Você está na página 1de 57

Sistema

 SFN
o Subsistema normativa (Regulação e supervisão)

 CMN, CNPC, CNSP


 CVM, BACEN, PREVIC, SUSEP
 CRSFN, CRSNSP, CRPC

o Sistema Operativo ou Intermediação

 BC, SCI, BI, Cooperativas, Bancos cooperativos

o Instituições auxiliares:

 Bolsa de valores, mercadorias e futuros


 Sociedades de corretoras de valores mobiliários
 Sociedade Distribuidora de valores mobiliários

o Agentes Especiais (faz parte tanto do subsistema normativo como do


de intermediação

 BB, CEF, BNDES

Sistema Brasileiro de Poupança e empréstimo é composto por:


 CEFs
 SCI
 APE

INSTITUIÇÕES MONETÁRIAS BANCÁRIAS


 Instituições que possuem como principal fonte de recursos o depósito à vista,
ou seja, movimentáveis por cheque, ela são:
o Bancos comerciais
o Bancos múltiplos com carteira comercial
o Cooperativas
o Bancos cooperativos
o CEF’s

Banco Comercial
 Não pode capitar através de poupança
 Obrigatório ser uma Sociedade Anônima (aberta ou fechada)
 Pode ser público ou privado
 Obrigatório conter o nome “BANCO”
 Financiam curto e médio prazo
 Proibido ter o nome “CENTRAL” em seu nome, não só para o banco comercial,
mas sim para todos os bancos.

 Capita $ através de:

o Depósito à vista: Conta corrente


o Depósito à prazo: CDB/RDB
o Através de Letra Financeiras

 Operações ativas – Empréstimos a curto e médio prazo

o Como capitam através de Depósito à vista, ou seja, conta corrente,


obrigatoriamente um percentual vai para crédito rural.
o Como capta através de depósito À vista, 2% vai para empréstimo do
micro crédito orientado
o Crédito de médio e curto prazo – CDC
o Mercado de câmbio

Cooperativas de crédito
 Objetivo: Concessão de crédito com taxa mais atrativas, porque ela não visa ao
lucro
 A cooperativa não pode nem emprestar e nem capitar recursos de qualquer
um, apenas de associados (que resumindo, o associado pode ser qualquer um,
só registrar, mas tem que ser associado).
 Tem que ser uma associação civil, sem fins lucrativos
o Não confundir o “sem fins lucrativos” com “dar lucros”, as cooperativas
dão lucros sim, só que os mesmo são divididos entre os associados.
 Obrigatório o nome Cooperativa de crédito
 Para montar uma cooperativa é obrigatório ter no mínimo 20 associados.
 Não capta através de poupança

Operações Passivas

 Capita através de “depósito à vista” ou seja, conta corrente


o E por isso é uma instituição monetária bancária
 Capita através de depósito à prazo, mas não pode CDB, poderá apenas RDB,
que aqui pode ser chamada tb de RDC.

Operações ativas – Empréstimos sempre a curto e médio prazo.

 Vai emprestar de acordo com a política da cooperativa, por exemplo, se for


uma cooperativa de agricultores, o seu ativo vai ser emprestado para o crédito
rural, mas se for uma cooperativa de tecnologia, seu capital será emprestado
para empresas de desenvolvimento de tecnologia
 Como tb capita através de “depósito à vista” será obrigada a emprestar um %
da capitação das contas correntes para Crédito rural.

Banco Cooperativo – Banco Comercial Cooperativo.


 Obrigatoriamente tem que ser uma SA de capital fechado.
o Neste caso ela não pode ser SA aberta, apenas SA fechada
 Formado por no mínimo 3 cooperativas.
 AS cooperativas devem ser donas no mínimo de 51% do Banco Cooperativo
 Faz tudo igual um banco comercial, ou seja, essa pode emitir CDB tb, porque é
um “Banco”
 A área de atuação é limitado ao estado que o banco faz parte
 Não capita através de poupança
CEF
 Não é um banco, é uma empresa pública
 Foco – Habitação
 Capita em CC/CDB/RDB/POUPANÇA
 Monopólio da Loterias
 Principal Operário dos programas assistencialistas do governo
 Possui o monopólio do penhor civil
 Principal Agente de políticas públicas do Governo federa

INSTITUIÇÕES MONETÁRIAS NÃO BANCÁRIAS


 São caracterizadas por não poderem realizar a captação através do depósito à
vista, podem no entanto emitir títulos para a captação de recursos para
empréstimos

SCI (Sociedade de crédito imobiliário)

 Capita através de poupança (importante)


 Empresta para o setor Habitacional
 Visa o lucro
 Sociedade anônima, SA (aberta ou fechada)
 Os poupadores tem seus rendimentos da poupança através de juros apenas,
como uma poupança normal, é uma poupança normal.
 Faz parte dos bancos múltiplos
 Tem que ter no nome expressão “Crédito imobiliário”

APE (associação de poupança e empréstimo)

 Capita através de poupança


 Empresta para o setor habitacional
 Não tem fim lucrativo
 Associação civil
 Os poupadores tem seus rendimento da poupança através de juros, como uma
poupança normal, acrescidos dos dividendos.
 Exemplo: POUPEX, era do exército, mas agora é aberto para qualquer um

Banco de desenvolvimento

 Pertence e existe apenas um por estado


 Deve possuir obrigatoriamente o nome “Banco de desenvolvimento + nome do
estado”
 $ dos empréstimos vai para projetos de médio e longo prazo
 Obrigatoriamente é uma empresa pública
 OBS: OS Banco de desenvolvimento podem realizar operação de LEASING

Operação Passiva:
 Através de depósito à prazo CDB/RDB
 Repasses do BNDES
Sociedade de crédito e financiamento (Financeira)

Operação passiva:
 Depósito à prazo, CDB/RDB
 Letra de cambio (somente elas capitam por esse meio)

Operações Ativas:
 Empresta através de CDC
 Trabalha com crédito pulverizados
 Tem que ser obrigatoriamente uma SA (aberto ou fechada)
 Tem quer ser PRIVADA, ou seja não existe Financeira do GOVERNO.

Banco de investimento (instituição Financeira)

 Tem que ser uma SA (Aberta ou Fechada)


 Como a Financeira, tem que ser PRIVADA, ou seja, não existe banco de
investimento público.
o Aí vc pensa, mas pera ái, o BB e a Caixa também atuam nesse setor. O
que acontece é que, eles abrem outra empresa com outro CNPJ, e
agem como se provada fosse, podendo atuar nesse nicho!
 Principal Atividade Subscrição
 Pode capitar através de depósito à prazo
 Administra fundo de investimentos ou Clubes de investimento
 Pode atuar no mercado de câmbio
 Obrigado a ter nome de Banco de Investimento
 Tem supervisão compartilhada: BACEN e CVM
o Possui supervisão compartilhada porque atua no mercado de capital
realizando o underwriting e como atua no mercado de câmbio e capita
através de depósito à prazo e empresta também é fiscalizado pelo
BACEN

Sociedade corretora de títulos e valores mobiliários (S.C.T.V.M)


Sociedade Distribuidora de títulos e valores mobiliários (S.D.T.V.M)

 Podem atuar como agentes underwriting


 Pode administrar fundos de investimento ou clubes de investimento
 Intermediam compra e venda de títulos mobiliários
o Falando mais claro, ações, debentures, e comercial papers na bolsa ou
no mercado de balcão!
 Também operam no mercado de câmbio
o Por isso aqui é que dizemos que possui supervisão compartilhada do
CVM e do BACEN, porque além de atuar no mercado de capital,
regulado pela CVM, também atua no mercado de câmbio, que é
regulado pelo BACEN
 Tem que ser uma SA (aberta ou fechada) ou uma LTDA
 Supervisão compartilhada pelo BACEN e CVM
Resumo:

 Obrigatoriamente tem que ser pública: Banco de Desenvolvimento


 Obrigatoriamente tem que ser Privada: Financeiras e Banco de investimento
 Obrigatoriamente tem que ser uma SA de capital FECHADO: Banco
COOPERATIVO
 Empresa sem fins lucrativos: (Não é SA)
o Associação de Poupança e Empréstimo (APE) é associação civil
o Cooperativas é associação civil
o Entidade da previdência complementar FECHADA
o Pode ser associação civil sem fins lucrativos Bolsa de valores
 Mas, só para lembra, a Bolsa do brasil, BOVESPA é uma AS de
capital aberto.

CMN (Conselho Monetário Nacional)


Órgão máximo do SFN
 Composição

o Ministro da fazenda (Presidente do Conselho)


o Presidente do BACEN
o Ministro do Orçamento e planejamento e gestão

 Para ajudar nas reuniões, o CMN existe a “COMOC” (Comissão técnica de


moeda e crédito) que tem a função de filtrar as pautas e encaminhar para a
reunião apenas pautas importantes, se reúnem mensalmente tb e é formado
por:
o Coordenada pelo Presidente do BACEN
o Presidente da CVM participa
o Outros 4 diretores do BACEN, indicados pelo presidente do BACEN.

 Decisões do CMN viram uma resolução

 Para se tirar dúvidas sobre mercados específicos, existem as Comissões


consultivas, que são pessoas com perícia e notório conhecimento cada um em
sua área que serão consultadas, existem as seguintes comissões consultivas:
o Técnicas e normas
o Crédito imobiliário
o Crédito Rural
o Crédito Industrial
o Política cambial ou monetária
o Endividamento público
o Mercado de capitais.

 OBS: podem participar das reuniões do CMN, convidados, ou seja, ouvintes


porque ela é pública.

 Reponsabilidades
o Formular Política da moeda e do crédito, objetivando a estabilidade da
moeda e o desenvolvimento econômico e social do país.
o Reuniões 1 vez por mês, ou seja 12 por ano, em casos ordinários,
pode acontecer mais de uma reunião por mês.
o Resoluções aprovadas (ou seja NORMATIVOS) devem ser publicadas
no D.O.U e na página do BACEN e se tornam RESOLUÇÔES
o Todas Reuniões devem ser lavradas em ATAS e publicado extrato no
D.O.U e no site do BACEN (resolução)

 Principais Objetivos do CMN:

o Adaptar o volume dos meios de pagamentos às reais necessidades da


economia nacional e seu processo de desenvolvimento.
o Regular o valor interno (inflação/deflação) e externo da moeda
o Orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras, quer
públicas, quer privadas.
 Exemplo: Orientar uma Segurado de crédito onde ela vai
investir seus recursos capitados. Seguradora foi só uma
exemplo, ela pode orientar qualquer empresa.
o Propiciar o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos
financeiros, com vistas à maior eficiência do sistema de pagamentos e
de mobilização de recursos.
o Zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras.
 A grosso modo, é zelar para que uma IF não quebra.
o Coordenar as políticas monetárias, creditícia, orçamentária, fiscal e da
dívida pública interna e externa.
o Regulamentar a política monetária e cambial

 Principais competências:

o Adaptar o volume dos meios de pagamentos às reais necessidades da


economia nacional e seu processo de desenvolvimento.
o Regular o valor interno e externo da moeda, prevenindo ou corrigindo
surtos de inflação ou deflação.
o Zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras.
o Autorizar emissão de papel moeda.
o Coordenar as políticas monetárias, creditícia, orçamentária, fiscal e da
dívida pública interna e externa.
o Fixar as diretrizes cambiais e normas política, inclusive quanto a
compra e venda de ouro e quaisquer operações em direitos especiais
de saque e em moeda estrangeira.
o Disciplinar o crédito em todas modalidades.
o Limitar sempre que necessário, as taxas de juros, descontos,
comissões entre outras.
o Determinar a percentagem máxima dos recursos que as instituições
financeiras poderão emprestar a um mesmo cliente ou grupo de
empresas.
o Regulamentar as operações de redesconto. (Bacen que as realiza)
o Regulamentar a política cambial
 Diferente de: Regulamentar mercado de cambio que é
atribuição do BACEN
o Regular a constituição e a fiscalização de todas as instituições
financeiras.
 ou seja, o CMN regula como deve ser fiscalizados os bancos e o
BACEN fiscaliza.
o Definirá a forma como o Banco Central do Brasil administrará
as reservas internacionais vinculadas;
o Colaborar com o SENADO FEDERAL na instrução dos processos de
empréstimos externos dos estados, do Distrito Federal e dos
municípios.

 OBS1: CMN autoriza a emissão de papel moeda, BACEN emite e casa da


moeda fabrica!
o O CMN pode autorizar o Bacen a emitir papel moeda no montante de
até o limite de 10% dos meios de pagamentos existentes em 31 de
dezembro do ano anterior, para mais que isso, deve-se pedir permissão
ao legislativo.
 OBS2:Bancos múltiplos: São bancos com no mínimo 2 carteiras, sendo uma
delas de “INVESTIMENTO” ou “COMERCIAL”.
 OBS4: Delimitar, com periodicidade não inferior a dois anos o capital mínimo
das instituições financeiras privadas, levando em conta sua natureza, bem
como a localização de suas sedes e agências ou filiais;
 Não existe reuniões sigilosas na CMN, o que existe são decisões que, devido
ao seu conteúdo são consideradas como sigilosas e portanto, comunicadas
apenas aos interessados.
 O CMN foi criado pela Lei nº 4595/64 fica extinto o Conselho da
atual Superintendência da Moeda e do Crédito, e criado em substituição,
o Conselho Monetário Nacional.

C.R.S.F.N (Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional)


Órgão Colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do Ministério da
Fazenda.

- Tem como competência Julgar em segunda (2ª) e última instancia administrativa os


recursos interpostos das penalidades administrativas aplicadas por:
 BACEN
 CVM
 Secretária do Comércio Exterior (SECEX)
 Ministério da Fazenda
 Secretaria da receita federal.

Relativas/Referentes a problemas como:

 Bacen
o Mercado financeiro
o Mercado de cambio
o Crédito Industrial
o Crédito Rural
o Consórcio
o Depósito compulsório
 CVM
o Mercado de capitais

Composto por: 8 conselheiros (igual o BACEN), de reconhecida competência e


possuidores de conhecimentos especializados em assuntos relativos aos mercados
financeiro, escolhidos pelo Ministro da fazenda (mandato de 2 anos, podendo ser
reconduzido uma vez)

 2 do ministério da Fazenda – A presidência fica com desses 2


 1 do BACEN
 1 da CVM

Esse 4 nomeados pelo Ministro da fazendo e possuem prazo de 2 anos de


mandado renovável

 4 das entidades de classe dos mercados financeiros e de capitais


o A Vice-presidência fica com uma desses 4

OBS1: Compete ao C.R.S.F.N apreciar os recursos de ofício, dos órgãos e entidade


competentes, contra decisões de arquivamento dos processos.

BACEN
Presidente do BACEN e seus diretores são todos indicados pelo Presidente Nacional e
submetido à aprovação do SENADO FEDERAL
Autarquia vinculada ao ministério da fazenda; - Autarquia é uma autoridade que possui
autonomia para várias funções.
Normas do Bacen dizem que ele pode ter até 9 diretores, porque ele tem 9 diretorias,
ou seja, é formado por uma diretoria colegiado, porem essas 9 diretorias estão
ocupadas por 8 diretores, porque 1 diretor ocupa 2 diretorias, esse é FODÃO, todos 8
diretores nomeados pela presidenta da republica, sujeito à aprovação do SENADO,
ou seja, são cargos comissionados, livre nomeação e exoneração.
Principal órgão executivo do SFN, faz cumprir todas as determinações do CMN.
Reuniões 1 vez por semana.
Decisões do BACEN viram uma circular
Possui como finalidade a formulação, a execução, o acompanhamento e o
controle das políticas monetárias, cambial, de crédito e de relações financeiras
com o exterior.
É por meio do BACEN que o governo intervém na economia.
OBJETIVOS:
 Zelar pela adequada liquidez e solvência da economia.
 Manter as reservas internacionais em nível adequado;
 Estimular a formação de poupança;
 Zela pela estabilidade e promover o permanente aperfeiçoamento do SFN.

