Você está na página 1de 144

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS


DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA
CURSO DE MESTRADO

FREQÜÊNCIA CARDÍACA, VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E O


DESEMPENHO EM UMA PARTIDA DE XADREZ

FLORIANÓPOLIS
2008
Livros Grátis
http://www.livrosgratis.com.br
Milhares de livros grátis para download.
LUCIANO BERTOL TEIXEIRA

FREQÜÊNCIA CARDÍACA, VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E O


DESEMPENHO EM UMA PARTIDA DE XADREZ

Dissertação apresentada ao Programa de Pós-


Graduação em Psicologia da Universidade
Federal de Santa Catarina como parte dos
requisitos para obtenção do título de Mestre em
Psicologia.

Orientador: Prof. Dr. Emílio Takase.

FLORIANÓPOLIS
2008

ii
TERMO DE APROVAÇÃO

LUCIANO BEROL TEIXEIRA

FREQÜÊNCIA CARDÍACA E VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E


O DESEMPENHO EM UMA PARTIDA DE XADREZ

Dissertação aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre no Programa de
Pós-Graduação em Psicologia, Curso de Mestrado, Centro de Filosofia e Ciências Humanas
da Universidade Federal de Santa Catarina, pela seguinte banca examinadora:

_________________________________________
Orientador: Prof. Dr. Emílio Takase
Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC

_________________________________________
Prof. Dr. Eduardo José Legal
Departamento de Psicologia, Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI

_________________________________________
Prof. Dr. Antônio Renato Pereira Moro
Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC

_________________________________________
Prof. Dr. Roberto Moraes Cruz
Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC

Florianópolis, 14 de fevereiro de 2008.

iii
Dedico este trabalho ao meu avô,
Theodorico Bertol (in memmorian).

iv
SUMÁRIO

RESUMO .............................................................................................................................. VI
ABSTRACT ........................................................................................................................ VII
1 INTRODUÇÃO .................................................................................................................... 8
2 OBJETIVOS ....................................................................................................................... 12
2.1. Geral ............................................................................................................................ 12
2.2. Específicos .................................................................................................................. 12
3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ..................................................................................... 13
3.1. Fenômenos psicofisiológicos ...................................................................................... 13
3.1.1 Fenômenos psicofisiológicos e desempenho cognitivo ..................................... 14
3.2 Hipóteses de como ativação ansiedade/estresse afetam o desempenho ....................... 15
3.3 A utilização de parâmetros fisiológicos em pesquisas para rendimento ...................... 17
3.3.1 Freqüência Cardíaca (FC) .................................................................................. 18
3.2.2 Variabilidade da Freqüência Cardíaca (VFC) .................................................... 22
3.4 FC, VFC e a performance em tarefas executivas ......................................................... 26
3.4.1 Córtex pré-frontal e Tomada de Decisão ........................................................... 29
3.5 Xadrez e a Tomada de Decisão .................................................................................... 30
4 MÉTODO ........................................................................................................................... 35
4.1 Caracterização .............................................................................................................. 35
4.2 Participante .................................................................................................................. 37
4.3 Instrumentos ................................................................................................................. 38
4.4 Procedimentos para a coleta dos dados ........................................................................ 39
4.5 Procedimentos para análise dos dados: ........................................................................ 41
4.6 Procedimentos éticos ................................................................................................... 41
5 RESULTADOS .................................................................................................................. 43
6 DISCUSSÃO ...................................................................................................................... 49
7 CONCLUSÃO .................................................................................................................... 56
8 REFERÊNCIAS ................................................................................................................. 58
9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES .............................................................................................. 67
10 LISTA DE TABELAS ..................................................................................................... 69
11 LISTA DE SIGLAS ......................................................................................................... 70
12 ANEXOS .......................................................................................................................... 71
13 APÊNDICES .................................................................................................................... 74

v
TEIXEIRA, L. B. (2008). Freqüência cardíaca, variabilidade da freqüência cardíaca e o
desempenho em uma partida de xadrez. Florianópolis, 2008, 139 f . Dissertação (Mestrado
em Psicologia) Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa
Catarina. Orientador: Emílio Takase

RESUMO
A Freqüência Cardíaca (FC) e Variabilidade da Freqüência Cardíaca (VFC) oferecem a
oportunidade da psicologia utilizar-se de indicativos objetivos em suas investigações . Pela
relação que estes comportamentos cardíacos mantém com o Sistema Nervoso Autônomo,
podemos estudá-los pelo viés da psicofisiologia. No entanto, no contexto desportivo, o estudo
que considere os aspectos psicológicos em sua relação com FC e VFC torna-se, por ordem
técnica, dificultoso. O xadrez, neste arranjo de condições torna-se a modalidade ideal para
estudo. Reúne intensa atividade mental, a competição, a ansiedade e o fundamental: pouca
atividade física. Assim, asseguramo-nos que as alterações das respostas psicofisiológicas
tenham sido eliciadas por fatores emocionais e cognitivos. Estas alterações em como o
jogador percebe a partida, o quanto se sente ameaçado, motivado, esperançoso, mantém-se
concentrado, entre outras, influenciam a atividade do sistema autônomo em uma constante
regulação entre o jogador e seu ambiente (interno e externo). Procurou-se investigar, dentre
estes fenômenos, se FC e VFC, que são medidas facilmente obtidas e não invasivas, podem
apresentar correlação nas tomadas de decisões boas ou ruins executadas pelo enxadrista
durante a partida. É possível assim verificar se os comportamentos cardíacos podem servir
como indicativos de previsibilidade para decisões boas ou ruins. Para tanto, esta pesquisa
exploratória foi formulada onde fora examinado um enxadrista de alto rendimento que teve
duas partidas, ao desafiar o Software Fritz, registradas. Foram analisadas 61 jogadas para as
quais foi calculada, com auxilio do HRV Analysis Software v 1.1, a média da freqüência
cardíaca dos batimentos que fizeram parte do tempo de cada jogada, desvio padrão da FC,
média da VFC, desvio padrão da VFC e o índice de variabilidade nas freqüências BF e AF.
Tais dados foram submetidos à análise estatística em teste de correlação com a avaliação das
jogadas pelo Software Fritz, auto-avaliação das jogadas e nível de esperança experienciado
durante o jogo. Houve correlação positiva entre VFC e avaliação do Software Fritz (p =
0,002), correlação negativa entre FC e avaliação do Software Fritz (p = 0,002), evidenciando
que estes comportamentos cardíacos podem variar em um sujeito de forma constante e
consistente a ponto de prestar alguma previsibilidade para decisões boas ou ruins do
enxadrista.

Palavras-chave: Variabilidade da Freqüência Cardíaca, Freqüência Cardíaca, Xadrez,


Tomada de decisão.

vi
TEIXEIRA, L. B. (2008). Heart Rate, Heart Rate Variability and the performance in a
chess game. 2008, 139 p .

ABSTRACT
The Heart Rate (HR) and Heart Rate Variability (HRV) offer the opportunity of psychology
to utilize objectives indicatives in investigations. By relation that the cardiac behaviors keep
with the Autonomic Nervous System we can study them through psycho-physiology.
However in the porting context the study that considers the psychological aspects at the
relation of FC with VFC, becomes, for technique order, difficultly. The chess, in this
arrangement of conditions becomes an ideal modality for study. It congregates intense mental
activity, the competition, anxiety and the basic: little physical activity. In this manner, we
make sure that the alterations of the psycho-physiologies answers have been caused for
emotional and cognitive factors. These alterations in how the player perceive the departure,
how much feels threatened, motivated, hopeful, remains concentrate, etc. will be influencing
the activity of the autonomic system in a constant regulation between the player and the
environment (internal and external). We will investigate, amongst these phenomenons, if HR
and HRV, that are easily measured and not invasive, can present good or bad correlation,
taken of decision executed by the chess player during the departure. We can thus, verify if the
cardiac behaviors can serve as indicative of previsibility for good or bad decisions. Meantime,
this exploration research was formulated where it was examined a chess player of high
income that had two departures, challenging Fritz Software, registered. They had been citizens
of analyzes 61 plays which the average of the cardiac frequency of the beatings was
calculated with assists of the HRV Analysis Software v 1,1 that had been part of the time of
each play, shunting line standard of the FC, measured of the VFC, shunting line standard of
the VFC, index of variability in frequencies LF and HF. Such data had been submitted on
statistics analysis in test of correlation with the evaluation of the plays by Fritz software, auto-
evaluation of the plays, and level of hope experienced during the game. It had positive
correlation between VFC and evaluation of Fritz software (p = 0,002), negative correlation
between FC and evaluation of Fritz software (p = 0,002). Evidencing that these cardiac
behaviors can vary in a citizen, on a constant and consistent form, it offers some previsibility
for good or bad decisions of the chess player.

Key Words: Heart rate variability, Cardiac Frequency, Chess, Decision Making

vii
1 INTRODUÇÃO

O xadrez é um jogo de tabuleiro cuja origem remete a muitas fontes, sendo difícil
distinguir entre suas lendas e os fatos concretos. No entanto, existem muitas referências
apontando a Índia como seu local de surgimento (VASCONCELOS, 1991). Outro fato
complicador é que as possíveis formas iniciais do xadrez não correspondem exatamente ao
modelo moderno. Com isto, apenas especula-se quais jogos poderiam ter sido os precursores
do xadrez contemporâneo.
Atualmente, o xadrez é considerado uma modalidade desportiva com uma
característica peculiar: é um jogo predominantemente mental, de pouca participação física.
Inerente à sua prática está a utilização de recursos como tabuleiro, 32 peças e dois jogadores
(também existem os jogos virtuais, onde um pode-se jogar contra o computador), que pode ser
praticado recreativa e competitivamente. O órgão internacional responsável por sua
regulamentação é a Fédération Internationale des Échecs (FIDE1). Segundo Pimenta (2005),
trata-se da maior federação do mundo em número de filiados, com participação de cerca de
200 países, estando à frente de esportes como vôlei, tênis e basquete. No Brasil a
Confederação Brasileira de Xadrez (CBX2) está vinculada ao Comitê Olímpico Brasileiro
(COB3), o que possibilita a participação da modalidade em jogos Pan-Americanos e Sul-
Americanos.
A condição desportiva do xadrez assinala, evidentemente, preocupações quanto ao
rendimento ou desempenho de seus praticantes (RUBIO, 1999). Com o intuito de aprimorar
seus rendimentos, os praticantes de modalidade esportivas, tradicionalmente, dedicam-se a
treinamentos físicos, técnicos e táticos, vindo a adquirir nestes quesitos, patamares de
rendimento muito próximos (WEINBERG e GOULD, 2001). Estes atletas de alto rendimento
buscam, portanto, outros recursos para que possam sobressair aos concorrentes. Quando os
aspectos psicológicos também são considerados em seus treinamentos, um importante
diferencial no rendimento dos desportistas é evidenciado (AYAN, 2005).
Sobre os aspectos psicofisiológicos que podem ser trabalhados com os atletas em
busca de diferencial em seu desempenho, destacam-se os sugeridos nos programas de
treinamento de habilidades psicológicas para desportistas. Os mais comumente citados nos

1
www.fide.com
2
www.cbx.org.br
3
www.cob.org.br
manuais de Psicologia do Esporte (BURITI, 1997; WEINBERG e GOULD, 2001;
SAMULSKI, 2002) são: nível de ativação, ansiedade e estresse4 que se constituem na
interação de aspectos psicológicos e fisiológicos (psicofisiológicos5) (WEINBERG e
GOULD, 2001; BRANDÃO, 2004). Essa condição permite, pelo conhecimento dessa
interação psicológica e fisiológica (tópico 3.2 da revisão), abordar os aspectos fisiológicos
inferindo sobre os psicológicos. Nesse sentido, se identificarmos algumas medidas objetivas
de origem fisiológica, como reflexo psicogalvânico, freqüência cardíaca, pressão arterial,
tensão muscular, temperatura das mãos (ROSE, 1981; BRANDÃO, 2004), que se
demonstrarem correlação com um certo arranjo “ótimo” das funções psíquicas para uma
determinada tarefa, poderíamos, psicólogos, técnicos e treinadores, termos alguns indicativos
a mais para considerarmos na intenção da maximização do desempenho dos esportistas.
Essa forma de informação torna-se pertinente, visto alguns obstáculos atuais. Sabe-se,
por exemplo, que treinadores, mesmo acompanhando por anos um desportista, têm
dificuldades e cometem erros no julgamento dos quadros mentais de seus atletas (TOOGOOD
e MARTIN, 2003). Mesmo com o auxílio técnico de testes psicológicos6 pode haver
dificuldades. Segundo Takase (2005), muitas pesquisas atuais no esporte se reduzem à análise
de questionários, inventários e entrevistas. A adoção dessas práticas, ou mesmo testes
psicológicos, utilizam-se, de forma geral, de uma metodologia baseada no auto-relato, por
este motivo, segundo Leonard e Miler (1995), ocorre manipulação por parte do sujeito, de seu
escore. Para estas situações, poderia haver outras formas de intervenção. O conhecimento de
que uma certa zona de freqüência cardíaca, ou de que uma forma específica do coração
comportar-se7 esteja correlacionada a melhores tomadas de decisão no xadrez, poderia
facilitar o monitoramento do atleta, com instrumentos de medidas objetivas, contando com
um grau maior de previsibilidade no seu desempenho8.
Na situação de disputa entre duas pessoas por uma vitória (caso, também, do xadrez),
são encontrados os elementos que caracterizam uma situação de estresse. Este conceito aplica-
se àquelas situações para as quais, de alguma forma, buscamos reagir. De acordo com Jones

4
Estes termos serão mais bem abordados na fundamentação teórica do projeto.
5
Pela condição da ativação, ansiedade e estresse constituírem-se em uma íntima relação de aspectos fisiológicos
e psicológicos, os denominaremos fenômenos psicofisiológicos.
6
A pesquisadora Suzy Fleury traz em seu site: www.suzyfleury.com.br, uma relação dos principais instrumentos
utilizados em psicologia do esporte.
7
Ribeiro e Moraes Filho (2005) utilizam esta expressão para se referir às diferentes características do
funcionamento cardiovascular, onde incluem a freqüência cardíaca e variabilidade da freqüência cardíaca.
8
Poucos instrumentos utilizados em Psicologia do Esporte mostraram-se preditivos quanto ao rendimento de
atletas. Segundo Gould e Weinberg (2001), apenas o Perfil de Estados de Humor - POMS teve alguns resultados
favoráveis.

9
(1990), estresse é um estado que exige respostas do indivíduo para formular comportamentos
que possam enfrentar uma dada situação. A partir deste conceito percebe-se que o estresse não
é necessariamente bom ou ruim. Tal situação pode ser encontrada durante uma partida de
xadrez. Segundo Santos (2004), a partida de xadrez pode ser compreendia como formada por
muitas situações-problema, onde, a cada jogada executada, uma nova posição é configurada
para o sujeito, posição esta que deve ser avaliada para, em seguida, se efetuar uma nova
jogada. Com esta descrição percebemos que o estresse está presente nestes momentos, o que
evidencia a importância de considerarmos como aqueles fenômenos psicofisiológicos
expressam-se durante o desenvolvimento de uma partida, ou no caso, a cada jogada. No
entanto, a maioria dos estudos neste sentido restringe-se a investigações considerando apenas
os momentos pré-competitivos, tais como os estudos de ansiedade pré-competitiva (ROSE
JÚNIOR, 1998; GIRARDELLO, 2004).
No contexto desportivo também se costuma dar importância ao nível de ativação do
desportista para a realização de sua prática. Um atirador, por exemplo, que esteja
experenciando elevado nível de ativação, comprometerá sua motricidade fina (ROMÁN e
SAVÓIA, 2003), necessária à execução da tarefa. Um lutador, em um nível muito baixo de
ativação, talvez não tivesse, prontamente, toda a potência dos grandes grupos musculares à
sua disposição (BARRA FILHO e MIRANDA, 1998). Se observarmos os aspectos mentais
destes atletas, também identificaremos importantes interferências de seu nível de ativação ou
de sua ansiedade na capacidade de atenção, concentração, memorização, tomada de decisão,
dentre outras (BARRA FILHO e MIRANDA, 1998, ROMÁN e SAVÓIA, 2003, EMERSON,
MOLLET e HARRISON, 2005).
Sobre os aspectos cognitivos exigidos e efetivamente contribuintes ao rendimento do
enxadrista, seria difícil especificar um entre todos, pois de qualquer forma se integram e
complementam suas informações. No entanto, destacaríamos o papel das funções executivas
neste contexto, que são justamente integradores e regentes destes outros centros de
processamento (GOLDBERG, 2002).
A tomada de decisão é uma destas funções, responsável pela avaliação, ponderação e
integração de informações de outras áreas do cérebro para o ordenamento efetivo de uma
resposta (ERNEST e PAULUS, 2005, STERNBERG, 2000). Este fenômeno é estudado pela
Psicologia Cognitiva, abordagem que tem diálogo facilitado com aquelas áreas do
conhecimento que consideram a interação dos fatores psicológicos e fisiológicos, a que
referimo-nos constantemente. Seriam exemplos destas áreas a: Psicofisiologia,

10
Neuropsicologia, Fisiologia, Fisiologia do Esporte e Exercício e em geral as componentes da
Neurociência.
Com todos os antecedentes que reunimos em nossas argumentações, esperamos que,
em algum momento de competição, mesmo simulada, o enxadrista deverá experimentar certa
ansiedade a cada momento para o qual deverá reagir às jogadas do adversário. Esperamos
ainda, a partir da análise das variações fisiológicas decorrentes de cada momento, observar
um comportamento característico destas variáveis para as situações que o enxadrista reagir
com piores ou melhores escolhas de jogadas. A pergunta que vem representar este problema
de pesquisa que propomos é: Qual a relação da Freqüência Cardíaca e Variabilidade da
Freqüência Cardíaca com o processo de tomada de decisão de enxadristas durante a realização
de uma partida?

11
2 OBJETIVOS

2.1. Geral

Analisar as Respostas Psicofisiológicas da Freqüência Cardíaca e da Variabilidade da


Freqüência Cardíaca com o processo de tomada de decisão durante uma partida
competitiva de xadrez.

2.2. Específicos

Verificar as variáveis da Freqüência Cardíaca e Variabilidade da Freqüência Cardíaca,


como indicadores no processo de tomada de decisão dos enxadristas.

Analisar a relação da Freqüência Cardíaca e da Variabilidade da Freqüência Cardíaca


e da auto-avaliação do enxadrista para as suas jogadas realizadas.

Analisar a relação da Freqüência Cardíaca e da Variabilidade da Freqüência Cardíaca


com a avaliação feita pelo software Fritz das jogadas realizadas pelo enxadrista.

Observar a relação da Freqüência Cardíaca e da Variabilidade da Freqüência Cardíaca


com a avaliação feita pelo enxadrista sobre o quanto considerava-se com esperança de
vitória no jogo a cada jogada.

