Você está na página 1de 3

O papel do consultor de Gestão da Manutenção.

Uma abordagem sobre a sua importância para a função manutenção


João Nunes Marques1

1. INTRODUÇÃO Adicionalmente, pretende-se contribuir para o


reconhecimento da importância do consultor
Se é verdade que a retração económica registada
externo no seio das organizações.
nos últimos anos conduziu a uma maior
contenção na contratação de serviços externos
2. GESTÃO DA MANUTENÇÃO
por parte das empresas, não é menos verdade
que se verifica uma tendência crescente no Longe vai o tempo em que as empresas
recurso a profissionais especializados no apoio às praticavam unicamente intervenções de
atividades de um departamento específico. manutenção corretiva, atuando quando um
equipamento chegava ao seu limite, quando
Como explicar este aparente paradoxo? Tal
avariava ou se verificava uma perda de função. É,
resultará, tão-somente, do reconhecimento
pois, apropriado afirmar-se que o paradigma se
alcançado pela função de consultor, uma vez que
alterou e, portanto, que este cenário já não é
desempenha um importante papel na
representativo da realidade atual. De resto, esta
identificação de disfunções e na apresentação
ideia está sustentada no reconhecimento da
das respetivas soluções, muitas vezes já testadas
importância da manutenção na atividade industrial
noutras organizações – dando-se como exemplo
por parte das organizações.
a implementação de boas práticas no processo de
gestão –, donde se percebe que a sua experiência Segundo Cabral [1], “o conjunto das ações
e know-how, adquiridos preferencialmente em destinadas a encontrar e a situar o nível de
diferentes cenários, são tão importantes. manutenção no ponto de equilíbrio entre benefício
e custo que maximize o contributo positivo da
Tomando como exemplo o binómio manuten-
manutenção para a rentabilidade geral da
ção/operação, o consultor externo pode assumir
empresa constitui a Gestão da Manutenção”.
um papel bastante relevante no domínio da
Devem, por isso, os desempenhos financeiros, a
manutenção, por via, designadamente, do
par de outros, ser “consequências e ferramentas
desenvolvimento de um plano para a melhoria do
para avaliação e apoio à tomada de decisões, e
desempenho da organização, ao nível, por
não objetivos em si mesmos” [2].
exemplo, do parque produtivo – aumento da
disponibilidade dos equipamentos – e da Sem embargo do referido, atingido que seja o
consequente rentabilidade económica. Em razão patamar de um sistema de gestão bem
do potencial da função manutenção para o organizado, através, nomeadamente, do gradual
aumento da competitividade de uma organização aumento da manutenção planeada na razão
– colocando-se como uma das que apresenta inversa da consequente diminuição da reativa,
maior capacidade para esse propósito –, é obter-se-á inevitavelmente uma maior economia,
precisamente isso que se espera de um consultor dado que o trabalho reativo tem um custo três a
de Gestão da Manutenção. quatro vezes superior ao planeado [2].
Dado o enquadramento exposto, este artigo A este respeito, é oportuno citar Peter Drucker: “o
procura refletir sobre o papel do consultor de que não pode ser medido, não pode ser gerido”.
Gestão da Manutenção, apresentando as A melhoria do desempenho, enquanto sinónimo
principais áreas de atuação e constituindo-se de Gestão da Manutenção, deve, por isso, ser o
como um modelo para as competências propósito dominante de qualquer organização.
dominantes, oferecendo uma visão geral do perfil Para a materialização desse desígnio, o qual
de um consultor especializado nesta área. pode atingir um nível de complexidade
assinalável, um CMMS (Computerized
1 João Nunes Marques, Navaltik Management, Lda. Maintenance Management System) pode ter uma
(email: jmarques@manwinwin.com) importante contribuição.
novembro de 2017