PRINCIPAIS ATRIBUIÇÔES:
 Emitir papel moeda e moeda metálica;
o AS metálicas ao serem emitidas deverá ocorrer o recolhimento
proporcional em papel moeda
 Executar os serviços do meio circulante.
o Recolher papel moeda danificado ou formular projeto para a formação
de novas cédulas
 Receber recolhimento compulsório e voluntário das IF’s.
 Realizar as operações de redesconto e empréstimos às instituições
financeiras;
 Regular/Regulamentar a execução do serviço de compensação de cheque e
outro papeis, (que é realizada pelo Banco do Brasil)
 Regulamentar o mercado de câmbio
o Diferente de: Regulamentar a POLÌTICA cambial, que é papel do CMN
 Efetuar operação de compra e venda de títulos públicos (NÂO EMITIR)
o Ele pode emitir, mas está proibido.
 Exercer o controle do crédito.
 Exercer a fiscalização de instituições financeiras.
 Autorizar o funcionamento das instituições financeiras nacionais, “porque as
estrangeiras são autorizadas pelo poder executivo por meio de decreto”.
 Estabelecer condições para o exercício de quaisquer cargo de direção nas
instituições financeiras.
 Vigiar a interferência de outras empresas nos mercados financeiros e de
capitais
 Controlar o fluxo de capitais estrangeiros no país.
 Regular concorrência entre as instituições financeiras.
 Determinar percentual de recolhimento do compulsório que pode ser:
o De até 100% para contas de depósito à vista
o E de até 60% para demais contas
o O Bacen pode estipular compulsórios diferentes de acordo com a região
do país.

OBS1: O Banco Central pode atuar diretamente no mercado, comprando e vendendo


moeda estrangeira de forma ocasional e limitada, com o objetivo de conter
movimentos desordenados da taxa de câmbio.
OBS2: O Presidente do BACEN tem Status de ministro.
OBS3: O Banco Central do Brasil (BACEN) executa a política cambial definida
pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para tanto, regulamenta o mercado
de câmbio (O CMN regulamenta a política Cambial) e autoriza as instituições
que nele operam.
OBS4: Sede do BACEN fica em Brasília.

1. COPOM (Conselho monetário Nacional)


Objetivos:

 Implementar política monetária


 Definir taxa SELIC e seu Viés
 Analisar relatório trimestral de Inflação.
 Objetivo: Bater a meta da inflação, e foda-se o resto, foda-se o PIB e tudo mais

SELIC é: taxa média dos financiamentos diários, com lastro em títulos federais,
apurados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC).

- Formada pela diretoria colegiada do BACEN.


- Realiza 8 reuniões anuais podendo se reunir extraordinariamente a chamado do
presidente do BACEN, ou seja, pode ter mais que 8 reuniões. As reuniões ocorrendo
em 2 dias da semana, nas terças e quarta feiras, a ata da divulgação do resultado sai
em até 6 dias úteis, ou seja na quinta feira, e em inglês em até 7 dias úteis, na sexta
feira.
- O Calendário da reunião ordinárias anuais do COPEM deve ser divulgado até o fim
do mês de junho.
- É obrigado a divulgar quem votou em que.
- Assim que acaba as reuniões do COPOM fixa a taxa de juros, ou seja, fazer com que
o mercado adote, tornando a mesma, assim, pública! (Mesmo dia)
OBS Importante: Quem altera a taxa meta Selic é o COPOM, mas quem a fixa é o
BACEN
- A taxa de juros estabelecida pelo COPOM pode ou não vigorar até a próxima
reunião, porque irá depender se vai ter uma reunião extraordinária ou não, a outra
forma é o viés:
 Viés = Tendência, ou seja, tem tendência ou não
 Caso tenha viés, o presidente poderá alterar a taxa de juros Selic Meta, de
acordo com aquele viés.
 Caso não tenha, não poderá mexer, a não ser que seja convocada uma
reunião extraordinária pis

- Principal função do COPOM é determina a taxa SELIC e a existência ou não de seu


viés. A taxa Selic é a taxa usada para controlar o índice de inflação e não deixa-la
ultrapassar a meta da inflação estabelecida pelo CMN.

- Caso a inflação (medida pelo índice IPCA) ultrapasse a meta estipulada pelo C.M.N,
cabe ao presidente do BACEN expedir uma carta pública ao ministro da fazenda
explicando o porquê, falando as medidas que serão tomadas e a previsão para
que a situação se contorne!

CVM (Comissão de valores mobiliários)

Autarquia, igual o BACEN, vinculada ao ministério da fazenda, composta por um


colegiado, onde diretores tem que ser indicados pelo presidente nacional e
aprovados pelo SENADO federal.

Administrada por 1 presidente mais 4 diretores, ou seja 5.


Órgão normativo voltada para o desenvolvimento do mercado mobiliário.
As decisões da CVM viram uma Instrução normativa

Títulos de valores mobiliários são:

 Ações / debêntures / Commercial papers / fundos de investimentos etc


Existe alguns valores mobiliários excluídos desta lista que NÂO são normatizados pela
CVM, e são fiscalizados pelo BACEN que são:

 Título público: Federal/estadual/municipal


 Títulos cambiais: Cheques/Notas promissórias (essa nota promissória é
diferente da comercial paper)
 OBS: esses títulos mobiliários fiscalizados pelo Bacen dão respaldo a
afirmação que:
o Tanto Bacen como CMV podem fiscalizar títulos mobiliários.

OBJETIVOS da CVM:

 Estimular investimentos no mercado acionário


 Assegurar o funcionamento das bolsas de valores
 Proteger os titulares contra emissão fraudulenta, manipulação de preços e
outros atos ilegais.
 Fiscalizar emissão, registro, a distribuição e a negociação dos títulos emitidos
pelas SA’s
 Fortalecer o mercado de ações.

Cabe à CVM disciplinar as seguintes matérias:

 Registro de companhias abertas;


 Registro e distribuição de valores mobiliares;
 Credenciamento de auditores independentes e administradores de carteiras de
valores mobiliários.
 Negociação e intermediação no mercado imobiliário.
 A lei atribui à CVM competência para apurar, julgar e punir irregularidades
eventualmente cometidas no mercado
 A CVM tem poderes para disciplinar, normatizar e fiscalizar a atuação dos
diversos integrantes do mercado.

OBS1: Art. 4º O Conselho Monetário Nacional e a Comissão de Valores Mobiliários


exercerão as atribuições previstas na lei para o fim de:
V - evitar ou coibir modalidades de fraude ou manipulação destinadas a criar
condições artificiais de demanda, oferta ou preço dos valores mobiliários negociados
no mercado;
OBS2: Nenhuma distribuição pública de valores mobiliários será efetivada no mercado
sem prévio registro na Comissão de Valores Mobiliários.
OBS3: A Comissão de Valores Mobiliários poderá classificar as companhias abertas
em categorias, segundo as espécies e classes dos valores mobiliários por ela emitidos
negociados no mercado, e especificará as normas sobre companhias abertas
aplicáveis a cada categoria.
OBS4: O registro de companhia aberta para negociação de ações no mercado
somente poderá ser cancelado se a companhia emissora de ações, o acionista
controlador ou a sociedade que a controle, direta ou indiretamente, formular oferta
pública para adquirir a totalidade das ações em circulação no mercado.
OBS5: O mandato dos dirigentes da Comissão será de cinco anos, vedada a
recondução, devendo ser renovado a cada ano um quinto dos membros do
Colegiado.

Art 11. A Comissão de Valores Mobiliários poderá impor aos infratores das normas
desta Lei, da lei de sociedades por ações, das suas resoluções, bem como de outras
normas legais cujo cumprimento lhe incumba fiscalizar, as seguintes penalidades:

I – advertência.
II – multa.
III - suspensão do exercício de cargo de administrador de companhia aberta ou de
entidade do sistema de distribuição de valores.
IV - inabilitação para o exercício dos cargos referidos no inciso anterior;
V - suspensão da autorização ou registro para o exercício das atividades de que trata
esta Lei;
VI - cassação da autorização ou registro indicados no inciso anterior.

Abrir Conta

Documentos:

 PF

o Comprovante de residência
o CPF
o Documento de identificação com foto (Identidade, CNH)

 PJ

o CNPJ
o Contrato Social e (Alterações)
o Documento que Qualifica o Representante

 Ficha Proposta

o Requisitos para fornecer e/ou uso de cheque


o Fornecimento de talão de cheque é autorizado somente após verificar
informações da ficha proposta
o Talão de Cheque é facultativo ao banco ceder ou não ao seu cliente
folhas, a não ser o caso em que o cliente está no CCF (Cadastro de
emitentes de cheque sem fundo) onde é proibido

 Cartão assinatura

o Cartão que contém as assinaturas para efeito de comparação

 Esses são os documentos OBRIGATÓRIOS, mas nada impede que o banco


exija mais condições para se abrir uma conta.
 Menor de 16 anos é Representado pelos pais, já o adolescente entre 16 e 18
anos (não emancipados) é assistido pelos pais
 O Debito feito em conta, impostos e de tarifas previstas no contrato (ou ficha-
proposta) não precisam ser avisados ao titular da conta, já qualquer outro tipo
de débito precisa.
 Contas em moedas estrangeiras podem ser abertas no brasil por
estrangeiros transitoriamente no Brasil e por brasileiros residentes ou
domiciliados no exterior.
 Contas paradas por 6 meses e com saldo inferior ao mínimo (20 reais) estão
sujeitas a serem tarifadas, mais especificamente a poupança, para serem
tarifadas tem que estar paradas e inferiores a 20 reais ao mesmo tempo
 É proibido o encerramento de contas pelos bancos sem aviso prévio por
escrito ao titular do banco.

Conta Salário

 Tipo especial de Conta que só admite depósitos do tipo pagamento de:


salários, vencimentos, pensões.
 Não é movimentada por Cheques
 O instrumento contratual é firmado entre a instituição financeira e a entidade
pagadora.
 A conta salário não está sujeita aos regulamentos aplicáveis às demais contas

CHEQUE

Cheque não tem “aceite”, ou seja, ninguém é obrigado aceita-lo, ou seja, ele não
possui cunho forçado.
Quem emite o cheque é chamado: EMITENTE/SACADOR
O Banco ao qual o cheque pertence: SACADO
O favorecido é chamado de: FAVORECIDO/BENEFICIÁRIO

Cheque é uma ordem de pagamento À VISTA, ou seja, o banco pode pagar o cheque
a qualquer momento em que o Beneficiário apresenta-lo, mesmo a data do cheque
sendo para desconto em data posterior.

 Prescrição do CHEQUE:

o 6 meses após a data de apresentação do cheque (Data que ENTROU


no banco.
o Se o cheque foi emitido na mesma praça, tem-se 30 dias para
apresentação do mesmo
o Se o cheque for de praça diferente, tem-se 60 dias para apresentação.
o OBS: O Cheque pode sim ser apresentado após a “data de
apresentação” do mesmo, 30 dias mesma praça e 60 dias praça
diferentes, só que, ao exceder essa data, será dado início a contagem
os 6 meses de prescrição do cheque, ou seja, no final das contas,
 Mesma praça – 30 dias para apresentar + 6 meses após
apresentação, o favorecido tem 30 dias corridos mais 6 meses
para apresentar o cheque.
 Praça diferente – 60 dias para apresentar o cheque + 6 meses
após a apresentação, ou seja, o favorecido tem 60 dias corridos
mais 6 meses para apresentar o cheque

 Cheque é um Título de crédito, então ele pode ser PROTESTADO EM JUÍZO

DIVERGENCIA

 Numeral x Extenso
o Sempre pagar valor por EXTENSO.

 Duplicidade de Valor (por extenso ou por algarismo)

o Paga-se sempre o MENOR

 Divergência de “centavos”

o Quando houver divergência de “centavos”, paga-se os centavos, desde


que a folha de cheque tenha a expressão “... e centavos acima”

 Duplicidade do local de emissão:

o Considera-se o primeiro local escrito.

Elemento essenciais do CHEQUE:

 Denominação “CHEQUE” inscrita no contexto do título e expressa em língua


em que este é redigido.
 Ordem incondicional de pagar quantia determinada.
 Nome do banco ou IF que deve pagar (sacado).
 Indicação do lugar de pagamento (praça).
 Indicação da data e do local de emissão, que o sacador escreve.
 Assinatura do emitente (sacador) ou seu mandatário com poderes especiais.

Elementos essenciais que o Bacen obrigou a ser adicionados ao cheque

 Data que o emissor (sacador) se tornou cliente no banco


o Ou seja, a quanto tempo o emissor (sacador) é cliente daquele banco e
emite cheque.
 Data da confecção do cheque. Mês/Ano
 Características do Emissor:
o Nome
o CPF
o Rg
o CNPJ se for empresa
 Expressão “e/ou” para demonstrar quando a conta é solidária ou não.
o Caso o cheque volte sem fundo, por exemplo, duas vezes, se não for
solidária a conta, (ou seja, se não é solidário, precisa da assinatura
dos titulares aos mesmo tempo, vai pro cadastro do CCF o nome dos
titulares da conta, porque precisa da assinatura dos 2, ou mais, para o
cheque valer.
o Se a conta for solidária, como só precisa da assinatura de 1, vai pro
CCF o nome do FDP que emitiu o cheque.

CHEQUE DE CONTA CONJUNTA

 Precisará da assinatura de apenas um dos dois donos da conta, se a mesma


for “solidária” ou seja, vier no cheque a expressão “E/OU’
 Precisará da assinatura do dois donos da conta, caso a mesma seja uma
conta não solidária, vem no cheque “E”
 OBS: Aceita-se a assinatura por meio de chancela mecânica como assinatura
de algum dos dois.

OBS: Pode-se usa caneta de qualquer cor, apesar dos equipamentos de


microfilmagem não identificarem caneta vermelha, mas NÂO É PROIBIDO.

SUSTAÇÃO OU OPOSIÇÃO = SERÁ FEITO DURANTE O PRAZO DE APRESENTAÇÃO, QUE É


30 DIAS PARA CHEQUES DA MESMA PRAÇA E 60 DIAS PARA CHEQUES DE PREÇA
DIFERENTE, E PODE SER FEITO TANTO PELO EMITENTE, QUANTO PELO FAVORECIDO OU
PORTADOR.

CONTRA-ORDEM OU REVOGAÇÃO: PODERÀ SER DADA A QUALQUER MOMENTO, MAS SÓ


PASSARÁ TER EFEITO APÓS O PRAZO DE APRESENTAÇÃO, SÓ PODE SER SOLICITADO PELO
SACADOR.

ENDOSSO (somente em preto)

 Cheque nominal: é quando estiver preenchido o campo de favorecido.


o Cheque nominal é obrigatório para cheques superiores a 100 reais (100
reais não está incluso)
 Endosso: O favorecido primário assina do verso do cheque
o O cheque por se só, já vem autorizado a ser endossado, ou seja, não
precisa-se escreve “ou a sua ordem”, mas geralmente vem.
o Para proibir o endosso, escreve-se algo parecido como: “não a sua
ordem” ou “proibido o endosso”
 Cheque ao portador:
o Valor até 100 reais, 100 reais incluso.
o Espaço do favorecido tem que ser em branco, porque caso não esteja
em branco, é preciso levar a identidade para comprovador que você é o
“favorecido”, ou seja, o cheque não é mais ao portador.
o Ou emitido em favor de pessoa nomeada com a cláusula ‘’ou ao
portador’
 OBS: Cheque com valor maior que 100 reais, é obrigatório o campo favorecido
estar preenchido, ou seja, nunca vai existir um cheque ao portador maior
que 100 reais.

CRUZAMENTO DE CHEQUE

 Duas linha paralelas (visíveis) no anverso.


