Você está na página 1de 24

f 3 >1 D I

ai
n

x
•<
D3
Presidente How
In Memoriam, 1 9 0 7 -1 9 9 5

"Convido os membros da Igreja a seguirem com Mesmo quando criança,


abaixo, aos cinco anos,
mais atenção o exemplo da vida de Jesus Cristo, Howard W. Hunter tinha uma

especialmente no que tange ao amor; à espe­ natureza compassiva e refi­


nada. Essas qualidades cristãs
rança e compaixão que Ele demonstrou. Oro tornaram-se cada vez mais
evidentes à medida que ele
para que nos tratemos uns aos outros com mais am adurecia, até se tornar um
bondade , paciência, cortesia e perdão." Apóstolo, à direita. Em pala­
vras, ações e pensamentos,
(Howard W. Hunter; 6 de junho de 1994) sempre procurou imitar
o Mestre.

Elizabeth S. VanD enBerghe

Presidente Howard W. Hunter foi um exemplo para a Igreja e para

0 o m undo do “ amor, e sp eran ça e co m p a ix ã o ” do S en h o r Je su s


Cristo. A pós servir durante nove m eses com o o décim o-quarto

DA IGREJA
Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, foi deso­
brigado de seu ministério terreno na sexta-feira, 3 de março de 1995, aos 87

HISTÓRICO
anos de idade. Faleceu às 8h35 em seu apartam ento situado a um quarteirão
do Templo de Salt Lake. Seu funeral foi realizado na quarta-feira, 8 de março

DA FAMÍUA HUNTER OU DO DEPARTAMENTO


de 1995, ao meio-dia, no Tabernáculo da Praça do Templo. Foi sepultado no
Cemitério de Salt Lake.
A vida de Howard W. H unter foi notável sob qualquer ponto de vista.
M as enquanto o mundo o reverencia por suas im portantes posições de lide­
rança, ele sabia que a verdadeira grandeza não repousa no que o mundo
define como sucesso, porém nas “coisas que Deus ordenou fossem feitas por
toda a hum anidade, os milhares de pequenas coisas, serviços e sacrifícios CORTESIA

que constituem o dar ou perder a própria vida por amor ao Senhor e ao


próxim o”.1
SÃO

Muito embora uma profunda simplicidade o impedisse de jam ais fazer esta
É MENCIONADA

comparação, o Presidente Hunter alcançou sua própria definição de gran­


deza. Tal grandeza surgia quando não era centro das atenções, ao tomar deci­
sões essenciais de trabalhar arduamente, de tornar a tentar após ter falhado,
NÃO

de auxiliar seu semelhante e de pautar sua vida pela do Salvador.


AS FOTOS CUJA ORIGEM

Com o Presidente da Igreja, exortou todos os santos dos últimos dias a


seguirem o exem plo do Sen h or Jesu s C risto e a “fazerem do tem plo do
Senhor o grande símbolo de sua vida”.2 A vida e o ministério do Presidente
Hunter caracterizaram-se pela dedicação, caridade e humildade.

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
2
ard W. Hunter
P A R T I C I P A N T E S DA
NATUREZA DIVINA

"Estudem os todos os

ensinam entos do Salvador

sigam os m ais plenam ente o

Seu exemplo. Ele deu-nos

'tudo o que diz respeito à

vida e piedade'. Ele nos

'chamou por sua glória e


virtude' e 'nos tem dado

g ran d íssim as e preciosas

prom essas, para que por

e las (fiquemos) participan­

tes da natureza divina'. (II


Pedro 1:3-4)

Acredito n essas 'grandís­

sim as e preciosas prom es­

sas' e convido todos os que

me ouvem a reivindicá-las.

Devemos lutar para ser

'participantes da natureza

divina'. Só então podere­

mos verd adeiram ente espe

ra r por 'paz neste mundo e


vida eterna no mundo vin­

douro"'. (D&C 59:23)


(A Liahona, janeiro de

1995, p. 8.)

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
3
PRESERVAR E
PR OT EGER A FAMÍLIA

"A Igreja tem a respon­

sab ilid ad e—e a autori­


d ad e— de preservar e

proteger a fam ília como a

base da sociedade. O

padrão p ara a vida fam i­

liar, instituído desde antes

da fundação do mundo,

estabelece que os filhos

nasçam e sejam criados

pelos pais, casados le g a l­

mente ( . . . )
O s pais de Howard, abaixo, ensinaram -no a trabalhar arduamente e a cultivar
A sociedade, preocu­
seus talentos— virtudes que ele e C laire transmitiram a seus filhos, Richard e
p ad a , começa a ver que a
John, à direita. Um dos talentos de Howard era a música. Na foto acim a, vemo
Io ao centro de um conjunto de música popular, organizado por ele para tocar d esintegração da fam ília

em bailes, quando cursava a escola secundária. traz ao mundo a s calam id a­

des preditas pelos

profetas. Os conselhos e

TRABALHO ÁRDUO E OBSTÁCULOS INICIAIS deliberações m undiais

somente terão sucesso


How ard era filho de Jo h n W illiam (Will) e N ellie M arie R asm ussen quando encararem a fam í­
Hunter, tendo nascido em Boise, estado de Idaho, em 14 de novembro de
lia como o Senhor revelou
1907. Junto com a única irmã, Dorothy, desfrutou um lar confortável e aco­
que ela deveria ser."
lhedor— porém com pouca opulência. Seu pai trabalhava como motorneiro
da Boise Valley Traction Company (Companhia de Tração Vale de Boise). Para (A Liahona, janeiro de

ajudar no orçamento, a mãe aceitava empregos esporádicos. 1995, p. 8.)


Quando pequeno, Howard limpou milho, colheu feijão e maçãs, e trans­
portava pesadas garrafas de leite de uma leiteria local até sua casa. Seus mui­
tos empregos quando adolescente incluíram: vender sorvetes, fazer cópias de
anúncios para um jornal, trabalhar como mensageiro, carregador e fazer repa­
ros em um hotel local. O s empregos obviamente desenvolveram nele uma
capacidade para o trabalho árduo, que mais tarde capacitou-o para desempe­
nhar uma miríade de responsabilidades— tanto no trabalho quanto na Igreja.3
Enquanto Nellie, a mãe de Howard, envolveu-se e envolveu os filhos ati­
vamente na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, seu pai, Will,
não se afiliou a qualquer igreja. Ocasionalm ente acom panhava a família à
Igreja. Um a das melhores recordações da infância de Howard era a de voltar
da Igreja para casa de bonde, sentado no colo do pai.
Q uando, porém, Howard com pletou oito anos e chegou a hora de seu
batismo, o pai proibiu. Ele queria que Howard e Dorothy fossem mais velhos
para decidirem quando e o que fazer. Esse adiam en to foi doloroso para
Howard quando completou doze anos de idade e não pôde tornar-se diácono
e distribuir o sacramento com os outros garotos. M as Will, mais tarde, teve
que ceder aos pedidos incessantes do filho. A 4 de abril de 1920, Howard,
com 12 anos, e Dorothy, com 10, foram batizados.