12
3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

3.1. Fenômenos psicofisiológicos

Nas descrições dos fenômenos de ativação, ansiedade e estresse em Psicologia do


Esporte, é possível observarmos que estes se compõem por aspectos psicológicos e
fisiológicos em alguma interação.
Sobre a ativação, Samulski (2002) relata que trata-se do estado geral do organismo no
qual uma pessoa pode agir ativamente em uma situação de exigências específicas. Weinberg e
Gould (2001) trazem outras informações, quando a descrevem como sendo uma combinação
de atividades fisiológicas e psicológicas em uma pessoa, e que se refere às dimensões de
intensidade de motivação em um determinado momento. A ativação, segundo os autores varia
sua intensidade num continuum, desde a apatia até a intensa agitação.
O termo estresse vem sendo empregado em psicologia referindo-se tanto a situações
que desencadeiam estresse como para respostas decorrentes destas situações. Sobre a resposta
ao estresse, seria resultado da interação entre as características da pessoa e as demandas do
meio, ou seja, as discrepâncias entre o meio externo e interno e a percepção do indivíduo
quanto a sua capacidade de resposta (MARGIS; PICON; COSNER; FORMEL; SILVEIRA;
2003). Esta resposta ao estressor compreende aspectos cognitivos, comportamentais e
fisiológicos (PIJPERS et al., 2003) que, segundo Margis et al. (2003), propiciam uma melhor
percepção da situação e de suas demandas, assim como um processamento mais rápido da
informação disponível, possibilitando uma busca de soluções adequadas e preparando o
organismo para agir de maneira rápida e vigorosa. No entanto, segundo Lipp (2000), com o
prolongamento das situações estressantes vão se desenvolvendo algumas fases de estresse que
podem chegar até a somatização e desenvolvimento de uma patologia.
Já a ansiedade é, segundo Weinberg e Gould (2001), um estado emocional negativo
caracterizado por nervosismo, preocupação e apreensão, e é associado com a ativação ou
agitação do corpo. Decorre de suas características que a ansiedade tem um componente de
pensamento (por exemplo, apreensão) chamado de ansiedade cognitiva, e também um
componente de ansiedade somática, que é o grau de ativação física. Outra diferenciação da

13
ansiedade refere-se à condição de ser um estado emocional temporário (ansiedade-estado) ou
uma tendência comportamental (ansiedade-traço).

3.1.1 Fenômenos psicofisiológicos e desempenho cognitivo

São numerosas as pesquisas que investigam a ansiedade, o estresse e o nível de


ativação em relação ao desempenho de atletas. Entre estas pesquisas estão aquelas que
demonstraram a relação entre fenômenos psicofisiológicos e o desempenho cognitivo:
Thompson, Williams, Esperance e Cornelius (2001) realizaram uma pesquisa comparando
situações de maior e menor estresse para o desempenho cognitivo, no caso específico, o de
memória em pára-quedistas. Os resultados obtidos em terra diferiram de forma importante
daqueles obtidos durante o salto. Os erros cometidos durante o salto, onde o nível de estresse
estaria elevado, demonstraram-se significativamente aumentados em relação à outra situação.
Kirschbaum, Wolf, May, Wippich, e Hellhammer (1996), Vedhara Hyde, J., Gilchrist,
Tytherleigh, e Plummer (2000) e Newcomer et al. (1999) desenvolveram estudos
investigando a relação entre nível de cortisol de indivíduos sob estresse mental e as
conseqüências no desempenho cognitivo. Fora percebido, em ambos os estudos, que os
principais prejuízos às funções cognitivas correspondiam aos maiores índices de concentração
de cortisol, ou seja, nas situações onde eram maiores os índices de estresse.
Em outro trabalho, desenvolvido por Van Zijderveld et al. (1993), os sujeitos foram
avaliados em suas performances cognitivas após a realização de um procedimento de indução
ao estresse mental pela infusão de adrenalina, os efeitos decorrentes poderiam assemelhar-se
ao de estresse mental. Observou-se correlação entre nível de ansiedade/estresse e déficit das
performances obtidas nas tarefas cognitivas que os pesquisadores propuseram.
Simpson, Drevets, Snyder, Gusnard, e Raichle (2001), através de uma técnica de
imageamento, investigaram o funcionamento cerebral durante situações de estresse, buscando
assim algumas contribuições fisiológicas para a compreensão do déficit de performance
mental em situações ansiogênicas. Percebeu-se, em especial, que a parte do cérebro
correspondente ao córtex pré-frontal tinha seu fluxo sangüíneo diminuído com os níveis de
ansiedade. A diminuição de fluxo sanguíneo desta região pode, segundo os autores, afetar o
funcionamento deste órgão, o que possivelmente implicaria no déficit do desempenho
cognitivo das pessoas com maiores níveis de ansiedade.

14
3.2 Hipóteses de como ativação ansiedade/estresse afetam o desempenho

Além da simples coexistência de aspectos psicológicos e fisiológicos nos fenômenos a


que fizemos referência no início desta fundamentação, acreditamos que eles tenham algumas
relações. De fato, isto foi considerado ao longo das pesquisas que objetivavam compreender a
relação entre estes fenômenos e o desempenho de esportistas, o que verificaremos em
seqüência.
A hipótese do U invertido: neste modelo sugere-se que o desempenho do atleta em sua
atividade segue um continuum na forma de uma curva, como a do desenho da letra U, de
forma invertida (Imagem 01- U Invertido). O desempenho estaria diretamente ligado ao nível
de ativação até um ápice de ativação ideal. A partir deste ponto a relação torna-se inversa, e, à
medida que o nível de ativação continua subindo, o desempenho passaria a diminuir.
IMAGEM 01 – U invertido:

Imagem 01 (WEINBERG e GOULD, 2001, P.105).

Na hipótese do U invertido, à medida que a ativação fisiológica aumenta, o


desempenho varia, como no desenho de um U invertido.
Esta hipótese recebe algumas críticas onde questiona-se, por exemplo, a forma da
curva de ativação, o fato da ativação ideal estar no ponto médio do continnum (COLLET,
ROURE, RADA, DITTMAR E VERNET-MAURY, 1996; HARDY, 1996).
Zonas individuais de desempenho ideal (Imagem 02 - IZOF): Yuri Hanin, em 1980,
verificou que atletas de elite têm uma zona de ansiedade-estado ideal, na qual ocorrem seus
melhores desempenhos. Fora dessa zona ocorrem os piores desempenhos, mas observou que

15
estas zonas diferiam entre os atletas. Esta nova concepção da relação entre ansiedade e
desempenho ideal foi denominada de Modelo de Zonas Individuais de Desempenho Ideal
(Individualized Zones of Optimal Functioning – IZOF) (JOKELA e HANIN, 1999; HANIN e
SYRJA, 1995).

IMAGEM 02 - IZOF

Imagem 02(WEINBERG e GOULD, 2001, p. 106).

Este modelo exemplifica como as zonas de melhor desempenho podem variar para
diferentes atletas. Nesta situação, os níveis de ansiedade associados a um melhor desempenho
não coincidiram entre os atletas.
Diferente da hipótese do U invertido, nesta perspectiva o nível ideal de ansiedade-
estado nem sempre ocorre no ponto médio do continuum, mas sim, variaria de um atleta para
o outro. No entanto, mesmo constando que o nível de ansiedade ideal pode variar entre
indivíduos, possivelmente por suas diferenças fisiológicas ou psicológicas, a hipótese de
IZOF não examinou, por exemplo, se os componentes da ansiedade-estado, ansiedade
somática e cognitiva, podem afetar o desempenho de maneiras diferentes.
Considerando estas outras questões, em 1990 surge o modelo da catástrofe de Hardy.
Este modelo propõe que o desempenho depende da interação entre a ansiedade cognitiva e o
nível de ativação do esportista (HARDY, 1996).
O modelo de catástrofe considera que a ativação fisiológica está relacionada ao
desempenho em forma de U invertido, quando um atleta tem uma leve ansiedade-estado
cognitiva. No entanto, se a ansiedade cognitiva for alta, os aumentos na ativação em algum
ponto alcançarão um tipo de limiar, imediatamente após o ponto de ativação ideal, ocorrendo
em seguida um rápido declínio no desempenho. Uma vez ocorrendo hiperativação e

16
catástrofe, o desempenho se deteriora significativamente (HARDY, 1996; WEINBERG e
GOULD, 2001).
Estas teorias têm orientado pesquisas como a de Miyake (2001), que buscou verificar a
importância de contarmos com mais de uma medida para avaliarmos respostas individuais
diante de tarefas mentais. Ele desenvolveu o Multivariate Workload Evaluation (MWE), o
qual combina parâmetros fisiológicos como variabilidade cardiovascular, transpiração e fluxo
sangüíneo periférico, e também outros parâmetros psicológicos. O pesquisador observou que
os parâmetros fisiológicos podem variar a resposta entre os sujeitos em uma mesma tarefa.
Alguns sujeitos responderam significativamente com a transpiração, enquanto outros com a
reação cardiovascular ou o fluxo sanguíneo periférico, sugerindo, como adequado, contarmos
várias medições fisiológicas para verificar estados emocionais e desempenho.
A utilização destes parâmetros fisiológicos também passou a ser considerado nas
pesquisas que buscam conhecer os fatores que interferem no rendimento dos desportistas.

3.3 A utilização de parâmetros fisiológicos em pesquisas para rendimento

O pesquisador Laurent (2004) observou que os saques de tenistas que orientavam-se


sobre um foco de atenção para quadra tornavam-se mais eficientes do que os orientados para a
execução do movimento, e que uma pequena diminuição no ritmo cardíaco antecedia algumas
boas jogadas. Em uma revisão de pesquisas desta natureza, apontam-nos alguns estudos que
consideraram esta correlação entre a desaceleração dos batimentos cardíacos e melhores
desempenhos em uma série de modalidades.
McCanne e Lyons (1990) pesquisaram a relação entre a freqüência cardíaca (FC) e
tarefas cognitivas usando testes da escala Wechsler de inteligência. Os resultados mostraram
haver uma relação entre o desempenho cognitivo e a desaceleração das freqüências cardíacas
dos participantes naquelas tarefas. Resultados semelhantes foram encontrados em um estudo
realizado por De Pascalis, Barry, e Sparita (1995), para o qual propuseram uma tarefa de
reconhecimento de estímulos visuais e processamento de informações em situações de
presença e ausência de estresse. Uma pesquisa proposta por Robazza, Bortoli e Nougier
(1998), com arqueiras da seleção italiana de Tiro com Arco, também verificou a relação entre
FC e performance. E, por fim, Radlo, Steinberg, Singer, Barba e Melnikov (2002), também
constataram as mesmas evidências em seu estudo com arremesso de dardos.
17
A inclusão da avaliação de medidas fisiológicas como a da freqüência cardíaca
mostrou-se, portanto, um importante recurso, pois parece revelar outros fenômenos
relacionados ao desempenho dos desportistas. Estas importantes revelações também chamam
a atenção para a possibilidade de que possam existir ainda outras informações ou aspectos
psicofisiológicos a serem revelados em suas correlações com desempenho.

3.3.1 Freqüência Cardíaca (FC)

Até o momento observamos que, com a evidência de que alguns fenômenos


psicofisiológicos afetam o desempenho, naturalmente muitas pesquisas dedicaram-se a
estudar esta questão (tópico 3.1.1). Surgiram, então, compreensões de como estes elementos
(psicológicos e fisiológicos) se relacionavam e poderiam sugerir um nível máximo de
rendimento (tópico 3.2). Para estas pesquisas foi necessária a inclusão de medidas fisiológicas
para aferir sobre seus níveis na ‘receita’ do rendimento. A utilização de parâmetros como
freqüência cardíaca (FC) e a variabilidade da freqüência cardíaca (VFC) (tópico 3.3),
tornaram-se variáveis nas pesquisas com esta orientação. Veremos, neste capitulo, como FC e
VFC tornam-se pertinentes parâmetros a serem considerados em pesquisas com a natureza
com a qual pretendemos encaminhar.
Pode-se dizer que o motivo destes parâmetros apresentarem grande aceitação em
estudos do gênero deva-se ao fato de que atualmente já exista um bom entendimento sobre
suas expressões e variações enquanto relacionado com os processos, sobretudo, ansiogênicos.
De maneira geral, estas situações produzem um aumento geral da ativação do organismo, a
fim de que o indivíduo possa reagir.
Estas formas de reação que um indivíduo pode apresentar, ao ter interpretado uma
situação como ameaçadora, são descritos por alguns autores como reações do tipo luta ou fuga
(LIPP, 2000). Para tal, fazem-se necessárias algumas alterações fisiológicas, tais como
elevação da pressão arterial, taquicardia, vasoconstrição na pele e nas vísceras e vasodilatação
nos músculos estriados, hiperventilação e aumento da sudorese (BRANDÃO, 2004; MARGIS
et al. 2003).
Segundo Margis et al. (2003), os sistemas neurais responsáveis por tais manifestações
comportamentais e neurovegetativas de defesa ativa estariam na matéria cinzenta
periaquedutal (MCP) dorsal e o hipotálamo medial. O hipotálamo, uma vez estimulado,

18
propicia a circulação do fator liberador de corticotrofina (CRF), vasopressina e outros
neuropeptídeos reguladores. A liberação de CRF promove, entre outras, a secreção do
hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) na hipófise, o qual leva à liberação do cortisol pelas
adrenais (eixo hipotálamo-hipófise-adrenal)
O Sistema Nervoso Autônomo (SNA) envolve-se neste processo sendo o meio que
assegurará e regulará as alterações necessárias a preparação do organismo. Segundo Carlson
(2002), o sistema nervoso autônomo é o responsável pela regulação dos músculos lisos,
cardíaco e das glândulas, tendo, ainda, inervações com os órgãos do corpo. A constante
regulação exercida pelo sistema nervoso sobre o funcionamento de diversos órgãos, sistemas
e aparelhos que integram o organismo, é, segundo Junqueira Junior, L. F. (1998), essencial
para que o mesmo tenha assegurado seu equilíbrio fisiológico interno e adequadamente exerça
suas interações com o meio ambiente circundante. Para tanto, ele constitui-se de dois sistemas
separados: o simpático e parassimpático. Estes sistemas exercem efeitos diferentes sobre os
órgãos que inervam: o simpático estimula e aumenta os batimentos cardíacos, já o
parassimpático diminuiria a freqüência cardíaca, por exemplo. (Imagem 03 – Divisão do
Sistema Autônomo).
IMAGEM 03 - Divisão do Sistema Autônomo

Imagem 03 (Adaptado de Carlson (2002), p.94).

19
Nesta figura selecionamos algumas inervações do sistema simpático e parassimpático
(não são demonstradas, por exemplo, as inervações sacrais do sistema parassimpático),
ilustrando como podem afetar fisiologicamente o organismo.
As alterações promovidas pela ativação de um ou outro sistema podem ser medidas,
servindo como sinalizadoras da ativação e funcionamento deste sistema, inclusive como
possíveis indicadores de ansiedade. Na literatura utiliza-se a mensuração destes parâmetros
para inferir-se sobre ansiedade ou estresse (DISHMAN et al. 2000; ANDREASSI e
FICHERA, 2000).
Dentre as possíveis reações fisiológicas frente a momentos ansiogênicos, encontra-se,
como já citamos, a reação cardiovascular, que tende a elevar a freqüência cardíaca nestes
quadros (MURATA, 1999; CONNOR et al. 2000). No entanto, a freqüência cardíaca pode
variar por diferentes razões: fatores ansiogênicos, como vínhamos nos referindo, e também
pelo esforço físico. A freqüência cardíaca sofre influências biológicas de origem multi
fatorial, e pode-se dizer que os componentes aferentes e eferentes do sistema nervoso
autônomo intervêm no funcionamento do coração, que responde, adaptando-se às condições
fisiológicas (RIBEIRO, et al 2000).
Atendo-se mais especificamente ao coração, sabe-se que é inervado por fibras pós-
ganglionares simpáticas dos gânglios cervical inferior e torácicos mais altos, e também por
fibras pós-ganglionares parassimpáticas. A estimulação simpática cardíaca provoca
taquicardia e também o aumento da força contrátil, enquanto a estimulação parassimpática
tem efeito contrário, ou seja, bradicardia (COLUCCI; BRAUNWALD, 1999, Apud
MOREIRA, 2006).
Percebe-se que este é um órgão que sofre constantes alterações em seus
comportamentos cardiovasculares. Isso se deve à influência da atividade de fibras pós-
ganglionares simpáticas dos gânglios cervical inferior e torácicos mais altos e também por
fibras pós-ganglionares parassimpáticas, que terão, como uma das principais características, a
modificação da freqüência de seus batimentos (COLUCCI; BRAUNWALD, 1999, Apud
MOREIRA, 2006). A multiplicidade dos sinais periféricos e centrais é integrada pelo sistema
nervoso central que, por meio de estimulação ou da inibição do vago ou simpático, modula a
resposta da freqüência cardíaca (RIBEIRO, et al 2000). Ainda sobre como ocorrem as
alterações dos comportamentos cardiovasculares, Nunes et al, (2007) oferece outras
informações específicas. O autor cita que a estimulação simpática aumenta a força de
contração cardíaca, aumentando assim o volume de sangue bombeado e a pressão de ejeção.
Por outro lado, a estimulação vagal diminui a freqüência cardíaca com moderada redução da

20
contração cardíaca, pois as fibras vagais estão distribuídas, principalmente mais para os átrios
do que para os ventrículos, onde o poder de contração cardíaca ocorre. Essas alterações no
débito cardíaco, provocadas pela estimulação nervosa, resultam de alterações na freqüência
cardíaca e na força contrátil do coração, devido às alterações na resposta à estimulação
nervosa (NUNES et al, 2007)
IMAGEM 04 - Inervações simpáticas e parassimpáticas do coração.

Imagem 04 (GUYTON; HALL, 2002 apud NUNES et al, 2007, p 02)

Sobre as alterações cariovasculares por demanda da atividade física, Neto (1996)


esclarece que a freqüência cardíaca altera-se com o objetivo de aumento no fluxo sanguíneo
de grupos musculares requisitados, na razão direta de uma demanda metabólica. Portanto, as
variações na freqüência cardíaca se correlacionam às alterações da intensidade de um
exercício. Com isso, durante a prática de uma atividade física, pode ser difícil distinguir entre
aquelas alterações na freqüência cardíaca que correspondem às solicitações do trabalho físico
daquelas outras psicológicas, psicofisiológicas, cognitivas, dos quadros de ansiedade. O
estudo de jogos de xadrez, neste sentido, pode dar-se de forma facilitada, visto que não
necessita de maior atividade física. No entanto, muitos pesquisadores da área do esporte se
utilizaram deste parâmetro para suas pesquisas, como verificamos no tópico 3.3 deste
referencial teórico. Isto também pode ocorrer pela facilidade que a aferição deste parâmetro
oferta. Segundo Duarte (2001), a simplicidade, a operacionalidade, o acesso rápido aos
resultados e o baixo custo fazem da monitoração da freqüência cardíaca um precioso
instrumento à disposição dos pesquisadores. Outro parâmetro fisiológico que também varia
em situações de estresse, ansiedade e atividade cognitiva, por exemplo, é a variabilidade da
freqüência cardíaca.

