito para a identificação das


necessidades de proteção aos direitos individuais e a preservação de valores como
a honra, e, para tanto, as relações privadas acabaram por ganhar uma legislação
própria no intuito de proteger o indivíduo em diversos aspectos, tais como
patrimoniais, contratuais, familiares e sucessórios, direitos de personalidade, a
defesa da honra, dentre outros.

De acordo com Venosa38, nasce então o Direito Civil buscando disciplinar as


relações entre particulares conferindo-lhes proteção especial desde a concepção até
o post morte. Analisando-se a importância da criação de uma codificação, tem-se
que a mesma busca agrupar um conjunto de normas que tratam da mesma matéria
em um único diploma.

Nesse sentido, o Código Civil surge abarcando todas as normas relativas às


relações privadas e comerciais com o intuito de dar estabilidade às leis que tratam
das matérias relativas ao direito privado.

Assim, na visão de Venosa39 codificação nada mais é que um processo de


organização, que reduz a um único diploma diferentes regras jurídicas da mesma
natureza, agrupadas segundo um critério sistemático.

Mas a Codificação Civil não nasceu em tempos atuais. Em Roma já se falava


em codificação do Direito Civil, o que não foi mais tão comentado na idade média
considerando a preponderância do Direito Canônico àquela época e a proteção e
punição divina. Contudo, na idade moderna nascem as Universidades e os grandes
centros de estudos científicos e a necessidade de se criar diplomas unificados
regentes das relações privadas.

Entretanto, três Codificações merecem atenção especial e devem ser tratadas


a parte buscando retratar o nascimento do Direito Civil, bem como, a recepção do

38
VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil – Teoria Geral das Obrigações e Teoria Geral dos Contratos.
v. II, 11ª ed. São Paulo: Atlas, 2011, p.64.
39
Ibd., p.89.
- 29 -

mesmo no Brasil, enfatizando direitos nas relações privadas inclusive no que tange
ao direito a honra, são elas: o Código de Napoleão, o Código Civil de 2016
(demonstrando a recepção da legislação civil por parte do Brasil e as suas diversas
influências) e o novo Código Civil de 2002, conforme será abordado a seguir .

2.2.1 O Código Napoleônico

Na antiguidade Romana, o direito civil possuía uma abrangência macro,


agregando em si outros ramos do direito como o direito administrativo e o direito
penal, mas foi com o passar dos tempos que houve uma segregação e o referido
direito passou a ser parte do direito privado, como é o direito comercial e o direito do
trabalho. De acordo com Garcia e Pinheiro40, o Direito Civil passou a ganhar então
um conjunto de regras específicas41 a partir do século XIX, ficando mais estrito a
designar apenas o que estava disciplinado num diploma específico, ou seja, no
código civil.

O direito passou a sofrer repartições e determinadas matérias passaram a ser


regidas por diplomas específicos, a exemplo do código penal, enquanto que outras
por outros códigos, tendo a Constituição Federal como carta magna irradiando-se
por todo direito.

Do ponto de vista de Moraes42 a codificação veio trazer estabilidade e


segurança aos indivíduos e, no período da Grande Revolução Francesa, quando a
burguesia ascendeu ao poder, esta tornou-se a portadora da tabua de valores a qual
a sociedade foi chamada a reconhecer, de forma que, o mundo dos códigos é o
mundo que trás a segurança através da ordenada sequencia de artigos.

Mas o grande passo para Codificação Civil foi dado na França com o Código
de Napoleão, editado em 1804 fruto da constituição francesa de 03 de setembro de
1791, que dispôs que seria feito um código com todas as leis civis do país e que

40
GARCIA, Wander e PINHEIRO, Gabriela R.. Manual Completo de Direito Civil – V. único. São
Paulo: Editora Foco Jurídico, 2014, p. 38.
41
Isso ganhou destaque depois que a França, em 1807, publicou o Código Comercial. O Direito
Privado, mais do que nunca, ficava com dois grandes ramos, o Direito Civil (regulado pelo Código
Civil) e o Direito Comercial (regulado pelo Código Comercial).
42
MORAES, Maria Celina Bodin de. Danos à Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-Constitucional dos
Danos Morais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003, p.64.
- 30 -

teve dispositivos tão aplicáveis à realidade civil que continuam sendo aplicados até
hoje na França, mesmo que com alguns dispositivos alterados.

Todavia, com o passar dos tempos o referido código sofreu diversas críticas
em virtude de imperfeições, que para alguns o titularizavam como legislação
atrasada, o que ensejou alterações no mesmo. Cabe salientar, entretanto, que a
cultura é mutável no tempo e no espaço o que de fato traz essa necessidade de
adaptação do direito aos anseios de uma sociedade que marcha rumo ao progresso.

De acordo com Venosa 43, o Código de Napoleão era dividido em três livros
com títulos subdivididos em capítulos compostos por diversas seções havendo
sempre um título preliminar antes do Livro Primeiro contendo livros que tratavam
“Das Pessoas”, “Dos Bens e as Diferentes Modificações da Propriedade” e os
“Diversos Modos pelos quais se adquire a Propriedade” englobando neste último,
regimes matrimoniais, direitos reais e obrigações.

2.2.2 O Código Civil de Clóvis Beviláqua

No Brasil, a implantação do Código Civil foi fruto de uma imposição


Constitucional, uma vez que, segundo Venosa44, a Carta Magna de 1824 tratava da
organização de um Código Civil baseado em justiça e equidade, representando
assim um passo importante no reconhecimento dos direitos do indivíduo
preservando seus valores a exemplo da ordem com os parâmetros necessários de
justiça.

Entretanto, foi apenas um primeiro passo para resguardar os direitos dos


indivíduos que, só posteriormente, puderam desfrutar de uma codificação que
atendesse aos valores morais.

A sociedade daquela época estava ansiosa pela implementação de uma nova


codificação, uma vez que, até então vigorava a legislação portuguesa que não
refletia a cara do país, de forma que, o próprio governo imperial impunha a
legislação portuguesa até que a nova codificação nacional fosse implantada.

43
VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil – Teoria Geral das Obrigações e Teoria Geral dos Contratos.
v. II, 11ª ed. São Paulo: Atlas, 2011, p.94.
44
Ibid. P.100
- 31 -

Segundo Venosa45, a tarefa de criação dessa codificação foi incumbida em


1865 a Teixeira de Freitas, que outrora já havia apresentado um trabalho de
consolidação das leis civis, todavia, somente após a Proclamação da República,
Clóvis Beviláqua elaborou e apresentou o projeto de Código Civil à Presidência da
República, entretanto algumas alterações foram sofridas no projeto fruto da análise
da comissão que o aprovou em 1916, buscando-se um acentuado rigor científico.

O código apresentado por Beviláqua sofreu grandes retaliações por parte de


Ruy Barbosa, entretanto toda argumentação crítica girava em torno do cunho
linguístico apresentado, recomendando assim revisão gramatical ao projeto.

Depois de ser revisado e serem introduzidas inúmeras inovações o projeto foi


remetido à Presidência da República, e posteriormente ao Congresso Nacional. O
projeto estagnou anos no Senado voltando para a Câmara com diversas emendas
(relativas a questões de redação) convertendo-se posteriormente na lei 3.071 de 1-
1-1916 entrando em vigor em 1-1-1917 sofrendo posterior alteração pela Lei 3.725
de 15-1-1919.

O Código Civil de 1916 era composto por 1.807 artigos, sendo antecedido de
uma Lei de Introdução ao Código Civil. Entretanto, com o processo evolutivo,
referido código acabou por abrir caminho para que leis esparsas que trataram de
temas que a evolução social exigia disciplinamento entrassem em vigor 46.

Como pontos positivos, tem-se que o código de 1916 trouxe inovações para o
Direito Civil que, segundo Venosa47, contribuíram para o avanço legal daquela época
como exemplo a locação que deu ensejo aos contratos de trabalho, a inserção dos
direitos concernentes à separação e divórcio no direito de família, o direito
obrigacional que exigia alargamento das noções de responsabilidade civil bem como
abusos de direito, dentre outros.

45
VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil – Teoria Geral das Obrigações e Teoria Geral dos Contratos.
v. II, 11ª ed. São Paulo: Atlas, 2011, p.100.
46
A exemplo da Lei nº 4.121/62 (Estatuto da Mulher Casada), a Lei 6.515/77 (Lei do Divórcio), a Lei
nº 8.069/90 (Estatuto da Criança e do Adolescente), as leis que reconheceram direitos aos
companheiros e conviventes (Leis 8.971/94 e 9.278/96), a Lei dos Registros Públicos (Lei nº
6.015/73), as diversas leis de locação, o Código de Defesa do Consumidor, o Código de Águas, o
Código de Minas e outros diplomas revogaram vários dispositivos e capítulos do Código Civil, uma
tentativa de atualizar nossa legislação civil.
47
VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil – Teoria Geral das Obrigações e Teoria Geral dos Contratos.
v. II, 11ª ed. São Paulo: Atlas, 2011, p.103.
- 32 -

Nessa esteira, mesmo sendo um primeiro passo para a busca da garantia


jurídica dos direitos privados, o Código Civil de 1916, apesar de sua perfeição
técnica, era essencialmente patrimonialista, não buscando ainda a visualização dos
direitos voltados para a dignidade humana e enxergando o indivíduo como pessoa e
titular de direitos personalíssimos.

Face o exposto, verifica-se a necessidade de renovação e de adaptação da


legislação civil aos novos anseios da população, assim, um Código Civil com o perfil
do Código de 1916 não poderia mais ser o espírito dessa nova época fruto das
conquistas sociais e da Constitucionalização do Direito.

2.2.3 O Código Civil de 2002

À luz da nova Constituição Federal de 1988, a qual tem como princípio


norteador a dignidade da pessoa humana, o Código Civil de 2002, assim como todas
as demais leis editadas a partir de então, passaram a valorar o ser humano
deixando assim de priorizar as relações contratuais e patrimoniais sem nelas
enxergar a condição humana.

A partir de então, os direitos personalíssimos passam a ter maior valor na


nova Codificação Civil, e a função social agora é aplicada aos contratos e à
propriedade mirando-se agora no direito alheio e não somente no individual; os
contratos, que segundo Nader, agora passam a ser vistos de forma a contemplar as
partes mais fracas como portadoras de proteção maior, bem como a boa-fé é
instrumento que deve ser sempre aplicado nas lides48.

Nesse prisma, o Código de 2002, é fruto da implantação de uma comissão


criada para rever o código de 1916 que apresentou o anteprojeto do Código em
1972.

48
“O novo Código Civil expressa, genericamente, os impulsos vitais, formados nos tempos atuais,
tendo por parâmetro a justiça social e o respeito à dignidade da pessoa humana (CF, art. 1º, III). Mira-
se no princípio da socialidade, refletindo a prevalência do interesse coletivo sobre o individual, dando
ênfase à função social da propriedade e do contrato e à posse-trabalho, e ao mesmo tempo, contém
não só o princípio da eticidade, fundado no respeito à dignidade humana, priorizando a boa fé
subjetiva e objetiva, a probidade e à equidade, como também o princípio da operabilidade, na busca
de solução mais justa, a norma possa, na análise de caso por caso, ser efetivamente aplicada.” Para
aprofundar os estudos verificar em NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. 30ª ed. Rio de
Janeiro: Editora Forense, 2008. p.363.
- 33 -

Em 1973, após várias emendas, foi publicada uma segunda edição revisada
do referido anteprojeto e só após inúmeros debates na câmara foi provado o projeto
de lei nº 634/75 em 1984, que ficou adormecido durante anos no senado, sendo
levado à votação somente no ano de 2001, sendo aprovado através da Lei nº 10.406
de 10 de janeiro de 2002.

Uma vez aprovado entre as décadas de 70 e 80, o Código Civil refletia a


realidade daquela época. De lá para cá varias inovações foram implementadas,
como por exemplo, os avanços na tecnologia e na velocidade de informações,
criando assim novas situações merecedoras de tutela do direito.

Na visão de Nader acerca do novo Código Civil de 2002, o mesmo explicita


que o estudo do Direito Civil é composto por dois setores distintos a serem
observados, sendo um relacionado a matérias de interesse comum aos diversos
ramos do direito (exemplo dos direitos privados, penal, administrativo) enquanto que
o outro define a temática específica do direito civil 49.

Outro ponto importante que merece ser observado no novo código civil é que
o mesmo deixa questões polêmicas pendentes de discussões jurisprudenciais para
serem disciplinadas por legislações específicas, como, por exemplo, a bioética,
contratos eletrônicos, experiências em seres humanos, clonagem humana.

Fica claro que o novo código civil traz uma carga constitucional voltada para
valoração do ser humano que o diferencia do Código de 1916, de forma que,
questões como a boa-fé e a função social passam a valorar a dignidade humana do
indivíduo e da coletividade nessa nova legislação50.

Na visão de Pereira51, o ser humano agora passa a ser valorado seguindo os


ditames de um novo direito civil conhecido como direito civil constitucional, de forma
que, as relações humanas não podem ser tratadas pelo sistema jurídico como se

49
“O objeto do estudo do direito civil apresenta dois setores distintos. Um deles se refere à matéria de
interesse comum aos diversos ramos do jurídicos e que abrange o estudo sobre as pessoas, bens e
fatos jurídicos. O outro setor constitui propriamente a temática do Direito Civil e compreende as
seguintes matérias, conforme a ordem fixada pelo Código Civil de 2002: Obrigações, Empresas,
Coisas, Família e Sucessões, que expressam os interesses fundamentais das pessoas.” Para
aprofundar os estudos verificar em NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. 30ª ed. Rio de
Janeiro: Editora Forense, 2008. p.364.
50
Cláusula geral que exige um comportamento condizente com a probidade e a boa-fé objetiva (CC,
art. 422) e a que proclama a função social do contrato (art. 421).
51
PEREIRA,Caio Mário da Silva. Instituições de Direito Civil. 25ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2012.
p.18.
- 34 -

fossem apenas determinadas pelo mundo da objetividade. Outras ciências indicam


novos rumos ao Direito.

Já no que diz respeito ao seu aspecto da solidariedade, a mesma está ligada


à quebra da priorização de valores individuais e patrimoniais tão valorizados no
Código de 1916, abrindo valoração aos interesses coletivos e, em alguns casos,
sacrificando interesses individuais, como é o caso da função social da propriedade.

Já na sua operabilidade, traduz-se a mesma pela concessão de mais poderes


ao magistrado no julgamento das causas analisando o caso em concreto. Feitas
essas ponderações tem-se agora a necessidade de abordagem acerca do que é o
direito a honra e o dano moral proveniente da honra ferida na visão constitucional,
civil, penal e suas consequências práticas na vida do indivíduo, conforme será
abordado no capítulo a seguir.

3 O DIREITO À HONRA NAS PERSPECTIVAS DOS DANOS MORAL E


MATERIAL

3.1 A INTEGRIDADE MORAL DO INDIVÍDUO

Com o passar dos anos, observou-se que o Direito Civil adquiriu uma nova
roupagem e, ao contrário do Código Civil de 1916 - este de cunho essencialmente
patrimonialista - tem-se que a nova configuração do direito privado finca-se,
principalmente, na valoração do indivíduo.

Nesse prisma, o chamado Direito Civil Constitucional traz em si a visão do


indivíduo respaldado nas conquistas sociais efetivadas na Constituição da República
Federativa do Brasil de 1988, esta fruto do alcance das aspirações sociais que
fincaram em dita Carta Magna os ditames oriundos dos Fatores Reais de Poder, que
segundo Lassale52, quando incorporados a uma folha de papel, adquirem expressão
escrita, deixando de serem Fatores Reais de Poder, tornando-se então o verdadeiro
direito.

52
LASSALLE, Ferdinand. A Essência da Constituição. 9ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009. p.
20.
- 35 -

Face o exposto, questiona-se acerca da visão na Carta Magna de 1988 no


que tange à honra do indivíduo bem como qual a visão do novo Direito Civil, pós-
codificação de 2002, no que diz respeito à integridade moral do indivíduo, uma vez
que a honra de uma pessoa (tal qual protegida como direito fundamental pelo art. 5º,
X da CF), consiste num bem tipicamente imaterial, vinculado à noção de dignidade
da pessoa humana, pois diz respeito ao bom nome e à reputação dos indivíduos.

A dignidade humana, bem como a integridade pessoal do indivíduo,


representam valores fundamentais para o convívio em sociedade, considerando que
nos tempos modernos o direito constitucional ilumina todos os outros ramos do
direito com os referidos valores preservando a dignidade humana.

Desta forma, o direito à honra merece uma proteção especial que, conforme
será explicitado a seguir, é defendido nas esferas Constitucional, Civil e inclusive
Penal.

3.1.1 O direito à honra na perspectiva Constitucional

A Constituição Federal de 1988 aponta em seu art. 5º, inciso X a


inviolabilidade à honra sob pena de indenização fruto do dano material ou moral
decorrente de sua violação 53.

Nesse diapasão, tem-se que a Carta Magna cria uma barreira protetora à
honra dos indivíduos fruto, historicamente, de uma conquista da sociedade, que
vivenciou, anos antes da Constituição de 1988, um período de ditadura militar no
Brasil.
54
A honra, de acordo com Castro , é o conjunto de qualidades que
caracterizam a dignidade da pessoa, o respeito dos concidadãos, o bom nome, a
reputação, sendo assim, um direito fundamental da pessoa a ser resguardado,
preservando assim sua dignidade.

53
X – são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o
direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.
54
CASTRO, Mônica Neves Aguiar da Silva. Honra, Imagem, Vida Privada e Intimidade, em Colisão
com Outros Direitos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2002, p.05
- 36 -

Ressalte-se que os direitos fundamentais estão elencados na Constituição


Federal de 1988 em seu art. 5º, no qual o legislador constituinte buscou defesa dos
direitos à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.

A honra deve ser entendida não só na consideração social, mas no bom


nome, na imagem, na boa fama, e também como o sentimento íntimo, a consciência
da própria dignidade pessoal. Isso é, honra é a dignidade pessoal refletida na
consideração alheia e no sentimento da própria pessoa.

Nessa nova perspectiva, tem-se não só que a honra deve ser protegida, mas,
se lesada, pode ser objeto inclusive de reparação através do direito de resposta ou
por indenização.

Ou seja, a honra pode ser analisada pelo enfoque subjetivo, englobando


valores intrínsecos do homem, bem como objetivo, na ótica de como as pessoas e a
sociedade conceituam esse ser. O Direito Civil traz uma abordagem sobre a honra
no que tange à preservação da integridade moral dos indivíduos, conforme a seguir.

3.1.2 O Direito Civil Constitucionalizado

Feitas as análises sobre o ponto de vista constitucional do tema, tem-se que a


vida em sociedade impõe ao indivíduo que o mesmo se apresente na condição de
respeito bem como para que o indivíduo possa desenvolver uma boa reputação a
apresentação como homem honrado é decisiva.

Desta forma, para que ele possa, como exemplo, conseguir um bom
emprego, ou crescer em sua carreira profissional, ou mesmo no convívio entre
amigos ou no relacionamento afetivo, a boa índole faz-se essencial.

De acordo com Passos 55, para sua realização pessoal o homem precisa estar
inserido no espaço social, deixando claro o entrelaçamento entre a condição
humana e a sociedade que ele ocupa.

Os valores morais e éticos do indivíduo destacam-no no meio social em que o


mesmo está inserido e quando os mesmos são atingidos, cria-se uma situação na

55
PASSOS, José Joaquim Calmon de. Direito, Poder, Justiça e Processo. Rio e Janeiro: Forense,
2000, p.42.
- 37 -

qual o mesmo não é mais visto pela sociedade como era antes, o que pode causar-
lhe um dano de ordem moral.

Na visão de Byington56, “a moral tem a finalidade de regulamentar o


comportamento social”. Já no que diz respeito à ética, o referido autor afirma que “a
Ética sempre existiu para relacionar o indivíduo e a sociedade com o potencial pleno
do seu desenvolvimento dentro da relação entre o bem e o mal”.

Nesse prisma, a honra e a dignidade do ser humano, que é respaldada pela


sua integridade moral, possuem um caráter intrínseco, de forma que, se o indivíduo
lesado se sente ferido em sua integridade moral, certamente perderá motivação para
a busca de seu crescimento nas esferas profissional, afetiva, dentre outras já
citadas, ou seja, para um bom convívio social, bem como para está de bem consigo
mesmo, a integridade moral do indivíduo deve ser preservada.

Desta forma, a honra pode ser objetiva, que é a que “corresponde à


reputação da pessoa, compreendendo seu bom nome e a fama que desfruta na
sociedade” com também subjetiva, a qual é “correspondente ao sentimento pessoal
de estima ou à consciência da própria dignidade”.

Seguindo essa linha de raciocínio, Castro57 reforça a conceituação acerca da


divisão do enfoque que pode ser dado à honra nas perspectivas objetiva e subjetivo.
Na honra subjetiva, tem-se a estima que cada pessoa tem de si mesma, enquanto
que na honra objetiva, visualiza-se o juízo de valor que os demais fazem de nossa
dignidade.

Na visão de Venosa58 o dano moral é exatamente “um prejuízo que não afeta
o patrimônio econômico, mas afeta a mente, a reputação da vítima”, assim, à época
do Código Civil de 1916, a doutrina e a jurisprudência eram bastante cautelosas
quando tratavam da reparação por dano moral, o que foi prontamente sanado com o

56
BYINGTON, Carlos Amadeu Botelho. A Moral, a Lei, a Ética e a Religiosidade na Filosofia, no
Direito e na Psicologia. Palestra proferida no II Encontro “Ética para o Juiz – Um Olhar Externo”.
Evento da Corregedoria do Tribunal de Justiça de São Paulo. Escola Paulista de Magistratura, São
Paulo, 22 de novembro de 2013. Disponível em <http://www.carlosbyington.com.br/site/wp-
content/themes/drcarlosbyington/PDF/pt/A_Moral,_a_Lei,_a_Etica_e_a_Religiosidade_na_Filosofia,_
no_Direito.pdf> . Acesso em: 17 nov. 2016, p.01.
57
CASTRO, Mônica Neves Aguiar da Silva. Honra, Imagem, Vida Privada e Intimidade, em Colisão
com Outros Direitos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2002, p. 6.
58
VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil – Teoria Geral das Obrigações e Teoria Geral dos Contratos.
v. II, 11ª ed. São Paulo: Atlas, 2011, p. 341.
- 38 -

Código Civil de 2002 em seu art. 186 59, pois para Venosa60 “não é porque o dano
exclusivamente moral é difícil de ser avaliado economicamente que deve ser
deixado de lado”.

Nessa esteira, o dano moral pode ser direto ou indireto. No primeiro caso,
tem-se uma “lesão específica de um direito extrapatrimonial, como os direitos da
personalidade” enquanto que no segundo conceito, observa-se que o mesmo ocorre
quando há uma lesão específica a um bem ou interesse de natureza patrimonial,
mas que de modo reflexo, produz um prejuízo na esfera extra patrimonial.

A exemplo de um furto de bem que possua valor afetivo. Seguindo ainda a


abordagem do novo Direito Civil Constitucional quanto à integridade moral do
indivíduo, tem-se que o dano moral está necessariamente vinculado a alguma
reação psíquica da vítima.

Pode então haver ofensa à dignidade da pessoa humana sem dor, vexame,
sofrimento, assim como pode haver dor, vexame e sofrimento sem violação da
dignidade.

Citada honra quando violada pode ser objeto de reparação, ou por retratação
ou mesmo por indenização, uma vez que a dignidade da pessoa humana passou a
ganhar cada vez mais força com a Constituição Federal de 1988 e o novo Código
Civil de 2002, agora com uma visão não meramente patrimonialista, mas
considerando, cada vez mais, os direitos da personalidade.

Nessa linha de raciocínio, importante se faz explicitar que o dano moral não
deve ser confundido com meros transtornos diários aos quais todos estão sujeitos,
pois estes são aborrecimentos do dia a dia e fazem parte do cotidiano e se fossem
assim classificados como dano moral, a concepção de dano moral e
responsabilidade civil entrariam em descrédito, conforme enfatiza Tartuce61.

O mencionado autor deixa claro que cabe ao juiz, analisando o caso concreto
e diante da sua experiência, apontar se a reparação imaterial é cabível ou não.
Nesse sentido, foi aprovado, na III Jornada de Direito Civil, o Enunciado nº 159 do

59
Art. 186 – Aquele que por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e
causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.
60
Ibid., p. 342.
61
TARTUCE, Flávio. Direito Civil – Direito das Obrigações e Responsabilidade Civil. 7ª ed. São
Paulo: Método, 2012, p. 394.
- 39 -

Conselho de Justiça Federal, pelo qual o dano moral não se confunde com os meros
aborrecimentos decorrentes de prejuízo material.