1
O papel do consultor de Gestão da Manutenção.
Uma abordagem sobre a sua importância para a função manutenção

O consultor de Gestão da Manutenção exerce O princípio a ser observado é, pois, o da


neste contexto um relevante papel, identificando confiança, competindo ao consultor apresentar
falhas e encontrando as respetivas soluções, com análises fiáveis que sejam o suporte de cada
especial ênfase na fase de implementação do abordagem.
sistema. Ora, é justamente sobre o papel deste
Apresentado o referencial de competências
profissional que o presente artigo versa e sobre o
mobilizáveis, importa agora elencar as principais
qual o próximo capítulo trata em pormenor.
atividades. Tipicamente, abrangem os seguintes
pontos:
3. PAPEL DO CONSULTOR DE GESTÃO DA
MANUTENÇÃO ▪ Recolher informações relativas ao
desempenho da função manutenção na
O consultor de Gestão da Manutenção tem como
missão avaliar o desempenho da manutenção na organização;
organização – técnico e/ou organizacional –, ▪ Elaborar o plano de atividades do processo
estudando requisitos e necessidades, com o de consultoria/auditoria da manutenção a
objetivo de medir e garantir a qualidade e a desenvolver;
eficácia deste domínio. Atua em diversas áreas, ▪ Propor um plano de melhorias para o
desde a realização de auditorias à função desempenho da função manutenção;
manutenção, passando pela implementação de ▪ Coordenar e avaliar a implementação do
um sistema de Gestão da Manutenção, até à processo de consultoria/auditoria, de acordo
transmissão de conhecimento (ações de com o plano definido;
formação).
▪ Gerir a informação referente ao processo de
Assim, a um consultor de engenharia consultoria/auditoria;
especializado nesta área, pede-se um conjunto ▪ Coordenar e/ou conduzir as ações de
amplo de competências – gestão de projetos, formação;
auditorias e técnicas de diagnóstico, gestão, ▪ Quando aplicável, propor investimentos de
benchmarking, gestão de informação, entre natureza variada para o domínio da
outras – devendo ter capacidade de observação e manutenção;
análise crítica suficientes para enfrentar as
▪ No final do projeto, acompanhar e avaliar,
questões de forma eficaz.
elaborando um relatório final relativo ao
Uma vez que coordena a maioria do trabalho de processo de consultoria/auditoria executado.
consultoria, tem de ser capaz de esclarecer temas
Sintetizando: levantamento das necessidades,
complexos de uma forma simples, refletindo sobre
diagnóstico e identificação das disfunções;
problemas concretos em conjunto com os
apresentação de soluções; implementação e
técnicos da organização, tendo ainda presente
viabilização do projeto de acordo com as
que as suas decisões serão tomadas
necessidades identificadas; coordena-
considerando sempre o que é melhor para o
ção/condução das ações de formação;
cliente.
acompanhamento e avaliação.
A flexibilidade é fundamental, já que o consultor
Não esgotando o universo das atividades
deve moldar o seu comportamento em função do
desenvolvidas, são representativas e assinalam o
interlocutor. Deverá, de igual modo, ser prático,
elevado grau de intervenção do consultor. Com
adotando atitudes que facilitem o diálogo. Por
efeito, tomando como exemplo o apoio dado na
essa razão, é importante que possua excelentes
estruturação de um Plano de Manutenção
competências de comunicação e relacionais.
Preventiva, o papel assumido na ajuda prestada
Apresentando soluções de rigor, deve existir um durante o seu desenvolvimento, delineando-o de
forte compromisso e dedicação na ajuda às acordo com a realidade da empresa, é muito
organizações para a obtenção de resultados. O significativo.
consultor deve, também por isso, estar
A experiência alcançada em diferentes projetos é
permanentemente atualizado em relação a novos
valorizada. De facto, será tanto mais rica quanto
processos, ferramentas e técnicas de Gestão da
maior for o contacto com diversas empresas, de
Manutenção, bem como sobre alterações das
dimensões e setores distintos, dado que, deste
normas vigentes.
modo, o consultor consegue reunir diferentes