21
3.2.2 Variabilidade da Freqüência Cardíaca (VFC)

A variabilidade da freqüência cardíaca diz sobre as variações do ritmo cardíaco de um


indivíduo durante algum tempo. Para tanto, considera-se o intervalo de tempo, em
milissegundos, entre cada batimento cardíaco daqueles que compões o período a ser
observado. Com estes dados é possível a análise da média do tempo entre os batimentos e a
observação da alternância destes intervalos de tempo. Havendo grandes oscilações da
extensão dos intervalos entre os batimentos, existirá maior variabilidade da freqüência
cardíaca para o período total de tempo que se esteja considerando. Quando ocorre pouca
oscilação há pouca variabilidade, ou seja, o coração bate mais ritimadamente. Estas alterações
ocorrem secundariamente à respiração, estresse físico, exercício, alterações hemodinâmicas e
metabólicas, e são moduladas pelo sistema nervoso autônomo. De maneira geral pode-se dizer
que o sistema simpático atua diminuindo a freqüência cardíaca e aumentando a variabilidade
da freqüência cardíaca, enquanto o sistema simpático atua aumentando a freqüência cardíaca e
diminuindo a variabilidade da freqüência cardíaca (RASSI JUNIOR, 2000).
Estas variações no ritmo cardíaco vêm sendo estudadas através de análises diferentes.
A que considera o tempo (milissegundos) como fator fundamental ao cálculo do índice, é
chamada, por este motivo (BARROS e BRITO, 1998), de análise pelo domínio do tempo.
Outra forma de obtenção do índice da VFC utiliza-se dos dados temporais, que, através de
equações como a de Transformação de Fourier, são convertidos em função da freqüência com
que ocorrem (SILVA; JANUÁRIO, 2005). Este tipo de análise propõe zonas de freqüência
onde pode haver maior ou menor amplitude. As divisões são: freqüências muito baixas
(FMB), de 0 a 0.04 Hz; baixas freqüências (BF), 0.04 a 0.015 Hz e freqüências altas (AF)
(TASK FORCE, 1996). Estas divisões têm correlações com a atividade do sistema autônomo
durante o tempo total da obtenção dos dados. Quando a atividade é predominantemente
simpática, a faixa de freqüências que corresponde ao AF apresenta maior índice. Quando o
tônus do sistema parassimpático é maior, os índices de BF apresentam-se mais elevados
(CARVALHO, et al, 2001).
IMAGEM 05 – Análise espectral da VFC.

22
A verificação da VFC e o seu registro são possíveis por meio de equipamentos
sensíveis à atividade elétrica do coração, como Eletrocardiograma e Holter, e também por
meio de alguns freqüencímetros atuais que integram este recurso, por exemplo, as pesquisas
de Fronchetti et al (2005) e Nakamura et al (2005) já utilizaram-se de freqüencímetros com
esta tecnologia. Durante o funcionamento do coração, existem alterações das atividades
elétricas em relação à contração e despolarização de átrios e ventrículos. Para cada assinatura
energética decorrente do funcionamento cardíaco atribui-se uma letra alfabética Q, R, S, T na
ordem com que são observadas pelo eletrocardiograma. É característico destas alterações
enérgicas, quando observadas graficamente, um pico de energia muito superior aos demais.
Desta forma, por seu destaque, a onda R tornou-se o ponto de referência para o inicio da
contagem do tempo que perdura até o próximo pico do complexo QRS. A principal diferença
entre o Eletrocardiograma e o freqüencímetro é que, enquanto o primeiro faz o registro de
toda a atividade elétrica do coração, o segundo detecta apenas o sinal de maior amplitude o
pico QRS. Mesmo assim, ambos os aparelhos podem ser utilizados para a verificação da
VFC.

23
IMAGEM 06 - Assinaturas energéticas das ondas cardíacas

Imagem 06 (Klabunde, 2007 em http://www.cvphysiology.com/Arrhythmias/A009.htm)

Sobre a aplicabilidade destes recursos, Carvalho, et al (2001), relatam que o sinal de


variabilidade da freqüência cardíaca é atualmente usado como uma ferramenta para a
avaliação do equilíbrio da atuação dos ramos simpático e parassimpático do sistema nervoso
autônomo no controle da freqüência cardíaca. A obtenção dos dados de VFC se dá de forma
não evasiva, o que também pode ter favorecido a utilização destes parâmetros por
profissionais da saúde (NUNES, RUBIRA, FRANCO, OSÓRIO, 2007; BARROS e BRITO,
1998). Na concepção de Ribeiro e Moraes Filho (2005), o conhecimento de que as flutuações
da freqüência cardíaca, batimento a batimento, refletem a interação do sistema nervoso
simpático e parassimpático, veio oferecer uma janela para o estudo do sistema nervoso
autônomo (SNA) a partir do estudo da variabilidade da freqüência cardíaca.
Pesquisadores têm percebido que a VFC pode prestar informações sobre condições de
nossa saúde. Segundo Nunes et al, 2007, pouca variabilidade, em situações que não sejam de
tranqüilidade e sono, não são desejadas. Grande variabilidade é um bom indicativo em
situações de alguma atividade física e mental, reflete uma melhor saúde do sistema
cardiovascular. Para compreensão de como isto ocorre, é interessante considerarmos o
funcionamento do sistema nervoso autônomo e como interfere no comportamento cardíaco.
Nosso coração tem grande número de inervações simpáticas, necessitando que exista
uma importante atividade deste tônus para alteração do comportamento cardíaco.
Já as inervações parassimpáticas são poucas, das quais as inervações do nervo vago
são as mais importantes, inclusive, a ponto de alguns9 autores se referirem ao sistema vagal

9
Alguns autores como Ribeiro e Moraes Filho (2005) utilizam a expressão sistema vagal no sentido de sistema
parassimpático

24
em vez de parassimpático. No entanto, o nervo vago tem importante localização e pode alterar
a resposta cardíaca rapidamente.
Quando existe uma situação onde é necessária uma reação, automaticamente, nosso
sistema simpático é mobilizado para preparar o organismo àquela condição. Em caso de um
sujeito saudável, o sistema parassimpático também já estará preparado para agir quão
imediatamente for possível. Estas intervenções do sistema simpático fazem com que o tempo
entre os batimentos sofra um pequeno aumento, aumentando a variabilidade. No caso de um
sujeito com quadro de estresse crônico, ou naquele estágio em que Lipp (2000) descreve
como somatização, o sistema parassimpático já deve se encontrar desgastado e não responderá
imediatamente. Não havendo estas pequenas intervenções, o comportamento cardíaco tende a
tornar-se mais ritimado, com menor variabilidade. É por isto que, quando indivíduos com
problemas cardíacos não apresentam maior variabilidade cardíaca do que a provocada pelo
ritmo respiratório, podemos supor que estejam à eminência de um colapso cardíaco. As
variações da freqüência cardíaca provêm um padrão favorável de resposta no sistema nervoso
autônomo. A sua ausência prediz problemas, em particular a ausência de variabilidade na
baixa freqüência, ou seja, atividade vagal para o coração revela um risco iminente de morte
súbita. A literatura científica afirma que a banda de baixa freqüência representa a atividade do
sistema nervoso simpático, ao contrário da banda de alta freqüência, que representa
exclusivamente a atividade vagal para o coração no ritmo respiratório (KAREMAKER; LIE,
2000).
Ainda no campo da saúde, em questões ainda mais cotidianas aos psicólogos, também
são encontrados estudos que consideraram a variabilidade da freqüência cardíaca. A
ansiedade, a depressão e o estresse mental demonstram intervenções na expressão da VFC, o
que pode ser utilizado como um sinalizador para a possibilidade destes quadros psicológicos.
Existem algumas evidências que indicam uma associação entre ansiedade e diminuição da
taxa de variabilidade da freqüência cardíaca (KAWACHI, SPARROW, VOKONAS, WEISS,
1994; OFERHAUS, 1980). Também foram encontradas alterações na faixa da alta freqüência
da VFC que apresentou diminuição sobre estresse mental (SLOAN, 2000; DISHMAN, et al
2000). Outras pesquisas indicaram que a depressão está associada com redução da VFC.
(KARAVIDAS, et al, 2007; FRÁGUAS JÚNIOR, R. 2002; YERAGNI, et al 1994;
LEHOFER, et al 1997; RECHLIN, WEIS, SPITZER, KASCHKA, 2000).
Explorando a relação entre VFC e atividades cognitivas, encontram-se autores como
Schwarz, Schachinger, Adler e Goetz (2003); Tripathi, Mukunda e Mathew, (2003); Althaus
et al (1998); Gohara et al (1996), que observaram que a VFC diminui quando desenvolvemos

25
estas tarefas. No entanto, não foi observada esta alteração durante o desenvolvimento da
atividade, apenas em comparação ao estado de repouso. Neste artigo os autores ainda inferem
o que pode estar relacionada a estas alterações cardiovasculares. Althaus et al (1998) sugerem
que, durante atividade mental pode haver uma diminuição da VFC, em específico na AF pela
retirada do sistema parassimpático ou pelo aumento do ritmo respiratório. Ocorrendo
flutuações nos índices correspondentes à faixa de baixa freqüência da VFC, Jorna (1992) e
Mulder (1992), a partir de suas pesquisas, creditam o fato a uma baixa adaptação à demanda
de uma atividade mental.

3.4 FC, VFC e a performance em tarefas executivas

Como ainda descreveremos neste trabalho (tópico 3.4.1), o córtex frontal tem papel
fundamental nas tarefas executivas, que compreendem o planejamento, leitura do ambiente,
atenção sustentada, concentração, tomada de decisão, memória de trabalho entre outras
funções cognitivas. Exploraremos nesta oportunidade outras informações, de como esta região
do cérebro envolvessem com a FC ou a VFC.
Segundo Kubota et al (2001) é possível identificar momentos de concentração e
atenção pela análise das ondas Theta da parte medial do córtex frontal. Estes pesquisadores
observaram a correlação deste tipo de onda cerebral com o funcionamento do sistema
autônomo. Utilizaram a analise espectral da VFC identificando, nos momentos em que as
ondas Theta sinalizavam maior concentração, aumento do tônus simpático e também
parassimpático durante a atividade de meditação, por exemplo.
Outros pesquisadores como Thayera e Brosschot (2005) investigaram a relação do
córtex frontal por uma abordagem diferente. Não estudaram a repercussão de ativação desta
área nos comportamentos cardíacos, mas sim o de sua desativação. Segundo os autores
quando o córtex pré-frontral fica desligado por qualquer razão, a ação inibitória
parassimpática retrai-se e uma relativa dominância simpática associada com a desinibição de
circuitos defensivos é liberada, o que pode ser patogênico quando sustentado por longos
períodos. Este estado é indicado por baixa VFC, que é marcada por pouca ativação
parassimpática e hipoatividade pré-frontal.

26
Importantes tarefas a sobrivivencia cotidiana no mundo envolvem funções cognitivas
como memória de trabalho, atenção sustentada, inibição comportamental e flexibilidade
mental geral. Estas tarefas estão todas associadas com a atividade cortical pré-frontal
(THAYERA; BROSSCHOT, 2005). Déficits nestas funções cognitivas estão presentes em
estados afetivos negativos como depressão e ansiedade. Neste sentido, como a ansiedade,
depressão, estresse pós-traumático e esquizofrenia são associados com hipoatividade pré-
frontal pode haver, nestes casos, déficits na memória de trabalho, função executiva e menor
processamento efetivo de informações.
Dos resultados das pesquisas de Thayera e Brosschot, (2005), em relação a maiores
índices de VFC, duas caracteristicas importantes para o desempenho podem ser citadas. A
VFC mostrou-se associada com melhores tempos de reação e precisão. O que, segundo os
autores é compatível com a ligação entre mediação vagal, habilidade inibitória e função do
lobo frontal em tarefas associadas com função executiva e, portanto, que requerem atividade
pré-frontal. No estudo, sujeitos com baixa VFC tiveram piores resultados em termos de
velocidade e precisão do que os de alta VFC.
Outras contribuições de pesquisadores que não fizeram a relação direta de FC e VFC
com o córtex frontal, mas estudaram atividades executivas, mostram que pode haver tarefas
desta natureza que não incitem maior reativiade cariovascular para as quais as análises
cardiológicas podem tornar-se imprecisas ou que por características específicas da atividade
trazem dificuldades técnicas para as análises.
Vuksanovic e Gal (2007) pesquisaram o comportamento cardíaco na situação em que
os participantes deveriam realizar atividades aritméticas expressando verbalmente os
resultados. Encontraram aumento da freqüência cardíaca durante a atividade, mas não na
VFC. Os autores discutem que durante a fala ocorre a alternâncias do ritmo respiratório o que
torna-se uma dificuldade a pesquisas neste formato.
Já os pesquisadores Ryu e Myung (2005) observaram que a VFC permitiu especificar
as inferências sobre o trabalho cognitivo em tarefa de rastreamento, mas não sobre a tarefa
aritmética. Segundo os autores da pesquisa muitos estudos mostraram que o aumento da
atividade mental está tipicamente relacionado com a intensidade de ativação da faixa de BF
da análise espectral da VFC.
Nos resultados da análise da VFC, encontrados pelos autores, houve clara correlação
entre a dificuldade na tarefa de rastreamento e a VFC. Estes resultados apóiam o fato de um
aumento da atividade mental estar relacionada com o aumento dos índices da BF pela análise
espectral da VFC.

27
Na pesquisa destes autores a VFC não mostrou-se sensível ao possível estresse
ocasionado para tarefas aritméticas. Segundo os autores existe, nos estudos da VFC, a idéia de
que resoluções aritméticas não deva ser uma tarefa para estudos na expressão da VFC.
São numerosas as pesquisas que demonstram a existência de altercações cardíacas
entre os momentos de repouso e durante a execução de uma tarefa cognitiva. De maneira
geral pode-se dizer que neste caso a VFC diminui, pela análise do domínio do tempo. Quando
consideramos a análise espectral, parece haver diminuição do índice de AF, que
correspondem ao tônus do sistema parassimpático e aumento dos índices de BF que sugerem
aumento do tônus simpático. São alguns exemplos de pesquisas que evidenciam estas relações
as que descrevemos a seguir.
Hansen; Johnsen e Thayer (2003) tiveram como propósito do estudo investigar o efeito
do tônus vagal na performance durante tarefas executivas e não executivas, usando testes de
memória de trabalho e atenção sustentada. A reação as tarefas cognitivas foram investigadas
usando FC e VFC. Foram registrados 5 minutos de nível de base da atividade cardíaca de 23
marinheiros e aplicados os testes. Foram então formados grupos de participantes que tinham
apresentado no período de repouso alta VFC em um grupo e baixa VFC em outro grupo.
Quando avaliado os resultados por esta divisão observou-se que o grupo de alta VFC mostrou
melhores tempos de reação, maior número de respostas corretas e menos erros do que o grupo
de baixa VFC, isto para os testes que demandavam funções executivas. Houve supressão da
VFC e aumento da FC durante as atividades cognitivas comparadas com o estado de repouso.
Segundo os autores, o estudo que realizaram demonstrou que alta VFC está associada com
melhor performance envolvendo tarefas que exijam funções executivas.
Alguns autores também enfatizaram os resultados das tarefas além das alterações
cardiovasculares que as acompanham. Quando adotamos esta perspectiva percebemos que
pessoas que apresentavam, como característica intrínseca, maior variabilidade da freqüência
cardíaca apresentam maior desempenho em número de acertos, precisão e tempo de resolução
de atividades. Em detalhes cita-se o estudo de Franks e Boutcher (2003) onde um grupo
composto de 15 pessoas treinadas aerobicamente e um grupo de mesmo número de
participantes, porém destreinados, foram estudados pelos pesquisadores. Os sujeitos
destreinados comparados com os treinados apresentaram, de forma significativa, maiores
números de erros durante o teste de Stroop. Os sujeitos treinados tiveram menor FC e maior
atividade vagal em repouso. Os dois grupos tiveram significativo aumento da FC e também
significativa diminuição da ativação vagal durante a atividade de Stroop

28
Outros pesquisadores investigaram pessoas sob níveis de estresse diferentes.
Perceberam que quando o estresse é maior a variabilidade é menor, a BF maior, AF menor e o
desempenho nas atividades cognitivas menores do que quando as pessoas encontram-se
menos estressadas. Mais especificamente podemos tomar os estudos de Mullen; Hardy e
Tattersall (2005). Neste estudo as mesmas pessoas passavam por situações diferentes que
afetavam seu desempenho. Os participantes realizaram pequenas tacadas de golfe para colocar
a bola no alvo. Realizavam tacadas sobre situações ambientas diferentes. Em condições que
foram denominadas de alta ansiedade e baixa ansiedade. As tacadas de alta ansiedade se
davam em condições ambientais sombrias. A análise espectral VFC foi utilizada para a
observação do padrão de desconforto ocasionado pelos ambientes diferentes, e para que os
pesquisadores assegurassem das diferenças de ansiedade que marcam as distintas situações.
Os resultados indicaram que a performance foi prejudicada na situação de alta ansiedade. A
análise espectral mostrou que houve aumento da AF nas tacadas em condições de baixa
ansiedade.
A condição de baixa ansiedade produziu aumento da AF da VFC enquanto que na
condição de maior ansiedade ocorreu diminuição dos níveis da AF da VFC. A análise da
faixa de AF da VFC demonstrou resultados que refletem em parte a performance dos acertos
de tacadas.
No entanto, a condição de estresse não parece ser constante por um período de tempo
maior. Existe uma continua leitura do ambiente, interpretações a cerca dele e movimentos
fisiológicos a fim de assegurar a adaptação do organismo a estas condições. E, neste sentido,
diminuem o número de pesquisadores que além de constatar estas alterações características
dos momentos de atividade cognitiva, tenham observado, quando ocorre melhor ou pior
desempenho durante a prática da tarefa cognitiva. É o que buscamos com a pesquisa que
formulamos neste estudo.

3.4.1 Córtex pré-frontal e tomada de decisão

Desde os frenologistas, muitos cientistas vêm tentando mapear a correspondência


entre funções cognitivas e regiões cerebrais. Sobre a tomada de decisão, por exemplo, pode-
se classificá-la como uma função executiva, típica do córtex pré-frontal. Segundo Goldberg e

29
Podell (1999), o córtex pré-frontal tem papel central na formação de planos, na habilidade de
organização para guiar o comportamento por metas e objetivos internamente gerados. Assim,
o córtex pré-frontal estaria na condição de sede da intencionalidade, previsão e planejamento
(FRITH e FRITH 1999; GOLDBERG, 2002; FUSTER; BODNER e KROGER, 2000).
Alguns autores como Miller e Cohen (2001) e Goldberg (2002), assemelham as
funções do córtex pré-frontal com as de um diretor de uma orquestra, conduzindo e
integrando vários sons em uma sinfonia. De fato o córtex pré-frontal demonstra ter grande
conectividade com outras regiões do cérebro (RAJKOWSKA e GOLDMAN-RAKIC, 1995;
ANDERSON et al 1999; GOLDEBERG, 2002). A tomada de decisão considerará, portanto,
as relações com a memória, atenção, emoção, entre todas aquelas funções que podem intervir
no desempenho do enxadrista.
Outra importante questão a se considerar sobre o córtex pré-frontal é a diminuição de
seu fluxo sanguíneo frente a situações de estresse, o que demonstraram os pesquisadores
Simpson, Drevets, Snyder, Gusnard, e Raichle (2001). Por esta região ser o substrato físico da
tomada de decisão, deduzimos que esta possa ser afetada em situações de ansiedade. Os
estudos evidenciaram dificuldades no processamento de informações e déficit de desempenho
cognitivo.

3.5 Xadrez e a Tomada de Decisão

A Tomada de Decisão não parece de consensual conceituação entre os teóricos de


psicologia, pois em suas definições acabam diferindo nos elementos que a caracterizariam. É
interessante que as teorias clássicas que abordaram a questão e formularam as primeiras
concepções acerca do fenômeno, segundo Sternberg (2000), não envolveram psicólogos, mas
sim economistas, estatísticos e filósofos. Talvez este fato tenha dificultado a visualização
mais precisa do fenômeno pela psicologia, em meio a estes outros conceitos. Em um artigo
de revisão de importantes pesquisas do campo das neurociências, Ernest e Paulus (2005),
definem a tomada de decisão como o processo de formar uma preferência, selecionar e
executar uma ação e avaliar os resultados. Em outras concepções, por exemplo, a idéia de
avaliação dos resultados não aparece. Mas, discorremos a seguir da concepção com que
referenciaremos a tomada de decisão, a medida que a localizamos no contexto do xadrez.