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
4
I R M Ã S , A P O I A I AS
AUTORIDADES GERAIS

"Assim como nosso

Senhor e Salvad or procurou

nas m ulheres de Seu tempo

uma mão consoladora, um

ouvido atento, um coração


crente, um o lhar bondoso,

uma p ala v ra de e n co raja­

mento, leald ad e— mesmo

na hora da hum ilhação,

agonia e morte— parece-m e

que existe uma grande

necessidade de arreg im en ­
Recebendo responsabilidades cada vez m aiores, Howard W. Hunter valorizava
tar a s m ulheres da Igreja
muito o tempo que passava com a fam ília. Após a missão de John, ele e C laire
hoje, p ara que auxiliem as
fizeram uma viagem com o filho— procedendo da mesma forma com Richard,
após a missão dele. A utoridades G e ra is a estan ­

car o fluxo do mal que nos

cerca e levar avante a obra

de nosso Salvador."
O serviço do jovem Howard na Igreja começou logo após seu batismo:
cortar gravetos e acender as lareiras da capela nas frias manhãs de domingo. (A Liahona, janeiro de 1995,
Ele também uniu-se ao novo programa de escotismo e tornou-se o segundo p. 109.)
escoteiro Águia de Boise. E quando os santos de Boise se reuniram para deci­
dir a respeito da construção de um tabernáculo em Boise, o jovem Howard
W. Hunter, então com 15 anos de idade, foi o primeiro a entregar uma doa­
ção: 25 dólares, uma alta som a que trabalhara arduamente para ganhar e
assim fazer sua contribuição.
O serviço de Howard também se estendia para além das divisas de sua ala.
A judar os vizinhos entregando leite ou trabalhando em jardins era parte de
sua rotina inicial, como o era também manter os olhos abertos para animais
perdidos que precisavam de alimento ou cuidado. Dorothy Hunter lembrava-
se que seu irmão mais velho, ainda na infância, já era doce e educado.

ESTUDOS, MÚSICA E AVENTURA

Embora Nellie e Will Hunter não tenham recebido muita instrução for­
mal, eles proporcionaram a Howard e Dorothy um lar intelectualmente enri-
quecedor. Cada uma das crianças possuía um cartão da biblioteca, que muito
utilizavam, e Will freqüentemente as levava em viagens imaginárias a dife­
rentes países, utilizando o atlas e a enciclopédia da família. Essas aventuras
deram a Howard um desejo de viajar que fazia com que nunca se sentisse
satisfeito.
A pesar de um pouco daltônico e não afeito ao atletism o, Howard saiu-
se bem nos estu d os e socialm en te, na E scola S ecu n d ária de B oise na
década de vinte. Ele tam bém cultivava um interesse pela m úsica, indo
sozinho a bailes a fim de poder ouvir melhor as bandas musicais. Esse inte­
resse pela m úsica, que com eçara com aulas de piano e violino, cresceu

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
6
À esquerda: Durante 35 anos quando Howard ganhou uma marimba de uma loja de música. A prendeu a
aconselhando os santos como tocá-la sozinho, rapidam ente, depois aprendeu a tocar bateria, saxofone,
Apóstolo, o Presidente Hunter clarinete e, m ais tarde, trom beta. Também, em 1924, m ontou um con­
freqüentemente focalizava a ju n to p ara to car em b ailes, que ficou p o p u lar na região, os H unter’s
importância da fam ília. Croonaders (C antores do H unter).
Acim a: A devoção mútua de Howard form ou-se na Escola Secun dária de Boise, em 3 de junho de
Claire e Howard era terna e 1926, com planos para matricular-se na faculdade. M as o jovem decidiu-se a
paciente. Claire sempre procu­ participar de uma aventura mais exótica quando o Admirai Oriental Line
rava a liderança do marido e (Linhas Orientais Admirai) convidou os Hunters Croonaders para tocarem
ele buscava os conselhos dela. em um cruzeiro de dois meses no navio de passageiros SS President Jackson.
Havia confiança entre eles, Então, a partir de janeiro de 1927, Howard embarcou na primeira de muitas
am avam-se e preocupavam-se viagens pelo mundo. Recordando-se do cruzeiro, ele conclui que “a instrução
com o bem-estar um do outro. valeu o dinheiro que gastam os”.
Claire faleceu em 1983.
UM NOVO ESTADO

Ao retornar a Boise, Howard alegrou-se ao saber que o pai fora batizado


em sua ausência. A inda assim, embora sua casa ainda lhe prendesse o cora­
ção, a ânsia de aventura instava-o a prosseguir. Depois de se arriscar em uma

L I A H O N A M A I O DE 1 9 9 5 E D I Ç Ã O E S P E C I A L
especulação comercial e falir, ele decidiu visitar familiares e amigos em Los COMPROMISSO
Angeles, Califórnia. Lá iniciou uma série de empregos que incluía selecionar VERDADEIRO
limões de acordo com a cor de suas extremidades— uma tarefa difícil, perce­ "A capacid ade de ater-
beu Howard, para alguém que era daltônico.
nos aos próprios princípios,
F in a lm e n te , um e m p re g o no B a n c o d a I tá lia , o m aio r b a n c o na
de viver com integridade e
Califórnia na época, ofereceu a Howard um certo grau de estabilidade e
fé, de acordo com o que se
ele, em breve, m atriculou-se em um curso noturno de negócios bancários.
Também se tornou o baterista de uma banda que tocava em bailes locais e acredita—é isto que
com eçou a envolver-se com outros jovens adultos santos dos últimos dias im porta, é esta a diferença
da área. Em 1928, ele passou a morar com os pais e a irmã que, ju n ta ­ entre contribuição e com­
mente com milhões de outros, haviam im igrado para a Califórnia durante
promisso. Essa devoção ao
a década de vinte.
princípio certo, na vida indi­
Mudar-se para o apartamento dos pais provou ser uma coisa significativa.
A ficha de membro de Howard foi transferida para a Ala Adams, onde, sob a vidual, no la r e na fam ília, e
influência de um professor da escola dom inical, iniciou um sério estudo em todo lugar em que
das escrituras. “Considero esse período de minha vida como a época em que encontram os e influencia­
as verdades do evangelho com eçaram a ser d esv en d ad as” , escreveu ele
mos outras pessoas, esta
posteriormente.
devoção é que Deus requer
Em março de 1930, Howard recebeu sua bênção patriarcal. N ela foi dito a
Howard que ele era “ alguém conhecido pelo Senhor anteriormente” e que de nós, em última instân­

fora ordenado “para realizar uma importante obra na mortalidade”. cia." (A Liahona, julho de
N a ocasião, Howard estava namorando uma jovem, Clara May (Claire) 1990, p. 67.)
Jeffs, a quem conhecera em um baile da Igreja em 1928. Em meados de 1931
os dois estavam apaixonados. N a época, Howard tinha um bom cargo no
banco, e a Grande Depressão que afligira o resto dos Estados Unidos parecia
tê-los esquecido. Decidiram então casar-se.