Trilhando as lições apresentadas, tem-se a questionar como se dariam essas


ofensas causadoras de danos morais, uma vez que transtornos diários cotidianos
não seriam elencados como danos morais sendo definidos como acontecimentos
aos quais todos estão propensos a vivenciar.

Desta forma, Oliveira Júnior62 assevera que as ofensas à honra podem surgir
das mais variadas formas, seja através de escritos (cartas ou bilhetes), seja por meio
de publicações (jornais/revistas/periódicos/folhetos), seja por intermédio das novas
modalidades e transmissão de dados (fax/Internet) ou, ainda, de forma mais comum,
que é a palavra, seja diretamente dirigida, ou por meio de um comentário maldoso a
terceiros (“fofocas”), ou por telefone, ou mesmo pelos meios convencionais de
comunicação, como rádio e a televisão.

Por fim, referidos danos, como já explicitados, podem ser objeto de


indenização e, nessa linha de raciocínio, acrescente-se que ainda possuem uma
abordagem penal sobre o tema conforme será exposto a seguir.

3.1.3 Perspectiva Penal do dano moral

Os abalos provocados à honra do indivíduo são defendidos não só na


Constituição Federal e no Código Civil, mas também no Código Penal. Referido
instrumento normatizador, evidenciando a importância que esse tão valioso bem (a
honra) merece, criou figuras típicas objetivando a defesa da honra do indivíduo
caracterizando assim a: injúria, calúnia e a difamação.

Referidas tipificações estão elencadas nos artigos 138, 139 e 140,


respectivamente, do Código Penal brasileiro de 1940 tratando da imputação falsa de
fato definido como crime a alguém; imputação de fato ofensivo à reputação do
indivíduo; bem como, ofensa à dignidade ou decoro da pessoa.

Nesse sentido, tem-se que as lesões causadas à honra são passíveis de não
somente multas como também reclusão. Assim, observa-se a preocupação que o

62
OLIVEIRA JÚNIOR, Arthur Martinho. Danos Morais e a Imagem. São Paulo: Lex Editora, 2006, p.
40.
- 40 -

direito tem tanto na esfera Civil como na esfera Penal na defesa da honra do
indivíduo, de forma que, existe uma abordagem sobre as tipificações penais, sobre
os crimes que abalam a honra, bem como as possíveis indenizações e penas
oriundas da honra abalada nas esferas penal e civil.

Na abordagem penal acerca da honra, tem-se que o objetivo do presente


trabalho não é esgotar o tema, por tratar-se de seara penal que engloba nuanças
particulares àquela área do direito. Contudo, na esfera civil, a abordagem
aprofundada faz-se necessária.

Objetiva-se então demonstrar no presente estudo a preocupação do


legislador penal na defesa da honra do indivíduo, mesmo que anterior à Constituição
Federal de 1988 bem como ao Código Civil de 2002.

Quando da execução dos crimes de calúnia, injúria e difamação, o objetivo do


sujeito ativo não é o de expor a honra alheia a perigo, mas sim, causar uma efetiva
lesão jurídica.

Para Jesus63 a conceituação típica descreve o comportamento do sujeito e o


resultado, porém, não exige a sua produção. Assim, não é necessário, no crime de
calúnia, por exemplo, que o sujeito consiga obter o resultado visado, que é o dano à
reputação do sujeito, sendo suficiente que o comportamento seja de modo a macular
a sua honra objetiva.

A calúnia é o mais grave de todos os crimes contra a honra previsto no


Código Penal. A lei explicita que, para execução do referido crime, basta que haja a
imputação falsa de um fato definido como crime a alguém. Como exemplo, pode-se
citar chamar alguém de ladrão sem que a pessoa o seja.

Nessa esteira, para Bitencourt64, o bem jurídico protegido no caso em tela é a


honra objetiva, isto é a reputação do indivíduo, ou seja, é o conceito que os demais
membros da sociedade têm a respeito do indivíduo, relativamente aos seus atributos
morais, éticos, culturais, intelectuais, físico e cultural.

Referido crime tem como pena a detenção de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos,
e multa, conforme discrimina o art. 138 do Código Penal. A segunda tipificação de

63
JESUS, Damásio de. Direito Penal – Parte Especial. v. II. 31ª ed. São Paulo: Saraiva, 2011, p. 240.
64
BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal – Parte Especial – Dos Crimes Contra a
Pessoa. 12ª ed. São Paulo: Saraiva, 2012, p. 319.
- 41 -

crimes contra a honra é a difamação, que difere-se da calúnia, pois nesta faz-se
necessário que a ofensa dirigida à vítima tenha o condão de defini-la praticante de
um ato criminoso sem ela ter praticado o citado ato, enquanto que na difamação,
faz-se necessário apenas que “o agente impute fatos à vítima que sejam ofensivos à
sua reputação”. Como pena, o código penal determina a reclusão de 3 (três) meses
a 1 (hum) ano e multa.

Um ponto bastante importante que não pode escapar à análise é que na


calúnia, para efetivação do crime faz-se necessário que a acusação feita à vítima
seja falsa, ou seja, atribuir fato criminoso a alguém que não cometeu. Já na
difamação, isso não importa, seja falsa ou verdadeira a acusação, o simples ato de
se praticar a ofensa já caracteriza o ato criminoso em si. Na análise de Bitencourt 65
sobre a difamação “o fato, ao contrário da calúnia, não precisa ser falso nem ser
definido como crime”.

Por derradeiro, o último crime tipificado contra a honra é o de injúria, que


possui pena de 1 (hum) a 6 (seis) meses de detenção e multa e que é a que tem o
caráter menos grave comparada aos outros dois tipos penais.

Nos casos de discriminação com elementos raciais, religiosos, ou outros, o


crime configura-se como “injúria preconceituosa”, a qual tem pena inclusive similar
ao de homicídio culposo, que gira de 1 (hum) a 3 (três) anos de reclusão e multa
tendo sua proporcionalidade discutida comparativamente às demais infrações
penais.

Na injúria, a honra é ofendida de forma que o indivíduo tem sua dignidade ou


decoro atingidos e segundo Bitencourt66 “é preciso que a injúria chegue ao
conhecimento do ofendido ou de qualquer outra pessoa”, pois a ofensa proferida ou
executada que não chega ao conhecimento de ninguém não existe juridicamente.

Diferentemente da calúnia e difamação, em que existe a imputação de fatos a


alguém, no primeiro caso fatos criminosos falsos e no segundo caso fatos não
criminosos, mas ofensivos e que sejam verdadeiros ou não, na injúria observa-se
que existe a emissão de conceitos negativos sobre a vítima, de forma que

65
BITENCOURT, op. cit., p. 342.
66
BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal – Parte Especial – Dos Crimes Contra a
Pessoa. 12ª ed. São Paulo: Saraiva, 2012, p. 352.
- 42 -

Bitencourt67 descreve bem os caracteres da honra lesados nesse crime, que são a
dignidade e o decoro, citando que a dignidade é o sentimento de honorabilidade da
pessoa, ou seja, seu valor social, que pode ser lesada com expressões como
“bicha”, “ladrão” ou outras formas de se ofender.

Já no que tange ao decoro, o referido autor menciona que o mesmo está


ligado à consciência da própria respeitabilidade social, é a decência que a pessoa
merece e que e ferida como quando alguém é chamado de anta, ignorante, dentre
outros adjetivos ofensivos.

Um ponto importante que não pode deixar de ser mencionado no que tange à
preocupação recíproca que teve os legisladores penal e civil, diz respeito aos
impactos que as ações questionadas em uma seara podem ter em outra. Nesse
prisma, vislumbra-se a situação de um indivíduo que teve sua honra afetada.

Pelo Código Civil, esse indivíduo tem um prazo prescricional de 03 (três) anos
para pretender a reparação civil (Arts. 186 e 206, § 3º, “V” do Código Civil). Contudo,
o indivíduo pode também pleitear dita compensação na esfera penal buscando
reparação por uma injúria, ou calúnia ou difamação, o que deixa evidenciados os
impactos das decisões em uma seara do direito sobre outra na esfera dos danos a
honra.

No exemplo citado, se um processo demorar 10 (dez) anos para ter sentença


transitada em julgado na esfera penal, acrescente-se mais 3 (três) anos e esse será
o prazo final que a pessoa ofendida terá para intentar a ação de reparação pelo
dano moral sofrido, pois pelo Código Civil em seu art. 200, não corre o instituto da
prescrição na seara civil quando existe pendência de julgamento do mesmo fato na
esfera penal.

Ressalte-se observação importante, pois para que a regra do art. 200 do


Código Civil seja colocada em prática, necessário se faz que quando da ofensa, o
sujeito passivo da lesão à honra tenha ao menos adentrado na esfera penal com
uma ação ou ao menos haja um inquérito policial em curso com alguma pretensão.

67
Ibid.
- 43 -

Do contrário, o instituto da prescrição perderia sua eficácia jurídica, conforme


pode ser observado no Recurso Especial nº 1.180.237-MT68 que trata de um
acidente de trânsito em que para ter validade a aplicação do art. 200 do Código Civil,
aponta-se a necessidade de ao menos adentrar-se uma demanda na esfera penal.

De acordo com o que reza o art. 200 do Código Civil de 2002, a prescrição
desse crime só terá seu prazo inicial quando da sentença definitiva na esfera penal,
ou seja, só após a sentença transitada em julgado na esfera penal é que vai
começar a ser contado o prazo prescricional de 3 (três) anos ditado pelo art. 206,
§3º, “V” do Código Civil.

Nessa esteira, Jesus69 acrescenta que quando a honra é ferida através da


calúnia e difamação tem-se um enfoque objetivo (conceito que a sociedade tem
sobre o indivíduo) e quando a mesma é atacada através da injúria, observa-se um
enfoque subjetivo (conceito que ela tem de si própria).

Assim, observa-se que, no primeiro caso, tem-se o enfoque de atributos


morais enquanto que no segundo caso, tem-se o ataque a atributos físicos e
intelectuais. Referido autor acrescenta o ataque à honra comum e à honra especial
(ou profissional), diferenciando uma da outra em alguns aspectos70.

A honra comum diz respeito ao cidadão como pessoa humana no meio em


que o mesmo está inserido, já a honra especial, está ligada à atividade particular de
cada um, é a honra profissional, desta forma, se digo que alguém é ladrão ofendo-
lhe em sua honra comum, entretanto, se o chamo de mal profissional, estou
ofendendo a honra especial.

Por fim, observa-se que a preocupação com a honra não é exclusividade da


legislação civil, permeando por outras legislações a exemplo da legislação penal que
aborta as tipificações da injúria, calúnia e difamação.

68
RESP. 1.180.237-MT (2010/0024327-6) - Recurso especial. Responsabilidade civil. Acidente de
trânsito. Prescrição da pretensão indenizatória. Suspensão prevista no artigo 200 do código
civil. Necessidade de instauração de inquérito policial ou de ação penal. Inaplicabilidade da regra ao
caso. (RESP. – 1180237, nº de distribuição 2010/0024327-6, STJ, Min. PAULO DE TARSO
SANSEVERINO - TERCEIRA TURMA, julgado em 19/06/2012, publicado em 22/06/2012).
69
JESUS, Damásio de. Direito Penal – Parte Especial. v. II. 31ª ed. São Paulo: Saraiva, 2011. p. 238.
70
Ibid.
- 44 -

3.2 O DANO MATERIAL

Feitas as ponderações acerca da análise penal sobre as ofensas à honra do


individuo, bem como as penalidades oriundas de ditas ações, observa-se que o
Código Civil traz também penalidades àqueles que afetem a moral dos indivíduos.

Preliminarmente faz-se necessário determinar o que é um dano. Na ótica de


Santos71, o dano reflete um prejuízo, ou seja, uma diminuição de patrimônio
representando todo ato que diminua ou cause menoscabo aos bens materiais ou
imateriais.

Diante do citado conceito, tem-se que o dano pode girar na esfera material e
patrimonial ou mesmo na esfera imaterial, atingindo assim o psicológico, a
personalidade do indivíduo.

No horizonte de Frota72, o dano material apresenta-se diferenciadamente do


dano moral em face de algumas importantes distinções que o autor cita, sendo os
danos materiais ou morais diferentes desde a sua identificação, pois no dano
material, exige-se uma prova o que não é exigido no segundo tipo.

Já no que tange aos critérios adotados para diferenciação, no dano material


observa-se a indenização, já no dano moral tem-se uma compensação. Temas que
serão abordados nos tópicos a seguir.

3.2.1 O dano material fruto do dano moral

Feitas as devidas ponderações acerca das indenizações por danos morais,


bem como a ótica do Código Penal aplicada sobre a ofensa à honra do indivíduo,
observa-se que o dano moral pode causar impactos nas ordens material e
patrimonial do indivíduo, inclusive por um tempo indeterminado.

Quando se fala em honra, tem-se um direito personalíssimo, dentre outros


citados no capítulo II do Código Civil Brasileiro. Os direitos da personalidade são
absolutos, intransmissíveis, indisponíveis, irrenunciáveis, ilimitados, imprescritíveis,

71
SANTOS, Enoque Ribeiro dos. O Dano Moral da Dispensa do Empregado. 3ª ed. São Paulo: 2002,
p. 74.
72
FROTA, Pablo Malheiros da Cunha. Danos Morais e a Pessoa Jurídica. 1ª ed. São Paulo: Editora
Método, 2008, p.208.
- 45 -

impenhoráveis e inexpropriáveis. O direito da personalidade é o direito da pessoa de


defender o que lhe é próprio, como a vida, a identidade, a liberdade, a imagem, a
privacidade, a honra.

Dada importância do direito à honra, como um direito inerente à


personalidade do indivíduo, bem como um direito fundamental na esfera
constitucional, vê-se que a mesma, quando ferida, pode causar danos imensuráveis
nas esferas psíquica e moral da pessoa humana, de forma que, além disso, referido
dano pode impactar até mesmo na órbita patrimonial das pessoas.

Nesse sentido, Cahali73, diferencia o que é um dano patrimonial do dano


moral, este último que para o referido autor é dado pela privação ou diminuição
daqueles bens que têm um valor precípuo na vida do homem e que são a paz, a
tranquilidade de espírito, a liberdade individual, a integridade individual, a integridade
física, a honra e os demais sagrados afetos.

Classifica, desse modo, em dano que afeta a parte social do patrimônio moral
(honra, reputação, etc.) e dano que molesta a parte afetiva do patrimônio moral (dor,
tristeza, saudade etc.); dano moral que provoca direta ou indiretamente dano
patrimonial (cicatriz deformante, etc.) e dano moral puro (dor, tristeza, etc.).

A exemplo de dano moral, que traz sequelas na órbita patrimonial, tem-se o


caso de um médico que tem sua honra ferida ao ponto de ter seu nome, na
qualidade de profissional, abalado com acusações falsas. Nesse caso, existe um
dano muito maior que o dano moral, pois os pacientes deixarão de demandarem
seus serviços profissionais, o que lhe causará lucros cessantes atingindo até mesmo
o seu patrimônio, em virtude do dinheiro que ele deixará de receber a partir de
então.

Na conceituação de Venosa74 lucro cessante “consiste naquilo que o credor


razoavelmente deixou de lucrar”, ou seja, existia uma expectativa real, ou fruto de
um trabalho comercial ou mesmo por uma clientela já existente e a mesma foi
frustrada pelo dano sofrido.

73
CAHALI, Yussef Said. Dano Moral. 4ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011, p.18.
74
VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil – Teoria Geral das Obrigações e Teoria Geral dos Contratos.
v. II, 11ª ed. São Paulo: Atlas, 2011, p. 339.
- 46 -

Nessa esteira, exemplo similar é o do caso de uma família em que o pai


morre em um acidente e o referido genitor era o responsável pela subsistência de
todos os membros da casa.

Desse modo, dispõe o art. 402 do Código Civil 75 que a extensão do dano
pode ir além do que pode ser visto como perda imediata, mas também engloba
perdas relativas ao que se deixou de ganhar a partir do momento em que se é
vitimado com o dano.

Nessa linha de raciocínio o dano, em toda sua extensão, há de abranger


aquilo que efetivamente se perdeu e aquilo que deixou de lucrar: o dano emergente
e o lucro cessante.

Isso pode ser analisado no caso de um acidente ferroviário no qual a mãe


viúva perdeu seu filho trabalhador em acidente durante transporte ferroviário através
do julgado no qual o STJ concedeu em sede de Recurso Especial, no RESP nº
19.402-SP76 a cumulação de indenização pelo dano material com o dano moral.

O Superior Tribunal de Justiça firmou entendimento de que mesmo sendo


juridicamente autônomas, as indenizações por danos materiais e morais, originadas
do mesmo fato, podem sim serem cumuladas, ex vi do disposto em sua súmula 37.
Face o exposto, observa-se que é mais do que cabível a indenização cumulada de
dano moral e dano patrimonial.

Por fim, observa-se que os direitos da personalidade merecem proteção


especial, não só pelo fato de constarem do novo Código Civil, como também por ser
uma garantia exposta na Constituição Federal e em convenção internacional,
conforme a seguir.

75
Art. 402 - Salvo as exceções expressamente previstas em lei, as perdas e danos devidas ao credor
abrangem, além do que ele efetivamente perdeu, o que razoavelmente deixou de lucrar.
76
RESP nº 19.402-SP - Responsabilidade civil. Acidente durante transporte ferroviário. Ação
indenizatória. Cumulação das indenizações pelo dano material e pelo dano moral. Ação ajuizada
por mãe viúva, ante o falecimento de filho de 17 anos, já assalariado, vitimado em queda de trem.
São cumuláveis as indenizações pelo dano material e pelo dano moral, ainda que oriundos do mesmo
fato. Fixação de indenização pelo dano moral em valor igual a cinquenta salários mínimos vigorantes
a data do pagamento. (RESP. – 19.402-SP, nº de distribuição 1992/0004807-2, STJ, Min. ATHOS
CARNEIRO ANDRIGHI - T4 – QUARTA TURMA, julgado em 30/03/1992, publicado em 20/04/1992).
- 47 -

3.2.2 A indenização por danos morais

A lesão ao dano moral constitui uma agressão a um direito da personalidade,


ou seja, um direito imaterial, de forma que, não há como se mensurar, precisamente,
um ressarcimento a esse direito. Por isso, o legislador civil deixa claro que o que
existe é uma reparação e não ressarcimento a um dano moral efetivo.

Referida conceituação é reforçada por Tartuce77 que aponta que constitui um


dano moral uma lesão aos direitos da personalidade elencados nos arts. 11 e 12 do
Código Civil e para sua reparação não se requer a determinação de um preço, para
a dor ou sofrimento, mas sim um meio para atenuar, as consequências do prejuízo
imaterial, o que traz o conceito de lenitivo, derivativo ou sucedâneo.

Por isso é que se utiliza a expressão reparação e não ressarcimento para os


danos morais. Na ótica de Moraes78, o dano moral tem sua origem etimológica da
palavra em latim “in dene”, que significa devolver o património ao estado em que se
encontrava, o que raramente é possível, sendo assim o dano moral compensado e
não indenizável.

Nesse prisma, observa-se que a reparação de um dano moral dá-se por uma
compensação, pois o dano moral em si não é como um patrimônio atingido no qual
se pode mensurar o quantitativo a ser pago, ou seja, referido dano atinge o aspecto
psicológico do indivíduo.

No que tange à natureza jurídica da indenização por danos morais, tem-se


que não existe unanimidade a respeito da mesma, divergindo assim três correntes
doutrinárias e jurisprudenciais que segundo Tartuce79 são:

1ª Corrente: A indenização por danos morais tem o mero intuito reparatório


ou compensatório, sem qualquer caráter disciplinador ou pedagógico. Essa
tese encontra-se superada na jurisprudência, pois a indenização deve ser
encarada mais do que uma mera reparação;
2ª Corrente: a indenização tem um caráter punitivo ou disciplinador, tese
adotada nos Estados Unidos da América, com o conceito de punitives
damagens. Essa corrente não vinha sendo bem aceita pela nossa
jurisprudência, que identificava perigos na sua aplicação. Porém, nos
últimos tempos, tem crescido o número de adeptos a essa teoria [...]

77
TARTUCE, Flávio. Direito Civil – Direito das Obrigações e Responsabilidade Civil. 7ª ed. São Paulo:
Método, 2012, p. 390.
78
MORAES, Maria Celina Bodin de. Danos à Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-Constitucional dos
Danos Morais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003, p.145.
79
TARTUCE, op. cit. p. 406.
- 48 -

3ª Corrente: A indenização por dano moral está revestida de um caráter


principal reparatório e de um caráter pedagógico ou disciplinar acessório,
visando a coibir novas condutas. Mas esse caráter acessório somente
existirá se estiver acompanhado do principal.
Prevalece hoje no Brasil a 3ª corrente. Contudo, a mesma deve sempre
conter o caráter reparador, sendo o caráter disciplinador acessório, é o exemplo do
Recurso Especial nº 665.425/AM80 que trata de um erro médico que deixou sequelas
estéticas no paciente quando fica claro que não se mensura a dor e sofrimento da
vítima, levando ao ofensor não só a aplicação da uma punição com o caráter
sancionatório, mas também, educativo. Aqui tem-se um dano estético que fere a
honra do indivíduo como preceituam a Constituição Federal em seu art. 5º, X e a
Súmula nº 387 do STJ que trata da cumulação de dano moral com o dano estético.

Referido autor conclui que o dano moral não se resolve em uma indenização
propriamente dita, uma vez que, ao contrario do dano patrimonial que pode ser
mensurado em função da perda material sofrida e indenizado em um valor monetário
que possa trazer ao bem atingido sua forma original, o dano moral não pode ter suas
consequências extintas por um mero pagamento pecuniário, sendo assim
compensado e não ressarcido.

Assim, a imposição de pagamento do ofensor ao ofendido “ao mesmo tempo


que agrava o patrimônio daquele, proporciona a este uma reparação satisfatória”.
Desta forma Tartuce81 demonstra critérios de quantificação da indenização por dano
moral que devem ser observados pelo magistrado na mensuração da mesma, que
se relacionam à extensão do dano, as condições socioeconômicas e culturais dos
envolvidos, as condições psicológicas das partes e o grau de culpa do agente, de
terceiro ou da vítima, valendo acrescentar que desde o arbitramento do quantum a
ser indenizado, o valor deverá ser corrigido monetariamente desde a data do
arbitramento, conforme reza a súmula 362 do STJ.

80
RESP nº 665.425/AM - Direito Civil. Responsabilidade civil. Hospital. Ação de indenização. Dano
moral. Erro médico. Sequelas estéticas e psicológicas permanentes. Conjunto probatório. Montante
indenizatório. Razoabilidade. Súmula 7/STJ. Pré-questionamento. Ausência. Embargos de
declaração. Omissão e contradição inexistentes. Rejeitam-se os embargos de declaração quando
inexistente qualquer omissão, obscuridade ou contradição na decisão embargada. Na revisão do
valor arbitrado a título de dano moral não se mensura a dor, o sofrimento, mas tão somente se avalia
a proporcionalidade do valor fixado ante as circunstâncias verificadas nos autos, o poder econômico
do ofensor e o caráter educativo da sanção. (RESP. – 665.425/AM, nº de distribuição 2004/0068236-
3, STJ, Ministra NANCY ANDRIGHI- T3 - TERCEIRA TURMA, julgado em 25/04/2005, publicado em
16/05/2005).
81
TARTUCE, Flávio. Direito Civil – Direito das Obrigações e Responsabilidade Civil. 7ª ed. São Paulo:
Método, 2012, p. 408 e p. 409.
- 49 -

Desta forma, observadas as considerações do Código Penal quanto ao dano


moral, bem como a possibilidade de indenização pela legislação civil, visualiza-se a
seguir a importância dos direitos da personalidade.

3.2.3 A proteção aos Direitos Personalíssimos

A proteção aos direitos da personalidade pode se dar de forma preventiva ou


mesmo repressiva. Preventiva quando busca-se que o dano não ocorra e repressiva
quando o mesmo já ocorreu e busca-se uma reparação pelo dano sofrido bem como
a continuidade do dano.

A proteção jurídica aos direitos da personalidade está elencada


principalmente no art. 12 do Código Civil82. Nesse prisma o direito de buscar a
reparação de um dano moral é transmissível após o falecimento do titular do direito,
tendo assim seus herdeiros total legitimidade para buscar os direitos feridos do de
cujus.

O direito que sucede é o de ação, de caráter patrimonial, e não o direito moral


em si, personalíssimo por natureza e, portanto, intransmissível”, conforme pode ser
bem observado no julgado transcrito pelo Recurso Especial nº 1.071.158-RJ83 o qual
trata da legitimação dos sucessores para pleitear a indenização pelo dano auferido
ao falecido.