 Cruzamento não obriga o depósito do cheque, ele obrigada o pagamento
através de crédito em conta
o Ou seja, se eu levo um cheque da CEF em algum outro banco, desde
que seja um cruzamento em branco, o mesmo só poderá ser
depositado em conta, ou seja, será obrigado a passar pelo serviço de
compensação, ou seja, vou ter que esperar:
 24h se o cheque for de valor igual ou superior a 300 reais
 48h se o cheque for de valor inferior a 299,99 reais
o Mas, caso eu leve o cheque da CEF na própria CEF, caso o caixa
queira, ele poder sacar o valor e depositar em minha conta, sem
precisar passar pelo sistema de compensação.
 CRUZAMENTO GERAL OU EM BRANCO (Só as duas linhas paralelas)
o Pode ser depositado em qualquer banco
 CRUZAMENTO ESPECIAL OU EM PRETO (Duas linhas paralelas com o nome
de algum banco entre elas)
o O pagamento só é válido para crédito em conta naquele banco
especificado entre as linhas.

MOTIVOS DE DEVOLUÇÂO DO CHEQUE

 CCF (Cadastro de emitente de Cheque sem Fundo)


o Proibido de receber mais cheque
o Não está proibido de emitir, porque quando o mesmo entrou nessa lista,
é possível que ele ainda possua alguns cheques com ele.
 Cheque sem Fundo:
o Voltou pela primeira vez, alínea 11, pode, todo mundo é humano e pode
errar
o Inclusão no CCF
 Voltou pela segunda vez, alínea 12, nome é incluso no CCF
 Conta encerrada, alínea 13, nome incluso no CCF
 Prática de espúria, alínea 14, nome é incluso no CCF

OBS: Pode suspender o cheque temporariamente pelo telefone, mas depois tem q
confirmar isso através da assinatura, sustação temporária válida por 48 horas.
OBS: O banco não pode se negar a sustar o cheque
OBS: O Banco é obrigado a fornecer informações do titular da conta sempre que o
cheque voltar pelos motivos:
 Todos do CCF
 Sem fundos (alínea 11)
 Erro formal de preenchimento
 Divergência de assinatura
 Oposição ou sustação do pagamento
OBS: O banco só é obrigado a avisar o dono do cheque que o mesmo voltou, quando
o motivo do cheque ter voltado, leve o mesmo a entrar na listado CCF

SEGUROS – PGBL/VGBL

Instrumentos do contrato de seguro

 Proposta – registro da intenção do futuro segurado


 Apólice – proposta formalmente aceita pela seguradora
 Endosso: alteração na apólice, durante a vigência do contrato

Elementos do contrato do Seguro

 Prêmio – mensalidade paga pelo segurado.


 Sinistro – acontecimento, acidente, fato coberto pela apólice do seguro
 Indenização – importância que o segurado
 Franquia – Valor do prejuízo que fica a cargo do segurado.

Proibido mais de um seguro para um bem ou interesse, exceto para pessoas.


Seguro rural goza de isenção tributária.

PGBL – Plano Gerador de Benefício Livre, não existe garantia de rentabilidade


mínima:

- No PGBL acontece assim: a pessoa que declare o imposto de renda pelo


formulário completo e que queira investir até 12% de seu rendimento anual bruto no
plano terá essa valor investido abatido do montante quando for incidir o IR, ou seja,
por exemplo:
-Ganho 100 mil
-Quero investir 12%, ou seja 12 mil
-100.000 – 12.000 = 88.000
-Irá Incidir IR sobre os 88.000
Essa pessoa quando for recuperar seu “investimento” irá pagar IR sobre todo o valor
acumulado em sua carteira, ou seja, não apenas sobre o rendimento, mas também
sobre o valor investido.

VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre, não existe garantia de rentabilidade


mínima:

- No VGBL acontece assim: a pessoa que declara imposto pelo formulário


simples e não possuem renda fixa, ou caso queira aplicar mais de 12% de seu
salário, pode, mas não terá esse valor investido abatido da renda quando for declarar
os impostos, ocorre assim:
-Ganho 200 mil
-Quero investir 20%, ou seja 40.000
-Irá incidir IR sobra os 200.000
-Após incidir os IR é q irá investir os 40.000
Essa pessoa quando for recuperar seu “investimento” irá pagar IR apenas sobre os
rendimentos gerados pelo valor investido, e não em cima de todo montante como
acontece no PGBL.

 Não é permitida a portabilidade entre os planos PGBL e o VGBL, portabilidade


só é permitida entre planos do mesmo segmento, por exemplo de operadora
para operadora desde que os planos sejam similares.
 Não existe garantia de rentabilidade mínima em nenhum dos planos.
 O repasse da rentabilidade dos planos é de 100% aos beneficiário.
 Taxa de carregamento incide sobre todas as contribuições que são efetuadas
em um plano de previdência, chega ao máximo a 5%.
 Mesmo aplicando em renda fixa existe a possibilidade de desvalorização do
patrimônio do fundo. Como os mesmos podem aplicar em renda variável, não
existe garantia de retorno, podendo apresentar rentabilidades negativas.

FGC
Entidade Priva (associação civil) sem fins lucrativos,

 Cobre 250 mil para:


o Poupanças
o Depósitos à prazo
o L.C.I
o Letra de crédito do Agro Negócio (LCA), passou a ser coberto
recentemente
o Conta conjunta recebe 250.000 por conta, não importando o número de
titulares e a relação existente entre eles.

OBS: DPGE é uma exceção para o FGC, porque é coberto em até 20 milhões, e só
pode ser emitido por bancos médio e bancos pequenos.
OBS: Não cobra contas de Depósito Judicial

2. CARTÂO DÉBITO/CRÉDITO
Objetivo – Incentivar o consumo e facilitar o dia-a-dia

Curso não é forçado, ou seja: nenhuma loja é obrigada a aceitar o pagamento através
do cartão.

Autorizar e fiscalizar o funcionamento das administradoras de cartão de crédito NÂO


competem ao BACEN. Porque as administradoras de cartão não integram o SFN.

Atividade de cartões de créditos EMITIDOS POR INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS


estão sujeitas a regulamentação do CMN, já os emitidos por instituições NÃO
financeiras, NÂO ESTÂO!! por exemplo: Cartão de crédito da C&A a (administradora)
que não está sujeita.

- Instituições financeiras são as únicas que podem conceder financiamento


para a quitação de dívidas no cartão de crédito, caso o usuário não pague o
total da fatura
- Tem que ser pago, nó mínimo 15% do valor total da fatura.
Tarifas que os bancos podem cobrar referentes ao Cartão de crédito:
 Anuidade
 Emissão de segunda via do cartão
 Tarifa para função SAQUE
 Tarifa para uso do cartão no pagamento de contas
 Tarifa para aumento emergencial de LIMITE

- O contrato pode ser cancelado a qualquer momento, por qualquer umas das partes,
só que o cancelamento, claro, não quita as dívidas.

Receitas da Administradora do Cartão de crédito:


 Anuidade – Paga pelo cliente detentor do cartão.
 Comissão – percentual pago pelo estabelecimento a administradora pela
utilização por parte do usuário
 Remuneração de Garantia e taxa de administração – Cobradas ao
portador, quando este efetua compra parcelada pelo cartão
Charge card - Designação própria pela qual em língua inglesa são conhecidos os
cartões de crédito cujo saldo deve ser pago na íntegra até à data-limite indicada em
cada extrato. Em outras palavras, são cartões que concedem apenas “crédito
gratuito” e contrariamente aos outros cartões de crédito não permitem crédito
“renovado”.

Cartão de CRÉDITO BÁSICO - cartão esse, exclusivo para pagamentos de compras,


contas ou serviços, preço da anuidade TEM que ser o MENOR dentro todos
outros ofertados pela instituição, pode ser Nacional/Internacional
 OBS: esse cartão básico não pode ser associado a programas de benefícios
e/ou recompensas.

Cartão de Crédito do BNDES – Objetivo de financiar os investimentos de


micros/pequenas e médias empresas.

 BNDES não é um banco de desenvolvimento, é uma EMPRESA PÙBLICA


FEDERAL
 Podem obter esse cartão, empresas com faturamento bruto até 90 milhões,
SEDIADAS No BRASIL, que exerçam atividades econômicas compatíveis
com as políticas operacionais de crédito do BNDS
 Quem pode emitir
o Banrisul
o BB
o CEF
o Bradesco
o Itaú
o BRDE
o SICOOB

 Limite – 1 milhão por cartão, por Inst. Financeira.


 Somente para compras a prazo de 3 a 48 meses
 Taxa de juros reduzida, pré-fixada
 Não incide IOF, porque o objetivo é incentivar.
 Todas as compras acontecem através, exclusivamente, pelo site do BNDES

OBS: uma empresa pode obter um cartão BNDS por banco emissor, podendo ter até
7 cartões, (claro, só 7 IF podem emitir o cartão), e somar seus limites numa única
transação.

Cartão Cidadão – Cartão que dá acesso a toda parte social do cidadão (exclusivo da
CAIXA, exemplo:

 Saque de Seguro Desemprego


 Consulta de saldo do FGTS
o Até 1500, dá para sacar no caixa
o Mais que 1500 reais só saca dentro da agencia, no caixa.
 Saque de PIS
 Saque Bolsa Família
 Cartão magnético que não possui bandeira, ou seja, não dá pra fazer compra
com ele em supermercado por exemplo

Crédito Direto ao Consumidor


CDC – Fornecido pelos Bancos e Financeiras a PF e PJ

Com Garantia ou Sem Garantia


Garantia
 Avalista
 Fiador
 Principal, folha de pagamento, ou seja consignado.
o Ou seja, desconta direto na folha

Condições: necessário ter uma conta corrente no banco.

GERA cobrança de IOF

Financiamento concedido pela financeira para aquisição de bens ou serviços sem


propósitos específicos.
Muito utilizado na compra de veículos, móveis e eletrodomésticos.

CRÉDITO ROTATIVO (Limite)

 Conta garantida
o Em geral é oferecida para PJ, mas pode ser oferecida tb para PF
 Possui garantia de títulos, como por exemplo cheques, o cara
vai lá, pega o empréstimo e dá o cheque como garantia.

LEASING (Praticado por Sociedades de arrendamento Mercantil


S.A.M)

 A empresa tem que ser uma AS (aberta ou fechada)


 Tem que possuir o nome “arrendamento mercantil)
 Leasing é um serviço.
 No Leasing paga-se Contraprestação
 O bem alvo deste produto é propriedade da empresa de S.A.M, ou seja do
arrendador, e não do arrendatário, este apenas aluga o bem.
 Não se paga IOF, porque não é uma operação financeira, paga-se ISS
(imposto sobre serviço).
 Existe uma economia fiscal, porque não se paga IOF e quando o arrendatário
vai declarar seu IR, não se declara este bem, porque ele, na prática, não é
dele.
 Quem pode realizar essa operação:
o S.A.M
o Bancos múltiplos com carteira de S.A.M
 Possui a vantagem, a depender do contrato e do tipo de leasing, da renovação
do bem que pode ser móvel ou imóvel, nacional ou internacional
 As S.A.M podem conseguir $ através da emissão de Debentures e de
Comercial Papers, porque ela além de ser uma IF são uma Sociedade
Anônima
 Quando o arrendador receber o bem de volta, terá o prazo de 2 anos para se
livrar do mesmo (vender, leiloar e etc)
 Quando houver quitação do leasing financeiro, claro, o arrendado tem 30 dias
para enviar para a casa do arrendatário o:
o Dut
o Contrato dizendo que aquele bem foi liquidado e caso exista algum
título vinculado ao bem, o título será liquidado, ou seja, o mesmo não
existirá mais.

 Tipos de Leasing:
o Financeiro
 Pode ser tanto para PF como para PJ
 Arrendatário paga nas parcelas o valor do bem (VRG) + o preço
pelo serviço (aluguel) que dá direito ao mesmo, no final do
contrato (após pagar todos as contraprestações, ou seja,
alugueis) o direito de permanecer com o bem.
 Sempre terá o VRG + o Lucro da empresa (preço pelo
serviço)
 A despesa com Manutenção impostos do bem, em geral, é do
arrendador, mas pode vim em contrato que essas despesas
passam a ser do arrendatário.
 Prazo mínimo para o Leasing financeiro é de no mínimo:
 2 anos, se o bem possuir vida útil de até 5 anos
 3 anos, se o bem possuir vida útil de mais de 5 anos.
 O leasing pode ser liquidado antecipadamente sim, a qualquer
momento:
 Caso seja liquidado antes do prazo mínimo do bem,
nesse caso o contrato irá perder característica de
Leasing (arrendamento mercantil) e o arrendador, agora
proprietário do bem, terá que pagar ao IR o que não foi
declaro em primeiro momento sobre aquele bem, ou
seja, não é proibido, mas é penalizado.
 Caso seja liquidado após o prazo mínimo, não perde
característica de arrendamento mercantil.
o Operacional:
 Pode ser tanto para PJ como PF
 É proibido ter VRG em leasing operacional, caso o
arrendatário queira ficar com o bem, no final, o mesmo deverá
pagar o valor de mercado.
 O aluguel cobrado sobre o bem, ou seja o lucro da S.A.M, só
poderá ser de até 90% do valor total do bem.
 Prazo máximo de arrendamento do bem será de até 75% da
vida útil do mesmo.
 Geralmente usado para bens de alto valor, como aviões.
 Neste caso, leasing operacional, a obrigação do pagamento de
impostos, manutenção e etc é de responsabilidade exclusiva do
arrendador.
o Imobiliário
 Só pode ser feito por PJ
 Exclusivo para o uso do arrendatário para atividade fim do
mesmo
o Leasing Back
 Somente PJ
 A PJ vende o seu próprio imóvel para a S.A.M e o aluga de
volta, assim ficaram com $ em caixa

CRÉDITO RURAL
Quem pode:

 Produtor rural
 Cooperativa de produtos rurais
 PF ou PJ que, mesmo não sendo produtor rural, se dedique a uma das
atividades seguintes:
o Pesquisa ou produção de mudas ou sementes fiscalizadas ou
certificadas.
o Pesquisa ou produção de sêmen para inseminação artificial e
embriões.
o Prestação de serviços mecanizados de natureza agropecuária, em
imóveis rurais, inclusive para a proteção do solo.
o Prestação de serviço de inseminação artificial, em imóveis rurais.
o Medição de lavouras.
o Atividades florestais.

 OBS: profissionais da exploração de pesca e aquicultura (cuida de RIOS)


não são mais beneficiados pela linha de empréstimos rural.

 Atividades financiadas pelo crédito rural:


o Custeio das despesas normais de cada ciclo produtivo
o Investimento em bens ou serviços cujo aproveitamento se estenda
por vários ciclos produtivos.
o Comercialização da produção.
 Para concessão de crédito rural, é necessário que o tomador apresente
orçamento, plano ou projeto, com exceção do desconto de Nota promissória
Rural ou de Duplicata Rural.
o Nota promissória e Duplicata rural, são formas de pagamento das
cooperativas, que as emitem para o produtor, este mesmo produtor
pega esses títulos e vai no banco para antecipação do recebimento
desses valores, e como são títulos emitidos por uma cooperativa, não
precisa de garantias

ATENÇÂO: No crédito rural existe apenas o IOF adicional, de certa forma, pode-
se falar que existe sim cobrança de IOF.
No crédito rural, em exceção, não incide IOF sobre o SEGURO, todos
seguros incidem IOF, menos no crédito rural.