COMPROMISSOS E PROVAÇÕES

A decisão de casar-se levou Howard a novas decisões a respeito do evan­


gelho e da vida familiar. Q uando, numa entrevista de recom endação para o
templo, o bispo perguntou-lhe se seria capaz de sustentar uma esposa com a
parca renda que seu dízimo refletia, Howard de repente conscientizou-se da
seriedade de não ser um dizimista integral. Com sua determinação caracterís­
tica, Howard e Claire decidiram que viveriam essa lei em seu casam ento e o
dízimo viria primeiro. Decidiram, também, seguir o conselho das Autoridades
Gerais de não contraírem dívidas.
A n tes do casam ento, H oward chegara a outra im portante conclusão:
Sua carreira m usical, apesar de consideravelm ente charm osa e lucrativa,
conflitava com a vida familiar que alm ejava para Claire e os filhos. Então,
em 6 de junho de 1931, em pacotou os instrum entos. Depois disso, só os

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
8
O Élder Hunter começou a pegava ocasionalm en te para tocar em atividades fam iliares, mas nunca
trabalhar em tempo integral mais tocou profissionalm ente.
para a Igreja em 1959, Em junho de 1931, Howard e Claire casaram-se para esta vida e para a
quando foi cham ado ao apos- eternidade, no Templo de Salt Lake. Quase imediatamente os recém-casados
tolado. Passou as três décadas enfrentaram uma série de provações. Em janeiro de 1932, o banco em que
e meia seguintes equilibrando Howard trabalhava faliu. Felizmente sem dívidas, o casal “não passou fome”,
suas responsabilidades como nas palavras de Howard, que, então, enfrentou uma sucessão de sub-empre-
historiador da Igreja, acima, e gos. Foi vendedor ambulante de sabão e construiu uma vala para drenar a
as responsabilidades fam ilia­ água da chuva por 30 centavos a hora. Finalmente, incapaz de ganhar o pró-
res. Na foto à esquerda ele prio sustento, em 1933 o casal m udou-se para a casa dos pais de Claire.
aparece com as netas Howard trabalhou para o sogro com o pintor de pontes, freqüentem ente
Kathleen e Anne, na capa de acam pando com Claire no local do trabalho.
uma revista da Igreja, na edi­ Howard finalm ente conseguiu um em prego perm anente em 1934, no
ção de outubro de 1 964. Distrito de Controle de Enchentes do Condado de Los Angeles. O emprego
envolvia conhecim ento de leis e logo ele se sentiu m otivado a freqüentar
uma escola de advocacia. De 1935 a 1939, sua rotina diária foi trabalhar
p eríod o in teg ral d u ran te o dia, fre q ü en tar a F acu ld ad e de D ireito da
Universidade do Sudoeste à noite, jantar com Claire e estudar até depois da
meia-noite. Formou-se com louvor em 1939, foi o terceiro de sua classe e

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
9
1

passou no teste da Ordem dos Advogados da Califórnia no mesmo ano. O Presidente Hunter viajava
Além das dificuldades de freqüentar a escola e trabalhar período integral, muito e quase sempre a ser­
sobrevieram -lhe os d esafios adicion ais de um a fam ília jovem . H ow ard viço da Igreja. Acima, à
William Jr. (Billy) nasceu em 1934, John Jacob, em 1936 e Richard Allen, esquerda: Em outubro de
em 1938. Foram anos de alegria e realização para Howard e Claire, mas 1979, como Apóstolo, recebeu
foram tam bém anos m arcados pela tristeza. Com seis m eses de idade, o a M edalha da Cidade de
pequeno Billy, na época filho único, adoeceu e, após uma intervenção cirúr­ Jerusalém de seu am igo, o
gica para estancar uma hemorragia interna, faleceu. Howard disse que ele e Prefeito Teddy Kollek, na dedi­
Claire “ficaram desolados e entorpecidos pela dor”. cação dos Jardins do
Memorial de Orson Hyde, no
MÃOS À OBRA Monte das O liveiras, em
Jerusalém . Com ele vemos o
N o começo de 1940, após receber a licença para advogar na Califórnia, Presidente Spencer W. Kimball
Howard iniciou uma prom issora carreira no cam po do direito. O mês de (extrema esquerda) e o futuro
agosto, porém, traria uma incrível surpresa: a A la Alham bra dividiu-se e, Presidente da Igreja, Ezra Taft
com a idade de 32 anos, Howard foi cham ado como bispo da recém-criada Benson (segundo a partir da
A la El Sereno. Da ocasião, Howard comentou: “Sempre imaginei um bispo direita). Acima, à direita: Em
como sendo um homem mais velho”. outubro de 1987, o Élder
O Bispo Hunter provou ser um líder amável, mas firme. Um domingo, ao David B. Haight, do Quórum
ver alguns rapazes escapulirem furtivamente para a loja ao lado da capela dos Doze, cumprimenta o
após distribuírem o sacram ento, o bispo deixou o púlpito, foi até a loja e Presidente em Exercício de seu
disse aos envergonhados rapazes: “Irmãos, quando terminarem as compras, quórum, na conferência geral.
continuaremos a reunião.”
Q uatro anos depois de sua desobrigação, que se deu em 1946, o Bispo
Hunter foi chamado como presidente da Estaca Pasadena. N os nove anos
seguintes, confiou aos membros inúmeros projetos de serviço que tinham o
objetivo de levantar fundos para a construção de uma nova sede da estaca e,
a partir de 1951, para a construção do Templo de Los Angeles.
Durante sua gestão como presidente de estaca, o Presidente Hunter foi
também o responsável pelo conselho regional de presidentes de estaca do sul

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
10
A P E D R A DE T O Q U E
DO S E R V I Ç O