Por derradeiro, vale citar a Convenção Interamericana de Direitos Humanos


(Pacto de São José da Costa Rica), a qual fora inserida em nosso ordenamento
jurídico através do Decreto nº 678/1992, determinou no plano internacional “que os
Estados se comprometam a respeitar e garantir os direitos da personalidade”.

A valoração da dignidade dos ser humano vem sendo alvo de muita atenção
ao longo das últimas décadas, de forma que, observa-se que o direito agora, com

82
Art.12 – Pode-se exigir que cesse a ameaça, ou a lesão, a direito da personalidade, e reclamar
perdas e danos, sem prejuízo de outras sanções previstas em lei.
Parágrafo único. Em se tratando de morto, terá legitimação para requerer a medida prevista nesse
artigo o cônjuge sobrevivente, ou qualquer parente em linha reta, ou colateral até mesmo o quarto
grau.
83
RESP 1.071.158-RJ - Civil e processual civil. Indenização. Dano moral. Vítima. falecimento.
Sucessores. Legitimidade. Pedido. Petição inicial. Interpretação lógico-sistemática. Art. 42 do cp.
Ofensas veiculada sem procedimento extrajudicial. Inaplicabilidade. Ofensas contra juiz.
Inaplicabilidade. Dano moral. Indenização. Revisão pelo STJ. Valor irrisório ou excessivo.
Possibilidade. (RESP. – 1.071.158-RJ, nº de distribuição 2008/0146386-9, STJ, Ministra NANCY
ANDRIGHI - T3 - TERCEIRA TURMA, julgado em 25/10/2011, publicado em 07/11/2011).
- 50 -

uma nova roupagem, passa a entender que a defesa do patrimônio é importante,


contudo, o ser humano tem seus valores que não podem deixar de serem
percebidos, e dentre eles, a honra merece atenção especial por representar um
esforço histórico fruto de sofrimentos e conquistas sociais.

Diante disso, observa-se que a preocupação com os valores relativos à


dignidade da pessoa humana se propaga em outras esferas legislativas, como no
próprio Direito Civil, que após a Codificação de 2002 passou a deixar de dar ênfase
ao patrimônio e aos contratos, como era na codificação de 1916, passando a
assumir uma postura de valoração do ser humano, principalmente no que tange aos
seus valores morais.

4 A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA

4.1 PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E PRESERVAÇÃO DA DIGNIDADE


HUMANA

Na busca pela garantia do direito à honra da pessoa que venha a sofrer um


dano moral, faz-se necessário observar que o indivíduo possui valores que o
identificam socialmente deixando-o de ser apenas um número estatístico ou um
mero registro na análise populacional.

O ser humano possui sua individualidade e características que o diferencia


uns dos outros, de forma que, seus valores morais estão ligados à sua dignidade
perante a sociedade. Desta forma, na visão de Moraes, a dignidade da pessoa
humana é um valor que remete à valorização do ser humano no seu contexto
social84.

A mencionada autora85 acrescenta que o ser humano possui uma


característica distintiva dos outros seres que é uma dignidade e que a raiz da
palavra dignidade é oriunda do latim dignus – “aquele que merece estima e honra e
84
A autora deixa claro que o que distingue o ser humano dos animais é que existe uma qualidade
própria apenas aos seres humanos: uma “dignidade” inerente à espécie humana. Etimologicamente,
a palavra “dignidade” provém do latim dignus – “aquele que merece estima e honra, aquele que é
importante”; diz-se que a sua utilização correspondeu sempre a pessoas, mas foi referida, ao longo
da antiguidade, apenas à espécie humana como um todo, sem que tenha havido qualquer
personificação. Para maior aprofundamento ver em MORAES, Maria Celina Bodin de. Danos à
Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-Constitucional dos Danos Morais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora
Renovar, 2003. p.77.
85
Ibid.
- 51 -

que é importante” - sendo ao longo da antiguidade a espécie humana merecedora


desse atributo.

Assim, a Constituição Federal de 1988, fruto das lutas sociais de um povo que
sofreu durante anos os reflexos da ditadura militar e o período pós-guerra que
demonstrou ao mundo a figura da humilhação e exploração que um ser humano
pode ser submetido, reconheceu a dignidade da pessoa humana com um princípio
norteador da citada carta magna e que se reflete sobre toda a legislação brasileira.

Os princípios gerais do direito condicionam e orientam o ordenamento jurídico


em sua interpretação, e devem ser seguidos obrigatoriamente na edição normativa.
Na visão de Nader86, os princípios gerais representam uma garantia para o critério
de julgamento a ser proferido, sendo os princípios o último elo que o juiz deverá
recorrer de acordo com o direito brasileiro.

Historicamente, o princípio da dignidade da pessoa humana teve suas raízes


nos preceitos cristãos quando se analisava o homem como fruto da obra divina,
sendo então merecedor de um tratamento diferenciado e digno perante os outros,
assim, Moraes87 acrescenta que o cristianismo concebeu a ideia de dignidade
pessoal fundamentando que o homem é originado por Deus para ser o centro da
criação e merecedor de atenção e dignidade especial.

Todavia, mesmo com origens na antiguidade, esse valor chamado dignidade


da pessoa humana, foi realmente aceito de forma impositiva pela legislação em
tempos atuais, elevando-se à classificação de princípio e recepcionado pela
Constituição Federal como norte da legislação nacional fruto de um mundo marcado
pelas guerras mundiais quando atrocidades foram cometidas contra os povos.

É o que deixa claro Soares88 quando menciona que mesmo a dignidade da


pessoa humana sendo uma concepção oriunda de matrizes culturais anteriores,
desde a antiguidade até a idade moderna, sua consagração jurídica é recente.

86
NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. 30ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2008, p.
199.
87
MORAES, Maria Celina Bodin de. Danos à Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-Constitucional dos
Danos Morais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003, p. 77.
88
SOARES, Ricardo Maurício Freire. Elementos da Teoria Geral do Direito. 1ª ed. São Paulo:
Saraiva, 2013, p. 252.
- 52 -

Face o exposto, observa-se a seguir o valor dos princípios em nossa


normatização, bem como a importância do princípio da dignidade da pessoa humana
na legislação pátria.

4.1.1 Princípios: vetores a serem seguidos

Os princípios não estão positivados, todavia, representam a bússola pela qual


a legislação deve mirar-se. Se por exemplo uma determinada norma possa vir a ter
um entendimento dúbio, a inclinação do entendimento que siga os princípios é que
deverá preponderar.

Nesse prisma, os princípios desempenham papel fundamental na legislação


pátria, de forma que, os mesmos devem fazer parte da interpretação legal. Desta
forma, os princípios funcionam como balizadores, contudo, anteriormente à fase
interpretativa ou da análise do caso concreto, os princípios devem estar presentes
na elaboração dos dispositivos legais, conforme explana Nader 89 ao citar que os
princípios desempenham o papel de preencher as lacunas da lei em determinados
momentos.

Mais do que simplesmente valores, os princípios refletem orientações para


todas as normas de um sistema jurídico, ou seja, se uma lei for editada ela deve
seguir uma orientação principiológica, uma vez que, se a mesma for criada em
desacordo com um princípio, exemplo, contra a dignidade da pessoa humana, ela
será tida como inconstitucional, pois a Constituição Federal reflete os princípios
norteadores a serem seguidos pelas demais normas.

Na aplicação de um princípio deverá ser analisada uma situação concreta e,


verificado o comportamento repetitivo da mesma, para daí então criar-se um norte a
ser seguido pelo legislador bem como no julgamento de repetida situação, conforme
assevera Nader90 ao mencionar que o cientista do direito observará as fórmulas
adotadas pelo legislador ao regular várias situações semelhantes, induzindo à
existência de um princípio.

89
NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. 30ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2008, p.
200.
90
NADER, op. cit., p. 203.
- 53 -

No conflito entre princípios, deverá ser observado sempre o princípio da


dignidade da pessoa humana como norteador de todos os demais princípios, assim,
se existir uma querela onde sejam ponderados quais princípios devem ser aplicados
naquele caso, deve-se questionar acerca da dignidade humana que deve está
presente nesse sopesamento, uma vez que a dignidade humana representa um
valor que norteia todos os demais princípios.

Na visão de Nunes91, a dignidade humana tem um valor superior a todos os


demais princípios, pois é a mesma que dá o parâmetro para solução de conflito de
princípios; é ela a luz de todo ordenamento. Tanto no conflito em abstrato de
princípios como no caso real, concreto, é a dignidade que dirigirá o intérprete – que
terá em mãos o instrumento da proporcionalidade – para a busca da solução92.

Nessa esteira, o princípio da dignidade da pessoa humana está presente em


todas as clausulas gerias que atualmente vem sendo adotadas com objetivo de
recepcionar os princípios da Constituição Federal de 1988, conforme elucida
Soares93 ao mencionar que um aspecto marcante do pós-modernismo é a edição de
clausulas gerais com receptáculos de princípios, consagrando o princípio da
dignidade da pessoa humana, previsto no art. 1º, III da Carta Magna de 1988, base
para toda compreensão do conjunto dos direitos fundamentais dos cidadãos.

Ditos princípios são elaborados com a observação reiterada de determinadas


situações objetivando valorizar acima de todos os princípios a dignidade humana
que é um valor conquistado após períodos históricos de guerra em que o ser
humana era desprezado, todavia, questiona-se qual é a essência do princípio da
dignidade humana, o que será elucidado a seguir.

91
NUNES, Luiz Antônio Rizzato. O Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana:
Doutrina e Jurisprudência. 1ª ed. São Paulo: Saraiva, 2002, p.55.
92
“Assim, por exemplo, o princípio da intimidade, vida privada, honra, imagem da pessoa humana
etc. deve ser entendido pelo da dignidade. No conflito entre liberdade de expressão e intimidade é a
dignidade que dá a direção para a solução. Na real colisão de honras, é a dignidade que servirá – via
proporcionalidade – para sopesar os direitos, limites e interesses postos e gerar a resolução”.
93
SOARES, Ricardo Maurício Freire. O Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana. 1ª
ed. São Paulo: Saraiva, 2010, p.137.
- 54 -

4.1.2 O Princípio da Dignidade da Pessoa Humana

A dignidade da pessoa humana é inerente ao ser humano e, de acordo com


Nunes94 “a dignidade humana é um valor preenchido a priori, isto é, todo ser
humano tem dignidade só pelo fato já de ser pessoa”.

Mesmo existente desde a antiguidade, a dignidade humana surgiu na


Alemanha como princípio desde a Constituição Federal de 1949, fruto das
atrocidades sofridas na época do Estado Nazista.

Desta forma, de acordo com Martins95 a Constituição alemã, de 23 de maio de


1949, foi a primeira a constitucionalizar o valor da dignidade da pessoa humana sob
a forma de princípio, em seu art. 1º, nº1, mencionando que: “A dignidade humana é
inviolável. Respeitá-la e protegê-la é obrigação de todos os Poderes estatais.” Sua
constitucionalização decorre, em grande medida, de uma franca reação aos horrores
provocados pelo Estado nazista.

Todavia, no Brasil, foi na Constituição Federal Brasileira de 1988 que esse


princípio ganhou força, após as conquistas do povo frente à ditadura militar e com a
concretização de suas aspirações, nas quais repudiou-se qualquer tratamento
desumano que os indivíduos pudessem sofrer.

A Dignidade Humana tornou-se um farol para todos os demais ramos do


direito, de forma que, segundo Soares96 como a dignidade da pessoa humana está
situada no pico basilar da Constituição de 1988, o legislador conferiu a qualidade de
norma embasadora de todo sistema jurídico a esse princípio orientando a totalidade
do catálogo de direitos fundamentais, tais como os direitos individuais à vida, à
liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, dentre outros.

Nesse horizonte, tem-se que a dignidade humana pode ser analisada por três
prismas de dimensão, onde na primeira dimensão, a dignidade humana é vista como
valores intrínsecos à natureza do ser humano que sequer precisam ser positivados,
a exemplo da vida, da saúde, liberdade e outros direitos que fazem parte da
essência do ser humano.

94
NUNES, Luiz Antônio Rizzato. O Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana:
Doutrina e Jurisprudência. 1ª ed. São Paulo: Saraiva, 2002, p.52.
95
MARTINS, Flademir Jerônimo Belinati. Dignidade da Pessoa Humana. Princípio Constitucional
Fundamental. 1ª ed. Curitiba: Editora Juruá, 2003, p. 36.
96
SOARES, Ricardo Maurício Freire. O Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana. 1ª
ed. São Paulo: Saraiva, 2010, p.135.
- 55 -

Segundo Chohfi e Mendes97, a dignidade de primeira dimensão, como visto, é


de fácil visualização, pois atinge valores tão fundamentais – como a vida, a saúde ou
a liberdade – que dispensam inclusive a letra da lei para sua proteção. São valores
tão aparentes a própria natureza do homem que sua violação é tida como absurda,
passível de uma contra ação suficiente e vultosa, que impeça o mal respectivo.

Já na segunda dimensão, a dignidade humana é tida como atos que são


praticados ilicitamente e que acabam por ferir a dignidade humana, é o exemplo de
um contrato de trabalho no qual o trabalhador é explorado e são privados dele seus
direitos positivados.

Na visão de Chohfi e Mendes98 são nesses direitos que a dignidade é mais


relativizada e, portanto, de difícil percepção, pois justamente nesta esfera das
dimensões é que se praticam atos formalmente ilícitos, mas que no seu âmago
ferem diretamente a dignidade da pessoa humana.

No que tange à terceira dimensão da dignidade humana, tem-se que direitos


como ao meio ambiente saudável ou, mesmo o ambiente de trabalho, são afetados
de forma direta limitando o indivíduo no mundo em que vive ou nas expectativas
profissionais que são frustradas por medidas extremamente absurdas.

Conforme elucidam Chohfi e Mendes99, é o caso, por exemplo, de uma


empresa que lesa o meio ambiente do trabalho seja por até por proceder pressão
psicológica desmedida no ambiente laboral aos funcionários, o chamado assédio
moral coletivo, como ocorre com metas coletivas praticamente impossíveis de serem
alcançadas, e que impedem a remuneração digna esperada.

Com a recepção do princípio da dignidade da pessoa humana, tem-se a


possibilidade de reparação pelos danos extra patrimoniais sofridos, ou seja, um
dano que venha a ofender a honra e a moral do indivíduo pode ser reparado à luz do
princípio da dignidade da pessoa humana.

Nesse diapasão, com a aplicação do princípio da dignidade da pessoa


humana nas relações de direito privado, tem-se claramente a possibilidade de
ressarcimento da um dano moral, conquista essa oriunda da constitucionalização do

97
CHOHFI, Thiago e MENDES, Maristela Piconi. A Segunda Dimensão da Dignidade Humana no
Direito Laboral. São Paulo: Caderno de Direito UNIMEP, 2001, p. 15.
98
Ibid., p.16.
99
Ibid., p.15.
- 56 -

direito civil, conforme aponta Schreiber100, existe agora uma força maior que impõe a
reparabilidade do dano extrapatrimonial.

Finalmente, Moraes101 acrescenta que o dano extrapatrimonial objeto de


reparação na ação de dano moral ferido pela mitigação da dignidade humana é fruto
de uma cláusula geral que tutela a personalidade do indivíduo na esfera civil que
hoje se rege como direito civil constitucionalizado 102.

4.1.3 O papel do Estado na garantia de uma vida Digna

O direito busca garantir às pessoas o convívio em sociedade de forma


pacífica dando às mesmas garantias para essa existência ordenada. Na execução
do mesmo, o Estado atua como promotor dessas garantias e seguranças à
população, exercitando o direito de forma soberana editando normas que venham a
atender às aspirações sociais.

Nesse sentido, Mello103 enfatiza que o direito reflete a soberania estatal, esta
que serve como um instrumento de gestão da sociedade que almeja segurança e
garantias e, com base na soberania estatal, é posto um conjunto de normas jurídicas
que regulam a efetivação dos direitos e garantias.

Todavia, a sociedade é multável com o passar do tempo, uma vez que, com a
evolução histórica, novos acontecimentos e situações surgem com a urgente
necessidade de disciplinamento legal para regular determinadas situações, assim, o
direito busca adaptações às novas situações mirando-as à luz dos princípios que
são fruto das experiências já vivenciadas e que podem ser tomadas como moldes
para criação de novos direitos.

100
SCHEREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2013, p. 90.
101
MORAES, Maria Celina Bodin de. Danos à Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-Constitucional dos
Danos Morais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003.p. 133.
102
“O dano moral tem como causa a injusta violação a uma situação jurídica subjetiva
extrapatrimonial, protegida pelo ordenamento jurídico através da cláusula geral de tutela da
personalidade que foi instituída e tem sua fonte na Constituição Federal, em particular e
diretamente decorrente do princípio da dignidade da pessoa humana (também identificado como
princípio geral de respeito à dignidade humana)”. Para maior aprofundamento verificar em MORAES,
Maria Celina Bodin de. Danos à Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-Constitucional dos Danos Morais.
1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003.p. 133.
103
MELLO, Celso Antônio Bandeira de. O conteúdo jurídico do princípio da igualdade. 3ª Ed. São
Paulo: Editora Malheiros, 2011, p. 80.
- 57 -

Segundo Mello104 as novas necessidades relacionadas com avanços


tecnológicos, realidades econômicas, dentre outras, impulsionam e intensificam a
cada dia um novo processo legislativo. A partir de então, dar-se início a uma
produção contínua de disposições normativas que resulta numa dispersão da
legislação.

De acordo com Passos 105, a vida humana ao longo do tempo sofre alterações
em função do dinamismo fruto da evolução. Face o exposto, o Brasil sofreu ao logo
de muitos anos processos que vieram a fortalecer a criação de um princípio
norteador e protetor do indivíduo que é o princípio da dignidade da pessoa humana.

Para se chegar a esse ponto, o povo brasileiro sofreu drásticas retaliações e


tratamentos desumanos no período de ditadura militar e, segundo Nader106,
representaram o conceito de arbitrariedade, que pode ser praticada com base em
uma ação, ou seja, quando o Estado (por exemplo) vai além de suas competências,
ou mesmo por omissão, quando um órgão da administração pública deixa de fazer
uma um ato para o qual é competente.

Na busca pelo equilíbrio das relações sociais, o disciplinamento jurídico deve


visualizar o ser humano em dois focos, primeiramente contemplando os direitos
individuais da pessoa, nas suas esferas patrimonial e também extra patrimonial.

Posteriormente, é necessário inserir esse mesmo indivíduo dentro de um


contexto social e vislumbrar o direito da coletividade. Do ponto de vista de Nader 107
o objetivo a ser alcançado pelo Estado, na busca pelo alcance dos interesses da
sociedade, inspira-se em filosofias distintas com posições bem definidas onde na
primeira tem-se o indivíduo em primeiro plano e a segunda analisa-se a coletividade
como um todo.

Com a Constituição Federal de 1988, a dignidade humana tornou-se um valor


a ser perseguido pelo ordenamento jurídico pátrio, representando assim uma
finalidade a ser alcançada pelo Estado em seu papel, conforme deixa claro

104
Ibid., p. 83.
105
PASSOS, José Joaquim Calmon de. Direito, Poder, Justiça e Processo. Rio e Janeiro: Forense,
2000, p.54.
106
NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. 30ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2008,
p.138.
107
Ibid., p. 135.
- 58 -

Soares108 ao afirmar que este princípio encontra-se no ápice do ordenamento


jurídico e que o mesmo exprime as finalidades a serem alcançadas pelo Estado e o
conjunto da sociedade civil, emanando-se por toda legislação pátria não podendo
ser pensado de maneira individual, mas sim coletiva.

Desta forma, o Estado não só valoriza o indivíduo, mas sim todo o coletivo
buscando atender os interesses da sociedade civil priorizando o direito coletivo ao
individual, é o que pode ser observado em um Estado de Direito onde são
preservados os direitos humanos.

Para efetivação de seu papel na sociedade, o Estado necessita de


independência e harmonia nos três poderes, bem como que o seu papel não esteja
focado simplesmente na sanção, mas também no cumprimento de obrigações,
conforme enseja a população quando da eleição e seus representantes políticos.

Esse entendimento é reforçado nos dizeres de Nader109 que explica que o


Estado de Direito caracteriza-se pela proteção dos direitos humanos de maneira
efetiva e que para que seja alcançado esse objetivo, faz-se necessário que o Estado
esteja estruturado no modelo clássico de poderes independentes e que os mesmos
interajam com harmonia, além, disso, o Estado não pode ser visto simplesmente
como um poder sancionador, mas sim, como um ente dotado também de
obrigações, com participação do povo na administração pública, pela escolha de
seus legítimos representantes.

Face o exposto, tem-se que o Estado tem obrigações a cumprir frente à


população, todavia é um esforço conjunto na busca da preservação de uma vida
digna para a sociedade, na qual esta tem o dever de buscar saber escolher os seus
representantes que vão disciplinar as leis que regem seu país.

4.2 A BUSCA PELA REALIZAÇÃO DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA


HUMANA

A dignidade da pessoa humana é inerente ao ser humano desde o seu


nascimento, desta forma, a qualidade de ser um ser humano o identifica como

108
SOARES, Ricardo Maurício Freire. O Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana. 1ª
ed. São Paulo: Saraiva, 2010, p.149.
109
NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. 30ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2008,
p.138.
- 59 -

portador do direito à dignidade humana é o que assevera Chohfi e Mendes110 ao


especificar que todo aquele que nasce com vida é detentor de direitos, mesmo que
os mínimos necessários.

Daí se pode abstrair o conceito de dignidade humana, que é um princípio


limitador mínimo desses direitos inerentes ao ser humano, o que não pode ser
aplicado a um animal, por exemplo.

Desta forma, a dignidade almejada é fruto da identidade ética reconhecida no


convívio com outros iguais dotados de livre vontade e que não podem vir a serem
discriminados no grupo social em que convivem. Nas palavras de Moraes 111 o
substrato material da dignidade pode ser visto na ótica de um sujeito moral (ético),
que reconhece a existência de outros.

Além disso, pode-se vislumbrar que os referidos sujeitos são merecedores


do mesmo respeito e integridade física e psicológica e que são dotados de vontade
livre sendo parte de um grupo social, em relação ao qual tem a garantia de não vir a
serem marginalizados.

Assim, a busca pela realização da dignidade humana é uma tarefa não só do


Brasil, mas de outros países que comungam de legislações e tratados comuns
objetivando construir um mundo melhor em que o ser humano possa demonstrar sua
evolução moral fugindo ao comparativo dos primórdios e das barbáries cometidas
séculos atrás.

4.2.1 A criação da Organização das Nações Unidas e os Tratados


Internacionais

Com os conflitos internacionais, países se agruparam no sentido de tomar


medidas necessárias para coibir os abusos praticados no planeta que cercearam a
vida dentro dos parâmetros morais.

Desta forma, com o findar da Guerra Fria, foi criada a Organização das
Nações Unidas – ONU, dando continuidade aos trabalhos empregados pelo
Conselho Nacional das Nações Unidas. O objetivo maior sempre foi o de manter a

110
CHOHFI, Thiago e MENDES, Maristela Piconi. A Segunda Dimensão da Dignidade Humana no
Direito Laboral. São Paulo: Caderno de Direito UNIMEP, 2001, p. 13.
111
MORAES, Maria Celina Bodin de. Danos à Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-Constitucional dos
Danos Morais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003, p. 85.
- 60 -

paz mundial e para tanto, o combate às atrocidades e guerras sempre foi um dos
maiores focos dessa Organização.

Nesse sentido, diversas missões foram executadas pela ONU com o intuito de
buscar manter o equilíbrio internacional, de forma que, segundo Faganello 112, com o
fim da Guerra Fria as peacekeeping operations passaram a ser empregadas com
maior frequência na missão consagrada à Organização das Nações Unidas (ONU),
de manter a paz e a segurança internacional. Foram 35 operações desdobradas
durante a década de 1990.

Foi com a Carta das Nações Unidas que em 1945 a Comunidade das Nações
Unidas estabeleceu matérias relativas à segurança nacional e a busca pela proteção
dos direitos humanos, preservando assim a integridade moral dos indivíduos em um
contexto de guerras em que pessoas eram enviadas para campos de concentração
e executadas em massa.

Na visão de Faganello113, diante das violações aos direitos humanos de forma


massiva efetivadas contra a nação “não eleita” do povo alemão, através de práticas
de torturas, prisões arbitrárias, assassinatos em massa e o envio de milhares de
pessoas para campos de concentração, tais direitos mostraram-se frágeis.

