Você está na página 1de 53

Métodos Experimentais

Métodos Experimentais para


Vibrações Mecânicas

Prof. Aline Souza de Paula

Universidade de Brasília
Faculdade de Tecnologia
Departamento de Engenharia Mecânica
Introdução
A maioria das atividades humanas envolve alguma forma de vibração.

 Ouvimos porque o tímpano vibra;

 Vemos porque ondas luminosas se propagam;

 A respiração está associada à vibração dos pulmões;

 Os batimentos cardíacos são movimentos vibratórios;

 A fala se fundamenta na vibração das cordas vocais;

 As movimentos humanos envolvem oscilações de braços e pernas.


Introdução
Em muitos outros campos da atividade humana, fenômenos apresentam
variáveis cujo comportamento é oscilatório:
 Economia
 Medicina
 Engenharia

No campo tecnológico, as aplicações de vibrações na engenharia são de


grande importância:
 Projetos de máquinas
 Estruturas
 Motores
 Turbinas
 Sistemas de controle
Consequência das Vibrações
A presença de vibrações frequentemente conduz a efeitos indesejáveis:
 Falhas mecânicas ou estruturais;
 Manutenção freqüente e dispendiosa de máquinas;
 Danos e desconforto para o homem.
Vibrações – Modelagem
 Elementos concentrados de um oscilador:

 Inércia (massa)

 Rigidez (mola)

 Dissipação de energia (amortecimento)


SISTEMAS FÍSICOS

REPRESENTADOS POR

OSCILADORES
Fluido

Cilindro u
u

Fluido

Corpo submerso em fluido Fluido em tudo em U


Sistemas Pendulares

θ
m
Viga em balanço

EI

L
Máquinas rotativas
Automóvel
Oscilador 1GL

ζ=0

ζ=0.5
Consequência das Vibrações
 Ressonância
Ressonância
 Corpo Humano
Casos
 Escada Rio Design (Barra da Tijuca / RJ)
Casos
Ponte Rio-Niterói
Análise Modal
 Teoria clássica de vibraçoes  resposta dinâmica do sistema.
 Análise modal  relacionada com as propriedades intrinsicas
do sistema:
 Freqüências naturais

 Formas modais

 Parâmetros do sistema:
 Massa;

 Rigidez;

 Amortecimento.
Análise Modal
 Métodos da análise modal se caracterizam pelo cálculo direto
dos parâmetros modais.
 Registros da excitação e resposta – análise no domínio do tempo ou
da frequência;

 Forma mais utilizada (mais eficiente) de investigar a análise


modal: Função de Resposta em Frequência (FRF).
Análise Modal – 1 G.L.
 Equação de movimento:
m&x& + cx& + kx = F

 Para um forçamento F (t ) = F0 eiωt tem-se uma solução do tipo


,x(t ) = Xeiωt , com isso:

x(t ) = Xeiωt → x& (t ) = iωXeiωt → &x&(t ) = −ω 2 Xeiωt

Logo: (− mω 2 X + iωcX + kX )eiωt = F0 eiωt

X 1
 FRF: α (ω ) = =
F0 k − mω 2 + iωc
Análise Modal – 1 G.L.
 Uma Função de Resposta em Freqüência (FRF) é uma relação
causa/efeito que descreve o comportamento do sistema com
uma entrada e uma saída.

X (ω ) 1
 Receptância FRF: α (ω ) = =
F0 k − mω 2 + iωc

X& (ω ) iω
 Mobilidade FRF: Y (ω ) = =
F0 k − mω 2 + iωc

X&& (ω ) −ω2
 Inertância FRF: A(ω ) = =
F0 k − mω 2 + iωc

α (ω ) = ω Y (ω ) = ω 2 A(ω )
Análise Modal – 1 G.L.
 Relações/definições importantes.