30
Ao jogarmos uma partida de xadrez, é necessário estarmos antecipando os possíveis
lances do adversário. No estudo de Silva (2004), que analisava as justificativas de enxadristas
aos seus movimentos, podemos observar isso. Um exemplo de uma fala como a dos jogadores
do estudo que citamos pode ser: “eu movimentei o Cavalo porque previ que ele movimentaria
a Rainha, e na posição que o meu Cavalo estava, não poderia proteger o Rei”. Podemos
inferir, a partir deste exemplo, a ocorrência de manipulação mental das várias informações do
arranjo das peças no tabuleiro, de raciocínio dedutivo e tomada de decisão. Segundo Matlin
(2004), o raciocínio dedutivo e tomada de decisão estão claramente relacionados, mas se
distinguem quanto a algumas características. Observaremos rapidamente esses conceitos
contextualizando a pertinência em abordarmos um em detrimento do outro, visto os objetivos
de se investigar como alguns aspectos psicofisiológicos manifestam-se durante estas tarefas.
Segundo Matlin (2004), no raciocínio dedutivo temos algumas premissas específicas
que podem ser verdadeiras ou falsas, onde a lógica formal especifica as regras a serem
utilizadas neste processo para que se chegue a uma conclusão. Ao pensarmos no xadrez, as
jogadas orientadas por esta tarefa talvez fossem as ideais. Mas como veremos, o processo
totalmente racional durante uma jogada de xadrez não parece viável, visto a complexidade do
jogo, do número de possibilidades a serem consideradas e a pressão do tempo, presente em
muitas das modalidades do jogo. Uma resposta inequívoca pode ser, então, difícil ao
enxadrista. Reduzindo muitas jogadas logicamente, podem restar ainda algumas opções
ambíguas, porque dependem de um número muito grande de suposições, das possíveis
jogadas do adversário.
Na tomada de decisão, Matlin (2004) comenta que estão em jogo o julgamento e a
escolha entre diversas alternativas que parecem, justamente, mais ambíguas; caso daquelas
situações em que, exemplifica o autor, pode estar faltando grande parte das informações.
Goldberg (2002) demonstrou, em seus estudos, que a região cerebral que subsidia a tomada de
decisão e o raciocínio, é muito mais requisitada quando as opções nos parecem ambíguas.
Com essa informação e a descrição de tomada de decisão de Matlin (2004), suscita-nos que a
tomada de decisão possa estar de maneira mais envolvida com manifestações ansiogênicas do
que o raciocínio dedutivo. Ao se fazer uma decisão sem a certeza de que foi a melhor,
considera-se a possibilidade de erro, e, com isso, cresce a expectativa quanto a jogada do
adversário. Nesse sentido, o que tange a tomada de decisão nos acontecimentos que decorrem
até a efetivação de uma jogada é particularmente interessante.
Outro beneficio para utilização deste termo é sua melhor representatividade em termos
concretos. No xadrez, considera-se decidida a opção de movimentar uma peça quando esta é

31
tocada e a jogada concluída quando a peça é liberada. Segundo Matlin (2004), de maneira
geral, as pesquisas sobre tomada de decisão examinam situações realistas concretas, e menos
as situações abstratas, tão empregadas nas pesquisas sobre raciocínio dedutivo.
Sobre o desenvolvimento das formas de compreensão da tomada de decisão,
inicialmente (na época em que se postulou as teorias “clássicas”) pensava-se que as decisões
poderiam dar-se de maneira totalmente racional. Segundo Sternberg (2000), acreditava-se que
as pessoas seriam capazes de avaliar a diferença entre possíveis resultados, não importando o
quão sutis poderiam ser as diferenças entre as opções.
Outro modelo proposto em seqüência, considerou, segundo o mesmo autor, a utilidade
esperada subjetiva da escolha. Assim, as pessoas poderiam diferir quanto ao que lhes seria um
resultado positivo ou negativo. Mas se conhecêssemos qual seria a utilidade esperada de uma
pessoa para uma escolha, poder-se-ia, ainda, definir racionalmente a escolha. Isto seria
possível, tendo a concepção de que o homem sempre se orientaria buscando o prazer e
evitando a dor.
Mas logo muitos pesquisadores começaram a contestar a noção de racionalidade
ilimitada. Damásio (1996) afirma que contar exclusivamente com a racionalidade para muitos
contextos práticos tende a não funcionar. Na melhor das hipóteses, a decisão demoraria um
tempo enorme, muito superior ao aceitável. O autor cita que nossa atenção e memória de
trabalho possuem uma capacidade limitada, e, se uma mente dispusesse apenas do cálculo
racional, acabaria cometendo erros ou desistindo de escolher.
Para o Xadrez, em específico, segundo Saariluoma (apud SANTOS, 2004), a
complexidade gerada a partir da possibilidade de movimentação das peças é de tal ordem que
o enxadrista não é capaz de calcular todas as variações. No entanto, muitos jogadores têm
apresentado bom desempenho frente aos mais poderosos computadores, apresentando jogos
elaborados, de jogadas precisas. Como então, em um jogo que requer a consideração de tantas
variáveis pode ser tão bem executado por algumas pessoas, visto as limitações da mente,
inclusive quanto à tomada de decisão racional? (DIETRICH 2003, SIBLEY e ETNIER, 2004,
DAMÁSIO, 1996, STERNBERG 2000).
Uma das explicações que certamente poderia nos ocorrer, para a situação proposta
anteriormente, seria a possibilidade de os grandes enxadristas terem uma inteligência e
memória fora do comum. No entanto, Didierjean, Ferrari e Marmeche (2005), argumentam
que pesquisas conduzidas com imageamento cerebral não têm revelado diferenças
significativas na atividade do cérebro de especialistas e novatos. Esses pesquisadores
investigaram, então, alguns aspectos da memória destes jogadores. Foi observado que ambos

32
respeitavam os limites de elementos para a memória de trabalho de 7 mais ou menos 2, mas
enquanto os iniciantes consideravam uma peça como elemento de memória de trabalho, os
experientes reuniam um grupo de peças, pois estas costumariam ter certos arranjos específicos
para os jogos. Então, consideravam o arranjo como um elemento, e, a este fenômeno,
psicólogos cognitivistas têm se referido como agrupamento em chunks.
De outras formas, existem muitos outros fenômenos que podem auxiliar-nos nas
tomadas de decisão; apresentaremos, entre eles, a hipótese do marcador somático e, em
seqüência, a questão da experiência na prática de uma modalidade.
Damásio (1996) sugere que um possível facilitador de tomadas de decisão pode ser a
gama de fenômenos fisiológicos que tendem a ocorrer nestes momentos. Segundo a sua
hipótese do Marcador Fisiológico, quando nos surge uma sensação visceral desagradável em
uma situação de escolha, isto faria convergir nossa atenção para o resultado negativo a que a
ação pode conduzir, o que atuaria como um sinal de alarme automático. O sinal automático
pode fazer com que você rejeite imediatamente o rumo de ação negativo, levando-o a escolher
alternativas. Segundo o autor, a análise de custos/benefícios e a capacidade dedutiva adequada
ainda teriam seu lugar, mas só depois desse processo automático reduzir drasticamente o
número de opções. Este processo está ligado à aprendizagem e pode aumentar a precisão e a
eficiência da tomada de decisão (CRONE, SOMSEN, VAN BEEK e VAN DEREM MOLER,
2004).
Através de algumas pesquisas realizadas no contexto desportivo, podemos perceber
um outro possível contribuinte para boas tomadas de decisão: o fator experiência. Jogadores
com mais tempo de prática em suas atividades e que atingiram um maior nível de habilidade,
parecem, dentre os estudos que tomamos conhecimento, demonstrar regularmente melhor
desempenho em tomada de decisão.
Em um estudo de McMorris e Graydon (1996), realizado com jogadores de futebol
separados em dois grupos, um com 10 atletas experientes e um com 10 inexperientes, que
foram testados enquanto exercitavam-se na taxa de trabalho cardíaco máximo, a 70% da FC
Max, e em repouso. Slides de situações de jogo foram apresentados onde era necessário
escolher o melhor comportamento em relação à situação. Eram possíveis as seguintes
escolhas: chutar, driblar e passar. As escolhas foram avaliadas quanto à precisão e tempo de
reação. O grupo experiente teve melhor desempenho nas tomadas de decisão, principalmente
para a situação de 70% da FC Max.
Outra pesquisa, de Araújo, Davids e Serpa (2004), com velejadores, avaliou as
tomadas de decisão para uma prova simulada em computador. Os participantes foram

33
divididos em três grupos, conforme suas habilidades no esporte. Os indivíduos classificados
como mais habilidosos obtiveram melhores tomadas de decisão.
Resultados semelhantes também foram encontrados por Radlo, Janelli, Barba e
Frehlich (2001). Neste estudo, jogadores de baseball julgaram, através da observação de slides
com lançamento de bolas, se estas seriam rápidas ou curvas. Foram avaliados pela precisão da
resposta, tempo de reação e atividade eletrocortical da região P300. Jogadores de nível
intermediário apresentaram resultados significativamente inferiores em relação aos atletas de
nível avançado.

34
4 MÉTODO

4.1 Caracterização

O fenômeno que se busca compreender com esta pesquisa constitui-se de elementos


que localizam-se na intersecção de áreas distintas, tais como, Psicologia, Educação Física e
Fisiologia. No entanto, não procura discutir amplamente o tema da Psicologia Cognitiva e da
Fisiologia. Dentro destas áreas esta pesquisa se deterá ao estudo de alguns de seus elementos
como o comportamento cardiovascular e a tomada de decisão durante uma partida de xadrez.
Ainda de forma mais pontual, este estudo investiga se a freqüência cardíaca e a
variabilidade da freqüência cardíaca podem ser, de alguma forma, sinalizadores para a
qualidade da tomada de decisão. Desta forma, pode-se considerar que a pesquisa em questão
assemelha-se a proposta de estudo de caso exploratório/descritivo. Segundo Bruyne, Herman
e Schoutheete (1991), este tipo de pesquisa busca o delineamento de novas abordagens para
objetos pouco conhecidos e a compreensão de uma instância específica.
Destaca-se que o trabalho baseou-se, fundamentalmente, nas jogadas realizadas pelo
enxadrista participante. Com o registro da atividade cardiovascular em cada jogada, foi
analisado quais informações cada intervalo de tempo pode oferecer. Neste sentido, os sujeitos
de análise tornam-se cada um destes segmentos de atividade cardíaca e gera-se um “n”
considerável, comparável a pesquisas com propostas semelhantes. Assim, este estudo contou
com 61 objetos de análise.
Trata-se de uma pesquisa correlacional que procurou identificar regularidades entre: a)
a qualidade das tomadas de decisão para a escolha de jogadas no xadrez; b) valores da
freqüência cardíaca, e c) variabilidade da freqüência cardíaca em cada tomada de decisão,
representada pela escolha efetiva de cada uma jogada. Buscou-se assim estabelecer uma
relação entre estas medidas de forma quantitativa.
Segundo Gil (2000), o que se obtém nesta modalidade de delineamento é a constatação
da existência de relação entre variáveis através de demonstrações estatísticas.
Para este estudo foram variáveis (que se aproximam da concepção de variável
dependente dos estudos experimentais) a qualidade em cada tomada de decisão, para isto o
enxadrista realizou uma auto-avaliação de cada jogada que efetuou, e também foi utilizado o

35
Software Fritz, versão 09, para uma segunda avaliação. As demais variáveis referem-se a
dados obtidos através do registro das caracteristicas do comportamento cardiovascular que
foram estipulados pelo HRV Analysis Software versão 1.1.
Aproximam-se do conceito de variáveis dependentes dos estudos experimentais:
média do intervalos R-R, desvio padrão de R-R, média da FC, desvio padrão da FC, RMSSD,
freqüência pico BF, freqüência pico de AF, BF power em unidades normalizadas (%), AF
power em unidades normalizadas (%), e razão BF/AF. É interessante a utilização dos vários
índices possíveis, pois não sabemos qual pode ser um sinalizador melhor para as situações
que propomos com esta pesquisa, e também porque, como citam Ribeiro e Moraes Filho
(2005), índices de variabilidade da freqüência cardíaca no domínio da freqüência e no
domínio do tempo apresentam características distintas do sistema nervoso autônomo em
condições fisiológicas e patológicas. Sendo os índices do domínio da freqüência, por
exemplo, capazes de informar que ramo do sistema simpático está sendo o principal fator para
expressão de determinada condição cardíaca.
No controle das variáveis intervenientes foi considerada a alimentação do dia anterior
ao teste, que não incluiu bebidas alcoólicas ou a base de cafeína; o tempo e qualidade do sono
dos participantes; controle da luminosidade e temperatura do ambiente e a ingestão de drogas
beta-bloqueadoras, que demonstram relação com a atividade cardíaca (REIMÃO e
INOCENTE, 2002; BARROS e BRITO, 1998). Sobre a ação dos fármacos, em específico,
Barros e Brito (1998) relatam que os dados sobre a relação entre drogas anti-arrítmicas
(quinidina, amiodarona, propafenona, etc.) e a VFC são escassos. Já os relatos em geral sobre
o uso de B-bloqueador mostram efeitos mais consistentes sobre a expressão da VFC. Outras
interveniências de características particulares do funcionamento fisiológico, como atividade
metabólica, níveis e ciclos de circulação hormonal e condicionamento físico, que também
interferem significantemente nas expressões cardiovasculares (NEVES et al, 2006; RIBEIRO
e MORAES FILHO, 2005), são de grande dificuldade de controle. Sobre o condicionamento
físico, Ribeiro e Moraes Filho explicam que, além de seu efeito agudo, a prática regular de
exercícios é capaz de influenciar o SNA simpático e parassimpático a longo prazo. Atletas
condicionados aerobicamente apresentam freqüência cardíaca mais baixa em repouso e
também durante o exercício. Esse fato pode ser atribuído, segundo os autores, à redução da
freqüência cardíaca intrínseca, o aumento do tono parassimpático e à diminuição do tono
simpático.
O estudo de um caso elimina os problemas apresentados e é adequado à intenção desta
pesquisa. Este estudo teve como proposta explorar, entre diferentes caracteristicas e formas de

36
visualizá-las, quais, e se realmente poderiam, ser usadas para identificarmos uma condição de
alto desempenho. A possível interveniência do fator experiência do participante também passa
a não ter efeito com seleção de um participante.
A freqüência cardíaca e variabilidade da freqüência cardíaca poderiam apresentar
diferentes relações com a precisão das tomadas de decisão. Poderia não haver nenhuma
regularidade nas suas variações para as situações de tomada decisão, neste caso não havendo
uma correlação; ou acontecer o oposto, havendo correlações positivas ou negativas. Seria um
exemplo de correlação positiva o fato de quando a taxa de trabalho cardíaco eleva-se, a
tomada de decisão que coincide com aquele momento também se tornasse mais precisa. O
método aqui utilizado foi observado como o mais adequado à busca destes esclarecimentos.

4.2 Participante

Devido à especificidade do estudo, o participante foi escolhido de forma intencional e


conveniente. Foi escolhido um enxadrista do sexo masculino, universitário, com idade de 25
anos.
Pesquisadores demonstraram que variabilidade da freqüência cardíaca pode sofrer
alterações em função dos níveis hormonais (SHARPLEY et al, 2000), e, em grande número, é
realizado com estudantes. Com isto, a maioria dos dados que dispomos para comparações
advém desta população. Como visávamos trazer contribuições aos esportistas de alto
rendimento, procurou-se por um jogador neste nível. Para isto, foi observada a classificação
no Ratting da confederação, onde considera-se que o jogador “expert” deva possuir entre 800
e 2000 pontos, o que é o caso do participante desta pesquisa. Os enxadristas podem ser
classificados em níveis de habilidade através deste sistema de classificação, que é adotado
mundialmente. Assim, experimentos feitos em qualquer país podem ser comparados com
maior precisão (SILVA, 2004). O participante teve a indicação do então professor da
disciplina de Xadrez na UFSC e coordenador dos principais eventos na Universidade.
Para tanto, o candidato em vista manifestou interesse em participar de uma competição
contra o programa de computador Software Fritz, a ser organizada pelo Laboratório de
Neurociência do Esporte e Exercício - LANESPE (Apêndice 02), estando livre e esclarecido
quanto à pesquisa que foi realizada nos momentos de competição, tendo, também, consentido
em sua participação (Apêndice 01).
37
4.3 Instrumentos

Monitor de freqüências cardíacas (Anexo 01 – Foto monitor FC Polar S810i)

Para o monitoramento das freqüências cardíacas do enxadrista durante suas jogadas,


utilizamos 01 monitor de freqüência cardíaca da marca Polar® modelo S810i. Pesquisas como
as de Aguiar, Fronchetti, Aguiar e Lima (2005) também utilizaram o cardiofreqüencímetro
Polar®, modelo S810i para o registro dos intervalos R-R de seus participantes. O monitor
compõe-se em uma cinta torácica: cinta elástica cuja parte interna contém eletrodos sensíveis
aos sinais elétricos produzidos pelo coração; unidade transmissora: parte da cinta torácica
responsável por transmitir os dados de freqüência cardíaca para o monitor de pulso; monitor
de pulso: parecido com um relógio, funcionando como receptor dos sinais e pode reenviar o
sinal recebido para uma interface receptora. O monitor a que nos referimos armazena as
informações do usuário em uma memória de onde pode ser repassado ao computador ou
registrado em tempo real, on-line. Foi utilizada a transmissão on-line dos dados, não havendo,
assim, preocupação com o limite de armazenamento dos dados que ocorreram no disco rígido
do computador do laboratório.

Software Fritz (Anexo 02 - Imagem do Software Fritz para competição de xadrez)


O programa Fritz foi desenvolvido pela empresa alemã ChessBase, e atualmente
encontra-se na versão 9. Segundo Silva (2004), é o software disponível comercialmente mais
desafiante para se jogar e analisar partidas de Xadrez, sendo o favorito entre os profissionais.
Uma característica importante do Fritz é que há uma ferramenta de análise que possibilita
examinar uma posição ou partida, oferecendo uma imagem clara dos erros cometidos, além de
calcular o tempo gasto em cada jogada. Cada partida foi submetida a dois tipos de análises: a
Análise Completa e a Comprovação de Descuidos, que indicaram os mesmos valores. O
software atribuiu pela análise de seu banco de dados, cálculo dos valores, posições das peças
em jogo e valores das jogadas, que permitiu qualificá-las quanto sua precisão. As jogadas são
classificadas positivamente e negativamente, em valores proporcionais ao tamanho da
vantagem ou desvantagem proporcionada ao jogador com a efetivação do lance em questão.

38
Ficha de dados (Apêndice 03)
Esta ficha foi utilizada para agruparmos os dados, relevantes à pesquisa, de cada
jogada do participante. Nela estão contidos os dados que foram requisitos para o controle de
variáveis intervenientes e a possibilidade de descarte dos dados afetados. Com o instrumento
observou-se, a cada minuto, a temperatura do laboratório e o acontecimento de eventos
ruidosos. Este instrumento esteve em mãos do pesquisador que acompanhou o experimento,
sendo preenchido por este, durante os procedimentos. Este instrumento serviu-nos, ainda, para
registro das respostas cardiovasculares ao longo da partida de xadrez, o tempo despendido
para a realização de cada jogada e ainda a precisão de cada jogada. Estes procedimentos
foram realizados como medida de segurança, visto que cada um dos outros instrumentos
citados, utilizados nesta pesquisa, são capazes de armazenar em memória os dados.

