Você está na página 1de 5

2

POR ESTA CRUZ TE MATAREI

Gino Polito Vita1

Bruce Olson nasceu e foi criado em Minneapolis, Minnesota, nos Estados


Unidos. Cursou a faculdade na Universidade de Minnesota e em Pennsylvania. Foi
para a Venezuela, onde cursou a Universidade de Caracas, através do qual, entrou
em contacto com os índios motilones. Com abnegação e amor pelos índios, fez com
que obtivesse excepcionais resultados com seu método missionário dando-lhe a
oportunidade de travar amizade com cinco presidentes colombianos e levando-o a
falar nas Nações Unidas, na Organização dos Estados Americanos e em muitas
outras organizações.

Segundo o autor, neste primeiro capitulo, é narrada a sua volta ao território


dos motilone e o encontro com Boby, que conta as melhorias que tiveram durante a
ausência de Bruce, fala sobre o avanço que tiveram com os estudos e no
evangelismo, através da tradução para a língua motilone, que eles estavam fazendo.
Relata também sobre o grilheiro de nome Humberto Abril que vem ao
encontro deles para reclamar por mais terras, ao receber a negativa de Boby,
Bobarishora, o colono como se classifica Humberto, o ameaça de morte com um
juramento. Faz uma cruz com os dedos e diz: -“Por esta cruz te materei”, palavras
ameaçadoras e geladas. Olson (2012, p 16) “Fora pela cruz que eu amara os
motilones e como recompensa era amado por eles. Mas era também pela cruz que
eu haveria de morrer? Era também pela cruz que Bobby haveria de morrer?”. Vindo
este, dar o nome ao livro.
O autor, em sua juventude, se questiona sobre o sua fé e o Deus que lhe é
apresentado. De formação Luterana, não conseguia entender a sua relação com o
Deus que lhe era ensinado. Porém na leitura da palavra, se depara com um
versículo que iria mudar o seu entendimento sobre Deus e a salvação e por
conseguinte a sua vida. “Se em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os
mortos, serás salvo”. Bruce entendeu o sentido da fé, ou seja, “Crer”, deste modo
teve um contato vivo com Jesus e desta forma ele entende que Deus esta com ele

1 Seminarista no Curso Livre de Teologia do CEFORTE-Centro de Formação Teológica.


3

através de Jesus. Bruce é execrado pelo pastor de sua igreja ao relatar o ocorrido, e
por ter tido uma experiência pentecostal, que não faz parte da doutrina luterana.
Demonstra aqui o autor que o caminho para Jesus e árduo e com aflições.
Atendendo ao chamado de Deus, Bruce viaja para Caracas, conhece um
médico que o ajuda a entrar em contato com os índios e alguns missionários, e
constata que a forma que os missionários se relacionam com os índios é errada
porque eles impõem as sua atitudes e crenças, não respeitando o modo de vida dos
índios.
Passou por muitas dificuldades, mas isto o ajudou a edificar a sua fé, porque
em todos os momentos que necessitou de ajuda ele foi socorrido, levando-o a
entender que Jesus estava com ele em todos os momentos. Soubera de um surto de
sarampo que matou muitos índios e queria ajudar levando para eles medicamentos,
tem contato com os índios iucos, vivendo com eles por um período onde começa a
aprender a língua deles e o mais importante e que através deste contato, Olson
começa a entender o que Deus esta requerendo dele em relação aos índios, como
misssionário, e é através iucos que ele vai chegar aos motilones.
Os índios motilones eram conhecidos por sua truculência, e em contato com
outras tribos e homens brancos, em defesa de suas terras, já haviam matado
algumas pessoas. Por isso os iucos tinham medo dos motilones, e foi difícil
convencê-los a levarem-no até eles. Foi uma tarefa árdua o deslocamento pela
mata, a travessia que tiveram que fazer pela fronteira Venezuela/Colômbia, até
chegar a terra dos motilones. Olson, na mata, é atingido na perna por uma flecha, é
levado pela tribo e fica preso numa espécie de jaula, por causa do ferimento,
durante semanas agoniza de dor e febre até que resolve fugir da tribo. Seguindo rio
acima, chega a um povoado e é ajudado por uns madeireiros que o levam até
Talamaque, daí ele se dealoca em direção a Bogotá. Na capital teve ajuda da família
Martin, cristãos, e através delesconseguiu voltar a selva e retornar ao convívio com
os índios motilones, tarefa que levou algum tempo para que os índios o aceitassem
entre eles. Durante um tempo a amizade foi sendo conquistada entre ele e os índios.
Olson notara que o apelo familiar não se estendia ao grupo, apesar de viverem em
comunidade, as famílias tinham independência entre elas, a preocupação comum
era a segurança do grupo.
4