Foi então que, ao final da segunda guerra, em 1945, que a comunidade


internacional foi brindada com a edição da Carta das Nações Unidas que, além de
dispor sobre matéria de segurança internacional, estabelecia como um dos
propósitos da “família das nações” que se formava a proteção e a promoção dos
direitos humanos.

Os direitos voltados para dignidade humana passaram a serem tidos como


fundamentos da paz almejada pela ONU, assim, quando aprovada a Declaração das
Nações Unidas em 1948, os direitos humanos passaram a ter valor focal nas
missões da ONU na busca pela paz.

Segundo Faganello114, quando da aprovação da Declaração Universal dos


Direitos Humanos pela Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU), os direitos

112
FAGNELLO, Priscila Liane Fett. Operação de Manutenção da Paz da ONU: De que forma os
Direitos Humanos revolucionaram a principal ferramenta internacional da paz. Brasília: FUNAG, 2013,
p. 17.
113
Ibid., p. 24.
114
Ibid.
- 61 -

humanos serviram de propósito norteador da Organização das Nações Unidas


(ONU) e passaram a ser reconhecidos como o fundamento da paz, conforme dispõe
seu preâmbulo.

Diante do exposto, observa-se também a questão da receptividade dos


Tratados que são firmados entre outras nações e o Brasil, se os mesmos possuem o
status de norma constitucional suprimindo as demais leis ordinárias brasileiras ou se
encaixam no mesmo patamar das mesmas.

Preliminarmente, cabe deixar claro que a Carta Magna Brasileira é a lei


suprema do país e uma norma ou tratado internacional não pode fazer frente a este
diploma legal, assim, um tratado ou convenção jamais terá o mesmo status da
Constituição Federal de 1988.

Vale ressaltar que os tratados internacionais que tiverem como objeto direitos
humanos, terão um status superior às normas infraconstitucionais, paralisando-as
quando for o caso.

Contudo, no julgamento do RE nº 466.343, o STF decidiu que os tratados e


convenções internacionais sobre direitos humanos, que não incorporados na forma
do § 3º, art. 5º/CF, têm natureza de normas supralegais, determinando a eficácia
paralisante de toda legislação infraconstitucional contrária.

Todavia, se os referidos tratados, que abordam direitos humanos,


ingressarem no Brasil obedecendo aos trâmites exigidos na Constituição Federal
vigente, estes adentrarão ao ordenamento jurídico pátrio com status de normativo
constitucional, conforme deixa claro Almeida Júnior e Perlatti 115.

Esse é também o entendimento de Soares 116, uma vez que os citados


tratados quando obedecem os trâmites constitucionais, por tratarem de questões
relevantes direcionadas à dignidade da pessoa humana, adentram ao ordenamento
jurídico com o status de emendas constitucionais, vez que a referida dignidade serve

115
“Em conformidade com todo exposto, forçoso é reconhecer que a Carta Magna de 1988 incluiu,
dentre os direitos constitucionalmente protegidos, aqueles enunciados nos tratados internacionais de
que o Brasil seja parte. As regras internacionais definidoras de direitos humanos, previstas em
tratados ratificados pelo Brasil, ingressam em nosso ordenamento jurídico com status de norma
constitucional.” Para um maior entendimento verificar em PERLATTI, João Eduardo Franco. O conflito
entre o direito interno brasileiro e os tratados internacionais de direitos humanos. São Paulo:
Paradigma Ciências Jurídicas, 2001. p. 44.
116
SOARES, Ricardo Maurício Freire. Elementos da Teoria Geral do Direito. 1ª ed. São Paulo:
Saraiva, 2013, p.252.
- 62 -

de parâmetro para intelecção dos referidos direitos que, aprovados, em cada Casa
do Congresso Nacional, em dois turnos, por 3/5 dos votos dos respectivos membros,
serão considerados hierarquicamente equivalentes às emendas constitucionais.

Do ponto de vista de Oliveira, em termos de classificação, os tratados podem


ser interpretados como tratados-lei e tratados-contratos, o que facilita os critérios
interpretativos aplicados a um e a outro caso117.

No primeiro caso os Estados membros vinculam-se com os entes


internacionais de maneira uniforme e duradoura, exigindo uniformidade de
interpretação através de um critério objetivo interpretativo.

Já quanto aos tratados contratos, estes exigem uma interpretação subjetiva


onde é ponderada a vontade das partes que participam do processo interpretativo do
mesmo, é o entendimento de Oliveira118.

Por fim, é de competência do Presidente da República assinar ou ratificar os


tratados internacionais, todavia, essa aprovação pode ser rejeitada pelo Congresso
Nacional, conforme deixa claro Gabsch119.

Diante do exposto, observa-se o esforço para se buscar aplacar os conflitos


internacionais com a criação de Organizações voltadas para esse fim, bem como a
receptividade dos tratados internacionais pelo Brasil, inclusive a elevação dos
mesmos ao nível de Emenda Constitucional quando versam acerca de direitos
humanos.

4.2.2 A valorização da honra e do ser humano no Brasil

O contexto de desvalorização da dignidade moral do ser humano avançou no


Brasil ao longo de sua história. Desde sua descoberta, índios foram tomados para
mão de obra e a escravidão perdurou por muito tempo por distinção de raça.

117
“Mesmo que parte da doutrina considere relativa e contestável, em termos gerais, a classificação
entre tratados-lei e tratados-contrato, pelo menos para a determinação dos critérios interpretativos
aplicáveis a uma e outra espécie de tratado sua validade é afirmada”. Para maior aprofundamento ver
OLIVEIRA, Renata Fialho de. Interpretação e Aplicação de Convenções Internacionais em matéria
Substantiva, Processual e Conflitual. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 2014. p. 89-91.
118
“Em função das características dos tratados-contrato e da importância da identificação da vontade
das partes no processo interpretativo, aplica-se para interpretação critérios que valorizem a
interpretação subjetiva”. Ibidem, p.90.
119
GABSCH, Rodrigo D’Araújo. Aprovação de Tratados Internacionais pelo Brasil: Possíveis
Operações para Acelerar seu Processo. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2010, p.35.
- 63 -

Por não serem facilmente subordinados, os índios não eram bons escravos,
papel que ficou para os negros africanos que vieram em navios negreiros para
serem explorados em nosso país.

De acordo com Lopes120, quando a escravidão estava acabando na Europa


ocidental, iniciava-se na América. Na escravidão moderna, observa-se algumas
marcas distintivas: quanto ao regime de produção ela se insere no pacto colonial de
produção das grandes fazendas de produtos de exportação. Quanto aos sujeitos da
escravidão sua marca mais forte será a exclusividade étnica: negos africanos e
indígenas.

Os negros eram tratados como propriedade e não tinham qualquer tipo de


respeito quanto ao seu aspecto moral e, sendo vistos como “coisa”, eram sujeitos a
trabalhos não remunerados, sofriam humilhações, estupros, torturas, chibatadas e
sequer podiam demonstrar sua insatisfação com o tratamento desumano que lhes
era direcionado para não sofrerem penas maiores.

Por conseguinte, mesmo com a abolição da escravatura em 13 de maio de


1888, isso não significou que essa parte do povo brasileiro passou a ter sua
dignidade moral respeitada em todos os aspectos. No geral, governo após governo,
instalou-se no país a ditadura militar, inspirada no pós-guerra, quando buscou-se a
tomada do poder e para tanto, práticas de torturas e perseguições não foram
poupadas, desprezando assim os aspectos morais do povo.

No período pós-guerra, o Brasil também viveu à sombra da ditadura e, de


acordo com Rezende121, as liberdades foram cerceadas dos indivíduos.
Perseguições, torturas, toque de recolher, tudo isso fez parte das ações do governo
militar objetivando coibir o livre exercício dos direitos da população no chamado
terror em nome de uma suposta democracia.

Em 13 de dezembro de 1968 passou a vigorar o Ato Institucional nº 05, o qual


significava a implantação do estado de terror em nome da continuidade e do
aprimoramento da ordem institucional. O executivo passava a ter poderes para
120
LOPES, José Reinaldo de Lima. O Direito na História. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2011, p. 322.
121
“No ano de 1968 a partir do AI-5 – verificou-se a implantação de uma estratégia de terror
implantada pelo Estado com o endurecimento político do Governo Costa e Silva e da preponderância
cada vez maior da linha dura no interior do aparelho de Estado. [...] Prevalecia o arbítrio para tanto,
valia o uso da repressão e da tortura”. Para um maior aprofundamento do tema verificar em
REZENDE, Maria José de. A Ditadura Militar no Brasil: Repressão e Pretensão de Legitimidade.
1964-1984. Londrina : Eduel, 2013. p.89.
- 64 -

intervir em todas as esferas da sociedade. Institucionalizava-se a tortura e outras


formas de repressão.

Conforme relata Rezende122, foram muitas as limitações sofridas pelo povo


que lutou pela concretização de uma nova Constituição Federal que abraçasse os
verdadeiros anseios do povo, dignificando o indivíduo e reconhecendo seus valores
morais e, após muitas lutas e muito sofrimento, finalmente foi realizada a Assembleia
Geral Constituinte que promulgou a Constituição Federal de 1988.

Nela, as liberdades agora eram trazidas de forma que o povo, por exemplo,
através do impeachment poderia inclusive retirar o Presidente da República que não
estivesse atendendo aos anseios do povo.

A Constituição de 1988 traz como centro não mais o patrimônio e os contratos


que eram bastante valorizados no Código Civil de 1916, mas sim o ser humano em
si, e a dignidade da pessoa humana passou a ser um vetor de onde irradiam todos
os demais princípios.

Nessa esteira, assevera Soares123 que o sistema constitucional do Brasil foi


influenciado por tendências abolicionistas buscando emancipar o ser humano
mediante sua dignidade intrínseca, mormente com o advento da Constituição
Federal de 1988, concebida no contexto político-social de redemocratização do país,
após o longo período autocrático da ditadura.

Nesse novo paradigma, os princípios passam a ter um valor muito maior e a


lei uma interpretação voltada para a dignidade humana, ou seja, não basta o que
está escrito simplesmente na lei, é preciso interpretá-la, de forma que, até a
Segunda Grande Guerra Mundial, a teoria jurídica vivia sob a influência do Estado
Legislativo, onde a Lei e o Princípio da Legalidade eram as únicas fontes de
legitimação do Direito, na medida em que uma norma jurídica era válida não por ser
justa, mas sim, por haver sido posta por uma autoridade.

É o que deixa claro Lassale, o mesmo elucida que não adianta o que está
escrito em uma folha de papel e que por mais leis que existam, são as aspirações de

122
Ibid., p. 93.
123
SOARES, Ricardo Maurício Freire. Elementos da Teoria Geral do Direito. 1ª ed. São Paulo:
Saraiva, 2013, p. 255.
- 65 -

um povo que devem criar a lei, e se assim não for, a Constituição de um país nada
mais será que uma mera folha de papel124.

Nessa esteira, conquistas sociais foram alcançadas na busca pela


democracia e com a Constituição Federal de 1988; os anseios sociais foram
atendidos de forma que foram superadas muitas explorações que eram cometidas
até então fruto da ditadura militar.

Com o Neoconstitucionalismo, a Constituição passa a ser o centro de onde


irradiam os parâmetros de todas as demais normas, além do que, os princípios
passaram a ser efetivamente reconhecidos e a dignidade da pessoa humana traz
um norte valorativo aos direitos morais do indivíduo.

Até a concretização desse sonho, muitos movimentos foram realizados e


rechaçados pelo governo que limitava a liberdade de expressão, a liberdade de
imprensa, a liberdade de locomoção e muitos movimentos que vivenciamos nos
tempos atuais eram tidos como agrupamentos criminosos.

Como o exemplo dos movimentos grevistas e estudantis, que de acordo com


Rezende125, eram tidos como clandestinos e ilegais pelo Estado Militar. Greves
bancárias, movimentos de sem terra e de metalúrgicos em Minas Gerais em outubro
de 1968, eram vistas como atentados à ordem institucional.

4.2.3 O Neoconstitucionalismo e as conquistas voltadas para honra

Após um período de ditadura militar, em que havia uma séria de privações


desde reuniões em praças, à liberdade de expressão ou de imprensa, além do
desrespeito à dignidade humana, a Constituição Federal de 1988 trouxe um novo
panorama uma vez que uma séria de direitos e garantias que foram conquistados
pela sociedade que lutava incessantemente por mudar aquele cenário.

Na referida carta magna, uma série de demandas sociais foram efetivadas, a


exemplo de direitos trabalhistas e sociais. O direito ao voto aos maiores de 16 anos,

124
“A essência da Constituição está nos Fatores Reais do Poder que regem uma nação que quando
escritos em folha de papel acabam por receber expressão escrita. A partir desse momento,
incorporamos a um papel não são simplesmente fatores reais do poder, mas sim o verdadeiro direito”.
Para ler mais verificar em LASSALLE, Ferdinand. A Essência da Constituição. 9ª ed. Rio de Janeiro:
Lumen Juris, 2009. p. 20.
125
REZENDE, Maria José de. A Ditadura Militar no Brasil: Repressão e Pretensão de Legitimidade.
1964-1984. Londrina : Eduel, 2013. p.89.
- 66 -

reduções nas jornadas de trabalho de 48 para 44 horas semanais, o direito de greve,


mesmo que ainda não regulamentado, licenças maternidade e paternidade, dentre
outros diretos representaram exemplos de conquistas sociais daquele momento.

Com o advento da Constituição de 1988, deixou-se para traz uma fase


obscura e passou-se a ter liberdades, tanto de expressão, como de imprensa, além
do que, uma grande conquista foi a dignidade da pessoa humana. A nação passou a
ter o poder de exigir do Estado contraprestações para garantia da saúde, educação,
segurança, trabalho e até mesmo lazer.

Com isso o ser humano passou a ser considerado e seus valores morais
dignificados de maneira que abusos que anteriormente eram cometidos, a exemplo
da tortura e do racismo, passaram a serem crimes inafiançáveis.

Conforme explicita Soares126, a dignidade da pessoa humana tornou-se


principio basilar da Constituição Federal de 1988, que se tornou a norma principal de
onde irradiam todas as demais e referencia para os direitos fundamentais, de forma
que, com essa conquista, a qualidade moral do indivíduo também passa a ser
valorizada cada vez mais.

Citado autor menciona que o legislador brasileiro conferiu à ideia de dignidade


da pessoa humana a qualidade de norma embasadora de todo o sistema
constitucional, e este princípio reflete-se sobre os direitos individuais, tais como à
vida, a liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, além disso, irradia-se
sobre direitos sociais como educação, a saúde, a moradia, o lazer, a segurança, a
previdência social, a proteção à maternidade e à infância, à assistência aos
desamparados; os direitos dos trabalhadores urbanos e rurais; os direitos da
nacionalidade; os direitos políticos e os direitos difusos, regulados em diversos
preceitos da Carta Magna.

A Constituição Federal de 1988 representou não somente o fim da ditadura


militar, mas também a conquista da redemocratização do país, de forma que, o
brasileiro passou a participar mais ativamente da vida política nacional a ponto de
até mesmo retirar do poder seus representantes políticos que não correspondam
aos anseios da nação.

126
SOARES, Ricardo Maurício Freire. O Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana. 1ª
ed. São Paulo: Saraiva, 2010, p.135.
- 67 -

Diante disso, pessoas que não possuíam moradia se reuniram em


movimentos sociais ganhando proteção, políticas sociais mais direcionadas foram
aplicadas, edificou-se um novo modelo de Estado Social buscando o bem estar da
comunidade.

Nesse diapasão, conforme elucida Barroso127, a Constituição Federal de 1988


além de ser o símbolo maior de uma história de sucesso, representou a transição de
um Estado autoritário, quando uma série de abusos eram cometidos, com uso de
intolerância e violência, passando a ser um Estado Democrático de Direito, definindo
então o referido autor que “A Constituição de 1988 foi o rito de passagem para a
maturidade institucional brasileira.”

Com as conquistas oriundas da Constituição Federal de 1988, a referida


Carta Magna passou a ter supremacia normativa acima de todas as demais normas,
de forma que, a mesma passou a irradiar as diretrizes a serem miradas por todos os
outros instrumentos normativos.

De acordo com Barroso128, “[...] a Constituição promoveu uma transição


democrática bem sucedida e assegurou ao país estabilidade institucional mesmo em
momentos de crise aguda.” O direito Constitucional passou então para o ápice das
normas.

Hoje se fala em Direito Civil Constitucional, em Direito Empresarial


Constitucional e outros ramos do Direito que foram constitucionalizados, uma vez
que agora os mesmos seguem os ditames da Constituição Federal de 1988, o que
representou um novo pensamento constitucional voltado a reconhecer a supremacia
axiológica da Constituição.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a teoria jurídica era influenciada pelo


Estado Legislativo de Direito, ou seja, valia o que estava positivado, sem se analisar
juízos de valores acerca da aplicação real da justiça ao caso concreto.

O novo direito constitucional pondera as normas à luz de princípios


norteadores que traduzem as situações concretas em conformidade com os
princípios que buscam justamente a efetivação da justiça.

127
BARROSO, Luis Roberto. O Constitucionalismo Democrático no Brasil: Crônica de um Sucesso
Imprevisto. Revista Neoconstitucionalismo em Perspectiva. Viçosa: UFG, 2014.p. 28.
128
Ibid., p. 33.
- 68 -

De acordo com Soares129, um ponto que marca o neoconstitucionalismo é a


frequente utilização de princípios jurídicos embasando processos hermenêuticos e
decisórios conciliando ideias de justiça com exigências de segurança e legalidade.

No Neoconstitucionalismo, o poder emana do povo através de seus


representantes legais e os valores explícitos na nova Constituição são frutos de
reflexões e visão histórica objetivando o aprimoramento de processos de controle do
poder com a finalidade de aprimoramento da convivência social e política.

Assim, observa-se que o Neoconstitucionalismo é fruto de um esforço da


coletividade que abarcou na nova Constituição seus anseios onde a analise legal
deixa de limitar-se à letra morta da lei, mas sim, seu real sentido busca pela justiça,
análise por princípios e alcance da realização dos direitos fundamentais.

Por derradeiro, a Constituição tornou-se a norma superior a todas as demais,


atribuindo poder imperativo a ela sobre os demais institutos, sob pena de sanção.
Deste modo, no constitucionalismo moderno a Nova Constitucional nasceu para
edificar o Estado de Direto.

5 DIREITO A HONRA – BANALIZAÇÃO BILATERAL

5.1 DEMANDAS JUDICIAIS PLEITEANDO DANOS MORAIS

Na busca da garantia do direito à honra, tutelado pela Constituição Federal de


1988 e pelo Código Civil de 2002, o indivíduo que tem referido instituto mitigado
demanda junto ao Poder Judiciário a reparação pelos danos morais feridos por
outrem.

Para tanto, a Justiça deve analisar o caso concreto e tem a tarefa de filtrar o que
realmente é um dano que venha a ferir a honra do indivíduo e o que é um
acontecimento cotidiano. Muitas pessoas, por exemplo, que adentrarem a um metrô
e que se chocam sendo empurradas em meio à multidão agitada que briga por uma
vaga; não se configura dano que venha a ferir a honra e a moral individual, até
porque, todos os que ali se encontram são vítimas da referida conturbação.

129
SOARES, Ricardo Maurício Freire. Elementos da Teoria Geral do Direito. 1ª ed. São Paulo:
Saraiva, 2013, p.247.
- 69 -

Nessa linha de raciocínio, o magistrado deve fazer um esforço no sentido de


identificar no caso concreto qual a melhor forma de se reparar a honra do indivíduo,
que pode também ser atingida através da calúnia, injúria e difamação, condutas
tipificadas no Código Penal, e no art. 953 do Código Civil de 2002130.

Em conformidade com o que diz Castro131, o bem jurídico honra representa as


qualidades inerentes ao ser humano que definem-no no meio social que o mesmo
ocupa.

Com a possibilidade de reparabilidade pelos danos morais, os indivíduos


adentram ao Poder Judiciário buscando reparação por dano moral nas mínimas
coisas possíveis o que resulta em um inchaço nas demandas judiciais por danos
morais.

Em muitas ações em que conste uma busca legítima por uma reparabilidade por
um dano material, consta-se como pedido acessório a reparação por dano moral,
objetivando-se ganhar uma quantia financeira a mais, o que torna a ação judicial
uma espécie de oportunidade financeira.

Face o exposto, constata-se o dano moral é uma realidade cabendo ao juiz


saber identificar se realmente o dano existe ou é um acontecimento comum e
cotidiano, evitando assim o inchaço de máquina judiciária por demandas
desnecessárias, bem como que o dano moral torne-se uma oportunidade financeira
para pessoas que se aproveitam dessa tutela judicial buscando uma vantagem
monetária.

5.1.1 A honra individual nos acontecimentos cotidianos

Os acontecimentos cotidianos muitas vezes proporcionam situações


desagradáveis aos indivíduos não apenas fisicamente como também verbalmente. O
excesso de demandas do dia a dia fruto da facilidade de informações em um mundo
globalizado e que avança em tecnologias constantemente contribui para o
acentuado aumento de estresse bem como uma luta constante contra o tempo.

130
“CCB – 2002 - Art. 953 – A indenização por injúria, difamação ou calúnia consistirá na reparação
do dano que delas resulte o ofendido.
Parágrafo único. Se o ofendido não puder provar prejuízo material, caberá ao juiz fixar,
equitativamente, o valor da indenização, na conformidade das circunstâncias do caso”.
131
CASTRO, Mônica Neves Aguiar da Silva. Honra, Imagem, Vida Privada e Intimidade, em Colisão
com Outros Direitos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2002, p.05.
- 70 -

A velocidade de informações, a facilidade de comunicações proporcionando


mais reuniões de trabalho, o trânsito congestionado, a exigência crescente de
capacitação intelectual para galgar melhores postos profissionais, todos esse
acontecimentos colaboram para criar um ser humano mais tenso e propenso a
desaguar sua ansiedade com o mínimo aborrecimento.

Na visão de Moraes132, os danos a terceiros podem ser provenientes do


desenvolvimento das atividades cotidianas. Em muito casos, as pessoas são vítimas
de pisadas nos pés, a exemplo de quem transita em transportes coletivos, ou
mesmo empurrões.

Não somente na esfera física, mas as pessoas também sofrem determinadas


agressões verbais fruto do estresse cotidiano ou mesmo interpreta determinadas
palavras de outrem equivocadamente de maneira a se sentir ofendido, e é nesse
contexto que surgem as demandas por danos morais, cabendo ao magistrado
diferenciar o que é um direito à honra ferida ou um mero acontecimento cotidiano.

De acordo com Passos 133, o homem é uma criatura incompleta que necessita
de aceitação social para ter sua realização pessoal, necessitando assim da
aprovação dos outros para se sentir inédito ou irrepetível.

De acordo com Moraes134, é preciso saber identificar o que realmente vem a ser
um dano moral, situações essas que venham a extremar os atributos intrínsecos da
pessoa humana que devem ser protegidos pelo direito.

Ou seja, não é qualquer acontecimento desagradável da vida que pode ser


tipificado como um dano moral. Faz-se necessário que a integridade moral do
individuo seja maculada de forma a trazer-lhe um transtorno de ordem psíquica ou
material que seja representativo para o indivíduo em seu âmbito introspectivo ou na
coletividade na qual o mesmo está inserido, conforme elucida Ferreira135.

132
MORAES, Maria Celina Bodin de. Danos à Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-Constitucional dos
Danos Morais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003, p.175.
133
PASSOS, José Joaquim Calmon de. Direito, Poder, Justiça e Processo. Rio e Janeiro: Forense,
2000, p.41.
134
MORAES, Maria Celina Bodin de. Danos à Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-Constitucional dos
Danos Morais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003, p.72.
135
“Pode-se perceber que como o instituto do dano moral tornou – se algo tão conhecido da
população e está tão ligado ao cotidiano das pessoas que acaba se confundindo com um mero
dissabor, um aborrecimento.
Um mero dissabor não tem condão de gerar uma indenização por danos morais, pois se trata de
situações que o cidadão esta sujeito a passar em seu dia a dia. Para ensejar uma indenização por
- 71 -

Ocorre que no seu dia a dia, devido à quantidade de responsabilidades as quais


o indivíduo está sujeito, o mesmo não se predispõe a sofrer qualquer tipo de
dissabor, de forma que, ser atingido pelo mínimo aborrecimento, mesmo que seja
uma situação mais simples possível que cause um mero dissabor, faz com que ele
se sinta vítima de um dano moral, como bem deixa claro Ferreira 136.