F0 1
 Rigidez dinâmica: = = k − mω 2 + iωc
X (ω ) α (ω )

F0 1 k − mω 2 + iωc
 Impedância mecânica: = =
&
X (ω ) Y (ω ) iω

2
 Massa aparente: F 0 1 k − mω + iω c
= =
&X& (ω ) A(ω ) −ω2
Análise Modal – 1 G.L.
 Rigidez dinâmica:
1
= k − mω 2 + iωc
α (ω )
Análise Modal – 1 G.L.
1
 Receptância FRF: α (ω ) =
k − mω 2 + iωc
1
 α (ω ) ω <<ω0 ≈ → α (ω ) ω <<ω0 ≈ −20 log k dB
k
1
 α (ω ) ω >>ω0 ≈ 2 →
α (ω ) ω >>ω ≈ (−20 log m - 40logω ) dB
mω 0
Determinação do Amortecimento
 Fator de qualidade ou Largura de Banda:

Pontos de meia potência:


Gmax 1 1 Equação Movimento:
G (ω 1 ) = G (ω 2 ) = = ⇒ ω 1, 2 = 1 ± ξ
2 2ξ 2 m&x& + cx& + kx = F

Largura de Banda: Equação Movimento


Adimensionalizada:
δ = ω 2 − ω 1= 2ξ F
&x& + 2ξω0 x& + ω02 x =
m
Determinação do Amortecimento
 Decremento Logaritmico (Resposta Livre)

Decremento logaritmico:

1  u1 
γ = ln
j  u j +1 

Coeficiente de Amortecimento viscoso:

γ
ξ=
4π 2 + γ 2
Determinação do Amortecimento
 Decremento Linear (Resposta Livre)

Coeficiente de Atrito Seco:

k (u1 − u2 ) k (u1 − u 2 )
µ= =
4mg 4N
Sistemas Discretos – Base Modal

 Equações de movimento na ausência de amortecimento:

[ M ]{&x&(t )} + [ K ]{x(t )} = { f (t )}
Sistemas Discretos – Base Modal
 Equação de Movimento:

[ M ]{&x&(t )} + [ K ]{x(t )} = { f (t )}

 Para um forçamento { f (t )} = {F }eiωt tem-se uma solução do


tipo {x(t )} = { X (ω )}eiωt, com isso:

{x} = { X }eiωt → {x&} = iω{ X }eiωt → {&x&} = −ω 2{ X }eiωt

 Com isso, reescreve-se as equações de movimento:


[[ K ] − ω 2 [ M ]]{ X } = {F }

 Receptância FRF:

[α (ω )] = [[ K ] − ω 2[ M ]]−1 ⇒ { X } = [α (ω )]{F }
Sistemas Discretos – Base Modal
 Resposta na coordenada ‘i’ devido a uma força aplicada na
coordenada ‘j’.
α11 (ω ) α12 (ω ) L α1n (ω ) 
α (ω ) α (ω ) L α 2 n (ω )
[α (ω )] =  21 22
 L L L L 
 
α n1 (ω ) α n1 (ω ) L α nn (ω ) 

 i=j: ponto FRF


 i diferente de j: Transferência em FRF
{ X } = [α (ω )]{F }
Sistemas Discretos – Base Modal
[ M ]{&x&(t )} + [ K ]{x(t )} = { f (t )}

 Realizando a tranformação de coordenadas: {x(t )} = [φ ](q(t ))

onde [φ ] é a matriz modal, obtém-se:


[ M ][φ ]{q&&} + [ K ][φ ]{q} = { f }
T
 Pré-multiplicando por [φ ]
[φ ]T [ M ][φ ]{q&&} + [φ ]T [ K ][φ ]{q} = [φ ]T { f }
como [φ ]T [ M ][φ ] = [ I ] e [φ ]T [ K ][φ ] =[•ωr2• ] , obtém-se que:

{q&&} +[•ωr2• ]{q} = [φ ]T { f }

Problema escrito no sistema de coordenadas modais ou


principais.
Sistemas Discretos – Base Modal
 Realiza-se as mesmas transformações utilizadas para
escrever o problema no sistema coordenadas modais:
[φ ]T [α (ω )][φ ] = [φ ]T [[ K ] − ω 2[ M ]]−1[φ ]
[φ ]T [α (ω )][φ ] =[• (ωr2 − ω 2 )• ]