Fontes de recursos financeiros para o crédito rural:


 Programais oficiais de fomento
 Percentual de depósitos da Conta Corrente
 Poupança Rural.
 Cadernetas de poupança rural operadas por instituições públicas e privadas.
 Recursos financeiros de origem externa, decorrentes de empréstimos,
acordos ou convênios, especialmente reservados para aplicação em crédito
rural.
 Multas aplicadas a instituições financeiras pelo descumprimentos de leis e
normas do crédito rural.
 Recursos orçamentários da união.
 Outros recursos que venham a ser alocados pelo poder público.
Se o empréstimo realizado tiver como fundo recursos controlados, ou seja, que venha
do governo, o máximo que pode ser cobrado será uma taxa de 5.5% ao ano e o valor
máximo será de 1 milhão

CPR (Cédula do Produtos Rurais) é emitido por produtores rurais, cooperativas de


produção e associações com o Objetivo de obtenção de recursos para desenvolver
sua produção ou empreendimento, nesse aqui, diferente da Nota promissória ou da
duplicata rural, o produtor não tem $ pra porra nenhuma, ele emite essa cédula para
arrecadar recursos. Para dar uma garantia maior sobre esse título, o produtor rural
pode pedir algum banco que seja garantidor desse título, ou seja, caso não dê lucros
a plantação, quem via pagar o dono do título vai ser o banco, claro, que vai ter pego
algum bem do produtor como como garantia do produtor.

Finalidade do crédito rural:


 Custeio das despesas de produção
 Investimento em maquinas e equipamentos para vários ciclos produtivos
 Comercialização da produção

Garantias do crédito rural

 Penhor agrícola, pecuário, mercantil, florestal ou cedular;


 Alienação fiduciária
 Aval ou fiança
 Hipoteca comum ou cedular
 Seguro rural ou ao amparo do Programa de Garantia da Atividade
Agropecuária (Proagro);
 Proteção de preço futuro da commodity agropecuária, inclusive por
meio de penhor de direitos, contratual ou cedular;

Títulos de Capitalização

Não é emitido pelo banco, é emitido exclusivamente por sociedade de


capitalização, ou seja, é fiscalizado pela SUSEP, mas são os bancos que “tomam
conta” desse título.

Existe na capitalização o SUBISCRITOR que é quem vai efetuar o pagamento,


agora quem recebe o dinheiro do prêmio ou do resgate é o BENEFICIÀRIO, que pode
ser o mesmo cara, mas pode ser pessoa diferente, por isso que pode-se falar que
pode-se adquirir um título de capitalização para terceiros.

Semelhante a uma poupança de longo prazo atrelado a um jogo.

Há 3 tipos de títulos, estruturados de acordo à sua forma de pagamento:


 PM – Pagamento mensal
o Prazo de vigência é igual ao número de pagamento mensais
 PP – Pagamentos aleatório
o Não existe correspondência entre o número de pagamentos e o
número de meses de vigência.
 PU – Pagamento único
o Vigência diverge dos pagamento, porque é pagamento único
Divisão do prêmio (parcela a ser paga ou pagamento único)!
 Provisão para sorteio – $ vai para o sorteio
 Taxa de carregamento - $ vai para as despesas (taxa de administração)
 Provisão matemática - $ vai para poupança

Há 4 tipos de planos:
 Tradicional
o O investidor recebe no mínimo o valor depositado, se cumprir os
prazos e pagar direitinho.
 Compra Programada
o Não existe garantia de valor, só que no final o investidor opta em
receber em $ ou em BEM ou Serviço
 Popular
o Não tem garantia de valor, ou seja, não existe obrigatoriedade
 Incentivo
o Também não existe garantia de valor

Nos títulos com vigência até 12 meses, os pagamentos, obrigatoriamente, são fixos,
já nos superiores a 12 meses, é facultada a correção anual através de taxa pré-
estabelecida em contrato, por isso que o prêmio de uma título de capitalização, valor
a ser pago, só pode ser alterado anualmente.

 Possui no mínimo prazo de 12 meses o título ode capitalização


 Caso seja resgatado antes da vigência, pode ter multa, limitado ao máximo
de 10%

A capitalização tem rentabilidade mínima 0,35% ao mês para os planos


 Tradicional
 Compra programada

Possui rentabilidade mínima de 0,08% para os planos


 Popular
 Incentivo

O resgate pode ter deságio, ou seja, quando for resgatado ser inferior ao
investimento, (QUASE SEMPRE).

NOÇÕES DO MERCADO DE CAPITAIS – Renda Variável

AQUI QUEM MANDA É A CVM, é a pica das galáxias aqui. 

AÇÕES – Menor fração do capital social de uma empresa, ou seja, a unidade do


capital nas sociedades anônimas, que pode ser:
 Nominativa
o Está no nome de alguém
 Escritural
o É eletrônica
TIPOS DE AÇÕES:

 Ordinárias:
o Garante direito a voto nas assembleias aos acionistas.
o Tem que ser no mínimo emitida em 50%
 Preferenciais:
o Pode ter preferência no recebimento de dividendos em relação às
ordinárias.
 Para saber se vai ganhar mais ou não, vai depender do estatuto
da empresa, que pode muito bem decidir que ações
preferencias irão ganhar igual ordinárias.
o Não possui direito a voto;
o Recebe 10% a mais que as ordinárias
o Caso a CIA fique 3 anos CONSECUTIVOS sem distribuir dividendos, as
mesmas passam a valer como ordinárias, possuindo direito a voto.
 Fruição
o Estranha ao capital social, ou seja, não tem nada a ver
o São ações que direito a parte do lucro da empresa, não é parte da
empresa igual as outras, apenas dão direito ao lucro da mesma, por
isso são mais baratas.

Underwriting – Ocorre quando empresas vão lanças suas ações no mercado, esse
lançamento é efetuado pelos agentes underwriting (Bancos de investimentos,
Bancos múltiplos com carteira de investimento, CEF tb atua aqui, e corretoras
de títulos de valores mobiliários e as distribuidoras de títulos e valores
mobiliários). Lembrando que o underwriting pode acorrer tanto no mercado
primário como no mercado secundário.
 OBS: No mercado primeiro, o de subscrição, quem principalmente atual são os
Bancos de investimento, já no mercado secundário, quem atua são as CTVM e
as DTVM.

Tipos de Underwriting:

 Melhor esforço – A empresa se compromete a tentar dar o máximo de se para


realizar a venda dessas ações, mas, caso não consiga realizar a venda, não se
responsabiliza, não é culpa dela.
 Underwriting Firme (straight) – A empresa se compromete em vender todas
as ações, porem caso a venda não seja efetuada em sua totalidade, a mesma
é obrigada a comprar essas ações.
 Underwriting stand-by - A empresa compromete-se em vender todas as
ações, caso a mesma não consiga, ela se compromete em oferecer o “resto”
dessas ações por mais um período de tempo, e caso não venha conseguir
vende-las, ela as compra. Aqui fala-se em risco compartilhado, porque no
primeiro momento o risco é da empresa, e partir do segundo momento o risco
passa a ser do agente underwriting.

OBS: Caso a procura das ações seja muito grande, a empresa que abriu seu capital,
através das empresa de underwriting podem disponibilizar um lote de 15% a mais
do que já foi oferecido sem a necessidade da autorização da CVM.

Subscrição Pública – ou seja, por ações no mercado, ou seja, qualquer subscrição


depende de prévio registro na CVM e haverá intermediação obrigatória de uma
instituição financeira.
MERCADO PRIMÀRIO/SECUNDÀRIO

 PRIMÀRIO – É onde são disponibilizadas as ações das empresas pela primeira


vez, é aqui que ocorre a captação de recursos para as empresas.
 SECUNDÁRIO – É onde ocorre a negociação de Ativos, ou seja, onde quem
comprou as ações no mercado primária vende as mesmas para obter lucro ou
prejuízo, nesse mercado pode vender e comprar inúmeras vezes as mesmas
ações.
o Aqui existem dois lugares onde os títulos mobiliários podem ser
comercializados, onde ambos precisam de autorização da CVM, não se
pode disponibilizar ações nos dois mercados, apenas em um dos dois,
e caso queira passar de um para o outro, a empresa terá que comprar
todas as ações já disponibilizadas, para poder assim, fazer um novo
IOP em outro mercado.
 Bolsa de valores
 Possui maior liquidez
 Custo para se abrir o capital é alto (Ricos $$$)
 Mercado de balcão organizado
 Possui menor liquidez
 Geralmente quem atua aqui são PF’s
 Custo para se abrir o capital aqui é bem menor que a
Bolsa de valores, ou seja, aqui que pobre faz a festa

OBS1: A venda e compra de ações são liquidadas em D+3, ou seja, dia da


compra/venda e mais 3 dias.

OBS2: Transferência do título é chamada de liquidação física e a movimentação


dos recursos de liquidação financeira.

OBS3: Quando a empresa está abrindo capital pela primeira vez para o mundo
das ações, isso é chamado de IPO (Oferta pública inicial), ou seja abrir um novo
capital.

OBS4: Se a empresa for disponibilizar capital no mercado, emitir ações pela


segunda ou mais vez, o nome será Follow one.

OBS5: Block Trade é a oferta de um grande lote de ações antigas (já possuem
dono) com a colocação junto ao público através das bolsas de valores e/ou
mercado de balcão

OBS6: Uma empresa não pode manter ações na bolsa de valores e em um


mercado de balcão simultaneamente.

OBS7 – Empresas que abrem seu capital deverão possuir no mínimo 50% das
ações ordinárias;

OBS8 – Por lei as empresas são obrigadas a repassar no mínimo 25% de seu
lucro LIQUIDO para os acionistas, onde o valor distribuído é DESCONTADO do
preço da ação.
 Mas, claro, caso tenha lá no estatuto, distribuição de 50%, PODE, porque
a lei fala de no MÌNIMO de 25%
OBS9 – Um investidor PF, pode vender suas ações sem precisar pagar IR, se for
de até 20.000 o valor da transação no mês.

OBS10 – O Pagamento da ações (dividendos) é descontado da própria ação.

OBS10: Na bolsa de valores também se negocia o direito de subscrição, que é


quando a empresa vai emitir novas ações, os já acionistas possuem preferência,
e caso não queira, esse acionista pode vender esse direito à preferência,
respeitando a proporção do percentual de ações que aquele acionista tem!

S.A ABERTA x S.A FECHADA

ABERTAS:

 Possui ações negociadas em bolsa de valores ou mercado de balcões


organizados.
 Divisão do capital entre múltiplos sócios. (PULVERIZAÇÂO)
 Cumprimento de várias normas exigidas pelo agente regulador CVM

FECHADAS:

 Negociação no balcão das empresas, sem garantia;


 Concentração do capital na mão de poucos acionistas;

CUSTO DA OPERAÇÃO:

 Emolumento - A bolsa cobra 0,035% do valor financeiro da operação por


pregão em que tenha ocorrido negócios por ordem do investidor.
 Custódia – Uma espécie de tarifa de manutenção da conta, cobrada por
algumas corretoras
 Corretagem – Custo pago para corretoras pelas operações executadas.

INPLIT / SPLIT

Inplite – Reduzir o número de ações, aumentando assim o valor de cada ação,


ou seja, o acionista continua com o mesmo valor de antes, OBJETIVO: Diminuir o
risco, ou seja, quanto menos ações no mercado, menor será o risco.
Splite ou Desdobramento - Aumentar o número de ações no mercado, o
acionista irá continuar com o mesmo valor em ações pois irá receber mais ações de
forma gratuita, só q no caso irá possuir mais ações em sua mão. OBJETIVO: dar
maior liquidez.
OBS: É por meio do inplite e Split que a empresa alterar o valor nomina da
ação

Day-trade – Combinação de compra e venda de ações realizadas por um investidor


em um mesmo dia, mesmo a liquidação ocorrendo em 3 dias, esse tipo de prática é
permitida, porem o IR é bem maior.

OBS6 - as bolsas de valores podem ser associações COM OU SEM fins lucrativos. A
BM&Fbovespa é uma S.A com fins lucrativos
 Opção de compra: O titular (comprador de opção) tem o direito de comprar do
lançador (vendedor da opção), obrigando que este lhe venda a quantidade
correspondente de ações ao preço previamente estipulado, até a data
prefixada;

 Opção de venda: O titular (comprador da opção) tem o direito de vender ao


lançador (vendedor da opção), exigindo que este lhe compre a quantidade de
determinada ação ao preço previamente estipulado.

OBS7 - No mercado de capitais, são admissíveis negociações com ações sem valor
nominal, haja vista que esse valor é necessário como referência na hora de sua
compra ou venda.

COMERCIAL PAPERS

 Valor mobiliário como qualquer outro, ou seja, tem que ser autorizado pela
CVM
 Emitida por:
o SA’s abertas ou fechadas
Pode ser emitida por SA’s ABERTAS e FECHADAS e possui como objetivo arrecadar
fundo para capital de giro, ou seja: (capital de giro = capital para pagar dívidas ou
salários de funcionários), por isso as notas promissórias rendem mais juros, porque
são mais arriscadas.

A Vendas de C.P, precisa necessariamente de IF como agente colocador


 Prazo mínimo para resgate de 30 dias
 Não possui garantia real, como por exemplo, máquinas, gado, etc
 Prazo máximo:
o SA’s Abertas – 360 dias
o SA’s Fechadas – 180 dias
 Rentabilidade:
o Pré-Fixada
o Pós-Fixada
 Não pode ser Remunerada por índice de Preço, como IPCA/IGPM porque
esses índices precisam de no mínimo 360 dias e a NP/CM o máximo é 360
dias.
 Não pode ser Remunerada pela TBF, pois por lei a TBF só pode remunerar
operações realizadas no mercado financeiro.

OBS1 – Não pode ser emitida por IF’s

DEBENTURES

Pode ser emitidas por:


 SA’s ABERTAS, não pode FECHADA, só aberta
 Sociedades de arrendamento mercantil
 Companhias Hipotecárias.
 BNDES - Participações

Tem como objetivo capitar recursos para o capital fixo, ou seja, para investimento, por
isso que rende menos que as nota promissórias, pois possui menos riscos e a garantia
é real. Mas nada impede que seja emitido debentures para captar $ para capital de
giro.

 Precisa de autorização da CVM, claro, é um título mobiliário, a debentures são


negociada em mercado de balcão ou bolsa de valores.
o OBS: Diferentemente das ações, debentures podem ser negociadas, ao
mesmo tempo, tanto no mercado de balcão como na bolsa de valores.
 Mesma coisa que ações, primeira emissão é no mercado primário, e depois é
negociado no mercado secundário
 Debenture tem prazo mínimo de 1 anos, mas não tem prazo máximo, ou seja,
(ao infinito e além!)
 A emissão de debentures NÂO estão limitadas ao patrimônio líquido da
empresa.
 Pode ocorrer a emissão de debentures para serem negociadas no exterior, só
que é necessário bens brasileiros (locais) e neste caso, diferentes da
debentures emitidos no brasil, só pode 2 tipos de garantia, a REAL e a
FLUTUANTE.
o Debentures para serem comercializadas no exterior, tem que ter
autorização do BACEN (O pica das galáxias)

o Desde que esteja na escritura, a debenture tem:


o Não tem prazo máximo de vencimento.
o Debenture conversível, que é o: Direito de conversão em ações da
companhia.
o Debenture Permutável: Direito de conversão das debentures em ações
de outras empresas.
o Garantias contra inadimplência da emissora (não é o FGC)
o Limite para emissão de debentures é definido em assembleia.
o Todas informações relevantes da debênture tem que estar na escritura,
claro, e em um documento chamado prospecto
 Prospecto = resumo do que é importante da escritura da
debenture.
o Mesmo assim, como sabemos que o ser humano é preguiçoso, esse
prospecto tá muito grande, então é feito o resumo do resumo, e
chegamos a LAMINA.

Na debenture, caso esteja na escritura, a empresa possui o direito de resgate


antecipado, parcial ou totalmente as debentures em circulação.

A debenture pode ter a cláusula de Cross-Default, que significa que: Se a empresa


atrasar o pagamento dos debenturistas, mas não do resto das dívidas, todas as
dívidas serão consideradas em atraso, o que é pior para a empresa, e o contrário é
verdadeiro tb, caso a empresa pague a debenture, mas não pague as outras dívidas,
as debentures tb serão consideradas em atraso.