Nesse sentido, buscou-se inserir a possibilidade de demanda por ressarcimento


por danos morais com base no conceito de piunitive damages oriundo das
experiências norte-americanas, de acordo com Frota137, objetivando fugir da
impossibilidade de ressarcir o dano não material, todavia, esclarecendo que os
danos morais fogem aos acontecimentos de menor potencial ofensivo.

Assim, tem-se que o dano de ordem moral deve ser reparado, mas com uma
finalidade não de vingança, como era a lei do talião: “olho por olho dente por dente”,
mas visando aplacar o sentimento de vingança do indivíduo e trazer-lhe um lenitivo
capaz de traduzir a ele que atos que ofendem a honra são punidos com a finalidade
de manter a ordem no convívio social e preservar a dignidade humana. Conforme
elucida Reis138.

Nesse prisma, tem-se que a tarefa de identificar se no caso concreto existe ou


não uma situação que enseje reparação por dano moral não é fácil; o julgador não
só tem que se ater ao caso concreto, como também buscar fundamentação legal e

danos morais é necessário uma dor intensa, um vexame, um sofrimento ou uma humilhação que foge
à normalidade, interferindo no comportamento psicológico do indivíduo. Logo, não é qualquer caso
que se enquadra como dano moral”. Aprofundar em FERREIRA, Thiago Soares. A Banalização do
Dano Moral. Monografia apresentada à Universidade Católica de Brasília. Brasília: Universidade
Católica de Brasília, 2012.ps. 45-47”.
136
“Para que possamos entender, um mero dissabor, um aborrecimento são situações que qualquer
indivíduo está sujeito a passar em seu dia a dia e que acaba sendo confundindo com uma dor, (raiva,
decepção e etc..) e que acaba se parecendo com o conceito de dano moral”. Aprofundar em
FERREIRA, Thiago Soares. A Banalização do Dano Moral. Monografia apresentada à Universidade
Católica de Brasília. Brasília: Universidade Católica de Brasília, 2012.p. 48”.
137
“A grande preocupação em inserir legalmente o caráter punitivo aos danos extrapatrimoniais
advém da experiência norte-americana, pois a ausência de critérios definidos para o arbitramento do
dano, bem como o profundo conhecimento de suas consequências para sociedade, causam
perplexidade, tendo em vista o conceito de dano punitivo (punitive damages)”. Avançar os estudos
em FROTA, Pablo Malheiros da Cunha. Danos Morais e a Pessoa Jurídica. 1ª ed. São Paulo: Editora
Método, 2008. p. 216.
138
“A função da indenização deve, no nosso modo de entender, constituir não um procedimento de
vingança privada e voluntária, mas uma forma de reparar e aplacar o sentimento de vingança nas
pessoas lesionadas” para maior aprofundamento ver REIS, Clayton. Os Novos Rumos da
Indenização Por Dano Moral. 1ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002, p.130.
- 72 -

verificar se existem empecilhos capazes de trazer confusão. Na visão de Passos139


contratempos que ocorrem e tiram o direcionamento de nossas vidas acabam sendo
uma espécie de dano que precisa ser reparado 140.

Desta forma, observa-se que na esfera individual, por exemplo, é difícil


identificar se o indivíduo foi ofendido na sua honra subjetiva, pois em determinados
contextos algo que para algumas culturas ou países pode ser tido como ofensivo
para outros pode não ser.

Na esfera legal, tem-se o exemplo trazido por Schreiber, explícito no Código


Civil, que e o caso da ingratidão traduzida pela injúria grave ou calúnia, que são
capazes de revogar a sucessão hereditária141.

Outra peculiaridade que deve ser considerada é se o dano sofrido pelo indivíduo
foi capaz de causar alterações na vida do mesmo, bem como se houve algum tipo
de sofrimento, pois se assim não ocorreu, haverá ali a identificação de um dissabor
cotidiano ao qual todos são vitimas no seu dia a dia.

Como diz Ferreira142, os meios de comunicação acabam por influenciar as


pessoas de que qualquer probleminha pode ser objeto de uma ação por danos
morais, o que acaba por desvalorizar esse instituto que não deve ser utilizado dessa
maneira, percebendo-se se de fato houve o dano, qual alteração aquele dano trouxe
a vida do indivíduo, o nível de sofrimento entre outras características.

Outro ponto importante é o que diz respeito a inscrição irregular no cadastro de


proteção ao crédito, se o indivíduo já tiver sido cadastrado em outra situação, novo

139
PASSOS, José Joaquim Calmon de. Direito, Poder, Justiça e Processo. Rio e Janeiro: Forense,
2000, p.11.
140
“Os contratempos derivados do conserto do carro objeto de colisão, por exemplo, mesmo que
sejam pagas as despesas com a utilização de outro veículo, nosso quotidiano foi perturbado e algum
desconforto ocorreu que jamais teria ocorrido não fosse aquele ato causador do dano.”
141
“O Código Civil cuida ainda, com especial atenção, de algumas repercussões patrimoniais da
violação à honra. Como já se adiantou, a codificação autoriza a revogação por ingratidão da doação
por parte do doador se o donatário “o injuriou gravemente ou o caluniou” (art. 557, III), ou, ainda, se
praticou tal ofensa em face do “cônjuge, ascendente, descendente, ainda que adotivo, ou irmão do
doador” (art. 558). Na mesma direção, o art. 1.814 chega ao ponto de eleger a violação à honra como
causa de exclusão da sucessão hereditária, nos seguintes termos:
“Art. 1.814. São excluídos da sucessão os herdeiros ou legatários:
[...] II - que houverem acusado caluniosamente em juízo o autor da herança ou incorrerem em crime
contra a sua honra, ou de seu cônjuge ou companheiro [...]”. Para saber mais ler SCHEREIBER,
Anderson. Direitos da Personalidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2013. p.77.
142
FERREIRA, Thiago Soares. A Banalização do Dano Moral. Monografia apresentada à
Universidade Católica de Brasília. Brasília: Universidade Católica de Brasília, 2012, p.51.
- 73 -

cadastro não cria a possibilidade de reparação por dano moral, é o que elucida a
súmula 385 do STJ, todavia, ressalva-se o direito de busca por cancelamento justo.

Mais um exemplo sobre o tema é o que reza a súmula 370 do STJ que deixa
claro que a apresentação de cheque pré-datado antecipadamente caracteriza sim
um dano moral.

Nessa tarefa de identificação da existência ou não de um dano moral a ser


reparado, o magistrado defronta-se com necessidade de identificação da existência
ou não de oportunistas que objetivam na ação judicial, ter uma satisfação financeira,
tirando uma quantia que não deveria ser objeto da ação para aumentar seus ganhos
financeiros com aquela ação que busca um ressarcimento por um dano moral,
conforme será explicitado a seguir.

5.1.2 Processos judiciais: uma oportunidade financeira ou a busca pela justiça

Muitas demandas são ajuizadas no Poder Judiciário pleiteando indenização por


danos morais, e na verdade, algumas delas não passam de acontecimentos
cotidianos que fazem parte dos dissabores normais.

Todavia, existem também pessoas que, de má fé, adentram com um pedido de


reparação por dano moral junto à justiça objetivando ganhar uma quantia a mais
além do que está de fato sendo objeto da ação.

Por exemplo, um dano de ordem material que não causou um dano moral, mas
que pleiteia-se o segundo em função de um ganho a mais no resultado financeiro da
ação.

Ou ainda, existem aqueles que adentram com um pleito único e específico por
danos morais sem que esse sequer tenha existido. Nesse sentido, cabe ao juiz
analisar especificamente o caso concreto para verificar se o dano moral ocorreu e
avaliar a indenização justa refutando as tentativas de ganhos exorbitantes.

Na visão de Passos143 pode ser comparado a um negócio no qual uma das


partes tem uma lucratividade (aquele que sofreu o dano) e a outra parte (o ofensor)
é quem paga pelo dano e pelo prejuízo que acaba por ter financeiramente, tendo

143
PASSOS, José Joaquim Calmon de. Direito, Poder, Justiça e Processo. Rio e Janeiro: Forense,
2000, p.13.
- 74 -

que sair dessa negociação mercadológica, mas o advogado sempre tem o seu
quinhão financeiro garantido144.

Já na ótica de Byington145, muitos advogados sequer estão preocupados pela


busca da justiça, mas sim única e exclusivamente com seus honorários, às vezes
mesmo sabendo que o seu cliente é culpado146.

Nessa esteira, como a legislação civil pátria não trás critérios específicos para
indenização, o magistrado tende a buscar arbitrar a quantia a ser paga a título de
dano moral, como bem explica Tartuce147, que afirma que mesmo não especificado
no Código Civil de 2002 os critérios para quantificação, bem como indenização, a
doutrina e jurisprudência não são unânimes no que tange aos critérios que devem
ser utilizados, sabendo-se apenas que o magistrado deve-se utilizar do arbitramento.

Desta forma, quanto aos critérios mais utilizados para indenização pelo dano
moral, tem-se o arbitramento, que é o mais comum em nosso país, mas também
existe o método de tarifação, através do qual existe um tabelamento pelo dano
causado, todavia, não é esse o critério predominante no Brasil. A súmula 281 do
STJ reforça esse entendimento “a indenização por dano moral não está sujeita à
tarifação”.

Na busca da aplicação justa de um quantum indenizatório, o juiz deve ter o


cuidado não somente de analisar o lado daquele que sofreu o dano, que não pode
receber um “prêmio de loteria” pelo dano sofrido, mas também o lado do ofensor,

144
“A honra, no mundo capitalista, também tem uma valor de mercado. Se não vale a lei da oferta e
da procura, vale a lei do desencoraja e enriquece. O ofendido precisa lucrar com a ofensa e o ofensor
estimar que o preço pago convida-o a sair do mercado, porque não compensador o negócio. Não me
parece justo, entretanto, que o ganho do ofendido seja tão estimulante que ele se sinta tentado a
explorar esse rendoso negócio. Sem esquecer o sócio de ambos os contendores, o advogado,
sempre beneficiado com uma parcela não muito desprezível do resultado obtido, resultado esse
impossível de ser alcançado sem que entre na cena um terceiro personagem também suspeito – o
magistrado”.
145
BYINGTON, Carlos Amadeu Botelho. A Moral, a Lei, a Ética e a Religiosidade na Filosofia, no
Direito e na Psicologia. Palestra proferida no II Encontro “Ética para o Juiz – Um Olhar Externo”.
Evento da Corregedoria do Tribunal de Justiça de São Paulo. Escola Paulista de Magistratura, São
Paulo, 22 de novembro de 2013. Disponível em <http://www.carlosbyington.com.br/site/wp-
content/themes/drcarlosbyington/PDF/pt/A_Moral,_a_Lei,_a_Etica_e_a_Religiosidade_na_Filosofia,_
no_Direito.pdf> . Acesso em: 17 nov. 2016, p.06.
146
Nesses casos, esses profissionais do Direito frequentemente usam sua inteligência e o seu
conhecimento para descobrir falhas formais que, ou invalidem os processos, ou os prorroguem
indefinidamente. Trabalham dentro da moralidade das leis, para encobrir o delito, ferindo frontalmente
a Ética.
147
TARTUCE, Flávio. Direito Civil – Direito das Obrigações e Responsabilidade Civil. 7ª ed. São
Paulo: Método, 2012, p.408.
- 75 -

que não pode sofrer um quanto indenizatório capaz de leva-lo à falência total, como
diz Santana148.

Nesse diapasão, utiliza-se em nosso país o critério de arbitramento através do


qual o juiz pondera sobre o fato cometido e o dano sofrido analisando o
merecimento da indenização e equalizando um valor que não seja ínfimo a ponto de
estimular o praticante à reincidência, mas também não tão alto que não o leve a
falência; já do lado de quem sofreu o dano o arbitramento deve realmente dar a ele
a sensação de alívio pelo dano sofrido, mas também não pode lhe causar um
enriquecimento descomunal.

Desta forma, evita-se que se oportunize a demanda por dano moral como forma
de um ganho financeiro superior ao dano que realmente foi sofrido por aquele
vitimado em sua honra sem alijar a ação de dano moral que visa uma reparação.

Mesmo sendo o arbitramento o parâmetro mais utilizado em nosso país, existe


também o parâmetro tarifado, no qual os valores são mais ou menos tabelados e os
processos acabam por serem analisados de forma fria, sem verificar-se a existência
de uma análise subjetiva na qual pondera-se sobre o sentimento daquele que foi
ofendido, simplesmente enquadrando a pessoa que fora vítima do dano em
determinada tarifação.

Por fim, Schreiber afirma que a inibição por demandas por danos morais
objetivando uma oportunidade financeira e a justiça no caso em concreto, faz-se
também por uma reparação que não enseje necessariamente um valor monetário, a
exemplo daquele que é ofendido e que pode receber do ofensor um pedido de
desculpas em público como forma de “lavar a sua honra” mitigada149.

148
“A atuação do juiz dirige-se a encontrar uma quantia que não seja ínfima, simbólica, que não
represente uma mera censura judicial, ou reduzida a ponto de desmerecer a relevante natureza
jurídica do bem da vida violado (direitos da personalidade). Por outro lado, o juiz não pode
estabelecer um valor para o dano moral que represente um enriquecimento ilícito da vítima, um
injustificado aumento patrimonial, ou corresponda a um montante desproporcional à condição
econômica do ofensor, fato capaz de levá-lo à ruína”. Para complementar leitura ver SANTANA,
Héctor Valverde. A fixação do valor da indenização por dano moral. Revista de Informação
Legislativa. Brasília a. 44 n. 175 jul./set. 2007. p.27.
149
“À parte a indenização monetária, o dano moral pode ser compensado também de modo não
pecuniário, caso isso atenda ao interesse da vítima. Tome-se como exemplo a situação do
empregado que, humilhado pelo empregador no ambiente de trabalho, decide promover ação judicial
com o legítimo propósito de ver reparado o dano que sofreu em sua honra. É certo que a atribuição
de um valor financeiro tem efeito benéfico sobre a vítima, mas compensação ainda mais ampla pode
ser alcançada, além da indenização em dinheiro, se o empregador for condenado, por exemplo, a
- 76 -

5.1.3 Excesso de demandas judiciais acerca de danos morais

O número de demandas judiciais por danos morais tem aumentado não só pelo
fato de que o indivíduo não aceita ser atingido de forma alguma e para ele tudo é um
dano que fere sua honra, mas também por outros fatores.

Na visão de Ferreira150, alguns fatores que colaboram para o crescimento das


demandas por danos morais estão ligados à assistência gratuita da justiça, a lei dos
juizados especiais (nº 9.099/95)151 e a falta de conhecimento da população da
função pedagógica e punitiva do dano moral.

Com a gratuidade judicial, as pessoas adentram com o pleito de dano moral


sabendo que não haverá ônus na busca de um suposto direito, que na verdade pode
ser ilegítimo, e se a ação não for provida, nada se perde, de forma que, se houvesse
consequências, somente quem de fato sofreu um dano moral iria até o fim arcando
com os custos da ação em busca de um direito legítimo.

Nesse prisma, tem-se que o instituto acaba sendo banalizado, pois o juiz em
alguns casos erra na hora de julgar, e favorece a quem não tinha um direito legítimo
a ser pleiteado.

Desta forma, de acordo com Ferreira152, isso acaba por abarrotar a máquina
judiciária de processos tornando-a cada vez mais lenta e a justiça que deveria ser
feita em tempo justo, acaba sendo postergada, quando não executada, face a pleitos
temerários.

Diz o mencionado autor que este grande número de ações ajuizadas tem gerado
um aumento significativo na quantidade de processo em tramitação no judiciário,
elevando o numero de serviço, causando lentidão nos serviço prestado pelo
judiciário brasileiro.

Desta forma, o juiz não deve se enganar em sua análise, buscando visualizar a
existência ou não do dano, mensurando o quanto a ser pago em função da extensão

afixar no espaço de trabalho pedidos públicos de desculpas ao ofendido”. Ver também em


SCHEREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2013. p. 18.
150
FERREIRA, Thiago Soares. A Banalização do Dano Moral. Monografia apresentada à
Universidade Católica de Brasília. Brasília: Universidade Católica de Brasília, 2012, p.46.
151
“A lei 9.099/95 em seu artigo 54 abarca mais um princípio de relevante importância a ser
observado, para se atingir os fins almejados pela lei, o da gratuidade no primeiro grau de jurisdição.”
152
Ibid.
- 77 -

do mesmo. De acordo com Tartuce153, alguns fatores importantes devem ser


ponderados na analise do magistrado154.

O juiz deve atentar para o quanto a ser indenizado, avaliando a repercussão do


dano e, principalmente, a condição financeira do ofensor, a exemplo, se um ator de
um filme estrangeiro que ganha milhões e tem uma imensa propriedade mundo
afora cometer uma lesão à honra alheia, este não terá nenhum problema em pagar
uma indenização por danos morais em uma quantia, por exemplo, de R$2.000,00. É
um valor insignificante para ele, assim, como saberá que será penalizado desta
forma, reincidirá, tornando a lei ineficaz.

Faz-se necessário, acrescentar que na sua análise o juiz não necessariamente


precisa identificar a existência de um dano material para poder fixar a indenização
por dano moral, que pode ser exclusivo, conforme elucida Schreiber 155: “O dano
moral poderá ser fixado equitativamente pelo juiz, independentemente de existir
prova do dano patrimonial ou o dano patrimonial em si”. Quanto a isso, não há
qualquer dúvida.

Por derradeiro, é pertinente deixar claro que mesmo facilitando o aumento


quantitativo de processos por danos morais na justiça brasileira, a garantia da
assistência gratuita aos processos é um direito, que assegura àqueles que não têm
condições financeiras para arcar com os custos de uma causa, ao acesso à justiça.
Conforme deixa claro Ferreira156.

153
TARTUCE, Flávio. Direito Civil – Direito das Obrigações e Responsabilidade Civil. 7ª ed. São
Paulo: Método, 2012, p.409.
154
“[...] na esteira da melhor doutrina e jurisprudência, na fixação da indenização por danos morais, o
magistrado deve agir com equidade, analisando:
a) a extensão do dano;
b) as condições socioeconômicas e culturais dos envolvidos;
c) as condições psicológicas das partes;
d) o grau de culpa do agente, de terceiro ou da vitima”.
155
SCHEREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2013, p.75.
156
Além disso, é o mandamento constitucional do artigo 5º, inciso LXXIV, ao dispor que “o Estado
prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de fundos”. Regra
constitucional que, sem dúvida, coopera sobremaneira para o acesso da população ao Judiciário,
contribuindo ainda, para a atuação do princípio da igualdade, ao facilitar o alcance de classes menos
favorecidas ao Judiciário, para fazer valer os seus direitos.
Nos termos do artigo 2º desta lei, fará jus ao benefício “todo aquele cuja situação econômica não lhe
permita pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo do sustento próprio
ou da família”. Para maior aprofundamento ver FERREIRA, Thiago Soares. A Banalização do Dano
Moral. Monografia apresentada à Universidade Católica de Brasília. Brasília: Universidade Católica de
Brasília, 2012, p.50.
- 78 -

Desta forma, a conscientização do papel educativo das penas deve ser avaliado
e não buscar sempre uma reparabilidade financeira nas causas por danos morais, o
que requer uma mudança cultural daqueles que adentram às portas da justiça.

5.2 PANORAMA DO PODER JUDICIÁRIO BRASILEIRO

Com o excesso de demandas por danos morais de forma desarrazoada, o


Judiciário acaba enxergando referidas demandas de maneira comum sem dar a
importância que o assunto realmente merece, isso se dá não somente pelo fato de
pessoas demandarem algo que não têm direito com a intenção de um ganho
financeiro extra, mas também pela desmotivação de alguns funcionários públicos e
muitas vezes sua falta de capacitação.

Com o passar dos tempos, mais pessoas tem adentrado ao Poder Judiciário e
essa demanda crescente não acompanha o crescimento da prestação jurisdicional,
que além de morosa, acaba por ter funcionários desmotivados para execução dos
serviços, conforme estudos da PUCRS157.

Outro ponto a ser considerado é que com a Constituição Federal de 1988, várias
conquistas sociais foram garantidas, além de liberdades e o acesso à justiça.
Mesmo com ações intentadas anteriormente à Carta Magna de 1988, os direitos
relativos aos danos morais já possuíam uma perspectiva de garantia, mesmo que de
forma geral.

Nesse sentido, vale ressaltar que o dano moral não é pago, mas sim reparado,
então o magistrado deve ter a devida cautela mesmo com um cenário desfavorável,
com uma maquina pública desmotivada e uma crescente demanda cotidiana de
processos, na análise minuciosa do caso concreto.

Mesmo com todo esse cenário desfavorável, a reparabilidade por danos morais
é um direito que deve ser exercitado por todos os que tiverem sua honra atingida
pleiteando assim seu direito.

157
A pesquisa realizada pela equipe da Administração identificou uma série de problemas com as
equipes administrativas nos Tribunais, dentre elas: baixa motivação, falta de perspectiva de carreira,
falta de conhecimento em gestão, ausência de programas de qualificação, grande número de
estagiários, evasão de servidores, dentre outras”. Para maior aprofundamento ver PUCRS - Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Demandas
judiciais e morosidade da justiça civil. Porto Alegre: PUCRS, 2011, p.192.
- 79 -

5.2.1 Visão do Poder judiciário acerca das demandas pleiteando danos morais

O Poder Judiciário lida com questões relativas a danos morais cotidianamente,


algumas legítimas, outras ilegítimas, todavia, objetivando manter um equilíbrio nos
valores sentenciados, ele tem buscado estabelecer uma média dos valores que
devem ser pagos a título de danos morais, o que em muitos casos sequer é
acrescentado ou diminuído pelas cortes superiores, conforme enfatiza Couto e
Silva158.

Desta forma, os valores pagos estão diretamente ligados à análise do caso


concreto, e neste deverá ser definido o quanto de fato deve ser arbitrado pelo
magistrado, todavia, respeitando um valor razoável para garantir a indenização
daquele que sofreu o dano.

O juiz deve sempre ater-se ao caso concreto para fixação desse valor e, além
disso, objetivar restituir a vítima à situação original em que se encontrava, utilizando-
se de um lenitivo para aplacar o sofrimento ocorrido, é o que elucida Schreiber159
citando que o magistrado deve valer-se de meios não pecuniários para alcançar a
mais ampla compensação do dano moral sofrido.

Schreiber160 aponta o exemplo de um caso no qual a imprensa divulgou a


imagem de uma notícia que causou destaque, vinculando-a a outra situação como
se houvesse nexo de uma com a outra objetivando assim ganhar popularidade da
notícia, o que ensejou certamente uma restituição por um claro dano moral, através
da qual a vítima acabou ganhando popularidade pela sua situação particular ser
veiculada com outra de maior porte161.

158
“Na maioria das vezes, o STJ conserva o valor arbitrado pelas instâncias inferiores, ainda que
esse valor desvie da recomendação da Corte. Por exemplo, em casos de morte a Seção de Direito
Privado do STJ recomenda valores entre 300 e 500 salários mínimos, mas mantém decisões de
tribunais locais até 100 salários mínimos acima ou abaixo do recomendado (entre 200 e 600 salários
mínimos). Assim, os acórdãos que fixam um novo valor são mais expressivos, pois revelam, com
maior rigor, o que o STJ considera razoável”. Aprofundar em COUTO, Igor Costa e SILVA, Isaura
Salgado. A quantificação do dano moral segundo o Superior Tribunal de Justiça. Revista
Civilistica.com, FAPERJ/PUC RIO: a.2. n.1. 2013, p.10.
159
SCHEREIBER, Anderson. Novos Paradigmas da Responsabilidade Civil: Da Erosão dos Filtros da
Reparação à Diluição dos Danos. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2013, p.80.
160
Ibidem, p. 83.
161
“Embaixo da foto do retratado lia-se, em letras menores, a seguinte afirmativa:
“Violência voltou a imperar na Rua Duque de Caxias, atrás do prédio da Delegacia de Cabo Frio.” O
fato retratado pela divulgação da imagem (a presença do sujeito naquela rua) era verdadeiro, sendo
certo que a mesma foto já havia sido utilizada pelo jornal meses antes, sem impugnações, para dar
notícia de um incêndio ocorrido naquela rua, evento que, aí sim, guardava relação com o fotografado.
Todavia, a nova veiculação da foto em notícia atinente a disputa amorosa causou dano à honra do
- 80 -

No sopesamento entre a liberdade de imprensa e a honra individual, deve-se


avaliar se existem dados concretos para difusão de determinada notícia que venha a
macular a honra do indivíduo, bem como se a referida notícia é de interesse público
ou não, uma vez que não sendo, certamente não deve ser divulgada.

É o que assevera Schreiber162 acrescentando que a importante tarefa de


informar não pode ser desvirtuada em sua função genuína, para albergar a
publicação de manifestações pejorativas sobre qualquer pessoa, sem a existência
de dados objetivos cuja transmissão possa assumir interesse informativo para o
público daquele veículo de comunicação.