"Sugiro-vos que o

Senhor preparou uma pedra

de toque para todos nós,

uma medida exterior de

nossa dedicação interior, e

que marca nossa fidelidade,

podendo sobreviver ao

fogo que aparecer no

futuro. ( . . . )

Certa ocasião, ( . . . )
(Jesus) disse: 'Q uando o

fizestes a um destes meus

pequeninos irm ãos, a mim o

fizestes' (Mat. 25:40). Ele

m edirá nossa devoção pela

forma como am am os e se r­
O Presidente Hunter foi ordenado e designado décimo quarto Presidente da
vimos nossos sem elhantes.
Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias em 5 de junho de 1994. No
Que tipo de m arca estam os
dia seguinte, ele e seus conselheiros, o Presidente Gordon B. Hinckley, Primeiro
deixando na pedra de Conselheiro, e o Presidente Thom as S. Monson, Segundo Conselheiro, deram
toque do Senhor? Somos uma entrevista à im prensa, acima. Em sua declaração, o Presidente Hunter

verdadeiram ente bons para incentivou os membros a demonstrarem mais qualidades cristãs e a serem
dignos de entrar no templo.
nosso próxim o? ( . . . )

Precisam os lem brar-nos


de que, em bora façam os da Califórnia, incentivou os membros a realizarem a noite familiar 15 anos
am igos. Deus fez nossos antes da designação desse programa como programa oficial da Igreja, e foi o
sem elhantes— em todos os prim eiro a form ar classes de sem in ário de m an h ã bem cedo no sul da
lugares. O am or não pode
Califórnia.

ter fronteiras; não devemos


FILHOS, VIAGENS E NEGÓCIOS
ter leald ad es estreitas."

(A Liahona, janeiro de 1987, Apesar de estar sempre atarefado com os chamados da ala e da estaca,
pp. 34-35.) Howard conseguia arranjar tempo para os filhos. John e Richard adoravam,
em especial, as histórias da viagem do pai pelo Oriente. Gostavam também
de trabalhar em novos modelos de trens com o meticuloso pai, que às vezes
os levava ao pátio da ferrovia para que os rapazes observassem os trens e
criassem novos desenhos. A família também gostava de assistir a concertos
no Hollywood Bowl (Anfiteatro de Hollywood) e gostava de ouvir a impres­
sionante coleção de gravações clássicas de Howard.
John e Richard também se beneficiaram do desejo de Howard de mostrar-
lhes o mundo de uma forma que seu próprio pai não pudera fazer: ao término
da missão de cada um (ambos serviram na Austrália), Howard e Claire leva­
ram o ex-missionário para uma viagem ao redor do mundo.
Howard permaneceu também perto dos pais. Will e Nellie, por sua vez,
deram ao filho a melhor festa de aniversário de sua vida, quando ele fez 46

A L I A H O N A M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Á O E S P E C I A L
11
OS PROBLEMAS
NOS APRI MORAM

"Todas a s gerações,

desde o princípio dos tem ­

pos, teve ( . . . ) problem as

para resolver. Além disso,

todas as pessoas enfrentam

uma série de desafios que

às vezes parecem ter sido

selecionados especialm ente

para elas. ( . . . )
Quando e ssa s experiên­

cias nos tornam hum ildes,

nos aprim oram e ensinam ,


Por muitos anos, o Presidente Hunter enfrentou problemas de saúde— problemas
fazem com que sejam os
dele mesmo e da esposa. Contudo, continuou a servir fielmente em seus cham a­
m elhores, m ais gratos, dos. Na página ao lado, um momento de reflexão durante a conferência geral.
am orosos e sensíveis às Acim a, cumprimenta membros da Igreja em uma conferência em Tucson, Estado
dificuldades alh eias. do Arizona, em setembro de 1994. Abaixo, numa viagem à Suíça, um mês antes,
detém-se por um momento com a fam ília e amigos para contemplar os Alpes.
Mesmo nos momentos

m ais difíceis, os problem as

e a s profecias nunca tive­


ram qualquer outro propó­

sito a não ser abençoar os anos, em 1953, durante uma caravan a da estaca ao Templo do Arizona.
En quanto H ow ard discu rsava para os m em bros da estaca na capela do
justos e au xiliar os menos
templo, seus pais entraram, vestidos de branco, prontos para serem selados
justos a colocarem -se no
um ao outro e ao filho.
caminho do arre p e n d i­ Nesse meio tempo, Howard tornara-se consultor jurídico em Los Angeles
mento." (New Era, janeiro e fora convidado para trabalhar para a junta de diretores de mais de duas
de 1994, p. 6.) dúzias de empresas. Q uando os clientes não podiam pagar seus serviços, ofe­
recia-lhes serviço legal gratuito. Sua habilidade com as leis era tão respei­
tada, que foi considerado para a posição de juiz em uma das cortes estaduais.
Contudo, recusou a oportunidade. Seu trabalho como advogado autônomo e
a liberdade que isso lhe dava para servir na Igreja e buscar novos interesses
significava mais para ele do que o prestígio que o cargo de juiz lhe traria.

TRABALHO NA IGREJA EM TEMPO INTEGRAL

Em outubro de 1959, durante um a das típicas viagens de Howard e


Claire à conferência geral na C idade de Salt Lake, o Presidente David O.
M cKay inform ou-o de que o Sen h or falara. “ Está sendo cham ado para
ser um a de suas testem u n h as esp eciais, e am an h ã será apoiad o com o
DE LOWELL R. HARDY

membro do C onselho dos D oze.” Com pletam ente ^surpreso, Howard mal
conseguia falar.
O É lder H ow ard W. H u n ter foi a p o ia d o p ara o Q uórum dos Doze
Apóstolos no dia seguinte, 10 de outubro de 1959, e no dia 15 de outubro o
FOTOGRAFIA

Presidente David O. McKay ordenou-o Apóstolo e designou-o membro do


Q uórum dos Doze, onde serviria nos 35 anos seguintes.

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
13
TODO MEMBRO DEVE
SER D I G N O DO T E MP L O

"Eu ( . . . ) exorto os
membros da Igreja a fa z e ­

rem do templo do Senhor o

grande símbolo de sua vida

e o local suprem o de seus

m ais sag rado s convênios. O

meu m ais profundo desejo é

que todos os membros da

Igreja se tornem dignos de

entrar no templo. Espero

que todo membro adulto

seja digno de possuir uma


Uma vida devotada à redenção dos mortos levou o Presidente Hunter ao templo
recom endação atu alizad a
com freqüência. Seu conselho aos santos de que fizessem o mesmo, tornou-se
para o templo, mesmo que
uma m arca de sua presidência. A esquerda, vemo-lo com o Presidente Hinckley e
a distância não lhe permita com o Presidente Monson em frente ao Templo de O rlando Flórida, no dia de
u sá-la sem pre." (A Liahona, sua dedicação, em outubro de 1994. Acim a, ele e a mulher misturam-se com a
setembro de 1994, p. 4.) multidão presente aos serviços dedicatórios.