AGENTE FIDUCIÀRIO – (Representante do debenturista) Função de defender o


interesse dos debenturistas, exercendo uma fiscalização permanente e atenta,
verificando se as condições estabelecidas na escritura da debenture estão sendo
cumpridas.
Toda emissão pública de debentures exige a nomeação de um agente
fiduciário.
Que em defesa dos debenturistas pode:

 Executar garantias reais, receber o produto da cobrança e aplica-lo no


pagamento, integral ou proporcional dos debenturistas.
 Requerer falências das emitentes, se não existirem garantias reais.
 Representar os debenturistas em processo de falência.
 Tomar qualquer providencia necessária para que os debenturistas realizem os
seus créditos.

GARANTIAS DA DEBENTURES

 GARANTIA REAL – Fornecida pela emissora, pressupõem a obrigação de


não alienar ou onerar o bem registrado em garantia.
 GARANTIA FLUTUANTE – Assegura ao debenturista privilégio sobre o ativo
da companhia, mas não impede a negociação dos bens que compõem
esse ativo.
 GARANTIA QUIROGRAFÀRIA: não oferece preferência alguma sobre o ativo
da empresa, concorrendo em igualdade com os outros credores da empresa.
 GARANTIA SUBORDINADA: garante preferência somente em cima dos
acionistas, ou seja, vai ser o último a receber.
 Macete para lembrar a ordem de pagamento, pelas garantias, RE-FLU-
QUI-SU, kkkkkkkkkkkkk, q merda, esse Edgar inventa cada uma!

OBS1 – POSSUI INCIDENCIA DE IOF


OBS2 – NÂO PODE SER EMITIDA POR IF’S, com exceção de SOCIEDADES DE
ARRENDAMENTO MERCANTIL e COMPANHIAS HIPOTECÁRIAS.

NOÇÕES DE MERCADO DE CÂMBIO

A política adotada pelo brasil é de câmbio Flutuante SUJA, ou seja, é o mercado que
determina o valor da moeda, de acordo com a procura/oferta

O Bacen pode intervir no mercado de cambio comprando e vendendo moeda


estrangeira, com o objetivo de minimizar as oscilações do mercado, desde que a
Flutuação seja do tipo SUJA, flutuação suja esta que pode ser dividida em duas:
 Com banda cambial
o É determinado um limite mínimo é máximo para a moeda, o problema aí
é que isso obriga o BACEN participar fortemente quando o preço da
moeda está quase para estourar esse limite, tanto inferior como
superior.
 Sem banda Cambial (Brasil adota este daqui)
o Não tem limite nem inferior e nem superior
Ou seja, o Brasil adota uma política cambia FLUTUANTE SUJA SEM BANDA
CAMBIAL

Na flutuação do tipo LIMPA, (a Não adotada pelo Brasil) o Bacen não intervém
comprando/vendendo moeda estrangeira, permanecendo inalterada as reservas
internacionais.
O Bacen executa a política cambial definida pelo CMN, para tanto, o Bacen
regulamenta o mercado de câmbio e autoriza as instituições que nelas operam.

Bacen ao fiscalizar as instituições, pode punir os dirigentes aplicando multa,


suspensões e outra sanções legais.

Reservas internacionais – São formadas por ativos em moedas estrangeiras, ouro,


título de depósito bancários, etc.

MERCADO DE CAMBIO –

 TX de cambio é o preço de uma moeda estrangeira aqui no Brasil.


 PTAX – é a taxa que OFICIAL expressa à média das taxa de cambio praticadas
no mercado interbancário, (Entre os bancos).
o Porem as taxas são livremente pactuadas entre as partes, por exemplo,
se a pessoa for em uma casa de câmbio comprar dólar, nada impedi
que a casa de câmbio cobre mais caro do que foi anunciado pela PTAX
o A única taxa oficial que existe é essa, a PTAX, não existe Dólar
Comercial, não existe dólar paralelo e nem turismo.
 Todas as operações de câmbio devem possuir registro obrigatório no
SISBACEN pelas instituições autorizadas por ela a atuar.
 O mercado de cambio é tanto para PF ou PJ, eles podem comprar e vender,
mas nunca entre eles, tem que existir a intermediação de um agente
autorizado.

INTITUIÇÔES AUTORIZADAS – Autorizadas pelo BACEN

Quem pode fazer todas as operações, sem exceções:


 Bancos comerciais
 Bancos de investimentos
 Bancos múltiplos
 Bancos de Cambio
 CEF
Exceção, Banco de Desenvolvimento

Operam com restrições de operações


 Bancos de desenvolvimento
 Agências de fomento.
 Sociedade de crédito, financiamento e investimento (Financeiras)

Possuem limite de valor de 100.000 DÒLARES


 Sociedades de corretoras de títulos e valores mobiliários
 Sociedades distribuidoras de títulos e valores mobiliários
 Sociedades corretoras de câmbio.

OBS1 – O correios também pode estrar no bolo, só que ele possui um valor limite de
50 mil dólares para recebimento de exportações e importações.
OBS2 – A lei sempre fala os limite em dólares, caso seja outra moeda, será no limite
da transformação desses dólares para outra moeda, por exemplo:
 Limite de 100 mil dólares para S.C.T.M, se for mexer com euro, digamos que o
euro valha 2 dólares, o limite será de 50 mil euros!
 OBS3 – Instituições pequenas, como lotéricas, ou qualquer PJ podem atuar
nesse mercado de câmbio, só que elas não serão autorizadas pelo BACEN, irá
firmar um contrato com alguma instituição que é autorizada pelo BACEN, por
exemplo a CEF, passando assim a CAIXA a responder por aquelas instituição,
os limites das operações desses PJ são até o valor máximo de 3 mil Dólares
ou o equivalente em outras moedas, acima desse valor, é obrigatório a
confecção de um contrato de câmbio.
 Câmbio Manual, ou seja, em espécie, tem valor máximo de 10 mil reais
 Cambio sacado, pode de qualquer valor, mas se a operação for acima de 10
mil reais, o mesmo será obrigatório, e irá ocorre o crédito em conta

OBS4 - LIQUIDAÇÂO PRONTA em operações de câmbio– ocorre em D + 2.


OBS5 – LIQUIDAÇÂO FUTURA é quando ocorre em mais de D + 2
OBS6 – As operações de câmbio no valor de até 3 mil dólares ou seu equivalente em
outra moeda, é necessário apenas a identificação do cliente e o registro da operação
no SISBACEN, mas necessita-se obrigatoriamente a IDENTIFICAÇÂO.
 As operações superiores a 3 mil U$ devem ser informada ao Sisbacen até dia
10 do mês posterior, acima disto (10 mil dólares) tem que ser realizado um
contrato.

MERCADO PRIMÀRIO nas operações de câmbio – é a entrada ou saída efetiva de


moeda estrangeira do país.
MERCADO SECUNDÀRIO nas operações de câmbio – é tb conhecido como mercado
interbancários, ou seja, é a movimentação de dólares dentro do país.

SISCOMEX

 Sistema informatizado com a função de administrar o comércio exterior


brasileiro.
 OBEJTIVO: Registro, acompanhamento e controle das operações de
exportação e importação.
 DranBack – Módulo dentro do SISCOMEX, que Incentiva as empresas
exportadoras com alívio de carga tributária, para que o produto chegue mais
competitivo no mercado internacional

 ACC (Adiantamento sobre Contrato de Câmbio) é uma antecipação de


recursos em moeda nacional (R$) ao exportador, por conta de uma exportação
a ser realizada no futuro.
 ACE (Adiantamento sobre Cargas Entregues) é uma antecipação de recursos
em moeda nacional (R$) ao exportador, após o embarque da mercadoria para
o exterior, mediante a transferência ao Banco do Brasil dos direitos sobre a
venda a prazo.

Política monetária

 Título público federal = Fração a dívida, que o governo coloca a venda no


mercado
o Principal título é a LFT (Letra financeira do governo)

Na política Monetária, a gestão da dívida publica fica a cargo do tesouro nacional,


tesouro este que possui a exclusividade da emissão de títulos públicos Federais.
 Quem fiscaliza o mercado de títulos públicos federais é o BACEN
 O que faz o governo emitir um título público:
o Financiamento da dívida pública
o Refinanciamento da dívida
o Dívida direta

Quando um título federal é novo, ele é emitido no mercado PRIMÀRIO, neste mercado
primário de disposição de títulos o BACEN não participa, apenas filtra as empresas
que poderão participa

Já no mercado SECUNDÀRIO dos títulos públicos federais, é o BACEN que geri o


mercado monetário:
 Colocando $ no mercado através da compra de títulos públicos federais
 Retirando $ do mercado através da venda de títulos públicos federais.

Para gerir essa compra e venda de títulos públicos federais o BACEN realiza Leilões:
 Formais: Quase todas IF’s participam, aquelas filtradas pelo BACEN
 Informação: Onde quem participam são os Dealers.
o Esse Dealers possuem esse privilégio mas não é atoa, porque os
mesmos são obrigados a comprar e vender determinado número de
títulos públicos federais sempre que o governo solicitar, de certa forma,
isso é para garantir a liquidez do mercado.

Tesouro Direto: Foi criado em parceria do BACEN com a BM&Bovespa para das as
PF’s acesso aos títulos públicos federais, claro, através do intermédio de alguma IF’s
já previamente cadastra no BACEN (lembra? Aquele q falei q no mercado primário
filtrava as IF’s que poderia comprar os TPF (títulos públicos federais).

Taxas SELIC OVER e CDI:


 Selic Over, calculada através da média de empréstimos interbancário entre
bancos deficitários e bancos superavitários, onde, no fim do expediente, caso o
banco termine o dia com um déficit ele terá que buscar $ emprestado com
outras instituições que terminaram o dia com superávit, e esse empréstimo
entre o que sobrou para o que faltou. Quando o banco deficitário pega
emprestado $ de outro banco ele tem que dar algo como garantia, e caso dê
títulos públicos Federais como garantia, será considerado essa média, a taxa
Selic Over.
o Lembrando que títulos públicos federais são liquidados na câmara
SELIC
 CDI, a mesma coisa do Selic Over, só que, neste caso o banco deficitário dará
como garantia títulos privados.
o Lembrando que títulos privados ~são liquidados na câmara CETIP.

Instituição monetário, é aquela que capta moeda através do Depósito à vista, sãos as
instituições:
 Bancos comerciais
 Bancos múltiplos com carteira comercial
 Cooperativa de crédito
 Bancos cooperativos
 CEF

Bancos múltiplos criam moeda escritural, por exemplo, emitindo cheque o titular que
naquele momento da emissão do mesmo não possuía aquele valor em conta.
Instrumentos da política monetária:
 Taxa Selic Meta
o Determinada pelo COPOM, rege a remuneração diretamente ou
indiretamente da maioria dos títulos.
 Redesconto
o Tx de juro cobrada pelo para pode emprestar $ para os bancos
 Compulsório:
o Determinado pelo BACEN
 Até 100 Para capitações através de CC. (depósito à vista
 Até 60 para os demais
 Depósito compulsório incide tb sobre a posição vendida de
câmbio

SPB

Responsável pela operacionalização das transações realizadas entre as diversas


instituições integrantes do sistema financeiro.

A entrada do STR (Sistema de transferência de reservas), marca o início de uma nova


fase para o SBP. Operado pelo BACEN, o STR é um sistema de liquidação bruta em
tempo real, ou seja, LBTR, onde há a liquidação final de todas as obrigações
financeiras no Brasil.
 Transações são liquidadas em tempo real, em caráter irrevogável e
incondicional.
 Qualquer transferência entre fundos passou a ser condicionada a existência de
saldo suficiente.
 Compete ao BACEN definir quais sistemas de liquidação são considerados
sistematicamente importantes.
 É admitida compensação multilateral de obrigações no âmbito de um sistema
de liquidação e compensação.
o Nos sistemas de compensação multilateral considerados
sistematicamente importantes, as respectivas entidades operadoras
devem atuar como contra parte central e adotar mecanismos de
salvaguarda que lhes possibilitem assegurar a liquidação das
operações cursadas
Meios de transferência:
 DOC
o Passa por um sistema de compensação
o Realizado em D +1
o Valor máximo de 4.999.99
o Sistema Liquidação Diferida liquida
 TED
o Opera com LBTR (liquidação bruta em tempo real) ou seja, é D+0
o Valor mínimo de 1000
o Tem exceções para o valor mínimo:
 Caso de transferência de conta salário para alguma outra conta,
o valor poderá ser menor do que 1000
 Em caso de recebimento de benefícios previdenciários.

Sistema de transferência de reservas


 Todo banco que capita através de depósito à vista tem uma conta aqui, na
verdade, toda IF que de alguma forma é possível realizar transação com algum
outro banco tem uma conta aqui.

O STR trabalha com liquidação bruta em tempo real, essa transação em tempo real
trouxa para o sistema financeiro uma maior segurança em relação a quebra de IF’s,
porque agora os bancos são obrigados a ter uma conta reserva com uma quantidade
de $ considerável, se não as operações não ser realizam, porque é tudo ONLINE.

Comera de compensação para transferência de reservas:


 CIP
o SILOC
 LDL (liquidação diferencial liquida), ou seja, acontece em até
D+1
 DOC
 Bloquetos
o SITRAF
 È Mista, possui o Sistema LDL e o LBTR
 TED
o C3
 Cessão de crédito
 COMPE
o Executada pelo BB
o Compensa Cheques
 Até 299,99 em d+2
 300 ou mais em D+1
OBS: em um caso especial, pode acontece desses títulos ou transações não
passarem por suas respectivas câmaras, no caso de:
 Cheques de valor 250.000 ou mais, vai direto para o STR
 Bloquetos no valor de 250.000 ou mais vai direto para o STR
 E TED no valor de 1.000.000 ou mais vai direto para o STR

Câmaras de liquidação e custódio de títulos


 Nenhuma tem acesso AS contas reservas, apenas o STR possui esse acesso.
 Uma câmara sistematicamente importante é quando:
o Quando tem a obrigação de atuar como contra parte das operações,
quando isso acontece a câmara será o vendedor dos compradores e o
comprador dos vendedores. Ou seja, intermediará as compras e vendas
de títulos comprando dos vendedores para posteriormente vender para
os compradores e vice versa, reduzindo assim o risco de liquidação
 SELIC (Sistema Especial de Liquidação e custódia)
o Possui títulos 100% escriturais.
o Operada pelo BACEN em parceria do a AMBIMA
o Liquidação é em D+0, ou seja, online
o Possui títulos:
 Públicos federais
 Títulos emitidos pelo BACEN anteriores a 2002
 Títulos públicos municipais e estaduais emitidos antes de 1992
o CETIP
 Liquidação ocorre me D+2
 Essa câmara é uma AS aberta, com ações na bolsa e a porra
toda
 Seus títulos em grande maioria são escriturais, mas não todos.
 Custodia e liquida basicamente títulos privados
 Títulso do tesouro estadual e municipal após 1992
 Mercado de Derivativos
 Sistema nacional de gravames
o BM&Bovespa
 Liquida ações em D+3

ÉTICA / MORAL
Ética - é o estudo de determinado comportamento dentro de cada sociedade

 É universal
 É teoria

Moral – é a valorização de determinada ação (certo/errado) dentro de uma


sociedade.

 Moral é cultural
 Moral é temporária

Valor – É tudo aquilo que o homem busca.


Virtude – É uma qualidade intrínseca ao homem, ou seja, é dele.