Existem ainda os danos morais cumulados com danos materiais, que segundo
Couto e Silva, tendem a ter valores bastante diferenciados, pois existem várias
hipóteses de danos materiais específicos, inclusive danos de ordem estética 163.

Referidos autores citam o REsp 519.258 164 relativo à incapacidade relativa de


um jovem que fora acidentado no trânsito no exercício do trabalho, no qual o tribunal
local fixou indenização em 400 salários mínimos por dano moral mais 200 salários
mínimos por dano estético. A Quarta Turma do STJ reduziu para R$ 152.000,00
(366 salários mínimos) por danos morais mais 200 salários mínimos por dano
estético.

Além disso, observa-se no REsp 1.081.432165 o caso de uma criança eu ficou


em estado vegetativo em virtude de afogamento em piscina do condomínio quando
teve o seu cabelo sugado por um ralo de extrema potência na piscina no ano de
1998, de forma que, o tribunal de origem fixou a indenização em R$ 100.000,00 por
danos morais. A Quarta Turma do STJ elevou o valor: R$ 100.000,00 (215 salários
mínimos) por danos morais e R$ 50.000,00 (108 salários mínimos) por danos
estéticos.

retratado e de sua mulher, já que, conforme registrou o TJ/RJ, “quem vê a foto e lê o texto abaixo,
naturalmente a relaciona com a nota divulgada que fala da disputa de duas mulheres a bala, sendo a
figura do apelado, o pivô da referida disputa”. Em outras palavras, o fato real não pode ser divulgado
em conexão com manchete que diz respeito a outro fato, também real, mas que nenhuma relação
guarda com o primeiro.”
162
“Aqui, como em outros campos, o direito de informar não pode servir de carta branca para
estampar declarações de qualquer tipo, sem uma responsável ponderação entre o interesse social na
difusão daquela afirmação e o impacto negativo que pode produzir sobre a honra das pessoas”.
163
COUTO, Igor Costa; SILVA, Isaura Salgado. A quantificação do dano moral segundo o Superior
Tribunal de Justiça. Revista Civilistica.com, FAPERJ/PUC RIO: a.2. n.1. 2013. p.13.
164
REsp 519.258 – STJ, 4ª T., REsp 519.258, Rel. Min. Fernando Gonçalves, j. em 06.05.2008.
165
REsp 1.081.432 STJ, 4ª T., REsp 1.081.432, Rel. Min. Carlos Fernando Mathias, j. em 03.03.2009.
- 81 -

Ou seja, face o exposto fica bem claro que só o caso concreto vai definir sob
qual enfoque o magistrado analisará a causa e definirá qual a posição do Poder
Judiciário frente ao dano moral pleiteado na ação ou mesmo o dano moral cumulado
com um dano material.

5.2.2 Análise de julgados anteriores à Constituição de 1988

Mesmo antes da Constituição Federal de 1988, o ordenamento jurídico pátrio


reconhecia a indenização por danos extrapatrimoniais, é o caso do REsp 232103 SP
que relata um acidente de trem em que a pessoa caiu do veículo ferroviário ficando
inválida.

Mesmo tendo ocorrido em 28 de janeiro de 1983 e negado, em primeira


instância, a parte recorreu e o seu direito a indenização por dano moral foi
reconhecido em segundo grau166.

Nessa esteira, tem-se outro reconhecimento de um dano moral anterior à


Constituição de 1988 com base no REsp 320.462 – SP167, em que se observa um
acidente de ônibus no qual um pai de família falece e a esposa e filho ficam
desamparados, ajuizada a ação de reparação por danos materiais e morais contra a
Viação Transdutra Ltda.

Na primeira instância a parte autora conseguiu o pagamento de pensão


alimentícia, todavia, a Décima Câmara de Férias do Primeiro Tribunal de Alçada Civil
do Estado de São Paulo decidiu que o dano moral era incabível por ser anterior à
Constituição de 1988168.

166
REsp: 232103 SP 1999/0086120-5, Relator: Ministro RUY ROSADO DE AGUIAR, Data de
Julgamento: 18/11/1999, T4 - QUARTA TURMA, Data de Publicação: DJ 17.12.1999 p. 382:
RESPONSABILIDADE CIVIL. Dano moral. Fato anterior a 1988. A indenização pelo dano moral pode
ser deferida por fato ocorrido antes da Constituição de 1988, pois já antes dela o nosso ordenamento
legal admitia a responsabilidade civil do causador de dano extrapatrimonial. Recurso conhecido e
provido.
167
REsp 320462 SP 2001/0048993-1, Relator: Ministro BARROS MONTEIRO, Data do julgamento:
15/09/2005, T4 - QUARTA TURMA, Data da Publicação: DJ 24.10.2005 p.327.
168
RESPONSABILIDADE CIVIL Acidente de trânsito Indenização por morte do marido e pai dos
autores, passageiro da empresa-ré. Responsabilidade objetiva desta, sendo inócua a apuração da
culpa do motorista do ônibus. Pensão corretamente fixada em 2/3 da remuneração auferida pela
vítima à época do acidente, como anotado na carteira de trabalho, resguardando o direito de
acrescer. Descabimento, por outro lado, do dano moral por ser o evento anterior à CF/88. Agravo
retido improvido e apelos parcialmente providos.
- 82 -

Inconformada a autora da ação recorreu ao STJ que acatou a indenização por


dano moral conforme relatório do Min. Barros Monteiro169.

Por conseguinte, de acordo com o REsp 646154 RJ 170, observa-se outro caso
em que o pedido de dano moral ocorreu antes da Constituição de 1988 diante de
falha no pagamento de FGTS.

O relator Min. Humberto Gomes de Barros assevera que o pagamento por danos
morais é cabível mesmo o fato tendo ocorrido 19 anos antes da Constituição Federal
de 1988 porque “A prova do dano moral é desnecessária, bastando a demonstração
do indevido saque do FGTS, para que seja deferida a indenização” cominando
assim na indenização de R$15.000,00.

Nessa esteira, no REsp 512393 SP171 tem-se mais uma caso de fato ocorrido
antes da Constituição Federal de 1988 em que foi reconhecido o pagamento de
indenização por dano moral. Tem-se nessa situação a ocorrência de um dano moral
proveniente da perda de audição de um empregado fruto de acidente de trabalho
oriundo de altos ruídos provocados no ambiente laboral, sendo fixado o pagamento
por danos morais na ordem de R$39.000,00.

169
“O SR. MINISTRO BARROS MONTEIRO (Relator):
1. Prima facie, acha-se satisfeito, no caso, o requisito do prequestionamento, uma vez que a decisão
recorrida apreciou às expressas o tema relativo ao dano moral.
É suficiente, para o atendimento do aludido pressuposto, que a questão jurídica tenha sido analisada
pelo Tribunal de origem, pouco relevando que não tenha sido feita referência, de modo específico,
aos preceitos legais posteriormente invocados no apelo especial.
2. A promulgação da Carta Política de 1988 apenas veio reforçar, na ordem jurídica brasileira, a
previsão já existente da reparação por dano moral. Encontrava-se a indenização contemplada na
regra geral constante do art. 159 do Código Civil de 1916.
Daí o verbete sumular n. 37 desta Casa, que não deixa dúvida alguma a respeito: São cumuláveis as
indenizações por dano material e dano moral oriundos do mesmo fato.
Descabida, pois, a distinção feita pelo acórdão combatido segundo o qual a cumulação por danos
material e moral somente era admissível em favor da própria vítima.
A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é inequívoca a respeito. Quando do julgamento do
REsp n. 232.103-SP, relator Ministro Ruy Rosado de Aguiar, esta Quarta Turma decidiu com base na
seguinte ementa: RESPONSABILIDADE CIVIL. Dano moral. Fato anterior a 1988. A indenização pelo
dano moral pode ser deferido por fato ocorrido antes da Constituição de 1988, pois já antes dela o
nosso ordenamento legal admitia a responsabilidade civil do causador de dano extrapatrimonial.
Recurso conhecido e provido”.
Nesses termos, ao excluir a indenização por dano moral na espécie, o julgado recorrido afrontou a
norma inserta no art. 159 do CC/1916”.
170
REsp: 646154 RJ 2004/0033220-6, Relator: Ministro HUMBERTO GOMES DE BARROS, Data de
Julgamento: 21/11/2006, T3 - TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: DJ 18/12/2006 p. 366.
171
REsp: 512393 SP 2003/0035485-8, Relator: Ministro CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO,
Data de Julgamento: 10/04/2007, T3 - TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: DJ 27/08/2007 p.
220.
- 83 -

Face a todo exposto, observa-se que mesmo que o direito a indenização por
danos morais tenha sido explicitado na Constituição Federal de 1988, o
reconhecimento do mesmo era reconhecido em julgados conforme elencado
anteriormente, com base na regra geral constante do art. 159 do Código Civil de
1916: “Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência, ou imprudência,
violar direito, ou causar prejuízo a outrem, fica obrigado a reparar o dano”.

5.2.3 Visão jurisprudencial nos tempos atuais

Com as decisões dos Tribunais tomadas reiteradamente acerca de determinado


tema cria-se a jurisprudência e, no caso dos danos morais, observa-se que os
indivíduos demandam junto ao Poder Judiciário pleiteando não necessariamente a
justiça, mas em muitos casos, objetiva-se ascender uma querela às vezes de cunho
político ou simplesmente um ganho financeiro, conforme estudos da PUCRS 172.

Na análise dos Tribunais, a honra deve ser preservada, é o que observa-se no


REsp 1.025.047/SP173, no qual um político é acusado durante CPI de engravidar
uma adolescente, o que se comprovada, através de exame de DNA, má-fé e
falsidade na acusação, é passível de indenização por um dano moral, conforme
elucida Schreiber174.

Mesmo que as figuras públicas devam suportar o ônus de seu próprio sucesso e
uma vez enveredando pela carreira de político sabe-se que seu nome pode ser
ventilado em ataques perante o público, não é aceitável que sejam aceitas
acusações falsas objetivando macular a imagem do político, ferindo-lhe moralmente,
o que é passível de uma punição por crime contra honra.

Outro tema enfrentado pelos tribunais é a questão de atribuírem em público a


suspeita de um crime a determinado indivíduo, o que gera na opinião pública uma

172
“O comportamento identificado nas pesquisas de campo realizadas pelos sociólogos
especialmente, tornou possível verificar que os indivíduos – pessoas físicas e jurídicas – utilizam-se
do Judiciário, muitas vezes, de forma alternativa (que não na busca da efetiva prestação
jurisdicional), de acordo com seus interesses”. Para aprofundar ver PUCRS - Pontifícia Universidade
Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Demandas judiciais e
morosidade da justiça civil. Porto Alegre: PUCRS, 2011 pag. 188
173
REsp: 1.025.047/SP SP 2008/0016673-2, Relator: Ministra NANCY ANDRIGHI, Data de
Julgamento : 26/06/2008, T3 - TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: DJ 05/08/2008
174
SCHEREIBER, Anderson. Novos Paradigmas da Responsabilidade Civil: Da Erosão dos Filtros da
Reparação à Diluição dos Danos. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2013, p.80.
- 84 -

tendência a identificar o suspeito como efetivamente praticante do ato criminoso,


agredindo assim a reputação da pessoa.

É o caso do REsp 984.803/ES175 que é, conforme Schreiber176, é um tema


bastante espinhoso, pois visualiza-se mais uma caso de confronto entre os direitos a
liberdade de informação e honra. Por um lado observa-se a necessidade de
informação à sociedade de assunto de seu interesse, todavia, com essa mera
acusação o público tende a discriminar a pessoa socialmente já o julgando como
culpado.

No julgamento, entendeu-se que a imprensa deve resguardar com os devidos


cuidados a imagem daquele que é acusado e, como houve os cuidados e diligências
necessárias, o recurso foi provido em favor da Globo Comunicações Participações
Ltda.

Nesse conflito entre liberdade de imprensa e direito a honra, observa-se no voto


da Ministra Nancy Andrighi (pag. 6) que a solução da lide não se dá pela negação de
um desses dois direitos, mas sim, coma busca do ponto de equilíbrio entre os dois
direitos para que possam os mesmos conviverem de forma harmonizadora evitando
excessos.

Além disso, tem-se o direito de resposta que é garantido pela Constituição


Federal em seu art. 5º, V, e que deve ser proporcionado na mesma intensidade do
dano que fora provocado. Ou seja, se insulto alguém em um meio televisivo com
alcance nacional, não posso garantir o direito de resposta ao ofendido em uma rádio
local cujo público seja bastante restrito, deixando todo o resto do país de ter acesso
ao referido veículo transmissivo. É o que deixa claro Schreiber em suas lições177.

Quanto aos valores pagos por ofensa a honra, a jurisprudência tem entendido
que vítimas com maior poder aquisitivo tendem a receber valores maiores a título de

175
REsp: 984.803/ES: 2007/0209936-1, Relator: Ministra NANCY ANDRIGHI, Data de Julgamento :
26/05/2009, T3 - TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: DJ 19/08/2009. p. 223.
176
SCHEREIBER, Anderson. Novos Paradigmas da Responsabilidade Civil: Da Erosão dos Filtros da
Reparação à Diluição dos Danos. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2013, p.84.
177 “
Outro instrumento importante é o direito de resposta, que consiste na faculdade de replicar ou
retificar matéria publicada. O próprio Supremo Tribunal Federal, na decisão que fulminou a Lei de
Imprensa, ressalvou o direito de resposta, derivado do art. 5º, V da Constituição da República, norma
“de eficácia plena e aplicabilidade imediata”. A resposta deve se dar, no mínimo, a mesma visibilidade
e destaque da matéria difamatória, repelindo-se com veemência a técnica maliciosa de errar em
letras garrafais e corrigir em notas miúdas”. Para maior aprofundamento ver SCHEREIBER,
Anderson. Direitos da Personalidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2013.p. 80.
- 85 -

danos morais, todavia, o magistrado deve cautelar-se em seu julgamento para não
criar uma situação que venha a configurar um enriquecimento ilícito fruto de sua
sentença, conforme explicitam Couto e Silva178 mencionando REsp 959.780 ES 179
com relatoria do Ministro Paulo De Tarso Sanseverino180.

Nesse prisma, Bastos 181 acrescenta o exemplo REsp-222522/MA182 que reflete


decisão do STJ no sentido de minorar o valor arbitrado para pagamento de dano
moral constatado183.

Desta forma, a Corte Superior tem analisado de maneira bastante criteriosa as


questões relativas a danos morais, buscando verificar a origem dos mesmos bem
como o quantum deve ser pago pelo mesmo, considerando a condição social da
vitima e do autor e ao mesmo tempo analisando as condições que causaram o dano
para poder arbitrar o que, de fato, deve ser pago como lenitivo ao prejuízo causado.

178
COUTO, Igor Costa e SILVA, Isaura Salgado. A quantificação do dano moral segundo o Superior
Tribunal de Justiça. Revista Civilistica.com, FAPERJ/PUC RIO: a.2. n.1. 2013 , p. 07.
179
REsp: 959.780/ES: 2007/0055491-9, Relator: Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, Data
de Julgamento: 26/04/2011, T3 - TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: DJ 06/05/2011.
180
“Vítimas com alto poder aquisitivo ou relevância política tendem a receber valores maiores a título
de compensação, ao passo que vítimas de menor padrão socioeconômico recebem quantias
menores. Cabe reproduzir mais uma explicação do Ministro Paulo de Tarso Sanseverino:
“As condições pessoais da vítima constituem também circunstâncias relevantes, podendo o juiz
valorar a sua posição social, política e econômica. A valoração da situação econômica do ofendido
constitui matéria controvertida, pois parte da doutrina e da jurisprudência entende que se deve evitar
que uma indenização elevada conduza a um enriquecimento injustificado, aparecendo como um
prêmio ao ofendido.
O juiz, ao valorar a posição social e política do ofendido, deve ter a mesma cautela para que não
ocorra também uma discriminação, em função das condições pessoais da vítima, ensejando que
pessoas atingidas pelo mesmo evento danoso recebam indenizações díspares por esse fundamento.”
...
Esse arbitramento equitativo será pautado pelo postulado da razoabilidade, transformando o juiz em
um montante econômico a agressão a um bem jurídico sem essa natureza. O próprio julgador da
demanda indenizatória, na mesma sentença em que aprecia a ocorrência do ato ilícito, deve proceder
ao arbitramento da indenização”.
181
BASTOS Guilherme Augusto Caputo. Danos morais: o conceito, a banalização e a indenização.
Revista TST. Brasília, vol. 73, no 2, abr/jun 2007, p.100.
182
REsp: 222522/MA: 2007/0055491-9, Relator: Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, Data
de Julgamento: 26/04/2011, T3 - TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: DJ 06/05/2011.
183
“[...] decisões prolatadas pelo egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão e pelo colendo
Superior Tribunal de Justiça no célebre processo em que o Banco do Brasil S/A foi condenado pelo
juízo de origem a pagar a uma vidraçaria indenização no importe de R$ 258.000.000,00 em
decorrência da indevida devolução de um cheque em valor equivalente a 3,48 salários mínimos. Tal
importância foi reduzida pela egrégia Corte Regional a R$ 145.000,00 e, sucessivamente, a 20
salários mínimos pela colenda Corte”.
- 86 -

6 BREVE VISÃO DO DANO MORAL EM OUTRAS PERSPECTIVAS

6.1 A EXPERIÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

A Suprema Corte Americana é citada neste trabalho em função de sua


importância no contexto mundial e pelo fato de muitas de suas decisões servirem de
parâmetro para os julgados de diversos outros países, inclusive o Brasil, de forma
que, observa-se a visão histórica da Suprema Corte Americana e qual o papel que a
mesma exerce no Judiciário Americano.

Muitas das decisões da Suprema Corte Norte-Americana – certamente com


maior frequência e profundidade que as de qualquer outro tribunal – influíram na
história e traçaram novos rumos à vida da sociedade nos Estados Unidos.

Numa visão mais aprofundada, tem-se que as decisões proferidas pela


Suprema Corte acabam por influenciar também na política dos Estados Unidos.
Nesse prisma, observa-se que as decisões de julgados relativos a danos morais
naquele país estão fundamentadas no punitive damage o que será abordado em
seguida.

Por conseguinte tem-se que mesmo pautado no punitive damages existe uma
preocupação muito grande em não se gerar enriquecimento desmensurado à
pessoa lesada fruto da aplicação desse método de punição.

Desta forma, muitas das decisões da Suprema Corte Americana acabam por
influenciar nas decisões do judiciário brasileiro. Nesse prisma, questiona-se acerca
das alternativas adotadas pelo Brasil no que tange às ações por danos morais, se as
mesmas são positivas ou não.

Observa-se também alternativas que podem ser adotadas para poder


amenizar a questão dos danos morais no Brasil, bem como a forma como os
referidos processos são recepcionados pelo judiciário brasileiro buscando uma
administração focada em um planejamento bem como uma reeducação por parte
daqueles que buscam a justiça pleiteando danos morais.
- 87 -

6.1.1 A Suprema Corte Americana

A criação da Suprema Corte dos Estados Unidos é fruto de uma previsão


expressa na Constituição Federal Americana e a mesma tem sua sede localizada
em Washington nas proximidades do Capitólia 184, conforme enfatiza Moraes185.

Contudo, a mesma ocupou a sede do Capitólia por um bom período e


somente no século XIX passou a ter sua sede própria a partir de 1935, é o que deixa
claro Baum186 quando em suas lições informa que a referida Corte reunia-se
anteriormente no Royal Exchange Building, em Nova York, e, depois, no Old City
Hall, na Filadélfia mudando-se para Washinton com o resto do Governo Federal no
início do século XIX. Nos 130 anos seguintes, ocupou vários lugares no Capitólio,
como “inquilina” do Congresso e somente no ano de 1860, obteve uma sede
“permanente” no antigo local do Senado no Capitólio.

No que tange à nomeação de seus juízes, compete ao Presidente da


República essa função, todavia, é o Senado Federal quem confirma a referida
nomeação. Nesse processo, conforme enfatiza Moraes187, “não existe uma
exigência de capacitação para o referido magistrado e a escolha é de cunho
totalmente político”.

Quanto ao número de juízes, a composição da Suprema Corte é formada por


nove juízes sendo um deles o Chief Justice, que é quem preside a Corte, sendo o
mesmo escolhido pelo Presidente da República e sem um mandato com prazo
determinado, é o que elucida Barbosa Moreira 188 em seus ensinamentos189.

184
“O Art. III da Constituição dos Estados Unidos da América prevê em sua seção 1 que o Poder
Judiciário será investido em uma Suprema Corte e nos tribunais inferiores que forem oportunamente
estabelecidos por determinação do Congresso. A Suprema Corte tem sede em Washington,
reunindo-se anualmente durante um período que começa na primeira segunda-feira de outubro e
dura normalmente até o início de junho, ocupando prédio próprio desde 1935, em um quarteirão
inteiro no lado oposto ao Capitólia”.
185
MORAES, Alexandre de. Jurisdição Constitucional: Breves Notas Comparativas sobre a Estrutura
do Supremo Tribunal Federal e a Corte Suprema Norte-Americana. Cadernos de Direito: Cadernos do
Curso de Mestrado em Direito da Universidade Metodista de Piracicaba. Controle de
Constitucionalidade. V.5 n 8-9, jan a dez/2005. São Paulo: 2005, p. 28.
186
BAUM, Lawrence. A Suprema Corte Americana: Uma análise da mais notória e respeitada
instituição judiciária do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Forense, 1987.p. 28.
187
MORAES, op. cit., p. 12.
188
BARBOSA MOREIRA, José Carlos. A Suprema Corte Norte-Americana: um modelo para o
mundo? Revista Brasileira de Direito Comparado. N 26. Rio de Janeiro: Instituto de Direito
Comparado Luso-Brasileiro, 2004, p. 35.
- 88 -

Contudo, nem sempre foi este o número estabelecido de juízes que


compunham a Suprema Corte, uma vez que, desde 1789 o referido número sofreu
diversas modificações ficando a cargo do Código Judicial Federal de 1869
estabelecer o número atual de membros da Suprema Corte Americana, assim, tem-
se que por não ser um número fixado na Carta Constitucional Americana, essas
modificações simbolizaram uma fragilidade no que tange à facilidade de alteração do
numero de componentes da mesma, conforme elucida Moraes190.

No que se refere ao seu papel, a Suprema Corte é um órgão de eminência


política191 e suas decisões repercutem na política nacional de forma bastante
acentuada, é o que enfatiza Baum192: “através de sua interpretação da Lei, a Corte
Suprema desempenha um papel muito importante no sistema de elaboração de
políticas do Governo Federal”.

Quanto à sua competência a mesma recai sobre certas classes especificadas


de casos como um tribunal de julgamento inicial, o que é chamado de competência
original. Estes casos podem ser levados diretamente à Corte. A competência original
da Corte inclui alguns casos nos quais um Estado é parte, e casos que envolvem
embaixadores.

Em conformidade com sua competência apelatória, a Corte pode julgar casos


levados por partes insatisfeitas com decisões das cortes federais de apelação e das
cortes de apelação especializadas do sistema federal. A Corte pode julgar casos

189
“Compõe-se a Suprema Corte de nove membros, intitulados Justices (o Chief Justice, que a
preside, e oito Associate Justices), nomeados pelo Presidente dos Estados Unidos, mediante
aprovação do Senado. O Chief Justice não é eleito pelos seus pares, mas designado pelo Presidente
dos Estados Unidos, que pode escolhê-lo dentre os próprios membros do tribunal ou nomear pessoa
até então estranha a seus quadros. Não há fixação de mandato para o Presidente: salvo o
extraordinário caso de impeachment, ele permanece na presidência até que faleça ou se retire da
Corte”.
190
MORAES, Alexandre de. Jurisdição Constitucional: Breves Notas Comparativas sobre a Estrutura
do Supremo Tribunal Federal e a Corte Suprema Norte-Americana. Cadernos de Direito: Cadernos do
Curso de Mestrado em Direito da Universidade Metodista de Piracicaba. Controle de
Constitucionalidade. V.5 n 8-9, jan a dez/2005. São Paulo: 2005. p. 14.
191
“[...] A Corte Suprema é “política” numa variedade de sentidos. A maior parte das pessoas
nomeadas para a Corte foi, antes, participante ativa da política e, frequentemente, as nomeações são
objeto de considerável disputa política”. Para maior aprofundamento ver em BAUM, Lawrence. A
Suprema Corte Americana: Uma análise da mais notória e respeitada instituição judiciária do mundo
contemporâneo. Rio de Janeiro: Forense, 1987.p. 12.
192
Ibid., p. 16.
- 89 -

levados diretamente dos tribunais distritais em certas ocasiões em que uma lei do
Congresso foi declarada inconstitucional, é o que deixa claro Baum 193.