[α (ω )] = [φ ][• (ωr2 − ω 2 )• ][φ ]T

 Ou ainda:  1 
ω 2 − ω 2 
 1 
 1 
 
α ij (ω ) = [φ j1φk1 φ j1φk1 L φ jnφkn ] ω22 − ω 2 
 M 
 
 1 
ω 2 − ω 2 
 n 
Sistemas Discretos – Base Modal
 Rigidez dinâmica – Sistema Discreto:
Sistemas Discretos – Base Modal
 Receptância FRF – Sistema Discreto:
FRF Experimental
 Shaker:
 Acelerômetro:
FRF Experimental
 Martelo:
 Acelerômetro:  Transdutor de força:
FFT Experimental
 Viga (escala logarítmica):

 Máquina Rotativa (escala linear):


Sensores
 Medição de Posição:
 Potenciômetros
 Encoders
 Sensores ópticos: sem contato.
Medição de deformação:
 Strain gages.
Medição de Velocidade:
 Tacômetros.
Medição de Aceleração:
 Acelerômetro.
Medição de torque e força:
 Células de carga.
Potenciômetro
Converte o deslocamento linear ou angular em variação de resistência.
Encoder
O encoder é um transdutor que converte um movimento angular ou linear em
uma série de pulsos digitais elétricos.

 Tipos de Encoder:
 Absoluto
 Incremental
Encoder Incremental
Encoder
 Ligação esquemática dos sensores ao PC
Sensores Ópticos
 Medição de posição sem contato.
Strain Gages
 Os extensômetros elétricos (strain gages) constituem a forma mais usual de se
medir deformação. Seu princípio de funcionamento baseia-se no fato de que os
materiais exibem uma mudança em sua resistência elétrica quando submetidos a
uma deformação mecânica.

O condicionamento do sinal é feito através do uso da Ponte de Wheatstone:


Acelerômetro
 Princípio de Funcionamento
Variável adotada:
z (t ) = x(t ) − y (t )

Equação de movimento:
m &z&(t ) + c z& (t ) + k z (t ) = m&y&(t )

Movimento da base:
y (t ) = Y0 sin(ωt )

&y&(t ) = −ω 2Y0 sin(ωt )

Equação de Movimento:
m &z&(t ) + c z& (t ) + k z (t ) = −mω 2Y0 sin(ωt )
Acelerômetro
Equação de movimento:

m &z&(t ) + c z& (t ) + k z (t ) = −mω 2Y0 sin(ωt )


Resposta do sistema:
2
ω 
z (t ) = Y0   G (iω ) cos(ωt − φ )
 ωn 

ou ainda:

z (t ) = Z 0 cos(ωt − φ )

onde:
2
Z0  ω 
=   G (iω )
Y0  ωn 
Acelerômetro
2
ω 
 Para G (iω ) ≈ 1 , tem-se que: Z 0 ≅ Y0 
 ω 
 n
Acelerômetro
 Piezoelétrico
Acelerômetros - Especificação
 Frequência máxima < frequência ressonância
Controle de Vibrações
 Isoladores
O isolamento de vibrações envolve a inserção de um membro resiliente (ou
isolador) entre a massa vibratória (ou equipamento) e a fonte da vibração de
forma que a redução na resposta dinâmica do sistema é atingida sob condições
específicas de excitação de vibrações.
Controle de Vibrações
Absorvedores dinâmicos
Absorvedor Dinâmico de Vibrações
 Stockbridge: Absorvedor de vibrações para linhas de transmissão
Absorvedor Dinâmico de Vibrações
Absorvedor de Vibrações Pendular (Taipei 101, Taipei, Taiwan)
Métodos Experimentais

Métodos Experimentais para


Vibrações Mecânicas

Prof. Aline Souza de Paula

Universidade de Brasília
Faculdade de Tecnologia
Departamento de Engenharia Mecânica