ÉTICA PROFISSIONAL / EMPRESARIAL NA CAIXA

Principais tópicos do estatuto, aqueles que pode cair em prova com


pegadinhas:

 Promover a melhoria contínua da qualidade de vida da sociedade,


intermediando recursos e negócios financeiros de qualquer natureza,
atuando, prioritariamente, no fomento ao desenvolvimento urbano e nos
segmentos de habitação, saneamento e infraestrutura, e na administração de
fundo, programas e serviços de caráter social.
 Exigimos de dirigentes, empregados e parceiros da CAIXA absoluto respeito
pelo ser humano, pelo bem público, pela sociedade e pelo meio ambiente.
 Nossos patrocínios atentam para o respeito aos costumes, tradições e valores
da sociedade, bem como a preservação do meio ambiente.
 No exercício profissional, os interesses da CAIXA estão em 1º lugar nas
mentes dos nossos empregados e dirigentes, em detrimento de interesses
pessoais, de grupos ou de terceiros, de forma a resguardar a lisura dos seus
processos e de sua imagem.
 Condenamos atitudes que privilegiem fornecedores e prestadores de
serviços, sob qualquer pretexto.
 Temos o compromisso de oferecer produtos e serviços de qualidade que
atendam ou superem as expectativas dos nossos clientes.
 Prestamos orientações e informações corretas aos nossos clientes para que
tomem decisões conscientes em seus negócios.
 Preservamos o sigilo e a segurança das informações.
 Incentivamos a participação voluntária em atividades sociais destinadas a
resgatar a cidadania do provo brasileiro.
 AS relações da caixa com os segmentos da sociedade são pautadas do
princípio da transparência e na adoção de critérios técnicos.
 Como empresa pública, estamos comprometidos com a prestação de contas
de nossas atividades, dos recursos por nós geridos e com a integridade de
nossos controles
 Aos nossos clientes, parceiros comerciais, fornecedores e à mídia
dispensamos tratamento equânime (isonomia) na disponibilidade de
informações claras e tempestivas, por meio de fontes autorizadas e no estrito
cumprimento dos normativos a que estamos subordinados.
 Valorizamos o processo de comunicação interna, disseminando informações
relevantes relacionadas aos negócios e às decisões corporativistas.
 Garantimos proteção contra qualquer forma de represália ou discriminações
profissional a quem denunciar as violações a este código, como forma de
preservar os valores da CAIXA.

SEGURO DESEMPREGO

Quem fiscaliza é o MINISTÉRIO DO TRABALHO, mas quem regula é o CODEFAT


(Conselho deliberativo do fundo de amparo ao trabalhador)

O Seguro desemprego é TEMPORÀRIO e concedido ao trabalhador desempregado


em virtude de:

 Dispensa SEM JUSTA CAUSA.


 Dispensa INDIRETA – Ou seja, trabalhador que foi de certa forma forçado se
demitir, por exemplo: Diminuição brusca de rendimentos.
 Trabalhador comprovadamente resgatado de regime de trabalho forçado ou
da condição análoga a escravo.

O Seguro desemprego TAMBÉM busca auxiliar trabalhadores na busca ou


preservação do seu emprego, promovendo ações integradas de orientação,
recolocação e qualificação profissional.

 Ou seja, o trabalhador que estiver com o contrato de trabalho suspenso em


virtude de participação em curso ou programa de qualificação profissional,
recebe um auxílio através da bolsa de qualificação profissional que será
custeado pelo FAT (Fundo de amparo ao trabalhador)

OBS1 – Pelo prazo de 6 meses, o trabalhador que esteja em situação de desemprego


involuntário pelo período compreendido entre 12 e 18 meses, ininterruptos, e que já
tenha recebido o Seguro Desemprego, fará jus a 3 parcelas do benefício, no valor
cada de R$ 100,00 (cem reais)

 Esse período de 12 a 18 meses se compreende a partir do recebimento da


primeira parcela do seguro desemprego.
 O benefício poderá estar vinculado a ações de qualificação profissional e
articulado com ações de emprego a serem executadas nas localidades de
domicílio do beneficiário.

OBS2: O trabalhador que for resgatado da condição análoga a escravo irá receber (3)
três parcelas do seguro desemprego no valor de 1 SALÀRIO MÍNIMO cada.
 Caso o mesmo trabalhador seja resgatado, de novo, nos 12 meses seguintes à
percepção da primeira parcela do benefício de 3 meses, ele não receberá o
benefício, pois o mesmo é vedada, ele só poderá receber esse benefício
novamente, caso seja resgatado após 12 meses da última vez que foi
resgatado, ou seja, é como se fosse uma carência.

CONDIÇÔES PARA RECEBER O SEGURO DESEMPREGO

 Ter recebido 6 salários consecutivos, de pessoa jurídica ou física, relativo a


cada um dos 6 meses imediatamente anterior ao benefício.

o Reparar que falou “salário” e não trabalhado, ou seja, não precisa ter
carteira de trabalho assinada, precisa comprovar que recebeu o salário.
Isso foi por causa das empregadas domesticas

 Ter sido empregado de pessoa jurídica ou física ou ter exercido atividade


considerada como autônoma, durante pelo menos 15 meses nos últimos
24 meses.

o Ou seja, aqui já se fala de carteira assinada ou como autônomo, e não


precisa ser 15 meses ininterruptos, precisa ter trabalhado 15 meses
dentro de um período de 24 meses.

 Não estar em gozo de qualquer benefício previdenciário de prestação


continuada, previsto no regulamento de benefícios, excetuando-se o auxílio
acidente e o auxílio suplementar e abono de permanência em serviço.
 Não estar em gozo de outro auxílio desemprego (Porque não se pode
receber dois auxílios desempregos ao mesmo tempo)
 Não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente a sua manutenção e
de sua família

 A união PODERÁ, ou seja, não é obrigatório, condicionar o recebimento desse


auxílio desemprego à comprovação da matrícula e da frequência do
trabalhador em curso de formação inicial e continuada ou qualificação
profissional, com carga horária mínima de 160 horas.

 O Benefício do seguro desemprego é concedido entre 3 a 5 parcelas, de


acordo com o tempo trabalhado

o 6 a 11 meses – 3 parcelas de seguro desemprego;

o 12 a 23 meses – 4 parcelas;

o 24 ou mais meses – 5 parcelas.

 Será considerado como 1 mês fechado, a fração de 15 ou mais dias!

 Esse número de 3 a 5 parcelas poderá ser estendido em mais 2 parcela para


grupos específicos de segurados, sendo este estendimento facultativo ao
“Codefat”, desde que os gastos representados por essas duas parcelas não
ultrapassem o montante de 10% da reserva mínima de liquidez.
 O valor do benefício será a média dos salários recebidos nos 3 meses
anteriores ao pedido do auxílio.

 O valor do benefício não poderá ser inferior a um salário mínimo.

 O seguro-Desemprego é direito pessoal e intransferível do trabalhador, e


deve ser requerido no prazo mínimo de 7 dias após a rescisão do contrato
trabalhista até o prazo máximo de 120 dias após a rescisão.

 Pagamento do Seguro-Desemprego é suspenso quando

o Admissão do trabalhador em outro emprego


o Início de algum benefício de percepção continuada, exceto o auxílio
acidente, auxílio suplementar e abono por tempo de serviço
o Início de percepção de outro auxílio-Desemprego
 Pagamento do seguro-Desemprego será CANCELADO, (VAGABUNDO)
o Recusa por parte do trabalhador desempregado a outro emprego
condizente com sua qualificação registrada ou declarada e com a
remuneração anterior.
o Por comprovação de falsidade na prestação das informações
necessárias para habilitação.
o Por comprovação de fraude visando à percepção indevida do
benefício.
o Por morte.
 Caso cancelado o benefício, o mesmo será suspenso por 2
anos junto com o tempo de carência, ou seja, vai ter q
esperar 2 anos e trabalhar 6 meses de novo para poder estar
apto a receber o benefício, e caso o “meliante” repita a
vagabundagem, vai dobrando a penalidade.

 Pagamento de Bolsa-Qualificação será Suspensa quando caso ocorra a


rescisão do contrato de trabalho, e cancelado por:

o Fim da suspenção contratual e retorno ao trabalho.


o Comprovação de falsidade na prestação das informações necessárias
à habilitação

 Caso haja fraude e talz, Penalidade na esfera Civil e criminal

ABONO SALARIAL DO PIS

 Valor – 1 salário mínimo


 Fiscalizado pelo Ministério do Trabalho
 Caso haja fraude e talz, penalidade na esfera civil e criminal.
 Irá receber o PIS quem:

o Empregado, avulso também participa (trabalhador portuário por


exemplo, que esteja cadastrado pelo menos há 5 anos no programa.
o Empregado (público (PASEP) ou privado (PIS)) que receba até 2
salários mínimos médios de remuneração mensal.
o E que tenha trabalhado pelo menos 30 dias mensais no ano base
O PIS é um programa criado pelo Governo Federal, que tem a finalidade de promover
a integração do empregado na vida e no desenvolvimento das empresas, viabilizando
melhor distribuição da renda nacional. (Que lindo, quase chorei aqui!)

 As empresas irão realizar o depósito na CEF

o OBS: Caso não exista CEF na cidade, a CEF pode firmar convênios
com estabelecimentos da rede bancária nacional, a fim de receber o
depósitos.

 O fundo de participação será constituído por 2 parcelas:

o Primeira: 5% do IR recolhido sobra a empresa;


o Segunda: 0,5% do faturamento da empresa.

 TODAS EMPRESAS PARTICIPAM


 O conselho nacional poderá alterar em até 50% (para mais ou para menos) os
percentuais de contribuição da empresa.
 A contribuição das empresas será processada mensalmente, só que com
atraso de 6 meses, para dar tempo das empesas fecharem o balanço
financeiro, ou seja, a contribuição de julho, será com base no rendimento e no
IR de Janeiro.
 A conta dos PIS será dívida em:

o 50% será dividido em partes proporcionais ao montante de salários


recebidos no período;
o Os outros 50% será divido em partes proporcionais ao quinquênio de
serviços prestados pelo empregado.

A omissão dolosa do nome do empregado ou declaração falsa sobre o valor do salário


e do tempo de serviço do empregado acarretará em multa, em benefício do fundo, no
valor de 10 meses de salário devidos ao empregado cujo nome tiver sido omitido.

O PIS não gera qualquer direito trabalhista, ou seja, recebi o PIS em dezembro, o
valor do PIS não influenciará no 13º. (porque as pessoas podem pensar que o décimo
terceiro salário irá ser o dobro do valor do salário + o pis)

MINHA CASA MINHA VIDA


Em Geral o programa acontece em parceria com estados, municípios, empresas e
entidades sem fins lucrativos, mas pode acontecer individualmente também.
Não é exclusivo da CEF, pode, por exemplo ser contratado pelo BB.

 Quem administra o $ do PAC que vai para o projeto do MCMV é o BNDES,


que repassa para os operadores que são:
o CAIXA
o Banco do Brasil

Quem pode:
 Famílias brasileiras urbanas que possuem renda bruta de até 5.000 mensais.
 Famílias brasileiras rurais que possuem renda bruta de até 60.000 anuais.

Vantagens:

 Taxas de financiamento reduzidas


 O imóvel tem que valer no máximo 190 mil.
 Famílias só podem comprar a casa apenas 1 vez.
 Famílias que ganham até 3.275 podem conseguir subsídios do governo de
até 25000
 Famílias que ganham até 1600 podem além de receber o subsídio do governo
de 25 mil podem comprar um imóvel mais barato por causa dos recursos de
fundo como:
o FAR, que por exemplo, uma prefeitura doa um terreno para construção
de casas para o programa, ou seja, além do subsídio de 25 mil do
governo, ainda vai comprar bem mais barato porque o terreno foi
doado.
 Tem prioridade no programa MCMV
o Desabrigados
o Famílias chefiadas por MULHERES
o Famílias que possuem deficientes em sua constituição
 Descontos nos seguros do financiamento (seguro este que é obrigatório)
 Prazo de financiamento:
o Mínimo de 10 anos (120 meses)
o Máximo de 30 anos (360 meses)
 O cadastro, ou melhor, contrato da casa adquirida será preferencialmente
registrada em nome da MULHER
o OBS: caso haja separação, independentemente do regimes de
casamento, o imóvel irá ficar com a mulher.
 Exceto quando usa-se recursos do FGTS para a compra, ou
 Se o casal tiver filhos e o juiz der a guarda exclusiva para o pai.
 Para autorização da liberação de recursos para construção das casas, é
obrigatório ter infra estrutura, como: Iluminação, energia, água, via de
acesso.
 A taxa de juros é de no mínimo 5% ao ano
o Podendo ter redução de 0,5% ao ano se quem tiver financiando tiver
no mínimo a 3 anos no regime do FGTS

OBS1: O financiamento M.C.M.V para famílias urbanas financia apenas a aquisição


de imóveis novos, em construção ou na planta, imóveis novos são aqueles que
tem até 180 dias desde a emissão do Habite-se (Habite-se é tipo uma autorização
dizendo que a casa já está apta para se morar), isso, com alguém morando. Caso
alguém não more pode ultrapassar essa data. Já para famílias rurais pode financiar
aquisições de imóveis novos, reformas, em construção, ampliação ou conclusão.

Minha casa Melhor


 Até o momento, é um programa exclusivo para quem fez o financiamento do
MCMV através da Caixa.
o Para solicitar e gastar, o programa da no máximo até 12 meses
desde a aquisição de sua casa pelo programa MCMV
o Direcionado para bens duráveis.
o Linha de crédito de até 5 mil reais.
o Dado exclusivamente em cartão magnético.
o Entre as coisas obvias que pode-se comprar com essa linha de
crédito, tem duas exceções que não são tão obvias:
 Notebook
 Tablet
o Linha de crédito parcela em até 48x (tá melhor que as casas Bahia)

Enquadramento

Famílias Urbanas com renda até 1.600 reais:

 Pode conseguir o financiamento de 3 maneiras;

o Prefeitura – O programa pode prevê cotas para idoso/ pessoas com


deficiências ou mobilidade reduzida.
o Entidades Organizadoras
o Individualmente

Família Rural que ganha até 15.000 anuais

 O agricultor familiar ou trabalhador rural que possui renda familiar bruta anual
de até R$ 15.000,00, poderá obter subsídios de até R$ 25.000,00 para
aquisição de material de construção para produção da sua moradia, e de até
R$ 15.000,00 para a reforma, ampliação ou conclusão de sua casa por meio do
Programa Nacional de Habitação Rural - PNHR.
 O acesso ao programa se dá por meio de grupos de no mínimo 4 e no
máximo 50 famílias organizadas por uma entidade sem fins lucrativos ou
pelo Poder Público que apresenta a proposta à CAIXA para análise.

Família Rural que ganha entre 15.001 e 60.000

 O programa atende a todos os municípios do país e permite a compra de


material de construção para viabilizar a construção de uma casa nova ou a
conclusão/reforma e/ou ampliação da moradia já existente.
 Os recursos podem ser utilizados para financiamento da compra do material de
construção e/ou pagamento da mão de obra, com o prazo máximo de 10 anos
para pagar.

MICROCRÉDITO PRODUTIVO ORIENTADO (CRESCER)

Porque Orientado? Porque a caixa oferece uma equipe para visitar o e acompanhar o
microempreendedor.