Além disso, compete à Suprema Corte o reexame de decisões dos Tribunais


Federais de Segunda Instância, bem como as decisões das Supremas Cortes
Estaduais que tenham decidido matéria federal, conforme elucida Barbosa
Moreira194.

Quanto à composição do judiciário americano, tem-se que aos Estados são


compostos por dois conjuntos de tribunais, um para lidar com questões de direito
civil e penal e o outro para lidar com causas de insignificância maior.

De acordo com Baum195, existe uma importância muito grande para os


Tribunais Federais Distritais, uma vez que existem 94 tribunais distritais nos Estados
Unidos – de um a quatro em cada Estado, juntamente com um tribunal no Distrito de
Columbia e em alguns territórios.

No que tange aos tribunais distritais, estes julgam todos os casos federais ao
nível de julgamento de primeira instância, exceto quanto a algumas classes
especializadas de casos que vão para o Tribunal Tributário, Tribunal de Comércio
Internacional e o Tribunal de Reclamações.

Por derradeiro, visualiza-se que a Suprema Corte Americana é responsável


pelo reexame de demais causas julgadas por instâncias inferiores, é o que deixa
claro Barbosa Moreira196 esclarecendo que a principal via de acesso do litigante à
Suprema Corte é a petition for certiorari, que é o requerimento pelo qual se pleiteia
que a Corte reexamine causa julgada por tribunal inferior.

Tecidas considerações importantes acerca da Suprema Corte Americana,


observa-se a seguir com base em que as ações são julgadas pela mesma, criando-
se, no caso dos danos morais, a figura do Punitive Damagens, que hoje é bastante
utilizado nos julgados Americanos fruto de um direito derivado de um costume
Inglês, conforme será abordado a seguir.

193
Ibid., p. 25.
194
BARBOSA MOREIRA, José Carlos. A Suprema Corte Norte-Americana: um modelo para o
mundo? Revista Brasileira de Direito Comparado. N 26. Rio de Janeiro: Instituto de Direito
Comparado Luso-Brasileiro, 2004, p. 38.
195
BAUM, op. cit., p. 23.
196
BARBOSA MOREIRA, op. cit., p. 38.
- 90 -

6.1.2 Punitive Damage

No que diz respeito ao punitive damage, tem-se que o mesmo está


relacionado a uma penalidade além do que é devido pelo prejuízo causado de forma
a desestimular o ofensor a reincidir na ação que provocou o dano moral.

De acordo com Resedá197, constata-se ser uma ideia de vingança devido ao


valor aplicado que pode criar restrições econômicas ao ofensor buscando-se assim
a imposição de uma penalidade, afinal, a ânsia pela sustentação da paz social faz
com que sejam necessários contornos mais agressivos do que aqueles
apresentados pela ideologia do ressarcimento.

De acordo com Bastos198, trata-se de uma indenização com o objetivo de


punir o réu em uma ação civil com um valor suplementar ao que poderia ser
necessário para suprir o agravo recebido, nesse sentido, tem-se que o sentimento
de vingança acaba por ser aplacado com o pagamento da referida quantia.

Acrescente-se que o punitive damage pode ser visto na doutrina americana


por nomes sinônimos 199, contudo, o significado é o mesmo. Nesse prisma,
historicamente tem-se que o punitive damage teve suas origens na Inglaterra, fruto
do direito consuetudinário, quando ultrajes eram punidos de forma severa pelo júri.

Conforme exemplifica Resedá200, mesmo sendo constantemente relacionado


a doutrina americana, a Inglaterra foi o berço do punitive damage por volta do século
XVII . A maioria dos doutrinadores aponta o surgimento do instituto a partir do direito
consuetudinário em decisões nas quais o júri buscava punir os ofensores quando
estes agiam valendo-se de malícia, fraude ou opressão.

A doutrina americana traz ainda a figura do exemplary damage que tem por
intuito coibir a repetição do referido ato criminoso por outrem através de penas

197
RESEDÁ, Salomão. A Aplicabilidade do Punitive Damage nas ações de indenização por dano
moral no ordenamento jurídico brasileiro. Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade
Federal da Bahia – UFBA. Salvador: UFBA, 2008, p. 224.
198
BASTOS Guilherme Augusto Caputo. Danos morais: o conceito, a banalização e a indenização.
Revista TST. Brasília, vol. 73, no 2, abr/jun 2007, p.89.
199
“Porém, antes disso, também é necessário lembrar que o ordenamento americano apresenta
inúmeros sinônimos para o instituto em estudo. “Exemplary damage”, “vindictive damage”, “smart
damage” ou até mesmo “smart money” são expressões utilizadas pelos Norte-Americanos como
equivalentes ao punitive damage. Não há qualquer diferença entre eles, todos se referem ao mesmo
foco”. Ibid., p. 232
200
Ibid., p. 236.
- 91 -

severas. Na visão de Resedá201 “a indenização punitiva possui também a função de


desestímulo a novas condutas danosas, é o que assevera”.

Outras categorias de imputação aos atos danosos são intituladas como actual
damages, que pode ser chamado de compensatory damages e o nominal damage.
No primeiro caso tem-se uma compensação da vítima de forma a desprezar a
situação do sujeito ativo enquanto que no segundo caso existe uma indenização
simbólica para danos causados em menor potencial. Resedá202 acrescenta a
existência de outras duas categorias: “o general damage e o direct damages ou
necessary damages”203 .

O direito americano tem como base jurídica predominante a utilização do


Common Law, ou seja, o direito fundamentado na jurisprudência, o que é diferente
do direito aplicado no Brasil que é fundamentado principalmente no Civil Law, que é
o direito fundado nos textos legais.

Nesse prisma, tem-se que o punitive damage, segundo Resedá204, ganhou


bastante força, tornando-se uma forte arma contra abusos que atingiam a
coletividade americana, mesmo que implantado a somente aproximadamente 60
anos, tem tido um altíssimo uso nos últimos 30 anos.

Nessa esteira, uma preocupação importante não pode deixar de ser pontuada
no que tange às indenizações milionárias, ou seja, muitas vezes, com o intuito de se
punir severamente com um valor acrescido, objetivando a desestímulo de uma ação,
pode-se enveredar por um caminho onde se estimule o enriquecimento fruto de uma
decisão judicial.

6.1.3 Julgados acerca de Danos Morais nos E.U.A

Feitas as ponderações acerca da importância da Suprema Corte e do modelo


utilizado pela mesma para punir de forma severa através do punitive damage,

201
Ibid., p. 226.
202
Ibid., p. 233.
203
“Também conhecido por direct damages ou necessary damages eles estão diretamente
relacionados aos danos desprovidos de valoração econômica. Tais danos, por sua vez, não
necessitam de comprovação, bastando apenas a demonstração da existência do comportamento
ilícito, ou seja, do nexo causal. São consequências de atos que por si só já possuem uma presunção
de prejuízo, como no caso da perda de um ente querido”.
204
RASEDÁ, op. cit., p. 240.
- 92 -

observa-se através das situações a seguir expostas como se deu a evolução da


aplicação deste instituto em determinados casos relativos a danos morais.

Preliminarmente, visualiza-se que, segundo Resedá205, “os primeiros registros


relativos ao punitive damages datam de 1791” através do caso conhecido como
Coryell v. Colbough. Na referida lide observa-se o não cumprimento de uma
promessa de casamento, ferindo os costumes da época e causando transtornos
emocionais indescritíveis para mulher vitimada. Os jurados decidiram pela aplicação
do pagamento de uma indenização à vítima no intuito de lhe preservar e também
evitar que futuramente outros viessem a ter a referida atitude.

Outro caso marcante, segundo Lanne206, foi travado entre a BMW of North
America vs. Gore (Certiorari to the Supreme Court of Alabama nº 94-896.
Argumentos em 11/10/95 – Decisão em 20/05/96) no qual houve um valor
condenatório a título de punitive damage elevadíssimo, todavia a Suprema Corte
ventilou que mesmo sendo valor exorbitante, seria justificado por ser uma
penalidade imposta pelo Estado a quem descumpre suas leis, baseando-se no
interesse do Estado em proteger sua economia e seus consumidores.

Foi marcante também o julgado acerca do caso conhecido como Ford Pinto
Case que segundo Resedá207, envolveu a empresa automotiva Ford no ano de 1972
quando a condutora do veículo Ford Pinto, Sra. Luly Gray, foi vitimada em acidente
de trânsito em autoestrada indo a óbito, e o passageiro Richard Grimshaw, de treze
anos de idade, sofreu lesões corporais gravíssimas. A empresa sopesou os custos

205
RESEDÁ, Salomão. A Aplicabilidade do Punitive Damage nas ações de indenização por dano
moral no ordenamento jurídico brasileiro. Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade
Federal da Bahia – UFBA. Salvador: UFBA, 2008, p. 241.
206
LANNE, Yuri Nathan da Costa. Indústria do dano moral ou da lesão? uma solução a partir do
instituto do punitive damages . ARGUMENTUM. Revista de Direito. n 15. São Paulo: UNIMAR, 2014,
p. 177.
207
RESEDÁ, op. cit., p. 243: “No julgamento, ficou provado que, durante testes de colisão, os
engenheiros da Ford descobriram que um acidente envolvendo a traseira do veículo poderia
facilmente romper o tanque de combustível e provocar incêndio. Ocorre que, conforme também se
demonstrou, a linha de produção já se encontrava montada ao tempo desta descoberta. Desse modo,
os executivos da empresa preferiram produzir o veículo como originalmente projetado, mesmo
sabendo que as intervenções necessárias poderiam evitar danos e salvar milhares de vidas. Um
documento interno da própria empresa apresentou estudo envolvendo o custo aproximado das
indenizações relacionadas com o defeito de fabricação do veículo; valor este que incluía as mortes e
lesões corporais. Da mesma forma, foram levantados os gastos necessários para corrigir o problema
a partir de um recall de todos os veículos. O confronto destes dois tópicos possibilitou à empresa
chegar à conclusão de que o pagamento das indenizações era muito mais vantajoso do que o
aperfeiçoamento necessário para evitar os acidentes.”
- 93 -

com produção dos veículos já fabricados bem como de possíveis indenizações e,


devido aos segundos serem mais vantajosos optaram por não corrigir o erro.

Ocorreu também no Novo México, de acordo com Schreiber208, uma situação


que ensejou a aplicação do punitive damage em 1992 contra a MC Donald’s, na qual
uma senhora acompanhava o neto e comprou café, só que a bebida derramou sobre
suas pernas e nádegas causando-lhe queimaduras de segundo e terceiro grau. A
vítima, Sra. Liebeck, ficou internada no hospital por sete dias e mais três semanas
em casa em função de sua elevada idade, 76 anos.

Ela entrou em contato por carta com a MC Donald’s informando que a


temperatura do café deveria ser mais baixa e requereu o pagamento de seus custos
hospitalares na monta de US$2,000.00, acrescido do salário que a filha se privou de
receber em seu emprego em função da companhia que prestou a mãe.

A empresa ofereceu somente US$800.00, o que foi rejeitado pela vítima que
adentrou as vias judiciais pleiteando US$100,000.00 por compensatory damage e o
triplo desse valor por punitive damage. Ficou comprovado que a temperatura sendo
menor poderia ter causado um dano menor à vítima e a empresa foi condenada a
indenizar a autora pelo dano sofrido209.

Outra situação emblemática foi travada entre Curtis Publishing Co. v. Buttus,
quando houve publicação de matéria ofensiva à reputação do demandante em 1962.
Segundo Resedá210, o conteúdo da matéria jornalística versava acerca de uma
acusação na qual um jogo de futebol americano entre as Universidades de Alabama
e Georgia tinha sido combinado com participação do diretor esportivo com base em
escutas telefônicas sem quaisquer provas da real existência dos enlances entre as
partes.

Butts estava pleiteando uma ascensão profissional no quadro de funcionários


ligados a esportes e por causa da notícia publicada acabou sendo prejudicado. Os
jurados determinaram o pagamento de US$ 60,000.00 a título de compesatory
208
SCHEREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2013, p.19.
209
“Após a apresentação das alegações aos jurados, a Mc Donald’s foi condenada no pagamento da
quantia de US$ 200,000.00 a título de danos compensatórios, com redução de 20% em razão da
participação da demandante no resultado e US$ 2,7000,000.00 como danos punitivos. O julgador, por
sua vez, reduziu a quantia em caráter de danos punitivos para US$540,000.00, calculando-os no
triplo do compensatory damage recebido."
210
RESEDÁ, Salomão. A Aplicabilidade do Punitive Damage nas ações de indenização por dano
moral no ordenamento jurídico brasileiro. Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade
Federal da Bahia – UFBA. Salvador: UFBA, 2008, p. 247.
- 94 -

damage e mais US$ 3.000.000,00 como punitive damage. O tribunal reduziu o total
a ser pago para US$ 460.000,00 através de apelação.

Resedá211 assevera os cuidados que devem ser adotados quanto aos


pagamentos de punitive damages objetivando evitar o que ele chama de
transformação das Cortes em “loterias”, mas esses valores certamente são
ajustados quando apreciados por instâncias superiores não passando assim
despercebidos.

6.2 PERSPECTIVAS PARA AS NOVAS GERAÇÕES

Quanto à utilização das soluções aplicadas pela Suprema Corte Americana,


vale salientar, que a justiça brasileira não tem a mesma formatação estrutural que a
justiça americana, a exemplo das decisões proferidas pela tribuna do Júri que não
são aplicadas da mesma forma aqui em nosso país. Desta forma, não há o que se
falar em competência do Tribunal do Júri para aferir, e aplicar, o valor condizente a
título de caráter punitivo dos danos morais.

Nesse diapasão, observa-se a existência de uma grande receptividade do


punitive damage na jurisprudência brasileira, como forma de coibir determinadas
ações que possam ser reincididas ou mesmo desprezadas pelos ínfimos valores
condenatórios.

Quanto às medidas que vêm sendo adotadas pelo judiciário brasileiro,


buscando melhorar a aplicação da justiça, tem-se que é visível o esforço que é
aplicado na busca por uma justiça mais célere e eficaz, a exemplo da criação do
Conselho Nacional de Justiça – CNJ, que tem buscado cobrar mais das autoridades
judiciárias potencializando seus resultados, todavia, na esfera dos danos morais, é
cabível um maior esforço externo no intuito da busca por educar a população acerca
do que vem realmente a ser um dano moral e quando se deve pleitear o mesmo.

Nessa linha de raciocínio, observa-se o papel de advogados oportunistas que


mesmo com o conhecimento necessário se aproveitam dessa brecha legal para
auferirem maiores ganhos no resultado da ação.

211
RESEDÁ, Ibid., p. 253.
- 95 -

Algumas sugestões para as melhorias que podem ser reforçadas no processo


judicial é a busca pela conciliação, mediação e a arbitragem, bem como uma gestão
planejada e participativa em que o processo seja conhecido por todos buscando-se
maior eficácia na celeridade processual, todavia, do lado de quem adentra as portas
do judiciário, o processo educacional ainda se faz essencial objetivando esclarecer
acerca do que deve ou não ser conceituado como um dano moral ou um
acontecimento cotidiano, conforme será explanado a seguir.

6.2.1 Influências da Corte Norte-Americana nas soluções brasileiras

No Brasil a aplicação do punitive damage ainda não tem os contornos


perfeitos a ponto de demonstrar o que é esse instituto, de forma que, preside a ideia
de vingança que deve ser compensada com vultosas indenizações.

Do ponto de vista de Resedá212, muitos daqueles que se dedicam a referida


temática esquecem-se de mencionar que a aplicação do punitive damage se dá
diante de casos considerados de extrema gravidade ou da reiteração de condutas
ofensivas.

Na visão de Schereiber213, no Brasil não existe essa previsão legal, mas, com
o avanço da legislação civil observa-se que a aplicabilidade do caráter
compensatório com o caráter punitivo214.

A receptividade desse instituto na jurisprudência brasileira sobre danos


morais vem ganhando força em virtude da possibilidade de, com indenizações bem
mais altas, coibir-se a reincidência ou estímulo a pratica de determinados atos.

A exemplo, tem-se que aquele que possui ganhos financeiros exacerbados


pode sopesar se vale apena persistir no ato danoso uma vez que a indenização que
vai pagar pode ser simbólica para seus cofres.

212
RESEDÁ, Ibid., p. 227.
213
SCHEREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2013, p. 20.
214
“O instituto não encontra previsão expressa no direito brasileiro. Em nossa tradição, a punição
sempre foi desempenhada pelo direito penal, reservando-se ao direito civil uma função
exclusivamente reparatória. Entretanto, no campo do dano moral, o espírito punitivo tem feito estrada.
No afã de assegurar indenizações mais elevadas às vítimas, a doutrina brasileira tem aludido a um
“duplo caráter” da indenização por dano moral, que combinaria (i) o caráter compensatório, voltado a
reparar o dano moral sofrido, e (ii) o “caráter punitivo para que o causador do dano, pelo fato da
condenação se veja castigado pela ofensa que praticou” . Diversos autores sustentam, nessa direção,
que “a indenização do dano moral tem um inequívoco sabor de pena, de represália pelo mal injusto”.”
- 96 -

À luz desse entendimento, Souza Costa215 aponta que a indenização punitiva


tem ganhado força no Brasil, uma vez que, a simples reparação por dano moral não
tem sido satisfatória na solução de diversos conflitos, por exemplo, no caso em que
o ofensor, mesmo após a reparação do dano que causou, aufere benefício
econômico com o ilícito praticado ou quando o ofensor encara a reparação do dano
como um preço que ele se propõe a pagar para cometer o ilícito ou persistir a
praticá-lo.

Diante do exposto, cuidados são necessários quando da importação de


institutos alienígenas à nossa legislação, uma vez que, a estrutura da Suprema
Corte Americana tem uma formatação que não condiz com a nossa, assim, nem
sempre trazer institutos de outras culturas para nossa pode sempre ser a melhor
saída, conforme deixa claro Barbosa Moreira216.

Como exemplo, tem-se que no Brasil as decisões por danos morais não são
tomadas por um Tribunal do Júri enquanto que nos Estados Unidos o panorama é
esse, tendo o Tribunal do Júri Brasileiro competência para participar no julgamento
de crimes dolosos contra a vida, conforme elucida Resedá217 ao mencionar que a
Constituição Federal de 1988, na alínea d, do inciso XXXVIII, do art. 5º determina a
competência exclusiva para a “o julgamento dos crimes dolosos contra a vida”. Não
havendo o que se falar sobre competência do Tribunal do Júri para aferir, e aplicar, o
valor condizente a título de caráter punitivo dos danos morais.

A necessidade de aplicação do punitive damage no Brasil é importantíssima,


uma vez que os direitos da personalidade precisam ser protegidos, de forma que, o
Poder Judiciário necessita dar uma resposta à sociedade que clama pelo direito de
defesa da sua honra. Desta forma, a busca por uma punição mais elevada ou um

215
SOUZA COSTA, Ana Carolina Gusmão de. Dano Moral e Indenização Punitiva. Artigo Científico
apresentado à Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: EMERJ, 2009, p.
14.
216
: “Uma coisa, no entanto, afigura-se indubitável: várias das características da Suprema Corte norte-
americana causariam estranheza, quando não escândalo, se fossem transplantadas para o nosso
universo judicial. Podem ser aceitas, nos Estados Unidos, com tranquilidade, e até produzir, lá, bons
frutos; não quer dizer necessariamente que fosse proveitoso copiá-las aqui”. Para aprofundamento
verificar em BARBOSA MOREIRA, José Carlos. A Suprema Corte Norte-Americana: um modelo para
o mundo? Revista Brasileira de Direito Comparado. N 26. Rio de Janeiro: Instituto de Direito
Comparado Luso-Brasileiro, 2004. p. 51.
217
RESEDÁ, Salomão. A Aplicabilidade do Punitive Damage nas ações de indenização por dano
moral no ordenamento jurídico brasileiro. Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade
Federal da Bahia – UFBA. Salvador: UFBA, 2008, p. 283.
- 97 -

exemplo para não reincidência, como no exemplary damage, faz-se imprescindível


para que o direito de reparação por danos morais continue a ser valorizado em
nosso país.

Assim, Resedá218 deixa claro que o duplo caráter do punitive damage, vem
sendo plenamente aceito no Brasil no que tange às ações de danos morais
individuais, ganhando cada vez mais força na jurisprudência, apesar de não ser um
comportamento majoritário, mas já existem posturas mais rígidas do Poder Judiciário
na aplicação desse instituto.

O que não pode ser refutado é o objetivo da aplicabilidade desse instituto que
é o de ressarcir o dano moral sofrido, bem como desestimular a reincidência da
prática que gerou esse dano.

6.2.2 Brasil: as medidas adotadas pelo judiciário Brasileiro são positivas?

Ao longo dos tempos, as demandas judiciais vêm crescendo de maneira


exacerbada, isso é fruto do crescimento populacional bem como do dinamismo das
relações sociais fruto das facilidades e tecnologias que fazem com que o contexto
de vida atual exija muito mais do ser humano, o que se traduz em situações estresse
e impaciência.

Com isso e com as garantias proporcionadas pela legislação vigente, a


exemplo da lei dos juizados especiais e da justiça gratuita, as demandas por
ressarcimento por danos morais são cada vez maiores. Não distante, a máquina
judicial não acompanha o referido crescimento, de forma que, existem dois
panoramas a serem visualizados no que tange ao tratamento que é dado acerca da
matéria dos danos morais.

Primeiramente, tem-se a questão interna do Poder Judiciário que se encontra


limitado em atender a crescente demanda, fazendo-se necessária, cada vez mais, a
modernização de sua máquina, e, além disso, capacitação de seus funcionários e
aumento do número dos mesmos.

Ao longo dos últimos anos, visualiza-se que o Poder Judiciário tem buscado
efetivar ações que contribuem para melhoria no atendimento, mesmo que ficando

218
RESEDÁ, Ibid., p. 304.
- 98 -

ainda a dever. Um grande esforço que foi aplicado nessa busca por superação, foi a
criação do Conselho Nacional de Justiça, o CNJ.

Desde a sua criação com a Emenda Constitucional nº 45 de 2004


Magistrados foram condenados, alguns com punição administrativa máxima, não
restando dúvidas, portanto, que o CNJ realiza um trabalho de difícil execução que é
fiscalizar e punir administrativamente desvios no interior do Judiciário.

O Artigo 103-B da Constituição Federal de 1988, em seu parágrafo 4º e


incisos subscritos, estabelecem as competências do Conselho Nacional de
Justiça219. Com a implantação do CNJ, houve um dinamismo maior na administração
judiciária e resultados foram alcançados através das cobranças exercidas por este
Conselho.

O segundo panorama traz uma visão externa; observa-se que o judiciário


poderia adotar medidas, no sentido de educar a população acerca do que é o dano
moral e quando o mesmo efetivamente é cabível, diferenciando-o, dos
acontecimentos cotidianos aos quais todos estão expostos.

Nesse prisma, importante se faz esclarecer que em muitos casos advogados


aproveitam-se da situação tentando “inchar” o valor da sentença imputando pleito
por danos morais nas ações que efetivamente possuem um pleito sério, buscando-
se um lenitivo a um dano moral inexistente com o intuito de ganhar mais.

Cabem ações drásticas do poder judiciário no sentindo de coibir as aventuras


desses profissionais severamente bem como a tentativa de esclarecer à população
acerca das demandas por danos morais, deixando claro o caráter pedagógico e
punitivo do dano moral uma vez que, é melhor evitar a entrada excessiva de
demandas por danos morais na máquina judiciária que tentar aparelhar e capacitar

219
Artigo 103-B § 4º Compete ao Conselho o controle da atuação administrativa e financeira do
Poder Judiciário e do cumprimento dos deveres funcionais dos juízes, cabendo-lhe, além de outras
atribuições que lhe forem conferidas pelo Estatuto da Magistratura:
II - zelar pela observância do art. 37 e apreciar, de ofício ou mediante provocação, a legalidade dos
atos administrativos praticados por membros ou órgãos do Poder Judiciário, podendo desconstituí-
los, revê-los ou fixar prazo para que se adotem as providências necessárias ao exato cumprimento da
lei, sem prejuízo da competência do Tribunal de Contas da União;
III - receber e conhecer das reclamações contra membros ou órgãos do Poder Judiciário, inclusive
contra seus serviços auxiliares, serventias e órgãos prestadores de serviços notariais e de registro
que atuem por delegação do poder público ou oficializados, sem prejuízo da competência disciplinar e
correicional dos tribunais, podendo avocar processos disciplinares em curso e determinar a remoção,
a disponibilidade ou a aposentadoria com subsídios ou proventos proporcionais ao tempo de serviço
e aplicar outras sanções administrativas, assegurada ampla defesa.
- 99 -

uma máquina para lidar com uma demanda crescente e ilimitada, é o


posicionamento também de Ferreira220.