Desde o com eço de seu apostolado, o Élder Hunter viajou constante­


mente, a fim de ajudar a satisfazer as exigências criadas pelo grande cresci­
mento do número de membros da Igreja no mundo todo. Sempre um perfeito
aluno de geografia e cultura, o Élder Hunter gostava de planejar seu próprio
itinerário, estudar a história dos lugares que visitava e evitar um tratamento
especial na chegada. Além do trabalho regular organizando estacas e aconse­
lhando líderes, enfrentou um a tem pestade tropical enquanto viajava de
barco em Tonga, escapou de uma tentativa de roubo no Panamá e empurrou
um carro em meio a uma nevasca na Noruega.
Particularmente memorável foi sua viagem à Cidade do M éxico em 1975.
N essa ocasião, o Élder Hunter estabeleceu um recorde que até hoje não foi
igualado na Igreja, organizando quinze estacas a partir de cinco.
O Élder Hunter recebeu muitas outras designações. Com o presidente da
Sociedade Genealógica de Utah (agora Departamento de História da Família
da Igreja) de 1964 a 1972, dirigiu a instalação de com putadores a fim de
resolver os m étodos inadequados e vagarosos de processam ento de nomes
para o trabalho do templo. Também serviu como Historiador da Igreja de
NEWS

1970 a 1972 e serviu durante 24 meses na Fundação Arqueológica do Novo


DE GERRY AVANT, CHURCH

M u n d o , um a o r g a n iz a ç ã o de p e sq u isa m e so - a m e ric a n a , se d ia d a na
Universidade Brigham Young. Viajando duas ou três vezes por ano para o
M éxico e Guatem ala, o Élder Hunter encontrou de tudo, de serpentes vene­
nosas a caminhos desconhecidos, apreciando grandemente a aventura e ins­
trução proporcionadas por essas viagens.
FOTOGRAFIA

De 1965 a 1976, os talentos empresariais do Élder Hunter possibilitaram


que o Centro Cultural Polinésio, afiliado à Faculdade do H avaí (atualmente

NA • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç À O E S P E C I A L
15
FOTOGRAFIA DE GERRY AVANT, CHURCH NEWS

Universidade Brigham Young— H avaí), crescesse e se transformasse, de uma Após ser ordenado Presidente
desconhecida entidade sem fins lucrativos, em uma das mais visitadas atra- da Igreja, O Presidente Hunter
ções turísticas do Havaí. aumentou o ritmo de seu tra­
Talvez a design ação que m ais exigiu a capacidade de n ego ciação do balho para o Senhor, pois
Élder Hunter, sua sensibilidade a outras culturas e com petência jurídica, durante um tempo sua saúde
tenha ocorrido na Terra San ta. Tendo ajudado a supervisionar a constru­ melhorou. A direita, em
ção dos Jardins do M em orial de O rson Hyde em m eados de 1970, o Élder novembro de 1994, ele presi­
H unter tornou a viajar para Jerusalém em um a design ação m uito mais diu a posse de Eric B.
com plicada. A partir de 1979, o Élder H unter teve um im portante papel Shumway como novo presi­
na n egociação da com pra do terreno e na supervisão da construção do dente da BYU-Havaí. Enquanto
C e n tr o de Je r u s a lé m p a r a E s tu d o s so b re o O r ie n te P ró x im o estavam lá, ele e Inis visitaram
— U niversidade Brigham Young. M esm o quando assinou-se o acordo de o Centro Cultural Polinésio,
arrendam ento final, em 1984, a crescente oposição local quase destruiu o acima.
projeto. N e ssa ép oca d ram ática, as n eg o ciaçõ es con duzidas por Élder
Hunter, juntam ente com um a carta de apoio do C ongresso dos Estados
U n idos, aju daram a solucion ar os problem as. Em m aio de 1989, Élder
Hunter, então em uma cadeira de rodas, ofereceu a oração dedicatória do
Centro de Jerusalém .

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
16
CENTRALIZAR NOSSA SAÚDE E DOENÇA
V I D A EM C R I S T O

"Por favor, lem brai-vos Durante os anos agitados em que o Élder Hunter foi Apóstolo do Senhor,
disto: Se nós centralizarm os ele e Claire apreciavam muito o tempo que passavam juntos em casa, quer
sozinhos ou com os 18 netos da Califórnia. Seus dois filhos tornaram -se
nossa vida em Cristo e Seu
advogados e casaram -se nesse estado— John, com Louine Berry e Richard
evangelho restaurado,
com N an Greene. O Élder Hunter encontrava a família de seus filhos com
nada irá perm anentem ente tanta freqüência no aeroporto de Los Angeles, que um dos netos o chamava
mal para nós. Por outro de “o avô que mora no aeroporto”.
lado, se nossa vida não Problemas de saúde com eçaram a rondar a casa da família Hunter no
com eço dos anos 70. C laire passou a ter perda de m em ória e dores de
estiver centralizad a no
cabeça que a levaram a uma cirurgia em 1976. Depois, precisou de cuida­
Salvador e em Seus e n sin a ­
dos perm anentes, que foram fornecidos por seu marido e por uma gover­
mentos, nenhum outro n an ta. U m a h em orragia cerebral im possibilitou C laire de an dar e até
sucesso poderá ir p erm a­ mesmo de comunicar-se, mas o marido insistiu em m antê-la em casa para
nentemente bem ." ("'Fear cuidar dela. O utro ataque cerebral em 1982 finalm ente forçou a ida de
Claire para uma clínica. Élder H unter visitava-a diariam ente e ia do aero­
Not, Little Flock'" (Não
porto diretam ente para o hospital, assim que ch egava de suas viagens.
Temais, Pequeno Rebanho),
Q uando Claire faleceu, em outubro de 1983, o Élder Jam es E. Faust, do
1988-89 Devotional and Q uórum dos Doze, com entou que a “ ternura im plícita na com unicação
Fireside Sp eech es, Provo: deles era com ovente e de partir o coração. N un ca vi igual exem plo de
Brigham Young University devoção de um marido para sua esposa.”
Press, 1989, p. 112.) A saúde do Élder H unter declinou após a morte de Claire. Em 1980,
sofreu um a cirurgia para rem over um tum or benigno. A década trouxe
mais problemas, como um ataque cardíaco, uma operação de desvio coro­
nário e dores na parte lombar da coluna. Em 1987, Élder Hunter, então
Presidente Interino do Q uórum dos Doze, chegou perto da morte, quando
precisou de uma grande quantidade de sangue durante a cirurgia de uma
úlcera hem orrágica e, depois disso, teve insuficiência renal. A pós vagarosa
recuperação, os problem as na coluna exigiram mais cirurgias, deixando-o
com uma coluna vertebral muito boa, mas com fortes dores nas pernas.
D u ran te essas p ro v açõ es, am igos e co n h ecid o s n ão se lem bram de
ouvir o Presidente H unter reclamar. Bom humor e com paixão eram suas
m arcas registradas, exem plificadas pelo m odo com o iniciou seu discurso
DE NETWORK PHOTO, IAIE