2
João Nunes Marques

visões da manutenção. Adquirirá o know-how desejado da Gestão da Manutenção, está-se


para enfrentar as adversidades, contribuindo numa posição privilegiada para alcançar os
sempre com as melhores soluções práticas, benefícios que um CMMS pode trazer;
adaptadas às necessidades da organização. iii. Não raras vezes, as organizações debatem-
Por ter um peso bastante assinalável no âmbito -se mais com problemas de cariz humano do
da consultoria de Gestão da Manutenção, ainda que técnico. É, portanto, necessário haver
que de forma breve, julgou-se pertinente dedicar uma mudança de mentalidades, por forma
as próximas linhas à temática da consultoria de a que a resistência à mudança, ainda que
implementação, a que já se fez menção. Se latente, mas tantas vezes verificada nas
considerarmos as razões que podem concorrer empresas, seja vencida. Para o conseguir,
para o fracasso da implementação de um CMMS, torna-se necessário que a consultoria
então o papel do consultor pode assumir uma envolva, desde o início, todas as pessoas.
relevância ainda maior. Em [3], os autores Dada a importância da informação nos processos
apontam seis fatores como determinantes para o de gestão e decisão (Dados  Informação 
fracasso da implementação de um CMMS numa Conhecimento  Apoio à decisão), o consultor
organização. Destacam-se três: deverá ter neste domínio uma visão do projeto a
longo prazo, pelo que as decisões e
1. Implementação de um CMMS numa
configurações tomadas na fase de arranque
organização que não está pronta;
devem ser materializadas em função disso.
2. Acreditar no CMMS enquanto estratégia em
vez de ferramenta; Perante as dificuldades, desempenha um papel
3. Falta de compreensão da necessidade de de maior relevo, na medida em que a sua
um processo bem-projetado de "gestão de experiência lhe permite tomar as melhores
mudanças". decisões, escolhendo o melhor caminho a seguir.

Para cada ponto, descreve-se a intervenção que Como aludido, e contrariamente ao que a sua
o consultor deverá assumir: injusta condição de ónus, de mero centro de
custo, faria supor, a função manutenção tem um
i. Para implementar um CMMS, terá de existir, potencial muito importante para a rentabilidade e
pelo menos, uma cultura organizacional desempenho geral de uma organização. O
preparada para receber uma manutenção consultor tem, por essa razão, uma
pró-ativa. O consultor pode desempenhar responsabilidade acrescida.
neste domínio um papel importante,
designadamente na avaliação do estado Crê-se, em suma, que em razão da experiência
da organização. Geralmente, os consultores diversificada, o contributo do consultor de Gestão
externos podem agir com maior da Manutenção para a melhoria do desempenho
imparcialidade, pois possuem uma visão da função manutenção é muito importante,
diferente, forçosamente mais isenta dos assumindo, por certo, um papel cada vez mais
problemas praticados. A sua influência junto destacado, consubstanciado na crescente
da gestão de topo pode ser maior, em valorização deste especialista por parte das
particular quando chega o momento de fazer organizações.
a promoção interna do projeto, tantas vezes
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
necessária;
ii. Não é incomum pensar-se que o CMMS é a [1] Cabral, J. P. S. (2006). Organização e Gestão
estratégia e não a ferramenta que suporta a da Manutenção, dos conceitos à prática...
estratégia. Deve ser desenvolvido um Lisboa: Lidel
trabalho de consultoria no sentido de [2] Cabral, J. P. S. (2013). Gestão da Manutenção
fazer perceber que o software é uma de Equipamentos, Instalações e Edifícios. Lisboa:
ferramenta importante para a melhoria da Lidel
Gestão da Manutenção, mas não a
estratégia em si mesma. Atingido que seja [3] Wienker, M., Henderson, K.; Volkerts, J.
um estágio em que, quer os operacionais, (2016). The Computerized Maintenance
quer os gestores aceitam o software como o Management System. An essential Tool for World
instrumento que permitirá atingir o nível Class Maintenance. Procedia Engineering
138 413-420