6.2.3 Alternativas para valoração do direito a honra

Por fim, observa-se a necessidade de um esforço conjunto no intuito de


promover melhorias nos aspectos relativas à questão das ações por danos morais.

Institucionalmente, o Poder Judiciário necessita atuar com processos de


gestão onde todos interajam de forma planejada buscando-se antecipar os
acontecimentos futuros e adaptando-se às mudanças do ambiente externo que vão
criando novas situações, assim, se houver um preparo para se antecipar à chegada
de mudanças, certamente a máquina judiciária estará mais preparada para lidar com
as mesmas.

Na visão de Martelli Moreira221, o planejamento estratégico para atuação


dentro do poder judiciário faz uma diferença capaz de acelerar processos e saber
lidar com as demandas vindouras, assim, as expectativas criadas pelo planejamento
estratégico foram: Antecipação dos acontecimentos; preocupação com o futuro da
organização; tomada de decisões de forma organizada; preocupação com a eficácia;
preocupação com mudanças no ambiente externo; correta utilização dos recursos
internos; preocupação com a cultura organizacional; caracterização de um processo
interno de mudanças; caracterização do processo de aprendizado institucional.

Dessa fora, tem-se que a ampla participação de todos proporciona uma


divisão de responsabilidades, melhorando o cumprimento de prazos e a qualidade
do serviço prestado ao público.

Além do processo de educação ao público, bem como da punição de


causídicos oportunistas nas ações de danos morais, existe também um investimento
maciço e necessário que deve sempre ser feito no intuito de resolver questões

220
FERREIRA, Thiago Soares. A Banalização do Dano Moral. Monografia apresentada à
Universidade Católica de Brasília. Brasília: Universidade Católica de Brasília, 2012, p.51: “Fica em
falta também o judiciário brasileiro que não faz campanha de conscientização. Deveria ser feita algo
que explicasse ao cidadão o que é dano moral, a finalidade do dano moral, dentro do possível
procurar explicar ao cidadão algumas causas que possam ensejam o dano moral, mesmo sabendo
que este é um instituto subjetivo, aonde não se consegue vislumbrar a partir de que ponto deixa de
ser um mero dissabor, um aborrecimento e passa a ser algo que mereça ser indenizado”.
221
MARTELLI MOREIRA, João Luiz. Planejar o Futuro é Planejar o Presente. Revista CEJ – Centro
de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal. Administração da Justiça. N 1 (1997).
Brasília: CEJ, 1997, p. 31.
- 100 -

relativas a danos morais antes mesmo das mesmas tornarem-se objeto de querelas
mais acirradas, para tanto, a conciliação, arbitragem e a mediação desempenham
um papel muito importante nesse contexto.

A Conciliação está prevista no art. 3º da lei dos Juizados Especiais Cíveis nº


9.099/95 bem como na esfera Federal no art. 38 da lei 10.259/01. Através desses
institutos, os Juizados passaram a ter competência para conciliação das causas a
eles submetidas, sendo assim, se uma demanda por danos morais puder ser sanada
ou esclarecida através de um processo de conciliação entre as partes, certamente
diversas demandas deixarão de inchar a máquina judiciária com processos judiciais.

Nesse contexto, objetivando ou sanar uma demanda que já existe ou tentar


evitar que a mesma surja, o conciliador desempenha um papel de suma importância
pois o mesmo sugere, interfere, aconselha as partes, o que não ocorre na mediação
conforme será exposto. O papel do conciliador não é necessariamente analisar ou
julgar o conflito, mas sim, tentar forçar um acordo para evitar que a demanda
avance.

Na mediação isso não ocorre, o mediador apenas age com o intuito de


facilitar a comunicação entre as partes em um procedimento extrajudicial. A
mediação pode ser judicial, quando ocorre após a judicialização da ação e as partes
resolvem voltar atrás para tentarem nova negociação ou por via incidental, quando
ainda não se adentrou as vias judiciais, todavia, é sempre fruto de uma negociação
que não deu certo e criou barreiras de comunicação entre as partes.

Já na arbitragem, que junto com a mediação são procedimentos privados,


elege-se um arbitro imparcial que vai decidir a causa, tendo sua decisão força
vinculante e impositiva.

O que merece ser entendido é que deve existir um esforço das duas partes,
daquele que pretende ou daquele que adentrou às portas do judiciário, bem como do
próprio Poder Judiciário no intuito de tentar resolver da melhor maneira possível as
questões relativas aos danos morais, evitando assim a banalização dos processos
que objetivam a reparação por danos morais.
- 101 -

7 CONCLUSAO

Em face de todo exposto, nesta pesquisa foi possível investigar as principais


bases teóricas sobre danos morais bem como suas origens, observando-se que a
questão dos danos morais remonta o período antes de Cristo desde o código de Ur-
Nammu avançando pelos Código de Hamurabi e de Manu, inclusive com registros
em livros sagrados como a Bíblia Sagrada e o Alcorão, até chegar ao período
Romano.

Constatou-se que durante o período de Roma Antiga os danos morais já eram


cometidos principalmente em virtude da separação de classes quando os patrícios
humilhavam os plebeus. Mesmo após a queda do império romano, no avançar da
Idade Média, a prática de danos morais foi cada vez maior nos feudos entre a
nobreza e a plebe e humilhações eram cometidas quando ser humano era tratado
como objeto.

Com o período de guerras, os danos morais eram cometidos cada vez mais e
as classes mais oprimidas buscavam justiça revoltando-se contra quem estava no
poder, a exemplo das Revoluções Francesa e Industrial, contudo, foi com as duas
grandes guerras mundiais (dentre varias outras que ocorreram na história) que o ser
humano foi cada vez mais desprezado e mau tratado inclusive em campos de
concentração sendo executado por pelotões de fuzilamento ou em câmeras de gás,
dentre outras formas meticulosas de extermínio em massa.

Surgiu então a Declaração Universal dos Direitos do Homem como forma de


resguardar a Dignidade da Pessoa Humana. Nessa busca pela proteção da honra,
nasce a codificação civil com o intuito de resguardar os direitos privados.
Inicialmente na França, através de Napoleão Bonaparte, com o cunho patrimonial e
contratual, todavia, com o passar dos anos a realidade transforma-o como
instrumento de defesa dos interesses humanos.

No Brasil, o Código Civil de Clóvis Beviláqua inaugurou uma nova fase da


legislação privada brasileira, contudo, o mesmo sofreu grandes retaliações por Ruy
Barbosa, a maioria de cunho linguístico. Em 2002 passou a vigorar o novo código
civil, inspirado na Constituição Federal de 1988 a qual tinha como principio basilar o
- 102 -

da dignidade da pessoa humana, este que se irradiou por toda normatização


brasileira.

A dignidade da pessoa humana é um valor a ser perseguido em nosso país,


isso fruto das humilhações e abusos morais e físicos sofridos por um povo que
sofreu os dramas oriundos da ditadura militar e que teve seus anseios atendidos por
este diploma legal. Com o novo Código Civil de 2002, o direito civil passou a ter uma
nova roupagem e, a principal preocupação, que era o patrimônio e os contratos,
passou a ser o ser humano em sua dignidade.

O direito a honra está resguardado pela Constituição Federal de 1988 e pelo


novo Código Civil de 2002, todavia, existe uma proteção específica ao mesmo no
Código Penal através das tipificações penais de calúnia, injúria e difamação. Estes
crimes podem ensejar inclusive a reclusão daquele que os pratique.

Assim, o demandante pode acessar tanto a ceara civil como penal para
buscar o seu direito, podendo na ceara civil a ação ficar com seu prazo suspenso
até que expire a tramitação penal.

Concluímos também que os danos morais podem trazes inclusive um dano de


ordem material, é o exemplo do profissional que tem seu nome “sujo na praça” e
acaba por perder seus clientes tendo seus lucros cessados.

Quanto às indenizações por danos morais, o juiz tem a tarefa de avaliar a


existência ou não do dano, uma vez que, acontecimentos cotidianos não podem ser
confundidos com danos morais, pois todos estão sujeitos aos mesmos.

Concordamos com a ideia da importância dos princípios que mesmo não


sendo positivados, são balizadores da normatização legal pátria e surgem do
sentimento da nação, nesse sentido, o principio da dignidade da pessoa humana é o
mais importante e que vem dar valor à questão moral dos indivíduos.

Posicionamo-nos no sentido que nessa busca, o Estado desenvolve seu


papel com políticas públicas coibindo os excessos praticados na sociedade, todavia,
cabe também aos eleitores saberem escolher seus candidatos que os representarão
para que posteriormente não haja queixas pelo descumprimento de seus deveres.

Quanto aos esforços pela dignificação do homem, tem-se que as diretivas não
são dadas somente no Brasil, e que o mundo tem essa preocupação, principalmente
- 103 -

após os períodos de guerras, assim, tratados e organizações internacionais foram


criadas no intuito de buscar preservar esse tão valioso princípio, a exemplo da ONU.

No Brasil, com o Neoconstitucionalismo, a Constituição Federal passou a


irradiar seus princípios por toda normatização brasileira, de forma que, as leis
editadas contra esses vetores são tidas com inconstitucionais.

Na busca por uma reparação por um dano moral sofrido, observa-se que
existe uma banalização não só por parte de quem demanda, uma vez que, não sabe
a real caracterização de um dano moral, mas também por parte do judiciário, que ao
receber uma demanda exacerbada, acaba por não dar conta de julgar tantos
processos, além disso, advogados oportunistas pleiteiam danos morais inexistentes
com o intuito de aumentarem seus honorários com uma sentença mais favorável.

Concluiu-se também que mesmo antes da Constituição de 1988, já se falava


em danos morais por analogia, pois todo aquele que cometia um dano deveria o
indenizar, segundo o Código Civil de 1916.

Ademais, nos Estados Unidos da América já se falava a mais de 60 anos em


danos morais, e os mesmos eram punidos através da figura do punitive damage que
representa uma indenização bem maior do que realmente se merece, com o intuito
de punir quem praticou o ato e melindrando-o para não reincidir no mesmo.

As penas aplicadas além do caráter punitivo tem o objetivo educador


buscando reformular o ponto de vista daquele que praticou o dano. A Suprema Corte
Americana é o principal órgão do poder judiciário americano, todavia, tem um caráter
político muito grande. A Corte é formada por nove juízes sendo um deles o
presidente e a mesa reexamina diversas matérias.

Observa-se em alguns julgados que a aplicação do punitive damage é bem


acentuada. Os julgados da Corte Norte Americana influenciaram muito as decisões
jurisprudenciais brasileiras, mas há cuidados que necessitam serem adotados
quando se utiliza a legislação alienígena, como as adaptações necessárias.

Quanto às alternativas para se revolver o problema, visualiza-se a


necessidade de implementação de tecnologias novas, gestão estratégica e
planejada do sistema judiciário de forma que todos participem do processo de
Gestão e saibam de tudo que acontece na logística judiciária, além do aumento do
número de funcionários.
- 104 -

Uma ação importante, já adotada, foi a criação do Conselho Nacional de


Justiça que passou a cobrar mais resultados dentro da esfera judicial, o que
dinamizou um pouco mais a liberação desses processos, além de prender
magistrados corruptos, dentre outras medidas.

Nessa esteira tem-se que o problema é também fruto da quantidade de


pessoas que buscam o poder judiciário para resolverem seus problemas. Outras
facilidades, como a criação dos juizados especiais que não possuem custos bem
como a justiça gratuita para todos contribuíram com o excesso de demandas por
danos morais hoje existentes, todavia, são facilidades necessárias para garantir o
direito de igualdade e o acesso à justiça.

Um investimento na conciliação, na arbitragem o na mediação é importante,


com isso, muitas demandas deixariam de seguir para julgamento enxugando a
máquina judiciária do acúmulo de processos por danos morais e valorizando tão
importante instituto hoje relativamente banalizado.
- 105 -

REFERÊNCIAIS

BARBOSA MOREIRA, José Carlos. A Suprema Corte Norte-Americana: um modelo


para o mundo? Revista Brasileira de Direito Comparado. N 26. Rio de Janeiro:
Instituto de Direito Comparado Luso-Brasileiro, 2004.

BARROSO, Luis Roberto. O Constitucionalismo Democrático no Brasil: Crônica de


um Sucesso Imprevisto. Revista Neoconstitucionalismo em Perspectiva. Viçosa:
UFG, 2014.

BASTOS Guilherme Augusto Caputo. Danos morais: o conceito, a banalização e a


indenização. Revista TST. Brasília, vol. 73, no 2, abr/jun 2007.

BAUM, Lawrence. A Suprema Corte Americana: Uma análise da mais notória e


respeitada instituição judiciária do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Forense,
1987.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal – Parte Especial – Dos


Crimes Contra a Pessoa. 12ª ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça - RESP 1.071.158-RJ (2008/0146386-9) -


STJ, Ministra NANCY ANDRIGHI - T3 - TERCEIRA TURMA, julgado em 25/10/2011,
publicado em 07/11/2011.

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça - RESP 19.402-SP (1992/0004807-2)- STJ,


Min. ATHOS CARNEIRO ANDRIGHI - T4 – QUARTA TURMA, julgado em
30/03/1992, publicado em 20/04/1992.

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça - RESP nº 665.425/AM (2004/0068236-3) -


STJ, Ministra NANCY ANDRIGHI- T3 - TERCEIRA TURMA, julgado em 25/04/2005,
publicado em 16/05/2005.

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça – RESP. 320462 - SP (2001/0048993-1) -


STJ, Min. BARROS MONTEIRO, QUARTA TURMA, julgado em 15/09/2005,
publicado em 24.10.2005 (p.327).

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça – RESP. 646154 - RJ (2004/0033220-6) -


STJ, Min. HUMBERTO GOMES DE BARROS, TERCEIRA TURMA, julgado em
21/11/2006 publicado em 18/12/2006 (p. 366).

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça – RESP. 1.025.047 - SP (2008/0016673-2) -


STJ, Min. NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 26/06/2008,
publicado em 05/08/2008.

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça – RESP. 1.081.432 - SP (2008/0164516-7) -


STJ, Min. CARLOS FERNANDO MATHIAS - QUARTA TURMA, julgado em
03.03.2009, publicado em 17/08/2009.
- 106 -

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça - RESP. 1.180.237-MT (2010/0024327-6) -


STJ, Min. PAULO DE TARSO SANSEVERINO - TERCEIRA TURMA, julgado em
19/06/2012, publicado em 22/06/2012.

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça – RESP. 222522 – MA (2007/0055491-9) -


STJ, Min. PAULO DE TARSO SANSEVERINO, QUARTA TURMA, julgado em
26/04/2011, publicado em 06/05/2011.

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça – RESP. 232103 - SP (1999/0086120-5) -


STJ, Min. RUY ROSADO DE AGUIAR, QUARTA TURMA, julgado em 18/11/1999,
publicado em 17.12.1999 (p. 382).

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça – RESP. 512393 - SP (2003/0035485-8) -


STJ, Min. CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO, TERCEIRA TURMA, julgado
em 10/04/2007, publicado em 27/08/2007 (p. 220).

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça – RESP. 959.780 – ES (2007/0055491-9) -


STJ, Min. PAULO DE TARSO SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, julgado em
26/04/2011, publicado em 06/05/2011.

BRASIL – Superior Tribunal de Justiça – RESP. 984.803 – ES (2007/0209936-1) -


STJ, Min. NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 26/05/2009,
publicado em 19/08/2009 (p. 223)

BRASIL. Código Civil. 14ª ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

BRASIL. Código Penal. 16ª ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BYINGTON, Carlos Amadeu Botelho. A Moral, a Lei, a Ética e a Religiosidade na


Filosofia, no Direito e na Psicologia. Palestra proferida no II Encontro “Ética para o
Juiz – Um Olhar Externo”. Evento da Corregedoria do Tribunal de Justiça de São
Paulo. Escola Paulista de Magistratura, São Paulo, 22 de novembro de 2013.
Disponível em <http://www.carlosbyington.com.br/site/wp-
content/themes/drcarlosbyington/PDF/pt/A_Moral,_a_Lei,_a_Etica_e_a_Religiosidad
e_na_Filosofia,_no_Direito.pdf> . Acesso em: 17 nov. 2016.

CAHALI, Yussef Said. Dano Moral. 4ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

CASTRO, Mônica Neves Aguiar da Silva. Honra, Imagem, Vida Privada e Intimidade,
em Colisão com Outros Direitos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.

CERQUEIRA, Nelson e FILHO, Rodolfo Pamplona. Metodologia de Pesquisa no


Direito e a Filosofia. 1ª ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2011.

CHOHFI, Thiago e MENDES, Maristela Piconi. A Segunda Dimensão da Dignidade


Humana no Direito Laboral. São Paulo: Caderno de Direito UNIMEP, 2001.

COSTA, Elder Lisbôa Ferreira da. História do Direito: De Roma à História do Povo
Hebreu e Mulçumano. A Evolução do Direito Antigo à Compreensão do Pensamento
Jurídico Contemporâneo. Belém: Unama, 2009.
- 107 -

COUTO, Igor Costa e SILVA, Isaura Salgado. A quantificação do dano moral


segundo o Superior Tribunal de Justiça. Revista Civilistica.com, FAPERJ/PUC RIO:
a.2. n.1. 2013.

DURKHEIM. As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FAGNELLO, Priscila Liane Fett. Operação de Manutenção da Paz da ONU: De que


forma os Direitos Humanos revolucionaram a principal ferramenta internacional da
paz. Brasília: FUNAG, 2013.

FERREIRA, Thiago Soares. A Banalização do Dano Moral. Monografia apresentada


à Universidade Católica de Brasília. Brasília: Universidade Católica de Brasília,
2012.

FROTA, Pablo Malheiros da Cunha. Danos Morais e a Pessoa Jurídica. 1ª ed. São
Paulo: Editora Método, 2008.

GABSCH, Rodrigo D’Araújo. Aprovação de Tratados Internacionais pelo Brasil:


Possíveis Operações para Acelerar seu Processo. Brasília: Fundação Alexandre de
Gusmão, 2010.

GRESPAN, Jorge. Revolução Francesa e Iluminismo. São Paulo: Contexto, 2008.

HECHT, Emmanuel e SERVENTE Pierre. O Século de Sangue. 1914 a 2014. As


Vinte Guerras que Mudaram o Mundo. São Paulo: Contexto, 2015.

HOBSBAWM, Eric J.. A Era das Revoluções. 1789-1848. 34ª ed. São Paulo: Paz e
Terra, 2014.

JESUS, Damásio de. Direito Penal – Parte Especial. v. II. 31ª ed. São Paulo:
Saraiva, 2011.

LANNE, Yuri Nathan da Costa. Indústria do dano moral ou da lesão? uma solução a
partir do instituto do punitive damages . ARGUMENTUM. Revista de Direito. n 15.
São Paulo: UNIMAR, 2014.

LASSALLE, Ferdinand. A Essência da Constituição. 9ª ed. Rio de Janeiro: Lumen


Juris, 2009.

LOPES, José Reinaldo de Lima. O Direito na História. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 2011.
MAGNOLI, Demétrio. História das Guerras. São Paulo: Editora Contexto, 2006.

MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia


científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARTELLI MOREIRA, João Luiz. Planejar o Futuro é Planejar o Presente. Revista


CEJ – Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal. Administração
da Justiça. N 1 (1997). Brasília: CEJ, 1997.
- 108 -

MARTINS, Flademir Jerônimo Belinati Martins. Dignidade da Pessoa Humana.


Princípio Constitucional Fundamental. 1ª ed. Curitiba: Editora Juruá, 2003.

MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do Trabalho. 24ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MELLO de Dirce. Ensaios Sobre Filosofia do Direito. Dignidade da Pessoa Humana,


Democracia, Justiça. São Paulo: FAPESP, 2011.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. O conteúdo jurídico do princípio da igualdade.


3ª Ed. São Paulo: Editora Malheiros, 2011.

MORAES, Alexandre de. Constituição da República Federativa do Brasil de 5 de


outubro de 1988. 28ª ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MORAES, Alexandre de. Jurisdição Constitucional: Breves Notas Comparativas


sobre a Estrutura do Supremo Tribunal Federal e a Corte Suprema Norte-Americana.
Cadernos de Direito: Cadernos do Curso de Mestrado em Direito da Universidade
Metodista de Piracicaba. Controle de Constitucionalidade. V.5 n 8-9, jan a dez/2005.
São Paulo: 2005.

MORAES, Maria Celina Bodin de. Danos à Pessoa Humana: Uma Leitura Civil-
Constitucional dos Danos Morais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003.

NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. 30ª ed. Rio de Janeiro: Editora
Forense, 2008.

NUNES, Luiz Antônio Rizzato. O Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa


Humana: Doutrina e Jurisprudência. 1ª ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

OLIVEIRA JÚNIOR, Arthur Martinho. Danos Morais e a Imagem. São Paulo: Lex
Editora, 2006.

OLIVEIRA, Renata Fialho de. Interpretação e Aplicação de Convenções


Internacionais em matéria Substantiva, Processual e Conflitual. Rio de Janeiro:
Lumen Júris, 2014.

PASSOS, José Joaquim Calmon de. Direito, Poder, Justiça e Processo. Rio e
Janeiro: Forense, 2000.

PASSOS, José Joaquim Calmon de. O imoral nas indenizações por dano moral.
Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 7, n. 57, 1 jul. 2002. Disponível em:
<https://jus.com.br/artigos/2989>. Acesso em: 13 nov. 2016.

PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de Direito Civil. 25ª ed. Rio de Janeiro:
Forense, 2012.

PERLATTI, João Eduardo Franco. O conflito entre o direito interno brasileiro e os


tratados internacionais de direitos humanos. São Paulo: Paradigma Ciências
Jurídicas, 2001.
- 109 -

PUCRS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de


Filosofia e Ciências Humanas. Demandas judiciais e morosidade da justiça civil.
Porto Alegre: PUCRS, 2011.

REIS, Clayton. Os Novos Rumos da Indenização Por Dano Moral. 1ª ed. Rio de
Janeiro: Forense, 2002.

RESEDÁ, Salomão. A Aplicabilidade do Punitive Damage nas ações de indenização


por dano moral no ordenamento jurídico brasileiro. Dissertação de Mestrado
apresentada à Universidade Federal da Bahia – UFBA. Salvador: UFBA, 2008.

REZENDE, Maria José de. A Ditadura Militar no Brasil: Repressão e Pretensão de


Legitimidade. 1964-1984. Londrina : Eduel, 2013.

SANTANA, Héctor Valverde. A fixação do valor da indenização por dano moral.


Revista de Informação Legislativa. Brasília a. 44 n. 175 jul./set. 2007.

SANTOS, Antônio Jeová. Dano Moral Indenizável. 4ª ed. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 2003.

SANTOS, Enoque Ribeiro dos. O Dano Moral da Dispensa do Empregado. 3ª ed.


São Paulo: 2002.

SCHEREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2013.

SCHEREIBER, Anderson. Novos Paradigmas da Responsabilidade Civil: Da Erosão


dos Filtros da Reparação à Diluição dos Danos. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2013.

SIEY’ES, Emmanuel Joseph. A Constituinte Burguesa. Qu’est-ce que le Tiers État?.


4ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Iuris, 2001.

SILVA, Américo Luís Martins da Silva. O Dano Moral e Sua Reparação Civil. 2ª ed.
Rio de Janeiro: Editora Revista dos Tribunais, 2002.

SOARES, Ricardo Maurício Freire. Elementos da Teoria Geral do Direito. 1ª ed. São
Paulo: Saraiva, 2013.

SOARES, Ricardo Maurício Freire. O Princípio Constitucional da Dignidade da


Pessoa Humana. 1ª ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

SOUZA COSTA, Ana Carolina Gusmão de. Dano Moral e Indenização Punitiva.
Artigo Científico apresentado à Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro.
Rio de Janeiro: EMERJ, 2009.

TARTUCE, Flávio. Direito Civil – Direito das Obrigações e Responsabilidade Civil. 7ª


ed. São Paulo: Método, 2012.

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil – Teoria Geral das Obrigações e Teoria Geral
dos Contratos. v. II, 11ª ed. São Paulo: Atlas, 2011.
- 110 -

WOLKMER, Antônio Carlos. Fundamentos de História do Direito. 3ª ed. 2 tir. Belo


Horizonte: Del Rey, 2006.