Olson assisti o ritual onde o jovem índio Cobaydra passa a ser considerado
adulto e é batizado com o nome de Bobarishora. Faz um pacto com Bobarishora que
o aceita como irmão, desenvolvendo assim uma relação fraternal com o índio.
Passa um tempo é Olson decide ir conhecer o chefe dos chefes motilones ,
nesta viagem fica muito doente, porém, por misericórdia de Deus ele é salvo pór um
helicóptero da companhia petrolífera, é salvo e levado ao hospital onde é tratado.
Contudo a sua idéia é fixa em voltar para a sela , para o convívio dos motilones, Ele
sabe que o trabalho missionário com esses índios ainda nem começou.
Olson passa anos com os motilones, onde aprende a língua do povo, os ajuda
a desenvolver uma agricultura sustentável, ensina-os formas de saneamento básico,
ajuda a melhorar a sua saúde, construindo postos de atendimento, paralelamente
ele vai ensinando a Palavra de Deus.
Olson, mesmo relata que houve duas razões para que toda esta
transformação acontecesse, a primeira é que nada foi feito de forma obrigatória e
sim com muito amor e carinho, a segunda e mais importante é que sem a ajuda do
Espírito Santo de Deus nada disso teria sido possível. O índio Bobby tem um
avivamento com Jesus e é usado por Deus para evangelizar o seu povo. A forma
com que Deus usou o índio para transmitir os caminhos de Jesus foi tão eficaz e
intensa que Olson presenciou a maneira do agir de Deus, ou seja, Ele usa quem Ele
quer da maneira Que Ele quer.. Em algumas passagens vemos como Deus
alicerçou a fé de Olson através dos milagres realizados em alguns índios, como o
caso do indio Atabacdora que teve uma fratura nas costas, constatada por
radiografia e que foi curado milagrosamente pela fé de Bobby. Em 1967 este índio
com mais alguns índios convertidos passaram um ano com os índios Iucos para
evangeliza-los.
Olson declara que: -- ”Aprendi com os motilones a esperar que Deus
providencie tudo o de que precisamos, apesar das circunstâncias.” Olson(2012, p
151). Olson, presenciou vários milagres, porém, o maior, foi ver a mudança interior
que os motilones tiveram em seu interior, pois passaram a cuidar um do outro, ou
seja, a viver o verdadeiro amor de Jesus Cristo. Bobby e Olson começam a traduzir
a Bíblia para a língua motilone, trabalho árduo que por vezes necessitou adaptações
para a melhor compreenção dos índios. Olson fica abalado com a perda de sua
noiva Glória, vai a Bogotá, após três dias voa para os Estados Unidos para tratar
deste livro.
5

Olson, estava preocupado, pois não saía de sua cabeça a ameaça que o
grilheiro Humberto Abril tinha feito à Bobby, tema deste livro, “ Por Esta Cruz, eu te
Matarei”.
Bobarishora é emboscado e morto pelos colonizadores (grilheiros) e os
foragidos da lei, tornando-se um tipo de Jesus ao dar a via pela luta na defesa de
seus irmãos.
O autor nos mostra que a vida missionária é árdua, cheia de espinhos e
muitas vezes solitária.
È pela Cruz.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Entendo que o autor nesta obra teve como escopo nos levar ao profundo
entendimento que a obra missionária e evangelizadora é um dos mais nobres
chamados. E que somente pela entrega, pelo amor e pela Cruz, o serviço pode ser
feito.
Por isso, se torna uma obra indispensável à Academia, ao Estudo Teológico,
Missionário e Pastoral.

Palavras-chaves: Missões; Missionário; Evangelismo; Evangelização;


6

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

OLSON, Bruce. Por Esta Cruz Te Matarei. São Paulo. Ed.: Vida, 2012.