 Serve tanto para PF como PJ


o O objetivo não é apenas montar empresas, também ser um recursos
utilizado para liquidar dívidas.
 Para poder pegar o $:
o A renda do empresário tem que ser de até 120 mil reais por ano, para
conseguir o empréstimo.
o As dívidas somadas dessa PF ou PJ, tem que ser no máximo de 40
mil, exceto crédito habitacional que não entra nessa somatória. Caso
a dívida ultrapasse esse valor, não será concedido o empréstimo.
 Recursos do micro crédito vem de:
o FAT
 Para usar os recursos do FAT, tem que ser Bancos públicos
o Captação de depósito à vista
 2% dos depósitos à vista são obrigados a serem emprestados
para o Microcrédito produtivo orientado, com exceção das
Cooperativas, as outras são:
 Bancos Múltiplos com carteira comercial
 Banco comercial
 CEF
 Valor muito pequeno máximo de 15.000
 Pode fazer até 3 empréstimos por ano
 Como é dividido as categorias para aquisição do crédito:
o Baixa renda
 Até 2 mil reais
o Microempreendedor
 Até 5 mil reais
o Microempreendedor orientado
 Até 15 mil
 Não incide IOF
o Mas, apesar de não incidir IOF, poderá ser cobrado uma T.A.C (Tacha
de abertura de crédito)

 Prazos para pagamento

o PF – tem 12 meses (1 ano)


o PJ – tem 24 meses (2 anos)

 Requisitos

o Maior de 18 anos
o Possuir conta na CAIXA
o Não possuir nome em cadastro de inadimplentes como SERASA e
SPC

PENHOR CIVIL – Exclusivo da caixa

 É uma linha de crédito


 Posse vai ficar com o banco e não é necessário registro
 Não preciso ser Cliente da CEF para realizar o penhor.
 Não precisa comprovar renda. (Claro, existe um bem real garantindo a porra
toda)
 Não há consulta ao SPC/CERASA, porque mesmo com o nome sujo,
consegue.
 O Penhor CIVIL é exclusivo da Caixa, só o Civil.
 Depois de liquidado o empréstimo, o objeto empenhado será devolvido.
 Não é permitido fornecer empréstimo por procuração, ou seja, não pode
contratar a operação, mas pode resgatar.
 Documentos necessários:

o RG/CPF/Comprovante de residência, (os mesmos para se abrir uma


conta no banco)

 Pagamento pode ser realizado em uma única vez ou em parcelas


 INCIDE IOF
 Valor da penhora pode ser de até no máximo 130% do da joia ou objeto
dado como garantia
 Prazos, mínimo 180 dias e máximo 60 meses
 Como a garantia é real, ou seja, o próprio objeto, não existe necessidade de
avalista.
 EM casa de furto da joia, o máximo que a CEF irá pagar pela joia será de 1,5
sobre o que ele foi avaliado.
 Máximo que irá poder emprestar com essa linha de crédito será 100.000
 Caso o dono esqueça e não vá buscar seu bem penhorado ao final do
empréstimo (após pagar todas as parcelas), a CAIXA guarda esse bem por 5
anos, após isso via para leilão e o $ é incorporado à caixa

LOTERICAS

 Não é sorteio exclusivo de número, temos por exemplo a LotoGol que é de


acordo com resultados dos jogos do campeonato brasileiro.
 Já existe a possibilidade de se apostar diretamente pela internet também,
através do internet banking (SOMENTE MEGA-SENA), e para clientes.
 Só maiores de 18 anos.
 Se o prêmio for de até 1.787.77 reais, paga-se nas lotéricas, caso seja acima
disso só nas agências da CAIXA.
o Se o valor for de 10 mil ou mais o banco pode postergar por mais 2 dias
para pagar
 Prazo para resgate do prêmio: 90 dias contados a partir do sorteio do
concurso.
o Caso o ganhador não vá buscar o $, ele será encaminhado 100% para
o FIES
 Bolão já é autorizado.
 Sorteios são realizados através do caminhão da sorte ou pela tv de segunda a
sexta na RedeTV

FIES

 Quem se beneficia:
o Estudantes curso de Graduação
o Estudantes cursos Tecnólogos, Mestrados, Doutorados desde que
sobre recursos.
 Responsável pela gestão e financiamento do FIES é o MEC
 Desde julho de 2013 o agente operador responsável pelo FIES é o Fundo
Nacional de Desenvolvimento Estudantil (FNDE), que é uma autarquia
vinculada ao MEC, ministério da educação.
 Agora os agentes financeiros do FIES (onde vai-se buscar financiamento) são
2
o CEF
o BB
 Renovação é semestral
 Cobre instituições não gratuitas (claro), que possuam curso superior com
avaliação positiva nos processos conduzidos pelo MEC.
 Permitido ao Estudante solicitar o FIES em qualquer época do ano (primeiro
ou segundo semestre)
 Instituição de ensino precisa fazer parte do FIES
 Quem NÃO pode participar

o Quem já ter feito FIES alguma vez na vida, ou seja, só pode uma VEZ
fazer o FIES
o Cuja matrícula esteja trancada.
o Quando a mensalidade da faculdade comprometer menos que 20% da
renda FAMILIA
o Cuja a renda familiar bruta supere 20 salários mínimos.

 Podem utilizar recursos do FIES:


o Famílias que ganham até 20 salários mínimos
o Famílias que ganham até 10 salários mínimos, o governo pode
financiar até 100% do cursos
o De 10 até 15 salários mínimos, a família podem conseguir até 75% de
financiamento.
o De 15 a 20 salários mínimos as famílias podem conseguir até 50% de
financiamento

 Prazos e financiamento:
o O FIES paga o $ do curso durante o período regular do mesmo,
passou disso, se lascou.
o Juros são pagos trimestralmente e no máximo são 50 reais, isso
durante o período do curso e durante o período de carência tb.
o Carência para poder começar a pagar após se formar é de 18 meses a
partir do mês subsequente, os juros tb são pagos trimestralmente
durante o período da carência.
o O prazo máximo para pagamento do valor do cursos após o período
de carência, é claro, são 13 anos, 3x tempo do curso mais 12 meses
 OBS: fala-se 13 anos, porque adota-se o prazo normal de um
curso superior como sendo de 4 anos, ou seja 4x3 =12 anos +
12 meses = 13 anos
 OBS: se o curso for se 6 anos, se fudeu, os prazos serão 3x4 +
12 meses, ou seja ainda 13 anos.
 De maneira geral, para se conseguir o FIES será necessário o FIADOR com
uma exceção de:
o Se o aluno for bolsista do “prouni”
o Ou caso o aluno queira cursar o curso de Licenciatura (ou seja,
passar fome)
 O FIES só funciona para cursos que adquiriram conceito 3 junto ao SINAES
o OS cursos que ainda não possuem avaliação no SINAES e que
estejam autorizados a funcionar, podem fazer parte do FIES, mesmo
ainda não tendo sua avaliação.

CORRESPONDENTE BANCÁRIOS

 São pessoas jurídicas


 Vai-se analisar se a PJ faz parte do SFN ou não, caso não faça poderá ter o
nome “Banco” associado, a cargo do julgamento do Bacen se pode ou não
pode.
 Não se faz empréstimo pelo correspondente bancário, ele apenas encaminha
 Operações de câmbio o correspondente pode “REALIZAR MESMO”, no limite
de até 3 mil dólares
 O funcionário para poder atuar nos correspondentes bancário tem que ter
uma certificação.

Quem podem ser:

 Lotéricas

o Além de vender bilhetes de lotéricas


o Fazem pagamentos
o Depósitos
o Abertura de conta corrente
o Venda d títulos de capitalização
o Recebem tributos

 Caixa aqui

o Consultas:

 Saldo Conta Corrente


 Saldo de Poupança

o Pagamentos

 Contas em geral (água/luz/telefone), no valor de até 1.000


 Tributos municipais, estaduais, carnês e similares até 1.000
 Bloquetos de cobrança bancária DA CAIXA até 1.000
 Bloquetos de cobrança de outros bancos:
 Em dinheiro até 500 reais
 Com cartão de débito da caixa, até 1.000
 Faturas no valor de 10 a 1.000
 Prestação Habitacional no valor de até 2.000
 Transferência entre contas da caixa, no valor de 5 a 1.000

o Depósitos

 Depósito em conta corrente/poupança com cartão no valor de


até 1.000

o Outros serviços:

 Receber benefícios sociais

o Venda de produtos

 Financiamentos imobiliário
 Crédito consignado
 CDC (crédito direto ao consumidor)
 Abertura de Contas
 Títulos de Capitalização
 Seguros

 Correspondente imobiliário
o Pessoas Jurídicas que encaminham as propostas de financiamento
imobiliário à CAIXA, recebendo uma comissão por isso, mas não
somente isso. Pode encaminhar outros produtos

 Responsabilidades

o Atuar como correspondente EXCLUSIVO da caixa


o E todo blá blá blá.

FGTS

 FGTS é formado por 8% em cima do salário do funcionário que o próprio


empregador deposita na conta do mesmo na CAIXA
o Todos empregadores terão que depositar até dia 7 de cada mês essa
importância
 No FGTS as contas são absolutamente impenhoráveis
 OBS: Todo mundo pode ser empregador (PJ ou PJ), mas apenas PF física
pode ser empregado (trabalhador) com fins de se receber FGTS, claro
o Com exceção de trabalhadores eventuais, autônomos e os servidores
públicos civis e militares sujeitos a regime jurídico próprio, ou seja, essa
galera não tem FGTS recolhido
o Trabalhadores domésticos poderão ter acesso ao FGTS, na forma que
vier prevista em lei.
o A empresa fica obrigada a depositar os 8% do FGTS de quem estiver
recebendo auxílio acidente ou ao jovem que for prestar serviço militar.
o Contratos de aprendizagem terão alíquota de 2%
 Para efeito desta lei, as empresas poderão equipara seu diretores “não
empregados” como se empregados fossem, ou seja. É concedido a ela o
direito de escolher se quer ou não recolher os 8% do seu quadro de diretores.
 Os empregadores são obrigados a comunica seus empregados mensalmente
sobre os depósitos realizados
 Ocorrendo rescisão do vínculo empregatício por parte do empregador, ou seja,
demissão sem justa causa ou indireta, o mesmo terá que recolher o valor de
40% sobre o que foi pago ao FTGS do empregado no período da vigência
do contrato com a empresa:
o OBS: Caso a demissão seja por justa causa, não tem que recolher
porra nenhuma, se fudeu trabalhador.
o Mas caso seja por culpa recíproca ou por força maior (desastre
natural por exemplo), o empregador terá que recolher 20% sobre as
mesmas condições de antes.
 O FGTS poderá ser movimento quando:
o Despedida Sem justa causa ou Indireta, culpa recíproca ou por motivo
de força maior:
 Lembrando: Despedida sem justa causa ou Indireta,
empregador recolhe 40%
 Despedida por culpa recíproca ou força maior, empregador
recolhe 20%
o O trabalhador poderá movimentar sua conta caso os seguintes fatos
levem a sua demissão:
 Extinção da empresa ou qualquer uma de suas filiais ou
estabelecimentos.
 Suspensão de parte de suas atividades
 Falecimento do empregador
o Aposentadoria concedida pela previdência social ABERTA
o Quando trabalhador alcançar 70 anos
o Falecimento do trabalhar, aí seus dependentes poderão movimentar a
conta, ou na falta destes, os sucessores do trabalhador falecido.
o Para pagamento de parte das prestações decorrentes de financiamento
HABITACIONAL desde que:
 O trabalhador tenha participado do regime a 3 anos, não
precisando trabalhar na mesma empresa.
 O saque do FGTS dê para pagar 12 ou mais prestações.
 E o valor sacado não pode ultrapassar 80% do montante da
prestação
 Liquidação ou amortização de saldo devedor, desde que seja
habitacional, observado condições estabelecidas pelo Conselho
Curador.
o Poderá sacar valor TOTAL para financiamento habitacional desde
que seja uma habitação do projeto social MCMV e que:
 E que tenha participado do regime, no mínimo de 3 anos, não
precisando ter trabalhado na mesma empresa
o Pode movimentar quando o trabalhador permanece 3 anos ininterruptos
fora do regime do FGTS, ou seja, desempregado ou então trabalhando
como Servidor público. Tem q ser fora do regime.
o Extinção do contrato a termo inclusive dos trabalhadores temporários,
ou seja, acredito eu que é como se fosse REDA.
o Suspenção total do trabalho avulso por um período igual ou superior a
90 dias, um exemplo o trabalhador portuário, comprovada por
declaração do sindicato da categoria.
o Quando trabalhador estiver sofrendo de Neoplasia Maligna (câncer),
HIV ou doença grave.
o Pode sacar até 50% para aplicar em fundo de ações.
o Necessidade especial, cuja urgência decorra de Desastre natural desde
que:
 O trabalhador deverá residir nas áreas comprovadamente
afetadas
 O trabalhador tem 90 dias para movimentar o dinheiro, se não o
direito é suspenso
 O máximo do valor sacado será estabelecido pelo regulamento.
o O direito de saque do FGTS para aquisição de Habitação é válido para
apenas 1 habitação, sendo vetada o saque para aquisição de outro
imóvel.
o Competirá ao Ministério do trabalho e da previdência social a
verificação, em nome da CEF, do comprimento do disposto nesta lei.
o É competência da Justiça do trabalho julgar os dissídios entre os
trabalhadores e as empresas
o A CEF poderá emitir um certificado de Regularidade do FGTS que dá a
quem receber o direito de:
 Está habilitado a participar em licitações.
 Está habilitado a pegar empréstimos com a União e os entes
federados
 Transferência de domicílio para o exterior
 Registro, arquivamento ou mudança em documentos
 Obtenção de favores creditícios, isenções, subsídios e etc

BOLSA FAMÍLIA

 Bolsa família surgiu como um benefício único para entrar no lugar de outros
vários benefícios, como bolsa alimentação, bolsa gás e etc.
 Benefícios do bolsa família
o I – Benefício Básico: Destinado a unidades familiares que se encontrem
em situação de extrema pobreza.
o II – Benefício variável, destinado a unidades familiares que se
encontrem em extrema pobreza ou pobreza, na quantidade máximo
de até 5 benefícios, e que tenham em sua composição:
 Gestantes
 Crianças entre 0 e 12 anos
 Adolescentes até 15 anos
o III – Benefício variável – vinculado ao adolescentes, destinado a
unidades familiares que se encontram em situação de extrema
pobreza ou apena pobreza e que possuam adolescentes entre 16 e
17 anos, sendo pago no limite de 2 benefícios por família.
o IV – Benefício para superação da extrema pobreza, no limite de 1 por
família, que corresponderá ao valor necessário para que a soma da
renda familiar alcança 70 reais per capita, e que cumulativamente
tenha:
 Crianças de 0 a 15 anos de idade.
 Definição de família para o programa: Quem vive debaixo do mesmo teto e
soma suas rendas para ajudar nas despesas.
 Renda familiar mensal: Somo tudo o que todo mundo que mora sob o mesmo
teto ganha e divide pelo número de pessoas que ali residem, excluídos os
rendimentos concedidos por programas oficiais de transferência de renda.
 O benefícios I, II, III, e IV podem ser acumulados, desde que não ultrapassem
o limite (teto)
 Os valores que norteiam este benefício, ou seja que definem quem está em
extrema pobreza ou é apenas pobre poderão ser majorados pelo poder
executivo
 O conselho gestor Interministerial do programa bolsa família, poderá
excepcionalizar o cumprimento dos critérios do bolsa família em caso de
Calamidade pública.
 Os benefícios serão pagos mensalmente por meio de cartão magnético
bancário fornecido pelo CEF.
 Os benefícios poderão ser pago por meio de qualquer tipo de conta aberta na
CEF
 Caso benefício seja disponibilizado erroneamente ou por falta de
movimentação, o mesmo será revertido ao programa.
 O pagamento do benefício previsto nesta lei será feito
PREFERENCIALMENTE pela mulher, ou seja não é obrigatório que seja a
mulher.
 O poder executivo pode aumentar o valor do benefício para superação da
pobreza extrema.
 Os beneficiários a partir de 14 anos poderão ter acesso a programas e cursos
de educação e qualificação profissional.
 A concessão do benefício dependerá do cumprimento, no que couber, de
condições:
o Pré natal ou acompanhamento nutricional (de gestantes)
o 85% de frequência em estabelecimentos de ensino regular para as
crianças
o 75% de frequência em estabelecimento de ensino, para os
adolescentes do inciso III, entre 16 e 17 anos.
 É Criado o órgão de assessoramento imediato do Presidente, ou seja, apenas
auxilia o presidente nas decisões
 Todas as esferas do Governo atuam juntas para dar celeridade ao Bolsa
família, Tanto união como Distrital, estadual e municipal.
 O poder executivo tem que compatibilizar o que gasta com bolsa família e o
que pode gastar.
 A execução de gestão do bolsa família são públicas e governamentais e
dar-se-ão de forma DESCENTRALIZADA, ou seja, os estados e municípios
ajudam, “descentralizadas”
 A Adesão ao bolsa família é voluntária, municípios, por exemplo, que não
queiram entrar no programa, não são obrigados.
 A união transferirá aos entes federados que aderirem ao programa, recursos
para apoio financeiro às ações de gestão e execução descentralizada.
 O montante total dos recursos que podem ser repassados para os entes
federados é de no máximo 3% por estado.
 O controle e participação social do programa serão realizados em âmbito
LOCAL, ou seja, municipal, por um conselho ou por um comitê instalado
o A função dos membros do comitê não será de nenhuma forma
remunerada.
 Fica atribuída à CEF a função de Agente OPERADOR do Programa,
mediante remuneração e condições a serem pactuadas com o Governo
Federal, obedecida as formalidades legais.
 O funcionário da Caixa responderá Dolosamente na esfera Administrativa, civil
e penal e o beneficiário Tb, claro, na esfera Pena e civil.