da conferência geral de outubro de 1987, sentado numa cadeira de rodas:


“Perdoai-me se continuo sentado ( . . . ) . N oto que estais desfrutando a
con ferên cia sen tado s, en tão seguirei vosso exem plo .”4 N a conferência
geral de abril de 1989, o Presidente H unter dem onstrou com postura e
capacidade rápida de recuperação. Falando para os membros da Igreja, em
FOTOGRAFIA

pé, com a aju da de um andador, e m al con segu indo m over as pernas,


perdeu o equ ilíb rio e caiu p ara trás, sobre um arran jo de flores. Foi

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
17
SERVIR E CRESCER

"N ão nos podemos


perm itir focalizar nossa

atenção na luz p assag e ira

da popularidade ou substi­

tuir a substância do

verd ad eiro , m as freqüente­

mente anônim o trabalho,

que cham a a atenção de

Deus, por esse brilho

atraente. ( . . . ) Na v e r­
d ad e, os aplausos e a aten ­

ção podem transform ar-se

no calcan h ar de Aquiles dos

m ais talentosos dentre nós.

(...)
Caso sintais que muito do

que fazeis não vos torna

fam osos, anim ai-vos. A

m aior parte d as m elhores

pessoas que já viveram


tam bém não ficou fam osa.

Servi e crescei, fiel e sile n ­

ciosam ente." (Ensign, abril


de 1992, pp. 66-67.)

FOTOGRAFIA DE MICHAEL MORRIS

Nesta página: Não sendo de seu estilo procurar ser o centro das atenções, o
Presidente Hunter envolveu-se, contudo, em um grande número de eventos histó­
ricos, durante os muitos anos em que serviu— entre eles está a criação da Estaca
Mexico City Mexico Contreras, a 2 .0 0 0 a estaca da Igreja, em 11 de dezembro de
1994. Membros da Igreja de cinco estacas reuniram-se ansiosos para ouvir o
Presidente falar.

im ediatam ente ajudado e continuou seu discurso. M ais tarde, um exame


m ostrou que, na queda, quebrara três costelas.
O casiõ e s m em oráveis m arcaram o fim da d é cad a para o Presidente
Hunter. Em 2 de junho de 1988, foi designado e apoiado como Presidente do
Q uórum dos Doze A p ó sto lo s, ap ós a m orte do P resid en te M ario n G.
Romney. Então, em 1990, no final de uma reunião dos Doze, anunciou infor­
malmente: “Caso-m e esta tarde. Inis Stanton é uma conhecida de muitos
anos, da Califórnia. Temos conversado já há algum tempo e decidi casar-me.”
N aquela tarde, após um reservado selam ento, o casal Hunter iniciou uma

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
18
FOTOGRAFIA DE JO H N HART, CHURCH NEWS

Após presidir a criação da atarefada vida em comum, logo viajando para a Guatem ala, M oscou e Israel.
2 .0 0 0 a estaca da Igreja— a A s a fliçõ e s do P re sid en te H unter, porém , n ão h av iam term in ado.
12 9 a do México— o Presidente H ospitalizado por causa de uma hem orragia interna, em 1992, conseguiu
Hunter falou numa cerimônia recuperar-se lentam ente. Então, em fevereiro de 1993, prestes a discursar
do templo da Cidade do em um se rã o p a ra 19 e sta c a s , na U n iv e rsid a d e B righ am Young, um
México, acima, quando acen­ homem, declarando portar um a bom ba, subiu rapidam ente ao púlpito e
deu as luzes de Natal do tem­ ordenou que todos descessem , exceto o Presidente Hunter, a quem m an­
plo. Sua visita foi considerada dou ler uma declaração escrita. O Presidente H unter calm am ente se recu­
como um momento luminoso sou a fazê-lo. En tão, o n um eroso público presen te ao M arriot C en ter
na história da Igreja por aque­ distraiu o intruso can tan d o “G raças D am os, O D eus, Por um Profeta”
les que se lembram de quando (Hinos, 1991, ns 9) e perm itindo, assim, que os seguranças dom inassem o
a Igreja, no México, limitava- homem. O Presidente H unter fez uma pequena pausa antes de proferir seu
se a apenas algumas discurso. “A vida tem um núm ero co n siderável de d esafio s” , com eçou
congregações. ele-— acrescentando, espontaneam ente, “com o dem onstrado”.
Três meses mais tarde, submeteu-se a uma cirurgia na vesícula biliar, mas
foi impossível acordá-lo após a intervenção. Alguns dias depois, ele surpreen­
deu os médicos, despertando— lúcido e plenamente recuperado.

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
19
FOTOGRAFIA DE GERALD W. SILVER, CHURCH NEWS

DÉCIMO QUARTO PRESIDENTE DA IGREJA A última aparição pública do


Presidente Hunter foi no Templo
N o dia 30 de m aio de 1994, faleceu o P residente Ezra Taft Benson. de Bountiful, Utah, acima, dedi­
Howard William Hunter foi apoiado e designado pelos Apóstolos como pro­ cado em 8 de janeiro de 1995.
feta, vidente e revelador da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos A direita, o Presidente Hunter e
Dias no dia 5 de junho. N a segunda-feira seguinte, o Presidente Hunter falou seus conselheiros em uma das
à im prensa, apresentando dois tem as que enfatizaria durante seu tem po sessões dedicatórias do templo,
como presidente— a necessidade de todos os membros da Igreja tornarem-se apenas alguns dias antes de
mais semelhantes a Cristo e também de serem dignos de freqüentar o templo. ele ser hospitalizado pela
Presidente Hunter rapidamente levou este e outros conselhos ao maior última vez. Com pureza de
número de santos possível. Em junho, discursou para 2.200 missionários no coração e total dedicação, o
Centro de Treinamento Missionário de Provo, Utah. Nesse mesmo mês visi­ Presidente Howard W. Hunter
tou as cidades de N auvoo e de Carthage, no Estado de Illinois, onde falou encorajou os santos a terem
em três cerim ônias de com em oração do 1502 aniversário de m artírio de mais santidade e a servirem
Joseph e Hyrum Smith. com mais constância na casa
Em julho, o Presidente Hunter fez sua primeira viagem ao exterior como do Senhor.
Presidente da Igreja. D iscursando em um serão em Lausanne, elogiou o