4.4 Procedimentos para a coleta dos dados

Na semana anterior ao início das intervenções experimentais, o participante


selecionado foi levado ao LANESPE, que se encontrava climatizado para temperaturas entre
24 e 26ºC e bem iluminado por luzes artificiais, para que fosse mantido o padrão de
luminosidade. Nesta ocasião, o participante ambientou-se ao local, aos equipamentos que
compõe o monitor de freqüência cardíaca e à forma de interação com o software Fritz. Na
oportunidade, foi ainda informado ao participante que este deveria evitar, no dia anterior a
realização da competição/experimento: exercitar-se, tomar bebidas estimulantes como café ou
energéticos e bebidas alcoólicas, e procurar dormir bem.
Os experimentos foram realizados no horário em que o jogador estava habituado a
desempenhar atividades cognitivas ou mesmo de realizar partidas de xadrez. No dia do
experimento, um computador estava preparado no laboratório para receber o enxadrista. Foi
fixada a cinta torácica do monitor de freqüência cardíaca, conforme os manuais dos
equipamentos.

39
IMAGEM 07 – Situação para o registro dos dados

A imagem demonstra como estava organizada a situação para a qual registrou-se as


respostas psicofisiológicas e a precisão da tomada de decisão para cada jogada do enxadrista
participante.
O jogador sentou-se em uma poltrona confortável e estabeleceu diálogo com o
pesquisador, até este identificar que o participante não aparentava ansiedade. Neste momento
procedeu-se a orientação de que o enxadrista procurasse ficar o mais relaxado possível,
fechasse os olhos e assim permanecesse durante cinco minutos, e que seria avisado logo que o
tempo terminasse. Durante este momento foram registrados os dados que serviram como
indicadores para estado de repouso, linha de base. Após este momento, quando o participante
voltou-se frente ao computador, lhe foram informados os procedimentos específicos pelos
quais devia agir em concordância para a realização do experimento. Lembramos que o
participante já teve conhecimento anterior dos propósitos da pesquisa e no que implicaria sua
participação, inclusive quando concordou em participar assinando o termo de consentimento
livre e esclarecido. Então, no momento anterior à realização do experimento, foi comunicado
ao jogador que deveria realizar duas partidas de xadrez contra o programa Fritz, que estava
configurado para o mais alto grau de dificuldade, na modalidade de xadrez rápido, para a qual
existe a restrição de que jogo seja encerrado em 30 minutos (o jogador era familiarizado às
regras e modalidades de jogos). Solicitou-se que o jogador fizesse suas jogadas, tentando

40
realizar sempre a melhor possível. O enxadrista realizou duas partidas, tendo iniciado a
primeira partida com as peças brancas, e na segunda ocasião jogou com as pretas.

4.5 Procedimentos para análise dos dados:

Os registros feitos pelo freqüencímetro puderam ser acessados através do software


Polar Precision Performance e exportados em três arquivos (repouso, jogo 01 e jogo 02),
com a possibilidade de serem importados pelo HRV Analysis Software. Esta compatibilidade
foi total, pois a empresa que desenvolveu o HRV Analysis utilizou-se, justamente, de amostras
geradas a partir de freqüencímetros da marca Polar® (NISKANEN et al 2002).
A ficha de dados (apêndice 03) prestou fundamental auxílio inicial, possibilitando a
organização dos dados do participante para cada um dos jogos e a organização dos dados
gerados pelo HRV Analysis Software. Servimo-nos do pacote estatístico Statistical Package
for Social Sciences (SPSS), versão 08, para os testes correlacionais, utilizando-nos daqueles
testes para medidas não paramétricas em conformidade à natureza de nossos dados coletados,
freqüência cardíaca e variabilidade da freqüência cardíaca.
No banco de dados, considerou-se cada jogada como um sujeito de estudo, a fim de
possibilitar comparações entre diferentes movimentações e seus correlatos. Sendo assim,
contou-se com 61 jogadas (n=61).
Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva e inferencial. Na primeira
etapa, foram apresentados os resultados gerais das jogadas e dos dados de freqüência e
variabilidade cardíaca, incluindo medidas de tendência central e variabilidade. Nessa etapa, as
variáveis contínuas foram testadas em relação à normalidade de distribuição (valores de
assimetria, curtose e teste de kolmogorov-smirnov). Como algumas variáveis apresentam
desvios significativos de normalidade (p<0,05), os dados foram correlacionados por meio de
Spearman’s rho ou correlação parcial.
Para comparar a qualidade das jogadas (vantajosas e desvantajosas), utilizou-se teste t
independente, pois as variáveis referentes à freqüência e variabilidade cardíaca apresentaram
distribuição normal. O intervalo de confiança adotado foi de 95%, sendo o nível de alfa
ajustado em p<0,05.

4.6 Procedimentos éticos


41
Conduzimos esta pesquisa sobre claros parâmetros éticos, e para isto os procedimentos
estão de acordo com a resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, que exige a
anuência por escrito dos sujeitos da pesquisa ou seu representante legal, mediante explicação
completa e pormenorizada da natureza da pesquisa e dos possíveis incômodos ou benefícios
que podem ocorrer em decorrência da pesquisa.

42
5 RESULTADOS

Inicialmente apresentaremos os dados gerais obtidos a partir do processamento do


HRV Analysis Software v1.1 sobre os registros da atividade cardíaca do enxadrista
participante da pesquisa. As análises demonstradas referem-se ao período total de registro
para a situação de repouso, durante a primeira e a segunda partida.
Apresentaremos os dados, da forma10 como são gerados pelo software, pois assim nos
é permitida uma visualização facilitada e integradora dos dados. Pela presença de gráficos e
tabelas, torna-se mais claro o entendimento de como a FC e VFC expressaram-se em cada
condição.
Após a visualização geral dos dados correspondentes ao total do tempo de registro
cardiovascular e as primeiras observações, são apresentados os dados de forma detalhada. A
visualização da análise dos dados referentes aos tempos segmentados de cada jogada pode ser
feita através da consulta dos apêndices (apêndice 04), pois tratam-se de 61 folhas geradas pelo
software de análise o que poderia tornar-se cansativo ao leitor em meio ao texto, na imagens
geradas pelo software estão as informações relacionadas a média da freqüência cardíaca
durante o tempo da jogada, desvio padrão da FC, índices da análise da VFC do total de tempo
de cada jogada pela análise do domínio do tempo e espectral. Prestigiando o leitor que possa
ter interesse em analisar quais foram as jogadas realizadas pelo participante desta pesquisas,
também constam nos apêndices as notações das partidas (apêndice 05).

10
A imagem gerada difere-se da original, pois não apresenta todas as análises possíveis do software e pelo fato
de ter sido traduzido os títulos dos gráficos e tabelas para o português, pelo autor deste trabalho.

43
IMAGEM 08 - Gráficos e tabelas do HRV Analysis Software para o período de Repouso

No gráfico das séries de tempo RR, percebemos que o intervalo de tempo, em


segundos, entre os batimentos, teve uma variação na escala do gráfico que foi de 0,55 até 0,7
segundos, e que a maioria do tempo dos intervalos RR eram próximos a 0,6 segundos. Sobre
os dados VFC do domínio da freqüência, observa-se predomínio da atividade simpática,
representada por BF, e considerável atividade parassimpática. A variação da freqüência
cardíaca oscilou entre 85 e 105 batimentos por minuto, tendo a média estabelecida em 97
bpm, considerada alta para a idade do participante e sexo masculino.

44
IMAGEM 09 - Gráficos e tabelas do HRV Analysis Software para o primeiro jogo

No gráfico das séries de tempo RR, percebemos que os batimentos tiveram uma
variação na escala do gráfico, que foi de 0,5 até 0,7 segundos, e que a maioria do tempo dos
intervalos RR eram próximos a 0,6 segundos. Sobre os dados VFC do domínio da freqüência,
observa-se predomínio da atividade simpática, representada por BF, e pouca atividade
parassimpática. A variação da freqüência cardíaca oscilou entre 80 e 120 batimentos por
minuto, tendo a média estabelecida em 99 bpm.

45
IMAGEM 10 Gráficos e tabelas do HRV Analysis Software para o segundo jogo.

No gráfico das séries de tempo RR, percebemos que os batimentos tiveram uma
variação na escala do gráfico que foi de 0,55 até 0,75 segundos, e que a maioria do tempo dos
intervalos RR eram próximos a 0,65 segundos. Sobre os dados VFC do domínio da
freqüência, observa-se predomínio da atividade simpática, representada por BF, e pouca
atividade parassimpática. A variação da freqüência cardíaca oscilou entre 80 e 105
batimentos por minuto, tendo a média estabelecida em 93 bpm.
De forma mais específica, seguimos a apresentação dos dados, primeiramente sendo
descritos os resultados gerais da freqüência cardíaca e variabilidade da freqüência cardíaca em
repouso (linha de base) e nos jogos 1 e 2. Os dados referentes aos tempos de jogos e jogadas
também estão descritos a seguir.

46
O primeiro jogo teve duração média de 986.7 segundos (DP=657.1), somando 45
jogadas, que duraram aproximadamente 42 segundos cada (DP=36.9). O segundo jogo teve
duração média de 307 segundos (DP=204,5), contando com 17 jogadas, num total de 17
lances, que duraram em média 36,7 segundos (DP=24,1).
No jogo 1, ocorreu um empate. A média de auto-avaliação da jogada pelo participante
foi de 3,64 (DP=0.712), o que indica uma boa avaliação das jogadas (4 é a pontuação
máxima). Pelo Software Fritz, a avaliação das jogadas variou entre -1.18 e 0.48, sendo que
jogadas negativas são consideradas como uma movimentação que atribuiu desvantagem na
partida, e jogadas positivas como vantajosas. No jogo 1, a média de avaliação das jogadas foi
de -0.126 (DP=0.42).
No jogo 2, o participante acabou abandonando a partida. A média de auto-avaliação da
jogada pelo participante foi de 3,13 (DP=0.712), o que demonstra uma avaliação positiva das
jogadas. Pelo Software Fritz, a avaliação das jogadas variou entre -0.37 e 3.99. Neste jogo a
média de avaliação para cada lance foi de 1,396 (DP=1.19). Os dados referentes à freqüência
cardíaca e variabilidade em repouso durante os jogos 1 e 2 podem ser observados na tabela 1.

TABELA 1 - Dados da FC e VFC durante o repouso, primeiro e segundo jogo


Condição FC FC DP R-R RR DP RMSSD BF (%) AF (%) BF/AF
média (ms)
(bpm)
Repouso 97,63 3,79 0,616 0,024 16,7 59,7 28,4 2,098
Jogo 1 99,02 4,17 0,608 0,025 11,1 58,2 9,4 6,225
Jogo 2 93,85 3,96 0,641 0,026 12,2 64,4 11,0 5,835

Para verificar a correlação entre a auto-avaliação da jogada, a avaliação do Software


Fritz e o nível de esperança do participante em cada lance com os dados cardíacos, utilizou-se
correlação parcial controlando a duração das jogadas. Esse tipo de correlação foi utilizada
pois o tempo de cada jogada apresentou correlação significativa com as variáveis de
freqüência cardíaca. Os coeficientes das correlações podem ser observados na tabela 2.

47
TABELA 2 - Coeficiente das correlações
Auto-Avaliação Avaliação Fritz Esperança
Condição r p r P r p
FC (bpm) ,119 ,374 -,405 ,002* -,183 ,170

FC desvio ,075 ,578 -,059 ,661 -,094 ,484

R-R médio -,113 ,398 ,407 ,002* ,193 ,146

R-R DP ,048 ,718 ,046 ,730 -,056 ,674

RMSSD ,093 ,487 ,056 ,676 ,115 ,389

BF pico -,080 ,553 -,071 ,595 ,106 ,430

AF pico ,075 ,576 -,112 ,404 ,194 ,144

BF absoluto (ms²) -,020 ,883 -,067 ,615 -,092 ,493

AF absoluto (ms²) ,015 ,914 ,092 ,493 ,061 ,647

BF (%) ,024 ,859 -,131 ,328 -,071 ,595

AF (%) ,018 ,896 ,094 ,482 ,060 ,656

BF/AF -,043 ,750 -,170 ,202 -,089 ,507

Com a observação da tabela acima pode-se perceber que não foi encontrada correlação
entre os índices de auto-avaliação e qualquer dos índices de VFC, ou com a própria FC. Da
mesma forma, o nível de esperança em cada jogada não apresentou correlações significativas
com os dados cardiovasculares.
Sobre a avaliação realizada pelo Software Fritz para cada jogada do enxadrista, foi
encontrado correlação com dois índices referentes às características do comportamento
cardíaco.
Houve correlação negativa (r = -0,405) altamente significativa (p = 0,002) com a
média da FC. Esta evidência indica, com grande grau de probabilidade que, quando em uma
ocasião ao longo do tempo a média da FC elevar-se, existe a tendência de se realizar uma
jogada ruim.
Também ocorreu correlação positiva (r = 0,407) altamente significativa (p = 0,002)
com a média do tempo entre os batimentos, o intervalo R-R. Este índice é apresentado no
HRV Analysis Software junto aos descritores da Análise da VFC pelo domínio do tempo. A
partir desta correlação podemos dizer que, quando, em um determinado momento, as médias
do intervalo R-R aumentarem, uma boa jogada deve ocorrer.

48
6 DISCUSSÃO

A primeira questão a ser considerada, acompanhando a ordem das etapas da pesquisa,


trata da linha de base pare este estudo. A média da FC no estado de repouso chama atenção
pelo valor elevado o que pode sugerir que o participante não estivesse realmente relaxado. No
entanto se observamos a variabilidade da VFC percebemos que as condições para estado de
relaxamento que são, segundo Nava et al (2004), a diminuição de energia em BF e o aumento
em AF, ocorreram nesta pesquisa. Desta forma sabemos que em algum nível, houve
relaxamento. O nível de ativação nesta condição pode, portanto, não ter diminuído em função
de alguma perturbação ansiogênicas como a preocupação com a atividade que em breve
desempenharia, fenômeno bem conhecido dos estudiosos da ansiedade pré-competitiva
(ROSE JÚNIOR, 1998; GIRARDELLO, 2004). Outra contribuição a alteração da media da
FC entre os estados de repouso e execução da tarefa cognitiva poderia advir do próprio
desempenho cardiovascular, do nível de condicionamento físico do enxadrista.
A análise dos dados do período em que o enxadrista esteve em repouso, em
comparação ao período em que realizou os jogos, apresentou nítidas diferenças. A
variabilidade da freqüência cardíaca é maior e a freqüência cardíaca é menor durante o
repouso. Esta condição demonstra o predomínio do tônus parassimpático no momento de
repouso. Sobre esta condição, Moreira (2006) comenta que o sistema nervoso autônomo
contribui para a regulação do débito cardíaco durante o repouso. Afirma que o tônus
parassimpático controla o estado de repouso, enquanto que na alternância do sujeito para um
momento de atividade haverá retraimento do tônus vagal e uma subseqüente ativação
simpática.
A alteração dos dados que demonstraram menor variabilidade da freqüência cardíaca e
maior freqüência cardíaca média no momento da realização da partida de xadrez pode ter
ocorrido em decorrência da alternância de estados, citada por Moreira (2006). Mas também
pelo fato de que a atividade seguinte fora interpretada como uma condição estressante. Pode-
se considerar isto, pois estas alterações fisiológicas decorrentes não foram eliciadas por
atividade física, por alterações voluntárias do ritmo respiratório nem por atividades
metabólicas diferenciadas. Procurou-se minimizar o efeito de cada uma destas variáveis pela
condição experimental, e a situação ergonômica que o sujeito foi submetido assemelhava-se à
do estado de repouso.

49
A modificação do comportamento cardíaco provavelmente deveu-se à avaliação
cognitiva do ambiente, que solicitou preparação fisiológica para uma situação de
enfrentamento. O que é condizente com a concepção de estresse que apresentamos neste
trabalho, a qual Jones (1990) definiu como um estado que exige respostas do indivíduo para
formular comportamentos que possam enfrentar uma dada situação.
Sobre o controle das variáveis intervenientes, é pertinente comentar que o jogador
passou por momento de adaptação perante as condições experimentais antes do inicio da
partida. Este não apresentou grande atividade física além da movimentação das peças pelo
tabuleiro. Além disso, o jogador relatou que teve sono satisfatório na noite anterior, bem
como que realizou a atividade em horário do dia em que costuma executar tarefas cognitivas.
O controle destas variáveis poderia trazer alterações na expressão da FC e VFC. (RIBEIRO e
MORAES FILHO, 2005; BARROS e BRITO, 1998; REIMÃO e INOCENTE, 2002).
Salientam-se as alterações ocorridas em relação ao período de repouso, ou linha de
base, pois havia dúvida dos pesquisadores se a condição experimental mobilizaria o
enxadrista com intensidade comparável às competições tradicionais. Diante disso, foi
considerada até a premiação por um bom resultado, mas como em testes pilotos anteriores, o
enxadrista desta análise também se demonstrou motivado em realizar a partida e vencer seu
oponente.
Ainda sobre os dados de comparação entre nível de base, durante a atividade do
xadrez notou-se que houve diferença entre a média de FC e a razão entre BF e AF (BF/AF) do
primeiro jogo e do segundo. Na primeira partida que o enxadrista realizou, os dados
apontaram nível de ativação maior durante os jogos do que no nível de base. Já no segundo
jogo apenas BF/AF sugere nível de ativação maior que o de repouso. Nesta ocasião a média
da FC ficou a baixo do nível de base. Sobre o nível de ativação entre os jogos, a média da FC
e BF/AF sugerem nível de ativação maior no primeiro jogo do que no segundo.
Torna-se interessante fazer a análise anterior adicionando a informação sobre o
resultado das partidas. A primeira partida o jogador empatou com Fritz, e a segunda
abandonou o jogo. Se apenas tomássemos como base a FC do enxadrista, esta observação
sugere que o jogador pode ter desempenho maior quando se encontra em nível de ativação
maior. A média da FC foi maior no primeiro jogo (99.02) que no segundo (93.85).
Considerando as teorias que descrevem que ansiedade, estresse ou nível de ativação podem
afetar o desempenho no esporte, percebe-se que os dados são coerentes com a literatura
especializada encontrada neste referencial teórico (tópico 3.2).