Política Monetária

Principal título do governo, fiscalizado pelo BACEN e tem como uma de seus
principais o, LFT (Letra financeira do tesouro):
 Títulos do governo rendem com base na taxa SELIC
 É o tesouro Nacional que possui exclusividade na emissão de títulos do
governo

O que faz o Governo emitir títulos:


 Financiamento da dívida pública
 Refinanciamento da dívida
 Dívida direta

Quando o título do governo é novo, esse título é emitido no mercado PRIMÁRIO, ao


qual o BACEN só faz a intermediação

ATENDIMENTO/ Técnicas de Venda / Marketing / Ouvidoria


ATENDIMENTO/ TECNICAS DE VENDAS

Empatia - O grau de cuidado e atenção individual que o atendente demonstra para com o
público, colocando-se em seu lugar para um melhor entendimento do problema.

Estratégia x Tática:

 Em primeiro lugar, a estratégia se refere a organização como um todo, pois.


Procura alcançar objetivos organizacionais, enquanto a tática se refere a um
de seus componentes (departamentos ou unidades) e procura alcançar
objetivos departamentais. A estratégia se compõe de muitas táticas
simultâneas e integradas entre si.
 Segundo, a estratégia se refere a objetivos situados no longo prazo, enquanto
a tática se refere a objetivos de médio prazo. Para a implementação da
estratégia são necessárias muitas táticas que se sucedem ordenadamente no
tempo.
 Terceiro, a estratégia é definida na alta administração, enquanto a tática é
responsabilidade da gerência de cada departamento ou unidade.

Etapas da VENDA segundo Kotler:

 Prospecção – Identificar e Qualificar os clientes em potencial


 Pré-Abordagem – Identificar as necessidades dos clientes.
 Apresentação e demonstração – Primeiro contato com o cliente, onde se
apresenta o produto utilizando técnicas de AIDA (obter ATENÇÂO, mantendo
INTERESSE, aumentando o DESEJO, e levando até a AÇÂO).
 Superação de objeções – Tentativa do vendedor de superar as objeções do
cliente pedindo o mesmo que explique suas dúvidas.
 Fechamento – Momento onde é realizada o fechamento da venda,
pagamento!
 Acompanhamento e manutenção – Suporte dado ao cliente, para se obter
um feedback sobre sua satisfação a respeito do produto.
 Mercado onde já atuo com a inserção de produtos já existente (PENETRAÇÂO
DE MERCADO)
 Mercado que já atuo com a inserção de um produto NOVO
(DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO)
 Mercado que não atuo ainda com a inserção de produto que já trabalho
(DESENVOLVIMENTO DE MERCADO)
 Mercado que não atuo ainda com inserção de produto novo
(DIVERSIFICAÇÃO)

Tipos de propaganda:

 Propaganda informativa - busca criar conscientização e conhecimento de


marca no caso de novos produtos ou novos recursos de produtos já existentes.
 Propaganda persuasiva - procura criar simpatia, preferência, convicção e a
compra de um produto ou serviço. EX: propagandas de cerveja,
supermercados etc.
 Propaganda de Lembrança: tenciona estimular repetição da compra de
produtos e serviços. EX: Coca-Cola, cervejas etc.
 Propaganda de Reforço: visa convencer atuais compradores de que fizeram a
escolha certa. EX: campanhas de carros que divulgam prêmios conquistados
ou pesquisas de opinião.
 Cunho Institucional: visa enaltecer e promover a imagem, reputação ou
ideias da empresa.

Marketing MIX, composto pelos 4P’s:

 Produto
 Preço
 Praça
 Promoção
Propaganda: Serve para despertar aquele desejo que você já tinha, mas não
dava atenção, dizer a todos que tal produto satisfaz plenamente suas necessidades,
sejam elas racionais ou psicológicas. Serve para construir marcas, e é ela que dá
credibilidade aos produtos e fabricantes.
Venda Direta: Sistema de comercialização baseado no contato pessoal. Empresas:
um canal de distribuição com grande potencial de expansão, devido às relações
pessoais. Consumidor: atendimento personalizado que não existe no varejo
tradicional.
Publicidade: calcada no francês publicité e proveniente do latim publicus (público),
com o sentido jurídico (ato de divulgar, de tornar público, dar publicidade aos debates).
Depois, adquiriu significado comercial: qualquer forma de divulgação de produtos ou
serviços, através de anúncios geralmente pagos e veiculados sob a responsabilidade
de um anunciante identificado. O inglês publicity (transmitir ideias ou informações de
interesse de empresas, governos, ou outras instituições), aproxima-se das atividades
ligadas à área de Relações Públicas, e é o sentido que melhor a diferencia da
propaganda.
Merchandising: é qualquer técnica, ação ou material promocional usada no ponto de
venda que proporcione informação e melhor visibilidade dos produtos, com o propósito
de motivar e influenciar as decisões de compra dos consumidores. Outdoors, placas
em padarias, ônibus, degustação em supermercados também são ações de
merchandising. Merchandising na TV, é colocar o produto no meio de uma cena de
novela, programa ou um filme. Mas a isto, os americanos dão o nome de “Product
Placement” como forma de propaganda paga.
Promoção: As ferramentas de promoção de vendas são: cupons, concursos, prêmios,
entre outras e possuem três características distintas: de comunicação - visa atrair a
atenção dos consumidores; de incentivo - visa estimular o consumo; e de convite -
objetiva convidar para uma transação imediata. Exemplos: preencher cupons em
postos de combustíveis para participar de sorteio de um carro; numa loja,
consumidores que comprarem valor superior a X Reais estão concorrendo a carros,
vales-produto e 50 Mil Reais. O Supermercado Guanabara se utiliza de um locutor que
anima as vendas nas lojas, fazendo várias promoções curtas, limitadas por tempo
(“somente nos próximos 3 minutos”) ou por quantidade (“somente até acabar o
estoque deste pallet”). Concessionárias de automóveis costumam programar “feirões”
nas próprias lojas ou em estacionamentos de shopping centers, durante um final de
semana. Todos têm como principal objetivo alavancar vendas pontualmente, e num
curto espaço de tempo.

Compra misteriosa, compra simulada ou ainda cliente oculto: As empresas


contratam pessoas para se passar por compradores potenciais, com o objetivo de
relatar pontos fortes e fracos e testar a equipe de vendas da empresa.

FATORES DETERMINANTES DA QUALIDADE DE SERVIÇO

 Confiabilidade: Habilidade de prestar o serviço exatamente como prometido.


 Capacidade de resposta (Responsividade): a disposição de ajudar os
clientes e de fornecer o serviço dentro do prazo estipulado.
 Segurança: o conhecimento e a cortesia dos funcionários e sua habilidade de
transmitir confiança e segurança.
 Empatia: a atenção individualizada dispensada aos clientes
 Itens intangíveis: a aparência das instalações físicas, dos equipamentos, dos
funcionários e do material de comunicação.
Os níveis de segmentação do mercado consumidor são:

 Demográfico - Características da população (Idade, rendimento, sexo, tamanho


da família, religião, escolaridade, ocupação)
 Geográfico - Localização física do "Target" (país, estado, cidade, região,
microrregião, densidade)
 Psicográfico - Comportamento, estilo de vida, personalidade (práticas
culturais, frequência de lojas e outros locais)
 Comportamental - Comportamento do consumidor perante o
produto, disposição para comprar, motivação e atitude (ocasião de compra,
benefícios procurados, utilização)

Cliente
 Satisfeito, expectativas atendidas.
 Mais que satisfeito, expectativas superadas.

To PULL – PUXAR – fazer com que os cliente, através de ações como propagandas,
investimentos em qualidade, venham até a empresa comprar.
TO PUSH – EMPURRAR – através de ações ativas, ir até o cliente, fazendo-o
comprar, como por exemplo com promoções, telemarketing ativo!

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

A pena que o CDC prevê, além de multa é a pena de 3 meses a 1 ano de reclusão.

OBS: Segundo entendimento do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de


Justiça, o Código de Defesa do Consumidor aplica-se às instituições financeiras.
Todavia, os juros contratados em operações de crédito, acima do percentual legal, não
são considerados abusivos, em razão da simples incidência do referido código.

CDC - Lei nº 8.078 de 11 de Setembro de 1990

§ 3º O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar:

I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste;

II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro

Art. 26 - O direito de reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil constatação caduca


em:

I - trinta dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produto não duráveis;

II - noventa dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produto duráveis.

§ 1º - Inicia-se a contagem do prazo decadencial a partir da entrega efetiva do produto


ou do término da execução dos serviços.

Publicidade ENGANOSA ---- > por AÇÃO ou OMISSÃO


Publicidade ABUSIVA ---- > DISCRIMINÁTÓRIA.
Existe um pra zo para efetuar a reclamação ?
- 30 (trinta) dias para produtos e serviços não duráveis (art. 26,I), tais como,
alimentos, reforma de roupas, etc.;
- 90 (noventa) dias, para produtos e serviços duráveis (art. 26, II), tais como:
móveis, automóveis, eletrodomésticos, etc.
Perceba que, os prazos acima, têm início com a efetiva entrega do produto
ou do término da prestação do serviço, ou seja, quando o produto chega a
sua
casa, e tem um defeito visível ou o serviço terminou de ser efetuado e foi
mal
feito, você tem 30 (trinta) ou 90 (noventa) dias para reclamar, dependendo
do
produto, isso chamamos de GARANTIA LEGAL.
Quanto aos defeitos não visíveis, também chamados de defeitos ocultos, o
prazo somente começa a contar da manisfestação do problema, ou de
quando
este é descoberto.

REDAÇÃO OFICIAL

Os pronomes de tratamento são as mesma coisa que “VOCÊ”, ou seja ou vesbos


terão que concordar com “Você”, por exemplo “Vossa excelência nomeará seu
substituto” ou seja, o “seu” concorda com o pronome de tratamento com se fosse
“Você, e concorda com o Gênero da autoridade, ou seja, “Vossa excelência deve estar
satisfeita”.

PRONOMES DE TRATAMENTO

Vossa excelência é utilizado para:

PODER EXECUTIVO

 Presidente e vice
 Governador e vice
 Ministros de estado
 Embaixadores
 Secretários de estado do governos estadual, ou seja, como se fossem os
ministros do estado
 Oficiais-Generais das forças Armadas

PODER LEGISLATIVO

 Deputados Federais e Senadores


 Conselheiros e Ministros do Tribunal de Contas da União
 Deputados estaduais e Distritais
 Presidentes das Câmeras de vereadores

PODER JUDICIÀRIO

 Ministros dos Tribunais Superiores


 Membros de tribunais
 Juízes
 Auditores da Justiça militar

O vocativo exclusivo a ser empregado em comunicações aos chefes dos Poderes


será:

 Excelentíssimo senhor Presidente da república.


 Excelentíssimo senhor Presidente do Congresso Nacional
 Excelentíssimo senhor Presidente do STF

OBS: Não se usa “Digníssimo” e “Ilustríssimo” em comunicados oficiais.


OBS: Doutor não é um pronome de tratamento, é um título acadêmico.

 Vossa Magnificência = usado para Reitores


o Vocativo: Magnífico Reitor
 Vossa Santidade = para Papas
o Santíssimo padre
 Vossa eminência ou Vossa Eminência Reverendíssima = para Cardeais
o Vocativo: Eminentíssimo Senhor Cardeal
o Eminentíssimo e Reverendíssimo senhor Cardeal
 Vossa Excelência Reverendíssima = para Arcebispos e Bispos

PADRÂO OFÍCIO

 Há 3 tipos de documentos oficiais que são do padrão ofício, o próprio ofício, o


Aviso e o memorando que adotam uma diagramação única.

Fechos para comunicação do padrão ofício:

 Respeitosamente – Para autoridades superiores, inclusive a presidenta


 Atenciosamente – Para autoridades da mesma hierarquia ou inferiores.
 Ficam excluído desse desfecho correspondências para autoridades
estrangeiras, visto que é mérito do Manual de redação do ministério do exterior

Padrão ofício: Aviso, ofício e memorando:


 Deveram conte: Tipo e número de expediente, seguido da sigla do órgão que o
expede, exemplo: (Mem. 123/2014-MF, Aviso 124/2012-SG, Of. 125/2014-MME
 Local e data em que foi assinado, por extenso, com alinhamento à direita.
Brasília, 15 de Março de 1995
 Diagramação: Letra: Times New Roman, fonte 12 no texto geral, 11 citações,
10 na notas de rodapé.
 OBS: A numeração começa a partir da SEGUNDA página.
 A impressão do texto deve ser na cor PRETA e em papel BRANCO, colorido
apenas gráficos e ilustrações.
 Todos tipos de documentos tipo ofício devem ser imprimidos em papel A4.

AVISO - Emitido apenas por ministros de estados, para autoridade de mesma


hierarquias. Ou seja, de ministro para ministro
OFÌCIO – Emitido para e pelas demais autoridades para órgãos diferentes de quem
envia. Ou seja, é um documento Externo
 Aviso e ofício tem como finalidade o tratamento de assuntos oficiais pelos
órgãos das administração pública entre si, e no caso de ofício, também com
particulares.

MEMORANDO – Comunicado entre unidades administrativas de uma mesmo órgão,


que podem estar em mesmo nível ou níveis diferentes.
 Características meramente administrativas, ou seja, exposição de projetos,
ideias, diretrizes e etc.
 Sua característica principal é a agilidade
 A diferença é que no memorando se difere, porque no seu destinatário, como é
interno, é mencionado apenas o cargo, e não o nome

EXPOSIÇÂO DE MOTIVOS – Expedido pelos ministros para o presidente da


república ou vice-presidente.
 Tem como objetivo informar, propor alguma medida

MENSAGEM – Emitido entre os presidentes dos 3 poderes (dos poderes públicos,


executivo, legislativo e judiciário)
 Objetivo de comunicação entre os 3 poderes

TELEGRAMA – Toda comunicação oficial expedida por meio de telegrafia, “telex”, etc.
 Por se tratar de uma forma de comunicação dispendiosa e ultrapassada, deve
restringir-se o seu uso apenas àquelas situações em que não seja possível o
uso de correio eletrônico ou fax.

FAX – Forma de comunicação que está sendo menos usada devido o advento da
Internet, mas é/era utilizado para transmissão de mensagens urgentes e para envio
antecipado de documentos

CORREIO ELETRÔNICO – ou e-mail, por seu baixo custo e celeridade, transformou-


se na principal forma de comunicação para transmissão de documentos.
 Um de seus atrativos é a flexibilidade, ou seja, não interessa definir forma
rígida para sua estrutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de linguagem
incompatível com uma comunicação oficial.
 Para arquivos anexados à mensagem deve ser utilizado, preferencialmente, o
formato Rich Text.
 Nos termos legais, para que o e-mail tenha valor legal (documental), é
necessário existir a certificação digital que ateste a identidade do
remetente.

SIGNATÁRIO (Quem manda a correspondência)

 Com exceção do Presidente, todas as demais comunicações oficiais devem


trazer o nome e o cargo da autoridade que a expede, o presidente(a) só
precisa assinar, nem o nome não vem escrito.
 Exemplo:

____________________________
Nome
Cargo da autoridade

OBS: Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatura em página isolada
do expediente, transfira ao menos a última frase para a ultima página.