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Á O E S P E C I A L
20
NEWS
DE GERALD W. WILVER, CHURCH

“povo independente e fervoroso” da Suíça e a união do país, apesar de ter


três línguas oficiais.5
FOTOGRAFIA

“ Sede mais plenamente convertidos”, exortou 1.300 santos em Tucson,


Arizona, em uma conferência birregional em setembro, novamente enfati-
zando os temas que se tornaram a m arca de sua presidência.6 Ele reiterou
APRESSEMO-NOS A
esses temas na 164e Conferência Geral, em outubro: “ [Segui] com mais aten­
IR A O T E M P L O
ção o exemplo da vida de Jesus Cristo”, disse ele. “ [Olhai] para o templo do
Senhor com o o grande símbolo de [vossa] associação na Igreja.” ' Pouco
"Sejam os um povo que
tempo depois, dedicou o Templo de Orlando Flórida.
freqüenta e am a o templo. O s m em bros do m undo todo escu taram aten tam en te as palavras do
Procuremos diligentem ente Presidente Hunter: “De vez em quando pensava por que minha vida fora
ir à Casa do Senhor tão poupada, mas hoje não faço mais essa pergunta e peço, apenas, a fé e as ora­
am iúde quanto nosso ções dos membros da Igreja para que trabalhemos juntos, a fim de cumprir­
mos os propósitos de Deus para esta época de nossa vida.”8
tempo, meios e condições
O Presidente Hunter trabalhou com vigor até o final do ano. O ano novo,
pessoais nos perm itirem .
porém, trouxe consigo novas complicações de saúde. Em janeiro de 1995,
Que o façam os não ap e n as depois de dedicar o Templo de Bountiful U tah e presidir seis sessões, foi hos­
em favor de nossos p a re n ­ pitalizado com estafa. Mais tarde os médicos disseram que o câncer da prós­
tes falecidos, m as também tata, que o levara à cirurgia em 1980, havia atingido os ossos.
Presidente Hunter recebeu alta do hospital em meados de janeiro e conti­
em busca das bênçãos p es­
nuou o trabalho da Primeira Presidência em seu apartamento. Deixou a vida
soais advin das da adoração
mortal no dia 3 de março, em casa, assistido por sua esposa Inis, uma enfer­
no templo, em busca da meira e uma secretária particular.
santidade e segurança que N o entendimento de Howard W. Hunter, a vinha do Senhor exige cons­
encontramos dentro d aq u e ­ tante cuidado, e tudo o que o Mestre exigiu dele foi ser um “servo bom e
las paredes san tas e consa­
fiel” . O Presidente Hunter cumpriu essa missão com verdadeira grandeza e
con stan te aten ção ao exem plo do Salvador, a quem serviu com amor e
g rad as. O templo é um local
humildade até o fim.
de b eleza, um local de

revelação, um local de paz. NOTAS


É a casa do Senhor. É 1. A Liahona, julho de 1982, p. 31.
sag rado para o Senhor. 2. A Liahona, setembro de 1994, p. 4.
3. Eleanor Knowles, Howard W Hunter, Salt Lake City: Deseret Book Company, 1994,
Deve ser sag rado para
p. 45. As citações e informações que não constam destas notas foram tiradas deste livro.
nós." (A Liahona, novembro 4. A Liahona, janeiro de 1988, p. 57.
de 1994, p. 6.) 5. “President Hunter Visits Switzerland on 8-Day Journey” (Presidente Hunter Visita a
Suíça em Viagem de 8 Dias), Church News, 20 de agosto de 1994, p. 11.
6. Citado em Mike Cannon, ‘“ Be More Fully Converted’, Prophet Says” (‘“ Sede Mais
Plenam ente C onvertidos’, Diz o Profeta”), Church News, 24 de setembro de 1994,
pp. 3-4.
7. A Liahona, janeiro de 1995, p. 7.
8. A Liahona, janeiro de 1995, p. 6.

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç À O E S P E C I A L
21
Destaques da vida do
Presidente Howard W. Hunter
(1907- 1995)

D ata A contecim ento 1953 14 de novembro: é selado aos pais.


1907 14 de novembro: nasce em Boise, Idaho. 1959 15 de outubro: é ordenado Apóstolo.
1911 Contrai poliomielite e se recupera. 1960 Organiza uma estaca nova em N evada, a pri­
1920 4 de abril: é batizado. meira das várias estacas que organizaria nos
21 de junho: é ordenado diácono. Estados Unidos.
1923 11 de maio: é elevado à condição de Eagle Scout 1961 E nom eado presidente da junta consultiva da
(Escoteiro Á gu ia). Fundação Arqueológica do Novo Mundo.
1924 Organiza um conjunto musical para tocar em 1964 Torna-se presidente da sociedade genealógica da
bailes, os H unter’s Croonaders (Cantores do Igreja.
H unter). 1965 E nom eado presidente da junta de diretores do
1926 3 de junho: forma-se na escola secundária de Centro Cultural Polinésio, no Havaí.
Boise. 1966 Supervisiona a dedicação dos A rquivos de
1927 N avega para o Oriente com os H unter’s Registros da M ontanha de Granito, onde são
Croonaders. guardados microfilmes genealógicos da Igreja.
6 de fevereiro: seu pai é batizado. 1968 Organiza uma estaca em Tonga, a primeira das
1928 M uda-se para a Califórnia. Trabalha num banco. muitas que organizaria em vários países do
1930 Recebe a bênção patriarcal. mundo.
1931 10 de junho: casa-se com Clara May (Claire) 1969 Coordena a primeira Conferência Mundial sobre
Jeffs, no Templo de Salt Lake. Registros, patrocinada pela Igreja.
1932 Perde o emprego no banco por causa da Grande 1970 E chamado como historiador e registrador da
Depressão. Inicia uma série de empregos esporá­ Igreja. Assiste ao Congresso Internacional sobre
dicos. Arquivos, em Moscou, e ao Congresso
1934 Consegue emprego no Distrito de Controle de Internacional de Ciências Genealógicas e
Enchentes do Condado de Los Angeles. Heráldicas, em Viena.
20 de março: nasce o filho Howard William 1971 A juda a negociar para a Igreja a microfilmagem
(Billy) Hunter Jr., que morre seis meses mais na Itália.
tarde. 1972 A saúde de Claire começa a definhar.
1935 Inicia a Escola de Direito da Universidade do 1974 Com eça a supervisionar o financiamento e a
Sudoeste. construção do Jardim do Memorial de Orson
1936 4 de maio: nasce o filho John Jacob Hunter. Hyde, em Jerusalém.
1938 29 de junho: nasce o filho Richard Allen Hunter. 1975 A partir de 5 estacas, organiza 15, na Cidade do
1939 Forma-se na escola de advocacia; passa no M éxico.
exame da Ordem dos Advogados. Maio: acom panha dançarinos da BYU
1940 Abril: começa a praticar a advocacia. (Universidade Brigham Young) à China.
Setembro: torna-se bispo da A la El Sereno. 1977 Dedica o Panamá à pregação do evangelho.
1946 E desobrigado do cargo de bispo; serve como 1979 Abril: com eça a supervisionar uma década de
líder de grupo dos sumos sacerdotes e, depois, complexas negociações para a construção do
como sumo conselheiro. Centro Jerusalém da BYU.
1950 25 de fevereiro: torna-se presidente da Estaca 24 de outubro: assiste, no M onte das Oliveiras, à
Pasadena. dedicação do Jardim do Memorial de Orson