50
Tomando a FC apenas como referência, poderíamos especular que a Zona de
Desempenho Ideal deste jogador estava acima dos 94 batimentos cardíacos por minuto. Pode-
se também inferir que, em uma condição de menor freqüência cardíaca, o enxadrista não
esteja no ápice da curva do desempenho pelo modelo do U invertido. O nível de ativação
aumenta até um ponto ideal para o rendimento, até que um aumento do nível de ativação
ainda maior prejudique o rendimento (WEINBERG E GOULD, 2001). Sugere-se assim que
na primeira partida o jogador estaria mais perto deste ápice.
A observação do mesmo fenômeno pelo viés da AF da análise espectral da VFC
também nos traz outras informações. É possível perceber que durante o repouso o atleta teve a
média da FC maior que o segundo jogo, o qual abandonou. Mas isto não significa
necessariamente que estivesse menos ativado. A análise espectral revelou que a atividade
simpática foi maior no segundo jogo do que no estado de repouso, e que a atividade
parassimpática foi menor. Sabe-se que a retirada do sistema parassimpático ocorre durante as
atividades que requerem atividade cognitiva intensificada (ALTHAUS, et al 1998), mas
talvez índices muito abaixo nesta faixa, que contribuem para a pouca variabilidade, possam
vir a se mostrar, em estudos futuros, sinalizadores para menor rendimento.
Outra observação foi que tanto a freqüência cardíaca quanto a variabilidade da
freqüência cardíaca apresentaram correlação com a avaliação da jogada realizada pelo
Software Fritz. As jogadas que colocaram o jogador em vantagem no jogo, pela avaliação do
Fritz, apresentaram valores mais altos em VFC e valores menores em FC. Conseguinte, foi
encontrada correlação positiva entre a avaliação da precisão da jogada e o aumento da
variabilidade da freqüência cardíaca pela análise do domínio do tempo, onde p = 0,002. Da
mesma forma, a freqüência cardíaca teve correlação negativa com a precisão da jogada
realizada, p = 0,002.
As pesquisas de Althaus et al (1998) e Schwarz (2003), antecipavam que seria
provável que, em um momento de atividade cognitiva intensa, como no caso do xadrez e de
outras atividades cognitivas (raciocínio dedutivo, atenção dividida), a variabilidade da
freqüência cardíaca diminuísse e a freqüência aumentasse.
Em comparação à linha de base, de fato, o que sugeriram os autores acima também foi
evidenciado em nosso estudo. No entanto, a preocupação desta pesquisa estava em observar
as alterações destas condições fisiológicas ao longo da atividade, e não simplesmente na
comparação com o nível de base.

51
Ficou demonstrado pela análise estatística, que a VFC e a FC, além da correlação com
o exercício de uma atividade cognitiva, também fazem correlação com a qualidade desta
atividade.
Alguns pesquisadores demonstraram dados que já indicavam a possibilidade de
utilizarmos comportamentos cardíacos como indicadores para o desempenho (Tópico 3.1.1 e
3.4 da revisão deste trabalho), mas muitos destes estudos focalizaram-se na taxa de freqüência
cardíaca apenas, ou se a variação da freqüência cardíaca tinha um sentido. Por exemplo, se
nos minutos que antecederam um saque ou tacada, a freqüência diminui ou aumenta em
relação aos demais momentos. Foram encontradas evidências para a diminuição da freqüência
cardíaca nestes minutos. No entanto, estas pesquisas não se utilizaram da concepção de
variabilidade da freqüência cardíaca da forma como é empregada no contexto clínico-
hospitalar.
A leitura a partir desta concepção torna-se pertinente, pois pode ser explicada
considerando a contribuição dos sistemas simpático e parassimpático na atuação do
comportamento cardíaco. Esta é uma oportunidade para que psicólogos possam atuar no
treinamento, no condicionamento destas respostas ou na maneira como se percebe e se
interpreta determinados estímulos do contexto desportivo.
Sobre a não correlação entre as demais categorias de dados podemos especular
algumas razões. O fato de não encontrarmos nenhuma correlação com os dados de VFC pela
análise do domínio da freqüência, muito provavelmente advém do pequeno período de tempo
em que algumas jogadas são realizadas, e da heterogeneidade do tempo de registro de cada
jogada. Esta condição não é a ideal para análises desta natureza (TASK FORCE, 1996,
BARROS,1998). Como procurou-se uma situação que se assemelhasse às condições de jogo,
ficaria inviável o controle do tempo de cada jogada. O material de análise, sendo escasso,
torna fraca esta análise. É indicado um tempo mínimo de 2 minutos de registro (BARROS,
1998), mas que, na dinâmica do jogo, muitas vezes não ocorreu. Uma questão a considerar
nestas análises espectrais é que a obtenção de dados a partir da utilização de um
freqüencímetro deverá passar por processo de interpolação do sinal. Como Carvalho et al
(2001) esclarecem, os dados obtidos a partir do freqüencímetro são justamente os instantes de
cada batimento cardíaco e, no entanto, a análise espectral do sinal de VFC exige que o sinal
tenha sido obtido com taxa de amostragem constante, ou seja, esta exigência não é atendida.
Por isso são utilizadas técnicas de interpolação para criar um novo sinal com período de
amostragem fixo.

52
Estes mesmos motivos podem ter contribuído para a ausência de correlações com o
nível de esperança relatado pelo jogador em cada movimentação. O sentimento de
desesperança, segundo Schwarz (2003), dentre uma gama de estados subjetivos que podem
ocorrer durante uma partida de xadrez, é o que demonstra maior relação com a VFC. No
entanto, as pesquisas demonstraram correlação em, específico, somente com a alta freqüência
da variabilidade, quando expressa através do domínio da freqüência. Cada jogada contendo
pouco conteúdo para este tipo de analise impossibilitaria a presença da correlação, caso ela
existisse.
Por fim, uma observação intrigante foi o fato de haver correlação entre FC e avaliação
do Fritz, entre VFC e a avaliação do Fritz, e de não haver correlação entre FC e auto-
avaliação das jogadas, e entre VFC e a auto-avaliação das jogadas.
Após o término da partida, o jogador revia, movimento por movimento, todo o jogo e
atribuía um valor a cada uma de suas jogadas. É possível que, pelo fato do enxadrista poder
ver concretamente qual foi o desdobramento e a conseqüência da sua jogada, tenha
respondido com base no que estava percebendo e sentindo naquele momento, e não mais com
base no que experienciou durante o jogo. Isso pode ter levado o jogador a subestimar suas
jogadas no momento em que as qualificou, após rever os lances.
Em situações que não existe certeza da melhor decisão, em que mais de uma jogada
são percebidas como de mesmo valor, pode haver uma situação de desconforto. Este
desconforto auxilia-nos a descartar alguma opção e decidir por outra. Este fenômeno é
descrito por Damásio (1996) na hipótese do marcador somático. Possivelmente este fenômeno
tenha ocorrido muitas vezes durante a partida. Ao rever as jogadas em que o jogo estava
muito complexo o enxadrista pode ter, em algum grau, revivênciado aquela situação.
Portanto, no momento em que atribuiu um valor a uma jogada em situação muito complexa,
esta sensação pode tê-lo auxiliado a julgar negativamente.
Na verdade, o fato de ter agido sem o apoio total da lógica formal não significa,
necessariamente, que a jogada tenha sido inadequada. Segundo alguns estudiosos da tomada
de decisão, pode ocorrer justamente o contrário.
A hipótese do marcador somático, segundo Crone; Somsen; Van Beek e Van Derem
Moler, (2004) é um processo inconsciente mas que está ligado à aprendizagem e pode
aumentar a precisão e a eficiência da tomada de decisão. Ainda sabemos que em situações
muito complexas, Gladwell (2007) tem afirmado ser a intuição e as primeiras impressões,
estratégias de tomada de decisão que tendem a ser bem sucedidas.

53
Com o exposto parece ser compreensível que a auto-avalição das jogadas não
expresse, confiavelmente a qualidade da jogada realizada. Isto pode ter ocorrido e contribuído
a não relação entre a auto-avaliação das jogadas e os comportamentos cardiovasculares.
Parece pertinente, ainda, analisar os dados desta pesquisa em função do índice BF/AF
da variabilidade da freqüência cardíaca, mesmo não havendo correlações significativas com
quaisquer outras variáveis do estudo.
A razão BF/AF é utilizada como um indicador do balanço do tônus do sistema
autônomo. Este índice pode informar sobre a predominância da ação dos sistemas simpático
ou parassimpático.
Analisando os jogos a partir deste indicativo percebe-se que em todas as situações do
experimento (repouso, durante partida um e dois) ocorreu predominância da ação do sistema
simpático sobre o organismo do enxadrista. No entanto, no estado de repouso houve menor
intensidade desta atuação do que período de registro das partidas. Subseqüente, ocorreu
também maior ativação do sistema parassimpático nesta situação do que durante os jogos.
Na primeira partida, em específico, percebe-se uma relação dos valores deste índice
com uma variável não citada até o momento. Trata-se do conhecimento técnico dos jogos. No
caso que discutiremos, o conhecimento técnico das jogadas de abertura. Nota-se que até a
décima segunda jogada os tempos com que foram concretizadas é inferior a média dos
próximos momentos. Percebe-se que neste período (até a décima segunda jogada), que
corresponde ao período de abertura do jogo, o índice BF/AF tem valores baixos, ficando, para
grande maioria das jogadas, abaixo de três pontos. Isso evidencia um balanço mais
equilibrado entre os sistemas. Para isto foi necessário ter ocorrido uma maior ativação do
sistema parassimpático. Tal evidência pode estar relacionada a uma condição em que não
houve requisição cognitiva de forma tão intensa, pois a condição de esforço mental, já
demonstrada por diversos autores (e ao longo deste trabalho citados), ocasiona a diminuição
na AF da VFC pela analise espectral.
A partir da décima terceira jogada pode-se constatar uma importante alteração do
quadro. Passa a haver, neste momento, uma importante ativação do sistema simpático o que
elevou, de forma considerada o valor de BF/AF. Esta jogada teve também um significante
aumento de tempo para sua concretização em relação às anteriores. Este momento marca,
possivelmente, a transição de um plano de jogo já conhecido anteriormente pra um momento
em que o enxadrista teve que considerar elementos não totalmente previstos. Ou seja, a
transição do modo de jogadas de abertura para as de desenvolvimento da partida, onde

54
ocorrem muitos lances em que pode-se não haver conhecimento técnico prévio. As tomadas
de decisão tornam-se mais difíceis. O Estresse torna-se maior, o nível de ativação aumenta.
Já observamos que de forma geral, parece que um nível de ativação maior que o de
repouso é interessante para que o participante da pesquisa possa desempenhar melhor a
partida (caso da primeira partida em comparação com a segunda). No entanto, vimos também,
na tabela de correlações desta pesquisa que durante a partida, em momentos em que aumenta-
se a FC diminui-se a qualidade da jogada pela avaliação do Software Fritz. Desta maneira,
pode-se especular que o aumento dos valores de BF podem também, em alguma medida,
sinalizar possíveis momentos de menor desempenho.
Após a décima terceira jogada observa-se a alternância de valores nos índices de
BF/AF, hora com valores baixos, próximos a um ponto, hora com valores altos, acima de 4
pontos. A partir da trigésima quarta jogada os tempos voltam a tornarem-se menores e a
predominância de jogadas com valores menores se estabelece. Isto talvez deva-se ao fato de
que foi, justamente neste período que, com algumas capturas, o enxadrista igualou-se ao
oponente nos valores das peças em jogo. A partida terminou, inclusive, em empate, sugerido
por Fritz.
Na segunda partida o enxadrista joga com as peças pretas, torna-se portanto o segundo
a jogar. Esta é uma condição em que o enxadrista não pode impor (ao menos inicialmente) o
seu jogo, do qual, obviamente, tem maior conhecimento e experiência dos desdobramentos. O
fato de ter que considerar outras formas de aberturas pode ocasionar maior tensão. De fato,
comparado ao primeiro jogo este tem, para as jogadas de abertura, tempos maiores o índice
BF/AF é, na maioria destas jogadas, mais alto. No entanto pode-se perceber que
anteriormente (na ordem do desenvolvimento das jogadas) ao primeiro jogo, começam haver
oscilações entre jogadas com índices altos e baixos para o período das jogadas. O que chama
atenção, ainda, é que estes momentos de valores baixos no índice eram expressamente mais
baixos que os do primeiro jogo, evidenciando grande equilíbrio dos sistemas. Este dado
somado aos valores do índice das ultimas jogadas que foram menores que a media para as
demais jogadas sugerem que o enxadrista pudesse não estar tão profundamente imerso ou
envolvido na partida. Podemos especular que em momentos de valores menores no índice o
participante não estivesse sendo, de maneira semelhante a primeira partida, mobilizado pelo
jogo, o que culmina com a desistência da partida em uma condição em que parece não ter
ocorrido maior estresse , como os dados da VFC das últimas jogadas indicam.

55
7 CONCLUSÃO

Com a realização deste estudo foi possível observar que estar bem ativado mostrou-se
importante para o desempenho do participante desta pesquisa. Ou seja, a FC mais elevada do
que o nível de repouso parece ser um sinalizador para um melhor rendimento nos jogos. Nesta
condição, o participante realizou sua melhor partida. No entanto, um aumento isolado da FC
mostrou-se, neste estudo, um sinalizador para uma tomada de decisão que leve à desvantagem
no jogo, no caso uma jogada ruim.
Além de serem sensíveis às condições de maior atividade cognitiva, a FC e VFC
podem revelar sobre a qualidade desta atividade. Estes comportamentos cardíacos podem
variar em um sujeito de forma constante e consistente, a ponto de, inclusive, prestar
previsibilidade para decisões boas ou ruins. A FC e VFC podem ser utilizadas como
indicadores de tomadas de decisão ruins ou boas de enxadristas no contexto de uma
competição.
Parece-nos possível que com este estudo tenhamos esboçado um método capaz de, em
um importante passo, nos aproximar de uma tecnologia de grande utilidade para enxadristas e
seus treinadores.
Os resultados encontrados com esta pesquisa demonstram a viabilidade e necessidade
do investimento em pesquisas neste sentido. Mas também já fornecem informações que, de
imediato, podem repercutir no desempenho do enxadrista. Neste estudo a FC e VFC
demonstraram-se indicativos objetivos para uma condição psicofisiológica propícia a um
melhor desempenho.
Este tipo de indicativo11 é importante, pois, a partir dele e através de técnicas como a
de Biofeedback, por exemplo, o atleta pode aprender a autoperceber-se e a controlar as
respostas, até a situação que sabe ser a de melhor desempenho. Neste sentido, a pesquisa que
propomos pode contribuir também com a demanda identificada por Takase (2005), que alerta-
nos da necessidade da elaboração de meios que prestem apoio aos desportistas de alto
rendimento na redução do tempo de treinamento, que em muitos casos prejudicam a saúde dos
atletas.

11
Indicadores objetivos são almejados por muitos pesquisadores, inclusive de outras áreas. Na Ergonomia, os
estudos de Genno et al. (1997) e Ohsuga, Shimono e Genno (2001), por exemplo, buscaram um indicador
objetivo (temperatura da pele), a fim de sinalizar estresse e fadiga mental de trabalhadores.

56
Em termos práticos, o jogador de xadrez pode procurar aumentar sua VFC durante a
partida, ou nos momentos que antecedem importantes decisões. Para isto, estes atletas podem
contar com ferramentas como a do biofeedback da VFC e aprender a controlar,
voluntariamente, esta resposta fisiológica. Segundo Moss (2004), é possível que o atleta
controle estas respostas auxiliado por técnicas como a da respiração diafragmática,
relaxamento e meditação, e o cultivo de emoções positivas, por exemplo. Um bom
condicionamento físico, por sua relação a saúde cardiovascular e maior VFC também deve ser
pesquisado como um recurso ao enxadrista. É provável que muitos praticantes desta
modalidade não considerem, por exemplo, possíveis benéficos para o desempenho de seus
jogos na prática regular de atividade física. No entanto dados de pesquisas também aqui
mencionados, sugerem que o enxadrista possa beneficiar-se. Abre-se, portanto, um campo de
possibilidades.

57
8 REFERÊNCIAS

AGUIAR, C. A.; FRONCHETTI, L.; AGUIAR, A, F.; LIMA, J. R. P. Alteração do limiar de


variabilidade da freqüência cardíaca após treinamento aeróbio de curto prazo. Motriz. Rio
Claro. 11 (1): 01-09. 2005

ALTHAUS, M.; MULDER, L. J. M.; MULDER, G.; VAN ROON, A. M.; MINDERAA, R.
B. Inluence of respiratory activity on the cardiac response pattern to mental effort.
Pschophysiology. 35: 420-430.1998

ANDERSON, S. W., BECHARA, A., DAMÁSIO, H., TRANEL, D.; DAMÁSIO, A. R.


Impairment of social and moral behavior related to early damage in human prefrontal cortex.
Nature Neuroscience 2, 11: 032-1037. 1999

ANDREASSI, J. L. E FICHERA, L. V. Cardiovascular reactivity during public speaking as a


function of personality variables. International Journal Psychophysiology. 37(3): 267-273.
2000

ARAÚJO, D.; DAVIDS, K.; SERPA, S. An ecological approach to expertise effects in


decision-making in a simulated sailing regatta. Psychology of Sport and Exercise. 1–22. 2004.

AYAN, S. J. Pensamento e ação sincronizados. Viver Mente & Cérebro. 148 (13): 46-50.
2005

BARRA FILHO, M. G.; MIRANDA, R. Aspectos psicológicos do esporte competitivo.


Treinamento Desportivo. 3(3) 62-72. 1998

BARROS, V. C. V.; BRITO, M. R. Variabilidade da Freqüência Cardíaca. Revistas Hospital


Socor. 5 (1): 01-07. 1998

BARROS, V. C. V.; BRITO, M. R. Variabilidade da Freqüência Cardíaca. Revistas Hospital


Socor. 5 (1): 01-07. 1998

BRANDÃO, M.L. As Bases Biológicas do Comportamento Humano: Introdução à


Neurociência. São Paulo: Editora EPU . 2004

BRUYNE, P.; HERMAN, J.; SCHOUTHEETE, M. Dinâmica da pesquisa em ciências


sociais. Rio de janeiro: Francisco Alves. 1991

BURITI, M. A.. Psicologia do Esporte. Campinas: Editora Alínea 1997

CARLSON, N. R. Fisiologia do Comportamento. 7ª Ed. São Paulo: Manole 2002

CARRILLO, E., MOYA-ALBIOL, L., GONZALEZ-BONO, E., SALVADOR, A.,


RICARTE, J.; GÓMEZ AMOR, J. Gender diferences in cardiovascular and electrodermal

58
responses to public speaking task the role of anxiety and mood states. International Journal of
Psychophysiology, 42(3):253-64 . 2001

CARVALHO, J. L. A.; ARAÚJO, O. S.; ROCHA, A. F.; NASCIMENTO, F. A. O.; SOUZA


NETO, J. Avaliação de métodos de interpolação do sinal de variabilidade da freqüência
cardíaca. Universidade de Brasília, Brasília. 2001

CATAI, A. M.; GALLO JUNIOR, L.; SILVA DE SÁ, M. F. Análise dos índices espectrais da
variabilidade da freqüência cardíaca em homens de meia idade e mulheres na pós-menopausa.
Revista Brasileira de Fisioterapia. São Carlos. 10 (4) 401-406. 2006

COLLET, C.; ROURE, R.; RADA, H.; DITTMAR, A;. VERNET-MAURY, E. Relationships
between performance and skin resistance evolution involving various motor skills. Physiology
& Behavior, Vol. 59,4/5: 953-963. 1996

COLUCCI, W. S.; BRAUNWALD, E. Fisiopatologia da Insuficiência cardíaca.


BRAUNWALD, E. Tratado de Medicina Cardiovascular. 5 ed. São Paulo: Roca. (1):418-446.
1999

CONNOR, P. J., RAGLIN, J. S.; MARTINSEN, E. W. Physical anxiety and anxiety


disorders. International Journal of Sport Psychology. 31: 136-155 2000.

CRONE, E. A.; SOMSEN, R. J. M.; VAN BEEK, B.; VAN DER MOLEN, M. W. Heart rate
and skin conductance analysis of antecedents and consequences of decision making.
Psychophysiology 41: 531–540 .2004

DAMÁSIO, A. R. O Erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo, Cia.
das Letras. 1996

DE PASCALIS, V., BARRY, R. J., SPARITA, A. Declarative changes in heart rate during
recognition of visual stimuli: Effects of psychological stress. International Journal of
Psychophysiology, 20, 21-31 1995.

