Você está na página 1de 4

Salmo 76 – Reflexão sobre a Ira de Deus

Leitura de Romanos 1:18-26


“A realidade da ira de Deus faz parte da mensagem bíblica tanto quanto sua graça.”
Leighton Ford

1 - A Ira de Deus é real.


A ira é a forma de um Deus santo responder à maldade do homem.
- Qual é a Realidade atual ?
-> Igrejas e filosofias que pregam um evangelho em que Deus é um “papai noel”
que retribui os “meninos bons”, mas não os “meninos maus”. Ainda que no fim
salvará a todos.
Romanos 1:18 “A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão
dos homens que detêm a verdade pela injustiça”
- Interessante que a impiedade e a perversão são vistas no Salmo 76
a) Deus age contra quem guerreia contra seu povo e seu tabernáculo (v. 2)
b) Deus age para julgar e salvar os seus (v. 9 – humildes da terra)

Deus se ira contra o pecado e contra o pecador:

Salmo 21:08 – “A tua mão alcançará todos os teus inimigos, a tua mão direita
alcançará aqueles que te odeiam. Tu os farás como um forno de fogo no tempo
da tua ira; o SENHOR os devorará na sua indignação, e o fogo os consumirá.”

Esdras 8:22 – “A mão do nosso Deus é sobre todos os que o buscam, mas o seu
poder e a sua ira contra todos os que o deixam.”

- Se nunca dissermos às pessoas que Deus se ira então estaremos mentindo.

- Os salvos precisam saber do que foram salvos, e como foram salvos.

- O atributo da Ira de Deus não diminui ou se contrapõe com o seu amor e


misericórdia, mas é a consequência de sua justiça, santidade e retidão.

Salmos 5:5,6” “Os loucos não pararão à tua vista; odeias a todos os que praticam
a maldade. Destruirás aqueles que falam a mentira; o Senhor aborrecerá o
homem sanguinário e fraudulento.

2 – A ira de Deus é Necessária

a) Ela é necessária porque manifesta a santidade de Deus.

- A Santidade de Deus aqui significa tanto


a) sua grandeza (transcendência) , ao fato de que ele está acima e além de
qualquer coisa no universo;

b) quanto se refere à sua pureza

- Irmãos, a Santidade absoluta de Deus rejeita o pecado.

- Se Deus não manifestasse sua ira, seria complacente para com o pecado.

“Pois tu não és Deus que se agrade com a iniquidade, e contigo não subsiste o
mal” (Salmo 5:4)

b) Ela é necessária porque manifesta a justiça de Deus.

- O que seria de um juiz sem desgosto para o mal ? não seria um bom juiz.

 A ira de Deus é sua justiça reagindo contra a injustiça. J. I. Packer

- A prova maior que Deus ama a justiça, é que para cumpri-la, enviou Jesus, seu
próprio filho, para pagar o preço dos nossos pecados e tomar sobre si a ira de Deus
em nosso lugar.

- Isto foi uma prova de amor para conosco (João 3:16), mas também uma prova da
necessidade de julgar os perversos com sua ira.

João 3:16-19 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho
unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida
eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o
mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é
condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome
do unigênito Filho de Deus. E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e
os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram
más.

Romanos 3:23-26 Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;


Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em
Cristo Jesus. Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para
demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a
paciência de Deus; Para demonstração da sua justiça neste tempo presente,
para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.

- Irmãos, o próprio sacrifício de Cristo, além de nos mostrar seu amor, nos mostra
a grandeza e a fatalidade da ira de Deus. Ela irá se cumprir.

- Se a ira de Deus fosse evitável, resistível, Cristo não necessitaria haver morrido.

1 João 4.10 “Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas
em que Ele nos amou e enviou o seu filho como propiciação pelos nossos pecados“
- Ninguém conseguirá se livrar do seu furor (v. 7 – Quem pode subsistir à tua
vista?)

Isaías 43.13: Nenhum há que possa livrar alguém das minhas mãos: agindo eu,
quem o impedirá?

- Podemos ainda nos perguntar: Onde fica o amor de Deus quando Ele exerce sua
justiça?

Russel Shedd, quanto ao amor e a ira de Deus diz “Estas duas emoções são reais
e essenciais em Deus: uma é despertada pela justiça e a outra pelo pecado. A
existência de uma necessita da existência da outra; assim, se não houver amor
pela justiça, não haverá ódio pelo pecado; e, reciprocamente, se não houver ódio
pelo pecado, não haverá justiça. A coexistência necessária destes sentimentos é
continuamente ensinada na Bíblia: ‘Vós que amais o Senhor, detestai o mal’ (Sl
97.10)”.

3 - A Ira de Deus nos mostra sua glória

- Como mostra o Salmo a ira de Deus manifesta sua glória subjugando os ímpios
de forma miraculosa.

- Assim como em Êxodo 14:17,18 quando os egípcios estavam para adentrar o mar
vermelho.

“E eis que endurecerei o coração dos egípcios, e estes entrarão atrás deles; e
eu serei glorificado em Faraó e em todo o seu exército, nos seus carros e nos
seus cavaleiros, e os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando for
glorificado em Faraó, nos seus carros e nos seus cavaleiros.”

- Ou seja, foi para a sua glória que Deus manifestou a sua ira sobre os egípcios e
sobre todos os inimigos de Israel.

4) A ira de Deus é Terrível (v. 7)

- Além dos relatos do Salmo, onde ela gloriosamente se manifesta castigando


com poder os inimigos de Deus.

- Lemos ainda no livro Apocalipse que a ira de Deus se manifestará cabalmente,


onde todos os ímpios conhecerão a terrível ira de Deus:

Ap 6.15-16: Os reis da terra, os grandes, os comandantes, os ricos, os poderosos,


e todo escravo e todo livre se esconderam nas cavernas e nos penhascos dos
montes, e disseram aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós e escondei-nos da
face daquele que se assenta no trono, e da ira do Cordeiro.

Naqueles dias todos haverão de constatar a bondade, a ira, a santidade, a justiça


e o amor de Deus.
Conclusão:

Para finalizar:

Quando o nosso coração cogitar “Oh meu pecado não é tão ruim” ou “Deus não
está assim tão zangado.”

Lembremos sobre a ira de Deus, sua realidade e sua grandeza.

Ela deve nos infundi temor e tremor, para que saibamos reverenciar um Deus
soberano, santo, justo e glorioso.

Quando aprendemos sobre a ira de Deus, devemos levar nossos corações a


sentir o mesmo ódio para com o pecado e despertar um louvor sincero em
gratidão por ele ter-nos livrado o seu cálice por Jesus.