L I A H O N A M A I O DE 19 9 5 S P E C I A L E D I T I O N
22
Hyde; recebe a M edalha da Cidade de satélite para os missionários de várias partes do
Jerusalém, do Prefeito Teddy Kollek. mundo.
1980 Junho: é hospitalizado para a remoção de um 18 de setembro: discursa em conferência no
tumor benigno. Arizona.
Julho: sofre um ataque cardíaco. 23 de setembro: discursa numa Reunião Geral da
1983 9 de outubro: Claire falece. Sociedade de Socorro.
1985 Fevereiro: Visita Jerusalém para abrandar a 1B de outubro: é apoiado como Presidente da
oposição às obras do Centro Jerusalém da BYU. Igreja em conferência geral.
10 de novembro: é designado como Presidente 9 de outubro: dedica o Templo de Orlando
Interino do Quórum dos Doze. Flórida.
1986 12 de outubro: sofre cirurgia de desvio coronário. 15-16 de outubro: vai ao 582 aniversário da
1987 Procura tratamento para dor causada por dete­ Estaca Pasadena Califórnia e discursa na confe­
rioração de osso espinhal. Sofre uma cirurgia rência da estaca.
para curar uma úlcera hemorrágica. Sofre uma 13 de novembro: discursa na comemoração do
cirurgia nas costas, que lhe limita o movimento 100s aniversário da Sociedade Genealógica de
das pernas. Utah.
4 de outubro: discursa na conferência geral sen­ 18 de novembro: preside a cerimônia de posse do
tado numa cadeira de rodas. novo presidente da BYU-Havaí.
15 de dezembro: vai a uma reunião do templo 4 de dezembro: discursa no devocional de Natal
usando um andador. da Primeira Presidência.
1988 2 de junho: é designado Presidente do Quórum 11 de dezembro: preside a criação da estaca de
dos Doze. número 2.000, na Cidade do México.
1989 Maio: dedica o Centro Jerusalém da BYU. 1995 8 -1 4 de janeiro: dedica o Templo de Bountiful
1990 Abril 10: casa-se com Inis Egan Stanton, no U tah e preside seis sessões dedicatórias.
Templo da Cidade de Salt Lake. 12 de janeiro: é hospitalizado. Mais tarde, insta­
Outubro: numa reunião com as Autoridades lado em casa, continua o trabalho.
Gerais, fica de pé pela primeira vez desde abril 3 de março: falece em casa.
de 1987.
Outubro: é hospitalizado com pneumonia.
Homem de idéias claras e profunda espirituali­
1991 É hospitalizado por causa de uma doença no
dade, o Presidente Hunter incentivou homens e
pulmão.
mulheres a seguirem o Salvador e imitar-Lhe a
1992 Setembro: dedica a Áustria para a pregação do
vida e o amor.
evangelho.
Outubro: assiste à rededicação do Templo de
Londres.
Novembro: é hospitalizado com hemorragia
interna.
1993 7 de fevereiro: enfrenta a ameaça de um intruso,
na BYU.
Abril: assiste à dedicação do Templo San Diego
Califórnia.
Maio: sofre cirurgia na vesícula biliar.
1994 5 de junho: é ordenado Presidente da Igreja. as
26 de junho: discursa em N auvoo e Carthage, íO
O
Illinois. <
8—16 de agosto: reúne-se com santos da Suíça.
13 de setembro: seu discurso é transmitido via

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 E D I Ç Ã O E S P E C I A L
23
A Primeira Presidência em junho de 1994: (a partir da esquerda) Presidente Gordon B. Hinckley, Primeiro Conselheiro;
Presidente Howard W. Hunter; Presidente Thom as S. Monson, Segundo Conselheiro.

P E R S E V E R A R AT E O FI M

"Parece-m e que a espécie de sacrifício pelos outros e pelo a vós que sois o sal da terra e

grandeza que nosso Pai nos céus Senhor, o melhor conselho é sim ­ força do mundo e espinha dorsal

deseja que busquemos está ao plesmente continuar agindo assim . de cad a nação — querem os sim ­

alcance de todos os que se encon­ A vós que faze is os trabalho s plesm ente externar nossa a d m ira ­
tram dentro da Igreja. Contamos comuns do mundo, m as duvidais ção. Se p e rsev e rard e s até o fim e
com um número infinito de oportu­ do valo r de vossos feitos; a vós fordes valen tes no testem unho de
nidades de fazer as muitas coisas que tra b a lh a is ard uam ente na Jesu s, a lca n ça reis a v erd ad e ira DE PORTRAITS BYM ERRETT

simples e pequenas que acabarão Ig re ja , prom ovendo a obra do g ra n d eza e vivereis na presença
por nos tornar grandes. A vós que Senhor de m uitas m a n e ira s d e s­ de nosso Pai Celeste.
devotais a vida ao serviço e p ercebid as, porém im portantes; (A Liahona, julho de 1992, p. 32)
DA CAPA CORTESIA
FOTOGRAFIA

A L I A H O N A • M A I O DE 1 9 9 5 • E D I Ç Ã O E S P E C I A L
24