DIDIERJEAN, A.; FERRARI, V.; MARMECHE, E. Enxadristas experientes e novatos fazem


diferentes decomposições visuais do tabuleiro. Um grande mestre de xadrez aprende a
observar “entre as peças”. Viver Mente & Cérebro. 145 (13): 57-61 2005.

DIETRICH, A. Functional neuroanatomy of altered states of consciousness: The transiente


hypofrontality hypothesis. Consciousness and Cognition. Academic Press. 12, 231-256
2003.

DISHMAN, R. K.; NAKAMURA, Y.; GARCIA, M. E. THOMPSON, R. W. DUANN, A. L.;


BLAIR, S. N. Herat rate varibility, trait anxiety, and perceived stress among physically fit
men and women. Int J Psychophysiol. 37: 121-133. 2000.

DISHMAN, R. K; NAKAMURA, Y; GARCIA, M. E.; THOMPSON, R. W. DUNN A. L. E


BLAIR, S. Heart rate variability, trait anxiety, and perceived estress among physically fit men
and women. International Journal of Psychophysiology. 37: 121-133 2000

59
DUARTE, A. F. A. Influência da privação do sono e do condicionamento físico aeróbio nas
tomadas de decisão durante operações continuadas. Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho
2001.

EMERSON, C. S.; MOLLET, G. A.; HARRISON, D. W. Anxious-depression in boys: an


evaluation of executive functioning. Archives of Clinical Neuropsychology. 20: 539–546
2005

ERNST, M.; PAULUS, M. P. Neurobiology of decision making: a selective review from a


neurocognitive and clinical perspective. Society of Biological Psychiatry. 01-08 2005

FRÁGUAS JÚNIOR, R. Depressao, taxa de variabilidade cardíaca e infarto agudo do


miocárdio. Revista de Psiquiatria Clínica. 29 (3):158-159. 2002.

FRANKS, P. W.; BOUTCHER, S. H. Cardiovascular Response of Trained Preadolescent


Boys to Mental Challenge. Medicine & Science in Sports & Exercise 35 (8) 1429-1435. 2003

FRITH, C. D.; FRITH, U. Interacting minds: a biological basis. Science. 286, 5445: 1692-
1695 1999.

FRONCHETTI, L.; NAKAMURA, F.; AGUIAR, C.; OLIVEIRA, F. Indicadores de


regulação autonômica cardíaca em repouso e durante exercício progressivo: aplicação do
limiar de variabilidade da freqüência cardíaca. Rev. Port. Cien. Desp. 6 (1) 21-18. 2005.

FUSTER, J. M., BODNER, M.; KROGER, J. K.. Cross-modal and cross-temporal association
in neurons of frontal cortex. Nature 405: 347- 351 2000

GALLO, L. C., SMITH, T. W.; KIRCHER, J. C. Cardiovascular and electrodermal responses


to support and provocation: interpersonal methods in the study of psychophysiological
reactivity. Psychophisiology, 37(3):289-301 . 2000

GENNO, H.; ISHIKAWA, K.; KANBARA, O.; KIKUMOTO, M.; FUJIWARA, Y.;
SUZUKI, R. E OSUMI, M. Using facial skin temperature to objectively evaluate sensations.
International Journal of Industrial Ergonomics. 19: 161-171 1997.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª Ed. São Paulo: Atlas . 2002

GIRARDELLO, R. J. R. A relação entre o cortisol sanguíneo e o estresse pré-competitivo em


lutadores de caratê de alto rendimento. Curitiba: Universidade Federal do Paraná . 2004

GLADWELL, M. Blink: A decisão num piscar de olhos. Rio de Janeiro: Rocco. 2005.

GOHARA, T.; MIZUTA, H.; TAKEUCHI, I.; TSUDA, O.; YANI, K. Y. T.; YAMAMOTO,
Y.; KISHI, N. Heart rate varibility change induced by the mental stress: th effect of
accumulated fatigue. Conf. IEEE. 367-368. 1996

GOLDBERG, E. O Cérebro Executivo: lobos frontais e a mente civilizada. Rio de Janeiro:


Imago . 2002

60
GOLDBERG, E., PODEL K. Adaptive versus veridical decision making and the frontal lobes.
Consciousness and Cognition. Academic Press. 8, 364-377 1999

HANIN, Y E SYRJA, P. Performance affects in soccer players: an application of the IZOF


model. International Journal of Sports Medicine 16(4): 260-265 1995

HANSEN, A. L.; JOHNSEN, B. H.; THAYER, J. F. Vagal influence on working memory and
attention. International Journal of Psychophysiology. 48: 263–274 2003

HARDY, L.. A test of catastrophe models of anxiety and performance against


multidimensional anxiety theory models using the method of dynamic differences. Anxiety,
Stress and Coping. 9: 69-86 1996

JOKELA, M E HANIN, Y. Does the individual zones of optimal functioning model


discriminate between successful and less successful athletes? Journal of Sports Science.
17(11): 873-887 1999

JONES, G. A cognitive perspective on the process underlying the relationship between stress
and performance in sport. In G. Jones & L. Hardy (Eds.) Stress and performance in Sport.
Wiley , Chichester. 17-42. 1990

JORNA, P. G. A. M. Spectral analysis of heart rate and psychological state: a reviww of its
validity as a worload index. Biological Pschology. 34: 237-257. 1992

JUNQUEIRA JUNIOR, L. F. Doenças do coração: tratamento e reabilitação. Porto, C. C.


Doenças do coração: tratamento e reabilitação. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. Capítulo
58, 306-311. 1998

KARAVIDAS, M. K.; LEHRER, P. M.; VASCHILLO, E.; VASCHILLO, B.; MARIN, H.;
BUYSKE, S.; MALINOVSKY, I..; RADVANSKI, D.; HASSETT, A. Preliminary results of
an open label study of heart rate variability biofeedback for the treatment of major depression.
Appl Psychophysiol Biofeedback 32:19–30 2007.

KAREMAKER, J.M.; LIE, K. I. Heart rate variability: a telltale of health or disease.


European Heart Journal, 21:435-437. 2000

KAWACHI, I.; SPARROW, D.; VOKONAS, P. S.; WEISS, S. T. Drecreased heart rate
variability in men whith phobic anxiety. Am J. Cardiol 75: 882-885. 1994

KIRSCHBAUM, C., WOLF, O. T., MAY, M., WIPPICH, W.; HELLHAMMER, D. H.


Stress- and treatment-induced elevations of cortisol levels associated with impaired
declarative memory in healthy adults. Life Sciences, 58(17):1475-1483. 1996

KLABUNDE,R. E. Cardiovascular Physiology Concepts. Disponivel em:


http://www.cvphysiology.com/Arrhythmias/A009.htm. 2007

KUBOTA, Y.; SATO, W.; TOICHI, M.; MURAI, T.; OKADA, T.; HAYASHI, A.,
SENGOKU, A. Frontal midline theta rhythm is correlated with cardiac autonomic activities

61
during the performance of an attention demanding meditation procedure. Cognitive Brain
Research 11: 281–287. 2001

LAURENT, O, A. Diferença entre o foco de atenção interno e externo,freqüência cardíaca e


desempenho no primeiro saque de tênis em jogadores iniciantes, intermediários e avançados.
Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. 2004

LEHOFER, M.; MOSER, M.; HOEHN-SARIC, R.; MCLEOD D.; LIEBMANN, P..;
DRNOVSEK, F.; EGNER, S.; HILDEBRANDT, G.; ZAPOTOCZK, H. G. Major depression
and cardiac autonomic control. Boil Psychiatry. 42: 914-919. 1997

LEONARD, B. E.; MILER, K. Stress, the immune system an psychiatry. New York, USA:
John Wiley & Sons. 1995

LIPP, M. N. Manual do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL). São
Paulo: Casa do Psicólogo. 2000

MARGIS, R., PICON, P., COSNER, A. F.. FORMEL, A. SILVEIRA, R. O. Relação entre
estressores, estresse e ansiedade. Revista Psiquiátrica (1): 65-74. 2003

MATLIN, M. Psicologia cognitiva. 4. ed. São Paulo: LTC, 2004

MCCANNE, T., LYONS, G. M. Declarative changes in heart rate associated with


performance on task that assess intelligence. International Journal of Psychophysiology. 8:
235-248. . 1990

MCMORRIS, T. GRAYDON J. The effect of exercise on the decision-making performance


of experienced and inexperienced soccer players. Research Quarterly for Exercise and Sport.
67, 1: 109-114. 1996.

MILLER, E. K.; COHEN, J. D. An Integrative Theory Of Prefrontal Cortex Function. Annu.


Rev. Neurosci. 24:167–202. 2001

MOREIRA, A. G. E. Estudo da incidência de sonolência diurna e do comportamento do


sistema nervoso através da analise da variabilidade da freqüência cardíaca em profissionais de
enfermagem. Universidade do Vale do Paraíba. São José dos Campos. 2006

MULDER, L. J. M. Measuremente and analysis methods of heart rate and respritation for use
in applied environments. Biological Psychology. 34: 205-236. 1992.

MULLEN, R.; HARDY, L.; TATTERSALL, A. The Effects of Anxiety on Motor


Performance: A Test of the Conscious Processing Hypothesis. Journal of Sport & Exercise
Psychology, 27: 212-225. 2005

NAKAMURA, F. Y.; AGUIAR, C. A.; FROCHETTI, L.; AGUIAR, A. F.; LIMA, J. R. P.


Alteração do limiar de variabilidade da freqüência cardíaca após treinamento aeróbio de curto
prazo. Mortriz. Rio Claro. 11 (1): 01-09. 2005

62
NAVA, E.; LANDAU, D.; BRODY, S.; LINDER, L.; SCHACHINGER, H. Mental
relaxation improves long-term incidental visual memory. Neurobiology of Learning and
Memory 81: 167–171. 2004

NETO, T. L. B. Fisiologia do exercício aplicada ao sistema cardiovascular. Revista da


Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. 6 (1), 6-10. 1996

NEWCOMER, J. W., SELKE, G., MELSON, A. K., HERSHEY, T., CRAFT, S.,
RICHARDS, K.; ALDERSON, A. L. Decreased memory performance in healthy humans
induced by stress-level cortisol treatment. Archives of General Psychiatry, 56:527-533. 1999

NISKANEN, J-P.; TARVAINEN, M. P.; RANTA-AHO, P. O.; KARJALAINEN, R. A.


Sofwtware for advanced HRV análysis. Applied Physics Report Series. ISSN 0788-4672.
Report n°2. 01-11. 2002

NUNES, M. O.; RUBIRA, M. C.; FRANCO, M. C.; OSÓRIO, A. L. Variabilidade da


freqüência cardíaca e sistema nervoso autônomo. XI Encontro Latino Amaricano de Iniciação
Científica e VII Encontro Amaricano de Pós-Graduação. Universidade do Paraíba. 01-04.
2007

NUNES, M. O.; RUBIRA, M. C.; FRANCO, M. C.; OSÓRIO, R. A. L..Variabilidade da


freqüência cardíaca e sistema nervoso autônomo. XI Encontro Latino Americano de Iniciação
Científica e VII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do
Paraíba. 01-04. 2007

OFFERHAUS R. E. Heart rate variability in psychiatry. Kitne, R. J. The study of heart rate
variability. Oxford: Oxford University Press 225 -238. 1980

OHSUGA, M.; SHIMONO, F. E GENNO, H. Assessment of phasic work stress using


autonomic indices. International Journal of Psychophysiology. 40: 211-220. 2001

OLIVEIRA, D. J.; GOMES, M. E. D.; AGUIRRE, L. A. Análise da Variabilidade da


Freqüência cardíaca baseda no estudo de modelos identificados. Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte. 9 -14.

PIMENTA, C. J. C. Xadrez: esporte, história e sua influência na sociedade. Coperativa do


Fitness. Disponível em: http://www.cdof.com.br/xadrez.htm. 2005

RADLO, S. J., STEINBERG, G. M., SINGER, R. N., BARBA, D. A., MELNIKOV, A. The
influence of an attentional focus strategy on alpha brain wave activity, heart rate, and
dartthrowing performance. International journal of sport psychology, 33 (2), 205-217.2002

RADLO, S. J.; JANELLE, C. M., BARBA, D. A.; FREHLICH, S. H. Perceptual Decision


Making P300 latency and amplitude to index attentional processing. Reserch Quarterly for
Exercise and Sport 72, 1: 22-31. 2001

RAJKOWSKA, G.; GOLDMAN-RAKIC, P. S. Cytoarchitectonic definition of prefrontal


areas in the normal human cortex: I. Remapping of areas 9 and 46 using quantitative criteria.
Cerebral Cortex. 5, 4:307-322. 1995

63
RASSI JUNIOR, A. Compreendendo melhor as medidas de análise da variabilidade da
freqüência cardíaca. Diagnostico em Cardiologia. 2ª ed. abril/maio/junho. 1-10. 2000

RECHLIN, T. WEIS, M; SPITZER, A.; KASCHKA, W. P. Are affective disorders associated


with alterations of heart rate variability? J Affect Disorders. 32: 271-275. 2000

REIMAO, J.; INOCENTE, N. J. Distúrbios do sono em trabalhadores em turnos e noturnos.


Tópicos Selecionados de Medicina do Sono. São Paulo: Associação Paulista de Medicina.
2002

RIBEIRO, J. P.; MORAES FILHO, R. S.; Variabilidade da freqüência cardíaca como


instrumento de investigação do sistema nervoso autônomo. Revista Brasileira de Hipertensão.
12 (1): 14-20. 2005

RIBEIRO, T. F.; CUNHA, A.; LOURENÇO, G. C. D.; MARÃES, V. R. F. S.; CATAE, A.


M.; GALLO, L.; SILVA, E. Revista Sociedade de Cardiologia Estado de São Paulo. (1):1-10.
2000

ROBAZZA, C., BORTOLI, L., NOUGIER, V. Physiological arousal and performance in elite
archers: A field study. European psychologist, 3 (4), 263-270. 1998

ROMÁN, S.; SAVOIA, M. G. Pensamentos automáticos e ansiedade num grupo de


jogadores de futebol de campo. Psicologia: Teoria e Prática, 5(2):13-22. 2003

ROSE JUNIOR, D. Lista de sintomas de “stress” pré-competitivo infanto-juvenil: elaboração


e validação de um instrumento. Revista Paulista de Educação Física. São Paulo, 12(2): 126-
33. 1998

ROSE, S. P. R. Bases biológicas do comportamento. Brasília: Universidade de Brasília.


(1981)

RUBIO, K. Rendimento esportivo ou rendimento humano? o que busca a da Psicologia do


esporte? Revista de la Unión Latinoamericana de Psicologia. 01(1): 01-06. 1999.

RYU, K.; MYUNG, R. Evaluation of mental workload with a combined measure based on
physiological indices during a dual task of tracking and mental arithmetic. International
Journal of Industrial Ergonomics. 35: 991–1009. 2005

SAMULSKI, D. Psicologia do Esporte. São Paulo: Editora Manole. 2002

SANTOS, W. Processos Cognitivos no Jogo de Xadrez. Curitiba: Universidade Federal do


Paraná. 2004

SCHWARZ, A. M.; SCHACHINGER, H.; ADLER, R. H.; GOETZ, S. M. Hopelessnes is


associated with decresed heart rate variability during championship chess games.
Psychosomatic Medicine. 65: 658-661. 2003

64
SHARPLEY, C. F.; KAMEN, P.; GALATSIS, M.; HEPPEL, R. VEIVERS C.; CLAUS, K.
An Examination of the Relationship Between Resting Heart Rate Variability and Heart Rate
Reactivity to avMental Arithmetic Stressor. Applied Psychophysiology and Biofeedback, Vol.
25, No. 3, 143-153. 2000

SIBLEY, B. A.; ETNIER L. J. Time course of attention and decision making during a
volleyball set. Reserch Quarterly for Exercise and Sport. 75, 1: 102-106. 2004

SILVA, V. J.; JANUÁRIO, E. N. Variabilidade da freqüência cardíaca e da pressão arterial na


insuficiência cardíaca congestiva. Revista Brasileira Hipertensão. 12 (1): 21-26. 2005

SILVA, W. Processos cognitivos no jogo de xadrez. Curitiba: Universidade Federal do


Paraná. 2004.

SIMPSON, J. R., DREVETS, W. C., SNYDER, A. Z., GUSNARD, D. A. & RAICHLE, M.


E. Emotion-induced changes medial prefrontal cortex: II. During anticipatory anxiety.
Proceeding of the National Academy of Sciences of the United States of America, 98(2):688-
693. 2001.

SLOAN, R. P. Effects of mental stress throughour the day on cadiac atonomic control. Biol
Psychol. 37: 89-99. 2000

STERNBERG, R. J. Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: Artmed. 2000

TAKASE, E. Neurociência do esporte e do exercício. Neurociências .Volume 2. Nº 5.


Setembro – Outubro. 2005

Task Force of the European Society of Cardiology and the North American Society of Pacing
and Electrophysiology: Heart rate variability. Standards of measurement, physiological
interpretation, and clinical use. Circulation 1996 93: 1043-1065

THAYERA, J. F.; BROSSCHOT, J. F. Psychosomatics and psychopathology: looking up and


down from the brain. Psychoneuroendocrinology 30, 1050–1058. 2005

THOMPSON, L. A., WILLIAMS, K. L., L’ESPERANCE, P. R. & CORNELIUS, J..


Contextdependent memory under stressful conditions: The case of skydiving. Human Factors,
43(4):1-9. 2001

TOOGOOD, A. L.; MARTIN G. L. Does coaches know the mental skills of their athletes?
Assessments from volleyball and track. Journal of Sport Behavior. 26(1): 56-58. 2003.

TRIPATHI, K. K.; MUKUNDAN, C. R.; E MATHEW, T. L. Attentional modulation of heart


rate variability (HRV) during execution of PC based cognitive tasks. Ind J Aerospace Med. 47
(1): 01-10. 2003.

VAN ZIJDERVELD, G. A., VAN DOORNEN, L. J. P., VAN FAASSEN, I., ORLEBEKE, J.
F., VAN DICK, R. & TILDERS, F. J. H. Adrenaline and the relationship between
neurosomatism, aerobic fitness and mental task performance. Biological Psychology, 36:157-
181. 1993.

65
VASCONCELOS, F. Apontamentos para uma História do Xadrez e 125 Partidas Brilhantes.
Brasília: Editora Santa Casa. 1991.

VEDHARA, K., HYDE, J., GILCHRIST, I. D., TYTHERLEIGH, M.; PLUMMER, S. Acute
stress, memory, attention and cortisol. Psychoneuroendocrinology, 25:535-549. 2000

VUKSANOVIC, V.; GAL, V. Heart rate variability in mental stress aloud. Medical
Engineering & Physics 29: 344–349. 2007

WALLIN, B. G., DONADIO, V., KARLSSON, T., KALLIO, M., NORDIN, M.; ELAM, M.
Arousal increases baroreflex inhibition of muscle sympathetic activity. Acta Physiologica
Scandinavica, Mar,177(3):291-8. 2003

WEINBERG, R.S.; GOLD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e exercício. 2.ed. Porto


Alegre: Artmed Editora. 2001

YERAGNI V, K.; POHL, R.; BALON, R.; RAMESH, C.; GLITZ, D.; JUNG, I.;
SHERWOOD, P. Heart rate variability in patients with major depression. Psychiatry
Research. 37: 35-46. 1994

66
9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES

IMAGEM 01 U Invertido 15

IMAGEM 02 IZOF 16

IMAGEM 03 Divisão do Sistema Autônomo 19

IMAGEM 04 Inervações do Sistema Autônomo no coração 21

IMAGEM 05 Análise espectral da VFC 23

IMAGEM 06 Assinaturas energéticas das ondas cardíacas 24

IMAGEM 07 Situação para registro dos dados 40

IMAGEM 08 Gráficos e tabelas do HRV Analysis Software para o período de 44


Repouso
IMAGEM 09 Gráficos e tabelas do HRV Analysis Software para o primeiro jogo 45

IMAGEM 10 Gráficos e tabelas do HRV Analysis Software para o segundo jogo 46

IMAGEM 11 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 02 da partida 01 79

IMAGEM 12 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 03 da partida 01 80

IMAGEM 13 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 04 da partida 01 81

IMAGEM 14 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 05 da partida 01 82

IMAGEM 15 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 06 da partida 01 83

IMAGEM 16 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 07 da partida 01 84

IMAGEM 17 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 08 da partida 01 85

IMAGEM 18 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 09 da partida 01 86

IMAGEM 19 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 10 da partida 01 87

IMAGEM 20 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 11 da partida 01 88

IMAGEM 21 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 12 da partida 01 89

IMAGEM 22 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 13 da partida 01 90

IMAGEM 23 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 14 da partida 01 91

IMAGEM 24 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 15 da partida 01 92

67
IMAGEM 25 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 16 da partida 01 93

IMAGEM 26 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 17 da partida 01 94

IMAGEM 27 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 18 da partida 01 95

IMAGEM 28 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 19 da partida 01 96

IMAGEM 29 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 20 da partida 01 97

IMAGEM 30 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 21 da partida 01 98

IMAGEM 31 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 22 da partida 01 99

IMAGEM 32 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 23 da partida 01 100

IMAGEM 33 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 24 da partida 01 101

IMAGEM 34 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 25 da partida 01 102

IMAGEM 35 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 26 da partida 01 103

IMAGEM 36 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 27 da partida 01 104

IMAGEM 37 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 28 da partida 01 105

IMAGEM 38 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 29 da partida 01 106

IMAGEM 39 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 30 da partida 01 107

IMAGEM 40 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 31 da partida 01 108

IMAGEM 41 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 32 da partida 01 109

IMAGEM 42 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 33 da partida 01 110

IMAGEM 43 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 34 da partida 01 111

IMAGEM 44 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 35 da partida 01 112

IMAGEM 45 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 36 da partida 01 113

IMAGEM 46 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 37 da partida 01 114

IMAGEM 47 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 38 da partida 01 115

IMAGEM 48 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 39 da partida 01 116

IMAGEM 49 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 40 da partida 01 117

IMAGEM 50 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 41 da partida 01 118

IMAGEM 51 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 42 da partida 01 119

68
IMAGEM 52 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 43 da partida 01 120

IMAGEM 53 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 44 da partida 01 121

IMAGEM 54 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 45 da partida 01 122

IMAGEM 55 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 01 da partida 02 123

IMAGEM 56 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 02 da partida 02 124

IMAGEM 57 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 03 da partida 02 125

IMAGEM 58 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 04 da partida 02 126

IMAGEM 59 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 05 da partida 02 127

IMAGEM 60 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 06 da partida 02 128

IMAGEM 61 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 07 da partida 02 129

IMAGEM 62 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 08 da partida 02 130

IMAGEM 63 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 09 da partida 02 131

IMAGEM 64 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 10 da partida 02 132

IMAGEM 65 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 11 da partida 02 133

IMAGEM 66 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 12 da partida 02 134

IMAGEM 67 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 13 da partida 02 135

IMAGEM 68 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 14 da partida 02 136

IMAGEM 69 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 15 da partida 02 137

IMAGEM 70 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 16 da partida 02 138

IMAGEM 71 Resultados do HRV Analysis Software para jogada 17 da partida 02 139

10 LISTA DE TABELAS

TABELA 01 Dados da FC e VFC durante o repouso, primeiro e segundo jogo 47

TABELA 02 Coeficiente das correlações 48

69
11 LISTA DE SIGLAS

FC – Freqüência Cardíaca.

R-R – Intervalo de tempo normalmente expresso em milessegundos entre as ondas R da


atividade elétrica do coração. A assinatura energética R do complexo QRS (presente para
cada batimento) constitui-se em um pico de energia superior aos demais, e por isto pode ser
facilmente utilizado como referencial para a mensuração do intervalo de tempo entre os
batimentos cardíacos.

ms - Milissegundos.

VFC – Variabilidade da freqüência cardíaca. Expressão na língua inglesa: HRV - Heart rate
variability.

FMB - freqüência muito baixa, do inglês: VLF – Very low Frequency. Refere-se a uma das
faixas de freqüência da VFC pela análise espectral.

BF - Baixa freqüência da VFC pela análise espectral. LF – Low Frequency

AF - Alta freqüência da VFC pela análise espectral. HF – High Frequency.

BF/AF– Relação entre os componentes BF e AF. LF/HF

bmp – Batimentos por minuto.

DP - Desvio padrão. SD – Standard Deviation.

RMSSD – Índice de medida da VFC, em inglês, que se refere à raiz quadrada da média das
diferenças sucessivas ao quadrado, entre R-R adjacentes.

SNC – Sistema nervoso central

SNA – Sistema nervoso autônomo.

SPSS - Statistical Package for Social Sciences. Em português: Pacote estatístico para ciências
sociais.

p – Índice de significância.

r – Índice de correlação.

LANESPE – Laboratório de Neurociência do Esporte e Exercício, coordenado pelo professor


Dr. Emílio Takase.

UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina.

70
12 ANEXOS

71
Anexo 01

Foto Monitor FC Polar

Monitor de pulso, cinta torácica e receptor dos dados, integrantes do Monitor de


Freqüência Cardíaca da marca e modelo (S810i) que utilizamos.

72
Anexo 02

Imagem do Software Fritz para competição de xadrez

Programa Fritz, registro das jogadas de um enxadrista e sua análise.

73
13 APÊNDICES

74
Apêndice 01

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PESQUISA CIENTÍFICA

Prezado Senhor:

Vimos através deste convidá-lo (a) a participar de uma pesquisa que está sendo realizada na
Universidade Federal de Santa Catarina, intitulada “FREQÜÊNCIA CARDÍACA,
VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E O DESEMPENHO EM UMA
PARTIDA DE XADREZ”. Essa pesquisa tem como objetivo analisar a relação da Freqüência
Cardíaca e Variabilidade da Freqüência Cardíaca com o processo de tomada de decisão durante uma
partida de xadrez. Os participantes realizarão uma partida de xadrez estando monitorados por
equipamentos que medirão a freqüência cardíaca e variabilidade da freqüência cardíaca.
A participação é voluntária. Caso você aceite participar, solicitamos a permissão para que
possamos utilizar os resultados dos testes que serão realizados, sendo que apenas os pesquisadores
terão acesso direto às informações. Estes procedimentos, a princípio, não trazem riscos ou
desconfortos. Informamos, também, que a qualquer momento você poderá desistir da participação da
pesquisa.
Qualquer informação adicional ou esclarecimento acerca desta pesquisa poderá ser obtido
junto ao pesquisador Luciano Bertol Teixeira pelo telefone 3025 2493, ou pelo endereço eletrônico
psyluciano@yahoo.com.br.

Eu, _____________________________________________________, abaixo assinado, declaro por


meio deste documento, meu consentimento em participar da pesquisa “FREQÜÊNCIA CARDÍACA
E VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA COMO INDICATIVOS PARA
DESEMPENHO EM UMA PARTIDA DE XADREZ”, que será realizada no Laboratório de
Neuropsicologia do Esporte e Exercício - LANESPE
Declaro ainda que estou ciente de seu objetivo e métodos, bem como de meus direitos de anonimato e
de desistir a qualquer momento.

Florianópolis, _____ de ___________ de 200__.

__________________________________________
Assinatura

75
Apêndice 02

TERMO DE CONSENTIMENTO PARA A COMPETIÇÃO DESAFIANDO FRITZ

Prezado Senhor:

Vimos através deste convidá-lo a participar de uma competição que está sendo organizada
pelo Laboratório de Neuropsicologia do Esporte e Exercício – LANESPE, intitulada:
“DESAFIANDO FRITZ”. A competição se dará entre os integrantes do programa de treinamento de
xadrez da Universidade Federal de Santa Catarina filiados à CBX, com Ratting entre 1800 e 2000
pontos que foram selecionados e consentiram em participar, simultaneamente, da pesquisa:
“Freqüência cardíaca, variabilidade da freqüência cardíaca e o desempenho em uma
partida de xadrez”
A participação é voluntária. Caso você aceite a participar, será proposto que desafie o
Software Fritz em uma disputa de Xadrez rápido.
Qualquer informação adicional ou esclarecimento acerca da competição poderá ser obtido
junto ao pesquisador Luciano Bertol Teixeira pelo telefone 3025 2493, ou pelo endereço eletrônico
psyluciano@yahoo.com.br.

Eu, _____________________________________________________, abaixo assinado, declaro por


meio deste documento, meu consentimento em participar da competição "DESAFIANDO FRITZ",
que será realizada no Laboratório de Neuropsicologia do Esporte e Exercício – LANESPE.
Declaro ainda que estou ciente das regras do Xadrez rápido, da situação experimental que ocorrerá
conjuntamente, bem como de meus direitos de anonimato e de desistir a qualquer momento.

Florianópolis, _____ de ___________ de 200__.

__________________________________________
Assinatura

76
Apêndice 03 – Ficha de Dados

Iniciais do nome do participante: Idade:


Ratting: Data:
Variáveis intervenientes para os momentos anteriores à realização da partida
Relato sobre a qualidade do sono do dia anterior:
Relato sobre o consumo de bebidas alcoólicas ou estimulantes no dia anterior:
Relato sobre a alimentação do dia anterior até o presente momento:
Variáveis intervenientes durante a realização da partida
Temperatura da sala: minuto:
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Acontecimento ruidoso: minuto:


01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30

31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Auto avaliação do enxadrista para cada uma de suas jogadas em 4-Excelente, 3-Boa, 2-Razoável, 1-Ruim ou 0-Péssima.
01ª 02ª 03ª 04ª 05ª 06ª 07ª 08ª 09ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 19ª 20ª 21ª 22ª 23ª 24ª 25ª 26ª 27ª 28ª 29ª 30ª

31ª 32ª 33ª 34ª 35ª 36ª 37ª 38ª 39ª 40ª 41ª 42ª 43ª 44ª 45ª 46ª 47ª 48ª 49ª 50ª 51ª 52ª 53ª 54ª 55ª 56ª 57ª 58ª 59ª 60ª

Auto avaliação dos momentos anteriores a cada tomada de decisão quanto ao sentimento de controle do jogo, possibilidade de vitória.
4- Esperançoso, 3- Um pouco esperançoso, 2- Com as mesmas possibilidades, 1- Um pouco desesperançoso e 0- Desesperançoso.
01ª 02ª 03ª 04ª 05ª 06ª 07ª 08ª 09ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 19ª 20ª 21ª 22ª 23ª 24ª 25ª 26ª 27ª 28ª 29ª 30ª

31ª 32ª 33ª 34ª 35ª 36ª 37ª 38ª 39ª 40ª 41ª 42ª 43ª 44ª 45ª 46ª 47ª 48ª 49ª 50ª 51ª 52ª 53ª 54ª 55ª 56ª 57ª 58ª 59ª 60ª
Jogadas realizadas contra Fritz - Tempo de cada jogada e precisão da jogada
01ª 02ª 03ª 04ª 05ª 06ª 07ª 08ª 09ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 19ª 20ª 21ª 22ª 23ª 24ª 25ª 26ª 27ª 28ª 29ª 30ª

31ª 32ª 33ª 34ª 35ª 36ª 37ª 38ª 39ª 40ª 41ª 42ª 43ª 44ª 45ª 46ª 47ª 48ª 49ª 50ª 51ª 52ª 53ª 54ª 55ª 56ª 57ª 58ª 59ª 60ª

Média e Desvio Padrão dos valores da Freqüência Cardíaca para cada jogada
01ª 02ª 03ª 04ª 05ª 06ª 07ª 08ª 09ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 19ª 20ª 21ª 22ª 23ª 24ª 25ª 26ª 27ª 28ª 29ª 30ª

31ª 32ª 33ª 34ª 35ª 36ª 37ª 38ª 39ª 40ª 41ª 42ª 43ª 44ª 45ª 46ª 47ª 48ª 49ª 50ª 51ª 52ª 53ª 54ª 55ª 56ª 57ª 58ª 59ª 60ª

Média e Desvio Padrão dos valores da Variabilidade da Freqüência Cardíaca para cada jogada – Análise temporal
01ª 02ª 03ª 04ª 05ª 06ª 07ª 08ª 09ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 19ª 20ª 21ª 22ª 23ª 24ª 25ª 26ª 27ª 28ª 29ª 30ª

31ª 32ª 33ª 34ª 35ª 36ª 37ª 38ª 39ª 40ª 41ª 42ª 43ª 44ª 45ª 46ª 47ª 48ª 49ª 50ª 51ª 52ª 53ª 54ª 55ª 56ª 57ª 58ª 59ª 60ª

Variabilidade da Freqüência Cardíaca para cada jogada – Análise espectral nas freqüências Muito Baixa, Baixa e Alta
01ª 02ª 03ª 04ª 05ª 06ª 07ª 08ª 09ª 10ª 11ª 12ª 13ª 14ª 15ª 16ª 17ª 18ª 19ª 20ª 21ª 22ª 23ª 24ª 25ª 26ª 27ª 28ª 29ª 30ª

31ª 32ª 33ª 34ª 35ª 36ª 37ª 38ª 39ª 40ª 41ª 42ª 43ª 44ª 45ª 46ª 47ª 48ª 49ª 50ª 51ª 52ª 53ª 54ª 55ª 56ª 57ª 58ª 59ª 60ª

78
Apêndice 04. IMAGEM 11 - Jogada 2 jogo 1
IMAGEM 12 - Jogada 3 jogo 1

80
IMAGEM 13 - Jogada 4 jogo 1

81
IMAGEM 14 - Jogada 5 jogo 1

82
IMAGEM 15 - Jogada 6 jogo 1

83
IMAGEM 16 - Jogada 7 jogo 1

84
IMAGEM 17 - Jogada 8 jogo 1

85
IMAGEM 18 - Jogada 9 jogo 1

86
IMAGEM 19 - Jogada 10 jogo 1

87
IMAGEM 20 - Jogada 11 jogo 1

88
IMAGEM 21 - Jogada 12 jogo 1

89
IMAGEM 22 - Jogada 13 jogo 1

90
IMAGEM 23 - Jogada 14 jogo 1

91
IMAGEM 24 - Jogada 15 jogo 1

92
IMAGEM 25 - Jogada 16 jogo 1

93
IMAGEM 26 - Jogada 17 jogo 1

94
IMAGEM 27 - Jogada 18 jogo 1

95
IMAGEM 28 - Jogada 19 jogo 1

96
IMAGEM 29 - Jogada 20 jogo 1

97
IMAGEM 30 - Jogada 21 jogo 1

98
IMAGEM 31 - Jogada 22 jogo 1

99
IMAGEM 32 - Jogada 23 jogo 1

100
IMAGEM 33 - Jogada 24 jogo 1

101
IMAGEM 34 - Jogada 25 jogo 1

102
IMAGEM 35 - Jogada 26 jogo 1

103
IMAGEM 36 - Jogada 27 jogo 1

104
IMAGEM 37 - Jogada 28 jogo 1

105
IMAGEM 38 - Jogada 29 jogo 1

106
IMAGEM 39 - Jogada 30 jogo 1

107
IMAGEM 40 - Jogada 31 jogo 1

108
IMAGEM 41 - Jogada 32 jogo 1

109
IMAGEM 42 - Jogada 33 jogo 1

110
IMAGEM 43 - Jogada 34 jogo 1

111
IMAGEM 44 - Jogada 35 jogo 1

112
IMAGEM 45 - Jogada 36 jogo 1

113
IMAGEM 46 - Jogada 37 jogo 1

114
IMAGEM 47 - Jogada 38 jogo 1

115
IMAGEM 48 - Jogada 39 jogo 1

116
IMAGEM 49 - Jogada 40 jogo 1

117
IMAGEM 50 - Jogada 41 jogo 1

118
IMAGEM 51 - Jogada 42 jogo 1

119
IMAGEM 52 - Jogada 43 jogo 1

120
IMAGEM 53 - Jogada 44 jogo 1

121
IMAGEM 54 - Jogada 45 jogo 1

122
IMAGEM 55 - Jogada 1 jogo 2

123
IMAGEM 56 - Jogada 2 jogo 2

124
IMAGEM 57 - Jogada 3 jogo 2

125
IMAGEM 58 - Jogada 4 jogo 2

126
IMAGEM 59 - Jogada 5 jogo 2

127
IMAGEM 60 - Jogada 6 jogo 2

128
IMAGEM 61 - Jogada 7 jogo 2

129
IMAGEM 62 - Jogada 8 jogo 2

130
IMAGEM 63 - Jogada 9 jogo 2

131
IMAGEM 64 - Jogada 10 jogo 2

132
IMAGEM 65 - Jogada 11 jogo 2

133
IMAGEM 66 - Jogada 12 jogo 2

134
IMAGEM 67 - Jogada 13 jogo 2

135
IMAGEM 68 - Jogada 14 jogo 2

136
IMAGEM 69 - Jogada 15 jogo 2

137
IMAGEM 70 - Jogada 16 jogo 2

138
IMAGEM 71 - Jogada 17 jogo 2

139
Apêndice 05 – Notações das partidas realizadas pelo participante

Jogo 01

140
Jogo 02

141
Livros Grátis
( http://www.livrosgratis.com.br )

Milhares de Livros para Download:

Baixar livros de Administração


Baixar livros de Agronomia
Baixar livros de Arquitetura
Baixar livros de Artes
Baixar livros de Astronomia
Baixar livros de Biologia Geral
Baixar livros de Ciência da Computação
Baixar livros de Ciência da Informação
Baixar livros de Ciência Política
Baixar livros de Ciências da Saúde
Baixar livros de Comunicação
Baixar livros do Conselho Nacional de Educação - CNE
Baixar livros de Defesa civil
Baixar livros de Direito
Baixar livros de Direitos humanos
Baixar livros de Economia
Baixar livros de Economia Doméstica
Baixar livros de Educação
Baixar livros de Educação - Trânsito
Baixar livros de Educação Física
Baixar livros de Engenharia Aeroespacial
Baixar livros de Farmácia
Baixar livros de Filosofia
Baixar livros de Física
Baixar livros de Geociências
Baixar livros de Geografia
Baixar livros de História
Baixar livros de Línguas
Baixar livros de Literatura
Baixar livros de Literatura de Cordel
Baixar livros de Literatura Infantil
Baixar livros de Matemática
Baixar livros de Medicina
Baixar livros de Medicina Veterinária
Baixar livros de Meio Ambiente
Baixar livros de Meteorologia
Baixar Monografias e TCC
Baixar livros Multidisciplinar
Baixar livros de Música
Baixar livros de Psicologia
Baixar livros de Química
Baixar livros de Saúde Coletiva
Baixar livros de Serviço Social
Baixar livros de Sociologia
Baixar livros de Teologia
Baixar livros de Trabalho
Baixar livros de Turismo